Anda di halaman 1dari 10

Universidade Estadual de Maringá 26 e 27/05/2011

SANTO AGOSTINHO E EDUCAÇÃO: ALGUMAS REFLEXÕES

SOUZA, Mariana Rossetto de (UEM/Bolsista CAPES) PEREIRA MELO, José Joaquim (Orientador/UEM)

O presente trabalho tem como objetivo discutir a concepção de educação apresentada por Santo Agostinho. Para tanto, pretende-se partir de uma perspectiva metodológica que identifique o período histórico no qual Santo Agostinho está inserido e a influência dos acontecimentos desse momento em seu pensamento e em suas propostas. Com isso, ao estudar o contexto histórico, é possível chegar à motivação agostiniana em apontar caminhos para o homem de seu tempo. É importante considerar que esse homem é histórico, sendo entendido a partir de sua inserção na sociedade e das relações que estabelece:

O homem, tomado historicamente, expressa uma época. Os conceitos, as definições, as concepções substancialmente interessadas em entender o homem não extrapolam a materialidade das condições nas quais as idéias se gestam. O pensamento é filho do tempo [ ] ... (NAGEL, 2002, p. 35).

Nesse sentido, baseando-se no que Marx e Engels apresentam em “A Ideologia Alemã”, as relações sociais devem ser contempladas como um todo, entendendo-se que a materialidade do período favorece a constituição da consciência humana e, por extensão, o modo como o homem explica e organiza a sociedade. Assim, parte-se do pressuposto de que o homem deve ser entendido a partir dos diversos fatores sociais que o envolve, acreditando-se que abandonar esse entendimento coloca em risco a relação existente entre o desenvolvimento histórico e a sociedade.

Universidade Estadual de Maringá 26 e 27/05/2011

Santo Agostinho e a consolidação do cristianismo

Santo Agostinho nasceu em 354 d.C., em Tagaste, na África, e faleceu em 430 d.C., em Hipona, onde era bispo desde o ano de 395. Viveu, portanto, entre os séculos IV e V, momento de profundas transformações no Ocidente Europeu: paralelamente à decadência do Império Romano, que passava por uma crise de ordem econômica, política e social, o cristianismo ia se consolidando. Tal situação culminou no fim do Império Romano, que foi decretado por

Odoacro – oficial bárbaro que viveu aproximadamente entre os anos de 434 e 493 – em

agosto de 476. Apesar disso, é importante considerar que “[

...

]

há muito que a idéia do

Império Romano deixara de existir no espírito de alguns. Já não se apoiava em nada de concreto” (GRIMAL, 1999).

Nesse contexto de enfraquecimento do Império Romano, a unidade política romana foi sendo substituída gradativamente pela unidade religiosa cristã (BARK, 1979). Fundamental para que isso acontecesse foi a conversão do Imperador Constantino (306-337): ao se tornar cristão, ele deu início ao processo que levaria a sociedade à mudança que aconteceu no governo de Teodósio (378-395), quando o cristianismo tornou-se a religião oficial do Império. A doutrina cristã indicava uma nova fonte de felicidade para os homens, que seria encontrada não mais em sua materialidade, mas após a morte. Esta proposta foi de encontro às necessidades dos homens daquele período, que estavam inseguros em decorrência da instabilidade social e, por extensão, de suas vidas:

Os que se recusaram à rendição buscaram refúgio na religião. Procuraram livrar-se da mesquinhez da vida real com a contemplação de Deus e na comunhão com o mundo invisível. Incapazes de trabalhar para outros ou de lutar pela vitória de qualquer grande causa, retiraram-se inteiramente para dentro de si mesmos, adotando a autoperfeição como ideal, o desenvolvimento constante de seu próprio ser moral e espiritual (ROSTOVTZEFF, 1967, p. 297).

A Igreja Cristã, dessa maneira, tornou-se a grande pedagoga daquele momento, passando a direcionar os homens de acordo com seus ideais e concepções, tendo em vista a formação de uma sociedade cristã:

Universidade Estadual de Maringá 26 e 27/05/2011

Havia a preocupação de integrar o homem numa nova ordem social que, em rigor, não era política, mas religiosa. Tratava-se, portanto, de definir um conjunto de ações, construídas a partir da fé e da crença na salvação, capazes de formar um novo modelo de homem e de comunidade, a Igreja. Os convertidos, para serem aceitos e integrados na comunidade, precisavam ser instruídos nos preceitos que

orientariam sua vida [

...

]

(BORDIN, 2007).

O que se pretendia era a formação de um homem cuja conduta de vida fosse pautada nos preceitos do cristianismo, já que, para o entendimento cristão, somente ao buscar a santificação esse homem teria condições de sair do estado de miserabilidade que lhe era atribuído e chegar ao ideal formativo. Papel fundamental para a consolidação do pensamento cristão tiveram os Padres da Igreja e, dentre eles, Santo Agostinho, que sistematizou o pensamento da Patrística e auxiliou na fundamentação filosófico-teológica e educacional do cristianismo, indo além, ao produzir “um autêntico ideário pedagógico” (NUNES, 1978, p. 205). Como nos outros Padres da Igreja, o que se verifica em Santo Agostinho é uma preocupação com os problemas do homem de seu tempo e da Igreja Cristã (MARROU, 1957). Em suas propostas, apresentava um direcionamento formativo, que, segundo ele, levaria o homem à regeneração e lhe daria condições de alcançar a santificação. Nessa preocupação em atender aos interesses do cristianismo, Santo Agostinho organizou um projeto formativo cujo resultado deveria refletir na condição da vida humana e na organização da sociedade naquele momento.

O homem e a caminhada educativa na busca por Deus

Santo Agostinho pôs em relevo a sua concepção de homem, que para ele tratava- se de um mistério que deveria ser desvendado:

O homem é realmente um grande mistério; mas tu, Senhor, conheces até o número de seus cabelos, sem que se perca um só! E, no entanto, os cabelos são muito mais facilmente enumeráveis do que as afeições e sentimentos do coração (AGOSTINHO, 2010, IV, 14, 22, p.

106,107).

-------------------------------------------------------------------------------------

Universidade Estadual de Maringá 26 e 27/05/2011

“Quem, dentre os homens, conhece o que é do homem, senão o espírito do homem que nele está”? Existe, porém, algo no homem que nem sequer seu espírito conhece (AGOSTINHO, 2010, X, 5, 7, p.

274).

Além

disso,

o

homem, para Santo Agostinho, era um

ser

em

estado de

miserabilidade, que estava infeliz por buscar a tranquilidade nos bens materiais, satisfazendo-se com o corpo, elemento inferior na constituição humana:

Querem descansar nos bens instáveis – e não nos permanentes: são-

lhes aqueles arrancados pelo tempo e passam

...

e os atormentam com

temores e dores e os não deixam tranqüilos (AGOSTINHO, 2005, 16, 24, p. 79).

-------------------------------------------------------------------------------------

Por certo, um homem não se considerará muito infeliz se vier a perder sua boa reputação, riquezas consideráveis ou bens corporais de toda

espécie? Mas não o julgarás, antes, muito mais infeliz, caso tendo em abundância todos esses bens, venha ele a se apegar demasiadamente a tudo isso, coisas essas que podem ser perdidas bem facilmente e que não são conquistadas quando se quer? (AGOSTINHO, 1995, 12, 26, p. 54).

Essa falsa identificação do ser que o homem realizava, esperando encontrar a felicidade nos bens inferiores e limitados, segundo Santo Agostinho, levava-o ao fracasso e o desviava do projeto santificador do cristianismo (PEREIRA MELO, 2010). De acordo com o entendimento agostiniano, era a alma que garantia a superioridade do homem em relação aos outros animais. Isso se devia ao fato de a alma possuir a razão e estar ligada a Deus:

É evidente que nem a tudo o que dentre as criaturas é semelhante a Deus pode-se denominar sua imagem, apenas o é a alma, à qual unicamente Deus lhe é superior. Só a alma é a expressão de Deus, pois natureza alguma se interpõe entre ela e ele (AGOSTINHO, 1994, XI, 5, 8, p. 349).

O homem também era apresentado pelo pensador como um pecador, sendo o pecado o responsável pela sua miséria e infelicidade: era por meio do pecado que o homem se afastava de sua alma – superior – e, consequentemente, de Deus:

Universidade Estadual de Maringá 26 e 27/05/2011

Se a vida tende ao nada foi por se ter desviado – por uma defecção voluntária – de quem a criou, e de cujo ser desfrutava. Foi por querer – contra a lei divina – gozar dos seres corpóreos aos quais Deus a tinha colocado superior. Essa é a perversão (AGOSTINHO, 1992, 11, 21, p. 54).

-------------------------------------------------------------------------------------

Quando se indaga da causa de um crime, nela ordinariamente não acreditamos, enquanto não descobrimos que pode ter sido o desejo de obter algum dos bens que chamamos de inferiores, ou o medo de perdê-lo; são, de fato, belos e atraentes esses bens, embora sejam desprezíveis e baixos quando comparados aos bens superiores e beatíficos (AGOSTINHO, 2010, II, 5, 10, p. 56).

Era necessário, diante disso, que o homem se voltasse para sua alma, onde se encontrava o verdadeiro conhecimento. Ao tratar disso, Santo Agostinho apresentou uma proposta formativa que pode ser considerada autoeducativa: era uma busca interior dirigida pelo indivíduo, que deveria lutar contra o pecado, conduzido por sua razão (CAMBI, 1999). Essa configuração da educação agostiniana demonstra forte influência platônica, e foi entendida, em um primeiro momento, como uma caminhada de purificação moral e exercitação intelectual, pela qual o homem ia identificando-se com a Sabedoria, Bondade, Beleza e Felicidade supremas (PEREIRA MELO, 2002). Deus era apresentado pelo pensador como a própria Verdade e como fonte da verdadeira felicidade, ou seja, como resultado final da busca empreendida pelo homem, de modo que somente ao contemplá-Lo seria possível alcançar a tranquilidade:

E quer louvar-te o homem, esta parcela de tua criação; o homem carregado com sua condição mortal, carregado com o testemunho de seu pecado e com o testemunho de que resistes aos soberbos; e mesmo assim, quer louvar-te o homem, esta parcela de tua criação. Tu o incitas para que sinta prazer em louvar-te; fizeste-nos para ti, e inquieto está o nosso coração, enquanto não repousa em ti (AGOSTINHO, 2010, I, 1, 1, p. 19).

Ao amar e buscar a Deus durante sua vida, o homem poderia gozar da felicidade completa após a sua morte: “Adorai juntos e amai a Deus – por amor. Todo o nosso prêmio será Ele mesmo, e na vida eterna gozaremos de sua bondade e de sua beleza” (AGOSTINHO, 2005, 27, 55, p. 120).

Universidade Estadual de Maringá 26 e 27/05/2011

Portanto, a perfeição moral, a felicidade e, consequentemente, a sabedoria completa estavam relacionadas à ação do homem, que deveria conhecer e amar a Deus (PEREIRA MELO, 2010). Com isso, o homem ia assumindo a vivência cristã e se aproximando do processo de santificação. Em sua Teoria da Iluminação Divina, Santo Agostinho explicou a presença do verdadeiro conhecimento na alma humana como a ação direta de Deus na mente do

homem: “[

]

uma luz mediante a qual Deus irradia na mente humana as verdades

... absolutas, imutáveis” (MONDIN, 1981, p. 139). De acordo com ele, era essa luz divina

que possibilitava aos homens chegarem à compreensão das coisas:

Pois a terra é visível, como também o é a luz; mas a terra não pode ser vista se não for iluminada pela luz. Por isso, as coisas que alguém entende, que são ensinadas nas ciências, sem dúvida alguma ele as admite como verdadeiras, mas deve-se crer que elas não podem ser entendidas se não forem esclarecidas por outro, como que por um sol. Como no sol podem-se [sic] notar três coisas: que existe, que brilha e que ilumina, assim também no secretíssimo Deus, a quem tu desejas compreender, devem-se considerar três coisas: que existe, que é conhecido e que faz com que as demais coisas sejam entendidas (AGOSTINHO, 1998, I, 8, 15, p. 34).

O homem deveria voltar-se para dentro de si mesmo e para sua inteligência e ultrapassá-la para encontrar a ‘luz imutável‘, que é divina (PÉPIN, 2004), como o próprio Santo Agostinho afirmou:

Não saias de ti, mas volta para dentro de ti mesmo, a Verdade habita no coração do homem. E se não encontras senão a tua natureza sujeita a mudanças, vai além de ti mesmo. Em te ultrapassando, porém, não te esqueças que transcendes tua alma que raciocina. Portanto, dirige-te à fonte da própria luz da razão (AGOSTINHO, 1992, 39, 72, p. 106,

107).

Contudo, nem toda alma estava apta para que pudesse visualizar as verdades ali presentes e chegar à contemplação de Deus. Era necessário, segundo Santo Agostinho, que o homem passasse por uma caminhada formativa santificadora:

É próprio de todos os homens quererem ser felizes, mas nem todos possuem a fé para chegar à felicidade pela purificação do coração.

Universidade Estadual de Maringá 26 e 27/05/2011

Acontece, entretanto, que esse caminho que nem todos desejam é o verdadeiro caminho para a felicidade, a qual ninguém pode alcançar se não o quiser (AGOSTINHO, 1994, XIII, 20, 25, p. 433).

Por meio dessa caminhada é que o homem iria se afastando do que o levava a vida de pecados, já que o apego à materialidade aparecia como um impedimento na realização da autoeducação:

Faze, Pai, que eu te procure, mas livra-me do erro. Nenhuma outra coisa, além de ti, se apresente a mim, que te estou procurando. Se nada mais desejo senão a ti, Pai, então eu te encontro logo. Mas se houver em mim desejo de algo supérfluo, limpa-me e torna-me apto a ver-te (AGOSTINHO, 1998, I, 1, 6, p. 20).

-------------------------------------------------------------------------------------

Se durante a etapa de sua vida humana, a alma vence as cobiças com que se nutriu pelo gozo das coisas perecedoras, se ela crê que, para as vencer [sic], Deus a ajuda com o socorro de sua graça, e se submete a ele, em espírito e de boa vontade, então, sem dúvida alguma, ela será regenerada. Da dissipação de tantas coisas transitórias, voltará ao Uno imutável (AGOSTINHO, 1992, 12, 24, p. 56).

A partir daí, conforme Pereira Melo (2010), Santo Agostinho apresentou uma nova definição de educação, influenciado pela leitura de Paulo de Tarso, em que ela era caracterizada como uma peregrinação do homem, na qual o ‘homem exterior’, voltado aos bens materiais, mutáveis e mortais, deveria ceder lugar ao ‘homem interior’, ligado aos bens espirituais, imutáveis e imortais:

Eis a vida do homem que vive conforme o corpo e deixa-se prender pela cobiça das coisas temporais. É o chamado homem velho e

exterior, o homem terreno. [

]

Outros, porém, tendo necessariamente

... começado por aí, renascem interiormente, mortificam-se, eliminam por seu crescimento na sabedoria, tudo o que resta do homem velho.

Apegando-se estreitamente às leis divinas, esperam para depois da morte visível a renovação integral. Esse é o chamado homem novo, interior e celestial (AGOSTINHO, 1992, 26, 48,49, p. 81, 82).

Ao superar o obstáculo de se voltar para os apelos exteriores do mundo, o homem daria o primeiro passo da caminhada educativa cristã. Entretanto, era preciso cuidar para que a alma não ficasse presa na contemplação de sua grandiosidade, sem se voltar para aquele que lhe deu origem, ou seja, o próprio Deus (PEREIRA MELO,

Universidade Estadual de Maringá 26 e 27/05/2011

2010). Por isso, o homem deveria transcender as criaturas corpóreas e incorpóreas e se voltar para Deus, chegando assim ao objetivo final da educação cristã:

Pois a alma vê algumas coisas intrinsecamente belas numa natureza superior, que é Deus. E quando deveria estar permanecendo no gozo desse Bem, ao querer atribuí-lo a si mesma não quer fazer-se

semelhante a Deus, com o auxílio de Deus, mas ser o que ela é por si própria, afastando-se dEle e resvalando. Firma-se cada vez menos, porque se ilude, pensando subir cada vez mais alto. Não se basta a si mesma, e nem lhe basta bem algum, ao se afastar daquele que unicamente se basta (AGOSTINHO, 1994, X, 5, 7, p.320).

-------------------------------------------------------------------------------------

É grande e bem raro esforço transcender com o poder da razão todas as criaturas corpóreas e incorpóreas, que se apresentam mutáveis, e chegar à substância imutável de Deus e dele próprio aprender que toda

natureza que não é Ele não tem outro autor senão Ele. [

]

Fala pela

... verdade mesma, se alguém há idôneo para ouvir com a mente, não com o corpo. Fala desse modo à parte do homem que no homem é mais perfeita que as demais de que consta e à qual apenas Deus é superior (AGOSTINHO, 1961, p. 104).

Entende-se, assim, que a proposta de Santo Agostinho objetivava a transformação do homem, que, para ter acesso ao verdadeiro conhecimento, deveria realizar um progresso na fé, o que lhe possibilitaria distinguir os bens que deveriam ser amados para que pudesse chegar à felicidade completa. Há uma estreita relação existente entre o entendimento acerca do homem e a proposta educativa de Santo Agostinho: é a partir da concepção de homem como ser em estado de miserabilidade e pecador que Santo Agostinho propõe uma caminhada educativa de purificação e de aproximação de Deus. Destaca-se que esse processo educativo assume um importante papel, pois ele apareceu no momento de transformação pelo qual passava a Europa Ocidental e trouxe consigo com um novo ideal de sociedade e de homem para aquele momento histórico em que se situava:

Nesse sentido, a concepção de homem, que sempre permite desvelar um ideal de hominidade, nem que seja por negação da essência constatada ou admitida, jamais está separada do itinerário educativo que esta mesma sociedade está propondo (NAGEL, 2002 p.37).

Universidade Estadual de Maringá 26 e 27/05/2011

Nesse sentido, o pensamento agostiniano busca atender às necessidades dos homens, que estavam em crise e inseguros e, principalmente, fundamentar a doutrina cristã, auxiliando na consolidação do cristianismo, já que o momento dava possibilidades para que a igreja assumisse a direção da sociedade e formasse os homens de acordo com seus conceitos. Importa também destacar a relação entre a proposta educativa de Santo Agostinho e sua concepção de corpo como responsável pela fraqueza do homem: é a partir desse entendimento que ele direciona o homem para uma caminhada de busca interior. Por fim, destaca-se o entendimento que o pensador tinha de Deus como fonte de Verdade e felicidade, de tal maneira que é Ele o fim para o qual o processo educativo se direciona. Além de possibilitar uma melhor compreensão do modo como o processo formativo cristão se desenvolveu e se consolidou no período em que o pensador viveu e de como suas concepções e propostas iam de encontro às necessidades de seu tempo e dos interesses cristãos, esse estudo possibilita uma compreensão do fenômeno educativo em suas dimensões ética, histórica e social, já que Santo Agostinho trata de valores universais e, segundo o pensador, das inquietudes humanas, o que se constitui tema de uma atualidade incontestável.

REFERÊNCIAS

AGOSTINHO. A Cidade de Deus. Volume II. São Paulo: Editora das Américas, 1961.

AGOSTINHO. A Verdadeira Religião. 2. ed. São Paulo: Edições Paulinas, 1992.

AGOSTINHO. A Trindade. São Paulo: Paulus, 1994.

AGOSTINHO. O Livre-arbítrio. São Paulo: Paulus, 1995.

AGOSTINHO. Solilóquios. São Paulo: Paulus, 1998.

AGOSTINHO. A Instrução dos Catecúmenos: teoria e prática da catequese. 2. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2005.

AGOSTINHO. Confissões. 5. ed. São Paulo: Paulus, 2010.

Universidade Estadual de Maringá 26 e 27/05/2011

BARK, W. Carrol. Origens da Idade Média. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores,

1979.

BORDIN. R. A. Didaqué e a educação dos primeiros cristãos. In: OLIVEIRA, T.; VISALLI, A. M. Pesquisas em Antiguidade e Idade Média: olhares interdisciplinares. São Luís: UEMA, 2007.

CAMBI, F. Santo Agostinho: O mestre da pedagogia cristã. In:

História da

Pedagogia. 3. ed. São Paulo: UNESP, 1999.

GRIMAL, P. O fim do Império. In: O Império Romano. Lisboa: Edições 70, 1999.

MARROU, H. Santo Agostinho e o agostinismo. Rio de Janeiro: Agir Editora, 1957.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. 10.ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

MONDIN, B. Agostinho de Hipona. In:

Curso de Filosofia: os filósofos do

NAGEL, Lizia Helena. Paganismo e cristianismo: concepção de homem e de educação. In: OLIVEIRA, Terezinha (Org.). Luzes Sobre a Idade Média. Maringá: EDUEM,

2002.

NUNES, R. A. C. Santo Agostinho e a educação. In:

Antiguidade Cristã. São Paulo: EPU, 1978.

______.

História da Educação na

PÉPIN, J. Santo Agostinho e a Patrística Ocidental. In: CHATELET, F. (Dir.). História da Filosofia: Idéias, Doutrinas. Vol. 2 – A Filosofia Medieval: do século I ao século XV. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

PEREIRA MELO, J. J. A educação em Santo Agostinho. In: OLIVEIRA, T. (Org.). Luzes sobre a Idade Média. Maringá: EDUEM, 2002.

Santo Agostinho e a educação como um fenômeno divino. Educação e Filosofia Uberlândia, v. 24, n. 48, p. 409-434, jul/dez 2010.

______.

ROSTOVTZEFF, M. História de Roma. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.