Anda di halaman 1dari 16

Dossiê

RESUMO
Em sua origem, a clínica psica-
A CLÍNICA
nalítica de crianças nos brindou
com os importantes aportes de
PSICANALÍTICA: DE
Melanie Klein e Anna Freud,
que nos apontaram a
CRIANÇAS A BEBÊS,
especificidade dessa clínica. S e
o que antes ocupava as analis- UMA ESPECIFICIDADE
tas repercutia na técnica a ser
utilizada com crianças, nossa
proposição sustenta uma
especificidade ainda mais singu-
lar quando se trata de bebês,
uma vez que não se pode escutá- Denise Carvalho Barbosa
los da mesma maneira que se
escuta uma criança que já ence-
na em seu brincar a apropria-
ção dos significantes do Outro.
Na atualidade, após décadas de
história clínica veremos que,
além da importância de uma
estratégia clínica apropriada ao
psiquismo infantil, será na re-
lação do inconsciente com a lin- A psicanálise de crianças, inaugurada pelo
famoso pequeno Hans, foi empreendida numa situ-
guagem que esta clínica encon-
trará subsídios que autorizem ação ímpar, já que Freud o viu uma única vez e o
uma intervenção analítica. tratamento, sob sua supervisão, esteve a cargo do
Descritores: bebês; clínica
pai, Max Graf1. Sem pretender fazer desta o protóti-
psicanalítica; crianças;
psiquismo infantil. po da análise de crianças e sem que se fizesse uso da
transferência como instrumento técnico, Freud, neste
momento, conclui: “Só porque a autoridade de um
pai e a de um médico se unia numa só pessoa, e
porque nela se combinava o carinho afetivo com o
interesse científico, é que se pôde, nesse único exem-
plo, aplicar o método em uma utilização para a qual
ele próprio não se teria prestado, fossem as coisas

Psicanalista. Mestrado em Psicanálise pela Universidad de


León – (León, Espanha), Especialização em Intervenção Precoce
pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, membro-
fundador do Núcleo Interdisciplinar de Intervenção Precoce da
Bahia (NIIP) e membro do Espaço Moebius de Psicanálise,
Salvador, BA, Brasil.

262 Estilos clin., São Paulo, v. 17, n. 2, jul./dez. 2012, 262-277.

Dossie 5 Estilos 17-2.pmd 262 7/12/2012, 17:04


Dossiê
Dossiê

diferentes” (Freud, 1909/1988a, p.15). Contudo, Freud (1933/


1988b) abordaria de maneira mais incisiva a eficácia do tratamento
analítico com crianças, embora a alusiva especificidade do psiquismo
infantil culminasse numa modificação da técnica utilizada com os
adultos. A consequente leitura do legado freudiano acerca da técni-
ca e da estruturação do psiquismo infantil ficaria a cargo daqueles
que se ocupariam do sofrimento psíquico na infância.
Se, por um lado, Anna Freud se incumbiu de ler ao pé da letra
o enunciado freudiano, por outro, Melanie Klein (1975), apoiada na
concepção de um Édipo mais precoce, defende a transferência des-
de o início e preconiza o brincar, uma atividade simbólica, como
um substituto da associação livre. Na atualidade, passadas algumas
décadas de história clínica, quando contamos com a fina leitura fei-
ta por Lacan da genialidade dos textos freudianos, os importantes
trabalhos de Dolto, Winnicott, renomados psicanalistas contempo-
râneos, e inúmeras pesquisas que atestam as competências do bebê,
somos convocados a pensar numa especificidade ainda mais peculi-
ar para esta clínica, a qual traz em sua essência uma vocação para
suscitar questões.
As perguntas que os psicanalistas se empenharam em respon-
der acerca da especificidade daquela clínica ao longo dos anos pare-
cem dar lugar ao espanto com que nos deparamos hoje ao mencio-
narmos a clínica psicanalítica de bebês. Esse espanto, solidário às
questões que formulamos tentando dar conta dessa clínica parece
incidir num ponto: se os bebês não falam, o quê e como escutá-los?
E se os bebês não entendem, para quê e por que enchê-los de pala-
vras que beiram a insensatez e esperar que sustentem esse delírio,
mesmo se estas lhes pareçam música aos ouvidos? Dito de outro
modo, qual a particularidade desta clínica? Que pressupostos teóri-
cos a sustentam e autorizam uma intervenção por parte do analista?
As questões que se nos apresentam acerca da especificidade
desta clínica que se delineia como da intervenção precoce requerem
desdobramentos que operam desde a importância do primeiro tem-
po na constituição do psiquismo à asserção de que as estruturas
clínicas, embora nela se originem, não se decidem na infância, e são
não-decididas até que advenha a adolescência 2. Alia-se a esta pro-
posição a expressiva contribuição das neurociências, a qual veio
corroborar alguns pressupostos psicanalíticos. Assim, temos, por
um lado, um bebê prematuro do ponto de vista neuropsíquico exi-

263

Dossie 5 Estilos 17-2.pmd 263 7/12/2012, 17:04


bindo competências e uma temporá-
ria e providencial plasticidade neuro-
nal, sabidamente permeável ao signi-
ficante do desejo do outro 3 .
Jerusalinsky (2010) postula que esse
tempo do bebê é caracterizado, prin-
cipalmente, para além da plasticidade
do sistema neurogenético, pela plas-
ticidade das representações linguísti-
cas que o caracteriza.
A prematuridade neuropsíquica
do bebê, condição em que o tempo
cronológico é vital para que certas
funções orgânicas e psíquicas se va-
lham da permeabilidade à incidência
da linguagem evidencia, pois, o lugar
decisivo do outro em um tempo pre-
ciso da constituição psíquica, à qual
se atrela o desenvolvimento4. Nesse
primeiro tempo, cabe à mãe ou
cuidador instituir o campo do Outro,
condição para o advento do sujeito.
A submissão do filhote do homem à
ordem simbólica imposta pela lingua-
gem constitui, assim, uma condição
prévia e absoluta da subjetividade e
das relações que o sujeito estabelece
com o outro. Por outro lado, o lugar
do analista que, especialmente nesta
clínica, é convocado a ocupar, na trans-
ferência, o lugar do Outro do bebê,
dar sua contribuição libidinal enquan-
to semblante do objeto a visando pro-
mover mudanças na subjetividade dos
pais até que se lhes restitua o lugar de
legítimos outros do bebê.
Veremos que, apesar da impor-
tância atribuída às estratégias clínicas
moldáveis à especificidade do psiquis-
mo infantil, será na relação do incons-

264 Estilos clin., São Paulo, v. 17, n. 2, jul./dez. 2012, 262-277.

Dossie 5 Estilos 17-2.pmd 264 7/12/2012, 17:04


Dossiê
Dossiê

ciente com a estrutura da linguagem, A direção do tratamento de uma


resgatada por Lacan do texto freudi- criança deve levar em conta a “posi-
ano, que dimensionaremos o lugar da ção temporal do inconsciente5, onde
escuta e da intervenção analítica. Se- o infantil se caracteriza, precisamen-
gundo Vorcaro (2004, p.136) “A ope- te, pelo adiantamento do relógio bran-
ração clínica que supomos capaz de do da infância” (Jerusalinsky, 1990,
resgatar a realidade psíquica da crian- p.14).
ça é orientada pela hipótese de que as Entretanto, o infans, sujeitinho
manifestações da criança são atos de suposto, embora imerso no universo
escrita do texto que cifra a leitura de simbólico, ainda não acedeu à lingua-
sua relação com a alteridade”. gem, e, portanto, ainda não pode con-
A especificidade da psicanálise jugar-se; esse é o tempo da aposta do
de crianças se refere à posição do su- outro que, antecipando-o enquanto
jeito em relação ao significante, que sujeito, cuidando e desejando coisas
não é a mesma do adulto. Trata-se de por ele, vai imprimindo em seu
um tempo lógico em que os efeitos psiquismo as marcas que se inscreve-
produzidos pelo significante no cam- rão na memória como letra, “como
po subjetivo dependem do enoda- traços que, a posteriori, serão tomados
mento entre os registros RSI ao qual numa posição particular por uma
a significação está submetida (Jerusa- injunção significante”. É bem verda-
linsky, 1990). Isto é o que constata- de, diz Jerusalinsky (1991, p.21), “que,
mos com a poética expressão: “ela se a certa altura da exposição de um pe-
conjuga no futuro anterior” (p.13). queno bebê à obra do Outro, em ra-
Estaria Jerusalinsky se referindo à zão de sua intromissão significante e
antecipação a que toda criança se vê de seu trabalho arbitrário de signifi-
submetida, por já estar, desde muito cação esse aparece capturado por esse
antes de nascer, inserida em uma or- agir do significante sobre os traços
dem simbólica que pré-existe a ela; que formam restos mnêmicos... que
entretanto, será pela via de uma cola- são tomados associativamente, numa
gem identificatória que ela irá sem-
certa posição de significação edípica”.
blantear a realização de um ideal pa-
Pois bem, os psicanalistas apren-
rental; e é por isso que o menino
deram com Freud que há um saber
brinca de carrinho – “agora eu era o
inconsciente que circula entre a mãe
papai”, e ela brinca de casinha, brin-
e o seu bebê, saber este que o desejo
ca de bonecas, enquanto o “papai”
se incumbe de colocar em movimen-
estrategicamente sai para “trabalhar”
to. Desde o ponto de vista lógico, a
– “Agora eu era a mamãe”. Assim eles
mãe é engendrada pelo bebê, uma vez
ensaiam e sonham um futuro já há
que esta só se torna mãe a partir de
muito tramado, tecido, imaginarizado
um filho e, desde a lógica do incons-
e, portanto, subjetivamente, o seu
ciente, a partir do lugar que ela, en-
relógio está adiantado.

265

Dossie 5 Estilos 17-2.pmd 265 7/12/2012, 17:04


quanto filha, ocupou no desejo de seus pais. A maternidade sofre as
vicissitudes de um tempo lógico em que, para conjugar-se e apro-
priar-se do “agora eu sou uma mãe”, não basta ter um filho, é preci-
so que antes tenha havido uma inscrição marcada pelo desejo do
outro. Ocorre-me a sofrida constatação de uma jovem mãe com o
seu filho de três meses nos braços: “eu não me sinto mãe, eu não sei
o que fazer com ele, parece que dependo de autorização para ser
mãe”.
A maternidade é um momento oportuno para reativar os tra-
ços mnêmicos inconscientes da maternagem recebida e possibilitar
o exercício de sua função (Cabussu, 2003). Uma mãe bem
posicionada na estrutura simbólica irá supor que o seu filho é um
sujeitinho bem sabido, capaz inclusive de ensinar-lhe coisas, daí a
razão para as mães conversarem com o seu bebê e considerarem o
que ele tem a dizer, mesmo que para isso tenham que falar em seu
nome. E as mamães logo descobrem a paixão desse bebê por uma
fala meio insólita, embalada por uma voz6 encantada e exagerada,
signo de um gozo inconfundível. Parece que mãe e filho desconfi-
am que haja um importante desafio a se fazer cumprir: inserir e ser
inserido no universo da linguagem. O trabalho arbitrário de
codificação que o outro se incumbe de realizar se observa na escuta
de pais, mais precisamente a mãe, que fala manhês com o seu bebê
– ávido de linguagem e aparatado para se comunicar7 – e, cuja pala-
vra, raramente oferecida numa posição a dar lugar a um sentido
unívoco. A complexidade desta interlocução deriva do fato de a
mãe antecipar e atribuir ao seu bebê uma posição subjetiva tal, como
se este, de fato, pudesse sustentá-la. Essa loucura necessária às mães,
como dizia Winnicott (1979), suporta um excesso de sentido que
sustenta precocemente o pequeno sujeito, e o introduz no universo
simbólico, salvando-o de uma identificação ao próprio corpo. Esse
excesso de sentido bem que poderia ser traduzido pelo sem-sentido
do manhês e da lalíngua, como postula Ferreira (2010, p.67): “Se
podemos falar do sem-sentido do manhês, tanto quanto do sem-
sentido da lalíngua, é somente na proporção em que, não sendo possí-
vel vislumbrar um significado em grande parte das alocuções maternas,
seja um sentido acessível (consciente) à mãe, à criança (pela sua condi-
ção de infans) ou ao observador, é justamente porque há gozo”.
Enquanto ser de linguagem, o ser humano se inscreve como
sujeito desejante a partir do Outro que dará sentido ao seu apelo,
identificando-o como demanda. Esta é a saída e, paradoxalmente,

266 Estilos clin., São Paulo, v. 17, n. 2, jul./dez. 2012, 262-277.

Dossie 5 Estilos 17-2.pmd 266 7/12/2012, 17:04


Dossiê
Dossiê

também a armadilha com a qual o


pequeno terá que haver-se, onde po-
deremos situar um indicador clínico
de risco, e que poderá ser a razão do
sofrimento do bebê: o sentido vem
do Outro e em conformidade com
seu desejo e sua lei, e o sentido pode
faltar. Isto ocorrendo, se o saber do
Outro vacila, obstáculos se interpõem
no devir do sujeito e a promessa táci-
ta entre mãe e filho pode não se cum-
prir, seja pelas dificuldades intrínse-
cas à história desta mãe, seja por uma
dificuldade do bebê cujo aparato or-
gânico não esteja em condições de
interagir (Kupfer, 2000) e se deixar
marcar pelo desejo do outro, ou pela
sensibilidade daquele bebê que não se
deixa enganar pelo que o carinho
materno visa ocultar; diante dessas
circunstâncias, podemos nos defron-
tar com uma mãe impotente, destitu-
ída e desautorizada e um bebê em
sofrimento psíquico, que apela pelo
viés de um sintoma no corpo, do qual
ele não poderá fazer cargo. A partir
daí, os pais nos procuram supondo
um saber que, em princípio, estaria do
lado deles.
Após ouvir da mãe de um lin-
do bebê de cinco meses que apresen-
tava transtornos do sono: “eu quase
não trazia ele, pensando que não pre-
cisava”. Ocorreu à analista dirigir-se
ao bebê e dizer: – “que espertinho,
você, tão pequenininho e já trazendo
papai e mamãe para conversar comi-
go!”. Esta é uma particularidade da
clínica de bebês, na transferência com
os pais, as intervenções analíticas vi-

267

Dossie 5 Estilos 17-2.pmd 267 7/12/2012, 17:04


sam o laço pais-bebê, e para que esta
se alavanque e se possam extrair as
consequências disto, o bebê deve ser
incluído na série e antecipado como
um sujeito suposto saber do que lhe
causa. Daí o analista também ocupar,
na transferência, o lugar do bebê, ora
falando por ele, “semblanteando” o
transitivismo materno8, ora dirigindo-
se a ele, fazendo deste um interlocutor
– agora desde um lugar terceiro. Será
por esse viés que as intervenções po-
derão alcançar sua eficácia junto aos
pais e promover uma mudança na
posição subjetiva destes; subjetivida-
de que se refletirá na interação pais-
bebê9. Tal intervenção, se por um lado
visa o bebê, reconhecendo no seu
sofrimento uma forma de dizer que
algo não vai bem entre eles, por ou-
tro, visa o Outro do bebê, abrindo
uma brecha que possibilite a
modalização da demanda de atendi-
mento – é verdade, diz a mãe, com
um meio-sorriso, “acho que somos
nós que estamos precisando”. Obser-
vamos que assim os pais têm uma boa
oportunidade para começarem a fa-
lar de sua história. Escutar os pais, o
que eles demandam; situar o lugar do
filho no seu narcisismo e no seu dis-
curso, como o fazia Dolto (1984),
bem como a representação desse fi-
lho no imaginário materno, possibili-
tará uma leitura que desvele a função
do filho e do sintoma no filho. A es-
cuta da demanda visa sua elaboração
e modalização, possibilitando uma
implicação dos pais nas produções
sintomáticas do filho. Logo nas pri-

268 Estilos clin., São Paulo, v. 17, n. 2, jul./dez. 2012, 262-277.

Dossie 5 Estilos 17-2.pmd 268 7/12/2012, 17:04


Dossiê
Dossiê

meiras entrevistas o bebê já havia recuperado o sono perdido, no


entanto, a mãe concordou em ser encaminhada a outro analista.
Comungamos com a opinião de Jerusalinsky (2002) quando a
analista se refere à necessidade de se diferenciar o “mal estar dos
pais” daquilo que constituiria um impasse à estruturação subjetiva
do bebê. Atender um bebê em tais circunstâncias seria condená-lo a
encarnar o sintoma em seu corpo, e obstruir a fala parental que,
caso fosse escutada, poderia, pelo seu desdobramento, deslocar o
foco de queixa do bebê. Saber olhar o bebê, segundo Coriat (1997)
implica o reconhecimento das marcas do Outro no seu corpo, ler
esta escrita e intervir considerando os protagonistas dessas marcas.
Marcas que Laznik (1999) propõe sejam lidas através dos sinais
pulsionais do bebê.
Contudo, prossegue Jerusalinsky (2002), uma vez observado
um sintoma clínico, este deve ser lido considerando o circuito de-
manda-desejo no qual o bebê está implicado, ou seja, devemos ob-
servar como a imagem de seu corpo10 está se constituindo e as ins-
crições simbólicas que a fantasia materna vai imprimindo nele.
A clínica psicanalítica de bebês, na medida em que estes não
“falam”, comporta uma singularidade – não se pode escutá-los do
mesmo modo como se escuta uma criança que já encena em seu
brincar a apropriação dos significantes do Outro11. Trata-se, pois,
de escutar o Outro do bebê e o bebê do Outro, para que possam ser
lidas as letras desse Outro cunhadas no seu corpo12.
Jerusalinsky (1988) estabelece uma correlação entre o brincar13
da criança enquanto suporte de um dizer e o sintoma psicossomático
do bebê enquanto suporte de um traço significante do Outro; se-
gundo o autor, “Uma criança suporta em seu brincar o dizer do que
ainda não pode falar. Assim como o bebê suporta, na psicossomática
e em uma implicação corporal, o traço significante que o captura no
dizer do Outro para além de sua insuficiência verbal” (p. 49).
Um breve exemplo de indicação de atendimento ao bebê e seus
pais no qual pudemos constatar os efeitos decorrentes de um pro-
cesso de constituição subjetiva em risco e que se refletiam no de-
senvolvimento, na dificuldade de aquisição da fala de um menino
de dois anos de idade. Manuelito é trazido pela mãe que, ao marcar
a consulta por telefone, relata o diagnóstico de autismo dado pela
psiquiatra devido às “dificuldades de linguagem” (ele praticamente
não verbalizava, sua tentativa de comunicação resultava enigmática,
emitia estranhos e incompreensíveis sons guturais, gritava muito e

269

Dossie 5 Estilos 17-2.pmd 269 7/12/2012, 17:04


jogava os objetos da casa pela janela). ceba a possibilidade de um destino di-
Inicialmente eles são recebidos ferente para cada um e possa ofertar a
sem a presença do pai que não pode esse filho outra representação com a
vir devido ao trabalho. Manuelito tem qual ele possa vir a se identificar.
um olhar incrivelmente brilhante, A representação de um filho no
perscrutador, e me devolve um imaginário materno cultivada duran-
sorrisinho matreiro e cativante, um te a gestação é um assunto que ocupa
elemento a mais que encoraja e leva a o interesse da analista há algum tem-
analista a ignorar o diagnóstico inici- po Barbosa (2007). Nesse caso, não
al e apostar num prognóstico mais constatamos uma ausência de repre-
favorável. Segundo a mãe, o pai é sentação, o que certamente seria mais
muito calado, e acha que seu filho se grave, mas uma representação, pro-
parece com ele, não tem problemas e vavelmente potencializada pelo esta-
que é normal, nessa idade, uma cri- do depressivo da mãe, e que o diag-
ança fazer birras e ainda não falar nóstico psiquiátrico veio confirmar:
muito, no que, em parte, ele tem ra- “vou ter mais um filho com proble-
zão. Tomo essa posição do pai como mas, vou prosseguir com a minha via-
algo positivo, já que reserva ao filho sacra de médico em médico”. É im-
um lugar na filiação e uma possibili- portante ressaltar que esta mãe cuida
dade outra que a repetição de uma bem de seus filhos, estão sempre lim-
história, porém, há nuances importan- pinhos e bem alimentados. O que
tes que ultrapassam o fato de ele ain- defendemos, e esta mãe vem ilustrar
da não falar, como veremos em se- às avessas, é que uma representação
guida. que uma mãe tenha do seu bebê con-
Recebo mãe e filho durante vá- corre para o investimento narcísico e
rios encontros em que esta fala de um o bom andamento do exercício de sua
episódio de depressão durante a gra- função, a qual ultrapassa os cuidados
videz e consequente hospitalização e preocupações maternos.
após a morte da mãe; relata sua his- Durante as entrevistas, Manue-
tória de sofrimento e abandono diante lito entra tranquilo e sorridente indo
das dificuldades que enfrenta com os direto aos brinquedos. Espalha-os,
dois filhos (o primeiro, de oito anos, porém estes não são utilizados na ex-
também diagnosticado autista). No tensão de suas possibilidades simbó-
imaginário da mãe, a história parece licas, são manipulados e arremessa-
repetir-se, é mister que se empreenda dos com violência em várias direções,
com ela a separação simbólica entre enquanto grita, ininterruptamente,
os dois filhos, cujo desejo, necessida- com todas as suas forças; a mãe não
des, dificuldades e possibilidades são o socorre e parece estar diante de uma
diferentes. O trabalho analítico come- cena rotineira e trivial; esta cena lhe
çará por essa linha, até que a mãe con- reporta sua dificuldade de brincar

270 Estilos clin., São Paulo, v. 17, n. 2, jul./dez. 2012, 262-277.

Dossie 5 Estilos 17-2.pmd 270 7/12/2012, 17:04


Dossiê
Dossiê

com o filho, já que ela “não brincou começou a arrastar seu pézinho quan-
quando criança”, e a dificuldade de do anunciei o final da sessão: “veja
saber o que ele quer, já que ele verba- doutora”, diz a mãe: “ele não quer ir
liza muito pouco e de forma bastante embora, agora você quer ficar, é? É,
truncada; diante desses obstáculos, ela danadinho?” – ele abraça a mãe e diz
não se autoriza a aventurar-se pelo – “é”. Acolher a demanda de
viés do seu desejo, não codifica seus Manuelito, dilatando o tempo da ses-
gestos e não lhe ocorre perguntar ao são, foi também uma maneira de en-
filho o que ele quer, embora saiba que dossar a interpretação materna e le-
ele quer alguma coisa. É interessante gitimar-lhe o lugar de Outro do bebê.
notar que, embora haja uma suposi- Um pequeno recorte clínico de
ção de sujeito, não há uma suposição sessões ocorridas após um ano de
de saber nele, provavelmente devido atendimento: Manuelito “batuca”
à representação que ela tem dele – um com suas mãozinhas no divã extrain-
outro filho autista – como também do um som que o surpreende e con-
pelo fato de se sentir fracassada en- voca o olhar da analista, o que o leva
quanto mãe, de não supor em si um a repetir sua façanha. O ritmo de sua
saber sobre o filho. A atitude mater- batida evoca uma conhecida música
na frente à demanda do filho, a falha espanhola e a analista começa a can-
da função observada na dificuldade tarolar; o curioso é que a analista não
de lançar mão de seu repertório par- sabe a letra, mas a música, esse novo
ticular para significar a demanda do sentido, o empolga, ele dança, grita e
filho e de fazer dele seu interlocutor o grito, antes estranho, agora parece
(Barbosa, 2009), a angústia e a falta familiar, já que, mesmo sem palavras,
de recursos para elaborá-la, evidenci- passamos a compartilhar o mesmo
ados na pobreza simbólica do seu código, elemento essencial para o gan-
brincar, denunciam um sintoma clí- cho transferencial. A partir de então,
nico; é preciso intervir, emprestar-se as sessões começarão com o grande
como o Outro do bebê. concerto do pequeno percussionista
Certa vez Manuelito foi atendi- que, por um bom período, não dis-
do na sala de espera: ao chegar a sua pensará o olhar e a voz da cantora
vez, observo certa lentidão nos seus improvisada, objetos a da analista que
passinhos, algo que contrastava com se deixa fisgar, e que se ofertam como
as vezes em que ele adentrava corren- legitimadores de uma produção sig-
do, assim que a porta se abria – “o nificante, na qual ele poderá se fazer
que esse passinho quer dizer, representar “agora eu era o a(r)tista”.
Manuelito?” Ele sorri e busca os brin- Em seguida, Manuelito se interessará
quedos da sala de espera. O efeito por uma parte do corpo da analista:
desta leitura pode ser observado al- com uma panelinha pega pelo cabo
gumas sessões seguintes: Manuelito como se fosse a extensão de sua mão,

271

Dossie 5 Estilos 17-2.pmd 271 7/12/2012, 17:04


Manuelito a faz deslizar pelo rosto da
analista que lhe diz: humm ...que mão-
zinha gostosa e carinhosa você tem!
Algumas sessões mais tarde, ele en-
volverá o rosto da analista com suas
próprias mãozinhas e por um longo
tempo empreenderá essa pesquisa que
lhe parece fascinante e lhe devolve um
semblante de satisfação quando per-
cebe que a analista-espelho vai nome-
ando as expressões de seu rosto.
À medida que ele vai reconstitu-
indo sua imagem, ele vai podendo
retornar, desde outra posição, aos
pequenos objetos a próprios da infân-
cia e suportes materiais que lhe pos-
sibilitam a expressão da fantasia; os
talheres e as panelinhas cobram seu
status de utensílios e ele fará delicio-
sas comidinhas, alimentará a analista,
alimentará a mãe e se deixará alimen-
tar por ela. Se nos conduzimos pelos
ensinamentos de Lacan (1998, p. 822)
quando ele diz que “a fala só começa
com a passagem do fingimento à or-
dem do significante”, podemos pen-
sar que Manuelito está trilhando o
caminho certo, contudo, ainda incer-
to, de sua constituição subjetiva. Em-
bora ainda apresente dificuldades na
fala, ele entende os enunciados e já
constrói pequenas frases como “me
dá água”, ao invés de “agu”, “ quero
não”, ou “quero”, ao invés da sim-
ples menção com a cabeça; o nome
da analista foi incluído na série e a mãe
relata que vir para o consultório é uma
atividade prazerosa para ele; os gritos
na sessão foram substituídos pelo que
hoje parece ser sua expressão prefe-

272 Estilos clin., São Paulo, v. 17, n. 2, jul./dez. 2012, 262-277.

Dossie 5 Estilos 17-2.pmd 272 7/12/2012, 17:04


Dossiê
Dossiê

rida, o “não”, às vezes seguido de um sorriso zombeteiro, o que


denota uma mudança de posição do sujeito na linguagem, instituída
pelo corte, pela separação entre o sujeito e o outro.
O manejo da transferência com a criança pequena, mesmo que
ainda não verbalize muito, requer do analista uma estratégia que a
inclua, de fato, no discurso. Desde o início, sempre que a analista
precisou contatar os pais pelo telefone, Manuelito era chamado e
lhe era explicado o motivo. Assim, ele ficava sabendo quando a
analista poderia atendê-lo ou não, ou quando a analista constatava
sua ausência na sessão anterior. Os pais, do outro lado da linha,
diziam que ele parecia entender tudo, principalmente quando ele
esboçava seu risinho maroto, muito embora dissessem não enten-
der a razão da atitude da analista; nessa estratégia, o manejo da trans-
ferência visa o laço pais-bebê, outorgar a ele um lugar privilegiado
de sujeito visa efeitos na sua subjetividade e na dos pais.
A demanda e a transferência revelam, nessa extensão, a
especificidade desta clínica em seu aparente paradoxo: o suposto
sujeitinho, nos primórdios de sua constituição, está necessariamen-
te alienado ao outro, daí ele ainda não poder arcar com simbolização,
das letras impressas nele, ao mesmo tempo em que o constituem;
se, por um lado, a intervenção analítica considera a posição tempo-
ral do inconsciente na infância, que é diferente da do adulto, em se
tratando da clínica de bebês, deve-se considerar a especificidade de
um tempo em que o sujeito do inconsciente ainda não se inscreveu
- trata-se do tempo da inscrição da letra14. Nesse tempo privilegiado
das primeiras coordenadas da estruturação psíquica, estamos pres-
tes a testemunhar e intervir num tempo primordial em que as expe-
riências precoces marcam e fundam o psiquismo o que coloca em
relevo uma ética que só se sustenta, na transferência, pela confluên-
cia de desejos díspares – o desejo inédito do analista, e desejo do
outro, posto que sua função é desejar15.

A PSYCHOANALYTICAL CLINIC: SPECIFICITY BETWEEN CHILDREN


AND BABIES ALSO

ABSTRACT
In the beginning, important contributions of Melanie Klein and Anna Freud showed us the
specificity of the psychoanalytical clinic for children. However, if this subject resulted in a
change in the technique for treating children, we propose a more specific approach when dealing

273

Dossie 5 Estilos 17-2.pmd 273 7/12/2012, 17:04


with babies. Nowadays, after many decades of clinical history, we will see that, besides the
importance of a clinic strategy appropriate to the child and baby’s psyche, the proposition of
Lacan that the unconscious is structured as a language will allow an analytic intervention.
Index terms: newborns; psychoanalytical clinic; children; child psyque.

LA CLÍNICA PSICOANALÍTICA: DESDE LOS NIÑOS A LOS BEBÉS, UNA


ESPECIFICIDAD

RESUMEN
En su origen la clínica psicoanalítica de niños nos brindó con los importantes aportes de Melanie
Klein y Anna Freud, las cuales nos señalaron la especificidad de esa clínica. Si lo que antes
ocupaba a las psicoanalistas repercutía en la técnica a ser usada con niños, nuestra propuesta
sustenta una especificidad todavía más singular cuando se trata de bebés, una vez que no pueden
ser escuchados de la misma manera que se escucha a un niño que ya escena en su juego la
apropiación de los significantes del Otro. En la actualidad, después de décadas de historia
clínica, veremos que, además de la importancia de una estrategia clínica apropiada al psiquismo
infantil, será en la relación del inconsciente com el lenguaje que esta clínica encontrará subsidios
que autoricen una intervención analítica.
Palabras clave: bebés; clínica psicoanalítica; niños; psiquismo infantil.

REFERÊNCIAS

Aberastury, A. (1986). A psicanálise da criança. Porto Alegre: Artes Médicas.


Barbosa, D. C. (2007). Da concepção ao nascimento, a razão da intervenção pre-
coce. Estilos Clínica: Revista sobre a Infância com Problemas, 12 (23), 68-77.
Barbosa, D. C. (2009). A função materna, seus entraves e o sintoma do bebê. In
E. F. L. Oliveira, S. S. Ferreira & T. A. Barreto (Orgs.), As interfaces da clínica com
bebês (pp. 147-57). Recife: NINAR – Núcleo de Estudos Psicanalíticos.
Cabassu, G. (2003). A clínica precoce, história de uma colaboração psicanalista/
pediatra. In M. Leitgel-Gille (Org.), Boi da cara preta: crianças no hospital (pp.46-
66). Salvador: EDUFBA: Ágalma.
Catão, I. (2009). O bebê nasce pela boca: voz, sujeito e clínica do autismo. São Paulo:
Instituto Langage.
Coriat, E. (1997). Psicanálise e clínica de bebês. Porto Alegre: Ed. Artes e Ofícios.
Cullere-Crespin, G. (2004). A clínica precoce: o nascimento do humano. São Paulo: Casa
do Psicólogo.
Dolto, F. (1984). Psicanálise e pediatria. Rio de Janeiro: Zahar Editores.
Ferreira, S. S. (2010). Será o manhês uma exclusividade da função materna? In
D.C. Barbosa & E. Parlato-Oliveira (Orgs.), Psicanálise e clínica com bebês: sintoma,
tratamento e interdisciplina na primeira infância (pp. 51-73). São Paulo: Instituto
Langage.

274 Estilos clin., São Paulo, v. 17, n. 2, jul./dez. 2012, 262-277.

Dossie 5 Estilos 17-2.pmd 274 7/12/2012, 17:04


Dossiê
Dossiê

Freud, S. (1988a). Análise de uma fobia em


um menino de 5 anos. In S. Freud, Edição
standard brasileira das obras psicológicas com-
pletas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad.,
Vol. 10, pp.15-152). Rio de Janeiro: Imago
Editora. (Trabalho original publicado em
1909)
Freud, S. (1988b). Novas conferências
introdutórias sobre psicanálise. In S.
Freud, Edição standard brasileira das obras
psicológicas completas de Sigmund Freud (J.
Salomão, trad., Vol. 22, pp.167-191). Rio
de Janeiro: Imago Editora. (Trabalho ori-
ginal publicado em 1933)
Jerusalinsky, A. N. (1988). Desenvolvimen-
to: lugar e tempo do organismo versus
lugar e tempo do sujeito. In A. N.
Jerusalinsky, e Cols. Psicanálise e desenvolvi-
mento infantil: um enfoque interdisciplinar. Por-
to Alegre, RS: Artes Médicas.
Jerusalinsky, A. N. (1990). Seminário: a direção
da cura na psicanálise com crianças. In Associ-
ação Freudiana da Bahia, Caderno de
transcrição e tradução s/n. Salvador. Iné-
dito.
Jerusalinsky, A. N. (1991). Seminário: as identi-
ficações na cura psicanalítica. In Associação
Freudiana da Bahia. Caderno de transcri-
ção e tradução s/n. Salvador. Inédito.
Jerusalinsky, J. (2002). Enquanto o futuro não
vem. Rio de Janeiro: Ágalma.
Jerusalinsky, A. N. (2010). Psicopatologia dos
bebês: entre as neurociências e a psicaná-
lise. In D.C. Barbosa & E. Parlato-Olivei-
ra (Orgs.). Psicanálise e clínica com bebês: sin-
toma, tratamento e interdisciplina na primeira
infância (pp. 23-32). São Paulo: Ed. Insti-
tuto Langage.
Klein, M. (1975). Psicanálise da criança. São
Paulo: Editora Mestre Jou.
Kupfer, M. C. M. (2000). Notas sobre o di-
agnóstico diferencial da psicose e do
autismo na infância. Psicologia USP, 11(1).
Recuperado em 23 jun. 2005, da SciELO
(Scientific Electronic Library Online):
http://www.scielo.br

275

Dossie 5 Estilos 17-2.pmd 275 7/12/2012, 17:04


Lacan, J. (1985). O seminário, livro 17: o avesso da psicanálise, 1969-1970 (A. Roitman, trad.). Rio de
Janeiro: Jorge Zahar Editor.
Lacan, J. (1998). Subversão do sujeito e dialética do desejo no inconsciente freudiano. In J.
Lacan, Escritos (pp. 807-842). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
Laznik, M.C. (1999). Os efeitos da palavra sobre o olhar dos pais, fundador do corpo da crian-
ça. In D. B. Wanderley (Org.), Agora eu era o rei: os entraves da prematuridade (pp. 129-140).
Salvador: Ágalma.
Laznik, M.C. (2004). Introdução. In M.C. Laznik, A voz da sereia: o autismo e os impasses na consti-
tuição do sujeito (pp. 13-17). Salvador, BA: Ágalma.
Ledoux, M. H. (1991). A introdução à obra de Françoise Dolto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
Vorcaro, A. M. R. (2004). A criança na clínica psicanalítica. Rio de Janeiro: Companhia de Freud.
Winnicott, D. W. (1979). A criança e seu mundo. Rio de Janeiro: Zahar.

NOTAS
1 Análise que permitiu a Freud assentar os fundamentos para a compreensão da linguagem
pré-verbal e utilização da interpretação (Aberastury, 1986), cujos efeitos confirmaram a possi-
bilidade de se analisar crianças, bem como também comprovar suas descobertas acerca da
sexualidade infantil.
2 Jerusalinsky (2005, p. 49) “também as estruturas da infância são provisórias. Porque depen-
dem das transformações que se produzem nas relações com este Outro primordial encarnado
nos pais”.
Lembremos o quanto há de freudiano nesse pressuposto, na insistência do psicanalista em
defender, desde o início, – embora isso vá tomando contornos diferentes ao longo de sua obra
–, a necessidade de dois tempos para que se configure uma psicopatologia, o tempo da inscri-
ção, na infância, e o da fixação do sintoma, quando chega a puberdade, momento de eclosão da
sexualidade e do imperativo da escolha do objeto, a qual comporta uma renúncia à mãe, entan-
to primeiro objeto de amor.
3 Jerusalinsky (1988) já havia anunciado a “permeabilidade biológica ao significante” (p. 44).
4 Esta correlação entre o desenvolvimento e a constituição psíquica é abordada amplamente
por Julieta Jerusalinsky (2002).
5 Jerusalinsky (1990) se refere à posição temporal do Nome-do-pai; segundo ele, a problemá-
tica da sexuação é, precisamente, a que determina a posição do inconsciente na infância.
6 Considerando a anterioridade da voz em relação ao olhar, Catão (2009) propõe a voz como
o primeiro organizador do caos psíquico em que se encontra o infans.
7 “Desde o nascimento, a criança é um ser de fala, receptivo e ativo, à espera de trocas
sensório-motoras da linguagem vocal e gestual, e atento ao outro que o embala, lhe sorri e lhe
fala” (Dolto, citado por Ledoux, 1991, p. 24).
8 Para nós, trata-se de semblantear, uma vez que, embora o analista fale pelo bebê, é dos
enunciados parentais que ele se vale para intervir. Pensamos nas duas vertentes do laço primor-
dial de que nos fala Cullere-Crespin (2004), que aqui referimos ao lugar ocupado pelo analista
na transferência.

276 Estilos clin., São Paulo, v. 17, n. 2, jul./dez. 2012, 262-277.

Dossie 5 Estilos 17-2.pmd 276 7/12/2012, 17:04


Dossiê
Dossiê

9 E aqui nos reportamos a Laznik (2004):


segundo ela, o analista com uma contribui-
ção libidinal poderá operar uma mudança no
olhar desses pais em relação ao bebê. A nos-
sa hipótese é que esta mudança se refletirá
na imagem real com a qual o bebê poderá se
identificar.
10 A imagem inconsciente do corpo, con-
ceito privilegiado da Obra de Dolto, aponta
para a precocidade da atividade representati-
va do infans. Por estar marcada pela dimen-
são simbólica, esta imagem não se reduz ao
imaginário, liga-se à história pessoal e à ma-
neira como se estabelece a relação libidinal
com o Outro.
11 Para Coriat “o brincar é o cenário no qual
a criança se apropria dos significantes que a
marcaram” (1997, p. 303)
12 Propomos uma intervenção quando um
bebê apresenta transtornos psicossomáticos,
de desenvolvimento ou em situação de risco
psíquico (Barbosa, 2007, p.73).
13 Aqui podemos pensar no brincar enquan-
to sintoma clínico ou de estrutura.
14 Esse tema foi amplamente discutido por
Jerusalinsky (2002)
15 Lacan (1985) se refere ao papel da mãe
como sendo o desejo da mãe. Ferreira (2010)
formaliza e articula o desejo da mãe à função
materna.

denise.cb@uol.com.br
Rua Marechal Deodoro, 139/102
48005-020 – Alagoinhas – BA – Brasil.

Recebido em dezembro/2010.
Aceito em maio/2011.

277

Dossie 5 Estilos 17-2.pmd 277 7/12/2012, 17:04