Anda di halaman 1dari 48

ANO VI | EDIÇÃO 62 | AGOSTO 2013 | DISTRIBUIÇÃO NACIONAL | R$ 5,00 | PRÁNA EDITORA & MARKETING

20 MILHÕES
de carroS FleX
em todo o BraSil

08
TROCA DO TENSIONADOR
DA CORREIA DENTADA COMPACTOS PREMIUM PÁG. 36

Fox I-Motion e Novo Punto Dualogic, ambos 1.6, passaram por


reestilização e aprimoramentos na parte mecânica.
PÁG. 16
FALTAM PROFISSIONAIS a escassez de mão de obra é um problema
que cresce cada vez mais, em especial no
QUALIFICADOS NA segmento automotivo.
REPARAÇÃO AUTOMOTIVA PÁG.26
4 | Editorial Reparação Automotiva | Agosto 2013

SoBram vagaS,
faltam profissionais

T
ANO VI - Nº 62- AGOSTO DE 2013
razemos como reportagem especial aprimoramentos na parte mecânica. www.reparacaoautomotiva.com.br
twitter.com/reparacao
nesta edição um problema crônico não Como Lançamentos, o New Fiesta Sedan
só na reparação automotiva, como em ganha motor sem tanquinho de partida a frio, Editor executivo
Bernardo Henrique Tupinambá
outros diversos segmentos: a escassez de mão câmbio automático de dupla embreagem e 6
Editor-chefe
de obra. Nossa equipe conversou com entidades velocidades, etc. A Audi evoluiu o motor turbo do Silvio Rocha
editor@reparacaoautomotiva.com.br
e instituições que apresentam alternativas Novo A3. Comercializado no Brasil, traz motor
Editor
em cursos para formação e especialização com inédita tecnologia que utiliza sistema de Edison Ragassi
ragassi@pranaeditora.com.br
do profissional. injeção direta/indireta, etc.
Redação
Continuando: na reportagem de capa, A Gonel realiza a troca do reservatório de Simone Kühl - redacao@reparacaoautomotiva.com.br
veículos Flex: tecnologia segue para a terceira partida a frio no Fiat Palio 2006 Flex. Já a Nytron Departamento de Arte
criacao@pranaeditora.com.br
geração. É bem verdade que eles caíram no gosto faz a substituição do tensionador da correia
dos brasileiros, mas para os empresários da dentada no Mégane Prestigi. Para fechar nossas Diretor de Arte
Fabio Ladeira
reparação ainda há o que evoluir. Para se ter uma reportagens técnicas, tem também o material de Assistente de Arte
ideia, em junho, o Brasil atingiu a marca de 20 nosso colunista Edson Roberto de Ávila, o Mingau, Eder Martins

milhões de veículos flex produzidos. sobre o sistema de alimentação de combustível no Diagramador


Adriano Siqueira
Em Perfil, Trailblazer com novo motor SUV, veículo Sportage, ano 2010, gasolina, localizado Fotografia
da Chevrolet, traz um novo propulsor 3.6L V6 abaixo do banco traseiro, lado esquerdo. José Nascimento / Eduardo Portella Amorim / Estúdio Prána

movido a gasolina com 24 válvulas, comando Por fim, trazemos nesta edição o Tech Center Departamento Comercial
comercial@reparacaoautomotiva.com.br
variável, tração 4x4 e transmissão automática de Valeo, que com um programa de suporte técnico Diretor Comercial
6 velocidades. ao consumidor, tem como objetivo estreitar o Edio Ferreira Nelson - edio@pranaeditora.com.br

Na seção Comparativo, as mudanças nos relacionamento e minimizar ainda mais os casos Executivos de Contas
Richard Fabro Faria - richard@pranaeditora.com.br
veículos Fox, da VW, e Punto, da Fiat, dois dos de garantia. Rafael Bergamini - rafael@pranaeditora.com.br
compactos premium mais comercializados no Até a próxima e bons negócios! Marketing
Tatiane Sara Lopez
país, que passaram por reestilização e receberam O Editor marketing@pranaeditora.com.br
Internet
webmaster@reparacaoautomotiva.com.br

deStaQueS
Supervisor de Desenvolvimento
Aryel Tupinambá - aryel@reparacaoautomotiva.com.br
Atendimento ao leitor
Elis Regina Lanes
Telefone: 11 5084-1090
Novo motor para a Trailblazer New Fiesta Sedan atendimento@pranaeditora.com.br
Financeiro
Analista Financeira
Tatiane Nunes Garcia
Estagiária Financeira
Renata Alves
Impressão
Prol Editora Gráfica
Jornalista Responsável
Silvio Rocha – MTB: 30375
Colaboradores
Arthur Henrique S. Tupinambá / Fauzi Timaco Jorge
SUV traz um novo propulsor 3.6L V6 Sedã compacto Premium da Ford ganha Ingo Hoffmann / Jeison Cocianji / Karin Fuchs
Edson Roberto de Ávila / César Garcia Samos
movido a gasolina com 24 válvulas, motor sem tanquinho de partida a frio,
comando variável, tração 4x4 e transmissão câmbio automático de dupla embreagem e
automática de 6 velocidades. pág. 22 6 velocidades, etc. pág. 31

Partida a frio Técnica

Gonel orienta como realizar a correta subs- Entenda como deve ser o procedimento
tituição do reservatório de partida a frio no para se efetuar a substituição do filtro do
veículo Fiat Palio 2006 Flex, que apresenta sistema de alimentação de combustível no
características distintas. pág. 44 veículo Sportage, ano 2010, Gas. pág. 40

Índice
06/14/34/42 .................Artigos 34 ...................................Indústria
32 ...................................Mural 35 ..................................Lançamento
6 | Artigo Reparação Automotiva | Agosto 2013

Foto: Divulgação
SeuS empregadoS, SeuS aSSociadoS
Texto: Fauzi Timaco Jorge
Economista, escreve
regularmente nesta coluna e
pode ser acessado pelo e-mail
fauzi@balcaoautomotivo.com.br

V
irgílio – nome fictício – é um empresário no ramo de extrema importância para a obtenção dos resultados almejados,
autopeças, estabelecido há alguns anos em Arujá, cidade como os operadores de máquinas na linha de produção, para o
próxima a São Paulo. Sua indústria passou por altos e aumento da quantidade produzida. Resolveu, então, pagar por
baixos, na razão direta do crescimento da produção de veículos e da peça produzida, ao invés de remuneração por hora trabalhada,
pressão de produtos importados. Como todo fabricante nacional, como era praxe na indústria. Transformou seu empregado num
buscava desesperadamente meios de aumentar a produtividade associado. A produção subiu vertiginosamente, nos itens que
do seu negócio para, com isso, diminuir seus custos diretos de eram considerados críticos e que impactavam diretamente no
produção, mantendo a competitividade-preço dos seus produtos custo final da peça fornecida. Obteve, assim, maior quantidade
junto a um grupo seleto de montadoras e sistemistas. O aumento produzida, sem acréscimo de pessoal, máquinas, e outros custos
de produtividade a que nos referimos não é, como se costuma indiretos que aí incidiriam.
confundir, uma mera expansão da quantidade produzida, mas, Veja este outro fato: quando tinha treze anos de idade,
sim, a obtenção de maior quantidade de produtos utilizando a Vicente – outro nome fictício – ganhou um PC, ou seja, um
mesma quantidade de fatores de produção. Trocando em miúdos, personal computer [computador pessoal] de seu avô. Curioso e
é a obtenção de mais resultado, utilizando uma quantidade criativo, dedicou-se inicialmente à produção de aplicativos para
menor ou igual de recursos. Detalhando mais ainda, é a busca administração de prefeituras. Depois, desenvolveu sistemas
da eficiência, que pode ser resumida na relação entre resultados billing [faturamento] voltados para negócios de varejo que
obtidos e recursos utilizados. Colocando isso em números, haverá demandavam um relacionamento intenso com os clientes por
maior eficiência quando, ao invés de utilizar 100 de recursos, se meio de um call center [central de relacionamento com clientes],
utiliza 90 e o resultado obtido, ao invés de 100, pula para 110. Com integrando as operações. Diversificou sua clientela e também
isso, a eficiência aí contida salta de 100 para algo em torno de a própria natureza dos serviços prestados, sempre na área de
122. Já que entramos neste detalhe, que tal medir a eficácia, outra desenvolvimento de aplicativos, terceirizando totalmente a
importante forma de avaliação do desempenho? Para isso, vamos infraestrutura do cliente neste particular aspecto. Seus sócios de
relacionar o resultado obtido com o resultado pretendido. Assim, primeira hora logo perceberam que era preciso reter e aprimorar
se o valor obtido desta relação for maior do que 1, a eficácia foi os talentos que faziam parte de sua equipe de técnicos altamente
atingida. Simples, não? Veja a síntese: especializados, num ambiente extremamente dinâmico, em que
a atualização é fator de sobrevivência do próprio negócio, tanto
em termos de equipamentos como em relação às informações
Resultados obtidos adquiridas e transformadas rapidamente em conhecimento
Eficiência = -------------------------------------------- gerador de inovações e produtividade. A solução? De um
Recursos utilizados número limitado de sócios no início do negócio, as decisões
passaram a ser tomadas pela equipe toda, agora cada vez mais
empenhada em obtenção de resultados, porque daí se originava
parte substancial do ganho de cada um, transformados que
Resultados obtidos foram, de empregados em sócios do empreendimento, com
Eficácia = -------------------------------------------- poder suficiente para modificar uma decisão nas reuniões de
Resultados pretendidos acompanhamento dos negócios.
Em que pese o sucesso destas iniciativas, este processo de
motivação em busca de maior produtividade não se faz sem
O Sr. Virgílio estava atrás de um valor próximo de 122 de um adequado planejamento e muita, muita conversa, além
eficiência. Com isso, ele poderia atender aos reclamos de seus de total transparência de desejos e atitudes dentre todos os
compradores e, ao mesmo tempo, afastar o risco de perder envolvidos. É preciso uma clara conscientização de que existem
negócios para competidores internacionais, que para cá vieram ônus e bônus a serem suportados por todos os sócios. Como tal,
no vácuo de uma política cambial de valorização do real, nossa independentemente da participação societária, deve prevalecer
moeda, que vem deprimindo a competitividade-preço da o sentido de que o resultado dependerá fundamentalmente do
indústria nacional, tanto no mercado interno como no mercado desempenho de todos os que suportam o empreendimento.
mundial. Então, ele se deu conta de que era preciso motivar seus Planejar, implementar, controlar e revisar adequadamente os
empregados, especialmente aqueles que exerciam funções de objetivos do negócio é fator de sucesso nesta empreitada.
8 | Capa

VEÍCULOS FLEX:
TECNOLOGIA SEGUE PARA
A TERCEIRA GERAÇÃO
Eles caíram no gosto dos brasileiros, mas para os
empresários da reparação ainda há o que evoluir
Texto: Karin Fuchs

movidos a etanol tinham como sistema de foi eliminado o tanquinho de gasolina para
alimentação de combustível o carburador. o sistema de partida a frio. “Este sistema,
“Já as gerações seguintes destes veículos (por chamado de Flexstart, faz o aquecimento
volta de 1993) passaram a ter sistema de do etanol na galeria de combustível. O
injeção e ignição eletrônica para o controle combustível aquecido, quando injetado no
do motor”, recorda-se. motor, vaporiza melhor e garante a partida
De acordo com ele, apenas com o advento e boa dirigibilidade do veículo em dias
da injeção eletrônica é que foi possível frios”, explica.
desenvolver o sistema flex-fuel, já que a Ele destaca também que o sistema flex-

N
o mês de junho, o Brasil atingiu a adaptação do combustível que está no tanque fuel tem uma complexidade maior do que
marca de 20 milhões de veículos flex é feita através da sonda-lambda, que envia sistema mono-fuel (para um combustível
produzidos e, atualmente, eles não este sinal para a central de injeção eletrônica apenas), isto faz com que as oficinas sejam
apenas correspondem a mais de 90% dos (ECU) e que, por sua vez, faz a correção/ obrigadas a entender mais dos componentes
modelos à venda, como também a cerca de ajuste da injeção de combustível e ângulo que fazem parte do sistema de injeção.“Como,
60% da frota circulante, devendo chegar a de ignição. por exemplo, da sonda lambda que é um dos
80% em um prazo de até cinco anos. Sobre os sistemas que passaram por principais componentes para fazer o flex-fuel
Do primeiro modelo lançado, o Gol alterações, ele pontua: “para o sistema funcionar corretamente. As oficinas foram
1.6 da Volkswagen, em março de 2003 funcionar com o etanol, foi necessária obrigadas a trabalhar com equipamentos
até os dias atuais, o grande atrativo dos adequação de componentes do sistema de diagnósticos cada vez mais complexos
bicombustíveis é a possibilidade da escolha de injeção, como bomba de combustível, e precisos, além de se capacitarem também
de qual combustível utilizar, deixando para regulador de pressão, injetor, sonda lambda e para diagnosticar falhas de componentes
trás os tempos de descrédito do álcool etanol vela de ignição. Para o sistema funcionar com
Fotos: Divulgação

quando, no final dos anos 70, o Programa a tecnologia flex-fuel, foram necessárias todas
Nacional do Álcool, conhecido como Pró- estas adequações de componentes, pois era
Álcool, veio como uma forma de incentivar preciso ter componentes que funcionassem
os brasileiros a terem carro movido a álcool plenamente com as diferentes características
em substituição à gasolina. químicas do etanol e da gasolina. Além disso,
Ao longo dos anos, os veículos flex foi desenvolvido um software de controle do
não apenas ganharam a aprovação dos sistema de injeção eletrônica”.
consumidores como também a indústria de Além disso, o software de controle flex-
componentes inovou. Martin Leder, chefe fuel sofreu várias alterações nos últimos 10
de Engenharia da Divisão Gasoline Systems anos e, em paralelo, houve o desenvolvimento Roberto Stein, diretor de Engenharia da divisão
da Bosch, conta que os primeiros veículos da segunda geração do sistema flex-fuel onde Powertrain da Delphi para a América do Sul
Reparação Automotiva | Agosto 2013 Capa | 9

do Sindirepa do Paraná, para as oficinas


que acompanharam a evolução do carro a
álcool, os veículos flex em nada mudaram na
específicos”, afirma Leder. reparação.“Foram necessários, simplesmente,
Sobre novidades, ele antecipa que já estão treinamentos dos novos sistemas de injeção e
trabalhando na terceira geração do sistema atualização de equipamentos. Basicamente,
flex-fuel. “Será o sistema de injeção direta atualização de scanners para os diagnósticos
de combustível na câmara de combustão e treinamentos dos colaboradores”, sintetiza.
e que poderá trabalhar com gasolina, De acordo com ele, o problema são os
álcool ou mistura dos dois em qualquer curiosos. “Os que mexem nos veículos sem
proporção”, conclui. New Fiesta: versão fabricada em SBC conhecimento, trocam peças achando que
Também em uma análise do quanto os já sem o tanquinho
tudo é a mesma coisa, não participam de
veículos flex revolucionaram o mercado, treinamento e não têm acesso à literatura
Roberto Stein, diretor de Engenharia da técnica. Assim, quando esses veículos
divisão Powertrain da Delphi para a América chegam nas oficinas para descobrir o que
do Sul, lembra que o carro a álcool foi o ponto foi estragado, percebe-se que um simples
de partida.“Era um carro muito bom, mas não problema tornou-se uma dor de cabeça,
oferecia a opção de usar outro combustível e porque o cliente procurou o mais barato”,
isso veio com o flex que evoluiu muito, tanto avalia Bill.
do ponto de vista de funcionamento com dois Em suma, o executivo da entidade diz que
combustíveis, como também em termos de as oficinas, de modo geral, estão preparadas.
confiabilidade, emissões e desempenho”, cita. “O que é preciso é elas terem acesso às novas
Mas, segundo ele, a principal evolução New Fiesta: modelo importado do México com tecnologias. Os fabricantes e sistemistas têm
foi a confiabilidade. “Ninguém mais tem uma tanquinho de partida a frio que disponibilizar as informações e não
imagem ruim do etanol. No passado havia guardar a sete chaves”, conclui.
problemas do veículo não pegar de manhã, evoluíram junto à injeção. “Os carros ficaram
Na Motorfast, de Alberto Martinucci,
engasgar ou dar muita manutenção. Hoje, seja mais sofisticados e os equipamentos de
também nada mudou com a chegada
qual for o combustível utilizado, a qualidade diagnóstico também. Hoje, os veículos têm
dos carros flex. “O sistema mudou, mas o
é muito grande e a quantidade de problemas ABS, air bag, computador de bordo que mede
ferramental é o mesmo. Já existia a mistura
foi extremamente reduzida”. o consumo. Talvez na hora de diagnosticar
álcool e gasolina no passado. Porém, para o
Já nas oficinas, Stein conta que elas seja um pouco mais complicado que a
cliente, a manutenção ficou mais cara até
precisaram se adaptar com a evolução diagnose de um carro a gasolina, mas as
porque aumenta o número de vezes que
da injeção eletrônica e com os flex que oficinas já têm esse conhecimento”, afirma.
ele vai à oficina, pois com o álcool os bicos
Assim como o porta-voz da Bosch, Stein
também destaca que a última inovação foi
a eliminação do tanquinho. “O que permite
reduzir as emissões dos carros flex e ganhar
um pouco mais em consumo quando se utiliza
o etanol. E a possibilidade de diagnosticar um
veículo que utiliza dois combustíveis, sem
dúvida é uma grande evolução. Aliás, é tanta
evolução que às vezes o próprio consumidor
final não percebe”, conclui.

Wilson Bill, presidente do atualização E EQuipamEntos Alberto Martinucci, da Motorfast,


Sindirepa do Paraná (PR) Na visão de Wilson Bill, presidente de São Paulo (SP)
10 | Capa Reparação Automotiva | Agosto 2013

entopem com mais frequência e a troca do informação, há dificuldades no diagnóstico.


filtro de combustível que se dá a cada 20
Os carros ficaram mais “Nós precisamos saber a porcentagem de
sofisticados e os equipamentos
mil quilômetros nos motores a gasolina, cada combustível no tanque e às vezes o
de diagnóstico também. Hoje,
no flex esse intervalo é de cerca de 15 mil sistema indica que há somente gasolina,
os veículos têm ABS, air bag,
quilômetros”, exemplifica. computador de bordo que quando também tem álcool. Cada dia fica
Segundo Martinucci, o que pode mede o consumo.Talvez na mais difícil diagnosticar um problema e nós
ser considerado uma mudança foi a hora de diagnosticar seja um vamos eliminando as hipóteses para resolver.
necessidade das oficinas saberem como pouco mais complicado que Antes dos flex era muito mais fácil reparar os
funciona o sistema nas alternâncias de a diagnose de um carro a carros, era menos complicado”, defende.
combustível, ter equi-pamentos e atualização gasolina, mas as oficinas já têm Já na avaliação de Pedro Scopino, da
de softwares. esse conhecimento. oficina do Scopino, além das oficinas terem
Roberto Stein, diretor de Engenharia da
que se adaptar mais constantemente com
divisão Powertrain da Delphi os equipamentos de diagnósticos, “antes,
para a América do Sul atualizávamos os equipamentos uma vez por
ano ou a cada dois anos. Agora, pelo menos
álcool. “A gasolina serve para lubrificar,
a cada seis meses, o que aumentou os custos
limpar o sistema. O carro flex é bom para
para as oficinas”, há também uma nova sigla
quem sabe usá-lo. Mas ainda há o que evoluir
para as oficinas, a Relação A/F, referente à
em termos de componentes, como os bicos e
relação de mistura ar-combustível.
válvulas que entopem demais, e a bomba de
“É a forma como o módulo tem para
Fabiana Guadani Dias Kohara, da oficina Alemão combustível que é a que mais corrói com o
entender se o carro está abastecido com
O Bom, de São Paulo (SP) uso do álcool”, sugere.
álcool ou gasolina ou a proporção dos dois.
Já na oficina, ela também diz que a
Até hoje há mecânicos que apanham com
necessidade de atualização de softwares
isso, não sabem o que é direito, qual é a
se tornou mais frequente, até porque as
diferença, a proporção”, diz Scopino.
montadoras utilizam sistemas diferentes.
Ainda de acordo com ele, os sistemas não
O mesmo que diz Francisco Severiano
param de evoluir. “Agora, a bola da vez são
Alves, proprietário da Mecânica Chiquinho:
os veículos flex não terem mais o sistema de
“O sistema não é o mesmo, para cada
partida a frio com tanquinho. A tendência
montadora varia de carro para carro e de
é que todos os carros tenham sistema de
injeção para injeção. Assim, as oficinas
aquecimento na galeria de combustível e,
tiveram e têm que se adaptar na parte de
Francisco Severiano Alves, da Mecânica em termos de reparo, é mais simples e mais
Chiquinho, de Itaquaquecetuba (SP) scanners, com aparelhagem adequada para
positivo”, conclui.
diagnósticos”, informa.
Mesma visão compartilha Fabiana
O percalço, na avaliação de Alves,
Guadani Kohara,sócia-proprietária da oficina
continua sendo a falta de disponibilidade
Alemão O Bom. “A manutenção dos veículos
de informações. “Às vezes restritas para nós,
flex é mais frequente. Isso porque o cliente se
que temos que ir atrás, buscar parceiros. As
esquece que o carro é flex, ou seja, para ser
próprias montadoras fazem essa restrição
usado com os dois combustíveis e quando
e as concessionárias. Já no que tange à
utiliza apenas o álcool, o desgaste de peças é
manutenção, a partir do momento que o
maior”, comenta.
proprietário do veículo faz as preventivas, ela
De acordo com ela, o indicado seria
fica mais fácil. Porém, com o uso apenas do Eduardo de Oliveira Neves, da oficina
alternar dois tanques de gasolina e um de
álcool, a frequência do veículo na oficina é Nipo Brasileiro, de São Paulo (SP)
maior”, comenta.
Para Eduardo de Oliveira Neves, técnico
da oficina Nipo, a falta de informação
também é um problema. “Basicamente para
atendermos os veículos flex, nós precisamos
de atualizar os scanners. Mas, em termos de
conhecimento técnico de sistema de injeção
adotado por cada montadora, nós não temos
informação suficiente para trabalhar. E,
alguns casos, ainda temos que aprender na
Gol 1.6, da Volks: lançado em 2003, raça”, pondera. Pedro Scopino, da oficina do Scopino,
primeiro veículo bicombustível brasileiro Ainda de acordo com ele, além da falta de de São Paulo (SP)
12 | Capa Reparação Automotiva | Agosto 2013

O PIONEIRISMO

Neste ano, a Volkswagen comemorou os dez anos do lançamento do primeiro veículo bicombus-
tível no Brasil, o Gol Power 1.6 Total Flex. De lá para cá, outros modelos ganharam a motoriza-
ção e a montadora já vendeu mais de 4,5 milhões de veículos flexíveis, desde março de 2003 a
fevereiro de 2013.
A tecnologia que deu ao consumidor brasileiro liberdade de escolha e a possibilidade de optar
pelo combustível mais econômico foi inteiramente desenvolvida no Brasil e é apontada interna-
cionalmente como exemplo de contribuição da indústria automobilística à sustentabilidade e à
preservação ambiental. “O desenvolvimento do motor flexível foi uma grande revolução da indús-
tria nos últimos anos e a Volkswagen do Brasil se orgulha de mais esse pioneirismo. A empresa
foi a primeira fabricante do Brasil a oferecer todos os seus modelos nacionais com motores Total
Flex”, declara o presidente da Volkswagen do Brasil, Thomas Schmall (foto).
No sistema Total Flex, a composição do combustível é determinada pela análise dos gases do es-
capamento e, a partir dessa informação, o sistema de gerenciamento eletrônico do motor se adapta para proporcionar o melhor
desempenho e o máximo de economia de combustível. O desenvolvimento da tecnologia eletrônica possibilitou a elevação da
taxa de compressão, por exemplo, melhorando o desempenho quando o etanol é utilizado, sem prejudicar o funcionamento do
motor apenas com gasolina. Esses aprimoramentos contínuos elevaram a potência do motor 1,6 litro Total Flex para até
104 cv (etanol).
Outro avanço da Volkswagen na tecnologia flexível foi a adoção do sistema de partida a frio sem necessidade de tanque auxiliar
de gasolina, lançado em março de 2009, no modelo Polo E-Flex. Atualmente, a tecnologia está presente no Polo BlueMotion.

NA LINHA FRANCESA

Especificamente a Renault lançou o primeiro modelo flex no ano de 2005, com o Clio
com motor 1.6 16V (foto). Marcio Melhorança, gerente de Engenharia-Sistema de controle
motor e calibração da Renault, conta que no início foram adaptados os motores gasolina
para poder utilizar o etanol. “Assim, como o motor, o sistema de controle também foi
adaptado para poder trabalhar com os dois combustíveis ou a mistura deles”.
Além disso, diz ele, “o compartimento motor foi modificado para poder adaptar o reser-
vatório auxiliar; o tanque, a bomba de combustível e as mangueiras foram modificadas
em função do etanol também. Houve evolução de válvulas, injetores, bronzinas, borboleta
motorizada e sonda de oxigênio e alguns materiais de vedações do motor”, especifica.
De lá para cá, ele valida que hoje temos motores com taxa de combustão melhor otimiza-
da para os dois combustíveis (etanol e gasolina). “O sistema de controle evoluiu, sendo adicionados novos sensores e estratégias de
funcionamento, permitindo um melhor tempo de partida, dirigibilidade e menor consumo e emissões”.
Fora isso, “com a otimização dos motores, foram aplicados materiais ainda mais nobres do motor permitindo assegurar a confia-
bilidade nestas novas condições de funcionamento. Foi adicionado um 5° injetor e captor de fase, que permite controlar melhor a
quantidade de combustível injetada na partida e melhorando com isto a qualidade das partidas em temperaturas baixas”, informa.
Segundo Melhorança, a Renault possui uma equipe de engenharia de controle motor, instalada no Brasil, onde são desenvolvidos
os softwares de controle, componentes e as calibrações que envolvem França, Romênia, Índia e Brasil. “A aplicação do etanol vinha
sendo estudada pela Renault desde o início dos anos 2000, o que permitiu estarmos preparados para realizar os projetos Flex. O
centro de desenvolvimento flex da Renault fica no Brasil”, conclui.

EVOLUçãO – MERCADO DE VEíCULOS FLEX


ano vendas Flex participação
2003 1.383.232 48.178 3,5%
2004 1.564.169 328.275 21%
2005 1.711.972 846.710 49,5% Os veículos flex são predominantes
2006 1.933.306 1.424.112 74% atualmente: em 2012, foram licencia-
2007 2.486.147 2.032.361 81,7% dos 3.162.874 unidades com motor bi-
2008 2.864.482 2.354.524 82,2% combustível ante 273.913 só a gasolina
2009 3.114.226 2.746.747 88,2%
e 197.211 a diesel.
2010 3.515.000 3.008.840 85,6%
2011 3.633.248 3.019.229 83,1%
2012 3.802.071 3.307.802 87%
2013** 1.800.000 1.600.200 88,9%
*Fonte: Fenabrave e Anfavea
** Primeiro semestre de 2013
14 | Artigo Reparação Automotiva | Agosto 2013

ouvir o cliente é

Foto: Divulgação
Texto: Cesar Samos

a melhor forma Diretor do Sindirepa-SP – Sindicato da


Indústria da Reparação de
Veículos e Acessórios do Estado de

de fidelizá-lo São Paulo – e sócio da Oficina


Mecânica do Gato

O
agitado dia a dia na oficina com tantas tarefas e ainda telefone. Assim, fica mais fácil dar continuidade ao trabalho.
lidar com o inesperado, apesar da agenda programada Outro ponto importante para um atendimento de qualidade
de serviços, pois sempre surgem clientes de surpresa é o cumprimento do prazo de entrega. Caso aconteça algum
que estão ansiosos e querem resolver o problema do carro imprevisto, o cliente deve ser avisado imediatamente para
no menor tempo possível, é a realidade da maioria dos não gerar frustração e descontentamento. Quando tudo é
reparadores. Por isso, é importante saber conviver com o caos esclarecido, fica mais fácil.
e passar segurança ao cliente que já chega aborrecido por ter o Outra forma também de cativar o cliente é fazer uma
carro com problema. O profissional que recepciona o dono do revisão geral no veículo e informá-lo sobre outros serviços
carro deve manter a calma e ouvir o que o cliente tem a dizer. que precisam ser feitos, além daquele que foi motivo da visita
Além de ajudar a deixar a pessoa mais calma, as informações na oficina. Claro, que, neste caso, é preciso ter cuidado com
podem ser muito úteis para o diagnóstico do problema do a abordagem para que o cliente não se sinta desconfortável,
carro. Sempre que possível é bom orientar o cliente e explicar achando que está sendo enganado. Para não acontecer isso,
algumas questões sobre o funcionamento do veículo que, você pode mostrar para ele os problemas encontrados e
muitas vezes, podem passar despercebidas. informá-lo, assim, ele decide se quer ou não fazer o trabalho.
Desta forma, é possível estabelecer um relacionamento Para facilitar esse processo, o reparador pode criar um
de confiança que facilita todo o trabalho e ajuda a fidelizar check-list padrão com os itens checados e apresentar ao
o cliente. De preferência, o orçamento deve ser feito por cliente, uma forma de documentar e orientar, uma prestação
escrito, enviado por e-mail e também depois é recomendável de serviço diferenciada e que mostra a preocupação da
tirar as dúvidas e esclarecer todos os questionamentos por empresa com a satisfação do cliente.
16 | Técnica Reparação Automotiva | Agosto 2013

nytron realiza troca do


tensionador da correia dentada
Texto: Simone Kühl / Colaborou: Silvio Rocha
Empresa explica o procedimento
Fotos: Eduardo P. Amorin

no Mégane 1.6 16V, veículo


este que apresenta maiores
dificuldades por exigir maiores
cuidados em seu sincronismo

Técnicos da Nytron Carlos Vinícius Gibin e Amauri


Guimarães realizam procedimento em veículo cedido
pela Corven

P
or seu projeto não usar travamento de troca com uma maior duração, contudo a Muitos reparadores não utilizam este
das polias por chaveta é necessário fabricante orienta a troca com 70.000 km. kit por dar um maior trabalho, mas a
o uso de ferramentas específicas na não utilização prejudica o sincronismo
hora da substituição do tensionador da DIFERENÇAS NO MÉGANE do motor já que nenhum dos eixos
correia dentada, de acordo com o modelo Para esse procedimento são necessárias são chavetados, podendo prejudicar no
do veículo. ferramentas especiais, que devem ser desempenho, consumo, etc. “Caso
Para isto, os consultores técnicos da área específicas para cada modelo. No procedimento o procedimento não for feito de
de Qualidade Amauri Guimarães e Carlos foi utilizado o Kit de ferramentas da Raven maneira adequada é necessário ocorrer
Vinícius Gibin demonstram como é feito Renault, Código 151001. o retrabalho”.
o procedimento e quais os cuidados que o
reparador deve ter na hora da realização.
Os carros franceses, segundo eles,
possuem uma recomendação do fabricante

Kit de ferramentas da Raven Renault - Código 151001 Produtos utilizados na troca do tensionador da correia dentada
18 | Técnica

Passo-a-Passo da troca do tensionador da correia dentada no veículo


Mégane Prestigi 1.6 16 válvulas, ar, direção elétrica, 2008
1 2

Em primeiro lugar remova a roda dianteira lado direito do veículo e em seguida a capa protetora do para-lama Após, retire a capa de proteção (protetor de carter)
para ter acesso à correia. Após a remoção da capa protetora, remova a correia de acessórios. da parte inferior do veículo.

Para encontrar o PMS do motor remova o bujão lateral do bloco do motor (fig. 1) gire o virabrequim até que a ferramenta encaixe (fig. 2) no contra peso do
virabrequim (fig. 3).

Apoie o motor, desmonte o coxim superior do motor. Remova a tampa de alumínio e os selos dos comandos. Encaixe a ferramenta na parte traseira do comando.

Antes de iniciar o procedimento de instalação dos componentes, verifique se as ferramentas estão corretamente instaladas. Remova a ferramenta de fixação das
polias e solte as porcas de fixação (essa ferramenta é importante para não deixar torcer os comandos). Remova a ferramenta de fixação, a correia, o tensor e
rolamento de apoio.
Após tensionada a correia, aperte os parafusos de fixação das polias com o torque especificado. Monte o novo tensor, encoste o parafuso de fixação, depois a
engrenagem da árvore de manivelas, a correia dentada e o rolamento de apoio, tensione o tensor no sentido horário até que as marcas se alinhem. Após, remova
todas as ferramentas. Confira todos os pontos e gire a árvore de manivelas 2 vezes até alinhar as marcas no comando. Após, realize o procedimento inverso para o
fechamento do motor. E, para finalizar, monte a parte da carenagem e o restante das peças retiradas na hora da desmontagem.
Obs.: Não esquecer de remover o pino lateral e instalar o bujão com seu respectivo torque.
20 | Técnica Reparação Automotiva | Agosto 2013

Passo-a-Passo da troca do tensionador da correia dentada no veículo


Mégane Prestigi 1.6 16 válvulas, ar, direção elétrica, 2008

Motor Renault: Dicas para o correto aperto dos parafusos 120 nm


de fixação das polias com o torque especificado.

1156

Sentido de
tensionamento
horário 45 nm

7759 27 nm
20 nm = 135o
22 | Perfil

TRAILBLAZER
com noVo motor
peugeot 208,
um noVo carro
SUV da Chevrolet traz um novo
propulsor
Compacto3.6L V6 movido
Premium a
é similar
gasolina com 24 válvulas,
ao comercializado na Europa,
comando variável, tração
entre as novidades, traz 4x4
novo
emotor
transmissão automática
sem tanquinho para de 6
velocidades
partida a frio e suspensão

Fotos: Estúdio Prána


Fotos: Estúdio Prána

traseira com molas


Texto: EdisonRagassi
Texto: Edison Ragassi

E
m novembro de 2012, a General é acionado por uma corrente de dentes
Motors lançou o veículo utili- invertidos, a qual segundo a fabricante não corPo de borboleta
tário esportivo (SUV) Chevrolet requer ajustes durante a vida útil do motor.
Trailblazer. O modelo é robusto, preparado Além disso, os pistões são forjados para
para enfrentar todo o tipo de terreno, nele reduzir sua massa.
a empresa estreou o novo motor HFV6 Ele entrega potência de 239 cv a 6.600
movido a gasolina. Ele possui 24 válvulas rpm e torque de 33,5 kgfm a 3.200 rpm.
e 4 comandos de válvulas continuamente “Para acessar os injetores e a flauta, é preciso
variáveis. O sistema de comandos variáveis fazer a desconexão da parte eletrônica,
depois remover o coletor de admissão, para
aMortecedor e freio não ter problemas, sempre que retirar o
O item é de fácil acesso, porém são necessários
coletor é preciso trocar a guarnição, ela não
conhecimentos específicos deste sistema de
deve ser reutilizada em nenhuma hipótese”, injeção e equipamento de leitura para realizar
explica Edson Roberto de Ávila, o Mingau manutenção e reparos
(Departamento Técnico de Manutenção
Preventiva e Corretiva de Autos Mingau).
Os cilindros em V, sendo três de cada filtro de ar
lado, são fáceis de visualizar, “para trocar
as velas do lado esquerdo o acesso é fácil,
porém do lado direito a dificuldade é maior,
ao retirá-las é necessário cuidado para não
danificar o sistema”, fala Antônio Augusto, o
Guto (GPAuto).
Os quatro comandos de válvulas
variáveis também exigem atenção, “é muito
Os amortecedores e freios dianteiros do SUV com importante utilizar o óleo lubrificante
propulsor a gasolina são semelhantes ao modelo recomendado pela fabricante, pois ele
O elemento filtrante do ar está localizado na parte
movido a diesel. Exigem ferramentas específicas não atua só na lubrificação do motor, o superior do motor, deve-se tomar cuidado com os
para um veículo deste porte óleo também atua na parte eletrônica que conectores ao retirá-lo
auxilia no funcionamento dos comandos
Reparação Automotiva | Agosto 2013 Perfil | 23

filtro de óleo filtro de coMbustível Painel

O Chevrolet Trailblazer utiliza filtro de óleo do Localizado na parte de trás do veículo próximo ao O design do painel é semelhante ao utilizado na
tipo ecológico, para retirar e repor o recipiente tanque, é fácil de visualizar e também simples para picape S10, os instrumentos oferecem informações
é necessário utilizar o torquímetro retirar e colocar analógicas e digitais

variáveis”, avalia Mingau.


Itens como os filtros de ar, óleo, Motor
combustível e correia PolyV são de fácil
acesso, o elemento filtrante do óleo é do tipo
ecológico, exige torquímetro para retirar e
colocar o suporte.
Equipado com transmissão automática
de 6 marchas (GR6), a qual conta com o
Active Select, que também permite trocas
manuais. O câmbio utiliza sistema Clutch to
Clutch e o EC3 que gerencia o travamento do
conversor de torque. “A transmissão 6L50 ou
GR6 é conhecida do reparador, as primeiras
unidades surgiram em 2007. Ela segue a
mesma lógica de serviço e manutenção dos
sistemas Hidramatic. É robusta, com 50 kgf,
e suporta bem a motorização e carroceria do
Trailblazer. Tem mudanças suaves e uma boa

susPensão traseira O HFV6 movido a gasolina utiliza 24 válvulas e 4 comandos de válvulas continuamente variáveis. É importante
verificar a especificação do óleo a ser utilizado

relação de desmultiplicação, o que deixa o ocorre no modelo com motor diesel”, comenta
conjunto bastante confortável. Equipa também Maurício Carreiro Blanco, especialista em
o Cadillac STS e SRX assim como o Camaro câmbio automático da TTR Treinamentos.
com motor 6 cilindros. No caso do SUV vem A suspensão dianteira é independente,
equipado com caixa de redução para 4x4 com braços articulados, molas helicoidais,
acionada eletronicamente. O abastecimento barra estabilizadora e amortecedores
da transmissão é feito pelo tubo da vareta telescópicos hidráulicos pressurizados.
O Trailblazer utiliza suspensão do tipo Five-link, e medição de nível. Na versão de motor a Segundo a GM, o Trailblazer não é derivado
com molas helicoidais, barra estabilizadora e
amortecedores telescópicos hidráulicos pressurizados
gasolina é preciso desmontar os canos do da picape S10, apesar da semelhança entre os
escapamento antes de retirá-la, o que não dois modelos. Para confirmar isso, na traseira
24 | Perfil Reparação Automotiva | Agosto 2013

velas não há dificuldades


para trabalhar nos
freios, é só seguir o
padrão para reparo
dos sistemas de
frenagem com ABS”,
diz Guto.
E a direção é do
tipo pinhão e crema-
lheira, com assistên-
cia hidráulica.
As localizadas do lado direito são mais simples para O sistema de
acessar do que as colocadas no lado esquerdo
tração 4x2 e 4x4 Os reparadores que avaliaram no CTRA o Trailblazer gasolina, Edson Roberto de Ávila,
High/Low é acio- o Mingau (diretor do Departamento Técnico de Manutenção Preventiva e Corretiva de
Autos Mingau), Maurício Carreiro Blanco (especialista em câmbio automático da TTR
a suspensão é diferente da que equipa a picape nado eletroni- Treinamentos) e Antonio Augusto, o Guto (diretor da GPAuto).
S10 que usa feixe de molas. No SUV é do tipo camente “Shift on
Five-link, com barra estabilizadora, molas the Fly” por meio de um seletor no painel, 7 ocupantes, com propulsor V6 gasolina o
helicoidais e amortecedores telescópicos dispensa alavanca e permite trocas com o custo é de R$ 133.000.
hidráulicos pressurizados. “Elas são fáceis carro em movimento.
de realizar manutenção, exigem ferramentas O comprimento total é de 4.878 mm, sua Ficha técnica
específicas de um veículo deste porte e largura é de 2.132 mm e altura de 1.841 mm,
para alinhar o procedimento é o comum”, o que permite transportar até 7 pessoas. A
avisa Mingau. capacidade do porta-malas traseiro vai
Chevrolet Trailblazer LTZ
Outra diferença do SUV em relação à de 205 litros a 1.830 litros. O sistema de Motor - Modelo: Chevrolet 3.6 VVT -Disposição:
picape está no sistema de freio traseiro, já climatização possui controle eletrônico Longitudinal - Número de cilindros: 6 em V -
que ele é equipado com discos ventilados de de temperatura, além de uma unidade de Cilindrada: 3.564cm³ - Válvulas: DOHC, 4
318 x 18 mm e lonas no freio de estacionamento, controle adicional para os passageiros dos válvulas por cilindro - Injeção combustível: MPFI
enquanto que a S10 utiliza tambores e sapatas. bancos traseiros, juntamente com quatro - Taxa de compressão: 10,2:1 - Potência máxima
Na dianteira são discos ventilados de 300 x 27 saídas de ar. O Chevrolet Trailblazer só é líquida: 239 cv a 6.600 rpm - Torque máximo
líquido: 33,5 kgfm a 3.200 rpm - Combustível
mm é equipado com ABS e EBD. “Também vendido na versão LTZ topo de linha para recomendado: Gasolina - Transmissão - Modelo:
GR6 - Automática de 6 velocidades, com opção
Custos de peças e serviços de troca sequencial - Suspensão - Dianteira:
Chevrolet Trailblazer LTZ V6 Gasolina Independente com braços articulados, molas
Serviço helicoidais, barra estabilizadora e amortecedores
Amortecedores dianteiros: ...................................R$ 599,72 ............................................R$ 140,00 telescópicos hidráulicos pressurizados. - Traseira:
Five-link, com molas helicoidais, barra estabili-
Amortecedores traseiros: .....................................R$ 663,32 ............................................R$ 140,00 zadora e amortecedores telescópicos hidráulicos
Discos de freios dianteiros: ..................................R$ 772,56 ..............................................R$ 80,00 pressurizados. - Direção: Pinhão e cremalheira,
Jogo de pastilhas dianteiras:................................R$ 605,61 ..............................................R$ 60,00 com assistência hidráulica. - Freios - Tipo:
Discos ventilados nas 4 rodas com ABS e EBD
Discos de freios traseiros:.................................R$ 1.072,40 ............................................R$ 140,00
- Diâmetro x espessura (mm): Discos: 300 x 27
Jogo de pastilhas..................................................R$ 397,53 ..............................................R$ 60,00 (D); 318 x 18 (T) - Rodas/Pneus - Tamanho e
Óleo/ litro:...............................................................R$ 47,00 ........................................................... - tipo: 7,5J x 18; liga leve - Pneus: 265/60 R18
Dimensões - Distância entre eixos: 2.845 mm
Filtro de óleo:........................................................R$ 121,68 ........................................................... -
Comprimento total: 4.878 mm - Largura total:
Filtro de ar: ...........................................................R$ 122,53 ........................................................... - 2.132 mm - Altura: 1.841 mm - Altura mínima do
Filtro de combustível: .............................................R$ 53,33 ........................................................... - solo: 232 mm - Ângulo de ataque: 32º - Ângulo
Filtro anti-pólen: ...................................................R$ 124,80 ............................................R$ 120,00 de saída: 21º - Peso em ordem de marcha: 2.157
kg - Capacidades - Porta-malas: 235 a 1.830
Óleo transmissão automática/ litro: .......................R$ 37,50 ............................................R$ 120,00 litros - Tanque de combustível: 76 litros
Velas: ....................................................................R$ 513,00 ........................................................... -

Colaboraram: General Motors do Brasil e Grupo Carrera


26 | Mercado

a eScaSSez de
mão de oBra

Entidades e instituições apresentam alternativas em cursos para formação e


especialização do profissional da reparação
Texto: Redação

C
omum em todos os segmentos do comprometendo a expansão, produtividade da reparação”.
mercado, a escassez de mão de obra e consequentemente a competitividade das Também de acordo, o professor da Escola
qualificada é um problema que cresce empresas nos mercados em que atuam”. SENAI Conde José Vicente de Azevedo –
cada vez mais, em especial no segmento Desta forma, ela explica que há um Ipiranga, Mauro Alves, ressalta que as ofertas
automotivo que, com o aumento da frota e déficit na formação técnica de mão de obra de qualificação devem ser analisadas em
novas tecnologias, exige uma atualização especializada no país, nas funções técnicas relação a esta carência de profissionais.
constante do profissional. de base em geral, e com isto as empresas “Entendemos que o SENAI não é a única
Para isto, profissionais da reparação devem buscar alternativas para lidar com instituição responsável pela qualificação de
devem procurar se atualizar e investir na sua essa realidade. todos os profissionais do país, mas somos
qualificação e, através das entidades, escolas uma entidade importante que oferece sua
profissionalizantes e fabricantes, buscar por ausÊncia dE profissionais contribuição na formação de profissionais”.
treinamentos e suporte técnico. Para o diretor Executivo/Financeiro Para isto, Alves conta que das 91
da Prána Editora & Marketing, Bernardo unidades existentes no estado de São Paulo
cEnÁrio EconÔmico Tupinambá, a escassez de mão de obra na 25 desenvolvem cursos de qualificação
Segundo a consultora do Sebrae- reparação não é uma novidade no mercado. para a área de reparação automotiva, desde
SP, Suely Mioto, o cenário de economia “Desde que iniciamos a editora, há 7 anos, formação inicial, como técnicos e formação
aquecida nos últimos anos favoreceu o ouvimos falar da falta de profissionais continuada, inclusive no SENAI Ipiranga no
desenvolvimento da atividade econômica qualificados”. qual atua.
do país e o surgimento de novos postos de Um dos agravantes para esta ausência Bernardo também enxerga uma deficiência
trabalho, demandando novas habilidades e em sua visão é a falta de oferta de cursos. na especialização do profissional. “Para isto,
competências dos profissionais. “As instituições para a qualificação e temos o CTRA (Centro de Treinamento
“A escassez de profissionais qualificados especialização que existem no mercado da Reposição Automotiva) que, além de
tem atingido, em maior ou menor grau, ainda não conseguem abastecer todo informar sobre as novidades e lançamentos de
todos os segmentos da nossa economia, o contingente de profissionais do setor equipamentos, tem cursos de especialização”.
Fotos: Divulgação

Suely Mioto, do Sebrae-SP Bernardo Tupinambá, da Prána Editora & Marketing Mauro Alves, do SENAI
Reparação Automotiva | Agosto 2013 Mercado | 27

invEstimEnto no profissional
Segundo o professor do SENAI, existem
outros dados que também influenciam esta
carência, além da oferta de cursos, como:
o desempenho econômico, outros setores
mais atrativos e rentáveis, e a falta de
investimento das empresas na capacitação
dos funcionários.
“O investimento das empresas é um
fator muito importante e percebemos que
José Palacio, do IQA algumas organizações já possuem na área de Antonio Fiola, do Sindirepa Nacional
Recursos Humanos proposta de capacitação e Sindirepa-SP
Evolução tEcnológica para a equipe. As empresas estão começando atualizado e faça cursos na área de gestão
Para o coordenador de Serviços a perceber esta necessidade”, afirma. para o aperfeiçoamento na administração
Automotivos do IQA, José Palacio, outro fator Outra estratégia adotada, segundo Suely, do negócio. “O empresário precisa ter
que explica esta escassez é o crescimento é a revisão das competências, qualificações conhecimento de várias áreas”, afirma.
da frota. “O aumento da produção de e experiência exigidas dos profissionais Já para a consultora do Sebrae,
veículos e novas tecnologias exigiu um no momento da contratação, abrindo mão informação atualizada é a matéria-prima
aumento do número de profissionais e de algumas qualificações e investindo fundamental para a tomada de decisão, e se
atualização constante”. posteriormente no treinamento desses transforma em aprendizagem e conhecimento
Com a evolução tecnológica cada vez profissionais na empresa. quando gera oportunidades de inovar no
mais presente nas oficinas, o presidente do ambiente empresarial.
Sindirepa Nacional e Sindirepa-SP, Antonio trEinamEnto intErno
Fiola, explica que o conhecimento técnico Para capacitar a equipe, Palacio informa parcErias
profissional se tornou essencial para que que, dentro do trabalho de certificação do De acordo com Palacio, o apoio das
seja possível fazer os reparos nos veículos. IQA, é incentivado o treinamento de diversas empresas para a capacitação da equipe
Desta forma, as oficinas e, maneiras, através do SENAI, dos sindicatos e é essencial para o setor. “Por isso, na
principalmente, as concessionárias, buscam também treinamentos internos. certificação enfatizamos ao empresário a
funcionários mais habilitados. “Com isso, Este treinamento é realizado por importância de investir na qualificação de
acaba-se pagando mais e tirando este um profissional da equipe já formado seus funcionários”.
de uma concessionária para colocar em em determinada área, que transmite seu Também com parcerias para o
outra, quando o correto seria investir na conhecimento para o restante. “Contudo, aprimoramento do profissional, só no SENAI
capacitação da equipe”, defende Palacio. sabemos que isto apenas não é suficiente, é de São Paulo na área automotiva existem
necessário um treinamento mais intenso, mais de 60 parceiros, entre eles empresas
acEsso à informação como o SENAI proporciona”. montadoras de veículos, fabricantes de
Na visão de Fiola, as oficinas têm Nas avaliações e auditorias, o IQA autopeças, equipamentos e manutenção.
dificuldade em investir em capacitação recomenda e incentiva o treinamento para Nestas parcerias, a entidade disponibiliza
profissional, pois precisam cuidar do dia o profissional. “A empresa pode levantar a estrutura e metodologia de ensino para
a dia para atender a demanda. “Por isso, o as principais dificuldades e também pedir qualificar os profissionais encaminhados
Sindirepa-SP possui o programa Empresa por treinamentos para os fabricantes do pela empresa parceira e também para
Amiga da Oficina”, conta. produto”, orienta. qualificar os demais alunos da escola.
Por entender que os reparadores são “Para se tornar um parceiro, a empresa
os formadores de opinião, as empresas atualização constantE deve ligar para o SENAI para obter
investem em ações para este público. “O “Para quem está no mercado e não quer mais informações através de um setor
problema é que temos no Brasil mais de perder seu emprego, a atualização deve ser específico para parcerias, onde é analisada
93 mil oficinas espalhadas e fica difícil constante, pois com a entrada de carros sempre a necessidade da empresa e são prestados
levar informação a localidades mais surgem novas tecnologias e sistemas. Para isto todos os esclarecimentos”.
distantes”, lamenta. oferecemos os cursos de aperfeiçoamento e Para Bernardo, a parceria também é
Fiola lembra que o SENAI possui especialização”, avisa Mauro Alves. de grande valor para o aprimoramento do
diversos cursos voltados aos reparadores, Segundo Fiola, a capacitação profissional profissional.“No CTRA as indústrias utilizam
mas não possui unidades em todas as e atualização das informações são as nosso espaço para treinar o reparador na
regiões do País, “o que acaba dificultando o principais ferramentas para garantir instalação correta de seus produtos”.
acesso à capacitação”, emenda. serviços de qualidade e clientes satisfeitos. E também quando surgem lançamentos
Também informa que os fabricantes “Estamos vivendo a era da informação e do e novidades nos modelos de peça, a indústria
de autopeças e equipamentos promovem conhecimento técnico na reparação e isso é através do CTRA reúne os reparadores para
vários cursos gratuitos para os profissionais, um caminho sem volta”. passar por meio de palestras e treinamentos
porém não conseguem dar conta da carência Também é importante ressaltar que é as informações necessárias sobre seus
do mercado por treinamentos. necessário que o reparador se mantenha novos itens.
28 | Mercado Reparação Automotiva | Agosto 2013

AçõES DO SEBRAE

Gestão empresarial

Foto: Alexandre Akashi


O Sebrae-SP, de acordo com Suely Mioto, oferece palestras
e cursos voltados à profissionalização da gestão empresa-
rial dos pequenos negócios e também dispõe de consul-
torias especializadas em diversas áreas de conhecimento
que visam fortalecer e ampliar a visão empresarial, como:
Administração, RH, Finanças, Jurídico, Marketing, Processos,
Comércio Exterior e TI.
O empresário poderá entrar em contato com os diversos
canais disponibilizados pelo Sebrae-SP (site, facebook,
twiter, 0800) para obter informações sobre palestras,
cursos ou consultorias de seu interesse.
No portal do Sebrae-SP (www.sebraesp.com.br) é possível
acessar, gratuitamente, os cursos de gestão online, entre Palestra para oficinas realizada na sede do Sebrae-SP na região do Tatuapé (escritório regional
outras informações. Capital Leste I)

AçõES DO SENAI

Formação do profissional
Com o objetivo de formar profissionais e atender às carências de mão de obra no setor, o SENAI possui diversos cursos gratuitos.
Nível básico: Curso de Aprendizagem Industrial, indicado para jovens que buscam a primeira qualificação, disponíveis para alunos também de 14
anos com o ensino fundamental completo. Curso gratuito. Duração de 2 anos (1.600 horas). A cada semestre são abertas as inscrições para
novas turmas.
E Curso de Formação Continuada para profissionais que já estão no mercado e pretendem buscar uma reclassificação ou mudar de área. Nas 25 es-
colas do estado existem 60 cursos diferentes nas áreas de suspensão, motor, funilaria, pintura, elétrica, mecânico de veículos pesados, entre outros.
Duração: 40 a 160 horas.
Nível médio: Curso Técnico em Manutenção Automotiva, disponível em todos os períodos: manhã, tarde e noite. Para profissionais que já possuem
o ensino médio concluído. Curso gratuito. Duração: 2 anos (1.200 horas).
Nível superior: O SENAI também possui faculdades para a escolha do profissional. Um dos destaques da entidade é o curso recém-lançado em
2012 de Tecnologia em Sistemas Automotivos. Iniciado semestralmente com vagas para 40 alunos. Duração: 2.880 horas.

Processo Seletivo
Para os cursos de Formação Inicial, Aprendizagem Industrial e Técnicos, existe um vestibular e a cada semestre são divulgados os períodos para as
inscrições. “Como a procura tem sido grande, o número de candidatos costuma ser maior que o número de vagas”, conta o professor Mauro Alves.
E, para os demais cursos de Formação Continuada, as datas são divulgadas e os candidatos se inscrevem, a matrícula é realizada por ordem de
inscrição. “Quando lota uma turma formamos outra”, esclarece.
“Apenas na unidade Ipiranga nos cursos de qualificação nível básico Aprendizagem Industrial e Técnico e médio temos cerca de 800 alunos matricu-
lados”, conta.
Na área automotiva, o SENAI de São Paulo forma mais de 32 mil profissionais por ano nos mais diversos cursos, incluindo os de Formação Conti-
nuada (de curta duração), Cursos de Aprendizagem Industrial e Curso Técnico. Mais informações sobre os cursos podem ser encontradas no site do
SENAI: www.sp.senai.br.

Mercado de trabalho
De acordo com Alves, o SENAI encaminha os alunos para o mercado de trabalho através da área de coordenação de estágio. “Também temos um
quadro nas escolas com oportunidades de emprego divulgadas pelas empresas”.
E, além disto, as empresas também têm o costume de procurar o SENAI para indicações de vagas. “Analisamos a necessidade da vaga e a turma
que tem este perfil, e indicamos para as empresas os alunos condizentes com a vaga”.
Fotos: Mário Castello

SENAI Ipiranga Automobilística


30 | Mercado Reparação Automotiva | Agosto 2013

AçõES DO SINDIREPA-SP

Programas para o reparador


Como iniciativas para a capacitação do mercado reparador, o Sindirepa-SP tem o programa Empresa Amiga da Oficina. “Os
fabricantes sabem que precisam orientar os reparadores para garantir participação de mercado, pois são eles que decidem
qual peça vão aplicar no veículo do consumidor”, esclarece Antonio Fiola.
Este programa já tem a adesão de mais de 40 fabricantes de autopeças e equipamentos que realizam palestras técnicas
gratuitas e levam informação ao reparador de várias cidades do Estado de São Paulo.
Por este programa, o Sindirepa-SP realiza uma série de palestras em várias cidades do estado de São Paulo. “As empresas de
reparação de veículos interessadas em inscrever seus colaboradores para participarem das palestras gratuitas devem entrar em
contato com Karina Metello pelo telefone (11) 5594-1010 ou pelo e-mail - karina@sindirepa-sp.org.br”.

Importantes parcerias
Além deste programa, a entidade pretende intensificar cursos e treinamentos voltados ao aperfeiçoamento profissional por meio de parceria com o
SENAI e manter o apoio aos projetos de capacitação de grupos de oficinas de todo o Estado de São Paulo.
“Também será avaliada a competência profissional pelo Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade, tendo o SENAI Nacional como organismo
acreditado pelo Inmetro. Desta forma, será possível promover a melhoria da capacitação profissional do setor da reparação de veículos no Brasil”.
O processo de formalização do convênio com o SENAI Nacional está em estágio avançado para a implantação da certificação voluntária de pro-
fissionais automotivos a exemplo de outras atividades que já possuem essa comprovação de qualificação, como o turismo e a construção civil. “O
caminho deliberado pelo GMA também contempla o modelo acreditado pelo governo federal, garantindo credibilidade ao processo”, complementa.
A entidade também acaba de firmar parceria com o CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola), que facilita o trâmite e a contratação dos candida-
tos e permite que o setor de reparação forme a sua mão de obra especializada com a vantagem de desonerar a folha de pagamento, uma vez que
o estágio não gera vínculo trabalhista.

AçõES DO CTRA

Especialização para o reparador

No mercado há 2 anos, o CTRA (Centro de Treina-


mento da Reposição Automotiva) surgiu para suprir
a necessidade do mercado na área de especializa-
ção técnica dos profissionais da reparação, além
de oferecer um espaço exclusivo para palestras e
eventos para todos os elos da cadeia.

“Nós escutávamos muito da indústria que o maior


índice de peças devolvidas na garantia era por
má aplicação, por isso criamos o CTRA”, ressalta
Bernardo Tupinambá, diretor do Centro. “Nós, do
CTRA, ainda não temos a pretensão de formar
mecânicos, nossos cursos são voltados para a
especialização”, explica.

Cursos disponíveis:

• Multímetro automotivo;
• Balanceamento e alinhamento;
• Injeção eletrônica;
• Suspensão automotiva;
• Transmissão automática;
• Mecânica de motor Ciclo Otto;
• Utilização de scanner;
• Eletricidade;
• Montagem e desmontagem de motores,
• Eletrônica embarcada, entre outros.

Para se inscrever, o profissional pode entrar em


contato com a Prána Editora & Marketing pelo
telefone (11) 5084-1090 e falar com Wanderlei
Castro, responsável pelo CTRA, ou Elis Lanes para
o cadastramento.

Além disto, o aluno também pode se inscrever


através do portal do CTRA (www.ctra.com.br) pre-
enchendo uma ficha para o cadastro. “E, em toda
a edição do jornal Reparação Automotiva, temos
a grade com os cursos com os preços e horários”,
finaliza Bernardo.
31 | Lançamento Reparação Automotiva | Agosto 2013

chegou o new FieSta Sedan


Sedã compacto Premium da Ford ganha motor sem tanquinho de partida a frio, câmbio automático
de dupla embreagem e 6 velocidades, e a nova identidade visual global
Texto: Edison Ragassi

Foto: Divulgação
D
ia 4 de julho, em Campos do Jordão
(SP), a Ford mostrou para a imprensa
especializada brasileira o New Fiesta
Sedan 2014. Diferente do hatch feito em SBC,
o sedã é produzido no México, utiliza o motor
Sigma 1.6 TiVCT, com comando de válvulas
variável, feito em Taubaté (SP). Entrega potência
de 125,4 cv (G)/129,8 cv (E) a 6.500rpm e torque
de 15,38 kgfm a 4.250rpm (G)/ 16,02 kgfm a
5.000rpm (E). Este propulsor traz a tecnologia
Ford Easy-Start, fornecida pela Bosch, que
elimina o tanquinho de partida a frio.
São duas as transmissões disponíveis para o
modelo: a manual de cinco velocidades IB5 e a SYNC com comandos de voz em português. pacote de acabamento Titanium (painel central
automática de dupla embreagem PowerShift de Seu preço sugerido para venda é de R$49.990 na em “black piano” e grade dianteira cromada). O
6 marchas, também feita no México em parceria versão manual e com a transmissão automática preço é de R$55.340 com câmbio manual e de
com a GETRAG. PowerShift sai por R$53.640. Já o topo de linha R$58.990 na opção automática PowerShift.
A versão SE vem equipada com direção Titanium, além dos itens da SE, oferece também: A expectativa da Ford é de que os volumes
elétrica, vidros elétricos com abertura e 7 airbags, bancos e volante em couro, rodas de de vendas desta nova geração do New Fiesta
fechamento global, freio ABS, duplo airbag, liga leve de 16 polegadas, controle automático de Sedan permaneçam as mesmas da versão
sistema AdvanceTrac com controle eletrônico velocidade, sensor de estacionamento traseiro, anterior, ou seja, em 2012, segundo os dados
de estabilidade e tração e assistente de partida sensor de chuva, acendimento automático dos levantados pela Fenabrave, foram emplacadas
em rampa, ar-condicionado digital e sistema faróis, espelho retrovisor interno eletrocrômico e 2.145 unidades do modelo.
32 Reparação Automotiva | Agosto 2013

Cobra Automotiva anuncia novo site


O projeto digital foi desenvolvido
pela agência VM2 com a missão de
apresentar os melhores produtos
e atualizar os clientes sobre o
que há de novo no mercado
(www.cobraautomotiva.com.br). Todo
o conteúdo foi organizado em seções,
Magneti Marelli Aftermarket lança 30 que são: institucional; notícias sobre

novos e competitivos códigos de molas


a empresa, eventos automobilísticos e dicas gerais; seção técnica; catálogo
de produtos; mapa com as unidades da Cobra Automotiva no país e espaço
de suspensão exclusivo para contato e esclarecimento de dúvidas. Os ícones que levam o
usuário para as redes sociais também foram evidenciados.
s do grupo Magneti
A Magneti Marelli Cofap Autopeças, unidade de negócio
anuncia a revitalização do seu catálog o de peças para suspensão
Marelli,
de 30 novos modelo s de molas helicoid ais. Os 30 novos
com o lançamento
Novo Palio, Novo
códigos são destinados aos modelos Idea, Grand Siena,
zer, da General
Uno e Uno Way, da Fiat; Montana, Cruze, Spin, S-10 e TrailBla
Motors; F-250 Diesel Cabine Dupla, da Ford, e Corolla 1.6 e 1.8, da Toyota. Investimentos Autho Mix continuam
fortes no 2º semestre
A marca Autho Mix
(www.authomix.com.br)
aposta em um segundo
Grupo Apul Fotos: Divulgação semestre de ótimos
resultados. Enxergando
O Grupo Apul começo as oportunidades
u a
história em 1974 na cida sua do segmento, os
de de
Santa Maria com a inaugur investimentos Autho Mix
ação da
Auto Peças Universitária. em estoque, expansão de pontos de venda e relacionamento com os
No início
estava voltada para a clientes serão intensificados. A marca conta com aproximadamente
reposição
de peças automotivas e 1.000 itens à disposição e se tornou sinônimo de qualidade original e
hoje oferece as mais var
reparação automotiva. Em iadas
2011 foi inaugurado o cen soluções para pós vendas diferenciado, por isso acredita que estes investimentos
em Por to Alegre, consoli tro de treinamento em produtos, disponibilidade aos clientes e uma linha de comunicação
dando a presença do Gru
Rio Grande do Sul. O cen po Apul em todo o que transmita ainda mais segurança, tanto para quem vende como
tro de treinamento visa o
capacitação de profissiona aperfeiçoamento e a para quem aplica, serão os alicerces do sucesso para o término deste
is.
ano e para os anos que seguem.

Consciência Socioambiental gera IQA reformula site visando mais interatividade


renda para Associação do Excepcional
Referência em Qualidade no setor
de Limeira automotivo, o IQA - Instituto da Qualidade
Seguindo os princípios da Lei nº 13.305/10, que instituiu a Política Automotiva, acaba de renovar seu site
Nacional dos Resíduos Sólidos (PNRS), a Wahler desenvolveu um projeto (www.iqa.org.br) com a inclusão de
para gerenciar os resíduos de embalagens de madeira, tendo como foco uma série de melhorias para aumentar
a não geração, a redução e a reciclagem desse material. Hoje, com o a interatividade, assim como facilitar a
projeto adequadamente aplicado, 60% desses resíduos de madeira foram comunicação com os diversos públicos
reduzidos com o desenvolvimento de sistema de embalagem metálica que atua. Entre as novidades, destaque para
retornável. Os outros 40% são destinados à APAE (Associação de Pais o visual mais limpo e interativo, além da
Além
e Amigos do Excepcional) de Limeira – SP, onde a Wahler doa todo seu adoção de tecnologias que facilitam a busca de qualquer assunto sobre qualidade.
disso, o site conta agora com uma nova área de e-commerc e, onde o usuário pode adquirir
inservível de madeira e a instituição realiza o trabalho de reforma de
pallets captando recursos para contribuir com as despesas da entidade. as publicações e treinamentos oferecidos pelo IQA, de forma rápida, simples e segura.

Sindirepa-SP promove
palestras gratuitas para
Corteco anuncia primeiros
ganhadores da promoção reparadores em várias cidades
“Goleada de Prêmios” O Sindirepa-SP, por meio do programa Educação
s
A Corteco, divisão de reposição automotiva da Freudenberg-NOK, Continuada, promove palestras técnicas gratuita
divulgou os primeiros felizardos ganhadores da promoção “Goleada em várias regiões do Estado de São Paulo, com a
de Prêmios” (www.goleadacorteco.com.br). Os participantes José participação de fabricantes de autopeças e equipamentos,
Roberto Soares de Abreu e Evaldo Santana Macieira ganharam o que fazem parte do projeto Empresa Amiga da Oficina,
prêmio principal e garantiram seus lugares na área VIP de camarotes do iniciativa da entidade. As empresas de reparação de
estádio em um dos jogos do Brasil na primeira fase no campeonato de veículos interessadas em inscrever seus colaboradores
futebol mais importante do mundo ano que vem, com todas as despesas para participarem das palestras gratuitas devem entrar
pagas. “É a maior campanha que já fizemos e, até abril de 2014, dará em contato com Karina
milhares de prêmios aos reparadores que indicarem as soluções de alta Matello pelo telefone (11)
tecnologia do portfólio da Corteco aos seus clientes”, afirma Luiz Freitas, 5594-1010 ou pelo e-mail -
diretor de Marketing da Freudenberg-NOK América do Sul. karina@sindirepa-sp.org.br.
33 Reparação Automotiva | Agosto 2013

Site NGK oferece oportunidade de Conarem: parceria


aperfeiçoamento para profissionais do setor com corretora para
automotivo oferecer modalidades de
A NGK mostrou em abril um novíssimo e moderno site
(www.ngkntk.com.br) para as marcas NGK e NTK. Como coberturas às retíficas
principal destaque, o site é uma fonte de aperfeiçoamento Com o objetivo de proteger patrimônio das
técnico para profissionais do setor. O portal oferece cursos empresas de retíficas de veículos, o Conselho Nacional de Retíficas de
específicos sobre a função da vela, o que determina a Motores (Conarem) firmou parceria com a corretora MultipluSeguros
capacidade de dissipar o calor das velas, tipos de velas que já está oferecendo todos os tipos de seguros, com condições
e informações sobre como inspecionar, avaliar e realizar especiais da Tókio Marine Seguradora, para os associados da entidade.
a troca do item. As retíficas também podem contar com serviços emergenciais de
chaveiro, substituição de telhas, reparos hidráulicos e elétricos,
desentupimento, vigilância, limpeza da empresa, entre outros. Para
obter mais informações ou cotação, basta ligar para (11) 3071-2771 ou
enviar e-mail para andrea@multipluseguros.com.br.

Kitest Equipamentos lança novo site Mastra promove concurso cultural para
reparadores
A Mastra Escapamentos e Catalisadores
está promovendo um concurso
cultural que irá contemplar 3 (três) repara
dores com analisadores de
gases. Para participar o reparador deve
completar uma cartela com
selos que serão distribuídos pelos consu
ltores de vendas e criar uma
frase utilizando as palavras CATALISADOR
e VIDA. Haverá um cupom a
ser preenchido disponibilizado nos ponto
s de venda participantes que
deverá ser depositado nas urnas colocadas
nessas lojas até 31/07/2013.
A divulgação dos vencedores será feita
no dia 15/08/2013 através de
contato da Mastra e da rede social da empre
sa pelo www.facebook.com/
A Kitest Equipamentos Automotivos lança seu novo site mastraescapamentoscatalisadores.
(www.kitest.com.br). Nele, o usuário encontrará lançamentos de
produtos, feiras que a empresa participa, informações técnicas
como tabelas referentes aos equipamentos fabricados, que têm
uma grande utilidade para o reparador, vídeos demonstrativos e Orbi Química investe em treinamentos no CTRA
auto explicativos, além de visualizar o grande leque de produtos que
a empresa dispõe ao reparador.

Tuper investe em vários


programas de capacitação para
reparadores
A Tuper Escapamentos e Catalisadores tem intensificado o A Orbi Química, empresa de capital 100% nacional, com sede no município de Leme (SP), lançou no
programa de treinamentos com o apoio a várias iniciativas que dia 3 de agosto um programa de treinamento exclusivamente desenvolvido para os representantes e
visam promover a capacitação da mão de obra no setor de distribuidores da marca. Os treinamentos acontecem no Centro de Treinamento da Reposição Automotiva,
reparação de veículos. Desta forma, a fabricante realiza várias CTRA, localizado na capital paulista. Para mais informações sobre os encontros, os interessados deverão
ações que levam conhecimento técnico sobre a instalação do entrar em contato com um representante da Orbi Química ou pelo e-mail vendas@orbiquimica.com.br.
sistema de exaustão a lojistas e reparadores, e participa do
Programa Empresa Amiga da Oficina, criado pelo Sindirepa-SP.
Os interessados em participar devem entrar em contato com o Minasparts potencializa o
Sindirepa-SP pelo telefone (11) 5594-1010 e
e-mail: sindirepa@sindirepa-sp.org.br. mercado de autopeças de
Minas Gerais
Programada para acontecer dos dias 21 a 24 de agosto
no Expominas de Belo Horizonte, a segunda edição
Goodyear recebe prêmio Bravo da Minasparts – Feira da Indústria de Autopeças e
Reparação Automotiva – aponta para a consolidação do setor de autopeças em Minas Gerais e para a
Trade Americas inclusão do estado no rol dos grandes eventos automotivos do país. A expectativa da Diretriz, organizadora
The Goodyear Tire do evento, e do Sincopeças-BH é reunir, no período de quatro dias da Minasparts, 180 marcas expositoras
& Rubber Company para um público estimado em 25 mil visitantes qualificados e com poder de decisão.
tem o orgulho de
ser reconhecida pelo
Latin Trade Group e
receber o primeiro MANN+HUMMEL nomeia novo diretor de Vendas de
Reposição e Marketing Brasil
prêmio Trade
Americas na 19ª edição do BRAVO Business Awards, que
acontece no dia 25 de outubro, em Miami (EUA). O sucesso Trata-se de Pedro
da Goodyear na região é devido em grande parte à ênfase A MANN+HUMMEL Brasil nomeia novo diretor de Vendas de Reposição e Marketing.
com MBA em Gestão Comercial pela FGV, que está na MANN+HU MMEL há
dada a ouvir o usuário final. A Goodyear tem uma das redes Ortolan, engenheiro mecânico,
de vendas. Sua expectativa é levar a empresa à liderança
de distribuição de pneus mais eficientes na América Latina, mais de dez anos, onde começou como consultor
quem assume é Raul
resultado de parcerias estratégicas e trabalho em equipe de vendas do mercado de reposição para linha leve até 2018. Na vaga de Pedro Ortolan,
dez anos, atuando nas
desenvolvidos com os distribuidores. Cavalaro. Graduado em Engenharia de Produção Mecânica, trabalha na organização há
áreas de Produto, Marketing e Vendas para o canal OES.
34 | Indústria | Artigo Reparação Automotiva | Agosto 2013

tech center certiFicação de


Valeo autopeçaS
Com um programa de suporte técnico ao
consumidor, objetivo é estreitar o relacionamento
na reparação

Foto: Divulgação
e minimizar ainda mais os casos de garantia Texto: Antonio Fiola
Texto: Redação Porta-voz do GMA - Grupo de Manutenção
Automotiva – Programa Carro 100% -
www.carro100.com.br e presidente
do Sindirepa Nacional
e Sindirepa-SP

A
Fotos: Divulgação
certificação de autopeças, homologada com o selo Inmetro,
garante a qualidade do produto no mercado de reposição e
favorece o consumidor que poderá exigir peças de qualidade
comprovada. Também é uma forma de regular o mercado e evitar a
comercialização de produtos que não atendem às mínimas exigências
técnicas e que podem colocar em risco a segurança do consumidor.
É importante ressaltar que esse trabalho partiu da indústria e envolve
uma série de processos, estudos e testes para comprovar a qualidade
dos produtos. Depois é publicada portaria que obriga a exigência da

S
certificação compulsória. A partir da data de publicação da Portaria, são
empre em busca da inovação e qualidade em seus 90 anos de atuação no estipulados prazos para que fabricantes dos componentes (18 meses),
setor, a Valeo destaca seus novos investimentos em garantia e suporte distribuidores (24 meses) e varejo (36 meses) se adaptem às novas regras
técnico aos profissionais, através da implementação em seu SAC, o Tech estabelecidas. O trabalho, coordenado pelo Sindipeças, tem sido realizado
Center Valeo. por grupo de produtos. Já é obrigatória a comercialização de produtos
De acordo com Fernando Passos, diretor geral com o selo do Inmetro para os seguintes produtos: catalisadores, pneus,
da Valeo Service América do Sul, e Cleide Semensato, rodas e vidros de segurança laminados para parabrisas e temperados para
da área de Marketing, a empresa conta com um veículos rodoviários automotores.
atendimento especializado para os clientes em todo Desde janeiro de 2013, passaram a ser fabricados com o selo do
o território nacional. Inmetro: amortecedores de suspensão, bombas elétricas de combustível
No primeiro trimestre deste ano foi implantado para motores do ciclo Otto, buzinas ou equipamentos similares utilizados
no SAC o Tech Center Valeo, que mudou a forma de em veículos rodoviários automotores, pistões de liga leve de alumínio,
treinamento e garantia, agora o atendimento é mais pinos e anéis de trava (retenção), anéis de pistão, bronzinas e lâmpadas
receptivo e ativo, e os técnicos procuram entender o para veículos automotivos. A comercialização desses produtos, com o selo
problema e conversar mais com o cliente, além da troca da peça. do Inmetro, será obrigatória a partir de julho de 2014.
O consultor técnico prioriza manter uma relação com o consumidor, de Também começam a ser produzidas, com o selo do Inmetro, as
forma a oferecer todo o suporte técnico na ligação, minimizando os casos baterias e a comercialização será obrigatória no final de 2014. Já terminais
de garantia, onde apresenta também o catálogo eletrônico e os lançamentos de direção, barras de direção, barras de ligação e terminais axiais devem
da empresa. começar a ser fabricados com o selo do Inmetro em novembro deste ano e
Para contatar o Tech Center Valeo nas principais regiões a comercialização em maio de 2014.
metropolitanas do país, o número é 3004-5693. E nas demais localidades A fiscalização no comércio é realizada pelo IPEM – Instituto de
o serviço pode ser acessado pelo número 0800 770 5693, ou através do Pesos e Medidas, mediante denúncia que pode ser feita, inclusive, pelo
email faleconosco@valeoservice.com.br para todo o Brasil. consumidor e também por meio de operações pontuais do órgão em várias
“O objetivo é entender mais as dúvidas dos reparadores. Buscamos regiões do País. Em caso de irregularidades, o comércio será autuado e
excelência em nosso atendimento”, enfatiza Cleide. “Não viemos para fazer pode ser multado pelo órgão fiscalizador.
o básico, mas sim o nosso melhor. Por isso, me cobro muito junto com toda A certificação de autopeças é uma iniciativa que visa facilitar a
equipe para oferecer sempre o melhor”, conclui Passos. identificação de autopeças de qualidade e coibir a falsificação e traz
PARTICIPAçãO benefícios para toda a cadeia produtiva do setor de reposição.
É uma forma também de garantir a qualidade dos serviços na
Em 2012 a empresa apresentou um
reparação, uma vez que a peça é o item primordial que envolve todo o
volume de vendas mundial de €11,8
bilhões. Valor este que a coloca processo do serviço de manutenção do veículo. Como parte do programa
entre as 15 maiores fabricantes de Carro 100% / Caminhão 100% / Moto 100%, criado pelo GMA – Grupo
autopeças do mundo. de Manutenção Automotiva – e que visa difundir a conscientização do
Presente em mais de 120 países, com 21 centros de pesquisa e 40
motorista para que adote a prática da manutenção preventiva do veículo, a
centros de desenvolvimento, conta com 14 linhas de produtos, em des-
taque os itens de: Iluminação, Palhetas, Radiadores, Ar-condicionado, certificação de autopeças também é importante para garantir a segurança
Sistemas elétricos, Gerenciamento de motores e Sistemas de transmis- no trânsito, pois peças de qualidade mantêm o funcionamento do veículo
são, onde se sobressai mundialmente na linha de embreagens. de acordo com as especificações das montadoras.
35 | Lançamento Reparação Automotiva | Agosto 2013

audi evolui

Fotos: Divulgação
motor turbo
Novo A3 comercializado no Brasil traz motor
com inédita tecnologia que utiliza sistema de
injeção direta/indireta e também câmbio de
dupla embreagem
Texto: Edison Ragassi

D
ia 17 de julho, a Audi Importadora de Veículos mostrou válvulas. Ele entrega 180 cv de potência e 25,49 kgfm de torque. O
o novo compacto premium A3 Sportback. coletor de escape está integrado à cabeça dos cilindros.
A geração anterior do modelo era equipada com Há também uma versão de entrada que utiliza propulsor 1.4
propulsor 2.0 FSI turbo com 200 cv de potência e torque de 28,57 TFSI, uma variação do utilizado no A1, ele agora possui bloco
kgfm. Já o novo A3 tem motor de alumínio e pesa 107 kg (21 kg a menos que seu antecessor).
1.8 TFSI a gasolina, montado A unidade produz 122 cv de potência e 20,39 kgfm de
em bloco de alumínio, instalado torque máximo.
com inclinação de 12 graus, a São novos no carro: o visual, acabamento interior e ainda
novidade é que ele combina a tecnologia de construção de baixo peso da marca, Audi ultra,
injeção direta FSI com injeção foi aplicada. Assim o A3 ficou 90 quilos mais leve do que a
indireta multiponto. Dependendo versão anterior.
da necessidade do motorista, o O A3 Sportback 1.4 TFSI tem preço sugerido para venda de
sistema entende qual deles utilizar. R$ 94.700 e o equipado com motor 1.8 TFSI custa R$ 124.300.
Também ganhou o sistema Audi Ambos são equipados com transmissão automática S tronic de 7
Valvelift, que varia a elevação das velocidades e dupla embreagem.
36 | Comparativo

Fotos: Estúdio Prána


aS mudançaS noS compactoS premium
Fox e Punto, dois dos compactos premium mais comercializados no país,
passaram por reestilização e receberam aprimoramentos na parte mecânica
Texto: Edison Ragassi

E
m abril de 2012, a VW lançou a linha O motorista pode configurar diversas
2014 do Fox. A versão 1.6L com funções do veículo, entre os ajustes sisteMa de Partida
câmbio manual tem preço sugerido disponíveis estão as informações do a frio
de R$ 37.040 e R$ 39.780 utilizando a sistema ECO Comfort. “Este carro tem
transmissão automatizada I-Motion. No bom espaço no cofre do motor, isso facilita
propulsor 1.6L EA111 VHT Total Flex o acesso aos principais itens que exigem
8 válvulas mudaram os retentores das manutenção preventiva. As velas são fáceis
válvulas, do eixo comando e da flange do de retirar, todo o sistema de refrigeração,
virabrequim. Também recebeu um servo- incluindo o radiador, os filtros de ar, óleo
freio de diâmetro maior, 10 polegadas. Ele e combustível e as correias”, avalia Antônio
entrega 104 cv (G)/101 cv (E) a 5.250 rpm Augusto, o Guto, da GPAuto.
e o torque é de 15,4 kgfm (G)/ 15,6 kgfm Em julho do ano passado, a Fiat lançou
(E) a 2.500 rpm. o Novo Punto, entre as várias versões
Ainda ganhou a nova arquitetura comercializadas está a Essence, seu motor
eletrônica que permitiu incluir o Comfort é o 1.6L16V E.torQ. Ele oferece potência de
Blinker e uma evolução do I-System. 115 cv (G)/117 cv (E) e torque máximo de

Módulo de injeção

No carro da VW o sistema é convencional, no


da Fiat é mais complexo, ele inclusive tem um
Nos dois carros o módulo está localizado na parte superior do motor, note que o do Fox aparece na foto à pequeno filtro que necessita ser substituído
esquerda, está livre, já no Punto para acessá-lo exige a retirada de alguns itens para evitar contratempos
Reparação Automotiva | Agosto 2013 Comparativo | 37

Motor momentos corretos.


No carro da VW, o
sistema é montado no
já conhecido câmbio
manual MQ200.
Quanto à manutenção,
não é um sistema
altamente complexo,
mas necessita de
conhecimentos
de hidráulica e
eletrônica, além
de um bom nível
Fotos: Estúdio Prána

de conhecimento
em sistemas de
O Fox I-Motion utiliza o propulsor EA 111 VHT 1,6 litro Total Flex de 8 válvulas, enquanto que o Punto Dualogic é equipado com o
E.torQ 1,6 litro 16V
motorização para
atuar no equipamento
de forma segura,
além de ferramental
16,2 kgfm (G)/ 16,8 kgfm (E) a 4.500 rpm. bomba da direção hidráulica e módulo do apropriado”, fala Maurício Carreiro Blanco,
Este modelo é comercializado com opção ABS exigem mais cuidado, pois o acesso é especialista em câmbio automático da
de câmbio manual de cinco marchas mais difícil”, comenta Guto, da GPAuto. TTR Treinamentos.
ao custo de R$ 43.120 e transmissão Os carros avaliados utilizam câmbio Os dois carros utilizam sistema de
automatizada Dualogic ao preço de automatizado, o sistema chamado de Free suspensão semelhante, na dianteira
R$45.627.“Neste motor o acesso ao filtro de Choice foi desenvolvido pela Magneti McPherson e eixo de torção na traseira.
ar, velas e bobina e a válvula termostática Marelli. Os carros da Fiat que utilizam “Ambos são conhecidos dos reparadores,
é fácil. Ele tem corrente sincronizadora, este equipamento são denominados porém o acesso tanto na dianteira como
a qual não necessita ser substituída, só Dualogic e os da VW I-Motion. “O na traseira é mais fácil no Fox, pois no
se ocorrer alguma avaria e neste caso sistema automatizado consiste em um Punto para retirar os amortecedores da
exige uso de ferramenta especial para sistema mecatrônico que possibilita a frente é necessário antes desmontar a
travar o comando. Já o filtro de óleo do mudança de marchas utilizando sistema grade superior”, afirma Guto.
tipo ecológico, corpo de borboleta, sonda, hidráulico e eletrônico, divididos em dois Fox e Punto utilizam freios a disco
blocos posicionados na parte superior na dianteira e tambor na traseira e não
suPorte do aMortecedor da transmissão convencional mecânica: apresentam dificuldades ou necessidade
Bloco (grupo) de potência e o bloco de ferramentas especiais para realizar
(grupo) de eletroválvulas. No Grupo de reparos e manutenção.
potência, encontra-se a bomba elétrica, o Entre janeiro e junho de 2013,
acumulador e o reservatório de fluido ATF. segundo dados levantados pela Fenabrave
A pressão de trabalho varia entre 35 a 50 (Federação Nacional da Distribuição de
Bar, valor necessário para que o sistema Veículos Automotores), o VW Fox teve
de eletroválvulas possa realizar a lógica de 67.837 unidades emplacadas, enquanto
mudanças e posicionar a haste seletora em que o Punto chegou a 67.837 unidades.

velas

O amortecedor dianteiro do Fox é mais


fácil para substituir, pois não há obstáculos
para acessá-lo, no Punto antes é preciso As do Fox estão bem à vista, enquanto que no Punto é preciso retirar o filtro do ar para acessá-las, em
desmontar a grade ambos não há necessidade de ferramenta especial ao retirá-las
38 | Comparativo Reparação Automotiva | Agosto 2013

Ficha técnica

Fox I-Motion 1.6 VHT Novo Punto ESSENCE 1.6 16V


Total Flex E.TorQ Dualogic
Motor - Número de cilindros: 4 em Motor - Número de cilindros: 4 em linha - Cilindrada total:
linha Número de válvulas: 8 1.598 cm³ - Potência máxima: 115 cv (G)/ 117 cv (E) a
Cilindrada: 1.598 cm³ 5.500 rpm - Torque máximo: 16,2 kgfm (G)/16,8 kgfm (E) a
Potência máxima: 101cv (G) / 104cv 4.500 rpm - Número de válvulas por cilindro: 4
(E) a 5.250rpm Direção - Tipo: Hidráulica com pinhão e cremalheira
Torque máximo: 15,4kgfm (G) / Freios - Dianteiro: A disco ventilado com pinça flutuante -
15,6kgfm (E) a 2.500rpm Traseiro: A tambor com sapata autocentrante e regulagem
Transmissão Tipo: Automatizada de 5 automática de jogo
velocidades - Direção: Hidráulica Suspensões - Dianteira: McPherson com rodas indepen-
Rodas e pneus - Rodas: 6J x 15 dentes, braços oscilantes em aço estampado fixados ao
Pneus: 195/55 R15 subchassi, com barra estabilizadora - Traseira: Com rodas
Dimensões - Comprimento: 3.823 mm semi-independentes, travessa de torção de seção aberta
- Distância entre eixos: 2.465 mm Rodas e pneus - Rodas: 6J x 15 - Pneus: 195/60 R15
Largura: 1.901 mm Dimensões - Comprimento: 4.065 mm
Altura: 1.543 mm Largura: 1.687 mm - Distância entre-eixos: 2.510 mm -
Capacidade do porta-malas: 260 L Volume do porta-malas: 280 litros
Anderson Junior Marcondes e
Antônio Augusto, da GPAuto

Colaboraram: Fiat Automóveis e Volkswagen do Brasil


40 | Técnica

SiStema de
alimentação
de combustíVel

Fotos: Divulgação
Entenda como deve ser o procedimento
para se efetuar a substituição do
filtro do sistema de alimentação de
combustível no veículo Sportage, ano Texto: Edson Roberto de Ávila
Profissional, empresário da reparação automotiva
2010, Gasolina, localizado abaixo do e diretor responsável pelo Departamento Técnico
de Manutenção Preventiva e Corretiva de Autos
banco traseiro, lado esquerdo Mingau, de Suzano (SP)

O
procedimento a seguir, uma prestação de serviço que, até
então, nos parece simples, porém pode nos trazer alguns
imprevistos e consequências indesejáveis, como por exemplo,
descontentamento por parte do cliente como também para nós
mesmos, profissionalmente falando.
Digo isso pelo fato de cada vez estarmos mais exigentes, mesmo em
questão de prestarmos um bom trabalho e sermos recompensados, por Antes de começar a desconectar o chicote, como também a
isso, se nos atentarmos a alguns detalhes. mangueira da linha de pressurização de combustível, com o auxílio
Em primeiro lugar, para se remover o banco traseiro existe de uma mangueira de ar comprimido remova toda a impureza ao
a necessidade de retirar um pequeno acabamento que vai logo seu redor para evitar que no momento da remoção da unidade não
abaixo dele, onde se encontra o parafuso de fixação, ele não é caia nenhum tipo de impureza que esteja à sua volta. Despressurize
encaixado, portanto se atente e não force, caso contrário a quebra a linha para evitar derramamento desnecessário de combustível.
do acabamento será certa. Com uma chave do tipo canhão 8 MM, solte a carcaça de fixação
Para soltá-lo, utilize uma chave Philips média, o parafuso fica que vai presa ao reservatório, no total são 8.
de dentro para fora como mostra a imagem.

Unidade de pressurização da linha de combustível removida.


Utilize a ferramenta para soltar o parafuso sextavado, com isso
o banco irá se soltar.
A seguir levante o carpete que fica logo abaixo.

As ferramentas que irá utilizar para efetuar a substituição do


filtro do sistema de alimentação de combustível são uma chave
de fenda média e pequena, e algumas vezes o canhão de 8 MM e
Solte os quatro parafusos com a chave Philips e remova a tampa silicone em spray para auxiliar no momento da montagem. Não
da unidade de pressurização de combustível, se atente ao sistema de se esqueça do comentário que foi feito logo acima, estaremos
vedação do chicote, no caso dele ter algum tipo de rompimento, o ar trabalhando com um material resistente à corrosão por parte do
externo vai passar para dentro do habitáculo, trazendo desconforto combustível utilizado, porém pelo fato de estar em contato com o
ao proprietário, portanto cuidado, pode parecer primário, mas já combustível e com variação de temperatura constante, as travas se
tivemos esses problemas aqui para resolvermos. tornam quebradiças.
Reparação Automotiva | Agosto 2013 Técnica | 41

INíCIO DO PROCEDIMENTO MONTAGEM

Solte as duas travas do pré-filtro, logo que remover a tampa você irá se O silicone em spray será utilizado em todos os anéis e paredes de
deparar com o amortecedor da bomba, retire-o, é quando vai encontrar contato para facilitar o encaixe, sendo assim evitará indesejáveis
a trava metálica entre o pré-filtro e a bomba. quebras ou simplesmente dificuldades. Outras ferramentas de extrema
importância chamam-se: Atenção e Cuidado.

No momento de encaixar a bomba não se esqueça de colocar o anel


de vedação interno.

Solte as quatro travas do sistema de retorno da unidade de pressuriza-


ção, se atente em levantar uma a uma removendo devagar, que ela irá
se desencaixar.

Coloque o anel e logo após encaixe-o para prendê-lo no novo filtro,


esse local é onde se encaixa o tubo da linha de pressurização.

Remova as quatro travas de fixação do filtro com a base da unidade de


pressurização da linha de combustível, retire o filtro, observe que existe
um encaixe que é preciso remover, pois é nele que se encontra o anel
de vedação da linha de pressurização e vamos reutilizá-lo, retire agora a Instale o regulador da linha de pressurização de combustível e coloque
trava metálica do regulador da linha de pressurização e tire o regulador. a trava metálica.

Unidade de pressurização da linha de combustível completamente


desmontada. Avalie as condições reais do pré-filtro, nesse caso não houve a neces-
sidade de substituição. Instale-o na bomba e coloque sua trava (nova).
Coloque o amortecedor da bomba no lugar e também sua tampa.

Comparativo entre filtro que estava sendo utilizado e o filtro novo.


42 | Técnica Reparação Automotiva | Agosto 2013

MONTAGEM

Aproxime a tampa do sistema do filtro para fazer a ligação de alimentação do conjun-


to, tanto da linha de combustível como também do sensor de nível, respeite o local por
onde ele passa, pois no momento do fechamento você irá perceber esta necessidade.

No momento de encaixar o sistema de retorno, em muitas das vezes existe a necessidade de alinhar o tubo metálico com o local onde irá
se encaixar, portanto, utilize o canhão 8 MM para efetuar esse procedimento.

Sistema da linha de pressurização pronto para ser instalado no veículo.

Um enorme abraço a todos e até a próxima!

| Artigo

eletrÔnica Texto: Fernando Calmon


Jornalista especializado desde 1967, engenheiro e

Foto: Divulgação
consultor técnico, de comunicação e mercado.

caça fantasmas fernando@calmon.jor.br e


www.twitter.com/fernandocalmon

V ocê conhece ou já ouvir falar do termo


motorista-fantasma? Trata-se de um
neologismo, usado no exterior, para
indicar alguém ao volante que, por distração,
cansaço, sonolência, má visibilidade, traçado
Em um período de três meses, 25 pessoas
morreram na Alemanha depois que as autoridades
passaram a monitorar com mais rigor esse tipo
de acidente. No entanto, o problema é maior. O
Ministério de Transportes alemão estima cerca de
que os processa e reproduz no centro do quadro
de instrumentos. Se detectar que o veículo está
prestes a entrar na zona de mão proibida e vai
complicado da via, placa danificada/vandalizada 1.700 avisos por ano sobre motoristas-fantasma invadir a via, o sistema adverte o motorista com
ou simplesmente barbeiragem, entrou na emitidos por rádios FM dedicadas, muito comuns três bipes altos e acende um sinal de contramão
contramão de uma rua, avenida, estrada ou nas estradas por lá. O Automóvel Clube da piscante no mostrador principal.
autoestrada. É uma das situações de maior risco Alemanha contabiliza um total de 2.800 invasões A fim de melhorar a confiabilidade do
para a segurança do trânsito. Preocupa até países na contramão, embora na maioria das vezes não assistente eletrônico, um computador compara
com grande tradição automobilística, mesmo se transformem em tragédia. os dados da câmera com os da navegação GPS.
que tenham desenvolvido boas autoescolas, Parte desse problema começa a ser Se há problema de visibilidade – tempestade
exames de habilitação dos mais rigorosos e baixa amenizado com a evolução do recurso chamado de neve, neblina ou temporal, por exemplo – é
tolerância às infrações. Assistente a Placas de Trânsito. Modelos de gerado um aviso ao motorista que o sistema está
Dois veículos, ao bater de frente (um deles preço elevado já reproduzem no quadro de temporariamente indisponível.
conduzido de forma correta, em sua mão de instrumentos as indicações de velocidade Há planos de expansão gradativa dessa
direção), geram energia cinética fabulosa e quase máxima em ruas e estradas, além de placas de nova aplicação para automóveis de preço menor,
sempre fatal aos ocupantes. Uma colisão com cada ultrapassagem proibida. Os dois mais caros da como os das Classes C, B e A, além de outros
carro a apenas 40 km/h equivale, dependendo das Mercedes-Benz, lançados este ano (Classes E e S), do portfólio da marca. O Assistente a Placas
massas envolvidas, a uma batida frontal a 80 km/h agora incluem sinalização de grande relevância, de Trânsito, nessa versão ampliada, só está
contra uma barreira fixa. Para ter uma ideia, os a de contramão. disponível, por enquanto, nas vias de circulação
testes de colisão com bonecos antropométricos, Funciona por meio de uma câmera colocada da Alemanha. Mas o fabricante informa que
aplicados por institutos especializados e pelos na parte interna do para-brisa, atrás do espelho trabalha para desenvolver e adaptar tal recurso
próprios fabricantes, são executados à velocidade retrovisor. Ela identifica os sinais de contramão de segurança, de grande utilidade, para funcionar
de 64 km/h. e envia a informação aos computadores de bordo em mais países.
44 | Técnica

gonel realiza troca do reServatório


de partida a frio no fiat palio 2006 flex
Veículo com particularidades

Fotos: Estúdio Prána


diferentes exige mais atenção
na hora da troca
Texto: Simone Kühl - Colaborou: Silvio Rocha

N
o mercado desde 1987, a Gonel,
fabricante de reservatórios e
mangueiras, orienta como realizar a
correta substituição do reservatório de partida
a frio no veículo Fiat Palio 2006 Flex, que
apresenta características distintas, comparado
a outros veículos.
Para isto, a Gonel explica quais os cuidados
que o profissional deve ter neste procedimento,
de forma a sempre respeitar o período de troca
recomendado pelo fabricante e as condições
do veículo.

canistEr acoplado
O canister, responsável por filtrar os odores
de combustível no veículo Fiat Palio, é acoplado
ao reservatório de partida a frio, nos demais
veículos o componente é separado. O canister é
composto por elementos filtrantes, uma lã, uma
espuma e um carvão ativado.
Quando o condutor deste veículo começar a
sentir odores do combustível é a hora de trocar
o canister e com isso substituir o reservatório.
Quando o filtro estiver saturado irá eliminar os
odores de combustível. Reservatório antigo é substituído pelo Reservatório Gonel G-1321

SOBRE A EMPRESA

Fundada em agosto de 1987, a empresa já tem mais de 10


milhões de reservatórios vendidos em todo o Brasil e ISO 9001,
atestando e comprovando a qualidade em produtos.

A Gonel conta com um laboratório onde são realizados os


ensaios de liberação, resistência e vida útil de seus produtos.

E trabalha com o foco na melhoria contínua em seus proces-


sos para garantir sempre um melhor produto ante a concor-
rência com um custo competitivo.

Os catálogos de reservatórios e mangueiras para as linhas


leves e pesados & comerciais podem ser acessados no portal
da empresa (www.gonel.com.br).
Veículo Fiat Palio apresenta características diferentes de troca
Reparação Automotiva | Agosto 2013 | Técnica 45

Passo-a-Passo da troca do reservatório de Partida a frio


no veículo fiat Palio 2006 flex 1.0 ex

Com o motor frio, retire a roda dianteira direita e a capa protetora do para-lama para ter acesso ao reservatório de partida a frio.
Obs.: A recomendação é de não deixar o reservatório de partida a frio vazio, pois quando a gasolina é inserida pela primeira vez no reservatório danifica o plástico e
com ele úmido não irá ocorrer este problema, evitando ressecamentos e possíveis vazamentos.

Retire as abraçadeiras, desconecte as mangueiras e remova a tampa do combustível para a retirada do reservatório pela parte debaixo do veículo. O reservatório
enviado pela Gonel possui três tampas de proteção em cima do canister, onde as mangueiras devem ser conectadas. Para isto, o profissional deve remover as
tampas para a conexão das mangueiras. A recomendação é de não deixar o reservatório de partida a frio vazio, pois quando a gasolina é inserida pela primeira vez
no reservatório danifica o plástico e com ele úmido não irá ocorrer este problema, evitando ressecamentos e possíveis vazamentos.

3 4

Antes de colocar o novo reservatório, limpe os componentes que estão em contato com ele e o circuito, pois Em seguida, conecte a válvula de retenção ao
acumulam poeira e sujeiras. Verifique o estado do sensor de nível, tampa e a válvula de retenção. As abraçadeiras reservatório. Ligue o conector do sensor de nível.
devem ser substituídas. Para iniciar o processo de montagem, conecte a bomba ao reservatório e as demais
mangueiras.
Obs.: A tampa do reservatório normalmente não precisa ser trocada. O sensor também não é preciso ser
substituído, caso não apresente defeito. Uma dica para identificar se o sensor está com problemas é através da 6
luz de manutenção do painel do veículo.

Após a montagem do reservatório, insira a gasolina


para verificar se não há nenhum vazamento. Ligue
o veículo e também verifique se no painel a luz
Posicione o reservatório com o “gargalo” direcionado no furo para passar pela parte de cima do motor, conecte as do reservatório não acusou nenhum problema.
mangueiras e abraçadeiras. Conecte a mangueira do motor ao bico superior. Verifique o correto posicionamento Verificado o correto funcionamento, recoloque a
das mangueiras. Não é recomendada a reutilização da abraçadeira após fixá-la, pois perde sua fixação. capa protetora do para-lama e a roda do automóvel.
46 | Técnica Reparação Automotiva | Agosto 2013
47 Reparação Automotiva | Agosto 2013