Anda di halaman 1dari 2

Fechando as portas para o inimigo

"Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo descansará à sombra do


Onipotente." Salmo 91
As portas são aberturas que permitem entrada e saída, todos sabem disso. Há
portas enormes e pequenas portas. Mas, às vezes, uma pequena fresta ou
brecha pode ser suficiente para deixar entrar grandes incômodos, como por
exemplo uma rajada de vento frio. Assim também acontece no mundo
espiritual: uma pequena brecha pode deixar entrar grandes problemas.
Como estar imune aos ataques no mundo espiritual? O filho de Deus tem
promessas de que o inimigo não pode tocá-lo. Pode rejeitar a opressão,
reivindicar o poder e a libertação para sua vida e de sua família, tomando
posse das promessas de Deus.
Em Lucas 10:17-19 Jesus disse a seus discípulos que lhes dava autoridade
para pisar serpentes e escorpiões. Em Marcos 16:18 ele dizia que os que nele
cressem pegarão em serpentes. Não há motivo para fazermos isso
literalmente, mas nossa luta contra as potestades é real e constante. O
antídoto para o veneno do inimigo é o sangue de Jesus.
Quero fazer algumas observações sobre como você pode enfrentar as
situações de opressão maligna. Primeiro: Você não precisa carregar a dor,
sofrimento ou pecados de ninguém. Quem levou nossas dores foi Jesus (Is 53).
Você pode levar as pessoas a receberem vida, abençoar as pessoas, mas não
precisa absorver o mal.
Segundo: A fé é a arma para vencermos. Restaura as brechas, toma o escudo,
espanta o medo e gera um ambiente onde o inimigo não pode entrar. Se você
está andando por fé atravessa o mar, se vacila na fé, naufraga. A fé gera
coragem, ousadia. A Bíblia diz: "Resisti ao diabo, e ele fugirá..." Levante a
cabeça e declare sua fé. A dúvida e a incredulidade abrem portas para o medo
e a insegurança.
Terceiro: Coloque guardas em sua mente. Muitos pensamentos geram brechas
em nossa vida. Não abrigue pensamentos de derrota, mas leve a Deus suas
necessidades, preenchendo sua mente com as promessas do Senhor. Rejeite
pensamentos do inferno: doença, fraqueza, derrota.
Quarto: Nossa arma é a Palavra. Ela tapa as brechas espirituais. Apoie-se em
algo firme: a Palavra. Busque a promessa que vai de encontro à sua
necessidade e use-a para fechar a porta. O conhecimento da Palavra gera
liberdade (Jo 8:32). Viver a Palavra nos traz segurança. Você pode reivindicar o
cuidado dele, o poder dele, a defesa dele, porque está dentro de suas
promessas.
Quinto: As brechas são fechadas pelo perdão. Perdoar aos outros, a si mesmo
e a Deus. Peça e dê perdão para ser sarado (Sl 32:3-5). O perdão de Deus
está diretamente ligado ao perdão entre os irmãos. Perdoando somos livres.
Amargura, mágoas e rancor abrem portas para o inimigo agir em nossa vida.
Finalmente: feche as brechas pela renúncia. Você não precisa viver
preocupado com atos e oferendas praticados no passado, por pais,
antepassados ou você mesmo. As coisas velhas já passaram, se alguém está
em Cristo. Renuncie no mundo espiritual a todas as ligações com o maligno. O
inimigo não pode reivindicar mais nada, pois o sangue de Cristo nos cobre.
Nele findam as maldições.