Anda di halaman 1dari 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES.


DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS
TEORIA SOCIOLÓGICA II

RESENHA CRÍTICA

NATAL/2018
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES.
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS
TEORIA SOCIOLÓGICA II – 3 PERÍODO

Max Weber: A ética protestante e o "espírito" do capitalismo


PARTES 1, 2, 3

Texto apresentado ao
Professor Gilmar Santana
como requisito para
avaliação da segunda
unidade na disciplina de
Teoria Sociológica II – 2018.

JOSEMIR MEDEIROS
LUAN GOMES
SERGIO TRINDADE

NATAL/2018
Sem dúvida alguma “A ética protestante e o espírito capitalista” figura entre os
grandes clássicos da sociologia. Nesta obra Max Weber pensa o sistema capitalista
conectando ao corpo doutrinal do protestantismo, em particular à doutrina calvinista.
Neste ponto Weber relaciona com uma racionalidade específica que ele trata do trabalho
como vocação e um tipo de ascese intramundana, ou seja, um exercício que leva o fiel a
organizar suas ações em prol de uma causa “sagrada”. O livro está dividido em duas
partes. A primeira parte apresenta uma subdivisão em dois pontos, sendo o primeiro
ponto também dividido em três partes. A segunda parte tem um ponto que está
subdividido em duas peças.
Ao pensar o “espírito do capitalismo” Weber se guia pelo dito de Benjamim
Franklin “tempo é dinheiro” e “crédito é dinheiro” podemos pensar que Weber quis criar
uma nova religião? A religião do mundo do trabalho? Trabalhar arduamente,
incansavelmente, por uma maior quantidade de horas e como consequência ganhar mais
e guardar o maior bem tido como fruto do esforço, o dinheiro. A máxima se aplica ao
contrário, onde o tempo não deve ser desperdiçado. O tempo é a mola esférica que
impulsiona o sistema financeiro, perder tempo é jogar dinheiro fora ou deixar de ganhar
mais dinheiro. Todo sagrado dinheirinho produto dessa nova maneira de agir deve ser
reinvestido para gerar mais desses sagrados dividendos, portanto diversão e conforto
estão fora dos mandamentos dessa nova crença.
Max Weber publicou a primeira versão da Ética protestante e o espírito do
capitalismo em 1904, aspeando a palavra espírito, para apontar que a obra, que visava a
analisar sociologicamente a racionalidade que ensejava o capitalismo, tangenciava a
religiosidade.
A sociedade moderna se forma e se sustenta por meio das ações individuais, via
de regra racionalizadas. Isso garante que a sociedade seja invadida por um espírito que
determina serem os fins justificados pelos meios.
A burguesia é formada, indica Weber, por pessoas que seguem os preceitos da
religiosidade protestante, notadamente a de feição calvinista, para a qual somente ir à
igreja aos domingos, como faziam os católicos, não era suficiente para garantir a
salvação. Os fiéis eram obrigados, preceitua o calvinismo, a dar sinais a Deus
diariamente de sua correção, o que determina que devem levar uma vida racionalizada,
cumprindo deveres morais, pois só assim garantirão a salvação.
O trabalho ganha, nesse mundo, um peso considerável, pois é o caminho da
salvação. Quem não trabalha e quem pelo trabalho não alcança o sucesso é suspeito de
pecado (preguiça), pois é o trabalho a medida para realização da vontade divina, logo o
caminho da salvação, dado que, pela predestinação calvinista, Deus definira os que
devem se salvar, mas os crentes não sabem quem está ou não salvo; levar uma vida reta,
agindo como um escolhido, era o caminho para a salvação.
O trabalho é o caminho da retidão, do afastamento dos vícios e do pecado, pois,
além de produzir frutos, evite as extravagâncias, os desperdícios e, portanto, a corrupção
moral.
A honestidade, com o famoso nome limpo na praça, crédito também e o prazer
de demonstrar que o seu esforço está sendo recompensado, sim, pelo aumento do seu
capital são preceitos que movem o capitalismo. Para Weber isso deve significar não
apenas uma técnica de vida, mas antes uma ética distinta. É gerado um ethos onde o seu
esplendor está na forma mais transparente de ganhar dinheiro. Honestamente e com
muito trabalho.