Anda di halaman 1dari 17

Tecnologias da Informação e

Comunicação no Ensino

UNIDADE 1
Para início de conversa

Olá, prezado(a) aluno(a)!

Gostaria de lhe dar as boas-vindas à disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação no Ensino.


Este é seu guia de estudo que, juntamente com seu livro-texto, será a base para você estudar ao longo
desta disciplina.

No entanto, quero lembrá-lo(a) que ele não é seu único material de estudo. Além do livro-texto, você
tem uma vasta bibliografia disponível na biblioteca on-line, onde pode pesquisar e reforçar o assunto
estudado.

Este guia é montado de forma dinâmica e interativa, para tornar mais prático o seu estudo e facilitar a
sua absorção de conteúdo, apresentando de forma clara e objetiva os conceitos e assuntos trabalhados.

Ao longo deste material, você irá se deparar com vários tópicos que têm função de separar e organizar o
conteúdo trabalhado de forma mais prática e interativa, facilitando, desta forma, seu aprendizado.

Como você pode ver caro(a) aluno(a), que o guia também foi elaborado da forma lúdica e a criativa possível
para que seu estudo não se torne algo cansativo e chato, e sim algo prazeroso e agradável de se fazer.

Nosso objetivo é não apenas fazer com que você aprenda, mas que esse aprendizado seja de fato absorvido
e levado com você ao longo de toda a sua vida.

Orientações da Disciplina

Antes de iniciarmos a unidade 1, quero lembrá-lo(a) que o conhecimento é construído de diversas formas,
e a leitura deste guia é apenas uma delas.

Para que você possa absorver o conteúdo da melhor maneira possível, é essencial ler também o livro-
texto, os materiais de apoio, como os textos sugeridos, além da participação nos fóruns e debates no
Ambiente Virtual.

Qualquer dúvida, o seu tutor está a sua disposição para melhor compreensão do assunto trabalhado.

Seja bem-vindo(a) e aproveite este guia, porque ele é feito especialmente para você!

Antes de nos debruçarmos na disciplina, quero fazer um apanhado e explicar-lhe sobre o que nossa
disciplina se trata, dividindo-a de acordo com suas 4 unidades.

Vamos lá?

1
• Unidade 1
Tecnologia, sociedade, educação e interatividade: iniciando uma discussão.

• Unidade 2
Contemporaneidade, comunicação e educação.

• Unidade 3
Interfaces das tecnologias da informação e comunicação na educação escolar.

• Unidade 4
Algumas possibilidades de articulação das tecnologias da informação e comunicação no processo de
ensinar e aprender.

Visto que iremos tratar de dois assuntos que se diferem em tempo, mas se encontram em uma nova era de
educação e tecnologia, precisamos entender que os dois assuntos agora são irmãos e não há mais como
educar sem tecnologia ou ter acesso à tecnologia sem educação.

Portanto, nossa disciplina tem tudo a ver com que quer ensinar, educar, formar na era atual, onde todos já
estão inseridos neste contexto sociodigital.

Vamos explorar este mundo para conquistar novas gerações e aproveitar para fazer diferente?

TECNOLOGIA, SOCIEDADE, EDUCAÇÃO E INTERATIVIDADE: INICIANDO UMA DISCUSSÃO

Querido(a) estudante, ao longo do tempo as mudanças no comportamento da sociedade foram ignoradas


e achava-se que o ensino sempre seria o mesmo. Conservador, o meio acabou por perder força e precisou
mudar para atingir a população escolar e tentar com novas maneiras de ensino atrair a atenção dos
alunos, que cada vez mais diminuía através de outros meios de aprendizagem “informais” e que hoje
fazem parte da necessidade diária das escolas.

Primeiro o campo de pesquisa, segundo a ideia de que trazer o conhecimento de fora da sala de
aula seria muito importante para as aulas, ou seja, a prática e a teoria precisavam se encontrar
urgentemente, por fim, a tecnologia, que veio com aulas nas quais os livros acompanhavam
CDs, depois os laboratórios de informática, e aí cada aluno passou a ter acesso à internet e
seus computadores domésticos, e “BUM”, estávamos todos inseridos no meio virtual.

Por isso, não podemos achar que tudo mudou de repente. As coisas evoluíram na escola, no ensino, em
parceria com a evolução da sociedade, assim como a sociedade só evoluiu porque todos entenderam a
necessidade de se ter escolas, aulas, professores, alunos... Sem esquecer-se do meio acadêmico, não é
verdade? Como é bom viver em meio a livros, a mestres, a amigos com quem discutir e pensar a respeito
de assuntos que nos encantam e que estão prontos para serem pesquisados e modificados a todo o
momento.

Partindo para a parte mais técnica de nossa disciplina, vamos entender como chegamos até a situação
atual do ensino atrelado à tecnologia.
2
Dica

Uma dica para começar!

Procure na página 1 do seu livro-texto. Lá você encontrará os seguintes tópicos a respeito dos objetivos
de aprendizagem:

Objetivos de aprendizagem

• Compreender os conceitos de técnica e tecnologia;


• Entender as consequências do desenvolvimento tecnológico no comportamento humano;
• Discutir como as mudanças sociais e tecnológicas alteram a sociedade e o desenvolvimento
cognitivo;
• Conhecer a história do desenvolvimento das tecnologias da informação e comunicação;
• Analisar a socialização do conhecimento e da informação na sociedade tecnológica;
• Assimilar o conceito de redes de conhecimento;
• Debater a importância do letramento digital na sociedade contemporânea.

Para Refletir

Clique aqui, leia o texto abaixo e pense a respeito.

Fonte: http://sereduc.com/IvSlz3

Continuando.

3
O QUE SÃO TÉCNICA E TECNOLOGIA?

Ora, caro(a) aluno(a), técnica nós sabemos que trata da habilidade de executar uma tarefa. Inclusive pode
ser ensinada e aprendida. A técnica de cultivar orquídeas, por exemplo, ou de fazer bolos decorativos.
Técnica é quando podemos ensinar, aprender e aprimorar. A tecnologia é o resultado da técnica, dado
que através da técnica e de seu aprimoramento é que foi desenvolvido a tecnologia. Um robô cirurgião
executa exatamente os passos já mapeados na técnica de um cirurgião humano.

Na página 4 do seu livro-texto, temos a seguinte diferenciação entre Técnica e Tecnologia:

“Cabe aqui distinguir brevemente técnica e tecnologia. A primeira diz respeito à habilidade humana
para executar algo, colocar ações em prática, sejam atividades cotidianas, seja a exposição de ideias. A
técnica está, portanto, relacionada ao fazer, executar algo. A tecnologia, por sua vez, é o que resulta das
técnicas; ela engloba as técnicas, os conhecimentos de diversas fontes e tudo aquilo que o ser humano
foi capaz de criar.”

Nada mais é do que entender que tecnologia está contida em técnica. Técnica é o que você pode fazer
e tecnologia é como você pode fazer algo. Ou seja, você pode escrever, mas com a tecnologia o faria
escrever mais e com maior capacidade de expressão? Melhor do que escrever um livro à mão é fazê-lo em
um computador. Alguns irão dizer que não apenas por prazer, mas em questão de produtividade é muito
mais eficiente.

Ainda na página 4:

“A inovação tecnológica confere cada vez mais poder e possibilidades de dominar e acumular riquezas.”

O poder de concluir antes, de delegar, de ter mais tempo para pensar, de ter serviços a prestar, etc.,
faz como que a inovação tecnológica dê aos que lhe detém novas possibilidades de avançar e estar em
vantagem quanto à questão é medir quem pode mais.

Perceba a evolução da tecnologia, conforme a Figura 2, a seguir:

Fonte: http://sereduc.com/4Uwq5P
4
Tecnologia na sociedade contemporânea

Dentre tantas mudanças na sociedade ao longo do tempo, a sociedade contemporânea sofreu muitas
mudanças, e passou a ter maior capacidade de evoluir, suportar, sobreviver, revolucionar e pensar. Isso
mudou tudo. As mulheres obtiveram maior espaço, os homens entenderam a necessidade de ceder este
espaço também. Crianças, idosos, profissionais de todas as categorias tiveram seu lugar adquirido e sua
importância reconhecida.

TIC – Tecnologia da informação e comunicação


TDIC – Tecnologias digitais de informação e comunicação

Na página 7, do livro-texto, lemos o seguinte:

“Para refletir sobre a tecnologia, é preciso pensar a transformação tecnológica enquanto processo inserido
no contexto social em que ela ocorre.”

Ou seja, o contexto social e a capacidade de absorver a tecnologia faz toda diferença quando se interpreta
e se define a necessidade de transformar.

As revoluções industriais e a tecnologia

Na página 9, lemos que ambas as revoluções industriais foram impactantes e revolucionárias para a
evolução da tecnologia mundial. De forma boa ou ruim elas foram imprescindíveis para que pudéssemos
ser hoje detentores de grande parte de conhecimentos tecnológicos.

“Se, por um lado, essas revoluções representam avanço para a humanidade, o “lado escuro” é que
estavam completamente atreladas aos interesses imperialistas e seus conflitos. Dessa forma, a ascensão
econômica e social do que chamamos de Ocidente (que abrange alguns países da Europa Ocidental, a
Inglaterra, a América do Norte e a Austrália) se associa à supremacia tecnológica resultante dessas
revoluções.”

Fonte: http://sereduc.com/tyoECv
5
Observe na imagem acima que muitos foram os ganhos, mas também evoluímos na degradação do meio
ambiente e na exploração da capacidade humana de explorar outros humanos.

É obvio que sem comunicação e tecnologia essas necessidades seriam apenas necessidades sem
definição de solução aparente.

A revolução da tecnologia da informação

Um dos trechos mais interessantes que você pode ler no livro-texto é o segundo parágrafo da página 10,
onde é colocada a fala de CASTELLS que fala sobre os “usuários e criadores poderem se tornar a mesma
coisa” – usuários assumindo o poder da ferramenta como no caso da internet.

Quando eu era adolescente ficava esperando dar 00:00h para conectar-me à internet com o que
chamávamos de “pulso único”, ou seja, só seria cobrado um “pulso” de ligação telefônica. Foi assim que
a internet entrou na casa de muita gente, pois era cobrado como se fosse uma ligação telefônica e isso
fazia com que a conta de telefone ficasse num valor absurdo -“risos”- Isso mesmo, caro(a) aluno(a), o
telefone de casa ficava ocupado se você entrasse na internet e era difícil conseguir conectar!

Visite a Página

Leia a página de informações clicando aqui para entender melhor.

• A microengenharia abre caminho para macromudanças

Na história contada até a página 19, você poderá perceber quão rápido e eficiente foi a microengenharia
para todas as mudanças que ocorreram.

Imagine se os computadores ainda fossem imensos e nós tivéssemos que ter um quarto em nossa casa
apenas para instalar a máquina?

Toda a evolução contada faz parte da transformação da população mundial e da forma como fazemos as
coisas hoje em dia, seja no nosso trabalho, na nossa casa, da forma que casamos, que temos filhos, que
viajamos ou um encontro marcado com alguém na rua. Ninguém mais marca num local e fica sem saber
se a outra pessoa virá, temos os celulares! Uma ferramenta muito eficaz que conectada à internet nos
mostra que não há distância ou desconhecido.

6
Fonte: http://sereduc.com/msELb6

Página 18 do livro-texto:

“A utilização da tecnologia tanto pela contracultura quanto pelo uso militar teve consequências
semelhantes, pois ambas viabilizaram os meios tecnológicos a quem tivesse conhecimentos e um
computador. Em pouco tempo, surgiram máquinas mais potentes a preços acessíveis. O surgimento do
computador de uso pessoal e das redes levou ao desenvolvimento dos BBS (bulletin board systems, ou
sistemas de quadro de avisos), que não demandavam uma rede sofisticada, apenas um computador,
modem e linha telefônica. Dessa forma, foram criadas diversas comunidades virtuais, fóruns de discussão
para os mais diversos interesses.”

O mundo inteiro passou a se beneficiar da necessidade dos grandes países, governos, disputas militares
de ter tecnologia e não mais apenas técnica. E aí a população também usou essa ferramenta para
aprender mais sobre o mundo e passou a opinar nas decisões políticas e entender que as demais culturas
não estavam tão longe quanto se pensava ou quanto se informava.

O contexto social da evolução tecnológica

Desde o capitalismo até a troca de cultura, todos os povos se beneficiaram com o avanço tecnológico na
década de 70. Surgiu à troca de experiência, conhecimento, como fazer melhor ou com menor custo. As
comunidades passaram a interagir, a comprar sem a necessidade de deslocar-se.

Tudo passou a ser mais perto e mais comum.

O paradigma da tecnologia da informação

As cinco características principais do paradigma tecnológico citadas por Castells:

1. São tecnologias para agir sobre a informação – a informação é a matéria-prima, e não somente para
agir sobre a tecnologia. A tecnologia em serviço da informação. Sem informação não há como
seguir adiante.
7
2. Penetrabilidade dos efeitos das tecnologias – a informação é parte integral das atividades humanas,
ou seja, todos os processos de todas as atividades são moldados diretamente pelas tecnologias. Há
como fazer acontecer sem mudar a necessidade das coisas. A tecnologia precisa estar ligada
ao objetivo e não o objetivo mudar o que se quer fazer para atender à tecnologia. Lembre-se da
diferença de Técnica e Tecnologia.

3. Lógica de redes em qualquer sistema ou conjunto de relações – a morfologia da rede, devido ao avanço
na TIC, é capaz de ser aplicada em qualquer tipo de processo e organização. Essa lógica estrutura o não
estruturado sem que haja perda de flexibilidade, “pois o não estruturado é a força motriz da inovação
da atividade humana” (CASTELLS, 2005, p. 108). A tecnologia para facilitar e não para modificar.
Estruturar e conciliar as necessidades com as ferramentas é muito importante e precisa ser
intuitivo.

4. A tecnologia da informação é baseada na flexibilidade – ainda a respeito das redes, a necessidade


de flexibilidade não se restringe aos processos, mas também à possibilidade de que instituições e
organizações sejam modificadas ou até fundamentalmente alteradas. Castells (2005, p. 109) chama a
atenção para os valores relacionados a essa característica, “porque a flexibilidade tanto pode ser uma
força libertadora como também uma tendência repressiva, se os redefinidores das regras sempre foram
os poderes constituídos”. Flexibilidade e poder de executar precisam fazer parte do poder que a
tecnologia nos fornece.

5. Convergência de tecnologias específicas para um sistema altamente integrado – mesmo com


a diferenciação comercial dos segmentos fabricantes (por exemplo, fabricantes de hardware e
desenvolvedores de software), ela se diluiu nas alianças estratégicas em projetos realizados em conjunto
entre empresas de diferentes segmentos. Como vimos nos tópicos anteriores, à microeletrônica, a
computação e as telecomunicações estão completamente integradas no uso e no desenvolvimento, são
indissociáveis. Integração e capacidade de ser um – ser poder ser executada, reconhecida e
estudada sem distinção de lugar ou avanço.

O impacto da tecnologia no desenvolvimento cognitivo e na socialização

Fonte: http://sereduc.com/QepKom

Nos tópicos anteriores vimos à história da tecnologia e da civilização em torno dessa “fogueira” de
possibilidades e conhecimento. Agora, nos tópicos predecessores, iremos ler e aprender sobre como esse
avanço tecnológico influenciou na rede e capacidade de cognição, dentro da escola e fora dela.

8
O estudo de Lalueza e Camps (2010) é fantástico! Você precisa ler tudo para entender. Saiba que não é
nada que você não possa entender e rapidamente remeter às suas atividades ligadas à forma de escrever
e pensar frente a um computador, com editor de texto, e mais... A internet onde podemos pesquisar pode
ser mais um braço para o pensamento exposto na ideia dos autores.

As mudanças nas ferramentas exigem mudanças nos usuários. Assim é comprovado, por meio de lógica,
que a mentalidade e a forma com a qual fazemos as coisas foi instigada a mudar e a se tornar mais
inteligente e ágil. Esse é um dos motivos pelos quais os idosos são incentivados a ter aulas de informática
para manter a velocidade, a lucidez e claro, aprender novas coisas.

Leitura complementar

Neste momento, indico uma leitura que trata das mudanças físicas
e conceituais que a tecnologia trouxe para a educação. Leia e faça
um traço na sua memória sobre o que mudou e o que de fato faz
diferença. Clique aqui para acessar.

“O número de idosos com acesso à Internet no Brasil dobrou entre 2006 e 2008, segundo estatísticas do
Ibope (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística). A população brasileira com idade acima de 65
anos com acesso à Internet passou de 12% para 25%. ”

Visite a Página

Saiba mais a respeito desse assunto clicando aqui.

Trata-se de popularizar, dar oportunidade e mostrar que todos podem evoluir e aprender para lidar e
aproveitar mais dessa gama de possibilidades tecnológicas que pode nos ajudar em nossas atividades
diárias, prover segurança, direito de escolha e de informação. O livro-texto cita a capacidade de lermos
um mapa porque hoje em dia quase todo mundo usa mapas na internet para se localizar e chegar primeiro
virtualmente ao local desejado, e até decidir se irá querer mesmo ir até lá.

Se nos perguntarmos: por que os jogos de quebra-cabeça ficaram mais complexos?

Ora essa, é fácil! A resposta é porque nossa capacidade cognitiva cresceu, nosso cérebro aumentou a
velocidade para não ficar para trás. É comum as pessoas dizerem “uau, as crianças de hoje em dia são
mais espertas” – ora, elas precisam ser mais espertas, afinal de contas nasceram em um século mais
dinâmico que cobra dela isso, assim como de todo resto de faixa etária, só que no caso de bebês é sempre
mais bonitinho.

9
Fonte: http://sereduc.com/moj4TM

Por isso é importante saber que o processo de aquisição deste tipo de conhecimento/habilidades é
indiferente à idade, classe, raça, etc. Diante da mesma tarefa, leigos e especialistas seguirão caminhos
diferentes, mas podem ter o mesmo resultado, com tempo e qualidade diferentes, mas o mesmo resultado.

Se você consultar no livro-texto, mais precisamente na página 24, você encontrará a seguinte explanação,
prezado(a) estudante:

“Para entender como se dá esse processo de aquisição, propõe-se a existência de um processo de


internalização e construção. Internalização – o contexto social causa um impacto no desenvolvimento
“com” a tecnologia e “por meio” da tecnologia enquanto ferramenta. Construção – o indivíduo deve
entender a tecnologia como ferramenta cultural, utilizando-a nas interações sociais.”

Exatamente o que ocorre em uma sala de aula, onde todos aprendem e executam, mas todos de forma
diferente e, quando alguém fica para traz, infelizmente é preciso voltar e buscar o conhecimento necessário.

As TDIC e a Socialização

A internet possibilita a humanidade o alcance a todos os conteúdos necessários para aprender, inclusive
a lidar com ela e a navegar em meio a um mar de conhecimento sem fim.

Por isso, atualmente, comunidades afastadas e alunos de escolas em locais remotos têm mais chance de
alcançar seus objetivos e conseguir estar mais ativamente participando da vida em sociedade, fazendo
parte de todos os eventos sociais perto ou longe. Assim como também é possível obter mais informação
rapidamente e não ter que esperar mensageiros que traziam informação dias depois do ocorrido.


Fonte: http://sereduc.com/xd2KlZ
10
Fonte: http://sereduc.com/GcdxPH

Tecnologia e Educação

Tema muito discutido em escolas do mundo todo, a tecnologia e a educação juntas têm grande valor e
precisam ser tratadas de forma coerente. Ambas fazem parte da formação cultural, social e evolutiva
de nossa sociedade. Inicialmente, as escolas execravam a tecnologia e faziam com que parecesse uma
ferramenta do mal contra a concentração dos alunos e a destruição da educação como sempre foi.

Atualmente, graças à própria educação e tecnologia que foram ferramenta de estudiosos como o
professor Mario Sérgio Cortella é que este tabu foi quebrado e hoje, sabemos o quanto a tecnologia
é uma ferramenta transformadora nas escolas. Sabemos que agora podemos ir a um nível muito mais
intenso e desafiador.

A tecnologia modificou a forma de viver, pensar, trabalhar e interagir. Não poderia ser diferente nas
escolas, não é verdade?

Veja o vídeo!

Para aprofundar ainda mais o seu conhecimento, caro(a)


aluno(a), assista ao vídeo indicado logo a seguir, com duração
de aproximadamente cinquenta e sete minutos. Clique aqui para
assistir.

11
Visite a Página

Consulte também o link sugerido clicando aqui.

Espaço e Tempo

Espaço e Tempo se alteram, porque com a disponibilização de tanto conhecimento tudo mudou. A forma
de escolher a profissão, o local onde estudar – deixou de ser no bairro vizinho para ser em outro continente
– o tempo e o espaço deixaram de ser tão delimitados para serem quase ilimitados. Isso fez com que não
só o receptor tivesse outro perfil como também o emissor. Os professores, o gerenciamento das escolas,
as editoras de livros, todos tiveram que se adaptar e aprender a lidar e a incluir as novas formas de pensar
e aprender.

Mudou tanto que agora temos dois sentidos de deslocamento de especialidade de ensino/ aprendizagem:

1. Na espacialidade física – em tempo real, é possível ser acessada por meio de dispositivos, de
qualquer lugar.

2. Na alteração constante – nas transformações permanentes e sua temporalidade fugaz.

“Na atualidade, o que se desloca é a informação” (KENSKI, 2008, p. 30). Livro-texto página 26.

Perfeita colocação, perfeita. A informação a nosso favor e não nós em busca incessante.

O Conhecimento

O conhecimento é algo que nos é oferecido e não imposto, mas a forma como isso é feita faz toda
diferença para que o receptor queira de fato aprender.

Imagine que alguém queira te ensinar algo que não é de seu interesse?

Fica complicado, não é?!

Então, antes de querer impor regras e conhecimento, tente convencer os seus ouvintes de que você sabe
sobre o que está falando e que é importante apreender aquele conteúdo.

Leitura complementar

Aproveite para ler o artigo clicando aqui.

12
Poema do Conhecimento

Poema do Conhecimento do Ser

Conhecemos o amigo, quando precisamos dele. Conhecemos o parente, quando choramos.


Conhecemos um profissional, quando há um desafio. Conhecemos um professor, quando a
classe é problemática. Conhecemos um médico, na hora da operação delicada. Conhecemos
o craque, na hora de virar o jogo. Conhecemos o poeta, na hora dele tirar leite de pedras.
Conhecemos o inimigo, quando ele é leal na peleja. Conhecemos o vencedor, quando ele não
tripudia sobre o derrotado. Conhecemos o anjo íntimo, quando a cruz que carregamos perde
peso e tem uma leveza de nuvem numinosa. Conhecemos o chefe, não quando precisamos
dele, mas quando ele elogia em público e critica reservadamente. Conhecemos a estrada
quando ela oferece sol para o nosso olhar de descoberta de novos horizontes. Conhecemos o
sábio quando ele é humilde, e o herói quando ele se revela eterno aprendiz de significados e
lutas. Conhecemos o livro quando ele se revela em nós, com a nossa alma e mente feito uma
página aberta. Conhecemos o céu quando sentimos a morte rondar, apesar de tanta gente
querer ver Deus sem querer morrer... Conhecemos a arte quando ela nos toca o sensorial.
Conhecemos a dor quando ela nos lapida na peregrinação. Conhecemos o bem da perda
quando somos sacudidos para reagirmos em nossa comodidade e decadência.  Conhecemos
a fé quando estamos perdidos. Conhecemos a paz quando estamos no front e medimos
vitórias e perdas. Conhecemos a oração quando ela nos salva de nós mesmos. Conhecemos
o inferno quando queremos ser o que não somos. Conhecemos o infinito quando somos
misericordiosos com os fracos e oprimidos. Conhecemos o santo quando o reconhecemos
em amor e caridade. Conhecemos o espírito quando nos descobrimos finitos no espectro da
carne. Por fim, conhecemos a luz quando estamos na luz.

Silas Correa Leite – Educador, Jornalista, Poeta.

Enfim, não precisamos saber o que todo mundo sabe, precisamos apenas saber que temos acesso a todo
o conhecimento do mundo, mas que podemos nos ater apenas ao que nos interessa de gosto. Portanto,
caro(a) aluno(a), atenha-se ao que você quiser, mas saiba como usar seu conhecimento a seu favor e em
favor da comunidade.

Alguns problemas atuais

Você acha que as escolas precisavam apenas incluir laboratórios de informática para serem modernas e
aptas a receberam grande dose de tecnologia?

Os principais problemas nas escolas atualmente estão na guerra imposta contra a tecnologia que deveria
ser aliada. As escolas precisam alinhar melhor os seus objetivos com a realidade dos jovens e adequar-se
a forma de gestão que lhes couber. Adaptar é a palavra.

13
Para Refletir

Leia as páginas 34 a 37 do livro-texto e pense comigo.

A maioria das escolas apenas acha que evoluiu?

Temos de fato, em sua grande parcela nacional, escolas prontas para receber alunos que exalam interesse
por tecnologia, navegabilidade, conhecimento abundantes sem ter necessariamente que carregar
toneladas de livros nas costas?

A falta de capacitação profissional, a falta de orientação pedagógica para toda comunidade escolas –
leia-se: pais, alunos, professores e funcionários – faz, muitas vezes, com que educação e tecnologia
andem em desalinho trazendo angústias e anseios para dentro do âmbito escolar.

Exemplo

Observe a figura a seguir.

Esta professora, por exemplo, poderia ter enviado o material por e-mail, ou ter projetado as informações,
ou compartilhado o arquivo. Mas, será que ela tem conhecimento ou ferramentas?

Diante disso, ela deveria proibir o uso do celular. Há controvérsias!

Fonte: http://sereduc.com/s1x7TA

Tecnologia, Educação, Linguagens e Interatividade

As mudanças tecnológicas precisam de apoio nas práticas pedagógicas para adentrar o convívio escolar.
Desta maneira, poderá também servir de ponte para uma sociedade mais responsável e consciente.

No texto da página 38 do livro-texto, podemos entender o quanto são importantes à colaboração e a


interatividade acerca de todo conhecimento disponibilizado.

14
“O aprendizado colaborativo requer planejamento, desenvolvimento de ações, recebimento, seleção
e envio de informações, estabelecimento de conexões, reflexão em conjunto acerca do processo,
desenvolvimento da interaprendizagem, capacidade de resolução de problemas em conjunto e autonomia
para buscar e fazer por si mesmo.”

Currículo e tecnologias

Web currículo

Assunto polêmico e tema de muitos eventos, este termo tem trazido para o meio escolar as necessidades
de organizar a grade de ensino, contemplando de modo geral a globalização de conhecimentos que não
podem ser tão diferentes de um lugar para o outro. Como iremos ter currículos diferentes se estamos
vivendo, trocando, ensinando, formando profissionais e cidadãos para o mundo todo.

Alguém que se forma na China pode vir trabalhar aqui, e alguém que se forma aqui pode ir trabalhar na
Inglaterra. Isso precisa estar presente em nosso modo de pensar para que possamos usar devidamente
as ferramentas disponíveis.

Narrativas digitais

Leia sobre narrativas digitais da página 43 a 45 do livro-texto. Ficará claro como independente da narrativa
a ser apreciada, teremos a contribuição dos conhecimentos implícitos e explícitos, saberes, valores,
identidade, envolvendo a percepção de quem a cria. Portanto, a narrativa digital é tão importante quanto
qualquer outro meio de narrativa e tem o papel de educar e incentivar a busca pelo conhecimento.

Fonte: http://sereduc.com/cMy2pk

Leia o texto acima e entenda como pode ser produtivo usar em sala de aula a narrativa digital.

15
Letramento Digital

Letramento Digital nada mais é do que a capacidade que tem o indivíduo de responder adequadamente
às demandas sociais que envolvem a utilização dos recursos tecnológicos e da escrita no meio digital.

O letramento digital não é apenas o conhecimento técnico. Ele inclui ainda, segundo Carmo (2003),
“habilidades para construir sentido a partir de textos multimodais, isto é, textos que mesclam palavras,
elementos pictóricos e sonoros numa mesma superfície. Inclui também a capacidade para localizar, filtrar
e avaliar criticamente informações disponibilizadas eletronicamente”.

É a capacidade de dominar naturalmente com agilidade as regras da comunicação em ambiente digital.

Nesta mesma unidade tratamos de inclusão digital de pessoas na terceira idade e vimos como é importante
fazer com que as pessoas não se sintam excluídas. Então, o letramento digital precisa ser reconhecido
como parte de nossa educação escolar, a fim de formar um cidadão feliz e incluído no meio ao qual
pretende explorar.

Fonte: http://sereduc.com/UhYtqs

Inclusão digital não é fazer facebook para todo mundo.

Pense nisso!

Palavras Finais do Professor

Chegamos ao final da nossa I unidade. Acredito que através do estudo dos nossos guias você adquiriu
novos conhecimentos e vai colocar em prática em sua vida profissional.

Acesse o Ambiente Virtual para acompanhar o calendário de atividades, bem como respondê-las. Surgindo
dúvidas, pergunte ao seu tutor.

Agradeço a sua atenção.

Até a próxima unidade!

16