Anda di halaman 1dari 8

Anthony Giddens Sociologia 6.a Edição imaginável pelas gerações anteriores. Como se desenvolveu este mundo?

Porque são as nossas condições de vida tão diferentes das dos nossos pais
Tradução de Alexandra Figueiredo Ana Patrícia Duarte Baltazar e avós? Que rumo tomarão no futuro os processos de mudança? Estas
Catarina Lorga da Silva Patrícia Matos Vasco Gil questões são as principais interrogações da Sociologia, um campo de
Coordenação e revisão científica de José Manuel Sobral estudos que tem um papel fundamental a desempenhar na cultura
intelectual moderna. A Sociologia é o estudo da vida social humana,
FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Serviço de Educação e grupos e sociedades. É uma tarefa fascinante e constrangedora, na
Bolsas medida em que o tema de estudo é o nosso próprio comportamento
enquanto seres sociais. A esfera de acção do estudo sociológico é
Tradução do original inglês intitulado SOCJOLOGY 4'h Edition extremamente abrangente, podendo ir da análise de encontros casuais
Copyright O Anthony Giddens 2001 publicado por Polity Press em
entre indivíduos que se cruzam na rua até à investigação de processos
associação com Blackwell Publishers Ltd.
sociais globais. A maior parte de nós vê o mundo em termos das
Reservado todos os direitos de harmonia com a lei Edição da características das nossas próprias vidas, com as quais estamos
FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Av.de Bema I Lisboa 2008 familiarizados. A Sociologia mostra que é necessário adoptar uma
perspectiva mais abrangente do modo como somos e das razões pelas
Depósito Legal 273409/08 ISBN 978-972-31-1075-3 quais agimos. Ensina-nos que o que consideramos natural, inevitável, bom
ou verdadeiro pode não o ser, e que o que tomamos como «dado» nas
Tradução do original inglês intitulado SOCJOLOGY 4'h Edition
nossas vidas é forte* mente influenciado por forças históricas e sociais.
Copyright O Anthony Giddens 2001 publicado por Polity Press em
associação com Blackwell Publishers Ltd. Compreender as maneiras ao mesmo tempo subtis, complexas e
profundas, pelas quais as nossas vidas individuais reflectem os contextos
da nossa experiência social é essencial à perspectiva sociológica.
Desenvolvendo uma perspectiva sociológica Aprender a pensar
Capítulo 1: O que é a Sociologia? sociologicamente - por outras palavras, olhar mais além - significa cultivar
a imaginação. Estudar Sociologia não pode ser simplesmente um processo
Vivemos hoje - no começo do século vinte e um - num mundo rotineiro de acumulação de conhecimentos. Um sociólogo é alguém capaz
intensamente inquietante e, ao mesmo tempo, repleto das maiores de se libertar do quadro das suas circunstâncias pessoais e pensar as
promessas para o futuro. É um mundo inundado pela mudança, marcado coisas num contexto mais abrangente. O trabalho sociológico depende do
por graves conflitos, tensões e divisões sociais, bem como pelo assalto que o autor americano C. Wright Mills, numa frase famosa, denominou de
destrutivo ao meio ambiente natural promovido pela tecnologia imaginação sociológica (Mills, I970). A imaginação sociológica implica,
moderna. Não obstante, temos mais possibilidades de controlar melhor acima de tudo. abstrairmo-nos das rotinas familiares da vida quotidiana
os nossos destinos e de dar um outro rumo às nossas vidas do que era de maneira a poder olhá-las de forma diferente. Tenha-se em
consideração o simples acto de beber uma chávena de café. O que há a comunicações a nível mundial. Em quarto lugar, o acto de beber uma
dizer, do ponto de vista sociológico, acerca de um comportamento chávena de café pressupõe todo um processo de desenvolvimento social
aparentemente tão desinteressante? Imenso. Podemos começar por e económico passado. Com outros artigos hoje familiares nas dietas
notar que o café não é meramente uma bebida. Enquanto parte das ocidentais - como o chá, as bananas, as batatas e o açúcar - o café tornou-
nossas actividades sociais quotidianas possui um valor simbólico. O ritual se um produto de consumo generalizado somente nos finais do século
associado ao acto de tomar café é frequentemente muito mais XIX. Embora seja uma bebida originária do Médio Oriente, o seu consumo
importante do que o consumo de café propriamente dito. Duas pessoas maciço data do perío» do da expansão colonial ocidental, há cerca de um
que combinam encontrar-se para tomar café estarão provavelmente mais século e meio atrás. Praticamente todo o café que se bebe nos países
interessadas em estarem juntas e conversarem do que em beber, de ocidentais provém de áreas (América do Sul e Africa) colonizadas pelos
facto, café. Em todas as sociedades, na realidade, beber e comer europeus; não é, de maneira nenhuma, um elemento «natural» da dieta
proporcionam ocasiões para a interacção social e o desempenho de ocidental. A herança colonial teve um impacto enorme sobre o
rituais - e tal fornece temáticas ricas para o estudo sociológico. Em desenvolvimento do comércio mundial de café. Em quinto lugar, o café é
segundo lugar, o café é uma droga, pois contém cafeína, que exerce no um produto que está no centro do debate actual em torno da
cérebro um efeito estimulante. Os adictos em café não são vistos pela globalização, do comércio mundial, dos direitos humanos e da destruição
maioria das pessoas no Ocidente como consumidores de droga. O café, tal ambiental. À medida que o café aumentou a sua popularidade, tomou-se
como o álcool, é uma droga socialmente aceitável, enquanto a marijuana, um produto politizado e um assunto de marketing: as escolhas dos
por exemplo, não o é. No entanto, há sociedades que permitem o consumidores sobre que tipo de café beber e onde comprar tomaram-se
consumo de marijuana e mesmo de cocaína, mas desaprovam tanto o opções de estilo de vida. As pessoas podem escolher beber apenas café
café como o álcool. Os sociólogos estão interessados nas razões pelas orgânico, café des* cafeinado naturalmente ou café comerciado a preços
quais estes contrastes existem. Em terceiro lugar, um indivíduo que bebe «justos» (através de esquemas que pagam o total do preço de mercado a
uma chávena de café está envolvido numa complicada rede de relações pequenos produtores de café em países em vias de desenvolvimento).
sociais e económicas de dimensão internacional. O café é um produto que Podem optar por apoiar cafetarias «independentes», em vez das cadeias
liga as pessoas de algumas das partes mais ricas e mais pobres do planeta: internacionais de cafetarias como a «Starbucks». Os consumidores de
é consumido em grande quantidade nos países ricos, mas cultivado café podem decidir boicotar café proveniente de determinados países
fundamentalmente nos pobres. Depois do petróleo, o café é a mercadoria onde haja pouco respeito pelos direitos humanos e o ambiente natural.
mais valiosa do comércio internacional, representando a principal Para os sociólogos, é interessante perceber de que forma a globalização
exportação de muitos países. A produção, transporte e distribuição do aumenta a consciência das pessoas acerca de questões que se passam em
café implicam transacções constantes que envolvem pessoas a milhares pontos remotos do planeta, incentivando-as a actuar no dia-a-dia em
de quilómetros dos consumidores. Estudar estas transacções globais é função desse novo conhecimento.
uma tarefa importante da Sociologia, na medida em que muitos aspectos
das nossas vidas são hoje afectados por influências sociais e
Estudar Sociologia universitários não são uma amostra típica da população no seu todo, pois
tendem a ser oriundos de meios sociais mais pri* vilegiados. E as suas
A imaginação sociológica permite*nos ver que muitos dos fenómenos, atitudes, por norma, reflectem as dos seus amigos e conhecidos. Os meios
que parecem dizer respeito apenas ao indivíduo, na verdade, reflectem sociais de onde provimos têm muito a ver com o tipo de decisões que
questões mais amplas. O divórcio, por exemplo, pode ser um processo consideramos adequadas. Mas suponha que respondeu negativamente a
muito complicado para quem o atravessa - aquilo a que Mills chama uma ou mais destas questões. Poderá ser oriundo de um grupo
«problema pessoal». Mas, como ele refere, o divórcio é também uma minoritário ou pobre. Poderá andar pela meia-idade ou ser ainda mais
questão pública e na ordem do dia numa sociedade como a britânica nos velho. É provável que tenha tido que lutar para chegar onde chegou; pode
dias de hoje, onde mais de um terço dos casamentos acaba ao fim de dez ter sido obrigado a ultrapassar reacções hostis por parte de amigos e de
anos. O desemprego, para dar outro exemplo, pode ser uma tragédia outros quando anunciou que pretendia ir para a faculdade; ou pode ser
pessoal para quem foi despedido de um emprego e não consegue arranjar ao mesmo tempo aluno do ensino superior e pai ou mãe. Embora todos
outro. Contudo, é uma questão que vai além do desespero privado, sejamos influenciados pelo contexto social em que nos inserimos,
quando dez milhões de pessoas de uma sociedade estão nessa mesma nenhum de nós tem o seu comportamento determinado unicamente por
situação: é uma questão pública que expressa grandes tendências sociais. esses contextos. Nós possuímos, e criamos, a nossa própria
Tente aplicar esta maneira de ver as coisas à sua própria vida. Não é individualidade. É tarefa da Sociologia investigar as relações entre o que a
necessário pensar unicamente em fenómenos inquietantes. Considere, sociedade faz de nós e o que nós fazemos de nós próprios. O que nós
por um momento, as razões pelas quais folheia as páginas deste livro - fazemos tanto estrutura - dá forma a - o mundo social que nos rodeia
porque é que está a estudar Sociologia. Pode ser um estudante relutante como, simultaneamente, é estruturado por esse mesmo mundo social. O
de Sociologia, que tenta fazer o curso apenas por ter de obter uma conceito de estrutura social é um conceito importante para a Sociologia.
licenciatura. Ou pode ser um entusiasta que procura saber mais acerca da Refere-se ao facto de os contextos sociais das nossas vidas não
matéria. Sejam quais forem as suas motivações, é provável que, sem que consistirem apenas em acontecimentos e acções ordenados
o saiba necessariamente, tenha muito em comum com outros que aleatoriamente; eles estão estruturados, ou padronizados, de diferentes
estudam Sociologia. A sua decisão privada reflete a sua posição na maneiras. Há regularidades no modo como nos comportamos ou nas
sociedade. As seguintes características aplicam*se a si? É novo? É branco? relações que temos com outras pessoas. Mas a estrutura social não é
De um estrato social de profissionais qualificados ou colarinhos-brancos? como uma estrutura física, como um edifício, que existe de forma
Teve ou tem algum «part-time» que lhe permita ganhar mais algum independente das acções humanas. As sociedades humanas nunca
dinheiro? Deseja encontrar um bom emprego quando acabar a escola, deixam de estar em processo de estruturação. Elas são reconstruídas a
embora não esteja especialmente interessado nos estudos? Não tem a todo o momento pelos vários «blocos» que as compõem - seres humanos
certeza do que é a Sociologia, embora pense que tem algo a ver com o como nós. Como exemplo, pense novamente no caso do café. Uma
comportamento das pessoas em grupos? Mais de três quartos de vocês chávena de café não aparece automaticamente nas nossas mãos. Tem de
responderá afirmativamente a estas perguntas. Os estudantes decidir, por exemplo, ir a um determinado café, optar entre uma bica ou
um garoto, e por aí adiante. À medida que vai tomando essas decisões, intencionais de cariz prejudicial. A título de exemplo, refira-se que nos
juntamente com outros milhões de pessoas, está a configurar o mercado anos que se seguiram à Segunda Guerra Mundial construíram-se grandes
do café e a afectar a vida dos produtores de café que vivem blocos habitacionais de iniciativa pública no centro das cidades de muitos
possivelmente do outro lado do mundo, a milhares de quiló- metros de países. A intenção era providenciar um bom nível de habitação, com
distância. zonas comerciais e outros serviços públicos à mão, para os moradores dos
bairros degradados e com baixos rendimentos. Contudo, a investigação
Como pode a Sociologia ajudar-nos na nossa vida? mostrou que muitos dos que se mudaram para esses blocos habitacionais
se sentiam isolados e infelizes. Em muitos casos os grandes blocos
A Sociologia tem muitas implicações práticas para as nossas vidas, tal habitacionais e as áreas comerciais em zonas pobres depressa se
como Mills sublinhou quando desenvolveu o seu conceito de imaginação degradaram, tendo-se transformado em viveiros para a ladroagem e
sociológica. outros crimes violentos.
Consciência de diferenças culturais A u t o - conscientização
Em primeiro lugar, a Sociologia permite que olhemos para o mundo social Em terceiro lugar, e em alguns aspectos o mais importante, a Sociologia
a partir de muitos pontos de vista. Muito frequentemente, se pode permitir-nos uma auto-consciencializaçâo - uma auto-compreensão
compreendermos correctamente o modo como os outros vivem, cada vez maior. Quanto mais sabemos acerca das razões pelas quais
adquirimos igualmente uma melhor compreensão dos seus problemas. As agimos como agimos e como funciona, de uma forma global, a nossa
medidas políticas que não se baseiam numa consciência informada dos sociedade, tanto mais provável é que sejamos capazes de influenciar o
modos de vida das pessoas que afectam têm poucas hipóteses de nosso futuro. Não devemos conceber a Sociologia como algo que apenas
sucesso. Deste modo, um assistente social branco que trabalhe numa ajuda os decisores políticos - ou seja, os poderosos - a tomar as melhores
comunidade predominantemente negra não irá ganhar a confiança dos medidas. Não se pode presumir que aqueles que estão no poder, ao
seus membros, a não ser que desenvolva uma sensibilidade face às tomarem decisões, tenham sempre em consideração os interesses dos
diferenças de experiência social que frequentemente separam brancos e grupos menos poderosos ou desfavorecidos. Os grupos com
negros. autoconsciência podem, com frequência, beneficiar da investigação
sociológica, para assim poder responder de uma forma eficaz às medidas
Avaliação dos efeitos das políticas políticas governamentais ou para promover as suas próprias iniciativas
Em segundo lugar, a pesquisa sociológica fornece uma ajuda prática na políticas. Grupos de auto-ajuda, como os Alcoólicos Anónimos, e
avaliação dos resultados de iniciativas políticas. Um programa de movimentos sociais, como os ecologistas, são exemplos de grupos sociais
reformas práticas pode simplesmente falhar a consecução dos objectivos que lograram introduzir reformas práticas com um sucesso considerável.
que os seus autores pretendiam, ou produzir consequências não O desenvolvimento do pensamento sociológico Quando começam a
estudar Sociologia, muitos alunos ficam perplexos com a diversidade de transformaram irreversivelmente o modo de vida que os seres humanos
abordagens existentes. A Sociologia nunca foi uma daquelas disciplinas levavam há milhares de anos. A Revolução Francesa de 1789 representou
com um corpo de ideias unanimemente aceites como válidas. Os o triunfo das ideias e valores seculares, como a liberdade e a igualdade,
sociólogos discutem entre si frequentemente acerca da melhor maneira sobre a ordem social tradicional. Foi o início de um movimento dinâmico
de estudar o comportamento humano e da forma como os resultados das e intenso que a partir de então se espalhou pelo globo, tornando-se algo
pesquisas devem ser interpretados. Porque é que isto se passa assim? A inerente ao mundo moderno. A segunda grande revolução teve início na
resposta está relacionada com a própria natureza do campo de estudos. A Grã-Bretanha em finais do século XVIII, antes de se verificar noutros locais
Sociologia debruça-se sobre as nossas vidas e o nosso próprio da Europa, na América do Norte e noutros continentes. Ficou conhecida
comportamento, e estudar-nos a nós próprios é a mais difícil e complexa como
tarefa que podemos empreender.
Revolução Industrial - o conjunto amplo de transformações econômicas e
Os primeiros teóricos sociais que acompanharam o surgimento de novos avanços tecnológicos
como a máquina a vapor e a mecanização. O surgimento da indústria
Nós, os seres humanos, sempre sentimos curiosidade pelas razões do conduziu a uma migração em grande escala de camponeses, que
nosso próprio comportamento, mas durante milhares de anos as deixaram as suas terras e se transformaram em trabalhadores industriais
tentativas de nos entendermos dependeram de formas de pensar em fábricas, o que causou uma rápida expansão das áreas urbanas e
transmitidas de geração em geração. Estas ideias eram expressas introduziu novas formas de relacionamento social. A Revolução Industrial
frequentemente em termos religiosos, ou em mitos bem conhecidos, mudou de forma dramática a face do mundo social, incluindo muitos dos
superstições ou crenças tradicionais. O estudo objectivo e sistemático da nossos hábitos pessoais. A maior parte da comida que ingerimos e das
sociedade e do comportamento humano é uma coisa relativamente bebidas que tomamos - o café, por exemplo - são hoje em dia produzidos
recente, cujos inícios remontam aos finais do século XVIII. Um através de meios industriais. A destruição dos modos de vida tradicionais
desenvolvimento-chave foi o uso da ciência para se compreender o levou os pensadores a desenvolver uma nova concepção dos mundos
mundo - a emergência de uma abordagem científica teve como natural e social. Os pioneiros da Sociologia confrontaram-se com os
consequência uma mudança radical nas formas de ver e entender as eventos que acompanharam essas revoluções, tentando compreender
coisas. As explicações tradicionais baseadas na religião foram tanto as razões da sua emergência como as suas consequências
suplantadas, em sucessi* vas esferas, por tentativas de conhecimento potenciais. O tipo de questões a que estes pensadores do século XIX
racional e crítico. Tal como a Física, a Química, a Biologia e outras procuraram responder - O que é a natureza humana? Porque é que a
disciplinas, a Sociologia surgiu como parte deste importante processo sociedade está estruturada assim? Como mudam as sociedades e por que
intelectual. As origens da disciplina inserem-se no contexto de uma série razão o fazem? - são as mesmas a que os sociólogos procuram responder
de mudanças radicais introduzidas pelas «duas grandes revoluções» da actualmente.
Europa dos séculos XVIII e XIX. Estes acontecimentos profundos
Auguste Comte váveis que ressaltam directamente da experiência. Com base em
cuidadosas observações sensoriais, podemos inferir as leis que explicam a
Ninguém pode, por si só, como é óbvio, fundar sozinho todo um novo relação existente entre os fenómenos observados. Compreendendo o
campo de estudos, e foram muitos aqueles que contribuíram para os relacionamento causal entre acontecimentos, os cientistas podem então
começos do pensamento sociológico. Contudo, é frequentemente prever o modo como futuros acontecimentos poderão ocorrer. A
atribuído um lugar de destaque ao autor francês Auguste Comte (1798- abordagem positivista da Sociologia acredita na produção de
1857), nem que seja porque foi ele quem de facto inventou o termo conhecimento acerca da sociedade com base em provas empíricas
«Sociologia». Originalmente, Comte usou a expressão «física social», mas retiradas da observação, da comparação e da experimentação. A lei dos
alguns dos seus rivais intelectuais da altura também a usavam. Comte três estádios de Comte postula que as tentativas humanas para
queria distinguir o seu ponto de vista da visão dos seus rivais, de modo compreender o mundo passaram pelos estádios teológico, metafísico e
que criou o termo «Sociologia» para descrever a disciplina que pretendia positivo. No estádio teológico, as ideias religiosas e a crença que a
estabelecer. O pensamento de Comte reflectia os acontecimentos sociedade era uma expressão da vontade de Deus eram o guia do
turbulentos do seu tempo. A Revolução Francesa havia introduzido uma pensamento. No estádio metafí- sico, que se afirmou pela época do
série de mudanças importantes na sociedade e o crescimento da Renascimento, a sociedade começou a ser vista em termos naturais, e não
industrialização tinha alterado o modo tradicional de vida da população sobrenaturais. O estádio positivo, desencadeado pelas descobertas e
francesa. Comte procurou criar uma ciência da sociedade que pudesse feitos de Copérnico, Galileu e Newton, encorajou a aplicação de técnicas
explicar as leis do mundo social, à imagem das ciências naturais que científicas ao mundo social. Comte, ao adoptar esta última perspectiva,
explica» vam como funcionava o mundo físico. Embora reconhecesse que considerava a Sociologia como a última das ciências a desenvolver-se -
cada disciplina científica tem o seu próprio objecto de análise, Comte depois da Física, da Quí- mica e da Biologia embora também a mais
acreditava que todas partilham uma lógica comum e um método importante e complexa das ciências. Já na fase final da sua carreira,
científico, o que visa revelar leis universais. Tal como a descoberta das leis Comte concebeu planos ambiciosos para a reconstrução da sociedade
do mundo natural nos permite controlar e prever os acontecimentos à francesa em particular e das sociedades humanas em geral, com base nos
nossa volta, também desvendar as leis que governam a sociedade seus pontos de vista sociológicos. Reclamou a fundação de uma «religião
humana nos pode ajudar a configurar o nosso destino e a melhorar o da humanidade», que deveria abandonar a fé e o dogma em favor de um
bem-estar da humanidade. Comte acreditava que a sociedade se submete fundamento científico. A Sociologia estaria no centro desta nova religião.
a leis invariá- veis, de um modo muito semelhante ao que sucede no Comte estava perfeitamente consciente do estado da sociedade em que
mundo físico. Comte via a Sociologia como uma ciência positiva. vivia: estava preocupado com as desigualdades que a industrialização
Acreditava que a disciplina devia aplicar ao estudo da sociedade os produzia e a ameaça que elas constituíam para a coesão social. A solução
mesmos métodos científicos e rigorosos que a Física ou a Química usam a longo prazo, de acordo com a sua perspectiva, consistia na produção de
para estudar o mundo físico. O positivismo defende que a ciência deve um consenso moral que ajudaria a regular, ou unir, a sociedade, apesar
preocupar-se apenas com factos obser- O QU E E A SOCIOLOGIA ? 25 dos novos padrões de desigualdade. Embora o caminho de Comte para a
reconstrução da sociedade nunca se tivesse concretizado, a sua da economia ou a influência da religião. Durkheim acreditava que as
contribuição para a sistematização e unificação da ciência da sociedade sociedades tinham uma realidade própria - ou seja, a sociedade não se
foi importante para a posterior profissionalização da Sociologia enquanto resume às simples acções e interesses dos seus membros individuais. De
disciplina académica. acordo com o autor, factos sociais são formas de agir, pensar ou sentir
que são externas aos indivíduos, tendo uma realidade própria exterior à
Emile Durkheim vida e percepções das pessoas individualmente. Outra característica dos
factos sociais é exercerem um poder coercivo sobre os indivíduos. No
A obra de outro autor francês, Émile Durkheim (1858-1917), teve um entanto, a natureza constrangedora dos factos sociais raramente é
impacto mais duradouro na Sociologia moderna do que a obra de Comte. reconhecida pelas pessoas como algo coercivo, pois de uma forma geral
Embora se apoiasse em determinados aspectos da obra de Comte, actuam de livre vontade de acordo com os factos sociais, acreditando que
Durkheim pensava que muitas das ideias do seu predecessor eram estão a agir segundo aç suas opções. Na verdade, afirma Durkheim,
demasiado especulativas e vagas, e que Comte não realizara com sucesso frequentemente as pessoas seguem simples* mente padrões que são
o seu programa - dar à Sociologia um carácter científico. Durkheim via a comuns na sociedade onde se inserem. Os factos sociais podem
Sociologia como uma nova ciência que podia ser usada para elucidar condicionar a acção humana de variadas formas, que vão do castigo puro
questões filosóficas tradicionais, examinando-as de modo empírico. e simples (no caso de um crime, por exemplo) a um simples mal-
Durkheim, como anteriormente Comte, acreditava que devemos estudar entendido (no caso do uso incorrecto da linguagem). Durkheim
a vida social com a mesma objectividade com que cientistas estudam o reconhecia que os factos sociais são difíceis de estudar. Os factos sociais
mundo natural. O seu famoso princípio básico da Sociologia era «estudar não podem ser observados de forma directa, dado serem invisíveis e
os factos sociais como coisas». Queria com isso dizer que a vida social intangíveis. Pelo contrário, as suas propriedades só podem ser reveladas
podia ser analisada com o mesmo rigor com que se analisam objectos ou indirectamente, através da aná- lise dos seus efeitos ou tendo em
fenó- menos da natureza. A obra de Durkheim abrange um vasto espectro consideração tentativas feitas para as expressar, como leis, textos
de tópicos. Três dos principais temas que abordou foram: a importância religiosos ou regras de conduta estabelecidas. Durkheim sublinhava a
da Sociologia enquanto ciência empírica; a emergência do indivíduo e a importância de pôr de lado os preconceitos e a ideologia ao estudar
formação de uma ordem social; e as origens e carácter da autoridade factos sociais. Uma atitude científica exige uma mente aberta à evidência
moral na sociedade. Encontraremos as ideias de Durkheim repetidas dos sentidos e liberta de ideias preconcebidas provenientes do exterior. O
vezes nas nossas discussões teó* ricas acerca da religião, do desvio e do autor defendia que os conceitos científicos apenas podiam ser gerados
crime, do trabalho e da vida económica. Para o autor, a principal pela prática científica. Desafiou os sociólogos a estudar as coisas tal como
preocupação intelectual da Sociologia reside no estudo dos factos sociais. elas são e a construir novos conceitos que reflectissem a verdadeira
Em vez de aplicar métodos sociológicos ao estudo de indivíduos, os natureza das coisas sociais. Tal como os outros fundadores da Sociologia,
sociólogos deviam antes analisar fac* tos sociais - aspectos da vida social Durkheim estava preocupado com as mudanças que transformavam a
que determinam a nossa acção enquanto indivíduos, tais como o estado sociedade do seu tempo. Estava particularmente interessado na
solidariedade social e moral - por outras palavras, naquilo que mantém a reciprocidade econômica e de mútua dependência vêm substituir as
sociedade unida e impede a sua queda no caos. A solidariedade é mantida crenças partilhadas na função de criar um consenso social.
quando os indivíduos se integram com sucesso em grupos sociais e se
regem por um conjunto de valores e costumes partilhados. Na sua
primeira grande obra, A Divisão Social do Trabalho (1893), Durkheim
expôs uma análise da mudança social, defendendo que o advento da era
industrial representava a emergência de um novo tipo de soli* dariedade.
Ao desenvolver este argumento, o autor contrastou dois tipos de
solidariedade - mecânica e orgânica relacionando-os com a divisão do
trabalho e o aumento de distinções entre ocupações diferentes. Segundo
Durkheim, as culturas tradicionais com um nível reduzido de divisão do
trabalho caracterizam-se pela solidariedade mecânica. Em virtude da
maior parte dos membros da sociedade estar envolvida em ocupações
similares, eles estão unidos em tomo de uma experiência comum e de
crenças partilhadas. A força destas últimas é de natureza repressiva - a
comunidade castiga prontamente quem quer que ponha em causa os
modos de vida convencionais. Desta forma resta pouco espaço para
dissidências individuais. A solidariedade mecânica baseia-se, por
conseguinte, no consenso e na similaridade das crenças. No entanto, as
forças da industrialização e da urbanização conduziram a uma maior
divisão do tra* balho, o que contribuiu para o colapso desta forma de
solidariedade. A especialização de tarefas e a cada vez maior
diferenciação social nas sociedades desenvolvidas haveria de conduzir a
uma nova ordem caracterizada pela solidariedade orgânica, defendia
Durkheim. Este tipo de sociedades estão unidas pelos laços da
interdependência económica entre as pes* soas e pelo reconhecimento
da importância da contribuição dos outros. À medida que a divisão do
trabalho aumenta, as pessoas tornam-se cada vez mais dependentes
umas das outras, dado que cada uma necessita dos bens e serviços que só
outras pessoas com ocupações diferentes podem fornecer. Relações de