Anda di halaman 1dari 13

13/06/2016

Município e Mineração

Royalty é a denominação genérica que é dada


aos tributos ou encargos que incidem
especificamente sobre a mineração.

A cobrança de royalties = concessão de direito


de uso exclusivo = exaustão resultante do
aproveitamento.

Empobrecimento do patrimônio público

1
13/06/2016

Os principais tipo de royalties:


– os royalties específicos;
– os royalties ad valorem;
– os impostos mineiros;

Específicos - pagamento de uma quantia fixa,


estabelecida pelo governo, por cada unidade
(peso ou volume) produzida.

Homogêneos - fáceis de medir e monitorar


Aplicação generalizada

Ad valorem - calculado como uma porcentagem


do valor do produto mineral.
Sensível à qualidade do bem mineral produzido
e aos preços de venda

2
13/06/2016

Impostos mineiros – Impostos específicos sobre


a mineração ou impostos mineiros, baseados
no lucro ou na renda;

Compensação Financeira pela Exploração de


Recursos Minerais - CFEM

A base de cálculo é o faturamento líquido


resultante da venda (ou o equivalente à
transferência) do minério, com aplicação das
seguintes alíquotas, conforme o tipo da
substância

CFEM - Ad valorem

3
13/06/2016

Além da CFEM, é garantida a participação no


resultado da lavra do proprietário do solo,
caso ele não seja o próprio minerador. Essa
participação é de 50% do valor apurado para a
CFEM, conforme estabelecido pela legislação

10

C.F 88
IUM CFEM
•extração, tratamento, •calculada sobre o
•circulação, distribuição, valor do faturamento
• exportação ou líquido, obtido por
•consumo de substâncias ocasião da venda do
minerais produto mineral.

11

Os recursos originados da CFEM não poderão


ser aplicados em pagamento de dívida ou do
quadro de pessoal permanente da União, dos
Estados e do Distrito Federal, e dos
Municípios.
comunidade local - melhoria da infraestrutura,
da qualidade ambiental, da saúde e da
educação.

12

4
13/06/2016

Competências Constitucionais –
A União, os Estados e os Municípios estão
envolvido no processo de administração e
aproveitamento de recursos minerais

13

“O aproveitamento de recursos minerais depende


de prévio licenciamento ambiental, que pode
circunstancialmente ocorrer em qualquer uma
das esferas do Poder Público, ou até mesmo
subordinar-se a mais de uma instância, ficando
ainda o empreendedor com a obrigação de
recuperar a área minerada.”

14

Competência da União:
– Legislar privativamente sobre jazidas, minas e
outros recursos minerais;
– Legislar privativamente sobre o sistema
estatístico, cartográfico e de geologia nacional;
– Organizar e manter os serviços oficiais de
estatística, geografia e geologia de âmbito
nacional;

15

5
13/06/2016

Competência do estado –
– Conservação da natureza, defesa do solo e
recursos naturais, proteção do meio ambiente e
controle da poluição;
– Responsabilidade por dano ao meio ambiente;
– Produção e consumo;

16

Competências comuns da União, Estado e dos


Municípios –
– Registro, acompanhamento e fiscalização das
concessões minerárias;
– Proteção ao meio ambiente, combate a poluição e
proteção das paisagens naturais notáveis e dos
sítios arqueológicos.

17

Competência dos municípios –


– Suplementar as legislações federais e estaduais,
no que couber, promovendo o adequado
ordenamento territorial por meio de
planejamento e controle do uso do parcelamento
e da ocupação do solo urbano;
– Legislar sobre assuntos de interesse local;
– Implantar o Plano Diretor;

18

6
13/06/2016

Estado

União (CFEM)

Município

19

Atribuições Legais exercidas pelo município-


• expedição de licença específica;
• extração de minérios de utilização direta em obras públicas pelo regime
de Registro de Extração;
• manifestação prévia (mediante consulta pelo DNPM) sobre a outorga de
direitos minerários em zona urbana;
• manifestação sobre processos de licenciamento (CODEMA) ;
• definir, quando couber, usos futuros para as áreas mineradas e
acompanhar a implementação dos planos de recuperação das áreas
degradadas;
• registro, acompanhamento e fiscalização das atividades de mineração,
incluindo a arrecadação de impostos e compensação financeira;
• controle e fiscalização de obras, atividades, processos produtivos,
empreendimentos e exploração de recursos naturais, analogamente a
qualquer empreendimento ou atividade econômica.

20

Instrumentos legais
– Plano Diretor;
– Lei de Uso e Ocupação do Solo;
– Lei de Parcelamento do Solo Urbano e Rural;
– Código de Obras;
– Código de Posturas;
– Código Tributário;

21

7
13/06/2016

Fatores que interferem no processo de


desenvolvimento da mineração e na
correspondente gestão municipal- Plano
Diretor
– Potencial mineral – Vocação Natural;
– Situação da atividade produtiva – Termos
técnicos, econômicos legais e ambientais;
– Disponibilidade de recursos minerais – Demanda,
consumo, competidores conflitantes.
22

Economia e Meio Ambiente

23

A Economia do meio ambiente


• Economia da Poluição-

– Conjunções de efeitos + desperdício do meio


ambiente + reação humana

24

8
13/06/2016

• Teoria das externalidades

• As externalidades podem ter efeitos positivos


ou negativos, isto é, podem representar um
custo para a sociedade, ou podem gerar
benefícios à mesma.

25

• Custo marginal privado –


– insumos exigidos para a produção dos bens e
serviços

• Custo marginal social-


– impacto sobre o consumo

26

Preço O (custo marginal privado)

Eo
Po

D (benefício marginal privado)

Qo Quantidade

27

9
13/06/2016

• Externalidades Negativas –
– O custo total dessa atividade, para a sociedade,
inclui tanto os custos privados da produção como
os danos causados.

28

29

• Externalidades Positivas
– os níveis de produção, associados ao equilíbrio de
mercado, são inferiores àqueles que seriam
socialmente ótimos.

30

10
13/06/2016

B
Preço
Oferta (custo marginal privado)

E*
P*

E EM
PM

Benefício marginal social = Benefício marginal


privado – Benefício de Externalidade (BE)

Demanda (benefício marginal privado)

QM Q* Quantidade

31

O Problema dos Recursos Comunitários


A propriedade conjunta dos recursos conduz,
pois, ao seu uso indiscriminado. A solução para
esse tipo de problema requer que o governo atue
como se fosse o proprietário desses recursos.

32

Soluções para as Externalidades


Implementar mecanismos capazes de corrigir
tais externalidades. Essas soluções podem ser
públicas e privadas e implicam internalizar as
externalidades.

33

11
13/06/2016

• Soluções Privadas
– Fusões
• Coordenação das decisões entre as partes envolvidas;
– Sanções Sociais
• Penalização dos agentes responsáveis
– Direitos de Propriedade
• Negociação entre as partes envolvidas

34

• Soluções Públicas
– Impostos e Subsídios Corretivos
• O uso da tributação corretiva
– Regulações e Multas
• Fixação de esquemas regulatórios

35

• Correção de Externalidades Negativas (Custos Externos), em Mercados Competitivos,


Mediante o Uso de um Imposto

Custo marginal social (incluindo o custo marginal


Preço de poluição)

Custo Marginal Privado


E*
C
EM Imposto por unidade sobre a poluição (custo
marginal da poluição)

B
Demanda (benefício marginal social)

Q* QM
Quantidade

36

12
13/06/2016

Correção de Externalidades Positivas (Benefícios Externos), em Mercados Competitivos, Mediante o


Uso de Subsídios

Preço
Oferta

E*
C
Subsídio por unidade
produzida

B
Benefício marginal social

Demanda

Q* Quantidade

37

• Eficiência na Produção em Presença de Externalidades


Positivas (Benefícios Externos) em Mercados Competitivos
Custo de redução
de Poluição Oferta

C
EM E* Custo marginal privado de redução da poluição

Benefício marginal social de redução de poluição


B

Benefício marginal privado de redução de poluição

QM Q* Quantidade de redução de poluição

38

13