Anda di halaman 1dari 17

Fontes Alternativas de Energia

AULA 1

Profº HERMOM LEAL MOREIRA


SUMÁRIO

1. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO;
2. INTRODUÇÃO;
3.CONCEITOS GERAIS;
4. MODELOS DE SERVIÇO ENERGÉTICO E ENERGIA ÚTIL;

REFERÊNCIAS
Fontes Alternativas de Energia
1. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

1 Princípios de Energia Renovável.


1.1 Combustíveis Fósseis e renováveis.
1.2 Participação de Fontes de Energia Renovável em diferentes parques energéticos: o Brasil e o
mundo.
2 O desenvolvimento sustentável e a necessidade de fontes alternativas de energia.
3 Centrais Hidrelétricas.
4 Circuitos Térmicos.
4.1 Gás Natural.
4.3 Carvão.
4.4 Biomassa.
4.5 Ciclos Combinados.
5 Energia Solar e sistemas solares para produção de energia.
6 Energia Eólica.
7 Energia Geotérmica.
8 Energia dos Oceanos.
9 Energia Nuclear.
10 Células Combustíveis.
11 Impactos Ambientais decorrentes de Fontes Alternativas de Energia e sua comparação
com fontes convencionais.
Fontes Alternativas de Energia

2. INTRODUÇÃO

A obtenção de serviços energéticos, ocorre com a produção, transporte e


utilização, (por unidade) de energia a ser utilizada.

Os serviços energéticos visam garantir, por exemplo, a entrega de gás natural,


eletricidade, dentro da cadeia de produção de transporte e consumo/uso de
energia.

A energia útil depende da eficiência do serviço realizado, sendo que


eficiência energética é a relação entre e a quantidade de energia final
utilizada e de um bem produzido ou serviço realizado (EPE, 2010).
Fontes Alternativas de Energia

3. CONCEITOS GERAIS

Energia útil: forma energética final efetivamente demanda pelo usuário.

(SANTOS, A. H. M. et al., 2006)


Fontes Alternativas de Energia

3. CONCEITOS GERAIS

No Brasil, a Energia Útil é apurada considerando os Usos Finais, as formas de


Energia Final e os Setores de atividades contemplados no BEN.

O Balanço de Energia Útil (BEU) é um estudo que permite processar as


informações setoriais do Balanço Energético Nacional (BEN), de consumo de
energia, para obter estimativas da Energia Final destinada aos Usos Finais:
• Força Motriz,
• Calor de Processo,
• Aquecimento Direto,
• Refrigeração,
• Iluminação,
• Eletroquímica e
• Outros Usos e,
com base nos rendimentos do primeiro processo de transformação energética,
estimar a Energia Útil. (EPE, 2010).
Fontes Alternativas de Energia

3. CONCEITOS GERAIS

A Energia Final é composta pela soma de duas parcelas: a Energia Útil e


a Energia Perdida.

Esta, por sua vez é composta pela soma do Potencial de Economia de


Energia (PEE) com a Energia não Recuperável (EÑR).

A Energia Útil é estimada com base nas eficiências médias das instalações
de cada setor de atividade, existentes no ano do estudo. O PEE é estimado com
base nas eficiências das instalações mais modernas de cada setor de atividade,
existentes no ano do estudo

A relação Energia Final / Energia Útil tem a dimensão de rendimento


energético. O BEU permite avaliar o rendimento energético global da
sociedade brasileira e os rendimentos específicos dos setores de atividade,
das diferentes formas de energia e dos Usos Finais (EPE, 2015).
Fontes Alternativas de Energia

3. CONCEITOS GERAIS
Fontes Alternativas de Energia

CONCEITOS GERAIS
Fontes Alternativas de Energia

CONCEITOS GERAIS

Fonte: EPE, 2015.


Fontes Alternativas de Energia
Custo de eletricidade por fonte de energia

Nota : Observa-se que existe uma tendência na redução do


custo de geração de energia em função da tecnologia agregada à fonte.
Fontes Alternativas de Energia

4. Modelos de Serviço Energético e Energia Útil


Modelo Atual de Estrutura do Setor Energético

Fonte: EPE, 2015.


Fontes Alternativas de Energia
4.Modelos de Serviço Energético e Energia Útil
Projeção da Matriz Energética - 2030
SEP – Sistema Elétrico de Potência

Consumo de energia

Geração de
Conforme (ABRADEE, 2016), os consumidores

Energia
ONS – Operador Nacional do Sistema
finais, compõem:
• 77 milhões de unidades consumidoras;
• 170 milhões de MWh volume de consumo ;
• R$ 70 bilhões receita média anual ;
• R$12,3 bilhões de investimento em 2015 .

Transmissão de
Energia
Transporte de
Consumo

Energia
RESIDENCIAL

COMERCIAL INDUSTRIAL
Distribuição de Energia
RURAL
Indicadores

No ano de 2012, as perdas na distribuição no Brasil ficaram em 16,5%,


percentual menor do que as registradas no ano de 2011, que chegaram
aos 17% e isto representou em torno de 25 TWh de energia perdida em
2012 (ABRADEE, 2013) o que representaria hoje para o valor de
$0.22402/[kWh] equivaleria uma perda de $56,005 bilhões.
Indicadores
Os principais fatores que impactam nos índices de confiabilidade e
qualidade de energia são:
Impacto p/ Companhias
 Energia não suprida;
 Perdas produtivas e financeiras;
 Sanções regulatórias;

Impacto p/ Usuários
Causas
 Energia não suprida;
 Cortes (selecionado e não-selecionados);  Perdas produtivas e financeiras;
 Falhas (VTCDs, VTLDs, Harmônicas);  Segurança, saúde, bem-estar, etc;
 Flutuações de tensão;
 Sinistros,
 Interrupções, Impacto p/ o Sistema
 Perdas de potência ativa,
 Sobrecarga;
 Falhas generalizadas,
 Deterioração;
 Blackouts
 Ineficiência;
 Outras contingências
 Obsolescência.
Planejamento
Metodologia de Planejamento da Expansão – EPE Fonte: EPE,
2006.