Anda di halaman 1dari 3

UTILIZAÇÃO DO GOOGLE EARTH PRO NO ENSINO DE DELIMITAÇÃO DE BACIAS

HIDROGRÁFICAS NO CURSO TECNICO EM MEIO AMBIENTE EM DIAMANTINA,


MINAS GERAIS.

SILVA, Aguinele Queiroz1; FERNANDES, Sarah Nunes2; ARAÚJO, Amanda Dias3; BARBOSA,
Guilherme E. Martins 4, OLIVEIRA, Paulo Marinho5, FERNANDES, Alysson Trindade6.
1, 2, 3, 4
Discentes. Técnico em Meio Ambiente. IFNMG; 5, 6 Docentes. IFNMG.

Resumo
O presente trabalho tem como objetivo apresentar algumas definições sobre georreferenciamento e
como estas definições foram aplicadas no projeto “Gestão Integrada das nascentes da sub-bacia
hidrográfica (SBH) do Ribeirão das Pedras: Área de Proteção Ambiental do Pau de Fruta
(Diamantina -MG) ”, em conjunto com algumas ferramentas utilizadas na delimitação de bacias e
sub-bacia hidrográficas. Como resultado final do projeto, houve a aplicação de um minicurso sobre
as ferramentas do Google Earth Pro para os alunos do curso Técnico em Meio Ambiente do
IFNMG, em Diamantina-MG.
Palavras-chave: bacias hidrográficas; georreferenciamento; Google Earth Pro; Pau-de-Fruta.

Introdução
Os mapas têm sido utilizados por séculos para representar informações espaciais, auxiliando no
entendimento das relações do ser humano com o espaço (LOPES, 2009). A compreensão de
aspectos de caráter geográfico (conflitos sobre espaço, recursos naturais, distribuição do território
entre outros) tornou-se imprescindível ao longo dos tempos, e a integração do uso de tecnologias
tem facilitado esse processo. Desde o período pré-histórico, a cartografia e os mapas desempenham
um papel importante na vida do homem, contribuindo para as decisões quando utilizada para fins de
conquista de territórios, navegação e expedições (AMADE, 2013).
A partir da década de 60, com os avanços científicos e a criação dos computadores, foi possível
produzir mapas com mais precisão e qualidade. As inovações tecnológicas facilitaram o surgimento
de áreas específicas que trabalham com a temática, e outras áreas como Geografia, Cartografia,
Matemática e Informática impulsionaram o surgimento dos Sistemas de Informação Geográficas
(SIG) (Gomes, 2006 apud AMADE, 2013). O Google Earth lançado em 2004, é um software
gratuito que combina imagens de satélite com as características do terreno para fornecer uma
imagem digital e tridimensional da superfície da Terra, com uma interface considerada de fácil
manipulação para o usuário comum e de vasto potencial de aplicação tanto para o mundo
corporativo como para fins acadêmicos (LIMA, 2012).
Sendo assim, a integração dessas tecnologias no processo de formação de profissionais como os
Técnicos em Meio Ambiente, pode proporcionar a criação de condições favoráveis ao conhecimento
do ambiente em que o mesmo está inserido, visto que a tecnologia possui capacidade de transformar
o panorama social, tornando-o mais colaborativo e participativo. Para desenvolver esse projeto, foi
escolhida a sub-bacia denominada Pau-de-Fruta, que está inserida em uma área de proteção
ambiental (APA), sendo o principal manancial de produção de água da cidade de Diamantina- MG.
As bacias hidrográficas são consideradas unidades estratégicas de produção de água, sendo as
unidades ideais para planejamento na área ambiental, apresentando características que possibilitam
estabelecer um programa de gestão sustentável dos recursos naturais. Nesta área se encontram as
nascentes do Ribeirão das Pedras, onde a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (COPASA-
MG) faz a captação de água, por meio de um barramento.
O objetivo deste trabalho é conhecer a delimitação da sub-bacia, já que a mesma tem condição
indispensável para a produção de água em quantidade e qualidade para abastecer a cidade de
Diamantina-MG.

Metodologia
A metodologia utilizada para a execução do projeto foi dividida em duas etapas: a localização e
delimitação da sub-bacia do Pau-de-Fruta, e a aplicação dos conhecimentos adquiridos pelos alunos
bolsistas do projeto PIBED, por meio da elaboração de uma apostila que auxiliará em um minicurso
ministrado para os alunos do curso Técnico em Meio Ambiente do IFNMG.
A. Localização e delimitação da sub-bacia do Ribeirão das Pedras
A área de turfeira da APA Pau-de-Fruta está inserida na Serra do Espinhaço Meridional, com
altitude média de 1350 m. A temperatura média anual é de 18,7 ºC e a precipitação média anual de
aproximadamente 1.500 mm, entre as coordenas UTM 0643763/7990533. A vegetação atual da área
é composta por Capões de Floresta Estacional Semidecidual em meio ao Cerrado (incluindo as
formações savânicas), as formações florestais (Cerradão) e formações campestres (Campos Limpos
Úmidos, Secos e Campos Rupestres) (HORAK, 2011). Para elaborar o mapa de delimitação da
bacia (Figura 1. A) utilizou-se o software Google Earth Pro, que foi desenvolvido e distribuído
gratuitamente pela empresa Google, tendo, dentre suas variadas funções, a de apresentar um modelo
tridimensional do globo terrestre, constituído a partir de um mosaico de imagens de satélites obtidas
por imagens aéreas. Desta forma, o programa pode ser usado como um gerador de mapas
bidimensionais e imagens de satélite. Diante do exposto, por meio de tal ferramenta, foi possível
identificar, delimitar e gerar um mapa temático da sub-bacia do Ribeirão das Pedras. Para melhor
exatidão na delimitação da área foram realizadas visitas para o levantamento de informações
geográficas do local, a fim de comparar com os dados observados no software.
B. Minicurso Google Earth Pro
O minicurso aplicado pelos bolsistas do projeto (Figura 1. B), foi denominado “Minicurso
introdutório sobre Google Earth Pro: Noções básicas de ferramentas de geoprocessamento e
georreferenciamento”, e teve duração de dez horas. O curso foi inteiramente voltado para os alunos
do segundo semestre do curso Técnico em Meio Ambiente (Figura 1. C). Foi elaborada ainda uma
apostila que teve por objetivo auxiliar os alunos desde o processo de download do software, até as
ferramentas comuns, como marcadores, polígonos, caminhos, régua, aba de lugares e os passos para
elaborar o mapa final contendo as características físicas de importância para a bacia.
Resultados e discussão
Após a execução do minicurso tem-se a percepção de que o software é um programa de fácil
manuseio. Com essas imagens de satélite é possível construir um mosaico com imagens de qualquer
local, e que sirva para diversas finalidades. Com as imagens de alta qualidade disponibilizadas pelo
software, podem-se observar vários elementos geográficos, como relevo, hidrografia, vegetação,
áreas urbanas e agrícolas, que para os discentes são de extrema importância.
Considerações finais
Na atualidade, percebe-se que o acesso às informações ficou mais fácil e a tecnologia está mais
avançada e próxima do usuário. As informações detalhadas nesse documento pretendem auxiliar os
usuários iniciantes a manipular a criação dos polígonos no Google Earth Pro. Dadas as informações
expostas, podem-se realizar algumas considerações acerca da utilização do programa: as imagens do
Google são de livre acesso e sua utilização é permitida mediante correta atribuição bibliográfica e
de direitos de imagem; a definição espacial das imagens e a característica de tonalidade e cor das
mesmas possibilitam a identificação de diferentes texturas, formas e sombras, consideradas
essenciais na avaliação das feições do relevo, vertentes, formas erosivas, topografia e das linhas de
cumeada; a visualização interativa em três dimensões tem facilitado a percepção do espaço
geográfico por meio da interpretação dos diversos ângulos da paisagem; e são necessários mais
estudos sobre as aplicações das imagens do Google Earth Pro em diferentes localidades, a fim de
propiciar melhores considerações sobre as potencialidades e restrições na utilização das imagens e
do software.

Agradecimentos
Agradecimentos ao IFNMG, campus Diamantina, por ceder o espaço do laboratório de informática
para realização do minicurso e pelas bolsas de extensão discente (PIBED).

Referências
AMADE, N.; PAINHO, M. Google Earth como Ferramenta Didática: Um estudo de caso numa Escola
Secundária. 2013.
HORÁK, I.; LUZ, C. F. P.; VIDAL-TORRADO, P.; SILVA, A. C. MENDONÇA FILHO, C. V. Evidências
palinológicas das variações pretéritas da vegetação e do clima na Serra do Espinhaço Meridional, Minas
Gerais, Brasil. Anais do XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário (ABEQUA). Rio de
Janeiro, 2011.
LIMA, R. N. S. Google Earth aplicado a pesquisa e ensino da Geomorfologia. Revista de Ensino de Geografia,
Uberlândia, v. 3, n. 5, p. 17-30, jul./dez. 2012.
LOPES, E. E. Proposta Metodológica para Validação de Imagens de Alta Resolução do Google Earth para a
Produção de Mapas. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa. Programa de Pós-Graduação em
Engenharia Civil. 2009.

Figura 1. Processos de elaboração do Minicurso Google Earth Pro.

A. Mapa de delimitação da bacia hidrográfica do Pau-de-Fruta. B) Apresentação do minicurso Google Earth Pro.
C) Alunos do curso Técnico em Meio Ambiente do IFNMG, em Diamantina-MG.