Anda di halaman 1dari 3

Estratificação social

Estratificação social é um conceito sociológico usado para analisar e interpretar a


classificação dos indivíduos e grupos sociais, com base em dados e condições socioeconômicas
comuns.

O principal objetivo da estratificação social no âmbito dos estudos da Sociologia é


compreender o funcionamento da organização hierárquica de uma sociedade. Além disso,
também visa identificar as principais distinções entre as classes sociais e como as
desigualdades são socialmente construídas.

Todas as sociedades apresentam algum tipo de estratificação, sejam elas simples ou


complexas. Ou seja, os indivíduos que compõem esse grupo social estão divididos em camadas
(estratos).

De maneira geral, a estratificação social enxerga um conjunto de desigualdades que atingem


um determinado grupo de pessoas de uma sociedade, separando-os de algum forma dos
demais. Um bom exemplo de estratificação social no Brasil são as favelas ou bairros
periféricos.

Características da estratificação social

A estratificação social se baseia principalmente nas seguintes características:

É uma particularidade da sociedade, e não simplesmente um reflexo das diferenças


individuais;

Recursos materiais e imateriais são distribuídos de modo desigual entre os membros de


diferentes estratos (camadas);

Possui caráter "hereditário", ou seja, é transmitida de geração para geração;

É universal e variável;

Envolve desigualdades e crenças.

Desta forma, os estudos sobre estratificação social conseguem compreender como fatores
como poder, riqueza e status quo são pontos de distinção entre pessoas de uma mesma
sociedade. E a partir deste princípio, estes estudos conseguem observar estas desigualdades e
refinar o conhecimento de conflitos e problemas que estejam relacionados com os aspectos
simbólicos destas classificações sociais.

Tipos de estratificação social

Na atualidade ocidental, a estratificação social é organizada em três principais camadas


sociais: classe alta, classe média e classe baixa, e cada uma destas classes pode ainda ser
subdividida em outras classes.

Os indivíduos que pertencem a determinado estrato social podem ascender ou decair entre
as camadas, caso façam parte de uma sociedade aberta. Esse processo é conhecido como
mobilidade social.
Por outro lado, existem sociedades fechadas que não permitem essa mudança entre
camadas sociais. Na cultura indiana, por exemplo, o sistema de castas divide os indivíduos em
diferentes níveis hierárquicos determinados desde o nascimento.

Cada casta tem um papel fixo a ser cumprido na sociedade e aqueles que não forem fiéis aos
rituais e aos deveres de sua casta renascerão em uma posição inferior na próxima encarnação.

Não existe, portanto, mobilidade entre as hierarquias de uma casta, que determina até o tipo
de contato que cada indivíduo pode ter com membros de outras castas.

Por norma, as estratificações sociais de sociedades abertas (capitalistas) são baseadas no


poder econômico do indivíduo. Por outro lado, nas sociedades fechadas o que determinação
essa desigualdade é a origem do indivíduo, ou seja, a linhagem de sua família.

Saiba mais sobre as Castas e a Mobilidade social.

Os estudos sobre a estratificação social têm como referência principal as teorias de Karl Marx
e Max Weber, embora elas tenham focos diferentes.

Estratificação social segundo Max Weber

Para Weber a sociedade pode ser estratificada com base em três principais ordens:
econômica, social e política. Estas, por sua vez, são ramificadas em diferentes conceitos.

As distinções entre classes sociais são formadas com base no critério econômico. Já os
chamados estamentos se configuram por meio da distinção social que o indivíduo tem no meio
(importância do grupo que é oriundo ou integra).

Por fim, a política gera os chamados partidos, que também são grupos formados por pessoas
com privilégios em comparação aos demais, gerando algum tipo de desigualdade.

Ao contrário de Marx, Weber não enxerga o trabalho (economia) como o aspecto mais
importante para a estratificação social. Para o intelectual alemão, os estratos da sociedade são
formados por uma união dessas diferentes ordens.
Prova disso é o fato de Weber mostrar como a estratificação pode ocorrer entre pessoas de
uma mesma profissão. No caso de dois médicos, por exemplo, um pode ter maior prestígio e
melhor posição no status quo instituído pela sociedade em comparação ao outro.

Estratificação social segundo Karl Marx

De acordo com Karl Marx, a estratificação social é centrada no sistema de classes, dividido
principalmente entre a burguesia e o proletariado.

As teorias de Marx está associada aos estudos econômicos e aos aspectos sociais da
economia e seus efeitos.

Origem da estratificação social

Originalmente, nas sociedades primitivas, não existia o conceito de estratificação social.


Somente a partir do começo da divisão do trabalho entre os membros da comunidade
(principalmente a divisão sexual) é que as desigualdades começaram.

O domínio territorial e as diferenças étnicas que surgiram a partir disso também ajudaram a
acentuar a divisão dos grupos sociais em diferentes camadas.

Estratificação social e Estrutura social

Apesar de serem assuntos interligados, a estratificação social e a estrutura social tem


conceitos diferentes.

A estrutura social forma um sistema de organização da sociedade, através da inter-relação de


fatores sociais, econômicos, políticos e entre outros. Já a estratificação social busca
compreender como se formam estas classificações.

Exemplos de estratificação social

Normalmente, podemos encontrar este tipo de divisão quando um grupo de pessoas que não
dispõe de muita condição financeira, acaba por não ter acesso aos mesmos serviços
disponibilizados a outro grupo de melhores condições financeiras.

Isso também pode ser visto nos bairros periféricos, onde se encontra a maior parte da
população de baixa renda. Normalmente, este bairros são mais distantes dos centros das
cidades.