Anda di halaman 1dari 9

O LIVRO DA CRIAÇÃO

WW Wescott, tr. (1887)

CAPÍTULO 1

1. Em trinta e dois caminhos ocultos e maravilhosos de sabedoria, JAH, o Senhor dos


Exércitos, gravou seu nome: Deus dos exércitos de Israel, Deus vivo, misericordioso e
clemente, sublime, morando no alto, que habita a eternidade. Ele criou esse universo
pelos três Sepharim, Número, Escrita e Fala.

2. Dez são os números, assim como as Sephiroth e vinte e duas as letras, estas são a
base de todas as coisas. Dessas cartas, três são mães, sete são duplas e doze são simples.

3. Os dez números formados a partir do nada são a Decada: estes são vistos nos dedos
das mãos, cinco em um, cinco no outro, e sobre eles é o Pacto pela voz espiritual, e o
rito da circuncisão, corpóreo (como de Abraão).

4. Dez são os números das Sephiroth inefáveis, dez e não nove, dez e não onze. Aprenda
esta sabedoria, e seja sábio no entendimento disto, investigue estes números, e tire
conhecimento deles, arrange o desenho em sua pureza, e passe isto para o Criador
sentado em seu trono.

5. Estes Dez Números, além do Infinito, têm reinos ilimitados, origem e fim ilimitados,
um abismo do bem e um do mal, altura e profundidade ilimitadas, Oriente e Ocidente,
Norte e Sul, e o único Deus e rei. fiel, para sempre sentado em seu trono, dominará
sobre todos, para todo o sempre.

6. Estas dez Sephiroth que são inefáveis, cuja aparência é como chamas cintilantes, não
têm fim, mas são infinitas. A palavra de Deus está neles quando eles explodem e
retornam; eles obedecem ao mandamento divino, avançando como um redemoinho,
voltando a prostrar-se em seu trono.

7. Estas dez Sephiroth que são, além disso, inefáveis, têm o seu fim como princípio,
conjuntamente, como é uma chama para um carvão ardente: pois o nosso Deus é
superlativo na sua unidade, e não permite nenhum segundo. E quem você pode colocar
antes do único?

8. E quanto a este Decad do Sephiroth, refreie teus lábios de comentário, e teu


pensamento de pensamento neles, e se teu coração falhar você voltar para o teu
lugar; Portanto, está escrito: "Os seres viventes correram e voltaram", e neste sentido o
pacto foi feito conosco.

9. Estas são as dez emanações do número. Um é o Espírito do Deus Vivo, abençoado e


mais que abençoado seja o nome do Deus Vivo das Eras. O Espírito Santo é sua voz,
seu espírito e sua palavra.

10. Segundo, do Espírito ele fez Air e formou para a fala vinte e duas letras, três das
quais são mães, A, M, SH, sete são duplas, B, G, D, K, P, R, T e doze são solteiros, E, V,
Z, CH, H, eu, L, N, S, O, Tz, Q, mas o espírito é o primeiro entre estes. Em terceiro
lugar, a água primitiva. Ele também formou e projetou a partir de seu Espírito, e da terra
nula e sem forma, mesmo como uma muralha, ou parede de pé, e variou sua superfície,
mesmo como o cruzamento de vigas. Quarto, da Água, Ele projetou Fogo, e dele
formou para si mesmo um trono de honra, com Auphanim, Serafim, Animais Sagrados e
Anjos ministradores, e com estes ele formou sua morada, como está escrito no texto
"Quem faz seus anjos espíritos e seus ministros um fogo flamejante ". (Salmo civ. 4.)

11. Ele selecionou três letras das simples e selou-as como formando seu grande Nome,
IHV e selou o universo em seis direções.

Cinco.- Ele olhou para cima e selou a altura, com IH V.

Seis.- Ele olhou abaixo, e selou as profundezas, com IV H.

Sete.- Ele olhou para a frente e selou o Oriente, com o HI V.

Oito.-Ele olhou para trás e selou o Ocidente, com VH I.

Nove.- Ele olhou para a direita e selou o sul, com VI H.

Dez.-Ele olhou para a esquerda e selou o Norte, com HV 1.

12. Estas são as dez existências inefáveis, o espírito do Deus vivo, Ar, Água, Fogo,
Altura e Profundidade, Leste e Oeste, Norte e Sul.

CAPÍTULO II

1. As fundações são as vinte e duas letras, três mães, sete duplas e doze letras
únicas. Três mães, a saber, A, M, SH, estas são Ar, Água e Fogo: Mute como Água,
Sibilando como Fogo e Ar de um tipo espiritual, é como a língua de um equilíbrio de pé
ereto entre eles apontando o equilíbrio que existe.

2. Ele formou, pesou, transmutou, compôs e criou, com essas vinte e duas letras, todo
ser vivo e toda alma ainda incriada.

3. Vinte e duas letras são formadas pela voz, impressas no ar e pronunciadas em cinco
situações, na garganta, sons guturais; no palato, palatais; pela língua, linguais; através
dos dentes, dentais; e pelos lábios, sons labiais.

4. Estas vinte e duas letras, as fundações, Ele organizou como em uma esfera, com
duzentos e trinta e um modos de entrada. Se a esfera for girada para frente, o bem está
implícito, se de maneira retrógrada o mal é intencional.

5. Pois Ele realmente mostrou o modo de combinação das letras, cada um com Aleph,
com todos, e todos com Aleph. Assim, ao combinar todos juntos, em pares, são
produzidos esses duzentos e trinta e um portais de conhecimento. E do Nada fez Ele, e
todas as formas de fala e toda coisa criada, e do vazio vazio Ele fez a terra sólida, e do
inexistente Ele trouxe Vida.
Ele parecia, por assim dizer, imensa coluna ou pilares colossais, fora do ar intangível e
do espaço vazio. E esta é a impressão do todo, vinte e uma letras, todas de um a Aleph.

CAPÍTULO III

1. As três cartas-mãe A, M, SH são as fundações do todo; e se assemelha a um


equilíbrio, o bem em uma escala, o mal no outro e a língua oscilante do equilíbrio entre
eles.

2. Essas três mães encerram um poderoso mistério, o mais oculto e o mais maravilhoso,
selado como com seis anéis, e deles procedem o Fogo, a Água e o Ar primitivos; estes
são posteriormente diferenciados em masculino e feminino. No princípio existiram estas
três mães, e surgiram três poderes masculinos e, portanto, todas as coisas se originaram.

3. As três mães são A, M, SH; e no começo, quanto ao Macrocosmo, os Céus foram


criados do Fogo, da Terra, da Água primitiva; e o Ar foi formado a partir do Espírito,
que está sozinho no meio, e é o Mediador entre eles.

4. No Ano ou no Tempo, estas três mães representam Calor, Frio e um clima


Temperado, o calor do fogo, o frio da água e o estado temperado do ar espiritual que
novamente é um equalizador entre eles. .

Essas três mães representam novamente no Microcosmo ou na Forma Humana,


masculino e feminino; a cabeça, a barriga e o peito; a conta do fogo, a barriga da água, e
o peito do ar jaz entre eles.

5. Essas três mães ele criou, formou e projetou e combinou com as três mães no mundo
e no ano e no homem, tanto masculino quanto feminino.

Ele fez Aleph reinar no ar e coroá-lo, e combinou um com o outro, e com eles selou o
Ar no mundo, o clima temperado do ano e o peito (os pulmões para respirar o ar) no
homem ; o macho com A, M, SH, a fêmea com SH, M, A. Ele causou Mem a
predominar na Água, e coroou-a, e a combinou com outras, e formou a Terra no mundo,
fria no ano, e a fruto do ventre na humanidade, sendo carregado na barriga.

Ele fez com que Shin reinasse no fogo e o coroasse, e ele combinou um com o outro e
os selou, como o céu no universo, como o calor do ano, e como a cabeça do homem e da
mulher.

CAPÍTULO IV

1. Foram formadas sete letras duplas: Beth, Gimel, Daleth, Kaph, Pe, Resh, Tau, cada
uma com duas vozes, aspiradas ou suavizadas. Estes são os fundamentos da Vida, Paz,
Riqueza, Beleza ou Reputação, Sabedoria, Frutificação e Poder. Estes são duplos,
porque seus opostos tomam parte na vida, opostos à Vida é Morte; para a paz, a
guerra; a riquezas, a pobreza; a beleza ou reputação, deformidade ou descrédito; a
sabedoria, ignorância; a fecundidade, esterilidade; Poder, Escravidão.

2. Estas sete letras duplas indicam as dimensões leste, oeste, altura, profundidade, norte,
sul, com o templo sagrado no meio, sustentando todas as coisas.
3. Essas sete letras duplas Ele formou, projetou, criou e combinou nas Estrelas do
Universo, os dias da semana, os orifícios da percepção no homem; e deles fez sete céus
e sete planetas, tudo do nada, e, além disso, ele preferiu e abençoou a sagrada hebreia.

4. De duas letras ou formas Ele compôs duas habitações; de três, seis; de quatro, vinte e
quatro; de cinco, cento e vinte; de seis, setecentos e vinte; das sete, cinco mil e
quarenta; e daí aumentam seus números de uma maneira além da contagem; e são
incompreensíveis. Esses sete são os Planetas do Universo, o Sol, Vênus, Mercúrio, Lua,
Saturno, Júpiter e Marte; os sete dias são os dias da criação; e estes são os sete portais
de um homem, dois olhos, duas orelhas, duas narinas e uma boca, através das quais ele
percebe pelos seus sentidos.

SUPLEMENTO AO CAPÍTULO IV

(Encontrado em algumas edições)

Ele causou e produziu Beth, predominante em sabedoria, coroado, combinado e formou


a Lua no Universo, o primeiro dia da semana, e o olho direito, do homem.

Gimel, predominante em saúde, coroado. combinou e formou Marte no Universo, o


segundo dia da semana, e a orelha direita no homem.

Daleth, predominante na fertilidade, coroou, combinou e formou o Sol no Universo, o


terceiro dia da semana, e a narina direita no homem.

Kaph, predominante na vida, coroou, combinou e formou Vênus no Universo, no quarto


dia da semana, e no olho esquerdo do homem.

Pe, predominante no poder, coroou, combinou e formou Mercúrio no Universo, o quinto


dia da semana, e a orelha esquerda no homem.

Resh, predominante na paz, coroou, combinou e formou Saturno no Universo, o sexto


dia da semana, e a narina esquerda no homem.

Tau, predominante na beleza, coroou, combinou e formou Júpiter no Universo, o sétimo


dia da semana, e a boca do homem.

Por estas sete cartas também foram feitos sete mundos, sete céus, sete terras, sete mares,
sete rios, sete desertos, sete dias (como antes), sete semanas desde a Páscoa até
Pentecostes, e todo sétimo ano um jubileu.

CAPÍTULO V

1. As letras simples são doze, a saber: Ele, Vau, Zain, Heth, Teth, Yod, Lamed, Nun,
Samech, Oin, Tzaddi e Quoph; eles representam as propriedades fundamentais, oito,
audição, olfato, fala, desejo por comida, apetite sexual, movimento, raiva, alegria,
pensamento, sono e trabalho. Elas simbolizam também doze direções no espaço:
nordeste, sudeste, leste acima, leste abaixo, noroeste, sudoeste, oeste acima, oeste
abaixo, sul superior, sul mais baixo, norte superior, norte mais baixo. Estes divergem
para toda a eternidade e como os braços do universo.
2. Estas doze letras, ele projetou, formou, combinou, pesou, e mudou, e criou com eles
as doze divisões dos céus (ou seja, as constelações zodiacais), os doze meses do ano, e
os doze órgãos importantes do moldura do homem, ou seja, as mãos direita e esquerda,
os pés direito e esquerdo, dois rins, o fígado, o fel, o baço, os intestinos, o esófago e o
estômago.

3. Três mães, sete dobras e doze simples, estas são as vinte e duas letras com as quais
IHVH Tetragrammaton, que é o nosso Senhor dos Exércitos, exaltado, e existiu nos
séculos, cujo nome é Santo, criou três pais, fogo e espírito e a água, progredindo além
deles, sete céus com seus exércitos de anjos; e doze limites do universo.

SUPLEMENTO AO CAPÍTULO V

(Encontrado em algumas versões)

1. Deus produziu Ele, predominante no Discurso, coroado, combinado e formado Áries


no mundo, Nisan no ano e o pé direito do homem.

2. Deus produziu Vau, predominante na Mente, coroado, combinado e formado Touro


no mundo, Yiar no ano e o rim direito do homem.

3. Deus produziu Zain, predominante no movimento, coroado, combinado e formado


Gêmeos no mundo, Sivan no ano e o pé esquerdo do homem.

4. Ele produziu Heth, predominante em Visão, coroado, combinado e formou Câncer no


mundo, Tamuz no ano e a mão direita do homem.

5. Ele produziu Teth, predominante em Audição, coroado, combinado e formado Leão


no mundo, Ab no ano e o rim esquerdo no homem.

6. Ele produziu Yod, predominante no trabalho, coroado, combinado e formado Virgem


no mundo, Elul no ano e a mão esquerda do homem.

7. Ele produziu Lamed, predominante no desejo sexual, coroado, combinado e formado


Libra no mundo, Tisri no ano, e o fel no homem.

8. Ele produzia a freira, predominante no olfato, coroada, combinada e formada


Escorpião no mundo, Marchesvano no ano e intestinos no homem.

9. Ele produziu Samech, predominante no sono, coroado, combinado e formado


Sagitário no mundo, Kislev no ano e o estômago do homem.

10. Ele produziu Oin, predominante em Raiva, coroado, combinado e formado


Capricórnio no mundo, Tebet no ano e o fígado no homem.

11. Ele produziu Tzaddi, predominante em Sabor, coroado, combinado e formado


Aquarius no mundo, Sebat no ano, e o esófago no homem.

12. Ele produziu Quoph, predominante em Mirth, coroado, combinado e formou Peixes
no mundo, Adar no ano e o baço no homem.
CHATER VI

1. Na prova destas coisas, e testemunhando fielmente o Universo, o Ano do Tempo, e o


próprio Homem, o Microcosmo. Ele fixou estes como testemunhos da Tríade, o Heptad
e o Dodecad; as doze constelações governantes do mundo, o dragão (THELE) Tali que
circunda o universo e o microcosmo, o homem.

A tríade, fogo, água e ar; o fogo acima, a água abaixo e o ar no meio. A prova disso é
que o ar é um participante de ambos.

2. Tali, o Dragão, está acima do Universo, como um rei em seu trono; a esfera do ano
como um rei em seu estado, o coração do homem como um rei na guerra.

E nosso Deus fez os estados de oposição, bem e mal, bem do bem e mal do mal. A
felicidade é reservada para os justos e a miséria para os iníquos.

3. E fora da tríade, um se destaca; e no heptad há duas tríades e uma em pé. O dodecad


simboliza a guerra, a tríade de amizade, a tríade de inimizade, três que são vivificantes,
três que lidam com a morte, e Deus, o rei fiel, governa sobre todos do trono de sua
santidade.

Um acima de três, três acima de sete e sete acima de doze, e todos estão ligados entre si
e um com o outro.

4. Depois que nosso pai Abraão tinha visto, e ponderado, investigado e entendido essas
coisas, ele projetou, gravou, e os compôs, e os recebeu em seu poder (mãos). Então o
Senhor de todos lhe apareceu, fez um pacto com ele, beijou-lhe a cabeça e, chamando-o
de seu nome, chamou-lhe seu amigo; e como está escrito, completou uma aliança com
ele e com sua semente para sempre, que então creu em Deus, o Tetragrammaton, e foi
imputado a ele por justiça.

Deus ordenou uma aliança entre os dedos dos pés, a circuncisão; e uma aliança entre os
dedos de suas mãos, a da língua. Ele amarrou as essências das vinte e duas letras em sua
língua, e Deus revelou a ele os segredos delas. Deus os transportou através das águas,
Ele os carregou no alto do fogo e os carimbou nas tempestades do ar; Ele as distribuiu
entre as sete estrelas e as designou para doze constelações celestes. Um homem.

OS TRINTA E DOIS CAMINHOS DA SABEDORIA

APÊNDICE AO SEPHER YETZIRAH

O Primeiro Caminho é chamado de Admirável ou a Inteligência Oculta (A Coroa Mais


Elevada) - pois é a Luz que dá o poder de compreensão daquele Primeiro Princípio que
não tem começo, e é a Glória Primordial, pois nenhum ser criado pode alcançar sua
essência.

O Segundo Caminho é o da Inteligência Iluminadora, é a Coroa da Criação, o Esplendor


da Unidade, igualando-se a ela, e é exaltado acima de cada conta, e nomeado pelos
Cabalistas como a Segunda Glória.
O Terceiro Caminho é a Inteligência Santificante, e é a base da fundação da Sabedoria
Primordial, que é chamada o Antigo da fé, e suas raízes, Amém; e é o pai da fé, da qual
emanam as virtudes da fé.

O Quarto Caminho é chamado de Medido, Coeso ou Receptacular; e assim é chamado


porque contém todos os poderes sagrados, e dele emanam todas as virtudes espirituais
com as essências mais exaltadas: elas emanam uma da outra pelo poder da emanação
primordial (A Coroa Mais Elevada), abençoada seja ela.

O Quinto Caminho é chamado de Inteligência Radical, porque é em si mesmo a


essência igual à Unidade, unindo-se à BINAH ou à Inteligência que emana das
profundezas primordiais da Sabedoria ou CHOCHMAH.

O Sexto Caminho é chamado de Inteligência da Influência Mediadora, porque nele se


multiplicam os influxos das emanações; pois faz com que a afluência flua para todos os
reservatórios das Bênçãos, com as quais elas mesmas estão unidas.

O Sétimo Caminho é a Inteligência Oculta, porque é o Esplendor Refulgente de todas as


virtudes intelectuais percebidas pelos olhos do intelecto e pela contemplação da fé.

O Oitavo Caminho é chamado Absoluto ou Perfeito, porque é o meio do primordial, que


não tem raiz pela qual ele possa se apegar, nem descansar, exceto nos lugares ocultos de
GEDULAH. Magnificência, que emana de sua própria essência própria.

O Nono Caminho é a Inteligência Pura assim chamada porque purifica as Numerações,


prova e corrige o desenho de sua representação e dispõe sua unidade com a qual elas são
combinadas sem diminuição ou divisão.

O Décimo Caminho é a Inteligência Resplandecente, porque é exaltado acima de cada


conta e se senta no trono de BINAH (a Inteligência falada no Terceiro Caminho). Ele
ilumina o esplendor de todas as luzes e faz com que um suprimento de influência emane
do Príncipe dos semblantes.

O Décimo Primeiro Caminho é a Inteligência Cintilante, porque é a essência dessa


cortina que é colocada perto da ordem da disposição, e esta é uma dignidade especial
dada a ela, que pode ser capaz de estar diante da Face da Causa das Causas. .

O Décimo Segundo Caminho é a Inteligência da Transparência, porque é essa espécie


de Magnificência, chamada CHAZCHAZIT, que é denominada o lugar de onde emite a
visão daqueles que vêem nas aparições. (Isto é, as profecias por videntes em uma visão.)

O Décimo Terceiro Caminho é chamado de Inteligência Una e é assim chamado porque


é em si a essência da Glória. É a Consumação da Verdade das coisas espirituais
individuais.

O Décimo Quarto Caminho é a Inteligência Iluminadora, e é assim chamado porque é


em si aquele CHASHMAL que é o fundador das idéias ocultas e fundamentais da
santidade e de seus estágios de preparação.
O Décimo Quinto Caminho é a Inteligência Constituinte, assim chamada porque
constitui a substância da criação na escuridão pura, e os homens falaram dessas
contemplações; é essa escuridão falada na escritura, Jó xxxviii. 9, "e a escuridão
espessa, uma faixa envolvente para isso".

O Décimo Sexto Caminho é a Inteligência Triunfal ou Eterna, assim chamada porque é


o prazer da Glória, além do qual nenhuma outra Glória gosta, e é também chamado o
Paraíso preparado para os Justos.

O Décimo Sétimo Caminho é a Inteligência de Disposição, que fornece Fé aos Justos, e


eles são revestidos com o Espírito Santo por ele, e é chamado de Fundação de
Excelência no estado de coisa superior.

O Décimo Oitavo Caminho é chamado de Casa da Influência (pela grandeza de cuja


abundância o influxo de coisas boas sobre os seres criados é aumentado) e do meio da
investigação os arcanos e os sentidos ocultos são extraídos, que habitam em sua sombra
e que agarrar-se a ela, da causa de todas as causas.

O Décimo Nono Caminho é a Inteligência de todas as atividades dos seres espirituais, e


é assim chamado por causa da riqueza difundida por ele da mais alta bênção e mais
exaltada e sublime glória.

O Vigésimo Caminho é a Inteligência da Vontade, e é assim chamado porque é o meio


de preparação de todos e de cada ser criado, e por essa inteligência a existência da
Sabedoria Primordial se torna conhecida.

O Vigésimo Primeiro Caminho é a Inteligência da Conciliação, e é assim chamado


porque recebe a influência divina que flui para ele de sua benção sobre todos e cada
existência.

O Vigésimo Segundo Caminho é a Inteligência Fiel, e é assim chamado porque, por


meio dela, as virtudes espirituais são aumentadas e todos os habitantes da Terra estão
quase sob sua sombra.

O Vigésimo Terceiro Caminho é a Inteligência Estável, e é assim chamado porque tem a


virtude de consistência entre todas as numerações.

O Vigésimo Quarto Caminho é a Inteligência Imaginativa, e é assim chamado porque dá


uma semelhança a todas as similitudes, que são criadas da mesma maneira que suas
harmoniosas elegâncias.

O Vigésimo Quinto Caminho é a Inteligência da Provação, ou é Provisório, e é assim


chamado porque é a principal tentação, pela qual o Criador (abençoado seja Ele) prova
todas as pessoas justas.

O Vigésimo Sexto Caminho é chamado de Inteligência Renovadora, porque o Deus


Santo (abençoado seja Ele) renova por ele todas as coisas mutáveis que são renovadas
pela criação do mundo.
O Vigésimo Sétimo Caminho é a Inteligência Emocionante, e é assim chamado de bem-
estar, pois é criado o Intelecto de todos os seres criados sob o mais alto céu, e a
excitação ou movimento deles.

O Vigésimo Oitavo Caminho é a Inteligência Natural, e é assim chamado porque através


dele é consumado e aperfeiçoado a natureza de todo ser existente sob a órbita do Sol,
em perfeição.

O Vigésimo nono Caminho é a Inteligência Corpórea, assim chamada porque forma


todo corpo que é formado sob o conjunto de mundos e o incremento deles.

O Trigésimo Caminho é a Inteligência Coletora, e é assim chamado porque os


Astrólogos deduzem dele o julgamento das Estrelas, e dos signos celestes, e as
perfeições de sua ciência, de acordo com as regras de suas revoluções.

O Trigésimo Primeiro Caminho é a Inteligência Perpétua; e por que é assim


chamado? Porque regula os movimentos do Sol e da Lua em sua ordem adequada, cada
um em uma órbita conveniente para ele.

O Trigésimo Segundo Caminho é a Inteligência Administrativa, e é assim chamado


porque dirige e associa, em todas as suas operações, os sete planetas, mesmo todos eles
em seus próprios cursos.

FIM DO SEPHER YETZIRAH