Anda di halaman 1dari 11

Universidade Federal da Paraíba

Centro de Ciências Sociais Aplicadas

Disciplina: Relação de Trabalho e Política – RTP

César Emanoel Barbosa de Lima, Prof. Dr.

“A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos
príncipes.”

Adam Smith
Universidade Federal da Paraíba

Centro de Ciências Sociais Aplicadas

Neoliberalismo

Pontos Favoráveis

Disciplina: Relação de Trabalho e Política - RTP

César Emanoel Barbosa de Lima, Prof. Dr.


Neoliberalismo

Pontos Favoráveis

Clécio Oliveira da Silva – 11517198


INTRODUÇÃO

Este trabalho tem por finalidade abordar a doutrina do neoliberalismo, apresentando os


pontos fortes de acordo com o modelo de governo neoliberal. Onde, é feito uma análise de
maneira parcial da doutrina neoliberal confirmando sua eficiência em locais que foram
implantados.

O trabalho é dividido em tópicos, o primeiro faz um breve comentário do neoliberalismo


em todas as áreas de abrangência, no segundo uma história de como veio surgi o neoliberalismo
e a interferência da doutrina em vários governos que influenciaram o mundo e também fazendo
uma análise da doutrina no Brasil com comandos dos ex-presidentes, Collor de Mello e
Fernando Henrique Cardoso, demonstrando que os dois governos trabalharam com o sistema
neoliberal. Em seguida, no terceiro tópico traz a definição do que é o neoliberalismo, mostrando
ideias e comentário das mesmas e por último uma breve conclusão com uma análise pessoal do
assunto.
HISTÓRIA

Vimos que o neoliberalismo não é algo novo, que surge no século XVII com uma ideia
liberal, onde o filosofo inglês John Locke citava em sua obra “Os dois tratados sobre governo”
e no século XVIII com o inglês Adam Smith com sua obra “A riqueza das nações” que
afirmavam que o liberalismo seria uma doutrina político-econômica que defendiam a liberdade
das empresas agindo conforme seus interesses sem que houvesse a intervenção do estado.

Ideias essas defendidas por tais pensadores são:

• Defesa da propriedade privada;


• Liberdade econômica (livre mercado);
• Mínima participação do Estado nos assuntos econômicos da nação
(governo limitado);
• Igualdade perante a lei (estado de direito).

O liberalismo se mostrou claramente ineficiente com o fim da Segunda Grande Guerra


e a grande crise de 1929, quando o EUA entrou em um momento sério de depressão econômica.
Não possuía caminho para o liberalismo, para frear o processo que este havia desencadeado, o
Estado teve que mudar sua postura aquela de não intervenção, passando a intervir na economia,
tanto no que diz respeito ao processo de escolha da produção como no sistema de proteção
social e direitos da população que estava antes abandonada a sua própria sorte.

Mesmo com problemas em sua doutrina política liberal, houve uma retomada em seus
conceitos e no fim do século XX ressurge com um novo nome o Neoliberalismo com ideias
reformuladas e adaptadas à realidade contemporânea. O neoliberalismo vem da Escola
Austríaca no século XIX com as ideias de Friedrich August Von Hayek quando escreve seu
livro intitulado de “O caminhão da servidão” e Ludwig Von Mises com “Ação humana”. Em
1947 no Mont Pèlerin localizado em um vilarejo da Suíça um grupo de pensadores reúnem-se
e formam a Sociedade do Mont Pèlerin que visavam propagar as ideias da Escola Austríaca.

Outra história de que essa reformulação do liberalismo tenha surgido nos Estados
Unidos e concentrou seus conceitos na Escola de Chicago com o americano Milton Friedman,
com ideias do liberalismo reformuladas em uma Nova Ordem que serviriam de base para um
estado ideal sócio-político.
Em 1973 Pinochet assumi o poder no Chile e passa a adotar o “Ladrilho”, que seria um
plano de ação que continha alguns fundamentos do neoliberalismo. Chamado de “Milagre
Chileno” pelos defensores neoliberais que argumentavam que seria uma formula correta para
ajudar o País. O primeiro milagre assim colocado em pratica após a chegada de Pinochet ao
poder que não foi muito positiva, assim que foi visto que não teria mais solução foi colocado
em pratica o tal chamado segundo milagre, havendo uma grande onda de privatizações
colocando a economia do país em total ordem.

Nos anos 80 o governo de Margaret Thatcher foi o primeiro a estabelecer uma política
neoliberalista, depois de influenciar o Parlamento Britânico conseguiu impor uma série de
medidas adotadas pela doutrina, medidas que foi da privatização de empresas estatais,
diminuição do poder do Governo em relação à economia, estabilização da moeda e até mesmo
revogação de direitos trabalhistas, logo em seguida vem Ronald Reagan presidente dos EUA,
onde adotou medidas como a liberação operações financeiras facilitando o movimento de
grandes volumes de capitais, a flexibilização de normas trabalhistas que permitiu a negociação
das empresas com seus contratados permitindo maiores investimentos como por exemplo em
tecnologia, a redução de gastos com saúde e educação e a transferência maciça de recursos
rumo à tecnologia e à indústria militar, assim como à pesquisa científica nas áreas de
informática e biotecnologia.

No Brasil houve uma tentativa de implementar o neoliberalismo no Governo de Collor


no início da década de 1990, quando os produtos importados passaram a invadir o mercado
brasileiro, com a redução dos impostos de importação. A oferta de produtos cresceu e os preços
de algumas mercadorias caíram ou se estabilizaram. Os governos também incentivavam os
investimentos externos no Brasil mediante incentivos fiscais e privatizações de empresas
estatais, ganhando rápidos incentivos no governo de Fernando Henrique Cardoso.
O QUE É NEOLIBERALISMO?

Um conjunto de ideias políticas e econômicas capitalistas que defende a não


participação do estado na economia. De acordo com esta doutrina, deve haver total liberdade
de comércio, pois este princípio garante o crescimento econômico e o desenvolvimento social
de um país.

Surgiu na década de 1970, através da Escola Monetarista do economista Milton


Friedman, como uma solução para a crise que atingiu a economia mundial em 1973, provocada
pelo aumento excessivo no preço do petróleo. Ideias essas:

 Mínima participação estatal nos rumos da economia de um país;


 Pouca intervenção do governo no mercado de trabalho;
 Política de privatização de empresas estatais;
 Livre circulação de capitais internacionais e ênfase na globalização;
 Abertura da economia para a entrada de multinacionais;
 Adoção de medidas contra o protecionismo econômico;
 Desburocratização do estado: leis e regras econômicas mais simplificadas para
facilitar o funcionamento das atividades econômicas;
 Diminuição do tamanho do estado, tornando-o mais eficiente;
 Posição contrária aos impostos e tributos excessivos;
 Aumento da produção, como objetivo básico para atingir o desenvolvimento
econômico;
 Contra o controle de preços dos produtos e serviços por parte do estado, ou seja,
a lei da oferta e demanda é suficiente para regular os preços;
 A base da economia deve ser formada por empresas privadas;
 Defesa dos princípios econômicos do capitalismo.
PONTOS FORTES DO NEOLIBERALISMO

Os defensores do neoliberalismo acreditam que este sistema é capaz de proporcionar o


desenvolvimento econômico e social de um país. Defendem que o neoliberalismo deixa a
economia mais competitiva, proporciona o desenvolvimento tecnológico e, através da livre
concorrência, faz os preços e a inflação caírem.

 Pouca intervenção do governo no mercado de trabalho;


 A diminuição dos impostos e tributos excessivos;
 A livre circulação de capitais internacionais, com ênfase na globalização;
 A abertura da economia para a entrada de multinacionais;
 A adoção de medidas contra o protecionismo econômico;

O comércio, os negócios, devem ser deixados para as atividades voluntárias entre


indivíduos. O governo não deve dizer às pessoas onde trabalhar, o que vender, quanto
gastar, o que construir. Isto deve ser deixado por conta das interações voluntárias entre
as pessoas. A propriedade privada permite isso. Também é necessário garantir que
quando há disputas elas possam ser resolvidas pacificamente. Como nos mostra a
história, quando se deixa a Economia na mão de mercados livres em vez de organização
ou planificação estatal, a prosperidade aumenta, a pobreza diminui e aumenta também
a produção de bens que as pessoas querem consumir.

 A política de privatização de empresas estatais;


 Diminuição do tamanho do estado, tornando-o mais eficiente;

Há bem poucas coisas que o governo deveria fazer. O objetivo do governo é


simplesmente proteger a vida, a liberdade e a propriedade. Qualquer coisa além disso
não é justificável. O governo deve ser estritamente limitado.

Ideias essas que serão o suficiente para que o estado caminhasse de maneira eficiente
trazendo um bem-estar sócio político da população.
CONCLUSÃO

Neste trabalho, foi analisado os fundamentos da doutrina neoliberal explicando seus


pontos fortes apresentando essa forma planejada de governo e os reflexos que podem ocorrer
em um sistema de governo neoliberal, onde foi comentado sobre governos neoliberais que
tentando implantar um sistema de governo que na teoria tem tudo para que der certo, sendo que
interferência de interesses pessoais, lembrando que um dos pré-requisitos da doutrina neoliberal
são as privatizações pois o governo quer se livrar de obrigações e terceirizar para outras
entidades pensando que elevaria a qualidade no atendimento à população no quesito economia,
saúde e educação.

Na era neoliberal brasileira, ocorreram muitas privatizações das empresas estatais, pois
o intuito do governo era levantar um capital para fortalecer a moeda brasileira. Mas não
apresentou o resultado que o Estado desejava. Dessa forma analisando todos esses pontos
comentados nesse trabalho, temos que analisar minuciosamente para encontrar uma forma de
elogiar o sistema de governo neoliberal, pois foi utilizado em vários governos e que em nenhum
momento veio se solidificar e tornar em um conceito realmente funcional para o estado. Durante
os estudos para confecção deste trabalho foi encontrado algo de positivo para tirar da doutrina
neoliberalista, mas não duradouro gerando, muito aprendizado a respeito do assunto abordado.
REFERÊNCIAS

Adam Smith. Disponível em:


http://www.suapesquisa.com/biografias/adam_smith.htm. Acesso em: 14 abr. 2017.

Adam Smith. Disponível em: https://educacao.uol.com.br/biografias/adam-smith.htm.


Acesso em: 15 abr. 2017.

Adam Smith: Biografia de Adam Smith. Disponível em:


https://www.ebiografia.com/adam_smith/. Acesso em: 19 abr. 2017.

BRITO, Filipe. O Neoliberalismo: o que é? E qual foi sua influência no


mundo contemporâneo?. 01 dez. 2010. Disponível em:
https://f5dahistoria.wordpress.com/2010/12/01/o-neoliberalismo-o-que-e-e-qual-foi-sua-
influencia-no-mundo-contemporaneo/. Acesso em: 20 abr. 2017.

CHAVES, Eduardo. John Locke, o pai do Liberalismo. Campinas, 19 ago. 2005.


Disponível em: https://liberal.space/2005/08/19/john-locke-o-pai-do-liberalismo/. Acesso em:
20 abr. 2017.

CARVALHO, Elaine de. Hayek e Friedman e as origens do neoliberalismo.


Disponível em: http://www.angelfire.com/planet/anpuhes/ensaio11.htm. Acesso em: 20 abr.
2017.

CREMONESE, Dejalma. O Liberalismo De Locke: O cidadão com direitos naturais.


Disponível Em: http://br.monografias.com/trabalhos915/liberalismo-locke-
direitos/Liberalismo-locke-direitos.shtml. Acesso em: 13 abr. 2017.

Liberalismo De Adam Smith. Disponível em:


Https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/administracao/liberalismo-de-adam-
smith/37072. Acesso em: 14 abr. 2017.

Liberalismo. Disponível em: http://www.suapesquisa.com/o_que_e/liberalismo.htm.


Acesso em: 13 abr. 2017.

Milton Friedman. Disponível em:


http://www.suapesquisa.com/quemfoi/milton_friedman.htm. Acesso em: 20 abr. 2017.
MORAES, Reginaldo C.. Neoliberalismo: de onde vem, para onde vai?. São Paulo:
Editora Senac, 2001. 88 p.

New Deal. Disponível em: http://www.suapesquisa.com/historia/new_deal.htm. Acesso


em: 20 abr. 2017.

PACIEVITCH, Thais. Friedrich August Von Hayek. Disponível em:


http://www.infoescola.com/biografias/friedrich-august-von-hayek/. Acesso em: 20 abr. 2017.

ROQUE, Leandro Augusto Gomes. O que é o Liberalismo Clássico. 31 jan. 2008.


Disponível em: http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=34. Acesso em: 24 abr. 2017.

ROSE, Ricardo Ernesto. John Locke e o liberalismo político. Disponível em:


http://ricardorose.blogspot.com.br/2012/10/john-locke-e-o-liberalismo-politico.html. Acesso
em: 13 abr. 2017.

SALAMA, Bruno; MENDES, Lucas. Hayek e a ideia de ordem espontânea. 12 out.


2009. Disponível em: http://ordemlivre.org/posts/hayek-e-a-ideia-de-ordem-espontanea.
Acesso em: 23 abr. 2017.

SANTOS, Renan Felipe dos. Os dez princípios do Liberalismo Clássico. 25 mar.


2012. Disponível em: https://direitasja.com.br/2012/03/25/os-dez-principios-do-liberalismo-
classico/. Acesso em: 23 abr. 2017.

SENKEVICS, Adriano. Sobre as origens do neoliberalismo. 24/12/2011. Disponível


em: https://ensaiosdegenero.wordpress.com/2011/12/24/sobre-as-origens-do-neoliberalismo/.
Acesso em: 20 abr. 2017.

SOUSA, Rainer Gonçalves. Liberalismo. Disponível em:


http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/historiageral/liberalismo.htm. Acesso em: 15 abr. 2017.