Anda di halaman 1dari 11

AVANÇOS NO PROJETO E OPERAÇÃO DE PRECIPITADORES

ELETROSTÁTICOS
Rafael Nascimento Rosa
Universidade Federal de Itajubá – UNIFEI. Instituto de Engenharia Mecânica – IEM.
Av BPS 1303 – Itajubá – MG – CEP 37500903 – Brasil
raphaellnr@hotmail.com

Resumo. Existe uma tendência mundial frente às evidências de alteração climáticas que
impulsionam o melhor controle de emissões de poluentes gasosos e particulados no ar
atmosférico. E o aumento de legislações de emissões de poluentes tem ficado cada vez mais
rígidas por esses particulados emitidos causarem graves doenças além de poluir
significativamente o ar. Os atuais avanços e desenvolvimentos nos projetos e oparaçãos utilizando
precipitadores eletrostáticos são constantemente atualizados devido as constantes mudanças nas
legislações de emissões de poluentes casosos e particulados no ar atmosférico. Os precipitadores
eletrostáticos tem um alto desempenho e eficiência e por isso é muito aplicado à industrias
siderurgicas, centrais elétricas, cimenteiras entre outras..A literatura abrange predominantemente
varios tipos de precipitadores, . Por causa de legislação como a Lei do Ar Limpo e as Emendas da
Lei do Ar Limpo de 1977 e 1990, ESPs foram cuidadosamente projetados para coletar mais de
99,5% de partículas na combustão gás de muitas indústrias. Os ESPs coletam eficientemente
partículas de vários tamanhos: partículas grandes de 3 a 10 µm de diâmetro e partículas menores
com menos de 1 µm de diâmetro. Um ESP é projetado para uma aplicação industrial específica.
Construir um ESP é um dispendioso Por isso, uma grande parte do tempo e esforço é gasto
durante a fase de projeto. Fabricantes use vários métodos para projetar ESPs. Eles também
consideram uma variedade de parâmetros operacionais afetar a eficiência da coleta, incluindo
resistividade, seccionalização elétrica, coleta específica área, relação de aspecto, distribuição do
fluxo de gás e potência corona. Esta monografia foca esses métodos
e parâmetros operacionais.

Palavras-chave: Precipitador eletrostático, partículas, poluição..

1
1. Introdução
O precipitador eletrostático (ESP) é um dispositivo altamente eficiente para a limpeza de
gases de processo industrial. A Fig. 1 mostra uma fotografia do precipitador eletrostático (ESP) para
limpeza de gases de combustão de uma caldeira de energia, e Fig. 2 mostra a parte interna do ESP.
Os componentes básicos do ESP são: uma câmara que compreende eletrodos de descarga e coleta, e
unidade de alimentação de alta tensão (HV) - mostrado na Fig. 3. A operação do ESP é baseada na
utilização da influência do campo elétrico sobre as partículas de poeira carregadas entre os
eletrodos. Os eletrodos de descarga (DE) são conectados a uma alimentação de corrente contínua
(CC) de alta tensão fornecimento de polaridade negativa e eletrodos coletores ao polo positivo da
fonte, que é adicionalmente aterrado. O gás de escape bruto é submetido a elétron e íon correntes
que carregam as partículas de poeira negativamente, e causam seu movimento para o coletando
eletrodo. A precipitação de partículas de poeira de um fluxo de gás, bem como coleta ocorre
principalmente por causa das forças de eletroforese.

Fig. 1. Electrostatic precipitator in Thermal-Power Station.

Fig. 2. Inner part of the ESP.


As partículas de poeira coletadas nas superfícies do CE, em parte, desistem de sua carga e a
camada de poeira são mantidos nos eletrodos de CE por meio de forças mecânicas e elétricas.
Depois a camada de poeira coletada é derrubada principalmente por sistemas mecânicos de rapping.

2
Fig. 3. Typical arrangement of wire-and-plate precipitator with horizontal gas flow.

2. Cinética da carga de partículas


As partículas de poeira no ESP são cobradas como resultado da absorção da carga elétrica do
gás íons. A fonte de ionização do gás é uma descarga corona negativa originada nos DEs. A
descarga ocorre devido ao campo elétrico fortemente inomogêneo nas proximidades de formada
adequadamente a superfície DE, por exemplo, sob a forma de fio redondo fino ou elemento com
pontas montadas. A equação empírica do campo elétrico de início de corona força em espigas DE
foi dada por Peek (Peek, 1929).

Onde:
- Eo – ntensidade do campo elétrico inicial, V/m
- A, B – coeficientes experimentais caracterizando tipo de gás e polaridade de descarga. Para um ESP
com polaridade de descarga negativa Robinson (Parker, 1997) conselhos para uso empírico:
A=3.2x106 V/m, B=9x104 V/m½,
- ro – DE Raio de curvatura, m

- – densidade relativa do gás,


A magnitude da tensão de alimentação na qual a descarga corona começa na superfície DE é
chamado de tensão de início de corona. Acima deste nível, desenvolva as avalanches eletrônicas a
partir do eletrodo de descarga em direção à placa. Os elétrons emitidos dos picos são acelerados no
campo elétrico forte e ganhar energia necessária para a ionização avalanche de átomos e moléculas
gasosas. Fonte adicional de elétrons na descarga é também a chamada emissão secundária devido a
íons positivos que afetam o DE. As avalanches originárias de DE desenvolver na direção da CE.
Elétrons da cabeça da avalanche são rapidamente ligados a moléculas de gás neutro, que se tornam
íons gasosos negativos. Partículas de poeira recebem carga elétrica devido a colisões não elásticas
com iões gasosos negativos e positivos. No carregamento processo de partículas de poeira, dois
distinguir mecanismos básicos são considerados (White, 1990):
- carregamento de campo,
- carregamento de difusão.
Uma equação que descreve a carga em uma partícula esférica dielétrica para o carregamento de
campo
3
mecanismo foi dado por Pauthenier e Moreau-Hanot (Pauthenier & Moreau-Hanot,
1932) na seguinte forma:

Onde: qf carga de partículas obtida da cobrança em campo,

White em 1963 (White, 1990) deu a equação de carregamento de partículas para difusão mecanismo
sob a forma de:

4
Foi demonstrado experimentalmente que uma carga total de partículas de pó pode ser calculada
precisão praticamente suficiente como soma de carga de campo e carga de difusão.
Deve-se notar que todas as teorias de cobrança mencionadas acima se aplicam somente a partículas.
Ao levar em conta as partículas de poeira industrial, é necessário usar a sua dimensões equivalentes
(diâmetro). Na ESP industrial típica, a distribuição do tamanho do pó na entrada do precipitador não
compreende partículas finas - abaixo de 4 µm, e o campo elétrico geralmente é acima de 1 kV / m.
Portanto, com base em os resultados da pesquisa apresentados na literatura, é geralmente aceito que
o mecanismo de o carregamento de difusão pode ser ignorado. Isso também prova que o Pauthenier
& Moreau-Hanot equação descreve a cinética do carregamento de partículas de poeira com precisão
suficiente.
3. Movimento de partículas de poeira no ESP
Para caracterizar o movimento de partículas carregadas em um ESP, é necessário assumir
o equilíbrio de forças agindo sobre a partícula. Depois de algumas simplificações, pode-se dizer que
as seguintes forças estão atuando em uma partícula de poeira em um ESP: a força de inércia, força
elétrica
e força de arrasto do meio, onde:

Fig. 4. Schematic diagram of particle motion in electric field (plate to plate configuration).

Na forma vetorial, a equação do movimento se torna:

Onde:

5
Deve-se enfatizar que o papel dominante nesta equação desempenha a força elétrica e força de
arrasto do meio gasoso. No movimento em estado estacionário, a força de inércia pode ser omitida
devido ao seu baixo valor em comparação com a força elétrica (Parker, 1997). A equação finalmente
recebe o formulário:

3. A influência do processo de combustão e dos parâmetros de carvão queimado


propriedades físicas e químicas da cinza volátil gerada
3.1 Composição química da cinza volátil
A cinza volátil coletada em um ESP é uma mistura de diferentes compostos, principalmente de
silício e óxidos de alumínio com diâmetro médio de substituição de cerca de 15 μm e partículas
submicrométricas com diâmetro abaixo de 1 μm (cerca de 2% em peso). Propriedades
características das cinzas voláteis com maior influência na operação de ESP são (Parker, 1997):
diâmetro, forma e estrutura partículas, sua propensão para aglomeração e coesão, resistividade
elétrica, composição e reatividade. A composição química da cinza volátil permite estimar seu valor
de resistividade elétrica previsível e, assim, o tamanho requerido do (Chambers et al., 2001). Na
verdade, muitas vezes é necessário adaptar um ESP existente a um novo (alterado) condições
operacionais, por exemplo, após a instalação da dessulfuração dos gases de combustão equipamento
(Parker, 1997). Também a instalação de queimadores de baixa emissão em caldeira resulta aumento
da quantidade de elementos combustíveis na cinza volátil (LOI). Nesse caso ocorre, mudanças dos
parâmetros do meio de pó de gás, bem como a sua resistividade elétrica pode ser esperada. Antigo
experiências com o processo de limpeza de gás eletrostático levaram à conclusão de que a poeira A
resistividade elétrica é um parâmetro importante que influencia a eficiência operacional dos ESPs.
Se a resistividade elétrica da poeira exceder 10¹¹-10¹³ cm · cm é o chamado pó de alta resistividade,
que é difícil de coletar. Se a resistividade está entre 10¹º-10¹¹ cm, é no melhor intervalo para a
coleção. A composição química das cinzas voláteis está intimamente relacionada com o carvão
qualidade. Um aumento de compostos de silício e alumina nas cinzas voláteis (SiO2, Al2O3) pode
levar ao aumento da resistividade elétrica das cinzas voláteis e por isso diminuir a coleção ESP
eficiência. Observou-se que, para as cinzas voláteis de carvão, a resistividade elétrica aumenta a
percentagem de compostos alcalinos (CaO + MgO) excede 3-6 vezes a do trióxido de ferro
(Fe2O3). No entanto, uma quantidade significativa de compostos de sódio e potássio nas cinzas
diminuição na sua resistividade que é particularmente perceptível pelo alto teor de (SiO2 + Al2O3)
(Bibbo, 1994; Bickelhaupt, 1985; Parker, 1997).Uma influência substancial na resistividade elétrica
das cinzas voláteis tem o teor de trióxido de enxofre no gás de combustão entrando em ESP, como
mostrado na Fig 5. Ao queimar carvão em combustão câmara, o enxofre contido no carvão é
oxidado em SO2. Dependendo da combustão condições, 0,5-3% desse dióxido de enxofre é ainda
oxidado a SO3.

6
À temperatura do ponto de orvalho do ácido sulfúrico, ocorre a condensação de SO3 nas superfícies
das partículas - ou mais precisamente H2SO4 é formado sobre ele na forma de filme muito fino.

4. Fig. 5. Electric resistivity of fly ash as a function of SO3 injection (Parker, 1997).

Na Tabela 1 são apresentados parâmetros característicos selecionados de cinzas voláteis combustão


de carvão e carvão marrom em diferentes caldeiras.

Table 1. Properties of fly ashes.


A influência na composição química das cinzas voláteis tem a qualidade do carvão queimado e
parâmetros de combustão. Porque ambos os parâmetros mencionados variam com o tempo, a
composição química de cinzas voláteis também é alterada com o tempo.

5. Características
2.1 Construção

7
Na entrada do precipitador, o gás carregado de poeira deve ser distribuído uniformemente por toda a
seção transversal por meio de duas ou três chapas perfuradas em série, um difusor. Essas placas
criam uma perda de carga suficiente para evitar que a maior parte do gás passe por cima (quando
está mais quente) ou na parte inferior (quando está mais fria que a média). Outro problema de
distribuição surge quando devido a limitações de espaço as poeiras que entram ou saem do filtro são
curvas, causando um movimento giratório e uma distribuição desigual de poeira na entrada, isso
deve ser corrigido ao fornecer uma lamela paralela guiando o fluxo através de um paralelo canais
suficientes para garantir uma distribuição equitativa. O gás então passa, geralmente em fluxo
horizontal, entre fileiras de placas coletoras aterradas e de eletrodos de carga de alta voltagem. Estes
últimos são formados por arames, com seção transversal circular ou às vezes em estrela,
tensionados por um peso ou por arames em espiral montados em uma estrutura. Os eletrodos de
carga estão suspensos em isoladores de quartzo. Durante o arranque estes isoladores são aquecidos
eletricamente, para evitar curto-circuito por condensação de umidade.
A parte elétrica da usina consiste em um transformador de alta tensão e de silício ou outros diodos
retificadores em um circuito de ponte. O agregado transformador-retificador está contido em um
alojamento refrigerado a óleo e ar. A alta tensão é controlada automaticamente com transdutores ou
tiristores, conectados em série. Um controlador eletrônico automático permite variar a duração dos
impulsos de controle, limitar a corrente no precipitador a um valor máximo predeterminado,
desligar seletivamente e temporariamente em caso de faíscas, e desligar automaticamente em caso
de curto-circuito. O agregado elétrico é instalado no topo do precipitador ou em uma sala especial.
Geralmente, o precipitador contém vários campos elétricos em série, cada campo sendo controlado
pelo seu próprio agregado de alta tensão. A sequência de pelo menos dois campos aumenta a
eficiência durante o rap ou faíscas. Pelo menos três campos consecutivos independentes são
especificados no caso de valores de baixa emissão, p. 50 ou até 30 mg por Nm³ são necessários. As
superfícies de coleta são suspensas de vigas soldadas ao teto do precipitador. Os eletrodos de coleta
e carregamento são batidos periodicamente por martelos que caem. O eletrodo de coleta tem uma
superfície lisa, para evitar faíscas, e é colocado em uma região de baixa velocidade de gás, para
restringir o transporte. A poeira coletada cai em um funil hermeticamente fechado na parte inferior
por exemplo, uma válvula rotativa ou um conjunto de válvulas deslizantes. O último descarrega o
pó em um sistema de transporte mecânico ou pneumático. Os sistemas mecânicos envolvem
parafusos e também arrastam transportadores. Os sistemas pneumáticos podem ser confrontados
com a solidificação das cinzas voláteis, no caso de possuir propriedades hidráulicas ou de ignição
espontânea e sinterização.
Precipitadores com eletrodos coletores tubulares, em torno do eletrodo de carga, são mais caros. O
fluxo de gás nestes precipitadores é vertical e em fluxo ascendente. Um arranjo vertical é raramente
utilizado, e.g. quando o espaço está em disponível.
2.2. Fatores de Projeto e Operação
Eletrodos de descarga e suportes de eletrodos devem ser posicionados centralmente, livres de
oscilação. A parte inferior e a parte superior de cada fio devem ser cobertas com proteções para
ajudar a minimizar as faíscas e a erosão de metais nesses pontos. ESPs mais recentes geralmente
usam eletrodos de descarga de eletrodos rígidos ou de eletrodos rígidos.
Propriedade Efeito
Distribuiçã Partículas pequenas são mais difíceis de coletar e tornar-se re-arrastadas
o do mais facilmente do que partículas maiores. A eficiência mínima de coleta é
tamanho de cerca de 0,5 - 2 µm. Campos adicionais podem ser necessários para
atender aos limites regulamentares
de
partícula

8
Concentraç Quando a concentração de poeira é muito alta, o controlador automático de
ão no fluxo tensão pode responder suprimindo totalmente a corrente nos campos de
de gás entrada:
• um ciclone ou multiciclone pode remover partículas maiores e reduzir
convenientemente a concentração de poeira antes que o gás de combustão
entre no ESP
• instalar um ESP maior com mais área de placa seria mais caro.
Resistividad A resistividade varia com a temperatura do gás de combustão, a
e composição química do pó e o teor de umidade. Para as cinzas voláteis de
caldeiras a carvão, a resistividade depende, além disso, do teor de enxofre
do carvão queimado: quanto menor o teor de enxofre, maior a
resistividade. Para caldeiras que queimam carvão com baixo teor de
enxofre, o ESP deve ser projetado para lidar com problemas potenciais.
Pulverização de água, injeção de SO3 ou outros agentes condicionantes
podem reduzir a resistividade. Uma resistividade média é
desejável.
Composiç Explosividade, e. devido ao carbono ou monóxido
ão de carbono Ponto de orvalho, corrosividade e
química combustibilidade
[Fonte:http://yosemite.epa.gov/oaqps/EOGtrain.nsf/fabbfcfe2fc93dac85256afe00483cc4/3c
f51317b 4891fcb85256b66004ee90e/$FILE/12bles5.pdf. Lesson 5 - Industrial Applications
of ESPs.]

Eletrodos de coleta: os tubos são escolhidos apenas para pequenas plantas ou para operação em
molhado. Para ESPs usando eletrodos de descarga de fio, o espaçamento entre os eletrodos da placa
de coleta geralmente varia de 15 a 30 cm. Para ESPs usando eletrodos de estrutura rígida ou rígidos,
o espaçamento é tipicamente de 30 a 38 cm. Espaçamento igual é importante. Os enrijecedores
podem ajudar a impedir que as chapas se deformem, particularmente quando são usados
precipitadores do lado quente.
A seccionalização elétrica adequada é importante para alcançar alta eficiência de coleta no ESP.
refere-se à divisão de um precipitador em vários campos e células diferentes, cada um acionado por
seu próprio conjunto T-R. Os ESPs devem ter pelo menos três a quatro campos para atingir alta
eficiência de coleta. Deve haver aproximadamente um conjunto T-R para cada 1000 a 3000 m 2 de
área de placa de coleta.
A área de coleta específica (SCA) é tipicamente 10 - 50 m 2 por 1000 m3 h-1 de gás de combustão
através do precipitador.
A razão de aspecto, a relação entre o comprimento efetivo e a altura da superfície do coletor, é
geralmente de 1,3 a 1,5 e ocasionalmente chega a 2,0 para limitar o re-embargo.
A distribuição uniforme do fluxo de gás em toda a unidade do precipitador é crítica para garantir a
coleta das partículas. Para garantir uma distribuição uniforme, o gás deve entrar no ESP através de
um plenum de entrada de expansão contendo placas difusoras perfuradas e aletas de alisamento
devem ser instaladas se uma entrada curva deve ser usada.
A velocidade ótima do gás é geralmente entre 1,5 e 1.8 m s-1.

6. Conclusões
Os resultados apresentados neste trabalho mostraram que diferentes construções de RDE eletrodos
em ESPs, seu número "pico" e configuração geométrica devem ser usados dependendo das
9
propriedades físicas e químicas das cinzas voláteis. Embora os estudos do modelo foram realizados
apenas para alguns tipos de construções DE e tipos selecionados de cinzas voláteis, o resultados
experimentais, confirmados pelos dados da literatura, mostraram a influência da cinza composição
química, bem como construção DE na eficiência total de coleta de ESP. Isto foi confirmado que
alguns componentes da cinza voláteis (por exemplo, Na2O ou Al2O3) têm efeito a eficiência de
coleta, dependendo da construção DE e do tipo de carvão queimado (duro ou carvão marrom). Os
resultados das medições obtidas para construções DE selecionadas em um piloto ESP mostraram
que a construção de DE, ou seja, a forma de seus "picos", o número de picos, e sua orientação em
relação ao eletrodo de coleta, tem influência na corrente de voltagem características e a tensão de
início de corona. Estes resultados sugerem que as voltagens características podem ser alteradas até
certo ponto através da mudança do eletrodo de descarga geometria (forma dos espigões) ou a
modificação da configuração dos eletrodos. A possibilidade de a formação de características V-I de
forma adequada às condições de coleta existentes, permite exploração mais eficaz do H.V. unidades
de abastecimento, a fim de obter maior eficiência de coleta de ESP e aumentando a eficiência
energética da unidade de fornecimento. Os resultados apresentados indicam também em novas
possibilidades de remoção mais eficiente de partículas submicrométricas em ESPs industriais.

7. Referências Bibliográficas
Bibbo P.P. (1994). Agential flu gas conditioning for electrostatic precipitator, Proc. of the
American Power Conference, Illinois Institute of Technology, USA, Vol. 56/V1,1994
Bickelhaupt R.E. (1985). A study to improve a technique for predicting fly ash resistivity
with emphasis on the effect of sulfur trioxide, Prepared by U.S. EPA, Washington DC, 20460 SORI-
EAS-85-841, November 1985
Blanchard D., Atten P., Dumitran L.M. (2002). Correlation between current density and
layer structure for fine particle deposition in a laboratory electrostatic precipitator, IEEE
Transaction on Industry Applications, Vol. 38, no. 3 May/June, pp. 832-839.
Brocilo C., Chang J.S., Findlay R.D. (2001). Modeling of electrode geometry effects on dust
collection efficiency of wire-plate electrostatics precipitators, Procee. 8th ICESP, Vol. 1, Southern
Comp. Services Inc., Birmingham, Alabama, USA, A4–3 Series, May 14–17, 2001
Caron A. & Dascalescu L. (2004). Numerical modeling of combined corona – electrostatics
fields, J. of Electrostatics, Vol. 61, pp. .43-55
Chambers M., Grieco G.J., Caine I.C. (2001). Customized rigid discharge electrodes show
superior performance in pulp & paper applications, Procee. 8th ICESP, Vol. 1, Birmingham,
Alabama, USA, May 14–17, 2001
Chung-Liang Ch. & Hsunling B. (1999). An experimental study on the performance of
single discharge wire-plate electrostatic precipitator with back corona, J. Aerosol Sci., Vol. 30, No.
3
Grafender A.M. (2010) Pyły atmosferyczne pod mikroskopem, Energetyka Cieplna i
Zawodowa, 2/2010, pp. 22-25
Hagemann H. & Ahland E. (1973). Abgasentstaubug von mit Steinkohlenstaub gefeuerten
Wasserrohr, Staub-Reinhalt. Luft, 33 (1973) Nr. 9, pp. 367-372
Hsunling B., Chungsying L., Chung-Liang Ch. (1994). A model to predict the system
performance of an electrostatic precipitator for collecting polydispersed particles, J. of Air and
Waste Manage, ASSOC, Vol. 45, pp. .908-916
10
IEEE-DEIS-EHD Technical Committee (2003). Recommended international standard for
dimensionless parameters used in electrohydrodynamics, IEEE Trans. Diel. Electr. Insul. 10-1, pp.
3-6
Jaworek A., Jędrusik M., Świerczok A., Lackowski M., Czech T., Sobczyk A.T. (2011).
Biomass co-firing. New challenge for electrostatic precipitators, Procce. XII International
Conference of Electrostatic Precipitation, ICESP XII, Nuernberg, 10-13 Mai 2011
Jędrusik M. & Świerczok A. (2006). Experimental test of discharge electrode for collecting
of fly ash of different physicochemical properties. Procee. International Conference on Air Pollution
Abatement Technologies – future challenges. ICESP X, Cairns, Queensland, Australia, 25-29 June
2006,

Banks M. (2000). Basiswissen Umwelttechnik : Wasser, Luft, Abfall, Lärm und


Umweltrecht – 4., komplett neue, bearbeitete Auflage, Wurzburg, Germany:
Vogel, ISBN 3-8023-1797-1. [Basic treatise of environmental techniques,
including those used in gas cleaning]
Hinds, W. C. (1999). Aerosol Technology: Properties, Behavior, and
Measurement of Airborne Particles. 2nd Ed., New York, N. Y., USA: John Wiley
& Sons Inc., ISBN 0-471-19410-7. [Monograph treating the most important
aspects of atmospheric particles]

http://ebiz.diamondpower.com/DP/DPsubHTML/WPHIST.HTM.
[Western Precipitation History citing the origins and original features of
the first and subsequent precipitators]
http://www.eng.buffalo.edu/Courses/ce412/LecNotes.html Intro to Aerosol
Technology – Lecture 17: Thermal and Radiometric Forces.[Comprehensive
series of lectures dealing with the basics of aerosol techniques]

http://www.epri.com/OrderableitemDesc.asp?product_id=CS
%2D2809&targetnid=267818&value=
04T076.0&marketnid=267714&oitype=1&searchdate=12/1/1981 [website from
an important US institute with wide interest in the field of gas cleaning]

11