Anda di halaman 1dari 22

Universidade Federal do Paraná Setor de Comunicação Artes e Desing

Departamento de Artes - Curso de Música Parfor – Música

Apostila de Metodologia da Pesquisa em Artes - Volume 1

Prof. Dr. Edwin Pitre-Vásquez

Coordenador do Parfor Música UFPR

Profa. Dra. Luzia Aparecida Ferreira – Lia

Ministrante responsável

Curitiba DEARTES - UFPR 2014

1
Apresentação

A produção de material didático para o PARFOR Música é fundamental por ser uma
ferramenta que dá embasamento prático para o desenvolvimento de projetos de pesquisas.

Existe uma demanda de material na área de Metodologia da Pesquisa em Artes com ênfase
em Música observadas no desenvolvimento do Curso PARFOR Música, em virtude disto
elaboramos a presente proposta metodológica no formato de Apostila cujo objetivo é suprir
referida demanda.

Na primeira edição apresentamos as bases cientificas e teóricas da Metodologia utilizando


os pensadores da filosofia e sociologia que oferecem subsídios para a área de Artes.

Assim, por meio de exercícios práticos que auxiliam a realização do Trabalho de Término de
Curso - TCC, esta Apostila busca ser um facilitador na capacitação dos professores da Rede
Pública Municipal e Estadual de Ensino do Paraná. Consideramos também ser um material
básico que contribui para um melhor desempenho profissional em sala de aula podendo ser
ampliado por outras referências bibliográficas que vierem a ser lançadas.

Prof. Dr. Edwin Pitre-Vásquez Coordenador PARFOR Música da UFPR

2
Metodologia da Pesquisa em Artes

Introdução

Ao se pensar no desenvolvimento de um trabalho acadêmico de término de curso, ou


mesmo qualquer outro trabalho da academia, para o qual devemos seguir regras,
normalmente nós deparamos com nossas dificuldades por que durante todo nossa vida escolar
não fomos treinados para esta tarefa.

Esta apostila tem como objeto apresentar de maneira didática e prática os caminhos a
serem percorridos para se construir e elaborar um projeto de término de curso dentro de
normas acadêmicas baseadas em teorias das ciências sociais.

Espera-se que este material seja um facilitador no qual os alunos possam se apoiar
durante toda a elaboração de seu trabalho de término de curso ou qualquer outro trabalho
acadêmico.

1. Da Metodologia ao Método

Embora existam na literatura inúmeras explicações sobre a origem destes termos, para
a finalidade aqui proposta é importante saber:

 Metodologia é a área de conhecimento onde se estudam os métodos (método + sufixo


logia = estudo de).
 Método, cuja forma de grafar deriva de Méthodos; (meta = mudança, transformação,
movimento de um lugar para outro; hodos = caminho).

Resumindo em um trabalho científico existe a necessidade de buscar e encontrar os


caminhos que indiquem a ocorrência de mudanças, transformação ou movimento de alguma
coisa que estava em um lugar e agora está em outro.
Esse processo inicia dentro de cada ser indistintamente; é único. Parte daquela
intuição inquietante para a qual sempre se busca resposta, sem no entanto encontrá-la. É
quando se dá conta da necessidade de se efetuar uma busca mais aprofundada sobre aquilo
que tanto nos inquieta. Para isto existem as pesquisas, mas como começar?
Os Procedimentos Metodológicos da Pesquisa em Artes requerem desdobramentos do
método, ou seja das ações efetuadas para obter o fim desejado. Para isto é necessário:

 definir o tipo de abordagem;


 a maneira de se aproximar de um conteúdo ou de uma forma de realizar algo
para ir ao seu limite;
 utilizar a criatividade.

Como as demais áreas do conhecimento a pesquisa na área das artes segue


determinados parâmetros. Porém em artes normalmente estes parâmetros são construídos
por cada pesquisador. É denominado paradigma, que nada mais é: aquilo que possibilita a

3
construção do real, algo ou modelo a ser seguido, uma matriz, um padrão, uma referência
para iniciar a pesquisa.

Outro fator a ser considerado é a característica da pesquisa a qual deve ser


compreensiva, pois é por meio da pesquisa que são decodificados os saberes para facilitar o
entendimento de determinado tema ou objeto por parte de outras pessoas.

O Método Compreensivo elaborado por Max Weber, no século XVII, afirma: toda
pesquisa tem um ponto de partida que pode ser subjetivo e está ligada a referência de valor
do pesquisador, além disso deve primar pela objetividade com rigor. A compreensão da
realidade envolve sempre uma relação de continuidade entre o abstrato e o concreto, entre o
objetivo e o subjetivo.

Em pesquisa existe a abordagem funcionalista e a abordagem dialética.

A abordagem funcionalista estudada por Auguste Comte, também no século XVII,


aponta que por meio do método geral, tem-se a observação subordinando a imaginação, mas
isto não pode ser aplicado para todas as ciências.

A Auguste Comte devemos a criação da palavra Sociologia, área em que as artes


encontram subsídios para suas pesquisas.

A abordagem dialética tem suas bases nos estudos de Emiliè Durkheim ao afirmar ser o
homem um animal selvagem que se tornou humano pelo processo de sociabilização. Portanto,
somente a partir de nossa sociabilização fomos capaz de formar a consciência coletiva e assim
aceitar regras que ordenam a vida em sociedade independente de nossas vontades.

Em seus estudos, Durkheim teve entendimento que para definir um fato social existem
três características; a generalidade, a exterioridade e a coercitividade, as quais independem
do comportamento individual é algo estabelecido pela sociedade.

 Generalidade - fatos sociais não são para um indivíduo e sim para a coletividade;
 Exterioridade - padrões de cultura são "exteriores aos indivíduos", existem
independentemente de suas consciências.
 Coercitividade - a força dos padrões culturais do grupo de indivíduos obrigam os
obrigam a cumpri-los.

Resumindo temos:

Paradigma  concepção do real


Sugere
Metodologia  abordagem - Sujeito Objeto
métodos
Procedimentos
técnicas

4
Os procedimentos vão sendo construídos quando me aposso de teorias que se
aproximem ao meu objeto de pesquisa.
Por exemplo:
O Solipsismo  doutrina pela qual a realidade muda o eu. É a concepção filosófica de
que, além de nós, só existem as nossas experiências.
A consciência individual é que forma o que penso.
Ao utilizar a razão e emoção estas faculdades vão me dizer como criar?
A organização do mundo é intencionada pelo ser, ou seja as minhas intenções ao
realizar algo permitem ordenar as coisas a minha volta, que por suas vez formam o mundo .

Pragmático  para que serve? No mundo vida Paradigma?


. Teórica – ciência a voz da razão que domina o mundo objetividade subjetiva
. Polisis – Criar

cientista
Objetividade subjetiva política
Logos - discurso poeta desvelar
filha a dimensão
introduz o panorama da poesia
Como fazer essa aproximação a partir do complexo?
Objeto e sujeito vão se construindo ao longo do processo da pesquisa.

recorte
O todo
olhar

os movimentos que utilizo vão dar uma aproximação


A teoria fornece caminhos, porém a forma e conteúdo vão depender de seus
movimentos.
A arte contemporânea possui armadilhas para nós, nos vermos; ao “ver “ nós nos
construímos enquanto juntos com os objetos.
Verbal decodificar visível
Teórica

5
A pesquisa em arte traz o panorama da arte e mostra a interelação sujeito e objeto.
Contexto
Texto
Sujeito dá sentido
A retirada de elementos constitutivos com os quais vai se construindo o texto depende
do pesquisador.
O ser é um ser histórico. Cada pessoa tem um bagagem cultural que é o seu capital
simbólico. Com este capital simbólico conta-se uma história de vida.
O contexto está na linguagem plástica. Cabe ao pesquisador juntar o ser no mundo
arte.
Os paradigmas estão nas teorias e dentro delas estão os conceitos de onde parto para
minha análise.
O questionamento é constante: A minha pesquisa trará novos paradigmas? Por
exemplo: Os avanços tecnológicos. O seu uso transforma imagens. Tenho que comprovar.
Objeto problema  paradigma
teóricos
Reflexão  vivido experienciado
Ex: Construir ponte sobre o Rio Paranapanema
Conceito mestre – para definir o plano (o de como?)
Descobrir as operações lógicas / dividir em territórios (terra, água).
Para facilitar a compreensão do fenômeno do ver a sugestão é olhar objetos de uma
exposição e descrever a partir desta observação de primeira vista.
Recomenda-se assistir o filme " O Ponto de Mutação" de 1999 . Qual é o ponto de
vista? Fazer um resumo a partir de sua análise.
Direção: Bernt Amadeus Capra
Roteiro: Floyd Byars, Fritjof Capra
Elenco: Ione Skye, John Heard, Liv Ullmann, Sam Waterston
Produção: Adrianna A. J. Cohentexto
Fotografia: Karl Kases
Trilha Sonora: Philip Glass

O texto de RAMOS, Maria Luiza. Ciência e Experiência - O Papel do Observador na


construção da realidade, também fornece subsídios essenciais para o exercício
proposto.
Ver exercícios no anexo

6
No próximo tópico abordaremos as Ciências Sociais de forma esquemática por
entendermos ser necessário o aluno apossar-se deste conhecimento que o auxiliará no
desenvolvimento de sua pesquisa na área de artes.

2. A Ciências Sociais
As Ciências Sociais cujos estudos percussores datam do século XVIII vão atingir o seu
auge no século XIX. Neste período surgem a maioria das disciplinas que vão tratar do
entendimento das questões relativas a sociedade.
Psicologia Antropologia Sociologia
Economia “outro” USA= nós
Nos estudos e desenvolvimento destas disciplinas o homem vai utilizar o logos do
conhecer para entender o próprio homem.

h logos do h
conhecer
Assim temos:
Realidade Humana natureza – Durkheim, Emilè

homens/mulheres

Adam, Smith  aumento da produção  cria excedente mercado surge  a moeda para
agilizar a circulação.

Durkheim, Emilè  as ciências como organismo emprestando da biologia, matemática

(ciências exatas ou positivistas)

Auguste Comte

Charles Darwin  organismo/evolução  matemática, biologia/ exatas positivistas


Origem das espécies saúde
saudável/harmonia e ordem/patologia
Lewis Morgan
(sociedade primitivas)
7
. horda

O embrião da sociedade no início do século XIX foi denominado horda.


H no sentido
Horda sexualidade Volume  do número
Não tem solidariedade do trabalho M de pessoas
Tais e tais mecânica na sociedade
coisas Crianças espantam as pessoas
(falta) subdesenvolvida faixas etárias adolescentes auxiliam no semeio
Educação informal adultos organizam a planta-
ção e a colheita
A estrutura do trabalho é simples na sociedade primitiva.
coletores, auto-suficiente, sem excedentes

Sociedade da solidariedade mecânica

(ajuda mútua irmão ajuda o outro no corte de árvores)

Alan Kardec Comte – autor da palavra sociologia


(professor) S França Durkheim – 1848 – Regras do método social
A m preceitos sistematiza - o suicídio
M e positivistas - a divisão do trabalho
G g matemática procura entender o momento da
I a evolucionismo – Darwin Europa e o que fazer para
D d biologia voltar ao estado normal
A r exatas – (quantificáveis)
R o (mensuráveis)
A b Alemanha
Pa
Século XIX paradigmas
abordagem
Quando uma ciência se estabelece é por que ela tem método e objeto.
Durkheim voltou-se ao político apontando a escola de ser o melhor para estudá-la.
De acordo com sua teoria o trabalhador deve ser melhor remunerado.
Realizou pesquisas sobre a religiosidade - protestantes e católicos e
verificou que os primeiros se suicidam mais.

8
etapas
Darwin teoria da evolução 1 10 100
semente (evolução das espécies biológicas)
O modelo a histórico é um código universal válido para qualquer lugar.
qual é a função?

sociedade = organismo
corpo
sociedade
equilíbrio entre partes e o todo
harmonia (não existência) causa patologia
desenvolvimento – evolução – progresso – ordem
Inserir e integrar.
A sociedade como o todo é maior que uma sociedade, daí o indivíduo ter que se
inserir, integrar.
Durkheim  Apontou a existência de dois tipos de sociedade com estruturas bem definidas.
solidariedade Sociedade divisão transmissão divisão Sociedade solida-
mecânica simples sexo, trabalho, crises estudos complexa riedade
causa/efeito faixa etária anomias critérios orgânica
estímulo primitiva valor falta de objetivos complexos produção
resposta horda de uso e perda de iden- do excedente-
reflexo tidade pelas inte- mercado- dinheiro
Morgan também estudou sas transforma- valor de troca
ções sociais

A transição da sociedade primitiva para a complexa pode gerar crise.


estrutura social primitiva

Para entender
Durkheim pensou na Europa desenvolvida, as demais sociedades fora da Europa que
eram primitivas, a quem cabia a transmissão de técnicas, ou seja a economia européia
competiria o processo de levar aos demais a evolução (técnicas, empréstimos).
Karl Marx ao escrever junto com Friedrich Engels, o manifesto comunista em 1848
propõem:

9
regras
1848
manifesto
Para isto é necessário compreender como estes teórico vem as relações sociais
dentro dos estudos sociológicos, passadas duas décadas do manifesto de Marx e Engles.
1870
s
Sociologia l método dialético
Relações sociais x e contrários
r g
a n

M E
D
u
r
k
h
e
in
Para Karl Marx :
O objeto da sociologia – são as relações sociais, os conflitos e
A estrutura social é hierarquizada é uma metáfora de um edifício.

Neste desenvolvimento histórico da sociologia temos:


Horda
modo de Roma/Grécia Europa idade média Inglaterra
produção escravista feudalismo capitalismo 1848
primitivo
Como homem X mulher se relacionam com a natureza.
O aumento do volume cria condições de um grupo se apropriar do outro.
O motor que move este sistema é o conflito. Se trabalho para o meu senhor temos
uma relação contrária. No feudalismo existia o conflito senhor, vassalo.

10
Agora surge a:
Superestrutura um tipo de arte, educação, leis – surge à figura
Econômico do Estado que regula as relações sociais

No século XVII surge o filósofo Antonio Gramsci que vê a importância do intelectual na


superestrutura.
Na superestrutura esta a cultura e isto é importante, pois permite ver a história da
dominação.
A cultura é capaz de seduzir corações e mentes (cooptação).
O nicho da cultura é privilegiado.
Na América Latina Néstor García Canclini se vincula a Gramsci ao adotar o mesmo
posicionamento. Estuda a cultura desde um olhar latinoamericano. Em suas análises
encontramos fundamentação teórica que contribuem para o avanço do paradigma na área
das artes.
Antes de abordar o pensamento latinoamericano é importante apossar dos caminhos
pelos quais a pesquisa avança revendo na história da sociologia da cultura os tópicos principais
que podem fornecer subsídios a esta finalidade.
Como o pensamento no século XIX estava pautado pela França, a sociedade
contemporânea francesa foi analisada por vários estudiosos, entre eles René Decartes e Emiliè
Durkheim

função
século XIX Educação/ Durkheim
sociedade complexidade (escola, universidade)
Decartes complexa saber
orgânica
desenvolvida
especialização
Sociedade contemporânea francesa ÷ trabalho métodos
excedente: mercado estatístico recorrentes
moeda repetitivos
Estado: normas/direitos

A sociedade na América era vista pelos europeus como sem fé, rei e lei.
Neste sentido, Max Weber, sociólogo alemão, entendia que não interessava a bandeira
pois quem vai ditar as regras é a burocracia.

Outros teóricos importantes também pensaram a questão da sociedade:

11
Karl Marx/Friedrich Engels História tempo
Espaço
5.000 aC.
Não há ordem e
sim conflitos , oposições e lutas

conflitos
com tais quais quais século XIX crises
características características características indústria processo
aaaa (vir-a-ser)
existem
Sociedade escravista feudalismo capitalismo crises
Primitiva Roma proprietários X trabalhadores/ operários
Grécia capitalista X operários
A indústria Meios de produção controla estadopoder político
leis, direitos, educação
cultura não existe mercado
nem mão invisível
Posse  terra, instrumentos, tecnologias, capital

Categorias não universais são históricas

A crise é estrutural ao processo

Adam Smith  século XVIII afirma que o mercado é regulado por mãos invisíveis; uma
ideologia dominante.

O processo da ideologia dominante permeia a sociedade.

nos anos 80 do século XX a sexualidade é liberada

Processo da ideologia alienação  no processo de desenvolvimento tecnológico não existe

controle dos meios de produção

As classes sócias têm conflitos de interesses.

O médico alemão, Wilhelm Reich afirma que no século XIX, interessava ao capitalismo
a proibição da libido.

Karl Marx nos fala que o sujeito e o objeto são a mesma coisa e neste sentido devemos
entender o projeto na prática é a elaboração do sujeito.

12
Teoria da Cultura Latinoamericana

distribuição consumo
produção circulação ou
fruição

sistema controle mercado controle

Canclini – Gramisciniano  estrutura superestrutura consentimento

Um grupo está subordinado ao outro


Cultura , hegemonia quando este grupo se deixa ou consente
estrutura  ao outro o “ser conduzido”

artista obra

intermediário público

Para Canclini, não podemos ter uma história que seja obras momentos e período
cronologicamente, pois existe um sistema que tem a ver com a produção.
Segundo sua teoria deve ser considerado em uma pesquisa:
1 - situação da arte na estrutura;
2. estrutura do campo artístico:
2.1. organização material;
2.2. processo ideológico -> desvelar o que está por traz -> trará angústia -> entender o
processo de circulação social.
obra
___público (fruidor)
___mercado
___críticos
___academia/cursos
___escola
inter-mediação (difusores - Canclini)
A mediação é a linguagem que nós fazemos.

13
O objeto se situa entre as coisas, como são feitas estas relações é o que vamos
construir no texto. É o cerne de mediações que irradiam essas formas todas.
O que é isto " a coisa em si"
Qual o meu problema?
Exemplo 1
Temática: a música “Mensagem” Composição: Cícero Nunes - Aldo Cabral, 1969
Quando o carteiro chegou Porém não tive coragem

E o meu nome gritou De abrir a mensagem

Com uma carta na mão Porque na incerteza

Ante a surpresa tão rude Eu meditava e dizia

Nem sei como pude Será de alegria?

Chegar ao portão Será de tristeza?

Vendo o envelope bonito Quanta verdade tristonha

E no seu sobrescrito Ou mentira risonha

Eu reconheci Uma carta nos traz

A mesma caligrafia E assim pensando rasguei

Que disse-me um dia Tua carta e queimei

Estou farto de ti Para não sofrer mais

1. formulação objeto / temática: O carteiro, a entrega, o grito


2. formulação do problema: como entregar a carta de amor?
3. formulação dos procedimentos: pegar, procurar, gritar e entregar
4. formulação dos objetivos: dar a notícia
Levar em conta os meus valores.

Exemplo 2
Temática: Indústria Cultural
Vinculada a ideologia
Seduz o humano, principalmente o jovem
Emerge o menor infrator
Objeto de pesquisa:

14
1. quais as soluções?
2. trabalhar junto
Referencial Teórico
Teoria crítica
Procedimentos
Estudo de caso na instituição de recuperação de menores
Dados - análise
Reflexão

Pesquisa qualitativa com modalidade na fenomenologia


Metodologia é a lógica do método.
fenômeno do conhecimento estético ou visual - (aparência)
desvelar sua aparência
aquilo que se mostra por si
O ser possui uma consciência que atribui significados ao mundo, portanto os significados
estão colados ao ser.
ser (consciência) atribui significados ao mundo

colado ao ser - o significado ilumina o palco onde se desenrolam ações e permite


a compreensão por meio da interpretação - expressão racional
- consciência, ideia.
Paulo Klee, ao efetuar o mapeamento das cifras musicais afirma; as cifras são
lembranças do imaginário visível -> expressivo. Entendia ainda que toda experiência deve ser
vivida significativamente.
Maurice Merleau-Ponty -> filósofo francês em sua teoria reflexões da fenomenologia,
afirma: quando algo é visto pela consciência dos seres humanos, já no primeiro momento é
observado e percebido tal como é sua forma, desde do ponto de vista individual, ou seja, da
capacidade percepção. Somente após este processo, aquilo que foi visto fora do ser vai para
sua consciência e passa a ser entendido como um fenômeno.
cifras
a vida da consciência = atos
movimento em si (o ser se movimenta no mundo)
conhecimento/estético -visual tem sua gênese nesse emaranhado
de movimento.

15
O rigor da femenologia está no desvelar o emaranhado e para isto tenho que
encontrar uma linguagem que me permiti o visível.
Para entender a produção artística deve-se escolher um artista e verificar como ele
encara sua produção.
Perguntar-se qual o período que estou buscando? Limitar no tempo para não se
perder.
Afastar-se ver o todo e especificar o recorte com os pés no chão.
Verificar como na sociologia se estrutura.
Colocar na história (o projeto que vou desenvolver produz, por exemplo um novo
modelo de educação na área de música) e vai tornar visível a sociabilidade determinado
aspecto.
As reflexões devem ser trazidas para que tomemos posse -> aprender ->apreendendo
(Paulo Freire).

Exemplo: Um projeto sobre Política Cultural

Política
1ª. - Etapa
Projeto justificando

Não há política, cultural ou instituição


XXXX XXXXXX

1ª. Parte
Produto Cultural  criado para o mercado internacional exemplo os artesanatos mexicanos
Atribuição da arte -> papel monetário não é mais
artes. O que
seria arte?

2 – A estrutura do campo artístico. Levantamento


2.1.a – Recursos tecnológicos  Bibliografias
2.1.b – Relações sociais, de produção – intensa
 boca à boca
Produtor  quem financia
Organizador: Instituição (podem ser vários)
Agente cultural ou acionista cultural: propicia os meio materiais.

16
Realização: o próprio organizador, ou outra instituição
Propõe  estudos interdisciplinares para a sociologia da arte
Sugere  1º. Deva ser efetuada análise dos microcondicionamentos ou condicionamentos
imediatos do campo artístico.

O Projeto

De posse do embasamento teórico estudado como se aproximar do objeto?

Com vivemos na América Latina deve-se levar em conta que existe a sobreposição de
tempos históricos conforme nos alerta o teórico Anibal Quijano.

Objeto

Problematização  como resolver? Na perspectiva dinâmica.

Na perspectiva dialética  relação aluno - método – benefício. (que ideia levará a outra ideia)

Como seria na dialética; na escola – método estatístico.

Qual é a dialética?

 Como definir o método  vários referenciais

Neste momento o enunciado não é importante?


Será que para fazer ciência é necessário efetuar estudos de casos?
Eles dão conta do objeto?
É importante ir à biblioteca.

Lembrando sempre:

 A metodologia busca a verdade de maneira concreta ou conceitual.


 A proposta é formular uma metodologia através da busca.
 Nas palavras “ologias” estão os problemas relativos ao humano para os quais ainda
não encontramos respostas
 As entrevistas são apenas opiniões que devemos checar para encontramos respostas.
 Qual a resposta que se dá ao contexto de mudança social (refletividade)? - Conciliação
entre pesquisa e divulgação da física da música.
 Consciência da responsabilidade social é a resposta as ideologias do momento, ou seja,
a crítica social.
 O fator biológico não diz nada, somente o fator cultural é importante.
 O mundo é a rede de relações sociais.
 Como encontrar o seu objeto? Quando você descobre o que está faltando. Este
processo ocorre após muita leitura ou vivência.

17
 No trabalho de término de curso e dissertação de mestrado não precisa provar nada.
Simplesmente demonstra que você possui domínio teórico.
Passos
1. Leituras revelam o que falta
2. Pesquisa (pode continuar lendo)
3. Fórmula – o que? (sua convicção) – hipótese que vou provar (no caso de tese de
doutorado)
4. Tese – condicional
5. Bibliografia – aprofundar

Quando e como se sabe que chega de bibliografia. Quando após ler os autores e suas
bibliografias você já leu tudo o que usaram e o processo fica repetitivo.

As referências bibliográficas são obras restritas. São aquelas que te forneceram


material primordial.

Como ler um livro científico?


1. A introdução
2. Sumário
3. Resumo – Prefácio
4. Capítulo que te interessa
5. Conclusão
Tomar nota apenas do que te interessa tendo o cuidado de anotar sua opinião (gostei
muito de tal parte, isto vai me ajudar. Esta parte......me interessa por que pode..... Anotar
páginas que te chamaram a atenção.

O que não descobrimos na biblioteca vamos verificar com:


Pesquisa de campo
Eu vi, fotografei, gravei, anotei, perguntei,....
O trabalho de campo ajuda a confirmação ou refutação do que lemos.
O mais importante na pesquisa é a lógica na opinião.
Na metodologia juntamos as lógicas para chegar a uma verdade.
A lógica é formal e conceitual, porém podemos mudar.
Como utilizar o que para escrever?
Devemos ir do geral para o específico.

18
No geral demonstramos o nosso conhecimento.
Como vou

G Fazer E
hipótese

A leitura deve ser mais abrangente, pois um livro é apenas uma opinião, mesmo as
entrevistas com pessoas idosas são também opinião. Tem que entrevistar várias pessoas. Por
que para se recriar uma cultura que já foi de um ponto ao outro é necessário totalizar as
memórias individuais.

O resultado de uma pesquisa é o que nossa memória reteve para o crescimento de


nosso conhecimento.

A metodologia é conceitual, pois podemos mudá-la, sempre com a finalidade de


chegarmos a um resultado específico.

Toda pesquisa na área das humanidades deve ser interdisciplinar.

A delimitação da pesquisa vai depender do pesquisador.

Invenção imaginativa – metodologia

Roteiro Geral Específico

Não se vai de uma ideia a outra sem criar uma ponte que prepare o leitor para o que
vem depois e nem se conclui a cada capítulo.

O trabalho deve mostrar a lógica, ou seja, como flui de um a outro ponto.

19
Considerações Finais

Nesta apostila disponibilizamos de maneira sucinta as primeiras bases que possibilitam


a construção e o desenvolvimento de trabalhos acadêmicos de acordo com as normas
vigentes. Destacamos ser importante o aluno aprofundar-se nos teóricos por que somente por
meio da leitura é que ampliamos a nossa bagagem cultural, ou seja o capital simbólico.

Bibliografia
ABRÃO, Bernadette Siqueira (Org.). A História da Filosofia. Coleção Grandes Pensadores. São
Paulo : Editora Nova Cultural Ltda, 2004.
ALAMI, Sophie et Al. Os Métodos Qualitativos. Petrópolis: Editora Vozes, RJ, 2010.
BOURDIEU, Pierre. Os Usos Sociais da Ciência: Por uma Sociologia Clínica do Campo Científico.
São Paulo: Editora UNESP, 2004.
CANCLINI, Néstor García. A Produção Simbólica: Teoria e Metodologia em Sociologia da Arte.,
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.
ECO, Humberto. Como se faz uma Tese. São Paulo: Editora Perspectiva, 1977.
FORTES, Luiz Roberto Salinas. Paradoxo do Espetáculo. São Paulo. Discurso Editorial, 1997.

RAMOS, Maria Luiza. Ciência e Experiência - O Papel do Observador na construção da


realidade, in 1000 Rastros Rápidos (Cultura e Milênio). Belo Horizonte: Autêntica,
1999.
SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Editora Cortez,
1996.
ZAMBONI, Silvio. A Pesquisa em Arte: Um Paralelo entre Arte e Ciência. Campinas: Editores
Associados, SP, 1998.

20
Anexo
Exercícios:
1. O paradigma é uma concepção do real;
2. Metodologia de abordagem;
3. Procedimentos.

1. Efetue a síntese do filme " O Ponto de Mutação" e do texto de Maria Luiza -


Ciência e Experiência - O Papel do Observador na construção da realidade baseando-
se nas sentenças abaixo.
O paradigma estudado propõe uma divisão entre:
 O pragmático: " para que serve?"
 O teórico: " a voz da razão que dominou o mundo"
 A poíesis: "a criação"

O novo paradigma: "desvelar a dimensão sujeito-objeto"

2. Para facilitar a compreensão do fenômeno do ver a sugestão é olhar objetos de


uma exposição.

 Compreendê-los, discutindo em grupo, no espaço expositivo;

Responder:
O paradigma estudado propõe uma divisão entre:
 Como as obras desvelam a afirmativa de que propõem uma dimensão sujeito-
objeto?
 Aonde podemos ver uma decodificação desta dimensão [na linguagem
plástica] do artista?
 Mostre sua idéia na obra ou obras ou no recorde que você escolheu?

3. Complete o roteiro para formulação de Projeto de Término de Curso


1 - Formulação do problema/temática
2 - Formulação do problema em si.
3 - Formulação dos objetivos.
4 - Formulação dos procedimentos.

21
4. Baseados na releitura do capítulo Dois - Item 2 de Silvio Zamboni, elaborar sua
sentença e encaixar no seu projeto.
Sentença:
Questionamento Posicionamento Avanço

 Questionamento (Problema)
 Posicionamento - Referencial Teórico
 Avanço

Buscar o que?
Desvelar novas teoria
Formular outras alternativas

Hipóteses

Observações

Processo

5. A partir do esquema colocado por Néstor García Canclini, nas página 74 e 75, do
texto A Produção Simbólica, Teoria e Metodologia em Sociologia da Arte, responder

1. O que você destaca do esquema para refletir?


2. No que isso subsidia sua pesquisa?
3. Como você insere a idéia no eu projeto?
4. Qual autor te auxiliará pra justifica a idéia?
5. Como você tratará a idéia, ou seja, quais procedimentos você usará pra demonstrar?

22