Anda di halaman 1dari 50

ELEMENTOS DE MÁQUINAS

Aula 07
Chavetas
Partes dessa aula foram adaptadas das seguintes fontes bibliográficas:
SHIGLEY, Joseph E. et al. Projeto de engenharia mecânica. Ed. Bookman, 7a Ed,
2005.
NORTON, R. L. Projeto de Máquinas: uma abordagem integrada. Bookman, 2004.
LIMA, T.E de O - Notas de aula - Elementos de Máquinas, Pontíficia Universidade
Católica do Rio Grande do Sul – Departamento de Engenharia Mecânica, FENG, Porto
Alegre
FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO. Mecânica: processos de fabricação. Telecurso 2000
Profissionalizante. São Paulo: Editora Globo, 1996. 1
ELEMENTOS DE MÁQUINAS

Uniões com chavetas e suas características principais

- Chaveta é um elemento mecânico fabricado em aço. Sua


forma, em geral, é retangular ou semicircular.

- A chaveta se interpõe numa cavidade de uma árvore ou eixo


e o cubo de uma peça (engrenagens, polias, volantes, etc.).

- Sua finalidade é unir dois elementos mecânicos, evitando


assim o movimento relativo entre esses elementos e com isso,
permitir a transmissão de torque entre os elementos unidos
pela chaveta.

2
ELEMENTOS DE MÁQUINAS

Uniões com chavetas e suas características principais

Principais Vantagens:
- Fácil montagem e desmontagem
- Baixo custo de fabricação
Principais desvantagens:
- Diminui a resistência da árvore e
do cubo
- Diminui a exatidão de
concentricidade entre a árvore e o
cubo

Uniões entre árvores (ou eixos) e o cubo de outros elementos


3
ELEMENTOS DE MÁQUINAS

Tipos de chavetas
Existem diversos tipos de chavetas. As principais construções
das uniões com chavetas são padronizadas por normas.

4
ELEMENTOS DE MÁQUINAS

Tipos de chavetas

As chavetas podem ser classificadas em:

a) Chavetas de cunha (inclinada).

b) Chavetas paralelas (plana ou linguetas).

c) Chavetas de disco (meia-lua ou Woodruff).

5
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Tipos de chavetas

a) Chavetas de cunha

Estas chavetas têm esse nome porque são parecidas com uma
cunha. Uma de suas faces é inclinada, para facilitar a união dos
elementos.

As chavetas de cunha classificam-se em dois grupos:

1) chavetas longitudinais

2) chavetas transversais (chaveta de Pino)

6
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Tipos de chavetas
a) Chavetas de cunha
1) Chavetas longitudinais (afunilada, cônica, inclinada). NBR 6417

- Esse tipo de chaveta é colocada


longitudinalmente na extensão do eixo para unir o
eixo e o cubo.

- Podem ser com ou sem cabeça.

- Sua inclinação é de 1:100 e isto é uma das


causas de limitação de sua utilização em
elementos de cubos curtos....

quando se exige grande precisão de


concentricidade e alinhamento.

7
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Tipos de chavetas

a) Chavetas de cunha
1) Chavetas longitudinais (afunilada, cônica, inclinada). NBR 6417

Suas dimensões principais são definidas quanto a:


altura (h); comprimento (L) e largura (b).

8
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Tipos de chavetas

a) Chavetas de cunha

1) Chavetas longitudinais (afunilada, cônica, inclinada). NBR 6417

Este tipo de chaveta pode ser de diversos tipos:

- Encaixada
- Meia-cana
- Plana
- Embutida
- Tangencial
9
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Tipos de chavetas

a) Chavetas de cunha
1) Chavetas longitudinais (afunilada, cônica, inclinada). NBR 6417

Tipos básicos de chavetas longitudinais:

a.1) Chavetas encaixadas:


- São muito usadas. Sua forma
corresponde à do tipo mais simples de
chaveta de cunha.

10
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Tipos de chavetas

a) Chavetas de cunha
1) Chavetas longitudinais (afunilada, cônica, inclinada). NBR 6417
Tipos básicos de chavetas longitudinais:

a.2) Chaveta meia-cana:


- Sua base é côncava (com o mesmo raio do
eixo). Sua inclinação é de 1:100, com ou sem
cabeça.
- Não é necessário rasgo na árvore, pois a
chaveta transmite o movimento em função do
atrito.
- Dessa forma, quando o esforço do elemento
conduzido for muito grande, a chaveta desliza
sobre a árvore.
11
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Tipos de chavetas

a) Chavetas de cunha
1) Chavetas longitudinais (afunilada, cônica, inclinada). NBR 6417
Tipos básicos de chavetas longitudinais:
a.3) Chaveta Plana:
- Sua forma é similar à da chaveta encaixada, porém, para sua
montagem não se abre rasgo no eixo. É feito um rebaixo plano.

12
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Tipos de chavetas

a) Chavetas de cunha
1) Chavetas longitudinais (afunilada, cônica, inclinada). NBR 6417
Tipos básicos de chavetas longitudinais:
a.4) Chaveta Embutidas:
- Essas chavetas têm os extremos
arredondados, conforme se observa
na vista superior ao lado.

- O rasgo para seu alojamento no eixo


possui o mesmo comprimento da
chaveta.

- As chavetas embutidas nunca têm


cabeça. 13
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Tipos de chavetas

a) Chavetas de cunha
1) Chavetas longitudinais (afunilada, cônica, inclinada). NBR 6417
Tipos básicos de chavetas longitudinais:

a.5) Chavetas Tangenciais:


- São formadas por um par de
cunhas, colocado em cada rasgo.
- Sempre são utilizadas duas
chavetas, e os rasgos são
posicionados a 120°.
- Transmitem grandes torques e são
utilizadas, principalmente, quando
o eixo está submetido a mudanças
de carga ou golpes. NBR 10117. 14
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Tipos de chavetas

a) Chavetas de cunha
2) Chavetas Transversais (Chavetas de pino)
- São aplicadas em união de peças que transmitem
movimentos rotativos e retilíneos alternativos.
- Quando estas chavetas são utilizadas em uniões
permanentes, sua inclinação varia entre 1:25 e 1:50.
- Se a união se submete a montagem e desmontagem
frequentes, a inclinação pode ser de 1:6 a 1:15.

- A inclinação simples e dupla são mostradas na figura abaixo.

15
ELEMENTOS DE MÁQUINAS

Tipos de chavetas

As chavetas podem ser classificadas em:

a) Chavetas de cunha (inclinada).

b) Chavetas paralelas (plana ou linguetas).

c) Chavetas de disco (meia-lua ou Woodruff).

16
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Tipos de chavetas

b) Chavetas Paralelas
- Essas chavetas têm as faces paralelas, portanto, não têm
inclinação. NBR 6375.
- A transmissão do movimento é feita pelo ajuste de suas
faces laterais com às laterais do rasgo de chaveta.
- Fica uma pequena folga entre o ponto mais alto da
chaveta e o fundo do rasgo do elemento conduzido
(cubo).

17
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Tipos de chavetas
b) Chavetas Paralelas
- As chavetas paralelas não possuem cabeça.
- Quanto à forma de suas extremidades, elas podem ser
retas ou arredondadas.
- Podem ter furos para fixar a chaveta com parafusos no eixo.

18
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Tipos de chavetas
b) Chavetas Paralelas

A lingueta pode ser fixa na árvore ou no cubo, conforme


apresentado nas figuras abaixo.

19
ELEMENTOS DE MÁQUINAS

Tipos de chavetas

As chavetas podem ser classificadas em:


a) Chavetas de cunha (inclinada).

b) Chavetas paralelas (plana ou linguetas).

c) Chavetas de disco (meia-lua ou Woodruff).

20
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Tipos de chavetas

c) Chavetas de disco ou meia-lua (tipo Woodruff). NBR 5855

- É uma variante da chaveta paralela. Sua forma semicircular


facilita a montagem e desmontagem entre árvore e cubo.
- É comumente utilizada em eixos cônicos pois se adapta à
inclinação cônica do fundo do rasgo do cubo.

21
ELEMENTOS DE MÁQUINAS

Materiais para chavetas

- Em função das chavetas serem carregadas por cisalhamento,


frequentemente é desejável dimensionar a chaveta para que
ocorra na mesma um cisalhamento por ruptura dúctil quando
acontecer uma sobrecarga no equipamento.

como???

utilizando-se uma chaveta de árvore de baixo custo como um


“fusível de segurança mecânico” para proteger contra danos a
árvore e outros elementos de máquina cujo custo e importância
são maiores.
22
ELEMENTOS DE MÁQUINAS

Materiais para chavetas

Em função disso..........

normalmente, o material selecionado para chaveta é macio,


dúctil, aço de baixo carbono, laminado a frio para dimensões
padronizadas para chavetas.

- Aços do tipo ABNT 1020, 1035 ou 1045, são as escolhas


mais comuns. Algumas ligas de aço também são utilizadas.

- Ambientes corrosivos podem exigir chavetas de aço


inoxidável do tipo AISI 304, 316 e 320 ou chavetas de latão.
23
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Cálculo de chavetas

1) Torque e Força tangencial na transmissão de movimento


- Nas transmissões de movimento, o torque (T) é definido por meio através do
produto da força tangencial (FT ) pelo raio (r)

onde,

24
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Cálculo de chavetas

2) Potência e Torque na transmissão


- A potência é definida pelo trabalho realizado na unidade de tempo

Se,
1) o trabalho (τ) é o produto da força (FT) pela distância (x), e 2) a velocidade
(vp) é a distância (x) dividida pelo tempo (t). Logo,

onde,

25
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Cálculo de chavetas

2) Potência e Torque na transmissão


Obs: Formulação utilizada para conversão de unidades

26
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Cálculo de chavetas

3) Tensões atuantes nas chavetas


- Como já visto, a função básica da chaveta é permitir a união do eixo ou
árvore ao cubo
Consequentemente, o torque aplicado a árvore surge uma força F cujo valor é:

Então,
Essa força vai solicitar a chaveta de duas formas, por esmagamento e
por cisalhamento que são os dois modos de falha em chavetas. 27
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Cálculo de chavetas

3) Tensões atuantes nas chavetas


Os efeitos da força atuante na chaveta são:
A) Compressão

B) Cisalhamento

28
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Cálculo de chavetas
3) Tensões atuantes nas chavetas
Falha por esmagamento - A tensão média de compressão é definida por:

- A falha por esmagamento ocorre por compressão segundo as áreas das seções normais à
força F atuante à esquerda e à direita da chaveta.
- A área de esmagamento é a área de contato entre o lado da chaveta e a árvore ou cubo.

- Para uma chaveta quadrada ou retangular, esta será a metade de sua altura vezes seu
comprimento: Aesm = L . (h - t) – Exemplo compressão (A) slide 28

29
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Cálculo de chavetas
3) Tensões atuantes nas chavetas
Falha por cisalhamento - A tensão média devido ao cisalhamento é dada por:

- A falha por cisalhamento ocorre quando a chaveta é cisalhada ao longo de


sua largura na interface entre a árvore e o cubo.
- A área de cisalhamento é tangencial a força F atuante.: Acis = L . b

O próximo passo será comparar as tensões atuantes com as respectivas


tensões admissíveis, conforme apresentado a seguir. 30
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Cálculo de chavetas

4) Tensões Admissíveis
Como as tensões de compressão não causam falha por fadiga, as tensões de
esmagamento podem ser consideradas estáticas.

- A tensão admissível de esmagamento pode ser determinada em função da


resistência ao escoamento de compressão do material e o fator de segurança:

- Se o torque na árvore for constante com o tempo, logo a força também será.
Assim, a tensão admissível de cisalhamento pode ser determinada em função
da resistência ao escoamento por cisalhamento do material e o fator de
segurança.
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Cálculo de chavetas

4) Tensões Admissíveis

- Se o torque da árvore for variável com o tempo, então a falha


por fadiga de cisalhamento da chaveta será possível.

E a partir deste fato existem alguns tipos de abordagens:

32
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Cálculo de chavetas
4) Tensões Admissíveis
Abordagem do fator de segurança

- Nesta abordagem, em ambos os casos, o valor do fator de segurança, FS,


varia de 1,5 a 2,5.
- o valor 1,5 é adotado para solicitações estáticas
- o valor 2,5 é indicado para solicitações que envolvam cargas alternadas
ou variáveis (fadiga).
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Cálculo de chavetas
4) Tensões Admissíveis
Abordagem das tensões, média e alternada.
- O torque no eixo é variável com o tempo, a falha por fadiga por cisalhamento é possível.
- Neste caso, o enfoque está em calcular as componentes, média e alternada da tensão de
cisalhamento e usá-las para calcular as tensões, média e alternada de von Mises.
- Estas podem, então, serem usadas em um diagrama de Goodman modificado para
encontrar o coeficiente de segurança.
- As componentes, alternada e média de força na chaveta são encontradas pela
componente do torque dividida pelo raio do eixo naquele ponto.

- Assim, as componentes, alternada e média de tensão de cisalhamento na chaveta dadas por:

34
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Cálculo de chavetas
4) Tensões Admissíveis
Abordagem das tensões, média e alternada.
- Para encontrar um coeficiente de segurança para fadiga por cisalhamento
para a chaveta, devem-se calcular as tensões equivalentes de Von Mises
para cada uma dessas componentes, através das equações abaixo.

- Para determinar o coeficiente de segurança à fadiga utiliza-se a seguinte


equação:

35
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Cálculo de chavetas

4) Tensões Admissíveis
Abordagem das tensões, média e alternada.
- A tensão de esmagamento na chaveta é de compressão e, assim pode ser
considerada uma carga estática.
- Ela é calculada usando a força máxima na chaveta com a equação abaixo:

Para calcular o coeficiente de segurança para falha por esmagamento


utiliza-se a equação:

36
ELEMENTOS DE MÁQUINAS

Fatores de concentração de tensões para rasgos de chaveta


- Rasgos de chaveta em cubos são usinados em toda a extensão do cubo.
- Em árvores e eixos o fator de concentração depende da forma do rasgo,
onde, rasgos de chaveta com cantos vivos, apresentam um fator maior do que
rasgos de chaveta de cantos arredondados, conforme apresentado na Figura
abaixo.

37
ELEMENTOS DE MÁQUINAS

Fatores de concentração de tensões para rasgos de chaveta


A Figura abaixo mostra curvas de fatores de concentração de tensão obtidas
experimentalmente para rasgos de chaveta em árvores sob carregamento de flexão ou
torção. Esses fatores variam entre 2 e 4, dependendo da razão entre o raio do canto e o
diâmetro da árvore.

Fatores de concentração de tensão para rasgo de chaveta produzido por freza de topo
(Kt para flexão) e (Kts para torção)
38
ELEMENTOS DE MÁQUINAS

Fatores de concentração de tensões para rasgos de chaveta


Os fatores de concentração de tensão para rasgos de chaveta obtidos na
Figura (Slide 38) para árvores em flexão Kt e em torção Kts devem ser
utilizados nas fórmulas abaixo para a determinação Kf para flexão e Kfs para
torção

A sensibilidade ao entalhe q pode conseguida graficamente ou pela fórmula de


Kunn-Hardrath em termos da constante de Neuber e do raio do rasgo r ambos
expressos em polegadas.

39
ELEMENTOS DE MÁQUINAS

Fatores de concentração de tensões para rasgos de chaveta

40
ELEMENTOS DE MÁQUINAS

Dimensões dos Cubos

Em geral, adota-se para comprimento do cubo


um valor que varia de 1,25 d a 2,0 d.

onde,

d é o diâmetro da árvore ou eixo.

41
ELEMENTOS DE MÁQUINAS

Dimensões das Chavetas


As chavetas possuem dimensões padronizadas de acordo com normas
específicas. Suas dimensões são especificadas por: largura (b), altura (h), e
comprimento (L). O segmento da altura alojada na árvore ou eixo é (t)

Representações das dimensões das chavetas e respectivas normas


(A) chavetas paralelas ou planas; (B) chavetas meia-lua
42
ELEMENTOS DE MÁQUINAS

Dimensões das Chavetas


As chavetas possuem dimensões padronizadas de acordo com normas
específicas. Suas dimensões são especificadas por: largura (b), altura (h), e
comprimento (L). O segmento da altura alojada na árvore ou eixo é (t)

Representações das dimensões das chavetas e respectivas normas.


(A) Chavetas tangenciais; (B) Chavetas inclinadas com cabeça. 43
Dimensões das Chavetas
Algumas dimensões de chavetas tangenciais padronizadas (Norma DIN)

44
Dimensões das Chavetas
Algumas dimensões de chavetas padronizadas (Norma DIN)

45
Dimensões das Chavetas
Algumas dimensões de chavetas padronizadas (Norma DIN)

46
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Dimensionamento

Como mostrado no item (Dimensões das Chavetas): a única


dimensão que não é padronizada e deve ser dimensionada é o
comprimento L da chaveta.

Para determinar L utilizamos:


1) O item (cálculo de chavetas): Slide 24 – 36.

2) Os critérios relacionados a seguir (a), (b), (c) e (d):


(a) O comprimento da chaveta deve ser menor que 1,5 vezes o
diâmetro da árvore ou eixo para evitar torção excessiva
com a deflexão dos mesmos.
Se for necessária maior resistência, duas chavetas podem ser
utilizadas 47
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Dimensionamento

2) Os critérios relacionados a seguir (a), (b), (c) e (d):

(b) Por uma questão de estabilidade entre a árvore e o cubo,


adota-se o comprimento da chaveta é igual ao comprimento do
cubo.

portanto,

na maioria dos casos, o que se faz é uma verificação, para


determinar se o comprimento mínimo da chaveta será maior do
que o comprimento do cubo, podendo nesses casos, serem
adotadas duas ou três chavetas entre o cubo e a árvore.

48
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Dimensionamento

2) Os critérios relacionados a seguir (a), (b), (c) e (d):

(c) Considerando que geralmente, adota-se para comprimento do


cubo um valor que varia de 1,25 d a 2,0 d, onde d é o diâmetro
da árvore ou eixo.

- O critério (b) pode contradizer o critério (a).

- Nesse caso, o projetista deve avaliar o mais conveniente e


seguro para cada caso.

49
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
Dimensionamento

2) Os critérios relacionados a seguir (a), (b), (c) e (d):

(d) O projeto de chaveta para uma dada aplicação deve


garantir que o torque de operação seja transmitido sem
falha,

enquanto

torques gerados por condições de sobrecargas tais como


emperramento ou o engripamento de um componente do sistema,
provoquem o cisalhamento da chaveta na interface com árvore-
cubo.

50