Anda di halaman 1dari 57

Projeto e Construção de Edifícios II

Curso: Engenharia Civil


Aula 04 – Impermeabilização

Profª. Me. Ana Borges


ana.borges@ufca.edu.br
SUMÁRIO

 IMPERMEABILIZAÇÃO
IMPERMEABILIZAÇÃO
Trabalho que possibilita
evitar o contato da água
com a construção,
normalmente executado em
áreas molhadas (banheiros,
cozinhas, áreas de serviço,
etc.) lajes de cobertura, caixas
d’água de concreto armado,
poços de elevadores, terraços,
jardineiras, piscinas, etc.
IMPERMEABILIZAÇÃO

FUNÇÕES:
Habitabilidade
Funcionalidade
Higiene
Evitar problemas patológicos
IMPERMEABILIZAÇÃO

CONSEQUÊNCIAS, SE NÃO HOUVER:


Degradação do concreto e argamassas
IMPERMEABILIZAÇÃO

CONSEQUÊNCIAS, SE NÃO HOUVER:


Corrosão das armaduras
IMPERMEABILIZAÇÃO

CONSEQUÊNCIAS, SE NÃO HOUVER:


Eflorescência
IMPERMEABILIZAÇÃO

CONSEQUÊNCIAS, SE NÃO HOUVER:


Empolamento e bolhas nas tintas
IMPERMEABILIZAÇÃO

CONSEQUÊNCIAS, SE NÃO HOUVER:


Curtos circuitos
IMPERMEABILIZAÇÃO

CONSEQUÊNCIAS, SE NÃO HOUVER:


Alto custo de correção/recuperação
IMPERMEABILIZAÇÃO

CUSTOS:
- Previsto 1 a 3% do custo total (CT) da obra
- Se inexistente ou ineficiente: 5 a 20% do CT
IMPERMEABILIZAÇÃO

NORMATIZAÇÃO:
NBR 9574:2008 – Execução de Impermeabilização
Sistematiza os processos de execução; Exigências mínimas para
o desempenho; Engloba as construções, reformas e reparos de
um modo geral.
NBR 9575:2010 - Impermeabilização - Seleção e
projeto
Definição dos termos técnicos; Especificações e exigências de
projetos; Aborda salubridade, segurança e conforto do usuário.
IMPERMEABILIZAÇÃO

 Concreto e argamassas são porosos!!!


IMPERMEABILIZAÇÃO

 Empresas especializadas!!!
IMPERMEABILIZAÇÃO

 A impermeabilização das edificações não é uma prática


moderna.

 Gênesis, capítulo 6, versículo 14.


“Faze para ti uma arca de madeira resinosa: farás
compartimentos e a revestirás de betume por dentro e por fora”
IMPERMEABILIZAÇÃO

 Os romanos empregavam, clara de ovos, sangue, óleos,


etc. para impermeabilizar saunas, aquedutos e outras
estruturas com presença de umidade.

 Já no Brasil, nas cidade históricas, existem igrejas e


pontes onde a argamassa das pedras foi aditivada com
óleo de baleia.
IMPERMEABILIZAÇÃO
 De acordo com a NBR 9575:2010, a seleção do tipo de
impermeabilização deve ser feita segundo a solicitação imposta
pelo fluido nas partes construtivas que requeiram estanqueidade.
IMPERMEABILIZAÇÃO
 O principal fluido atuante é a água, cuja solicitação pode
se dar de formas distintas:
IMPERMEABILIZAÇÃO
a) imposta pela água de percolação: água que atua sobre
superfícies, não exercendo pressão hidrostática superior a 1 kPa.
Ex.: chuva; lavagem. Situação muito comum em lâminas de água
sobre terraço e cobertura.
IMPERMEABILIZAÇÃO
b) imposta pela umidade do solo: também chamada de
capilaridade, ocorre através dos poros dos materiais, pela ação da
tensão superficial, onde a situação mais comum é a presença de
umidade do solo que se eleva no material.
IMPERMEABILIZAÇÃO
c) imposta pelo fluido sob pressão unilateral e bilateral: que
ocorre devido à pressão exercida por um determinado volume
de água confinada e permeia através de fissuras, trincas e
rachaduras das estruturas e dos materiais.
IMPERMEABILIZAÇÃO
d) imposta pela água de condensação: proveniente da
condensação de água presente no ambiente sobre a superfície de
um elemento construtivo, sob determinadas condições de
temperatura e pressão.
IMPERMEABILIZAÇÃO
 Formas de Proteger a edificação:
 Evitar contato;
 Permitir contato, impedindo a penetração de água.

 Formas de evitar o contato:


 Detalhes construtivos de fachadas;
 Rebaixamento de lençol freático;
 Uso de barreiras duplas; Paredes duplas;
 Esquadrias duplas;
 Coberturas duplas, etc.
 Coberturas inclinadas
IMPERMEABILIZAÇÃO
IMPERMEABILIZAÇÃO – PROJETO
 Etapas
 Estudo preliminar: relatório de qualificação das áreas e tipos de
impermeabilizações aplicáveis;
 Projeto básico: áreas a serem impermeabilizadas, definição do tipo,
quantitativo, desempenho e custos;
 Projeto executivo: plantas e detalhes, memorial, especificações.
 Projeto de impermeabilização - Engenharia:
 Escolha do sistema mais adequado;
 Seleção dos materiais adequados ao sistema;
 Identificar e solucionar interferências com outros sistemas;

NBR 9575/2010
IMPERMEABILIZAÇÃO – PROJETO
 Etapas de projeto
 Estudo preliminar: relatório de qualificação das áreas e tipos de
impermeabilizações aplicáveis;
 Projeto básico: áreas a serem impermeabilizadas, definição do tipo,
quantitativo, desempenho e custos;
 Projeto executivo: plantas e detalhes, memorial, especificações.
 Serviços complementares de projeto
 Metodologia para controle e inspeção;
 Ensaios tecnológicos;
 Manual de uso, operação e manutenção.

NBR 9575/2010
IMPERMEABILIZAÇÃO – PROJETO
IMPERMEABILIZAÇÃO – CAMADAS
IMPERMEABILIZAÇÃO – CAMADAS
 Base:
 Determina algumas exigências ao sistema de impermeabilização,
em função de:
 Grau de fissuração;
 Deformabilidade devido a cargas;
 Movimentação térmica.
IMPERMEABILIZAÇÃO – CAMADAS
 Camada de regularização:
 Tem a função de regularizar o substrato (base), proporcionando
uma superfície uniforme de apoio adequada à camada
impermeável, e de fornecer a ele um certo caimento.
 Declividade mínima de 1%.
IMPERMEABILIZAÇÃO – CAMADAS
 Camada de berço:
 Função de apoio e proteção da camada impermeável contra
agressões provenientes do substrato. Ex:
 adesivo elastomérico;
 asfáltico;
 geotêxtil de poliéster ou PP;
 manta asfáltica;
 EPS.
IMPERMEABILIZAÇÃO – CAMADAS
 Camada impermeável:
 Tem a função de prover uma barreira contra a passagem de
fluidos
IMPERMEABILIZAÇÃO – CAMADAS
 Camada de amortecimento:
 Absorve e dissipa esforços estáticos ou dinâmicos que atuam
sobre a camada impermeável. Utilizada em conjunto com a
camada de berço. Ex:
 areia, cimento e emulsão asfáltica;
 geotêxtil de poliéster ou polipropileno (PP)
 emulsão asfáltica com borracha moída; - poliestireno expandido ou
extrudado;
IMPERMEABILIZAÇÃO – CAMADAS
 Camada separadora:
 Função de evitar a aderência de outros materiais sobre a camada
impermeável (NBR 9575/2010). Ex:
 Papel kraft sobre camada geotêxtil
 Papel kraft betumado;
 Lâmina plástica flexível (filme de PE).
IMPERMEABILIZAÇÃO – CAMADAS
 Camada separadora:
IMPERMEABILIZAÇÃO – CAMADAS
 Proteção térmica:
 Função de reduzir o gradiente térmico atuante sobre a camada
impermeável (NBR 9575/2010);
 Aumenta a vida útil da camada impermeável;
 Recomendável em áreas sob ação intensiva das intempéries (sol,
chuva, neve, geada, etc.).
IMPERMEABILIZAÇÃO – CAMADAS
 Proteção mecânica:
 Função de absorver e dissipar os esforços estáticos ou dinâmicos
atuantes por sobre a camada impermeável, de modo a protegê-la
contra a ação deletéria destes esforços (NBR 9575/2010). Deve
ser aplicada sobre camada separadora.
 Ex: argamassa, concreto, geotêxtil, metal, solo, agregado.
IMPERMEABILIZAÇÃO – TIPOS
 Rígidos:
Baixa capacidade de absorver deformações da base.
(principalmente deformações concentradas como fissuras e
trincas).

Utilizados em locais que não venham sofrer: movimentações ou


vibrações, forte exposição solar, variações térmicas, grandes
deformações.
IMPERMEABILIZAÇÃO – TIPOS
 Rígidos:
a) argamassa impermeável com aditivo hidrófugo;
b) argamassa modificada com polímero (não industrializada);
c) argamassa polimérica (industrializada);
d) cimento cristalizante para pressão negativa;
e) cimento modificado com polímero;
f) membrana epoxídica.
IMPERMEABILIZAÇÃO – TIPOS
 Rígidos:
IMPERMEABILIZAÇÃO – TIPOS
 Rígidos:
Nas impermeabilizações rígidas a camada estanque é aplicada
diretamente sobre a base, geralmente sem outras camadas
complementares. Ex: fundação, poço de elevador, piscinas e
caixas d’água enterradas e contenções, subsolos
IMPERMEABILIZAÇÃO – TIPOS
 Rígidos:
IMPERMEABILIZAÇÃO – TIPOS
 Rígidos:
Os produtos de impermeabilização cimentícios são vendidos em
forma de aditivos para argamassa ou como argamassa
industrializada. Também podem ser encontradas misturas
aplicadas em forma de pintura.
IMPERMEABILIZAÇÃO – TIPOS
 Rígidos:
IMPERMEABILIZAÇÃO – TIPOS
IMPERMEABILIZAÇÃO – TIPOS
 Flexíveis:
Suportam deformações da base com amplitudes variáveis (em
função do sistema de impermeabilização), inclusive fissuras e
trincas.

Aplicados, geralmente, em: lajes de cobertura, calhas de


concreto, terraços e áreas externas, áreas frias e de serviço,
reservatórios elevados.
IMPERMEABILIZAÇÃO – TIPOS
 Flexíveis:
 Pré-formadas ou Pré-moldadas – mantas:
 Espessuras maiores e mais uniformes;
 Estruturadas industrialmente (melhor);
 Necessidade de emendas (problema!);
 Aplicação mais rápida.
IMPERMEABILIZAÇÃO – TIPOS
 Flexíveis:
 Pré-formadas ou Pré-moldadas – mantas:
a) Manta Asfáltica;
b) Manta de Acetato de Etilvinila (E.V.A.);
c) Manta de Policloreto de Vinila (P.V.C.);
d) Manta de Polietileno de Alta Densidade (P.E.A.D.);
e) Manta Elastomérica de Etilenopropilenodieno-monômero
(E.P.D.M.);
f) Manta Elastomérica de Poliisobutileno Isopreno (I.I.R.);
IMPERMEABILIZAÇÃO – TIPOS
 Flexíveis:
 Pré-formadas ou Pré-moldadas – mantas:
IMPERMEABILIZAÇÃO – TIPOS
 Flexíveis:
 Moldadas no local – membranas:
 Sem emendas;
 Difíceis de estruturar eficientemente;
 Mais demoradas para aplicar;
 Menos espessas;
 A quente ou a frio.
IMPERMEABILIZAÇÃO – TIPOS
 Flexíveis:
 Moldadas no local – membranas:
a) Membrana de Asfalto Modificado sem Adição de Polímero;
b) Membrana de Asfalto Modificado com Adição de Polímero
Elastomérico;
c) Membrana de Emulsão Asfáltica (a frio);
d) Membrana de Asfalto Elastomérico em Solução (a frio);
e) Membrana Elastomérica de Policloropreno e Polietileno
Clorossulfonado;
f) Membrana Elastomérica de Poliisobutileno Isopreno (I.I.R.), em
solução;
IMPERMEABILIZAÇÃO – TIPOS
 Flexíveis:
 Moldadas no local – membranas:
g) Membrana Elastomérica de Estireno-Butadieno-Estireno (S.B.S.);
h) Membrana de Poliuretano;
i) Membrana de Poliureia;
j) Membrana de Poliuretano Modificado com Asfalto;
k) Membrana de Polímero Modificado com Cimento;
l) Membrana Acrílica.
IMPERMEABILIZAÇÃO – TIPOS
 Flexíveis:
 Moldadas no local – membranas:
IMPERMEABILIZAÇÃO – TIPOS
IMPERMEABILIZAÇÃO – TIPOS
IMPERMEABILIZAÇÃO
Vídeo – Manta asfáltica Viapol
Definições
IMPERMEABILIZAÇÃO Componentes/materiais
Execução
Seminário – data: 04 e 07 de maio Vantagens/Desvantagens
Equipe 1 – Manta asfáltica Imagens/Vídeos
Equipe 2 – Manta PVC
Verifiquem as normas!!
Equipe 3 – Manta PEAD
(NBR 9574 e 9575).
Equipe 4 – Manta EPDM
Equipe 5 – Emulsão asfáltica Apresentação 15-20 min
Equipe 6 – Emulsão acrílica
Equipe 7 – Cimento polimérico
Equipe 8 – Membrana de poliuretano
Equipe 9 – Membrana epoxídica
Equipe 10 – Argamassa polimérica
Equipe 11 – Argamassa modificada com polímero
Equipe 12 – Argamassa impermeável com aditivo hidrófugo
Equipe 13 – Membrana Acrílica