Anda di halaman 1dari 62

Resenha de livro:

Abreu, Marcelo de Paiva:

A Ordem do Progresso: dois séculos de política econômica no Brasil


2. ed. - Rio de Janeiro : Elsevier, 2014, ISBN 978-85-352-7859-0

Resenha-resumo efetuada por Gladson Miranda, doutorando em Direito no Uniceub, sob


recomendação do Professor Paulo Roberto de Almeida, disciplina “Relações econômicas
internacionais e inserção global do Brasil”.

1
Sumário
INTRODUÇÃO .............................................................................................................. 7
CAPÍTULO 1 - A ECONOMIA BRASILEIRA NO IMPÉRIO, 1822-1889 ............. 8
1. População............................................................................................................... 8
2. Estimativas de produto .......................................................................................... 8
3. Atividade ............................................................................................................... 9
3.1. Agricultura e regiões ...................................................................................... 9
3.2. Indústria .......................................................................................................... 9
3.3. Mineração ....................................................................................................... 9
3.4. Serviços .......................................................................................................... 9
4. Fatores de produção: trabalho.............................................................................. 10
4.1. Imigração: trabalho assalariado .................................................................... 10
4.2. Escravidão .................................................................................................... 10
5. Fatores de produção: terra ................................................................................... 11
6. Fatores de produção: capital ................................................................................ 11
7. Comércio exterior ................................................................................................ 11
8. Regimes monetários, câmbio e sistema financeiro .............................................. 11
8.1. Regimes monetários ..................................................................................... 11
8.2. Câmbio e preços ........................................................................................... 12
8.3. Sistema financeiro ........................................................................................ 12
9. Finanças públicas ................................................................................................. 12
9.1. Receita .......................................................................................................... 12
9.2. Despesa......................................................................................................... 12
9.3. Dívida pública .............................................................................................. 13
10. Conclusões ....................................................................................................... 13
CAPÍTULO 2 - A PRIMEIRA DÉCADA REPUBLICANA .................................... 14
1. Introdução ............................................................................................................ 14
2. O Brasil e a economia internacional .................................................................... 14
3. Trabalho assalariado e a política monetária ........................................................ 14
4. Política econômica nos anos 1890 ....................................................................... 15
CAPÍTULO 3 - APOGEU E CRISE NA PRIMEIRA REPÚBLICA, 1900-1930 .. 17
1. Introdução ............................................................................................................ 17
2. Política econômica na Primeira República .......................................................... 18
Tendência ao desequilíbrio externo e o quadro institucional ............................. 18
Ciclos e crises da Primeira República................................................................. 18
A era de ouro, 1900-1913 ................................................................................... 18
O impacto da Grande Guerra, 1914-1918 ........................................................... 19
Boom e recessão do pós-guerra, 1919-1922 ....................................................... 20
Recuperação, desequilíbrio externo e ajuste recessivo: 1922-1926 ................... 20

2
O boom e a Depressão após o retorno ao padrão-ouro: 1927-1930.................... 21
3. Uma reinterpretação da historiografia tradicional ............................................... 22
4. Conclusões ........................................................................................................... 23
CAPÍTULO 4 - CRISE, CRESCIMENTO E MODERNIZAÇÃO AUTORITÁRIA,
1930-1945 ....................................................................................................................... 23
1. Superação da crise e política econômica do Governo Provisório, 1930-1934 .... 24
2. Boom econômico e interregno democrático, 1934-1937..................................... 24
3. Estado Novo e economia de guerra, 1937-1945 .................................................. 26
CAPÍTULO 5 - POLÍTICA ECONÔMICA EXTERNA E INDUSTRIALIZAÇÃO,
1946-1951 ....................................................................................................................... 27
1. Introdução ............................................................................................................ 27
2. Políticas cambial e de comércio exterior ............................................................. 28
3. Substituição de importações e crescimento industrial ......................................... 29
4. Relações internacionais e movimento de capitais ............................................... 29
5. Política econômica interna................................................................................... 30
CAPÍTULO 6 - DUAS TENTATIVAS DE ESTABILIZAÇÃO, 1951-1954 ........... 30
1. Introdução ............................................................................................................ 30
2. Rumo ao colapso cambial, 1951-1952 ................................................................ 31
A política econômica externa ............................................................................. 31
A política econômica doméstica e o desempenho da economia ......................... 31
3. A transição para o novo ministério ...................................................................... 32
Relações econômicas internacionais ................................................................... 32
Conjuntura econômica e evolução do quadro social e político .......................... 32
4. A nova tentativa de estabilização ........................................................................ 33
O programa Aranha e os resultados de 1953 ...................................................... 33
Novas dificuldades: café e salários ..................................................................... 33
5. A última crise....................................................................................................... 33
CAPÍTULO 7 - O INTERREGNO CAFÉ FILHO, 1954-1955 ................................ 34
1. Introdução ............................................................................................................ 34
2. A gestão Gudin .................................................................................................... 34
A conjuntura econômica externa ........................................................................ 34
A política de estabilização doméstica ................................................................. 35
3. A administração Whitaker ................................................................................... 35
A condução da política econômica ..................................................................... 35
A reforma cambial .............................................................................................. 36
4. Considerações gerais ........................................................................................... 36
CAPÍTULO 8 - DEMOCRACIA COM DESENVOLVIMENTO, 1956-1961 ........ 36
Introdução ....................................................................................................................... 36
1. A política cambial ................................................................................................ 37
2. As políticas de desenvolvimento ......................................................................... 37
3. O papel do setor público ...................................................................................... 37
4. As políticas fiscal e monetária ............................................................................. 38

3
CAPÍTULO 9 - INFLAÇÃO, ESTAGNAÇÃO E RUPTURA, 1961-1964 .............. 39
1. A Tentativa de Estabilização sob Quadros .......................................................... 39
2. O Impasse Parlamentarista .................................................................................. 39
3. A política econômica sob o presidencialismo restaurado .................................... 40
4. Avaliação do período ........................................................................................... 40
CAPÍTULO 10 - ESTABILIZAÇÃO E REFORMA, 1964-1967 ............................. 41
1. Introdução ............................................................................................................ 41
2. Objetivos do PAEG ............................................................................................. 41
3. A política salarial no PAEG ................................................................................ 41
4. Condução das políticas monetária e fiscal ........................................................... 42
5. O impacto sobre a produção e os preços ............................................................. 42
6. Os custos da estabilização ................................................................................... 42
7. Além da ortodoxia simplista ................................................................................ 43
CAPÍTULO 11 - A RETOMADA DO CRESCIMENTO E AS DISTORÇÕES DO
“MILAGRE”, 1967-1974 ............................................................................................. 43
1. Crescimento econômico, formação de capital e inflação, 1967-1973 ................. 44
2. Políticas monetária e creditícia e desenvolvimento do sistema financeiro ......... 44
3. Política fiscal, estados e municípios e política regional, as estatais e o papel do
governo na economia ...................................................................................................... 44
4. Setor externo ........................................................................................................ 45
5. Política salarial, distribuição de renda e emprego ............................................... 45
6. Uma breve avaliação dos resultados da política econômica, 1967-1973 ............ 46
CAPÍTULO 12 - CRISE E ESPERANÇA, 1974-1980 .............................................. 46
1. Introdução ............................................................................................................ 46
2. Condicionantes externos e internos da política econômica ................................. 46
3. Opções para o ajuste de curto prazo e as causas do fracasso .............................. 47
4. A natureza do ajuste de longo prazo: o crescimento com endividamento........... 48
Crescimento com dívida ..................................................................................... 48
A política industrial ............................................................................................ 48
5. Resultados e suas consequências ......................................................................... 48
CAPÍTULO 13 - AJUSTE EXTERNO E DESEQUILÍBRIO INTERNO, 1980-1984
........................................................................................................................................ 48
1. Introdução ............................................................................................................ 48
2. Recessão sem Fundo: 1981.................................................................................. 49
3. Da Recessão ao Fundo: 1982............................................................................... 49
4. O Fundo da Recessão: 1983 ................................................................................ 49
5. Com o Fundo sem Recessão: 1984 ...................................................................... 49
6. Conclusões ........................................................................................................... 50
CAPÍTULO 14 - A ÓPERA DOS TRÊS CRUZADOS, 1985-1990 ......................... 50
1. Introdução ............................................................................................................ 50
2. Inflação inercial e conflito distributivo ............................................................... 50
3. O fracasso do gradualismo: março 1985-fevereiro 1986..................................... 51

4
4. Plano Cruzado: principais ingredientes ............................................................... 51
5. Plano Cruzado: principais resultados .................................................................. 51
6. Plano Bresser: ingredientes ................................................................................. 52
7. Plano Bresser: resultados ..................................................................................... 52
8. Plano Verão: ingredientes .................................................................................... 52
9. Plano Verão: resultados ....................................................................................... 53
10. Conclusões ....................................................................................................... 53
CAPÍTULO 15 - ESTABILIZAÇÃO, ABERTURA E PRIVATIZAÇÃO, 1990-
1994 ................................................................................................................................ 53
Fracasso do Plano Collor .................................................................................... 54
Alta inflação, corrupção e impeachment ............................................................ 54
Concepção e implementação do Plano Real ....................................................... 55
Abertura comercial e Mercosul........................................................................... 55
Privatização ......................................................................................................... 55
Dívida externa ..................................................................................................... 56
As eleições de 1994 ............................................................................................ 56
CAPÍTULO 16 - CONSOLIDAÇÃO DA ESTABILIZAÇÃO E
RECONSTRUÇÃO INSTITUCIONAL, 1995-2002 ................................................. 56
Política econômica, cisão e ambiguidade ........................................................... 56
Reformas, abertura e privatização ...................................................................... 57
O projeto da reeleição ......................................................................................... 57
Choques externos e crise cambial ....................................................................... 57
Novo arcabouço de política econômica .............................................................. 58
Círculo virtuoso e crise energética...................................................................... 58
Alternância política e desestabilização ............................................................... 58
CAPÍTULO 17 - ALTERNÂNCIA POLÍTICA, REDISTRIBUIÇÃO E
CRESCIMENTO, 2003-2010 ....................................................................................... 59
Tensões da metamorfose ..................................................................................... 59
Colheita rápida .................................................................................................... 59
A crise do mensalão e seus desdobramentos ...................................................... 60
De Palocci a Mantega ......................................................................................... 60
Redistribuição de renda ...................................................................................... 60
Opção por uma estratégia desenvolvimentista, intensiva em recursos fiscais .... 61
A crise mundial como pretexto ........................................................................... 61
Gran finale em meio à deterioração do regime fiscal ......................................... 61

5
INTRODUÇÃO

A República comemora 100 anos durante o que pode ser considerado uma das
maiores crises econômicas da história do Brasil após sua independência. Este livro trata
disso, são vários artigos os quais vão analisar a implantação de políticas econômicas no
Brasil, como ela se desenvolve e seus percalços, e ao mesmo tempo procura fornecer
incentivos para compreender a origem dos problemas enfrentados pela economia. (pg.
XV)

É viável identificar inúmeros elementos de continuação das políticas econômicas


estabelecidas durante o período republicano no Brasil. A articulação entre as economias
brasileira e a mundial tem sua importância atestada a todo momento. (pg. XV)

Os obstáculos frequentes de legitimação da reposição de recursos entre classes e


setores incentivam a ínfima transparência em perceber quais consequências a política
econômica gerará com relação à sociedade. Multiplicam as formas de transferência
disfarçadas de recursos: “sobrevalorização cambial, controles de estoques de produtos
primários, taxas de juros reais negativas”. (pg. XVI)

Na história da República, as convicções incomuns nas virtudes alocativas do


mercado nunca tiveram facilidade em serem implantadas dentre os costumes da classe
dominante brasileira. No Brasil não houve aceitação da crítica ao laissez-faire, o qual
marcou a política econômica na Argentina da classe dominante. (pg. XVI)

O método de abertura política enfrenta atualmente o desafio de procurar que o


exercício democrático concorde com a adequada utilização dos recursos públicos. O
mau uso e as falhas atuais no âmbito da normatividade e também nas atitudes
governamentais devem ser analisados sob o aspecto dos limites impostos pela prática do
passado. (pg. XVII)

7
CAPÍTULO 1 - A ECONOMIA BRASILEIRA NO IMPÉRIO, 1822-1889

Marcelo de Paiva Abreu e Luiz Aranha Correa do Lago

O primeiro capítulo trata da introdução ao tema e se divide em 10 seções, além


disso, tem como propósito apresentar as concepções sobre o estudo minucioso da
política econômica ao longo do período republicano, que será tratado no restante do
livro. (pg. 01)

O Brasil, a partir de 1580, estabeleceu-se como maior produtor de açúcar no


mundo, alicerçado no trabalho advindo de escravos africanos, e se manteve nessa
situação até a segunda metade do século XVII. No final desde século, a competição de
colônias holandesas no Caribe, franceses e inglesas causou danos à economia açucareira
brasileira, a qual deixou de ser soberana, tendo retornado a este status com a exploração
de ouro a partir do ano de 1690. (pg. 01)

1. População

Em 1822, na época da Independência, o Brasil contava com “uma população


entre 4,5 e 4,8 milhões de habitantes e cerca de um terço era escrava”. “Em 1850, a
população brasileira possuía cerca de 7,5 milhões de habitantes, com os escravos ainda
respondendo por volta de 30% do total”. Pesquisas no ano de 1872 demonstraram uma
população em torno de 10,1 milhões de habitantes, sendo que 1,5 milhão eram escravos.
Já em 1890, a pesquisa mostrou uma população de 14,3 milhões. (pg. 02)

2. Estimativas de produto

Durante o século XIX, informações sobre renda e produto são profundamente


escassas. Como consequência, as aferições devem ser vistas como suposições
imensamente irregulares. (pg. 03)

De 1862-1889, por exemplo, Contador e Haddad afirmaram que a taxa de


crescimento anual do PIB era o total de 2,68% “e de 0,86% do PIB real per capita
(Goldsmith, 1986, p. 20)”. “Um intervalo amplo para a taxa de crescimento anual do
PIB per capita entre 0,2 e 0,5% para o período imperial poderia ser adotado como
conjectura razoável, com base nas evidências que sugerem importantes diferenças
regionais.” (pg. 03-04)

8
3. Atividade

3.1. Agricultura e regiões

No momento da Independência, podia notar que a principal atividade era a


agropecuária, a qual representada a maior parte das exportações e do produto interno,
entretanto, não existem estatísticas no século XIX para a produção agrícola. (pg. 04)

Durante o Império, três produtos na agricultura detinham maior importância, o


fumo, o algodão e o açúcar, contudo, em 1830 o café ultrapassou a importância do
açúcar como maior produto exportado. A influência destes quatro produtos evidencia a
atuação associada no que diz respeito a totalidade das exportações. (pg. 04)

Neste período, a exportação do café cresceu com relação ao total das


exportações, passou de 20% para mais de 60%. O café tinha produção apenas no Rio de
Janeiro e em uma parte de São Paulo. Por outro lado, o açúcar teve sua importância
reduzida de 30% para 10%, assim como a do algodão que também reduziu de 21% para
4% com relação ao total das exportações. (pg. 05)

3.2. Indústria

Nos primeiros 25 anos após a independência do Brasil, os custos relacionados às


concessões à metrópole anterior e à Grã-Bretanha tiveram grande importância e
possuíram papel intermediador para que o novo regime fosse legitimado. No período do
Império, a agricultura ainda predominava na economia brasileira. (pg. 06-07)

3.3. Mineração

A atividade de mineração, por sua vez, em especial o ouro e os diamantes,


tiveram seu ápice na década de 1850 e em seguida iniciaram um declínio lento. As
exportações de ambos diminuíram, do ano de 1850-1880, cerca de 5% do total para
menos de 1%. (pg. 07)

3.4. Serviços

As informações sobre o setor de serviços são parciais, com exceção do setor


ferroviário que será tratado posteriormente. É importante salientar que em 1870 a rede
de tráfego possuía 700km em operação e em 1889 passou para 9.583 km. (pg. 08)

9
Outros serviços, como o varejo, atacado e serviços domésticos, também faziam
parte da rotina de muitas pessoas, contudo, o emprego rural ainda era o predominante,
sendo que 2/3 da população ainda estava envolvida, fato este limitador da expansão do
setor de serviços. (pg. 08)

4. Fatores de produção: trabalho

4.1. Imigração: trabalho assalariado

Entre os anos de 1822 e 1850 a imigração europeia não foi expressiva, ainda
mais quando se compara com a abundância de escravos africanos. No entanto, a partir
da metade do século o tráfico de africanos foi interrompido, gerando crescimento do da
imigração de europeus para as regiões produtoras de café. (pg. 08)

Estudos oficiais apontam um número de 219.229 imigrantes entre os anos de


1851 e 1870. Já na década de 1871 e 1880, o número foi aproximado ao das duas
décadas anteriores, ou seja, 219.128 imigrantes, tendo como média por ano 11 mil
imigrantes. “Entre 1881 e 1885, as entradas no Brasil alcançaram mais de 133 mil
imigrantes, média anual de quase 27 mil, entrando mais de 32 mil em 1886. Foi entre
1887 e 1889 que a imigração aumentou consideravelmente, alcançando pelo menos 252
mil pessoas.” (pg. 09)

4.2. Escravidão

De 1800 até 1850 a importação dos escravos para os produtores de café era
equivalente a 2/3 das importações totais, as quais chegaram a alcançar cerca de 2
milhões de pessoas. (pg. 09)

A cessação do tráfico gerou importantes consequências, a oferta era muito


menor do que a procura, ocasionando um aumento desenfreado do preço dos escravos e
até a compra desses escravos dentro do Brasil, levando a acumulação de escravos na
região produtora de café. (pg. 10)

Apenas em 1884 foi retirado o empecilho dos fazendeiros, ano em que São
Paulo legislou sobre a permissão de a própria província arcar com os preços do
transporte para os imigrantes estrangeiros. Sendo que entre 1887 e 1889 houve uma
entrada densa de imigrantes estrangeiros para a substituição dos ainda 107 mil escravos
para o trabalho assalariado. (pg. 11)

10
5. Fatores de produção: terra

“A versão extrema da hipótese afirma que ‘dos três elementos de uma estrutura
agrária em estudo – terra livre, camponeses livres e proprietários de terras inativos (ou
seja, que não trabalham na terra diretamente), dois elementos, mas nunca os três, podem
existir simultaneamente’”. (pg. 12)

O aumento da produção cafeeira teve um impacto grande no que diz respeito à


ocupação de terras, muitas foram tomadas ilegalmente durante a colonização do Brasil.
Durante décadas o Império se omitiu legislativamente para sobrepor o “sistema colonial
de concessão de terras”, sendo posteriormente aprovada a “Lei de Terras” para corrigir
este defeito. (pg. 12)

6. Fatores de produção: capital

“A crescente produção cafeeira gerou demanda por infraestrutura de exportação,


incluindo ferrovias, portos, cabos telegráficos submarinos e empresas de navegação a
vapor”. No meio de tudo isso, a urbanização tomava lugar, investimentos estavam sendo
feitos em empresas prestadoras de serviços públicos como gás, água, saneamento,
energia, transporte público e até telefonia. Além do investimento de outros países, o
governo investiu bastante, principalmente nas ferrovias. (pg. 13-14)

7. Comércio exterior

O Brasil tinha grande importância econômica como exportador. Teve de ser


realizada uma mudança estrutural nas exportações, realocando-se geograficamente,
sendo que a Grã-Bretanha deixou de ser a principal transferindo esta importância para
os Estados Unidos e para Europa Continental. “A mudança da estrutura de origem das
importações no período imperial refletiu o declínio da capacidade competitiva das
importações britânicas paulatinamente substituídas por produtos concorrentes,
especialmente da Alemanha e dos Estados Unidos”. (pg. 18)

8. Regimes monetários, câmbio e sistema financeiro

8.1. Regimes monetários

11
“Depois da Independência, o Banco do Brasil continuou a emitir cédulas que
constituíam boa parte do meio circulante. Em 1829 não existia praticamente nenhuma
circulação metálica, a não ser de cobre”. (pg. 19)

8.2. Câmbio e preços

No período do Império, o câmbio se manteve incerto, oscilando drasticamente,


ainda que em alguns momentos tenha havido uma constância, especialmente nos anos d
e1850 e 1870. (pg. 20)

8.3. Sistema financeiro

Em 1829 o primeiro Banco do Brasil foi fechado, e a partir de 1837 criaram-se


bancos privados. Entre 1850 até o fim da década de 1860, o papel-moeda teve sua
importância ampliada, chegando a quase 80%, em razão disto, houve uma baixa na
relevância das moedas metálicas. (pg. 20-21)

9. Finanças públicas

9.1. Receita

“A preeminência brasileira no mercado mundial de café, somada à inelastidade-


preço da demanda pelo produto, tinha importantes implicações sobre a incidência da
taxação sobre o café. Houve, no período imperial como um todo, uma tendência à
desvalorização cambial, embora em 1889 a taxa de câmbio tivesse voltado à paridade de
1846”. (pg. 22-23)

Impor taxas às províncias era de suma importância, uma vez que as receitas
advindas representavam cerca de 25% das receitas totais do governo. Apesar de o
recolhimento de impostos ser ilegal, “subterfúgios nos anos 1830 abriram caminho para
a sua adoção”. (pg. 24)

Não obstante as discussões no âmbito do Legislativo na década de 1880, não se


pôde chegar a um acordo com relação ao modo de disposição das receitas entre as
províncias. Então o governo central entendeu por ignorar a ilegalidade do recolhimento
de taxas das importações das províncias. (pg. 24)

9.2. Despesa

12
“O nível de despesas do governo central dependia em grande medida dos gastos
militares relacionados a operações internas e externas. O Sul e a Corte contribuíam com
dois terços da receita do governo central, em contraste com um terço do Norte e do
Nordeste. A receita do governo central em São Paulo era de 7% do total, inferior à do
Pará e à de Bahia e Pernambuco, mas a despesa era de apenas 2% do total”. (pg. 25)

9.3. Dívida pública

Entre os anos de 1824 e 1889, o Brasil observou sua dívida externa crescer
deliberadamente, de £5,1 milhões para £33,6 milhões. “As distorções das avaliações
devem-se em parte à concentração de interesse nos empréstimos norte-americanos que
só ocorreram depois da Primeira Guerra Mundial, em parte à omissão do período
anterior a 1850 quando, em contraste com o resto da América Latina, o Brasil não
suspendeu o pagamento do serviço da dívida externa”. (pg. 26)

10. Conclusões

No ano de 1820 o PIB brasileiro poderia ser comparado ao mexicano e equivalia


a pouco mais da metade do PIB per capita dos Estados Unidos. “A expansão do café foi
acompanhada pela retração relativa, e em certos casos, absoluta da exportação/produção
de commodities tradicionalmente exportadas pelo Nordeste como algodão, açúcar e
fumo”. (pg. 27)

No âmbito político, interesses paulistanos se sobressaíram aos interesses


nordestinos. Após a Guerra do Paraguai, com a vitória, os militares republicanos
tiveram sua influência aumentada. Os resultados econômicos em razão do adiamento da
abolição da escravatura e o cansaço das instituições imperiais ocasionaram a
proclamação da República e “ à rápida reversão do quadro econômico favorável da
segunda metade da década de 1880”. (pg. 28)

13
CAPÍTULO 2 - A PRIMEIRA DÉCADA REPUBLICANA

Gustavo H.B. Franco

1. Introdução

Este período foi um dos mais complicados para os responsáveis pelas políticas
econômicas, posto que durante a primeira década foram observadas transformações
“estruturais” na economia brasileira, “destacadamente a súbita disseminação do trabalho
assalariado no campo e o reordenamento da inserção do país na economia
internacional”. (pg. 29)

O capítulo 02 tem como objetivo discorrer sobre as transformações estruturais


mais importantes, as quais afetaram diretamente o desenvolvimento da política
econômica, e em seguida, relatar quais foram as providências econômicas tomadas
durante os anos 1890. (pg. 29)

2. O Brasil e a economia internacional

“O crescente envolvimento do Brasil com a economia internacional constitui um


traço fundamental da história econômica do país nos últimos anos do século XIX”. A
participação do Brasil no comércio mundial é modesta, cerca de 1% no ano de 1913, por
outro lado, a participação no âmbito de investimento internacional consistia em
aproximadamente 30% de toda a América Latina. (pg. 30)

O país, após a crise que se deu nos anos de 1891-1892, encontrou dificuldades
cambiais sérias, houve uma baixa na capacidade de importação, o preço do café entrou
em crise. “O déficit em conta corrente cresceria substancialmente, atingindo £2.295 mil
em 1895 e £5.014 mil em 1896 e inaugurando um período crítico no tocante às contas
externas”. É perfeitamente explicável que o câmbio tenha flutuado durante os anos 1890
dado que os preços do café encontravam variações significativas. (pg. 32)

3. Trabalho assalariado e a política monetária

As décadas finais do século XIX foram de extrema importância para a reforma


da economia brasileira, anos nos quais ocorreram momentos cruciais, segundo o autor
Furtado “o fato de maior relevância ocorrido na economia brasileira no último quartel

14
do século XIX foi, sem lugar à dúvida, o aumento da importância relativa do setor
assalariado”. (pg. 33)

O trabalho assalariado teve grande importância na economia, posto que as


despesas com salários tinham épocas determinadas, as quais tem relação direta com a
colheita das safras. Esse fato gerava alguns problemas monetários para a liquidez dos
bancos, uma vez que apenas havia movimentação nesses momentos explicitados. (pg.
33)

“No início da década de 1880, o problema das novas demandas de moeda


advindas do trabalho livre era constantemente mencionado, e argumentava-se nesse
sentido que as demandas sazonais de crédito associadas às safras (de café, açúcar etc.)
podiam agora se tornar muito mais fortes, e podiam ter sérias consequências no tocante
à liquidez, caso não fossem implementados esquemas destinados a prover acomodação
para essa elevação once and for all da procura de moeda”. (pg. 34)

A crise monetária nos bancos foi agravada com a expansão dos trabalhos
assalariados, ainda mais nos anos próximos a abolição da escravatura. Em 1883, o
Ministro da Fazenda propôs a retomada de uma lei de 1875, a qual discorria sobre a
emissão provisória por parte do Tesouro, para auxiliar os bancos no fornecimento de
moedas. (pg. 35)

As crises recorrentes em razão destes problemas, apenas com propostas de


resoluções paliativas, levaram a busca de soluções mais permanentes, o que levou o
Senado, em 1887, propor um projeto de reforma monetária, apenas entrando em vigor
no final de 1888. (pg. 36)

4. Política econômica nos anos 1890

Notou-se que a reforma monetária não estava gerando resultados, então foi
proposta a retomada da ideia do padrão-ouro como articulação da política econômica,
juntamente com o estabelecimento de auxílios à lavoura (forma de compensar os
antigos donos de escravos com a concessão de créditos). (pg. 36-37)

A crise monetária após 1888 não regrediu, as tentativas de reformas monetárias


não estavam tendo efeitos, a ausência de oferta de moedas que já assustava em 1887
tomou proporções inimagináveis em 1889. (pg. 38)

15
Com a crise do câmbio em 1891, as finanças públicas e os bancos ficaram
frágeis. O novo ministro da Fazenda, Rodrigues Alves, estabeleceu novos planos para
tentar evitar a ruína do sistema bancário, sem, entretanto, encontrar apoio do Congresso.
(pg. 40)

Esta opção não teria sido a melhor, o que levou a demissão deste ministro, e o
seu sucessor, Serzedelo Correia, entendeu por bem retomar a ideia de Ruy Barbosa,
antigo ministro da Fazenda, “por um grande estabelecimento bancário líder – destinado
a sanear a praça dos “excessos da especulação” –, formado a partir de grandes bancos
existentes em má situação” e também incentivar o apoio da “solidificação de empresas
industriais tidas como viáveis, ainda que constituídas no âmago do Encilhamento”. (pg.
41)

A crise se estendeu, entre altos e baixos, empréstimos internacionais, diminuição


nos preços do café, flutuação de câmbio, entre outras. Enfim, “um plano de
refinanciamento de pagamentos é finalmente acordado entre o governo brasileiro e a
Casa Rothschild, através do qual seria emitido o chamado funding loan”. (pg. 43)

A conclusão deste capítulo seria pelo êxito da política monetária conservadora,


por causa do controle deste da política econômica, desde que Prudente de Morais
assumiu a administração até a metade da década subsequente. “Os resultados deste
interlúdio teriam uma duradoura influência sobre a política econômica durante os anos
posteriores”. (pg. 44)

16
CAPÍTULO 3 - APOGEU E CRISE NA PRIMEIRA REPÚBLICA, 1900-1930

Winston Fritsch

Introdução

Esses 30 anos que serão tratados neste capítulo simbolizam o término de um


período marcado pelo ápice, o aumento das tensões e a consequente interrupção do
“modo de inserção da economia brasileira na economia mundial definido durante a Pax
Britannica” e também do “sistema de controle político consolidado a ferro e libras pelos
grupos hegemônicos da República durante o biênio Campos Salles-Rodrigues Alves.”
(pg. 45)

Esse período foi responsável por uma série de crises econômicas que
destrincharam a política, possibilitando uma reorganização das políticas econômicas
com a consequente recomposição do Estado apenas após 1930. (pg. 45)

Nas décadas de 1910 e 1920 ainda foram economicamente complicadas, com


crises que duraram muitos anos, gerando desestabilidade, e apesar de ter apreciado um
pequeno momento de estabilidade, em 1929 estourou uma crise internacional
aniquiladora. “O gigantesco desequilíbrio externo que se prolonga pelo início dos anos
1930 força a imposição de restrições cambiais e controles de importação mais ou menos
permanentes, acabando por causar profunda e duradoura ruptura da forma tradicional de
inserção do Brasil na economia mundial.” (pg. 45)

O encerramento da Primeira República apontou para a abertura de uma dupla


transição. As particularidades destas duas rupturas levaram ao molde de uma
perspectiva excessiva e reducionista da importância da produção de café na política
econômica. (pg. 46)

O presente capítulo tem como objetivo maior discorrer sobre as questões


elementares da “historiografia da política econômica da Primeira República”.
Entretanto, não tem como objetivo apenas “relatar a execução da política
macroeconômica antes de 1930 – com ênfase nas políticas monetária, fiscal, cambial e
de defesa dos preços internacionais do café –, mas também demonstrar que tanto a visão
tradicional quanto sua antítese idealista são interpretações incorretas e empobrecedoras
das motivações da política econômica no período.” (pg. 47)

17
5. Política econômica na Primeira República

Tendência ao desequilíbrio externo e o quadro institucional

O autor afirma que o maior problema da política econômica durante os anos


finais do século XIX foi em distanciar a economia dos desequilíbrios macroeconômicos
ocasionados pelas mudanças na posição do Brasil internacionalmente por motivos
estruturais. (pg. 48)

Durante a Presidência de Campos Sales, foi consolidado o conhecido como


“pacto oligárquico”, o qual corresponde a um “sistema de controle político e
centralização de poder”. Este pacto tinha como base a estabilidade no controle de
grupos predominantes nos estados maiores e ainda na influência das oligarquias dos
estados menores em razão da assistência do governo federal. (pg. 49)

Ciclos e crises da Primeira República

Os acontecimentos relacionados ao desempenho econômico e às políticas


econômicas do Brasil podem ser separados em momentos caracterizados pelas
mudanças na conduta da economia internacional: “a do longo ciclo de crescimento com
endividamento da década anterior a 1914, a do funcionamento anômalo da economia
mundial durante a Primeira Guerra Mundial, e a do choque, reconstrução e colapso dos
anos 1920”. (pg. 50)

A era de ouro, 1900-1913

Este período que antecedeu a Primeira Guerra Mundial marcou “um ciclo de
crescimento que, em termos de duração e extensão do progresso material, não teve
paralelo na memória daqueles que o testemunharam”. (pg. 50)

A melhora pode começar a ser sentida no ano de 1902-1906, denominado como


“milagre econômico”, o momento foi de aumento das exportações da borracha e de
investimentos europeus que permearam até praticamente o início da Guerra. (pg. 50)

Dois grandes problemas foram enfrentados durantes esses primeiros anos, um foi
o aumento da receita líquida de divisas o qual ocasionou uma considerável apreciação
cambial, fazendo com que fosse reiniciado a discussão sobre reforma monetária. Outra

18
questão foi a piora do mercado cafeeiro com o desequilíbrio deste em razão da
supersafra ocorrida em São Paulo no ano de 1906. (pg. 50-51)

Diante disso, o governo conseguiu com os bancos londrinos um empréstimo


capaz de “financiar a desova dos estoques de café em prazo mais longo e, portanto,
garantir a estabilidade de preços a curto prazo”. Esta atitude permitiu que nos mercados
internacionais de capital as condições de crédito fossem normalizadas em 1908 e
gerassem aceleração no crescimento, até o ano de 1913. (pg. 51)

Resumindo, com a utilização do padrão-ouro, a solidez monetária doméstica


passou a ser associada a conduta do balanço de pagamentos. “Por causa disso, até o
início da guerra em 1914, os acontecimentos exógenos que afetariam os mercados
internacionais do café e da borracha, e o fluxo de capital europeu de longo prazo, seriam
decisivos para a determinação do nível de atividade interna da economia”. (pg. 52)

Entre altos e baixos, o ano de 1913 chega como marco inicial de um momento
duradouro “crise de liquidez gerada pela operação do padrão-ouro após a reversão da
posição do balanço de pagamentos, que se estenderia até a eclosão da Guerra Mundial”.
Ainda assim, o padrão-ouro foi mantido pelo governo, o que gerou dificuldade na
política monetária e fez a economia entrar em recessão antes mesmo das oposições
Europeias. (pg. 53)

O impacto da Grande Guerra, 1914-1918

O começo da Segunda Guerra teve efeitos instantâneos sobre o comércio


internacional, impactando diretamente nos pagamentos externos, na indústria do café e
até na receita tributária. Algumas medidas emergenciais foram tomadas, o que ajudou a
alcançar um alívio temporário com relação à crise de liquidez e o governo teve como
arcar com suas despesas. (pg. 53)

Conforme se foi notando que a guerra duraria mais do que o esperado, as


medidas emergenciais foram se esvaindo e assim se tornaram insuficientes. “Os
primeiros passos, dados em meados de 1915, consistiram em tentar equacionar o
equilíbrio financeiro do setor público e reverter o substancial aperto de liquidez então
vigente”. (pg. 54)

Durante o período de recuperação econômica, mais especificamente no ano de


1916, as apreensões com relação a posição externa retornaram. A balança comercial

19
novamente passou a se desgastar e estavam previstos a volta dos pagamentos dos juros
relativos à dívida pública externa no ano seguinte. (pg. 55)

O ano de 1917 foi conflituoso, a Alemanha declarou boicote a qualquer tentativa


de importação para países declarados inimigos, o que fez com que o Brasil perdesse
dois navios. Entretanto, a situação foi resolvida posteriormente, e ao final “o Brasil
emergia da guerra sem nenhum dos problemas de excesso de oferta de café e equilíbrio
externo que haviam ocupado o centro das decisões de política econômica em seus
últimos dois anos”. (pg. 56)

Boom e recessão do pós-guerra, 1919-1922

A economia brasileira teve um desempenho, nesses três anos, diretamente


relacionado ao auge e a recessão os quais os principais países aliados experimentaram.
Houve um aumento dos preços do café, mas com efeitos favoráveis, inclusive
desencadeando crescimento da exportação brasileira. (pg. 57)

Esse boom não durou muito tempo, pois as políticas monetárias as quais foram
adotadas em razão das pressões inflacionárias ao final da guerra levaram a uma intensa
recessão no Reino Unido e nos Estados Unidos a partir de 1920. (pg. 57)

Tentativas de políticas cambiais para retomar a liquidez levaram “a aprovação de


projeto de lei autorizando pequena emissão de notas do Tesouro para alívio emergencial
de liquidez e a criação da Carteira de Redesconto do Banco do Brasil”. (pg. 58)

Nos anos seguintes, foram realizados empréstimos com a perspectiva de safra


em 1922. No final do ano de 1921 o país começou a se recuperar dado a uma
autorização do Congresso para o redesconto de títulos federais. A maneira de
financiamento desta oscilação fiscal teve resultados a médio prazo. “Por outro lado, a
necessidade de liquidar a dívida de curto prazo gerada em 1922 – parte substancial da
qual exercia efeito paralisador sobre a capacidade operacional do Banco do Brasil –,
motivaria a adoção imediata de grande austeridade na condução da política fiscal”. (pg.
60)

Recuperação, desequilíbrio externo e ajuste recessivo: 1922-1926

20
Neste período de quatro anos, o país passaria por uma recuperação econômica,
durante o governo de Epitácio Pessoa. No ano de 1922, o preço do café voltou a subir,
as exportações estavam aumentando e o déficit comercial se revertendo. (pg. 60)

O novo presidente, Artur Bernardes, herdou o país em meio a sérios problemas,


o que o fez instituir um programa, o qual possuía como ponto inicial “a realização de
uma reforma monetária que transformasse o Banco do Brasil em banco central,
retirando do Tesouro os poderes de emissão de moeda”. (pg. 61)

Este programa contemplava resoluções drásticas de vários problemas, entretanto,


alguns dessas medidas eram a longo prazo, por isso, seriam necessárias algumas
medidas instantâneas. “Os primeiros meses do governo Bernardes, entretanto, seriam
marcados por uma conduta cautelosa na condução da política monetária, coerente com
sua meta prioritária de apreciação cambial que pressupunha corrigir a vulnerabilidade
da posição externa”. (pg. 61-62)

A partir da metade do ano de 1923, o país começou a perder o controle sobre as


políticas monetárias e em razão da preocupação com uma nova crise cambial, foi-se
cogitado um empréstimo para estabilizar a situação. Nesses termos, foram realizadas
inúmeras tentativas de ter o referido empréstimo com os britânicos, ao mesmo tempo o
país sofria com revoltar militares no ano de 1924. (pg. 63)

Em contrapartida, o preço do café, no ano de 1924, teve recuperação em razão


do programa de valorização criado pelo governo. A indústria que vinha se recuperando
desde 1922, paralisou nos anos de 1925 e 1926. Esses anos em que o Brasil recuperou a
sua posição externa durante o governo de Bernardes, terão grande impacto nos anos
seguintes para fins de reabilitação dos fluxos de comércio. (pg. 64-65)

O boom e a Depressão após o retorno ao padrão-ouro: 1927-1930

A transição presidencial de Bernardes para Washington Luís ocasionou uma


mudança radical nas políticas cambial e monetária. Essa alteração foi realizada dado a
fragilidade em que o país se encontrava diante de sua posição externa. (pg. 65)

Assim que assumiu o governo, o novo presidente tentou retomar o projeto de


retomar o padrão-ouro com taxa de 6 pense, ou seja, 23% abaixo da média dos meses de
julho-setembro, o que refletiria a média dos anos de 1921-1926. (pg. 65)

21
Em 1926 iniciou-se uma tendência a investimentos estrangeiros, vinha
concomitantemente com a solidificação financeira da valorização paulistana e com uma
nova política cambial e monetária. “A exuberante recuperação de 1927-1928
sustentava-se, entretanto, em bases frágeis, já que dependia crucialmente da manutenção
das condições econômicas internacionais extremamente favoráveis verificadas desde
1926”. (pg. 66)

Em 1929, portanto, a economia brasileira viu-se em crise novamente, houve uma


supersafra de café a qual provocou a decadência do sistema no final do ano. A situação
foi agravada também em razão de as condições de crédito com Londres terem impedido
um financiamento externo. (pg. 68)

Ao final desse período, o padrão-ouro se demonstrou frágil e foi precursor de um


colapso nunca antes visto, “o governo federal se tenha agarrado teimosamente à
manutenção do padrão no pressuposto otimista de que seria possível obter um grande
empréstimo de estabilização a curto prazo”. (pg. 70)

6. Uma reinterpretação da historiografia tradicional

Os acontecimentos citados trazem a possibilidade de reavaliar as críticas das


interpretações habituais sobre a forma que a política econômica fora conduzida durante
a Primeira República. (pg. 70)

Existe um entendimento tradicional, por exemplo, de que as políticas


econômicas adotadas nos anos precedentes a 1930 seriam exclusivamente em razão do
favorecimento dos interesses corporativos da indústria cafeeira, o que não é verídico,
como se pode observar nas crises de 1906 e 1929. (pg. 71)

A saber, as maiores crises cambiais, ocorridas nos anos de 1890-1892 e 1920-


1922, se deram em seguida de uma enorme ausência de estabilidade econômica e um
imenso desequilíbrio externo. (pg. 73)

O autor apresenta inúmeros argumentos os quais podem levar a entender o quão


equivocado é a conclusão de que as predisposições para depreciar os mil-réis durante a
Primeira República foram intencionais. “A queda secular do mil-réis entre 1989 e 1930
é totalmente explicada pelos dois grandes colapsos cambiais do início da última década
do século XIX e do início dos anos 1920, que resultaram de severos choques externos
cujos efeitos sobre o valor externo do mil-réis o governo federal não conseguiu evitar”.

22
Além do mais, afirmar que o padrão-ouro foi adotado ocasionalmente com a simples
intenção de vantagens dos setores da cafeicultura é igualmente equivocada. (pg. 74)

7. Conclusões

Após as explanações deste capítulo, é possível se concluir de três formas.


Primeiramente, não pode ser levada em conta a visão tradicional da política econômica
adotada durante a Primeira República no sentido de que era apenas em privilégio da
indústria cafeeira. (pg. 75)

Em seguida, as conclusões relacionadas aos mecanismos de operação das


relações econômicas internacionais, nos dois sentidos, tanto sob taxas de câmbio
flutuantes, quanto sob o padrão-ouro. (pg. 75)

A última conclusão seria no que diz respeito à política econômica e o estilo das
políticas econômicas que teve início a partir de 1930, com uma intervenção do governo
maior nos acordos internacionais. (pg. 76)

“É certamente lícito inferir-se que os governos do regime anterior a 1930


fracassaram fundamentalmente ao não promover as mudanças estruturais necessárias
para dar maior estabilidade macroeconômica ao país, tal como maior diversificação das
exportações, uma base fiscal menos vulnerável a choques externos e assim por diante”.
(pg. 76)

Os desequilíbrios externos fizeram com que o Brasil conseguisse criar condições


internas para manter sua estabilidade na economia. Conclui-se, portanto, que as
modificações nas relações internacionais são fatos viáveis de explicar as adoções de
políticas econômicas e as mudanças nas estruturas após o período da Primeira
República. (pg. 77)

CAPÍTULO 4 - CRISE, CRESCIMENTO E MODERNIZAÇÃO AUTORITÁRIA,


1930-1945

Marcelo de Paiva Abreu

O presente capítulo tratará sobre a elaboração e efetivação da política econômica


durante o período de 1930 a 1945. A repercussão da “grande depressão” na economia
mundial ocasionou a redução da importância dos fluxos financeiros e comerciais
externos. (pg. 79)

23
1. Superação da crise e política econômica do Governo Provisório, 1930-1934

O conflito externo no tocante à economia do Brasil interferiu diretamente nos


pagamentos, especialmente no que tange à baixa dos preços de exportação, as quais não
alcançaram a compensação mesmo com o aumento da quantidade de produtos
exportados e pela suspensão do “influxo de capitais estrangeiros”. (pg. 80)

No ano de 1930, o Brasil tinha inúmeras dívidas com empréstimos


internacionais, cerca de 65% correspondia à dívida britânica e 30% à dívida com os
estadunidenses. “Os empréstimos norte-americanos eram menos sólidos (mais
importantes na área estadual e municipal) e mais onerosos, em vista de terem sido
negociados na década de 1920, quando as taxas de juros eram mais elevadas do que no
período pré-1914”. (pg. 81)

Dos anos 1930 a 1936 o Brasil passou por algumas dificuldades, grande parte
delas relacionadas a economia internacional e também à crise cambial experimentada
pelo país. Durante esse período houve redução de capital de algumas empresas, outras
chegaram a falir, algumas foram nacionalizadas e até mesmo transferidas dos europeus
para os norte-americanos. (pg. 82)

Em 1933 houve um reajuste econômico o que fez com que a situação financeira
do café melhorasse, inclusive as dívidas dos produtores tiveram redução de 50% e
renegociadas por um prazo de 10 anos. (pg. 84)

No ano de 1930 o padrão-ouro foi posto de lado o provocou o rompimento do


vínculo entre o choque externo e o estreitamento monetário. Contudo, a base monetária
só veio se recuperar da queda a partir de 1931, depois de o Ministro da Fazenda,
Whitaker, sair do posto. (pg. 85)

“Após cair 9% entre 1928 e 1930, e permanecer praticamente estagnado em


1931-1932, o produto industrial cresceu 10% ao ano entre 1932 e 1939. A participação
das importações na oferta total (a preços de 1939) caiu de 45% em 1928 para 25% em
1931 e 20% em 1939”. Esses dados nos levam a perceber que o comportamento da
indústria não era exclusivamente dependente do café. (pg. 86)

2. Boom econômico e interregno democrático, 1934-1937

24
O câmbio não teve melhora, nem com a atenuação do balanço de pagamentos
relacionado com o “descongelamento de atrasados cambiais”. Em 1934 as pressões dos
norte-americanos ficaram mais fortes a fim de que o país realizasse uma mudança no
regime cambial. (pg. 86-87)

A partir do início de 1935, apesar de a taxa de câmbio de importação ter se


mantido estável até o ano de 1937, a de exportação teve variações consideráveis. Em
razão disso, o Conselho Federal de Comércio Exterior chegou a autorizar situações de
isenção parcial ou total das taxas de câmbio. Essa atitude gerou o aumento em 19% do
valor das exportações entre o período de 1935 a 1936. (pg. 87-88)

Apesar de inúmeras dificuldades com o balanço de pagamento, a economia


manteve o crescimento de 8% ao ano durante 1934 a 1937. “Entre 1919 e 1939, a
despeito de o produto industrial haver triplicado, a participação dos gêneros industriais
produtores de bens de consumo no valor agregado industrial caiu apenas de 80% para
70% (Fishlow, 1972)”. (pg. 88-89)

Em 1934 houve uma reforma tributária e em 1935 o Brasil assinou um tratado


com os Estados Unidos, a fim de impedir danos consideráveis à “produção industrial
doméstica”. Esse acordo ocasionou para o Brasil a mais importante negociação
comercial da década de 1930. (pg. 89)

O Brasil vinha sofrendo pressões dos norte-americanos, mas no ano de 1934,


contrariando as ideias de seu aliado, consolidou um acordo comercial com a Alemanha
para intercâmbio de mercadorias. Em razão deste acordo as vendas de algodão e café
para a Alemanha aumentaram significativamente. (pg. 91)

Neste ano ainda o Brasil enfrentava dificuldades com o preço do café, que teve
diminuição, inclusive em razão da queda nas exportações com os Estados Unidos,
entretanto, as exportações para a Alemanha e Reino Unido continuaram a crescer e até
para o Japão ganhou importância. (pg. 92)

Os Estados Unidos mantiveram sua posição como exportador, tendo uma


participação de cerca de 23-25%, já a Alemanha e o Reino Unido trocaram de posição,
enquanto a Alemanha aumentava sua parcela o Reino Unido diminuía. Pode-se afirmar
que houve uma substituição dos produtos, sendo que os britânicos tiveram sua
participação reduzida de 19% para 11% e os alemães aumentaram de 12% para 20%.
(pg. 92-93)

25
3. Estado Novo e economia de guerra, 1937-1945

A chegada do Estado Novo em 1937 fez com que algumas tendências


amadurecessem. Novas agências do governo foram criadas a fim de que o poder central
fosse fortalecido para que a área econômica conseguisse alcançar seus objetivos
reguladores. (pg. 93)

Ainda naquele ano, houve a adesão de um “monopólio cambial do governo”, o


qual teve como justificativa a escassez de divisas, responsável principal pelo aumento
das importações. (pg. 93)

As relações com os Estados Unidos permitiram a criação de uma missão


promovida por Aranha. Esta tinha como tópicos, dentre outros, “questões relacionadas à
defesa nacional, às relações comerciais, à dívida pública externa e ao tratamento
recebido pelos investimentos diretos norte-americanos no Brasil a serem discutidos com
o Departamento de Estado – e assuntos ligados à política cambial, criação de banco
central e planos de desenvolvimento de longo prazo na órbita do Tesouro norte-
americano”. (pg. 94)

Os compromissos foram respeitados, entretanto, esta missão foi uma tentativa de


reaproximação do Brasil com os Estados Unidos, em detrimento da Alemanha. (pg. 95)

A início da guerra não foi inteiramente favorável as exportações brasileiras,


contudo, durante os anos de 1941-1942 os Estados Unidos e o Reino Unido tiveram
uma diminuição em suas exportações em razão da guerra, o que fez com que o Brasil
assumisse o posto de suprir essa falha. (pg. 95)

“As dificuldades relativas à obtenção de importações resultaram em efeitos


contraditórios sobre o desempenho da economia. Por um lado, a produção de
determinados bens podia desenvolver-se sem a alternativa de suprimento externo; por
outro, o crescimento industrial era limitado pela dificuldade de obtenção de insumos
essenciais e de bens de capital que possibilitassem a ampliação da capacidade”. (pg. 96)

As limitações do comércio do Brasil ocasionaram uma subordinação do Brasil


aos Estados Unidos, tanto com relação as importações, como das exportações. O Brasil
ainda ficou condicionado com relação aos preços do café, que independentemente da
pressão realizada ainda teve de se sujeitar aos Estados Unidos. (pg. 97)

26
A relação brasileira com os britânicos durante o período da Segunda Guerra se
baseou principalmente no fato de ambos estarem preocupados em: “minimizar o custo
imediato das importações necessárias ao esforço de guerra numa conjuntura de notável
escassez de reservas de moeda conversíveis, especialmente dólares”. (pg. 98)

Durante o governo Vargas, especialmente no ano de 1937, havia uma


preocupação em investir em transporte e nas forças armadas, mais do que quitar a dívida
externa. Em razão deste fato, o Brasil naquele ano pagou menos do que presumidamente
teria condições, ao contrário do ocorrido no ano de 1930, o qual o país arcou com muito
mais do que poderia. (pg.100)

A dívida pública foi negociada por duas vezes durante o período da guerra. A
primeira vez no ano de 1940 e a segunda, de forma definitiva no ano de 1943. (pg.100-
101)

“Ao período de guerra correspondeu a estagnação do total de capitais


estrangeiros privados investidos no Brasil (algo inferior a US$700 milhões), ocorrendo
um aumento das inversões norte-americanas, especialmente a partir de 1943 (em
atividades manufatureiras) e redução das inversões europeias”. Com a guerra se
encaminhando para o final, o Brasil começou a se sentir incomodado com as relações
com os Estados Unidos e tentou usar o Reino Unido como sobrecarga, uma vez que
aquele país se demonstrava cada vez mais hostil. (pg.102)

Os Estados Unidos se demonstravam insatisfeitos com países que não tinham


representantes eleitos de forma democrática. No ano de 1945 Vargas foi deposto e
houve uma mudança nas políticas norte-americanas com relação ao Brasil. Após essa
fase, iniciou-se um ciclo de supremacia política e econômica das preferências norte-
americanas no Brasil. (pg.103)

CAPÍTULO 5 - POLÍTICA ECONÔMICA EXTERNA E INDUSTRIALIZAÇÃO,


1946-1951

Sérgio Besserman Vianna

1. Introdução

O presente capítulo tem como escopo a política econômica do período em


seguida ao final da Segunda Guerra. O governo Dutra teve dois marcos em sua política

27
econômica. Primeiramente, houve uma mudança na “política de comércio exterior, com
o fim do mercado livre de câmbio e a adoção do sistema de contingenciamento às
importações”. O segundo marco foi a saída de Correa e Castro, ministro da Fazenda, na
metade de 1949, “indicando a passagem de uma política econômica contracionista e
tipicamente ortodoxa para outra, com maior flexibilidade nas metas fiscais e
monetárias”. (pg.105)

Os Estados Unidos foram a única nação que saiu bem financeiramente da última
guerra e era o único em condições de fornecer os suprimentos e bens que o restante do
mundo necessitava. Como resultado, o mundo sofreu um desequilíbrio no que concerne
ao dólar e ao ouro, passando inclusive por um período de escassez do primeiro. (pg.106)

Em 1950 foi criada a União Europeia de Pagamentos, a qual existiu apenas até o
ano de 1958, após inúmeras discriminações que os Estados Unidos vinham sofrendo
sem responder com retaliação. (pg.107)

2. Políticas cambial e de comércio exterior

Tais políticas devem ser analisadas conforme as divisas. Os preços no Brasil


variaram bastante, chegaram a dobrar em relação aos Estados Unidos nos anos de 1937
e 1945, o que demonstrava o sobre valor da taxa cambial. (pg.107)

Dentre os objetivos dessas políticas “atender à demanda contida de matérias-


primas e de bens de capital para reequipamento da indústria, desgastada durante a
guerra” e que “a liberalização das importações de bens de consumo (também objeto de
forte demanda reprimida) forçasse a baixa dos preços industriais através do aumento da
oferta de produtos importados pelo câmbio sobrevalorizado” estavam entre os
principais. (pg.108)

Com o final da guerra a importação e a exportação brasileira também foi afetada,


os mercados com os fornecedores anteriores retornaram e a economia iniciou sua
recuperação. O Brasil estava decidido a manter a taxa de cambio fixa a fim de que esta
pudesse ser revalorizada. (pg.109)

O déficit brasileiro conseguiu ter sua redução muito em razão de as importações


as quais originavam das moedas conversíveis continuaram a declinar. Além disto, houve
também a diminuição dos preços de importação. Esses fatores acabaram por ocasionar o
aumento, com a consequente recuperação, dos preços do café. (pg.110)

28
“As importações permaneceram sob o sistema de controle e extremamente
comprimidas. Há indicações de que, em 1949, começou a surgir novo posicionamento
frente à questão das importações: o sistema de licenças prévias passava a ser encarado
conscientemente como instrumento de promoção de substituição de importações, como
se discutirá adiante”. (pg.112)

Os preços elevados do café juntamente com a demanda alta de importação,


levaram a maior capacidade do Brasil como importador o que fez com que Dutra
liberasse a concessão de licença para importar na segunda metade de 1950. (pg.112)

3. Substituição de importações e crescimento industrial

Em 1947 foi estabelecido um mecanismo de controle exclusivamente com o


objetivo de combater o desequilíbrio externo, a fim de que a moeda estrangeira fosse
melhor utilizada e ainda de forma racional, contudo, esse mecanismo acabou por ser
muito importante para a indústria após a guerra. (pg.112)

Em razão da “combinação de taxa de câmbio sobrevalorizada” notam-se três


consequências: “efeito subsídio, associado a preços relativos artificialmente mais
baratos para bens de capital, matérias-primas e combustíveis importados; efeito
protecionista, através das restrições à importação de bens competitivos e efeito
lucratividade, resultante do fato de que a taxa de câmbio sobrevalorizada tendeu a
alterar a estrutura das rentabilidades relativas, no sentido de estimular a produção para o
mercado doméstico em comparação com a produção para exportação”. (pg.113)

No período do governo Dutra, houve a tentativa de estabelecer o Plano Salte, o


qual apresentou inúmeras dificuldades em razão da ausência de definições das maneiras
de financiamento. Sua implantação ocorreu em 1950 e no ano seguinte já não estava
mais sendo utilizado. (pg.114)

4. Relações internacionais e movimento de capitais

Durante o governo de Dutra, o presidente investiu no desenvolvimento de


projetos internos com o objetivo de obter apoio dos Estados Unidos, entretanto, este já
estava focado em outros países, mais especificamente na Europa. (pg.114)

Foi definida então uma política em 1948, estabelecendo no que o Brasil deveria
se preocupar para poder atrair capitais internacionais, consistindo em três situações: “a

29
reorientação dos capitais formados internamente, o aumento médio de produtividade e o
afluxo de capitais estrangeiros”. (pg.115)

Foi então que em 1949, com o discurso do novo presidente dos Estados Unidos,
que uma ponta de esperança apareceu, ao dizer que o país passaria a se comprometer em
levar conhecimento para as partes menos desenvolvidas do mundo, ato conhecido como
“Act of lnternational Development”. (pg.116)

5. Política econômica interna

Durante o período de Dutra como presidente, a política econômica foi bastante


severa, a inflação chegou a alcançar níveis de 14,9%e 20,6% e tornou-se o maior
problema da política monetária a ser combatido. (pg.116)

Os primeiros anos de governo foram complicados, no mandato de Gastão


Vidigal como ministro da Fazenda houve um déficit nas contas públicas em razão dos
salários dos funcionários públicos. No final do ano de 1946 Correa e Castro voltou a ser
ministro da Fazenda e implantou políticas mais rigorosas, alcançando um superávit em
1947, após muitos anos. (pg.116)

Por fim, conclui-se que o governo Dutra teve características de crescimento


interno, ausência de equilíbrio financeiro, e externamente houve aumento das
expectativas de financiamento dos programas de desenvolvimento pelo governo dos
Estados Unidos. (pg.119)

CAPÍTULO 6 - DUAS TENTATIVAS DE ESTABILIZAÇÃO, 1951-1954

Sérgio Besserman Vianna

1. Introdução

No período de governo do presidente Vargas, a política econômica foi


caracterizada como uma opção ao capitalismo, uma vez que fora “apresentada como
resultado seja de uma estratégia abrangente e bem definida de desenvolvimento
econômico”. (pg.121)

A ideia do governo era separar em dois momentos: primeiramente “haveria a


estabilização da economia, o que, na visão ortodoxa das autoridades econômicas de
então, consistia fundamentalmente em equilibrar as finanças públicas de modo a

30
permitir a adoção de uma política monetária restritiva, e dessa forma, acabar com a
inflação”, em seguida viriam “empreendimentos e realizações”. (pg.121)

Com a vitória de Vargas nas eleições de 1950, os Estados Unidos demonstraram


maior vontade em auxiliar financeiramente os programas de desenvolvimento. Ainda
em 1950 foi criada a Comissão Mista Brasil-Estados Unidos - CMBEU, como
demonstração dessa disponibilidade e foi essencial para o sucesso do segundo momento
das ideias do governo. (pg.122)

2. Rumo ao colapso cambial, 1951-1952

A política econômica externa

No início do governo as expectativas de melhora na economia eram promissoras,


as relações com os Estados Unidos estavam indo bem, o preço do café vinha
aumentando desde meados de 1949. (pg.122)

O combate à inflação tinha uma importância na rigidez da época imputado ao


aumento das importações. “A inflação era explicada pela expansão dos meios de
pagamento que, no caso brasileiro, chocava-se com uma oferta relativamente inelástica
no mercado interno agravada pela escassez de oferta de bens de produção que tornava a
melhoria de produtividade dependente de importações”. (pg.123)

Em 1952 o país enfrentou uma crise cambial que teve início com a falta de
controle do comércio internacional em razão da discrepância presente entre “a
concessão de licenças e a efetivação das importações”. (pg.125)

A política econômica doméstica e o desempenho da economia

Foi-se então definido o planejamento econômico do governo, com a concessão


do controle para os encarregados a pensar sobretudo de forma mais rígida. (pg.125)

No setor público, as despesas tiveram redução, os custos com investimento


foram restringidos, por outro lado, a receita teve aumento, muito por causa do
desenvolvimento da economia, mas também em razão da inflação e principalmente da
melhora na forma de arrecadar e pela expansão das importações. (pg.126)

A economia teve um bom desempenho, o PIB aumentou de 4,9% para 7,3% nos
anos de 1951 e 1952. O setor que mais cresceu foi o de serviços, muito em razão da

31
impulsão ocasionada pelas importações. Os dados mais importantes deste período estão
relacionados com os investimentos realizados por causa das importações com taxa de
câmbio sobrestimada. (pg.127)

3. A transição para o novo ministério

Ao entrar no ano de 1953, o país sofria com uma crise cambial posto que o
retardamento comercial estava avaliado em cerca de 600 milhões de dólares e a inflação
ainda não tinha sido reduzida. O projeto de reorganizar o cenário econômico-financeiro
para iniciar o momento de empreender não estava dando certo. (pg.127)

Relações econômicas internacionais

As crises sofridas pelo Brasil por volta dos anos de 1952 ocasionaram grandes
atrasos comerciais, os quais levaram o Banco Mundial a resolver intervir na situação
promovendo opções. O Brasil então sofreu de duas formas: primeiramente, o país
permitiu que o Banco Mundial intervisse coercitivamente para que o Eximbank
praticasse exigências rígidas no tocante ao empréstimo de dólares. Seguinte a isso, foi
determinada a extinção da CMBEU e como consequência o encerramento dos
financiamentos para os projetos apresentados. (pg.129)

Conjuntura econômica e evolução do quadro social e político

No ano de 1953, entra como destaque o empréstimo que o Brasil realizou com o
Eximbank, no valor de 300 milhões de reais, com prazo para amortização de apenas três
anos e com taxa anual de juros de 3,5%. (pg.130)

Neste mesmo ano foi promulgada a Lei do Mercado Livre, Lei nº 1.807, a qual
tinha como um dos principais objetivos o aumento nas exportações, sendo que o mesmo
não fora atingido, pois teve seu percentual diminuído em 11% com relação ao ano
anterior. (pg.131)

O país ainda passava por inúmeros problemas internos, como, por exemplo,
quando eclodiu a greve geral dos trabalhadores. O atual presidente, Vargas, havia
realizado um acordo de melhorar a distribuição de renda e a qualidade de vida, mas
como não ocorreu a greve emergiu. Além disso, Jânio Quadros vencia as eleições como
prefeito de São Paulo o que debilitava a base aliada do governo presidencial. (pg.132)

32
4. A nova tentativa de estabilização

O programa Aranha e os resultados de 1953

Aranha assume o Ministério da Fazenda com novas ideias, esperançoso que


poderia estabilizar a economia com métodos ortodoxos. Os objetivos ainda não haviam
sido estabelecidos, mas sabia-se quais eram os problemas principais: “a situação
cambial e o financiamento do déficit público sem emissão de moeda e expansão do
crédito”. (pg.133)

Ao promulgar a Instrução 70 o governo tentou abarcar esses dois problemas em


uma mesma resolução. Diante dos resultados desta instrução, pode-se dizer que estes
foram favoráveis, a exportação estava se recuperando, as importações não caíram e a
receita foi elevada. (pg.135)

Os dados mais relevantes do ano de 1953 foram que a inflação aumentou de


12% para 20,8%, a economia não teve crescimento tão baixo, apenas 4,7% menor do
que os anos precedentes, a indústria teve crescimento de 9,3%, o PIB de 0,2%. (pg.137)

Novas dificuldades: café e salários

As expectativas para o ano de 1954 eram positivas, esperava-se um crescimento


da economia, a confiança também estava sendo depositava na safra do café e na
renegociação da dívida com o Eximbank. (pg.138)

Neste ano ocorreu um problema, o salário-mínimo teve aumento de 100%, o que


provocou muita tensão política e polêmica. Além disso, o país estava tendo problemas
com o café, pois houve uma geada nos principais estados produtores, o que prejudicou
em cerca de 3 milhões de sacas. (pg.139)

Ao final do mandato de Aranha, seus objetivos estavam demasiadamente


danificados o que comprometia a estabilização econômica, não só em razão dos
problemas com o café, como visto, mas também em razão do aumento do salário-
mínimo realizado contra a sua vontade, pelo presidente. (pg.140)

5. A última crise

33
A crise de 1954 que antecedeu o golpe, o qual derrubou Vargas, foi um dos
motivos de enfraquecimento do governo o que possibilitou o presidente se isolar
politicamente e criou os requisitos para o golpe ser promissor. (pg.141)

Após o golpe, várias nuances históricas e políticas desabrocharam, inclusive


movimentos anti-golpes, mas talvez a mais importante foi a impulsão que a bancada
centro-esquerda (PSD-PTB) teve para posteriormente eleger Juscelino Kubitschek.
(pg.141)

CAPÍTULO 7 - O INTERREGNO CAFÉ FILHO, 1954-1955

Demosthenes Madureira de Pinho Neto

1. Introdução

Período relativo ao intervalo entre o suicídio de Vargas e a posse de Juscelino


Kubitschek. (pg.143)

2. A gestão Gudin

Café Filho assumiu a presidência com o suicídio de Vargas e nomeou Eugênio


Gudin para ministro da Fazenda, este veio estabelecendo medidas seriamente ortodoxas
com relação às políticas econômicas, mas principalmente as atitudes contra a inflação.
(pg.143)

A conjuntura econômica externa

O Brasil passava por uma crise com os preços do café e a diminuição nas
exportações até o meio do ano de 1954. Em razão disto, Gudin fez tratativas com o
Fundo Monetário Internacional para renovar o empréstimo realizado por Aranha.
(pg.144)

Em 1955 foi promulgada a Instrução 113 da SUMOC, sendo que a partir daquele
momento a Carteira de Comércio Exterior do Banco do Brasil (CACEX) tinha
autorização para licenças para importar sem cobertura cambial “equipamentos
destinados à complementação dos conjuntos já existentes no país e classificados nas três
primeiras categorias de importação”. (pg.146)

34
Essas atitudes tinham como objetivos principais a reforma financeira e
econômica interna, mas pode-se dizer que não existiu “qualquer “ruptura”, no que tange
ao tratamento concedido ao capital estrangeiro, que tenha sido introduzida pela
instrução, já que o governo Vargas, apesar da retórica nacionalista, vinha
progressivamente liberalizando a legislação aplicável aos fluxos de capitais privados”.
(pg.147)

A política de estabilização doméstica

O mandato de Gudin tinha como objetivos principais “austeridade fiscal e


contração monetário-creditícia”, uma vez que foram observados a expansão monetária e
o déficit público, ambos em razão da inflação. (pg.147)

Gudin tinha a intenção de iniciar um programa fiscal severo, combinado com a


diminuição das despesas públicas e o desenvolvimento da receita orçamentária. (pg.147)

Em razão deste programa, as contrações da expansão do crédito prejudicaram a


liquidez que experimentou uma crise ao final de 1954. Mas foi o denominado “confisco
cambial” que desencadeou o processo político que levou a troca de Gudin. (pg.149)

3. A administração Whitaker

A primeira medida de Whitaker foi de acabar com o “confisco cambial”, pois


considerava absolutamente ilegal, injusto e contrário à Carta Magna. Esta fase inicial foi
de não contenção, pelo menos no que diz respeito ao auxílio às classes produtoras.
(pg.149)

A condução da política econômica

Logo em seguida a assumir seu posto, Whitaker experimentou sua primeira


crise, a bancária, no ano de 1955, que chegou até ocasionar uma paralisação na
atividade da indústria e do comércio. (pg.150)

O novo ministro tentava de várias formas retomar a economia, diante disto


entendeu por suspender temporariamente as aquisições de café, até que os concorrentes
entendam os esforços que o Brasil fez para reter estoque. (pg.150)

“Whitaker, na verdade, parecia preocupar-se mais com a renda em cruzeiros da


lavoura do que com a receita de divisas do país. De fato, a política cafeeira do ministro

35
só era inteligível à luz dos objetivos maiores, encarnados pela reforma cambial com a
qual visava restituir à cafeicultura o que o governo apropriava-se por meio do chamado
‘confisco’”. (pg.151)

A reforma cambial

Durante muito tempo o Brasil vinha tendo atitudes cambiais opostas às


recomendações das entidades internacionais, especialmente do FMI. Gudin vinha
adiando a centralização das taxas cambiais “ações, decorrente do regime de taxas
múltiplas, era indispensável à sua política de estabilização interna”. (pg.151)

Foi então que o presidente estabeleceu os termos de uma reforma, tendo como
principais condições as seguintes: “a consolidação a longo prazo dos vultosos
compromissos externos de curto prazo; a obtenção de um stand by credit, a ser utilizado
para evitar flutuações demasiado violentas no mercado livre; e, finalmente, a
reformulação do sistema tarifário brasileiro para garantir relativa proteção às indústrias
após a eliminação dos ágios cambiais”. (pg.152)

Ao final do governo do presidente Correa, o ministro da Fazenda foi substituído,


sendo que o novo ministro, Mário Câmara, iria tentar manter a política monetária
ortodoxa que estava sendo buscada. Contudo, restavam apenas mais três meses de
governo presidencial e não havia muito mais a ser feito com relação a política
econômica. (pg.154)

4. Considerações gerais

O governo de Café Filho foi pequeno e não há muitos dados para se analisar.
Mas pode-se dizer que o PIB e a indústria tiveram crescimentos, apesar de ter sido
evidenciada uma constrição dos investimentos no ano de 1955. “No quadro político do
pós-guerra, o governo Café Filho pode ser considerado um efêmero triunfo do
“golpismo” udenista. Mais do que um ensaio, tratava-se de um anúncio de 1964”.
(pg.154-156)

CAPÍTULO 8 - DEMOCRACIA COM DESENVOLVIMENTO, 1956-1961

Luiz Orenstein e Antonio Claudio Sochaczewski

Introdução

36
No período em que Kubitschek governou, o setor público teve bastante apoio
com políticas evidentes de desenvolvimento. As vantagens foram alcançadas tanto para
o setor privado quando para o público. “A economia cresceu a taxas aceleradas, com
razoável estabilidade de preços e em um ambiente político aberto e democrático”.
(pg.157)

1. A política cambial

A política cambial foi praticamente a única política econômica que o setor


público tinha a época. A economia do país evoluiu de forma significativa na década de
1950 e 1960, em razão das estratégias operacionais adotadas pelos gestores econômicos.
(pg.157)

A movimentação dos capitais autônomos teve alta a partir do ano de 1955, logo
após ter passado por uma crise e atingido seu mínimo no ano anterior. A reforma que
estava sendo aplicada fez com que reduzisse as categorias de tarifas apenas para a
Especial e a Geral. (pg.159)

No ano de 1957 houve outra reforma, esta, por sua vez, aprofundou a
modificação do processo de importação, pois a indústria estava alcançando cada vez
mais etapas avançadas. (pg.160)

2. As políticas de desenvolvimento

As políticas cambiais talvez possam ser entendidas como as mais importantes


para o setor público naquele momento, e as demais políticas são vistas como políticas
de desenvolvimento. Entretanto, as políticas não estavam sendo direcionadas por um
planejamento específico, mas todas tinham como objetivo o desenvolvimento. (pg.161)

No final do ano de 1956 foi instituído o Plano de Metas, este tinha metas para
cinco anos e seus objetivos priorizavam as seguintes áreas: alimentação, indústria de
base, energia, educação e transporte. Além de construir uma nova capital para o país.
(pg.162)

Os planos contínuos com tentativa de estabilizar serviram apenas como maneiras


de diminuir a inflação para níveis aceitáveis de forma a não abandonar a evolução até se
estabilizar. (pg.166)

3. O papel do setor público

37
Os planos que foram implementados estavam passando a responsabilidade de
coordenar as obras de infraestrutura para o setor público de forma a anular os
impedimentos aos processos de industrialização. (pg.166)

Os maiores investimentos do período foram na indústria, principalmente na


produção mineral e química, no qual estavam inclusas a “produção e refino de petróleo
e a extração de minério de ferro”. (pg.168)

4. As políticas fiscal e monetária

A importância das políticas fiscais e monetárias foram relativizadas em razão da


maior ênfase no plano de desenvolvimento. “A política econômica, em especial a de
moeda e crédito, era gerenciada pela SUMOC, pelo Banco do Brasil e pelo Tesouro”.
(pg.170)

O Banco do Brasil vinha se expandindo, tanto com relação a moeda escritural


quanto com o papel-moeda. “Na verdade, as três atribuições do Banco do Brasil
combinavam-se funcionalmente e implicavam a crescente operação daquele
estabelecimento”. (pg.170)

As contribuições com as empresas de transporte da União correspondiam a


parcela mais importante de despesa do Tesouro, apesar de o governo ser reservado com
relação a liberação de tarifas para este fim, em razão de estar preocupado com o peso
que isso traria para a inflação e o custo de vida. (pg.172)

No ano de 1958 houve uma movimentação política a fim de que fosse aprovado
o Programa de Estabilização Monetária (PEM), o qual deveria se aprimorar em duas
fases. (pg.174)

“Na primeira, fase de transição e reajustamento, que se estenderia até fins de


1959, procurar-se-ia reduzir drasticamente o ritmo da elevação dos preços através de
duas metas: uma, econômica, que se traduziria na correção das distorções criadas pela
inflação, na distribuição da renda, na orientação dos investimentos e nos preços do setor
externo da economia; outra, social, de se proteger o salário real ao invés dos reajustes
constantes dos salários nominais. Na segunda etapa, fase de estabilização, procurar-se-
ia, a partir de 1960, limitar a expansão de meios de pagamentos no necessário para o
ritmo de crescimento do produto real, com vista a assegurar um grau razoável de

38
estabilidade nos preços internos e reequilíbrio no balanço de pagamentos (PEM, 1958,
p. 11-12)”. (pg.174)

No final das contas, Kubitschek entendeu por continuar seu governo de forma a
procurar o desenvolvimento sem desprezar as políticas de controle monetário. Seu
governo foi marcado por características contensivas e nos últimos anos passou a ser
bastante instável, o que provocou repercussões na política econômica brasileira.
(pg.177)

CAPÍTULO 9 - INFLAÇÃO, ESTAGNAÇÃO E RUPTURA, 1961-1964

Mário M.C. Mesquita

Durante o período que compreendeu os anos de 1961 a 1964 o Brasil


experimentou diversas inquietações políticas, “teve três presidentes, cinco chefes de
governo e seis ministros da Fazenda”. (pg.179)

Os primeiros anos da década de 60 foram marcados por inflação alta,


desestabilização política, e os problemas já iniciados nos anos 40 e 50 foram se
tornando cada vez mais intensos. (pg.179)

1. A Tentativa de Estabilização sob Quadros

Em janeiro de 1961 foi a vez de Jânio Quadros assumir como Presidente da


República por meio de voto popular, sendo um dos mais expressivos da história. As
dificuldades enfrentadas na política se deram em grande parte por causa da herança
deixada por Kubitscheck. (pg.180)

“As iniciativas de política econômica do governo seguiram essa ordem de


prioridades: redução do desequilíbrio do balanço de pagamentos, renegociação da
dívida externa e combate à inflação, em linhas gerais de forma consistente com o que se
entendia na época como a visão ortodoxa”. (pg.180)

Jânio possuía um programa ligado a estabilização político-econômica do país, o


que foi por água abaixo com sua renúncia em agosto do mesmo ano, sendo que até
setembro foi vivenciado um descontrole fiscal, monetário e creditício. (pg.183)

2. O Impasse Parlamentarista

39
A renúncia de Jânio fez com que fosse adotado o regime parlamentarista, posto
que os militares vetaram a posse do Vice, João Goulart. O programa de governo que foi
sugerido pelo primeiro-ministro possuía bons objetivos e intenções, era ousado e
extensivo. (pg.183)

“A política econômica externa sob o parlamentarismo foi marcada por três


eventos: o abandono do movimento em direção à unificação cambial, a negociação do
primeiro Acordo Internacional do Café e a aprovação da Lei nº 4.131, a chamada Lei de
Remessa de Lucros, que ainda regula aspectos importantes dos fluxos de capitais entre o
Brasil e o exterior”. (pg.186)

Mesmo com as relações Brasil-Estados-Unidos abaladas, ambos se uniram para


negociar o Acordo Internacional do Café, tendo este logrado êxito em consolidar os
valores da commodity em seu período de validade. (1963 a 1968). (pg.187)

3. A política econômica sob o presidencialismo restaurado

No ano de 1963 foi votado por meio de plebiscito o retorno do presidencialismo,


e nesse embalo foi aprovado Plano Trienal de Desenvolvimento Econômico e Social.
(pg.188)

Ainda em março deste ano foi implementado um plano para conter as despesas
da União em conjunto com as políticas restritivas da SUMOC. Porém, no mês de maio o
plano passou a ser deixado de lado, até porque foi estabelecido um reajuste do
funcionalismo. (pg.190)

“Se os resultados domésticos mostraram-se decepcionantes, a evolução do setor


externo da economia teve aspectos favoráveis. (...) O abandono do realismo cambial
coincidiu com o fracasso das negociações, lideradas por Santiago Dantas, para
reescalonar os compromissos externos do país”. (pg.191)

As forças políticas durante esse período foram pequenas, Goulart não se


demonstrava capaz o suficiente para resolver os problemas macroeconômicos, apesar
disso não pode esse fato ser o responsável pelo golpe militar inteiramente, mas
certamente teve contribuição. (pg.194)

4. Avaliação do período

40
Em resumo, o período de 1961 a 1964 se caracterizou pela recessão de 1963, o
crescimento do PIB foi o mais baixo desde o fim da Segunda Guerra, a restrição de
liquidez influenciou o desempenho da indústria. (pg.194)

A estabilidade procurada durante esse período não foi alcançada, pode-se


explicar pela ausência de espaço, as ideias de expansão eram limitadas pelas posturas
dos governantes. (pg.195-196)

CAPÍTULO 10 - ESTABILIZAÇÃO E REFORMA, 1964-1967

André Lara Resende

1. Introdução

“O programa de estabilização implementado entre 1964 e 1968 logrou reduzir a


taxa de inflação anual de algo próximo de 100% no primeiro trimestre de 1964 para
algo em torno de 20% em 1969. Simultaneamente, o crescimento do produto, que em
1963 fora de apenas 0,6%, recuperou-se após 1966, e já em 1968 atingia a taxa de
9,8%”. (pg.197)

2. Objetivos do PAEG

O Programa de Ação Econômica do Governo (PAEG) foi instituído logo no


início do regime militar iniciado no ano de 1964, e tinha dentre seus objetivos
basicamente a aceleração do desenvolvimento econômico, contenção da inflação,
abrandamento de desnível econômico, possibilitar acesso a investimentos e empregos, e
consertar a propensão a déficits. (pg.197-198)

“Tratava-se, portanto, de um programa que acentuava a importância da


manutenção, ou da recuperação, das taxas de crescimento da economia”. A inflação era
um dos maiores problemas a ser combatido. (pg.198-199)

3. A política salarial no PAEG

O plano estabelecia resultados bastante otimistas no combate à inflação com


objetivos para expansão monetária e com uma política salarial precisa. Até o ano de
1930 o Brasil não possuía uma política salarial determinada. (pg. 200)

41
Os efeitos desta política sobre o salário mínimo foram importantes, uma vez que
este sofreu diminuição de 4,5% em 1965 e continuou a cair nos anos que seguiram. (pg.
201)

4. Condução das políticas monetária e fiscal

“Das três “normas básicas” do programa desinflacionário do PAEG, a saber,


contenção dos déficits governamentais, política salarial e política de crédito às
empresas, a primeira foi a mais bem-sucedida”. (pg. 201)

As taxas de expansão monetária se mantiveram em nível superior a taxa de


aumento dos preços durante o ano de 1965. Não obstante a baixa da inflação, pôde-se
observar que a expansão monetária se manteve em níveis altos, a saber, 83,5%. (pg.
202)

5. O impacto sobre a produção e os preços

As estatísticas demonstram que no ano de 1964 os preços subiram 90%, esse


aumento é justificado por causa do crescimento das “tarifas dos serviços públicos, à
liberação dos aluguéis congelados e a outros preços, num processo na época chamado
de inflação corretiva”. (pg. 203)

Em 1965 a inflação começou a tender por uma redução. “Os dados anuais
evidenciam que a queda no ritmo de crescimento industrial deu-se em 1963, a queda na
tendência inflacionária em 1965 e a queda nas taxas de expansão monetária em 1966”.
(pg. 203)

A política monetária sofreu mudanças no ano de 1966, a indústria demonstrou


crescimento, por outro lado a agricultura teve uma má performance, o prejuízo do
Tesouro caiu como resultado do aumento dos impostos e também com eliminação de
despesas. (pg. 204)

6. Os custos da estabilização

O crescimento foi interrompido do ano de 1963 até 1967. “O caráter regressivo


sobre a estrutura industrial da política de 1966 fica mais uma vez evidenciado pelos
dados do número de falências e concordatas requeridas por ramos de atividade. Os
setores mais atingidos foram vestuário, alimentos e construção civil, nos quais o número

42
de falências e concordatas requeridas mais do que triplicou entre 1964 e 1966”. (pg.
205-206)

7. Além da ortodoxia simplista

Pode-se afirmar que a ortodoxia teve início com o reconhecimento da situação


inflacionária. “A partir deste diagnóstico, a ortodoxia aponta a receita para o controle da
inflação. Políticas monetária e creditícia restritivas, de forma que “enxuguem” o
excesso de moeda no sistema e ponha fim ao estado generalizado de excesso de
demanda. Como a principal fonte da expansão monetária excessiva, segundo o
diagnóstico ortodoxo, é o déficit orçamentário do Tesouro, é necessário fazer também
uma política fiscal restritiva”. (pg. 207-208)

O PAEG não era inteiramente rígido, pois apresentavas propósitos de manter


taxas de desenvolvimento, ou seja, era tolerado um mínimo de inflação. Mas havia
ausência de compatibilidade entre “o pressuposto da moeda estável na legislação e as
altas taxas de inflação”. (pg. 209)

O referido programa demonstrou-se diverso das atitudes econômicas anteriores,


pois o cenário político era diferente e pode-se intervir de forma mais enérgica. “As bem
estruturadas e modernizantes reformas fixaram as bases do período de rápido
crescimento econômico que se iniciou em 1968”. (pg. 211)

CAPÍTULO 11 - A RETOMADA DO CRESCIMENTO E AS DISTORÇÕES DO


“MILAGRE”, 1967-1974

Luiz Aranha Correa do Lago

O capítulo a seguir é mais um resumo do trabalho de Lago, 1989, que realizou


uma análise da política econômica dos anos de 1967 a 1973. Durante esse período o
Brasil apresentou taxas de crescimento bastante positivas. (pg. 213)

“O novo governo logo anunciaria uma estratégia bastante semelhante à do


governo anterior: a busca do crescimento econômico promovido pelo aumento de
investimentos em setores diversificados; uma diminuição do papel do setor público e o
estímulo a um maior crescimento do setor privado; incentivos à expansão do comércio
exterior e, finalmente, uma elevada prioridade para o aumento da oferta de emprego e
outros objetivos sociais (Syvrud, 1974, p. 45)”. (pg. 214)

43
A economia vinha sendo estimulada por meio de políticas monetárias, fiscais e
creditícias mais versáteis, o que fizeram os anos posteriores serem expansionistas. (pg.
215)

1. Crescimento econômico, formação de capital e inflação, 1967-1973

As estatísticas dos anos de 1964 e 1965 apresentaram crescimento da economia


de 3,4% e 2,4%. O PIB aumentou de forma aceitável, 6,7%, no ano de 1966. “A partir
de 1968, primeiro ano de plena implementação da política mais expansionista da nova
administração, tanto o produto global como os produtos setoriais apresentaram forte
crescimento”. (pg. 216)

Em razão do crescimento que a economia teve, estavam sendo aceitáveis os


níveis da inflação entre 20% a 30%, desde que o aumento dos preços passasse a
demonstrar um ritmo de diminuição gradativo. (pg. 218)

2. Políticas monetária e creditícia e desenvolvimento do sistema financeiro

No ano de 1967, o grupo de trabalho econômico modificou a política creditícia e


monetária. Os recursos financeiros previamente fixados e a correção monetária fizeram
com que as pessoas que poupam mudassem suas condutas. (pg. 219-220)

A convergência bancária durante os anos de 1967 e 1973 pode ter sido


ocasionada pelas políticas econômicas que foram utilizadas, “inclusive a fixação de
tetos de juros e as restrições à entrada (limitação do número de agências)”. (pg. 222)

A nova disposição do composto financeiro não atingiu os resultados esperados,


principalmente no que diz respeito ao crescimento da oferta de crédito interno. (pg. 223)

3. Política fiscal, estados e municípios e política regional, as estatais e o papel do


governo na economia

A administração que tomou posse no ano de 1967 acabou se aproveitando dos


benefícios das reformas administrativas e tributárias realizadas pelo governo precedente.
“A redução do déficit do Tesouro e até mesmo a geração de um superávit em 1973,
refletem, sem dúvida, um saneamento das contas do governo, consolidando os esforços
empreendidos de 1964 a 1966”. (pg. 224)

44
As estatísticas apresentadas demonstram que a receita apurada desde o ano de
1968 foram a manifestação da diminuição do desequilíbrio das contas estaduais e
distritais entre os anos de 1964 a 1967. (pg. 225)

O período de 1967 a 1973 foi marcado por um enorme aumento da formação de


novas empresas públicas, mas somente no âmbito da União, uma vez que o controle dos
estados e do distrito federal estava sendo bem rígido. (pg. 226)

“O intervencionismo do governo através das políticas monetária, creditícia e


fiscal foi significativo nos anos 1967-1973, como se notou com relação ao
desenvolvimento do sistema financeiro, à política de juros, ao desenvolvimento do
mercado de capitais, à concessão de subsídios e transferências a setores e regiões
específicas e na regulamentação da política industrial, e finalmente através do próprio
controle de preços”. (pg. 227)

4. Setor externo

Durante os anos de 1967 a 1973 várias mudanças significativas aconteceram no


âmbito do comércio exterior, investimento estrangeiro e dívida externa, grande
fragmento delas está relacionada às medidas de política econômica. (pg. 228)

O novo regime tarifário encontrava-se em vigor, algumas mercadorias estavam


isentas de impostos de importação, contudo, isso demonstrava claramente a
diferenciação que estava sendo feita entre os produtos produzidos dentro e fora do país.
(pg. 229)

“O desempenho favorável das exportações foi muito influenciado pelo aumento


da participação dos produtos manufaturados no valor total da exportação de 16,8% em
1966 e 20,7% em 1967 para 31,3% em 1973”. (pg. 230)

Sintetizando, as políticas de comércio exterior e a cambial durante os anos de


1967 a 1973 tiveram sucesso em ampliar as exportações e a eficiência na importação,
fatos esses que colaboraram diretamente com o desenvolvimento da indústria. (pg. 231)

5. Política salarial, distribuição de renda e emprego

No que diz respeito às relações trabalhistas e aos salários, a nova administração


econômica recebeu uma política salarial com normativas de adequação já estabelecidas.
(pg. 234)

45
“Assim, são inegáveis os progressos em várias frentes, durante o período de
crescimento de 1967 a 1973. Porém, os dados de salários e de distribuição de renda
indicam que os benefícios do crescimento não foram distribuídos de forma equitativa
entre a população e que essa situação decorreu, em parte, de políticas implementadas
pelo governo naquele período”. (pg. 237)

6. Uma breve avaliação dos resultados da política econômica, 1967-1973

O propósito do governo Costa e Silva era o progresso da economia e da


sociedade, por meio do Plano Estratégico de desenvolvimento e das Diretrizes do
Governo de 1967. (pg. 237)

Ante o irrefutável êxito na política econômica, dado o crescimento econômico


durante os anos de 1967 a 1973. “A infraestrutura social do país melhorou
significativamente no período, contrabalançando em parte a evolução dos rendimentos
monetários. Mas, ainda que a questão mereça estudo mais detalhado, fica a impressão
de que um crescimento muito satisfatório teria também sido possível com uma política
salarial menos restritiva, maior liberdade individual e maior participação da massa da
população nas decisões e nos frutos do crescimento”. (pg. 239)

CAPÍTULO 12 - CRISE E ESPERANÇA, 1974-1980

Dionísio Dias Carneiro Netto

1. Introdução

No ano de 1973 houve crescimento da economia mundial, havia a necessidade


de se aumentar os salários em quase todos os países do mundo. As propostas de
remodelamento monetário internacional estavam fracassando e isso gerava a variação
das moedas para que o nível de inflação ficasse controlada. (pg. 241)

2. Condicionantes externos e internos da política econômica

A política econômica vinha sofrendo limitações a partir de antes de iniciar o


governo Geisel e seus planos. (pg. 243)

Pode-se chegar a duas deduções. “A primeira é que os condicionantes internos


parecem ter sido mais importantes do que os externos para explicar as opções

46
inicialmente feitas acerca das políticas econômicas adotadas tanto em resposta às
dificuldades imediatas quanto para o restante da década. A segunda é que a abundância
de liquidez internacional permitiu que os déficits em conta corrente faltosos que
resultaram das mesmas políticas fossem financiados sem que houvesse percepção mais
dramática do novo quadro de restrições externas ao iniciar-se o novo governo”. (pg.
244)

3. Opções para o ajuste de curto prazo e as causas do fracasso

O petróleo vinha tendo grande importância no Brasil, mas nos anos de 1973 o
preço chegou a ser quatro vezes maior o que atrapalhou de forma bastante significativa
as importações deste. (pg. 245)

“Diante deste quadro, havia basicamente duas opções para o governo brasileiro:
a primeira seria desvalorizar o câmbio e mudar rapidamente os preços relativos a fim de
sinalizar de imediato os novos custos dos produtos importados e a alteração do valor
social das exportações. (...) A segunda seria comprar tempo para ajustar a oferta com
crescimento mais rápido do que na alternativa anterior, realizando de forma mais
gradual e calibrada o ajuste de preços relativos enquanto houvesse financiamento
externo abundante”. (pg. 245)

O ano de 1973 foi impressionantemente expansivo, o que não era para ter sido,
uma vez que estava previsto uma reversão monetária para neutralizar o exagero do
governo passado. (pg. 248)

“Em 1975, três fatos marcaram os rumos da política de curto prazo: a crise
financeira, a queda do crescimento das exportações e aprovação do II PND”. (pg. 250)

A política de estabilização monetária no ano de 1975 foi completamente


fracassada, por isso no ano seguinte começou com o governo tentando demonstrar sua
decepção com a elevação das taxas de inflação. (pg. 252)

Essa política em tentar reverter a inibição dos preços públicos tornaram-se


detalhes principais nos últimos dois anos de governo do presidente Geisel. (pg. 253)

“Entre agosto de 1979 e outubro de 1980, o país experimentou sua última


tentativa de ignorar a crise externa, agora agravada pelo novo choque do petróleo e pela
elevação vertiginosa do custo do endividamento externo”. (pg. 255)

47
4. A natureza do ajuste de longo prazo: o crescimento com endividamento

Crescimento com dívida

“A dívida externa brasileira cresceu US$18 bilhões entre 1974 e 1977, outros
US$18 bilhões nos dois anos seguintes. No início do governo Geisel, o país pagava
anualmente US$600 milhões de juros, em 1978 a conta de juros líquidos subira para
US$2,7 bilhões que a alta das taxas de juros internacionais elevaria para US$4,2 bilhões
no primeiro ano do governo Figueiredo”. (pg. 256)

A política industrial

“A estratégia de política industrial no governo Geisel baseou-se na substituição


de importações nos setores de bens de capital, insumos básicos para a indústria e no
aumento da produção e da prospecção de petróleo”. (pg. 258)

A distinção durante a década de 1970 com as precedentes, foi que a política de


transferência das importações foi realizada sem a interrupção no estímulo às
importações. (pg. 259)

5. Resultados e suas consequências

As dificuldades inicialmente enfrentadas no governo Figueiredo foram com


relação a tentativa de reduzir o déficit público. O impasse fiscal era sério e teve de ser
visto como preocupante pela Secretaria do Planejamento. (pg. 260)

A divergência entre o “equacionamento das finanças públicas de forma


adequada para a expansão da economia brasileira no período”, de forma a demonstrar a
precariedade da política econômica em seguida a decadência do balanço de pagamentos.
(pg. 262)

CAPÍTULO 13 - AJUSTE EXTERNO E DESEQUILÍBRIO INTERNO, 1980-1984

Dionísio Dias Carneiro e Eduardo Marco Modiano

Introdução

“A duplicação dos preços do petróleo e a elevação das taxas de juros


internacionais no início dos anos 1980 tornaram mais custoso e mais prolongado o

48
processo de ajuste da oferta doméstica iniciado na segunda metade da década anterior”.
O presente capítulo tem como escopo a análise da transição no começo do governo de
Figueiredo. (pg. 263-264)

6. Recessão sem Fundo: 1981

A política econômica nos anos de 1981 e 1982 foram dirigidas para a diminuição
dos anseios de divisas estrangeiras por meio do controle de absorção interna. (pg. 264)

A economia do Brasil estava sofrendo uma depressão enorme, a qual fez com
que o produto industrial reduzisse cerca de 10% no ano de 1981, inclusive, o PIB caiu
pela primeira vez após a Segunda Guerra. O capital estrangeiro vinha se tornando cada
vez mais insuficiente e isso gerava crescimento das reservas internacionais. (pg. 266)

7. Da Recessão ao Fundo: 1982

Neste ano as exportações brasileiras foram 3 bilhões de dólares a menos do que


no ano de 1981, a “recessão mundial, acentuada pelo comportamento defensivo dos
dirigentes das economias centrais e pelo declínio da capacidade de importar de alguns
dos novos consumidores de manufaturas brasileiras, frustrara a tentativa de produzir um
significativo superávit comercial no segundo ano da nova política econômica”. (pg.
267)

Internamente a situação política ainda estava bastante complexa, não diferente


do restante do mundo. O balanço de pagamento teve seu financiamento aprovado para
que no ano seguinte iniciasse uma intervenção emergencial contanto com o apoio
mexicano. (pg. 268)

8. O Fundo da Recessão: 1983

Após muito lutar contra, o governo do Brasil resolveu aceitar ajuda do FMI e
resolveu apresentar sua primeira carta de intenções. (pg. 270)

“As incertezas quanto aos efeitos líquidos da negociação prolongada com o FMI
acerca da medida apropriada para o déficit público, aliado ao conhecimento geral de que
a economia operava com reservas cambiais negativas, estimularam a demanda de ativos
denominados em dólar durante o ano”. (pg. 273)

9. Com o Fundo sem Recessão: 1984

49
No ano de 1984 os Estados Unidos passaram a se estabilizar economicamente, o
que melhorou a economia brasileira externa, ficando mais relaxada e favorecendo seu
desempenho. (pg. 275)

“A estabilidade das taxas mensais até agosto, em torno de 10% ao mês,


reforçava o caráter inercial do processo inflacionário brasileiro e sua relativa invariância
ao nível de atividade. A generalização do entendimento do caráter inercial da inflação
suscitou o aparecimento de sugestões de políticas visando a redução do nível de
indexação da economia brasileira”. (pg. 277)

A economia brasileira começou a ter novas expectativas de crescimento e isso


fez com que o padrão dos negócios com o FMI fosse modificado. Entretanto, o Brasil
fracassou em conseguir o apoio do FMI com relação ao programa de estabilização. (pg.
279)

10. Conclusões

A dificuldade em entrar em acordo com o FMI foi característica deste período.


“Os desequilíbrios internos, e notadamente as elevadas taxas de inflação, foram tratados
em todo esse período com excessiva tolerância ou complacência passiva”. As
circunstâncias contrárias ampliaram os custos de reforma e “contribuíram para aumentar
os conflitos internos e agravaram os efeitos inflacionários”. (pg. 280)

CAPÍTULO 14 - A ÓPERA DOS TRÊS CRUZADOS, 1985-1990

Eduardo Marco Modiano

1. Introdução

Da metade para o final da década de 80, os objetivos da economia brasileira era


conter a inflação. Os projetos realizados durante a primeira metade da década foram
responsáveis apenas em ajustar externamente a economia, mas não foram capazes de
impedir o crescimento da inflação. (pg. 281)

2. Inflação inercial e conflito distributivo

“A concepção dos programas de estabilização para a economia brasileira,


adotados a partir de fevereiro de 1986, favoreceu a interpretação de que a inflação

50
brasileira era predominantemente inercial. A inércia inflacionária resultaria dos
mecanismos de indexação, para a correção monetária dos preços, salários, taxa de
câmbio e ativos financeiros, que tenderiam a propagar a inflação passada para o futuro”.
(pg. 281)

“A mudança do patamar inflacionário que tem origem no conflito distributivo de


rendas pode ser explicada através de um modelo simples de uma economia com uma
função de produção agregada utilizando apenas dois insumos: trabalho e um agregado
composto de capital, produtos primários e bens intermediários importados”. (pg. 284)

3. O fracasso do gradualismo: março 1985-fevereiro 1986

Em 1985 a Nova República foi estabelecida em seguida a 21 anos de regime


militar. O recém empossado presidente iniciou o governo com a intenção a princípio de
estabelecer políticas de austeridade monetária e fiscal. (pg. 285)

Logo após ser anunciada a política econômica a ser seguida, a inflação teve uma
queda muito importante, chegando ao percentual de 7,2. (pg. 286)

Entretanto, não houve sucesso duradouro com relação a manutenção da inflação


em níveis baixos, tendo assim finalizada o momento político-econômico da Nova
República. (pg. 290)

4. Plano Cruzado: principais ingredientes

O Brasil vinha tentando se reestabilizar quando resolveu modificar o padrão


monetário e estabeleceu o cruzeiro como moeda em 1986. A taxa inicialm de conversão
era de 1000 cruzeiros por cruzado. (pg. 290)

“O Plano Cruzado não estabeleceu regras ou metas para as políticas monetária e


fiscal para complementar o programa de estabilização. A atuação das políticas
monetária e fiscal foi relegada ao discernimento dos responsáveis pela política
econômica”. (pg. 292)

5. Plano Cruzado: principais resultados

“A análise dos resultados do Plano Cruzado está dividida em três períodos. O


primeiro período, que vai de março a junho de 1986, é caracterizado por uma queda
substancial da inflação e também pelos primeiros indícios da existência de excesso de

51
demanda na economia. O segundo período, que vai de julho a outubro de 1986, pode ser
identificado pela total imobilidade do governo ante o agravamento da escassez de
produtos e à deterioração das contas externas. Finalmente, o terceiro período, que vai de
novembro de 1986 a junho de 1987, ratificou o fracasso do Plano Cruzado, com o
retorno das altas taxas de inflação”. (pg. 293)

Durante o primeiro período o governo teve noção do tamanho do desequilíbrio


que o âmbito fiscal vinha sofrendo. Já no segundo período, pode-se notar que a inflação
se manteve baixa, apenas apresentou uma pequena inclinação progressiva. (pg. 294-
295)

6. Plano Bresser: ingredientes

“O Plano Bresser de 12 de junho de 1987 foi apresentado à população como um


programa de estabilização híbrido, que incluía elementos tanto ortodoxos quanto
heterodoxos para o combate à inflação. Em contraste com o Plano Cruzado original, o
novo programa não tinha como meta a “inflação zero”, nem tencionava eliminar a
indexação da economia”. (pg. 297)

O referido plano diferia do Plano Cruzado, entre outras coisas, no tocante a


forma de adotar a política fiscal e monetária, sendo que naquele seria ativa. O pequeno
período do governo neste plano faria praticar taxas de juros positivas reais com a
intenção de coibir a conjectura com consumo de bens duráveis e estoques. (pg. 298-299)

7. Plano Bresser: resultados

“A evolução da política econômica, após o lançamento do segundo programa de


estabilização, pode ser dividida em dois períodos. O primeiro período, que vai de julho
a dezembro de 1987, inclui as fases de congelamento e flexibilização do Plano Bresser,
configurando o sucesso inicial e o fracasso posterior desta segunda tentativa. O segundo
período, que vai de janeiro a dezembro de 1988, é caracterizado por um renascimento da
ortodoxia e por uma retomada do gradualismo no combate à inflação. No final de 1988
a economia parecia novamente se encontrar no limiar da hiperinflação”. (pg. 299)

8. Plano Verão: ingredientes

52
O referido plano instituiu uma nova reforma monetária, estabelecendo como
moeda nacional o cruzado novo. Esse ato também foi entendido como um projeto de
estabilização complexo. (pg. 304-305)

O cruzado novo estava muito desvalorizado perante o dólar americano,


chegando a índices de 18% de desvalorização. (pg. 306)

9. Plano Verão: resultados

“A execução do Plano Verão pretendia produzir dois ou três meses de taxas de


inflação baixas com a economia desindexada e, assim, induzir os agentes econômicos a
ampliar as periodicidades dos reajustes nas negociações sobre as regras futuras de
indexação. Nesta fase seria também aprofundado o ajuste fiscal. As taxas de juros
elevadas promoveriam uma recessão suave a curto prazo, o que facilitaria a eliminação
gradual do congelamento”. (pg. 307)

O dólar se manteve estável nos primeiros meses do plano verão. Mas a principal
conquista deste plano foi manter a inflação estável, sem qualquer aumento desenfreado.
Neste período o PIB chegou a crescer 3,2% e contrariou as expectativas negativas. (pg.
310)

10. Conclusões

A despeito do principal objetivo da política econômica ser o combate à inflação,


esta teve índices altíssimos no período de 1985 a 1989, chegando a quadriplicar. (pg.
310)

O governo não conseguiu se manter equilibrado, a economia brasileira teve


dificuldades em crescer. “Ironicamente, a falta de uma solução para os desequilíbrios
internos, herdados do início dos anos 1980, ao não permitir uma retomada vigorosa do
crescimento econômico, reforçou e prolongou o ajuste recessivo do desequilíbrio
externo, que caracterizou a política econômica da primeira metade da década”. (pg. 312)

CAPÍTULO 15 - ESTABILIZAÇÃO, ABERTURA E PRIVATIZAÇÃO, 1990-


1994

Marcelo de Paiva Abreu e Rogério L. F. Werneck

53
Em 1990 foi a vez de Fernando Collor assumir como presidente, o país
experimentava índices da inflação em 80% ao mês, o que obrigou ao novo presidente a
instituir seu programa de estabilização no primeiro dia. “Mas seu programa econômico
incluiu também reformas estruturais centradas na abertura comercial, na redução do
papel do Estado como produtor de bens e serviços e na reorganização da administração
pública federal”. (pg. 313)

Collor sofreu impeachment antes do término do ano de 1992, então Itamar


Franco, vice-presidente à época assumiu e passou por algumas inconstâncias,
principalmente com a nomeação de quatro ministros para a Fazenda durante apenas sete
meses. “No mandato de Itamar Franco continuaram avançando as reformas relativas à
abertura comercial e à privatização”. (pg. 313-314)

Fracasso do Plano Collor

Não é possível atribuir a culpa pelo fracasso no âmbito econômico inteiramente


para o presidente, pois os problemas já vinham de antes, principalmente no que diz
respeito à inflação, que estava altíssima. (pg. 314)

O governo estava tentando de várias formas, procurou obstar a evasão de títulos


públicos, tentou limitar a área de recomposição de carteiras de investimento, o que
gerou uma enorme contração da liquidez. (pg. 314)

Encontrou ainda muita complexidade ao controlar os salários e os preços, grande


parte em razão dos erros gravíssimos de efetivação. O plano inicial foi por água abaixo
e em 1991 já estava sendo anunciado um novo programa. (pg. 316)

Alta inflação, corrupção e impeachment

Quase em meados do ano de 1991, grande parcela da equipe que Collor escolheu
inicialmente para tratar da economia havia deixado o governo. O problema da inflação
estava bastante delicado, o panorama fiscal estava em ampla degeneração, a economia
demonstrava alta instabilidade. (pg. 317)

No ano de 1992 a situação havia melhorado um pouco, mas a inflação ainda


preocupada. “A grande fonte de incerteza passara a ser a tensa evolução do quadro
político. A eleição de Collor, à margem dos grandes partidos, havia dado lugar a um
governo com base parlamentar extremamente precária”. Em maio deste ano foram

54
descobertas evidências da ligação do presidente com atos de corrupção, sendo este
afastado do cargo em outubro e em dezembro veio a renunciar. (pg. 318-319)

Concepção e implementação do Plano Real

“De início, como substituto interino de Fernando Collor e, a partir de 29 de


dezembro de 1992, em caráter definitivo, Itamar Franco ocupou a presidência por quase
27 meses. No exercício do cargo, confirmaria com cores vivas sua reputação de político
histriônico e mercurial. Revelou-se especialmente volúvel na seleção dos responsáveis
pela área econômica do governo”. (pg. 319)

A implementação de um plano de estabilização que funcionasse estava sendo


complicada, mas em 1993 foi instituída uma estratégia e o plano teria três momentos.
“Primeiro, um ajuste fiscal significativo seria negociado com o Congresso. Depois seria
criada a Unidade Real de Valor (URV), unidade de conta, com reajuste diário, que
conviveria temporariamente com o cruzeiro real. Finalmente, uma reforma monetária
extinguiria o cruzeiro real, substituindo-o pelo real, o que equivaleria a simplesmente
conferir à URV a função de meio de pagamento”. (pg. 322)

Abertura comercial e Mercosul

Pode-se dizer que esta abertura ocorreu em três momentos, o primeiro foi em
1988 a 1989 ao extinguir as abundâncias, segundo foi de 1990 a 1993, momento no qual
foram reduzidas as barreiras não tarifárias e a exclusão dos impedimentos na
importação. Por fim, foram realizados pactos tarifários para determinar sujeição mais
severa aos preços internos. (pg. 324-325)

“As importações provenientes do Mercosul cresceram mais lentamente do que as


exportações, alcançando 13,7% do total em 1994. Mas, tal como as originárias dos
Estados Unidos (22,9% do total) e das CE (22,6%), ficaram realçadas pela redução da
importância do petróleo nas importações totais, cuja participação caiu de mais de 50%,
no início dos 1980, para 22,9%, em 1990, e 12,3%, em 1994”. (pg. 327)

Privatização

O governo Collor teve alguns momentos desastrosos, mas quando diz respeito ao
programa de privatização tomou-se muito cuidado para não gerar um recuo inoportuno.
(pg. 327)

55
As privatizações antes do ano de 1989 foram basicamente em pequenas
empresas que estavam falindo. A partir de Collor iniciaram-se a privatização de
empresas maiores e mais importantes, o que gerou uma receita boa para o país. (pg.
328)

Dívida externa

“A proposta brasileira de renegociação da dívida externa, apresentada em


outubro de 1990, incluía a securitização da dívida por meio de bônus de 45 anos sem
garantia e um empréstimo-ponte para permitir o pagamento de atrasados. Cerca de 10%
da dívida total, correspondendo à dívida privada, seria excluída do acordo. Tal proposta
foi recusada pelos credores. Medidas temporárias, em 1991, incluíram o pagamento de
30% dos juros devidos, a exclusão da dívida das grandes estatais da dívida pendente e
um acordo para pagamento de atrasados, sendo parte em dinheiro e parte por meio de
um empréstimo-ponte com um cardápio diversificado de opções”. (pg. 329)

As eleições de 1994

A procura por estabilidade econômica foi um sucesso e gerou repercussões


importantes na política brasileira. A estabilização da inflação fez com que o Plano Real
fosse bem aceito e isso ocasionou a vitória de Fernando Henrique nas eleições para
presidente em 1994. (pg. 330)

CAPÍTULO 16 - CONSOLIDAÇÃO DA ESTABILIZAÇÃO E


RECONSTRUÇÃO INSTITUCIONAL, 1995-2002

Rogério L. F. Werneck

Fernando Henrique assumiu a presidência a meio de bastante otimismo, o Plano


Real parecia estar dando certo, a inflação estava sendo contida, mas foi em 1995 que
pareceu haver uma fragilidade, pois a crise mexicana afetou o quadro externo e surgiu o
receio de que a política cambial pudesse atrapalhar a balança comercial. (pg. 331-332)

Política econômica, cisão e ambiguidade

“Com a posse do novo governo, no início de 1995, a condução da política


econômica tornou-se uma operação muito mais complexa. Por um lado, a agenda
passou a ser bem mais ampla do que era. Já não se tratava mais de concentrar todos os

56
esforços no objetivo maior de pôr fim ao processo de alta inflação. Uma extensa gama
de novas questões passou a exigir atenção. Ao mesmo tempo, ainda faltava muito para
que o novo regime de baixa inflação pudesse ser considerado consolidado. E a melhor
forma de assegurar essa consolidação logo mostrou ser questão altamente controvertida
dentro do novo governo”. (pg. 334)

Reformas, abertura e privatização

A crise mexicana abriu os olhos dos economistas para possíveis cautelas a serem
observadas, pois em razão da “necessidade de financiamento externo da economia teria
que ser mantida em níveis bem mais moderados do que se imaginava possível,
encurtara-se o tempo disponível para levar à frente as reformas econômicas requeridas
para viabilizar o ajuste estrutural do setor público que se fazia necessário”. (pg. 339)

Durante a década de 1990, algumas privatizações tiveram mais importância,


como a Vale do Rio Doce. A liberação comercial sofreu uma reversão durante o
governo FHC, ainda que estivesse havendo um imenso esforço com a substituição do
plano de estabilização pelo Plano Real. O Brasil vinha procurando reforço nas relações
com a OMC. (pg. 343)

O projeto da reeleição

O ano de 1996 girou praticamente em torno da mobilização do Congresso para


aprovar uma emenda que possibilitasse a reeleição de FHC – aprovada no ano de 1997 –
, sendo que sua popularidade vinha em constante crescimento. (pg. 344)

“Expectativas de que, tendo conseguido a aprovação da emenda da reeleição, o


governo estaria afinal disposto a mobilizar seus recursos políticos para reverter a
deterioração das contas públicas e fazer avançar a agenda de reformas, logo se
mostraram infundadas. Na verdade, o Planalto continuou incapaz de mostrar convicção
acerca da importância do ajuste fiscal, até nos aspectos mais elementares”. (pg. 346)

Choques externos e crise cambial

No ano de 1997 estourou a Crise Asiática, o que, juntamente com a


vulnerabilidade econômica brasileira, trouxe enormes preocupações. A situação foi
devidamente controlada em 1998, mas a “inconsistência macroeconômica ainda não
tinha sido resolvida”. (pg. 347)

57
“Em gritante contraste com que o governo contemplava, o abandono do crawling
peg deflagrou um processo descontrolado de desvalorização, com efeitos de
desestabilização devastadores que perduraram pela maior parte do primeiro bimestre de
1999. Os danos acabaram sendo amplificados por dois fatores. De um lado, como a
mudança da política cambial implicava sério rompimento do acordo que acabara de ser
firmado com FMI, o país perdeu o apoio das instituições multilaterais e do G-7. De
outro, o Banco Central permaneceu precariamente tripulado durante a pior parte da
crise, exatamente quando sua atuação se fazia mais necessária”. (pg. 349)

Novo arcabouço de política econômica

A crise precisava ser resolvida e o presidente chegou a conclusão que precisaria


mudar sua equipe econômica. Nesse sentido, resolveu nomear Arminio Fraga para a
presidência do Banco Central, o que possibilitou novas renegociações de acordos com o
FMI e a futura melhora na economia. (pg. 349)

Círculo virtuoso e crise energética

“No início de 2000 a economia parecia bem mais sólida do que um ano antes. A
turbulência deflagrada pela desvalorização havia sido superada. A inflação estava sob
controle. E havia um programa impressionante de consolidação fiscal em andamento. O
ano 2000 estava fadado a ser o melhor ano do segundo mandato de FHC”. (pg. 351)

Internamente, o Brasil vinha sofrendo com incertezas no quadro político e acerca


da evolução econômica. Foi então que o país percebeu que o desastre da gestão
ocasionou uma exigência descomedida de energia elétrica, sendo que o país estava
prestes a encarar uma escassez de energia, causando enorme vulnerabilidade da
economia. (pg. 352)

Alternância política e desestabilização

Com queda da popularidade do governo no poder à época e o aumento da


popularidade dos candidatos da oposição, o PT, foi feita uma tentativa de renegociação
do acordo com o FMI para a estabilização da economia. O acordo sofria resistência, mas
ao final acabou sendo realizado, dado o comprometimento em cumpri-lo realizado pelo
potencial presidente, Lula. (pg. 355)

58
“O término do segundo mandato de FHC testemunhou outra mudança da maior
importância. Não havia dúvida de que o país tinha feito uma travessia muito difícil em
2002. Mas ao fim e ao cabo dessa travessia, uma mudança política crucial tinha
ocorrido. Depois de ter sido derrotado três vezes, o PT tinha finalmente vencido a
eleição presidencial. Mas o vencedor teve de se desfazer de boa parte de suas velhas e
arraigadas crenças e deixar de lado o discurso radical, para se deslocar rapidamente para
o centro do espectro político e adotar como sua a política macroeconômica do governo
que chegara ao fim. Não foi uma mudança menor. O que parecia ser um abismo
intransponível entre governo e oposição tinha dado lugar a um amplo conjunto de ideias
sensatas compartilhadas por governo e oposição”. (pg. 356)

CAPÍTULO 17 - ALTERNÂNCIA POLÍTICA, REDISTRIBUIÇÃO E


CRESCIMENTO, 2003-2010

Rogério L. F. Werneck

Inevitavelmente o início do governo de Lula estaria cercado de incertezas


econômicas, mas não duraram muito, pois já em 2004 as políticas do novo presidente
começaram a ter efeitos positivos para o país. (pg. 357)

Tensões da metamorfose

O governo Lula teve de mudar seus discursos relacionados a economia para


poder manter a continuidade do governo anterior, demonstrando-se muito traumático
para o PT. “Logo após a vitória de Lula no segundo turno das eleições, previa-se que,
sem uma imediata definição dos nomes responsáveis pela condução da política
econômica do novo governo, seria muito difícil manter os mercados financeiros sob
relativo controle”. (pg. 360)

O PT tinha uma enorme oportunidade em aproveitar a situação para manter a


política econômica, fazendo com que a situação do país continuasse a melhorar. Isso
levaria o partido a ter de mudar seu discurso, o que foi difícil de ser realizado, mas Lula
ganhou confiança e manteve a política econômica, trazendo enormes benefícios. (pg.
361-362)

Colheita rápida

59
“A reconstrução da confiança foi facilitada pela rápida melhora da balança
comercial, na esteira da prolongada depreciação cambial e do aumento da demanda
mundial pelas exportações brasileiras. Contas externas mais sólidas e rápida redução da
incerteza logo deram lugar a vigorosa apreciação cambial e forte queda nos indicadores
de risco-país ao longo do primeiro semestre de 2003”. (pg. 363)

A crise do mensalão e seus desdobramentos

Os anos estavam passando com o aumento da confiança no presidente Lula, até


que em 2005 eclodiu uma crise interna, a qual foi denominada como a crise do
mensalão. (pg. 364)

O partido veio se desestruturando, com inúmeras renúncias de cargos


importantes, como Casa Civil, Ministério da Fazenda, entre outros. “A crise política não
havia imposto nenhuma baixa importante na equipe econômica. Mas a cúpula do
governo e o comando do partido haviam passado por grandes mudanças”. (pg. 365)

De Palocci a Mantega

A crise obrigou o governo a modificar seu discurso com relação à política


econômica. “A ideia era assegurar que a expansão do gasto público passasse a se dar a
uma taxa inferior à taxa de crescimento do PIB”. (pg. 366)

A crise foi tamanha que em 2006 Palocci se demitiu do Ministério da Fazenda e


Guido Mantega assumiu seu lugar, este fato foi o marco na mudança do discurso do
governo no tocante à economia. (pg. 367)

Redistribuição de renda

“A reeleição do presidente Lula não se deveu apenas ao crescimento


relativamente rápido da economia a partir de 2004. Boa parte do seu bom desempenho
eleitoral, no final de 2006, pode ser atribuído ao sucesso das políticas de redistribuição
de renda que haviam sido adotadas no primeiro mandato”. (pg. 369)

O programa do PT sempre foi baseado em políticas distributivas, o Fome Zero


abriu portas para o Bolsa Família, que teve seu alcance expandido rapidamente. “O
número de famílias beneficiadas saltou de 3,6 milhões, em 2003, para 11 milhões, em

60
2006, e chegou a 12,8 milhões, em 2010, ao final do segundo mandato do Presidente
Lula”. (pg. 369)

Opção por uma estratégia desenvolvimentista, intensiva em recursos fiscais

“Diante de um amplo leque de arranjos possíveis, o governo, recorrentemente,


revelava, nas escolhas feitas nas mais diversas áreas, forte preferência por soluções
intensivas em recursos públicos, em que caberia ao Estado a responsabilidade por boa
parte do investimento ou pela provisão de parcela substancial do financiamento que se
fizesse necessário”. (pg. 372)

A crise mundial como pretexto

Desde a metade de 2007 o crédito hipotecário norte-americano demonstrava-se


preocupante, uma bolha imobiliária estava prestes a explodir. A crise foi se
intensificando no ano de 2008 e acabou por estourar no ano de 2009. (pg. 373)

“Em termos de redução do crescimento econômico, o Brasil acabou sendo


menos afetado que muitos outros países. O impacto não chegou a ser tão reduzido como
a simples “marolinha” que, de início, havia sido antevista pelo Presidente Lula. Mas
tampouco foi tão devastador e duradouro como se temia”. (pg. 374)

A crise levou o governo a se aproveitar da mesma para mudar algumas políticas


econômicas, usando como pretexto para o Estado influir na economia do país e até
mesmo lançar a candidatura da potencial presidente, Dilma Rousseff, no início de 2009.
(pg. 375-376)

Gran finale em meio à deterioração do regime fiscal

“As mudanças no regime fiscal ensejadas pela crise deram lugar a rápida
deterioração das contas públicas, vertiginosa expansão do crédito estatal, bancada por
emissão de dívida pelo Tesouro, e montagem de dispendiosa bateria de programas “pró-
negócios”, em Brasília e no Rio de Janeiro, movidos a dinheiro público e envolvendo
farta distribuição de favores do Estado”. (pg. 376)

Almejando a restauração do desenvolvimento do país, o governo procurou


estabelecer uma estratégia de crescimento intensivo de recursos fiscais, “descolada da

61
dura realidade das contas públicas e pautada por prioridades de investimento
equivocadas”. (pg. 379)

Apesar dos problemas ocorridos durante os dois mandatos do governo Lula, a


economia cresceu de maneira significativa, o PIB teve índice de 4% de crescimento,
bem mais, por exemplo, do que o governo anterior, que foi de 2,3%. (pg. 380)

“O que se anunciou no início de 2011 é que a economia passaria a manter uma


expansão “mais moderada” da ordem de 5% ou 6% ao ano. Esse anúncio bem ilustra o
descompasso entre as expectativas do novo governo sobre a manutenção do dinamismo
da economia e a difícil realidade com que afinal teve de lidar. Na verdade, a taxa média
anual de crescimento do PIB nos primeiros três anos do mandato da Presidente Dilma
Rousseff mal chegou a 2%. O que não impediu que a taxa oficial de inflação alcançasse
a marca de 6,5% em 2011, e se mantivesse pouco abaixo de 6% nos dois anos
seguintes”. (pg. 380)

Entusiasta com a ideia desenvolvimentista do governo Lula, Dilma manteve as


políticas de expansão. “Levaria algum tempo para que, afinal, se convencesse de que a
economia estava restrita pela expansão da oferta, com sérios problemas de escassez de
mão de obra, crescimento lento de produtividade, deficiências de infraestrutura,
insuficiência generalizada de investimentos, baixa competividade externa e carga
tributária excessiva”. (pg. 381)

62