Anda di halaman 1dari 49

19ª Semana de Enfermagem

A centralidade da Enfermagem nas dimensões do cuidar

Abordagem da Enfermagem na Atenção Domiciliar


Palestrante: Enfª Profª Débora Freire
Graduada em Enfermagem Bacharelado e Licenciatura pela UFMA
Pós –Graduanda em Enfermagem Obstétrica e Neonatal
Preceptora de Estágio Saúde da Família – UEMA (Campus Bacabal)
Atenção Domiciliar
✓ Instrumento estratégico dentro da RAS
✓Atender aos indivíduos e às suas famílias

( MIOTO, 2001)
Rede de Atenção à Saúde
Atenção Domiciliar
• “Provisão de serviços de saúde por
prestadores formais e informais, com o
objetivo de promover, restaurar e manter o
conforto, a função e a saúde das pessoas
num nível máximo, incluindo cuidados para
uma morte digna” (OMS, 2005)
Atenção Domiciliar
✓“Conjunto de ações integradas em saúde que
ocorrem no domicílio destinadas à
população em geral”
✓Ações:
• Vigilância à saúde
• Assistência domiciliar
• Internação Domiciliar

(BRASIL, 2013)
Atenção Domiciliar
✓Objetivo
• Proporcionar vigilância, assistência e
promoção à saúde no domicílio
✓Subcategorias da Assistência Domiciliar:
• Vigilância
• Atendimento
• Acompanhamento Domiciliar

(BRASIL, 2013)
Assistência Domiciliar
✓Vigilância Domiciliar: visita que contempla
ações de promoção, prevenção, educação e
busca ativa da população, como:
• Puérperas e recém nascidos
• Busca ativa dos programas de
prioridades
• Abordagem familiar para diagnóstico e
tratamento
• Evolução de egressos hospitalares
(BRASIL, 2013)
Assistência Domiciliar
✓Assistência Domiciliar: Atendimento
Atenção Primária em Saúde
• Pessoas com perdas funcionais
• Pessoas com dependência para as
Atividades da Vida Diária
✓Internação Domiciliar
• Pessoas clinicamente estáveis que
exijam intensidade de cuidados
(BRASIL, 2013)
Assistência Domiciliar
Exemplos de condições indicadas:
• Portadores de doença crônica que
apresentem dependência física
• Pacientes em fase terminal
• Idosos, com dificuldade de locomoção ou
morando sozinho
• Egressos do hospital que necessitem de
acompanhamento por alguma condição que
os incapacite a comparecer à Unidade
Assistência Domiciliar
Exemplos de condições indicadas:
• Pacientes com outros problemas de saúde,
incluindo doença mental, que determinem
dificuldades de locomoção ou adequação ao
ambiente da Unidade de Saúde
Assistência Domiciliar
✓As situações ou motivos que requerem VD e
acompanhamento domiciliar são as que
estão atreladas aos programas e protocolos
da Atenção Básica, e obedecendo os
principios do SUS de acesso e equidade

(BRASIL, 2013)
Assistência Domiciliar
✓Cada equipe deve priorizar e organizar as
visitas conforme a situação da comunidade,
indicação do Agente Comunitário e recursos
da equipe de modo a dar cobertura a todos
os individuos e familias que por algum
agravo, situação permanente ou provisária
estejam incapacitados de buscar a atenção à
saúde na Unidade

(BRASIL, 2013)
Assistência Domiciliar
Ações preventivas:
- Visita à puerpera
- Busca de recém-nascido
- Busca ativa de doenças infecto-contagiosas ou
marcador
- Abordagem familiar para diagnostico e
tratamento
- Outras situações devem ser discutidas com a
equipe
(BRASIL, 2013)
Assistência Domiciliar
Ações terapêuticas:
- Paciente portador de doença crônica que
apresente dependência física
- Pacientes idosos com dificuldade de
locomoção ou morando sozinhos
- Pacientes com problema de saúde que
dificulte sua locomoção até a UBS
- Outras situações devem ser discutidas com a
equipe
(BRASIL, 2013)
Assistência Domiciliar
Responsáveis
• Profissional da equipe local de saúde lotado
na UBS
• Agente comunitário de saúde, sob
supervisão da equipe local de saúde.

(BRASIL, 2013)
Assistência Domiciliar
✓Deve ser centrada nas necessidades do
indivíduo e família

(BRASIL, 2013)
Assistência Domiciliar
✓A intervenção da ESF através da VD favorece
o exercício da integralidade junto ao
individuo inserido num cotidiano e
pertencente a uma família
✓Deve propiciar a corresponsabilidade do
individuo ou familia, tornando-o sujeito
para decidir junto com a equipe sobre os
problemas de saúde e agravos

(BRASIL, 2013)
Assistência Domiciliar
O profissional deve compreender:
✓Determinantes sociais de saúde tem
impacto na forma de atuação dos
profissionais de saúde
Assistência Domiciliar
O profissional deve conhecer:
✓As condições em que vivem os sujeitos
✓Aspectos do cotidiano das suas relações

Permitir um planejamento terapêutico


adequado e integral
Assistência Domiciliar
✓A ESF objetiva a promoção e a qualidade de
vida das pessoas em seu cotidiano, deve
promover a garantia dessa qualidade no
próprio ambiente em que as pessoas vivem,
estimulando sua participação ativa no
cumprimento desse objetivo (Gomes, 2005)
O Enfermeiro na Assistência
Domiciliar
• Gestor do serviço
• Supervisor do serviço
• Assistência direta

Requer
Qualificação

(ANDRADE ET AL, 2018)


O Enfermeiro na Assistência
Domiciliar
• Ações interacionais
• Ações educacionais
• Ações assistenciais
• Ações administrativas
Assistência Domiciliar
• Planejada
• Sistematizada
Planejando a Visita Domiciliar
1. Reunir todos os dados necessários com o
solicitante sobre o paciente ou a família
que será visitada pela primeira vez
2. Revisar o prontuário do paciente já
cadastrado, para inteirar-se de dados que
podem ser úteis;
Planejando a Visita Domiciliar
3. Avaliar se há condições de manejar o
problema em casa
4. Estabelecer o espaço de tempo em que
deve ser realizada a visita (é urgente? Pode
ser agendada?)
Planejando a Visita Domiciliar
5. Avaliar qual o profissional da equipe é
indicado para avaliar a situação trazida, e
se há necessidade de mobilizar outros
recursos – da equipe ou externos;
6. Anotar e confirmar o endereço antes da
visita
7. Executar a visita com registro de dados
Planejando a Visita Domiciliar
Ferramentas úteis:
✓ Genograma
✓ Ecomapa
✓ Escala de Risco de Carlos
Ferramentas
Genograma
• Trata-se de uma reveladora árvore genealógica
familiar.
• Desenho que dispõe de forma organizada,
elementos gráficos promovem a visualização
de ao menos três gerações familiares
• Revela úteis informações como idade, nível de
escolaridade, ocupação, saúde, casamento,
divorcio, separação e morte
(SILVA, 2012)
Ferramentas
Ecomapa
✓Representação gráfica dos vínculos intra e
extra-familiares que cada integrante da
família
✓Objetiva-se representar os relacionamentos
da família com os sistemas mais amplos

(SILVA, 2012)
Como Estabelecer Prioridades
na Visita Domiciliar?
Quem visitar
primeiro?

Qual a melhor maneira


de se privilegiar a VD a
famílias de maior risco
sem perder a qualidade
de atenção às famílias de
menor risco?
Escala de Risco de Coelho-Savassi
• Baseada na ficha “A” do SIAB.
• É um instrumento de priorização das visitas
domiciliares, simples e eficiente de analise
do risco familiar
• Avaliar as situações a que as famílias
possam estar expostas no dia a dia, e a
partir daí realiza-se a pontuação de risco
familiar

(COELHO, 2004)
Ficha “A”

(COELHO, 2004)
Ficha “A”

(COELHO, 2004)
Escala de Risco de Coelho-Savassi

(COELHO, 2004)
Escala de Risco de Coelho-Savassi
✓A partir da pontuação das sentinelas
estabelece-se, de acordo com o Escore Total,
a classificação de risco, que varia de R1 –
risco menor – a R3 – risco máximo
✓Classificação das famílias segundo a
pontuação obtida:
▪ Escore 5 ou 6 = R1
▪ Escore 7 ou 8 = R2
▪ Maior que 9 = R3
(COELHO, 2004)
Durante a Visita Domiciliar
Sistematizando a Assistência
Domiciliar
• Levantamento de Dados
• Definição dos Diagnósticos de Enfermagem
• Definição e Aplição Intervenções de
Enfermagem
• Checagem das Intervenções
Fragilidades na Assistência
• O desafio do dia a dia: agenda, o tipo de
mobilidade, condições do domicilio para
realização de exame físico adequado
• Problemas de comunicação entre os
membros da equipe e dificuldades no retorno
de informações à família
• Expectativas frustradas devido às
“sabotagens inconscientes” do cliente ou
família
Considerações Finais
• O agente comunitário de saúde sem dúvida
abre portas para esse tipo de atendimento.
• A educação continuada e o amor pelo
trabalho na Estratégia de Saúde da Familia,
trazem o preparo que facilita a realização da
visita
Considerações Finais
• A visita proporciona orientações e
intervenções precoces de diversas
naturezas.
• Devem ser observados e reavaliados todos
os detalhes da situação
Não basta planejar, visitar, avaliar.
É preciso participar e se envolver