Anda di halaman 1dari 9

A Mãe do Messias

" [Gabriel] veio a [Maria] e disse:" Saudações, ó favorecido, o Senhor é convosco!


"(Verso 28).

- Lucas 1: 26-38
Na história da teologia cristã, muitas vezes vemos que o erro teológico às vezes chama
uma resposta que vai para o extremo na outra direção. Por exemplo, o liberalismo
teológico popular no final do século XIX até o começo do século XX essencialmente
ignorou o senhorio transcendente de Deus e centrou-se inteiramente em Sua presença
imanente. O Senhor foi feito como uma parte deste mundo que Ele não poderia ser
distinguido dele. Este erro motivou a ascensão da neo-ortodoxia no século XX.
Pensadores neste movimento, como Karl Barth, tentaram renovar a crença na
transcendência de Deus, mas eles foram tão longe naquela direção que todos eles negaram
Sua presença imanente no mundo. O Senhor foi visto como tão transcendente que
qualquer conceito de Sua revelação de Si mesmo na ordem criada foi repudiado.

Os evangélicos são capazes de um alcance similar quando respondemos ao erro teológico.


Vemos isso claramente na maneira como tendemos a considerar Maria, a mãe de Jesus.
Durante séculos, a Igreja Católica Romana tem firmemente exaltado Maria até o ponto
em que ela é vista como um dispensador de graça. Há até movimentos no catolicismo
romano para declará-la co-redentora, co-salvadora do mundo ao lado de seu Filho.
Naturalmente, qualquer pessoa familiarizada com o catolicismo romano também sabe que
implorar a Maria para interceder em seu nome é central para a piedade católica romana.
Em contraste, os evangélicos afirmam laudemente e inequivocamente a verdade bíblica
de que há apenas "um mediador entre Deus e os homens, o homem Cristo Jesus" ( 1
Timóteo 2: 5 ). Ao fazê-lo, no entanto,

A Palavra de Deus exige que nós negemos a Maria um papel mediador na salvação. No
entanto, a Escritura também nos diz que ela foi abençoada muito acima de todas as outras
mulheres. De fato, ela deve ser considerada como a "favorecida", porque lhe foi dado o
imenso privilégio de levar o Filho encarnado de Deus em seu ventre ( Lucas 1: 26-33 ).
Ela é, como o conselho de Calcedônia afirmou, o theotokos - "portador de Deus" ou "mãe
de Deus". Este título não foi dado a Maria para conferir status quase-divino sobre ela; Em
vez disso, foi dado para defender a verdade da divindade de Cristo. Isto é, o título é para
o bem de Jesus. A criança em desenvolvimento, que Maria levou a termo e nasceu em
Belém, não foi senão o Filho encarnado de Deus. Ele era (e permanece) uma união
perfeita entre a natureza divina e a natureza humana.

Coram Deo

Como seguidores de Cristo, devemos lutar fervorosamente pela fé, uma vez entregue aos
santos ( Judas 3 ). No entanto, ao fazê-lo, devemos ter cuidado em ir para o extremo
oposto, pois com freqüência cometemos outros erros quando balançamos o pêndulo até o
outro lado. Nosso objetivo é ser fiel às Escrituras, buscando equilibrar as verdades sobre
Deus e a criação, onde Deus os equilibra e confia em Sua Palavra para moldar nossa
interpretação de toda a vida.

Passagens para Estudo Adicional


Isaías 7:14
Marcos 16: 1-8
João 19: 25-27
Atos 1: 12-14
Xxxxxxxx

Uma Mãe em Israel


Por Derek Thomas
Jacó, o astuto, depois de dez ou quinze anos, finalmente retorna a Betel. Deus tem
trabalhado em sua vida, atraindo para si o patriarca desobediente. Tem sido uma jornada
difícil. É invariavelmente assim quando nossas vontades são ajustadas na variação de
encontro ao senhor. Da perspectiva da retrospectiva, Jacó poderia agora falar à sua família
de um Deus "que me responde no dia da minha angústia e está comigo onde quer que eu
vá" (Gênesis 35: 3). Jacó havia sido abrigado dentro da órbita da fidelidade da aliança de
Deus. Apesar do compromisso meio-hearted e de decisões questionáveis feitas mais pelo
medo do que pela confiança, Jacob tinha sabido a bondade providential do senhor. Mesmo
agora, quando ele retorna, um caminho é aberto para que ele volte em segurança para o
lugar onde Deus havia se encontrado com ele. A promessa que Deus lhe fizera, então,
Deve ter assombrado ele ao longo dos anos. Ele herdaria a terra e sua descendência seria
como "o pó da terra" (Gên. 28: 13-15), mas ele tinha deixado com nada, mas as roupas
que ele estava usando! Agora, quando ele retorna a Betel, ele traz consigo seus doze filhos
(seu duodécimo ainda não nascido no ventre de sua mãe) e considerável riqueza. E Jacob
faz a única coisa possível sob tais circunstâncias - a única coisa certa: ele adora! Ele
derrama seu coração em gratidão ao Senhor por tudo o que ele agora sabia da graça de
Deus. Ele traz consigo seus doze filhos (seu duodécimo ainda não nascido no ventre de
sua mãe) e considerável riqueza. E Jacob faz a única coisa possível sob tais circunstâncias
- a única coisa certa: ele adora! Ele derrama seu coração em gratidão ao Senhor por tudo
o que ele agora sabia da graça de Deus. Ele traz consigo seus doze filhos (seu duodécimo
ainda não nascido no ventre de sua mãe) e considerável riqueza. E Jacob faz a única coisa
possível sob tais circunstâncias - a única coisa certa: ele adora! Ele derrama seu coração
em gratidão ao Senhor por tudo o que ele agora sabia da graça de Deus.

À medida que Jacó adora, coisas maravilhosas acontecem: Deus renova a aliança que ele
havia feito (Gênesis 35: 9-15), lembrando a Jacó o significado do novo nome que recebera
em Peniel. Outros podem chamá-lo de Jacó, mas Deus o chamou "Israel". Algumas das
coisas que Deus lhe disse devem ter lembrado as palavras semelhantes usadas por seu pai
Isaque muitos anos antes, especialmente quando ele ouviu Deus dizer: "seja frutífero E
multiplicai-vos "(Gênesis 35:11, ver 28: 3). Mas uma nova promessa é feita, "os reis virão
do teu próprio corpo" (35:11). Imagine! A tentativa miserável de Jacó de comprar um
pedaço da Terra Prometida em Siquém (33:19) é respondida por Deus, dizendo: "Eu vou
dar a você e seus descendentes a totalidade!" Paixão misericórdia! Graça da aliança!
Fidelidade da aliança!

Mas, na esteira de tais boas notícias vem tristezas e lembretes a Jacó que a maldição do
Éden ainda não foi removida. Quando Jacó chega a Betel, a enfermeira de sua mãe,
Deborah, morre (35: 8). Ao sair da cidade, enterrará sua mulher, Raquel (35:19). O
caminho para a glória é pavimentado com tristezas. É através de muitas tribulações que
entramos no reino de Deus (Atos 14:22). Perdas e cruzes estão espalhadas pelo caminho
da vida para nos lembrar, e Jacob, que devemos nos apoiar no Senhor a cada passo do
caminho. Duas lápides de mulheres queridas ao coração de Jacó eram pilares concebidos
para o desmamar da autoconfiança que de outra forma caracterizaria sua vida.

Rachel morreu dando à luz seu segundo filho, Benjamin. Jacó o chamou de "filho da
minha mão direita" em vez do nome que Rachel havia sugerido, "filho da minha tristeza"
(Benoni). O momento deve ter sido particularmente difícil para Jacob. Ela era sua amada,
trazendo-lhe dois filhos. Gerações futuras se levantaram e a chamaram abençoada. Ela
era uma mãe das doze tribos, o Israel de Deus. Junto com Sara, Lea, Joquebede, Débora,
Rute, Isabel e Maria, Rachel é uma das mulheres e mães honradas da Bíblia. Ela é um
testemunho do nobre chamado de ter filhos ( 1 Timóteo 2:15 ).

Quantas vezes é a linha escura de dor e tristeza em torno de nossas experiências de


bênção! Na esteira da renovação da aliança vem a picada da morte. Um túmulo lançou
uma longa sombra sobre os acontecimentos. Mas, é um sinal de quanto Jacob aprendeu
da bondade de Deus a ele que ele muda o nome de seu duodécimo filho de Benoni para
Benjamim. O "filho da minha mão direita" pode soar para nossos ouvidos um pouco auto-
avanço, mas não é. A mão direita é freqüentemente usada na Escritura como um símbolo
de bênção e favor. Deus tinha sido bom para ele, e isso era o que Jacob queria definir
como um legado em lembrança de sua esposa.

Os crentes expressam tristeza pela perda de um cônjuge de maneiras diferentes. Sugerir


que, como os cristãos sabem que a morte é para os crentes, a porta da glória, então eles
não se entristecerão em momentos de luto é absurdo desumano. Os cristãos também
sofrem. Alguns, como CS Lewis, ficam quase desanimados pela tristeza. Outros, como
Richard Baxter, são muito mais otimistas, escrevendo um Breviate no qual registra
aspectos significativos da vida e da passagem de sua esposa (uma memória pessoal com
um foco espiritual) na esperança de ajudar os outros a se aproximarem berealmente e
espiritualmente. Jacó havia esperado sete anos para casar com Rachel.

Agora, décadas mais tarde, ela se foi. A coluna que ele erigiu sobre seu túmulo em sua
memória ( Gênesis 35:20 ) foi uma testemunha da tristeza e esperança que cercou sua
vida. Tristeza na perda; Esperança na aliança promete que agora lhe assegurou um amor
que não o deixará ir.
Xxxxxxxxxxxxx

Conselhos de uma mãe

" Agora, pois, filho, obedecei à minha voz. Levanta-te, foge a Labão, meu irmão, em
Harã, e fique com ele por algum tempo, até que a fúria de teu irmão se desvie "( Gênesis
27: 43-44 ).

- Gênesis 27: 41-45


Em Filipenses 1: 15-17 , o apóstolo Paulo expressa sua grande alegria pelo avanço do
Evangelho. Embora seja verdade que alguns estavam pregando sobre Cristo por motivos
pecaminosos como inveja e rivalidade, Paulo ainda é encorajado pela verdade que está
fluindo dos lábios de tais pregadores. O reino de Deus estava aumentando em seu tempo,
e por isso ele podia se alegrar.

Ao longo da história do povo do Senhor, a mensagem da salvação continuou sua marcha,


embora os crentes nem sempre tenham sido fiel ao chamado do Mestre. As pessoas foram
abatidas em nome de Jesus. Escritórios da Igreja foram comprados e vendidos. Os cristãos
freqüentemente equipararam voluntariamente o Evangelho a uma cultura particular.
Contudo, por todo esse erro, o reino continua crescendo e se espalhando até mesmo nos
cantos mais escuros da terra ( Mt 16:18 ).

As bênçãos de Isaque sobre Jacó e Esaú mostram que, desde o início de Sua igreja, o
reino de Deus cresceu apesar do pecado de Seu povo. Ninguém em Gênesis 27 se
comportou admiravelmente. Isaac favorece Esaú, ignorando o costume costumeiro de
abençoar ambos os filhos ao mesmo tempo (vv.1-4). Rebeca favorece Jacó até o ponto
em que ela engana seu marido sem chamá-lo para ouvir a palavra do Senhor para os seus
filhos (vv. 5-17). Jacó de bom grado se inclina para a decepção (versos 18-29), e Esaú
não se arrepende por desprezar antes seu direito de primogenitura (versículos 30-40).
Contudo, no final, a eleição do Senhor de Jacó é confirmada (25:23; 27: 27-29), ainda
que através das maquinações torcidas de Seus servos.

Deus terá Seu caminho, mesmo se Ele escolher usar nossas fraquezas para alcançar Seus
propósitos. No entanto, Gênesis 27 também nos mostra que não devemos nos rebaixar ao
engano para alcançar Seus bons fins. O ódio duradouro entre os filhos de Esaú e Jacó
resulta deste episódio (vv.39-41). Rebeca e Jacó receberam a bênção que quiseram, mas
Rebeca terá que mandar seu filho favorito para nunca mais vê-lo (versículos 42-45).
Outros obterão o melhor de Jacó (29: 1-30), e ele passará a maior parte de seus últimos
anos de luto pela perda de seu próprio filho, Joseph (37: 12-36; 42:36; 45:28). Nossa
desobediência não pode frustrar os planos de Deus, mas Ele certamente disciplinará Seus
filhos por pecar contra Ele ( Hebreus 12: 7-11 ).

Coram Deo

Embora a graça de Deus tenha sido derramada abundantemente apesar da perversidade


de Seu povo, nunca devemos pecar para que a graça abunde ( Romanos 5: 12-6: 4 ). Você
é culpado de usar uma teologia dos "fins justifica os meios" para conseguir um objetivo
bom? Por exemplo, talvez você tenha tomado um trabalho que incomoda a sua
consciência, a fim de obter através da escola ou ganhar dinheiro extra. Seja qual for o
caso, esforce-se para agradar a Deus com os fins que você procura e os meios que você
usa para chegar lá.

Passagens para Estudo Adicional

1 Crôn. 13: 1-10


Mic. 6: 8
Fil. 1: 12-14
Col. 1: 9-10
Xxxxxxxxxxxxx

Mães na Igreja
Por Jen Wilkin
Um dos meus livros favoritos como uma criança foi o clássico por PD Eastman, Are You
My Mother? É a história de um pássaro de bebê que cai de seu ninho e vai em busca de
sua mãe. Eu ansiosamente virar as páginas como ele perguntou a um cão de caça, um
carro velho, e uma série de outras criaturas e objetos sua pergunta com alma: "Você é
minha mãe?" Como o passarinho vai pesquisando, ele passa bem perto de sua mãe Sem
estar ciente. O texto diz: "Ele não sabia como era sua mãe. Ele foi direto para ela. Ele não
a viu. "Tendo se encontrado com desapontamento e até mesmo perigo uma e outra vez,
finalmente ele a encontraria na última página, assim como meu coração de quatro anos
estava prestes a romper com o suspense. Eastman escreveu um livro que apelava para
uma verdade óbvia: bebês precisam de mães.

Agora estou na casa dos quarenta e uma mãe com quatro filhos quase crescidos. Como
eu estou escrevendo, eles são todos "fora do ninho" para a semana, ea ordem inusitada
calma de nossa casa tem sentido como um antegozo da próxima fase da vida que está
correndo em direção a mim. Para ser honesto, não tenho certeza de como me sinto sobre
isso. Sendo a ave mamãe deste ninho me consumiu há vinte anos, e eu amei. O termo
"nester vazio" se sente como um ajuste impar.

Mas eu sei melhor do que pensar que meus dias de maternidade estão chegando ao fim.
Eu sei disso porque Deus chama cada mulher crente para ser uma mãe. Pense sobre o
comando dado a Adão e Eva em Gênesis 1: Seja fecundo e multiplique. Encha a terra
com mais portadores de imagem. O comando para o primeiro homem e mulher significava
que eles deveriam se tornar pais no sentido literal. Mas no Novo Testamento, encontramos
este comando expresso também em termos espirituais na Grande Comissão: Vá a todas
as nações e faça discípulos. Seja fecundo e multiplique. Encha a terra com mais
portadores de imagem. Mas desta vez, o chamado também é ser pais espirituais, elevando
os recém-nascidos crentes à maturidade, ajudando-os a se conformarem com a imagem
de Cristo.

Sei que meus dias de maternidade não acabaram porque, enquanto eu respirar fundo, o
chamado para encher a terra com portadores de imagens será de minha responsabilidade.
Assim como meus filhos biológicos precisavam de mim para treiná-los no autocontrole,
diligência e obediência, assim também os jovens crentes na igreja precisam dos mais
maduros para treiná-los na piedade. Toda mulher crente que cresça até a maturidade
torna-se, em seu tempo, uma mãe espiritual para aqueles que seguem para trás, se ela
nunca se torna uma mãe em termos físicos. Ela cumpre o chamado mais básico da
maternidade: nutrir os desamparados e fracos até a maturidade e a força. Ela ajuda o
jovem crente a cuidar do leite puro da Palavra, ensinando fielmente a doutrina básica e
modelando o fruto do Espírito. Ela sacrificialmente se torna disponível, como a mãe de
um recém-nascido, Permitindo que seu horário e necessidades pessoais sejam
incomodados para cuidar dos jovens espiritualmente jovens e vulneráveis. E ela entende
que o trabalho não é um julgamento, mas um dever sagrado, encontrando um profundo
prazer nos primeiros passos bamboleantes da fidelidade e gaguejando as primeiras
palavras de verdade.

Mas conectar os bebês espirituais às mães espirituais nem sempre é um processo suave.
Como o pássaro do bebê no livro de Eastman, os cristãos novatos podem não reconhecer
um pássaro do mama mesmo quando um está estando direito na frente deles. Eles podem
passar por ela. Eles podem perguntar: "Você é minha mãe?" Da pessoa errada e receber
a resposta, "Sim". Muitos dos falsos mestres estão ansiosos para caçar jovens cristãos
ainda não estabelecidos em sua fé. Homens e mulheres mais jovens na fé, você reconhece
a necessidade da sabedoria de uma mãe espiritual? A quem você poderia se aproximar
para ajudá-lo a crescer até a maturidade em seu relacionamento com Deus e com os
outros?
Não só as crianças espirituais não conseguem reconhecer as mães espirituais, mas as mães
espirituais podem não se reconhecer como tais. Podemos subestimar a necessidade ou
questionar nossa capacidade de enfrentá-la. Ou podemos hesitar em nos estender por
medo do compromisso. Mas uma igreja sem mãe é tão trágica quanto uma casa sem mãe.
Guiar espiritualmente os jovens até a maturidade não é apenas o trabalho do pastor
vocacional, do ancião ou do professor da escola dominical. A igreja precisa de mães para
cuidar da família de Deus. Devemos nos levantar à nossa responsabilidade, procurando
ansiosamente por quem o Senhor deseja que cuidemos. Não há esterilidade entre as
mulheres crentes. Através do evangelho, todos se tornam mães em sua maturidade. E, ao
contrário da maternidade biológica, a maternidade espiritual tem o potencial para
centenas, até milhares de descendentes. Mulheres mais velhas na fé, Você reconhece a
importância vital de sua influência e exemplo? A quem você poderia dar espaço para a
sua vida orientar-se para a maturidade? Quem precisa da sabedoria que você suporta
duramente? Bebês espirituais precisam de ajuda para abrir a Palavra de Deus, para viver
em paz com Deus e com os outros, para serem luzes em lugares escuros. Os bebês
precisam de mães.

É o chamado de toda mulher crente submeter-se ao comando de ser frutífero e multiplicar,


para encher a terra de portadores de imagens. Isto significa que, para nós, o termo nester
vazio nunca pode verdadeiramente ser aplicado. Há conforto para mim em conhecer esta
verdade enquanto vejo meus filhos biológicos crescerem e sair de casa. Eu suspeito e
espero que haja conforto nessa verdade para qualquer mulher crente, mãe biológica ou
não. Nenhum de nós precisa jamais questionar nossa utilidade na casa de Deus. Temos
apenas de desenhar o próximo incipiente pesquisador sob a nossa ala.
Xxxxxxxxx

Mães na Igreja
DE Nathan W. Bingham 15 De Dezembro De 2016 Categoria : Revista Tabletalk

Aqui está um trecho de Mothers in the Church , a contribuição de Jen Wilkin para a edição
de dezembro do Tabletalk :

Sei que meus dias de maternidade não acabaram porque, enquanto eu respirar fundo, o
chamado para encher a terra com portadores de imagens será de minha responsabilidade.
Assim como meus filhos biológicos precisavam de mim para treiná-los no autocontrole,
diligência e obediência, assim também os jovens crentes na igreja precisam dos mais
maduros para treiná-los na piedade. Toda mulher crente que cresça até a maturidade
torna-se, em seu tempo, uma mãe espiritual para aqueles que seguem para trás, se ela
nunca se torna uma mãe em termos físicos. Ela cumpre o chamado mais básico da
maternidade: nutrir os desamparados e fracos até a maturidade e a força.

Continue lendo Mães na Igreja , ou começar a receber a revista Tabletalk, inscrevendo-


se para um julgamento gratuito de 3 meses .
Xxxxxxxxxxxxxx

Honre seu pai e sua mãe


Por Douglas Bond
Não mais de regras parentais ", declara Calvin (da tira cómica Calvin e Hobbes ) enquanto
ele e Hobbes se dirigem para o norte para serem mestres de seu destino no congelado
Yukon. "Boa viagem para aqueles ghouls adultos!" A vida será grande, então Calvin
pensa, porque lá ele não precisará suportar - muito menos honra - seus pais.

Em uma cultura que honra a juventude, "honra seu pai e sua mãe" ( Êxodo 20: 12a ) não
faz sentido. Não é honra algo que procuramos por nós mesmos? Então, o que é tudo isso
sobre dar aos outros?

O Culto da Juventude

Nossa cultura tolerante tem tolerância zero para o envelhecimento, que produziu um culto
de juventude perpétua. No frenesi resultante para aparecer jovem, os americanos gastam
anualmente uma quantidade em procedimentos cosméticos suficiente para alimentar e
vestir cinquenta e quatro milhões de crianças famintas.

Devotadamente honrando a superficialidade da aparência, olhamos com ansiedade para a


juventude - e com aversão pela idade e maturidade. Desesperadamente não queremos
crescer e abandonar os caminhos infantis ( 1Co 13: 11b ), então, ao invés de mostrar a
velha honra, nós os desprezamos.

A maturidade da desonra, no entanto, não é apenas o problema da nossa cultura juvenil


baseada em imagens. Vendo a tendência no século XVI em Genebra, João Calvino
advertiu de seu leito de morte: "Que os jovens continuem sendo modestos, sem querer
avançar demais; Pois sempre há um caráter jactancioso em jovens ... que se empenham
em desprezar os outros. "

Perversamente, nossa cultura torna uma virtude "empurrar em desprezar os outros",


especialmente os pais. O professor da UCLA, Jared Diamond, argumenta que, com
tecnologia e inesgotável acesso à informação, não precisamos mais do maduro como fonte
de sabedoria.

Honre tudo

Indo para o coração, o quinto mandamento se estende além de honrar os pais. Ela "requer
a preservação da honra e o desempenho dos deveres, pertencendo a todos em seus vários
lugares e relações, como superiores, inferiores ou iguais" ( WSC 64).

Enumerado no quinto mandamento é o nosso dever de amar o próximo como a nós


mesmos - todos os nossos vizinhos.

Mas honrar é difícil; Exige-nos que suspendamos nossa auto-adoração, renunciemos à


honra que imaginamos que nos pertence e apresentemos a outra, incomodando-nos pelo
benefício dos outros, levantemos na presença dos idosos ( Levítico 19:32 ) , E assim
honrar a Deus.

Honre o desonroso

Amantes intransponíveis do eu, achamos que honrar os outros é muito difícil - na verdade,
achamos isso impossível. Então nós lançamos sobre para uma saída. Muitos têm boas
razões. Um jovem ansioso me perguntou uma vez: "Como devo honrar meu pai depois
do que ele fez à minha mãe?" Era uma boa pergunta. Eu sabia o que esse pai tinha feito.
Ele tinha fugido com outra mulher, deixando sua esposa grávida para pegar os pedaços
do desastre doméstico criado por seu comportamento profundamente desonroso. No
entanto, Deus diz a este jovem para honrar seu pai.

Os fariseus pensaram que tinham aterrado na cláusula final da exceção a honrar pais. Eles
haviam preparado uma tradição que dizia que quando declaravam seus recursos dados a
Deus, eles estavam fora do gancho do quinto mandamento. Jesus expôs a fraude: "Por
causa da tua tradição, fizeste anular a palavra de Deus. Vocês hipócritas! Bem, Isaías
profetizou de você, quando ele disse: 'Este povo me honra com seus lábios, mas seu
coração está longe de mim' "( Mt 15: 6-8 ).

Somente os corações que foram aproximados de Deus em Cristo podem verdadeiramente


honrar mãe e pai, até mesmo os pais que agiram desonrosamente. Da mesma forma que
"filhos obedecem a seus pais" não inclui obedecer seus mandamentos pecaminosos, assim
"honrar seu pai" não inclui honrar seu comportamento desonroso.

Claramente, se Pedro pode exortar os crentes do primeiro século a honrarem a todos,


incluindo o Imperador Nero ( 1 Pedro 2:17 ), então o comando para honrar os pais não é
anulado por ter um pai desonroso, mais do que o mandamento de amar o nosso Vizinho
é vazio quando temos um vizinho que lobs latas de cerveja sobre a nossa cerca. Os
mandamentos de Deus ainda se aplicam em um mundo quebrado de vizinhos imperfeitos
e pais desonrosos; Eles foram dotados para nós por nosso misericordioso Pai celestial
para tal mundo.

Obediência perfeita requerida

Unicamente, o quinto mandamento anexou a ele uma consequência duradoura para


obedecer-lhe: "para que os vossos dias sejam longos na terra que o Senhor vosso Deus
vos dá" ( Êxodo 20: 12b ).

Vida longa - vida eterna . Garantido inabalavelmente por nosso Irmão mais velho, cuja
obediência superou a dos escribas e fariseus ( Mateus 5:20 ), que só é perfeito como seu
Pai celestial é perfeito (5:48), que fez o que ninguém jamais pôde Para fazer: cumprir
perfeitamente todos os deveres exigidos na lei de Deus. Escolha seu herói terreno;
Ninguém honrou perfeitamente seus pais.

Exceto Jesus. Honrando a vontade de Seu Pai, Cristo orou: "Meu Pai, se for possível,
passe este cálice de mim; No entanto, não como eu quero, mas como você quer "(26:39).
Abandonado na cruz, o Filho perfeitamente obedeceu e honrou Seu Pai - embora lhe
custasse tudo.

" Honra a teu pai ea tua mãe." Jesus fez. Nele, podemos crescer diariamente na graça de
honrar nossos pais terrenos pela honra ainda maior de nosso Pai celestial.

Xxxxxxxxxxxx

Que Escrituras pode uma esposa e mãe cristãs usar como diretrizes para suas
responsabilidades e deveres?
Primeiro de tudo, você é um ser humano, e você é uma pessoa que foi reivindicada por
Cristo. Você está no reino, então as Escrituras que você usa para aprender sobre suas
responsabilidades e deveres diante de Deus começam em Gênesis 1: 1 e terminam com o
último versículo do livro de Apocalipse. Toda a Palavra de Deus é para instruí-lo em
termos de seus deveres e responsabilidades. É absolutamente vital que os cristãos
aprendam a viver de acordo com os princípios e que esses princípios nos vêm das
Escrituras. Os princípios básicos da vida aplicam-se a nós, seja qual for a nossa situação,
quer seja esposa ou marido, mãe ou pai, ou solteira.

O livro de Efésios estabelece algumas responsabilidades específicas para uma esposa em


seu relacionamento conjugal e também em suas responsabilidades parentais.

Um dos versos mais famosos e controversos é o mandamento que Deus dá através do


apóstolo Paulo para que as esposas sejam sujeitas a seus maridos. Isso criou um monte de
debate e também um monte de mal-entendidos. Às vezes, qualificadores de princípios
gerais nos são dados em outras Escrituras. Por exemplo, a Bíblia nos diz que todos somos
responsáveis por obedecer aos magistrados civis, mas há ocasiões em que um cristão não
só pode desobedecer, mas deve desobedecer aos magistrados civis, como fizeram os
apóstolos quando o Sinédrio lhes proibiu pregar o evangelho . O apóstolo perguntou se
deveríamos obedecer ao homem ou a Deus. Sempre que um marido ordena a uma esposa
que faça algo que Deus proíba ou não lhe permita fazer algo que Deus ordena, não
somente a esposa se recusa a se submeter ao marido, mas ela deve desobedecê-lo. Antes
de tudo, ela tem a sua própria responsabilidade de viver a sua vida diante de Deus. Esse
texto em Efésios nunca deve ser usado como uma licença para os homens para tiranizar
suas esposas. Sabemos que alguns homens tomaram esse texto e o usaram para bater as
mulheres e tentar levá-las a uma obediência servil, algo que o texto nunca pretendia.

Além disso, Provérbios 31 lhe dá uma ótima visão da mulher empreendedor.