Anda di halaman 1dari 4

O EGITO ANTIGO TRÊS MIL ANOS DE HISTORIA

PERÍODOS FATOS
PERIODO PRÉ- Os povos do Vale do Nilo aglomeram-se em trono de dois centros principais: ao norte BAIXO EGITO, na zona do Delta, e
DINASTICO 3300- ao sul ALTO EGITO, em Hieracômpolis. É necessário organizar a vida social e os primeiros centros tem uma autoridade
2920aC central concretizada na figura do rei. NARMER, ultimo do período,unifica o pais,conquistando o Baixo Egito.
PERIODO HORO AHA assume no nome de MENÉS,sucedendo Narmer e funda a I DINASTIA, estabelecendo uma segunda
PROTODINASTICO capital em Mênfis para melhor controle do país. Os primeiros reis são originários de Rinis, local desconhecido próximo
2920-2670 a.C a região de Abido, Alto Egito; suas tumbas encontram-se em Abido. I DINASTIA Aha (menés) Horo Zer (rei serpente)
Qaa (principais reis) II DINASTIA Hotepsekhemui, Peribsen e Khasekhemui.
ANTIGO IMPÉRIO DJOSER muda a capital Menfis e constrói a PRIMEIRA PIRÂMIDE em SAQQARA. Com SNEFRU, fundador da
2670-2150 a.C. IV DINASTIA - passa-se da Pirâmide ESCALONADA para a Pirâmide RETA (Pirâmides de GIZÉ). USERKAF
funda a V DINASTIA reforçando o culto a divindade solar, Constroem-se as pirâmides de Abusir e os Templos Solares.
UNAS constrói sua pirâmide em Saqqara, pela primeira vez no interior são esculpidos os célebres textos das Pirâmides.
Com o fim da VI DINASTIA o poder real diminui e iniciam-se as tendências independentes. III DINASTIA: Setnakht,
Djoser, Skhmekt; IV DINASTIA: Snefru, Quéops, Quéfres, Miquerinos; V DINASTIA: Userkaf, Sahure, Neferirkare,
Kakai,Niuserré, Unas; VI DINASTIA: Téti, Pepi I, Merenrê, Pépi II.
I PERIODO Fase de declínio do poder central. Os soberanos das dinastias IX e X estabelecem-se em Heracleópolis. Numerosos reis
INTERMEDIÁRIO 2150 efêmeros.
– 2100 a.C
MEDIO IMPÉRIO XI DINASTIA – Periodo de grande prosperidade. Restabelecimento do poder com a dinastia de príncipes tebanos.
2100 – 1750 a.C. Nesta dinastia o Faraó Mentuhotep ordena a construção do grande templo funerário Deir Del-Bahari.XII DINASTIA:
Amenemés I constrói a pirâmide norte de Lisht. Sesóstris I conquista a Núbia e constrói a pirâmide sul de Lisht.
Amenemés II constrói a pirâmide em Dahshur, Sesóstris II edifica a de El-Lahun e Sesostris III edifica mais uma em
Dahshur. Amenemés III edifica a pirâmide de Hawara junto com o rande complexo funerário conhecido como Labirinto.
XI DINASTIA Mentuhotepe XII DINASTIA: Amenemés I, Sesóstris I e Amenemés III.
II PERÍODO Declínio do Poder Real – a Núbia torna-se estado independente. Nova dinastia que não descende dos reis tebanos
INTERMEDIÁRIO A759- estabelece sua capital na parte ocidental do Delta. Os HICSOS invadem o Egito, fixam sua capital em Aváris, no Delta.
1640 a.C. Introduzem a biga puxada por cavalos. Por volta de 1550 o faraó tebano Amósis expulsa os invasores. XIII Dinastia –
DOMINAÇÃO DOS cerca de 700 reis. XIV DINASTIA Grupos de reis menores contemporâneos da XIII ou da XV Dinastia, XV DINASTIA
HICSOS 1640-1550 a.C. – Hicsos; XVI DINASTIA E XVII DINASTIA numerosos reis Tebanos.

HISTORIA DAS ARTES VISUAIS I – PROF.A HELENISE GUIMARÃES


O EGITO ANTIGO TRÊS MIL ANOS DE HISTORIA
PERÍODOS FATOS

NOVO IMPERIO TUTMÉS I conquista a Nubia Alta e é o primeiro a construir sua tumba no VALE DOS REIS. Sua irmã HATSHEPSUT
1550 – 1076 a.C.sobe ao trono e manda construir o templo funerário Deir Del-Bahari. TUTMÉS III conquista a Síria e estende a influência
do Egito ao oriente Próximo. TUTMÉS IV manda remover a areia da Esfinge de Gizeh. AMENÓFIS III estreita relações
com os reis da babilônia, Síria e de Mitanni. AMENÓFIS IV substitui a antiga religião pela adoração de um deus único, o
“Globo Solar”, e muda seu nome para AQUENATON, deslocando a capital de Tebas para Amarna (Aquetaton). Após sua
morte a nova religião é abolida. TUTANCAMON devolve a capital para Tebas. Seti I combate os líbios, sírios e hititas.
RAMSÉS II continua a guerra contra os hititas e após a batalhade Kadesh firma a paz em 1274 a.C. XVIII DINASTIA-
Amósis, Tutmés I, Tutmés III, Hatshepsut, Amenófis II,Tutmés IV, Amenófis III,Amenófis IV, Aquenaton, Tutancâmon,
Ai, Horemheb. XIX DINASTIA – Ramsés I, Seti I, Ramsés II, Merneptah. XX DINASTIA – Ramsés III, Ramsés IV,
Ramsés IX, Ramsés X, Ramsés XI.
III PERÍODO Nasce em Tebas uma nova dinastia que enfrenta o poder dos grandes sacerdotes de Tebas. A Núbia torna-se independente
INTERMEDIÁRIO e o Egito perde o controle sobre a Palestina. Alguns reis de origem líbia se estabelecem a leste do delta;aumenta seu poder;
1076-712 a.C. Bubasti torna-se capital e declina a importância de Tebas. O Egito desmembra-se em pequenos estados. Os reis Etíopes da
dinastia de Napata obtém o controle do Alto Egito e conquistam Mênfis. Durante a XXIV DINASTIA, os etíopes
governam todo o Egito. XXI DINASTIA – Semendes, Psusenes I e Psusenes II. XXII DINASTIA – varias sucessões de
reis reconhecidos em Tebas, sem concordância na sua origem e distribuição. XXIV DINASTIA – Tefnakhte, Bakenrenef.
ÉPOCA TARDIA Período de prosperidade e desenvolvimento cultural. Após a dominação etíope, vem a dominação assíria. Psamético de sais
712-332 a.C. derrota os Assírios e reunifica o país. O reino etíope de Napata separa-se definitivamente do Egito. A XXVI DINASTIA
corresponde a um novo período de prosperidade, inicia-se a construção de um canal que vai do Nilo ao Mar vermelho,
projeto depois abandonado. Em 525 o Egito torna-se província do império aquemenida após a derrota de Psamético III por
Cambises rei da Pérsia. Nectamebo I funda a XXX DINASTIA, a ultima dinastia autóctone do Egito e sob seu reinado se
constrói o primeiro pilono do templo de Amon em Karnak. XXV DINASTIA Núbia e Tebas: Kachta,Peye;Nubia e Egito:
Shabaka , Taharqa. XXVI DINASTIA: Necho I, Apries, Psamético III. XXVII DINASTIA (PERSA) Cambisa, DarioI.,
Xerxes I, Artaxerxes I, Dario II. XXVIII DINASTIA, XXIX DINASTIA, soberanos menores. XXX DINASTIA –
Nectanebo I e Nectanebo II – II PERIODO PERSA.
PERIODO GREGO- Em 332 a.C. Alexandre Magno ocupa o Egito.,após sua morte Ptolomeu proclama-se Faraó do Egito. Em 163 a.C. inicia-se
ROMANO 332 a.C. a influência romana, e em 395 torna-se parte do império Romano do oriente. DINASTIA MACEDONIA: Alexandre
– 395 d.C. Magno, Felipe Arideu, Alexandre IV. DINASTIA PTOLOMAICA.

HISTORIA DAS ARTES VISUAIS I – PROF.A HELENISE GUIMARÃES


O EGITO ANTIGO TRÊS MIL ANOS DE HISTORIA
FATOS O Egito ocupava todo o Vale do Rio Nilo, norte da África – ao norte avança para o mediterrâneo e ao sul para as quedas de Assuam. Clima ameno, de
atmosfera muito seca, influenciado pelas marés do rio que fertilizava extraordinariamente as terras. Civilização de maior longevidade (30 séculos), no 3º
Milênio são unificados os Baixo e Alto Egito em um só reino com um único senhor. Classes sociais bem definidas – Faraós, sacerdotes – nobres –
comerciantes – artesãos – camponeses e escravos. Estado e Religião são um único organismo., em que o faraó tem a posição de deus vivo.
ESCRITA Apresentava três sistemas básicos: HIEROGLIFICO, mais complexo e usado pelos escribas; HIERÁTICO: sagrado e usado pelos sacerdotes;
DEMOTICO: mais simples e popular.
ECONOMIA Dependência do Rio Nilo, que determinava o destino e prosperidade do país por seus ciclos relacionados às atividades agrícolas, com 3 estações de 4 meses de
30 dias cada uma. AKHET: tempo da inundação (julho a novembro) PERET tempo de semeadura (novembro a março) SHEMU – tempo da colheita (março a
julho). ATIVIDADES AGRÍCOLAS - Principal cultivo: cereais: trigo,cevada e centeio. Semeavam e encobriam a terra por meio de enxadões e arados de
madeira puxados por juntas de bois. Usavam o SHADUF, instrumento para levar água para locais mais altos dotado de um contrapeso. Colhiam as espigas
usando foices de madeira com lâminas de cobre ou bronze, sendo a coleta feita por crianças e mulheres. Levavam em lombos de burros as cestas com a
colheita para o local chamado eria,onde seriam pisoteadas por animais ou batidas com bastões. Os CAMPONESES constituíam a maior parcela da população
no Egito Antigo, garantindo com seu trabalho o sustento do pais.CRIAÇÃO DE ANIMAIS – O gado era fonte de carne,couro, leite e tração e servia aos
sacrifícios rituais nos santuários.Criavam cabras, asnos, ovelhas e porcos, além de aves, patos, gansos e grous.O cavalo só aparece no Novo império, e
raramente era cavalgado, usavam para puxar bigas. TRABALHOS ARTESANAIS: Carpinteiros e marceneiros produziam banquetas, mesas, poltronas, baús.
Oleiros produziam utensílios de uso diário: vasos, potes, travessas etc. TECELAGEM E CONFECÇÃO DE ROUPAS: produziam tecidos de linho e artigos
de couro, incluindo sapatos e sandálias. JOALHEIRA: Oficio que reunia artesãos especializados, mais valorizados que aqueles de outras produções.
Produziam jóias, colares, braceletes, pulseiras,anéis de ouro e pedras semipreciosas para a corte e grandes funcionários.(os mais pobres adornavam-se com
elementos mais simples)Todos os OFICIOS EVIDENCIAVAM UMA DIVISÃO DO TRABALHO, cada grupo concentrava-se numa tarefa do processo
produtivo.COMERCIO: O salário era recebido em espécie,ou seja,em produtos. Um comércio em pequena escala funcionava nas feiras, nas cidades e
vilarejos. As mercadorias eram trocadas por outras de mesmo valor. O comercio internacional era negocio de Estado. Contatos para trocas com a Fenícia
(peças de vidro, tecidos de cor púrpura e cedro) Ilha de Creta (cerâmica e artesanato) região de Punt (Somalia) (árvores de incenso. Mercadores sírios traziam
produtos exóticos tais como jóias, perfumes, tecidos, peles e marfim. O Egito enviava cereais, vinho, metais e produtos artesanais.
RELIGIÃO Aspecto fundamental da vida do Egito. Crença na vida além-túmulo que continuava ligada a terrena através das múmias. POLITEÍSMO– vários Deuses. Com
Akhenaton é implantado o monoteísmo com o culto a Amon Rá, que dura apenas neste reinado. O culto aos mortos e as praticas mágicas bem como os rituais
de adoração aos deuses faziam parte do cotidiano e estava presente o tempo todo. Os SACERDOTES formavam um grupo poderoso e de grande influência
política, sendo muito ricos.Sua função era executar os rituais sagrados. O mais alto grau era o de sumo-sacerdote. MAGIAS –uso de amuletos e talismãs era
bastante difundido, e existiam simpatias para todos os tipos de problemas, desde mau-olhado ate dor de cabeça.LIVRO DOS MORTOS – Onde era retratada a
cena do julgamento da alma, que aparecia nas tumbas e sarcófagos.O coração era colocado num prato e no outro a pena de Maat, a deusa da verdade,se o
coração fosse mais leve, o espírito seria declarado justo de voz (inocente) e iria para o paraíso,caso contrário seria devorado por um monstro,deixando de
existir. O espírito chamava-se KÁ, e sua sobrevivência dependia das oferendas e condições de seu túmulo. A MUMIFICAÇÃO servia para preservar o corpo
para sobrevivência do espírito além-túmulo. Seu ápice se dá na 21ª Dinastia, e era um processo demorado, que durava 70 dias. 1º faziam a evisceração, retirada
dos órgãos internos que eram tratados e colocados em vasos canopos. 2º desidratavam o corpo com natrão (sódio) por 40 dias,ungindo-o com óleos e
enfaixando-o com bandagens de linho.Os sacerdotes tinha conhecimentos de anatomia e executavam diversos rituais neste processo. A mumificação era
permitida a todos, diferenciando-se pelo poder e riqueza do morto. Acompanhava o corpo do morto o papiro de orações (Livro dos Mortos) e estatuetas que
seriam os servos, as shabits.

HISTORIA DAS ARTES VISUAIS I – PROF.A HELENISE GUIMARÃES


O EGITO ANTIGO TRÊS MIL ANOS DE HISTORIA
FATOS
SOCIEDADE E No topo da sociedade egípcia estão o FARAÓ e os membros da família real, seguiam esta hierarquia social os funcionários da coroa, os chefes
COTIDIANO militares, os sacerdotes, os escribas e os artistas mais destacados. Camponeses e artesãos constituíam a base da sociedade. Escravos eram poucos
numerosos e tornaram-se comuns no novo Império, estrangeiros oriundos das guerras de conquista e empregados nos variados afazeres, desde a
construção de edificações ate as tarefas domésticas. Uma vasta rede de funcionários atuava na administração e muitos cargos eram hereditários.A
eles estavam subordinados administradores de cidades, juízes, chefes de polícia e prefeitos. MILITARES: desde o Antigo império já existiam os
primeiros exércitos, pela necessidade de defesa. No Novo império os militares ganharam grande projeção social. A força básica era a infantaria, com
grupos de soldados munidos de arco e flecha. Uma divisão militar era formada por 5000 homens e 50 carros de guerra, cada uma com seu
comandante. ESCRIBAS: Eram um grupo de elite na sociedade egípcia, já que detinham o conhecimento da escrita, oficio reservado quase
exclusivamente aos homens. Levavam 20 anos para obter formação plena e freqüentavam escolas desde a infância. Trabalhavam como funcionários
nos escritórios reais ou nos templos, copiando decretos ditados pelos faraós ou administradores, anotavam também a entrada e saída de
mercadorias, taxas de impostos e registros diversos. Usavam tintas e juncos guardados em uma paleta, e o papiro era fabricado com o caule da
planta do mesmo nome. ARTISTAS: Os escultores, pintores e arquitetos durante toda a história do Egito produziram obras de grande valor. Aqueles
mais talentosos gozavam de prestigio e detinha privilégios e riquezas, mas não assinavam suas obras, pois estas tinham um sentido ritual e utilitário
acima do artístico. COTIDIANO: os camponeses viviam em pequenas aldeias espalhadas ao longo no rio Nilo. Menfis e Tebas concentravam milhares
de pessoas e no Novo império o número de habitantes chegava a 3 milhões.As habitações mais humildes eram simples, pequenas salas com cômodos
e a cozinha a céu aberto.Os mais ricos viviam em mansões ou palácios. O vestuário era condizente com a condição do individuo, e todo tipo de
adorno era apreciado. Usavam óleos, perfumes e pintura para os olhos Alimentavam-se de pão, figos, tâmaras, uvas, melão, alface, cebola, alho,
pepino, leite, ovos e mel. Carne de gado e aves era assada em espetos. Os mais pobres consumiam muito peixe, seco com sal. Bebiam vinho e
cerveja. Faziam festas particulares, com banquetes e bebedeiras, músicas e danças. A medicina era bastante avançada, encontrando-se em papiros
receitas médicas e tratamentos de doenças, havendo especializações em ortopedia, oftalmologia, ginecologia e outras. Sofriam de arteriosclerose,
artrose, catarata, escoliose, poliomielite e varíola, bem como de verminoses constantes e a pneumoconiose, conseqüência da areia nos pulmões. O
cotidiano do egípcio está detalhadamente retratado nas tumbas, nas pinturas murais, nos relevos e papiros.
O ESTILO Desde as primeiras dinastias o estilo e as tradições artísticas se conservaram durante milênios, pela condição de isolamento geográfico, população
relativamente homogênea e forte conservadorismo cultural, impregnado por alto grau de religiosidade. Os princípios fundamentais do estilo egípcio
já estão claramente definidos, a ARTE EGIPCIA desde o início demonstrava tendência para o geométrico, o monumental e o estático. Ela tem um
caráter utilitário evidente, que é estabelecido pela função a que se reservava, tanto nas artes quanto na arquitetura. A Arte egípcia utilizou um
sistema próprio de representação, assim como soluções específicas no campo da arquitetura, onde reside sua maior originalidade e a atração que
exercem ainda hoje aos observadores. Para compreender seus fundamentos é necessário levar em conta o papel mágico desempenhado pelas obras.
A arte oficial afastou-se deliberadamente do naturalismo, uma vez que as imagens, para serem “mágicas” não deveriam reproduzir a aparência
transitória das coisas e sim a sua essência. A arte Egípcia é anônima e feita por encomenda, sendo que o rei e as divindades polarizavam a maior
parte da demanda.

HISTORIA DAS ARTES VISUAIS I – PROF.A HELENISE GUIMARÃES