Anda di halaman 1dari 22

Segredos

 e  Insights  no  manejo  de  


crianças  e  adolescentes  com  TDAH  

Dr.  Clay  Brites    


Neurologista  Infan>l  
Doutorando  em  Ciências  Médicas  UNICAMP  
Subje>vo  e   Manejo  da  
ín>mo   Medicação  

Relação    
Diferenças  
Escola-­‐  
de  Gênero  
-­‐família  
Subje>vidade  no  TDAH  
•  “Preguiça  mental”:  auto-­‐engajamento  
•  Desinteresse  pelo  esforço  
•  Asser>vidade  
•  Capacidade  de  argumentação  
•  Desiste  fácil  de  discussões    
                                         
                                                                             (Becker  e  cols.  ,  2013  –  JCCAP)  
TDAH:  heterogeneidade  
•  Déficit  de  atenção,  hipera>vidade  e  
impulsividade???    
•  Auto-­‐regulação  emocional    
•  Desorganização  motora  e  espacial    
•  Efeitos  na  linguagem!!    
•  Comorbidades…  
                                                                                                                                       (Brites  &  Sergeant,  2015)  
                                                                                                                                                           
TDAH  :    um  transtorno  dismaturacional  ?                        
                                                                                                                                                                                 (Shaw  e  cols.,  2007)  
Diferenças  de  gênero    
                                     FEMININO                                    MASCULINO  

•  Entristecimento  frequente   •  Explosão  


•  Sensação  de  abandono     •  Ameaçador  
•  Bullying  social     •  Oposi>vo-­‐Desafiador  
•  Baixa  auto-­‐es>ma   •  Abandono  do  grupo  
•  Rejeição  crônica     •  Impulsividade  
•  Dis>mia     •  Brigas  e  xingamentos  
 
Medicação:  pontos  importantes!  
•  Criança  não  pode  tomar  sozinha    
•  Adolescente  é  imaturo  para  lembrar  
•  Adultos  devem  sempre  administrar!  
•  Efeitos  colaterais  :  modo  de  agir  
•  LA  ou  curta-­‐duração?    
•  Medo  de  falar  com  o  médico    
•  Medica-­‐se  demais  no  Brasil????    
 
farmacêuticas no país que estavam comercializando estimulan-
tes durante esse período. Estimamos o número de indivíduos em um estudo epidemiológico brasileiro (0,9%) (Goodman et al.1),
que estariam sob tratamento contínuo, considerando que um apesar de recente meta-análises feitas mundialmente com taxas
O  TDAH  é  subtratado  no  Brasil    
paciente tomaria apenas um comprimido por dia, (mesmo para
metilfenidato 10 mg, de liberação imediata, que deve ser admi-
de TDAH de aproximadamente 5,3% para jovens e 2,5% para adul-
tos (Polanczyk et al. 2; Simon et al.3). Segundo estas estimativas
nistrado duas ou três  vezes
(MaOos,  
ao dia) porP
22olanczyk,   Rohde,  
dias por mês, durante 2012  
bastante -­‐    RBPPsychiatry)  
conservadoras para o TDAH na população, pelo menos
10 meses por ano. É importante observar que consideramos o 924.732 pessoas são afetadas pelo TDAH no Brasil (tabela 1).

Tabela 1 Número máximo de pacientes sob tratamento contínuo em 2009-2010 no Brasil e o número previsto de
indivíduos com TDAH baseado na prevalência das estimativas mais conservadoras
Faixa etária População brasileira * Prevalência estimada Número estimado dos Número estimado de Número estimado de
do TDAH indivíduos com TDAH pacientes com TDAH pacientes com TDAH
no Brasil sob tratamento em sob tratamento em
2009** 2010**
5 a 19 anos 49.127.006 0,9% 442.143 - -

20 a 59 anos 107.242.035 0,45% 482.589 - -

60 anos ou mais 20.590.599 NA - - -


TOTAL 924.732 149.937 184.481

*Dados do IBGE (www.ibge.gov.br), 2010. ** Os números de comprimidos vendidos no Brasil em 2009-2010 foram 32.986.110 e 40.585.870. É considerado
tratamento se o indivíduo ingerir uma pílula por dia (independente da dosagem ou preparação farmacêutica) por 22 dias por mês, 10 meses por ano.

1516-4446 - ©2012 Elsevier Editora Ltda. All rights reserved.


doi: 10.1016/j.rbp.2012.04.002
BRATS    
(Bole>m  Brasileiro  de  Avaliação  de  Tecnologias  em  Saúde)  

•  Faz  avaliação  de  tecnologias  e  é  referência  


para  as  polí>cas  do  SUS;    
•  Tomada  de  decisões  no  sistema  de  saúde;  
•  Es>mula  o  uso  racional  e  seguro;  
•  Influencia  decisões  polí>cas;    
•  Março/2014  :  avaliou  evidências  cienificas  
acerca  do  uso  do  me>lfenidato  no  TDAH.    
Rev Saúde Pública 2015;49:32 Comentário DOI:10.1590/S0034-8910.2015049005966

Felipe Salles Neves MachadoI


Uso de metilfenidato em
Sheila Cavalcante Caetano I

Ana Gabriela HounieI


crianças com transtorno
Sandra ScivolettoII de déficit de atenção e
Mauro MuszkatIII hiperatividade
Ivete Gianfaldoni GattásI

Erasmo Barbante CasellaIV


Methylphenidate use in children
Ênio Roberto de AndradeII
with attention deficit hyperactivity
Guilherme Vanoni PolanczykII
disorder
Maria Conceição do RosárioI

RESUMO

O Boletim Brasileiro de Avaliação de Tecnologias em Saúde (BRATS), em


matéria sobre as evidências científicas da eficácia e segurança do metilfenidato
para o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), gerou
controvérsias sobre sua metodologia. Considerando a relevância do BRATS
para a saúde pública no Brasil, realizou-se análise crítica dessa matéria ao
refazer a busca do BRATS e discutir sua metodologia e achados. Foram
respondidas duas perguntas: o BRATS incluiu todas as referências disponíveis
na literatura? As conclusões refletiram os textos revisados? Identificou-se que
o BRATS não incluiu todas as referências da literatura sobre o tema e que as
I
Unidade de Psiquiatria da Infância e conclusões propostas estão diferentes dos resultados dos artigos escolhidos
Adolescência. Departamento de Psiquiatria.
Universidade Federal de São Paulo. São pelos próprios autores do BRATS. Os artigos selecionados pelos autores
Conclusões  
•  O  BRATS  não  inclui  todas  as  referências  já  
disponíveis  na  literatura  sobre  o  tema    
•  Não  foram  baseadas  nos  resultados  de  ar>gos  
mais  relevantes  
•  Não  se  adequa  ao  rigor  metodológico  nem  em  
evidências  cienificas  
•  Não  deveria  dar  suporte  `as  polí>cas  de  saúde  
                                                                                         (Machado  e  cols.,  2015)  
Variabilidade  de  apresentação  na  
escola  
Sem  atraso  
pedagógico  
Com  atraso   Associado  a  
pedagógico   TA  

TDAH  
Na  hora  das  tarefas….  
•  Sentar  do  lado    
•  Roteiro  mnemônico  
•  Organizar  materiais  
•  Estruturar  semana,  horários  e  assuntos  
prioritários…  
•  Pais  devem  acompanhar  as  tarefas      
 
                                                                                         (ABDA,  2016;    Benczik,  2009)  
Terapia  psicológica    
•  Deve  ser  predominantemente  
comportamental  
•  Reforço  de  laços  afe>vos  
•  Desenvolver  habilidades  sociais  
•  Conhecer  a  si  mesmo  (  auto-­‐conceito  e  
asser>vidade)  
•  Intervir  nas  funções  execu>vas  
•  Resultados  a  médio  e  longo  prazo  
 
Quando  a  Fono  e  a  Psicopedagoga  
entram??  

•  Atrasos  fonológicos  e  fonoar>culatórios  


•  Dificuldades  e  lacunas  em  aprendizagem  de  
leitura-­‐escrita-­‐matemá>ca  
•  Buscar  estratégias  de  aprendizagem    
•  Meta-­‐cognição    :    parâmetros  e  orientação  
   
                                                                     (Tannock,  2008;    Benczik,  2008)  
Comorbidades    
•  Perfil  alimentar  da  criança  com  TDAH      
•  Controle  esfincteriano  :  enurese  e  encoprese    
•  Sono  
•  Cefaléia    
•  Epilepsias    
•  Problemas  de  humor  e  ansiedade  
•  TEA    
   
   (Cortese,  2015;  MaOos  &  Rohde,  2008;  Biederman,  2013;  
Palmini,  2006)  
www.neurosaber.com.br    
www.neurosaber.com.br      
I    Jornada  Online  da  Neurosaber  
•  Semana  que  vem!    
•  Aulas  Gratuitas    
•  Aprendizagem  e  desenvolvimento  
•  Inscrição  no  site    
•  CURTAM    NOSSAS    LIVES  !!!  
Muito  obrigado  !!!  
•  drclayneuroped@yahoo.com.br  
•  Facebook  /  Clay  Brites    
•  Facebook/    Neurosaber    
•  www.entendendoau>smo.com.br