Anda di halaman 1dari 13

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL

ÁREA DO CONHECIMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA


DISCIPLINA ENFERMAGEM NO CUIDADO A SAÚDE DO NEONATO, DA CRIANÇA E
DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA
DOCENTE DAIANA DE OLIVEIRA PEREIRA VERGANI

Intoxicação exógena e Convulsões


Tainá Pires
Intoxicação exógena
Intoxicação exógena é o conjunto de efeitos nocivos
representados por manifestações clínicas ou laboratoriais
que revelam o desequilíbrio orgânico produzido pela
interação de um ou mais agentes tóxicos com o sistema
biológico.
Aspectos Epidemiológicos - Notificação
Fatores de Risco
As crianças, em particular aquelas com idade menor que cinco anos, estão mais expostas a intoxicação exógena devido a
sua natureza curiosidade e ao desenvolvimento motor.

Na idade de zero até seis meses de idade, o recém-nascido comunica-se com o mundo através do choro. Nesse período, as
intoxicações são decorrentes da administração de medicação ou outras substâncias por pais ou responsáveis.

Na faixa etária de um a quatro anos de idade, com o evoluir do crescimento e do desenvolvimento infantil, as crianças já
conseguem andar e demonstram agilidade, são capazes de manusear e alcançar os objetos, conduzi-los a boca é
nesses momentos de descoberta entretenimento que ocorrem os acidentes. Também nessa faixa etária as crianças se
tornam mais hábeis, conseguem abrir a maioria dos recipientes e embalagens, sua maior mobilidade lhes permite
acesso a locais onde as famílias costumam deixar medicamentos e outros objetos que constituem ameaças.

Além disso, com o crescimento infantil, os responsáveis tendem a subestimar a capacidade das crianças e podem deixar
substâncias perigosas ao alcance das mesmas.
Principais Faixas Etárias - RS

ANO 2017

Faixa Etária Notificações

< 1 ano 84

1 - 4 anos 331

5- 9 anos 73

(Ministério da Saúde/SVS - Sistema de Informação de Agravos de Notificação - Sinan Net)


Medidas Preventivas

• Identificar e analisar as atividades e situações que apresentem risco de


exposição a substâncias químicas.

• Realizar ações de vigilância de forma participativa, com o objetivo de buscar


a prevenção, a promoção e a proteção da saúde da população sob risco de
exposição.

• Promover articulação com instituições e entidades das áreas de saúde, meio


ambiente, trabalho e outras afins, no sentido de garantir maior eficiência das
ações de promoção da saúde.
Intervenções de Enfermagem

● Subsidiando a implementação de programas nas


escolas, creches, comunidades e na atenção
básica.
● Realizar um plano de assistência de enfermagem
para crianças intoxicadas.
● Orientando os pais ou responsáveis quanto ao
atendimento domiciliar da intoxicação.
Convulsões
A crise convulsiva ou convulsão ocorre devido a um
aumento excessivo e desordenado da atividade elétrica
das células cerebrais(neurônios).
Aspectos Epidemiológicos

A causa mais comum de convulsão entre


crianças de 6 meses a 5 anos é a febril.
Geralmente dura poucos minutos e cessa sem
necessidade de medicamentos específicos.
Principais Faixas Etárias

O RN é mais susceptível ao desenvolvimento de crises


convulsivas do que crianças maiores e adultos.

Devido a diversos fatores que são característicos do


período neonatal sendo um deles rápido crescimento e
desenvolvimento do sistema nervoso central (SNC).
Medidas Preventivas
● Deitar a criança evitando quedas e traumas.
● Afrouxar as roupas Observar a respiração. Proteger a cabeça da
criança com a mão, roupa ou travesseiro.
● Lateralizar a cabeça para evitar que a criança aspire saliva ou
vômito.
● Limpar as secreções que se acumulam na boca para facilitar a
respiração, porém não coloque o dedo dentro da boca da criança,
pois esta pode feri-lo. Não ofereça nada pela boca (líquidos,
remédios) no momento da crise.
Intervenções de Enfermagem

● Orientar aos pais ou responsáveis que após a convulsão a


criança pode voltar ao normal rapidamente ou ficar
sonolenta, virada de olhos, movimentação de mãos e pés,
piscar de olhos, tremores, lábios e extremidades arroxeadas.
● A pessoa que vai atender a criança deve manter-se calma.
● Orientar buscar um profissional especializado.
Referências
http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinannet/cnv/Intoxrs.def

http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2016/agosto/25/GVS-online.pd
f

http://www.epilepsiabrasil.org.br/noticias/voce-sabe-como-ajudar-durante-um
a-crise-convulsiva

http://www.jped.com.br/conteudo/01-77-S115/port.pdf

http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/1053798/DLFE-203708.pdf/Manualde
OrientacoesSMEfinaleducacaoinfantil.pdf