Anda di halaman 1dari 20

Comunicação e Expressão

Manual do Formando

CIL de Ucanha

Manual do Formando – CIL de Ucanha 1


Comunicação e Expressão

Índice
Pág.

O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO 3
ELEMENTOS DO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO 4
LINGUAGEM VERBAL E OUTRAS 5
OUTROS TIPOS DE LINGUAGEM 6
LINGUAGEM NÃO VERBAL 6
NÍVEIS DE LINGUAGEM 7
FUNÇÕES DA LINGUAGEM 7
QUALIDADES DA LINGUAGEM 8
FACTORES DE DIVERSIFICAÇÃO DA LÍNGUA 8
A ESCRITA 9
IMPORTÂNCIA DA PONTUAÇÃO NA COMUNICAÇÃO ESCRITA 10
TIPOS DE FRASES 11
SINÓNIMOS E ANTÓNIMOS 11
FORMAÇÃO DAS PALAVRAS POR DERIVAÇÃO 12
ORTOGRAFIA 12
COMO ESCREVER... 13
COMO ESCREVER...UM PROJECTO 13
TEXTOS UTILITÁRIOS E NÃO UTILITARIOS 14
O QUE É UM TEXTO? 14
O QUE É UM TEXTO UTILITÁRIO E NÃO UTILITÁRIO? 15
TIPOS DE TEXTO 15
TIPOS DE TEXTOS UTILITÁRIOS 16
A CARTA 16
A ACTA 18

Manual do Formando – CIL de Ucanha 2


Comunicação e Expressão

O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO
Por processo de comunicação entende-se a forma como as pessoas participam
/ relacionam umas com as outras. Pode ser por via verbal ou não verbal.

COMUNICAÇÃO:
Comunicação é uma palavra que deriva do Latim “Comunicationem”
Século XIV – “Estar em relação com”
Século XVII – “Transmissão”

“Comunicação é o processo mediante o


qual duas ou mais pessoas se entendem.”

“Comunicação é a mútua troca de ideias,


através de qualquer meio efectivo.”

“Comunicação é a transmissão ou
intercâmbio de pensamentos, opiniões ou
informações, através da fala, da escrita ou
de símbolos.”

“Comunicação é a capacidade que os seres


humanos têm de se relacionar e de se
fazerem compreender entre eles.”

Manual do Formando – CIL de Ucanha 3


Comunicação e Expressão

ELEMENTOS DO PROCESSO DE COMUNICAÇÃO:

Emissor Aquele que transmite a mensagem


Receptor Aquele que recebe a mensagem
Mensagem Conjunto de informações transmitidas
Canal Suporte através do qual passa a mensagem (via de
circulação da mensagem)
Código É o conjunto de elementos com significado, organizados
segundo regras, aceites pelo emissor e pelo receptor
Contexto É o conjunto de variáveis que rodeiam e influenciam a
situação de comunicação
Codificação Capacidade de construir mensagens segundo um código
compreendido pelo emissor e receptor
Descodificação Capacidade de interpretar uma mensagem
Feedback Resposta do receptor à mensagem enviada pelo emissor

EMISSOR MENSAGEM RECEPTOR

Feedback

O feedback é assim um elemento chave em todo o processo. Se não existir


não se pode dizer que se verificou “uma comunicação” entre duas pessoas,
pois como já vimos o acto de comunicar exige uma troca (dar e receber
informação), entre ambos os intervenientes.

Mas nem sempre o feedback é utilizado da melhor maneira, o que pode trazer
consequências negativas no relacionamento interpessoal.

Manual do Formando – CIL de Ucanha 4


Comunicação e Expressão

LINGUAGEM VERBAL E OUTRAS

Através da linguagem o Homem expressa o seu pensamento. É constituída por


palavras que se agrupam em frases. A linguagem de um povo é a sua língua,
no caso português é a Língua Portuguesa Actualmente.

“Língua é o meio por ela concebe o mundo que a cerca e sobre ela age.
Utilização da faculdade da linguagem, criação da sociedade, não pode ser
imutável; ao contrário, tem de viver em perpétua evolução, paralela à do
organismo social que a criou.”
Celso Cunha, Lindley Cintra

A língua sendo exterior ao indivíduo falante não pode ser modificado por ele e
parece obedecer ao organismo social. É esta capacidade de comunicar que
distingue o Homem e reflecte a sua história.

Na comunicação que estabelecemos com os outros, utilizamos geralmente


vários tipos de símbolos para expressarmos as nossas mensagens.
Se utilizamos as palavras como instrumento da comunicação utilizamos uma

LINGUAGEM VERBAL.

Linguagem Verbal

Comunicação Oral Comunicação Verbal ou Escrita

Deve usar-se frases curtas Deve usar-se frases longas

Conversação Livros

Televisão Jornais

Telefone Cartas

Manual do Formando – CIL de Ucanha 5


Comunicação e Expressão

OUTROS TIPOS DE LINGUAGEM:

LINGUAGEM MISTA – Este tipo de linguagem utiliza-se, quando em


simultâneo se utilizam as palavras e os gestos como instrumento de
comunicação.

LÍNGUA – É um conjunto de sons, palavras e regras gramaticais que podem vir


a ser utilizadas por um grupo na comunicação verbal.

FALA – Utilização, por parte de cada indivíduo, das palavras, sons e regras
gramaticais que fazem parte da língua.

DISCURSO – Conjunto de frases encadeadas, que permitem obter um todo


significado.

FRASE – Série ordenada de palavras, que expressa de forma completa um


pensamento, uma ideia.

PALAVRA – Unidade a partir da qual se constroem frases.

LINGUAGEM NÃO VERBAL

No dia a dia recorremos não apenas à linguagem verbal para comunicar com
os outros. Utilizamos também uma LINGUAGEM NÃO VERBAL, a qual
definimos como a linguagem que utiliza sinais visuais e sinais sonoros como
símbolos, como por exemplo gestos e sinais.
A função essencial deste tipo de linguagem é reforçar ou completar a
manifestação verbal.

Linguagem Não Verbal

Sinais Visuais Sinais Sonoros

Gestos Tambores

Cores Buzina

Bandeiras Entoação da Voz

Manual do Formando – CIL de Ucanha 6


Comunicação e Expressão

NÍVEIS DE LINGUAGEM

 Linguagem Corrente
Serve os meios de comunicação de massas

 Linguagem Familiar
Espontânea e caseira

 Linguagem Popular
Marcada por expressões proverbiais

 Linguagem Cuidada
Típica de situações profissionais em que existe uma certa distância com o
interlocutor

FUNÇÕES DA LINGUAGEM

A linguagem pode desempenhar diversas funções. Observemos algumas:

Função Expressiva – O emissor demonstra emotivamente o seu estado de


espírito, os seus sentimentos;

Função Apelativa – O emissor procura influenciar, convencer o receptor a agir


de determinada maneira;

Função Poética – O emissor selecciona palavras e constrói frases de modo a


criarem mensagens cheias de arte e beleza capazes de agradar ao receptor;

Função Informativa – O emissor informa sobre acontecimentos;

Função Metalinguística – Através desta função a língua explica a própria


linguagem. Utilizamos esta função para clarificar o sentido de alguma palavra
que possa não ser entendida pelo receptor;

Manual do Formando – CIL de Ucanha 7


Comunicação e Expressão

Função Fática – O emissor procura com esta função estabelecer o contacto,


físico ou psicológico entre os intervenientes. Presenciamos esta função quando
temos um enorme desejo de comunicar.

QUALIDADES DA LINGUAGEM

Toda a linguagem deve ser simples de compreender e agradável de ler. Para


isso deve ter-se atenção a determinadas qualidades da mesma:

- Clareza
Se exprimir o pensamento de modo a poder ser facilmente compreendido, a
linguagem é clara. Quem fala ou escreve tem de saber exactamente quais as
palavras correctas a usar e organiza-las de forma a se compreender bem a
ligação entre elas.

- Pureza
Se ao exprimir o nosso pensamento utilizamos palavras e expressões
autorizadas, então a linguagem será genuína e verdadeira.

- Correcção
A linguagem será correcta se obedecer as regras gramaticais. Sem isto não
pode haver clareza.

- Harmonia
Quando da selecção e colocação de palavras originar uma combinação de
sons agradáveis ao ouvido, a linguagem será harmoniosa.

FACTORES DE DIVERSIFICAÇÃO DA LÍNGUA

Nível corrente ou normal – Nível médio que permite a comunicação entre


falantes da mesma língua independentemente das condições socio-
económicas.

Manual do Formando – CIL de Ucanha 8


Comunicação e Expressão

Nível familiar – Nível usado em família ou entre amigos e que utiliza


vocabulário e construção de frases não cuidado

Calão – forma exagerada do nível familiar, mas de uso geral.


 Etário
 Ex: Bué

Gíria – Nível de língua que se caracteriza por vocábulos e expressões não


habituais usadas por um grupo socioprofissional restrito.
 técnico
 Ex: Software, Backoffice

Regionalismos – Significados ou significantes que são provenientes de certas


regiões do país.
 Geográfico
 Ex: Porto; Viseu

Nível cuidado – Usa termos menos correntes e estruturas menos vulgares.

A ESCRITA

É urgente tomarmos consciência da importância de bem escrever, por um lado,


para nos facilitar a vida, já que tudo hoje é feito em torno da escrita – em papel
ou em digital; por outro lado, é importante compreendermos as mensagens que
nos são transmitidas...

A ESCRITA é o marco que põe fim à Pré-história e dá início à História da


Humanidade!

Manual do Formando – CIL de Ucanha 9


Comunicação e Expressão

Fases da Escrita

 Período Mnemónico – a comunicação era feita através de sinais

 Período Pictórico – o Homem regista os acontecimentos através de


figuras rudimentares

 Período Ideográfico – é feita a representação de ideias abstractas e


sentimentos com figuras

 Período Fonográfico – cada símbolo passou a representar um som

Aos Sumérios deve-se a origem da escrita e aos Egípcios a essência dos


símbolos que originaram as letras actuais. Os gregos e os Romanos
encarregaram-se de aperfeiçoar e transmitir o alfabeto aos povos que
dominaram.
Com a evolução da Humanidade a Arte de Bem ESCREVER estendeu-se às
escolas...

IMPORTÂNCIA DA PONTUAÇÃO NA COMUNICAÇÃO ESCRITA

 Ponto Final - fim das frases (.)

 Vírgula - indica uma pequena pausa (,)

 Dois Pontos - quando se segue uma explicação (:)

Manual do Formando – CIL de Ucanha 10


Comunicação e Expressão

 Aspas - indica que a frase foi escrita por outros (“ ”)

 Ponto e Vírgula - obriga a uma pausa como o ponto final, mas não
terminamos a frase (;)

 Parêntesis - a meio da frase para dar uma explicação()

 Travessão - indica a fala de personagens (-)

 Reticências - algo ficará por dizer(…)

TIPOS DE FRASES

 Exclamativa – Mostra admiração, surpresa, espanto. Normalmente


termina com um ponto de exclamação.

 Interrogativa – Serve para fazer uma pergunta. Normalmente termina


com um ponto de interrogação.

 Declarativa – Transmite uma informação. Normalmente termina com um


ponto final.

 Imperativa – Serve para dar uma ordem. Normalmente termina com um


ponto final ou um ponto de exclamação.

SINÓNIMOS E ANTÓNIMOS

Os sinónimos são uma ferramenta especialmente útil para evitar as


desagradáveis repetições de palavras, enriquecendo desta forma os textos, isto
é, os sinónimos significam palavras diferentes, mas com o mesmo significado.
Por exemplo:
Bonito – Lindo
Agradável – Gentil

Manual do Formando – CIL de Ucanha 11


Comunicação e Expressão

Os antónimos, são precisamente o oposto dos sinónimos, isto é, significa o


contrário da palavra.
Por exemplo:
Alegre – Triste
Largo - Estreito

FORMAÇÃO DAS PALAVRAS POR DERIVAÇÃO

Determinadas palavras surgiram por composição. A composição consiste na


junção de duas ou mais palavras para formarem uma única, que passa a ter
um significado diferente.
A composição das palavras pode ser por-. Sufixação e Derivação.
Sufixação – à palavra primitiva é acrescentada no final o sufixo.

Ex: Feliz – Felizardo Feliz + ardo

Prefixação – no início da palavra primitiva é acrescentado o prefixo.

Ex: Feliz – Infeliz In+ feliz

ORTOGRAFIA

Na língua portuguesa existem palavras que têm o mesmo som, mas que se
escrevem de maneira diferente.
Por exemplo:
Agente – a gente
Havia – a via
Foice – foi-se
Sela – cela
Massa – maça
Cozer – coser
Concerto – conserto
Era – hera
Pás – paz

Manual do Formando – CIL de Ucanha 12


Comunicação e Expressão

COMO ESCREVER...

REGRAS de Redacção:
 Legibilidade
 Estruturação e Pontuação
 Centragem do Título
 Uniformidade da letra
 Alinhamento dos Parágrafos
 Respeito pelas margens
 Cuidado com a apresentação – rasuras ou emendas

COMO ESCREVER...UM PROJECTO

Um relatório de um projecto é a descrição minuciosa e sistemática de um plano


importante, que oferece informação justificativa para que o projecto possa ser
aplicado na prática de forma correcta e com sucesso.

Um projecto deve ser:


Bem fundamentado
Bem organizado
Escrito de forma clara

Etapas de trabalho do projecto

O desenvolvimento de um projecto pressupõe planeamento, execução e


avaliação.

Normalmente, são consideradas as seguintes etapas:

1- Identificação da Área do projecto

2- Identificação dos promotores

3- Discrição do projecto

4- Análise do mercado e da concorrência

5-Análise dos custos

Manual do Formando – CIL de Ucanha 13


Comunicação e Expressão

Conteúdo do Relatório
Ser pormenorizado nos aspectos considerados importantes
Ser breve nas considerações secundárias
Utilizar frases curtas e precisas
Subdivisão correcta dos vários temas de acordo com a normalização
Ortografia cuidada

A numeração das páginas deverá ser efectuada se o Relatório de um projecto


tiver mais do que uma página. Se um Relatório de um projecto incluir
referências a várias fontes deve conter uma bibliografia.

TEXTOS UTILITÁRIOS E NÃO UTILITÁRIOS

O QUE É UM TEXTO?

“ No entendimento geral de um texto tem-se colocado, como dado essencial, a


escrituralidade e, neste caso, todas as produções comunicativas (publicidade,
sinal de trânsito, banda desenhada, etc.) sem texto, ou em que o texto
desempenhe uma função menor dificilmente serão entendidas como texto. Mas
o uso da palavra “texto” na vida diária também não ocorre de modo uniforme.
Designa-se por texto qualquer sequência ordenada de palavras, uma
sequência consequente de notas musicais, uma obra completa, uma peça de
teatro, ou uma das suas partes, etc.”
Mário Vilela

O texto é uma realização da linguagem humana transmitindo um sentido e um


fim comunicativo. Este termo é habitualmente utilizado nas realizações
linguísticas escritas, mas o “texto” ou “discursos” são também realizações da
língua oral como as da escrita. O texto é uma unidade b´ásica de organização
e transmissão de ideias, conceitos e informações de modo geral.
O texto é caracterizado por estruturas complexas, planeadas, com um rigor
lógico, com subordinações e uma estrutura sujeito- predicado.

Manual do Formando – CIL de Ucanha 14


Comunicação e Expressão

O QUE É UM TEXTO UTILITÁRIO E NÃO UTILITÁRIO?

Se analisarmos o significado de “utilitário”, temos praticamente a resposta. O


termo utilitário refere-se à utilidade, ao proveito que se pode tirar das coisas.
Um texto utilitário será aquele que pode ser útil a alguém, que está ao dispor
do falante de uma língua. Este tipo de texto é necessário que se saiba fazer
sem qualquer tipo de ajuda, como por exemplo uma carta, um relatório. Muitas
vezes não são feitos porque muitos não os sabem fazer. Compreendemos
texto utilitário como texto não-literário. Deste modo, o texto não-utilitário é o
texto literário.

TIPOS DE TEXTO

Textos argumentativos
Um determinado texto argumentativo pretende influenciar os ouvintes, os
leitores para que estes aceitem determinadas ideias. Muitos dos textos
publicitários, dos textos políticos, até os que são produzidos no dia-a-dia tem
essa finalidade, de argumentar, de procurar convencer outros. Reflectir nas
vantagens e desvantagens de uma decisão, defender uma ideia expondo as
razões, são actividades quotidianas. O argumento é a ferramenta da
argumentação.
Para argumentar partimos de algo conhecido e que seja suficiente para originar
algo. Através de premissas aceita-se algo como um dado adquirido por todos.

Textos Explicativos
O texto explicativo surge como resposta a um determinado problema: qual é o
problema? Como e porquê apareceu o problema? Ou seja, questiona-se algo,
depois vem a explicação ou explicações. Mas o mesmo acontece num acto
comunicativo onde temos um assunto, segue-se a exposição desse assuno e a
consequente explicação.

Manual do Formando – CIL de Ucanha 15


Comunicação e Expressão

Textos descritivos
Um texto descritivo apresenta as qualidades, as características de um objecto,
ambientes, acções. É um texto que descreve.
A descrição assenta principalmente no poder representativo do vocabulário. O
processo descritivo inclui um tema, uma progressão enumerativa das suas
prioridades, que pode ser pormenorizada, uma associação com aspectos de
objectos diferentes…
Podemos encontrar descrições em anúncios, retratos e também pode incidir
nas acções das personagens. No entanto, de acordo com os domínios, há
diferenças nas descrições.

Textos narrativos
Em todos os textos produzidos até hoje, o texto narrativo é o que ocupa um
maior espaço. Num texto narrativo é definido pela existência de um actor
principal que vai modificando-se ao longo da narrativa, por um conjunto de
acontecimentos que seguem uma determinada ordem cronológica (história) e
pela existência de factos que ponham em causa a sucessão normal da acção.
Faz ainda parte da narrativa a moralidade e a relação que o narrador tem com
a sua narração.

TIPOS DE TEXTOS UTILITÁRIOS

A CARTA
A carta corresponde a uma interacção comunicativa escrita. É um meio de
comunicação que tem perdido alguma relevância no mundo moderno para
meios mais rápidos como a Internet, o telefone, etc.

Algumas das características da carta é a clareza, a expressividade e o facto de


adaptar-se ao modo de ser do receptor. Temos as cartas pessoais, destinadas
a amigos e familiares, e temos as comerciais que são definidas pela sua
utilidade e têm a finalidade de conseguir uma reacção favorável.

Manual do Formando – CIL de Ucanha 16


Comunicação e Expressão

Disposição da carta:
1. Cabeçalho – abrange o nome da empresa, endereço, número de
telefone e do fax e o contribuinte;
2. Data – escreve-se à direita ou á esquerda, nas cartas comerciais. Nas
cartas pessoais escreve-se à esquerda, mas às vezes pode aparecer no
fim;
3. O endereço – aparece muitas vezes no envelope, mas em algumas
cartas comerciais escreve-se na própria carta quando usam um
envelope com janela. A sua colocação pode ser quer à esquerda, quer à
direita;
4. Assunto – escreve-se à esquerda, ordenada com a primeira palavra da
carta. Nas cartas comerciais, o tratamento deve ser mais rigoroso.

Nos quadros seguintes apresenta-se as formas de tratamento:

Cartas Pessoais Cartas Comerciais


O principio O principio
- A um amigo ou a uma pessoa de - Para grandes empresas:
família: Saudação: Nome da empresa
“Meu caro amigo” Srs.
“Minha querida mãe” Tratamento: V. Sª
- Para negociantes individuais:
Ou simplesmente o nome: Saudação:
António Exmo. Senhor A. Pinto
Maria Tratamento: V. Exª
- Se nos dirigirmos a um superior ou
desconhecido:
Exmo. Senhor
Exmo. Senhora

Manual do Formando – CIL de Ucanha 17


Comunicação e Expressão

Cartas Pessoais Cartas Comerciais


O final O final
Em cartas de cerimónia: Forma cerimoniosa:
“De Vossa Excelência” Sem outro assunto por agora,
“Muito respeitosamente” subscrevemo-nos com muita estima
De V. Exa.
Em cartas entre amigos: Muito Atenciosamente
“Tua amiga”
“Teu melhor amigo” Forma mais simples:
Com toda a estima nos subscrevemos
Em cartas entre familiares: De V. Exa.
“Teu irmão amigo” Muito Atenciosamente
“Sua filha” Ou simplesmente:
“Teu tio amigo” De V. Exa.
“Tua tia” Atenciosamente
Ou
Atentamente

A ACTA
A acta é uma discrição formal de todos os factos da reunião.
O projecto da acta é escrito no livro de actas, cujas folhas devem ser
rubricadas e numeradas (não as páginas), pelo Presidente da Mesa da
Assembleia Geral.
Todos os elementos deverão estar por extenso e devidamente tracejados.

Estrutura de uma acta:


A acta devera compreender os seguintes elementos:
1. Recebe um determinado número conforme a sequencia numerada das
actas;
2. Inicia com indicação do dia, mês, ano e hora em que a reunião teve
lugar;

Manual do Formando – CIL de Ucanha 18


Comunicação e Expressão

3. Indica o lugar da reunião;


4. Referir o tipo de reunião: se ordinária, se extraordinária…
5. Indicar os nomes dos presentes;
6. Conter a ordem de trabalhos, conforme foi enviada na convocatória;
7. Referir a leitura, a votação e a aprovação da acta da reunião anterior;
8. Registar as comunicações feitas pelo Presidente de Mesa;
9. Contem o nome dos sócios, pessoas que usaram a palavra sobre os
pontos de Ordem de Trabalhos e as suas considerações;
10. Indicar as decisões tomadas. Se for resultado de uma votação, referir os
números a favor e os contra;
11. Mencionar a hora a que os trabalhos foram encerrados;
12. No caso de erro repete-se o assunto após as palavras «digo» e, caso a
falha seja notada posteriormente deve-se acrescentar a frase: «onde se
lê…leia-se…».

Exemplo de uma acta:

----------------------------------ACTA NÚMERO TRINTA E TRÊS--------------------------


----------------

----Aos vinte e um dias do mês de Setembro, do ano de mil novecentos e


oitenta e nove, pelas vinte e uma horas, com a presenta dos elementos da
direcção da AssociaçãoXXXXXX, constituída pelos senhores XXXXXX, teve
lugar a reunião períodica da mesma direcção, presidida pelo senhor vice-
presidente XXXXXcom a seguinte Ordem de Trabalho: Ponto zero – Período de
Antes da Ordem de Trabalhos; Ponto um – Preenchimento dos documentos de
caixa; Pontos dois – A Casa de Chá e a Churrascaria.----------------------------------
------------------------------------------------------------------------Ponto zero: aberta a
sessão, foi lida a acta da reunião anterior, que depois de sofrer uma ligeira
correcção gramatical, num período, foi aprovada pelo Conselho e, de seguida,
assinada em prova de conformidade.--------------------------------------------------------
---------------------------------------------------Na ausência do senhor presidente,
assumiu a direcção da reunião o senhor vice-presidente XXX, que, depois de
saudar os presentes, declarou ser de interesse enviar a todos os elementos da
direcção fotocópia da acta aprovada, explicando que seria um estímulo e um
convite para estarem presentes em reuniões futuras aqueles que, por mero
comodismo não comparecem.------------------------------------Pediu de seguida a
palavra o senhor tesoureiro XXXXX, para manifestar alguns reparos em relação
à forma como estão a ser emitidos vários documentos de “caixa” que, a seu
ver, deverião ser escriturados de forma mais regulamentar, tendo-se acordado
providenciar no sentido de se operarem as necessárias correcções que

Manual do Formando – CIL de Ucanha 19


Comunicação e Expressão

procuram acautelar a Associação de qualquer incomodo, em termos fiscais.-----


----------------------------------------------------------------------------------------------------------
-----Foi depois ventilada a situação relacionada com o preenchimento dos
lugares destinados à exploração da Casa de Chá e da Churrascaria, não
havendo, de momento qualquer outra perspectiva, quanto à sua ocupação,
apesar de terem já surgido pretendentes, um dos quais quase chegou a
comprometer-se, tendo-se gorado a sua aceitação dois dias após o contacto
inicial, por factos que podem considerar-se estranhos e que a curto prazo a
Associação vai tentar esclarecer.--------Nada mais havendo a tratar, pelas vinte
e duas e quarenta e cinco minutos, deram-se por findos os trabalhos da
reunião, da qual lavrei a presente acta que, depois de lida e aprovada, será por
mim que a secretariei, assinada e pelo vice-presidente.--------------------------------
-----------------------------

O Secretário____________________________________

O vice-Presidente________________________________

Manual do Formando – CIL de Ucanha 20