Anda di halaman 1dari 9

TESTE DE AVALIAÇÃO MAIO – 9º ANO

ESCOLA: __________________________________________ DATA: ____/ ____/ 20____

NOME: ______________________________________________ Nº ____ TURMA: _____

Grupo I – Compreensão do Oral

Vais visionar um excerto de uma reportagem dedicada a grandes escritores portugueses,


intitulada Quem és tu, Luís Vaz Camões. De seguida, responde aos itens que se seguem.

Aceda aqui ao link:


https://www.youtube.com/watch?v=bLnLMg8mGdA#t=46m47s

Nota ao Professor: O exercício proposto decorre entre o minuto 46:46 e o minuto 49:19.

1. Para cada item (1.1. a 1.4.), seleciona a opção que completa a frase, de acordo com o
sentido do texto.

1.1. A obra de Camões leva o leitor a

(A) acreditar que nada do que aí é dito é real.


(B) ter a certeza de que aí se encontra a biografia do poeta.
(C) querer acreditar que aí pode encontrar a biografia do poeta.

1.2. A morte da Camões está rodeada de mistérios, mas é costume associar-se a factos
como

(A) a casa da calçada de Sant’Ana, que era do criado Jau.


(B) o ano de 1580, a vida de pobreza e a casa da calçada de Sant’Ana.
(C) ter sido condenado pelo rei a viver sozinho e na miséria na calçada de Sant’Ana.

1.3. Camões, após a sua morte, terá sido enterrado na ermida de Santa’Ana,

(A) donde mais tarde foram retirados os ossos para o Mosteiro dos Jerónimos.
(B) tendo tido direito a um funeral honroso, ainda que simples.
(C) tendo um funeral de pobre e sendo enterrado numa vala comum.

1.4. Na altura do falecimento de Camões, Portugal estava em estado de choque


atendendo

(A) ao perigo de perda de independência, à morte do rei e da juventude nobre.


(B) ao perigo de perda de independência, à morte do rei, da juventude nobre e de
Camões.
(C) ao apagar da grandeza de Portugal, que se deveu à morte de Camões.

©Edições ASA | 2018 Página 1


TESTE DE AVALIAÇÃO MAIO – 9º ANO

Grupo II – Leitura

Lê o texto. Se necessário, consulta as notas.

TÚMULO NOS JERÓNIMOS PODERÁ NÃO CONTER OS RESTOS MORTAIS DE CAMÕES

Vítor Aguiar e Silva, académico e investigador que se tem dedicado aos estudos
camonianos, explicou à Lusa que, “com grande probabilidade, as ossadas guardadas no
mausoléu dos Jerónimos não são de Camões”.
O poeta terá sido sepultado na Igreja de Sant’Ana, em Lisboa, próxima da casa onde vivia
5 a sua mãe, na calçada de Santana, mas “não se sabe exatamente onde foi colocado o
cadáver, se dentro, se fora da igreja ou se até numa fossa”, sublinhou Aguiar e Silva.
Supõe-se que teria ficado sepultado do lado esquerdo da entrada principal da igreja e,
anos mais tarde, D. Gonçalo Coutinho mandou colocar no local uma lápide1 de mármore em
que refere Camões como “Príncipe dos Poetas do seu tempo”, que faleceu em 1579.
10 Vítor Aguiar e Silva afirmou à Lusa que “a memória falha”, o que justifica o engano no
epitáfio2 do poeta, dando antes crédito ao documento da chancelaria de Filipe I (II de
Espanha) que atribui uma tença à mãe de Camões e afirma que este morreu a 10 de junho
de 1580.
No entanto, desde o sepultamento, em 1580, à trasladação3, três séculos depois, deu-se
15 o terramoto de 1755, que destruiu muito a igreja, que foi ainda alvo, posteriormente, de
obras para a construção de um coro alto.
Para Aguiar e Silva, “no estreito rigor histórico” ninguém sabe ao certo onde estão os
restos mortais de Camões e “há as maiores dúvidas” que se encontrem na arca tumular nos
Jerónimos, de autoria de Costa Mota Pio, onde invariavelmente Chefes de Estado e
20 estadistas cerimoniosamente colocam coroas de flores quando visitam Portugal.
Os restos mortais do autor de Os Lusíadas foram transladados em 1880 para o Mosteiro
dos Jerónimos, numa altura de exaltação4 patriótica a que não foi alheia a propaganda
republicana que já se fazia sentir.
Uma comissão foi constituída e encarregada por Rodrigo da Fonseca, então ministro do
25 Reino, de encontrar as ossadas do lírico e lhe dar sepultura digna, o que veio a acontecer no
tricentenário da sua morte (1880).
Todavia, como alerta Aguiar e Silva, “até a própria comissão tem dúvidas da
autenticidade do que trasladou”. No relatório da comissão pode ler-se, referindo os
trabalhos de escavação empreendidos em 1858, que “a uma certa altura [viram-se] ossos
30 em fórma que se lhe não tinha mexido. Alguns d’estes eram pois sem dúvida os de Luiz de
Camões; mas quaes, se nem era possível distinguir a sepultura”.
A comissão procurava a pedra de mármore mandada colocar por D. Gonçalo Coutinho,
que não encontrou. Resultado, aliás, análogo a buscas anteriores, em 1836, que não
chegaram a qualquer conclusão quanto às ossadas de Camões.
35 Para o camonista Aguiar e Silva, esta incerteza não retira o “valor simbólico” que tem o
túmulo nos Jerónimos e até sublinha que “é bom que tenha!”.

©Edições ASA | 2018 Página 2


TESTE DE AVALIAÇÃO MAIO – 9º ANO

O estudioso da obra de Camões, afirma que ler Os Lusíadas, obra maior do lírico, “é
fundamental para entendermos aquilo que fomos e o que somos”, logo que caminhos
escolher para o futuro.
40 “Os Lusíadas são um texto fundamental para a compreensão de Portugal” quando “lidos
na sua grandeza e profundidade”, atestou o camonista.

Lusa – Agência de Notícias de Portugal, S.A.


(Disponível em https://www.publico.pt/2011/06/09/culturaipsilon/noticia/tumulo-nos-jeronimos-podera-
nao-conter-os-restos-mortais-de-camoes-1498185 [consultado em 27/12/2017]

Notas:
1
pedra com inscrição.; 2 inscrição feita no sepulcro.; 3 transporte dos restos mortais de uma pessoa para
outro local.; 4 engrandecimento, louvor.

1. Para responderes a cada item (1.1. a 1.4.), seleciona a opção que permite obter uma
afirmação adequada ao sentido do texto.

1.1. A lápide que terá sido colocada no túmulo de Camões teria um erro porque

(A) Camões não era o “príncipe dos poetas”, mas o “rei dos poetas”.
(B) não teria sido mandada colocar por Gonçalo Coutinho.
(C) a morte do poeta tinha ocorrido em 1580.
(D) se desconhece o local onde Camões terá sido sepultado.

1.2. Segundo Vítor Aguiar e Silva, é impossível saber onde se encontram os restos mortais
de Camões dado que

(A) o seu túmulo foi destruído e a própria igreja sofreu obras.


(B) o local da sua sepultura foi alterado devido ao terramoto de 1755.
(C) a sua sepultura ficou num coro alto da igreja, após o terramoto.
(D) nunca ninguém soube onde Camões foi sepultado.

1.3. A transladação dos restos mortais de Camões para o Mosteiro dos Jerónimos

(A) aconteceu porque a sua sepultura inicial era muito pobre.


(B) ficou a dever-se a Rodrigo da Fonseca que procurou e encontrou as ossadas do
poeta.
(C) foi organizada por uma comissão que completou as suas funções em 1580.
(D) ficou a dever-se sobretudo ao desejo de engrandecimento da pátria, típico da
época.

1.4. Na opinião de Vítor Aguiar e Silva, o facto de as ossadas de Camões poderem não estar
no Mosteiro dos Jerónimos

(A) levanta dúvidas relativamente à importância que se deve atribuir ao seu túmulo.
(B) é uma incerteza que “é bom que se tenha”.
(C) mostra que a leitura d’Os Lusíadas é importante para compreendermos o povo
português.
(D) não retira importância ao simbolismo do seu túmulo.

©Edições ASA | 2018 Página 3


TESTE DE AVALIAÇÃO MAIO – 9º ANO

Grupo III – Educação Literária


PARTE A

Lê o texto e as notas.

CAMÕES E A TENÇA

Irás ao Paço. Irás pedir que a tença1


Seja paga na data combinada
Este país te mata lentamente
País que tu chamaste e não responde
5 País que tu nomeias e não nasce

Em tua perdição se conjuraram


Calúnias desamor inveja ardente
E sempre os inimigos sobejaram
A quem ousou seu ser inteiramente

10 E aqueles que invocaste não te viram


Porque estavam curvados e dobrados
Pela paciência cuja mão de cinza
Tinha apagado os olhos no seu rosto.

Irás ao Paço irás pacientemente


15 Pois não te pedem canto mas paciência

Este país que te mata lentamente.

Sophia de Mello Breyner Andresen, Obra Poética, edição


de Carlos Mendes de Sousa, Lisboa, Caminho, 2010.
Notas: 1 pensão.

1. Explica o sentido do verso “Este país te mata lentamente” (verso 3), relacionando-o com o
conteúdo da primeira estrofe.

2. Analisa a expressividade das antíteses presentes nos versos 4 e 5.

3. Justifica a afirmação “não te pedem canto mas paciência” (verso 15), relacionando-a com a
terceira estrofe.

©Edições ASA | 2018 Página 4


TESTE DE AVALIAÇÃO MAIO – 9º ANO

PARTE B

Lê a estância 145 do Canto X de Os Lusíadas, de Luís de Camões, que faz parte das últimas
lamentações do poeta. Se necessário, consulta as notas.

145 Nô mais, Musa, nô mais1, que a Lira tenho


Destemperada2 e a voz enrouquecida,
E não do canto, mas de ver que venho
Cantar a gente surda e endurecida.
O favor3 com que mais se acende o engenho4
Não no dá a pátria, não, que está metida
No gosto da cobiça e na rudeza
Dũa austera5, apagada6 e vil tristeza7.

Luís de Camões, Os Lusíadas, ed. de A. J. da Costa Pimpão, Lisboa, MNE/IC, 2003.

Notas:
1 não mais cantarei.; 2 desafinada.; 3 o apoio, aplauso.; 4 talento.; 5 sombria.; 6 escura.; 7 sem dignidade, mesquinha.

4. Nestas estâncias, o autor critica os portugueses seus contemporâneos.

Comprova esta afirmação,

 apresentando três aspetos que o poeta critica;


 justificando a decisão tomada pelo poeta.

A tua resposta deve ter entre 40 a 70 palavras.

©Edições ASA | 2018 Página 5


TESTE DE AVALIAÇÃO MAIO – 9º ANO

Grupo IV – Gramática

1. Associa a palavra sublinhada nas frases da coluna A à classe e à subclasse que lhe
correspondem na coluna B.

Coluna A Coluna B
(a) A tristeza do poeta é esta.
(b) O canto que o poeta apresentou não foi (1) Pronome demonstrativo
compreendido. (2) Pronome indefinido
(c) O poeta lamentou que o país estivesse (3) Pronome relativo
surdo e endurecido. (4) Determinante demonstrativo
(d) Ninguém ouvia o poeta. (5) Determinante indefinido
(e) Certas pessoas não compreendem o (6) Conjunção subordinativa completiva
poeta.

2. Completa cada uma das frases seguintes com as formas adequadas dos verbos
apresentados entre parênteses, flexionando os verbos nos tempos e modos indicados.

a) Presente do conjuntivo

É importante que os portugueses _________ (fazer) o que sugere o poeta.

b) Pretérito mais-que-perfeito composto do indicativo

O canto do poeta ________ (abrir) caminho a novos louvores.

c) Futuro do conjuntivo

Todos aqueles que ______ (ser) heroicos serão louvados pelo poeta.

d) Pretérito perfeito simples do indicativo

O poeta ________ (intervir) numa altura de crise de valores.

3. Para responderes a cada item (3.1. e 3.2.), seleciona a opção que completa cada
afirmação.

3.1. Identifica o grupo de palavras cujo processo de formação é o mesmo.

(A) tristeza – salvação – pátria – denúncia


(B) guarda-fato – navio-escola – vaivém – sofá-cama
(C) repetir – descobrir – inventar – pré-requisito
(D) botânica – geografia – barco – zoologia

©Edições ASA | 2018 Página 6


TESTE DE AVALIAÇÃO MAIO – 9º ANO

3.2. Identifica a frase cujo constituinte sublinhado desempenha a função de complemento


direto.
(A) O poeta pediu que ouvissem o seu desabafo.
(B) O poeta confessou aos seus contemporâneos a sua tristeza.
(C) Os vícios dos portugueses foram denunciados pelo poeta.
(D) Decidiu o poeta acusar os homens do seu tempo.

4. Reescreve a frase seguinte, substituindo a expressão sublinhada pela forma adequada do


pronome pessoal. Faz apenas as alterações necessárias.

O poeta revelou-nos as suas memórias.

Grupo V – Escrita

É comum dizer-se que os povos não dão valor aos seus artistas, enquanto estes estão
vivos, preferindo glorificá-los depois da sua morte, tal como aconteceu com Camões.

Escreve um texto de opinião referindo a perspetiva com que mais te identificas.


Fundamenta o teu ponto de vista em pelo menos dois argumentos.

Escreve um texto com um mínimo de 160 e um máximo de 240 palavras.

Cotações

Item
Grupo
Cotação (em pontos)
1. 2. 3. 4.
I
3 3 3 3 12
II 1. 2. 3. 4.
3 3 3 3 12
III 1. 2. 3. 4.
6 6 7 7 26
IV 1. 2. 3.1. 3.2. 4.
5 4 3 3 5 20
V
Item único
30
Total 100

©Edições ASA | 2018 Página 7


TESTE DE AVALIAÇÃO MAIO – 9º ANO

PROPOSTA DE CORREÇÃO/COTAÇÃO

Grupo I

Pontuação
1.1. (C) 3
1.2. (B) 3
1.3. (C) 3
1.4 (A) 3
Total parcial 12 pontos
Grupo II

1.1. (C) 3
1.2. (A) 3
1.3. (D) 3
1.4. (D) 3
Total parcial 12 pontos

Grupo III

Parte A
1. O verso significa que Portugal esquece o poeta, deixando-o desaparecer da memória, pelo que
o poeta tem de ir ao paço recordar que lhe devem a tença. Tal facto pode ser interpretado
6
como a memória que os portugueses devem ter do seu maior poeta, que não deve ser
perdida.
2. As antíteses evidenciam um contraste entre a ação do poeta e a reação de Portugal e dos
portugueses: o poeta chama o seu país e este não lhe responde, não aparentando ouvir ou
6
sequer importar-se; o poeta designa, atribui uma identidade ao seu país e este não aparece,
dando sinais de estar condenado a não existir.
3. Segundo o “eu” poético, não pedem ao poeta que cante, que faça poesia porque isso não é
valorizado, mas antes que tenha paciência, ou seja, que se mantenha na imobilidade, na
inatividade, limitando-se a esperar que algo aconteça. Esta é a atitude normal, comum dos
7
portugueses, tal como se vê na terceira estrofe, onde estes são descritos como seres
“curvados e dobrados / Pela paciência” (vv. 11-12), que estão cegos, pois não veem, não
compreendem, o que se passa à sua volta.

Parte B
4. Na estância 145, o poeta critica os seus contemporâneos, acusando-os de não ouvirem o seu
canto por estarem dominados pela cobiça, pela rudeza e pela tristeza. Por esta razão, o
poeta confessa estar cansado e afirma que não cantará mais o povo português, pois este não 7
valoriza a sua arte. (50 palavras)

Total parcial Parte A + Parte B 26 pontos

©Edições ASA | 2018 Página 8


TESTE DE AVALIAÇÃO MAIO – 9º ANO

Grupo IV
1. (a) – (1); (b) – (3); (c) – (6); (d) – (2); (e) – (5) 5
2. a) façam
b) tinha aberto
4
c) forem
d) interveio
3.1. (B) 3
3.2. (A) 3
4. O poeta revelou-no-las. 5
Total parcial 20 pontos

Grupo V

Relativamente aos tópicos apresentados, o aluno deverá ter em atenção os seguintes aspetos:
 Instrução quanto ao género texto de opinião:
– apresentação da opinião defendida;
– apresentação de dois argumentos que comprovem que o povo não dá valor aos seus artistas enquanto
vivos ou, inversamente, que os valoriza enquanto vivos (de acordo com a posição defendida).
 Texto bem estruturado, que evidencia uma correta marcação de parágrafos e um claro domínio dos
mecanismos de coesão.
 Estruturas sintáticas diversificadas e complexas.
 Pontuação correta.
 Vocabulário diversificado e adequado ao tema.

Total parcial 30 pontos

TOTAL 100 pontos

©Edições ASA | 2018 Página 9