Anda di halaman 1dari 23

Aplicações da Integral - Continuação

Superfı́cies de Revolução e Outras Aplicações


Aula 32

Alexandre Nolasco de Carvalho


Universidade de São Paulo
São Carlos SP, Brazil

29 de Maio de 2014
Primeiro Semestre de 2014
Turma 2014106 - Engenharia Mecânica

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

Cascas Cilı́ndricas

Considere um sólido S obtido pela rotação, em torno do eixo y , da


região limitada por y = f (x), onde f (x) ≥ 0, e pelas retas
y = 0, x = a e x = b. Seja P = (xi ) uma partição do intervalo
[a, b] e seja ci ∈ [xi −1 , xi ] o ponto médio do i-ésimo intervalo,
ci = (xi + xi −1 )/2. Se o retângulo com base ∆xi = (xi − xi −1 ) e
altura f (ci ) é girado ao redor do eixo y , então o resultado é uma
casca cilı́ndrica cujo volume é

Vi = (2πci )f (ci )∆xi = [circunferência][altura][espessura].

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

Portanto uma aproximação para o volume V de S é dada pela


soma dos volumes dessas seções:
n
X n
X
V ≈ Vi = (2πci )f (ci )∆xi .
i =1 i =1

Esta aproximação torna-se melhor quando kPk = max ∆xi → 0.


1≤i ≤n
Então definimos o volume do sólido S obtido pela rotação, em
torno do eixo y , da região limitada por y = f (x), onde
f (x) ≥ 0, y = 0, x = a e x = b por

n
X Z b
V = 2π lim ci f (ci )∆xi = 2π xf (x) dx.
kPk→0 a
i =1

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

Exemplo
Determine o volume do sólido obtido pela rotação, em torno do
eixo y , da região limitada por y = 2x 2 − x 3 e y = 0.
Z 2 Z 2
V = 2π xf (x) dx = 2π x(2x 2 − x 3 ) dx
0 0
Z 2
32 16
= 2π (2x 3 − x 4 ) dx = 2π(8 − ) = π.
0 5 5

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

Comprimento de Arco

Queremos definir o comprimento de uma curva. Se a curva é uma


poligonal, podemos facilmente encontrar seu comprimento
somando os comprimentos dos segmentos de reta que formam a
poligonal. Agora suponhamos que a curva C seja o gráfico da
função y = f (x), onde f é derivável e a ≤ x ≤ b. Seja P = (xi )
uma partição de [a, b]. Então a poligonal com vértices (xi , f (xi )) é
uma aproximação para C . O comprimento da curva C é
aproximadamente o comprimento da poligonal, e a aproximação
torna-se melhor quando kPk → 0.

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

O comprimento da poligonal é
n q
X
L(P) = (xi − xi −1 )2 + (f (xi ) − f (xi −1 ))2 .
i =1

Aplicando o Teorema do Valor Médio em cada intervalo [xi −1 , xi ],


existe um ci ∈ (xi −1 , xi ) tal que

f (xi ) − f (xi −1 ) = f ′ (ci )(xi − xi −1 ) = f ′ (ci )∆xi .

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

Segue
n q
X n q
X
L(P) = (∆xi )2 + (f ′ (ci )∆xi )2 = (1 + (f ′ (ci ))2 ∆xi .
i =1 i =1

Então, definimos o comprimento da curva C por

n q
X Z b q
L = lim (1 + (f ′ (c ))2 ∆x = 1 + [f ′ (x)]2 dx.
i i
kPk→0 a
i =1

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

Exemplo
Calcule o comprimento de arco de y = x 3/2 , 1 ≤ x ≤ 4.
3
Como y = f (x), temos f ′ (x) = x 1/2 , e assim,
2
Z 4r
9
L= 1 + x dx.
1 4
9 9 13
Fazendo, u = 1 + x, então du = dx. Quando x = 1, u = ;
4 4 4
quando x = 4, u = 10. Portanto,
"  3/2 #
4 10 √ 4 2 3/2 10

8 13
Z
3/2
L= u du = u = 10 − .
9 13/4 93 13/4 27 4

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

Exercı́cio: Calcule o comprimento


√ da curva
√ 2
y = 1 − x 2, 0 ≤ x ≤ . [R : π/4].
2

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

Área de Superfı́cie de Revolução

Uma superfı́cie de revolução é formada quando uma curva é girada


ao redor de uma reta. Tal superfı́cie é a fronteira lateral de um
sólido de revolução já discutido anteriormente.

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

Considere um tronco de cone circular reto, de geratriz g , raio da


base maior r1 e raio da base menor r2 . Esta é a superfı́cie de
revolução obtida pela revolução de um segmento em torno de um
eixo.

r2

r1

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

A área lateral, AT , do tronco de cone é dada por

AT = π(r1 + r2 )g = 2πrg ,

1
onde r = (r1 + r2 ).
2

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

Podemos então calcular a área de uma superfı́cie gerada pela


revolução de uma poligonal plana em torno de um eixo deste plano
pois a área desta superfı́cie é a soma das áreas laterais de troncos
de cones.
Seja A a área lateral da superfı́cie gerada pela rotação da poligonal
da figura abaixo. Então temos

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

✻ ✻
q q
r1 q ℓ1
q q
r2 q ℓ
2
q q
q q
rn q ℓn
q q q

A = 2π r1 ℓ1 + · · · + 2π rn ℓn

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

Agora vamos deduzir a área lateral de um sólido de revolução


qualquer em torno do eixo x pela aproximação da soma das áreas
laterais de vários troncos de cone.

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

Consideremos f definida e positiva em [a, b] com derivada contı́nua


em (a, b). Seja P = (xi ) uma partição de [a, b]. Consideremos a
poligonal com vertices (xi , f (xi )) e girando-a ao redor do eixo x
obtemos uma aproximação para a superfı́cie. A área de cada
tronco de cone é
f (xi ) + f (xi −1 )
q
Ai = 2π 1 + [f ′ (ci )]2 ∆xi ,
2
onde ci ∈ [xi −1 , xi ], como foi feito anteriormente. Quando ∆xi é
pequeno temos que f (xi ) ≈ f (ci ) e também f (xi −1 ) ≈ f (ci ) pois f
é contı́nua.

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

Portanto, q
Ai ≈ 2πf (ci ) 1 + [f ′ (ci )]2 ∆xi ,
e então uma aproximação para a área da superfı́cie é
n
X q
2πf (ci ) 1 + [f ′ (ci )]2 ∆xi .
i =1

Esta aproximação torna-se melhor quando kPk → 0. Então


definimos a área da superfı́cie obtida por rotação, ao redor do
eixo x, da curva y = f (x), f (x) ≥ 0, a ≤ x ≤ b, como

n
X q Z b q
S = lim 2πf (ci ) 1+[f ′ (ci )]2 ∆xi = 2π f (x) 1+[f ′ (x)]2 dx .
∆P → 0 a
i =1

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

Exemplo
Encontre
√ a área da superfı́cie obtida pela rotação da curva
y = R 2 − x 2 , −R ≤ x ≤ R, ao redor do eixo x.
−x
Temos f ′ (x) = √ , e assim,
R2 − x2
s
x2
Z R p
S = 2π R2 − x2 1 + 2 dx
−R R − x2
Z R p Z R
2
= 2π 2
R −x √2 dx = 2Rπ 1 dx = 4πR 2 .
−R R2 − x2 −R

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

O Centro de massa de uma curva e o Teorema de Pappus

Inicialmente definimos o ponto médio de um segmento como o seu


centro de massa. Assim o centro de massa de uma poligonal é
dado por:

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

c · ℓ 1 · x1 + · · · + c · ℓ n · xn
y✻ ℓ1 xc =
q c · ℓ1 + · · · + c · ℓn
q
q (x1 ,y1 ) q ℓ 1 · x1 + · · · + ℓ n · xn
q =
(xc ,yc ) ℓ1 + · · · + ℓn
q
q (xn ,yn )
ℓn q c · ℓ 1 · y1 + · · · + c · ℓ n · yn
yc =
✲ c · ℓ1 + · · · + c · ℓn
x
ℓ 1 · y1 + · · · + ℓ n · yn
=
ℓ1 + · · · + ℓn

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

r r
x1 ℓ1
r A = 2π x1 · ℓ1 + · · · + 2π xn · ℓn
r r
x2
ℓ2
r
(x1 ℓ1 + x2 ℓ2 + · · · + xn ℓn )
r r
= 2π ·L
ℓ1 + · · · + ℓn
r r
xn r ℓn = 2π xc · L , L = ℓ1 + · · · + ℓn
Semelhantemente, para a rotação
r r r
em torno do eixo x
A = 2π yc · L

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

Um processo de passagem ao limite (tomando mais e mais pontos


sobre a curva) resulta no seguinte resultado
Theorem (Teorema de Pappus)
Se uma linha plana gira em torno de um eixo de seu plano a área
da superfı́cie gerada é igual ao comprimento dessa linha
multiplicado pelo comprimento da circunferência descrita por seu
centro de massa. Isto é
Rb p Z bq
′ 2
a f (x) 1 + f (x) dx
A = 2πyc L = 2π R b p 1 + f ′ (x)2 dx
1 + f ′ (x)2 dx a
a
para a rotação em torno do eixo x ou
Rb p Z bq
′ 2
a x 1 + f (x) dx
A = 2πxc L = 2π R b p 1 + f ′ (x)2 dx
1 + f ′ (x)2 dx a
a
para a rotação em torno do eixo y .

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I


Cascas Cilı́ndricas
Comprimento de Arco
Aplicações da Integral - Continuação
Área de Superfı́cie de Revolução
Área de superfı́cie de Revolução - Teorema de Papus

Área do Toro

R

Ac = 2πr · 2πR
✶r
✛ ✲✒ = 4π 2 Rr

Alexandre Nolasco de Carvalho ICMC - USP SMA 301 Cálculo I