Anda di halaman 1dari 5

NR 32 - Segurança e Saúde na

Trabalho em Serviços de Saúde


Confira as principais dúvidas e respostas sobre a NR 32
Qual o tema a ser tratado pela NR 32?
A Norma Regulamentadora (NR-32) é responsável por definir as medidas de
proteção à segurança e à saúde dos trabalhadores dos serviços de saúde, ou
daqueles que exercem atividades de promoção e assistência à saúde. A
norma, específica para o setor, foi publicada em 2005 e atualizada em 2011.

Para fins de aplicação desta NR, entende-se por serviços de saúde qualquer
edificação destinada à prestação de assistência à saúde da população, e todas
as ações de promoção, recuperação, assistência, pesquisa e ensino em saúde
em qualquer nível de complexidade.

Do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO,


referente à NR – 32, o que contempla?
O PCMSO, além do previsto na NR-07, e observando o disposto no inciso I do
item 32.2.2.1, deve contemplar:

a) o reconhecimento e a avaliação dos riscos biológicos;


b) a localização das áreas de risco segundo os parâmetros do item 32.2.2;
c) a relação contendo a identificação nominal dos trabalhadores, sua função, o
local em que desempenham suas atividades e o risco a que estão expostos;
d) a vigilância médica dos trabalhadores potencialmente expostos;
e) o programa de vacinação.

32.2.3.2 Sempre que houver transferência permanente ou ocasional de um


trabalhador para um outro posto de trabalho, que implique em mudança de
risco, esta deve ser comunicada de imediato ao médico coordenador ou
responsável pelo PCMSO.

32.2.3.3 Com relação à possibilidade de exposição acidental aos agentes


biológicos, deve constar do PCMSO:

a) os procedimentos a serem adotados para diagnóstico, acompanhamento e


prevenção da soro conversão e das doenças;
b) as medidas para descontaminação do local de trabalho;
c) o tratamento médico de emergência para os trabalhadores;
d) a identificação dos responsáveis pela aplicação das medidas pertinentes;
e) a relação dos estabelecimentos de saúde que podem prestar assistência aos
trabalhadores;
f) as formas de remoção para atendimento dos trabalhadores;
g) a relação dos estabelecimentos de assistência à saúde depositários de
imunoglobulinas, vacinas, medicamentos necessários, materiais e insumos
especiais.

32.2.3.4 O PCMSO deve estar à disposição dos trabalhadores, bem como da


inspeção do trabalho.

É obrigatória a realização de sorologia em funcionário vitimado por um


acidente com perfurocortantes?
Todo acidente deve ser imediatamente comunicado a um profissional
responsável, que avaliará se há uma fonte de contaminação potencial
conhecida. Nesse caso, verifica-se a possibilidade de realizar a sorologia da
fonte, para orientar a conduta seguinte. É recomendável a realização de teste
rápido de HIV, porque em caso de positividade, a empresa pode provar que ele
não contraiu o vírus nesse acidente, mas já era soropositivo antes.

E na questão da higienização das vestimentas?


A higienização das vestimentas só é de responsabilidade das empresas,
quando o trabalho é realizado em centro cirúrgico, centro obstétrico, UTI e
setor de isolamento. Os demais funcionários devem higienizar o uniforme em
suas casas, sendo instruídos a trocar a vestimenta, no final do expediente.

Como tratar a recusa da vacinação, por parte do trabalhador? Ele pode


receber suspensão, advertência ou mesmo demissão, por recusar-se a
tomar a vacina?
Por ocasião de cada exame periódico, a vacina deve ser oferecida e a recusa
deve ser documentada. É aconselhável divulgação dos benefícios da vacina
nos boletins internos, periódicos, sem referência ao trabalhador específico. A
legislação brasileira não permite punição administrativa por esse motivo.
O que fazer quando um profissional da saúde recusa-se a utilizar um
equipamento de proteção individual (EPI)?
O estabelecimento de saúde deve ter protocolos assinados pelo trabalhador,
provando que os equipamentos de proteção individual foram fornecidos e ele
recebeu treinamento para usá-los. A desobediência é passível de punições,
como advertência, suspensão e demissão por justa causa.

Sobre a legislação específica que proíba o uso de saias, esmaltes e


blusas sem manga por profissionais que estão expostos a agentes
biológicos o que diz a NR -32.
Item 32.2.4.5 - O empregador deve:
a) a utilização de pias de trabalho para fins diversos dos previstos;
b) o ato de fumar, o uso de adornos e o manuseio de lentes de contato nos
postos de trabalho;
c) o consumo de alimentos e bebidas nos postos de trabalho;
d) a guarda de alimentos em locais não destinados para este fim;
e) o uso de calçados abertos.

Referente aos materiais perfuro cortantes e o reencape, como deve ser


realizado?
Item 32.2.4.14 - Os trabalhadores que utilizarem objetos perfurocortantes
devem ser os responsáveis pelo seu descarte.
Item 32.2.4.15 - São vedados o reencape e a desconexão manual de agulhas.
Item 32.2.4.16 - Deve ser assegurado o uso de materiais perfurocortantes com
dispositivo de segurança, conforme cronograma a ser estabelecido pela CTPN.

Quando deve se emitir CAT - Comunicação de Acidente de Trabalho?


Em toda ocorrência de acidente envolvendo riscos biológicos ou doença
decorrente do trabalho, com ou sem afastamento do trabalhador, deve ser
emitida a Comunicação de Acidente de Trabalho - CAT.

A CAT deve ser emitida em Acidentes ou doença que não houve


afastamento do trabalho?
Sim, a CAT deve ser emitida independentemente da necessidade de
afastamento do trabalho. Em caso de acidente com exposição a material
biológico, também deverá ser emitida a CAT e ser notificado ao Ministério da
Saúde, conforme exigido pela Portaria MS 777/2004, alterada pela PORTARIA
MS/GM Nº 1.984, DE 12 DE SETEMBRO DE 2014.

As Empresas terceirizadas também devem emitir seu próprio PPRA,


conforme riscos explicitados pelo SESMT do hospital? Ele é realizado por
estabelecimento?
Assim como toda empresa está obrigada a ter os programas previstos nas NR
07 - PCMSO e NR 09 - PPRA, as empresas contratadas que estiverem
exercendo seus trabalhos dentro de um estabelecimento de saúde deverão
elaborar e implementar seus programas, abordando adequadamente os riscos
existentes e já mapeados pela instituição contratante. O PPRA é sim por
estabelecimento, que se entende legalmente por edificação em que os
empregados exercem suas atividades.

O programa de vacinação dos trabalhadores deve estar contido no PPRA


ou no PCMSO? E como deve ser descrito?
O programa de vacinação deve constar no PCMSO. Conforme item
32.2.4.17.6, os dados acerca das vacinas administradas devem ser anotados
no prontuário clínico individual do trabalhador. As boas práticas mostram que
anotar o lote da vacina e a validade é essencial para que haja a rastreabilidade
em caso de efeitos adversos, que deverão ser comunicados à rede pública
conforme protocolo do Ministério da Saúde. Para maiores informações,
consulte o Guia Técnico de Riscos Biológicos que foi desenvolvido pela CTPN
(COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE NACIONAL) e está disponível no
site no Ministério do Trabalho e Emprego.

O Inventário de produtos químicos devem conter todos os medicamentos,


produtos de limpeza e os radiológicos?
A NR 32 estabelece no item 32.3.4.1 que deverão ser listados todos os
produtos químicos, inclusive intermediários e resíduos, com indicação daqueles
que impliquem em risco à segurança e à saúde do trabalhador. Sendo produtos
químicos, os medicamentos e os produtos de limpeza devem estar incluídos
neste inventário. Produtos químicos utilizados em radiodiagnóstico, como
reveladores e fixadores, também devem fazer parte deste inventário.

Referente à capacitação dos trabalhadores, quando e de que forma


deverá ser realizada segundo a NR-32?
32.2.4.9 O empregador deve assegurar capacitação aos trabalhadores, antes
do início das atividades e de forma continuada, devendo ser ministrada:
a) sempre que ocorra uma mudança das condições de exposição dos
trabalhadores aos agentes biológicos;
b) durante a jornada de trabalho;
c) por profissionais de saúde familiarizados com os riscos inerentes aos
agentes biológicos.

32.2.4.9.1 A capacitação deve ser adaptada à evolução do conhecimento e à


identificação de novos riscos biológicos e deve incluir resposta de:
a) dados disponíveis sobre riscos potenciais para a saúde;
b) medidas de controle que minimizem a exposição aos agentes;
c) normas e procedimentos de higiene;
d) utilização de equipamentos de proteção coletiva, individual e vestimentas de
trabalho;
e) medidas para a prevenção de acidentes e incidentes;
f) medidas a serem adotadas pelos trabalhadores no caso de ocorrência de
incidentes e acidentes.

32.2.4.9.2 O empregador deve comprovar para a inspeção do trabalho a


realização da capacitação através de documentos que informem a data, o
horário, a carga horária, o conteúdo ministrado, o nome e a formação ou
capacitação profissional do instrutor e dos trabalhadores envolvidos.

32.2.4.10 Em todo local onde exista a possibilidade de exposição a agentes


biológicos, devem ser fornecidas aos trabalhadores instruções escritas, em
linguagem acessível, das rotinas realizadas no local de trabalho e medidas de
prevenção de acidentes e de doenças relacionadas ao trabalho.

32.2.4.10.1 As instruções devem ser entregues ao trabalhador, mediante


recibo, devendo este ficar à disposição da inspeção do trabalho.