Anda di halaman 1dari 35

Revista de História

ISSN: 0034-8309
revistahistoria@usp.br
Universidade de São Paulo
Brasil

Ribeiro Machado, Carlos Augusto


A ANTIGUIDADE TARDIA, A QUEDA DO IMPÉRIO ROMANO E O DEBATE SOBRE O
“FIM DO MUNDO ANTIGO”
Revista de História, núm. 173, julio-diciembre, 2015, pp. 81-114
Universidade de São Paulo
São Paulo, Brasil

Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=285043516004

Como citar este artigo


Número completo
Sistema de Informação Científica
Mais artigos Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe , Espanha e Portugal
Home da revista no Redalyc Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

A ANTIGUIDADE
TARDIA, A QUEDA DO
IMPÉRIO ROMANO
E O DEBATE SOBRE
O “FIM DO MUNDO
ANTIGO”*

Contato
University of Saint Andrews - School of Classics Carlos Augusto Ribeiro Machado*
Swallowgate - Butts Wynd
Fife KY16 9AL - Saint Andrews - Escócia University of Saint Andrews
carm3@st-andrews.ac.uk Fife - Escócia - Reino Unido

Resumo
A Antiguidade tardia está hoje consolidada seja como campo de estudos ou como
um período histórico. No entanto, desde sua concepção até a sua “explosão”, para
usarmos uma expressão de Andrea Giardina, esta periodização colocou questões
historiográficas de imensa importância que permanecem pouco exploradas. Ao
chamar a atenção de estudiosos e leitores em geral para as continuidades entre o
mundo antigo e o período que o seguiu, a Antiguidade tardia deixa de lado im-
portantes questões que eram fundamentais para uma historiografia mais tradi-
cional e que continuam relevantes como o problema da assim chamada queda do
Império romano. Neste artigo, pretendemos discutir estas questões, levando em
considerações os importantes desenvolvimentos observados nas últimas décadas.
Palavras-chave
Antiguidade tardia – Império romano – historiografia.

* Este artigo foi redigido enquanto fui professor de História Antiga da Universidade de São Paulo
e é um produto das discussões e das trocas de ideias que travei com diversos amigos e colegas.
Gostaria de agradecer, assim, as sugestões e críticas de Fábio Morales, Uiran Gebara da Silva,
Norberto Guarinello e Miguel Palmeira. Gostaria de agradecer especialmente à Fundação de
Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) pelo apoio imprescindível para a redação
deste trabalho através de um auxílio regular à pesquisa recebido durante este período.
** Formado em História pela Universidade Federal Fluminense, mestre em História Econômica pela
Universidade de São Paulo e doutor em História Antiga pela Universidade de Oxford, Inglaterra.
Professor (lecturer) de História Antiga na School of Classics da Universidade de Saint Andrews, Es-
cócia. Diretor do Centro de Estudos sobre a Antiguidade Tardia da Universidade de Saint Andrews.

81
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

LATE ANTIQUITY, THE


FALL OF ROME AND
THE DEBATE OVER
THE “END OF THE
ANCIENT WORLD”

Contact
University of Saint Andrews - School of Classics Carlos Augusto Ribeiro Machado
Swallowgate - Butts Wynd
Fife KY16 9AL - Saint Andrews - Escócia University of Saint Andrews
carm3@st-andrews.ac.uk Fife - Scotland - United Kingdom

Abstract
Late Antiquity is now consolidated both as a field of studies and as a historical pe-
riod. However, from the time of its inception to its “explosion”, to use an expression
of Andrea Giardina, this periodization has posed important historiographic ques-
tions that remain unexplored. By focusing the attention of scholars and students in
general on the continuities between the ancient world and the period that follow
it, late Antiquity leaves aside issues that were of crucial importance to traditional
historians; some of these issues remain relevant, however, as in the case of the so-
called fall of the Roman Empire. In this article, we intend to consider these issues,
taking into account the important developments observed in recent decades.
Keywords
Late Antiquity – Roman Empire – historiography.

82
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

Um espectro ronda a história da Antiguidade tardia: a queda do Impé-


rio romano. O fato de que o evento político por definição, que por séculos
atraiu a atenção de historiadores (além de filósofos e teólogos), tenha se tor-
nado, nos últimos anos, um grande incômodo, é algo surpreendente e que
merece nossa atenção. Quando Arnaldo Momigliano escreveu, em 1959, a
introdução para a série de conferências que ele havia organizado no Insti-
tuto Warburg de Londres um ano antes, ele ainda podia abrir sua exposição
observando: “ainda é possível considerar uma verdade histórica o fato de que
o Império romano declinou e caiu” (grifos meus).1 Em pouco mais de uma
década, no entanto, Momigliano assistiria à implosão desse consenso, à ne-
gação dessa verdade histórica e à redução desse fato, até então de proporções
épicas, a uma mera data nas cronologias que normalmente fecham os livros
sobre esse período – isso quando o próprio fato não era negado.
A segunda metade do século XX foi marcada por uma profunda reava-
liação desse período histórico que chamamos de Antiguidade tardia, nor-
malmente identificado como se estendendo do final do século III ao final
do século VII. Essa reavaliação pode ser caracterizada como uma verdadeira
revolução historiográfica, não apenas em termos das novas fontes, dos novos
métodos e das novas abordagens adotados, mas até mesmo em termos de como
o período é entendido por seus estudiosos. Como observou Andrea Giardina,
nenhum período histórico na Antiguidade é visto atualmente de forma tão
positiva e otimista quanto os seus últimos séculos.2 A despeito disso, o início
do século XXI foi marcado pelo aparecimento de livros com títulos bom-
básticos como “A queda do Império romano”, de Peter Heather, e “A queda
de Roma e o fim da civilização”, de Bryan Ward-Perkins, respectivamente, e
à eclosão de um debate que em momentos extrapola a academia, assumindo
conotações políticas e um tom de troca de críticas pessoais entre estudiosos.3
Excessos retóricos à parte, o problema da queda do Império romano e
do fim do mundo antigo retornou ao centro do debate sobre como podemos

1
MOMIGLIANO, A. El cristianismo y la decadencia del Imperio romano. In: MOMIGLIANO, A.
(org.). El conflicto entre el paganismo y el cristianismo en el siglo IV. Madri: Alianza Editorial, 1989, p. 15.
2
GIARDINA, Andrea. Esplosione di tardoantico. Studi Storici. Roma, n. 40, 1999, p. 162.
3
HEATHER, P. The fall of the Roman Empire. Londres: MacMillan, 2005; e WARD-PERKINS, B. The fall
of Rome and the end of civilization. Oxford: Oxford University Press, 2005. Os livros foram resenha-
dos por James O’Donnell, por exemplo, que chamou os autores de “neo-cons”. Disponível em:
http://bmcr.brynmawr.edu/2005/2005-07-69.html. Para um exemplo da repercussão política
deste debate ver Illegal immigration led to the fall of the Roman Empire. The Conservative Papers, 22
janeiro 2012. Disponível em: http://conservativepapers.com/news/2012/01/22/illegal-immigra-
tion-led-to-the-fall-of-the-roman-empire/#.UeRFw41BXHQ. Acesso a ambos em: 15/07/2013.

83
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

definir e caracterizar a Antiguidade tardia, e faz-se necessário discuti-lo


aqui. É preciso considerar este debate em sua historicidade, buscando iden-
tificar os termos nos quais ele foi colocado. Como chegamos a ele, e por que
ele é tão central para nossa definição do que são a história antiga e a história
medieval? De que forma as novas abordagens desenvolvidas nas últimas
décadas levaram a ele? Qual o papel de nossas fontes em seu desenvolvi-
mento e na definição de seus contornos? É possível incorporar a problemá-
tica da “queda do Império” às novas abordagens sobre o período?
O objetivo deste artigo é discutir essas questões como forma de explo-
rar os limites e as contribuições dessa periodização. Inicialmente, preten-
do explorar alguns aspectos da gênese da ideia de Antiguidade tardia.4 A
partir daí, discutirei as implicações deste conceito para nossa periodização
da história antiga, assim como seu impacto na própria maneira como de-
finimos geograficamente esse espaço-tempo. Isso terá implicações diretas
na forma como dois conceitos-chave, “transição” e “crise”, são utilizados ou
(mais frequentemente) negados pelos historiadores, e eu pretendo discutir
essa questão colocando ênfase especialmente na problemática das “invasões
bárbaras”. Essa é a base para minha discussão final, na qual pretendo tomar o
caso da historiografia sobre as cidades e a vida cívica como fio condutor para
discutir o problema de como continuidades e rupturas se combinam para
fazer desse período algo específico, mas ao mesmo tempo parte de uma uni-
dade cronológica mais ampla, a Antiguidade. Obviamente, nenhuma destas
questões poderá ser respondida de forma definitiva, mas pretendo ao menos
apresentar alguns dos debates historiográficos mais importantes, explicitan-
do as bases sobre as quais os historiadores têm trabalhado nos últimos anos.

Um conceito e suas origens

O conceito moderno de Antiguidade tardia tem suas origens na obra


do historiador da arte Alois Riegl, especialmente em Die Spätantike Kunstin-
dustrie, de 1901. Nesta obra, Riegl observou que, longe de ser decadente, a
arte do período era produto de um gosto artístico diferente que, na ver-
dade, poderia ser comparado aos movimentos artísticos de finais do sécu-
lo XIX e início do XX, livres do peso do classicismo. A arte do final da

A melhor discussão da gênese do conceito é a de BROWN, P. et alii. The world of late Antiquity revi-
4

sited. Symbolae Osloenses. Oslo, n. 72, 1997, p. 5-90. Para uma pré-história do conceito, ver ELSNER, J.
The birth of late Antiquity: Riegl and Strzygowski in 1901. Art History. Londres, n. 25, 2002, p. 358-379.

84
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

Antiguidade podia, assim, ser associada à arte moderna, por seu potencial
de inovação e liberdade estilística.5 A identificação da Antiguidade tardia
como uma época autônoma na história da Antiguidade ganhou peso na
primeira metade do século XX, como se pode observar na obra de San-
to Mazzarino.6 Para Mazzarino, o período deveria ser entendido em sua
especificidade com um ordenamento político e social próprios, retirando
a centralidade da ideia de decadência. A importância dessa nova atitude
também foi percebida por Henri-Irenée Marrou, cujo livro sobre santo
Agostinho e a cultura de seu tempo foi revisto após sua primeira edição
com uma Retractatio (empregando o vocabulário de sua fonte) na qual Mar-
rou reconhecia o valor e a originalidade da época do bispo de Hipona.7
Pode-se dizer, no entanto, que foi The world of late Antiquity: from Marcus
Aurelius to Muhammad (estranhamente traduzido para o português como O
fim do mundo clássico – o que contradiz a essência do livro), de Peter Brown,
que definiu os contornos e a perspectiva como a historiografia posterior veio
a enxergar a Antiguidade tardia.8 O livro é parte de uma coleção dedicada à
história ilustrada da Europa, dirigida por Geoffrey Barraclough – que esco-
lheu o título e a designação do período a ser tratado. Anos mais tarde, Brown
observou que não havia lido a obra de Riegl, mas que o título proposto se
adequava ao que ele pensava.9 O livro trata do período que se estende do
reinado de Marco Aurélio (161-180) ao século posterior à ascensão do Islã (a
última data citada é 800 d. C.). Ao mesmo tempo em que reconhece impor-

5
Para uma discussão da análise de Riegl e seu impacto entre historiadores da arte, ver ELSNER,
J., 2002, op. cit., p. 361-370. Para a importância historiográfica de Riegl e seu conceito, ver, de
forma mais ampla, GIARDINA, Andrea. Esplosione di tardoantico. Studi Storici. Roma, n. 40, 1999,
p. 157-160. Foi R. Bianchi Bandinelli o primeiro a observar que o termo Spätantike/Antigui-
dade tardia derivava da obra de Riegl: BIANCHI BANDINELLI, R. Spaetantike. In: Enciclopedia
dell’Arte Antica, vol. 7. Roma: Treccani, 1966, p. 426-427. Disponível em: http://www.treccani.it/
enciclopedia/spaetantike_(Enciclopedia-dell’-Arte-Antica)/. Acesso em: 15/07/2013.
6
MAZZARINO, S. Stilicone: La crise imperiale dopo Teodosio. Milão: Rizzoli, 1942 e MAZZARINO, S.
Aspetti sociali del quarto secolo: ricerche di storia tardo-romana. Roma: L’Erma di Bretschneider, 1951.
O autor deu continuidade a estes estudos em duas obras fundamentais: MAZZARINO, S. O
fim do mundo antigo. São Paulo: Martins Fontes, 1988 (originalmente publicado em 1959) e nos
artigos reunidos em Antico, tardoantico ed èra costantiniana, 2 vol. Bari: Edizioni Dedalo, 1974.
7
MARROU, H.-I. Saint Augustine et la fin de la culture antique. Paris: E. De Boccard, 1949.
8
BROWN, P. The world of late Antiquity: from Marcus Aurelius to Muhammad. Londres: Thames and
Hudson, 1971. A edição portuguesa foi publicada pela editora Verbo, em 1972. Para o contexto
de produção intelectual e o impacto da obra, ver BROWN, P. et alii. The world of late Antiquity
revisited. Symbolae Osloenses. Oslo, n. 72, 1997, p. 5-90.
9
BROWN, P. et alii. The world of late Antiquity revisited. Symbolae Osloenses. Oslo, n. 72, 1997, p. 17.

85
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

tantes mudanças sociais e políticas, Brown enfatiza o notável grau de con-


tinuidade e vitalidade culturais. De certa forma, as teses de Henri Pirenne
em Maomé e Carlos Magno foram retomadas, ainda que de forma modificada.10
É importante ressaltar que esta concepção de Antiguidade tardia, posi-
tiva e baseada na ênfase nas continuidades, não implicou no abandono de
visões tradicionais sobre o período, preocupadas com o problema do “declí-
nio de Roma”. Podemos dizer mais: a revolução historiográfica promovida
por Brown não teria sido possível sem a publicação, em 1964, do monumen-
tal The later Roman Empire, de A. H. M. Jones, uma obra que – como o subtítulo
nos informa – oferecia um survey das instituições políticas, econômicas e
sociais do Império, e que ainda hoje permanece referência obrigatória para
todos os estudiosos do período.11 Jones sistematizou toda a informação dis-
ponível à época (especialmente através de fontes literárias e epigráficas de
diversas naturezas) em capítulos temáticos que servem como verdadeiros
guias e pontos de partida para estudiosos de temas tão diversos como o
governo, o exército e as finanças, entre outros. A publicação do LRE, como é
comumente chamado, colocou o estudo do período em novas bases, não só
pela quantidade de informações e fontes que reuniu, mas também pela sua
análise judiciosa e por suas interpretações inovadoras. Foi, como observou
o próprio Brown em uma resenha famosa, “como a chegada de uma usina
siderúrgica em uma região que havia sido, até há pouco, entregue a indús-
trias leves”.12 Para o que nos interessa, a obra de Jones foi importante por ter
liberado os historiadores para explorar novos temas, tomando como pano
de fundo um baixo império mais diverso, dinâmico e fluido do que aquele
com o qual seus predecessores haviam lidado. Partindo de novas bases, e
influenciados por desenvolvimentos no estudo de outros períodos históri-
cos e em disciplinas como a antropologia, tornou-se então possível estudar
questões ligadas à história da cultura e das religiões de uma nova forma.

10
Como o próprio Brown notou: BROWN, P. et alii. The world of late Antiquity revisited. Symbolae
Osloenses. Oslo, n. 72, 1997, p. 16-17. Brown discutiu a importância da obra de Pirenne e seus
problemas em um número especial da revista Daedalus, de 1974: BROWN, P. Mohammed and
Charlemagne by Henri Pirenne. In: Idem. Society and the holy in late Antiquity. Berkeley: University
of California Press, 1982, p. 63-79.
11
JONES, A. H. M. The later Roman Empire 284-602. A social, economic and administrative survey, 3 vol.
Oxford: Basil Blackwell, 1964. Para uma reavaliação da obra e seu impacto, veja os artigos
reunidos em GWYNN, D. (org.). A. H. M. Jones and the later Roman Empire. Leiden: Brill, 2008.
12
BROWN, P. The later Roman Empire. In: Idem. Religion and society in the age of Augustine of Hippo.
Nova York: Harper & Row, 1972, p. 49.

86
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

Um espaço-tempo? Problemas de periodização e localização

A Antiguidade tardia descrita por Brown em livros influentes teve enorme


impacto entre os historiadores, levando à consolidação de um campo intelec-
tual específico, com pesquisadores próprios, posições em departamentos de
prestígio, coleções de livros e jornais especializados. O problema, como obser-
varam diversos críticos, é que os diversos textos programáticos publicados pelo
próprio Brown e seus colegas colocam mais dificuldades do que as resolvem.13
Uma primeira questão que se coloca é: seria a Antiguidade tardia um
período histórico específico? Desde Gibbon, historiadores sempre tiveram
dificuldades em definir cronologicamente o que seria o fim da Antiguidade.
A primeira edição da Cambridge Ancient history, publicada entre 1924 e 1939,
concluía com Constantino, mas deixava a fundação de Constantinopla para
a Cambridge Medieval history. Nem mesmo o mais empedernido historiador da
política insistiria hoje na deposição do último imperador do Ocidente, o jo-
vem Rômulo, em 476, como um limite cronológico adequado – foi uma “que-
da sem ruído”, como observou Momigliano.14 O já citado Pirenne enfatizara
as continuidades entre a época de Constantino e o período merovíngio, no
que foi seguido por dois arqueólogos, Richard Hodges e David Whitehouse,
em um livro de 1983.15 Alguns anos depois, Andrea Carandini sugeriu que
o mundo antigo acabara no século II d. C. e que a Europa medieval não
nascera da “raiz viva do Império, mas do seu parque arqueológico”.16 Mais

13
Para um texto de forte caráter de manifesto, ver BOWERSOCK, Glen; BROWN, Peter; GRABAR,
André. Introduction. In: BOWERSOCK, Glen; BROWN, Peter; GRABAR, André (org.). Late Anti-
quity. A guide to the postclassical world. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1999, p. vii-xiii.
Ver também CAMERON, Averil. The Mediterranean world in late Antiquity. Londres: Routledge, 1995,
e, de forma mais explícita, CAMERON, Averil. Ideologies and agendas in late antique studies.
In: LAVAN, Luke & BOWDEN, Will (org.). Theory and practice in late antique archaeology (Late antique
archaeology 1). Leiden: Brill, 2003, p. 3-21. MARROU, Henri-Irenée. Décadence romaine or Antiquité
tardive? IIIe – VIe siècle. Paris: Éditions du Seuil, 1977, cita Brown apenas uma vez (p. 111) e deve
ser considerado o produto de um desenvolvimento independente, apesar de muito próximo.
14
MOMIGLIANO, Arnaldo. La caduta senza rumore di un Impero nel 476. In: Idem. Sesto contri-
buto alla storia degli studi classici e del mondo antico. Roma: Edizioni di Storia e Letteratura, 1980, p.
159-165. JONES, A. H. M. The later Roman Empire 284-602. A social, economic and administrative survey,
3 vols. Oxford: Basil Blackwell, 1964, p. V, justifica sua escolha do final do reino de Mauricio
(602) como marco cronológico baseado no que ele identificou como declínio irreversível do
Oriente e o quase desaparecimento de fontes contemporâneas.
15
Em WHITEHOUSE, David & HODGES, Richard. Mohammed, Charlemagne and the origins of Europe.
Ithaca: Cornell University Press, 1983.
16
CARANDINI, Andrea. L’ultima civiltà sepolta o del massimo oggetto desueto, secondo un
archeologo. In: CARANDINI, Andrea; CRACCO RUGGINI, Lellia; GIARDINA, Andrea (org.).

87
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

ou menos na mesma época, outro arqueólogo, Klavs Randsborg, sugeriu o


oposto: apesar de reconhecer que mudanças importantes ocorreram, como o
surgimento de novos centros manufatureiros e o desenvolvimento de novas
periferias, Randsborg argumentou que a cultura material mudou pouco até
cerca do ano 1000, defendendo a necessidade de se adotar uma cronologia
muito mais ampla.17 Se estou citando prioritariamente as obras de arqueó-
logos é porque mesmo historiadores concordam que as antigas periodiza-
ções baseadas em “grandes datas” não são satisfatórias, e a arqueologia tem
desempenhado um papel crucial em nossa compreensão da história social e
cultural do período.
Historiadores como Peter Brown e Averil Cameron advogam a ideia de
uma “longa Antiguidade tardia” que se estenderia do século II ao VIII. Não é
coincidência que os dois autores trabalhem principalmente com o Mediter-
râneo oriental, onde as continuidades são efetivamente mais representativas.
Seja porque menos afetadas por invasões e guerras civis ou graças a sua
maior pujança econômica, as províncias orientais do Império demonstram
grande vitalidade tanto na vida rural (como no caso das aldeias camponesas
da Síria) quanto urbana, até pelo menos o final do século VI e o início do VII,
quando a peste e as guerras bizantino-persas e, mais tarde, a expansão do
Islã representaram uma ruptura mais séria.18 Esse é um argumento frequen-
temente utilizado por autores que rejeitam a ideia de “crise” como prova de
que ela não existiu.19 Todavia, nem mesmo a continuidade institucional do
Império bizantino deve obscurecer o fato de que o Império sob Justiniano
(527-565) era muito diferente do Império sob o primeiro imperador icono-
clasta, Leão III, o Isáurio. O problema, no entanto, não reside na existência
ou não de uma crise do Mediterrâneo oriental (isto é incontroverso), mas,

Storia di Roma, vol. 3: L’età tardoantica, tomo 2: I luoghi e le culture. Turim: Einaudi, 1993, p. 16.
17
RANDSBORG, Klavs. The first millenium A. D. in Europe and the Mediterranean: An archaeological essay.
Cambridge: Cambridge University Press, 1991. Ver também RANDSBORG, Klavs. Barbarians,
classical Antiquity, and the rise of Western Europe: An archaeological essay. Past and Present.
Oxford, n. 137, 1991, p. 8-24.
18
Como argumenta WHITTOW, Mark. Decline and fall? Studying long term change in the East.
In: LAVAN, Luke & BOWDEN, Will (org.). Theory and practice in late antique archaeology (Late anti-
que archaeology 1). Leiden: Brill, 2003, p. 404-423. Ver também WHITTOW, Mark. The making
of orthodox byzantium, 600-1025. Basingstoke: Palgrave, 1996, p. 69-95. Para uma visão mais
nuançada, ver HALDON, John. Social transformation in the 6th-9th c. East. In: BOWDEN,
Will; GUTTERIDGE, Adam; MACHADO, Carlos (org.). Social and political life in late Antiquity (Late
antique archaeology 3.1). Leiden: Brill, 2006, p. 603-647.
19
Ver a resenha de O’Donnell, sobre os livros de Ward-Perkins e Heather, citada acima.

88
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

sim, de seus tempos e ritmos. Podemos assim perguntar: até que ponto uma
“crise”, caracterizada por diversos processos e elementos comuns, precisa ser
observável ao mesmo tempo e do mesmo modo em todos os lugares para ser
reconhecida como “geral”?
A redefinição geográfica da área a ser estudada é, de fato, outro aspec-
to crucial no modo como o período é definido: o foco dos historiadores se
concentra na Ásia menor e na Síria (atualmente cada vez mais no Egito), mas
a lente se amplia para incorporar regiões como o Irã e a Irlanda. Norberto
Guarinello discutiu, alguns anos atrás, aquilo que ele caracterizou como a
“forma” da história antiga (ou as formas, no plural), o modo como enqua-
dramos nossas narrativas e objetos de estudo de modo a dar-lhes coerência
e sentido – no caso, tomando o mundo mediterrâneo, grosso modo, entre os
séculos VIII a. C. e V d. C., como uma unidade concreta, um pano de fundo
e ponto de referência.20 Nesse sentido, é importante enfatizar a ruptura na
qual a ideia de Antiguidade tardia implica: trata-se de uma forma que não
corresponde à forma história antiga, quanto mais ao Império romano. Pe-
ter Brown percebera isso, ao afirmar que se poderia falar de um budismo
tardo-antigo, mas não tardo-romano.21 Mais recentemente, ele voltou a esse
problema ao discutir um grupo de livros dedicados a regiões decididamente
não romanas, mas que mantiveram contatos com o antigo Império: o Iêmen,
a Etiópia e a Ásia central. Incorporar as transformações políticas e religiosas
destas áreas é crucial para uma compreensão mais sofisticada e adequada
da história do período.22 É inegável que processos como a descolonização
da Ásia e da África, a crítica ao orientalismo e a uma visão eurocêntrica do
mundo exerceram um papel importante nessa abertura. Por outro lado, o de-
senvolvimento da arqueologia, da epigrafia e do conhecimento de línguas não
clássicas me parece ter exercido um papel ainda mais preponderante neste
processo. Afinal, tiveram árabes, etíopes e irlandeses uma Antiguidade clássi-
ca? Essa não é uma pergunta ociosa, e voltaremos a ela mais abaixo, quando
estivermos tratando das controvérsias que marcam o estudo desse período.

20
GUARINELLO, Norberto. Uma morfologia da história: As formas da história antiga. Politeia:
História e Sociedade. Vitória da Conquista, 2003, v. 3, p. 41-61.
21
BROWN, P. et alii. The world of late Antiquity revisited. Symbolae Osloenses. Oslo, 1997, n. 72, p. 17-18.
22
Em Recovering submerged worlds. The New York Review of Books, 11 julho 2013. Disponível em:
http://www.nybooks.com/articles/archives/2013/jul/11/recovering-submerged-worlds/.
Acesso em: 16/07/2013.

89
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

“Transição”, “crise” e o problema das “invasões bárbaras”

No momento, o que precisamos considerar é o fato de que a defini-


ção cronológica e geográfica do “mundo da Antiguidade tardia” coloca um
problema mais complicado, o de como podemos definir este período. Como
observou Giardina, defini-lo como uma época de transição e, ao mesmo
tempo, um período autônomo que deve ser tomado em seus próprios termos
é, antes de mais nada, uma contradição.23 Ele sugere – e aqui sua proximi-
dade com as ideias de Carandini e do grupo de estudiosos marxistas ligados
ao Instituto Gramsci nos anos 1980 é clara – que a transição ocorreu entre o
reinado de Marco Aurélio e o de Diocleciano, ou seja, durante um período
de aproximadamente 120 anos.24
Segundo essa escola interpretativa, a crise do modo de produção escra-
vista e a formação de latifundia na Itália (que já existiam em algumas pro-
víncias), paralelamente à fragilização do campesinato, levaram à progressiva
adoção de uma mão-de-obra agrícola que era juridicamente livre, porém
presa ao solo – o colonato. Essa nova instituição foi consolidada através de
uma série de leis promulgadas por Constantino e preservadas no Código
Teodosiano.25 A introdução do solidus por Constantino levou a um enorme
abismo social entre aqueles que podiam utilizar a nova moeda e aqueles
que foram relegados às denominações menores, marcando o futuro das po-
pulações camponesas.26 Paralelamente a essas transformações sociais, a crise
da economia italiana (e a interpretação desta escola é essencialmente centra-
da no caso da Itália) – decorrente da competição provincial – foi associada
à crise geral do mundo romano no século III, um período caracterizado
por problemas políticos (especialmente relativos à sucessão imperial), mas
principalmente por guerras (civis e contra invasores) e a peste. Estes não são

23
GIARDINA, A. Esplosione di tardoantico. Studi Storici. Roma, 1999, n. 40, p. 162.
24
GIARDINA, Andrea. The transition to late Antiquity. In: SCHEIDEL, Walter; MORRIS, Ian; SAL-
LER, Richard (org.). The Cambridge economic history of the Greco-Roman world. Cambridge: Cambridge
University Press, 2007, p. 743-768.
25
GIARDINA, Andrea, op. cit., 2007, p. 748-752.
26
GIARDINA, Andrea, op. cit., 2007, p. 760. Ver, sobre o solidus, também as observações de BANAJI,
Jairus. Agrarian change in late Antiquity. Oxford: Oxford University Press, 2001, p. 36-37. Para o
lugar da moeda constantiniana no sistema monetário tardo-antigo, ver agora CARLÀ, Filippo.
Il sistema monetario in età tardoantica: spunti per una revisione. Annali dell’Istituto Italiano di
Numismatica. Roma, n. 53, 2007, p. 155-218.

90
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

processos idênticos, mas que foram combinados e que levaram à formação


de uma nova sociedade e ordenamento políticos.
Note-se que a caracterização de Giardina não tem nada de esquemático
e, em nenhum momento, ele sugere que qualquer um desses processos fosse
inevitável. O que fica claro, aqui, é que a sociedade que emergiu das transfor-
mações ocorridas entre o final do século II e o final do III era profundamente
diferente daquela da época dos Antoninos. “Crise”, aqui, é entendida como um
processo de transformação das estruturas sociais fundamentais, e o próprio
Giardina observa que, na terminologia marxista, tanto “crise” quanto “transição”
podem levar a uma fase de expansão econômica, ao invés de caos e declínio.27
Deve-se salientar que existem aspectos controversos na argumenta-
ção de Giardina, especialmente na sua interpretação da legislação sobre o
colonato como um elemento central na nova formação social.28 Ao invés de
criticarem a interpretação de Giardina, no entanto, a imensa maioria dos
historiadores contemporâneos simplesmente renuncia à noção de “crise”, ob-
servando em primeiro lugar que seus indícios não podem ser generalizados,
e, em segundo lugar, denunciando-a como um juízo de valor negativo.29 Em
última análise, no entanto, o que permitiu aos tardo-antiquistas ignorar a
noção de “crise” e o uso de estruturas englobantes, como estado e sociedade,
foi o desenvolvimento de novas perspectivas históricas e, especialmente, o
impacto de correntes filosóficas pós-modernas. Isso pode ser visto no caso
de estudos sobre temas novos como a memória, por Michael Maas,30 e mes-

27
GIARDINA, Andrea. Marxism and historiography: Perspectives on Roman history. In: WI-
CKHAM, Chris (org.) Marxist history-writing for the twenty-first century (British Academy Occasional
Paper 9). Oxford: Oxford University Press, 2007, p. 27.
28
CARRIÉ, Jean-Michel. Le “colonat” du bas-Empire: un mythe historiographique? Opus. Roma,
1982, n. 1, p. 351-371. GREY, Cam. Contextualizing colonatus: the Origo of the late Roman Empire.
Journal of Roman Studies. Londres, 2007, n. 97, p. 155-175. Para uma crítica recente à teoria do
colonato e suas implicações, ver SILVA, Uiran G. Bagaudas e circunceliões: revoltas rurais e a escrita
da história das classes subalternas na Antiguidade tardia. Tese de doutoramento, USP, 2013, p. 24-27.
29
Como defende WITSCHEL, Christian. Re-evaluating the Roman West in the 3rd century. Journal
of Roman Archaeology. Portsmouth, n. 17, 2004, p. 273. Witschel realiza um extenso levantamento
da evidência disponível para o século III em todo o Ocidente romano, argumentando que
não se pode falar de um processo unificado de transformação. Para uma crítica do conceito de
crise que o reduz a um juízo de valor, ver CARRIÉ, Jean-Michel & ROUSSELLE, Aline. L’Empire
romain en mutation. Paris: Seuil, 1999, p. 90-91.
30
MAAS, Michael. John Lydus and the Roman past. Londres: Routledge, 1992.

91
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

mo na análise de temas tradicionais como as relações entre igreja e estado


no século IV, por Neil McLynn.31
No caso da obra de Maas sobre João, o Lídio, um burocrata e antiquário
que no século VI escreveu uma obra crucial sobre as magistraturas romanas
(especialmente a prefeitura do pretório), o texto é tomado como um produto
cultural de seu tempo e não como uma descrição histórica das realidades do
governo romano e do declínio de um de seus departamentos mais impor-
tantes. Assim, o que se privilegia é o modo como o passado é construído e
apropriado, deixando de lado o conteúdo factual da obra: segundo Maas, o
autor bizantino criou uma teoria do poder imperial romano a partir da qual
ele julgava o governo de Justiniano.32 Apesar de fazer uma sutil análise sobre
as relações entre igreja e estado (e religião e política) na Milão de finais do
século IV, o estudo de McLynn sobre Ambrósio, bispo de Milão, é muito mais
interessado nas formas como estas relações são culturalmente construídas e
manipuladas, e especialmente nas estratégias de autorrepresentação adota-
das pelo bispo milanês.
É importante salientar que tanto o livro de Maas quanto o de McLynn
são reconhecidamente inovadores e fundamentais para os temas que eles
estudam, e se eu os cito aqui é precisamente porque eles mostram o quanto
estas novas perspectivas têm a nos ensinar sobre o período e sociedades em
questão. Lidando com temas próximos destes autores, Gilvan Ventura da Silva
se beneficiou do avanço destas novas correntes interpretativas em seu estudo
sobre o reinado de Constâncio II (337-361). Concentrando-se em um reinado
específico, o autor faz uso da antropologia social e, especialmente, dos estu-
dos sobre a magia, para analisar não só os termos em que o poder imperial
se legitimava, mas também os seus limites e modos de atuação, contribuindo
enormemente para uma visão mais sofisticada da política nesse período.33
O risco está em se adotar perspectivas a-históricas, algo que aparece
de forma clara no livro de Christopher Kelly, Ruling the later Roman Empire, de
2004; apesar de tratar do tema mais tradicional possível, o governo, o autor
o faz de maneira inovadora, incorporando elementos da antropologia cultu-
ral e política e desfazendo as fronteiras entre estado e sociedade. Longe do

31
MCLYNN, Neil. Ambrose of Milan: Church and court in a Christian capital. Berkeley: University of
California Press, 1994.
32
MAAS, Michael. John Lydus and the Roman past. Londres: Routledge, 1992, p. 72.
33
SILVA, Gilvan Ventura da. Reis, santos e feiticeiros. Constâncio II e os fundamentos místicos da Basileia,
337-361. Vitória: Edufes, 2003.

92
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

formalismo e do institucionalismo tradicionais, que encontramos na obra de


Jones, por exemplo, o que encontramos no livro de Kelly é uma estimulante
discussão de como o acesso ao poder imperial e aos seus departamentos era
uma forma de exercer e adquirir poder na sociedade tardo-imperial.34 Isso
lhe permite não só criticar a noção de que a corrupção do governo levou à
queda do Império romano,35 mas mostrar que o pagamento por serviços e
a troca de favores eram um elemento estruturante na forma como o poder
era exercido naquela sociedade. Por outro lado, a análise de Kelly apresenta
o Estado imperial como algo praticamente imutável de Diocleciano a Justi-
niano – isso em uma época para a qual a mudança parece ter sido a maior
constante, especialmente em termos da abrangência geográfica e da capaci-
dade de se financiar deste Estado.
O problema pode ser colocado da seguinte forma: por um lado, as no-
vas abordagens “tardo-antiquistas” trouxeram grandes avanços para nossa
compreensão das sociedades que estudamos, mostrando que, se houve uma
crise, esta não abarcou todos os aspectos da vida dos contemporâneos e se
manifestou em tempos e lugares diferentes. Por outro lado, se decidirmos
considerar a Antiguidade tardia como um período a ser entendido em seus
próprios termos, precisamos também esclarecer quais foram os processos
históricos que permitiram que esse período fosse diferente do que o prece-
deu – e nesse caso simplesmente apontar continuidades como um meio de
negar a crise não basta. Ou seja, estamos falando de uma época “em si”, de
uma época “de transição”, ou de uma fase específica da história antiga, dife-
rente, mas marcada pela continuidade?
O impacto do linguistic turn e da história e antropologia culturais não
se faz sentir apenas no modo como definimos a Antiguidade tardia qua pe-
ríodo histórico, mas também na maneira como avaliamos os elementos que
a caracterizam. Isso pode ser apreciado – tanto em seus aspectos positivos
quanto negativos – na discussão contemporânea sobre as outrora chamadas
“invasões bárbaras”.36 Enquanto para um historiador como André Piganiol
restavam poucas dúvidas de que Roma fora assassinada pelos invasores ger-
mânicos,37 o debate atual é muito mais sofisticado e frequentemente coloca-

34
KELLY, Christopher. Ruling the later Roman Empire. Cambridge, MA: Harvard University Press, 2004.
35
Uma tese explicitamente afirmada na obra de MacMULLEN, Ramsay. Corruption and the decline
of Rome. New Haven: Yale University Press, 1988.
36
Para uma avaliação equilibrada das questões que seguem, ver GASPARRI, Stefano & LA ROCCA,
Cristina. Tempi barbarici. L’Europa occidentale tra Antichità e Medioevo (300-800). Roma: Carocci, 2012, p. 63-92.
37
Parafraseando PIGANIOL, André. L’empire chrétien. Paris: Presses Universitaires de France, 1947, p. 466.

93
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

do em termos que teriam feito um historiador francês da primeira metade


do século XX se assustar (o que não é necessariamente ruim!). Até a metade
do século XX, as invasões eram descritas como “ondas”, representadas grafi-
camente por flechas coloridas identificando os diversos grupos germânicos
que penetraram o Império. Gustaf Kossinna havia demonstrado como a ar-
queologia podia identificar as culturas materiais dos grupos étnicos descritos
pelos autores romanos, e os historiadores podiam se utilizar de textos como as
cartas e os comentários de Jerônimo a Daniel, Isaías e Ezequiel, compostos entre
407 e 410, para enriquecer sua narrativa como Pierre Courcelle o havia feito.38
Essa visão foi vigorosamente criticada nos últimos anos por estudiosos
como Walter Pohl, Florin Curta e Patrick Geary. Curta faz uso do conceito
de etnogênese para demonstrar que é impossível identificar grupos étnicos
a partir da cultura material. “Romanos”, “francos”, “vândalos” e “alanos” são
categorias construídas e constantemente redefinidas, em parte por autores
(e autoridades imperiais) romanos e em parte pelos grupos que eles des-
crevem. Etnias são construções socioculturais, estratégias de identificação e
distinção que permanecem abertas e cambiantes.39 Pohl, por sua vez, obser-
vou de maneira contundente a inaplicabilidade das “etnografias” produzidas
por autores romanos no estudo dos “povos bárbaros”, indo mais além e
enfatizando a profunda integração entre romanos e outros povos.40 Patrick
Geary incorporou outra variável, política, a essa problemática, observando
que os líderes dos grupos que se estabeleceram em áreas imperiais logo
eram cooptados pelo jogo político das autoridades e da corte, às vezes com
consequências catastróficas como no caso dos godos nos Bálcãs, em 375. Aí, a
incompreensão das elites romanas lidando com um grupo assentado, porém
ainda armado, levou à derrota imperial em Adrianopolis em 378. Mais tarde,
esse mesmo grupo formou os visigodos que, liderados por Alarico – um líder
frequentemente envolvido em políticas imperiais –, tomaram Roma em 410

38
COURCELLE, Pierre. Histoire littéraire des grandes invasions germaniques. Paris: Hachette, 1948, p. 29.
Para Kossinna, ver CURTA, Florin. Some remarks on ethnicity in medieval archaeology. Early
Medieval Europe. Londres, n. 15, 2007, p. 160-161.
39
CURTA, Florin, op. cit., 2007, p. 160-161; ver também GASPARRI, Stefano & LA ROCCA, Cristina.
Tempi barbarici. L’Europa occidentale tra Antichità e Medioevo (300-800). Roma: Carocci, 2012, p. 83-88.
40
POHL, Walter. Romans and the Barbarians in the fifth century. Antiquité Tardive. Turnhout, n.
16, 2008, p. 93-100. O uso de etnografias antigas como chave para o estudo de grupos não
romanos foi objeto de críticas de JONES, Sian. The archaeology of ethnicity. Londres: Routledge,
1997, e, mais recentemente, de WOOLF, Greg. Tales of the Barbarians. Oxford: Blackwell, 2011.

94
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

e saquearam o sul da Itália até se assentarem na Gália na década seguinte.41


É interessante observar que, no caso desses três autores, os “bárbaros” que
antes eram vistos como elementos externos e destruidores do mundo an-
tigo se tornaram um objeto de estudo central para nossa compreensão da
Antiguidade tardia, o que pode ser visto como uma consequência indireta
daquela ampliação do foco dos historiadores de que falamos acima.
Arqueólogos como Philipp von Rummel e Paul Van Ossel têm chamado
a atenção para o quanto é problemático associar invasões bárbaras a as-
sentamentos pobres e sinais de destruição. Von Rummel mostrou que não
existem traços arqueológicos de destruição causada pelos vândalos no norte
da África, apesar dos relatos catastróficos que encontramos em um sermão
de Quodvultdeus (De tempore barbarico II, 5.5), por exemplo.42 Van Ossel tem
demonstrado que os assentamentos muito pobres do norte da Gália, tradi-
cionalmente identificados como bárbaros, são mais provavelmente aldeias
camponesas, confirmando o caráter invisível das populações invasoras – ao
menos no registro arqueológico.43
O maior debate, no entanto, se dá em torno da própria noção de inva-
são. Walter Goffart procurou caracterizar o processo de instalação de po-
pulações bárbaras como uma “acomodação”. Quando grupos não-romanos
adentraram o Império, na segunda metade do século IV, logo foram coopta-
dos como elementos da política imperial, causando um impacto mínimo nas
regiões onde se instalaram. Honório, por exemplo, estaria mais preocupado
com usurpações do que com invasores, e usou os visigodos como forma de
influir nos acontecimentos na Gália, na década após o saque de Roma.44 Guy
Halsall, em diversas publicações, chamou a atenção para o fato de que as zo-

41
GEARY, Patrick. Barbarians and ethnicity. In: BOWERSOCK, Glen; BROWN, Peter; GRABAR,
André (org.). Late Antiquity. A guide to the postclassical world. Cambridge, MA: Harvard University
Press, 1999, p. 114-115 e 119-120 (para godos e visigodos).
42
VON RUMMEL, Philippe. The archaeology of 5th century Barbarians in north Africa. In: DE-
LOGU, Paolo & GASPARRI, Stefano (org.). Le trasformazioni del V secolo. L’Italia, i barbari e l’Occidente
romano. Turnhout: Brepols, 2010, p. 159.
43
VAN OSSEL, Paul. Rural impoverishment in northern Gaul at the end of Antiquity: the con-
tribution of archaeology. In BOWDEN, Will; GUTTERIDGE, Adam; MACHADO, Carlos (org.).
Social and political life in late Antiquity (Late antique archaeology 3.1). Leiden: Brill, 2006, p. 533-
565. Von Rummel também observou a dificuldade de identificar assentamentos de vândalos
no norte da África: VON RUMMEL, Philippe. The archaeology of 5th century Barbarians in
north Africa. In DELOGU, Paolo & GASPARRI, Stefano (org.). Le trasformazioni del V secolo. L’Italia,
i barbari e l’Occidente romano. Turnhout: Brepols, 2010, p. 159-160.
44
GOFFART, Walter. Barbarians and Romans A. D. 418-584: The techniques of accommodation. Princeton:
Princeton University Press, 1980.

95
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

nas onde os povos bárbaros se instalaram eram áreas onde o poder imperial
havia colapsado e que isso era uma forma de manter a ordem.45
Halsall está coberto de razão quando afirma que muitas das lideran-
ças germânicas eram bastante integradas a corte e sociedade romanas. Mais
ainda quando recusa a ideia de que os grupos que conhecemos através das
fontes escritas, como os visigodos de Alarico, possam ser identificados como
grupos étnicos ou mesmo tribos: eram grupos de guerreiros não-romanos,
cuja identidade estava em constante reconstrução.46 As diferenças entre Ala-
rico (o saqueador de Roma) e Estilicão (general que por duas décadas gover-
nara o Ocidente), e entre os bárbaros que os seguiam, eram mais de grau do
que de natureza, e a campanha de difamação movida contra Estilicão após
sua queda em 408 mostra isso; o fato de que seus soldados passaram para o
lado de Alarico em seguida o confirma.47
Mesmo nossas fontes literárias mais ricas para os eventos de 406 na
Gália, os comentários e cartas de Jerônimo mencionados acima, colocam
problemas de interpretação. Stefan Rebenich observou que, ao tratar desses
eventos dos quais ouviu falar durante sua estada na Palestina, Jerônimo pro-
curou apresentá-los como parte de uma reflexão histórica e teológica mais
ampla, e não simplesmente em descrevê-los. Além de seus relatos serem
confusos, misturando povos, personagens e datas, seus modelos literários
são Tito Lívio e o saque gaulês de Roma, Virgílio e o Antigo Testamento.48 Ou
seja, não é mais possível ler nossas fontes de maneira ingênua, sem prestar
atenção não só às suas inconsistências internas e às intenções de seus auto-
res, mas também aos seus modelos literários.
Isso não quer dizer que devamos abandonar a ideia de que as invasões
aconteceram e que tiveram consequências, por vezes dramáticas. Contra os
argumentos de Halsall, Peter Heather observou que, em 408, Radagaiso in-
vadiu a Itália em um momento em que a corte não estava distraída por Ala-
rico ou pelo Oriente (ao contrário de 406), e o bárbaro que tanto aterrorizara

45
HALSALL, Guy. The Barbarian invasions. In: FOURACRE, Paul (org.). The new Cambridge medieval
history, vol. 1, c. 500-c. 700. Cambridge: Cambridge University Press, 2005, p. 49.
46
Suas ideias são apresentadas de maneira mais extensa em HALSALL, Guy. Barbarian migrations
and the Roman West, 376-568. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.
47
Ver a narrativa de Zósimo, 5.35.1-6.
48
REBENICH, Stephen. Christian asceticism and Barbarian incursion: The making of a Christian
catastrophe. Journal of Late Antiquity. Baltimore, n. 2, 2009, p. 49-59.

96
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

Orósio foi devidamente derrotado.49 Ou seja, quando o Império se encontra-


va em condições de se defender, ele o fazia. A perda de territórios teve um
impacto poderoso na base fiscal do Império, como observou Chris Wickham
em 1984.50 A retirada das tropas e a retração do governo imperial também
tiveram um impacto significativo para as populações do Império na parte
ocidental. Como observou Ward-Perkins, no final do século V, a cultura ma-
terial das ilhas britânicas havia involuído para níveis de complexidade e so-
fisticação inferiores aos dos séculos anteriores à conquista romana, abando-
nando o uso de moedas, do torno mecânico para a produção de cerâmica e
das cidades como forma de assentamento.51 Se, por um lado, não havia uma
oposição clara e rigidamente definida entre romanos e bárbaros (mesmo a
ideologia era flexível), por outro lado, as invasões tiveram um efeito real
na estrutura social e política da época. Pode-se argumentar que, segundo a
perspectiva geográfica mais ampla advogada por Brown e seus seguidores,
a história do Império precisa ser reavaliada em conjunto com a história dos
povos vizinhos que também fizeram parte da Antiguidade tardia. Por outro
lado, essa nova história, mais ampla, ainda precisa lidar com a ideia de que o
Império caiu, ao menos no Ocidente, e que as “invasões bárbaras” exerceram
um papel importante nesse processo.

Entre rupturas e continuidades:


a cidade na Antiguidade tardia

O problema, assim, não é decidir se estamos lidando com um período


de rupturas ou continuidades: todos os períodos históricos são marcados
por rupturas e por continuidades. O problema reside em entender como é
que estes elementos foram combinados, levando em conta o fato de que esta
combinação variou de acordo com a região que estudamos e com o passar do
tempo. Isso pode ser melhor considerado quando pensamos no caso da evo-
lução das cidades – entendidas como forma de organização social e política

49
HEATHER, Peter. Why did the Barbarians cross the Rhine?. Journal of Late Antiquity. Baltimore,
n. 2, 2009, p. 20.
50
WICKHAM, Chris. The other transition: From the ancient world to feudalism. Past and Present.
Londres, n. 103, 1984, p. 16. Wickham retoma esta mesma ideia em The inheritance of Rome. A
history of Europe from 400 to 1000. Londres: Penguin, 2010, p. 83.
51
WARD-PERKINS, Bryan. Specialized production and exchange. In: CAMERON, Averil; WARD-
-PERKINS, Bryan; WHITBY, Michael (org.). The Cambridge ancient history, v. 14: Late Antiquity and
its successors, A. D. 420-600. Cambridge: Cambridge University Press, 2000, p. 350-352.

97
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

no espaço – durante a Antiguidade tardia. Seria impossível discutir esse tema


de forma extensa e detalhada aqui, mas podemos ao menos observar o modo
como o problema é colocado por diversos estudiosos, e procurar apreender
as linhas de força mais gerais que caracterizam esta discussão.
Durante toda a Antiguidade, as cidades permaneceram sendo a forma
mais característica – pode-se dizer definidora – de assentamento, de ocupa-
ção do espaço e de organização social. Este aspecto se torna ainda mais rele-
vante quando se considera que, nos séculos seguintes, cidades continuaram
a ser importantes, mas em uma escala diversa e exercendo funções diferen-
tes.52 O “fim da cidade antiga”, ou seja, o declínio de um tipo de organização
baseado na relativa autonomia política e financeira, governada por assem-
bleias populares e conselhos formados por membros da elite, e que se ma-
terializava fisicamente em espaços públicos financiados ao menos em parte
pelas elites locais, é um tema que atraiu enorme atenção nos últimos anos.53
Jones, no Later Roman Empire, utilizou-se de textos legislativos e inscrições
para argumentar que esse declínio foi causado pelo crescimento do peso
administrativo e fiscal do Estado imperial sobre as cidades, ocasionando o
que a historiografia costumava chamar de “fuga dos decuriões”.54 Grosso modo,
as elites tradicionais que haviam financiado e liderado a vida cívica antiga
se recusaram cada vez mais a assumir o peso da administração e governo
citadinos, levando ao declínio das instituições políticas e de formas de rela-
ção social que eram fundamentais para o funcionamento da “cidade antiga”.
O processo não foi assim tão simples e Jones estava ciente disso. Seu
aluno J. H. W. G. Liebeschuetz (que preparou o index analítico do LRE) pu-
blicou em 1972 sua tese sobre Antioquia no século IV, mostrando que, ao

52
Um bom ponto de partida para o lugar das cidades no alto Medievo é WICKHAM, Chris. Fra-
ming the early Middle Ages. Europe and the Mediterranean, 400-800. Oxford: Oxford University Press,
2005, p. 591-692. As discussões recentes sobre o lugar das cidades na sociedade e especialmente
economia do alto Medieval, muito influenciadas pela arqueologia, se concentram no seu papel
comercial: ver os artigos reunidos em GELICHI, Sauro & HODGES, Richard (org.). From one sea
to another: Trading places in the European and Mediterranean early Middle Ages. Turnhout: Brepols, 2012.
53
Para uma excelente discussão do papel das cidades no Império, ver CRACCO RUGGINI, Lellia.
La città imperiale. In: Storia di Roma, v. 4: Caratteri e morfologie. Turim: Einaudi, 1989, p. 201-266.
54
JONES, A. H. M. The later Roman Empire 284-602. A social, economic, and administrative survey, 3 vol. Oxford:
Basil Blackwell, 1964, p. 712-766. Para uma avaliação crítica (especialmente do ponto de vista da
arqueologia) do que Jones escreveu, ver LAVAN, Luke. A. H. M. Jones and “The cities”, 1964-2004.
In: GWYNN, David (org.). A. H. M. Jones and the later Roman Empire. Leiden: Brill, 2008, p. 167-192.

98
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

menos no Oriente, cidades floresceram durante este período.55 Isso foi con-
firmado pelos trabalhos de Clive Foss sobre Sardis e Éfeso.56 Para o Ocidente,
Ward-Perkins estudou o processo de mudança urbana na Itália central e se-
tentrional entre 300 e 800, mostrando a presença de duas dinâmicas: por um
lado, as elites locais e imperiais deixaram progressivamente de investir em
estruturas clássicas, como termas e basílicas. Por outro lado, investiram cada
vez mais nos espaços públicos que ainda eram significativos, especialmente
igrejas.57 O estudo fundamental (porque mais abrangente) para o Ocidente,
no entanto, foi o de Claude Lepelley, sobre as cidades da África romana.58
Partindo de um vasto corpus epigráfico e literário, Lepelley mostrou uma
impressionante continuidade das instituições cívicas e – igualmente impor-
tante – do orgulho citadino.
O progresso das técnicas arqueológicas e, especialmente, um interesse
maior pela estratigrafia de fases mais recentes mostram que, em diversas áre-
as do Império, cidades continuaram a ser embelezadas e seus centros cívicos
continuaram a ser restaurados.59 Uma maior atenção à epigrafia tardo-antiga
também representou um progresso importante. A publicação de Aphrodisias in
late Antiquity, por Charlotte Roueché (agora online), contribuiu para confirmar
a continuidade de instituições e práticas cívicas clássicas em uma importan-
te cidade da Cária na Turquia.60 O caso de Aphrodisias é paradigmático: um
sítio bem preservado e cuidadosamente escavado, no qual diversas fases da
história da cidade, desde o final do período republicano, vêm sendo cuidado-

55
LIEBESCHUETZ, Johann. H. W. G. Antioch: City and imperial administration in the later Roman Em-
pire. Oxford: Oxford University Press, 1972. Ele foi precedido por PETIT, Paul. Libanius et la vie
municipale à Antioche au IVe siècle aprés J.-C., Paris: Presses Universitaires de France, 1955. Note-se
que a importância de Antioquia neste debate vem do fato de que boa parte dos escritos de
Libânio, um membro da elite local, sobreviveram.
56
FOSS, Clive. Byzantine and Turkish Sardis. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1976; e Ephesus
after Antiquity. Cambridge: Cambridge University Press, 1979.
57
WARD-PERKINS, Bryan. From classical Antiquity to the early Middle Ages. Urban public building in
norther and central Italy, A. D. 300-800, Oxford: Oxford University Press, 1984.
58
LEPELLEY, Claude. Les cités de l’Afrique romaine, vol. 1: La permanence d’une civilisation municipale.
Paris: Études Augustiniennes, 1979. Um segundo volume, reunindo as fontes, foi publicado em 1981.
59
A melhor e mais completa discussão permanece sendo a de LAVAN, Luke. Fora and agorai in
Mediterranean cities during the 4th and 5th c. A. D. In: BOWDEN, Will; GUTTERIDGE, Adam;
MACHADO, Carlos (org.). Social and political life in late Antiquity (Late antique archaeology 3.1).
Leiden: Brill, 2006, p. 195-249.
60
Disponível em: http://insaph.kcl.ac.uk/ala2004/. Acesso em: 18/07/2013.

99
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

sa e sistematicamente publicadas.61 Além de bem preservadas, as estruturas


publicas da cidade revelaram-se ricas em inscrições e decoração escultórea, o
que permitiu a R. R. R. Smith reconstruir diversos conjuntos estatuários com
suas bases inscritas.62 Isso não significa que não tenham ocorrido mudanças
importantes: o estádio, apesar de bem preservado e provavelmente ainda em
uso, fora incorporado à muralha da cidade, construída no século IV, e o fa-
moso templo de Afrodite, que dera o nome à cidade, foi convertido em uma
igreja dedicada à Virgem Maria.63 Enquanto em 1967 Dietrich Claude publi-
cou seu monumental Die Byzantinische Stadt im 6. Jahrhundert, descrevendo as
decadentes instituições cívicas da cidade clássica, 30 anos mais tarde, Franz
Alto Bauer dedicou seu Stadt, Platz und Denkmal in der Spätantike à análise das
obras públicas realizadas em Roma, Constantinopla e Éfeso, argumentando
que o restauro de estruturas públicas podia ser lido como sinal de orgulho
cívico e autopromoção de imperadores e membros das elites locais.64 No
caso das cidades, como em outros campos da Antiguidade tardia, a ênfase
na continuidade e a adoção de uma perspectiva mais otimista se tornaram
a tônica. A “queda do Império romano” tornou-se, assim, um elemento des-
necessário, e a interpretação de Jones sobre a fuga dos decuriões, obsoleta.
Esse quadro começou a ser revisto a partir de finais dos anos 1990. War-
d-Perkins chamou a atenção para o fato de que – apesar de toda a evidência
para a manutenção e restauro que vinha sendo publicada por arqueólogos
e epigrafistas – diversas cidades do Ocidente apresentam indícios de aban-

61
O primeiro relatório, que também apresenta a história das escavações até sua fase moderna, é
ERIM, Kenan. De Aphrodisiade. American Journal of Archaeology. Boston, n. 71, 1967, p. 233-243. Erim
publicou uma síntese antes de falecer prematuramente: ERIM, Kenan. Aphrodisias, city of Venus
Aphrodite. Londres: Muller, Blond and White, 1986. Relatórios periódicos são publicados pelos
atuais diretores das escavações, R. R. R. Smith e C. Ratté, no American Journal of Archaeology; e o Journal
of Roman Archaeology publicou uma série de volumes suplementares com o título Aphrodisias papers.
62
SMITH, Roland. R. R. Late Antique portraits in a public context: Honorific statuary at Aphro-
disias in Caria, A. D. 300-600. Journal of Roman Studies. Londres, n. 89, 1999, p. 155-189. Mais
recentemente: Idem. Statue life in the Hadrianic baths at Aphrodisias, A. D. 100-600: Local
context and historical meaning. In: BAUER, Franz Alto & WITSCHEL, Christian (orgs.). Statuen
in der Spätantike. Wiesbaden: Reichert Verlag, 2007, p. 203-235.
63
Ver SMITH, Roland. R. R. & RATTÉ, Christopher. Archaeological research at Aphrodisias in
Caria, 1994. American Journal of Archaeology. Boston, n. 100, 1996, p. 20-21. Para o templo de
Afrodite, ver CORMACK, Robin. Byzantine Aphrodisias: changing the symbolic map of a city.
Proceedings of the Cambridge Philological Society. Cambridge, n. 216, 1990, p. 26-41.
64
CLAUDE, Dietrich. Die Byzantinische Stadt im 6. Jahrhundert. Munique: Beck, 1967. BAUER, Franz
Alto. Stadt, Platz und Denkmal in der Spätantike: Untersuchungen zur Ausstatung des öffentlichen Raums
in den spätantiken Städten Rom, Konstantinopel und Ephesos. Mainz: von Zabern, 1996.

100
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

dono de áreas públicas e de estruturas públicas e conversão de estruturas


cívicas para novos usos.65 Nem mesmo Roma, a antiga capital imperial e ain-
da maior cidade do Mediterrâneo, escapou dessa evolução: partes da cidade
foram abandonadas ou perderam sua função monumental (como é o caso da
Crypta Balbi, por exemplo), enquanto alguns poucos centros permaneceram
foco de investimento por parte das autoridades, como o Fórum romano.66
Esse processo já era visto no caso das cidades ocidentais no século IV, e se
intensificou no século V. No caso do Oriente, ele se torna mais visível nos
séculos VI e VII.67 Esse processo de “valorização seletiva” (e, em um segundo
momento, de “declínio controlado”) é de suma importância para que possa-
mos compreender a evolução das cidades durante esse período. Autores que
tomam indícios de restaurações como sinal de continuidade correm o risco
de ignorar o quadro mais geral de mutações importantes.
Em seu famoso (e já citado) artigo de 1993, Carandini observou (ou
relembrou) que continuidade de sítio não implica necessariamente em con-
tinuidade social: uma sociedade pode mudar, mesmo habitando as mesmas
estruturas.68 Essa é a mesma perspectiva de Liebeschuetz em seu Decline and
fall of the Roman city (uma clara alusão à obra de Gibbon) de 2001.69 Como
Ward-Perkins, Liebeschuetz argumenta que os restauros seletivos e as no-
vas construções, especialmente igrejas, estão ligados ao desenvolvimento de
uma nova sociedade, na qual a comunidade cívica clássica deu lugar à co-
munidade cristã. As cidades se transformavam fisicamente, ao mesmo tempo
em que as sociedades que nelas viviam também se transformavam.

65
O problema foi identificado em WARD-PERKINS, Bryan. Continuists, catastrophists, and the
towns of post-Roman northern Italy. Papers of the British School at Rome. Londres, n. 65, 1997, p.
157-176; foi retomado em WARD-PERKINS, Bryan. The cities. In: GARNSEY, Peter & CAMERON,
Averil (org.). The Cambridge ancient history, vol. XIII: The late Empire, A. D. 337-425. Cambridge:
Cambridge University Press, 1998, p. 382.
66
Para a refuncionalização e abandono progressivo da Crypta Balbi, ver MANACORDA, Daniele.
Crypta Balbi. Archeologia e storia di un paesaggio urbano. Milão: Electa, 2001, p. 44-45. Para o Forum
romano, ver MACHADO, Carlos. Building the past: Monuments and memory in the Forum
Romanum. In: BOWDEN, Will; GUTTERIDGE, Adam; MACHADO, Carlos (org.). Social and political
life in late Antiquity (Late antique archaeology 3.1). Leiden: Brill, 2006, p. 157-192.
67
Como observa LIEBESCHUETZ, Johann. H. W. G. The decline and fall of the Roman city. Oxford:
Oxford University Press, 2001, p. 43, para a Anatólia.
68
CARANDINI, Andrea. L’ultima civiltà sepolta o del massimo oggetto desueto, secondo un
archeologo. In: CARANDINI, Andrea; CRACCO RUGGINI, Lellia; GIARDINA, Andrea (org.).
Storia di Roma, vol. 3: L’età tardoantica, tomo 2: I luoghi e le culture. Turim: Einaudi, 1993, p. 15.
69
LIEBESCHUETZ, Johann. H. W. G. The decline and fall of the Roman city. Oxford: Oxford University Press, 2001.

101
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

Este processo também foi discutido por Peter Brown que analisou a
substituição das elites tradicionais pelas lideranças cristãs.70 No entanto, ao
invés de enfatizar a “fuga dos decuriões”, como Jones, ou o “declínio da
cidade romana”, como Liebeschuetz, Brown enfatiza a continuidade, argu-
mentando que as novas elites eclesiásticas comungaram dos mesmos ideais
e formação cultural das elites seculares do século IV (em grande medida
já cristianizadas, ao menos no Oriente) – a paideia, um conjunto de valores
transmitidos através da educação formal, no qual a retórica e os ideais cul-
turais clássicos exerciam um papel central.71
O problema com a perspectiva de Brown é que ela enfatiza uma (efeti-
va) continuidade das formas culturais em detrimento de uma imensa trans-
formação social. Os trabalhos de Liebeschuetz e Avshalom Laniado mostra-
ram que o governo das cidades não passou imediatamente para os bispos,
mas, sim, para os principales, uma elite extremamente rica com contatos na
corte imperial e cuja posição política e econômica prescindia das tradicio-
nais estruturas cívicas – os maiores beneficiários das consequências das po-
líticas econômicas de Constantino, discutidas acima.72 Recentemente, Luke
Lavan criticou essa perspectiva, observando que só é possível descrever
estes processos como “declínio” se tomarmos como ponto de partida uma
concepção liberal do que seria a cidade-antiga “clássica”, baseada em insti-
tuições políticas de tipo deliberativo e na participação política.73 Essa é uma
crítica importante, da qual devemos estar conscientes, mas que não resolve
o problema central para nossa discussão: uma sociedade governada por uns
poucos potentes, em colaboração com as autoridades eclesiásticas, mesmo que
educados segundo os preceitos da paideia clássica, é uma sociedade muito
diferente de outra na qual setores mais amplos da sociedade (ainda que não
todos) têm acesso às instituições de governo e à administração local.
Governo com participação popular, mesmo que limitada, não implica
necessariamente em uma sociedade mais justa do que uma governada por

70
Em BROWN, Peter. Power and persuasion in late Antiquity. Madison: University of Wisconsin Press, 1992.
71
Para a importância da paideia como um elemento unificador das elites, ver CARVALHO, Marga-
rida de. Paideia e retórica no século IV d. C.: A construção da imagem do imperador Juliano segundo Gregório
Nazianzeno. São Paulo: Annablume, 2010, p. 25-26.
72
LIEBESCHUETZ, Johann. H. W. G. The decline and fall of the Roman city. Oxford: Oxford University
Press, 2001, p. 110-120. LANIADO, Avshalon. Recherches sur les notables municipaux dans l’empire
protobyzantin. Paris: Centre d’Histoire et Civilisation de Byzance, 2002.
73
LAVAN, Luke. Christianity, the city and the end of Antiquity. Journal of Roman Archaeology. Port-
smouth, n. 16, 2003, p. 709.

102
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

“notáveis”. Essa é uma discussão mais ideológica do que propriamente histó-


rica, e a discussão está mal colocada nestes termos. O que nos interessa aqui
é discutir o modo como iremos caracterizar as sociedades tardo-antigas.
A relação entre continuidade e declínio foi retomada por Lepelley recen-
temente, com relação às cidades da África.74 Segundo este autor, as fortes
continuidades observáveis entre os séculos II e IV sugerem que devemos
reconsiderar a ideia de que a Antiguidade tardia seja um período autôno-
mo. Para ele, a região já passava por um período de decadência econômica
no início do século V, e a invasão vândala não chegou a representar uma
ruptura. Esta só é observável após a reconquista bizantina, quando sinais
de abandono e espoliação de cidades ficam mais claros (basta pensarmos no
Fórum de Dougga, por exemplo). Mesmo assim, esse foi um período de in-
tensa monumentalização cristã, o que indicaria uma relativa continuidade,
em meio a importantes mudanças.
Lepelley cita uma inscrição, datável de 540-543, recordando a constru-
ção de uma fortaleza bizantina na Tunísia central, que é de especial interesse
para nós:

Essa obra e estas fortificações são devidas à afortunada autoridade imperial, e às ordens
do magnânimo Salomão, que o tribuno Nonnus, que realizou estes trabalhos, obedeceu.
Cidade, regozije por ter este senhor pio e veja de quantos males foste subtraída e com
quantos ornamentos foste embelezada. Enfim livre do medo dos Mouros, reencontras
a capacidade de organizar o censo, um estatuto, os cidadãos, o direito, as construções
públicas e os fasti; e a esposa do rei lhe concedeu seu nome, a mão de Justiniano tendo
colocado o povo dos Mouros em fuga.75 Tudo tem seu tempo: e os povos (bárbaros)
lamentavam suas circunstâncias.76

74
LEPELLEY, Claude. La cité africaine tardive, de l’apogée du IVe siècle à l’effondrement du VII
siècle. In: KRAUSE, Jens-Uwe & WITSCHEL, Christian. (org.). Die Stadt in der Spätantike – Niedergang
oder Wandel?. Stuttgart: Franz Steiner Verlag, 2006, p. 13-31.
75
A cidade, identificada como Cululis, recebeu o nome de Teodoriana, da esposa de Justiniano.
76
L’Année Épigraphique 2002, 1666=1996, 1704: “Hoc opus imperium felix has prestitit arces, / Magnanimi-
que etiam Solomonis iussa dedere, / Cui paruit Nonnus, qui condidit ista tribunus. / Urbs domino laetare pio,
iamque aspice quantis / Es subducta malis, quantoque or[n]ata decore. / Maurorum tandem recipis subducta
timore / Censuram, statum, cives, ius, moenia, fastus; / Atque suum nomen posuit <t>ibi regia coniunx, /
Iu(s)tiniani manu Maurorum gente fugata. / Omnia tempus (h)abent: flebant et (t)em[por]a gentes.” Para a
edição mais recente, adotada aqui, ver PRINGLE, Denys. Two fortified sites in Byzantine Africa:
Aïn Djelloula and Henchir Sguidan. Antiquité Tardive. Turnhout, n. 10, 2002, p. 274. LEPELLEY,
Claude. La cité africaine tardive, de l’apogée du IVe siècle à l’effondrement du VII siècle. In:

103
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

Yves Modéran publicou um importante estudo dessa inscrição, no qual


argumentou que as referências ao censo, estatuto, cidadãos, construções pú-
blicas (moenia) e aos fasti, as tradicionais listas de oficiais encarregados do
governo da cidade, são prova da continuidade da cidade antiga em pleno
século VI.77 O problema é que, apesar de afirmar exatamente isso textual-
mente, a inscrição precisa ser tomada em seu contexto: uma inscrição métri-
ca (em verso), celebrando a piedade, a vitória e a generosidade do imperador
e de seus oficiais após a conquista sobre os vândalos e em um momento
de conflito contra os mouros, certamente é um texto com altíssima carga
ideológica. Mais importante ainda é o contexto de descoberta deste texto,
não em uma das tradicionais áreas públicas de uma cidade, mas entre as
ruínas do portão de entrada de uma fortificação próxima à antiga cidade de
Cululis.78 Apesar de toda a referência ao esplendor da vida cívica, o contex-
to de exposição da inscrição (assim como a referência à fortaleza, no texto)
sugere uma situação muito diferente daquela do século IV. Trata-se, de fato,
do único texto de que dispomos que faz referência às instituições e práticas
que marcaram a vida cívica clássica, e somos obrigados a nos perguntar se
isso não se trataria, na verdade, de uma “veleidade manifestando nostalgia”,
como bem observou Lepelley.79
Uma maneira de se lidar com a questão de como rupturas e continui-
dades foram combinadas é considerar uma prática específica, intimamente
ligada aos ritmos e à cultura cívica da época clássica, o assim chamado “há-
bito estatuário”. Durante todo o período imperial romano, em quase todo o
Império (mas especialmente na Itália, África, Grécia e Ásia Menor), comu-
nidades e grupos citadinos votaram estátuas honoríficas para imperadores,
governadores, membros da elite local, atletas, poetas e divindades. Estátuas
eram colocadas em espaços públicos como uma forma de expressar a grati-
dão da comunidade por algum benefício ou como demonstração de lealdade
política a imperadores e oficiais imperiais. A prática servia, assim, como uma

KRAUSE, Jens-Uwe & WITSCHEL, Christian (org.). Die Stadt in der Spätantike – Niedergang oder
Wandel?. Stuttgart: Franz Steiner Verlag, 2006, p. 20.
77
MODÉRAN, Yves. La renaissance des cités dans l’Afrique du VIe siècle d’après une inscription
récemment publiée. In: LEPELLEY, Claude (org.). La fin de la cité antique et le début de la cité médiévale.
Bari: Edipuglia, 1996, p. 85-114.
78
PRINGLE, Denys. Two fortified sites in Byzantine Africa: Aïn Djelloula and Henchir Sguidan.
Antiquité Tardive. Turnhout, n. 10, 2002, p. 274.
79
LEPELLEY, Claude. La cité africaine tardive, de l’apogée du IVe siècle à l’effondrement du VII
siècle. In: KRAUSE, Jens-Uwe & WITSCHEL, Christian. (org.). Die Stadt in der Spätantike – Niedergang
oder Wandel?. Stuttgart: Franz Steiner Verlag, 2006, p. 21.

104
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

forma de “azeitar” as engrenagens do governo imperial e local, e o fato de re-


querer ou uma decisão da autoridade competente ou uma votação por parte
de uma das assembleias citadinas faz com que essa seja uma forma muito
rica de se analisar a evolução da vida cívica durante a Antiguidade tardia.
Esta prática foi objeto de estudo do projeto “The last statues of Antiquity”,
dirigido por Bryan Ward-Perkins e R. R. R. Smith, de Oxford, que produziu
um banco de dados online coletando todas as evidências escultórea, epigráfi-
ca e literária relativas à produção e dedicação de estátuas de todo o Império
entre o final do século III e o início do século VII.80
O que o projeto demonstrou foi que a prática de dedicar estátuas con-
tinuou importante no século IV, especialmente em Grécia, Ásia Menor, Itália
e África.81 De fato, mesmo estátuas de imperadores cristãos tinham um es-
tatuto sagrado e ataques a estas imagens eram passíveis de punições duras,
como o povo de Antioquia aprendeu em 387.82 Estátuas continuavam a ser
dedicadas pelos mesmos motivos que nos séculos anteriores, apesar de dife-
rentes regiões seguirem padrões diversos. O número de estátuas dedicadas
a membros das elites locais caiu em todo o Império, quando comparado aos
séculos anteriores. Ao mesmo tempo, estátuas de imperadores e altos funcio-
nários (estas, porém, em número muito menor) passaram a dominar a pai-
sagem urbana de um modo ainda mais enfático do que no alto Império. O
hábito estatuário ficou, de modo mais evidente do que nunca, associado ao
poder imperial e a seus oficiais, em detrimento das antigas magistraturas e
lideranças citadinas. As únicas exceções a este padrão imperial são encontra-
das no sul da Itália e em Roma, onde se percebe uma forte predominância de
estátuas de governadores de províncias, normalmente senadores romanos
que possuíam terras e vínculos de patronagem com as comunidades locais.
Não é coincidência que estas sejam as regiões mais ricas em termos de ma-
terial disponível, o que sugere que, apesar de a prática ter continuado, havia
um grau de coerção muito maior sobre as comunidades por parte de seus
patronos poderosos. O número de estátuas dedicadas declinou em todo o
Império, tendo desaparecido em quase todas as províncias após a metade do

80
O banco de dados pode ser pesquisado em: http://laststatues.classics.ox.ac.uk/. Acesso em:
19/07/2013.
81
Sintetizo, aqui, os resultados do projeto, que aparecerão em SMITH, Roland. R. R. & WARD-
-PERKINS, Bryan (org.). The last statues of Antiquity. Oxford: Oxford University Press (no prelo).
82
Como discute SILVA, Erica. Conflito politico-cultural na Antiguidade tardia: O “levante das estátuas”em
Antioquia de Orontes (387 d. C.). Tese de doutoramento, Unesp, Franca, 2012.

105
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

século IV, no sul da Itália por volta de 400, e em Roma, continuando muito
pequeno até o final do século V.
As fontes epigráficas revelam que, ao mesmo tempo em que o nú-
mero de estátuas declinava, as estátuas ainda dedicadas o eram por um
grupo cada vez mais restrito de agentes. Enquanto, no início do século IV,
pequenos e altos funcionários imperiais, senadores, corporações, cidades,
províncias e pessoas poderosas participavam desse hábito, por volta de 400,
apenas altos funcionários o faziam.83 Isso pode ser explicado ao menos de
duas maneiras: a) as instituições e formas clássicas de vida cívica e a política
participativa que haviam animado o hábito estatuário dos séculos anterio-
res perderam importância na vida urbana; b) novas formas de celebração da
comunidade, de seus valores e de seus líderes, como mosaicos em igrejas e
aclamações no circo, ganharam importância. Isso não quer dizer que o povo
não encontrasse formas de participação política, formais ou informais.84 Es-
tas, no entanto, independiam das – e em em larga medida sobreviveram às
– formas e instituições que haviam caracterizado a cidade clássica.
Estátuas continuaram sendo dedicadas como, por exemplo, o grupo de
monumentos comemorando Porfírio, o corredor do circo, em Constantinopla
do início do século VI; 85 ou a estátua colocada pelo exarca bizantino Smaragdo,
honrando o imperador Focas, no Fórum romano.86 Estas foram iniciativas iso-
ladas, no entanto, e, mais do que continuidade, parecem indicar um interesse
renovado pelo passado e suas práticas, buscando uma forma de legitimação
fundamentada no tradicionalismo. Uma mesma atitude que encontramos
nas Variae de Cassiodoro, assim como nas Parastaseis syntomoi chronikai e Patria,
de Constantinopla.87 Quando Zacarias de Mitilene, no século VI, elencou as

83
Para uma análise detalhada do caso italiano, para o qual dispomos de melhor documentação,
ver MACHADO, Carlos. Public monuments and civic life: The end of the statue habit in Italy.
In: DELOGU, Paolo & GASPARRI, Stefano (org.). Le trasformazioni del V secolo. L’Italia, i barbari e
l’Occidente romano. Turnhout: Brepols, 2010, p. 237-257.
84
Como bem demonstrado por OLIVEIRA, Julio Cesar. Le “pouvoir du people”: une émeute à
Hippone au début du Ve. siècle connue par le sermon 302 de saint Augustin pour la fête de
saint Laurent. Antiquité Tardive. Turnhout, n. 12, 2004, p. 309-324.
85
Estudados por CAMERON, Alan. Porphyrius the Charioteer. Oxford: Oxford University Press, 1973.
86
Corpus Inscriptionum Latinarum VI, 1200.
87
Sobre Cassiodoro e suas atitudes perante o passado e seus monumentos, ver FAUVINET-RAN-
SON, Violaine. Decor Civitatis, Decor Italiae. Monuments, travaux publics et spectacles au VIe siècle d’après
les Variae de Cassiodore. Bari: Edipuglia, 2006. CAMERON, Averil & HERRIN, Judith. Constantinople
in the early eighth century: The Parastaseis Syntomoi Chronikai. Leiden: Brill, 1984. DAGRON, Gilbert.
Constantinople imaginaire. Études sur le recueil des “Patria”. Paris: Presses Universitaires de France, 1984.

106
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

estátuas que existiam na cidade de Roma (uma passagem de pouca credibi-


lidade factual, mas imensamente importante pelo que ela revela sobre sua
cultura), ele mencionou milhares de monumentos, inclusive 25 estátuas de
bronze da família de Abraão e da linha de Davi.88 O hábito estatuário conti-
nuava presente como elemento físico na paisagem urbana, mas não era uma
instituição organicamente integrada – à maneira clássica – à vida da cidade.

Conclusão

É impossível, nesse momento, oferecer uma explicação satisfatória para


o declínio do hábito estatuário.89 O que me parece claro, no entanto, é que
este processo esteve ligado a pelo menos três desenvolvimentos que nos in-
teressam diretamente e que envolveram o declínio da cidade antiga:
1) A maior presença e o maior peso da autoridade imperial e do aparato go-
vernamental, verificável a partir das reformas promovidas por Diocleciano
e Constantino no final do século III e no início do século IV. Isso esteve di-
retamente ligado à crise dos conselhos citadinos (as curiae) e fica aparente no
progressivo desaparecimento de estátuas de magistrados locais.

2) A consolidação de um abismo socioeconômico separando as camadas mais


frágeis das mais poderosas da sociedade tardo-antiga, um abismo consolida-
do pela introdução do solidus ainda no início do século IV, que teve sua corres-
pondência no declínio das formas clássicas de associação política – observável
no desaparecimento de estátuas dedicadas pelas associações cívicas locais.

3) A incapacidade do aparato estatal de se financiar e garantir a defesa das áreas


sob seu domínio, o que levou, em termos mais gerais, à perda de territórios,
mas, em termos locais, ao desaparecimento de estruturas políticas e de go-
verno imperiais. Como resultado, as autoridades eclesiásticas vieram a ocupar

88
Publicado em VALENTINI, Roberto & ZUCCHETTI, Giuseppe (org.). Codice Topografico della Città
di Roma, vol. 1. Roma: Tipografia del Senato, 1940, p. 332.
89
LIVERANI, Paolo. The Sunset of 3D. In: KRISTENSEN, Troels & STIRLING, Lea (org.). The afterlife
of Roman sculpture: Late antique response and reception. Ann Arbor: The University of Michigan Press
(no prelo), enfatiza a importância de se considerar também os desenvolvimentos artísticos e
das formas de representação, especialmente a opção por formas de arte bidimensionais, em
detrimento das tridimensionais.

107
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

um papel de liderança cada vez mais marcado, desempenhando funções an-


teriormente associadas aos conselhos municipais e ao governo central.90
O Império romano nunca foi uma unidade social e cultural, e expres-
sões como mundo antigo ou mundo romano, apesar de ainda úteis (e, por
isso mesmo, repetidamente empregadas neste artigo), colocam-nos em risco
de ignorar a enorme diversidade que caracterizava as sociedades conquista-
das durante a expansão dos séculos precedentes. Estudiosos têm criticado de
maneira cada vez mais vigorosa conceitos como romanização, ressaltando
a vitalidade e especificidade da vida local e a diversidade de formas de in-
tegração dessas comunidades à ordem imperial.91 Por outro lado, é inegável
que o Império teve um impacto real na vida dessas comunidades, agindo
como uma estrutura política, administrativa e fiscal unificadora sobre um
vasto território. Esse impacto só fez crescer durante o século IV, o que teve
resultados importantíssimos para essas diversas comunidades. O desapare-
cimento dessa estrutura, inicialmente através da perda de territórios para
grupos que optaram por se identificar explicitamente como não romanos, e
em 476 (no Ocidente), através da remoção do último imperador legítimo e
do envio das insignias imperiais para Constantinopla, pode, com certeza, ser
identificado como uma dinâmica marcante na história deste período, mais
do que um simples epifenômeno político.
Os estudiosos certamente ainda têm muito a discutir e a descobrir sobre
o “mundo da Antiguidade tardia”, seus limites cronológicos e geográficos, e
como melhor caracterizá-lo. No entanto, é fundamental que continuemos a
refletir e estudar também o velho tema de Montesquieu e Gibbon (e, a seu
modo, Agostinho, séculos antes), a queda do Império. Ao mesmo tempo,
como espero ter deixado claro, a história da Antiguidade tardia não se resu-
me à “queda silenciosa” do Império romano (para usar a já citada expressão
de Momigliano). Se há uma lição clara que pode ser depreendida dos traba-
lhos discutidos aqui é que a história das sociedades tardo-antigas não pode
ser restrita, e nem confundida, com a história do Império romano – apesar
de esta ainda merecer um destaque nesse processo. Ela é ao mesmo tempo
muito mais ampla e mais específica do que isso. Ela requer novas aborda-

90
Como bem observado, entre outros, pelo próprio BROWN, Peter. Poverty and leadership in the later
Roman Empire. Hanover: Brandeis University Press, 2002.
91
Para uma discussão desses problemas, ver WOOLF, Greg. Becoming Roman. The origins of provincial
civilization in Gaul. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

108
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

gens e novos horizontes teóricos, cronológicos e geográficos. Em suma, um


novo modo de se pensar a história antiga.

Referências bibliográficas

BANAJI, Jairus. Agrarian change in late Antiquity. Oxford: Oxford University Press, 2001.
BAUER, Franz Alto. Stadt, Platz und Denkmal in der Spätantike: Untersuchungen zur Aussta-
tung des öffentlichen Raums in den spätantiken Städten Rom, Konstantinopel und Ephesos.
Mainz: von Zabern, 1996.
BIANCHI BANDINELLI, R. Spaetantike. In: Enciclopedia dell’Arte Antica, vol. 7. Roma:
Treccani, 1966, p. 426-427. Disponível em: http://www.treccani.it/enciclopedia/
spaetantike_(Enciclopedia-dell’-Arte-Antica)/. Acesso em: 15/07/2013.
BOWERSOCK, Glen; BROWN, Peter; GRABAR, André. Introduction. In: BOWER-
SOCK, Glen; BROWN, Peter; GRABAR, André (org.). Late Antiquity. A guide to the
postclassical world. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1999, p. vii-xiii.
BROWN, Peter. The world of late Antiquity: from Marcus Aurelius to Muhammad. Londres:
Thames and Hudson, 1971.
__________. The later Roman Empire. In: Idem. Religion and society in the age of Au-
gustine of Hippo. Nova York: Harper & Row, 1972, p. 46-73.
__________. Mohammed and Charlemagne by Henri Pirenne. In: Idem. Society and
the holy in late Antiquity. Berkeley: University of California Press, 1982, p. 63-79.
__________. Power and persuasion in late Antiquity. Madison: University of Wisconsin
Press, 1992.
__________. Poverty and leadership in the later Roman Empire. Hanover: Brandeis Uni-
versity Press, 2002.
__________. Recovering submerged worlds. The New York Review of Books, 11 julho
2013. Disponível em: http://www.nybooks.com/articles/archives/2013/jul/11/
recovering-submerged-worlds/. Acesso em: 16/07/2013.
BROWN, P. et alii. The world of late Antiquity revisited. Symbolae Osloenses. Oslo,
n. 72, 1997, p. 5-90.
CAMERON, Alan. Porphyrius the Charioteer. Oxford: Oxford University Press, 1973.
CAMERON, Averil. The Mediterranean world in late Antiquity. Londres: Routledge, 1995.
__________. Ideologies and agendas in late antique studies. In: LAVAN, Luke &
BOWDEN, Will (org.). Theory and practice in late antique archaeology (Late antique
archaeology 1). Leiden: Brill, 2003, p. 3-21.
CAMERON, Averil & HERRIN, Judith. Constantinople in the early eighth century: The
Parastaseis Syntomoi Chronikai. Leiden: Brill, 1984.
CARANDINI, Andrea. L’ultima civiltà sepolta o del massimo oggetto desueto,
secondo un archeologo. In: CARANDINI, Andrea; CRACCO RUGGINI, Lellia;
GIARDINA, Andrea (org.). Storia di Roma, vol. 3: L’età tardoantica, tomo 2: I
luoghi e le culture. Turim: Einaudi, 1993, p. 11-38.

109
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

CARLÀ, Filippo. Il sistema monetario in età tardoantica: spunti per una revisione.
Annali dell’Istituto Italiano di Numismatica. Roma, n. 53, 2007, p. 155-218.
CARRIÉ, Jean-Michel. Le “colonat” du bas-Empire: un mythe historiographique?,
Opus. Roma, n. 1, 1982, p. 351-371.
CARRIÉ, Jean-Michel & ROUSSELLE, Aline. L’Empire romain en mutation. Paris: Seuil, 1999.
CARVALHO, Margarida de. Paideia e retórica no século IV d. C.: A construção da imagem
do imperador Juliano segundo Gregório Nazianzeno. São Paulo: Annablume, 2010.
CLAUDE, Dietrich. Die Byzantinische Stadt im 6. Jahrhundert. Munique: Beck, 1967.
CORMACK, Robin. Byzantine Aphrodisias: changing the symbolic map of a city.
Proceedings of the Cambridge Philological Society. Cambridge, n. 216, 1990, p. 26-41.
COURCELLE, Pierre. Histoire littéraire des grandes invasions germaniques. Paris: Hachette, 1948.
CRACCO RUGGINI, Lellia. La città imperiale. In: Storia di Roma, v. 4: Caratteri e
Morfologie. Turim: Einaudi, 1989, p. 201-266.
CURTA, Florin. Some remarks on ethnicity in medieval archaeology. Early Medieval
Europe. Londres, n. 15, 2007, p. 160-161.
DAGRON, Gilbert. Constantinople imaginaire. Études sur le recueil des “Patria”. Paris: Presses
Universitaires de France, 1984.
ELSNER, J. The birth of late Antiquity: Riegl and Strzygowski in 1901. Art History.
Londres, n. 25, 2002, p. 358-379.
ERIM, Kenan. De Aphrodisiade. American Journal of Archaeology. Boston, n. 71, 1967,
p. 233-243.
__________. Aphrodisias, city of Venus Aphrodite. Londres: Muller, Blond and White, 1986.
FAUVINET-RANSON, Violaine. Decor Civitatis, Decor Italiae. Monuments, travaux publics
et spectacles au VIe siècle d’après les Variae de Cassiodore, Bari: Edipuglia, 2006.
FOSS, Clive. Byzantine and Turkish Sardis. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1976.
__________. Ephesus after Antiquity. Cambridge: Cambridge University Press, 1979.
GASPARRI, Stefano & LA ROCCA, Cristina. Tempi barbarici. L’Europa occidentale tra
Antichità e Medioevo (300-800). Roma: Carocci, 2012.
GEARY, Patrick. Barbarians and ethnicity. In: BOWERSOCK, Glen; BROWN, Peter;
GRABAR, André (org.). Late Antiquity. A guide to the postclassical world. Cambridge,
MA: Harvard University Press, 1999, p. 107-129.
GELICHI, Sauro & HODGES, Richard (org.). From one sea to another: Trading places in
the European and Mediterranean early Middle Ages. Turnhout: Brepols, 2012.
GIARDINA, Andrea. Esplosione di tardoantico. Studi Storici. Roma, n. 40, 1999, p. 157-180.
__________. Marxism and historiography: Perspectives on Roman history. In:
WICKHAM, Chris (org.). Marxist history-writing for the twenty-first century (British
Academy Occasional Paper 9). Oxford: Oxford University Press, 2007, p. 15-31.
__________. The transition to late Antiquity. In: SCHEIDEL, Walter; MORRIS, Ian;
SALLER, Richard (org.). The Cambridge economic history of the Greco-Roman world.
Cambridge: Cambridge University Press, 2007, p. 743-768.
GOFFART, Walter. Barbarians and Romans A. D. 418-584: The techniques of accommodation.
Princeton: Princeton University Press, 1980.

110
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

GREY, Cam. Contextualizing Colonatus: the Origo of the late Roman Empire. Journal
of Roman Studies. Londres, n. 97, 2007, p. 155-175.
GUARINELLO, Norberto. Uma morfologia da história: As formas da história antiga.
Politeia: História e Sociedade. Vitória da Conquista, 2003, v. 3, p. 41-61.
GWYNN, D. (org.). A. H. M. Jones and the later Roman Empire. Leiden: Brill, 2008.
HALDON, John. Social transformation in the 6th-9th c. East. In: BOWDEN, Will;
GUTTERIDGE, Adam; MACHADO, Carlos (org.). Social and political life in late
Antiquity (Late Antique archaeology 3.1). Leiden: Brill, 2006, p. 603-647.
HALSALL, Guy. The Barbarian invasions. In: FOURACRE, Paul (org.). The new Cam-
bridge Medieval history, vol. 1, c. 500-c. 700. Cambridge: Cambridge University
Press, 2005, p. 35-55.
HALSALL, Guy. Barbarian migrations and the Roman West, 376-568. Cambridge: Cam-
bridge University Press, 2007.
HEATHER, Peter. The fall of the Roman Empire. Londres: MacMillan, 2005.
__________. Why did the barbarians cross the Rhine?. Journal of Late Antiquity. Bal-
timore, n. 2, 2009, p. 3-29.
JONES, A. H. M. The later Roman Empire 284-602. A social, economic, and administrative
survey, 3 vols. Oxford: Basil Blackwell, 1964.
JONES, Sian. The archaeology of ethnicity. Londres: Routledge, 1997.
KELLY, Christopher. Ruling the later Roman Empire. Cambridge, MA: Harvard Uni-
versity Press, 2004.
LANIADO, Avshalon. Recherches sur les notables municipaux dans l’empire protobyzantin.
Paris: Centre d’Histoire et Civilisation de Byzance, 2002.
LAVAN, Luke. Christianity, the city and the end of Antiquity. Journal of Roman Ar-
chaeology. Portsmouth, n. 16, 2003, p. 705-710.
__________. Fora and agorai in Mediterranean cities during the 4th and 5th c. A.
D. In: BOWDEN, Will; GUTTERIDGE, Adam; MACHADO, Carlos (org.). Social
and political life in late Antiquity (Late antique archaeology 3.1). Leiden: Brill, 2006,
p. 195-249.
__________. A. H. M. Jones and “The cities”, 1964-2004. In: GWYNN, David (org.). A.
H. M. Jones and the later Roman Empire. Leiden: Brill, 2008, p. 167-192.
LEPELLEY, Claude. Les cités de l’Afrique romaine, vol. 1: La permanence d’une civilisa-
tion municipale. Paris: Études Augustiniennes, 1979.
__________. La cité africaine tardive, de l’apogée du IVe siècle à l’effondrement
du VII siècle. In: KRAUSE, Jens-Uwe & WITSCHEL, Christian (org.). Die Sta-
dt in der Spätantike – Niedergang oder Wandel?. Stuttgart: Franz Steiner Verlag,
2006, p. 13-31.
LIEBESCHUETZ, Johann. H. W. G. Antioch: City and imperial administration in the later
Roman Empire. Oxford: Oxford University Press, 1972.
__________. The decline and fall of the Roman city. Oxford: Oxford University Press, 2001.
LIVERANI, Paolo. The Sunset of 3D. In: KRISTENSEN, Troels & STIRLING, Lea
(org.). The afterlife of Roman sculpture: Late antique response and reception. Ann Arbor:
The University of Michigan Press (no prelo).

111
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

MAAS, Michael. John Lydus and the Roman past. Londres: Routledge, 1992.
MACHADO, Carlos. Building the past: Monuments and memory in the Forum Romanum.
In: BOWDEN, Will; GUTTERIDGE, Adam; MACHADO, Carlos (org.). Social and poli-
tical life in late Antiquity (Late antique archaeology 3.1). Leiden: Brill, 2006, p. 157-192.
__________. Public monuments and civic life: The end of the statue habit in Italy.
In: DELOGU, Paolo & GASPARRI, Stefano (org.). Le trasformazioni del V secolo.
L’Italia, i barbari e l’Occidente romano. Turnhout: Brepols, 2010, p. 237-257.
MACMULLEN, Ramsay. Corruption and the decline of Rome. New Haven: Yale Univer-
sity Press, 1988.
MANACORDA, Daniele. Crypta Balbi. Archeologia e storia di un paesaggio urbano. Milão:
Electa, 2001.
MARROU, Henri-Irenée. Saint Augustine et la fin de la culture antique. Paris: E. De
Boccard, 1949.
__________. Décadence romaine ou Antiquité tardive? IIIe – VIe siècle. Paris: Éditions du
Seuil, 1977.
MAZZARINO, Santo. Stilicone: La crise imperiale dopo Teodosio. Milão: Rizzoli, 1942.
__________. Aspetti sociali del quarto secolo: ricerche di storia tardo-romana. Roma: L’Erma
di Bretschneider, 1951.
__________. Antico, tardoantico ed èra costantiniana, 2 vols. Bari: Edizioni Dedalo, 1974.
__________. O fim do mundo antigo. São Paulo: Martins Fontes, 1988.
McLYNN, Neil. Ambrose of Milan: Church and court in a Christian capital. Berkeley: Uni-
versity of California Press, 1994.
MODÉRAN, Yves. La renaissance des cités dans l’Afrique du VIe siècle d’après une
inscription récemment publiée. In: LEPELLEY, Claude (org.). La fin de la cité antique
et le début de la cité médiévale. Bari: Edipuglia, 1996, p. 85-114.
MOMIGLIANO, Arnaldo. La caduta senza rumore di un Impero nel 476. In: Idem.
Sesto contributo alla storia degli studi classici e del mondo antico. Roma: Edizioni di
Storia e Letteratura, 1980, p. 159-165.
__________. El cristianismo y la decadencia del Imperio romano. In: MOMIGLIANO,
A. (org.). El conflicto entre el paganismo y el cristianismo en el siglo IV. Madri: Alianza
Editorial, 1989, p. 15-30.
OLIVEIRA, Julio Cesar. Le “pouvoir du peuple”: une émeute à Hippone au début
du Ve siècle connue par le sermon 302 de saint Augustin pour la fête de saint
Laurent. Antiquité Tardive. Turnhout, n. 12, 2004, p. 309-324.
PETIT, Paul. Libanius et la vie municipale à Antioche au IVe siècle aprés J.-C. Paris: Presses
Universitaires de France, 1955.
PIGANIOL, André. L’empire chrétien. Paris: Presses Universitaires de France, 1947.
POHL, Walter. Romans and the Barbarians in the fifth century. Antiquité Tardive.
Turnhout, n. 16, 2008, p. 93-100.
PRINGLE, Denys. Two fortified sites in Byzantine Africa: Aïn Djelloula and Henchir
Sguidan. Antiquité Tardive. Turnhout, n. 10, 2002, p. 269-290.

112
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

RANDSBORG, Klavs. Barbarians, classical Antiquity, and the rise of Western Europe:
An archaeological essay. Past and Present. Oxford, n. 137, 1991, p. 8-24.
__________. The first millenium A. D. in Europe and the Mediterranean: An archaeological
essay. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.
REBENICH, Stephen. Christian asceticism and Barbarian incursion: The making of
a Christian catastrophe. Journal of Late Antiquity. Baltimore, n. 2, 2009, p. 49-59.
SILVA, Erica. Conflito politico-cultural na Antiguidade tardia: O “levante das estátuas” em
Antioquia de Orontes (387 d. C.). Tese de doutoramento, Unesp, Franca, 2012.
SILVA, Gilvan Ventura da. Reis, santos e feiticeiros. Constâncio II e os fundamentos místicos
da Basileia, 337-361. Vitória: Edufes, 2003.
SILVA, Uiran G. Bagaudas e circunceliões: revoltas rurais e a escrita da história das classes
subalternas na Antiguidade tardia. Tese de doutoramento, USP, São Paulo, 2013.
SMITH, Roland. R. R. Late antique portraits in a public context: Honorific statuary
at Aphrodisias in Caria, A. D. 300-600. Journal of Roman Studies. Londres, n. 89,
1999, p. 155-189.
__________. Statue life in the Hadrianic baths at Aphrodisias, A. D. 100-600: Local
context and historical meaning. In: BAUER, Franz Alto & WITSCHEL, Chris-
tian (org.). Statuen in der Spätantike. Wiesbaden: Reichert Verlag, 2007, p. 203-235.
SMITH, Roland. R. R. & RATTÉ, Christopher. Archaeological research at Aphrodi-
sias in Caria, 1994. American Journal of Archaeology. Boston, n. 100, 1996, p. 5-33.
SMITH, Roland. R. R. & WARD-PERKINS, Bryan. (org.). The last statues of Antiquity.
Oxford: Oxford University Press (no prelo).
VALENTINI, Roberto & ZUCCHETTI, Giuseppe (org.). Codice topografico della città di
Roma, vol. 1. Roma: Tipografia del Senato, 1940.
VAN OSSEL, Paul. Rural impoverishment in northern Gaul at the end of Antiqui-
ty: the contribution of archaeology. In: BOWDEN, Will; GUTTERIDGE, Adam;
MACHADO, Carlos (org.). Social and political life in late Antiquity (Late antique
archaeology 3.1). Leiden: Brill, 2006, p. 533-565.
VON RUMMEL, Philippe. The archaeology of 5th century Barbarians in north
Africa. In: DELOGU, Paolo & GASPARRI, Stefano (org.). Le trasformazioni del V
secolo. L’Italia, i barbari e l’Occidente romano. Turnhout: Brepols, 2010, p. 157-181.
WARD-PERKINS, Bryan. From classical Antiquity to the early Middle Ages. Urban public buil-
ding in norther and central Italy, A. D. 300-800. Oxford: Oxford University Press, 1984.
__________. Continuists, catastrophists, and the towns of post-Roman northern
Italy. Papers of the British School at Rome. Londres, n. 65, 1997, p. 157-176.
__________. The cities. In GARNSEY, Peter & CAMERON, Averil (org.). The Cambridge
ancient history, vol. XIII: The late Empire, A. D. 337-425. Cambridge: Cambridge
University Press, 1998, p. 371-410.
__________. Specialized production and exchange. In: CAMERON, Averil; WARD-
-PERKINS, Bryan; WHITBY, Michael (org.). The Cambridge ancient history, v. 14: Late
Antiquity and its successors, A. D. 420-600. Cambridge: Cambridge University
Press, 2000, p. 346-391.
__________. The fall of Rome and the end of civilization. Oxford: Oxford University Press, 2005.

113
rev. hist. (São Paulo), n. 173, p. 81-114, jul.-dez., 2015 Carlos Augusto Ribeiro Machado
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2015.105844 A Antiguidade tardia, a queda do Império romano e o debate sobre o “fim
do mundo antigo”

WHITEHOUSE, David & HODGES, Richard. Mohammed, Charlemagne and the origins
of Europe. Ithaca: Cornell University Press, 1983.
WHITTOW, Mark. The making of orthodox Byzantium, 600-1025. Basingstoke: Palgrave,
1996.
__________. Decline and fall? Studying long term change in the East. In: LAVAN,
Luke & BOWDEN, Will (org.). Theory and practice in late antique archaeology (Late
antique archaeology 1). Leiden: Brill, 2003, p. 404-423.
WICKHAM, Chris. The other transition: From the ancient world to feudalism. Past
and Present. Londres, n. 103, 1984, p. 3-36.
__________. Framing the early Middle Ages. Europe and the Mediterranean, 400-800. Oxford:
Oxford University Press, 2005.
__________. The inheritance of Rome. A history of Europe from 400 to 1000. Londres: Penguin, 2010.
WITSCHEL, Christian. Re-evaluating the Roman West in the 3rd century. Journal of
Roman Archaeology. Portsmouth, n. 17, 2004, p. 251-281.
WOOLF, Greg. Becoming Roman. The origins of provincial civilization in Gaul. Cambridge:
Cambridge University Press, 1998.
WOOLF, Greg. Tales of the Barbarians. Oxford: Blackwell, 2011.

Recebido: 25/02/2015 - Aprovado: 25/08/2015

114