Anda di halaman 1dari 114

EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS SOBRE O DESARMAMENTO

ou “tudo aquilo que o lobby das armas não gostaria que você soubesse”

Marcos Rolim
2

Ao meu pai, Flávio Rolim e a minha mãe,


Rosa Maria Schneider, pelas lições de paz
3

Um velho índio descreveu , certa vez, seus conflitos internos:


“Dentro de mim existem dois cães: um deles é mau e cruel, o outro é muito
bom e dócil. Eles estão sempre brigando.
Então lhe perguntaram qual dos cães venceria e ele respondeu:
“Aquele que eu alimentar”.
4

EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS SOBRE O DESARMAMENTO


ou “tudo aquilo que o lobby das armas não gostaria que você soubesse”

Marcos Rolim

PORTO ALEGRE

SETEMBRO DE 2005
5

Prefácio

AS ARMAS E OS BARÕES ASSINALADOS


Luiz Eduardo Soares
(antropólogo e cientista político, ex-secretário nacional de segurança pública)

Depois do holocausto nazista e da falência do Estado totalitário soviético, cuja


razão onisciente degradou-se em burocracia estéril e ruiu ao sopro da rebeldia
libertária, aprendemos a suspeitar dos arroubos iluministas. Paralelamente,
descobrimos que a democracia pluralista era péssima solução para os dilemas da
equidade e da liberdade, nas sociedades complexas, mas nos convencemos de
que se tratava da menos má entre as possibilidades históricas. Renunciamos à
arrogância jacobina e substituímos a confiança dogmática na substância da
verdade pelo respeito prudente à irredutibilidade do dissenso e aos procedimentos
consensuais, legalmente pactuados. Aos poucos, entretanto, demo-nos conta de
que corríamos o risco de, inadvertidamente, jogar fora a criança com a água suja
do banho, varrendo para a vala político-filosófica das irrelevâncias a razão
argumentativa, cultuada pelo Esclarecimento. Percebemos que a crítica à
idealização da razão não nos devia levar ao irracionalismo e ao relativismo. Demo-
nos conta de que a valorização do pluralismo não era incompatível com a recusa
ao relativismo.

A onda pós-moderna serviu para valorizar o que nosso olhar insensível


naturalizava e desprezava: a positividade da contingência e da fluidez, a
6

relatividade da percepção, a inexorável imersão cultural da cognição, a


indissolubilidade entre fato, valor e conhecimento, ou seja, a natureza política das
práticas e dos saberes. Por outro lado, conduziu-nos a alguns impasses graves e
a equívocos significativos, entre os quais, a meu juízo, se destaca a negligência
ao valor da herança que o Esclarecimento nos legou e que a modernidade
ocidental consagrou –malgrado suas perversões etnocêntricas e imperiais.

O tríptico que o Esclarecimento sintetizou e a revolução burguesa enalteceu, no


século XVIII, oriundo de nossas tradições religiosas, mantém-se insuperável,
como horizonte normativo: liberdade, igualdade, fraternidade. Exercer tais valores
implica abrir-se ao diálogo, exercitar a crítica e a auto-crítica, reconhecer a própria
finitude e limitação, renunciar aos dogmatismos, dispor-se a ouvir o outro e
ponderar, questionar-se e questionar, duvidar, hesitar, buscar adotar a proposição
mais persuasiva, aplicados os métodos racionais, vale dizer, aplicados os
procedimentos mais refratários que se conheçam, em cada momento, às paixões
e aos interesses, às premissas, aos axiomas, às idéias pré-concebidas, aos
preconceitos. A verdade possível, a solução razoável, a decisão plausível, o
encaminhamento adequado é aquele que emerge nesta e desta prática sadia,
flexível, livre, criativa e sociável da razão, neste processo interativo respeitoso do
interlocutor e de seus argumentos –o que não inibe a veemência e a ênfase
crítica, mas veta a desqualificação e o bloqueio derivado de hábitos mentais
reproduzidos por inércia.

Nesse sentido, a razão não é concebida como uma propriedade ou uma virtude
intrínseca à natureza, mas como a qualidade de um processo de geração de
consensos, radicalmente abertos à crítica e tão intensamente quanto possível
infensos a dogmatismos e manipulações, conscientes e/ou inconscientes.

No Brasil, em 2005, vivemos uma oportunidade extraordinária para o exercício da


razão dialógica. Criou-se uma chance rara para a prática da política com P
maiúsculo, em nome da Polis, da cidade, da sociedade. O alvo é a vida humana,
7

bem privado e público, patrimônio individual e coletivo, riqueza maior e comum.


Salvá-la, preservá-la, aperfeiçoar as condições para estendê-la, qualificá-la,
reduzindo danos e o sofrimento humano que pode ser evitado. A segurança
pública é o terreno em que se põem, a meta e o fenômeno. A questão em pauta é
a arma: proibi-la ou mantê-la acessível? Será um fator de redução dos homicídios
dolosos e culposos, proibir o comércio de armas? Ou não?

Marcos Rolim escreveu um pequeno e precioso livro, este, para demonstrar,


racionalmente, as vantagens da proibição do comércio de armas, os benefícios do
desarmamento. Ao fazê-lo, evitou a tentação de acusar os que divergem de seus
argumentos com os adjetivos de praxe: “irresponsáveis”, “vendidos ao lobby das
armas”, “irracionais”, “imorais”, “cúmplices da morte e da violência”. Preferiu o
caminho mais longo, trabalhoso, árido – mas infinitamente mais fértil - da razão. Aí
está um exemplo excelente de que as políticas públicas e as grandes questões
sociais podem ser discutidas e encaminhadas em nome do interesse coletivo e do
bem comum, como desejava Rousseau.

O referendo é uma conquista magnífica de nossa Constituição. Valorizá-lo como


mecanismo democrático implica levar a sério a experiência do debate público que
sua realização proporciona. Este livro cumpre duplo papel, portanto: exercita a
argumentação racional com maestria e sustenta, de modo consistente, a
superioridade da opção pelo desarmamento.

Precisamos de um Brasil capaz de defrontar-se com suas diferenças de forma


inteligente e tolerante, isto é, com racionalidade. E, de meu ponto de vista,
concordando com o autor, precisamos de um Brasil desarmado. Os barões das
armas não são os únicos que criticam o desarmamento. Muitos o fazem por
convicção. É necessário respeitá-los. Mas para que os defensores das armas
mereçam crédito intelectual e político, têm de trazer a público uma resposta
consistente a este livro. O desafio está lançado. A retórica simplória e
demagógica dos defensores das armas não é mais suficiente.
8

OS TERMOS DO PROBLEMA E A PRIMEIRA RECUSA:


QUEM SIMPLIFICA, MENTE.

O debate sobre as armas em curso no Brasil tende a promover mais


desentendimentos e a consolidar novos e antigos preconceitos caso seja feito
longe das evidências científicas disponíveis. A dificuldade de fazer com que a
discussão sobre um tema polêmico seja canalizada para o leito do exame das
pesquisas e dos estudos existentes é, entretanto, enorme. De um lado, este tipo
de esforço não faz sentido àqueles que possuem apenas interesses a preservar.
De outro, não há, de fato, o hábito entre nós de tratar a maioria das questões de
importância pública por meio de um diálogo com as ciências. Exceção feita às
políticas públicas de saúde, persistimos, no Brasil, diante da renovada disposição
de oferecer nossas próprias opiniões como se elas fossem suficientes. Penso,
inclusive, que resida neste limite cultural um dos nossos mais sérios problemas
políticos.

Como regra, as alternativas de políticas públicas são selecionadas no Brasil de


maneira improvisada, sem que correspondam a diagnósticos precisos, formulados
a partir de investigações criteriosas e de pesquisas de campo. Selecionamos
projetos e apostamos em receitas, porque achamos que elas são melhores, não
porque possuímos estudos e avaliações que demonstram sua efetividade. Muito
freqüentemente, os governos gastam fortunas em projetos muito bem
intencionados que não foram, entretanto, sequer antecedidos por uma
experiência-piloto que permitisse avaliar resultados e eficiência. Auditorias
independentes de políticas públicas são verdadeiramente excepcionais no Brasil.
Desconheço, na área de segurança pública, por exemplo, qualquer estudo
longitudinal no Brasil que tenha acompanhado a evolução de qualquer projeto,
9

com grupos de controle, por dez ou vinte anos. Os gestores de segurança pública
em nosso país seguem – contrariando um dos poucos consensos na criminologia
moderna – produzindo “diagnósticos” baseados em estatísticas originadas em
dados dos boletins de ocorrência policial. Pesquisas de vitimização, que
constituem já uma tradição de mais de trinta anos na Europa e nos EUA, são
rigorosamente ignoradas por nossos secretários de segurança e pelos
comandantes e chefes de polícia. Por decorrência, não contamos sequer com uma
base de dados confiável que nos permita monitorar a evolução da criminalidade e
da violência e produzir um diagnóstico que mereça este nome. Para piorar o
quadro, ainda somos obrigados a conviver com um padrão de ineficácia
institucionalizada que se contenta em reagir às demandas punitivas oferecidas
pelos grandes meios de comunicação e amparadas pelo senso comum. Neste
tranco, seguimos comprando viaturas, armas e munições para as polícias, sem
que se ofereça, concretamente, à sociedade um Plano de Segurança racional e
1
compreensivo, com metas definidas e instrumentos de avaliação . Imensos
recursos são, desta forma, desperdiçados e a ineficiência se eterniza como se
fosse uma maldição.

Falo, convém sublinhar, de uma característica cultural que atravessa as diferentes


posições político-ideológicas, que se observa, inclusive, dentro de ambientes
acadêmicos e que está esculpida em nossa formação desde a escola primária.
Na área da segurança pública, então, é evidente a ausência de uma tradição, por
menor que seja, de valorização do conhecimento científico. Neste ambiente, as
dificuldades são mesmo muito maiores. Primeiro, porque as conseqüências do
preconceito e da falta de preparo costumam ser contabilizadas em vidas humanas,
além do sofrimento adicional e desnecessário produzido pela violência estatal e

1
É claro que há exceções a esta regra e que seria possível indicar algumas importantes iniciativas
que vem sendo tomadas em vários municípios brasileiros, por exemplo, que já incorporam a
necessidade de um diálogo com a ciência e que estão fundadas em outros pressupostos.
Notadamente, deve-se sublinhar que o Plano Nacional de Segurança Pública apresentado pela
campanha de Lula à Presidência, em 2002, rompeu com a tradição política de formulações
genéricas e irresponsáveis na área. O Plano segue sendo uma referência importante no país,
independente de qualquer avaliação que seja feita em torno das dificuldades de sua
implementação.
10

pela máquina de persecução do Direito Penal. Segundo, porque os valores


essencialmente repressivos, mobilizados ativamente pela cultura policial,
constituem uma espécie de “arquivo vivo” da violência que nossa história já
produziu, do racismo à homofobia; do extermínio à exclusão. O tema da
segurança pública, assim, costuma oferecer a todos nós uma “ponte” obscura em
direção ao abismo onde escondemos nossos temores ancestrais e nossa pulsão
de morte.

Para que seja possível enfrentar o debate da segurança pública no mundo


moderno e tratar da ameaça muito real oferecida por grupos criminosos e pessoas
violentas é preciso contornar este caminho e inaugurar, sob a luz pública, um
diálogo produtivo com o saber científico.

Não que as ciências sejam a expressão reificada da verdade ou que suas


descobertas não devam ser, permanentemente, testadas na temperatura de sua
própria destruição. Pelo contrário: o que há de científico nos resultados aferidos
por procedimentos rigorosos e pela experimentação é, conceitualmente, a
expressão de uma aproximação. Um conhecimento, portanto, sempre provisório e
sujeito à revisão.

O que é preciso ser dito, entretanto, é que fora deste diálogo com o saber
científico, o que nos resta são as doutrinas e os princípios morais. As primeiras,
deverão ser testadas em contraste com as descobertas científicas. Seu critério de
validação, aliás, só pode ser este, sob pena de estarmos tratando de simples
2
ideologias . Quanto aos valores morais, eles serão sempre convocados a
selecionar as alternativas de políticas públicas disponíveis, ainda que disto não
tenhamos consciência. De fato, nem sempre percebemos que nossa própria
atenção para um fenômeno, ao invés de outro, já evidencia um papel ativo do
sujeito no conhecimento. Aquilo que nos sensibiliza ou que nos oferece uma

2
Emprego o termo ideologia aqui no sentido marxiano, vale dizer: como sinônimo de ‘falsa
consciência’.
11

sensação de urgência está, também, abrigado na escala hierárquica de valores


que carregamos. Assim, por exemplo, se a tortura de um ser humano está muito
bem definida em mim como um crime contra a humanidade e uma eloqüente
manifestação de indignidade e covardia, reagirei com igual indignação diante da
constatação de sevícias impostas a um condenado e a um homem livre. Mas se a
minha escala de valores assume uma espécie de divisão metafísica da
humanidade entre “pessoas de bem” e “pessoas do mal”, a tendência de que o ato
pareça menos grave quando vitimar alguém cuja semelhança conosco já foi
previamente impugnada será muito forte. Pode-se, assim, afirmar que nossos
valores nos antecedem e que, entre nós e os fenômenos que percebemos,
interpõe-se a cultura. Seja como for, nossos princípios não constituem políticas. O
que eles asseguram é um caminho; uma atitude, se preferirem. São, por isso
mesmo, muito importantes e deverão estar, tanto quanto possível, expostos
claramente à consideração pública na forma de diretrizes.

Estas considerações iniciais são necessárias para que eu possa, antes de tudo,
observar que o debate sobre as armas de fogo está “infectado” por muitas
falácias, como bem o observou McClurg (1999), em importante e polêmico estudo.
As falácias são perigosas porque permitem que as diferenças de opinião ou de
sensibilidades sejam conduzidas a uma polarização tal que as partes envolvidas já
não se escutam mais. O que deveria ser um debate transforma-se, então, em um
exercício bélico ou em um “jogo de soma zero”, em que um dos contendores
deverá ser derrotado e no qual cada uma das partes fala apenas para sua própria
audiência, em um tipo de conduta que o humor britânico caracterizou com a
expressão “preaching to the choir” (pregando para o coral). O que este caminho
constrói, inevitavelmente e ainda que esta não seja a vontade dos debatedores, é
a derrota da razão.

Este pequeno trabalho é uma aposta na razão. Seu autor é um ativista da luta
pelos Direitos Humanos no Brasil e alguém comprometido com os valores de uma
cultura de paz. Mais do que isso, alguém que convive, há mais de 20 anos, com a
12

realidade sempre impactante da violência no atendimento de casos de pessoas


que foram vitimadas por ela, pela intolerância e pelo preconceito. Uma parte
significativa desta vítimas “com nome e olhos”, com a qual tenho estado envolvido,
padece por conta da letalidade das armas de fogo. Por conta disso, então, sonho
com um mundo onde as armas não existam. Sei, é claro, que estamos muito longe
de um lugar assim, mas sei também que jamais nos aproximaremos dele sem dar
passos concretos em sua direção. As políticas de controle de armas, por isso
mesmo, despertam minhas simpatias e a militância em favor da proibição do
comércio de armas no Brasil se impõe, neste momento, em meu cotidiano, como
uma obrigação. Parto de uma escala de valores pacifistas que são,
essencialmente, contrários ao emprego de armas de fogo e que só admitem esta
possibilidade diante de uma circunstância onde tal emprego seja absolutamente
necessário para salvar a vida de alguém. Estes são os princípios que antecedem
meus argumentos. Torno-os claro, de início, porque penso que esta seja uma
obrigação moral de qualquer pessoa que se envolva em um debate.

Quanto ao mérito do tema em discussão, é preciso, ainda preliminarmente,


sublinhar que a eventual proibição do comércio de armas de fogo e munições no
Brasil, como de resto qualquer política de controle de armas, não constitui, em si
mesma, resposta suficiente ao fenômeno moderno da violência ou ao avanço da
criminalidade. Ninguém que defenda o controle rigoroso das armas de fogo ou
mesmo o seu banimento foi afetado por tamanha ingenuidade ou pretendeu, em
algum momento, vender esta ilusão. Políticas de controle de armas de fogo ou
medidas restritivas ou proibicionistas quanto a elas poderão oferecer uma
importante contribuição na luta contra a violência e a criminalidade. Em larga
medida, os indicadores e as correlações disponíveis autorizam a expectativa
otimista de que políticas com este viés venham a produzir resultados importantes
no espaço de alguns anos, na medida em que se revelem, de fato, capazes de
reduzir o estoque de armas disponível em determinada sociedade. Atingido este
resultado, pode-se esperar, legitimamente, uma redução média na taxa de
homicídios, tanto quanto uma diminuição sensível nas taxas de suicídios e de
13

mortes acidentais por manuseio de arma de fogo. Resultados melhores do que


estes, entretanto, só poderão ser alcançados com políticas de segurança que
enfrentem muitos outros agenciamentos do crime e da violência. O controle ou a
proibição da venda de armas de fogo não podem ser confundidos com políticas de
segurança, nem apresentados como uma panacéia.

Em segundo lugar, devo destacar que as ciências sociais não firmaram qualquer
consenso em torno dos efeitos das políticas de controle de armas. O que temos,
mais precisamente, são correlações apuradas em sucessivas pesquisas científicas
que depõem, em sua grande maioria, contra a pretensão de que armas de fogo
nas mãos de civis aumentem a segurança de uma sociedade. Os indicadores
disponíveis são sólidos o suficiente para impugnar esta pretensão, mas não,
ainda, para afirmar, sem qualquer sombra de dúvida, que um maior controle sobre
armas de fogo conduzirá, necessariamente, a uma maior segurança. Onde reside,
em síntese, a dificuldade para se estabelecer um consenso do tipo?

Acontece que, em ciências sociais, o conceito de causalidade talvez seja “tão real
3
quanto dragões ou sereias” . Quando temos um universo tão amplo e complexo
como uma realidade social sobre a qual fazemos incidir uma política de controle
de armas é muito difícil saber, com certeza, se determinadas alterações
verificadas a posteriori foram, de fato, provocadas por aquela política e não por
outros fatores. Nestes casos, uma metodologia correta exigiria que se separassem
duas áreas geográficas muito semelhantes em suas tradições culturais, com os
mesmos indicadores sócio-econômicos e demográficos, e com o mesmo histórico
de problemas de violência e criminalidade. Tomaríamos uma destas áreas para
introduzir, por exemplo, uma política fortemente restritiva para a posse de armas e
de proibição total do porte. Na outra área, permitiríamos que as armas fossem
vendidas com bastante liberdade e teríamos uma política que estimulasse o porte
de armas de fogo ao estilo daquela defendida pela National Rifle Association
(NRA) nos EUA. Mediríamos os resultados quanto às taxas de homicídio e crimes

3
W.P. Montague (1928) “The Ways of Knowing, or the Methods of Philosophy”, London: George
Allen & Unwin Ltd.
14

violentos para uma série temporal significativa como, por exemplo, dez anos e,
então, estabeleceríamos a comparação com os mesmos indicadores na década
anterior à experiência. A repetição de um experimento deste tipo em muitas
outras cidades, em diferentes países e momentos históricos, poderia oferecer
elementos para uma conclusão forte e mesmo para um consenso a respeito da
presença das armas de fogo e a incidência da violência e do crime. Este tipo de
pesquisa, entretanto, nunca poderia ser realizada, porque os seres humanos não
podem ser utilizados como meros instrumentos de um trabalho científico, ainda
mais se suas próprias vidas podem estar ameaçadas pela experiência.

O que a maioria dos pesquisadores têm feito, então, é comparar realidades muito
diferenciadas quanto à presença de armas de fogo (sociedades mais liberais
quanto à comercialização versus sociedades com políticas mais restritivas;
sociedades onde há uma “cultura das armas” e sociedades onde há uma “cultura
anti-armas”, etc..) procurando encontrar correlações significativas. Políticas
públicas que alteram as leis sobre armas também têm sido monitoradas por
muitos trabalhos na tentativa de identificar mudanças importantes, notadamente
quanto às taxas de homicídio e crimes violentos.

Ocorre que em nenhum destes estudos é possível isolar o fator “armas”. Muitos
outros fatores, como a presença maior ou menor do tráfico de drogas, diferenças
no trabalho policial, desigualdade social, taxas de desemprego, o consumo de
álcool, conflitos étnicos, a tradição de uso ou não das armas, entre outros, podem
responder pelas alterações observadas. Ou seja: eventuais reduções nas taxas de
homicídio poderiam ser alcançadas pela alteração de outras variáveis que não a
disponibilidade menor de armas. Ora, tal possibilidade desautoriza, a princípio, a
certeza quanto ao fator causal.

Estamos, com efeito, diante de tema cuja dificuldade não pode ser subestimada.
Um tema complexo que não admite respostas simplificadoras. Que todos tomem,
então, esta primeira observação a respeito da complexidade da matéria como um
15

alerta. Neste debate, quem simplifica mente e a certeza é apenas um outro


nome para a impostura.

David Fischer, em um muito elogiado trabalho sobre as falácias estatísticas 4,


observou, ironicamente, que sendo o tamanho médio de uma família americana de
3,71 pessoas em 1940 e de 3,54 pessoas em 1950, alguém poderia, extrapolando
a interpretação destes dados, sustentar que as famílias americanas estariam se
reduzindo a uma taxa de 0,22 pessoas por década. Por este raciocínio, em 2070,
o tamanho médio de uma família nos EUA seria, então, igual a 0,9 pessoas.

Bueno (2004) lembra que Gary Kleck, um dos nomes mais festejados pelo lobby
das armas nos EUA argumenta que os acidentes com armas de fogo não
constituem grande problema, pois a probabilidade de que ocorram é de 1/60.000.
Tais chances vêm, ainda, caindo ano a ano e representam, atualmente, 5% de
todas as mortes causadas por armas e 1% de todos os acidentes fatais nos EUA
5
. Esse 1% de acidentes fatais, entretanto, significou 1.225 mortes em 1995
(Utter, 2000).

Os exemplos servem para que tenhamos muito cuidado com relação aos números
que vêm sendo divulgados em apoio a uma ou a outra posição no atual debate
sobre armas de fogo. Não raras vezes, tais números são apenas manipulações
ou, pior ainda, invenções sem qualquer base real.

Alguns conselhos podem ser úteis: primeiro: não confie em qualquer dado
apresentado sem referência. Entre todas as referências, valore mais os trabalhos
publicados em revistas científicas e as pesquisas realizadas em Universidades
conhecidas por sua excelência. Não compre gato por lebre: estatísticas a respeito
de crimes violentos produzidas com base em registros policiais não são confiáveis
porque a maioria das vítimas, no Brasil e em todo o mundo, não registram as

4
David Hackett Fischer. (1970) “Historians’ Fallacies:Toward a Logic of Historical Thought”. New
York, NY. Harper & Row, Publishers, inc.
16

ocorrências. Oscilações nos registros policiais são muito mais facilmente


explicadas por uma mudança de atitude das vítimas que, quando confiam mais
nas polícias, registram mais as ocorrências e, quando confiam menos, registram
menos. Os números produzidos pelos boletins de ocorrência podem oferecer um
bom indicativo a respeito do trabalho da polícia, mas não servem para se afirmar
que o crime ou a violência estejam aumentando ou diminuindo. Um bom trabalho
policial pode fazer com que as notificações cresçam; pelo contrário, se a polícia é
relapsa ou se é tida como violenta e corrupta, o que irá aumentar é a sub-
notificação.

Assim, por exemplo, os últimos dados disponíveis a respeito de crimes violentos


notificados às polícias na Inglaterra (janeiro de 2005 6) mostraram um aumento
nos registros de 7% dos crimes violentos em um ano. Tal número foi
imediatamente apropriado pelo lobby das armas como uma “prova” de que a
violência estaria aumentando na Inglaterra, um país onde as armas foram
praticamente banidas em 1997. Mas a última Pesquisa Nacional de Vitimização
(British Crime Victimization – BCS) registrou uma queda geral de 11% nos crimes
cometidos no mesmo período, dos quais 10% consistem em diminuição de
arrombamentos, 14% subtraídos em furtos de veículos e 9% de redução de crimes
violentos. O Ministério do Interior (Home Office) afirma que o aumento de 7% nos
registros de crimes violentos é apenas o resultado da melhora do sistema de
registro implantado pelas polícias. Para os crimes praticados com armas de fogo a
taxa média tem se mantido estável em todo o Reino Unido, mas a taxa de crimes
praticados com armas de mão (revólveres e pistolas) caiu 7%. As taxas gerais de
crimes praticados com armas só não caíram porque há uma maior presença de
crimes praticados com imitações de armas que terminam sendo agregados para
efeitos estatísticos. Homicídios com armas de fogo, entretanto, caíram 16% e os
roubos à mão armada caíram 14%. 7

5
Gary Kleck (1997) “Targeting Guns: Firearms and Their Control (Social Institutions and Social
Change)”. New York. Aldine de Gruyter, p. 135.
6
Ver http://www.homeoffice.gov.uk/pdfs05/hosb0305.pdf
17

Entre todas as estatísticas com base em boletins de ocorrência (registros


policiais), no mundo todo, as únicas que podem ser utilizadas para se medir a
escalada da violência é a taxa de homicídios. Isto ocorre porque a taxa de
subnotificação para homicídios é muito pequena e não produz novidades
estatísticas. Mesmo assim, será preciso muito cuidado na hora de desagregar os
dados sobre homicídios de forma que não se misturem os dolosos com os
culposos, por exemplo, ou os Homicídios por Projétil de Arma de Fogo (PAF) com
os demais.

Para McClurg (1999), todos nós tendemos a raciocinar que se um evento ocorre
após o outro, então foi causado pelo anterior. Em alguns casos do dia a dia,
percebemos que há uma relação de causa e efeito entre determinados eventos, o
que reforça nossa predisposição a reconhecer causalidades em todos os demais.
Para que isto seja feito de forma não arbitrária, entretanto, será sempre
necessário observar três exigências básicas. Assim, “X” poderá ser causa de “Y”
se, e somente se:

- existir uma correlação significativa entre X e Y


- existir uma correlação temporal apropriada (X ocorre antes de Y em um
espaço de tempo relevante)
- existir, ao menos, um agenciamento que conecte os dois fenômenos

Mas, lembra ele, “correlação” não é o mesmo que “causação”.

Entre os raciocínios falaciosos que circulam no debate mundial sobre armas há


exemplos que podem ser colhidos nos dois lados, com facilidade. Um dos mais
interessantes talvez seja oferecido pelo próprio debate nos EUA, que já dura mais

7
Ver http://www.homeoffice.gov.uk/rds/pdfs05/hosb0205.pdf
18

de uma década, a respeito das razões pelas quais as taxas de homicídio vêm
caindo naquele país desde o início dos anos 90 8.

Para os defensores das armas, a queda tendencial na taxa de homicídios nos


EUA comprovaria que as correlações encontradas, em muitas pesquisas em todo
o mundo, entre maior disponibilidade de armas de fogo e maior incidência de
homicídios não podem ser tomadas como verdadeiras. Como nos EUA há mais de
240 milhões de armas nas mãos de civis, quase uma arma por habitante, então
não seria possível que justamente neste país se verificasse uma tendência
histórica de queda na taxa de homicídios. Já os defensores de um maior controle
sobre as armas (gun control) sustentam que a aprovação da Lei Brady 9 introduziu
alguns mecanismos de controle sobre o comércio de armas de fogo nos EUA (tais
como períodos obrigatórios de espera para checagem de antecedentes,
obrigatoriedade de exames que atestem sanidade mental, etc.), o que teria
impedido que milhares de armas fossem adquiridas por pessoas despreparadas
para isso, ajudando a fazer cair a taxa de homicídios.

Ao mesmo tempo, ao longo de toda a década de 90, políticos americanos


disputaram a atenção dos eleitores sustentando que suas iniciativas na área de
segurança é que haviam produzido tais mudanças. Alguns, como o ex-prefeito de
Nova Iorque, Rudolf Giuliani, com o apoio de uma mídia desprovida de qualquer
senso crítico e em sintonia com a crescente demanda punitiva das nossas

8
A taxa de homicídios nos EUA foi de 10,2 para cada 100 mil habitantes em 1980. 4 anos depois
ela havia caído para 7,9. Voltou a subir até 1991 quando alcançou o patamar de 9,8 homicídios
para cada 100 mil habitantes, declinando, desde então. Seu ponto mais baixo foi alcançado em
2002 com a taxa de 5,6/100 mil. (FBI, Uniform Crime Reports) Tais taxas devem ser comparadas
com a dos países desenvolvidos. Entre 1999 e 2001, a taxa média de homicídios na Europa foi de
1,6/100 mil habitantes. (Barclay, Gordon e Tavares, Cynthia (2003) “International Comparisons of
Criminal Justice Statistics 2001," Home Office Bulletin 12/03 (London, England, UK: Home Office
Research, Development, and Statistics Directorate.).
9
A Lei foi assim chamada em homenagem a James S. Brady, ex-secretário de Imprensa da Casa
Branca no governo de Ronald Reagan. Brady foi seriamente ferido no atentado contra Reagan em
30 de março de 1981. Desde que deixou a Casa Branca, ele passou a desenvolver um intenso
trabalho em favor da restrição às armas de fogo. Para maiores informações ver
http://www.bradycampaign.org/facts/issues/?page=bradylaw
19

sociedades, chegaram mesmo a incentivar a repetição de aventuras autoritárias e


ineficazes como o programa “tolerância zero”.

Economistas, por seu turno, chamaram a atenção para o fato de que os EUA
passaram a viver, exatamente neste período, anos de muita prosperidade e pleno
emprego, o que, naturalmente, agregaria efeitos benéficos na área da segurança.
Muitas outras hipóteses interessantes foram levantadas como, por exemplo, o
papel desempenhado pela diminuição do mercado do crack na contenção da
violência entre os jovens. Nenhuma das explicações oferecidas para o fenômeno
foi, entretanto, tão polêmica e impactante como a que procurou demonstrar que a
queda dos homicídios estava ligada à legalização do aborto ocorrida 20 anos
antes. A hipótese foi apresentada em um estudo de dois jovens pesquisadores,
John Donohue, da Universidade de Stanford e Steven Levitt, da Universidade de
Chicago. Em 1973, no famoso caso Roe versus Wade, a Suprema Corte tomou a
decisão que tornou legal o aborto nos EUA. O ponto de virada para as taxas de
homicídio (início dos anos 90) coincide com o período em que as crianças
nascidas após a decisão pró-aborto estariam alcançando seus últimos anos como
adolescentes. Crianças indesejadas possuem mais chances de receber menos
afeto. A incidência do fenômeno é mais comum entre setores mais desfavorecidos
e marginalizados da sociedade. Crianças indesejadas teriam, então, uma chance
maior de se transformar em adolescentes violentos.

Os dois pesquisadores apresentaram muitas evidências em favor de sua tese.


Primeiro, a queda na taxa de homicídios estava claramente associada a um
número menor de crimes cometidos por jovens; segundo, os estados que haviam
legalizado o aborto antes da decisão da Suprema Corte experimentaram antes o
declínio dos crimes violentos; terceiro, os estados com maiores taxas de aborto
tiveram as maiores reduções nas taxas de crimes violentos. Donohue e Levitt
(2001) estimaram que as taxas criminais em 1997 foram entre 10 a 20% mais
baixas do que seriam caso não houvesse a legalização do aborto. Tal fenômeno,
20

então, responderia por, pelo menos, metade das reduções nas taxas criminais
observadas no período.

As reações a este estudo foram, como se pode imaginar, furiosas, especialmente


por conta da forte presença do fundamentalismo religioso nos EUA. O tema não é
objeto deste estudo e, por isso, não me deterei nele. Penso, não obstante, que a
hipótese do aborto como fator causal na redução das taxas de crimes violentos
ilustra bastante bem o grau de complexidade a ter em conta em um debate desta
natureza.
21

ARMAS FORA DE QUALQUER CONTROLE – UM


GRANDE NEGÓCIO

Jeromy Hobbs, Diretor da OXFAM International declarou, ao lançar uma


campanha mundial a favor do controle de armas, que:

“É revoltante que seja mais fácil rastrear num monte um tomate


modificado geneticamente do que um AK-47 ou um lança-
foguetes. Uma mala perdida, por exemplo, no trajeto São
Francisco-Serra Leoa é mais fácil de ser encontrada em poucas
horas. Seguramente, todos os dias desaparecem armas mortais
sem deixar o menor rastro”.

Ao expressar sua indignação com a forma pela qual as armas são, comumente,
tratadas em todo o mundo, Hobbs estava tocando em um ponto muito sensível
para o qual, em geral, não se oferece a devida atenção.

Existem aproximadamente 639 milhões de armas de pequeno porte hoje no


mundo, produzidas por mais de 1.200 empresas de pelo menos 98 países. 8
milhões de armas são produzidas a cada ano. Quase 60% dessas armas de
pequeno porte estão nas mãos de civis. Pelo menos 16 bilhões de unidades de
munição foram produzidas só em 2001 – mais de duas balas para cada habitante
10
do planeta. Este extraordinário volume de instrumentos letais é responsável por
negócios que envolvem trilhões de dólares. Mas os produtos que esta indústria
lança no mercado não possuem, de regra, mecanismos que impeçam seu uso
indevido. As armas não fornecem identificação visível de que estão carregadas e,
muitas delas, possuem gatilhos que podem efetuar o disparo a um simples toque.

10
Small Arms Survey, 2002: “Counting the Human Costum” , projeto do Instituto de pós graduação
em Estudos Internacionais de Genebra, Oxford University Press, in “Vidas despedaçadas: em favor
de um rígido controle internacional de armas”
22

Muitas das modernas armas de mão (revólveres e pistolas), de fato, podem ser
acionadas por uma criança de 3 anos, sem maiores dificuldades. As armas
também não são concebidas para que possam ser usadas apenas por seus
proprietários (Robinson et al. 1996) - o que seria relativamente simples com os
modernos recursos de leitura ótica - e, por incrível que pareça, seus sinais ou
marcas identificadoras são tão banais que podem ser facilmente modificados ou
apagados. Às armas de fogo - seguramente o artefato mais perigoso que a
humanidade já produziu - se assegurou uma vida útil de muitas décadas.
Mercadoria universal sobre a qual não há, a rigor, controle efetivo, tais
instrumentos se transformaram em objetos fundamentais para a ação criminosa,
destacadamente para a prática de crimes violentos.

Armas de fogo produzidas legalmente por uma fábrica brasileira e exportadas para
um país vizinho podem retornar, clandestinamente, em algumas semanas, para o
Brasil, e armar grupos inteiros que atuam no tráfico de drogas, na cidade do Rio
de Janeiro, por exemplo, sem que se possa, uma vez recolhida uma destas
armas, identificar sua trajetória. Dificuldades ainda maiores são encontradas para
o controle de munições. O problema é tão sério que terminou por inaugurar um
lucrativo comércio de armas de fogo e munições de uso restrito, desviadas de
arsenais militares e das polícias para o tráfico de drogas e para grupos
especializados em assaltos com armamento pesado. Nestes casos, o desvio é
facilitado pelo simples fato de que as “mercadorias” subtraídas dificilmente podem
ser rastreadas.

Reside neste ponto uma das importantes alterações legais introduzidas com o
chamado “Estatuto do Desarmamento Brasileiro” (Lei 10.826/2003): a necessidade
de se identificar melhor armas e munições de tal forma que seja mais simples
rastreá-las. Um tema que, assinale-se, também não recebeu qualquer atenção na
polêmica pública sobre a nova Lei. Em verdade, o Estatuto conferiu ao Sistema
Nacional de Armas (SINARM) novas atribuições. Entre elas, a de cadastrar os
armeiros, as empresas produtoras, os atacadistas, os varejistas, os exportadores
e os importadores autorizados de armas de fogo, acessórios e munições. Mas a
23

nova Lei também determinou que o SINARM deva organizar um banco de dados e
características de armas de fogo, com as impressões do cano da arma, de
raiamento e microestriamento de projétil disparado de acordo com a marcação e
os testes obrigatórios realizados pelas indústrias, o que irá permitir, pela primeira
vez em nossa história, que armas de fogo e munições possam ser rastreadas em
investigações.

A concessão de porte de armas de fogo passou a ser, como se sabe, uma


atribuição centralizada pela Polícia Federal. Ainda sob a vigência da Lei 9.437/97,
o porte era da competência das polícias estaduais, o que tornava impossível o
estabelecimento de uma política homogênea em todo o país, abrindo enormes
espaços para favorecimentos e para a politização desta prerrogativa. Com a
mudança, houve uma sensível diminuição na concessão dos portes. Atualmente, a
regra é não conceder o porte. As exceções só são admitidas para os casos em
que o solicitante convença a autoridade policial que está sob grave e iminente
ameaça, ou que sua atividade profissional é de tal modo arriscada que não pode
prescindir do porte.

No mundo há, a rigor, dois sistemas de controle de armas: o discricionário (may


issue licencing) pelo qual se estabelece quais são as pessoas que poderão usar
armas e o sistema não-discricionário (shall issue) pelo qual se parte do princípio
de que há um direito à posse e/ou porte de armas, o que obrigaria as autoridades
a emitir licenças para todas as pessoas que não estejam legalmente impedidas.
Esta última política vem sendo defendida pela National Rifle Association (NRA),
desde 1985, nos EUA, e é adotada por vários Estados naquele país. O Brasil
adotou, com o Estatuto, uma política de may issue licencing, restritiva quanto à
posse de armas e de orientação, de regra, proibicionista quanto ao porte.

Ao mesmo tempo, no que se refere às munições, o Estatuto do Desarmamento,


em seu artigo 23, determinou que toda e qualquer munição comercializada no país
estará acondicionada em embalagens com sistema de códigos de barras, gravado
na caixa, para que sejam conhecidos o fabricante e o comprador. O mesmo artigo
24

definiu que às Forças Armadas, às Polícias, às Guardas Municipais e a todas as


demais instituições que possuem o direito ao porte funcional de armas de fogo
(arroladas no artigo 6º da Lei) somente serão expedidas autorizações de compra
de munição com identificação do lote e do adquirente no culote dos projéteis.
Estas e outras medidas de controle tornarão muito mais difícil o acesso de
bandidos às armas e munições com origem legal que, como se verá mais adiante,
costumam migrar com insuspeita freqüência e facilidade para o mercado ilegal.

O Estatuto do Desarmamento criou, também, em seu artigo 18, um novo tipo


penal: o tráfico internacional de arma de fogo, sendo este a ação de importar,
exportar, favorecer a entrada ou saída do território nacional, a qualquer título, de
arma de fogo, acessório ou munição, sem autorização da autoridade competente.
A conduta será punida com reclusão de 4 a 8 anos, pena que poderá, ainda, ser
aumentada da metade nos casos em que a arma de fogo (o acessório ou a
munição) for de uso proibido ou restrito.

Não irei discorrer sobre a realidade das penas introduzidas pelo Estatuto, porque
isto nos distanciaria do objeto central deste trabalho. Registro, apenas, que o
agravamento das penas, além da evidente desproporção criada frente a outros
delitos já tipificados, reproduz uma antiga ilusão presente no coração do direito
penal e estimulada pela crescente demanda punitiva que caracteriza a maior parte
das sociedades contemporâneas. Trata-se, afinal, de “populismo penal” imaginar
que a introdução de uma pena mais grave irá produzir qualquer efeito dissuasório.
A rigor, este caminho só levará a maiores períodos de encarceramento. Nada
autoriza, entretanto, que se espere a diminuição dos delitos se, entre dezenas de
outros vetores, a regra da impunidade para a maioria não for alterada.

Ocorre que, para se enfrentar a impunidade, é preciso assegurar as condições


para a produção da prova. Logo, o problema real quanto à impunidade está
emboscado na qualidade da investigação, não na extensão ou na gravidade da
pena. A idéia de que penas extremamente graves diminuem as taxas criminais é
uma das expectativas mais irracionais dos tempos modernos. Uma idéia que, não
25

obstante, aparece como um “buraco negro” no senso comum, atraindo todos os


astros que se aproximem de seu notável campo gravitacional, Inclusive a luz que
nos é oferecida pelas evidências contrárias colhidas, exaustivamente, na
experiência internacional.

Ao mesmo tempo, não se pode perder de vista com esta crítica o fato de que a
criminalização do porte de armas tem permitido que pessoas que estavam prestes
a cometer algum delito grave sejam abordadas e detidas antes que isso ocorra e
que muitos dos implicados em outros crimes, que dificilmente seriam
responsabilizados pela inexistência de provas sólidas ao longo das investigações,
têm sido presos por conta do porte ilegal de arma de fogo. O Estatuto, então,
como o sabem todos os operadores do direito, oferece elementos importantes
para que “os bandidos sejam desarmados e punidos”. Todo o debate e a pressão
social que passa a ser exercida em favor do desarmamento – com os valores
pressupostos de respeito à vida e a favor da pacificação, por outro lado, terminam
influenciando positivamente os comportamentos e as expectativas disseminadas
socialmente. Muitas experiências internacionais revelam esta tendência como, por
exemplo, a vitoriosa experiência de redução da violência e da taxa de homicídios
em Bogotá, na Colômbia.
26

“DÊ UMA ESPINGARDA PARA SEU GAROTO NESTE


NATAL” OU COMO O LOBBY DAS ARMAS INVESTE NAS
CRIANÇAS 11

Antes que possamos discutir mais apropriadamente o tema do controle de armas,


penso que seja interessante deixar mais claro o significado de uma cultura que as
venera. Certamente todos estarão de acordo se identificarmos os Estados Unidos
como o país onde tal conjunto de valores é mais representativo. Não apenas pelo
estoque de armas à disposição de civis em todo o país, nem, tampouco, pelo peso
da indústria por trás disto, mas, basicamente, pelo grau de legitimidade que as
armas de fogo alcançaram na opinião média dos norte-americanos, pode-se
afirmar que os EUA são o país onde a cultura das armas mais se desenvolveu. É
impressionante o significado que parcela da opinião pública deste país empresta
às armas de fogo. Com efeito, elas estão envoltas em um imaginário que, para
além das idéias de “liberdade” ou “virilidade”, envolvem a noção de “felicidade”.
Poucos analistas e cientistas sociais captaram isto tão radicalmente quanto o fez
John Lennon ao escrever a canção do álbum branco “Happiness is a warm gun”
(“A Felicidade é uma arma quente”) com a qual procurou expressar sua
12
indignação com os valores manipulados pela indústria das armas . Analisar esta
cultura é, de qualquer modo, importante na medida em que os EUA passam a ser
referência em todo o mundo para os defensores das armas, inclusive no Brasil.

Para os americanos, este debate começa com uma discussão interminável sobre
o significado a ser atribuído à Segunda Emenda à Constituição onde se escreveu
sobre o “direito a uma bem regulada milícia” (A well regulated Militia, being
necessary to the security of a free State) e sobre o “direito de possuir e portar
armas” (The Right of the people to keep and bear arms shall not be infringed).

11
As informações usadas neste tópico sobre a estratégia da indústria de armas com relação às
crianças foram extraídas, em sua maioria, do estudo: “A .22 For Christmas: How the Gun Industry
Designs and Markets Firearms for Children and Youth” disponível no site da organização Violence
Policy Center (VPC) sediada em Washington, DC. http://www.vpc.org/
27

Esta passagem tem sido interpretada de duas maneiras: por um viés


“individualista” pelo qual o texto consagraria pretenso direito individual de possuir
e portar armas; e por um viés “coletivista”, a partir da interpretação de que tal
direito se realizaria pela existência de uma milícia armada, como a Guarda
Nacional, por exemplo. Os individualistas agregam argumentos históricos
sustentando que, no século XVIII, a idéia de “milícia” envolvia todos os homens
adultos e sãos da comunidade, não um grupo com funções especiais de
segurança. O argumento dos individualistas é, muito provavelmente, correto
quanto ao sentido histórico original de um direito individual às armas. Já a
interpretação coletivista tem sido aquela que encontra o maior respaldo nas
decisões dos Tribunais. Cada um dos lados enfatiza o seu ponto forte e
desconsidera o ponto forte do outro lado (onesided assessment).

Comentando este debate, McClurg (1999) sustenta que não há o menor sentido
em se discutir o que os fundadores desejavam ao fixar este ou aquele princípio
constitucional:

“Lei é aquilo que os Tribunais dizem que é. Isto pode ser


bom ou mau – e este seria um outro debate, mas é assim
que as coisas funcionam”.

Os debatedores têm oferecido muita atenção ao caso United States versus Miller,
até hoje a única incursão da Suprema Corte dos EUA quanto à interpretação da
Segunda Emenda. Neste caso célebre, Miller foi acusado de violar a Lei de Armas
de 1934 (National Firearms Act of 1934.) por transportar uma arma de cano
serrado, sem registro. Ele sustentou que a acusação infringia o direito de possuir
e portar uma arma, assegurado pela Segunda Emenda. A Corte Distrital
concordou com esta tese, mas, julgando o recurso, a Suprema Corte afirmou que
a posse de armas de cano serrado não estava protegida pela Segunda Emenda.
Defensores das armas e seus opositores disputam esta decisão como a prova
derradeira de sua interpretação a respeito da Segunda Emenda, quando, na

12
O título da canção foi extraído de uma revista que anunciava armas. Lennon, ironicamente, foi
28

verdade, a decisão foi ambígua o suficiente para não fixar qualquer entendimento.
United States versus Emerson oferece a única decisão de um Tribunal Federal em
favor da tese de que leis de controle de armas ofendem a Segunda Emenda à
Constituição. Todas as demais decisões sobre o tema, tomadas em cortes
federais, afirmam o contrário.

Tal debate, entretanto, só aparentemente envolve interpretações jurídicas. Na


verdade, ele mascara valores muito consolidados a favor e contra as armas. Uma
parte importante desta polarização começou em 1871 quando dois veteranos da
Guerra Civil, Willian Conant Church e George Wood Wingate, fundaram a
Associação Nacional do Rifle (National Rifle Association - NRA). Desde então, as
iniciativas desta entidade - estreitamente vinculada e financiada pelas indústrias
de armas – passaram a contar com o apoio do Governo Federal. A NRA se
transformou no principal lobby das armas nos EUA e no mundo. Ela desenvolve
um intenso trabalho de propaganda, associando sempre as armas de fogo à
liberdade, como se elas fossem parte dos valores democráticos. Edita revistas
com ampla circulação; promove filmes e vídeos sobre a importância das armas;
organiza campanhas nacionais contra qualquer medida restritiva ou de controle
sobre as armas; mantém uma fundação que arrecada milhões de dólares a cada
ano para financiar um programa de prática de tiros com adolescentes. Um
programa, aliás, que já atinge um milhão de meninos e meninas em 43 estados
norte-americanos envolvendo até grupos de escoteiros. Esta fundação é isenta de
impostos. A NRA também financia as campanhas de muitos candidatos à Câmara
Federal e ao Senado, e sempre apóia alguém para a presidência da República.

Os dados sobre violência nos EUA, entretanto, têm permitido que, mesmo lá, um
crescente movimento contrário à cultura das armas se fortaleça e ganhe cada vez
mais adeptos. As armas de fogo se transformaram em um problema de saúde
pública nos EUA. Elas estão presentes em, pelo menos, 35 mil mortes e em mais
de 100 mil ferimentos a cada ano nos EUA. Segundo dados da “Coalisão Para o
Fim da Violência das Armas “(Coalition to Stop Gun Violence- CSGV) os Estados

assassinado em frente ao seu prédio por uma pessoa transtornada e armada.


29

Unidos tiveram, em 1997, 34.436 mortes por armas de fogo. Deste total, 54%
foram casos de suicídios (16.166), 42% foram homicídios (15.289) e 3% casos de
mortes acidentais (981 casos). Uma média impressionante de 88 mortes por arma
de fogo ao dia, das quais 12 são de jovens (CSGV, 2001).

Nos EUA, dois terços dos homicídios são praticados com armas de fogo e, entre
os jovens de 15 a 24 anos que foram vítimas de homicídios, mais de 80% deles
morreram por conta dos ferimentos causados por armas de fogo (Cook et al.
1995). Ao longo de toda sua história recente, os EUA tiveram vários atentados
com armas de fogo contra seus presidentes, como aquele em que foi assassinado
John Kennedy. Líderes que marcaram a luta pelos direitos civis no mundo também
foram vítimas da intolerância armada, como Martin Luther King. Para piorar o
quadro, os EUA têm convivido com uma seqüência de massacres praticados com
armas de fogo envolvendo, basicamente, duas situações: atiradores perturbados
mentalmente, munidos de armas automáticas, que alvejam pessoas na rua,
aleatoriamente e jovens armados que descarregam suas pistolas dentro de
escolas matando alunos e professores. A cada tragédia, uma nova onda de
indignação atravessa o país e mais pessoas se dão conta de que a dimensão de
sofrimento oferecida por estes eventos jamais seria possível sem o acesso às
modernas armas de fogo.

Como resultado destas mudanças, muitas organizações anti-armas têm surgido e


se fortalecido nos EUA. Algumas entre elas já alcançam, de fato, grande
representatividade como a Handgun Control, Inc. (HCI), fundada em 1974 por
duas vítimas da violência armada, que já possui 400 mil afiliados.

Mas para que se revele melhor a “estatura” da indústria de armas nos EUA e de
seu lobby, nada melhor do que descrever a relação destes setores com as
crianças e os adolescentes americanos.

Durante muitos anos, a indústria de armas esteve estagnada nos Estados Unidos.
O instituto de pesquisas da Universidade de Chicago (National Opinion Research
30

Center) constatou que o percentual de proprietários de armas nos EUA havia


13
caído quase 20% entre 1977 e 1996. Ocorre que o “mercado primário” das
fábricas de armas neste país havia sido já esgotado. Este mercado sempre foi
definido como aquele do cidadão típico norte-americano, homem, branco, classe
média e conservador. As mudanças demográficas, a variação cultural e étnica nos
EUA, tornaram, de outra parte, mais difícil expandir o mercado interno para as
armas de fogo. Quanto à produção de armas para as Forças Armadas, nunca
houve problemas. Afinal, há sempre algum país contra quem os presidentes
americanos – cujas campanhas recebem importantes somas da indústria bélica –
podem declarar guerra. As fábricas americanas não enfrentam dificuldades,
também, para exportar seus produtos e já armaram ditadores e facínoras em todo
o mundo, inclusive um certo Osama Bin Laden. Mas, no mercado interno, elas, de
fato, chegaram a enfrentar sérios problemas.

A caça sempre foi o meio mais tradicional pelo qual os pais introduziam seus filhos
no manuseio das armas. Mas este é um hábito em extinção. A grande maioria dos
americanos, mesmo os mais privilegiados, já não dispõe de oportunidades de
14
caça. Não há mais tempo para isso na vida moderna, tampouco o que caçar .
Por outro lado, o serviço militar deixou de ser universal nos EUA. Assim, a
situação anterior, onde todos os cidadãos tinham algum tipo de contato mais
íntimo com armas de fogo, pelo menos em algum momento da vida, deixou de
existir. No mais, a vida moderna oferece aos jovens um conjunto de alternativas
recreacionais que não poderiam ser sequer sonhadas há algumas décadas. A
começar pela Internet, pelos jogos eletrônicos, video games, novas práticas
esportivas, etc. A própria indústria foi obrigada a reconhecer o problema que
apareceu muito claramente em um anúncio onde se afirmava:

13 General Social Survey. Disponível em www.ipcsr.umich.edu

14 Evidência da National Survey of Wildlife-Associated Recreation, que encontrou que 9% dos


homens americanos com mais de 16 anos em 1970 eram caçadores. Em 1997, este percentual já
era de 7%.
31

“Com efeito, a maior ameaça que enfrentamos é a ausência


de uma base de futuros clientes para o produto que todos
nós vendemos” 15.

A resposta das Indústrias de armas para esta dificuldade de mercado, entretanto,


foi a mais imoral entre todas que ela poderia oferecer: ela passou a trabalhar lado
a lado com a NRA para atingir as crianças e os adolescentes com um programa
intensivo de propaganda a favor das armas. Desta forma, estariam assegurando
os futuros clientes e os militantes da cultura das armas. Em suas próprias
palavras:

“Outro tema que se destaca entre os atiradores e ativistas


pró segunda emenda na relação com as crianças e as
armas é que elas são a nossa salvação na luta pela
liberdade e pela preservação dos esportes de tiro” 16.

O mesmo apelo foi reproduzido pela NRA. Em 1996, em seu congresso anual, o
então presidente do mais poderoso e influente lobby pelas armas nos EUA, Marion
Hammer, sublinhou a nova agenda de sua organização:

“Isto será como um antigo jogo de luta livre para os corações


e mentes de nossas crianças... se nós não tivermos sucesso
em atingir a nova geração, então a liberdade pela qual nós
temos vivido – e pela qual muitos de nossos ancestrais
deram as suas vidas – não sobreviverá depois de nós”.

Assim, foi inaugurada a nova investida em favor da “liberdade” nos EUA: o


desenho de um número cada vez maior de pequenas armas, concebidas para o
uso de “jovens atiradores”.

A indústria das armas passou, então, a atuar em vários fronts. Fundaram a


“National Rifle Association's Eddie Eagle Program” (Programa “Águia Eddie” da

15
Advertisement, New England Firearms, Shooting Sports Retailer, September/October 1998.
16
Andy Kemp, "Girls and Guns," Handguns, August 2001, 51.
32

Associação Nacional do Rifle) um instrumento de marketing concebido para


associar os proprietários de armas a um rosto amigo e que é apresentado,
falsamente, como um “programa de segurança”. Começaram a usar vídeos
colocando armas virtuais nas mãos de clientes em potencial. Nas escolas,
decidiram explorar as aulas que tratavam da vida selvagem para estimular o
interesse das crianças em caça e armas de fogo.

Em maio de 2000, Brian C. Sheetz, editor da American Rifleman Magazine, a


revista da NRA, declarou que:

“Nos dias de hoje, os pais podem exigir nada menos do que


uma arma de fogo concebida especificamente para os
jovens. A especial qualidade destas armas longas
especificamente desenhadas e produzidas para os
pequenos atiradores já está disponível nas melhores lojas
do ramo” 17.

Sheetz ofereceu, também, uma definição do que seja “arma para jovens”:
“Exatamente o que seria uma arma longa específica para
jovens? Na ausência de uma definição simples e exata,
devemos procurar por uma arma que faça o tiro apreciável
para o iniciante. Algumas armas para jovens são, apenas,
uma versão menor das armas originais para adultos,
enquanto outras são proporcionalmente concebidas de tal
forma que seriam inadequadas para o uso por um atirador
adulto, tanto quanto uma arma de um adulto o seria para um
jovem atirador” 18.

Armas de fogo concebidas para crianças e adolescentes tendem a ser armas


longas como espingardas. Há muitas razões para o fato da indústria não ter
lançado no mercado pistolas ou revólveres para esta “faixa de mercado”. O
tamanho das armas longas impede que crianças possam carregá-las. Armas de
mão são facilmente manuseadas por crianças. Há uma lei federal nos EUA que

17
Brian C. Sheetz, "Sized for the Next Generation," American Rifleman, May 2000, 38.
18
Idem.
33

proíbe a posse de armas de mão por adolescentes. Por outro lado, ainda que
armas longas não possam ser compradas por menores de 18 anos em uma
revenda autorizada, não há leis que proíbam a posse de armas longas por
adolescentes.

As indústrias de armas nos EUA tratam o momento em que uma criança ganha
sua primeira arma de fogo com um ritual de passagem. Segundo William Kendy,
editor colaborador da publicação das indústrias de armas “Shot Business”:

“Ter seu primeiro rifle calibre 22 é como o seu primeiro beijo.


Você nunca esquece” 19.

Enquanto boa parte dos americanos não parece se chocar com a idéia de um
adolescente atirando com uma espingarda calibre 22, a indústria de armas está à
procura de clientes ainda mais jovens. Em resposta a questão: “Que idade é idade
suficiente?”, um panfleto de 1994, editado pela National Shootings Sport
Foundation (NSSF), e intitulado “Quando o seu filho quer uma arma...” sugere:

Idade não é o tema central. Alguns jovens estão prontos


para começar aos 10 anos, outros aos 14. A única medida
real é aquela da maturidade e da responsabilidade
individual. Seu filho segue bem as orientações? Ele é
consciente e confiável? Você o deixaria por algumas horas
sozinho em casa? Você o mandaria até a confeitaria com
uma lista de compras de 20 dólares? Se a resposta a estas
questões ou a similares for “Sim” então sua resposta poderá
ser sim quando seu filho lhe pedir sua primeira arma” 20.

Não é necessário que se examine os massacres com armas em escolas norte-


americanas para concluir que as crianças nos EUA estão muito mais expostas ao
risco de morrerem baleadas do que em qualquer outro país industrializado do

19
William Kendy "A .22 For Christmas," SHOT Business, November 2001, 20
20
When Your Youngster Wants a Gun... (pamphlet), National Shooting Sports Foundation (1994)
34

mundo. Em apenas um ano, 1997, armas de fogo não mataram uma só criança
ou adolescente no Japão, mataram 19 em todo o Reino Unido, 57 na Alemanha,
21
109 na França, 153 no Canadá e 5.285 nos Estados Unidos . Para cada
criança ou adolescente mortos por arma de fogo, há 4 outros feridos 22.

A taxa de mortes por arma de fogo entre crianças de 0 a 14 anos é,


aproximadamente, 12 vezes maior nos EUA do que a média de 25 outras nações
industrializadas. Quando se separa a taxa de homicídios de crianças praticados
com armas de fogo (acidentes excluídos), os EUA chegam a ter taxas 16 vezes
maiores. As taxas de suicídio de crianças entre 0 -14 anos com armas de fogo,
por outro lado, são, como veremos, muito maiores nos EUA do que nos outros 25
países industrializados. O interessante é que não há qualquer diferença nas taxas
de suicídios sem arma de fogo entre os EUA e as demais nações do estudo o que
sugere que o fator distintivo seja mesmo a disponibilidade extraordinária de meios
de morte 23.

Quando se pensar nos Estados Unidos como uma referência sobre armas de fogo,
quando tal experiência for citada, será conveniente se lembrar destes números.
Esta tradição de violência pretende influenciar diretamente o debate brasileiro
sobre as armas, inclusive a partir de articulações políticas.

Em 25 de agosto de 2003, a Revista Época trouxe uma interessante matéria sobre


as articulações realizadas no Brasil por Mr. Charles Cunningham, diretor do
“Instituto de Assuntos Legislativos” da National Rifle Association (NRA). No dia 14
de agosto 2003, este senhor esteve em São Paulo, reunindo-se com o lobby

21
Dados oficiais das respectivas embaixadas, Centros de Controle e Prevenção de Doença e, para
os EUA, National Center for Health Statistics.
22
J.L. Annest, et.al. "National estimates of nonfatal firearm-related injuries: beyond the tip of the
iceberg," Journal of the American Medical Association, 1995, 273:1749-1754

23
Centers for Disease Control and Prevention. "Rates of homicide, suicide and firearm-related
death among children – 26 industrialized countries." Morbidity Mortality Weekly Report. 02/07/97;
46:5. 101-105.
35

brasileiro das armas para orientá-lo a impedir a votação do Estatuto do


Desarmamento. O jornalista Leandro Loyola conseguiu infiltrar-se na reunião,
realizada no Clube Nacional, no Pacaembu. A NRA veio a convite da T.F.P.
(Tradição, Família e Propriedade), organização de extrema direita que nunca
vacilou em praticar a violência. Segundo a matéria, reuniram-se nesta seleta
reunião organizações terroristas como o Comando de Caça aos Comunistas
(CCC) e Movimento Anti-Comunista (MAC), conhecidos pelos atentados e
assassinatos que promoveram durante a ditadura militar, além de grupos
24
reacionários como a UDR . O evento pode significar mais do que uma simples
curiosidade. Desde há muito relegada a um papel marginal na política brasileira, a
extrema direita vinculada à ditadura militar e à tortura, parece ter encontrado no
tema das armas e da segurança pública um espaço político importante para sua
própria sobrevivência eleitoral. Não por acaso, a articulação política pró-armas no
Congresso Nacional tem atraído os representantes de um passado de opressão e
mediocridade que a frágil democracia brasileira não conseguiu superar.

24
Loyola, Leandro: “Radicais da Direita se Mexem” in Época, 25.08.03.
36

UMA FRAUDE CHAMADA JOHN LOTT

O professor e economista John Lott, da Universidade de Chicago, é o autor de um


25
best seller nos Estados Unidos sobre o tema das armas chamado “More Guns,
Less Crime” (“Mais armas, menos crime”). Conforme o provocativo título sugere, o
estudo do professor Lott procurou oferecer evidências de que as políticas de
liberalização do porte de armas em vários estados norte-americanos teriam
produzido o efeito benéfico de redução nas taxas de crimes violentos.

Seu trabalho produziu uma enorme satisfação entre os defensores das armas,
porque apareceu, de início, como o resultado de um amplo e meticuloso estudo
sobre as taxas criminais, pretensamente construído sobre os alicerces da
pesquisa científica e do manejo responsável das estatísticas. O estrago deste
trabalho, na verdade, extrapolou todas as expectativas, pois as conclusões de Lott
e suas posições reacionárias26 passaram a legitimar os valores violentos que,
costumeiramente, acompanham a defesa das armas em todo o mundo. Os
argumentos de “More Guns, Less Crime”, mesmo nos países onde o livro nunca
teve uma tradução (como no Brasil) se espalharam com a velocidade das notícias
ruins.

O que ocorre, entretanto, quando um trabalho é construído alegadamente


segundo critérios científicos, é que seus resultados são examinados por outros
cientistas e pesquisadores, seus métodos de trabalho são escrutinados por todos
os estudiosos no tema e os critérios de escolha empregados são questionados
para que se possa afirmar, finalmente, se suas conclusões são sérias. O trabalho

25
McClurg (1999) comenta que a história do livro de Lott tem sido a de um impressionante
sucesso. Segundo seu levantamento, até junho de 1999, houve pelo menos 110 editoriais
simpáticos ou favoráveis aos argumentos de Lott na imprensa americana; seu nome foi referido
em mais de 1.100 matérias jornalísticas, sendo que seu livro “More Guns, Less Crime” foi
mencionado em pelo menos 218 dessas matérias.
26
Lott sustentou, por exemplo, que, para se prevenir os massacres dentro das escolas, os
professores deveriam dar suas aulas armados (The Wall Street Journal, 27.03.98 ).
.
37

de Lott jamais alcançou esta condição. Pelo contrário: tão logo os pesquisadores e
cientistas tiveram acesso ao seu estudo e metodologia, dezenas de trabalhos
acadêmicos e artigos em revistas especializadas começaram a desconstituir as
premissas e as conclusões da polêmica obra 27.

Muitos pesquisadores de diferentes universidades examinaram seus métodos e


28
conclusões e concluíram que o livro de Lott é, fundamentamente, um equívoco .
Black e Nagin (1998), por exemplo, empregaram um muito conhecido teste formal
estatístico e provaram que Lott falhou ao incluir um número importante de

27
Os interessados poderão encontrar alguns bons textos de crítica a John Lott em trabalhos
como:

1) Franklin Zimring and Gordon Hawkins, "Concealed Handgun Permits: The Case of the
Counterfeit Deterrent," The Responsive Community, Vol. 2, Issue 7 (Spring 1997).

2) Dan Webster, Jon S. Vernick, Jens Ludwig and K.J. Lester, "Flawed gun policy research
could endanger public safety," American Journal of Public Health, Vol. 87, No. 6, pp. 918-
921 (June1997) www.ajph.org/cgi/content/abstract/87/6/918

3) Dan Black and Daniel Nagin, "Do 'Right-to-Carry' Laws Deter Violent Crime?" Journal of
Legal Studies, Vol. 27, No. 1, pp. 209-213 (January 1998).

4) Jens Ludwig, "Concealed-Gun-Carrying Laws and Violent Crime: Evidence from State
Panel Data," International Review of Law and Economics, Vol. 18, No. 3, pp. 239 - 254
(September 1998).

5) Daniel Webster and Jens Ludwig, "Myths about Defensive Gun Use and Permissive Gun
Carry Laws," prepared for the "Strengthening the Public Health Debate on Handguns,
Crime, and Safety" meeting, October 1999. www.jhsph.edu/bin/u/c/myths.pdf

6) Mark Duggan, "More Guns, More Crime," National Bureau of Economic Research, NBER
2000 papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=245849 and Journal of Political
Economy, Vol. 109, No. 5.
www.journals.uchicago.edu/JPE/journal/issues/v109n5/019506/brief/019506.abstract.html

7) Michael D. Maltz and Joseph Targonski, "A Note on the Use of County-Level UCR Data,"
Journal of Quantitative Criminology, September 2002.
tigger.uic.edu/~mikem/Cnty_UCR.PDF

8) Robert Ehrlich, Nine Crazy Ideas in Science. Uma critica de Ehrlich, um cientista
conservador, pode ser encontrada em Reason Magazine de Agosto-setembro de 2001.
Disponível em reason.com/0108/fe.re.the.shtml

28
Uma crítica completa ao livro de John Lott está disponível na Internet em:
http://timlambert.org/guns/lott/
38

variáveis em seu estudo. Com base neste e em outros resultados, os


criminologistas, juntamente com o Professor Jens Ludwig, concluíram que:

“Não há absolutamente qualquer evidência em apoio à idéia


que políticas permissivas de porte de armas de fogo
reduzam crimes violentos (...) seria um erro formular uma
política baseado nos resultados do estudo do Dr. Lott”.

A crítica foi tão convincente que mesmo Kleck (1997:372), um criminologista que é
freqüentemente citado por Lott e pela Associação Nacional do Rifle, refutou suas
conclusões.

“é mais provável que o declínio das taxas criminais


coincidente com a flexibilização das leis do porte possa ser
largamente atribuído a outros fatores não considerados na
análise de Lott”

O trabalho de Lott é bastante amplo e não se restringe a um estudo sobre as taxas


criminais e suas relações com o porte de arma. Além disso, ele discorre sobre
outros temas polêmicos no interior do debate sobre armas de fogo. Um desses
temas é o chamado “uso defensivo das armas”. Na literatura especializada há um
conjunto muito sólido de evidências a respeito dos riscos maiores a que são
submetidas as vítimas que reagem com arma de fogo a um crime em andamento.
Mais adiante, trataremos mais detidamente deste tema. Por ora, importa conhecer
e discutir a posição de John Lott. Para ele, as evidências acumuladas até então –
e que desaconselhavam fortemente a reação armada por parte das vítimas – não
deveriam ser levadas a sério, porque diziam respeito apenas a um tipo de
circunstância que terminava sendo registrada pela polícia. Na maior parte das
vezes em que alguém usa sua arma de fogo para impedir um crime ou ameaça
usá-la, isto não se transforma em registro policial. Logo, seria preciso dispor de
um outro tipo de coleta de dados para se chegar a uma estimativa correta.

O argumento sustentado por Lott, até aqui, é absolutamente procedente. De fato,


cidadãos que tenham impedido um crime em andamento com sua arma
dificilmente comunicarão o fato à polícia. Ocorre que nos EUA, como em todo o
39

chamado “primeiro mundo”, os gestores em segurança pública, os cientistas


sociais e os pesquisadores trabalham, sistematicamente, com pesquisas de
vitimização. Tais pesquisas, entre outros temas, recolhem informações sobre uso
defensivo de armas de fogo. Tais informações permitem, a partir da projeção das
respostas obtidas, que se tenha uma estimativa muito mais acurada que os
registros policiais. Os dados das Pesquisas Nacionais de Vitimização nos EUA
permitem estimar um total de 68 mil casos, a cada ano, em que pessoas usam
armas em auto-defesa em casos de crimes em andamento como agressão e
roubos. Este número chegaria a 82 mil casos quando somadas as tentativas de
arrombamento. O que significa que 0,09 de 1% dos residentes nos EUA fizeram
uso de armas de fogo para auto-proteção.

Há outras pesquisas, realizadas com outro tipo de metodologia, que contrariam


estes dados a respeito do uso defensivo de armas (Defensive Gun Use - DGU).
Em uma delas, conhecida como “Hart Survey”, se encontrou 640 mil usos anuais
de armas de mão. Em outra, feita ´por Gary Mauser, se encontrou 700 mil usos
para todo o tipo de armas. Tais pesquisas, entretanto, envolvem perguntas sobre
o uso de armas cujas respostas são consideradas positivas para circunstâncias
onde as armas não foram usadas, mas foram mencionadas como ameaça contra
alguém que, pretensamente, estaria em vias de cometer um crime. Isto assinala
uma larga margem de subjetividade para as respostas positivas. Kleck e Marc
(1995) coordenaram uma pesquisa por entrevistas telefônicas que chegou ao
número de 2.2 a 2.5 milhões de uso defensivo com armas de fogo por ano nos
EUA (1.5 a 1.9 milhões com armas de mão). Mesmo esses dados, ainda
significariam, para os EUA, que 1% das pessoas que possuem armas as usariam
para auto-defesa. Seja como for, estes resultados mais amplos têm sido objeto de
críticas muito sólidas 29.

Na linha destas pesquisas alternativas ao NSCV (National Survey Crime


Victimization), Lott passou a sustentar que as pessoas – não obstante todas as
garantias de anonimato quando das entrevistas nas pesquisas de vitimização -
40

não respondiam corretamente aos pesquisadores neste ponto, por temerem


complicações com as autoridades federais caso confirmassem o uso de armas de
fogo. Nunca ficou claro, entretanto, porque em outro tipo de pesquisa, feita por
telefone, os entrevistados se sentiriam mais confiantes. Seja como for, Lott
sempre afirmou que teria realizado uma pesquisa, durante três meses, em 1997,
onde encontrou que 98% dos casos de uso defensivo de arma de fogo
correspondiam a situações onde o proprietário da arma apenas ameaçou usá-la
ou a mostrou para interromper um ataque.

Dúvidas muito pertinentes foram levantadas sobre a existência desta pesquisa


porque: 9 (nove) outras pesquisas encontraram que de todos os casos de uso
defensivo reportados, os percentuais de disparos efetuados pelos proprietários
oscilaram entre 21% a 67%. Números muito distantes dos 2% encontrados por
Lott. Ele sustentou que o percentual encontrado de disparos defensivos
correspondia a 2 casos em um universo de 28 pessoas que empregaram armas
para se defender. Mas 2 em 28 representam 7%, não 2%. Na verdade, não se
encontrou sequer uma evidência de que Lott tenha, de fato, realizado alguma
pesquisa porque, em várias oportunidades, ele alterou sua versão para os tais
98% de uso defensivo com sucesso sem disparos. A própria história sobre a
pesquisa que teria feito só foi tornada pública em 2000, três anos após a
divulgação das suas conclusões. Quando pressionado a mostrar todo o material
empírico coletado na pesquisa, Lott afirmou que isso seria impossível por conta de
uma pane em seu computador.

Em que pese a extensa cobertura oferecida ao trabalho de Lott pela mídia,


incluindo a Internet e jornais importantes como The New York Times, The Chicago
Tribune e The Washington Post, nenhum dos oito estudantes que teriam aplicado
a pesquisa do professor foi ouvido.

Após algumas destas dúvidas terem sido explicitadas, Lott afirmou ter replicado
sua pesquisa, encontrando 95% de casos de sucesso em uso de armas sem

29
Ver, por exemplo, Duncan (2000).
41

disparo. A nova pesquisa, logo se descobriu, havia encontrado apenas 7 pessoas


que alegaram experiência de uso defensivo de arma de fogo, uma das quais havia
atirado. Trata-se de uma amostra muito pequena, o que poderia produzir desvios
estatísticos enormes. Seja como for, foi preciso corrigir novamente o professor Lott
pois 6 em 7 significam 85,7%, não 95%.

Mas há muitas outras conclusões do trabalho de Lott que se prestam a dúvidas e


que chegam mesmo a desafiar a lógica mais elementar. Assim, por exemplo, seu
livro conclui que leis mais liberais quanto ao porte de arma reduzem crimes
violentos, inclusive estupros. O interessante é que Lott não encontrou qualquer
efeito benéfico quanto à redução das taxas de roubos. Ora, sabemos que o roubo
é o delito mais comum de ocorrer entre estranhos. Ao contrário do estupro que
ocorre, com mais freqüência, quando há algum tipo de relação ou contato anterior
entre autor e vítima. Isso não parece ser consistente sequer com a teoria
esboçada por Lott. A crítica especializada demonstrou que o modelo estatístico
usado por Lott é “não específico”. Isto significa, em parte, que ele não considerou
adequadamente outros fatores que produzem impacto nas taxas criminais. Assim,
por exemplo, reformas efetuadas nas polícias de vários municípios nos EUA, com
a valorização de novos paradigmas como o Policiamento Comunitário ou o
30
“Policiamento Orientado Para a Solução de Problemas” , as mudanças
verificadas no mercado de drogas, o crescimento da economia norte-americana,
entre muitas outras variáveis, não foram sequer consideradas. O problema é que
elas poderiam oferecer uma outra racionalidade e uma explanação alternativa
para os seus números.

Ao desconsiderar esta complexidade, Lott chegou a conclusões que são


insustentáveis. Concluiu, por exemplo, que a maior liberalidade no porte de armas
exerceria um efeito intimidatório sobre os criminosos, obrigando-os a migrar para
outros delitos que evitassem o contato pessoal com a vítima. Assim, estupros e

30
Abordagem inovadora proposta pelo professor da Faculdade de Direito da Universidade de
Wisconsin, Madison, Herman Goldstein. Ver Improving Policing: A Problem-Oriented Approach”
(Crime and Delinquency 25: 236B258), 1979; e “Problem-Oriented Policing” (New York: McGraw
Hill), 1990.
42

homicídios estariam sendo substituídos por furtos de carros e batidas em


máquinas caça-níqueis. Não há qualquer lógica neste raciocínio. O perfil daqueles
que praticam crimes contra a liberdade sexual envolve, quase sempre, um tipo de
comportamento compulsivo, onde a violência contra a vítima é, ela mesma,
condição de prazer sexual. Furtos jamais ofereceriam gratificação comparável,
exatamente porque estamos tratando, no caso do estupro, de um delito que é
resultado de uma disfunção ou de uma psicopatologia. Crimes contra o patrimônio,
por outro lado, dizem respeito, em regra, à realidade objetiva de carecimentos
básicos, associada às oportunidades crescentes de oferta de bens de consumo
tidos como valiosos, seja por seus preço no mercado, seja pelo valor simbólico a
eles associado.

O que alguns pesquisadores têm sugerido, entretanto, é que o aumento do


número de pessoas portando armas deve gerar, muito mais provavelmente, uma
reação mais violenta por parte dos criminosos, como que se antecipando aos
riscos de uma eventual reação armada. Assim, ao invés da alegada “migração”
para delitos de outra natureza, o que tende a se produzir com mais autorizações
para porte de armas é uma espécie de “corrida armamentista”. Pesquisa de Wright
e Rossi (1986:130) com os presos por crimes graves demonstrou que a segunda
principal razão pela qual criminosos usam armas em seus crimes é o receio de
uma reação armada das vítimas. 50% afirmaram que só usavam armas porque
podiam precisar delas caso as vítimas estivessem armadas e tentassem
reagir. Este trabalho reforça a hipótese de que uma maior permissividade
com relação às armas estimula o uso das armas pelos delinqüentes ao invés
31
de desencorajá-los . Bandidos que antes assaltavam com facas, passam a
assaltar com armas de mão; os que usavam armas de mão passam a abordar
suas vítimas com sub-metralhadoras.

31
É claro que as armas servem para múltiplos propósitos nas mãos de um criminoso. Macdonald
(1975:331) listou 4 propósitos principais para a intimidação das vítimas: 1)assegurar rápida
cooperação, 2) prevenir resistência; 3) prevenir perseguição e 4) desencorajar a vítima quanto a
depoimentos à polícia ou nos tribunais. Ver também, sobre este ponto: Nugent et al (1989)
43

Os mesmos pesquisadores sustentam que esta “corrida” funcionaria também para


o tipo de abordagem em assaltos (uma maior incidência de abordagens pelas
costas, por exemplo) e para a possibilidade de que o assaltante dispare sua arma.
Pesquisa semelhante com presos australianos mostrou que, para 66.7% dos que
foram condenados por crimes praticados com armas de fogo, evitar a resistência
da vítima foi considerado uma razão muito importante (Harding e Black ,1989).

Não por outro motivo, a grande maioria das autoridades policiais nos EUA –
incluindo-se, aí, os pesquisadores e estrategistas das polícias – possuem firme
posição contra o porte generalizado. Eles sabem que se as armas estiverem
amplamente disponíveis cada abordagem que fizerem na rua deverá ser calculada
para encontrar um indivíduo ou um veículo com arma. Sabem, também, pela
preparação técnica que recebem, que as promessas de “preparação” dos
proprietários de armas nunca serão cumpridas. Portar e usar uma arma são
tarefas bastante complexas que demandam um tipo de instrução e de exigências
que jamais estarão ao alcance da grande maioria dos proprietários civis.

Nos EUA, há cada vez mais evidências de que o aumento no número de casos
graves de violência interpessoal cometida por pessoas com porte de arma não
corresponde a fatos isolados. O Departamento de Segurança Pública do Texas
encontrou que crimes graves e contravenções penais envolvendo pessoas com
porte de arma cresceram de 431 em 1996 para 666 em dezembro de 1997, um
aumento de 54,5% 32. O que faz este dado ser especialmente perturbador é que o
estado do Texas possui uma legislação bastante rigorosa para o licenciamento de
armas e possui um dos mais bem definidos sistemas de dados a respeito de
infrações cometidas contra as leis de armas. Este tipo de informação não está
disponível em outros estados onde os padrões de registro de crimes cometidos
por pessoas que possuíam legalmente armas de fogo são muito mais frouxos.
Estas informações do Texas certamente comprometem as assertivas do lobby das

32
http://www.bradycampaign.org/facts/research/?page=lott_mglc&menu=pro
44

armas para quem não há qualquer problema quando “cidadãos de bem” portam
armas.

A situação de John Lott, na verdade, começou a ficar muito ruim quando o escritor
33
Julian Sanchez , um defensor das armas, vinculado ao Instituto Cato, encontrou
evidências de que Lott havia escrito centenas de artigos com elogios ao seu
trabalho e críticas aos seus críticos, além de resenhas amplamente favoráveis,
34
usando o pseudônimo de Mary Rosh . Outro intelectual de renome, o professor
James Lindgren, da Northwestern University, declarou que jamais encontrou uma
só evidência de que Lott tenha, de fato, realizado a pesquisa de 1997 sobre o uso
defensivo de armas de fogo. Mais recentemente, em 2003, o Brookings Institution
Press Book, uma coleção de novas pesquisas e achados em torno do tema de
política de armas publicou um artigo de dois influentes professores de direito e
criminologistas, que se debruçaram sobre os dados de John Lott chegando a
conclusões opostas. O artigo, assinado por John Donohue da Faculdade de
Direito de Stanford e por Ian Ayres, da Faculdade de Direito de Yale, é devastador
e demonstra que Lott lidou de maneira equivocada com seus próprios números.
Em síntese, os autores concluíram que:

“Se há alguma forte evidência nos dados apresentados por


Lott esta é a de que leis que ampliam o porte de armas
fazem o crime crescer, ao invés de diminuir” 35.

36
Tal conclusão já havia sido sustentada pelo FBI , cujos dados para 1997 e 1998
demonstravam que as taxas criminais haviam caído em média 6,4% em todos os

33
mais informações no texto: “The Mystery of Mary Rosh” em
http://www.reason.com/0305/co.js.the.shtml
34
Uma resenha assinada por “Mary Rosh da Filadélfia” chegou a ser publicada no site da Amazon
em 18 de agosto de 1999. Ela começava afirmando: "Se você quer aprender sobre como deter o
crime ou se você quer aprender sobre muitos dos mitos envolvendo crimes que tornam mais
perigosos a vida das pessoas, este é o livro que você precisa.”
.
35
“Evaluating Gun Policy: Effects on Crime and Violence”. Jens Ludwig and Philip I. Cook, eds.
Brookings Institution Press, 2003. Mais informações sobre esta publicação em:
http://www.brookings.edu/press/books/evaluatinggunpolicy.htm
36
Federal Bureau of Investigation’s Uniform Crime Reports
45

EUA. Mas já se evidenciava que o declínio ocorria mais rapidamente nos estados
onde vigoravam leis mais restritas quanto ao porte e nos estados onde o porte não
era permitido. O contraste é ainda bem mais nítido se separamos para análise
apenas os crimes violentos. Entre 1992 e 1998, os crimes violentos nos estados
com leis mais restritas sobre o porte ou que o proibiam caíram 30%. No mesmo
período, a queda para os mesmos crimes verificada nos 11 estados com leis
liberais sobre o porte foi de 15%. Nova Iorque e Califórnia, que experimentaram
as maiores quedas no período (43% e 37%, respectivamente), nunca tiveram leis
que estimulassem o porte de armas de fogo.

O estudo de Duggan (2001)37 demonstrou que entre 1993 e 1998, o número de


homicídios praticados com armas de fogo diminuiu 36% nos EUA, enquanto que
os demais homicídios (sem arma de fogo) diminuíram 18%. Durante este mesmo
período, pesquisas nacionais revelaram uma redução relativa no número de
proprietários de armas de fogo. As residências onde havia pelo menos uma arma
38
de fogo eram pouco mais de 42% em 1993 e pouco menos de 35% em 1998 .
(Isto não significa, entretanto, diminuição no número absoluto de armas de fogo
vendidas nos EUA. Ao que tudo indica, grande parte dos proprietários de armas
39
possuem não uma, mas muitas armas . A redução relativa de residências com
armas se deve, provavelmente, ao fato de que as casas se tornaram menores e,
em muitas delas, por conta da maior independência feminina, não há homens
adultos). Segundo as conclusões deste trabalho, o declínio na taxa de homicídios
com armas de fogo está positivamente relacionado com esta redução na taxa de
proprietários de armas de fogo, sendo que as quedas mais acentuadas nos
homicídios coincidiram com as regiões onde se verificou as maiores diminuições

37
Disponível em http://www.nber.org/papers/w7967
38
Outros estudos confirmam a tendência de queda. Para Smith (2000:55) 36% dos lares norte-
americanos possuíam uma arma, ao menos, em 1999, mas em 1980, havia armas de fogo em
quase 50% das residências nos EUA.
39
O National Survey of the Private Ownership of Firearms – NSPOF encontrou uma média de 4,4
armas por proprietário em 1994. Muitos proprietários, de fato, mantém arsenais em suas casa
(Cook e Ludwig, 1996).
46

na taxa de proprietários. O número absoluto de suicídios com armas de fogo


também caiu, de 18.964 casos em 1993, para 17.424 em 1998. O mesmo estudo
não encontrou uma correlação significativa entre o número de residências com
armas de fogo e demais taxas criminais.
47

A DIMENSÃO DO PROBLEMA NO BRASIL

Segundo dados do Serviço de Informação sobre Mortalidade com dados do


Sistema Único de Saúde (SIM/DATASUS) e do Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística (IBGE), nos últimos 10 anos, mais de 325 mil pessoas foram
assassinadas no Brasil; a maioria delas, por armas de mão - revólveres e pistolas
(Waiselfisz, 2002). Essas armas respondem por 63% de todos os homicídios no
40
país . Tomando-se os mesmos registros do Ministério da Saúde, Waiselfisz
(2005) demonstrou que, entre 1979 e 2003, mais de 550 mil pessoas morreram
no Brasil por conta de disparos de arma de fogo. Nesse intervalo de quase 25
anos, o Brasil assistiu a um aumento extraordinário em suas taxas de homicídios
praticados com armas de fogo: as vítimas que caíram pela letalidade destes
instrumentos aumentaram em 461,8%, enquanto a população brasileira cresceu
51,8%. Neste total, as mortes acidentais com armas de fogo experimentaram uma
redução de 16,1%; os suicídios com armas aumentaram em 75% e os homicídios
com armas de fogo subiram em 542,7%.

Por conta da maior adesão à cultura das armas, vale a pena um breve parêntese
sobre o Rio Grande do Sul. Em 2000, este estado teve 1.768 homicídios; para
uma população de pouco mais que 10 milhões de habitantes, o que perfaz uma
taxa de 17,4 homicídios/ 100 mil habitantes. No mesmo ano, 15 estados tiveram
taxas maiores do que estas - desde Rio de Janeiro e Pernambuco, com 54,9 e
54,3 respectivamente, passando pelo Espírito Santo com 46,4 e São Paulo com
44,1 até o Paraná com 19,7 e o Acre com 19,9. Mas quando separamos os
homicídios por armas de fogo, o Rio Grande do Sul sobe várias posições no
“ranking” só perdendo para Pernambuco, Rio de Janeiro, Distrito Federal e
Paraíba. O Rio Grande do Sul é o 5º estado da federação onde mais se mata por

40
Para algumas regiões, entretanto, a presença das armas de fogo nos homicídios situa-se bem
acima desta média. Assim, por exemplo, na cidade de São Paulo, 91% dos homicídios foram
cometidos com armas de fogo em 2003.
48

arma de fogo (70,7% dos homicídios no RS são praticados com armas de fogo,
contra 83,9% em PE, 77,5% no RJ, os primeiros colocados).

Sobre o perfil etário das mortes por arma de fogo no Brasil, Waiselfisz (2005)
acrescenta que:

“Das 550 mil mortes por armas de fogo, 205.722, isto é,


44,1%, foram jovens na faixa de 15 a 24 anos. Esse dado
adquire sua devida dimensão se consideramos que os
jovens só representam 20% da população total do país. Isto
indica que, proporcionalmente, morrem mais de o dobro de
jovens vítimas de armas de fogo do que nas outras faixas
etárias. Entre os jovens, o crescimento do uso letal de armas
de fogo foi ainda mais violento do que na população total. Se
na população total o número de vítimas por armas de fogo
cresceu 461,8%, entre os jovens, esse crescimento foi de
640,3%. Também aqui o carro-chefe da espiral mortal
foram os homicídios com armas de fogo, com
crescimento de 742,9%, enquanto o número de suicídios
cresceu 61% e os acidentes envolvendo armas de fogo
caíram 16,7%.

(...) O ritmo de crescimento das mortes por armas de fogo


no país é infernal, bem maior que as taxas de crescimento
de sua economia no melhor período do milagre econômico.
As mortes por armas de fogo na população total passaram
de 1% em 100.000 habitantes, em 1979, para 3,9%, em
2003, isto é, cresceram 2,9 pontos. Já entre os jovens,
essas taxas pularam de 7,9% para 34,4% em 100.000, o
que representa um incremento de 26,5 pontos na escala!”

Lima (1996) já havia assinalado com bastante clareza a tendência mais forte da
curva de homicídios no Brasil afirmando:

“Os dados sobre ferimentos à bala no Brasil são muito


semelhantes aos dados americanos. No 2º Congresso
Internacional de Ortopedia e Traumatologia, em outubro de
1996, no Rio de Janeiro, demonstrou-se que a incidência de
lesões causadas pelo uso de armas é muito alta entre os
jovens. Os dados do Departamento de Trânsito do RJ
indicam que há mais mortes na faixa etária dos 18 aos 25
anos por tiros do que por acidentes com carros. No Hospital
Miguel Couto (Rio de Janeiro), no período entre janeiro e
agosto de 1998, de um total de 154 feridos à bala, 67 tinham
49

menos que 18 anos (...) Os jovens de até 18 anos atendidos


neste hospital representaram 24% dos casos e a taxa de
mortalidade para todos os casos chegou a 10% “.

Da mesma forma, os levantamentos realizados pela UNESCO têm destacado a


importância do “fator idade” quando se estuda o perfil das vítimas da violência no
Brasil:

“Se até os 13 anos menos de 10% dos óbitos podem ser


atribuídos à esta causa (homicídios), a partir dos 14 anos tal
participação vai crescendo rapidamente até atingir a marca
de 37,1% na idade de 20 anos. A partir deste ponto, a
incidência dos homicídios vai caindo gradualmente até voltar
a estar abaixo dos 10% a partir dos 39 anos de idade. Mais
de 1/3 das mortes de jovens de 20 anos, no país, deve-se a
homicídios” (Waiselfisz, 2000).

Os números apresentados por Waiselfisz e por todos os demais pesquisadores


permitem estabelecer, claramente, como zona de maior risco para homicídios, a
faixa entre os 15 e 24 anos de idade, sendo o momento “crítico” os 20 anos. Tal
tendência é ainda mais forte nas capitais e grandes cidades. Os mesmos dados
revelam que estes jovens vítimas de homicídios são, em larga maioria, homens.
Assim, por exemplo, desagregando a taxa média de homicídios no Brasil em 1998
(25,9 homicídios para cada grupo de 100 mil habitantes) por gênero, chegamos a
uma taxa para os homens de 48/100 mil. Quando separamos apenas os
homicídios entre os jovens, a distância entre os gêneros (gender gap) aumenta
ainda mais: para uma taxa global de 47,4 homicídios de jovens por 100 mil
habitantes, naquele ano, temos uma taxa de 88,5 para vítimas do sexo masculino
e 8,3% para vítimas do sexo feminino.

Ainda para o ano de 1998, o “Mapa da Violência” mostrou que daquela taxa média
nacional de 25,9 homicídios para cada grupo de 100 mil habitantes, tínhamos 18,6
de taxa para homicídios com arma de fogo. Naquele ano, isto significou quase a
mesma taxa de mortes por acidentes de trânsito (19,6 / 100 mil hab.). Mas, se
tomarmos apenas os óbitos entre os jovens, veremos que a taxa média de
50

homicídios por armas de fogo naquele ano foi igual a 36/ 100 mil, enquanto que a
taxa média de jovens vitimados fatalmente em acidentes de trânsito foi de 21,4
/100 mil hab. O que significa uma taxa 68% maior de mortes de jovens por armas
quando comparadas às já elevadas taxas de mortes de jovens no trânsito
(Waiselfisz, 2000:120) .

A comparação com as vítimas da AIDS feita por Waiselfisz (2005) permite


compreender melhor a dimensão do problema representado pelos homicídios de
jovens por armas de fogo:

“A Aids, ainda em 2003, matou 11.276 pessoas de todas as


idades. Número preocupante. Só que as armas de fogo
mataram 3,5 vezes mais: um total de 39.284 pessoas. Entre
os jovens, a Aids foi responsável por 606 óbitos. Já as
armas de fogo mataram 16.345 jovens, isto é: 27 vezes
mais! Inclusive na faixa etária de maior incidência do flagelo
– a que vai dos 30 aos 39 anos – a Aids matou 4.295
pessoas, quando as armas de fogo vitimaram 8.052 pessoas
nessa faixa, quase o dobro (87,5%) que a Aids. Existe uma
enorme preocupação e grande mobilização, que julgamos
totalmente necessárias e justificadas, de combate a esse
flagelo. A própria UNESCO, no plano internacional e
também no nacional, é parte integrante de uma diversidade
de programas de combate à Aids. Mas para um outro
flagelo, causador de 16.345 mortes de jovens no mesmo
ano, isto é, um mal 27 vezes maior do que a Aids, são ainda
escassas e bastante tímidas nossas reações e políticas de
enfrentamento. Ainda estamos discutindo se é justo e de
direito permitir que as armas de fogo continuem a
exterminar anualmente grande contingente de pessoas cujo
único delito foi o de morar num país extremamente
complacente com a circulação de armas de fogo”.

As taxas de homicídios por arma de fogo de algumas cidades brasileiras são, em


tudo, equivalentes ou superiores àquelas observadas em países em guerra ou que
experimentam conflitos armados aos moldes de uma guerra civil. O Stockholm
International Peace Research Institute, por exemplo, estima que, de 1978 a 2000,
um total de 39.000 pessoas morreram em decorrência do conflito civil na
Colômbia. No mesmo período, segundo dados do Ministério da Saúde
(DATASUS), 49.913 pessoas morreram por disparos de armas de pequeno porte
51

no município do Rio de Janeiro (Dowdney 2003: 114-117). Entre dezembro de


1987 e novembro de 2001, ferimentos à bala causaram a morte, só na cidade do
Rio de Janeiro, de 3.937 crianças e adolescentes. Em Israel, no mesmo período,
os conflitos armados e atentados terroristas mataram 467 adolescentes. (Mir,
2004: 436). O relatório da Anistia Internacional, “Matando o futuro: crianças na
linha de fogo” (setembro de 2002), pede que o Comitê Para os Direitos da
Criança, da ONU, leve em conta que mais de 250 crianças palestinas e 72
israelenses foram mortas em decorrência do conflito nos territórios ocupados, de
setembro de 2000 a agosto de 2002, um período de 23 meses. Dados sobre
índices de mortalidade por arma de fogo, no Rio de Janeiro, demonstram que, de
fevereiro de 2000 a dezembro de 2001, um período de 23 meses também, um
total de 612 menores de 18 anos foram mortos por armas de pequeno porte na
cidade (Dowdney, 2003:112-117, 163-173).

Tais números expõem um drama que não pode mais ser ignorado. No Brasil, a
violência para o conjunto da população alcança patamares que são, pelo menos,
20 vezes superiores àqueles observados na maioria dos países europeus. Mas,
quando analisamos apenas a violência que vitima nossos jovens, nossas taxas
são 50 vezes maiores do que a média das nações democráticas no mundo. Além
da extensão da tragédia que esses números representam, é preciso sublinhar que
tal situação não produz verdadeiro escândalo no Brasil, porque a grande maioria
41
das vítimas é formada por jovens pobres e negros . Com efeito, além da
exclusão social, o componente étnico aparece com muita importância quando se
examina o perfil das vítimas. Na faixa dos 15 aos 24 anos, há 74% mais vítimas
entre os negros que entre os brancos 42. Assim, tudo se passa como se enquanto
as balas perdidas, as disputas entre gangues e as investidas da polícia estiverem

41
A média das taxas de homicídio por 100 mil habitantes das cinco regiões mais violentas de São
Paulo é de 84,4. Estas são, também as regiões mais pobres e marginalizadas da cidade. Já a
média das cinco menos violentas, não casualmente regiões privilegiadas, é de 5,3, ou seja, 16
vezes menor (Lima, Renato Sérgio. “Conflitos Sociais e Criminalidade Urbana: uma análise dos
homicídios cometidos no Município de São Paulo”. Tese de Mestrado em Sociologia, USP)

42
A taxa de homicídios entre jovens brancos ficou em 39,3 mortes por 100 mil hab. contra 68,4
entre os negros da mesma idade (“Mapa da Violência IV, 2004).
52

matando os filhos dos pobres, as classes privilegiadas e parte da chamada


“opinião pública” seguirão acreditando que todos estes problemas não dizem
respeito às “pessoas de bem”. A maior receptividade para iniciativas anti-violência
e para o próprio desarmamento verificadas em cidades como Rio de Janeiro e São
Paulo, aliás, talvez estejam associadas, também, a uma maior proximidade com a
dolorida experiência de vitimização que, nestas metrópoles, especialmente, há
muito deixou de ser monopólio dos excluídos e se instalou “no asfalto”.

Um interessante estudo comparativo que investigou o engajamento de crianças e


adolescentes em grupos armados entre Brasil, Colômbia, El Salvador, Equador,
Jamaica, Honduras, Estados Unidos, Nigéria, Irlanda do Norte, África do Sul e
Filipinas (Dowdney, 2005) demonstrou que aqueles grupos etários têm sido as
vítimas preferenciais da violência armada e que a incidência de mortes entre os
jovens tem crescido proporcionalmente ao conjunto da população ao longo dos
anos. Isto tem ocorrido, também, quando se analisam as mortes produzidas por
ferimentos à bala. No Rio de Janeiro, por exemplo, em 1979, as mortes por
causas externas representaram 18,2% das mortes de todos os jovens com menos
de 18 anos, contra 8,3% para o conjunto da população. Em 1990, elas ficaram em
21,9% para os menores de 18 anos e em 7,9% para a população total. Em
verdade, as mortes por causas externas entre os adultos têm diminuído em
todos os países e municípios que integraram a análise. A elevação da taxa
de homicídios, quando verificada, está diretamente associada, assim, à
violência que vitima jovens, em geral muito pobres, moradores das periferias
das grandes cidades. No Rio de Janeiro, as causas externas para as mortes
entre jovens com menos de 18 anos mais do que triplicaram entre 1979 e 2002. O
salto foi de 8,1% para 26,9% durante o período, ao passo que os índices para a
população total permaneceram estáveis, de 11,2% a 11,7%. Pode-se encontrar
diferenças do tipo mesmo quando se verifica uma queda geral da taxa de
homicídios e da taxa de homicídios por armas de fogo, como nos EUA. Os dados
disponíveis da cidade de Chicago ilustram bem o fenômeno: enquanto as mortes
53

por armas de fogo, como porcentagem de todas as mortes por causas externas,
diminuíram entre a população total de 30,6%, em 1979, para 21,1%, em 2001 (o
que significa um decréscimo de 69%) entre os menores de 18 anos, elas
aumentaram de 23,8% para 31,2% no mesmo período (o que significa um
aumento de 131%).

Como tendência geral, o estudo mostra que as mortes por arma de fogo afetam
muito mais os jovens entre 15 e 24 anos. Neste intervalo se concentram grande
parte dos homicídios e, portanto, pode-se afirmar que as populações jovens estão
entre as mais fragilizadas em toda a espiral da violência moderna. Isto significa
também dizer que toda e qualquer política de prevenção que se pretenda eficaz
deverá conferir centralidade ao tema da vitimização dos adolescentes e jovens
adultos.

A concentração dos homicídios entre os jovens do sexo masculino não é, por


óbvio, uma característica nacional. É o que o estudo “Nem Guerra, Nem Paz”
(Dowdney, 2005) demonstra. Em todos os países da amostra, um número
expressivamente maior de homens morreu por conta de ferimentos causados por
arma de fogo quando comparado ao número de mulheres. Em El Salvador, no ano
de 2000, por exemplo, para cada mulher, entre 20 e 24 anos, morta em
decorrência de ferimento à bala, houve 35 mortes de homens na mesma faixa
etária, pela mesma razão. Em Chicago, para o ano de 2001, foram registradas 26
mortes de homens por causas relacionadas a armas de fogo para cada mulher na
faixa etária de 18 a 19 anos. Na Irlanda do Norte, apenas homens morreram de
ferimentos à bala em 2002. No mesmo ano, na Colômbia, no Rio de Janeiro, em
El Salvador e na Irlanda do Norte, os homens na faixa etária de 20 a 24 anos
foram os mais atingidos em mortes por arma de fogo. Na Colômbia, isso chegou à
elevadíssima taxa de 299,1 mortes/ 100 mil hab, seguida de perto pelo Rio de
Janeiro com 269,1 / 100 mil. No Rio de Janeiro e em El Salvador, depois da faixa
etária de 20 a 24, os mais afetados são os homens da faixa de 18 a 19 anos,
seguidos pelos que têm entre 15 a 17. Em Chicago, os homens de 18 a 19 anos
de idade foram os mais afetados por mortes à bala, em 2001, com uma taxa, para
54

esta faixa etária, de140,5 óbitos / 100 mil hab. A seguir, os mais afetados por
mortes em decorrência de arma de fogo em Chicago, em 2001, foram os jovens
entre os 20 e 24 anos e os de 15 a 17 anos de idade, respectivamente.

A terceira parte do mesmo trabalho mostra que os meninos organizados em


pequenas gangues possuem fácil acesso a armas de fogo, lícitas ou ilícitas. As
armas são, normalmente, controladas e administradas pelos grupos. Com o
envolvimento crescente das gangues com o lucrativo mercado do tráfico de
drogas, armas passaram a ser decisivas para que as regiões e os pontos de
venda de droga sejam “garantidos”. Como as disputas pelo controle geográfico
deste mercado têm sido decididas com o emprego de níveis de violência sempre
crescentes, a maioria dos grupos que foram estudados não apenas se tornaram
“dependentes” das armas de fogo, como precisam se armar sempre em uma
escala superior aos seus concorrentes diretos. A disponibilidade das armas de
fogo tende a produzir, então, uma “corrida armamentista” entre os próprios grupos
de traficantes, o que aumenta a letalidade de suas ações e os riscos agregados
para todos.

“Nas quadrilhas de traficantes do Rio, nas bandas


delincuentes das comunas de Medellín, nas milícias étnicas
e nos grupos vigilantes da Nigéria, nas CVOs das Filipinas e
nas maras de Honduras, membros crianças e jovens que
foram entrevistados para este estudo disseram que seu
grupo lhes deu acesso a armas, incluindo AK-47s, M-16s, M-
14s, granadas de mão e RPGs.27 Como as fotografias de
alguns dos entrevistados para este estudo claramente
demonstram, muitas das crianças e dos jovens estavam
armados quando os pesquisadores os encontraram”.
(Dowdney, 2005).

O envolvimento de policiais no fornecimento de armas às quadrilhas de


traficantes, diga-se de passagem, foi relatado em três dos países. No Brasil já são
vários os episódios documentados onde membros das polícias e mesmo das
FFAA foram flagrados negociando armas de fogo para grupos criminosos. Entre
1999 e 2003, por exemplo, a polícia apreendeu no Rio de Janeiro, nas mãos de
55

criminosos, um total de 16 fuzis de assalto e 90 sub-metralhadoras produzidas no


Brasil. Entre janeiro e novembro de 2002, no mesmo estado, foram apreendidas
291 granadas de mão da indústria brasileira (Dreyfus, 2003). O problema, é claro,
não se restringe às polícias e às FFAA brasileiras. Um amplo estudo sobre o
controle de armas que integrou os esforços em favor do Sistema Único de
Segurança Pública na gestão de Luiz Eduardo Soares mostrou que 11% do total
dos fuzis de assalto e submetralhadoras apreendidos pela polícia fluminense nos
últimos dez anos são de fabricação Argentina, e 23,4% das granadas de mão
apreendidas pela polícia fluminense também foram fabricadas no país vizinho.
Existem evidências de que essas armas saíram dos inventários do exército
argentino e de forças policiais e penitenciárias desse país (Dreyfus, 2002). Tal tipo
de ação delituosa, entretanto, será, como já vimos, dificultada pelas providências
legais introduzidas pelo Estatuto do Desarmamento quanto à identificação de
armas e munições.

As armas que temos

Estudo específico de Dreyfus e Nascimento (2005), estimou em mais de 5 milhões


(5.727.953) o número de armas de fogo registradas nas mãos de civis no Brasil.
Os pesquisadores somaram os dados dos estados que possuíam registros
atualizados para todas as informações (AM, DF, GO, PA, PR, RJ, RS. SC, SP e
TO), dados dos estados que só possuíam informações sobre um período de
tempo mais recente – o que envolveu uma primeira projeção parcial (AC, AL, AP,
BA, CE, ES, MG, MS, MT, RN, RO, SE) - e os estados que não possuíam
qualquer informação (MA, PB, PE, PI, RR) – o que exigiu uma projeção total com
base na média nacional apurada para os demais estados desde 1980.

O mesmo estudo estimou em pouco mais de um milhão (1.031.386) o número de


armas de fogo na posse de integrantes das Forças Armadas (servidores na ativa e
na reserva), e em mais de setecentos mil (715.224) o número de armas com os
policiais das diferentes forças, além de magistrados, oficiais de justiça e outras
56

categorias vinculadas ao sistema judiciário. O total de armas nas mãos de agentes


públicos, por conta das funções que desempenham, seria, então, de
aproximadamente um milhão e setecentas mil (1.746.610). Já o total de armas de
fogo nas mãos de civis, incluindo as armas sob a guarda de colecionadores e de
esportistas, seria de menos de sete milhões (6.815.445) e o total de armas em
situação ilegal nas mãos de civis (criminosos ou não) foi estimado em menos de
nove milhões (8.763. 614), o que totaliza cerca de 15,5 milhões (15.579.094)
armas nas mãos de civis, atualmente, no Brasil. O total de armas em circulação
no País atingiria, então, pouco mais de 17 milhões (17.325.704) de unidades.

O estudo tornado disponível recentemente estima que, do total de armas nas


mãos de civis no Brasil, 23% delas (3.995.970) estariam sob o controle de
criminosos; 28% (4.767.679) ainda que ilegais, estariam em situação de uso
informal por pessoas sem antecedentes e cerca de 49% das armas de fogo
(8.572.393) nas mãos de civis estariam em situação de legalidade.

O que as estatísticas mostram, então, é que há quase o mesmo número de armas


registradas e não registradas nas mãos de civis. Um equilíbrio muito complicado e
que significa que as autoridades não sabem onde está metade das armas em
circulação no país, nem quem as possui.

Outra conclusão importante que se depreende destas estimativas é que se há 15


milhões de armas de fogo nas mãos de civis no Brasil, então, considerando que é
muito comum que proprietários de armas tenham mais de uma arma ou mesmo
várias armas de fogo, pode-se afirmar que apenas algo em torno de 5 a 7% da
população brasileira possui arma de fogo. Conclusão que evidencia o caráter
profundamente manipulador e ideológico de expressões como: “Querem desarmar
a população brasileira” esgrimida como um mantra pelos defensores das armas na
ausência de melhores argumentos. Na verdade, o que os números demonstram
é que a população brasileira está, como sempre esteve, desarmada.
57

BANDIDOS NÃO COMPRAM ARMAS EM LOJAS,


BANDIDOS BUSCAM AS ARMAS QUE PRECISAM NAS
CASAS DAQUELES QUE COMPRAM ARMAS EM
LOJAS

O Brasil não possui uma tradição de controle de armas de fogo. Pelo contrário,
nossa história foi marcada por uma imensa desconsideração diante do emergente
mercado de armas. Esta não é, entretanto, apenas uma característica brasileira.
Em 1995, a revista especializada norte-americana “The Journal of Criminal Law
and Criminology”, da Faculdade de Direito da Northwestern University, organizou
um Seminário sobre Armas de Fogo com vários especialistas na matéria. No texto
de abertura da edição onde os 11 trabalhos principais foram publicados, Zimring
(1995) assinalou que aqueles textos eram mais do que a revista já havia publicado
sobre o tema em toda sua trajetória, desde sua fundação em 1910. Com isso,
procurava chamar a atenção para o fato de que as preocupações com as armas
de fogo e sua incidência no debate moderno sobre segurança pública eram algo
relativamente novo, e não apenas nos EUA.

Por muitos anos, de fato, o tema das armas de fogo foi tratado como uma questão
relevante para a legislação penal, mas não para a criminologia. Os instrumentos
da violência letal, no mais, nunca foram objeto de real interesse acadêmico na
área do Direito, porque a ênfase do discurso penal sempre foi a de revelar a
intenção criminosa e saber das provas necessárias à condenação. O Direito lida
com os casos a partir da sua singularidade, o que, também, contribui para que
determinados padrões não sejam reconhecidos. O “negócio” do Direito Penal, em
58

síntese, é encontrar culpados, não identificar riscos. Não é, portanto, a abordagem


capaz de analisar o impacto dos instrumentos de violência em um conjunto de
casos de agressão. Isto não ocorreu apenas com o uso de armas. Outros temas
como, por exemplo, o hábito de dirigir embriagado, foram desconsiderados por
muitas décadas, mesmo quando estas condutas eram responsáveis por mais de
duas vezes o total de homicídios intencionais. O primeiro trabalho propriamente
acadêmico publicado sobre o tema, aliás, foi o de James Jacobs, lançado ao final
dos anos 80 43.

Mas por que o tema das armas de fogo emergiu nos EUA como um tema
importante? Não terá sido por conta do número de homicídios que dobraram entre
1964 e 1974, se mantiveram mais ou menos estáveis por 20 anos e, depois,
declinaram. Não terá sido, também, pela prevalência absoluta do emprego de
armas de fogo na esmagadora maioria destas mortes durante todos estes anos. O
que mudou, segundo Zimring, é que a violência cotidiana passou a ser sentida
pelas pessoas como sinônimo de ameaça letal. Ora, as armas de fogo estão
envolvidas em menos de 5% do total de crimes cometidos nos EUA, como não se
cansa de nos lembrar a Associação Nacional do Rifle. Mas elas estão presentes
em mais de 70% dos homicídios.

Assim, se antes havia uma ênfase no crime, agora esta ênfase está situada na
violência e isto está na base do novo interesse pelo tema das armas de fogo em
todo o mundo. Desde que os médicos e epidemiologistas começaram a participar
dos debates e a publicar pesquisas sobre a violência, o tema das armas de fogo
passou a ser sublinhado como um agenciamento importante de um drama que
aparecia cada vez mais claramente como uma emergência nos hospitais. Já
naquela época, Zimring assinalava que era possível afirmar, sem qualquer dúvida,
que as armas de fogo ofereciam uma importante contribuição ao alto grau de
letalidade da violência nos EUA. Enquanto a taxa norte-americana de lesões

43
Jacobs, James B. (1989). “Drunk Driven: An American Dilemma”, Series: (SCJ) Studies in Crime
and Justice. University Chicago Press.
59

corporais era apenas 30% mais alta do que a taxa inglesa, a taxa de homicídios
44
entre os americanos era 530% mais alta . Desde então, os especialistas
passaram a reconhecer que as armas deveriam ser tratadas, pelo menos, como
uma parte importante dos debates sobre a violência letal nos EUA.

No Brasil, a situação de descaso e desconhecimento sobre o problema foi, é claro,


mais grave. O uso de armas de fogo em nosso país, a rigor, permaneceu sem
regulamentação até 1980 quando o Governo Federal criou uma normativa
obrigando o registro, entre outras providências. O processo foi fragmentado,
entretanto, por conta das responsabilidades atribuídas às polícias civis. Desde o
início, então, a opção política feita impediu a montagem de um sistema nacional
de controle e monitoramento sobre a comercialização, a posse e o porte de armas
e munições. O SINARM (Sistema Nacional de Armas) só foi criado em 1997, mas
nunca alcançou a condição ideal de um órgão que centralizasse todas as
informações pertinentes. Como a alimentação do sistema dependeu, sempre, da
boa vontade dos estados e de suas polícias, o SINARM sempre refletiu as
deficiências do próprio trabalho das polícias estaduais, além das rivalidades e do
distanciamento que estas sempre mantiveram com a Polícia Federal. Do ponto de
vista legal, por outro lado, a conduta do porte ilegal de arma de fogo foi tratada até
1997 como uma simples contravenção.

Apenas por isso, o Brasil não dispõe, até hoje, de registros e estimativas que
possam oferecer qualquer certeza, por exemplo, sobre armas adquiridas durante
os anos 50, 60 e 70. Tais armas, assinale-se, podem estar em perfeitas condições
de uso. Dados do “Viva Rio” demonstram que 85% dos revólveres Taurus
entregues na campanha do desarmamento no Rio de Janeiro, entre agosto e

44
Comparações feitas a partir dos registros de agressões graves publicadas pelo Home Office para
Inglaterra e País de Gales e pelo Uniform Crime Reports nos EUA, ambos para o ano de 1990. As
taxas de homicídio foram comparadas com os dados do relatório da Organização Mundial de
Saúde (OMS) do mesmo ano.
60

45
dezembro de 2004, haviam sido manufaturados antes de 1981 , sendo que 90%
deles estavam em boas condições.

O que se pode afirmar é que a pouca importância dada ao tema das armas de
fogo no Brasil ao longo de décadas, associada à política liberal quanto à compra e
ao porte então vigente, fizeram com que milhões de armas existissem em uma
espécie de “mercado informal”; uma situação que faz com que, hoje, a maior parte
46
delas esteja em situação ilegal ainda que nas mãos de “cidadãos de bem” . Tal
circunstância faz com que o trânsito entre o mercado ilegal e o legal seja ainda
mais intenso.

O que sabemos é que há forte migração de armas do circuito legal para o ilegal,
seja por furtos e roubos, seja por negociações informais. No RJ, 25,6% das armas
de fogo apreendidas (1981-2003) pertenciam a proprietários legais que as haviam
registrado. Em São Paulo, essa proporção era de 52% para as apreensões entre
2000 e 2003, enquanto em Brasília, a proporção era de 29% para o período de
47
2001 a 2003 . Por óbvio, se armas registradas migram com esta intensidade
para o mundo do crime, deve-se esperar que armas não-registradas, que estejam
nas mãos de civis não ligados ao crime, migrem ainda mais.

Se analisarmos a situação dos estados do Rio de Janeiro e São Paulo que,


somados, responderam por 50,5% dos homicídios do Brasil e por 51% de todos os
48
homicídios cometidos com armas de fogo no país em 2000, veremos que as

45
A partir de 1981, a Taurus começou a usar marcação alfanumérica em seus revólveres; até
então usava apenas números. Tocchetto (2003).
46
No momento em que escrevo este texto, a posse de arma de fogo sem registro não pode ser
considerada crime visto que corre ainda o prazo que permite a entrega voluntária de armas de
fogo, mediante indenização, independentemente de sua origem ou circunstância. Tão logo este
prazo expire, entretanto, a posse de armas não registradas será ato típico e antijurídico.
47
Fontes: DFAE para o Rio de Janeiro; Gabinete da Coordenação de Planejamento e Análise da
Secretaria de Segurança Pública de São Paulo e Divisão de Controle de Armas e Explosivos
(DAME) da Polícia Civil de Brasília.
61

armas mais freqüentemente utilizadas pelos bandidos são nacionais e migram do


mercado legal para o ilegal por vários caminhos. Só no período de 1999 a 2003,
as polícias do Estado do Rio de Janeiro apreenderam quase 43.000 armas de
produção nacional. Em São Paulo, a situação é semelhante. Das ocorrências de
crimes com porte ilegal de arma em 2003, nos distritos de grande concentração de
ocorrências criminais, 66% das armas utilizadas eram revólveres, 20% pistolas e
10% armas de brinquedo. Apenas 4% do total apreendido correspondiam a armas
que não tinham sua origem no mercado legal e nacional. Ao contrário do que se
imagina, mesmo entre o armamento pesado, apreendido com quadrilhas e
traficantes, grande parte das peças é de fabricação nacional. Soares (2000) já
havia relatado em “Meu Casaco de General” a pesquisa pioneira realizada em
1999, com mais de 35 mil armas acauteladas pela Divisão de Fiscalização de
Armas e Explosivos da Polícia Civil do Rio de Janeiro (DFAE), onde se descobriu
que a grande maioria das armas ilegais, apreendidas pela polícia ao longo dos
anos, eram nacionais e não importadas.

Bueno (2004:213) faz referência à pesquisa do ISER que mostrou que 72,9% das
44.437 armas acauteladas pela Polícia do estado do Rio de Janeiro, no período de
novembro de 1996 a abril de 1999, foram fabricadas no Brasil. O levantamento,
divulgado em 29/09/1999, na Conferência sobre Controle do Comércio
Internacional de Armas Leves, derruba o mito de que o armamento dos bandidos
brasileiros seria, em sua maioria estrangeiro, apontando que, pelo contrário, a
origem do problema está dentro de nossas fronteiras. (Cano, 1999).

Duas pesquisas do ISER, a primeira com um universo de 77.527 pistolas e


revólveres acautelados na Divisão de Fiscalização de Armas e Explosivos (DFAE),
da polícia do Rio de Janeiro, apreendidas entre 1951 e 2003, descobriu que 30%

48
Ver: Projeto Controle de Armas, Viva Rio/ ISER, dados sobre armas de fogo brasileiras e
estrangeiras acauteladas pela polícia e guardadas na DFAE – Divisão de Fiscalização de Armas e
Explosivos da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro entre 1950 e 2001, relatório distribuído na
conferência de seguimento ao Programa das Nações Unidas, Nova Iorque, Julho de 2003.
Disponível na rede: www.desarme.org
62

49
delas tinham sido compradas legalmente antes de caírem em mãos criminosas .
Isto é, de cada 3 armas apreendidas na ilegalidade, uma tinha sido comprada por
“pessoas de bem” e a segunda com um universo de 224.584 armas de fogo de
todo o tipo, apreendidas no Rio de Janeiro, comparadas com 551.141 registros de
armas legalmente vendidas, concluiu pela origem legal de 25,7% das primeiras.

Comentando estes dados, Bandeira e Bourgois (2005:20) assinalaram:

Como transitaram do legal para o ilegal? Através de roubo,


furto, perda, revenda, desvio de lojas e fábricas etc.
Principalmente de roubos a “homens de bem”, e em assaltos
a policiais e vigilantes privados, além de desvio por parte de
policiais-bandidos.

Bueno (2004:136) lembra, também, de estudo muito importante realizado pelo


BATF (Bureau of Alcohol, Tobacco, Firearms and Explosives) do Departamento de
Justiça dos EUA, que investigou as formas pelas quais os criminosos adquiriam
suas armas e que armas eram estas. Este estudo chegou a levantar o caminho
50
percorrido por 76.269 armas em 27 cidades norte-americanas . As conclusões a
que chegaram para as primeiras 17 cidades foram as seguintes:

a) ¼ das armas recuperadas pela polícia havia sido transferida


dos comerciantes legais federais para o mercado ilegal;
b) Em 15 das 17 cidades, a maior parte das armas provinha do
comércio varejista do próprio estado;
c) Sete em cada dez armas recuperadas de bandidos eram
armas de mão (revólveres e pistolas), mas entre os jovens
este número era de 8 em cada dez apreendidas.

49
Pablo Dreyfus, Marcelo Nascimento e Patrícia Rivero, ISER/Viva Rio, com dados da DFAE,
julho, 2003
50
BATF – Office of the Attorney General.
Disponível em: http://www.atf.treas.gov/firearms/bradylaw/attorn,htm
63

A realidade vigente, ainda hoje, na América do Sul, também cumpriu um papel na


ausência de controle sobre o comércio de armas. Até o ano de 2002, a venda de
armas para turistas estrangeiros era legal e permitida, por exemplo, no Paraguai,
bastando para isso uma cópia xerox da cédula de identidade. Observe-se que, até
aquele ano, o calibre 9mm (de uso restrito no Brasil) era permitido para uso civil
no Paraguai 51. O Relatório para o Controle de Armas do SUSP, assinalou que:

“Entre 1997 e 2000, aproximadamente 7 mil armas de fogo


(principalmente pistolas e revólveres) e dezenas de milhares
de munições brasileiras foram exportadas para o Paraguai,
um país com somente 6 milhões de habitantes e com uma
das rendas per capita mais baixas da América Latina. Uma
combinação de “pressão” diplomática, medidas
governamentais e mobilização da sociedade civil brasileira,
somada à boa vontade de alguns legisladores e funcionários
paraguaios, levou a uma moratória informal na importação
de armas e munições do Brasil em 2000 (com vigência de
três anos) e à mudança da legislação paraguaia de controle
de armas.

O caso paraguaio só evidencia a necessidade de se tomar iniciativas mais amplas


e efetivas quanto ao comércio de armas de fogo em todo o continente. O Mercosul
terá que ser mobilizado para que tenhamos, em futuro próximo, legislações de
controle de armas harmônicas e orientadas por uma mesma política de segurança
pública. A curto prazo, ao que tudo indica, teremos desafios importantes a vencer,
principalmente quanto à Bolívia que ainda não dispõe de uma política mais
definida de controle e em relação ao Uruguai que ainda não controla a venda de
armas de fogo em zonas fronteiriças com o devido rigor.

Não dispomos no Brasil de indicadores seguros a respeito do volume de armas de


fogo roubadas, furtadas e extraviadas a cada ano. Mas qualquer projeção haverá

51
Ver: Dreyfus, Pablo, “Tráfico ilegal de armas pelo Paraguai” , Rio de Janeiro, 2000, disponível
em : www.desarme.org. Mesmo autor “ Modalidades de transferências ilegais de armas pequenas
e leves: um retrato do Cone Sul”, Rio de Janeiro, 2000, disponível em: www.desarme.org ; e
Ignácio Cano “Perfil das armas vendidas a brasileiros no Paraguai”, ISER, 2000, disponível em
www.desarme.org
64

de considerar como muito expressivo este fenômeno. Segundo os registros do


SINARM, o número total de armas de fogo furtadas ou roubadas, no ano de 2003,
foi de 26.908. A quantidade real, entretanto, pode ser até duas vezes maior do que
este número por conta da subnotificação (crimes que não são comunicados à
polícia), o que é a regra quando a arma furtada, roubada ou extraviada não estava
registrada.

Nos EUA, os registros oficiais permitem afirmar, com segurança, que mais de
meio milhão de armas são furtadas ou roubadas todos os anos. A Police
Foundation estimou este total, em 1991, entre 300 a 600 mil armas anuais. Outra
maneira de se estimar o número de armas furtadas ou roubadas é oferecida pelos
dados coletados pelo serviço de Pesquisa Nacional de Vitimização Criminal
(National Criminal Victimization Survey -NCVS). Segundo estes dados, a média
anual de ocorrências em que armas foram furtadas ou roubadas foi de 340.700
entre 1987 e 1992. Cook et al (1995) chamaram a atenção para o fato de que o
serviço não coleta dados sobre número de armas envolvidas em cada ocorrência.
Sabendo que a média atinge 1,5 armas por ocorrência do tipo, temos que o total
de armas furtadas ou roubadas anualmente nos EUA, neste período, foi de
511.000. Esta seria a melhor aproximação, entretanto, para o número total de
armas furtadas ou roubadas em residências. Deve-se acrescentar a este número,
as armas subtraídas criminalmente de lojas especializadas. Tomando-se os dados
disponíveis para uma região dos EUA, os autores acrescentaram, então, mais
11% de armas furtadas ou roubadas o que produz o número total de 567.000 (Os
números devem ser ainda maiores porque não temos dados disponíveis sobre
armas furtadas ou roubadas de automóveis ou de ambientes de trabalho. Além
disso, uma parte significativa de incidentes com armas roubadas ou furtadas não é
reportado à polícia). Uma vez que há 4,5 milhões de novas armas sendo vendidas
todos os anos nos EUA e outro tanto de vendas de armas usadas no mercado
secundário, temos que o volume total de armas furtadas ou roubadas nos EUA
corresponde a, pelo menos, 5% das transações. Estes autores entendem que uma
política de efetivo controle sobre as armas de fogo produzirá poucos efeitos sobre
65

agressões e roubos, mas fará cair sensivelmente a taxa de homicídios. Eles


sustentam que todas as evidências disponíveis demonstram que há um grande
comércio informal de armas e que, quando as armas são caras e de difícil acesso,
os jovens demoram mais para terem acesso a elas e as vendem mais
rapidamente se possuem uma 52.

Estas armas são furtadas ou roubadas por “especialistas” ou são, apenas, o


resultado casual de furtos e roubos “genéricos”? Em outras palavras: entre os
ladrões, qual o percentual daqueles que praticam o crime à procura de armas?
Sabe-se pouco sobre isto, mas a pesquisa de Wright e Rossi (1986), com
53
prisioneiros, constatou que 24% dos que furtaram ou roubaram armas eram
“especialistas”; ou seja: praticaram o crime à procura de armas. As evidências
disponíveis apontam para o fato dos especialistas serem, de fato, importantes nos
casos de furtos e roubos de armas. Os autores realizaram um levantamento sobre
os arrombamentos em duas cidades, Durhan e Garner, e encontraram que em
47% dos arrombamentos, excetuando-se as importâncias em dinheiro, armas
foram os únicos itens subtraídos. Explica-se facilmente este interesse. As armas
podem ser usadas pelos ladrões, podem ser transportadas e vendidas facilmente
e dispensam o trabalho de intermediários que, como se sabe, são decisivos no
caso de jóias, pratarias ou objetos que interessam a colecionadores. Armas
furtadas ou roubadas sempre encontram compradores dispostos a pagar por elas
um bom preço e podem ser, também, trocadas por drogas. Os autores concluem
que o volume de armas furtadas ou roubadas anualmente nos EUA constitui
o principal recurso do mundo do crime.

A diminuição do estoque de armas de fogo disponíveis entre os civis e a proibição


da comercialização de armas e munições tendem a produzir o efeito positivo de

52
Há vários indícios de que este fenômeno já esteja ocorrendo no Brasil. Segundo o chefe do
SINARM de Santa Catarina, Delegado Eduardo Chaklian, Catarina o revólver 38, que antes era
negociado no mercado ilegal até por R$ 80, não custa, agora, menos do que R$ 350 (.Coluna do
Ancelmo Gois, Jornal do Brasil, 30.08.04 )
53
Os autores entrevistaram mais de 2 mil prisioneiros condenados por crimes graves, em 11
prisões americanas.Os autores da pesquisa estimaram que seus entrevistados haviam furtado ou
roubado mais de 30 mil armas ao longo de suas vidas.
66

diminuição dos fluxos entre as armas adquiridas legalmente e o mercado ilegal.


Uma das vias de acesso às armas mais importantes e simples para delinqüentes
comuns – furtos e roubos de armas compradas legalmente – será diminuída. Ao
mesmo tempo, o preço das armas de fogo no mercado ilegal tenderá a subir.
Dificuldades do tipo não irão constituir impedimentos para os grupos que atuam
em conexão com o tráfico de armas – como as facções organizadas do tráfico de
drogas e as quadrilhas especializadas em assaltos a banco e carros fortes, mas
tendem, a médio prazo, a constituir dificuldade não negligenciável para um
número crescente de infratores que atuam nas ruas, individualmente ou em
pequenos grupos, assegurando sua sobrevivência com pequenos e sucessivos
crimes contra o patrimônio. Tal efeito benigno será ainda potencializado onde as
estruturas policiais adotarem uma postura proativa de desarmamento com revistas
e barreiras constantes em áreas determinadas, busca e apreensão de armas,
batidas em áreas conflagradas, etc.
67

E SE O BANDIDO USAR UM ESPETO DE


CHURRASCO?

Um dos argumentos mais desprovidos de sentido utilizados por muitos dos


54
defensores das armas no Brasil é o de que “armas não matam; são as pessoas
que matam”. Esta é uma daquelas formulações muito ao gosto de um público
televisivo, acostumado com a exigência intelectual de programas como “Big
Brother” e que, por isso mesmo, agradam muito e tendem a ser repetidos infinitas
vezes como se, de fato, dissessem algo. Na verdade, trata-se de uma afirmação
tautológica, à altura do raciocínio de Pangloss, o célebre personagem do Cândido
de Voltaire, que concluiu que o nariz havia sido feito para suportar os óculos. Ora,
no conceito de “objeto” não está escrita a possibilidade da ação. Então é claro que
quem mata é o sujeito. Isso é também verdadeiro para o assassinato do
raciocínio: o culpado é sempre um ser que um dia pensou. A propósito, caso você
tenha que enfrentar este tipo de “lógica” não tente falar em “tautologia”. Seja mais
simples e direto. Diga algo como: - “É verdade, armas não matam. E também não
morrem. Quem morre são as pessoas”. Seu interlocutor, então, terá no que
pensar, por alguns dias.

Para um debate sério, entretanto, com pessoas de boa fé, será preciso discorrer
sobre o conceito de letalidade. Penso que uma lembrança feita no trabalho de
Bueno (2004: 56) pode ser útil aqui. O autor, debatendo o tema do suicídio, cita
um estudo de referência realizado por Wintemute. Neste trabalho, ficou
demonstrado que o método mais comum pelo qual as pessoas tentam se suicidar
nos EUA é a ingestão proposital de remédios em altas dosagens. De fato, este
método responde pela grande maioria das tentativas de suicídio naquele país. Do

54
O Google oferece, para a frase “armas não matam”, 2.220 sites e blogs no Brasil. Entrei nos 40
primeiros à procura de alguma evidência para idéias fantásticas como: “quem deseja matar usa
outra arma qualquer” ou “facas são mais perigosas que armas”, etc. Não encontrei uma sequer.
68

total contabilizado delas, 75,5% correspondem a casos de intoxicação proposital


com drogas. Neste grupo, entretanto, as taxas de sucesso – vale dizer: de morte
alcançada – são de apenas 0,4% dos casos. Já as tentativas de suicídio com
emprego de armas de fogo respondem por apenas 0,6% do volume total de casos,
mas a taxa de sucesso quando é este o meio escolhido é igual a 78,2%
(Wintemute et al. 1988). Observe-se, então, que o método empregado pelo suicida
faz toda a diferença. A depender da sua escolha, as chances de alcançar o
resultado morte variam milhares de vezes.

Com o exemplo, quero chamar a atenção para o fato - tão evidente, quanto
desprezado - de que uma pessoa, desde que tenha uma arma de fogo, pode
produzir o resultado morte com muita facilidade. Pode, aliás, colher este resultado
ainda que não o deseje. Uma arma de fogo, mesmo que de cano curto e sem
maior potência, permite matar alguém sem que exista qualquer contato com a
vítima. Armas como um fuzil AK-47, por seu turno, disparam até 30 tiros em
menos de 3 segundos e podem matar a distâncias superiores a um quilômetro.
Com a exceção de armas primitivas como flechas, lanças ou zarabatanas, todos
os demais instrumentos de uso pessoal que podem produzir o mesmo resultado
(morte) exigem o contato pessoal com a vítima. Uma arma de fogo, quando usada
em espaços públicos, ao contrário, pode também produzir a morte de alguém que
não esteja sequer envolvido no conflito no interior do qual ela foi usada. Basta que
a vítima esteja na linha de tiro para que seja alvejada. Não por acaso, os antigos
samurais japoneses consideravam desonroso usar uma arma de fogo. Sim,
porque um artefato que permite a morte à distância, sem chance alguma de
defesa para a vítima e independente de qualquer virtude guerreira ou coragem
pessoal do atirador, lhes parecia uma opção formatada para os covardes, não
para os bravos.

De fato, as evidências são tantas que não há mais o que polemizar em torno da
letalidade das armas de fogo. Roubos e agressões físicas cometidas com armas
de fogo possuem muito mais possibilidades de resultar na morte das vítimas do
que quando os mesmos crimes são cometidos sem armas de fogo. Na literatura
69

especializada na área de saúde pública, as “taxas de fatalidade” diferem


nitidamente pelo tipo de arma empregada. Se tomarmos o caso dos roubos nos
EUA, as taxas de fatalidade para roubos praticados com armas de fogo (4
mortes/1000 casos) são três vezes maiores do que roubos praticados com o
uso de facas, dez vezes maiores do que roubos praticados com outros tipos
de armas e 20 vezes maiores do que roubos praticados sem qualquer arma 55
(Cook, 1987).

O que se pode afirmar também com certeza, com base nas evidências científicas,
é que a disponibilidade de armas (gun density) conduz ao emprego delas em
situações de violência interpessoal – não necessariamente vinculadas ao crime –
produzindo resultados que não seriam alcançados sem este uso. Em outras
palavras: uma vez alcançada a diminuição do estoque de armas de fogo à
disposição em uma determinada sociedade, não se processará – pelo menos
quanto aos homicídios – qualquer efeito considerável de “migração” para outros
métodos. Isto não ocorrerá porque a letalidade das outras armas é muito menor.

Para os crimes que envolvem agressão física, a mais citada estimativa na


literatura é o estudo clássico de Newton e Zimring (1968) na cidade de Chicago.
Sob encomenda da “Comissão Nacional para Prevenção das Causas da
Violência”, o relatório final apresentado pelos dois pesquisadores mostrou que
agressões físicas praticadas por pessoas armadas produzem a morte das vítimas
em 12,2% das vezes. Este percentual é 5 vezes mais alto do que agressões
físicas praticadas por pessoas armadas de uma faca – a segunda arma mais
mortal utilizada em crimes violentos. A letalidade das armas de fogo é tão alta
que elas matam mais do que ferem, enquanto as armas brancas ferem mais
do que matam.

55
Ver artigo: “Gun Control” de Philip J. Cook, Mark H. Moore e Anthony A. Braga, disponível em:
http://www.pubpol.duke.edu/people/faculty/cook/SAN01-14.pdf
70

Ao invés de enfrentar estas evidências, o lobby das armas se encarrega de


espalhar pelo mundo “pérolas” do tipo: “Muitas pessoas morrem em acidentes de
carro, mas ninguém está pensando em bani-los” ou “Caminhar faz bem à saúde
e previne doenças cardíacas, mas ninguém propõe acabar com os elevadores e
as escadas rolantes”. De novo, a necessidade de sustentar uma posição - para a
qual há cada vez menos possibilidades de referências a estudos sérios - faz com
que este tipo de recurso demagógico passe a integrar até o discurso de pessoas
que poderiam oferecer argumentos legítimos. Primeiro, armas de fogo possuem
letalidade muito maior que carros. A letalidade das pessoas internadas por lesão
por projétil de arma de fogo no Brasil é igual a 8,9%, enquanto que por acidente
de trânsito é de 4,4% (Phebo, 2005). Ora, carros são utilizados para que os seres
humanos possam se deslocar com mais rapidez e em grandes distâncias. Eles
oferecem conforto e segurança; tornam possíveis momentos de lazer, viagens,
namoro e trabalho, entre outros. Carros foram feitos para a finalidade do
transporte e a eles foram agregadas muitas outras possibilidades e valores
simbólicos. Armas de fogo foram feitas para matar. A finalidade delas é tão
evidente e tão indesejável que ninguém, sequer seus proprietários, anseiam pelo
momento de usá-las. Exceção feita a alguns casos patológicos, penso que todos
os proprietários de armas ficariam muito felizes se soubessem que jamais terão
que usar suas armas em defesa pessoal. Porque, mesmo em defesa pessoal, não
se pode, a princípio, desejar o resultado morte de quem quer que seja. Mas,
exatamente pelo fato de que um carro mal conduzido pode produzir acidentes, é
que a grande maioria dos países do mundo introduziu leis bastante rígidas quanto
ao trânsito. Primeiro, os motoristas precisam estar habilitados para dirigir. Devem
passar por exames e demonstrar aptidão técnica para alcançar habilitação. A
depender do seu comportamento no trânsito podem ser multados e até mesmo
perder a habilitação. Não podem dirigir embriagados, nem transitar com seus
carros em qualquer lugar. Devem observar muitas outras restrições como pagar
altas taxas de impostos pela propriedade, pedágios e vistorias periódicas. Com
estas e muitas outras providências, o Poder Público procura minimizar os efeitos
trágicos derivados dos acidentes automobilísticos. Chama a atenção, entretanto,
71

que, até há poucos anos, fosse possível adquirir uma arma de fogo no Brasil sem
nenhuma das exigências necessárias para se dirigir um carro. Quanto ao uso de
elevadores e escadas rolantes, se contássemos com evidências científicas de que
tais recursos - ao invés de oferecer comodidade às pessoas – as estivessem
matando lentamente, deveríamos sim bani-los. Não é este o caso, como se sabe.
Usar escadas rolantes e elevadores, entretanto, talvez possa representar a
tendência que temos de seguir o caminho do “menor esforço”. Neste debate, pelo
menos, não há dúvidas de que se trata apenas disto.
72

QUEM TEM UMA ARMA EM CASA TEM UM


PROBLEMA: evidências sobre suicídios, homicídios
domésticos e acidentes com armas

Sempre que temos notícia de algum crime violento, notadamente nos casos de
homicídio, a imagem que, naturalmente, se associa a estas tragédias é a da “ação
praticada por bandidos”. Isto ocorre por conta de uma construção social – muito
fortemente reproduzida pela mídia, mas não apenas por ela – segundo a qual atos
violentos que produzem vítimas fatais – ações que, por definição, são más e que
promovem injustiça e sofrimento – são como que características próprias de
pessoas “más”. Este pressuposto, entretanto, só se mantém em pé por conta
daquilo que ele nos oferece de consolo. Em verdade, quando “demonizamos” os
autores de delitos violentos, o que fazemos é protestar nossa inocência. É como
se disséssemos, diante de cada notícia de violência: - “quem fez isso, não é como
eu”. Assim, evitamos a perturbação de confrontar o fato de que o bem e o mal
dizem respeito à liberdade e a acompanham, como luz e sombra, constituindo o
fenômeno humano. Dito de outra forma: evitamos reconhecer que o mal é uma
possibilidade trágica que portamos e que, por outro lado, não há certificados de
propriedade para o bem. Assim, da mesma forma que um indivíduo que tenha
construído uma carreira criminosa pode se afastar deste tipo de vida e construir
uma trajetória pessoal elogiável, também o mais íntegro e cordial dos cidadãos
pode, a depender das suas circunstâncias e limites, acabar cometendo um ou
mais crimes especialmente graves.

Este é, exatamente, o caso dos homicídios que, no mundo inteiro, são praticados
em maior número por pessoas sem histórico criminal; ou seja: mais
73

freqüentemente pelas chamadas “pessoas de bem”, do que por “bandidos”.


Pesquisa recente que analisou todos os homicídios praticados na cidade de
São Paulo, em 1995, concluiu que 92% dos homicídios de autoria conhecida
e 56% dos homicídios de autoria desconhecida estavam relacionados a
conflitos interpessoais, não contabilizados nestes percentuais aqueles
homicídios direta ou indiretamente vinculados ao tráfico de drogas 56.

Como bem registrou Bueno (2004:229):

“Os que assumem correlação positiva podem usar de


metáfora na qual associam ‘armas e violência’ à reação
presente na química de certas substâncias: elementos
quimicamente instáveis que, na presença de outros de igual
instabilidade ou neutros, produzem reações de
autodestruição para a formação de um terceiro elemento ou
produto; a força, a velocidade e mesmo a quantidade dessa
reação podem ser aumentadas pelo uso de substâncias
aceleradoras, os chamados catalisadores. Da mesma forma,
há nas relações sociais elementos instáveis que, sob certas
condições de temperatura e pressão, produzem reações
violentas. O grau de violência é proporcional à instabilidade
dos indivíduos (elementos), e a temperatura e a pressão são
fornecidas pelos fatores social, econômico e cultural de cada
sociedade. Nesta comparação, a arma funcionaria como um
catalisador, multiplicando o poder destrutivo da reação e
potencializando a violência, que seria intensificada muito
além do que ocorreria se a arma não estivesse disponível”.

Neste capítulo, vamos falar um pouco sobre três circunstâncias que, infelizmente,
se tornaram comuns em muitos países: suicídios, violência doméstica e acidentes
com armas de fogo.

a) Suicídios

56
Renato Sérgio Lima. “Conflitos Sociais e Criminalidade Urbana: uma análise dos homicídios
cometidos no Município de São Paulo”. Tese de Mestrado em Sociologia, USP. Disponível em:
http://www.desarme.org/publique/media/homicidios_SP.pdf
74

Sabe-se que o suicídio dificilmente corresponde a uma decisão amadurecida e


ponderada racionalmente. Talvez Camus estivesse certo ao afirmar que “um ato
como este é preparado no silêncio do coração, como se prepara uma grande obra
de arte”. Talvez, mas em um sentido completamente inconsciente para a maioria.
O tipo de desistência radical que a decisão de acabar com a própria vida
pressupõe é, quase sempre, nas sociedades modernas, o resultado de um
impulso cuja base é o desespero. Uma grande parte dos suicidas em todo o
mundo sequer tentaria o ato se pudessem contar com o conforto de alguém ao
seu lado.

Botega et al. (1995), por exemplo, examinaram amostra de 156 casos de tentativa
de suicídio, atendidos em um hospital universitário, ao longo de cinco meses. As
evidências que encontraram foi a de que a decisão de cometer o suicídio esteve
marcada pela baixa intencionalidade e pela impulsividade. A grande maioria dos
que tentaram se matar simplesmente não havia planejado como fazê-lo.

Por isso mesmo, estudos clássicos a respeito do tema, como “Suicide in London”,
57
de Peter Sainsbury, já sublinharam que o suicídio está muito vinculado à solidão
e que não guarda relação com carecimentos materiais. Sainsbury percebeu que
no “East End”, de Londres, região mais pobre da cidade, a taxa de suicídios era
surpreendentemente baixa, mas que subia significativamente nos bairros ricos.
Pelo mesmo motivo, as taxas de suicídio são maiores nos países do chamado
“primeiro mundo” e entre as camadas mais privilegiadas da sociedade no interior
de cada país.

Afirmar isto, entretanto, é ainda olhar para o problema a quilômetros de distância.


Os melhores e mais recentes estudos sobre o tema têm demonstrado que o
fenômeno é muito mais complexo do que já se pensou. Alvarez (1999), em um
brilhante ensaio histórico, insistiu que “o suicídio é um ato de ambição que pode

57
Um estudo recente em torno de 94 suicídios em Florianópolis constatou que 60,63% das
ocorrências se deram com pessoas solitárias. Disponível em
http://www.centroreichiano.com.br/artigos/anais/Wilson%20Pacheco%20e%20outros.pdf
75

ser cometido apenas quando o indivíduo está além de qualquer ambição”. O fato é
que nem sempre o suicídio é o resultado de uma depressão. Solomon (2002:226),
em seu interessantíssimo trabalho sobre a doença, chama a atenção para aquilo
que muitos psiquiatras e psicólogos já descobriram dolorosamente: a maior parte
dos suicidas comete o ato no momento em que sai da depressão. Para este autor,
o suicídio não é o ponto culminante de uma “vida difícil”. Poderá ser, talvez, o
desfecho de uma vida onde o sentido se tornou difícil ou, de todo, ausente.

Para esta hipótese, há, pelo menos, evidências importantes: Durante os anos de
depressão econômica na década de 30, quando milhões de pessoas ficaram, de
uma hora para a outra, desempregadas, as taxas de suicídio alcançaram o seu
pico nos EUA. Mas, durante outros momentos difíceis, como nas guerras, os
suicídios caem abruptamente. Mesmo em situações-limite, de sofrimento
indescritível como nos campos de concentração, as taxas de suicídio caem
significativamente. A hipótese que valoriza a idéia de “sentido” para as pessoas
poderia explicar isso a partir do sentimento de nacionalidade ou do
reconhecimento da necessidade de enfrentar o opressor.

Nos EUA, há um suicídio a cada 17 minutos. Esta é a terceira causa de mortes


entre americanos com menos de 21 anos. A cada ano, cerca de 30 mil americanos
58
se matam e mais de meio milhão de cidadãos residentes naquele país são
conduzidos a hospitais após tentativas de suicídio.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o suicídio é, atualmente,


responsável por 2% de mortes no mundo, o que significa mais do que o número
total de homicídios e mais que o número de pessoas mortas em guerras. Há,
aproximadamente, 16 tentativas de suicídio para cada um realizado. Entre todos
os que alcançam o resultado morte, 1/3 já havia tentado antes. 1% dos que já
tentaram conseguirão se matar em um ano e 10% se matarão dentro de 10 anos.

58
O que supera o número de homicídios em uma proporção de 3 para 2.
76

As pessoas, entretanto, escolhem diferentes meios para tentar pôr fim às suas
vidas. No Punjab, na Índia, mais da metade dos suicidas resolvem pular na frente
de trens em movimento. Na China, muitas mulheres se matam comendo
pesticidas e fertilizantes altamente tóxicos. Estas e outras diferenças se explicam
por muitas razões, mas a mais importante delas está conectada ao conceito de
“oportunidade”. Se a pessoa disposta a se matar julgar que a forma que se lhe
apresenta como imediatamente disponível é capaz de produzir o resultado
desejado, tenderá a usá-la. Mas, se esta forma, este meio, não estiver mais
disponível, é provável que uma parte significativa dos potenciais suicidas não
migre para outros métodos e, simplesmente, mude de idéia.

A experiência vivida pela Inglaterra após a substituição do gás tradicional de


cozinha (coal gás) por outro bem menos tóxico, ao final dos anos 50, oferece um
exemplo clássico. Durante décadas, as taxas de suicídio na Grã Bretanha
estiveram muito vinculadas ao método da intoxicação por gás de cozinha. Stengel
(1964) foi um dos primeiros a perceber que a substituição efetuada havia
produzido queda impressionante de 40% no número de suicídios por este método.
O mais interessante, entretanto, foi descobrir que a taxa geral de suicídios havia
decrescido 20%. Ou seja, apenas a metade do grupo que usaria o gás de cozinha,
caso ele estivesse disponível, migrou para outros métodos e alcançou o resultado
morte. A outra metade ou não conseguiu alcançar o resultado ou resolveu seguir
vivendo. Desde então, sabe-se que métodos de prevenção situacional também
funcionam para a prevenção do suicídio 59.

Em um importante trabalho de revisão, Miller e Hemenway (1999) assinalaram:

“Indivíduos suicidas são muito freqüentemente ambivalentes


sobre matar a si mesmos, e o período de risco é passageiro.
Reduzir a disponibilidade de instrumentos letais durante este
período pode prevenir o suicídio. Instituições penitenciárias
e psiquiátricas há muito reconhecem a importância, em
59
Sobre a experiência britânica com a substituição do gás tóxico ver também: Brown (1979).
77

todas as faixas etárias, de restringir o acesso aos meios


letais que podem tornar possível um suicídio, sempre que
um novo interno é admitido e sempre que houver alguém
que aparente ter tendências suicidas. Uma associação
independente parece existir entre características pessoais e
o método de suicídio usado (...) Assim, as evidências
sugerem uma imperfeita possibilidade de substituição entre
os métodos. Restrições de acesso aos mais freqüentes e
letais meios de suicídio podem, assim, reduzir as taxas
gerais de suicídio. Não apenas porque outros meios
disponíveis sejam menos eficazes, mas porque eles podem
ser menos aceitáveis e, por isso, terminam não sendo
usados”.

Nos EUA, 60% dos suicídios são cometidos com armas de fogo. Eles
representaram 17.424 casos em 1998, o que corresponde a 56,74% dos 30.708
casos de mortes por armas, sendo que os suicídios têm se dado em maior número
do que os homicídios desde 1933. Dentre os tipos de armas usadas em suicídios
nos EUA, pistolas e revólveres corresponderam a 69% dos casos”. (Bueno,
2003:55). Entre as nações industrializadas, as taxas médias de suicídio nos EUA
(19/100 mil hab. entre os homens e 4/100 mil hab. entre as mulheres) encontra-se
60
em uma posição sem maiores destaques . Mas os suicídios entre os jovens
situam-se em um patamar bastante elevado. Se tomarmos os suicídios cometidos
por pessoas com menos de 15 anos, as taxas norte-americanas são duas vezes
maiores que a média dos demais países industrializados do mundo. Esta diferença
impressionante só é possível por conta do uso de armas de fogo. Nos EUA a taxa
de suicídios de jovens com menos de 15 anos com armas de fogo é 11 vezes
61
maior do que a média dos demais países industrializados (Miller e Hemenway,
1999).

No Canadá, na última década, a média anual de vítimas de armas de fogo foi de


1.385 casos. Os suicídios representam 79% dessa média; 14% de tais mortes

60
Para 53 países para os quais se dispõe de dados completos, a taxa média de suicídio
normalizado pela idade foi de 15/100.000 habitantes, em 1996. Considerando os sexos, a taxa
encontrada para população masculina foi de 24/100.000 hab e 6,8/100.000 hab para o sexo
feminino.
61
Morbidity and Mortality Weekly Report, 1997
78

62
foram casos de homicídios e 4% corresponderam a acidentes. Os estudos
disponíveis neste país a respeito dos métodos utilizados por suicidas comprovam,
outra vez, o quanto o meio escolhido pode fazer diferença: 92% das tentativas de
suicídio com armas de fogo são exitosas, contra 78% de taxa de sucesso com uso
de intoxicação por monóxido de carbono e enforcamento, 67% de êxito para
63
afogamento intencional e 23% para overdose intencional (Miller e Hemenway,
1991).

A correlação entre suicídios e armas de fogo em casa é um fenômeno bastante


64
conhecido. Um dos estudos pioneiros foi o de Kellerman (1992). Este trabalho
concluiu que manter uma arma de fogo em sua própria residência faz crescer o
risco de suicídio em uma razão de 4,8 a 5 vezes. Examinando vários outros
fatores associados aos suicídios, o trabalho descobriu que armas eram mantidas
em 65% das casas onde houve um suicídio. Do total de pessoas que se
suicidaram, 41% delas moravam em casas onde não havia armas de fogo (grupo
de controle). Armas de mão (revólveres e pistolas), que foram usadas em 72% dos
casos da amostra de suicídios em casa com armas de fogo, estiveram presentes
nas casas de 49% das vítimas, mas apenas foram usadas por 23,4 das vítimas
que moravam em casas sem armas. Estudo de Wintemute (1999), na Califórnia,
encontrou que, para a primeira semana após a compra de uma arma, o suicídio
era a primeira causa de morte entre proprietários de armas de fogo, respondendo
por 25% de todas as mortes e por 52% de todas as mortes entre mulheres na
faixa entre 21 e 44 anos de idade.

62
Canadian Broadcast Company. “Furor Over firearms:the veredict on Canada’s Gun Control Law”
disponível em: http://www.cbc.ca/news/radionews/context/firearms_2.html
63
Chapdelaine, A., Samson, E., & Kimberly, M. D. (1991). “Firearm Related Injuries in Canada:
Issues for Prevention”. Canadian Medical Association Journal, 145, 1217–1223.
64
Ver, por exemplo: Kaplan e Geling (1998 e 1999)
79

65
Embora, no Brasil , as taxas médias de suicídio sejam bem menores que estas
da América do Norte ou de boa parte dos países europeus, elas são maiores do
que se imagina e, em alguns estados, como no Rio Grande do Sul, são
especialmente altas 66. De 1980 a 1999, a taxa de suicídio no Brasil, se elevou um
pouco, passando de 3,27/100 mil hab. em 1980 para 3,98/100 mil hab. em 1999.
Um crescimento de 5% . (Santana et al. 1999). Isto significa que, a cada dia, 4
brasileiros se matam. O método preferencial utilizado no Brasil pelos suicidas é o
enforcamento, 52,2% dos casos, seguido por arma de fogo com 17,7% das
ocorrências.

As experiências internacionais com controle de armas de fogo e diminuição do


estoque de armas disponíveis têm demonstrado que um dos seus efeitos
benéficos é a diminuição das taxas de suicídios.

b) Mulheres em risco

Quem acompanhar a publicidade feita nos EUA pelas revistas especializadas em


armas irá encontrar muitos anúncios de armas e de treinamento de tiro para
mulheres. Independente do mau gosto e da agressividade, tais peças publicitárias
oferecem armas às mulheres a partir de uma mentira perigosa: a promessa de que
o produto lhes trará “segurança”.

Separei alguns exemplos que parecem representativos:

65
Os interessados poderão encontrar textos e pesquisas em português sobre suicídio em
http://www.ronet.com.br/conhecer/publica1.html
66
O Rio Grande do Sul é o estado brasileiro que apresenta a maior taxa de suicídio (10,5) e
segundo maior percentual de suicídios por arma de fogo (28,0%). Sua taxa de suicídio foi 2,2
vezes superior à média os estados brasileiros (4,7/100.000 hab.) e sua taxa de suicídio por arma
de fogo foi 3,6 superior a os estados brasileiros (0,8/100.000 hab.) (Phebo, 2005)
80

1) Thunder Ranch, Inc. que oferece “treino tático” para o uso de armas, mostra
uma mulher vestindo jeans com um revólver em um coldre no cinto. O texto
diz:: “Eu vou para Thunder Ranch, eu me recuso a ser uma refeição para
qualquer um" 67.

2) Hidden Holster (coldre escondido) mostra uma mulher dormindo em sua cama,
vestindo uma fina camisola. Anexado ao seu colchão, há uma pistola em um
coldre. A chamada diz: “Hidden Holster mantém sua arma pronta!” O texto
seguinte completa: Quando você está em sua cama, o quanto a sua arma
está, de fato, acessível? Você sabe exatamente onde ela está? Você pode
68
alcançá-la sem fazer um movimento súbito capaz de alertar um intruso?

3) Beretta mostra uma pistola que cabe “na palma de sua mão”. A arma está na
mão de uma mulher com unhas pintadas e um delicado bracelete 69 .

4) New England Firearms mostra uma pequena arma de 5 tiros (NEF® LADY
ULTRA, 32 H&R MAGNUM): “a escolha sensata para proteção pessoal”,
seguido do texto: “Crimes violentos contra mulheres estão crescendo. Por
isso, você merece o melhor para proteger você mesmo e sua família. Cada
vez mais, mulheres estão escolhendo armas de fogo para defesa pessoal. Nós
esperamos que você nunca tenha que usar uma, mas você sabe que não
pode correr riscos também” 70.

Por sorte, poucas mulheres – mesmo nos EUA – acreditam que exista algo de
sensato na afirmação de que armas de fogo são o mesmo que “mais segurança”.

67
Women and Guns, May-June 1999, 55
68
Women and Guns, March-April 1998, 5
69
Women and Guns, March-April 1999, 33
70
Women and Guns, February 1997, 9.
81

71
Estudos como o de Wendy Cukier demonstram que o risco de uma mulher ser
morta pelo marido aumenta com a disponibilidade de arma de fogo. Nos EUA,
51% das vítimas da violência doméstica são mortas a tiros. Não há dados
nacionais para homicídios praticados por maridos e/ou companheiros, namorados
contra suas mulheres, mas sabemos, por exemplo, que, nas capitais brasileiras,
72
44,4% dos homicídios de mulheres são cometidos com arma de fogo e os
autores, invariavelmente, ou são companheiros ou ex-companheiros.

Segue-se, aqui, um padrão internacional de violência contra as mulheres. Muitos


são os estudos que já demonstraram que mais mulheres são alvejadas
dentro de casa por seus parceiros do que nas ruas, por estranhos. Segundo
Campbell at al. (2003), por exemplo, vários fatores concorrem para que uma
mulher venha a ser assassinada pelo marido ou pelo namorado, mas o acesso a
uma arma de fogo aumenta o risco em cinco vezes. Já ter de uma arma de fogo
em casa aumenta o risco de um homicídio doméstico em 41%, mas para as
mulheres o risco aumenta em 272% (Wiebe, 2003).

Em 1998, para cada vez que uma mulher usou uma arma de fogo em sua própria
defesa, 101 mulheres foram mortas por alguém usando uma arma de fogo.
Em que pese as promessas da propaganda da indústria de armas, é muito mais
provável que as mulheres sejam vítimas de um homicídio praticado com arma de
fogo do que autoras de homicídio com arma de fogo em auto-defesa. Em 1998,
armas de mão foram usadas para matar 1..209 mulheres nos EUA. No mesmo
ano, há 12 casos registrados de mulheres que mataram agressores em auto
defesa. Entre estes 12 casos, 8 deles envolveram homicídios de homens que
viviam com estas mulheres ou tinham com elas algum tipo de relação pessoal.
Apenas 4 dos casos (33% do total) envolveram agressores estranhos

71
Gender and Small Arms, Small Arms Firearms Education and Research Network – SAFER-NET,
www.ryerson.ca/SAFER-Net/
72
Iser/Datasus, dados de 2002
82

Por conta do machismo ainda dominante e de relações fortemente hierarquizadas


entre os gêneros, a violência contra a mulher é mais grave na América Latina do
que nos países do primeiro mundo. Segundo Hemenway et al (2002), em El
Salvador, entre setembro de 2000 e dezembro de 2001, 98% dos homicídios de
mulheres foram cometidos pelos seus maridos ou parceiros.

Este mesmo trabalho - um estudo comparativo sobre as taxas de homicídios de


mulheres e posse de armas de fogo em 25 países - encontrou uma forte
correlação positiva entre disponibilidade de armas de fogo, e assassinatos de
mulheres (mais armas, mais assassinatos de mulheres). Dentre os 25 países
pesquisados, os EUA contam com 32% da população feminina, mas são
responsáveis por 70% dos homicídios de mulheres, sendo que, deste total, 84%
são mortas com armas de fogo.

A experiência com Leis nacionais que tornam mais difícil o acesso às armas de
fogo tem demonstrado efeitos importantes na redução do número de homicídios, o
que tende a se manifestar ainda mais fortemente com relação às mulheres. Em
1995, o Canadá restringiu drasticamente o acesso às armas; em 2003, os
homicídios haviam caído 15%, mas o índice de homicídio de mulheres
experimentou, no período, uma redução de 40%.

O fenômeno da violência doméstica é tão amplo e grave que muitos países


ocidentais têm introduzido mecanismos especiais de proteção às mulheres em
suas políticas de controle de armas como, por exemplo, no Canadá, a cassação
do registro de arma de fogo sempre que houver um telefonema ou notificação de
caso envolvendo ameaça ou violência doméstica ou, na África do Sul, a “Lei da
Violência Doméstica” de 1999 que dá poderes à Polícia para desarmar um
cidadão cuja esposa ou companheira tenha solicitado o confisco; entre muitos
outros exemplos interessantes como a decisão australiana de permitir o confisco
de armas daqueles homens com medidas cautelares por violência doméstica, etc.
83

c) Acidentes com armas de fogo

Pesquisas realizadas nos EUA em torno de disparos não intencionais que


produzem ferimentos e mortes entre crianças indicam que este tipo de tragédia
ocorre, tipicamente, dentro de casa, envolvendo armas que foram encontradas
pelas crianças (Wintemute et al. 1987 e 1989 e Martin et al. 1991). A maioria dos
acidentes ocorre porque os pais ou responsáveis não acondicionam suas armas
dentro dos preceitos elementares de segurança, que recomendam que elas sejam
guardadas descarregadas dentro de recipientes chaveados, enquanto a munição é
acondicionada em local distinto (Denno et al. 1996). Normalmente, os proprietários
não seguem estas regras porque acreditam que, assim, não poderão usar as
armas em caso de uma “emergência”. Esta crença na auto-defesa armada, que
examinaremos no ponto seguinte, está, assim, na origem de quase todos os
acidentes com armas no mundo.

Quanto aos ferimentos acidentais produzidos por armas de fogo em crianças


sabe-se que, nos EUA, 26,2% deles atingem os braços ou a mão enquanto 45,5%
atingem a perna ou o pé. 72% destas ocorrências são auto-infligidas, enquanto
11% foram infligidas por um amigo ou conhecido. Descontando-se os casos onde
o local do evento não foi registrado, 71% dos casos que chegam ao conhecimento
da polícia ocorreram dentro de casa. Revólveres e pistolas (armas de mão)
respondem por 65% dos casos 73.

Há mais de 200 mil acidentes não fatais nos EUA com armas de fogo a cada ano.
Muitos destes casos exigem dias de internação hospitalar e cuidados posteriores.
Um estudo de 1994 revelou que o custo médio de uma internação por ferimento
acidental com arma de fogo nos EUA é de 14 mil dólares. Outros estudos
chegaram a um custo ainda superior. Miller e Cohen (1996), por exemplo,

73
Centers for Disease Control and Prevention, CDC Surveillance Summaries, Surveillance for Fatal
and Nonfatal Firearm-Related Injuries – United States, 1993-1998, Morbidity and Mortality Weekly
Report, April 13, 2001 /Vol. 50 / no. SS-2
84

calcularam em 25 mil dólares a média por internação de feridos à bala. Mock et al.
(1994) estimaram o custo total destas internações, para o ano de 1985, em 911
milhões de dólares, sendo 13,4 bilhões as perdas estimadas em produtividade.

Números como estes fizeram com que a Academia Americana de Pediatras tenha
recomendado oficialmente, desde 1992, que os pais não tenham armas de fogo
74
em suas casas. Segundo Kellermann e Reay (1986) quem possui armas em
casa tem 43 vezes mais chances de ter sua arma envolvida na morte de
algum conhecido do que usada para matar alguém em legítima defesa.

A cada dia, três crianças são internadas em hospitais do Brasil devido a lesões por
arma de fogo. Duas por tiro acidental e uma devido à agressão. 75

74
Disponível em : http://aappolicy.aappublications.org/cgi/content/full/pediatrics%3b105/4/888 A
recomendação não poderia ser mais clara: “The AAP affirms that the most effective measure to
prevent firearm-related injuries to children and adolescents is the absence of guns from homes and
communities”
75
Datasus/2002.
85

LEGÍTIMA DEFESA ARMADA: A LEGÍTIMA PIOR


OPÇÃO

Os instrutores de tiro alertam que para bem se defender é preciso estar em


condições de, seguramente, atingir primeiro o agressor de forma a impossibilitar
um revide fatal. Para tal garantia no momento do uso da arma, muito controle
emocional, habilidade física e prática de tiro são exigências absolutas. A falta de
tais condições inabilita a grande maioria das pessoas que detêm armas; até
mesmo policiais freqüentemente fracassam em alguns desses requisitos. O
Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCrim) realizou em 1999 um estudo
sobre o risco, na cidade de São Paulo, de uma pessoa armada tornar-se vítima
fatal, ao reagir a um assalto. Concluíram, após estudo dos casos conhecidos de
vítimas que reagiram com arma de fogo, que o risco do resultado morte para as
vítimas que oferecem este tipo de resposta é igual a 57%; muito superior ao risco
de resultado fatal entre as vítimas de assalto que não reagem. O estudo também
encontrou maior incidência de “múltiplas vítimas” nos casos de reação, o que pode
indicar forte probabilidade de também ser vítima fatal quem estiver na companhia
86

da pessoa que reage (...) Não se trata de estabelecer uma relação de causa e
efeito entre estar armado e morrer vítima de um crime, mas sim de se estimar os
riscos de uma pessoa armada vir a ser vítima fatal em um roubo 76.

Um estudo do ISER no RJ, por exemplo, examinou todos os registros policiais de


roubos durante um mês, encontrando um total de 3.394 episódios. 85% destes
roubos foram perpetrados com armas de fogo e em 3,5% dos casos os
assaltantes pareciam estar armados, mas isto não pode ser confirmado. Na
grande maioria dos casos relatados (95% deles) as vítimas não esboçaram
qualquer reação. Houve, do total examinado, apenas 52 casos com algum tipo de
resistência, bate boca, negativa de entregar o bem, luta corporal, etc. No grupo
destes 52 casos de reação, houve 11 reações armadas. Os pesquisadores,
então, estabeleceram as correlações mais significativas. Em termos matemáticos,
isto significa que a chance de se morrer é 180 vezes maior do que quando não
se reage. A possibilidade de se ficar ferido é 57 vezes maior do que quando não
há reação

A primeira conclusão é que, para as pessoas que não reagem, o risco de


vitimização é pequeno. Assim, ainda que existam casos dramáticos de pessoas
que foram violentadas ou mortas mesmo sem esboçar qualquer reação, isto é
bastante incomum. As pessoas que reagem, especialmente aquelas que reagem
com arma de fogo, experimentam uma probabilidade muito maior de resultarem
feridas ou de serem mortas. Em 11 casos de reação armada do estudo, houve 3
mortes entre os que reagiram. Nos outros 3.338 casos onde as vítimas não
esboçaram reação, houve 5 mortes. Note-se que dos 11 casos de reação
armadas estudados, 6 envolveram reações de policiais. Como vimos, os
defensores das armas nos EUA respondem dizendo que as taxas de
subnotificação de delitos são muito altas e que, seguramente, tentativas de
assalto, arrombamento, etc. que tenham sido impedidas pela reação armada das
vítimas não costumam ser registradas. O argumento aponta para um problema

76
Lima, Sinhoretto e Pietrocolla, 2000, p. 369-373 – citado por Bueno (2003:198).
87

real, mas deixa o raciocínio pela metade porque se a subnotificação para casos
exitosos de reação armada é alta, é ainda muito mais alta para casos de não
reação.

Cook (1991), utilizando os dados da Pesquisa Nacional de Vitimização (NCVS) de


meados dos anos 80, encontrou que apenas 3% das vítimas se mostraram
capazes de usar suas armas de fogo contra alguém que entrou ou tentava entrar
em sua casa. Pesquisa realizada por May et al (2000), com prisioneiros em
Washington, não encontrou um só caso de condenado que tenha sido ferido à
bala por alguma das vítimas de seus crimes. Os que foram feridos à bala
relataram ocorrências onde eles próprios foram vitimados em assaltos ou disputas
com outros delinqüentes. Levantamentos do tipo têm permitido concluir que as
reações armadas por parte das vítimas em casos de arrombamento ou tentativa
de arrombamento constituem episódios muito menos freqüentes do que se
imagina, mesmo nos EUA. A imagem da necessidade da arma, nestes casos,
pelo menos, parece estar muito mais associada à “sensação de insegurança”,
alimentada pelo bombardeio de notícias sobre crimes violentos que se fazem
acompanhar, sempre, de observações do tipo: “nunca a situação esteve tão
grave”, “o crime está absolutamente fora de controle” ou “ninguém mais está
seguro”. Ter uma arma em casa, então, poderia oferecer – e de fato tem oferecido
– uma segurança simbólica aos seus proprietários. Necessidade que se fortalece
na exata medida em que se alastra a “cultura do medo”.

Para todas as promessas feitas em nome da auto-defesa armada, matar um


bandido em um evento de auto-defesa é um evento raro, inclusive nos EUA.
Olhando para homens e mulheres, nos últimos 20 anos, em média, apenas 2%
dos homicídios cometidos com armas de mão nos EUA foram justificados em atos
de auto-defesa por civis. Um estudo de 743 casos de pessoas mortas por civis por
disparo de arma de fogo realizado pelos Drs. Arthur Kellermann e Donald reay,
publicado no The New England Journal of Medicine encontrou que 84% destes
homicídios ocorreram durante altercações e disputas domésticas. Apenas 2 casos
88

entre os 743 envolveram um intruso durante tentativa de cometimento de um


crime. Do total de homicídios, apenas 9 deles foram considerados “justificáveis” 77.
Estes dados significam, apenas, que mais pessoas são mortas fulminadas
por raios nos EUA do que bandidos são mortos por balas disparadas por
civis em resposta a crimes tentados.

A EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL DE CONTROLE DE


ARMAS E DESARMAMENTO: o que se pode aprender
com ingleses, canadenses, australianos e japoneses

Deve-se ter muito cuidado ao realizar comparações entre países. No tema da


segurança pública, ainda mais, pois esta é uma área onde não se dispõe sequer
de indicadores uniformes. A maneira pela qual se registram ocorrências policiais
varia muito de país para país – e, em alguns países como no Brasil, inclusive de
estado para estado. Os dados disponíveis são fornecidos, muitas vezes, por
fontes diversas e as formas como eles são desagregados pode revelar ou encobrir
conexões importantes. Muitas vezes, um levantamento recolhido em pesquisa de
vitimização em um país é comparado com um dado coletado em boletim de
ocorrência em outro país, o que é mais ou menos o mesmo que comparar espigas
de milho colhidas manualmente na África com grãos de soja apanhados por
modernas colheitadeiras no Brasil.

Assim, por exemplo, um muito conhecido ensaio comparativo que alcançou


conclusões favoráveis ao controle de armas nos EUA foi o que comparou as taxas

77
Zimring, F.E. (1991) “Firearms, Violence and Public Policy” Scientific American, vol. 265, p.48.
89

de homicídio e as leis sobre armas em Seatle (EUA) e Vancouver (CAN) (Sloan et


al 1988). Seatle que possuía leis bastante liberais com relação às armas mostrou
ter, também, índices muito mais elevados de homicídios praticados com armas de
fogo. Já Vancouver, com leis rigorosas de controle, possuía taxas criminais bem
inferiores. O problema é que não se pode afirmar que a diferença nas taxas
criminais sejam derivadas das formas distintas pelas quais ambas as cidades
tratam o acesso às armas de fogo. Entre os EUA e o Canadá, no mais, há muitas
diferenças significativas que poderiam explicar o problema por outras variáveis.
Embora também não constitua uma conclusão, tem muito mais força a
comparação nacional das taxas criminais com e sem armas de fogo entre EUA e
Canadá. Assassinatos sem armas de fogo nos EUA são 40% (1.4 vezes) mais
freqüentes que no Canadá, mas assassinatos com armas de fogo são 1.500%
mais freqüentes (15 vezes) nos EUA em comparação com seu vizinho ao norte.

Por outro lado e pelas mesmas razões, é equivocado afirmar que a Suíça é “um
dos países mais armados do mundo” que, entretanto, possui baixíssimos
indicadores de violência e criminalidade. A taxa de residências com armas de fogo
na Suíça é de 27,2%. Bem abaixo, portanto, da taxa norte-americana,
78
historicamente em torno de 40% . Não se compreenderá a taxa de residências
com armas neste país, entretanto, sem examinar o que há de específico na
relação de sua população com o serviço militar. Ocorre que, na Suíça, os cidadãos
prestam, espaçadamente, serviços às Forças Armadas por longos períodos. Dos
19 aos 30 anos para soldados e praças, e até os 50 anos para oficiais e
79
especialistas . Por conta deste envolvimento, os militares levam suas armas
para casa. Elas são, em regra, armas longas e há uma grande adesão da
população às normas de segurança para acondicionamento de armas e munições.
Quanto às munições para estas armas, não há como comprá-las. Somente o

78
Cukier, Wendy (1998): La Réglementation des Armes à Feu: le Canada dans le Contexte
International, citado por Bandeira e Bourgois (2005: 36).
79
Site do ministério da Defesa da Suíça :
http://www.vbs-ddps.ch/internet/groupgst/fr/home/armee/angeh/wehrpflicht.html
90

Exército pode distribuí-las. Mas, por outro lado, a Suíça não é um local sem
problemas graves de violência e criminalidade. Bandeira e Bourgois (2005) citam
estudo onde ficou demonstrado que a Suíça é, entre 16 nações desenvolvidas, o
país com maior incidência de homicídios de mulheres por arma de fogo, cometidos
no mais das vezes, por autores que são homens sem antecedentes criminais.
(Killias, 1993: b).

Devemos ter em mente a ponderação feita por criminologistas como Rosemary


Gartner para quem os efeitos decorrentes das leis de controle de armas são
causados pela importante interação entre lei e valores. Países com controle estrito
sobre armas enviam um sinal a respeito da não aceitabilidade da violência e
podem agregar efeitos benéficos, assim como leis que, ao introduzirem políticas
de controle, terminaram por estimular mudanças comportamentais com respeito
ao fumo, ao hábito de dirigir depois de beber ou ao hábito de dirigir sem usar o
cinto de segurança.

A experiência internacional nos oferece bons motivos para apostar em políticas de


controle de armas que se coloquem o objetivo de reduzir o acesso a elas. Boyd
(1996), por exemplo, concluiu que há mais evidências em apoio à eficácia de leis
de controle de armas na redução de mortes e em casos de pessoas gravemente
feridas do que qualquer outra mudança legislativa. Em um estudo de revisão da
experiência canadense, Boyd (1996) assinalou:

“Em três formas distintas de análise estatística –


exploratória, série-temporal e estrutural – os pesquisadores
têm encontrado evidências de que o controle de armas tem
causado um impacto nas taxas gerais de homicídios e nas
taxas de homicídios com armas de fogo. O encontro de uma
evidência de que uma mudança na lei criminal pode mudar o
comportamento das pessoas na direção desejada não é
usual. Nós tivemos várias mudanças nas leis criminais no
Canadá nos últimos 40 anos: por exemplo, mudanças na
estrutura de penalidades para casos de homicídios em 1961,
1967, 1973, 1974, 1976 e 1985; mudanças na estrutura das
penalidades para combater o tráfico de drogas em 1961,
1969 e 1974.. Em nenhuma destas oportunidades foi
91

possível encontrar uma só evidência de que as mudanças


legislativas induziram a mudança comportamental esperada.
Com as leis de controle de armas, nós temos evidências
preliminares – algumas sugestões muito fortes mesmo – de
que a lei está produzindo efeitos. E está produzindo estes
resultados não porque as penas foram alteradas, mas
porque se construiu um sistema regulatório que limita o
acesso às armas, melhora a segurança do uso de armas de
fogo e, em um aspecto mais amplo, educa o público face aos
perigos inerentes de uma generalizada disponibilidade
destas commodities potencialmente letais”.

O Canadá sempre teve uma política bastante firme de regulação quanto às armas
de fogo, particularmente quanto às armas de mão. O contraste é muito sensível
com a experiência norte-americana. Armas devem ser licenciadas e registradas no
Canadá desde os anos 30. A propriedade de armas de fogo nunca foi tratada
como um direito e muitas decisões dos Tribunais têm repetido que o Estado
possui o direito de proteger os cidadãos das armas. A propriedade de armas tem
sido restrita aos policiais, membros de clubes de tiro e colecionadores.
Pouquíssimas pessoas no Canadá, cerca de 50 em todo o país, possuem o direito
de portar armas em sua defesa pessoal. Para que esta autorização seja
concedida, o cidadão precisa provar que sua vida está em perigo e que, pela
natureza da ameaça, a polícia não pode protegê-lo.

A taxa de homicídios por arma de fogo diminuiu de 40%, entre 1989 (0,8/100 00) e
2003 (0,48/100 000), enquanto homicídios sem arma de fogo não registraram
80
queda tão significativa (de 1,6/100 000 para 1,2/100 000) . Já os homicídios de
mulheres com arma de fogo foram reduzidos de 2/3 desde 1989 e caíram em 40%
81
entre 1995 e 2003 . Homicídios com rifles e espingardas diminuíram
significativamente: de 0,5 em 1989 para 0,14 por 100.000 habitantes em 2003.

80
Canadian Firearms Centre, 03.03.99
81
Canadian Firearms Centre, 03.03.99
92

82
A Austrália introduziu uma política de forte controle sobre armas de fogo. Cerca
de 10% da população possuía pelo menos uma arma de fogo antes das reformas.
Em que consistiram estas reformas? Primeiro, no banimento das armas
automáticas e semi-automáticas, incluindo cartucheiras de repetição. Estas armas
só podem ser utilizadas pela polícia e pelas Forças Armadas. Muitas outras
mudanças foram introduzidas de forma a controlar mais estreitamente as
possibilidades legais de compra de armas de fogo, como, por exemplo,
obrigatoriedade de filiação a algum clube de tiro para obtenção de licença para
adquirir qualquer arma legal, etc. De forma semelhante ao que vem ocorrendo no
Brasil, o governo australiano desenvolveu uma campanha de recolhimento de
armas mediante indenização. As autoridades australianas resolveram pagar pelas
armas o preço de mercado e, por isso, gastaram 400 milhões de dólares
recolhendo 630 mil armas de fogo ao longo de um ano. O que se pode afirmar é
que antes do massacre de Port Arthur, ocorreram 11 assassinatos múltiplos na
Austrália cometidos com arma de fogo, em que morreram cerca de 100 pessoas e
83
mais de 50 ficaram feridas. Depois da nova lei, nenhum . Nos 6 anos posteriores
à aprovação da lei, entre 1996 e 2002, o número total de mortes por arma de fogo
caiu de 521 para 299 (diminuição de 43%). Um ano depois, em 2003, nova
redução: 290 mortos por armas de fogo. Se compararmos estes números com os
produzidos nas décadas de 70 e 80 – média de 700 mortes por arma de fogo ao
ano - teremos que a Austrália vive uma nova situação com, pelo menos, 400
mortes a menos todos os anos. A taxa de homicídios por arma de fogo por 100 mil
habitantes passou de 0,57 para 0,24 (mais de 50% de redução).Alguns falam de
“onda de criminalidade” na Austrália, e fazem referência a aumento de assaltos
armados. Essa categoria de crime inclui todo tipo de arma (arma branca e outras).
Na verdade, assaltos sem arma de fogo, que causam muito menos mortes,
aumentaram em 20%, enquanto os assaltos com armas de fogo diminuíram ao

82
Para uma avaliação da experiência australiana de controle de armas, ver: Ozanne-Smith, J.,
Ashby, K., Newstead, S., Stathakis, V.Z. e Clapperton, A. (2004) “Firearm Related Deaths: The
Impact of Regulatory Reform”, Injury Prevention, 10: 280-286.
83
Philipe Alpers in Small Arms Survey, 2004
93

seu mais baixo nível em 6 anos: menos de 1 em 5 assaltos envolveram arma de


84
fogo . Em 1989/90, armas de fogo eram usadas em 27,5% dos homicídios; em
2001/02, essa percentagem baixou para 14,2% 85.

Durante um bom tempo, a ANR manteve em seu site uma “avaliação” da


experiência australiana após a aprovação das leis de controle. Neste texto, o lobby
das armas denunciava um aumento nas taxas criminais que jamais se verificou.
Em abril de 2000, o governo australiano se manifestou oficialmente sobre o tema
protestando em carta dirigida à ANR pela manipulação dos dados. Ainda hoje, no
Brasil, informações do tipo seguem circulando pela Internet e são reproduzidas
sem qualquer cerimônia pelos defensores das armas.

Outro exemplo muito significativo é o do Reino Unido (Inglaterra, Escócia, Gales e


Irlanda do Norte) onde há uma longa tradição de leis de controle sobre armas de
fogo e onde armas de mão foram, a rigor, banidas em 1997. O governo recolheu
um total de 162.198 armas em troca de indenizações que alcançaram a soma de
89 milhões de libras (mais de 400 milhões de reais). Desde a lei de 1997, o porte
ilegal de arma de fogo pode ser punido com até 10 anos de prisão. É possível que
pessoas com registro em clubes de caça tenham espingardas, também não há
restrições legais quanto a armas de pressão. Os indicadores criminais apurados
pelo serviço nacional de pesquisas de vitimização (British Crime Survey), a cada
ano, demonstram persistente declínio da criminalidade e da violência já há muitos
anos.

Novamente, não há como se atribuir estes bons resultados, exclusivamente, às


políticas restritivas quanto ao uso das armas. Mas as evidências disponíveis já são
suficientes para que se tenha, pelo menos, motivos para esperar por reduções nas

84
Australian Institute of Criminology, com dados do Australian Bureau of Statistics
85
Australian Institute of Criminology, NHMP 1989/90 - 2001/02
94

taxas de crimes violentos por decorrência de novas experiências de restrição e


controle de armas em outros países.

Em outubro de 1992, um jovem japonês de nome Yoshihiro Hattori, que estava


estudando na Lousiana, EUA, entrou na casa errada quando procurava por uma
festa de Halloween. A dona de casa se assustou com a imagem daquele rapaz
entrando em seu pátio e gritou por socorro. Seu marido apontou uma pistola
calibre 44 para o menino e gritou “freeze!” A expressão, muito conhecida nos EUA
e largamente utilizada pela polícia em abordagens de rua, significa: “- pare ou eu
atiro!” Yoshihiro não sabia deste significado e seguiu caminhando. Foi, então,
alvejado e morto. A imprensa norte-americana não concedeu ao fato qualquer
importância. Mas o episódio produziu uma onda de indignação no Japão.
Centenas de milhares de japoneses assinaram uma petição exigindo que os
Estados Unidos tomassem medidas de banimento das armas de fogo. Os pais de
Yoshihiro somaram-se aos esforços das ONGs americanas que lutam por uma
política de maior restrição às armas de fogo. Seria mesmo muito difícil explicar a
um japonês o que ocorre nos EUA. Entre todas as nações do mundo, o Japão é
aquela onde se aplica a mais rigorosa e proibicionista política sobre armas em
geral. Não apenas as armas de fogo, mas também as espadas foram banidas
legalmente. A Lei Japonesa afirma taxativamente: “Nenhuma pessoa tem o direito
de possuir uma arma de fogo, armas de fogo ou uma espada ou espadas”. Poucas
exceções são admitidas a esta regra geral 86. Mediante um rigoroso e dispendioso
processo de licenciamento, um cidadão japonês pode adquirir uma espingarda.
Para isso, terá que ser aprovado em uma prova escrita, realizar um exame de
saúde mental e dar prova de que não é usuário de qualquer tipo de droga. Então a
polícia irá investigar seus antecedentes e o histórico de seus familiares para se
certificar que não há envolvimento com o crime na família. Membros de grupos
radicais não possuem qualquer chance. A Policia, ainda, irá avaliar se a pessoa
que está solicitando autorização pode oferecer algum risco ou perigo aos demais.

86
‘Law Controlling Possession, Etc. Of Fire-Arms ad Swords’ (1978), Law nº 6, art. 3, EHS Law
Bulletin Series, nº 3920.
95

Uma vez aprovada a licença, o proprietário da arma deve fornecer à Polícia um


“mapa” interno de sua casa mostrando onde a arma ficará guardada, dentro de um
recipiente chaveado, com munição em outro lugar.

O Japão possui as taxas de homicídios mais baixas já registradas: 0,03/100.000 87


, ou seja, 800 vezes menos do que no Brasil. Tóquio é a mais segura capital do
mundo. Em média, toda a força policial de Tóquio dispara 6 vezes ao ano. A cada
ano, em toda a cidade, há 40 assaltos de rua notificados. Nova Iorque tem 11 mil.
A taxa de roubos no Japão é de 1,4 para cada mil habitantes; nos EUA é de 220,9.
A taxa de homicídios praticados com armas de mão é, pelo menos, 200 vezes
menor no Japão quando comparada à taxa dos EUA. As pessoas caminham em
qualquer lugar, a qualquer hora do dia e da noite, no Japão, muitas vezes com
altas quantias de dinheiro nos bolsos. Sem riscos e sem armas.

Quase todos os países do mundo que alteraram suas políticas de armas, impondo
formas de controle e de proibição, o fizeram após violento impacto na opinião
pública de massacres praticados por atiradores. Foi assim na Grã Bretanha em
13 de março de 1996, com o Massacre de Dunblane, na Escócia, quando um
sujeito de nome Thomas Hamilton, 43 anos, matou 16 crianças entre 5 e 6 anos e
um professor, em apenas três minutos de disparos dentro do ginásio na escola, antes
de se suicidar. Foi assim na Austrália com a Tragédia de Port Arthur, em 28 de
abril de 1996, que resultou na morte de 35 pessoas e em sérios ferimentos em
outras 37. A tragédia ocorreu nas ruínas da Prisão-colônia de Port Arthur, um
lugar muito freqüentado por turistas na cidade de Port Arthur, na Tasmânia,
sudeste da Austrália. O responsável pelos disparos, Marin Bryant, 29 anos, usou
um rifle semi-automáico para atingir suas vítimas. Foi assim no Canadá, com o
Massacre de Montreal, em 6 de Dezembro de 1989, quando Marc Lepine, 25
anos, com uma mini metralhadora, atingiu 28 estudantes e professoras, matando
14 jovens mulheres na Escola Politécnica da Universidade de Montreal. Os
assassinatos foram a maneira encontrada pelo atirador para protestar contra o fato

87
OMS, 2002
96

dele não ter sido aprovado na seleção para a escola. Enquanto atirava nas suas
vítimas, Lepine exclamava “ - Eu odeio feministas!”. A tragédia desencadeou uma
grande mobilização em favor de uma lei que estabelecesse um controle mais
rigoroso sobre armas.

Em cada um destes e de muitos outros locais onde pessoas armadas e


transtornadas transformaram seu ódio em assassinatos múltiplos há, hoje,
espaços para uma silenciosa reflexão e nos jardins próximos, foram erguidos
memoriais. Em se tratando de discutir a experiência internacional, não deixa de
ser uma enorme vantagem que o Brasil possa definir sua política de armas antes
que tenhamos de construir locais como aqueles.

Referências:

Alvarez, A. (1999) “O Deus Selvagem: um estudo do suicídio”, São Paulo,


Companhia das Letras.

Bandeira, Antônio Rangel e Bourgois, Josephine (2005) “Armas de Fogo; Proteção


ou Risco? Guia Prático, resposta a 100 perguntas”.
Disponível em
http://www.referendosim.com.br/publique/media/Livro%20Rangel%20-
%20versão%20resumida.pdf

Black, Dan A. e Nagin, Daniel S.( 1998) “Do right-to-carry laws deter violent
crime?” Journal of Legal Studies, 27(1):209-219.

Boyd, Neil. "A Statistical Analysis of the Impacts of the 1977 Firearms Control
Legislation: Critique and Discussion." Department of Justice Canada. 1996

Brown, J.H. (1979), 'Suicide in Britain: More attempts, fewer deaths, lessons for
public policy', Archives of General Psychiatry, vol. 36, pp. 1119-24.
97

Botega NJ, Cano FO, Kohn S C, Knoll A I, Pereira WAB, Bonardi CM. (1995)
“Tentativa de Suicídio e Adesão ao Tratamento: um estudo descritivo em hospital
geral.” J Bras Psiq 44 (1): 19-25.

Bueno, Luciano. (2004) “Controle de Armas: um estudo comparativo de políticas


públicas entre Grã-Bretanha, EUA, Canadá, Austrália e Brasil”. São Paulo,
IBCCRIM.

Campbell, J.C.; Webster, D.; Koziol-McLain, J.; Block, C.; Campbell, D.; Curry, M.
A.; Gary, F.; Glass, N.; McFarlane, J.; Sachs, C.; Sharps, P.; Ulrich, Y.; Wilt, S. A.;
Manganello, J.; Xu, X.; Schollemberger, J.; Frye, V. e Laughon, K. (2003) “Risk
Factors for Femicide in Abusive Relationships: Results from a Multisite Case
Control Study”, American Journal of Public Health; 93: 1089-1097.

Cano, Inácio (1999) “Estatísticas da Origem das Armas Acauteladas pela Polícia
do estado do Rio de Janeiro”, ISER, Rio de Janeiro.

Cook, Philip J. (1991). “The Technology of Personal Violence.” In Crime and


Justice: A Review of Research, ed. Michael Tonry, vol. 14. Chicago: University of
Chicago Press.

_____________ (1979) “The Effect of Gun Availability on Robbery and Robbery


Murder: a cross section study of fifty cities”. Policy Studies, Review Annual, 743-
781.

______________(1987). “Robbery Violence.” Journal of Criminal Law and


Criminology 78: 357-76.

Cook , Philiph J., Molliconi, Stephanie e Cole, Thomas B. (1995) “Regulating Gun
Markets”, The Journal of Criminal Law & Criminology, Vol. 86, nº 1, Northwestern
University, School of Law.

Cook, Philip J e Jens Ludwig. (1996). “Guns in America: Results of a


Comprehensive National Survey on Firearms Ownership and Use”. Washington,
DC: Police Foundation.

Denno, D.M., et al. (1996) “Safe Storage of Handguns: What do the Police
Recommend?” Pediatric Adolescent Medicine. 150 Arch. 927

Donuhue, John e Levitt, Steven D. (2001) “Legalized Abortion and Crime”,


Quarterly Journal of Economics.

Dowdney, Luke (2003) “Crianças do Tráfico: um estudo de caso de crianças em


violência armada organizada no Rio de Janeiro”. Rio de Janeiro, Sete Letras.
Disponível em http://www.coav.org.br/publique/media/criancas_do_trafico.pdf
98

_____________ (2005) “Nem Guerra, Nem Paz: Comparações Internacionais de


Crianças e Jovens em Violência Armada Organizada”, COAV, Viva Rio, IANSA e
ISER. Disponível em http://www.coav.org.br/publique/media/INTRO.pdf

Dreyfus, Pablo (2002) “Seguindo a rota das armas acauteladas no Rio de Janeiro:
algumas pistas para a Argentina”, Viva Rio, Rio de Janeiro, disponível em
www.desarme.org

Dreyfus, Pablo e Nascimento, Marcelo de Souza (2005) “Posse de Armas de Fogo


no Brasil: Mapeamento das Armas e seus Proprietários” em “Brasil: as Armas e as
Vítimas”, disponível em

http://www.vivario.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=961&tpl=print
erview&sid=16

Duggan, Mark. (2001) “More Guns, More Crime”. Journal of Political Economy,
109(5):1086-1114.

Duncan, Otis Dudley (2000) “Gun Use Surveys: In Numbers We Trust?” The
Criminologist, 25(1):1-7.

Harding, R.W. e Blake, A. (1989), “Weapon Choice by Violent Offenders in


Western Australia: A Pilot Study”, Research Report, no. 1, Crime Research
Centre,University of Western Australia, Perth.

Hemenway D.; Shinoda-Tagawa T. e Miller, M. (2002) “Firearm Availability and


Female Homicide Victimization Rates Among 25 Populous High-income
Countries”. Journal of the American Medical Women’s Association, 52 (2): 100-4.

Kaplan, M.S. e Geling, O. (1999) “Sociodemographic and geographic patterns of


firearm suicide in the United States, 1989-1993”, Health & Place, 5:179-185

______________________ (1998) “Firearm suicides and homicides in the United


States: regional variations and patterns of gun ownership”, Soc Sci Med; 46 (9):
1227-1233

Kellermann, A.L. e Reay, D.T. (1986) “Protection or Peril? An analysis of firearm-


related deaths in the home”. N Engl J Med 314:1557-1560

Kellerman, Arthur L. et al. (1992), “Suicide In the Home In Relation To Gun


Ownership”, 327 New Eng. J. Med. 467.

_________________ et al. (1993) “Gun Ownership as a Risk Factor for Homicide


in the Home”, 329, New England Journal of Medicine, p.1084-1090.

Killias, Martin. (1993) “Gun Ownership, Suicide and Homicide: an international


perspective” in: Del Frate et al. Understanding Crime: experiences of crime and
99

crime control. United Nations Inter-regional Crime and Justice Research Institute,
nº 49, Roma.

___________ (1993: b) “International Correlations Between Gun Ownership and


Rates of Homicide and Suicide “ in Canadian Medical Association, 1993

Kleck, Gary (1997) “Targeting Guns: Firearms and their Control”.


Aldine de Gruyter, New York.

Kleck, Gary e Gertz, Marc (1995) “Armed Resistance to Crime: The Prevalence
and Nature of Self-defense With a Gun”, The Journal of Criminal Law and
Criminology, vol. 86, nº 1, Northwestern University, School Law.

Lima, R. (1996) “Maioria das Vítimas de Tiro no Rio é Jovem. Folha de São Paulo,
São Paulo, 23/10/1996. Caderno 3, p. 04.

Loftin, Colin et al. (1991) “Effects os Restrictive Licensing of Handguns on


Homicide and Suicide in the District of Columbia”, 325, New England Journal of
Medicine, p. 1615-1620.

Lott, John R. (1998) “More guns, less crime : understanding crime and gun-control
laws.” University of Chicago Press, Chicago.

Macdonald, J.M. (1975), “Armed Robbery: Offenders and their Victims”, Charles
C.Thomas, Springfield, Illinois.

McClurg, Andrew J. (1999). “Lotts ‘More Guns’ and Other Fallacies Infecting the
Gun Control Debate”. Journal of Firearms, vol.11. University of Arkansas at Little
Rock.

Martin J.R. et al. (1991) “Accidental Firearm Fatalities Among New Mexico
Children”, Ann Emerg Med, 20(1):58-61 .

May, John P; Hemenway, David; Oen, Roger; Pitts, Khalid R. (2000) "When
Criminals are Shot: A Survey of Washington DC Jail Detainees" Medscape
General Medicine. June 28.

Miller, T.R. e Cohen, M.A. (1996) “Costs”. In: Iatury, R.R, Cayten, C.C., eds.
Textbook of Penetrating Trauma. Baltimore, MD: Williams & Wilkins; 49-59

Miller, M. e Hemenway, D. (1999). “The Relationship Between Firearms and


Suicide: a review of the literature”. Aggression and Violent Behavior, Vol. 4, No. 1,
pp. 59–75

Mir, Luís. (2004) “Guerra Civil: Estado e trauma”. São Paulo, Geração Editorial.
100

Mock, C.; Pilcher, S.; Maier, R. (1994) “Comparison of the Costs of Acute
Treatment for Gunshot and Stab Wounds”. J Trauma. 36:516-521.

Newton, G.D e Zimring, F.E. (1969) “Firearms and Violence in American Life: A
Staff Report Submitted to the National Commission on the Causes and Prevention
of Violence”, Washington, D.C.: National Commission on the Causes and
Prevention of Violence.

Nugent, S., Burns D., Wilson, P., & Chappell, D. 1989, “Armed Robbery From an
Offender’s Perspective: Implications for Prevention”, unpublished report, Australian
Institute of Criminology, Canberra.

Phebo, Luciana. (2005) “Impacto da Arma de Fogo na Saúde da População”.


Disponível em:

http://www.senado.gov.br/comunica/desarmamento/pesquisas/vitimas_armas_imp
acto_saude.pdf

Relatório Sobre Controle de Armas de Fogo. Arquitetura Institucional do Sistema


Único de Segurança Pública. Ministério da Justiça, SENASP, FIRJAN, PNUD,
Setembro 2003-Abril 2004. Cópia CD.

Robinson, K.D., Teret, S.P., Vernick, J.S., Webster, D.W. (1996) “Personalized
Guns: Reducing Gun Deaths Through Design”. Baltimore, MD: The Johns Hopkins
Center for Gun Policy and Research.

Roth, Jeffrey A. (1994) “Firearms and Violence”. NIJ Research.

Santana, F. S.; Souza, E.R.; Minayo, M. C. S.; Malaquias, J.V. e Reis, A, C. (1999)
“Evolução Temporal da Mortalidade por Suicídio no Brasil, 1980 a 1999”.
Disponível em: http://www.claves.fiocruz.br/cenepi.htm

Sloan, John Henry et al. (1988) “Handgun Regulations, Crime Assaults, and
Homicide: A Tale of Two Cities”, 319 New Eng. J. Med.1256.

Smith, Tom W. (2000) “1999 National Gun Policy Survey of the National Opinion
Research Center: Research Findings.” University of Chicago, NORC.

Soares, Luiz Eduardo (2000) “Meu Casaco de General: 500 dias no front da
segurança pública do estado do RJ”. São Paulo. Companhia das Letras.

Solomon, Andrew. (2002) “O Demônio do Meio Dia: uma anatomia da depressão”.


Rio de Janeiro, Objetiva.

Stengel, E. (1964). “Suicide and Attempted Suicide”. Baltimore: Penguin.


101

Tocchetto, Domingos (2003) “Balística Forense, Aspectos Técnicos e Juridicos”,


Campinas, Millenium Editora.

Utter, G.H. (2000) “Ecyclopedia of Gun Control and Gun Rights”. Phoenix: Orys
Press.

Waiselfisz, Jacobo. (2000) “Mapa da Violência II: os jovens do Brasil”. Brasília,


UNESCO.

________________ (2005) “Mortes Matadas por Arma de Fogo no Brasil: 1979-


2003”. Brasília. UNESCO.

Wiebe, D.J. (2003), “Homicide and Suicide Risks Associated with Firearms in the
Home: A National Case-Control Study”, Annals of Emergency Medicine, vol. 4.
American College of Emergency Physicians”.

Wintemute et al. (1987) “When children shoot children: 88 unintended deaths in


California”, JAMA, 257(22):3107-3109

_________et al. (1989), “Unintentional firearm deaths in California”. J Trauma,


29(4):457-461

_________et al. (1988) “The Choice of Weapons in Firearms Suicides. American


Journal of Public Health, 78, nº 7, p. 824-825

_________Parham, C.A.; Beaumont, J.J.; Wright, M. e Drake, C. (1999) “Mortality


Among Recent Purchasers of Handguns”. The New England Journal of Medicine;
341:1583-1589.

Wright, James D. & Rossi, Peter H. (1986) “Armed and Considered Dangerous: A
Survey of Felons and Their Firearms”, New York: Aldine de Gruyter

Zimring, Franklin E. (1972) “The Medium is the Messsage: Firearms Caliber as a


Determinant of Death From Assault”. Journal of Legal Studies, I, 97-124.

_________________(1995). “Reflections on Firearms and the al Law”, The Journal


of Criminal Law and Criminology, vol. 86, nº 1, Northwesthern University, USA.
102

ANEXO

LEI No 10.826, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003.

(ESTATUTO DO DESARMAMENTO)

Dispõe sobre registro, posse e


comercialização de armas de fogo e munição,
sobre o Sistema Nacional de Armas – Sinarm,
define crimes e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
103

CAPÍTULO I
DO SISTEMA NACIONAL DE ARMAS

Art. 1º O Sistema Nacional de Armas – Sinarm, instituído no Ministério da Justiça,


no âmbito da Polícia Federal, tem circunscrição em todo o território nacional.

Art. 2º Ao Sinarm compete:

I – identificar as características e a propriedade de armas de fogo, mediante


cadastro;

II – cadastrar as armas de fogo produzidas, importadas e vendidas no País;

III – cadastrar as autorizações de porte de arma de fogo e as renovações


expedidas pela Polícia Federal;

IV – cadastrar as transferências de propriedade, extravio, furto, roubo e outras


ocorrências suscetíveis de alterar os dados cadastrais, inclusive as decorrentes de
fechamento de empresas de segurança privada e de transporte de valores;

V – identificar as modificações que alterem as características ou o funcionamento


de arma de fogo;

VI – integrar no cadastro os acervos políciais já existentes;

VII – cadastrar as apreensões de armas de fogo, inclusive as vinculadas a


procedimentos policiais e judiciais;

VIII – cadastrar os armeiros em atividade no País, bem como conceder licença


para exercer a atividade;

IX – cadastrar mediante registro os produtores, atacadistas, varejistas,


exportadores e importadores autorizados de armas de fogo, acessórios e
munições;

X – cadastrar a identificação do cano da arma, as características das impressões


de raiamento e de microestriamento de projétil disparado, conforme marcação e
testes obrigatoriamente realizados pelo fabricante;

XI – informar às Secretarias de Segurança Pública dos Estados e do Distrito


Federal os registros e autorizações de porte de armas de fogo nos respectivos
territórios, bem como manter o cadastro atualizado para consulta.

Parágrafo único. As disposições deste artigo não alcançam as armas de fogo das
Forças Armadas e Auxiliares, bem como as demais que constem dos seus
registros próprios.
104

CAPÍTULO II
DO REGISTRO

Art. 3º É obrigatório o registro de arma de fogo no órgão competente.

Parágrafo único. As armas de fogo de uso restrito serão registradas no Comando


do Exército, na forma do regulamento desta Lei.

Art. 4º Para adquirir arma de fogo de uso permitido o interessado deverá, além de
declarar a efetiva necessidade, atender aos seguintes requisitos:

I – comprovação de idoneidade, com a apresentação de certidões de


antecedentes criminais fornecidas pela Justiça Federal, Estadual, Militar e Eleitoral
e de não estar respondendo a inquérito policial ou a processo criminal;

II – apresentação de documento comprobatório de ocupação lícita e de residência


certa;

III – comprovação de capacidade técnica e de aptidão psicológica para o


manuseio de arma de fogo, atestadas na forma disposta no regulamento desta
Lei.

§ 1º O Sinarm expedirá autorização de compra de arma de fogo após atendidos os


requisitos anteriormente estabelecidos, em nome do requerente e para a arma
indicada, sendo intransferível esta autorização.

§ 2º A aquisição de munição somente poderá ser feita no calibre correspondente à


arma adquirida e na quantidade estabelecida no regulamento desta Lei.

§ 3º A empresa que comercializar arma de fogo em território nacional é obrigada a


comunicar a venda à autoridade competente, como também a manter banco de
dados com todas as características da arma e cópia dos documentos previstos
neste artigo.

§ 4º A empresa que comercializa armas de fogo, acessórios e munições responde


legalmente por essas mercadorias, ficando registradas como de sua propriedade
enquanto não forem vendidas.

§ 5º A comercialização de armas de fogo, acessórios e munições entre pessoas


físicas somente será efetivada mediante autorização do Sinarm.

§ 6º A expedição da autorização a que se refere o § 1o será concedida, ou


recusada com a devida fundamentação, no prazo de 30 (trinta) dias úteis, a contar
da data do requerimento do interessado.
105

§ 7º O registro precário a que se refere o § 4o prescinde do cumprimento dos


requisitos dos incisos I, II e III deste artigo.

Art. 5º O Certificado de Registro de Arma de Fogo, com validade em todo o


território nacional, autoriza o seu proprietário a manter a arma de fogo
exclusivamente no interior de sua residência ou domicílio, ou dependência desses,
desde que seja ele o titular ou o responsável legal do estabelecimento ou
empresa. (Redação dada pela Lei nº 10.884, de 2004)

§ 1º O certificado de registro de arma de fogo será expedido pela Polícia Federal e


será precedido de autorização do Sinarm.

§ 2º Os requisitos de que tratam os incisos I, II e III do art. 4o deverão ser


comprovados periodicamente, em período não inferior a 3 (três) anos, na
conformidade do estabelecido no regulamento desta Lei, para a renovação do
Certificado de Registro de Arma de Fogo.

§ 3º Os registros de propriedade, expedidos pelos órgãos estaduais, realizados


até a data da publicação desta Lei, deverão ser renovados mediante o pertinente
registro federal no prazo máximo de 3 (três) anos.

CAPÍTULO III
DO PORTE

Art. 6º É proibido o porte de arma de fogo em todo o território nacional, salvo para
os casos previstos em legislação própria e para:

I – os integrantes das Forças Armadas;

II – os integrantes de órgãos referidos nos incisos do caput do art. 144 da


Constituição Federal;

III – os integrantes das guardas municipais das capitais dos Estados e dos
Municípios com mais de 500.000 (quinhentos mil) habitantes, nas condições
estabelecidas no regulamento desta Lei;

IV - os integrantes das guardas municipais dos Municípios com mais de 50.000


(cinqüenta mil) e menos de 500.000 (quinhentos mil) habitantes, quando em
serviço; (Redação dada pela Lei nº 10.867, de 2004)

V – os agentes operacionais da Agência Brasileira de Inteligência e os agentes do


Departamento de Segurança do Gabinete de Segurança Institucional da
Presidência da República;
106

VI – os integrantes dos órgãos policiais referidos no art. 51, IV, e no art. 52, XIII,
da Constituição Federal;

VII – os integrantes do quadro efetivo dos agentes e guardas prisionais, os


integrantes das escoltas de presos e as guardas portuárias;

VIII – as empresas de segurança privada e de transporte de valores constituídas,


nos termos desta Lei;

IX – para os integrantes das entidades de desporto legalmente constituídas, cujas


atividades esportivas demandem o uso de armas de fogo, na forma do
regulamento desta Lei, observando-se, no que couber, a legislação ambiental.

§ 1º As pessoas previstas nos incisos I, II, III, V e VI deste artigo terão direito de
portar arma de fogo fornecida pela respectiva corporação ou instituição, mesmo
fora de serviço, na forma do regulamento, aplicando-se nos casos de armas de
fogo de propriedade particular os dispositivos do regulamento desta Lei.

§ 2º A autorização para o porte de arma de fogo dos integrantes das instituições


descritas nos incisos V, VI e VII está condicionada à comprovação do requisito a
que se refere o inciso III do art. 4o, nas condições estabelecidas no regulamento
desta Lei.

§ 3º A autorização para o porte de arma de fogo das guardas municipais está


condicionada à formação funcional de seus integrantes em estabelecimentos de
ensino de atividade policial e à existência de mecanismos de fiscalização e de
controle interno, nas condições estabelecidas no regulamento desta Lei,
observada a supervisão do Comando do Exército. (Redação dada pela Lei nº
10.867, de 2004)

§ 4º Os integrantes das Forças Armadas, das polícias federais e estaduais e do


Distrito Federal, bem como os militares dos Estados e do Distrito Federal, ao
exercerem o direito descrito no art. 4o, ficam dispensados do cumprimento do
disposto nos incisos I, II e III do mesmo artigo, na forma do regulamento desta Lei.

§ 5º Aos residentes em áreas rurais, que comprovem depender do emprego de


arma de fogo para prover sua subsistência alimentar familiar, será autorizado, na
forma prevista no regulamento desta Lei, o porte de arma de fogo na categoria
"caçador".

§ 6º Aos integrantes das guardas municipais dos Municípios que integram regiões
metropolitanas será autorizado porte de arma de fogo, quando em serviço.
(Incluído pela Lei nº 10.867, de 2004)

Art. 7º As armas de fogo utilizadas pelos empregados das empresas de


segurança privada e de transporte de valores, constituídas na forma da lei, serão
de propriedade, responsabilidade e guarda das respectivas empresas, somente
107

podendo ser utilizadas quando em serviço, devendo essas observar as condições


de uso e de armazenagem estabelecidas pelo órgão competente, sendo o
certificado de registro e a autorização de porte expedidos pela Polícia Federal em
nome da empresa.

§ 1º O proprietário ou diretor responsável de empresa de segurança privada e de


transporte de valores responderá pelo crime previsto no parágrafo único do art. 13
desta Lei, sem prejuízo das demais sanções administrativas e civis, se deixar de
registrar ocorrência policial e de comunicar à Polícia Federal perda, furto, roubo ou
outras formas de extravio de armas de fogo, acessórios e munições que estejam
sob sua guarda, nas primeiras 24 (vinte e quatro) horas depois de ocorrido o fato.

§ 2º A empresa de segurança e de transporte de valores deverá apresentar


documentação comprobatória do preenchimento dos requisitos constantes do art.
4o desta Lei quanto aos empregados que portarão arma de fogo.

§ 3º A listagem dos empregados das empresas referidas neste artigo deverá ser
atualizada semestralmente junto ao Sinarm.

Art. 8º As armas de fogo utilizadas em entidades desportivas legalmente


constituídas devem obedecer às condições de uso e de armazenagem
estabelecidas pelo órgão competente, respondendo o possuidor ou o autorizado a
portar a arma pela sua guarda na forma do regulamento desta Lei.

Art. 9º Compete ao Ministério da Justiça a autorização do porte de arma para os


responsáveis pela segurança de cidadãos estrangeiros em visita ou sediados no
Brasil e, ao Comando do Exército, nos termos do regulamento desta Lei, o registro
e a concessão de porte de trânsito de arma de fogo para colecionadores,
atiradores e caçadores e de representantes estrangeiros em competição
internacional oficial de tiro realizada no território nacional.

Art. 10. A autorização para o porte de arma de fogo de uso permitido, em todo o
território nacional, é de competência da Polícia Federal e somente será concedida
após autorização do Sinarm.

§ 1º A autorização prevista neste artigo poderá ser concedida com eficácia


temporária e territorial limitada, nos termos de atos regulamentares, e dependerá
de o requerente:

I – demonstrar a sua efetiva necessidade por exercício de atividade profissional de


risco ou de ameaça à sua integridade física;

II – atender às exigências previstas no art. 4o desta Lei;

III – apresentar documentação de propriedade de arma de fogo, bem como o seu


devido registro no órgão competente.
108

§ 2º A autorização de porte de arma de fogo, prevista neste artigo, perderá


automaticamente sua eficácia caso o portador dela seja detido ou abordado em
estado de embriaguez ou sob efeito de substâncias químicas ou alucinógenas.

Art. 11. Fica instituída a cobrança de taxas, nos valores constantes do Anexo
desta Lei, pela prestação de serviços relativos:

I – ao registro de arma de fogo;

II – à renovação de registro de arma de fogo;

III – à expedição de segunda via de registro de arma de fogo;

IV – à expedição de porte federal de arma de fogo;

V – à renovação de porte de arma de fogo;

VI – à expedição de segunda via de porte federal de arma de fogo.

§ 1º Os valores arrecadados destinam-se ao custeio e à manutenção das


atividades do Sinarm, da Polícia Federal e do Comando do Exército, no âmbito de
suas respectivas responsabilidades.

§ 2° As taxas previstas neste artigo serão isentas para os proprietários de que


trata o § 5º do art. 6º e para os integrantes dos incisos I, II, III, IV, V, VI e VII do art.
6º, nos limites do regulamento desta Lei.

CAPÍTULO IV
DOS CRIMES E DAS PENAS

Posse irregular de arma de fogo de uso permitido

Art. 12. Possuir ou manter sob sua guarda arma de fogo, acessório ou munição,
de uso permitido, em desacordo com determinação legal ou regulamentar, no
interior de sua residência ou dependência desta, ou, ainda no seu local de
trabalho, desde que seja o titular ou o responsável legal do estabelecimento ou
empresa:

Pena – detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa.

Omissão de cautela

Art. 13. Deixar de observar as cautelas necessárias para impedir que menor de 18
(dezoito) anos ou pessoa portadora de deficiência mental se apodere de arma de
fogo que esteja sob sua posse ou que seja de sua propriedade:
109

Pena – detenção, de 1 (um) a 2 (dois) anos, e multa.

Parágrafo único. Nas mesmas penas incorrem o proprietário ou diretor


responsável de empresa de segurança e transporte de valores que deixarem de
registrar ocorrência policial e de comunicar à Polícia Federal perda, furto, roubo ou
outras formas de extravio de arma de fogo, acessório ou munição que estejam sob
sua guarda, nas primeiras 24 (vinte quatro) horas depois de ocorrido o fato.

Porte ilegal de arma de fogo de uso permitido

Art. 14. Portar, deter, adquirir, fornecer, receber, ter em depósito, transportar,
ceder, ainda que gratuitamente, emprestar, remeter, empregar, manter sob guarda
ou ocultar arma de fogo, acessório ou munição, de uso permitido, sem autorização
e em desacordo com determinação legal ou regulamentar:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

Parágrafo único. O crime previsto neste artigo é inafiançável, salvo quando a


arma de fogo estiver registrada em nome do agente.

Disparo de arma de fogo


Art. 15. Disparar arma de fogo ou acionar munição em lugar habitado ou em suas
adjacências, em via pública ou em direção a ela, desde que essa conduta não
tenha como finalidade a prática de outro crime:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

Parágrafo único. O crime previsto neste artigo é inafiançável.

Posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito

Art. 16. Possuir, deter, portar, adquirir, fornecer, receber, ter em depósito,
transportar, ceder, ainda que gratuitamente, emprestar, remeter, empregar, manter
sob sua guarda ou ocultar arma de fogo, acessório ou munição de uso proibido ou
restrito, sem autorização e em desacordo com determinação legal ou
regulamentar:

Pena – reclusão, de 3 (três) a 6 (seis) anos, e multa.

Parágrafo único. Nas mesmas penas incorre quem:

I – suprimir ou alterar marca, numeração ou qualquer sinal de identificação de


arma de fogo ou artefato;
110

II – modificar as características de arma de fogo, de forma a torná-la equivalente a


arma de fogo de uso proibido ou restrito ou para fins de dificultar ou de qualquer
modo induzir a erro autoridade policial, perito ou juiz;

III – possuir, detiver, fabricar ou empregar artefato explosivo ou incendiário, sem


autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar;

IV – portar, possuir, adquirir, transportar ou fornecer arma de fogo com


numeração, marca ou qualquer outro sinal de identificação raspado, suprimido ou
adulterado;

V – vender, entregar ou fornecer, ainda que gratuitamente, arma de fogo,


acessório, munição ou explosivo a criança ou adolescente; e

VI – produzir, recarregar ou reciclar, sem autorização legal, ou adulterar, de


qualquer forma, munição ou explosivo.

Comércio ilegal de arma de fogo

Art. 17. Adquirir, alugar, receber, transportar, conduzir, ocultar, ter em depósito,
desmontar, montar, remontar, adulterar, vender, expor à venda, ou de qualquer
forma utilizar, em proveito próprio ou alheio, no exercício de atividade comercial ou
industrial, arma de fogo, acessório ou munição, sem autorização ou em desacordo
com determinação legal ou regulamentar:

Pena – reclusão, de 4 (quatro) a 8 (oito) anos, e multa.

Parágrafo único. Equipara-se à atividade comercial ou industrial, para efeito


deste artigo, qualquer forma de prestação de serviços, fabricação ou comércio
irregular ou clandestino, inclusive o exercido em residência.

Tráfico internacional de arma de fogo

Art. 18. Importar, exportar, favorecer a entrada ou saída do território nacional, a


qualquer título, de arma de fogo, acessório ou munição, sem autorização da
autoridade competente:

Pena – reclusão de 4 (quatro) a 8 (oito) anos, e multa.

Art. 19. Nos crimes previstos nos arts. 17 e 18, a pena é aumentada da metade se
a arma de fogo, acessório ou munição forem de uso proibido ou restrito.

Art. 20. Nos crimes previstos nos arts. 14, 15, 16, 17 e 18, a pena é aumentada da
metade se forem praticados por integrante dos órgãos e empresas referidas nos
arts. 6º, 7º e 8º desta Lei.
111

Art. 21. Os crimes previstos nos arts. 16, 17 e 18 são insuscetíveis de liberdade
provisória.

CAPÍTULO V
DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 22. O Ministério da Justiça poderá celebrar convênios com os Estados e o


Distrito Federal para o cumprimento do disposto nesta Lei.

Art. 23. A classificação legal, técnica e geral, bem como a definição das armas de
fogo e demais produtos controlados, de usos proibidos, restritos ou permitidos
será disciplinada em ato do Chefe do Poder Executivo Federal, mediante proposta
do Comando do Exército.

§ 1o Todas as munições comercializadas no País deverão estar acondicionadas


em embalagens com sistema de código de barras, gravado na caixa, visando
possibilitar a identificação do fabricante e do adquirente, entre outras informações
definidas pelo regulamento desta Lei.

§ 2o Para os órgãos referidos no art. 6o, somente serão expedidas autorizações


de compra de munição com identificação do lote e do adquirente no culote dos
projéteis, na forma do regulamento desta Lei.

§ 3o As armas de fogo fabricadas a partir de 1 (um) ano da data de publicação


desta Lei conterão dispositivo intrínseco de segurança e de identificação, gravado
no corpo da arma, definido pelo regulamento desta Lei, exclusive para os órgãos
previstos no art. 6º.

Art. 24. Excetuadas as atribuições a que se refere o art. 2º desta Lei, compete ao
Comando do Exército autorizar e fiscalizar a produção, exportação, importação,
desembaraço alfandegário e o comércio de armas de fogo e demais produtos
controlados, inclusive o registro e o porte de trânsito de arma de fogo de
colecionadores, atiradores e caçadores.

Art. 25. Armas de fogo, acessórios ou munições apreendidos serão, após


elaboração do laudo pericial e sua juntada aos autos, encaminhados pelo juiz
competente, quando não mais interessarem à persecução penal, ao Comando do
Exército, para destruição, no prazo máximo de 48 (quarenta e oito) horas.

Parágrafo único. As armas de fogo apreendidas ou encontradas e que não


constituam prova em inquérito policial ou criminal deverão ser encaminhadas, no
mesmo prazo, sob pena de responsabilidade, pela autoridade competente para
destruição, vedada a cessão para qualquer pessoa ou instituição.
112

Art. 26. São vedadas a fabricação, a venda, a comercialização e a importação de


brinquedos, réplicas e simulacros de armas de fogo, que com estas se possam
confundir.

Parágrafo único. Excetuam-se da proibição as réplicas e os simulacros


destinados à instrução, ao adestramento, ou à coleção de usuário autorizado, nas
condições fixadas pelo Comando do Exército.

Art. 27. Caberá ao Comando do Exército autorizar, excepcionalmente, a aquisição


de armas de fogo de uso restrito.

Parágrafo único. O disposto neste artigo não se aplica às aquisições dos


Comandos Militares.

Art. 28. É vedado ao menor de 25 (vinte e cinco) anos adquirir arma de fogo,
ressalvados os integrantes das entidades constantes dos incisos I, II e III do art.
6o desta Lei.

Art. 29. As autorizações de porte de armas de fogo já concedidas expirar-se-ão 90


(noventa) dias após a publicação desta Lei. (Vide Lei nº 10.884, de 2004)

Parágrafo único. O detentor de autorização com prazo de validade superior a 90


(noventa) dias poderá renová-la, perante a Polícia Federal, nas condições dos
arts. 4º, 6º e 10 desta Lei, no prazo de 90 (noventa) dias após sua publicação,
sem ônus para o requerente.

Art. 30. Os possuidores e proprietários de armas de fogo não registradas deverão,


sob pena de responsabilidade penal, no prazo de 180 (cento e oitenta) dias após a
publicação desta Lei, solicitar o seu registro apresentando nota fiscal de compra
ou a comprovação da origem lícita da posse, pelos meios de prova em direito
admitidos. (Vide Lei nº 10.884, de 2004)

Art. 31. Os possuidores e proprietários de armas de fogo adquiridas regularmente


poderão, a qualquer tempo, entregá-las à Polícia Federal, mediante recibo e
indenização, nos termos do regulamento desta Lei.

Art. 32. Os possuidores e proprietários de armas de fogo não registradas poderão,


no prazo de 180 (cento e oitenta) dias após a publicação desta Lei, entregá-las à
Polícia Federal, mediante recibo e, presumindo-se a boa-fé, poderão ser
indenizados, nos termos do regulamento desta Lei. (Vide Lei nº 10.884, de 2004)

Parágrafo único. Na hipótese prevista neste artigo e no art. 31, as armas


recebidas constarão de cadastro específico e, após a elaboração de laudo pericial,
serão encaminhadas, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, ao Comando do
Exército para destruição, sendo vedada sua utilização ou reaproveitamento para
qualquer fim.
113

Art. 33. Será aplicada multa de R$ 100.000,00 (cem mil reais) a R$ 300.000,00
(trezentos mil reais), conforme especificar o regulamento desta Lei:

I – à empresa de transporte aéreo, rodoviário, ferroviário, marítimo, fluvial ou


lacustre que deliberadamente, por qualquer meio, faça, promova, facilite ou
permita o transporte de arma ou munição sem a devida autorização ou com
inobservância das normas de segurança;

II – à empresa de produção ou comércio de armamentos que realize publicidade


para venda, estimulando o uso indiscriminado de armas de fogo, exceto nas
publicações especializadas.

Art. 34. Os promotores de eventos em locais fechados, com aglomeração superior


a 1000 (um mil) pessoas, adotarão, sob pena de responsabilidade, as
providências necessárias para evitar o ingresso de pessoas armadas, ressalvados
os eventos garantidos pelo inciso VI do art. 5º da Constituição Federal.

Parágrafo único. As empresas responsáveis pela prestação dos serviços de


transporte internacional e interestadual de passageiros adotarão as providências
necessárias para evitar o embarque de passageiros armados.

CAPÍTULO VI
DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 35. É proibida a comercialização de arma de fogo e munição em todo o


território nacional, salvo para as entidades previstas no art. 6o desta Lei.

§ 1o Este dispositivo, para entrar em vigor, dependerá de aprovação mediante


referendo popular, a ser realizado em outubro de 2005.

§ 2o Em caso de aprovação do referendo popular, o disposto neste artigo entrará


em vigor na data de publicação de seu resultado pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Art. 36. É revogada a Lei no 9.437, de 20 de fevereiro de 1997.

Art. 37. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 22 de dezembro de 2003; 182o da Independência e 115o da República.


LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Márcio Thomaz Bastos
José Viegas Filho
Marina Silva
Este texto não substitui o publicado no D.O.U. de 23.12.2003

TABELA DE TAXAS
114

SITUAÇÃO R$

I – Registro de arma de fogo.................................................................. 300,00


II – Renovação de registro de arma de fogo........................................... 300,00
III – Expedição de porte de arma de fogo............................................ 1.000,00
IV – Renovação de porte de arma de fogo...........................................1.000,00
V – Expedição de segunda via de registro de arma de fogo.................. 300,00
VI – Expedição de segunda via de porte de arma de fogo................... 1.000,00