Anda di halaman 1dari 83

PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES

Conceitos, tipos, manifestações e análise

Jussara Socorro Cury Maciel


Novembro - 2015
PATOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES

Área da engenharia que estuda as


origens, causas, mecanismos de
ocorrência, manifestações e
conseqüências das situações em que
os edifícios ou suas partes deixam de
apresentar o desempenho mínimo
pré-estabelecido
METODOLOGIA DE ANÁLISE DE PROBLEMAS
PATOLÓGICOS

Problema patológico

Levantamento de subsídios

Diagnóstico

Definição de conduta
PATOLOGIA DAS FUNDAÇÕES
 investigação do subsolo
 projeto
 execução
 eventos pós conclusão
 degradação
INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO
 Efeitos ligados à investigação do
subsolo são a causa mais frequente
de problemas de fundações. Na
medida em que o solo é o meio que
vai suportar as cargas, sua
identificação e caracterização de
comportamento são essenciais à
solução de qualquer problema.
PATOLOGIAS CAUSADAS POR FALHAS NO
PROJETO
Relativos a mecanismos: de transferência de carga
da estrutura a ser suportada ao solo.
Desconhecimento do comportamento real das
fundações
Relativos à estrutura de fundação
Relacionados às especificações construtivas, ou sua
ausência.
FALHAS NA EXECUÇÃO DAS FUNDAÇÕES
Realizar acompanhamento e
fiscalização permanentes; Um bom
programa de avaliação de qualidade,
além do controle construtivo
minucioso, deveria começar com a
execução de controle de integridade,
inspeção por escavação ou teste em
provas de carga estáticas ou ensaios
dinâmicos.
Ausência de
regularização com
concreto magro do
fundo da cava da
fundação, associado
a ausência de
recobrimento

Execução de elementos
de fundação com
dimensão e geometria
incorretas
EVENTOS PÓS-CONCLUSÃO
 Provocada por fatores que não estão
necessariamente relacionados com o
carregamento transmitido pelas
fundações: escavações, explosões,
rebaixamento de lençol, freático,
tráfego pesado, demolições, cravação
de estacas, compactação vibratória
de solos, corrosão...
MANIFESTAÇÕES
MOVIMENTOS DAS FUNDAÇÕES
CARACTERÍSTICAS
DEMAIS PATOLOGIAS
 Alvenaria
 Reboco
 Revestimento
 Pintura
 Estrutura (concreto, madeira,
metálica)
 Instalações
PATOLOGIA DE ALVENARIA
• As fissuras em paredes podem ter as seguintes origens:
a) Erro de dimensionamento na fase de projeto (cargas,
estrutura, fundações)
b) Má utilização do prédio, tal como excesso de sobrecarga
ou distribuição errada dessa sobrecarga
c) Movimentação da estrutura por variação térmica,
variação no teor de umidade, retração hidráulica,
deformabilidade dos materiais, alterações de ordem
química;
d) Envelhecimento e fadiga natural dos materiais;
e) Acidentes imprevistos, tais como pancadas, incêndios,
explosões, alterações no solo e subsolo;
f) Má execução da alvenaria.
 Surgindo uma rachadura ou fissura em um
reboco ou revestimento, o primeiro trabalho deve
ser conferir se é própria da parede ou se ficou só
no reboco; se está estabilizada ou se continua
aumentando.
 Ao aparecer uma fissura num revestimento é
preciso saber se é fissura de reboco ou de
alvenaria.
FALTA DE PRUMO DA PAREDE
ABSORÇÃO DA ÁGUA DA ARGAMASSA DE
ASSENTAMENTO
PROBLEMAS NO ENCUNHAMENTO
 Em paredes de tijolos
furados também pode
acontecer a queda de uma
das faces do tijolo, por
esmagamento.
 Rachaduras podem
surgir em paredes,
causadas pelo seu
enfraquecimento para
dar passagem a canos de
esgoto e outras
tubulações, ocorre uma
tensão deferenciada das
vizinhas, surgindo
excesso de cisalhamento.
PATOLOGIA DE PINTURA E REBOCO
PATOLOGIA DE PINTURA E REBOCO
PATOLOGIA DE INSTALAÇÕES
PATOLOGIA DE INSTALAÇÕES (PROJETO)
PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES

2ª Parte:
Estruturas de concreto, madeira e metálica.
Ineficiência de contenções
Patologia de Instalações

Jussara Socorro Cury Maciel


Novembro - 2015
PATOLOGIA DE CONCRETO
Causas dos Processos de Deterioração das
Estruturas Durante a Construção
- Interpretação do projeto;

- Fôrmas e escoramentos;

- Deficiência nas armaduras;

- Erros de concretagem

- Materiais de construção
FÔRMAS E ESCORAMENTOS
O uso de fôrmas convencionais de madeira
ou metal faz com que junto as superfícies
do concreto forme-se uma camada de
pasta e argamassa com qualidade inferior
as camadas internas do concreto devido a
elevada relação água/cimento.
DEFICIÊNCIAS NAS ARMADURAS
 Má interpretação dos elementos de projeto:
 Insuficiência nas armaduras:

 Qualidade das armaduras:

 Posicionamento das armaduras:


CORROSÃO DAS ARMADURAS

 Interação destrutiva de um material com o meio


ambiente, como resultado de reações deletérias de
natureza química ou eletroquímica, associadas ou não
ações físicas ou mecânicas de deterioração.
 Manifestam-se por manchas superficiais causadas
pelos produtos de corrosão, seguidas por fissuras,
destacamento do concreto de cobrimento, redução da
seção resistente das armaduras com seccionamento de
estribos, redução e eventual perda de aderência das
armaduras principais.
Corrosão das
armaduras
por
carbonatação

Destacamento do
concreto de
cobrimento
COBRIMENTO
 Cobrimento de concreto insuficiente, ou de má
qualidade, o que facilita a implantação de
processos de deterioração tal como a corrosão das
armaduras, ao propiciar acesso mais direto dos
agentes agressivos externos. Também neste caso
torna-se indispensável o recurso aos espaçadores.
ADENSAMENTO
 A finalidade do adensamento do concreto,
também conhecido como compactação, é alcançar
a maior compacidade possível do concreto. O meio
usual de adensamento é a vibração.
 Quando o concreto é recém colocado na fôrma,
pode haver um volume de bolhas de entre 5 % a
20 % do volume total. Os volumes maiores em
concretos de alta trabalhabilidade e os menores
nos concretos mais secos, com menor abatimento.
 A vibração tem o efeito de fluidificar o
componente argamassa da mistura diminuindo o
atrito interno e acomodando o agregado graúdo
tentando diminuir o chamado efeito parede. A
vibração expele-se quase todo o ar aprisionado,
mas, normalmente, não se consegue a expulsão
total desse ar.
•Efeito parede
•Argamassa do concreto não homogenea
•Infiltração
RECUPERAÇÃO ESTRUTURAL
1. Reparo superficial

 Definição da área de reparo

Delimitação da área de reparo com


disco de corte
RECUPERAÇÃO ESTRUTURAL
1. Reparo superficial

 Remoção do concreto deteriorado

Jateamento com material abrasivo 


para escarificação das armaduras
RECUPERAÇÃO ESTRUTURAL

1. Reparo superficial
 Aplicação de ponte de aderência
base acrílica


Aplicação manual da argamassa de reparo, observando-se a instalação da
pastilha que compõe o sistema de proteção galvânica.
OBRAS DE RECUPERAÇÃO

Ponte
rodoviária
PATOLOGIA DE ESTRUTURAS METÁLICAS
PITES
CAREPA
ESTRUTURAS DE MADEIRA
Há três formas básicas de abaulamentos:

a) Encanoamento:quando a peça toma a forma de


uma calha;
b) Empenamento:quando a peça sai do plano; suas
extremidades se voltam para cima quando a peça
é deitada numa mesa;
c) Arqueadura: quando a peça entorta sem sair do
plano; ela flexiona no sentido da largura.
PATOLOGIA DE REVESTIMENTO
 Falta de aderência do material
 Falta de preparo da superfície

 Uso de argamassa não apropriada

 Prática de assentamentos deficientes

 Expansão por umidade

 Não tratamento das juntas


PATOLOGIA DE PINTURA
 FALTA DE LIMPEZA DO SUBSTRATO
 REPINTURA

 FALTA DE ADERENCIA AO SUBSTRATO

 QUALIDADE DA TINTA

 FORMA E TEMPO DE APLICAÇÃO


PATOLOGIA DE
COBERTURA/INSTALAÇÕES
EFLORESCÊNCIA
- Depósito salino na superfície de um produto da edificação como
resultado da exposição a intempéries.
- Pela ação da água da chuva ou do solo, o elemento da edificação fica
saturado e estes sais são dissolvidos, a solução migra para a
superfície e por evaporação resulta na formação de um deposito
salino.
- Resultado de impurezas nos elementos construtivos (argamassa)
FALHAS DE CONTENÇÃO
ORGANIZAÇÃO DA ANÁLISE

Aspectos
Causa Diagnóstico

Patologia

• Definição da conduta
• Projeto de Reparo
Terapia
• Materiais
Aspecto: manchas, gretamento,
descolamento, repintura
Causa: substrato mal preparado,
repintura, falta de limpeza e
conservação
Patologia: Pintura
Aspectos:
Destacamento do
concreto, corrosão da
armadura, deterioração

Causas: Mau
dimensionamento da
armadura; armadura
com corrosão;
argamassa não
homogenea…
 Aspecto: na parte inferior
da viga (foto 18) ocorrem
manchas de eflorescência
na cor branca, que estão
saindo do rejunte, entre as
pastilhas.

 Causa: presença de sais e


impurezas na argamassa de
assentamento, expostos à
umidade constante no local.

 Patologia: Eflorescência
Patologia: de instalação
Aspecto: manchas de
infiltração, instalação
elétrica inadequada, falta
de proteção, falta de
impermeabilização
Causa: ausencia de
manutenção, umidade,
não cumprimento de
normas de segurança
Patologia: de estrutura
metálica
Aspecto: Ligações entre
perfis inadequadas,
excesso de furo, não
seguiu o gabarito de furo
Causa: Projeto e execução
OBRIGADA!!

jussara@ifam.edu.br