Anda di halaman 1dari 3

AGDGADU

“Oh! Quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união! É como
o óleo precioso sobre a cabeça, que desce sobre a barba, a barba de
Arão, e que desce à orla das suas vestes. Como o orvalho do Hermom,
que desce sobre os montes de Sião; porque ali o SENHOR ordena a
bênção e a vida para sempre”.

O que há de tão especial no monte Hermon para que seja comparado a


união fraternal e abençoada por Deus? Conhecer a geografia do monte
ajudará a desvendar a simbologia usada por Davi nesse cântico de
peregrinos.

O Monte Hermon está localizado no extremo norte de Israel, ao norte de


Dan e leste de Tiro. É um dos pontos mais altos da região. Também é
chamado de 'monte grisalho' por ser constantemente coberto de neve, o
orvalho que desce sobre suas alturas está em contraste permanente com a
aridez das áreas circundantes. Rega toda a terra, alimentando córregos e
rios, inclusive o Rio Jordão, principal fonte de água na região. Esse banho
de orvalho torna a região fértil e cercada por carvalhos, pinheiros e vinhas
abundantes.

Visitantes acampados ao pé do Hermon, relatam que suas barracas ficam


molhadas pelo orvalho durante à noite, como se houvesse chovido.

Um dos Salmos mais curtos do Tehilim, e um dos mais conhecidos Salmos


de David, o Salmo 133 é o penúltimo Cântico das Ascenções, ou Cântico
dos Degraus. Neste Salmo, David relata em poucas palavras a importância
que o Eterno dá acerca da união.

No sentido literal, o Salmista mostra como foi significativo para o povo que
dois irmãos como Moshê e Aharon, com personalidades e comportamentos
tão diferentes tenham se unido. Suas diferenças tinham tudo para causar
discórdia e separação. No entanto, o amor fraterno demonstrado por eles
resultou em uma liderança forte e equilibrada, e uma parceria bem
sucedida, onde um soube completar o outro.

Em um sentido poético e profético, David faz uma recomendação ao seu


filho Shlomo, para que o seu reinado seja de paz e união, já que ele mesmo
não havia conseguido atingir esse objetivo. Shlomo, que tinha paz até em
seu nome, fez do seu reinado o mais pacífico já existente, fazendo até com
que antigos inimigos pudessem viver em harmonia.

Sabemos a importância do azeite da unção. É algo sagrado, e do qual o


Eterno, se agrada, assim como se agrada do incenso, por exemplo. Se
conseguirmos viver em harmonia, e soubermos respeitar as diferenças
alheias, especialmente no âmbito espiritual, chegaremos a um nível de
santidade jamais alcançado, e acredito que o Eterno também se agradará
disso.

Muitas bênçãos foram proferidas pelo Eterno a partir dos montes de Sião.
Comparar a união a isso demonstra o quanto o amor fraternal, uma união
espiritual indivisível, podem estar classificados entre as principais bênçãos
que o Criador, pode nos proporcionar.

Meditando no orvalho...

O orvalho é enviado do céu como um refrigério para a terra, tornando-a tão


fértil que floresce e frutifica o ano inteiro. Assim é a união entre os irmãos:
funciona como um bálsamo, desfazendo a contenda, os ânimos, as paixões
carnais. A união é como o orvalho que prepara o templo para frutificar em
boas obras, modificando o mundo, tornando-o um lugar mais cheio de amor
e agradável.

O orvalho é a Palavra do Grande Arquiteto do Universo no coração dos


homens, Ela tem o poder de transformar e produzir frutos dignos e
abençoadores.

Que em momentos críticos de nossa convivência, possamos recordar esse


Salmo para agirmos sob a direção do Espírito Santo, gotejando o orvalho
sobre os corações, proporcionando vida abundante como as águas do
Jordão que nascem do orvalho do Hermon. Não foi nesse Rio que João
Batista anunciou a vinda do Messias? Ali ele ordenou benção realizando o
batismo do novo nascimento para vida Eterna.

Por último, e não menos importante, não é preciso deixar as diferenças de


lado. União e amor requerem saber conviver com as diferenças, tendo
respeito, compreensão e humildade. Assim, os laços se fortalecerão, e todos
nós nos tornaremos um só coração.
Quão maravilhoso e belo é poder estudar os símbolos maçônicos, pois nos
mostra, senão, o quão bela, justa e perfeita é a própria natureza criada pelo
G.A.D.U.. É com grande felicidade que hoje posso dizer que minha vida se
completou ao ingressar à ordem, pois evidenciou o quão medíocre e
passageiro, são nossos problemas cotidianos, e quanto nos leva de tempo,
o produto mais precioso de nossas vidas.

Or.’. Assis, 30 de outubro de 2014 (EV).

Marcos Antonio Cardoso de Moraes


M.’.M.’.

Tehilim : Livro dos Salmos


Moshê : Moisés
Aharon : Aarão
Shlomo : Salomão