Anda di halaman 1dari 17

Gestão Estratégica da Qualidade

Liderança do Gestor

Profa. Me. Leila Lucia Arruda


Olá! Seja bem-vindo!

Antes de iniciarmos, gostaria de convidá-lo para assistir ao vídeo que


segue, o qual trata do aspecto estratégico da qualidade para as organizações.

Introdução

Na aula de hoje, veremos como deve ser a liderança de um gestor, a


Gestão Estratégica da Qualidade nas organizações, a qualidade como fator de
liderança estratégica e a gestão e dimensão operacional da qualidade.

Boa aula e aproveite!

Liderança do Gestor

Para a implementação da gestão da qualidade em uma empresa, um


dos fatores mais importante é a liderança do gestor, ou seja, a força desse
administrador em fazer a sua equipe trabalhar em conjunto e obter os
resultados desejados pela organização.

Nesse sentido, a liderança do gestor tem papel essencial no


cumprimento do planejamento estratégico da empresa, pois esse é um
processo gerencial que tem como finalidade dar a diretriz para a empresa, bem
como as premissas básicas que sustentam os processos com coerência.
Assim, para obter êxito, o gestor-líder deve conseguir o comprometimento da
sua equipe para cumprir as novas diretrizes estabelecidas pela organização.

2 Gestão Estratégica da Qualidade | Liderança do Gestor


Na implementação de um plano estratégico, o gestor-líder deverá,
muitas vezes, modificar a cultura organizacional da empresa, ou seja, a cultura,
as práticas, os símbolos, os costumes, as condutas, a ética e a moral, os
princípios, enfim, todas as influências internas que atuam na organização.

Para obter sucesso como o líder, o gestor deve ter uma visão global e
analítica da realidade do ambiente organizacional e dos seus liderados,
adaptando seu modo de liderar ao ambiente e aos indivíduos. Podemos
concluir, então, que a habilidade de um líder deve ser a flexibilidade enquanto
um gestor deve ter maturidade, ser motivador, influenciador e dedicado.

Gestão Estratégia da Qualidade

Antes de entrarmos no assunto propriamente dito, é necessário


evidenciar o conceito de estratégia.

Atualmente, a estratégia está ligada também ao mundo dos negócios,


visto que este tem como característica a competição, ou seja, as empresas
precisam montar estratégias para serem mais competitivas e se manterem
nesse ambiente hostil. Dessa forma, para sobreviverem no mercado, muitas
organizações têm modificado sua estrutura e seus processos, visando obter
êxito, porém, para alterar sua genética organizacional, é necessário elaborar
um planejamento estratégico, com o objetivo de obter valor agregado e
satisfação aos seus clientes.

Gestão Estratégica da Qualidade | Liderança do Gestor 3


O planejamento estratégico é um conjunto de ações no qual o
gestor-líder estabelece uma diretriz, com a finalidade de criar objetivos e metas
para a organização, enquanto a administração estratégica refere-se ao ciclo
inicial desse processo, ou seja, são as decisões e ações gerenciais que
asseguram a formulação, a execução e o controle da mudança organizacional.
Assim, as empresas devem fazer seu planejamento estratégico visando à
inovação, pois ela é o pilar do desenvolvimento e do crescimento de qualquer
empresa.

Conforme o artigo 2º, inciso II, da Lei n. 10.973 de 2004, inovação é a


“introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social
que resulte em novos produtos, processos ou serviços”. Em outras palavras,
considera-se inovação as novas ideias que modificam os processos ou
produtos visando aumentar o faturamento e a quantidade de novos clientes.
Podemos afirmar, então, que inovação tecnológica é o ato de conceber um
novo produto/processo de fabricação ou, ainda, a associação de novos itens
funcionais que resultem em melhorias de qualidade ou produtividade.

Com a inovação a empresa tende a manter-se no mercado.

As empresas devem ter uma cultura de inovação, ou seja, favorecer um


ambiente harmonioso e apto para a criatividade, as experiências e a prática de
novas maneiras, tornando-se mais competitivas.

No entanto, de que forma promover, na prática, uma cultura de


inovação na empresa? Pense um pouco!

Bom, a resposta não é fácil, mas uma das formas seria a organização
incentivar os colaboradores a fazerem suas tarefas de forma criativa e a
aprenderem a simplificar as condutas complexas. Outra forma é os gestores
promoverem a intervenção dos colaboradores com o ambiente externo, seja
com treinamentos ou de forma informal com as redes sociais.

4 Gestão Estratégica da Qualidade | Liderança do Gestor


O ponto mais importante para se desenvolver a inovação é ter um
gestor-líder, ou seja, um gestor que tenha sua performance pautada na
democracia inspiradora, que seja aberto a conversas, motivador, desenvolva as
relações da qualidade e promova as mudanças benéficas na empresa.

E como ter um líder propício para a inovação?

Você conseguirá ter um líder propício se esses gestores forem


mentores, tiverem uma visão sistêmica e abrangente, habilidade de
negociação, liderando pelo exemplo, e, principalmente, favorecerem o
conhecimento e a geração de valores, e o conhecimento do mercado.

Dessa forma, para ser um líder, o gestor precisa promover um


planejamento que vise a relação da organização com o mercado e a
sociedade, tendo como pauta a inovação e como consequência a garantia da
permanência da organização nessa relação. Para tal, é necessário um conceito
consistente de qualidade, ou seja, fazer com que esta se transforme em valor
da empresa.

Para ser um bom líder é necessário que o gestor seja um exemplo.

Para saber mais sobre Gestão Estratégica da Qualidade, confira ao


vídeo a seguir.

Gestão Estratégica da Qualidade | Liderança do Gestor 5


A Qualidade como Fator de Liderança Estratégica

Observe a tabela a seguir.

Agora, partindo dos pressupostos dados na tabela, podemos entender


que a frase “qualidade como um fator de liderança estratégica” evidencia a
qualidade como estratégia para obter a permanência da organização com êxito
no mundo dos negócios. Entretanto, para alcançar esse êxito, as empresas
necessitam ter um relacionamento com o mercado, sendo a sociedade quem
define a qualidade. Esta direciona a um resultado, ou seja, a um fator que é
uma ideia nova, logo, direciona a uma inovação que manterá a instituição
vigente e com sucesso.

Portanto, para que a instituição sobreviva em um mundo de competição


acirrada é necessário que ela construa uma afinidade com o mercado e a
sociedade, por meio de um conjunto de estruturas caracterizadas pela
inovação.

6 Gestão Estratégica da Qualidade | Liderança do Gestor


No vídeo a seguir, veja mais sobre a qualidade como fator de liderança
estratégica, lembrando sempre que tornar uma empresa líder em seu
segmento é uma tarefa árdua.

Gestão Operacional da Qualidade

Existem algumas ações de controle que devem ocorrer quando


pensamos em gestão operacional da qualidade, e sua finalidade é manter a
prática constantemente registrada, assegurando a continuidade dos serviços. A
primeira dessas ações é o gerenciamento das tarefas a serem executadas pelo
próprio funcionário; a segunda consiste na documentação dessas tarefas
planejadas visando ao alcance do padrão estipulado; a terceira é a
padronização das atividades visando à melhoria contínua; a quarta, e última, é
a redução dos desvios de execução do processo.

Assim, os procedimentos devem ser planejados e formatados para


nortear a melhor maneira de realizar a tarefa, bem como visar o melhor
desempenho do funcionário no que se refere ao produto final, ou seja, o
procedimento operacional é a diretriz simplificada do que deve ser feito. Nesse
sentido, a linguagem utilizada para elaborá-lo deve ser padronizada ao grau de
instrução dos indivíduos que o executarão, e o desenvolvimento desse
procedimento deve ter o auxílio dos executores do processo.

É importante ressaltar que uma definição clara dos procedimentos


resulta na possibilidade de gerenciamento dessa rotina pela equipe executora e
pelo gestor. Assim, podemos evidenciar que o gerenciamento da qualidade

Gestão Estratégica da Qualidade | Liderança do Gestor 7


fundamenta-se no controle. Este se inicia no planejamento estratégico da
empresa em que se estabelecem:

 O que vai ser controlado;

 Os meios que serão utilizados para executar o controle;

 A política da empresa e suas diretrizes.

Depois desse planejamento, ocorrem a execução dos procedimentos


estabelecidos, a avaliação e a análise dos resultados, e, por fim, se
comparando o previsto e o realizado forem verificados desvios de padrão, o
gestor fará as devidas correções. A finalidade de tal procedimento é fazer com
que a empresa execute as atividades com base na qualidade e, por
consequência, produza resultados de forma eficaz e eficiente.

O sistema de informação movimenta o processo de controle gerencial e


tem a finalidade de assegurar que a qualidade esteja presente nos processos e
produtos. O controle formal deve ocorrer em todas as áreas da empresa, seja
por meio de relatórios, seja por inspeção de materiais e produtos, ou, ainda,
pelo registro das não conformidades encontradas e pela tomada de ações
corretivas.

Para que ocorra um gerenciamento da qualidade eficiente e eficaz, o


gestor deve identificar, verificar e resolver os problemas de não conformidade,
reconhecendo os motivos dos erros e adotando métodos para que não ocorram
mais, como o 5S. Entretanto, é preciso gerenciar todos os procedimentos de
correção para que eles se sistematizem na empresa.

8 Gestão Estratégica da Qualidade | Liderança do Gestor


Quer saber mais sobre o método 5S? Então, leia o artigo “5S – Em busca
da qualidade total”.

Acesse: <http://www.administradores.com.br/artigos/administracao-e-ne
gocios/5s-em-busca-da-qualidade-total/50893/>

Outro controle que a empresa deve ter são os organogramas, nos quais
se identificam as funções dos funcionários, a divisão do trabalho, bem como a
atribuição de responsabilidades. Além disso, com base nesses organogramas,
podemos identificar também o desempenho de departamentos, as funções e
atividades, ou seja, é possível analisar o responsável pelas ações de não
conformidades.

Você sabe dizer no que a preocupação do gestor deve ser pautada?


Não? Que tal ler os tópicos a seguir?

 Qualidade do produto;

 Qualidade do processo produtivo;

 Controle dos desperdícios;

 Controle dos tempos;

 Controle dos custos;

 Mercado em que ele atua.

Bom, agora você já sabe com o que um gestor deve se preocupar, não é
mesmo?

Gestão Estratégica da Qualidade | Liderança do Gestor 9


A importância com o mercado faz-se necessária, pois é o cliente que
direciona a empresa no que se refere ao preço e à qualidade.

Cada setor necessita gerar informações, as quais devem ser analisadas


pelo gestor de forma integrada, já que ele precisa fazer uma gestão de
inovação1, uma gestão humana2 e uma gestão estratégica3 pensando na
qualidade.

Não deixe de conferir o vídeo a seguir para saber mais sobre a gestão
operacional da qualidade.

A Dimensão Operacional da Qualidade

A gestão da qualidade do processo tem como origem a concepção


operacional da qualidade, e se refere às ações de controle que são baseadas
em regras e disciplina, visto que o gestor deve ter o domínio das informações e
o acompanhamento do processo. As vantagens que essas ações trazem são a
diminuição do custo, a prevenção dos erros, os resultados esperados e o
tempo de produção mais rápido.

Sendo assim, quando o gerenciamento baseia-se em controle, o gestor


deve centralizar as informações e tê-las por completo, visando à agilidade no

1
Criação de novos produtos e procedimentos com qualidade.

2
Motivação dos indivíduos.

3
Posicionamento da empresa de forma competitiva no mercado.

10 Gestão Estratégica da Qualidade | Liderança do Gestor


processo porque possui um conhecimento holístico dele. O controle pode ser
feito com a ajuda de algumas ferramentas que agregam valor às operações,
melhorando os pontos críticos da produção, por exemplo, o gráfico de controle,
o diagrama de causa-efeito, os histogramas, o gráfico de Pareto e os
fluxogramas.

As empresas devem utilizar outras ferramentas para a melhoria de


processos, com a finalidade de atendimento ao consumidor, pois são elas que
vão direcionar a instituição a melhorar o processo produtivo para atender bem
o seu cliente. Um bom exemplo disso são os diagramas que colocam o
consumidor como o centro do processo produtivo. As vantagens dessas
ferramentas é a aceitação dos funcionários, porque não é apenas uma simples
fiscalização, mas uma exigência do mercado.

Agora pergunto: a melhoria no processo tem finalidade na empresa


ou no mercado? Pense um pouco!

Se você respondeu que tem finalidade no mercado, acertou!

Portanto, o gerenciamento operacional tem a finalidade de produzir


benefícios como um todo e não só os pontuais. Nesse sentido, podemos
confirmar que uma estratégia é utilizada para obter melhorias na qualidade
enquanto as ferramentas são utilizadas como uma ação mais localizada para
obter resultados em uma determinada etapa do processo.

Saiba mais acerca da dimensão operacional da qualidade assistindo ao


vídeo que segue.

Gestão Estratégica da Qualidade | Liderança do Gestor 11


Conclusão

O mercado, cada vez mais competitivo, fez com que as empresas


utilizassem a gestão da qualidade para se tornarem líderes nesse sistema
mercadológico, porém, tal gestão deve ser aplicada em toda a organização de
forma uniforme. Dessa maneira, a ação a ser feita é a definição das regras que
conduzirão a organização, com a finalidade da melhoria contínua e de melhorar
o desempenho da empresa. Entretanto, as empresas devem ter como foco os
clientes, visto que dependem deles para se manterem no mercado.

Com relação à gestão operacional, quando o objetivo da empresa são os


consumidores, uma das ações é melhorar o desempenho. Outra ação da
empresa é ter um gestor que seja líder, já que ele é quem direciona a empresa
para alcançar as metas estabelecidas, por meio de uma equipe uniformizada e
um ambiente interno cativante. Podemos dizer, então, que a gestão
operacional envolve os indivíduos na execução de suas atividades para que
tenham o maior êxito possível.

Você pôde perceber, também, que todos os funcionários são


importantes, independente do seu nível ou da sua posição na empresa.
Consequentemente, o total envolvimento dessas pessoas faz com que seus
potenciais sejam utilizados a favor da melhoria da organização.

Na gestão operacional, as pessoas são chamadas para participar das


decisões no que se refere ao seu cotidiano, pois, quando estão envolvidas,
tendem a focar no processo. Logo, as metas são alcançadas com maior
eficiência, principalmente quando todas as ações desses indivíduos são
gerenciadas como um processo. Além disso, a gestão operacional tem como
benefício a diminuição dos custos e a prevenção de não conformidades.

A gestão da empresa como processo precisa ser sistêmica, devendo o


gestor identificar, compreender e gerenciar os processos que são interligados
com o objetivo de melhorar a eficácia e a eficiência da organização. Assim, um
gestor com uma visão mais ampla desses processos entenderá melhor as
causas dos problemas e, por consequência, saberá quais as ações

12 Gestão Estratégica da Qualidade | Liderança do Gestor


necessárias de melhoria. Isso quer dizer que o gestor deve ter como meta
permanente a melhoria, mas esta só existirá com o envolvimento de todas as
pessoas da organização.

Por fim, para obter a melhoria contínua, o gestor deve tomar decisões
com base em dados e informações confiáveis, as quais são o alicerce na
prevenção de possíveis erros no processo da empresa.

Síntese

O que achou da nossa aula de hoje?

Vamos fazer uma revisão dos conteúdos? Confira o vídeo a seguir para
ver quais foram os tópicos abordados nesta aula.

Gestão Estratégica da Qualidade | Liderança do Gestor 13


1. No que diz respeito ao planejamento estratégico, analise as proposições e
assinale a alternativa correta.

I. As empresas não devem fazer seu planejamento estratégico visando à


inovação, pois ela não auxilia no desenvolvimento e crescimento das
empresas.

II. O planejamento estratégico é um conjunto de ações no qual o


gestor-líder estabelece uma diretriz para a organização, mas sem a
finalidade de criar objetivo ou metas para a organização.

a. Todas as alternativas estão corretas.

b. Todas as alternativas estão incorretas.

c. Somente a alternativa I está correta.

d. Somente a alternativa II está correta.

14 Gestão Estratégica da Qualidade | Liderança do Gestor


2. De acordo com o que vimos sobre a gestão, verifique as assertivas que
seguem e assinale a alternativa correta.

I. A gestão da inovação refere-se à motivação dos indivíduos, a gestão de


pessoas sobre a criação de novos produtos e procedimentos com
qualidade e a gestão estratégica é o posicionamento da empresa de
forma competitiva no mercado.

II. A gestão operacional da qualidade começa com o gerenciamento das


tarefas a serem executadas pelo próprio funcionário, e a segunda ação
consiste no planejamento das ações, visando ao alcance do padrão
estipulado.

a. Todas as alternativas estão corretas.

b. Todas as alternativas estão incorretas.

c. Somente a alternativa I está correta.

d. Somente a alternativa II está correta.

Gestão Estratégica da Qualidade | Liderança do Gestor 15


Referências
BROCKA, B. Gerenciamento da qualidade. São Paulo: Makron Books, 1995.

BUSSONS, J. Reengenharia da organização. Rio de Janeiro: Rio Fundo,


1995.

CAMP, R. C. Benchmarking: o caminho da qualidade total. São Paulo:


Pioneira, 1995.

CAMPOS, V. F. Qualidade total: padronização de empresas. Belo Horizonte:


Fundação Christiano Otoni, 1992.

_____. TCQ: gerenciamento da rotina do trabalho do dia a dia. Rio de Janeiro:


Bloch, 1994.

CERQUEIRA, W. Endomarketing: educação e cultura para a qualidade. Rio


de Janeiro: Qualitymark, 1994.

CLUTTERBUCK, D. Serviço inspirado no cliente. São Paulo: IMAM, 1994.

CORTADA, J. W. TQM: gerência da qualidade total. São Paulo: Makron Books,


1999.

CROSBY. P. B. Qualidade falando sério. São Paulo: McGraw Hill, 1990.

_____. Qualidade sem lágrimas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1992.

CURRID, C. C. Ferramentas para a reengenharia. Rio de Janeiro: Record,


1995.

DEMING, W. E. Qualidade: a revolução da administração. Rio de Janeiro:


Marques Saraiva, 1990.

DOUCHY, J-M. Em direção ao zero defeito na empresa. São Paulo: Atlas,


1992.

FEIGENBAUM, A. V. Controle da qualidade total. São Paulo: Makron Books,


1994.

16 Gestão Estratégica da Qualidade | Liderança do Gestor


GALBRAIT, J. R. Organizando para competir no futuro. São Paulo: Makron
Books, 1995.

GARVIN, D. A. Gerenciando a qualidade. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1992.

HAMMER, N. M.; CHAMPY, J. Reengenharia: revolucionando a empresa.


7. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

HARVEY, L.; GREEN, D. Defining quality. Assessment and Evaluation in


Higher Education, v. 18, n. 1, 1993.

JURAN, J. M.; GRYNA, F. M. Quality planning and analysis. New York:


McGraw Hill, 1993.

MAIN, J. Guerras pela qualidade. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

MELLO, C. H. P. ISO 9001:2000: sistemas de gestão da qualidade para


operações e serviços. São Paulo: Atlas, 2002.

MIGUEL, P. A. C. Qualidade: enfoques e ferramentas. São Paulo: Atlas, 2001.

OAKLAND, J. S. Gerenciamento da qualidade total. São Paulo: Nobel, 2003.

OLIVEIRA, M. A. L. SA 8000: o modelo ISO 9000 aplicado à responsabilidade


social. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2002.

PALMER, C. Controle total da qualidade. Rio de Janeiro: Edgar Blucher,


1974.

PALADINNI, E. P. Gestão estratégica da qualidade: princípios, métodos e


processos. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

TEBOUL, J. Gerenciando a dinâmica da qualidade. São Paulo: Qualitymark,


1991.

TOWNSEND, P. L.; GEBHARDT, J. E. Qualidade em ação. Rio de Janeiro:


Makron Books, 1993.

Gestão Estratégica da Qualidade | Liderança do Gestor 17