Anda di halaman 1dari 4

ESCOLA SANTA MÔNICA ED. INFANTIL, ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO.

PLANEJAMENTO ANUAL 2016

Disciplina: Ensino Religioso Professor: Série: Ano: 2016

Nº Aulas por semana: 1 Turno: Manhã Período: Fevereiro a Dezembro

Período Conteúdos Objetivos Instrumentos de Avaliação


1º Bimestre O que é Ensino religioso? Perceber diferenças e semelhanças Produção de painel exemplificando
entre o Ensino Religioso escolar e a como os diferentes grupos humanos
Religiosidade. expressam sua religiosidade.
Conceituar religiosidade.
Identificar as diferentes expressões de Prova formal individual.
religiosidade.
É possível conhecer Deus? Perceber que cada pessoa possui sua
concepção de Deus.
Identificar os nomes dados a Deus nas
principais tradições religiosas.
2º Bimestre Conhecer as concepções de Deus das Produção, em grupos, de bandeiras com
principais tradições religiosas. os nomes dados a Deus.
Experiência Religiosa e mudança de Identificar as experiências religiosas
atitude vivenciadas na vida de cada aluno. Prova formal em grupos.
Reconhecer de que forma a experiência
religiosa conduz para o caminho do
bem.
As religiões do mundo Conhecer algumas tradições religiosas
(Hinduísmo, Budismo, Taoísmo,
3º Bimestre Produção, em grupo, de símbolos
Judaísmo, Islã, Cristianismo).
religiosos utilizando argila/massinha.
Diferentes, mas iguais Perceber que cada pessoa é única.
Reconhecer no outro a capacidade de
se construir a amizade. Prova formal individual.
Reconhecer a necessidade de se ajudar
uns aos outros.
Construindo a cultura da paz Compreender como as tradições
religiosas buscam a paz.
4º Bimestre Conhecer como as tradições religiosas
orientam para a cultura da paz.
Identidade e convívio Reconhecer-se.
Reconhecer e respeitar as
individualidades.
Valorizar as qualidades, aceitar os
defeitos.
Honestidade Reconhecer que através da lealdade,
liberdade e honestidade são construídas
as primeiras descobertas de si e dos
seus semelhantes.
Educar e evangelizar: as diferenças entre Ensino Religioso e Catequese
O Ensino Religioso é reconhecido na legislação brasileira como uma disciplina da área do conhecimento e que tem como objeto o fenômeno
religioso. No entanto, nas instituições católicas de ensino, muitas vezes há pouca compreensão sobre as diferenças entre essa disciplina e a
Catequese. A Igreja Católica, tanto em âmbito mundial como nacional, tem tratado dessa questão em diversos documentos e é com base neles
que pretendemos fomentar uma reflexão que auxilie o trabalho de professores e coordenadores das escolas católicas.
A Educação é um tema central para a Igreja Católica, que tratou dessa questão em diversos documentos resultantes do Concílio Vaticano II e
das conferências episcopais latino-americanas de Medellín (1968), Puebla (1979), Santo Domingo (1992) e Aparecida (2007). Em todos os
documentos, a preocupação da Igreja é com a formação integral do ser humano e com o respeito à liberdade religiosa. Nesses documentos a
escola católica aparece como responsável por ajudar a desenvolver a educação da fé. Entretanto, quando se faz referência ao Ensino Religioso,
este é tratado como ensino da religião, pastoral educacional, educação pastoral, educação religiosa escolar etc. Essa diversidade de termos
permitiu que, ao longo da história, houvesse uma interpretação dúbia quanto à natureza, ao conteúdo, aos objetivos e à identidade do Ensino
Religioso que é ministrado na escola.
Em nosso País, também a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) sempre tratou a Educação como uma questão fundamental para a
Igreja Católica. Desde sua instalação até os dias atuais, tem dedicado tempo e espaço para a Educação em geral – e para a Educação católica
mais especificamente – em seus debates e documentos, e manifesta uma preocupação constante com o Ensino Religioso, exercendo sobre ele
uma grande influência.
No caso dos documentos emitidos pela CNBB, fica mais claro o posicionamento da Igreja Católica de diferenciação entre o Ensino Religioso e a
Catequese. O Ensino Religioso é considerado como parte integrante de uma área do conhecimento, e deve ser ministrado com respeito à
diversidade cultural e religiosa do povo brasileiro e de acordo com a legislação nacional. Essa concepção vem se fortalecendo ao longo dos
anos e está expressa em diversos documentos, entre os quais pode ser dado como exemplo o Documento da CNBB 47, “Educação, Igreja e
sociedade”, no qual a Conferência preocupou-se com a identidade do Ensino Religioso, seus objetivos, métodos e relações com as demais
disciplinas. Nesse texto, afirma-se que “O Ensino Religioso escolar visa a educação plena do aluno, a formação de valores fundamentais através
da busca do transcendente e da descoberta do sentido mais profundo da existência humana, levando em conta a visão religiosa do educando.
O Ensino Religioso deve encaminhar os alunos para a respectiva comunidade de fé, onde nas Igrejas cristãs se dá a evangelização, através da
Catequese, da celebração, da prática e da vivência religiosa”.
Nossa compreensão, com base nessa reflexão histórica, é de que a relação entre o Ensino Religioso na escola e a Catequese é uma relação de
distinção e de complementaridade. O Ensino Religioso penetra no âmbito da cultura e nas relações com outras formas do saber; ele faz parte
do saber veiculado na educação pelas diferentes disciplinas curriculares e colabora para a aquisição das diferentes formas de conhecimento do
universo cultural que o aluno é capaz de interiorizar e aprender.
O Ensino Religioso escolar é uma disciplina com as mesmas exigências das outras, e deve ser ministrado com o mesmo rigor. Não se situa como
um acessório na escola, e sim, necessita fazer o diálogo interdisciplinar no mesmo patamar das demais disciplinas curriculares que buscam a
formação da personalidade do aluno. Assim, este ensino, mediante o diálogo interdisciplinar, desenvolve e completa a ação educadora da
escola.
Enquanto a Catequese é o campo específico para tratar o conteúdo da doutrina cristã, o Ensino Religioso necessita de uma linguagem
pedagógica e seu conteúdo precisa respeitar a diversidade cultural religiosa do educando. Quando a Catequese e o Ensino Religioso trabalham
o mesmo conteúdo, com a mesma metodologia e linguagem, corre-se o risco de criar no aluno certa antipatia por determinados conteúdos e
até mesmo certo afastamento de futuros aprofundamentos na própria doutrina cristã.
O professor não precisa, e não deve, esconder sua opção religiosa, assim como a escola católica enquanto instituição não pode em momento
algum esquecer que é uma escola confessional. O que ressaltamos é que o Ensino Religioso escolar pode levar o aluno a compreender que os
grandes problemas existenciais são comuns a todas as religiões e diferentes culturas. E pode ajudá-lo na busca de aprofundamento e
conhecimento da mensagem cristã, em sua comunidade eclesial. Mas, para isso, é importante que o professor de Ensino Religioso tenha um
profundo conhecimento da matéria e adote uma postura inclusiva e dialogante. Assim, a educação cristã na família, a Catequese na
comunidade eclesial ou no contra-turno escolar e o Ensino Religioso na escola, cada qual com suas próprias características, estão
correlacionados com a formação integral das crianças, dos adolescentes e dos jovens.

Sugestões de Olho:
- Olho 1: “O Ensino Religioso escolar é uma disciplina com as mesmas exigências das outras, e deve ser ministrado com o mesmo rigor.”
- Olho 2: “Em todos os documentos, a preocupação da Igreja é com a formação integral do ser humano e com o respeito à liberdade religiosa.”

Fonte < http://www.portalfuturum.com.br/home/educartigos/visao.php?id=2485 > Acessado em 19/02/2015.