Anda di halaman 1dari 166

HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO

APRESENTAÇÃO PARA FORMANDOS


( AULAS TEÓRICAS )
I ANO DO CURSO MÉDIO DE FRMAÇÃO DE PROFESSORES DE
EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO

Docente:
António Munguambe
Maputo, 2017
AM, 2017
1
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I. INTRODUÇÃO A DISCIPLINA
1.1. CONCEITOS E DIFINIÇÕES GERAIS
1.1.1. EDUCAÇÃO FÍSICA
 Os relatos mais primórdios de actividade física vem desde a época pré –
histórica, quando já se apercebia uma preocupação pelo físico mais forte,
porém, não com intuito de beleza ou exercício, sim de proteção – atacar e ou
defender – se.
 Portanto, pode se afirmar que desde os primórdios da civilização o
homem praticava actividade física, como parte da sua sobrevivência no
seu quotidiano – nadar, correr, saltar, trepar, arremessar, lançar, lutar,
etc.
 A educação física tem vindo se adaptando as deferentes épocas e
sociedades passavam por mudanças e estágios, evoluindo a cada século
até chegar ao conceito actual.

AM, 2017
2
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I. INTRODUÇÃO A DISCIPLINA
1.1. CONCEITOS E DIFINIÇÕES GERAIS
1.1.1. EDUCAÇÃO FÍSICA
 As origens mais remotas da história falam de 300 a.C. na China, onde o
Imperador Hoang Ti recomendava aos seus guerreiro e à população, para
que fizessem exercícios físicos com finalidades higiénicas e terapêuticas
além do carácter de treino para guerra;
 Na Índia, já no começo do milénio, os exercícios físicos eram tidos como
uma doutrina por causa das “ leis de Manu”, uma espécie de código civil,
político, social e religioso;
 Paralelamente ao período Chinês e Indiano, a civilização Japonesa
também desenvolvia estudos sobre os exercícios físicos ligados ao
treinamento dos seus guerreiros, os samurais, somando - se a estas
civilizações orientais o Egipto, na prática de desportos e actividades
físicas ligada a guerra.
AM, 2017
3
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I. INTRODUÇÃO A DISCIPLINA
1.1. CONCEITOS E DIFINIÇÕES GERAIS
1.1.1. EDUCAÇÃO FÍSICA

 Para muitos autores, a educação física é considerada como uma disciplina e


não uma ciência, pelo facto de não estudar um objecto em particular, tomando
elementos de diversas ciências para conformar o seu quadro de aplicação;

 Neste contexto, tendo em conta as varias correntes, a educação física


pode definir – se de acordo com a forma como a disciplina é focalizada:

(i) Na educação : o seu campo de acção e a escola e o sistema educativo em


geral;

AM, 2017
4
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I. INTRODUÇÃO A DISCIPLINA
1.1. CONCEITOS E DIFINIÇÕES GERAIS
1.1.1. EDUCAÇÃO FÍSICA

(ii) Na saúde: considerara – se a educação física como sendo um agente


promotor da saúde, na medida em que serve para prevenir doenças;

(iii) Na competição: como treino ou preparação desportiva/ desenvolvimento


do chamado alto rendimento; e

(iv) No lazer: actividade lúdica para vincular o sujeito ao meio; e

AM, 2017
5
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I. INTRODUÇÃO A DISCIPLINA
1.1. CONCEITOS E DIFINIÇÕES GERAIS
1.1.1. EDUCAÇÃO FÍSICA

 Entretanto, para outro grupo de estudiosos, a educação física é uma


ciência ligada ao corpo humano, com um processo de investigação e
pesquisa;

 Para estes a educação física esta directamente relacionada com o estudo


de anatomia, bioquímica, biomecânica, fisiologia humana e tantas
outras áreas quanto se pode imaginar.

AM, 2017
6
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I. INTRODUÇÃO A DISCIPLINA
1.1. CONCEITOS E DIFINIÇÕES GERAIS
1.1.2. DESPORTO

 A palavra desporto tem a sua origem no termo francês desport, que significa
recreação, passa tempo ou lazer;
 Diversas descobertas arqueológicas demonstram que, no ano 4000 a.C. já se
praticava desporto na China;

 No antigo Egipto, por exemplo, realizavam - se competições de natação, pesca,


lançamento de dardo, salto em altura e luta;
 Na antiga Pércia ( Irão ) também se praticava desportos, como é o caso de certas
artes marciais.


AM, 2017
7
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I. INTRODUÇÃO A DISCIPLINA
1.1. CONCEITOS E DIFINIÇÕES GERAIS
1.1.2. DESPORTO
 Á medida em que o desporto foi se tornando cada vez mais popular, com número
crescente de praticantes e de adeptos, a par do desenvolvimento meios de
comunicação social e do incremento do lazer, algumas modalidades desportivas
passaram a profissionalização, podendo actualmente serem considerados como
uma verdadeira industria que movimenta anualmente a nível mundial milhões
dólares americanos;

 Existem diversas definições sobre desporto, no entanto a mais corrente e


consensual e aquela que define o desporto simplesmente como sendo uma
actividade física sujeita a determinadas regras, visando fundamentalmente a
competição;

AM, 2017
8
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I. INTRODUÇÃO A DISCIPLINA
1.1. CONCEITOS E DIFINIÇÕES GERAIS
1.1.3. EXERCICIOS DE APLICAÇÃO

EXERCICIO 1:
 Os relatos mais remotos da actividade física vêm desde a época pré – histórica
quando já se percebia uma preocupação pelo físico mais forte, porém não com o
intuito de beleza ou exercício.

 P1: Resumidamente, diga e explique qual era a preocupação de então ?

 P2: Enumere pelo menos 5 (Cinco) das actividades físicas básicas que o homem
primitivo realizava?

AM, 2017
9
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I. INTRODUÇÃO A DISCIPLINA
1.3. EXERCICIOS DE APLICAÇÃO

EXERCICIO 2:

 Diversas descobertas arqueológicas demonstram que, no ano 4000 a.C. já se


praticava desporto na China;

 P1: Qual é a origem e o significado do termo desporto?

 P2: Defina desporto ?

AM, 2017
10
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I. INTRODUÇÃO A DISCIPLINA
1.2. ETAPAS DO ESTUDO DA HISTÓRIA
1.2.1. PRÍNCIPAIS ETAPAS E SUAS SUB - ETAPAS
 PRÉ – HISTÓRIA:
- Idade da Pedra ( Períodos Paleolítico, Mesolítico e Neolítico ); e
- Idade dos Metais ( Idades de Cobre, Bronze e Ferro );
 HISTÓRIA:
- Idade Antiga ( Antiguidades Oriental, Clássica e Tardia );
- Idade Media ( Alta e Baixa Idade Media; Media Plena e Media Baixa);
- Idade Moderna; e
- Idade Contemporânea.

AM, 2017
11
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I. INTRODUÇÃO A DISCIPLINA
1.2. ETAPAS DO ESTUDO DA HISTÓRIA
1.2.1. PRÍNCIPAIS ETAPAS E SUAS SUBETAPAS
 A Pré – História abarca o período que vai desde o surgimento da vida no
planeta Terra, a evolução da espécie humana, até o aparecimento da escrita;

 Sem por de parte o acto interpretativo do historiador, o estudo da Pré – História


conta ainda com o apoio de antropólogos, biólogos, físicos, químicos e outras
ciências que estudam o passado e o presente das actividades humanas e a sua
evolução;

 Obviamente, sem por de parte estes recurso, já a parte da História conta,


fundamentalmente, com documentação escrita.

AM, 2017
12
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I. INTRODUÇÃO A DISCIPLINA
1.2. ETAPAS DO ESTUDO DA HISTÓRIA
1.2.3. EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

 O estudo da História compreende convencionalmente (2) grandes Etapas,


nomeadamente o período da Pré – História e o período da História, que por sua
vez subdividem – se por diversas Sub – Etapas.

 P1: Qual e o período que convencionalmente delimita a Pré – História e quais são
a suas principais 2 ( Duas ) Sub – Etapas?

 P2: Quais são as 4 ( Quatro ) Sub – Etapas do período da História ?

AM, 2017
13
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I. ACTIVIDADE FÍSICA NA PRÉ – HISTÓRIA
2.1. ACTIVIDADE FÍSICA NA FASE DO NOMADISMO E DO
SINDENTARISMO
 Desde os primórdios da humanidade, a educação física e o desporto vem
involuindo à medida que se processa a evolução cultural dos povos;
 Neste contexto, a sua orientação no tempo e no espaço esta em sintonia com
os sistemas políticos, sociais, económicos e científicos vigentes nas
sociedades humanas;
 Durante o período Pré – Histórico a sobrevivência do homem dependia do
movimento físico: principalmente a força, a velocidade e resistência; e

 Para além do mesmo ser pensante, uma característica especial distinguia o


homem dos outros animais era o facto deste ser capaz de segurar objectos,
provavelmente por ser o único que possuía o dedo polegar.
AM, 2017
14
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I. ACTIVIDADE FISICA NA PRÉ – HISTÓRIA
2.1. ACTIVIDADE FÍSICA NA FASE DO NOMADISMO E FASE DO
SINDENTARISMO
2.1.1. Fase do nomadismo:
 Durante esta fase o Homem Primitivo fazia grandes caminhadas nas quais era
obrigado a lutar, correr, saltar, nadar e trepar, para fugir do perigo ou dele
defender – se; e
 Por outro lado, era obrigado a caçar, pescar ou arremessar objectos para
garantir a sua alimentação;
 Fase do sedentarismo: Nesta fase surge o conceito de propriedade e,
consequentemente a necessidade defesa desta contra possíveis invasores,
nomeadamente a defesa das pessoas e seus bens;
 Para festejar e homenagear seus Deus e suas conquistas, já nesta fase, o
homem primitivo dançava e executava outros movimentos corporais;
AM, 2017
15
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I. ACTIVIDADE FISICA NA PRÉ – HISTÓRIA
2.1. ACTIVIDADE FÍSICA NA FASE DO NOMADISMO E FASE DO
SINDENTARISMO
 Por outro lado, as actividades humanas no contexto do sedentarismo levam ao
aumento dos seus tempos livre e a ociosidade, o que, por sua vez, leva aqui as
actividades que eram feitas por necessidade de sobrevivência passem a ser
realizadas também por recreação e lazer;

 Nesta perspectiva, pode-se afirmar que as actividades físicas das sociedades


pré – históricas tinham vários aspectos específicos, nomeadamente natural,
utilitário, guerreiro, ritual e recreativo, objectivando a luta pela vida, a
preparação guerreira, os ritos e cultos, e as práticas recreativas.

AM, 2017
16
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I. ACTIVIDADE FISICA NA PRÉ – HISTÓRIA
2. 2. ASPECTOS DAS ACTIVIDADES FÍSICAS
2.2.1. ASPECTO NATURAL

 Este aspecto refere - se as actividades físicas que o homem primitivo


realizava tendo em vista a sua sobrevivência:

 Por exemplo, lançava, arremessava objectos, saltava e corria , para caçar,


pescar, defender - se ou fugir do perigo;

 Fazia longas caminhadas, atravessava rios nadando e galgava montanhas na


busca de novas e melhores condições de sobrevivência

AM, 2017
17
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I. ACTIVIDADE FISICA NA PRÉ – HISTÓRIA
2. 2. ASPECTOS DAS ACTIVIDADES FI\ÍSICAS
2.2.2. ASPECTO UTILITÁRIO

 Resumi - se a busca da perfeição dos seus movimentos básicos, tendo em


vista o respectivo o seu treinamento;

 O homem primitivo começou a prestar atenção no seu meio e as suas


actividades;

 Concluiu que deve treinar cada actividade, repetidas vezes, para futuramente
obter sucessos nas suas actividades físicas quotidianas de sobrevivência. .

AM, 2017
18
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I. ACTIVIDADE FISICA NA PRÉ – HISTÓRIA
2. 2. ASPECTOS DAS ACTIVIDADES FÍSICAS
2.2.3. ASPECTO GUERREIRO

 Com a ganância e a cobiça do homem ( principalmente no período do


sedentarismo ), o homem primitivo vê – se na contingência de defender a
propriedade individual e colectiva, pessoas e bens contra prováveis
invasores; e

 Nesta perspectiva e com o crescimento da população são criadas novas


tarefas, formando – se neste contexto grupos de vigilância ( guerreiros
treinados ), para defenderem seus territórios, as pessoas e seus bens.

.
AM, 2017
19
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I. ACTIVIDADE FISICA NA PRÉ – HISTÓRIA
2. 2. ASPECTOS DAS ACTIVIDADES FÍSICAS
2.2.4. ASPECTO RELIGIOSO

 O homens primitivos eram fieis e faziam homenagens aos seus Deuses; e

 Neste contexto, realizavam actividades rítmicas e dançavam ao ritmo de


tambores, palmas, gritos e movimentos sincronizados simbólicos;

 Enquadram – se neste âmbito os cultos religiosos e outras formas de adoração


e vassalagem aos seus Deuses.

AM, 2017
20
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I. ACTIVIDADE FISICA NA PRÉ – HISTÓRIA
2. 2. ASPECTOS DAS ACTIVIDADES FÍSICAS
2.2.5. ASPECTO RECREATIVO
 Nos seus tempos livres ( já no período do sedentarismo) , brincando, os
homens primitivos corriam , saltavam, arremessavam e dançavam, como
passa tempo;
 A dança podia significar algum ritual ou até mesmo alegria por uma pesca ou
caçada bem sucedida;
 Atiravam ao alvo, encenavam para demostrar como foi a sua aventura de
pesca ou da caçada e, nessas demonstrações, por vezes, competiam;

 Enquadra – se, por exemplo, neste âmbito o surgimento da actividade


desportiva, como actividade de mera recreação e de passa tempo.

AM, 2017
21
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I. ACTIVIDADE FISICA NA PRÉ – HISTÓRIA
2. 2. ASPECTOS DAS ACTIVIDADES FÍSICAS
2.2.6. EXERCÍCIO DE APLICAÇÃO

 A actividade física na Pré – História estava centrada em diversos aspectos,


como, por exemplo o aspecto natural e o aspecto utilitário.

 P1: Incluindo os aspectos acima mencionados, enumere os aspectos


estudados nas nossas aulas ?

 P2: A sua escolha, explique pelo menos 2 ( dois ) desses aspectos estudados ?

AM, 2017
22
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I.EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.1. EDUCAÇÃO FÍSICA

 O homem primitivo executava os seus movimento corporais mais básicos e


naturais desde que se colocou de pé ( corria, saltava, nadava, lançava …. ); e

 Pela repetição continua desses exercícios, na luta pela sobrevivência,


aperfeiçoava as funções, educando - as gradualmente e inconscientemente;

 Tudo isto no contexto algo natural e quotidiano e não como educação física
propriamente dita, cujos registo tardaram a aparecer.

AM, 2017
23
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.1. EDUCAÇÃO FÍSICA - NA CHINA, ÍNDIA, JAPÃO E EGIPTO

 Em cada sociedade, povo ou pais a Educação Física apresentava deferentes


focos de interesse e utilização;

 ( CHINA ) As origens mais remotas da história falam de 3.000 ( Três Mil)


a.C. na China, onde o Imperador , Hong Ti recomendava aos seus guerreiros
e a população, para que fizessem exercícios físicos com finalidades
higiénicas e terapêuticas, para além do carácter de treino para guerra.

AM, 2017
24
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.1. EDUCAÇÃO FÍSICA - NA CHINA, ÍNDIA, JAPÃO E EGIPTO

 ( INDIA) A Educação Física era vista como uma doutrina a ser seguida, de
foco filosófico e com indispensáveis necessidades militares:

- Foi ondem teve origem a Yoga e exercícios ginásticos de aprofundados da


medicina com técnicas de respiração e massoterapia;

- O Buda atribui aos exercícios o caminho da energia física, pureza dos


sentimentos, bondade e conhecimento das ciências para a suprema felicidade
do Nirvana ( no budismo, estado de ausência total de sofrimento),

AM, 2017
25
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.1. EDUCAÇÃO FÍSICA - NA CHINA, ÍNDIA, JAPÃO E EGIPTO
 ( JAPÃO) Paralelamente ao período Chinês e Indiano, no Japão praticava -
se A Educação Física com fundamentos médicos, higiénicos, filosóficos,
morais, religiosos e principalmente no treinamento dos seus guerreiros, os
samurais;

 ( EGITO) Somando - se a estas civilizações orientais ( China, Índia e


Japão), o Egipto, também desenvolveu seus estudos de desportos e actividade
física ligada a guerra;
 De referir que os exercícios gímnicos formam a ginástica egípcia dotada de
equilíbrio, força, flexibilidade e resistência.

AM, 2017
26
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.1. EDUCAÇÃO FÍSICA - GRÉCIA E ROMA
 ( GRÉCIA ) Pode – se afirmar que a Grécia e a civilização da antiguidade
ocidental que mais contribuiu na Educação Física;

 Foi nesta civilização que surgiram os grandes pensadores que contribuíram


com vários conceitos, até hoje aceites pela Educação Física e pela Pedagogia;
 Grandes artistas, pensadores e filósofos como Mirón, Sócrates, Hipócrates,
Platão e Aristóteles que criaram conceitos como o de equilíbrio entre o corpo
e o espírito ou a mente;
 Igualmente nasceram na Grécia os termos halteres, atleta, ginástica, pentatlo,
entre outros.

AM, 2017
27
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.1. EDUCAÇÃO FÍSICA - GRÉCIA E ROMA
 (ROMA) Depois da tomada militar da Grécia, Roma absorveu a cultura desta
civilização, tendo contudo a Educação Física se caracterizado espírito prático
e utilitário;

 Tendo prevalecido a visão voltada para a preparação dos soldados e da


população para a guerra;

 Foi no período Romano que surgiu a famosa frase “ Mens sana in Corpore
Sano.

AM, 2017
28
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.2. JOGO PAN – HELÉNICOS
 Jogos Pan – Helénicos ( significando: Pan, todos e, Helenos, gregos; ou seja
jogos para todos os grego ) é o termo colectivo usado para designar os 4 (
Quatro ) principais festivais desportivos, separados, que se realizam na
Antiga Grécia, nomeadamente os jogos:
- Olímpicos;
- Píticos;
- Nemeos; e
- Ístmicos.
 O Quadro 1, seguinte, monstra – nos, resumidamente, o deus homenageado,
os local de realização, tipo premiação e a frequência de realização
respectivamente, por cada um dos jogos

AM, 2017
29
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.1. JOGO PAN - HELÉNICOS
Deus
Jogos Localização Prêmio Frequência
homenageado

3.2.
Jogos Olímpicos Zeus Olympia, Elis Coroa de oliveira Quadrienal

Quadrienal (2 anos
Jogos Píticos Apolo Delfos Grinalda após os Jogos
Olímpicos)

Jogos Nemeos Zeus, Herácles Nemeia, Corinto Aipo selvage Bienal

Jogos Ístmicos Poseidon Istmia, Sicião Pinha Bienal

QUADRO 1: Jogos Pan -Helénicos

30
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.2. JOGO PAN – HELÉNICOS

 Os Olímpicos, que eram realizados na cidade de Olímpia, também conhecida


como o berço dos Jogos Olímpicos da actualidade, segundo as primeiras
referências escritas dos mesmos, datam de 776 a.C. , contudo ninguém sabe
exactamente quando iniciaram, existindo alguns indícios que eles tenham
iniciado antes desta data;

 Por outro lado, sabe – se que os restantes jogos tiveram o seu inicio no Séc.
VI a.C.

AM, 2017
31
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.2. JOGO PAN – HELÉNICOS: IMPORTÂNCIA DOS JOGOS
 Os Jogos Pan – Helénicos tinham um grande significa religioso, sendo que
todos eles eram celebrados e homenagem a um Deus;
 Antes, durante e depois da realização de cada edição dos Jogos, era
proclamada uma trégua, as garras eram interrompidas, para que os atletas e os
gregos em geral, idos massivamente dos deferentes cantos do mundo grego,
incluindo das colónias de Itália, do Norte de África e da Ásia Menor,
pudessem viajar em paz para a Cidade hospedeira e a procedência, depois de
participarem e ou assistirem ao evento desportivo em referência;
 Os gregos em geral viajavam, participavam e ou assistiam os Jogos em massa
com um profundo sentimento de todos pertencerem a mesma cultura e
religião.

AM, 2017
32
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.2. JOGO PAN – HELÉNICOS: CRITÉRIOS DE PARTICIPAÇÃO
 Os 3 (Três) critérios de base de participação nos Jogos Pan – Helénicos eram:
- Ser grego;
- Ser homem; e
- Ser livre.
 Esta regra exclui: os não – Gregos/estrangeiros); mulheres e escravos;
 Refira – se que as mulheres podiam assistir os jogos, na condição de ser
virgem.
 Entretanto, participação dos competidores era condicionada ainda a mínimos
de performances desportivos, a serem aferidos antecipadamente pelos juízes
dos Jogos, que igualmente tinham a tarefa de preparar as condições logísticas
e técnicas para a realização do evento e de arbitrar as respectivas
competições.
AM,
 2017
33
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.2. JOGO PAN – HELÉNICOS: MODALIDADES DOS JOGOS
 Nos Jogos Pan - Helénicos os competidores disputada - se as seguintes
modalidades:
- Corridas a pedestres: o stade ( cerca de 190 metros); o diaulos (duas vezes o
Stade); dolichos ( 7 a 24 vezes o stade); e corrida armada ( um diaulos, com
capacete , lança e escudo );
- Lançamentos: do Disco e do Dardo;
- Salto á Distância;
- Combates: Luta; Pugilismo e Pancrácio; e
- Corridas equestres: corridas de coches ( o bigas, com dois cavalos e o
quadrica, com quatro cavalos e ainda a corrida de sela);
 Regra geral, todos os atletas competiam nus( sem qualquer veste).
AM, 2017
34
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.2. JOGO PAN – HELÉNICOS: PREMIAÇÃO DOS JOGOS

 Nos Jogos Pan - Helénicos os competidores vencedores eram consagrados


com coroas de folhas de oliveira selvagem, de louro, de pinho ou de aipo, de
acordo com o estipulado para cada um dos Jogos;
 Ainda no local da competição atletas vencedores recebiam: (i) uma fita de la,
a taenia; (ii) a famosa escultura de do escultor Polycletus, datada da segunda
metade do Séc. a.C. ; e (iii ) seguravam uma folha de palmeira, símbolos da
sua vitória;
 Depois da competição recebiam também prémios materiais de grande valor,
ânforas de óleo de oliveira, de grande valor em dinheiro, vasos de bronze,
escudos de bronze e ou taças de prata;
AM, 2017
35
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.2. JOGO PAN – HELÉNICOS: PREMIAÇÃO DOS JOGOS
 A fama dos atletas vencedores era o reflexo de gloria e honra para os
habitantes das suas cidades de origem;

 No seu regresso dos Jogos os atletas vencedores eram recebidos como heróis
e ganhavam numerosos benefícios para o resto das suas vidas, podendo – se
entre outros destacar – se os seguintes:
- Tratamento de honra e dignidade;
- Direito de mandar erguer uma estátua da sua pessoa;
- Direito de solicitar a escritores para escreverem poemas exaltando os seus
feitos; e
- Outros de natureza diversa.
AM, 2017
36
-
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.2. JOGO PAN – HELÉNICOS: MULTAS E PUNIÇÕES DOS JOGOS
 Os princípios e regulamentos dos Jogos Pan – Helénicos eram bastante
rigorosos, sendo que o “espírito de jogo limpo” era levado muito em
consideração;
 Nesta perspectiva, os competidores que a despeito dos seus juramentos,
utilizassem meios não autorizados para alcançarem os lugares de pódio, eram
severamente punidos, a titulo de exemplo, com pesadas multas em dinheiro e
ou condenação a açoitadas de chicote, publicamente, havendo a referir que
este tipo de castigo na altura estava reservada para escravos;
 Com os valores das multas cobradas, eram feitas estatuetas com nomes de
infractores nos Jogos, expostas nos átrios das entradas dos campos de jogos,
como forma de chamada de atenção a razão à todos os participantes dos
mesmos.
AM, 2017
37
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.2. JOGO PAN – HELÉNICOS: ATLETAS FAMOSOS DOS JOGOS
 Pelos seus incomuns vários atletas vencedores nos Jogos Pan – Helénicos
conquistaram a sua fama, sendo que entre eles ficaram imortalizados os
nomes de figuras lendárias, como:
 O lutador Milo, campeão várias vezes em 16 (Dezasseis ) anos da sua
carreira desportiva;
 O corredor Rhode, campeão Olímpico 4 (Quatros), considerado
extraordinário e como um Deus pelos seus compatriotas;
 O boxeador Melankomas, de Caíra ( Ásia Menor ), de magnifica
constituição atlética, com técnica incomum extraordinária, forte instinto para
esquivar sistematicamente dos golpes dos adversários, contra - atacando os
mesmos, rapidamente com golpes decisivos, em momentos mais oportunos e
inesperados;
AM, 2017
38
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.2. JOGO PAN – HELÉNICOS: FIM DOS JOGOS
 O declínio dos Jogos Pan - Helénicos iniciou em 146 ( Cento e Quarenta e
Seis) a.C. com a conquista militar da Grécia pela Roma, que provavelmente
terá levado ao final dos mesmos, podendo – se, entre outras, apontar – se as
seguintes razões:

- A forte presença dos Romanos entre os atletas Gregos, defensores do


desporto como espectáculo, ameaçando assim os principais ideais dos Jogos;

- O nascimento do Cristianismo, com a crença de um Deus único, e a conversar


dos Imperadores para essa religião, significando isto que os Jogos pagãos já
não podiam ser mais tolerados;

AM, 2017
39
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.2. JOGO PAN – HELÉNICOS: FIM DOS JOGOS

 Nestas circunstâncias, foi o Imperador Theodosius I , que já convertido ao


Cristianismo, ordenou em 393( Trezentos e Noventa e Nove ) d.C. a abolição
dos Jogos Olímpicos, depois de mais de 1000 (Mil ) anos da sua existência;

 Na sequência, na mesma época desapareceram igualmente os Jogos Píticos,


Nemeos e Ístmico que eram respectivamente organizados em Delfo, Corito e
Ístmia;

AM, 2017
40
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.I.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E ACTIVIDADE DESPORTIVA NA
ANTIGUIDADE
3.2. JOGO PAN – HELÉNICOS: FIM DOS JOGOS

 Depois da abolição dos Jogos, a Olímpia e outra cidades da Antiga Grécia


foram alvos de actos de vandalismo, sendo que fogos, dilúvios e terramotos
também ajudaram a destruição das construções e, pouco a pouco, também os
sítios dos jogos foram desaparecendo por baixo de vários metros de terra e
sumiram da memória;

 No Séc.. XVIII iniciou o trabalho de pesquisa e no Séc.. XIX, com as


escavações arqueológicas, finalmente revelaram - se as ruinas da cidade de
Olímpia e outras, cuja exploração permite – nos actualmente aprecia - las e
imaginar a gloria dos Jogos Pan – Helénicos.

AM, 2017
41
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
I.V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA IDADE MÉDIA
4.1. EDUCAÇÃO NA IDADE MÉDIA

 Na Idade Média a Igreja Católica detinha o monopólio da cultura e do


pensamento e neste contexto a educação tinha uma grande influência
religiosa;
 A Igreja estabelecia o que deveria ser estudado, os conteúdos e os objectivos
da educação;
 As escolas eram, portanto, associadas às instituições religiosas católicas.

 Embora controlada pela Igreja, a educação não ficou apenas no campo


religioso, abrindo também espaço para o estudo das ciências, técnicas e
habilidades.

AM, 2017
42
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
4.1. EDUCAÇÃO NA IDADE MÉDIA
4.1.1. PRÍNCIPAIS OBJECTIVOS DA EDUCAÇÃO
 Transmissão de técnicas adquiridas;
 Formação religiosa;
 Desenvolvimento da leitura e escrita do latim;
 Desenvolvimento de habilidades como falar, reflectir, pensar, debater e
concluir.
 A Educação era vista como um instrumento para alcançar a sabedoria, que
consequentemente levava o Homem a felicidade, um bem desejado por si
mesmo e o mais perfeito que todos os outros bens;

 Buscavam, portanto,, a ciência como um fim em si, e não visando um


objectivo especifico.

AM, 2017
43
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
4.1. EDUCAÇÃO NA IDADE MÉDIA
4.1.2. CURRÍCULO BÁSICO DA EDUCAÇÃO

 Latim e Gramática;
 Dialéctica: Arte de dialogo, processo de busca da verdade por meio de
argumentação ou discussão racional, tentando demonstrar qualquer coisa;
 Lógica: Modo de raciocinar coerente que expressa uma relação de causa e
consequências;

 Retórica: Arte de bem falar, argumentação ou comunicação clara;


 Filosofia: Razão da existência da humanidade, conjunto das reflexões
particulares que buscam entender a realidade a partir da razão;

AM, 2017
44
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
4.1. EDUCAÇÃO NA IDADE MÉDIA
4.1.2. CURRÍCULO BÁSICO DA EDUCAÇÃO

 Teologialógia: Estudo critico da natureza do divino, seus atributos e sua


relação com os homens;
 Música: Com enfâse para o Canto Gregoriano, género de música religiosa
utilizado nas liturgias da Igreja Católica, caracterizada por ter apenas uma
linha melódica

 Aritmética;
 Geometria: Parte da matemática que tem por objecto o estudo rigoroso do
espaço e das formas ( figuras e corpos ); e
 Austronomia.

AM, 2017
45
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
4.1. EDUCAÇÃO NA IDADE MÉDIA
4.1.3. TIPOS DE ESCOLAS

 Escolas paroquiais: para formação de padres, ensinando principalmente


temas religiosos;

 Escolas monásticas: para formação de monges, em sistema de internato,


ensinando principalmente o Latim, Canto Gregoriano e textos sagrados,
incluindo a Bíblia, e Filosofia;

 Um aspecto particular a reter é o facto de que as escolas monásticas


valorizavam muito o trabalho e a disciplina.

AM, 2017
46
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
4.1. EDUCAÇÃO NA IDADE MÉDIA
4.1.3. TIPOS DE ESCOLAS

 Escolas palatinas: fundamentalmente para a formação dos filhos dos nobre,


com um vasto e exigente currículo;
 Estas escolas ensinavam Aritmética, Geometria, Astronomia, Dialéctica,
Retórica, Filosofia e Música, entre outras disciplinas.

 Universidades médievais: As primeiras surgem na Europa ( França,


Inglaterra e Itália) voltadas para ensino, pesquisa, produção de conhecimento,
reflexão e debate;
 Após formação básica os estudantes podiam prosseguir para cursos de
formação especifica;
 Os primeiros cursos universitários foram de Médicina, Teologia e Direito.
AM, 2017
47
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
4.1. EDUCAÇÃO NA IDADE MÉDIA
4.1.4. ORIGEM DOS ESTUDANTES

 Na Idade Média, grande parte dos estudantes vinha da nobreza, camada


social com recursos financeiros para manter seus filhos nas escolas;

 Estes distribuam – se maioritariamente pela área militar ( formação de


cavaleiros), formação técnica ( escolas formais ) e formação religiosa (
escolas monásticas ), de acordo com a vontade dos seus pais;

 Os camponeses e seus filhos sem recursos financeiros, não tinham acesso a


educação escolar, ficando sem saber ler e escrever por toda a sua vida.

AM, 2017
48
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
4.1. EDUCAÇÃO NA IDADE MÉDIA
4.1.4. ORIGEM DOS ESTUDANTES

 No final da Idade Média ( Séc. XIV e XV ), com o seguimento da burguesia,


as escolas e as universidades passam a ter muitos estudantes oriundos desta
nova camada social;

 Os burgueses formavam seus filhos principalmente em Medicina, Artes,


Direito, Filosofia e Arquitectura; e

 Contudo, na sua maioria direccionavam seus filhos para a continuação dos


negócios de família nas áreas de comércio ou finanças.

AM, 2017
49
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
IV. . EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA IDADE MÉDIA
4.2. A IGREJA CATÓLICA E AS ACTIVIDADES FÍSICAS

 Como já vimos, a Idade Media, igualmente conhecida por Era das Trevas, se
inicia com um forte domínio da Igreja Católica, praticamente em toda a
Europa;

 Na pratica todas as actividades ligada ao corpo do homem foram proibidas,


por serem consideradas templo do pecado e por isso não podiam ser
contempladas de qualquer forma;

 Contudo, as necessidades de protecção das terras dos senhores feudais, assim


como do património da própria Igreja, fez com que as actividades militares
fossem permitidas.

AM, 2017
50
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
IV. . EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA IDADE MÉDIA
4.2. A IGREJA CATÓLICA E AS ACTIVIDADES FÍSICAS

 Assim, as entre as actividades mais praticadas nessa Era, para além do arco e
flecha e dos combates com espadas e lanças, surge a cavalaria, disputas de
justas e torneiros e as cruzadas promovidas pela Igreja;

 A diminuição gradativa do poder da Igreja sobre o Homem que acontece em


grade medida pelos movimentos revolucionários que promoviam o Homem
como dono de seus próprios actos, deu início a Era Moderna.

AM, 2017
51
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
IV. . EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA IDADE MÉDIA
4.3. O RENASCIMENTO E AS ACTIVIDADES FÍSICAS

 O Renascentismo, também conhecido Renascimento, é o período de


transição entre a Idade Media e a Idade Moderna, que ocorreu principalmente
na Itália, e alastrou – se por toda a Europa, entre o Séc. XIV e inicio do Séc.
XII;

 Como o próprio nome diz, renascimento e uma nova fase, e um movimento


intelectual, artístico e social que busca reagir a decadência feudal.

AM, 2017
52
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
IV. . EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA IDADE MÉDIA
4.3. O RENASCIMENTO E AS ACTIVIDADES FÍSICAS

 Na Idade Média, a vida material devia ser ignorada, a favor da busca pela
eternidade, o corpo humano devia ser disciplinado e controlado para manter
as virtudes da alma ( Vida do Homem centrada em Deus, o Teocentrismo);
 Para os renascentistas, a vida terrena também era importante e o homem
devia buscar o prazer de viver e a beleza da natureza em que ele está inserido
( o Homem passa a ser o principal personagem – Antropocentrismo );
 Durante esse período intensifica – se na Europa a produção artística e
científica;
 Esse período fez explodir novamente a cultura física, a arte, a música, a
ciência e a literatura;
;

AM, 2017
53
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
IV. . EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA IDADE MÉDIA
4.3. O RENASCIMENTO E AS ACTIVIDADES FÍSICAS
 A beleza corpo que antes era pecaminoso na Idade Média passa a ser
novamente estudada e explorado e surgem grandes artistas como Leonardo da
Vinci, responsável pela criação até hoje utilizada das regras proporcionais do
corpo humano;

 Os discursos higiénicos começam a aparecer, eles vem com discursos de


prevenir as doenças, limpeza do corpo e começa a surgir uma nova cultura;

 Nessa época, voltam as actividades físicas, os jogos, os estudos, a filosofia e


pode – se dizer que foi uma fase muito importante, onde as pessoas voltaram
a ter suas opiniões e ideias

AM, 2017
54
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
IV. . EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA IDADE MÉDIA
4.3. O RENASCIMENTO E AS ACTIVIDADES FÍSICAS

 Consta deste período o estudo da anatomia e a escultura de estátuas famosas,


por exemplo, a de Vinci, esculpida por Michelangelo;

 A escultura de estátuas e dessecação de cadáveres humanos deu origem à


anatomia, um grande passo para a Educação Física e a Medicina;

 A volta da Educação Física escolar se deve também nesse período a Vitorio


de Filtre, que em 1423 fundou a escola “La Casa Giocosa”, no norte da Itália,
onde o conteúdo programático incluía os exercícios físicos

AM, 2017
55
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.1. EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR ( Séc.. XVIII )
 A expressão a Educação Física foi criada aproximadamente no Séc. XVIII,
com forte intuito de evidenciar a sua contribuição na formação, na construção
corporal e moral do individuo da época;

 A sua criação foi fortemente influenciada e ou direccionada pela instituição


militar e médica, participando activamente na busca do corpos fortes e
vigorosos;

 A instituição militar colaborou na pratica de exercícios sistematizados, que


foram significativos no plano civil pelo conhecimento médico.

AM, 2017
56
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.1. EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR ( Séc. XVIII )

 No Séc. XVII, a Educação Física não era considerada como um aspecto


essencial de educação para ser tratado, salvo raras excepções;
 No Séc. XVIII, a Educação Física já era alvo de atenção a qual buscava
soluções, apesar de que, na maioria dos casos, as mesmas se fundamentavam
em mero empirismo;

 Uma definição de partida concerne a interpretação temporal do corpo, que


pouco valorizado no período medieval, reconquistou o seu espaço no período
do renascimento, tendo o exercício físico denominado de ginástica desde o
Séc. XVIII, recebido maior enfâse na escola;

AM, 2017
57
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.1. EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR ( Séc. XVIII )
 Na época em análise, entre outros, podemos destacar os seguintes marcos
internacionais de memoria:
 Em 1762, Jean Jacques Rousseau ( 1712 – 1778), enciclopedista suíço,
escreveu e publicou a obra “ Emílio ou da Educação”, em que ressalta a
importância do exercício corporal e do espírito;

 Na concepção de Rousseau, a Educação Física ocupou uma importante


função, uma vez que era considerada um dos meios mais seguros para
estabelecer a relações naturais entre o homem e as coisa ( experiência que a
criança adquire sob acção das coisas externas )

AM, 2017
58
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.1. EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR ( Séc. XVII )

 Em 1774, Jhoann Bernard Besedow ( 1723 – 1790 ), estabeleceu a escola –


modelo – Philanthropinum, em Dessau, na Alemanha, onde a ginástica estava
incluída no currículo escolar e possuía o mesmo estatus das disciplinas
intelectuais;

 Nesse estabelecimento de ensino, eram inicialmente praticadas actividades


originarias da época medieval como equitação, natação, esgrima, danças e
jogos, tendo sido posteriormente acrescentados exercícios naturais como
correr, saltar, arremessar, transportar e trepar;

AM, 2017
59
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.1. EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR ( Séc. XVII )
 Em 1794, Gerhard Ulrich Anton Vieth ( 1763 – 1836 ) publicou o primeiro
de três volumes da sua obra “Ensaios de uma Enciclopédia dos Exercícios do
Corpo”, onde atribuía importância a pratica do exercício físico para a
formação moral e físico do individuo e insistia na obrigatoriedade de
Educação Física nos âmbitos da escola e da universidade;

 Vieth tornou – se o primeiro professor de ginástica a demostrar a necessidade


de se proporcionar ao exercício físico uma base anatómico – fisiológico,
tendo em vista a sua preparação científica, que lhe permitia compreender e
delinear os efeitos biológicos e higiénicos da ginástica, como também,
estabelecer uma relação de causa efeito entre actividade física e as suas
influências no corpo.
AM, 2017
60
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.1. EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR ( Séc. XVII )
 Em 1799, Vivat Vcitorius Franziskus Nachtegall ( 1777 – 1847 ), educador
dinamarquês, inaugurou o seu ginásio particular ao ar livre, primeira
instituição europeia dos tempos modernos, direccionada exclusivamente ao
ensino da Educação Física;

 Embora este não tenha estabelecido um novo sistema de ginástica na


Dinamarca, organizou e sistematizou a pratica da Educação Física de uma
forma não observada na época a nível nacional e em outros países;

 Igualmente ele é também considerado o primeiro educador a mencionar a


utilização de colchões como forma de segurança.

AM, 2017
61
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPÍCOS MODERNOS
5.2.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO OLÍMPICO
INTERNACIONAL
 Sob forma pirâmidal, do topo a base, o Movimento Olimpico Internacional
encontra – se estruturado, fundamentalmente, através dos seguintes órgãos:
- Comité Olimpico Internacional (COI), seu órgão de cúpula;
- Comités Olímpicos Nacionais (CONs), que são a autoridade máxima do
Movimento Olimpico do movimento Olimpico dos respectivos países;
 Intermediando COI e os CONs, temos as Associações Olímpicas
Continentais, constituídas pelos respectivo CONs.

AM, 2017
62
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPÍCOS MODERNOS
5.2.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO OLÍMPICO
INTERNACIONAL - Comité Olimpico Internacional:
 De acordo com Carta Olímpica, o COI, como autoridade máxima do
movimento olimpico internacional, é uma Organização Não Governamental,
criada em 23 de Junho de 1894, por iniciativa de Pierre Cubertin, com a
finalidade de resgatar os Jogos Olímpicos da Antiga Grécia e promover a sua
realização de 4 em 4 anos;
 O COI tem a sua sede em Lausana, na Suíça;
 Todas as suas as actividades e do o movimento olimpico international em
geral são regidas pela Carta Olimpica, documento onde se encontra
plasmados todos os ideais olímpicos;
AM, 2017
63
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPÍCOS MODERNOS
5.2.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO OLÍMPICO
INTERNACIONAL
 As principais componentes da Carta Olímpica, são: (i) A missão do Comité
Olimpico Internacional que consiste em promover o olimpismo pelo mundo
e lidar com o movimento olimpico, incluindo isso o apoio a ética no
desporto, encorajar a participação desportiva e assegurar a realização dos
jogos de acordo com a sua agenda; e (ii) os Jogos Olímpicos, como
competição entre os atletas/ competidores em eventos individuais e colectivos
e não uma competição entre países.
 O respeito, a coragem, a determinação, a inspiração e a igualdade são os
princípios éticos e ou valores olímpicos por excelência que funcionam como
código de conduta do movimento olimpico;
AM, 2017
64
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPICOS MODERNOS
5.2.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO OLÍMPICO
 Como autoridade máxima do movimento olímpico, o COI tem, entre outras,
as seguintes funções e ou atribuições:
- Promover o desporto para o desenvolvimento, a todos níveis e sectores da
vida;
- Apoiar aos programas de desenvolvimento desportivo das federações
internacionais e nacionais, com enfoque no atleta;
- A atribuir a organização, apoiar a preparação e a realização dos Jogos
Olímpicos as cidades escolhidas; e
- Gerir os direitos de autoria e de protecção dos Símbolos Olimpos.
AM, 2017
65
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPICOS MODERNOS
5.2.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO OLÍMPICO
- Comités Olímpicos Nacionais:
 Os CONs, constituem – se e organizam - se a semelhança e a imagem do
COI, e como autoridade máxima do movimento olimpico internacional ao
nível dos respectivos países, tem, entre outras, as seguintes funções:
- Organizar as delegações e as missões desportivas nacionais aos Jogos
Olímpicos e outros eventos de natureza desportiva e diversa do movimento
olimpico internacional;
- Apoiar o desenvolvimento desportivo nos respectivos países em estreita
colaboração com o COI e as autoridades governamentais e da sociedade civil
local em geral;
AM, 2017
66
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPÍCOS MODERNOS
5.2.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO OLÍMPICO
INTERNACIONAL
 O movimento olimpico internacional tem como parceiro natural o movimento
associativo desportivo internacional;
 O Movimento Associativo Desportivo Internacional, que igualmente
organiza - se sob forma piramidal, encontra – se estruturado por sua vez, do
topo a base, por modalidade ou modalidades afins, através das respectivas:
 Federações Desportivas Internacionais;
 Federações Desportivas Nacionais; e
 Clubes Desportivos, uni ou polidesportivos.

AM, 2017
67
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPÍCOS MODERNOS
5.2.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO OLÍMPICO
INTERNACIONAL

 Intermediando as Federações Desportivas Internacionais e as Desportivas


Nacionais, encontram – se as respectivas Confederações Continentais e
Zonais;

 Intermediando as Federações Desportivas Nacionais e os Clubes


Desportivos, encontram – se as respectivas Associações Desportivas
Regionais;

AM, 2017
68
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPÍCOS MODERNOS
5.2.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO OLÍMPICO
INTERNACIONAL
 Quer paralelamente às Federações Internacionais, quer paralelamente as
Federações Desportivas Nacionais e as Associações Desportivas Regionais;
podemos encontrar varias associações e ligas sócio – profissionais dos
agentes desportivos, com autonomia própria, devidamente estruturados até
ao nível dos países membros;

 A figura seguinte ilustra graficamente e panorama geral da organização do


Movimento Associativo Desportivo Internacional:

AM, 2017
69
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO

Federações
Internacionais
A/LDSPIs CDIs
Federações
Nacionais
A/LDSPNs ADRs

Clubes Desportivos

ATLETAS

Figura 1 : Panorama geral do movimento associativo desportivo internacional


Legenda:ODSPIs/ODSPNs- ORGANIZAÇÕES SÓCIO PROFISSIONAIS INTERNACIONAIS E NACIONAIS
CDIs/ CDRs – CONFEDERAÇÕES DESPORTIVAS INTERNACIONAIS E REGIONAIS

AM, 2017
70
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPÍCOS MODERNOS
5.2.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO OLÍMPICO
INTERNACIONAL
- Federações Desportivas Internacionais:
 São a entidade máxima reguladora da respectiva modalidade ou modalidades
desportivas afins a nível mundial;

 Organizam – se geralmente para uma única modalidade desportiva ou


modalidades desportivas afins;
 As Federações Desportivas Internacionais, tem ,entre outras, as seguintes
funções, atribuições e ou competências:

AM, 2017
71
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPÍCOS MODERNOS
5.2.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO OLÍMPICO
INTERNACIONAL
- Regulamentar da pratica da modalidade desportiva ou modalidades
desportivas afins, sob a sua jurisdição;
- Organizar as competições desportivas das internacionais, mundiais e
Olímpicas, em estreita colaboração com o ( COI);
- Proceder ao reconhecimento das Federações Desportivas Nacionais das
respectivas modalidades; e
- Apoiar o desenvolvimento desportivo da respectiva modalidade, a nível
internacional, através de projectos, programas ou outras acções da sua
iniciativa e ou das suas Federações Desportivas Nacionais.
AM, 2017
72
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPÍCOS MODERNOS
5.2.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO OLÍMPICO
INTERNACIONAL
- Federações Desportivas Nacionais:
 Constituem – se e organizam a semelhança e a imagem das respectivas
Federações Desportivas Internacionais, tendo em conta a legislação
desportiva dos seus países;

 Como entidades máximas reguladora das respectivas modalidades


desportivas, a nível dos seus países, entre outras, tem as seguintes funções,
atribuições e ou competências:

AM, 2017
73
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPÍCOS MODERNOS
5.2.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO OLÍMPICO
INTERNACIONAL
- Organizar as competições desportivas nacionais e atribuir os respectivos
títulos aos seus vencedores; e
- Organizar e apoiar preparação e a participação das representações desportivas
da nacionais da sua modalidade nas provas e competições internacionais
oficiais; e
- Apoiar o desenvolvimento desportivo das respectivas modalidades, através de
projectos, programas e outras acções da sua iniciativa e ou dos seus filiados,
em estreita colaboração com as autoridades desportivas nacionais,
Governamentais e da Sociedade Civil em geral
AM, 2017
74
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPICOS MODERNOS
5.2.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO OLÍMPICO
INTERNACIONAL
- Clubes Desportivos:
 São a estrutura de base do movimento desportivo internacional, que a nível
local proporcionam a toda população e aos praticantes do desporto de
rendimento a possibilidade de prática desportiva, promovendo o conceito do
“desporto para todos” ;
 Na base da pirâmide da organização do desporto mundial, os clubes
desportivos tem como função social o enquadramento e criação de condições
para os praticantes desportivos, que são a essência de toda a organização,
com apoio de todos demais órgãos do movimento desportivo internacional,
incluindo dos órgão Governamentais.
AM, 2017
75
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPÍCOS MODERNOS
5.2.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO OLÍMPICO
INTERNACIONAL
- Associações e ligas sócio – profissionais dos agentes desportivos
 As associações e ligas sócio – profissionais dos agentes desportivos, são
órgão associativos autónimo, cuja função essencial a defesa dos interesses
dos respectivos associados em geral, assim como a realização de actividades
especificas de relevante interesse para os mesmos;

 As associações e ligas podem ser de âmbito internacional ou nacional, uni ou


pluri – desportivas;

AM, 2017
76
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPÍCOS MODERNOS
5.2.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO OLÍMPICO
INTERNACIONAL
- Associações e ligas sócio – profissionais dos agentes desportivos
 São uni- desportivas aquelas que agrupam agentes desportivos de uma única
modalidade desportivas, e pluri – desportiva as que congregam agentes de
diversas modalidades desportiva;
 Constituem exemplos de associações e ligas, as associações de gestores
desportivos e de treinadores desportivos, por classe dos agentes ou
modalidade desportiva especifica, as ligas de competições desportivas entre
clubes, podendo todos eles serem de âmbito mundial, regional ou nacional.

AM, 2017
77
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INETNACIONAL E JOGOS
OLIMPÍCOS MODERNOS
5.2.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO OLÍMPICO
 Como órgão autónimos e transversais a todas as modalidades desportivas,
temos as seguintes organizações mundiais conexas ao movimento olímpico
internacional, temos:
 Agência Mundial Anti – Doping ( WADA ), que tem como principal função
a coordenação dos programas de prevenção e combate do uso do doping no
desporto a nível mundial;
 A WADA é um órgão independente, criada por iniciativa colectiva, liderada
pelo Comité Olímpico Internacional, fundada em 10 de Novembro de 1999,
em Lausanne - Suíça, actualmente com sede em Montreal, em Canadá;

AM, 2017
78
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INETNACIONAL E JOGOS
OLIMPÍCOS MODERNOS
5.2.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO OLÍMPICO

 Tribunal Arbitral do Desporto ( TAS - CAS ), que tem como função


essencial a resolução dos litígios entre os agentes desportivos, emergentes da
pratica desportiva, de modo a evitar – se que os mesmos sejam dirimidos ou
resolvidos em tribunais ordinários.

 O Tribunal Arbitral do Desporto é um órgão independente, criado pelo


Comité Olímpico Internacional, em 1984, com sede em Lausanne, Suíça;

AM, 2017
79
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPÍCOS MODERNOS
5.2.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO OLÍMPICO
 No seu todo, toda estrutura do movimento olímpico internacional e seus
parceiros fundamentais, visam o envolvimento e a participação dos cidadãos
em geral e dos atletas / competidores nos ideais olímpicos, nas suas
actividades em geral e, em particular na celebração quadrienal dos Jogos
Olímpicos;
 Os praticantes desportivos em geral e os atletas e/ou competidores
desportivos são a essência e a razão de ser de todo o movimento olimpico
internacional;
 A figura seguinte, ilustra em panorama geral a organização do Movimento
Olimpico Internacional:
AM, 2017
80
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO

AORs

ATLETAS/ COMPETIDORES

 Figura 2: Movimento olímpico internacional


 LEGENDA:
 COI – COMITÉ OLIMPICO INTERNACIONAL
 AORs – ASSOCIACOES OLÍMPICOS REGIONAIS
 CON – COMITÉS OLÍMPICOS NACIONAIS
 MADI – MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO INTERNACIONAL
 W- AGÊNCIA MUNDIAL ANTI – DOPPING (WADA)
 T – TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO (TAS – CAS)
81
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPÍCOS MODERNOS
5.2.2. JOGOS OLÍMPICOS DA ERA MODERNA
- Origem e evolução dos Jogos
 Inspirados nos Jogos Olímpicos da Grécia Antiga, a primeira edição os Jogos
Olímpicos da Era Moderna, teve lugar em Abril de 1896, em Atenas, com
participação 241 atletas, de 14 países, competindo em 9 modalidades
desportivas;

 O renascimento do espírito olímpico, interrompido no ano 392 teve como seu


principal percursor o francês Charles Freddy Pierre - Barão de Coubertin,
animado pela ideia de educação através do desporto.

AM, 2017
82
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPÍCOS MODERNOS
5.2.2. JOGOS OLÍMPICOS DA ERA MODERNA
- Origem e evolução dos Jogos
 Coubertin queria propagar o uso dos Jogos como um instrumento de
aproximação entre os povos, em beneficio da paz; e

 Desde essa época os Jogos Olímpicos passaram a ser realizados de 4 em 4


anos, em diversas Cidades de distintos países, com milhares de atletas, de
todos os quadrantes do Mundo inteiro, à excepção dos anos 1914,1940 e
1945, que foram interrompidos devido a Primeira e Segunda Mundial,
respectivamente;
AM, 2017
83
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLIMPÍCOS MODERNOS
5.2.2. JOGOS OLÍMPICOS DA ERA MODERNA
- Origem e evolução dos Jogos
 Entretanto, a evolução do Movimento Olímpico durante o Séc. XX, levaram
COI a proceder ao ajuste dos Jogos, para o mundo das mudanças sociais,
podendo – se destacar nesse âmbito:
- A criação dos Jogos Olímpicos de Inverno (estredos em 1924, em Chamonix,
em França) para os deporto de gelo e da neve, desfasados dos Jogos de Verão
em 2 anos, o que faz com que os Jogos Olímpicos passassem a ter lugar de 2
em 2 anos pares;
- A criação dos Jogos Paralímpicos, para atletas com deficiência física e visual,
com sua estrear em 1960, em Roma, na Itália;
AM
84
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLÍMPICOS MODERNOS
5.2.2. JOGOS OLÍMPICOS DA ERA MODERNA
- Origem e evolução dos Jogos
- A introdução dos Jogos Olímpicos da Juventude, estreados em 2010, em
Singapura;
 Por outro lado, o COI teve que acomodar as deferentes variáveis politicas,
económicas e tecnológicas do Séc. XX, destacando – se neste âmbito:
- O afastamento do puro amadorismo, como imaginado por Coubertin, para
permitir a participação de atletas profissionais; e
- A questão do patrocínio e da comercialização dos Jogos, gerados pela
crescente importância dos meios de informação e comunicação.

AM, 2017
85
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLÍMPICOS MODERNOS
5.2.2. JOGOS OLÍMPICOS DA ERA MODERNA
- Critérios de Participação e Modalidades dos Jogos
 Os Jogos Olímpicos são um evento universal multidesportivo, com
modalidades desportivas de verão e do inverno;
 A participação nos jogos esta aberto a atletas de todas as nações do mundo,
através dos respectivos Comités Olímpicos Nacionais, de acordo com os
seguintes critérios de participação:
- Níveis de rendimento desportivo: (i) estabelecimentos de mínimos de
qualificação, para modalidades de tempo e marca e (ii) apuramento em
provas, torneios e campeonatos desportivos oficiais, reconhecidos pelas
respectivas Federações Desportivas Internacionais
AM, 2017
86
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLÍMPICOS MODERNOS
5.2.2. JOGOS OLÍMPICOS DA ERA MODERNA
- Universalidade dos Jogos: Atletas convidados do COI, dos países que não
tenham atletas ou selecções nacionais qualificados, para garantir a
universalidade dos Jogos, ouvido o parecer técnico das respectivas
Federações Desportivas Internacionais, no sentido de garantir Lema dos
Jogos;

 Neste contexto, dos 14 países que participaram nos primeiros Jogos


Olímpicos da Era Moderna, involui – se actualmente para uma participação
efectiva 205 nações ( dado estatístico dos Jogos Olímpicos de Rio 2016, em
Brasil );
AM, 2017
87
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLÍMPICOS MODERNOS
5.2.2. JOGOS OLÍMPICOS DA ERA MODERNA
 Das 9 modalidades que foram disputadas na edição inaugural dos Jogos
Olímpicos da Era Moderna, involui – se para 42 modalidades, derivadas de
33 deferentes desportos, disputados actualmente em cerca de 400 eventos
desportivos;
 O número de 241 atletas participantes na edição inaugural dos Jogos
Olímpicos da Era Moderna, aumentou significativamente para o numero
actual de cerca de 13000 atletas participantes, sendo cerca de 11000 nos
Jogos de Verão e os restantes nos Jogos do Inverno;
 A partir da sua segunda edição, os Jogos Olímpicos da Era Moderna
passaram a contar a participação com atletas de sexo feminino.
AM, 2017
88
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLÍMPICOS MODERNOS
5.2.2. JOGOS OLÍMPICOS DA ERA MODERNA
- Símbolos e Rituais dos Jogos:
 Anéis Olímpicos: entrelaçados, representando a união dos 5 continentes,
cada um representado por distinta cor;
 Bandeira Olímpica: adoptada em1914 e hasteada pela primeira vez em
1920, cujo fundo de cor branca simboliza a paz;
 Hino Olímpico: exaltando os valores do olimpismo; e
 Tocha Olímpicas: que mantem viva chama do espírito olimpico, durante a
realização de cada edição dos Jogos

AM, 2017
89
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLMPICOS MODERNOS
5.2.2. JOGOS OLÍMPICOS DA ERA MODERNA
 Cerimónias de Boas Vindas as Delegações Olímpicas: momento de
recepção solene e personalizado das diferentes delegações olímpicas pelas
autoridades da Vila Olímpicas, uma ocasião que serve para hastear no local a
Bandeira Nacional de cada pais participante acompanhada pela entoação do
respectivo Hino Nacional, seguidos de discursos de praxe e troca de brindes;
 Cerimónia de Abertura dos Jogos: geralmente consubstanciada pelo desfile
oficial das delegações participantes, discursos da ocasião, juramento solene
para cumprimento do jogo limpo e das regra, feitos pelos atletas e juízes dos
Jogos, e um festival cultural;

AM, 2017
90
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLÍMPICOS MODERNOS
5.2.2. JOGOS OLÍMPICOS DA ERA MODERNA
 Cerimónia de Entrega de Medalhas Olímpicas: onde e hasteada a Bandeira
Nacional e entoado o Hino Nacional do pais do atleta vencedor de
determinado evento; e
 Cerimónia de Encerramento dos Jogos : geralmente consubstanciada
essêncialmente, pela entrega da Tocha Olímpica ao proximo pais organizador
dos Jogos, desfile dos participantes e um festival de despedidas;
 Para além destes símbolos e rituais, os Jogos Olimpico adoptam como seu
lema: “ Mais alto, Mais forte e Mais rápido”.

AM, 2017
91
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.2. MOVIMENTO OLÍMPICO INTERNACIONAL E JOGOS
OLÍMPICOS MODERNOS
5.2.2. JOGOS OLÍMPICOS DA ERA MODERNA
- Premiação Desportiva:
 Os 3 primeiros classificados de cada evento desportivo são premiados com
medalhas olímpicas, de Ouro, Prata e Bronze, respectivamente para o
primeiro, segundo e terceiro classificados;
 Pelos seus feitos, quase todos os Estados tem normalmente concedido aos
seus atletas participantes e, especialmente os vencedores de eventos
desportivos olímpicos, prémios monetários e matérias, para além de um
tratamento de Gloria, Dignidade e Honra para com os mesmos.

AM, 2017
92
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.3. MOVIMENTO PARALÍMPICO INTERNACIONAL
5.3.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO PARALÍMPICO
INTERNACIONAL
 Com as devidas adaptações, o movimento paralímpico internacional organiza
- se a imagem e a semelhança do movimento olímpico internacional,
estruturando – se, do topo a base, de forma piramidal, através do respectivo
Comité Paralímpico Internacional e Comités Paralímpicos Nacionais;

 O Comité Paralímpico Internacional foi fundado em 1999, com apoio do


Comité Olímpico Internacional, após os Jogos Olímpicos de Seul, em 1988,
e desde então os dois órgão tem vindo a realizar esforços e acções conjuntas,
visando o desenvolvimento do para dificiêntes

AM, 2017
93
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.3. MOVIMENTO PARALÍMPICO INTERNACIONAL
5.3.1. ORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO PARALÍMPICO
INTERNACIONAL
Na prossecução dos seus objectivos e actividades tem como parceiros naturais
as respectivas federações internacionais e nacionais, vocacionadas para o
desporto adaptado para a pessoa com deficiência;

No leque das suas actividades, com as devidas adaptações, de um modo geral,


reputam-se as mesmas das desenvolvidas pelo movimento olímpico
internacional, do qual goza de um amplo apoio, com especial enfoque na
utilização das condições logísticas e técnicas, criadas para cada celebração dos
jogos olímpicos, que que são ajustadas e condicionadas para os Jogos
Paralímpicos;
AM, 2017
94
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.3. MOVIMENTO PRALÍMPICO INTERNACIONAL
5.3.2. JOGOS PRALÍMPICO
- Origem e Evolução dos Jogos
 Os Jogos Paralímicos ou Para – olímpicos são o maior evento desportivo
mundial envolvendo pessoas com deficiência, incluindo atletas com
deficiência física ( de mobilidade, amputações, cegueira e paralisia mental),
além de deficientes mentais;
 A primeira edição dos Jogos Paralímicos teve lugar e Roma, na Itália, em
1960;
 Pode – se dizer que os mesmo tem a sua origem em Stoke Mandeville, na
Inglaterra, onde ocorreram as primeiras competições desportivas para
deficientes físicos, como forma de reabilitação dos militares feridos na
Segunda Guerra Mundial.
AM, 2017
95
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.3. MOVIMENTO PRALÍMPICO INTERNACIONAL
5.3.2. JOGOS PRALÍMPICO
- Origem e Evolução dos Jogos

 O sucesso dos primeiros eventos, proporcionou um rápido crescimento do


movimento paralímpicos que já em 1976 contava com quarenta países
membros participantes;

 Neste mesmo ano (1976),foi realizada a primeira edição dos Jogos


Paralímpicos de Inverno, levando a mais pessoas deficientes a possibilidade
de pratica de desporto ao mais alto nível;

AM, 2017
96
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.3. MOVIMENTO PRALÍMPICO INTERNACIONAL
5.3.2. JOGOS PRALÍMPICO
- Modalidades dos Jogos

 27 modalidades desportivas compõem actualmente o programa dos Jogos


Paralímicos;

 Além das modalidades adaptadas, como atletismo, basquetebol, voleibol,


natação, ténis de mesa, existem desportos disputados exclusivamente para
deficientes, como bocha e curling;

AM, 2017
97
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.3. MOVIMENTO PRALÍMPICO INTERNACIONAL
5.3.2. JOGOS PRALÍMPICO
- Aspectos Convergentes com o Movimento Olímpicos e Jogos Olímpicos
 A semelhança do que se verifica em relação ao Movimento Olímpico e
Jogos Olímpicos, o Movimento Paralímpico e os Jogos Paralímpicos têm
respectivamente os seus símbolos e rituais, semelhantes, embora tenham as
devidas adaptações;
 No fim de cada edição dos Jogos Olímpicos, as respectivas respectivas
condições logísticas e técnica ( vila olímpica, instalações desportivas e outras
condições), depois de devidamente reconvertidas são utilizadas para os Jogos
Paralímpicos
 Ao longo da história dos dois Jogos ( Olímpicos e Paralímpicos ), diversos
atletas com deficiência física participaram de edições dos Jogos Olímpicos,
com resultados desportivos expressivos;
98
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.4. PREVENÇÃO E COMBATE AO DOPING NO DESPORTO
5.4.1. CONCEITO GERAL
 O doping no desporto consiste no uso de substâncias ou métodos, destinados
a melhorar artificialmente o desempenho dos atletas/ competidores
desportivos;
 Nesta perspectiva, o objectivos essenciais da luta antidoping, são:

- Evitar uma vantagem desleal de um atleta/competidor em relação aos demais;

- Preservar os aspectos éticos e morais do desporto; e

- Sobretudo, a saúde do atleta.


AM, 2017
99
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.4. PREVENÇÃO E COMBATE AO DOPING NO DESPORTO
5.4.2. AGÊNCIA MUNDIAL ANTI - DOPING ( WADA )

 A agencia Mundial Anti- Doping é um órgão independente, criada por


iniciativa colectiva, liderada pelo Comité Olímpico Internacional, fundada em
10 de Novembro de 1999, em Lausanne - Suíça, actualmente com sede em
Montreal, em Canadá;

 A WADA, tem como principal função a coordenação dos programas de


prevenção e combate do uso do doping no desporto a nível mundial;

AM, 2017
100
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.4. PREVENÇÃO E COMBATE AO DOPING NO DESPORTO
5.4.2. AGÊNCIA MUNDIAL ANTI - DOPING ( WADA)
 Entre outras, actividades a WADA tem como principais funções, atribuições
e ou competências :
- Promover, coordenar a luta contra o doping no desporto a nível mundial;

- Proteger o direito dos atletas praticarem o desporto livre da dopagem,


promovendo a saúde e igualdade entre os atletas; e

- Garantir a harmonização, coordenar e monitorar os programas anti- doping a


nível internacional, nomeadamente no que diz respeito a sua prevenção e
detecção;
AM, 2017
. 101
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.4. PREVENÇÃO E COMBATE AO DOPING NO DESPORTO
5.4.2. AGÊNCIA MUNDIAL ANTI - DOPING ( WADA)
 Carta Olímpica reputa como obrigatório o reconhecimento do WADA por
parte de todos os órgão do movimento olimpico internacional;

 A actividades da WADA são regidas pelo Código Mundial Anti - Doping e, as


suas decisões e recomendações são obrigatoriamente vinculativas para todos
os órgão do movimento olimpico internacional e dos seus parceiros
fundamentais;

 A Agência Mundial Anti - Doping actualiza e divulga anualmente a lista das


substâncias (anabolizantes) de uso proibido pelos atletas;

AM, 2017
102
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO NA ERA MODERNA E
CONTEMPORÂNEA
5.5. EXERCÍCIO DE APLICAÇÃO

 O Movimento Associativo Desportivo Internacional, sob – forma piramidal,


do topo a sua base, estrutura – se através das respectivas Federações
Desportivas Internacionais e Federações Desportivas Nacionais, por
modalidade desportiva, e os Clubes Desportivos, que enquadram os
respectivos atletas. Intermediando estes órgão conta ainda com as suas
confederações desportivas continentais e regionais a nível nacional, e por
outro lado com as ligas e associações sócio – profissionais autónimas.
 P1: Apresente uma representação gráfica dos principais órgão do movimento
associativo desportivo internacional, com a necessária legenda?
 P2: A sua escolha, descreva resumidamente as funções, atribuições e ou
competências de, pelo menos 2 ,dos organismos acima referidos.
AM, 2017
103
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. . EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.1. BREVE HISTORIAL
6.1.1. Período Colonial
- Conjuntura geral
 No essencial, pode se afirmar que o regime colonial português sempre negou
aos moçambicanos o exercício pleno de qualquer direito humano fundamental
( como, a educação, a saúde, o lazer e outros), incluindo o acesso e a prática
da educação física e do desporto;
 Na verdade, durantes longos anos, todo a estrutura social implantado no
terreno era a imagem do próprio sistema em geral, permanecendo ao serviço
exclusivo dos colonos brancos e suas filhos, imprimindo, por outro lado, uma
forte e deliberada exclusão dos moçambicanos negros;
 Por exemplo, todas as infra – estruturas sociais ( escolas, hospitais, recintos e
instalações desportivas e outras) estavam localizados nas cidades e vilas
habitadas pelas minoria branca, longe da maioria da população moçambicana.
AM, 2017
104
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.1. BREVE HISTORIAL
6.1.1 Período Colonial:
- Conjuntura geral
 Entretanto, sensivelmente, à partir da década 60 até altura da Independência
Nacional, em Junho de 1975, devido a situação política, social, económica e
militar a nível internacional, da africana e, em particular das então colónias
portuguesas, Portugal viu – se forçado a introduzir algumas mudanças
cosméticas na sua política colonial, que permitiram o acesso de alguns
moçambicanos pretos à pratica da educação física e do desporto;

 Entre outros, relativamente a conjuntura política, social, económica e miliar


de então, pode - se destacar os seguintes aspectos:

AM, 2017
105
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOCAMBIQUE
6.1. BREVE HISTORIAL
6.1.1. Período Colonial
- Conjuntura geral
 Uma forte condenação da política colonial portuguesa pela comunidade
internacional, incluindo do própria povo português;

 O movimento nacionalista independentista africano generalizado; e

 Principalmente, o recrudescimento da luta armada nas ex: colónias


portuguesas pelas respectivas Independências Nacionais, incluindo o avanço
da Luta Armada de Libertação de Moçambique, liderada pela Frente de
Libertação de Moçambique, FRELIMO.

AM, 2017
106
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQE
6.1. BREVE HISTORIAL
6.1.1. Período colonial
- Figuras moçambicanas do desporto
 Dos moçambicanos pretos que se notabilizaram nesta época ( década 60),
podem se destacar, entre outros, por exemplo, os seguintes figuras:

 Eusébio Ferreira da Silva, “Pantera Negra” - considerado um dos maiores


futebolistas mundial, ao lado do brasileiro “Pelé” e outros;
 Mário Esteves Coluna, “ O Monstro Sagrado” - Capitão do Benfica e da
Selecção da Nacional de Futebol de Portugal, que posteriormente, após a
Independência Nacional, em Moçambique viria a ocupar o cargo de
Seleccionador Nacional de Futebol e mais tarde de Presidente da Federação
Moçambicana de Futebol
AM,
(i) 2017
.
107
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.1. BREVE HISTORIAL
6.1.1. Período Colonial:
- Figuras moçambicanas do desporto

 Ricardo Chibanga - torreiro de craveira internacional;

 Mussa Tembe - Campeão Nacional de Portugal em Ginástica; e

 Ainda neste contexto, da década 60 , especial destaque, por exemplo, pode


ser dado as selecções nacionais de basquetebol e de hóquei em patins de
Portugal que eram maioritariamente formadas por atletas moçambicanos.

AM, 2017
108
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.1. BREVE HISTORIAL
6.1.1. Período Colonial
- Figuras moçambicanas do desporto
 Referira – se entretanto que, não exactamente neste contexto da década 60,
outros Moçambicanos pretos, altamente talentosos, já antes se tinham
notabilizado no desporto Português, como são os casos de:
 Carlos Wilson, na década 40, tido como exímio boxista de carreira
internacional;
 Matateu e Mário Wilson, na década 50, uns dos primeiros futebolistas
moçambicanos a viajarem para a metrópole Portuguesa;
 De salientar que o futebolista Mário Wilson viria mais tarde a ser treinador
da Selecção Nacional de Futebol de Portugal.

AM, 2017
109
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.1. BREVE HISTROIAL
6.1.2. Período Pós – Independência Nacional
- Conjuntura geral

 Com o advento da Independência Nacional, celebrada a 25 de Junho de 1975,


os moçambicanos conquistaram fundamentalmente o poder político para a
auto - determinação dos seus destinos;

 Neste quadro, o acesso e a prática educação físico e desporto passam a


constituir um direito constitucional de todo o cidadão, cabendo a sua
promoção ao Estado em colaboração com os estabelecimentos do ensino e as
instituições desportivas

AM, 2017
110
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.1. BREVE HISTORIAL
6.1.2. Período Pós – Independência Nacional
- Massificação da actividade física e desportiva

 Na sequencia, foi iniciado e desenvolvido um amplo e generalizado


movimento de massificação das actividades físicas e desportivas em todo o
território nacional;

 Com ampliação da rede escolar nacional, a educação física e desporto escolar


tornaram - se uma realidade, tendo como ponto mais alto a celebração dos
bienal do Festival Nacional dos Jogos Escolares, envolvendo centenas
estudantes provenientes de todas as províncias do País;

AM, 2017
111
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.1. BREVE HISTORIAL
6.1.2. Período Pós – Independência Nacional
- Massificação da actividade física e desportiva
 Nos locais de trabalho, programas como ginástica de pausa, de competições
desportivas inter – trabalhadores, incluindo a realização de campeonatos
nacionais em algumas modalidades desportivas ( com destaque para o futebol
de 11 e de salão ), foram dando corpo ao projecto nacional do desporto para
todos;
 Nos locais de residência assistia – se a uma ampla movimentação desportiva,
com enfoque para a modalidade de futebol e uma ampla participação das
populações das corridas matinais, especialmente nos fins de semanas, dias
comemorativos e festivos;
 O programa de massificação do desporto incluía ainda o desporto no seio das
forças de defesa e segurança.
AM, 2017
112
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.1. BREVE HISTORIAL
6.1.2. Período Pós – Independência Nacional
- Desporto de alta competição
 Em 1978, foram constituídas as primeiras Federações Desportivas Nacionais
( Federação Moçambicana de Futebol: de Basquetebol; de Atletismo; de
Natação; de Voleibol; Andebol; e de Desportos) e, na sequência o Comité
Olímpico de Moçambique, factos que permitiram, fundamentalmente:
 A realização dos primeiros Campeonatos Nacionais, em diversas
modalidades;
 A presença e a participação das representações desportivas nacionais, a nível
de clubes e Selecções Nacionais, nas competições desportivas oficiais
regionais, africanas e mundiais, sob a égide das respectivas confederações e
federações desportivas internacionais; e
 O reconhecimento de Moçambique pelo Movimento Olímpico Internacional e
estreando da sua participação nos Jogos Olímpicos, em 1980.
AM, 2017
113
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.1. BREVE HISTORIAL
6.1.2. Período Pós – Independência Nacional
- Formação de gestores, professores e outros técnicos do sector
 Tal como em outros sectores vitais da vida nacional, a maioria dos poucos
professores, gestores e técnicos de educação física e do desporto então
existentes em Moçambique ( profissionais e em regime de voluntariado),
abandonaram o País , imediatamente após a Independência Nacional, por
diversas razões;
 Na área de educação física e desporto, tal situação também abriu graves
lacunas, agravadas pelo aumento da demanda da população geral em relação
as actividades físicas e desportivas, a todos os níveis e sectores, com especial
destaque para os estabelecimentos de ensino;

AM, 2017
114
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.1. BREVE HISTORIAL
6.1.2. Período Pós – Independência Nacional
- Formação de gestores, professores e outros técnicos do sector
 Entre as medidas então empreendidas pode – se destacar as seguintes acções:

- Formação dos primeiros professores de educação física e desporto pelo então


Instituto Nacional de Educação Física ( INEF), no curso de “Sexta + 1” , em
1977, os quais foram posteriormente espalhados por todo o território
nacional;

- Formação massiva de animadores desportivos em todo o Pais, realizada pelo


Estado, na mesma altura e anos seguintes;

AM, 2017
115
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.1. BREVE HISTORIAL
6.1.2. Período Pós – Independência Nacional
- Formação gestores, professores e outros técnicos
 Complementando os esforços do Estado nesta área de actividades, destacam
- se a nível interno as acções de capacitação dos seus técnicos desportivos
realizadas pelas Federações Nacionais, com apoio do Comité Olímpico de
Moçambique e das respectivas Federações Desportivas Internacionais;
 Por outro lado, ainda primeiros anos da Independência Nacional, ao nível da
cooperação internacional, Moçambique contou com um forte apoio dos
Países do Leste Europeu, como Alemanha Democrática, União Soviética,
Bulgária, da Correa, Cuba e outros, e mais tarde Portugal, consubstânciado
na formação e capacitação de gestores, professores e outros técnicos, de nível
médio e superior, nos respectivos Países e em Moçambique;
 : 2017
AM,
116
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.1. BREVE HISTORIAL
6.1.2. Período Pós - Independência Nacional
- Formação de gestores, professores e outros técnicos do sector

 Entretanto 1993, foi criada primeira Faculdade de Ciências de E.F.D na UP


e, mais tarde, em 2011, a Escola Superior de Ciências do Deporto da UEM,
iniciando deste modo o ciclo de formação de técnicos superiores do sector
dentro do Pais;
 Mais recentemente, em 2016, regista - se a criação do Instituto Médio de
Desporto e Educação Física ( IMEDE), primeira instituição de ensino do
sector privada em Moçambique, a qual, dentro do actual estágio da educação
física e desporto a nível nacional, afigura – se, para todos os efeitos, como
aquela que poderá vir a preencher a lacuna deixada pelo já extinto INEF.
AM, 2017
117
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.1. BREVE HISTORIAL
6.1.2. Período Pós - Independência Nacional
- Formação de gestores, professores, e outros técnicos do sector
 Refira – se que apoios recebidos no âmbito da cooperação internacional
acima referido incluíam, e, em alguns casos, ainda incluem actualmente:
 A vinda de técnicos estrangeiros para o País, fundamentalmente afectos aos
órgãos centrais do Estado, Federações Nacionais, no então INEF e para as
instituições de ensino superior do sector do País; e
 Estágios de curta duração de preparação desportiva de atletas moçambicanos
ao serviço das Selecções Nacionais, no exterior do Pais, também apoiados
significativamente pela Solidariedade Olímpica, que também atribuiu bolsas
desportivas para fora de Moçambique.

AM, 2017
118
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.1. BREVE HISTORIAL
6.1.2.Período Pós - Independência Nacional
- Infra - estruturas, equipamentos e material desportivos
 Na altura da Independência Nacional, Moçambique herdou do Governo
Colonial Português um vasto e rico património desportivo implantado quase
em todo o território nacional, designadamente junto dos estabelecimentos de
ensino, das ex: Câmaras Municipais, quartéis militares, clubes desportivos e
outros;
 Do vasto património desportivo herdado destacam - se as instalações
desportivas dos Caminhos de Ferro de Moçambique implantadas quase em
todo o território nacional, como são os casos, por exemplo, do Estádio da
Machava, em Maputo, o Estádio de Futebol, o Pavilhão Desportivo e as
Piscina Olímpica do Clube Ferroviário da Beira, na Cidade do mesmo nome,
da província de Sofala, o Complexo Desportivo do Clube Ferroviário de
Gôndola de Manica;
AM, 2017
119
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.1. BREVE HISTORIAL
6.1.2. Período Pós - Independência Nacional:
- Infra - estruturas, equipamentos e material desportivos
 Para dar resposta ao novo paradigma da massificação desportiva então em
curso, para além da aberto para a utilização destas infra – estruturas, foram
tomadas, entre outras , as seguintes medidas:
 Prática massiva da política de improvisação principalmente de campos de
futebol e de corredores de atletismo nas aldeias comunais e nos muitos
terrenos então existentes zonas suburbanas; e
 De alguma forma, a construção de novas infra – estruturas desportivas
convencionais, das quais se destaca, entre outras, pelo pais fora, mais
recentemente o majestoso Estádio Nacional do Zimpeto e seus anexos(
Piscinas e Vila Olímpica ) e o Complexo Desportivo de Pemba ( em
AM,construção
2017 ).
120
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.2.MARCOS HISTÓRICOS NO PERIÓDO PÓS – INDEPENDÊNCIA
NACIONAL
6.2.1. 1980: Programa Nacional de Revitalização do Desporto

 Apesar de muita ajuda externa multiforme, incluindo no sector militar,


recebida principalmente dos então chamados “ Países Aliados Naturais”,
como a Ex: União Soviética, China e Cuba, imediatamente após a
Independência Nacional, Moçambique teve que enfrentar difíceis momentos
da sua história, cujas sequelas ainda se fazem sentir actualmente.

 Neste contexto, pode - se destacar, entre outros, os seguintes acontecimentos:

AM, 2017
121
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO

V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE


6.2. ALGUNS DOS MOMENTOS E ACONTECIMENTOS
MARCANTES
6.2.1. 1980: a) Programa Nacional de Revitalização do Desporto

 As agressões militares perpetradas pelo então Governo Racista da África de


Sul e pelo Governo Minoritário da antiga Rodésia de Sul, países vizinhos,
inimigos declarados do processo revolucionário moçambicano, então em
curso;
 Internamente a “ Guerra dos 16 anos, Frelimo/ Renamo”, que se deflagrou
nos finais da Década 70 e inicio da Década 80; e
 Ainda internamente, o país debatia – se, entre outras, com as seguintes
dificuldades:

AM, 2017
122
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.2. ALGUNS DOS MOMENTOS E ACONTECIMENTOS
MARCANTES
6.2.1. 1980: a Programa Nacional de Revitalização do Desporto
 Alguma inexperiência de Governação no seio dos novos dirigentes de um
Moçambique recém - Independente;
 A prevalência e as consequências nefastas do fenómeno então designado por
“ Chico Nhoca” ou “Chiconhequissa”, caracterizado, por exemplo, por:
- Sabotagem das infra – estruturas e dos factores de produção, pelos seus
antigos donos ou simplesmente por parte de pessoas, então chamados “
reaccionários”;
- A praticas de açambarcamento e ou de especulação dos preços de serviços e
bens essênciais de consumo.

AM, 2017
123
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.2. MARCOS HISTÓRICOS
6.2.1. 1980: a) Programa Nacional de Revitalização do Desporto

 Perante esta realidade, sensivelmente 1980 e anos seguintes, a já frágil


economia nacional foi entrando em colapso; a circulação de pessoas e bens
no interior do Pais foi ficando cada vez mais condicionada, com estradas e
pontes, escolas, centros de saúde, estabelecimentos comerciais e outras infra
estruturas essenciais destruídos, roendo consigo todo o tecido social
nacional, onde a área de educação física e desporto não constituíram uma
excepção;
 Por exemplo, os clubes e outras agremiações desportivas desportivos ficaram
descapitalizados e as suas instalações desportivas, de um modo geral,
entraram em degradação continuamente.
AM, 2017
124
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.2. MARCOS HISTÓRICOS
6.2.1. 1980: a) Programa Nacional de Revitalização do Desporto
 Foi neste contexto, que numa intervenção directamente o Partido Frelimo
concebeu - se e iniciou a implementação do chamado Programa Nacional de
Revitalização do Desporto, o qual consistiu fundamentalmente no seguinte:

- A integração dos Clubes Desportivos em empresas, fundamentalmente do


sector estatal, consubstanciando – se como uma forma indirecta do
financiamento do desporto pelo Estado;
- A definição de modalidades de prioritárias a nível nacional, incluindo a
obrigatoriedade, de os clubes terem escalões de formação em todas
modalidades em que competiam no escalão sénior; e

AM, 2017
125
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.2. ALGUNS DOS MOMENTOS E ACONTECIMENTOS MARCANTES
6.2.1. 1980: a) Programa Nacional de Revitalização do Desporto
- A obrigatoriedade de ligação Clube/ Escola, através de memorandos de
entendimento, considerando o desporto escolar como principal vector da
massificação do desporto;
 Pese embora as vicissitudes próprias decorrentes da interpretação e
implantação de um programa desta magnitude, como um todo, o programas
de revitalização do desporto foi um sucesso, podendo actualmente apontar –
se como resultado deste, por exemplo, o Clube Maxaquene e Costa de Sol ,
na cidade de Maputo, o Estrela Vermelha, na cidade da Beira, o “Pembinha”,
em Pemba, isto sem contar com o manancial dos clubes Ferroviários,
espalhados por todo o território nacional e outros Cubes já com a prática de
ligação Clube/ Empresa desde o tempo colonial.

AM, 2017
126
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.2. ALGUNS DOS MOMENTOS E ACONTECIMENTOS MARCANTES
6.2.2. 1980: b) Estreia de Moçambique nos Jogos Olímpico

 A estreia da participação de Moçambique neste evento universal sócio


cultural e desportivo quadrienal, considerado o maior e o mais prestigiado do
planeta terra, aconteceu em Moscovo, 1980; e

 Desde então, Moçambique marcou a sua presença e tomou parte em todas as


edições subsequentes deste magistoso evento, até os últimos Jogo Olímpicos,
do Rio, 2016.

AM, 2017
127
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.2. ALGUNS DOS MOMENTOS E ACONTECIMENTOS MARCANTES
6.2.2. 2000: Conquista da Primeira Medalha Olímpica de Ouro de
Moçambique

 Este feito histórico foi protagonizado pela campeoníssima mundial, a atleta


moçambicana Maria de Lurdes Matola, nos Jogos Olímpico de Sidney 2000,
na Austrália;

 Pode – se afirmar que este foi um momento de gloria e honra, de elevação


da auto – estima e de reforço da Unidade Nacional, para todo o povo
moçambicano em geral e dos desportistas em particular.

AM, 2017
128
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.2. ALGUNS DOS MOMENTOS E ACONTECIMENTOS MARCANTES
6.2.3. 2002: Aprovação da Lei do Desporto pela Assembleia da República

 Ano do registo da aprovação da Lei n. 11/ 2002 de 12 de Marco ( Lei do


Desporto), pela Assembleia da República;

 Entre outros aspectos de suma importância para a área de educação física e


desporto, num contexto de um Estado de Direito, a Lei estabelece:
- O regime jurídico da actividade física e desportiva a nível nacional;
- O Sistema Nacional do Desporto, os respectivos Subsistemas e a sua
inteiração.

AM, 2017
129
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.2. ALGUNS DOS MOMENTOS E ACONTECIMENTOS MARCANTES
6.2.4. 2011: Jogos Africanos, Maputo 2011

 República de Moçambique acolheu, pela primeira vez, este grandioso evento


desportivo continental, também conhecido por “ Jogos Olímpicos de África,
na cidade Maputo, no mês de Setembro, do ano em alusão;

 Participaram neste evento cerca de 7000 ( Sete Mil ) atletas competidores,


tendo Moçambique se apresentado com uma Missão Desportiva, com o
número recorde, de cerca de 470 ( Quatrocentos e Setenta ) membros;

AM, 2017
130
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.2. ALGUNS DOS MOMENTOS E ACONTECIMENTOS MARCANTES
6.2.4. 2011: Jogos Africanos, Maputo 2011

 Como legado deste evento para Moçambique, pode – se considerar, entre


outros ganhos:

 No campo organizacional: o estilo e método de trabalho da Missão


Moçambique, como mecanismo de coordenação das actividades desportivas
entre o Governo e o movimento associativo desportivo nacional e o aumento
do numero das Federações Nacionais de cerca de 12 ( Doze ) em actividade,
para 27 ( Vinte e Sete ) Federações, durante e depois do evento; e

AM, 2017
131
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.2. ALGUNS DOS MOMENTOS E ACONTECIMENTOS MARCANTES
6.2.4. 2011: Jogos Africanos, Maputo 2011
 No domínio das infra – estruturas desportiva: a construção de raiz,
reabilitação e modernização de diversas infra – estruturas desportivas nas
cidades de Maputo e da Matola e na Praia de Bilene em Gaza, poendo – se
destacar:
- A construção do Complexo Desportivo do Zimpeto, constituído pelo
magistoso Estádio Nacional Futebol (ENZ), com uma pista sintética de
atletismo, duas piscinas olímpicas, apartamentos de Vila Olímpica e ainda um
vasto terreno, por explorar, na cidade de Maputo;
- A construção da primeira pista de canoagem do Pais, em Bilene, na província
de Gaza;

AM, 2017
132
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.2. ALGUNS DOS MOMENTOS E ACONTECIMENTOS MARCANTES
6.2.4. 2011: Jogos Africanos, Maputo 2011

- Reabilitação e modernização dos pavilhões desportivos dos clubes Estrela


Vermelha, Maxaquene e da Universidade Eduardo Modlane, da cidade de
Maputo;
- Obras de reabilitação dos ginásios desportivo das escolas secundarias Josina
Machel e Francisco Manhanga; e do

- Campo de futebol do Clube Costa do Sol de Maputo, entre outros recintos


desportivos que acolheram este evento na cidade de Maputo.

AM, 2017
133
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO

VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE


6.3. DESPORTO ESCOLAR E JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.1. DESPORTO ESCOLAR (Diploma Ministerial n.24/99, de 24 de Março )
- Conceito geral
 Entende – se por desporto escolar, o conjunto das praticas lúdicos –
desportivas de formação, desenvolvidas como complemento curricular e de
ocupação dos tempos livres, em regime de liberdade de participação e de
escolha, integrados planos das actividades dos estabelecimentos de ensino e
de formação, no quadro do sistema educativo nacional, que se pretendem
sistemáticas e cada vez mais permanentes, sobretudo ao nível das instituições
escolares;
 O desporto escolar, desenvolve – se nas escolas Primarias, Secundarias,
Técnico – Profissionais e de Formação de Professores;

AM, 2017
134
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO ESCOLAR E JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.1. DESPORTO ESCOLAR
- Objectivos
 No quadro dos pressupostos do Sistema Nacional do Desporto, o Desporto
escolar tem como objectivos essências( Lei n.11/ 2002, de 12 de Março –
Lei do Desporto ):
- o complemento formativo dos educandos; e
- a ocupação sã dos seus tempos livres ;

 Por outro lado e, de acordo com o Regulamento Geral do Desporto Escolar,


aprovado pelo Diploma Ministerial n. 24/99, de 24 de Junho, o Desporto
Escolar, prossegue ainda, entre outros, os seguintes objectivos específicos:

AM, 2017
135
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO ESCOLAR E JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.1. DESPORTO ESCOLAR
- Objectivos
- Proporcionar ao aluno oportunidade de contacto com uma ou mais
modalidades desportivas na perspectiva de o levar a descobrir as virtualidades
do desporto;
- Contribuir para a socialização e integração do aluno no grupo, na escola e, na
sociedade em geral;
- Promover a massificação do desporto; e
- Realizar o enquadramento dos alunos com aptidões, habilidades e
capacidades especiais para a prática desportiva

AM, 2017
136
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO ESCOLAR E JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.1. DESPORTO ESCOLAR
- Organização geral
 O desporto escolar organiza – se a nível local e central, respectivamente de
seguinte modo:
- A nível local: na escola, sob responsabilidade da respectiva Direcção e
através do Clube Escolar; no distrito ou autarquia, através das entidade
responsáveis pela área da Educação; e na província, através da entidade
responsável pelo sector da Educação; e

- A nível nacional, sob responsabilidade do Ministério que responde pela área


da Educação

AM, 2017
137
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO ESCOLAR E JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.1. DESPORTO ESCOLAR
- Organização geral
 Entretanto, nos termos da Lei n. 8/91 de Junho, e sem prejuízo do já referido
anteriormente, podem ser cridas organizações associativas a nível local e
central para a direcção e promoção do desporto escolar; e

 Neste contexto, podemos assumir que o Clube Escolar é a organização


desportiva de base do desporto escolar que constitui a estratégia principal
para o desenvolvimento do desporto nos estabelecimentos de ensino e de
formação, com envolvimento de todas respectiva comunidade escolar.

AM, 2017
138
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO ESCOLAR E JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.1. DESPORTO ESCOLAR
- Desenvolvimento das actividades
 As actividades do desporto escolar desenvolvem – se de seguinte modo :

- Através de actividades desportivas formativas e recreativas, integrando treino


e competição, de acordo com um horário semanal, planos e programas anuais
das respectivas escolas; e

- Através da participação das representações desportivas de cada escola nos


diversos quadros competitivos, quer ao nível a nível local ( das autarquias,
distritos e províncias) e, quer a nível nacional.

AM, 2017
139
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO ESCOLAR E JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
(Diploma Ministerial n.24/99, de 24 de Março )
- Conceito geral
 O Jogos Desportivos Escolares, podem ser definidos como sendo o conjunto
das competições desportivas ( provas ou jogos ) que envolvem alunos, como
actores principais, os professores e os funcionários:
- Formas organizativas das actividades
 Segundo o Regulamento Geral do Desporto Escolar, aprovado pelo Diploma
Ministerial acima referido, os jogos desportivos escolares concretizam – se
sob – forma de campeonatos, intercâmbios e festivais desportivos escolares.

AM, 2017
140
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO ESCOLAR E JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2.1. Campeonatos escolares
- Conceito geral
 Os campeonatos são jogos ou provas, devidamente sistematizados e
sequenciados, numa determinada modalidade desportiva envolvendo alunos e
ou as respectivas equipas ;
- Níveis de organizativos
 Os campeonatos escolares podem ser de nível interno, quando abrangem
alunos e ou equipas de um determinado estabelecimento de ensino ou de
formação, municipal, distrital, provincial e nacional, quando abrangem
alunos e ou respectivas equipas dessas áreas de jurisdição geográficas;

AM, 2017
141
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO ESCOLAR E JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2.1. Campeonatos
- Responsabilidades de organização
 A responsabilidade de organização dos campeonatos escolares nos seus
diversos níveis é da responsabilidade das entidades que respondem pelo
desporto escolar nos correspondentes níveis de jurisdição geográfica a nível
nacional;
 A organização dos campeonatos poderá ser apoiada ou organizados por
outras entidades interessadas, com suficiente idoneidade e reconhecida
competência para o efeito, mediante o aval, delegação ou autorização das
entidades acima referidas nas suas área de jurisdição;

AM, 2017
142
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO ESCOLAR E JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2.2. intercâmbios desportivos
- Conceito geral
 Os intercâmbio são jogos ou provas, realizados pontualmente, em uma ou
várias modalidades desportivas, envolvendo alunos e ou respectivas equipas;
- Níveis de organizativos
 Os intercâmbios desportivos escolar podem ser de:
- nível interno ( da escola ), distrital, província ou nacional, conforme evolvam
respectivamente alunos ou suas ou representações desportivas de uma única
escola, varias escolas ou representações desportivas de um distrito ou
províncias;
- nível internacional, quando envolvam alunos ou representações desportivas
de pais estrangeiras
AM, 2017
143
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO ESCOLAR E JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2.2. intercâmbios desportivos
- Responsabilidade de organização
 Os intercâmbios desportivos escolares organizam - se por iniciativa
individual ou colectiva das entidades responsáveis do desporto escolar dos
níveis em que os mesmos se realizam;

 Os intercâmbios desportivos escolares poderão ser apoiados ou organizados


por outras entidades interessadas, com suficiente idoneidade e reconhecida
competência para o efeito, mediante o aval, delegação ou autorização das
entidades acima referidas nos seus correspondentes níveis.

AM, 2017
144
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO, JOGOS E FESTIVAIS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.3. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.3.3. Festivais Escolares (Diploma Ministerial n.24/99, de 24 de Março )
- Conceito geral
 Os Festivais escolares são o momento mais alto da expressão dos Jogos
Desportivos Escolares, que abarcam um conjunto de actividades desportivas
de competição e programas recreativos formativos;
- Níveis organizativos
 Os festivais escolares, comportam os seguintes níveis organizativos:
- Festivais distritais, envolvendo representações das suas escolas;
- Festivais Províncias, envolvendo representações dos respectivos Distritos;
- Festival Nacional, envolvendo representações de todas as províncias do Pais.

AM, 2017
145
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO, JOGOS E FESTIVAIS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.3. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.3.3. Festivais Escolares (Diploma Ministerial n.24/99, de 24 de Março )
- Critérios de participação
 A participação nos festivais escolares, na qualidade de atleta competidor, esta
reservada para alunos de idade compreendida entre os 11 e 18 anos
inclusivos, de ambos os sexos;
 Não é permitida a participação de alunos que militam no desporto federado; e
 Os alunos elegíveis só podem inscrever e participar numa única modalidade
desportiva, em cada festival;
 Nos diferentes níveis organizativos dos festivais, distritais, provinciais e
nacional, os alunos participam em representação das respectivas selecções de
escolas, distritos e províncias;

AM, 2017
146
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO, JOGOS E FESTIVAIS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.3. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.3.3. Festivais escolares
- Periocidade e evolução dos festivais escolares
 O Regulamento do desporto Escolar estabelece a seguinte periocidade de
realização dos Festivais Escolares:
- Anual, para os festivais autárquicos e distritais; e
- Trienal, para os festivais províncias e nacionais;
 Entretanto, quer antes, quer depois da aprovação deste instrumento
normativo, os festivais provinciais e nacionais tem vindo a observar , na
pratica, uma periocidade bienal, a excepção do período que vai de 1982 a
1998, em que estes foram interrompidos, divido a Guerra Cível, entre a
FRELIMO e a RENAMO que assolou o País, e do período entre 1998 e 2001,
onde observaram afectivamente um intervalo de 3 anos.
AM, 2017
147
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO, JOGOS E FESTIVAIS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.3. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.3.3. Festivais escolares
- Periocidade e evolução dos festivais escolares
 A primeira edição do Festival Nacional dos Jogos Desportivos Escolares (
FNJE ) foi realizada em 1978, na cidade de Maputo, tendo contado com uma
participação de cerca de 700 estudante, que competiram nas modalidades de
Andebol, Atletismo e Basquetebol, em ambos sexos;
 A Cerimónia de Abertura, desta edição inaugural do Festival Nacional dos
Jogos Desportivos Escolares, foi presidida pelo falecido Primeiro Presidente
da República Popular de Moçambique, Samora Moseis Machel, tendo estes
decorrido sob o lema: “Façamos do Desporto um Instrumento da Unidade
Nacional “;

AM, 2017
148
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO, JOGOS E FESTIVAIS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLAR
6.3.3.3. Festivais escolares
- Periocidade e evolução dos festivais escolares
 Na sequencia, a cidade de Maputo voltou sedeou a segunda e a terceira
edição do FNJE, respectivamente em 1980 e 1982, antes da sua interrupção
devido a guerra civil;
 No reatamento dos Jogos, depois da guerra, a cidades de Maputo voltou a
acolher o FNJE na sua quarta edição, em 1998;
 A realização das fases nacionais do Jogos até então somente na cidade de
Maputo, capital de Moçambique, foi na altura justificada pela falta ou
escassez das condições logísticas e técnicas necessárias para a realização de
um evento de tamanha magnitude em qual outra província de Moçambique;

AM, 2017
149
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO, JOGOS E FESTIVAIS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLAR
6.3.3.3. Festivais escolares
- Periocidade e evolução dos festivais escolares
 Em 2001, a cidade da Beira, capital da Província de Sofala, acolheu a quinta
edição do Festival Nacional Jogos Desportivos Escolares, marcando a sua
realização pela primeira vez fora da Capital do País; e

 Por outro lado, os Jogos da Beira, iniciaram um novos ciclo deste evento,
marcado pela rotatividade da sua organização pelas diferentes capitais
Províncias do Pais, até a sua décima terceira edição e última, realizada na
cidade de Xai – Xai, capital provincial de Gaza, em 2017;

AM, 2017
150
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO, JOGOS E FESTIVAIS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLAR
6.3.3.3. Festivais escolares
- Periocidade e evolução dos festivais escolares
 Antes da cidade de Xai – Xai, os Jogos passaram, sequencialmente, pela
cidade Nampula, em 2003; cidade de Inhambane, em 2005; cidade de
Quelimane, em 2007;cidade de Lichinga, em 2009; cidade da Matola, em
2011; cidade de Tete, em 2013; e cidade de Pemba, em 2015; e

 Com esta rotação, todas as províncias de Moçambique, à excepção da


Província de Manica que nunca foi hospedeiro deste evento, já acolheram,
pelo menos uma vez, um Festival Nacional dos Jogos Desportivos Escolares,

AM, 2017
151
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO, JOGOS E FESTIVAIS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLAR
6.3.3.3. Festivais escolares
- Periocidade e evolução dos festivais escolares
 A Cerimónia de Abertura FNJE de Xai – Xai foi uma vez mais presidida por
Sua Excelência Presidente da República de Moçambique, Filipe Jacinto
Nhusi, tendo estes decorridos sob o lema: “Desporto Escolar Preservando a
Natureza”; e
 Neste contexto, pode - se afirmar que a presença do Presidente Nhusi
nesta cerimónia confirma a tradição de sempre, caracterizada pela presença
do mais alto dignitário da Nação Moçambicana nestes Jogos, tendo em conta
a grande importância e o significado dos mesmos;
 Todas as edições dos Festivais escolares decorreram sob um lema respectivo.

AM, 2017
152
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO, JOGOS E FESTIVAIS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLAR
6.3.3.3. Festivais escolares
- Periocidade e evolução dos festivais escolares
 Nos Jogos de Xai – Xai, participaram 1386 estudantes, que competiram em 8
modalidades desportivas (Andebol, Atletismo, Basquetebol, Futebol,
Ginástica, Voleibol, Jogos Tradicionais e Xadrez), em ambos sexos, contra
respectivamente cerca 700 estudantes participantes em 3 modalidades
desportivas ( Andebol, Atletismo e Basquetebol), em ambos sexos, presentes
na sua primeira edição, em 1978, na cidade de Maputo, factos que demostram
a evolução crescente deste evento ao longo do tempo da sua existência;
 Segundo Ministério de Educação e Desenvolvimento Humano, entidade
máxima responsável pela realização dos Jogos, o XIV Festival Nacional dos
Jogos Desportivos escolares, projectada para o ano 2019 e será acolhido pela
Província de Manica;
AM, 2017
153
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO, JOGOS E FESTIVAIS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLAR
6.3.3.3. Festivais escolares
- Premiação desportiva nos festivais escolares
 A premiação desportiva nos festivais escolares comporta normalmente dois
dos níveis, a saber:
- Prémios Colectivos: (i) Taça disciplina, para a delegação considerada mais
disciplinada, segundo itens definidos pela organização do evento: (ii) Troféu
para Vencedor Absoluto dos Jogos, apurada pelo número das medalhas
arrecadas em todas as modalidades; e (iii) Troféus para as equipas
classificadas em primeiro, segundo e terceiro lugares , por modalidade;
- Prémios individuais: Todos atletas que alcançam, individualmente ou
colectivamente, lugares de pódio, nomeadamente primeiro, segundo e terceiro
lugares, são respectivamente premiados medalhas de ouro, prata e bronze
AM, 2017
- 154
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO, JOGOS E FESTIVAIS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLAR
6.3.3.3. Festivais escolares
- Premiação desportiva nos festivais escolares
 Adaptando os padrões internacionais, usados pelas respectivas Federações
Internacionais em distintas modalidades no desporto federado, a organização
dos festivais escolares, entre outros, premeia ou procede a distinções de
seguintes figuras:
- Melhor jogador;
- Melhor marcador;
- Guardares menos batido;
- Recordistas;
- Melhor arbitro ou juiz; e
- Outras figuras desportivas
AM, 2017
155
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO, JOGOS E FESTIVAIS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLAR
6.3.3.3. Festivais escolares
- Premiação desportiva nos festivais escolares
 O prémio desportivo colectivo tido como o mais valioso dos Jogos é o de
Vencedor Absoluto dos Jogos e o mesmo foi instituído partir do Festival
Escolar de Sofala, no ano 2001;
 Desde então até a actualidade, as províncias que já conquistaram este prémio
são:
- Cidade de Maputo - 3 vezes (em 2007,2011 e 2013);
- Manica - 3 vezes ( em 2009, 2015 e 2017) ;
- Gaza - 2 vezes ( em 2003 e 2005);
- Sofala - 1 vez ( em 2001).

AM, 2017
156
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO, JOGOS E FESTIVAIS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLAR
6.3.3.3. Festivais escolares
- Símbolos e rituais festivais escolares
 Entre outros, os festivais escolares apresentam - se normalmente com os
seguintes símbolos e rituais:
- Logótipo dos Jogos;
- Lemas dos Jogos, por cada festival;
- Mascotes dos Jogos;
- Cerimónias de Abertura e de Encerramento, que são realizadas em cada
edição, sendo que as de aberto a nível nacional foram tradicionalmente
sempre presididas pelo mais alto dignitário do Pais, nomeadamente pelo
Presidente da República;

AM, 2017
157
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO, JOGOS E FESTIVAIS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLAR
6.3.3.3. Festivais escolares
- Símbolos e rituais festivais escolares
 Os formatos e os conteúdos ou significados dos símbolos e rituais dos
festivais, são análogos aos usados pelo movimento olimpico internacional,
tendo em conta a realidade moçambicana e magnitude dos seus festivais;
 Tratando – se de um festival nacional, nas províncias de origem são
organização cerimónias, públicas e solenes, de despedidas e de recepção das
respectivas delegações , após cada os Jogos;

 Importa referir que, testemunhando a sua grande importância em todos os


sentidos, em toda a história de realização dos FNJE, nunca foi registada
ausência de nenhuma província do Pais.
-
AM, 2017 158
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO, JOGOS E FESTIVAIS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLAR
6.3.3.3. Festivais escolares
- Programas recreativos - formativos
 Fazendo jus ao respectivo conceito e definição, para além das actividade
desportivas competitivas, cada edição dos festivais escolares tem abarcado,
um programas recreativo - formativo;
 Direccionados para todos os presentes e com especial enfoque para os
estudantes participantes, os programas tem se consubstanciado pelas
seguintes actividades:
- Visitas à locais de interesse histórico, cultural e social, unidades económicas e
outros de especial importância a nível da província anfitriã e nacional;
- ‘Noites culturais”, onde cada província exibi para as restantes actividades
culturais da sua província origem;
AM, 2017
159
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO, JOGOS E FESTIVAIS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLAR
6.3.3.3. Festivais escolares
- Programas recreativos - formativos
- Palestras proferidas por figuras emblemáticas, locais e nacionais, sobre temas
índole diverso de interesse nacional;
 A par destas actividades, intrisicadamente ligados aos Jogos, destacam – se
ainda as seguintes actividades:
- Acções de formação e de capacitação, principalmente em matérias de
treinamento desportivos e de ajuizamento de competições desportivas,
direccionados para os professores de educação física presentes nos Jogos;
- A investigação científica das potencialidades desportivas nacionais e
prospecção de talentos desportivos nas deferentes modalidades, levados
acabo pelos respectivos organizadores e instituições académicas nacionais;
AM, 2017
160
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
VI. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.3. DESPORTO, JOGOS E FESTIVAIS DESPORTIVOS ESCOLARES
6.3.2. JOGOS DESPORTIVOS ESCOLAR
6.3.3.3. Festivais escolares
- Legado dos festivais escolares
 Não obstante as vicissitudes próprias de um vasto movimento desportivo
como este, de forma inequívoca, pode – se afirmar que os Festivais Escolares
tem vindo a cumprir a respectiva função social - educativa,
 Por outro lado, ao longo da história da sua existência, os festivais escolares
tem vindo a deixar um importante legado desportivo, do qual se destaca:
- A construção, reabilitação e modernização do parque desportivo nacional,
em especial nas Cidades que já acolheram FNJE;
- A descoberta de talentos desportivos que se tornaram atletas renome no
desporto nacional e das selecções desportivas representativas nacionais além
fronteiras, em diversas modalidades desportivas.
AM, 2017
161
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO

V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE


6.4. EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

Exercício 1
 O regime colonial fascista ditador português sempre negou aos
moçambicanos os seus direitos humanos fundamentais, incluindo o acesso e a
pratica da educação física e desportos.
 No entanto, a partir década 60 até a metade da década 70, forçado pela
conjuntura política, miliar, social e económica mundial e dentro de
Moçambique, Portugal aparentemente abrandou as suas politicas
discriminatórias, introduzindo nas suas ex.: colónias algumas medidas
políticas cosméticas, que entretanto permitiram o surgimento algumas
destacadas figuras moçambicanos no panorama desportivo português e
internacional.
AM, 2017
162
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.4. EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

P1: Caracterize a conjuntura política, miliar, social e económica mundial e


dentro de Moçambique, a partir década 60 até a metade da década 70, que
permitiu o surgimento algumas destacadas figuras moçambicanos no panorama
desportivo português e internacional ?

P2: Indique alguns nomes de algumas dessas figura, fundamentando com


informações relevantes sobre como as mesmas se notabilizaram ?

AM, 2017
163
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM MOÇAMBIQUE
6.4. EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO
Exercício 2

 Com o advento da Independência Nacional os moçambicanos ganharam, entre


outros, o direito a autodeterminação dos seus destinos como um pais soberano,
incluindo o direito de acesso e à prática de educação física e desportos.

P1: Enuncie o direito constitucional dos cidadãos moçambicanos em relação a


educação física e desporto e qual e o papel do Estado nesse contexto?

P2: A sua escolha, indique pelo menos 2 dos momentos de acontecimentos mais
marcantes na área de educação física e desportos em Moçambique no período
Pós - Independência Nacional, fundamentando a sua escolha;

AM, 2017
164
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM
MOÇAMBIQUE
6.4. EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO
Exercício 3
 O Jogos Desportivos Escolares, podem ser definidos como sendo o conjunto
das competições desportivas ( provas ou jogos ) que envolvem alunos, como
actores principais, os seus professores e os funcionários das respectivas
escolas ( Diploma Ministerial n. 24/99 de 24 de Março)
 P1: Indique quais são os 3 tipos de actividades desportivas através das quais
os Jogos Desportivos escolares se concretizam na pratico;
 P2: Atento ao Regulamento Geral do Desporto Escolar, aprovado pelo
Diploma acima referido, defina os Festivais Escolares e debruce - se sobre a
respectiva evolução, falando, pelo menos, sobre a sua periocidade, quando e
onde se realizou a sua primeira edição, as cidades/ províncias que já colheram
o FNJE e o príncipal legado destes eventos.
AM, 2017
165
HISTÓRIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO
V.I. EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO EM
MOÇAMBIQUE
Referências bibliográficas:

AM, 2017
166