Anda di halaman 1dari 10

A FORMAÇÃO DA TERRA E SUA ESTRUTURA

O planeta Terra se formou a cerca de 4,5 bilhões de anos, formado por vários materiais incandescentes que foram
se resfriando ao longo do tempo, o material mais pesado mergulhou e ficou concentrado no interior, como, por
exemplo, o ferro, já os materiais mais leves (gases) ficaram na superfície. A partir daí, a Terra se formou em
camadas distintas.

As camadas da Terra apresentam densidades diferentes que vão aumentando gradativamente da superfície para o
interior, o calor vai aumentando a medida que se dirige ao interior do planeta;

O grau interior da Terra é medido através do grau geotérmico com média de 1ºc a cada 30-35m.

Com o tempo a Terra foi se resfriando de forma desigual, originando três camadas principais, com característi cas
próprias;

CROSTA

A crosta terrestre é a camada da Terra onde os seres vivos habitam e onde se constrói o espaço geográfico. É a
camada mais externa e mais fina dentre as camadas do Planeta Terra. Varia de 5 a 70 km. No continente a crosta é
formada por duas zonas: a superficial ou sial e a zona inferior, onde predomina silício e magnésio, de onde vem o
nome sima.

A crosta terrestre está sempre mudando devido às ações vindas do interior do planeta, chamadas de agentes
endógenos (tectonismo e o vulcanismo), e ações de elementos externos chamados de agentes exógenos (vento, a
água e o clima).

1
MANTO

Representa 83% do volume do planeta, situada entre 7 e 3 mil km de profundidade e divide-se em manto superior
e inferior. A consistência do manto superior e inferior é pastosa e influencia a crosta através de fenômenos
geológicos diversos

NÚCLEO

Camada mais interna do globo e divide-se em núcleo externo e interno. Atinge até mais de 6 mil km de
profundidade e 5.000ºc. Em sua consistência predominam os metais pesados como o níquel e o ferro, nife.

O TEMPO GEOLÓGICO CONTA A HISTÓRIA DA TERRA

Para se entender a estrutura da Terra é necessário também, o conhecimento do tempo geológico.

O tempo geológico é dividido em eras, que são subdivididas em períodos e estes se dividem em épocas.

O conjunto que reúne as eras geológicas é conhecido como escala geológica. Cada era e seus respectivos períodos
são marcados por acontecimentos importantes da história da Terra como, por exemplo, o surgimento das
primeiras formas de vida.

A primeira Era é a chamada Pré-cambriana, que se divide em três períodos:

- Azoica: por volta de 4,5 bilhões de anos atrás, esse período é marcado pela não existência de vida, esse período
durou bilhões de anos. A fase cósmica da Terra.

- Arqueozoica e Proterozoica: nesse período passaram a surgir os seres unicelulares e invertebrados (algas e
bactérias). Formação das rochas magmáticas. Existência de dois continentes: Árqueo-ártico e Indo-afro-brasileiro.

A Era Paleozoica está dividida nos períodos: Permiano, Carbonífero, Devoniano, Siluriano, Ordoviciano e
Cambriano.

Nestes períodos houve a existência de rochas sedimentares e metamórficas. Existência de cinco continentes: Indo,
Afro, Brasileiro (Gondwana), Terra Canadense e Terra Siberiana. Surgiram os peixes e os primeiro s répteis.

A próxima Era foi a Mesozoica, dividida pelos períodos Cretáceo, Jurássico e Triássico. Surgiram mamíferos e aves;
répteis gigantescos (dinossauros); grandes florestas; e rochas sedimentares e vulcânicas.

Já na Era Cenozoica existem dois períodos, Quaternário e Terciário. Este último tem cinco épocas: Plioceno,
Mioceno, Oligoceno, Eoceno e Paleoceno. Neste período houve o desenvolvimento dos mamíferos e fanerógamos.
Os répteis gigantes foram extintos, formou-se as bacias sedimentares.

No período do Quaternário existem duas épocas: Holoceno e Pleistoceno. Houve neste período a glaciação no
hemisfério norte; delineamento dos atuais continentes; formação das bacias sedimentares recentes; apareci mento
do homem.

2
ERAS PERÍODOS PRINCIPAIS ETAPAS

Holoceno Delineamento dos atuais continentes; formação das bacias


sedimentares recentes; aparecimento do homem.
Quaternário
Pleistoceno
Cenozoica

Terciário Neste período houve o desenvolvimento dos mamíferos. Os répteis


gigantes foram extintos.

Cretáceo Aparecimento de plantas com flores.

Idade dos
Mesozoica Jurássico Domínio dos pássaros e mamíferos.
répteis

Triássico Domínio dos dinossauros.

Permiano
Idade dos
Surgem as primeiras reservas de carvão.
anfíbios
Carbonífero

Devoniano
Idade dos
Paleozoica Surgimentos dos primeiros insetos e plantas terrestres.
peixes
Siluriano

Ordoviciano
Idade dos Surgimento dos primeiros peixes e seres com conchas. Domínio dos
invertebrados trilobitas.
Cambriano

Proterozoica
Nesse período passaram a surgir os seres unicelulares (Procariontes) e

Pré- invertebrados (algas e bactérias).


Arqueozoica
cambriana

Azoica A fase cósmica da Terra. Esse período é marcado pela não existência de
vida.

3
A ORIGEM DOS CONTINENTES

Duas teorias que se complementam procuram explicar as etapas desse processo:

 Teoria da deriva dos continentes, defendida pelo meteorologista alemão Alfred Lothar Wegener, em
1912;

 Teoria das placas tectônicas, desenvolvida na década de 1960 pelos geólogos ame ricanos Harry Hess e
Robert Dietz, que comprovaram e explicaram melhor a teoria da deriva dos continentes.

TEORIA DA DERIVA DOS CONTINENTES

Através da observação do cientista alemão Alfred Wegener, em 1912, percebeu que no passado a África e a
América do Sul poderiam ter estado juntas, isso porque na sua observação, Wegener achou estranho o contorno
do litoral leste brasileiro e do contorno do litoral oeste africano. A evolução da cartografia foi essencial para
compor essa teoria, pois foi quando o ele pôde concluir que os continentes se encaixam que tal teoria foi
considerada.

Alfred Wegener propôs a Teoria da Deriva Continental. Ele afirmou que a 300 milhões de anos os continentes
formavam a Pangeia (do grego todas as terras) e um gigantesco Oceano formava a Pantalassa (do grego, todos os
mares). A Pangeia dividiu-se e os fragmentos ficaram à deriva desde então até a posição atual. Wegener
apresentou provas como a semelhança no contorno dos continentes, fósseis encontrados em diferentes
continentes, grandes jazidas carboníferas em áreas que outrora, estavam juntas e espécies de animais
semelhantes e existentes em diferentes continentes.

4
Então, Uma pergunta surgiu: Como os continentes se moviam?

Como resposta Wegener afirmava que era um processo semelhante um iceberg a se deslocar em meio a camadas
de gelo. O mesmo também cometeu falhas ao sugerir que a América do Norte e a Europa afastavam-se a uma
velocidade de 250 cm por ano (cem vezes mais rápido do que realmente acontece), por isso foi bastante
hostilizado.

Os cientistas chegaram à conclusão que a crosta terrestre n ão era uma camada sólida, mas sim um grande
conjunto de placas da litosfera que ao se deslocarem exerciam muita pressão umas sobre as outras e por fim
foram chamadas de placas tectônicas.

As maiores placas tectônicas são: Norte-Americana, Sul-Americana, Do Pacífico, Antártida, Indo-Australiana, Euro-
Asiática e Africana.

Nas regiões de contato das placas, estão as zonas geologicamente mais instáveis da terra, onde ocorrem as
atividades responsáveis pela modificação da crosta: as atividades vulcânicas e os terremotos.

É por isso que as regiões mais sujeitas a esses tipos de fenômeno, como Japão, México, Califórnia, Oriente Médio e
Itália, entre outras, estão localizadas nos limites das placas tectônicas. As áreas mais estáveis, como o território
brasileiro, localizam-se no interior das placas. Os pontos de encontro das placas, que chamamos de limite das
placas tectônicas, estão em movimento. São três os tipos de movimentos:

5
 Convergentes: deram origem a grandes cordilheiras, como os Andes, na América do Sul e a do Himalaia, no
continente asiático e também a ilhas vulcânicas, como o arquipélago japonês e a fossa do Japão;

 Divergentes: formação das dorsais oceânicas (dorsal mesoatlântica);

 Transformantes: a falha mais conhecida é a falha de San Andreas (Califórnia, Estados Unidos)

TEORIA DAS PLACAS TECTÔNICAS

A partir do desenvolvimento de novas técnicas, utilizadas na fabricação de novos equipamentos, como o batiscafo1
e o sonar 2, os geólogos americanos Harry Hess e Robert Dietz, conseguiram comprovar e explicar melhor a teoria
da deriva dos continentes – a resposta estava no fundo dos oceanos.

TEORIA DA EXPANSÃO DO FUNDO DOS OCEANOS

As rochas do fundo dos oceanos são mais recentes do que as bordas continentais. Ao longo das cordilheiras
submarinas (dorsais oceânicas), abrem-se fendas por onde passa o material magmático, que após resfriar-se,
forma uma nova crosta, causando a expansão do fundo dos oceanos.

Existem diferentes tipos de limites entre as placas tectônicas, o que permite que verdadeiras “esteiras rolantes
submarinas” sejam responsáveis pela movimentação das placas tectônicas.

1
O batiscafo é um veículo submersível destinado à exploração dos oc eanos em regiões de águas ultraprofundas. São utilizados
principalmente para pesquisa científica ou para operações de resgate das tripulações de submarinos danificados.
2
Sonar é um instrumento inicialmente usado em época de guerra para a localização de submarinos, mas que hoje em dia passou a
ter muita utilização na navegação, na pesca, no estudo e pesquisa dos oceanos, estudos atmosféricos.

6
OS AGENTES MODELADORES DO RELEVO

A rocha (ou popularmente pedra) é um agregado natural composto de alguns minerais ou de um único mineral. As
rochas são classificadas conforme sua composição química, sua forma estrutural, ou sua textura, mas é mais
comum classificá-las de acordo com os processos de sua formação. Podem ser:

ROCHAS MAGMÁTICAS OU ÍGNEAS

As rochas magmáticas ou ígneas resultam da solidificação do magma e são, portanto, rochas primárias. Pode m ser
de dois tipos:

Magmáticas intrusivas - se a solidificação do magma acontecer no interior da terra (granito);

Magmáticas extrusivas - se a solidificação do magma acontecer na superfície terrestre (basalto, pedra-pome s).

ROCHAS SEDIMENTARES

As rochas sedimentares ou secundárias originam-se dos sedimentos de outras rochas. O sedimento se forma pela
ação do intemperismo (processos físico-químicos que desintegram as rochas). Os grãos fragmentados são
transportados da área fonte e, finalmente, se acumulam em bacias sedimentares. São rochas sedimentares a areia,
o calcário e o arenito.

ROCHAS METAMÓRFICAS

São formadas quando, no interior da Terra, a temperatura e a pressão modificam rochas preexistentes (ígnea,
sedimentar, ou outra rocha metamórfica).

Os gnaisses, a ardósia e mármores exemplos de rochas metamórficas.

São essas rochas que vão dar origem ao relevo que pode se dizer que é toda forma assumida pelo terreno
(montanhas, serras, depressões, etc.) que sofreu mudanças com os agentes internos e externos sobre a crosta
terrestre. Os agentes externos são chamados também de agentes erosivos (chuva, vento, rios, etc.) eles atuam
sobre as formas definidas pelos agentes internos. As forças tectônicas (movimentos orogenéticos, terremotos e
vulcanismo) que se originam do movimento das placas tectônicas são os agentes internos.

AGENTES FORMADORES E MODELADORES DO RELEVO TERRESTRE

As forças que criam e alteram as formas de relevo podem agir no interior da terra (agentes internos ou endógenos)
ou na superfície terrestre (agentes externos ou exógenos).

Os movimentos das placas tectônicas são responsáveis pelos agentes modificadores do relevo originados no
interior da Terra. A maior parte da atividade de deformação das rochas por forças internas ocorre nos limites das
placas tectônicas, isto é, nos pontos de contato entre as placas.
7
AGENTES ENDÓGENOS (INTERNOS)

São os seguintes agentes internos (endógenos) do relevo: o tectonismo, o vulcanismo e os abalos sísmicos.

Tectonismo

Tectonismo ou diastrofismo compreende todos os movimentos que deslocam e deformam as rochas que
constituem a crosta terrestre. Manifesta-se por movimentos:

 Verticais ou epirogênicos

 Horizontais ou orogênicos

Conhecidos como diastrofismos, resultam de pressões vindas do interior da Terra que agem na crosta. Se forem
verticais, os blocos sofrem levantamentos/rebaixamentos ou fraturas ou falhas quando atingem as rochas mais
rígidas. Quando as pressões são horizontais formam-se dobramentos ao atingir rochas de pequena resistência
originando montanhas.

Dobramento Falhamentos

Vulcanismo

Diversas formas pelas quais o magma do interior da Terra chega até a superfície. Os materiais podem ser sólidos,
líquidos ou gasosos. Esses materiais acumulam-se em um depósito sob o vulcão até que a pressão gerada entre em
erupção. As lavas escorrem pelo edifício vulcânico, alterando e criando novas formas de paisagem. A manifestação
típica do vulcanismo é o cone vulcânico e o amontoado de pó, cinzas e lavas formados pelas erupções.

Quando o magma extravasa, passa a chamar-se lava. A maioria se concentra no Círculo de Fogo do Pacífico e o
Círculo de Fogo do Atlântico

Abalos sísmicos

Todos os movimentos naturais resultantes de movimentos subterrâneos de placas rochosas, de atividade


vulcânica, ou por deslocamentos de gases no interior da Terra, principalmente metano.
8
Causado por liberação rápida de grandes quantidades de energia sob a forma de ondas sísmicas que se propagam
por meio de vibrações, a maioria ocorre na fronteira de placas ou em falhas entre dois blocos rochosos.

Como consequência temos a vibração do solo, a abertura de falhas, deslizamentos de terra, tsunamis, mudança de
rotação da Terra, efeitos destrutivos sobre construções, perda de vida, ferimentos e prejuízos financeiros e sociais.
O maior já registrado foi no Chile em 1960 que atingiu 9.5 graus na escala Richter, seguido pelo da Indonésia que
atingiu 9.3, em 2004.

AGENTES EXÓGENOS (EXTERNOS)

O trabalho dos agentes internos do relevo é complementado ou modificado pela ação de agentes externos que
desgastam, destroem e constroem formas de relevo, modelando a superfície da Terra. Os dois principais age ntes
externos são o intemperismo e a erosão.

A radiação solar, juntamente com os fenômenos meteorológicos, atua como um agente externo do relevo. O calor
do sol e as águas são os grandes modeladores das paisagens e fazem essa modelagem em toda a superfície criada
por algum agente interno. A radiação que vem do Sol faz com que haja o intemperismo físico das rochas, ou seja,
elas se desagregam.

Já as águas, agem primeiramente com o intemperismo químico, que altera os minerais da rocha, transformando
em minerais de solo, fazendo com que o relevo tome a forma que deve tomar, de acordo com à proporção que
estes intemperismos agem na Terra.

Após o intemperismo agir, os processos erosivos come çam a acontecer, fazendo com que o relevo terrestre ganhe
a sua forma. Estes processos são fundamentais para deixar o relevo mais aplainado, mais baixo, agindo
concomitantemente com os agentes endógenos.

Outra característica das forças externas é que elas podem agir por meio do Intemperismo e da Erosão, mas afinal,
você sabe o que eles querem dizer?

9
INTEMPERISMO:

O intemperismo é um conjunto de processos que causam a decomposição ou a desintegração dos minerais que
compõem as rochas. É resultado da exposição contínua das rochas a agentes atmosféricos ou biológicos.

Pode ser físico ou químico.

Intemperismo físico

Consiste basicamente na desagregação da rocha, com separação dos grãos minerais que a compõem e
fragmentação da massa rochosa original.

Exemplos:

Variações de temperatura – essas mudanças são particularmente acentuadas no ambiente desértico, que tem dias
quentes e noites frias.

O congelamento da água - retida em uma fenda da rocha.

Intemperismo químico

No intemperismo químico, as rochas se decompõem a partir de uma reação química ocorrida com o contato de
elementos como o ar e a água. Os solos são resultado do intemperismo.

EROSÃO:

Erosão é o conjunto de processos que promovem a retirada e transporte do material produzido pelo
intemperismo, ocasionando o desgaste do relevo. Seus principais agentes são a água, o vento e o gelo.

A erosão pode ser de vários tipos, conforme o agente que atua:

 Erosão pluvial - é aquela provocada pela água da chuva;

 Erosão marinha - A água do mar provoca erosão através da ação das ondas, das correntes marítimas, das
marés e das correntes de turbidez. Seu trabalho é reforçado pela presença de areia e silte em suspensão ;

 Erosão glacial - é a erosão provocada pelas geleiras (também chamadas de glaciares). Geleira de Briksda na
Noruega.

 Erosão eólica - É aquela decorrente da ação do vento. Ocorre em regiões áridas e secas, onde existe areia
solta, capaz de ser transportada pelo vento, que a joga contra as rochas, desgastando -as e dando origem,
muitas vezes, a formas bizarras ou as dunas;

 Deslizamentos - o desgaste provocado pelas águas da chuva torna-se mais intenso com a inclinação do
terreno e a falta de vegetação.

10