Anda di halaman 1dari 5

A hipótese de maximização de lucros

O objetivo das firmas é a maximização de lucro, ou seja, utilizamos a teoria Neoclássica ou Marginalista.

Condição de maximização de lucros

A empresa maximiza lucros quando o custo marginal se iguala à receita marginal. Esta suposição é válida
para qualquer tipo de mercado, tanto no curto quanto no longo prazo.

Receita Total = quantidade x preço do produto

Custo Total = Custo fixo + custo variável

Lucro Total = Receita Total - Custo total

Receita Marginal = Variação da Receita Total / Variação da quantidade = derivada da função

Custo Marginal = Variação do Custo Total / Variação da quantidade = derivada da função

1) Concorrência perfeita
A essência é de um mercado impessoal e tão diversificado de modo que não existam rivalidades entre as
ofertantes e os demandantes.
Após verificar as quatro características, podemos concluir que não existe nenhum mercado perfeitamente
competitivo, sendo que o mercado agrícola é o que mais se aproxima da concorrência perfeita.
Características:
a) Atomicidade (grande número de pequenos vendedores e compradores)
O mercado é caracterizado por inúmeros compradores e vendedores de pequeno porte de tal
modo que suas decisões não influenciam o mercado. Dessa forma, são aceitadores do preço, pois
se os vendedores aumentarem os preços não venderão.

Logo, verifica-se que a curva da demanda para esse tipo de mercado é horizontal e caso a
empresa aumente o preço, não existirá curva de demanda que intercepte aquele preço. Veja que,
por ser horizontal, a elasticidade da demanda tenderá ao infinito, ou seja, infinitamente ou
perfeitamente elástica. (Pequena alteração no preço provocará mudança imensa na demanda).

b) Produto homogêneo
Os produtos vendidos por diferentes empresas são substitutos perfeitos entre si,, ou seja, se uma
empresa elevar o preço, a demanda dos bens substitutos aumentará.
Ex. produtos agrícolas, petróleo, gás, minérios, metais como ferro, alumínio (chamados de
commodities)

c) Livre mobilidade de fatores de produção (recursos) – livre entrada e saída


Implica que cada fator de produção ou recurso pode imediatamente entrar ou sair do mercado
como resposta a mudanças em suas condições. Características:
i) O fator produção mão-de-obra é móvel, podendo mudar de uma empresa para outra;
ii) Os requisitos para exercer qualquer trabalho por parte da mão-de-obra são poucos,
simples e fáceis de aprender;
iii) Os fatores de produção estão disponíveis para todas as empresas, ou seja, não existe
insumo ou fator de produção que seja monopolizado por um proprietário ou produtor;
iv) Novas empresas podem entrar e sair livremente, sem maiores dificuldades. Neste
ponto, ressalto que se, grandes investimentos ou patentes/licenças iniciais são
necessários, então, não temos livre entrada e saída.

d) Perfeito conhecimento
Os consumidores devem ter perfeito conhecimento dos preços, caso contrário eles podem
comprar a preços altos quando outros menores estão disponíveis.

1.1) Curva da receita da firma:


A curva da demanda para a concorrência perfeita é uma reta horizontal.
a) Receita média = Receita Total / Quantidade

Ou seja, na concorrência perfeita a Receita Média é igual ao preço praticado.

b) Receita Marginal = Variação da Receita Total / Variação da quantidade

Ou seja, na concorrência perfeita a Receita Marginal é igual ao preço praticado.

c) Curvas da Demanda, Receita Média e Receita Marginal serão equivalentes:

1.2) Curva de custos:


São as mesmas verificadas na aula 04.
1.3) Equilíbrio da firma no CURTO PRAZO
A firma está em equilíbrio quando a receita marginal é igual ao custo marginal. Na concorrência
perfeita, a Receita Marginal é igual ao preço, logo a firma maximizará seu lucro (equilíbrio) quando o
Custo Marginal for igual ao preço.

O ponto B representa o ponto de equilíbrio, onde a empresa maximiza seu lucro.


O ponto A representa o ponto de prejuízo máximo.

Observe que quando a Cmg é decrescente, temos o prejuízo máximo. Já quando o Cmg é crescente
temos o lucro máximo.

1.4) Áreas de lucro total, receita total e custo total


Lucro total = receita total – custo total
Receita total = Preço x quantidade (retângulo ponto A)
Custo total = Custo médio x quantidade (retângulo Ponto B)
A diferença entre os dois retângulos expressa o lucro total.
1.5) Curva de oferta da firma no CURTO PRAZO

Preço P1: A receita total (P1 x Q1) será inferior ao custo variável (ponto A), não havendo motivos para
operar.
Preço P3: A receita total (P3 x Q3) será superior ao custo variável, mas inferior ao custo total. Dessa
forma, haja vista que a operação cobre parte das despesas de custo fixo a mesma deve continuar
operando.
Preço P2: A receita total é igual ao custo variável, logo é indiferente a empresa operar ou não.

Dessa forma, podemos concluir que a curva de oferta de curto prazo de uma firma em concorrência
perfeita é, precisamente, a curva de custo marginal para todos níveis de produção IGUAIS OU MAIORES
que o nível de produção associado ao custo variável médio mínimo. Para preços abaixo do custo variável
médio mínimo, a quantidade ofertada é zero (a empresa opera com prejuízo).

1.6) Curva de oferta da indústria no CURTO PRAZO


A curva da oferta da indústria será o somatório das curvas de oferta das firmas.

Perceba que a curva do custo marginal será igual a curva de oferta, de forma que apenas será
deslocada conforme a quantidade de firmas existentes no mercado.
1.7) Equilibrando a função de oferta da firma individual com a demanda de mercado

Passo 1: derivar a curva do custo total, pois a oferta é igual ao Cmg.

Passo 2: Considerar que Cmg = Preço ; após multiplicar a equação pelo número de firmas.

Passo 3: perceber que os 50q é a quantidade ofertada (Qo)

Passo 4: igualar curva de demanda e curva de oferta para achar o preço de equilíbrio.

1.8) Equilíbrio da firma no LONGO PRAZO


A diferença entre o curto e longo prazo para o equilíbrio da firma é que no longo prazo, por todos os
insumos serem variáveis, o Custo Total é igual ao Custo Variável e o Custo Médio é igual ao Custo
Médio Variável.
O equilíbrio competitivo de longo prazo é a situação em que há lucro econômico zero (RT =CT), isto
porque se RT for maior que o CT, novas empresas entrarão no mercado.

Veja que a Rmg = Rme = P ; dessa forma o equilíbrio de longo prazo será na intersecção da curva de
CmeLP com a curva de CmgLP, que se dá no ponto mínimo da CmeLP.