Anda di halaman 1dari 5

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA E PRODUÇÃO


ELEMENTOS DE MÁQUINAS
PROF. DIEGO ROSA
LISTA DE EXERCICIOS – FADIGA

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PARA RESOLUÇÃO DOS EXERCICIOS DE


FADIGA

Método da Mecânica de Fraturas Linear Elástica

∆𝐾𝐼 = 𝛽(𝜎𝑚𝑎𝑥 − 𝜎𝑚𝑖𝑛 )√𝜋𝑎 = 𝛽∆𝜎√𝜋𝑎


onde ΔKI é o fator de intensidade de tensão, a é o comprimento da trinca, Δσ é
o intervalo de tensão e β é o fator de modificação da intensidade de tensão.
𝑁𝑓
1 𝑎𝑓 𝑑𝑎
∫ 𝑑𝑁 = 𝑁𝑓 = ∫
0 𝐶 𝑎𝑖 (𝛽∆𝜎√𝜋𝑎)𝑚
onde ai é o comprimento inicial da trinca, af é o comprimento final da trinca
correspondente a falha, Nf é o número estimado de ciclos requeridos para
produzir a falha após o momento em que a fissura inicial é formada, C e m são
constantes empírica.
Limite de Resistência
Para aços, a relação é
0,5𝑆𝑢𝑡 𝑆𝑢𝑡 ≤ 1400 𝑀𝑃𝑎
𝑆′𝑒 = {
700 𝑀𝑃𝑎 𝑆𝑢𝑡 > 1400 𝑀𝑃𝑎
onde Se é a resistência do corpo de prova de viga rotativa e S ut é a resistência
de tração mínima.
Resistencia a fadiga
A experiencia tem mostrado que os dados de fadiga de alto ciclo são retificados
por uma transformação logarítmica para ambos, tensão e ciclos, até a falha.
Definindo a resistência à fadiga em um número específico de ciclos como
(𝑆′𝑓 ) = 𝐸 ∆𝜖𝑒 ⁄2, escrevemos a equação
𝑁

(𝑆′𝑓 ) = 𝜎′𝐹 (2𝑁)𝑏


𝑁

Em 103 ciclos

(𝑆′𝑓 ) = 𝜎′𝑓 (2 ∙ 103 )𝑏 = 𝑓𝑆𝑢𝑡


103

em que f é a fração de Sut representada por (𝑆′𝑓 ) . Solucionando para f


103 𝑐𝑖𝑐𝑙𝑜𝑠
temos
𝜎′𝐹
𝑓= (2 ∙ 103 )𝑏
𝑆𝑢𝑡
Baseando-se nas equações 𝜎′𝐹 = 𝜎𝑜 𝜀 𝑚 , 𝑐𝑜𝑚 𝜀 = 𝜀′𝐹 . Se essa equação de tensão
verdadeira contra deformação verdadeira não for conhecida, a aproximação SAE
para aços com 𝐻𝐵 ≤ 500 pode ser usada:
𝜎′𝐹 = 𝑆𝑢𝑡 + 345 𝑀𝑃𝑎
Para encontrar b substitua a resistência à fadiga e os correspondentes ciclos, S’e
e Ne, respectivamente, resolvendo para b
log(𝜎′𝐹 ⁄𝑆′𝑒 )
𝑏=−
log(2𝑁𝑒 )

Assim, a equação (𝑆′𝑓 ) = 𝜎′𝐹 (2𝑁)𝑏 é conhecida.


𝑁

O processo para encontrar f pode ser repetido para várias resistências ultimas.
A figura abaixo é um gráfico de f para 490 ≤ 𝑆𝑢𝑡 ≤ 1400 𝑀𝑃𝑎. Para ser
conservativo, para 𝑆𝑢𝑡 < 490 𝑀𝑃𝑎, 𝑓𝑎ç𝑎 𝑓 = 0,9.
Para um componente mecânico verdadeiro, S’e é reduzido a Se, o qual é menor
que 0,5 Sut. Contudo, a menos que dados verdadeiros estejam disponíveis,
recomendamos usar o valor de f encontrado na figura. A equação para o
componente mecânico verdadeiro, pode ser escrita na forma
𝑆𝑓 = 𝑎𝑁 𝑏

em que N é o número de ciclos até falhar e as constantes a e b são definidas


pelos pontos 103 , (𝑆𝑓 ) 3 𝑒 106 , 𝑆𝑒 𝑐𝑜𝑚 (𝑆𝑓 ) 3 = 𝑓𝑆𝑢𝑡 . Utilizando esses dois
10 10
pontos temos
(𝑓𝑆𝑢𝑡 )2
𝑎=
𝑆𝑒
1 𝑓𝑆𝑢𝑡
𝑏 = − log ( )
3 𝑆𝑒
Se uma tensão completamente reversa σa for dada, colocando-se Sf = σa, o
número de ciclos até falhar pode ser expresso como
𝜎𝑎 1⁄𝑏
𝑁=( )
𝑎
Fadiga de baixo ciclo é frequentemente definida como falha que ocorre em um
intervalo de 1 ≤ 𝑁 ≤ 103 𝑐𝑖𝑐𝑙𝑜𝑠. Em um gráfico log-log, tal como na figura acima,
o lugar geométrico da falha nesse intervalo é quase linear abaixo de 103 ciclos.
Uma linha reta entre 103 , 𝑓𝑆𝑢𝑡 𝑒 1 , 𝑆𝑢𝑡 (transformada) é conservativa e é dada
por

𝑆𝑓 ≥ 𝑆𝑢𝑡 𝑁 (log 𝑓)⁄3 1 ≤ 𝑁 ≤ 103


1) A barra mostrada na figura abaixo está sujeita a um momento repetido
0 ≤ 𝑀 ≤ 135 𝑁𝑚. A barra é de aço AISI 4430 com 𝑆𝑢𝑡 = 1,28 𝐺𝑃𝑎, 𝑆𝑦 =
1,17 𝐺𝑃𝑎 𝑒 𝐾𝐼𝑐 = 81 𝑀𝑃𝑎 √𝑚. Ensaios com vários espécimes desse material com
tratamento térmico idêntico indicam, no pior caso, constantes de 𝐶 =
𝑚
114 × 10−15 (𝑚⁄𝑐𝑖𝑐𝑙𝑜)⁄(𝑀𝑃𝑎√𝑚) 𝑒 𝑚 = 3,0. Como está mostrado, um
pequeno entalhe de tamanho 0,1 mm foi descoberto na parte inferior da barra.
Calcule o número de ciclos de vida restantes.

2) Dado um aço HR 1050, calcule:


a) O limite de resistência de viga rotativa a 106 ciclos.
b) A resistência a fadiga de um corpo de prova polido de viga rotativa
correspondente a 104 ciclos até a falha.
c) A viga esperada de um espécime polido de viga rotativa sob uma
tensão completamente reversa de 385 MPa.
3) Calcule a resistência à fadiga de um corpo de prova de viga rotativa feito
de aço AISI 1020 laminado a quente para corresponder a uma vida de 12,5
kilociclos de reversão de tensão. Calcule também a vida do corpo de prova para
corresponder a uma amplitude de tensão de 252 MPa. As propriedades
conhecidas são Sut = 463 MPa, σo = 805 MPa, m = 0,22 e εf = 0,90.

4) A barra mostrada na figura abaixo está sujeita a um momento repetido


0 ≤ 𝑀 ≤ 1200 𝑙𝑏𝑓. 𝑖𝑛. A barra é de aço AISI 4430 com 𝑆𝑢𝑡 = 185 𝑘𝑝𝑠𝑖, 𝑆𝑦 =
170 𝑘𝑝𝑠𝑖 𝑒 𝐾𝐼𝑐 = 74 𝑘𝑝𝑠𝑖 √𝑖𝑛. Testes com vários espécimes desse material com
tratamento térmico idêntico indicam, no pior caso, constantes de 𝐶 =
𝑚
3,8(10−11 ) (𝑖𝑛⁄𝑐𝑖𝑐𝑙𝑜)⁄(𝑘𝑝𝑠𝑖√𝑖𝑛) 𝑒 𝑚 = 3,0. Como está mostrado, um pequeno
entalhe de tamanho 0,004 in foi descoberto na parte inferior da barra. Estime o
número de ciclos de vida restantes.