Anda di halaman 1dari 59

Aula 1

O Esoterismo
Ocidental e a Ciência
da Iniciação
1
59

Prof. Jailson de Souza Araújo


Conversa Inicial

2
59
Tema 1 – A Sociedade
protegida pelo
segredo
3
59
Sociedades antigas
Egito antigo: escola de moral.
Todos os homens de
responsabilidade na sociedade
4
59 egípcia deviam cultivar a
Ma’at
Afastar o casos e preservar a
ordem pública por meio da
honestidade, negociações justas
e confiança nas interações
sociais
Defesa das leis do criador.
Harmonia cósmica
5
59
Uma vida com retidão e justiça,
para poderem ser julgados com
benevolência no Tribunal de
Osíris
Egito: irmandades egípcias.
Faraós
Israel: Levitas

6
Grécia Antiga: Frátrias
59

Roma: Patrícios
Império Romano:
Collegia Fabrorum
Corporação de construtores da
antiga Roma
Supostamente herdeiros dos
segredos da arte de
construir desde a
construção do Templo de
7
59

Salomão.
Colégio de Construtores de
pontes e edificações
Corporações que administravam
e controlavam o trabalho dos
profissionais
Todas as profissões reconhecidas
tinham o seu “Collegia”.
Equivalente a sindicato ou
8
59
associação de classe
Preservação e controle do
mercado e a proteção social do
membro da associação
Idade Média – séc. XII:
guildas e corporações de
ofícios
Congregavam os
profissionais dos diversos
9
59 ramos econômicos,
preservando seus interesses
e segredos
Construtores, comerciantes,
padeiros, alfaiates,
sapateiros, ourives, ferreiros
Mestres, oficiais
10
(companheiros) e
aprendizes (aprendizado e
59

hierarquia no trabalho)
Idade Média – Séc. XII: guildas e
corporações de ofícios
Os Mestres eram os donos das
oficinas, das ferramentas, das
matérias-primas e do
conhecimento
A posição de Mestre era
11 reconhecida socialmente e
gratificante economicamente.
59

Por isso era tão desejada


Proteção dos pares frente aos
poderosos
Foires de Champagne (gravura do século XIX)
12
59
https://pl.wikipedia.org/wiki/Jarmarki_szampa%C5%84skie

Jost Amman -1539-1591


(Morphart Creation/ shuttterstock )
Regras para ingresso na
profissão
Controle de quantidade,
qualidade e preços (preço justo)
Evitar concorrência interna
Adequar produção ao consumo
13
59 Amparo assistencial aos
membros
Produção e lucro: nova classe
burguesa
14
59

Jost Amman – 1500

Giovanni Stradano- 1523-1605


Natureza:
Operária
Não religiosa
Não iniciática

15 Comercial e econômica
59

Assistencial
De acesso restrito
Tema 2 – A origem
sagrada da
arquitetura
16
59
Origem eclesiástica das
principais profissões
Poder dos sacerdotes em
virtude de sua capacidade
intelectual
17
59

Façanhas em decorrência
das habilidades
Massa do povo incapaz de
produzir ou compreender tais
resultados
Pretensão de adquirir tais
conhecimentos e habilidades
Sacerdotes dedicavam sua
18
59

existência à observação e as
atividades intelectuais
Arquitetura surge por meio da
intenção de preservar os
mortos da profanação
Sacerdotes e as cerimônias e
homenagens fúnebres
19
59

Abrigos sobre os altares e


túmulos
Proteção contra as
intempéries no inverno e o
calor no verão
Primeiros templos
20
59 Culto aos antepassados
Primeiros arquitetos
Cavernas e grutas eram até
então os únicos lugares de
devoção
Surge a arte da construção
religiosa com o uso de pedras,
21

enquanto matéria prima nobre


59

Habitação dos Deuses


Contribuição dos sacerdotes
para a arquitetura egípcia
atingir o grau de perfeição
Templos e túmulos levantados
22
59 conforme seus planos,
medidas e números sagrados
Influência estrangeira na
arquitetura romana
A arte de construir
permaneceu ligada aos
23
59
sacerdotes e à religião
Posse do saber e da habilidade
Habilidade enquanto algo
sobrenatural
Ferreiros e arquitetos
Técnicas oriundas de
inspiração divina. Ex:
24
59

abóbadas, arcos e pontes


25
59

A construção da Torre de Babel. Gravura do séc. XII.


A queda do Império Romano
Desorganização social

26 Transição e estagnação
59
Os segredos dos profissionais
eram preservados por meio de
sociedades secretas,
organizadas pelos mestres. Os
27
59
segredos só eram transmitidos
aos aprendizes e oficiais
Vídeo sobre arquitetura
medieval

28
59

https://www.youtube.com/watch?v=t8g1e-JLrhM
Natureza:
Operária
Não religiosa
Não iniciática
Relação entre a Maçonaria e
29
59 sociedades iniciáticas primitivas
Lendas dos pedreiros medievais
Período operativo (até 1717)
Tema 3 – A
maçonaria operativa

30
59
A maçonaria operativa

Habilidade enquanto algo


sobrenatural
Ferreiros e arquitetos
Técnicas oriundas de inspiração
divina. Ex: abóbadas, arcos e pontes
31
59

Construção de castelos, catedrais,


abadias, igrejas, muralhas e pontes
De 1220 data a fundação da
Corporação dos Pedreiros de
Londres
"Santa Arte e Associação dos
Pedreiros"
The Holy Craft and
32
59
Fellowship of Masons
Reinado de Henrique III da
Inglaterra
Estatuto dos Pedreiros
Um dos grupos mais poderosos
era o dos pedreiros
Inglês: masons
Francês: maçom
Status social diferenciado
Responsáveis pela engenharia e
pela construção de castelos e
catedrais
33
59

Acesso aos reis e ao clero


Circulavam livremente entre os
feudos (pedreiros livres)
34
59

Fonte: Recueil Général des Anciennes Lois Françaises. 1774-1776.


Se reuniam nos canteiros de
obras e trocavam segredos da
profissão
Um dos documentos mais
antigos sobre essas guildas é a
Carta de Regulamentos de
Londres, 1356
35
59 Na época, apenas um conjunto
de regras para pedreiros
Preservar o status da categoria
Proteger os interesses da classe
Durante o Renascimento, os
pedreiros livres realizavam
encontros em salões, chamados
de lojas, que geralmente ficavam
sobre bares e tavernas das
grandes cidades
Intelectuais e membros da
36
59 nobreza passaram a participar
dos encontros
Os debates passaram a abranger
religião e filosofia
Em 24 de junho de 1717, numa
reunião das quatro maiores lojas
de Londres (então o maior
centro maçom europeu), na
taverna The Goose and Gridiron
nasceu uma federação, a Grande
Loja de Londres. Era o início
oficial da maçonaria
37

Para se identificarem em locais


59

públicos e evitarem o vazamento


de suas conversas, criaram um
sistema de gestos e códigos
38
59

http://www.essexcornerstone.com/event/1015/
Tema 4 – O período
de transição

39
59
A transição entre a maçonaria
operativa e a especulativa
A maçonaria se desenvolveu ao
longo da sua história recente
(desde que se tornou uma
organização)
40
59
Deixou os canteiros de obra
medievais e se tornou uma
associação de homens livres e de
bons costumes
Objetivos comuns:
Academismo filosófico
Ação social
Atuação política (sécs.
41
59
XVIII, XIX e início do século
XX)
A maçonaria especulativa é
formada por pensadores que
utilizam a arquitetura como
forma simbólica de expressar
42
59
a sua filosofia
Presença de intelectuais
Renascentismo
Ideias geradas por esse grupo
influenciaram a Europa inteira
Presença nas universidades e
43 academias, que se
59

disseminavam por todo o


continente europeu
Seres gregários
Ninguém consegue vencer
sozinho os desafios que o
mundo nos coloca

44
Ordo ab Chao
59

Missão que o Grande Arquiteto


do Universo nos confiou
Em poucas décadas, a
maçonaria se espalhou pela
Europa ocidental, alcançando
a Índia, a China e a América
45

do Norte
59
Homens influentes, de
diferentes áreas, que:
Se reuniam a portas
fechadas
Usavam símbolos estranhos
46
59
Que faziam juramentos de
fidelidade à organização e
voto de silêncio
Atitudes à frente de seu tempo
Homens cultos e influentes
que defendiam a liberdade,
igualdade e fraternidade
47
59

Sem distinção entre si


Grupo de pessoas religiosas
Liberdade de consciência
Fazer homens bons ficarem
melhores
Moral universal e virtudes
obrigatórias
48
59
Lealdade, honra,
honestidade, amizade,
obediência, bondade,
tranquilidade
Muitos líderes que fizeram a
história política das nações
ocidentais no início do século
49
59
XX eram maçons
Duque de Caxias
José Bonifácio de Andrada e
Silva (primeiro grão-mestre do
Grande Oriente do Brasil [GOB]
em junho de 1822)
12 presidentes da Primeira
República, oito foram maçons:
50
59 Deodoro da Fonseca, Prudente
de Morais, Campos Sales,
Rodrigues Alves, Nilo Peçanha,
Hermes da Fonseca, Venceslau
Brás e Washington Luís
O primeiro ministério do
Governo Provisório era todo
composto de maçons, dentre
eles:
Rui Barbosa (Fazenda)
Quintino Bocaiúva
51

(Transportes)
59

Benjamin Constant (Guerra)


Campos Sales (Justiça)
Criação da beneficência
maçônica:
Conceder pensão a
familiares de maçons
falecidos, além de auxiliar
52
59 financeiramente os
confrades em dificuldade
financeira
Criação de escolas maçônicas
no Brasil:
Em 1922 havia 132 escolas
maçônicas em todo país,
atendendo a 7.030 alunos,
53
59 bem como 22 bibliotecas
mantidas pela instituição,
abertas ao público
Proporcionar o
aperfeiçoamento do ser
humano, combatendo a
ignorância por meio das
luzes do saber
54

Alternativa ao ensino
59

confessional
Tema 5 – A importância da
proteção dos segredos
maçônicos
55
59
A maçonaria se baseia em
símbolos e ritos,
estabelecendo um padrão de
conduta e de caráter
Propõe a ideia de progresso e
aperfeiçoamento individual
56
59
constante
Promoção do bem-estar da
humanidade, por meio do
amor e da solidariedade
A maçonaria já foi secreta.
Hoje ela é reservada e discreta
Possui estatuto registrado
regularmente
CNPJ
Interage com a sociedade civil
57
59

Administra entidades
filantrópicas
Pode se obter informações
sobre a maçonaria sem ter
sido iniciado maçom
“Goteira”

58 Testar discretamente curiosos


59

que tentam se passar por


maçons
59
59