Anda di halaman 1dari 15

Embora fascinante, a poesia grega arcaica é matéria complexa e fugidia, Carlos A. Martins de Jesus Carlos A.

Martins de Jesus é Doutor

Carlos A. Martins de Jesus


por o investigador ter à mão apenas um corpus fragmentário e a cada passo pela Universidade de Coimbra em Estudos
com transmissão controversa. A investigação neste domínio exige, pois, caute- Clássicos, na especialidade de Literatura
la e argúcia nas interpretações e conclusões. O autor demonstra essa preocu- Grega, com a tese que originou este volume.
pação, já que, quer na exposição dos assuntos, feita com rigor e profundidade Tem um conjunto de livros publicados, com
e apoiada na leitura de vasta bibliografia, quer no diálogo que procura salientar destaque para a tradução de autores gre-
entre poesia e artes plásticas, quer na argumentação produzida, revela boa gos, entre os quais os Fragmentos Poéticos
informação e evidencia prudência no tratamento e discussão de questões, por de Arquíloco (Imprensa Nacional – Casa
vezes complexas. da Moeda 2008), as Odes e Fragmentos
As conclusões que avança são propostas com grande cuidado e sensatez, de Baquílides (Imprensa da Universidade de Coimbra, Annablume 2014),
consciente de que as dificuldades e escolhos são muitos para quem trabalha as Suplicantes de Ésquilo (FESTEA 2012), o Diálogo sobre o Amor de
na poesia grega arcaica, onde o corpus que nos chegou é sempre muito in- POESIA E ICONOGRAFIA Plutarco (CECH 2009) e as Vespas de Aristófanes (FESTEA 22009). A
completo. Por isso, não se trata tanto de concluir, mas mais de problematizar Mito, desporto e imagem estes, somam-se várias dezenas de artigos publicados em revistas da
aspetos e questões abordados ao longo da análise. Ainda assim, apesar de nos epinícios de Baquílides especialidade.
todos os cuidados e da consciência que demonstra dos escolhos do terreno Atualmente, em paralelo a uma constante atividade de direção tea-
pisado, conclui que Baquílides se revela um exímio contador de histórias e tral em Granada (Espanha), desenvolve um projeto de Pós-Doutoramento

Mito, desporto e imagem nos epinícios de Baquílides


que opta pelo uso de mitos tradicionais e por uma conciliação temperada entre financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, intitulado
tradição e novidade. Antologia Grega. Transmissão e Tradução, do qual resultou já a tradu-
Por todas essas razões, e ainda pela qualidade literária que exibe, é de ção de vários livros da Antologia (publicação em série pela Imprensa da
enaltecer a publicação de Poesia e Iconografia: mito, desporto e imagem Universidade de Coimbra, Annablume) e a edição crítica do Peplo pseudo-

POESIA E ICONOGRAFIA
nos epinícios de Baquílides. Acresce ainda que – e ia a dizer acima de tudo – -aristotélico (Pseudo-Aristotle. Epitaphs for the Heroes. Pepli Epitaphia.
faz falta ao contexto literário português e vem preencher uma lacuna que nele Introduction, text, and commentary. Berlin, LogosVerlag, 2015).
existe. É que vem contribuir, de forma segura e clara, para o surpreendente
ressurgir de um poeta, ao longo de tantos séculos esquecido – Baquílides.

José Ribeiro Ferreira


Professor Catedrático Jubilado da Universidade de Coimbra

capa baquílides.indd 213 08-02-2017 10:53:40


Prefácio 5

CARLOS ALBERTO MARTINS DE JESUS

POESIA E ICONOGRAFIA
Mito, desporto e imagem
nos epinícios de Baquílides

baquílides.indb 5 31-01-2017 11:53:22


6 Poesia e Iconografia – Mito, desporto e imagem nos epinícios de Baquílides

baquílides.indb 6 31-01-2017 11:53:22


Prefácio 7

SUMÁRIO

Adentrar-se em Baquílides 13

Observações preliminares 19

PRIMEIRA PARTE: DADOS PRELIMINARES

I. Aproximações à narrativa mítica: entre poesia e artes plásticas 23


1. Introdução 23
2. Análise estruturalista do mito: valências de um modelo redutor 26
3. Literatura e iconografia: duas formas de contar uma história 32
4. Walter Burkert e a cristalização do mito: uma reapreciação 53
5. Entre arte e literatura: valências de dois códigos semióticos 56
6. O mito na pintura de vasos: origens e percurso 61
7. Ekphrasis: processo criativo ou potencial criador? 74
8. Baquílides e a iconografia: estado da questão 82

II. Mito e desporto: celebração poética e plástica da vitória 91


1. Das origens aos Poemas Homéricos – o óbvio paradigma mítico 91
2. Jogos, recintos e modalidades: a obsessiva presença do mito 95
3. Celebração plástica e poética da vitória 100
4. Celebrar o vencedor: rivalidade ou colaboração semiótica? 120
5. Atletas e heróis: a construção do paradigma mítico 127

III. Baquílides: Percurso biográfico e artístico 133


(A) Cronologias e espaços de mobilidade 133
1. Introdução 133
2. Ascendência, contexto geográfico e nascimento 134
3. Início de carreira e espaços de mobilidade 138
a) Tessália e Macedónia 138
b) Egina 147

baquílides.indb 7 31-01-2017 11:53:22


8 Poesia e Iconografia – Mito, desporto e imagem nos epinícios de Baquílides

c) Atenas 150
d) Os tiranos da Magna Grécia 156
4. Últimas composições do poeta: o regresso à pátria 162
5. Um poeta exilado? 167
6. Testemunhos sobre a data de morte 171

(B) Conhecimento e recuperação de um poeta 175


1. A (des)fortuna crítica na Antiguidade 175
2. Recuperação e aproximações críticas 179

SEGUNDA PARTE: MITO, DESPORTO E ARTES PLÁSTICAS


NOS EPINÍCIOS DE BAQUÍLIDES

I. “Louvar Hierão”: o mito ao serviço dos triunfos de um tirano 189


Introdução: Hierão, Siracusa e o atletismo na Magna Grécia 189
1. Héracles e Meleagro: entre o épico e o trágico (ode 5) 194
1.1. Sobre o epinício 206
1.2. Héracles e Meleagro, um encontro na morte e sobre a morte 212
1.3. Potencialidades de um mito (aparentemente) pessimista 229
1.4. A tradição literária 237
1.5. A tradição iconográfica 248
2. Creso da Lídia, entre história e mito (ode 3) 257
2.1. Circunstâncias do epinício 264
2.2. Hierão, ou o encómio de um patrono especial 268
2.3. Creso na pira: como um herói vence a morte em Baquílides 276
2.4. O fim de Creso: entre história, literatura e iconografia 285

II. Mitos locais e etiologias: resposta a uma ânsia pan-helénica 305


Introdução 305
1. Fundação e civilização nos trilhos da luz (ode 1) 309
1.1. Datação e contextos 318
1.2. O mito: análise literária 319
1.3. Dos possíveis sentidos do mito na ode 1 328
2. Folclore local e pan-helenismo (ode 9) 332
2.1. Datação e contextos 340
2.2. Arquémoro, os Sete e a etiologia dos Jogos Nemeus 340

baquílides.indb 8 31-01-2017 11:53:22


Prefácio 9

2.3 A descendência de Asopo: o mito central do epinício 351


3. Hybris, loucura e purificação (ode 11) 360
3.1. Circunstâncias e estrutura do epinício 368
3.2. Fundação do culto de Ártemis e transição para o Metaponto 374
3.3. Loucura e purificação das Prétides 377
3.4. Preto, Acrísio e a fundação de Tirinte 381
3.5. Das razões para a escolha deste mito 383
3.6. A tradição literária 386
3.7. A tradição arqueológica e iconográfica 392
4. Egina, pátria ancestral dos vencedores de Troia (ode 13) 396
4.1. O epinício em contexto 409
4.2. Aquiles e Ájax: a aristeia de dois heróis locais e pan-helénicos 418
4.3. Evidências da iconografia, com destaque para escultura local 426
5. Héracles e a etiologia dos Jogos Nemeus (odes 9 e 13) 434

III. O MITO NOS EPINÍCIOS DE BAQUÍLIDES. CONCLUSÕES 443


1. (Im)possibilidades estatísticas e aspetos formais 443
2. A unidade do epinício: escolha e funções retóricas do mito 448
3. Conhecimento e uso das fontes: da originalidade de Baquílides 453

BIBLIOGRAFIA 457

ÍNDICES
Índice de Nomes e Autores 481
Índice de Termos Gregos 529
Índice de Ilustrações 531

baquílides.indb 9 31-01-2017 11:53:22


10 Poesia e Iconografia – Mito, desporto e imagem nos epinícios de Baquílides

baquílides.indb 10 31-01-2017 11:53:22


Prefácio 11

para a Professora Maria Helena da Rocha Pereira,


que tanto dispõe de si em favor de quantos
timidamente a buscam.

baquílides.indb 11 31-01-2017 11:53:22


12 Poesia e Iconografia – Mito, desporto e imagem nos epinícios de Baquílides

baquílides.indb 12 31-01-2017 11:53:22


Prefácio 13

ADENTRAR-SE EM BAQUÍLIDES

Foram quatro os anos que dedicámos ao trabalho que agora se publica.


Durante esse tempo, buscámos uma análise o mais profunda possível do corpus
epinício que nos chegou de Baquílides, poeta contemporâneo do grande Píndaro,
que a tradição e os séculos elevaram ao patamar quase divino de maior lírico
dos Gregos. Mas jamais nos assaltou o sentimento de estudar um poeta sombrio,
secundário ou menor, pois que a posição de sombra que durante dois milénios e
meio ocupou – estamos certos, como estão tantos outros – outra explicação não
teve do que a mesma escuridão que, sob as areias egípcias, durante séculos (quase
dezoito) ocultou o rolo de papiro com os seus textos, esse que uns camponeses
haveriam de encontrar em 1896, ou pouco antes disso.
Com isto julgamos poder explicar desde já a necessidade de, na Parte II,
reconstituir o percurso artístico do poeta pelo mundo grego cultural de então,
sobretudo a partir dos testemunhos internos da própria obra conservada, pois que,
na ausência de outros, continuam a ser eles os mais fidedignos; ainda no mesmo
capítulo, impôs-se reconstituir a construção da figura e da arte de Baquílides, da
Antiguidade à contemporaneidade, para assim explicar como foi o seu não conhe-
cimento textual o responsável pelo pouco crédito e pelas tímidas aproximações crí-
ticas que, até o dealbar da segunda metade do século XX, a sua poesia conheceu.
Pese embora a postura nem sempre isenta com que leu Baquílides, é impossível
não reconhecer razão a Wilamowitz quando, em recensão à primeira edição do
Papiro de Londres, reconhecia que teria sido melhor para o poeta ser recuperado
e publicado em 1597 do que em 1897, pois que, nesse período, teria recebido mais
apreciações positivas e exercido uma maior influência sobre os autores modernos.
Se o projeto inicial pretendia uma análise dos mitos atualizados por
Baquílides em todo o corpus conservado, cedo percebemos que seria mais séria
uma postura moderada, razão pela qual acabámos por nos centrar em exclu-
sivo sobre o texto dos epinícios e, dentro destes, sobre aqueles que atualizavam

baquílides.indb 13 31-01-2017 11:53:22


14 Poesia e Iconografia – Mito, desporto e imagem nos epinícios de Baquílides

um episódio mítico narrativamente desenvolvido e com caráter paradigmático.


Tal opção constitui a razão de ser da Parte I deste livro, na qual se recuperam
as valências de uma teoria de interpretação do mito há muito tida como ultra-
passada e redutora – a estruturalista. Com efeito, a excessiva matematização do
mito que leva a cabo esconde uma verdade inultrapassável e que nos foi sobrema-
neira útil; referimo-nos à noção de estrutura, de conjunto de traços distintivos
ou complementares que, na literatura como nas artes plásticas, está de facto na
base da construção e interpretação de qualquer episódio mítico. Porque interpre-
tar o uso que determinado poeta ou pintor faz de um segmento mítico consiste
nisso mesmo, na distinção daquilo que são traços tradicionais desses outros, cuja
ausência ou pouca frequência de atualizações pode autorizar a considerá-los da
lavra do artista em causa. Aqui se discute a validade de conceitos operativos cen-
trais como sejam o de “traço”, “cena formular” ou “contexto formular”, depois
aplicados à análise poética da segunda parte do nosso estudo.
Ainda no âmbito de um diálogo mais de colaboração do que de imitação
entre poesia e artes plásticas, as páginas seguintes buscam, por via da explanação
das principais teorias e da análise de exemplos, apresentar a ambos os registos,
o literário e o pictórico, como igualmente legítimos na atualização, construção e
adaptação de tradições míticas. Porque, como começámos por defender, ambos
os registos constituem poéticas do mito, formas válidas de o criar e recriar, com as
caraterísticas, valências e limitações inerentes a cada um. Neste sentido, retomá-
mos e amplificámos a noção de “cristalização” de Walter Burkert, na medida em
que tanto a literatura – que tomamos sempre na sua dupla vertente oral e escrita
– quanto as artes plásticas podem, a dado momento, fixar um conjunto de traços
que, relativamente estável, seja depois reaproveitado, com mais ou menos varian-
tes, por outros artistas, outros poetas (lato sensu) do mito. A este respeito, o exem-
plo mítico de Héracles foi uma e outra vez convocado, em específico esse quadro
plástico extremamente frequente na pintura de vasos desde o século VI, no qual
o herói e o Leão de Nemeia estão ambos de pé e frente a frente, no momento em
que o primeiro desfere sobre a besta o golpe fatal ou, simplesmente, tenta vencê-
-la com a força das suas mãos; uma cena que, com semelhantes contornos gráfi-
cos, não é sequer exclusiva deste mito ou do folclore grego, como provam vários
exemplos da iconografia e da literatura egípcia e babilónica. O mesmo Héracles a
propósito do qual, no final do nosso trabalho, analisámos dois episódios de pro-
pósitos etiológicos, tratados por Baquílides nas odes 9 e 13. Próximo da abertura
das odes, a introdução destes relatos míticos visa justificar a atmosfera religiosa

baquílides.indb 14 31-01-2017 11:53:22


Prefácio 15

do espaço atlético e da própria vitória, com isso criando, implicitamente, uma


ligação simbólica entre o atleta e o maior dos heróis-atletas do mito, em si mesma
justificada pela tradição folclórica atlética, literária e plasticamente evidente.
Estabelecemos ainda, nesta parte preliminar, um percurso diacrónico pela
presença do mito na pintura de vasos – no qual problematizámos, na esteira de
outros autores, a consideração de algumas representações como mitos de facto.
Assim, e considerando o caso das ditas representações dramáticas de mitos, che-
gámos à aparentemente simples mas nuclear noção de informação, como postulada
por O. Taplin. Entende este estudioso que os mitos são informados pelas peças,
significam mais, têm mais interesse e profundidade para alguém que conheça a
peça em causa. Assim, ao buscar a tradição plástica de determinada cena usada por
Baquílides, num contexto bem determinado, estamos afinal em busca das provas
desse conhecimento comunitário, explícito ou implícito, dessa informação mítica
que, no limite, torna coerente a seleção do episódio pelo poeta. Com isto se torna
manifesto que a relação informativa entre o mito verbal e o mito plástico funciona
em ambos os sentidos, já que ambos os registos são, afinal de contas, dois produtos
simbolicamente distintos de um mesmo contexto. É essa, estamos em crer, a única
relação verdadeiramente possível (diríamos mesmo até útil e correta) entre poesia
e iconografia, sobretudo para o caso de uma poesia tão profundamente ecfrástica
como é a de Baquílides, noção (a de ekphrasis) sobre a qual também refletimos.
Se é certo que o mito, na sua relação com o desporto, encontra como tantas
outras realidades da cultura grega uma origem atestada nos Poemas Homéricos;
se, da mesma forma, não há como negar a presença verdadeiramente obsessiva do
mito no contexto espacial e simbólico dos recintos nos quais se realizavam os Jogos,
buscámos em seguida demonstrar como, também ao nível da celebração da vitó-
ria, o que estava em causa era, no fundo, uma opção. Opção do atleta, mais prova-
velmente do seu patrono, da sua família ou da sua cidade, ora por um epinício ora,
por exemplo, por uma estátua erigida no próprio santuário. Mais, se a frequência
de uma ou outra opção variou ao longo do tempo, é também verdade que tanto o
artista plástico quanto o artista da palavra dispunham de um mesmo contexto, de
um mesmo património de imagens e episódios, verbais ou plásticos, com os quais
podiam trabalhar. Como tal, analisámos casos em que determinado trecho de um
epinício parece reportar-se às esculturas de um edifício ou a uma estátua atlética
que a arqueologia nos permitiu conservar ou reconstruir. Para estes casos, não
defendemos necessariamente que o poeta estivesse a imitar, completar ou sequer a
aludir ao artista plástico, ou vice-versa, como pretendem outros autores. Embora

baquílides.indb 15 31-01-2017 11:53:22


16 Poesia e Iconografia – Mito, desporto e imagem nos epinícios de Baquílides

semelhante leitura não seja impossível – e, em alguns casos, sequer pouco provável
– o mais seguro continua a ser o caminho da complementaridade, o da partilha
de um mesmo contexto e de um mesmo conjunto de finalidades encomiásticas.
Falamos em finalidades pois, como em seguida julgamos ter demonstrado,
era propósito dos próprios atletas criar, muitas vezes ainda em vida, uma autoas-
similação ao paradigma de um herói. Por isso os vemos, a esses atletas-heróis,
representados em moedas por sua própria ordem cunhadas à imagem plástica de
Héracles, e sobretudo ele. E por isso também nos fez sentido concluir, antes de
partir para a análise dos epinícios de Baquílides, que a lógica do paradigma mítico
que subjaz a um epinício, mais do que mostra da arte do seu cultor, era afinal a
resposta poética a uma verdadeira exigência estética do tempo e do patronato.
Com estes propósitos nos lançámos à análise do texto de Baquílides, sobre-
tudo o dos epinícios 1, 3, 5, 9, 11 e 13 da maioria das edições, pois que são esses
os que, com mais ou menos lacunas (no global poucas) atualizam uma narrativa
mítica desenvolvida e complexa com intuito paradigmático. Porque o cerne do
nosso estudo não é linguístico, abstivemo-nos de discussões puramente filológi-
cas, surgindo estas apenas e quando diferentes conjeturas ou correções ao texto
do papiro tivessem implicações diretas no assunto que pretendíamos estudar – o
tratamento poético (literário e plástico) do mito. No texto conservado, pela aná-
lise da sua expressividade, dos valores dos seus epítetos e demais expressões, ten-
támos contudo recuperar essa linguagem de sabor plástico, sem esquecer o con-
texto e as exigências (por vezes nada poéticas ou românticas) do género cultivado.
Em duas grandes seções dividimos o estudo dos mitos atualizados nos epiní-
cios: esses que celebram as equipas equestres patrocinadas por Hierão de Siracusa
(odes 3 e 5), e esses outros que comemoram vitórias de atletas de distintas zonas
geográficas do mundo grego, que desde cedo nos pareceram mais apostados num
encómio coletivo da cidade do que do atleta ou do seu patrono em particular
(odes 1, 9, 11 e 13). Depois da necessária contextualização dos poemas em estudo
(circunstâncias de encomenda, produção e apresentação, na medida em que a tal
conhecimento é possível aceder), a análise centra-se em três vetores: o tratamento
do episódio mítico pelo poeta e a análise dos seus antecedentes e contemporâneos
– não necessariamente dos seus modelos – literários e iconográficos. Com efeito,
o método da busca de fontes, entendidas como atualizações literárias ou plásticas
que tenham exercido, sobre o passo em estudo, uma autoridade modelar cons-
ciente da parte do artista que as recebe, é por nós recusado – à imagem da maior
parte das abordagens sérias das últimas décadas.

baquílides.indb 16 31-01-2017 11:53:22


Prefácio 17

No momento de estabelecer linhas conclusivas, e tendo em conta a dificul-


dade em estabelecer padrões e estatísticas em face de um corpus incompleto,
apostámos sobretudo na problematização de aspetos que foram sendo abordados
ao longo da análise, como sejam o evidente tom pessimista de alguns mitos esco-
lhidos e, consequentemente, a sua lógica na economia de uma ode que se quer – e
é sempre, de facto – encomiástica. A unidade das odes, desta feita, consegue-se
sobretudo por uma série de ecos verbais e por algo que parece da predileção de
Baquílides: o conhecimento da sua audiência e a confiança na capacidade inter-
pretativa e criativa desta, o que explica, em si, o final por alguns considerado
abrupto de determinadas narrativas míticas. Mais do que alterar por completo
as linhas de uma história, Baquílides prefere mexer neste e naquele aspeto, apos-
tando sobretudo numa arte narrativa expressiva e controlada. Porque, no que ao
mito diz respeito – e o mesmo seria válido para os demais géneros poéticos cul-
tivados, se neles tivéssemos tido hipótese de nos adentrar – Baquílides se revela,
acima de tudo, um exímio contador de histórias.

Muitas foram as pessoas e instituições que tornaram possível a concretiza-


ção deste trabalho. Ao nosso orientador, o Professor Doutor José Ribeiro Ferreira,
agradecemos as horas disponibilizadas, a bibliografia facultada e as leituras sempre
atentas das páginas que, paulatinamente, lhe íamos fazendo chegar às mãos. Aos
colegas e professores do Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Faculdade
de Letras, muito especialmente à Professora Doutora Luísa de Nazaré Ferreira,
manifestamos de igual modo o nosso infindável reconhecimento. À Fundação para
a Ciência e Tecnologia agradecemos o financiamento, sob a forma de uma bolsa
de investigação científica e o apoio a estadias breves de pesquisa na Universidad
Complutense de Madrid, na Universidad Nacional de La Plata (Argentina) e na New
York University. Nestes locais, contámos com o apoio e o acolhimento preciosos
dos Professores Doutores Fernando García Romero, Ana María González de Tobia,
Barbara Kowalzig e David Sider, que sempre se mostraram prontos a discutir este
ou aquele ponto do estudo que mais nos atormentasse. À nossa família e aos amigos,
que de menção não necessitam, deixamos expresso o nosso muito obrigado. Por fim,
a ti, a presença de um e do outro lado do oceano.

Granada, setembro de 2016


Carlos A. Martins de Jesus

baquílides.indb 17 31-01-2017 11:53:22


Embora fascinante, a poesia grega arcaica é matéria complexa e fugidia, Carlos A. Martins de Jesus Carlos A. Martins de Jesus é Doutor

Carlos A. Martins de Jesus


por o investigador ter à mão apenas um corpus fragmentário e a cada passo pela Universidade de Coimbra em Estudos
com transmissão controversa. A investigação neste domínio exige, pois, caute- Clássicos, na especialidade de Literatura
la e argúcia nas interpretações e conclusões. O autor demonstra essa preocu- Grega, com a tese que originou este volume.
pação, já que, quer na exposição dos assuntos, feita com rigor e profundidade Tem um conjunto de livros publicados, com
e apoiada na leitura de vasta bibliografia, quer no diálogo que procura salientar destaque para a tradução de autores gre-
entre poesia e artes plásticas, quer na argumentação produzida, revela boa gos, entre os quais os Fragmentos Poéticos
informação e evidencia prudência no tratamento e discussão de questões, por de Arquíloco (Imprensa Nacional – Casa
vezes complexas. da Moeda 2008), as Odes e Fragmentos
As conclusões que avança são propostas com grande cuidado e sensatez, de Baquílides (Imprensa da Universidade de Coimbra, Annablume 2014),
consciente de que as dificuldades e escolhos são muitos para quem trabalha as Suplicantes de Ésquilo (FESTEA 2012), o Diálogo sobre o Amor de
na poesia grega arcaica, onde o corpus que nos chegou é sempre muito in- POESIA E ICONOGRAFIA Plutarco (CECH 2009) e as Vespas de Aristófanes (FESTEA 22009). A
completo. Por isso, não se trata tanto de concluir, mas mais de problematizar Mito, desporto e imagem estes, somam-se várias dezenas de artigos publicados em revistas da
aspetos e questões abordados ao longo da análise. Ainda assim, apesar de nos epinícios de Baquílides especialidade.
todos os cuidados e da consciência que demonstra dos escolhos do terreno Atualmente, em paralelo a uma constante atividade de direção tea-
pisado, conclui que Baquílides se revela um exímio contador de histórias e tral em Granada (Espanha), desenvolve um projeto de Pós-Doutoramento

Mito, desporto e imagem nos epinícios de Baquílides


que opta pelo uso de mitos tradicionais e por uma conciliação temperada entre financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, intitulado
tradição e novidade. Antologia Grega. Transmissão e Tradução, do qual resultou já a tradu-
Por todas essas razões, e ainda pela qualidade literária que exibe, é de ção de vários livros da Antologia (publicação em série pela Imprensa da
enaltecer a publicação de Poesia e Iconografia: mito, desporto e imagem Universidade de Coimbra, Annablume) e a edição crítica do Peplo pseudo-

POESIA E ICONOGRAFIA
nos epinícios de Baquílides. Acresce ainda que – e ia a dizer acima de tudo – -aristotélico (Pseudo-Aristotle. Epitaphs for the Heroes. Pepli Epitaphia.
faz falta ao contexto literário português e vem preencher uma lacuna que nele Introduction, text, and commentary. Berlin, LogosVerlag, 2015).
existe. É que vem contribuir, de forma segura e clara, para o surpreendente
ressurgir de um poeta, ao longo de tantos séculos esquecido – Baquílides.

José Ribeiro Ferreira


Professor Catedrático Jubilado da Universidade de Coimbra

capa baquílides.indd 213 08-02-2017 10:53:40