Anda di halaman 1dari 15

Resumo

O objectivo deste trabalho é abordar acerca dos processos de transmissão de calor, que é
compreendido como sendo à passagem da energia térmica de um local para outro desde
o momento que haja a diferencia de temperaturas. Essa transmissão pode ocorrer de três
formas diferentes: condução, convecção e radiação. E cada mecanismo obedece uma lei
e será abordado no trabalho.

Introdução

O conhecimento de processo de transmissão de calor apresenta grande importância para


os estudantes de curso de engenharia mecânica e para a vida dos engenheiros, uma vez
que a aplicabilidade deste conhecimento é amplo, no que diz respeito ao
desenvolvimento e análise dos equipamentos, motor e na criação de novos projectos,
como também, para procedimentos operacionais em processos industriais e académicos.

Como estudantes de Engenharia de Máquinas Marítimas é importante que entendamos


os mecanismos que fundamentam os processos de transmissão de calor para que
sejamos capazes de aplicar desde já e num futuro próximo.

1
Objectivo Geral

 Falar de processos básicos de transmissão de calor

Objectivos Específicos
 Apresentar o conceito de calor;
 Identificar a relação entre transmissão de calor e a termodinâmica;
 Analisar as leis Básicas de Transferência de Calor.

2
1. Calor

Definição

O calor é uma forma de transferência de energia térmica devida uma diferença de


temperatura. E a energia térmica é a soma das energias cinéticas (movimento) das
partículas que compõem o corpo/sistema (.).

Calor: Forma de energia que se transmite espontaneamente de um corpo para o outro


quando entre eles existir uma diferença de temperatura.

1.1. Processo de transmissão de calor

Definição

Segundo Nhambiu (2017:3) “Transmissão de Calor é o processo pelo qual a energia é


transportada sempre que existir um gradiente de temperatura no interior de um sistema
ou, quando dois sistemas com diferentes temperaturas são colocados em contacto”.

“Transmissão de calor é a energia térmica em trânsito devido a um gradiente de


temperatura” (Lhamas, 2016:2).

Sempre que existir uma diferença de temperaturas em um meio ou entre meios, haverá,
necessariamente, transferência de calor.

Fig 1– fluxo de calor

Nota-se haver uma distribuição desigual de temperatura o que acarretará em um


transporte de calor no sentido do Sol para Terra.

Se há um gradiente de temperatura, há transferência de energia em forma de calor até


que se atinja o equilíbrio térmico.

3
1.2. Relação entre termodinâmica e transmissão de calor
1.2.1. 1ª Lei da Termodinâmica

A primeira lei da Termodinâmica preconiza que a energia não pode ser criada ou
destruída mas sim transformada de uma forma para outra. Esta lei governa
quantitativamente todas as transformações de energia, mas não faz restrições quanto à
direcção das referidas transformações (Nhambiu, 2017:4).

A primeira lei da Termodinâmica também conhecida como lei de conservação de


energia pode ser enunciada da seguinte forma: “ a variação total da quantidade de
energia (aumento ou redução) da energia de um sistema durante um processo é igual a
diferença entre a energia total que entra e a que sai do sistema durante o processo”.

Fig 2– Variação total de energia de um sistema.

É¿ = Éout

Termodinâmica e Transferência de Calor

Fig3 – garrafa térmica

4
Normalmente interessa saber quanto tempo demora o chá quente, dentro da garrafa
térmica, a atingir determinada temperatura, o que não pode ser determinado só pela
análise termodinâmica

1.2.2. 2ª Lei da Termodinâmica

A segunda lei de termodinâmica diz que nenhum processo é possível, cujo único
resultado seja uma transmissão líquida de calor de uma região de baixa temperatura para
outra de temperatura mais alta.

Termodinâmica e Transferência de Calor

Fig4 – café quente

O calor sempre flui de uma região com temperatura mais alta para uma de mais baixa.

De acordo com Birchal (2015:1) a relação que existe entre termodinâmica e


transferência de calor é:

Termodinâmica

 Lida com estados extremos inicial e final, com estados de equilíbrio;


 Não fornece informações sobre a natureza das interacções entre sistema e
vizinhança;
 Não fornece informações sobre a taxa de transferência de calor.

5
Transferência de calor

 É resultado de um gradiente (falta de equilíbrio) de temperatura;


 Trata do modo como ocorre a transferência de calor;
 Trata das taxas de transferência de calor;
 Envolvem transferência e conversão de energia: devem obedecer a 1ª e a 2ª lei
da termodinâmica.

1.2.3. Corolário das Duas Leis

A termodinâmica clássica está limitada principalmente ao estudo dos estados de


equilíbrio (mecânico, químico e térmico) e sendo assim ela é de pouca ajuda na
determinação quantitativa das transformações que ocorrem devido à deficiência ou falta
de equilíbrio dos processos de engenharia.

Sendo o fluxo de calor resultado de falta de equilíbrio de temperatura o seu tratamento


quantitativo deve ser baseado em outros ramos da ciência (Nhambiu, 2017:9).

Calor e outras formas de energia

Na análise de sistemas que envolvem fluxos de fluidos, frequentemente encontra-se


combinação das propriedades u e Pv. Por conveniência esta combinação é definida com
entalpia h. Ela é, h = u + Pv onde o termo Pv representa a energia do fluxo do fluído
(Nhambiu, 2017:10).

Fig5 – fluxo de um fluido

A energia pode-se manifestar de várias formas tais como a térmica, mecânica, cinética,
potencial, eléctrica, magnética, química e nuclear. À soma de todas as formas é
chamada de energia total e designada pela letra E.

6
As formas de energia estão relacionadas com a estrutura molecular do sistema e o grau
da actividade molecular é chamado de energia microscópica.

A soma de todas as formas microscópicas de energia é chamada energia interna do


sistema e designada pela letra U.

Fig6 – fluido estacionário

O calor específico é definido como a energia necessária para elevar a temperatura de


uma unidade de massa de uma substância em um grau. Ele pode ser:

 Calor específico a volume constante Cv;


 Calor específico a pressão constante Cp.

O calor a pressão constante Cp é maior que a volume constante Cv, porque a pressão
constante o sistema expande e a energia para esta expansão deve ser fornecida ao
sistema.

Cp = Cv + R

O calor específico é a energia requerida para elevar em um grau a temperatura de uma


unidade de massa de determinada substância de um modo específico.

1.3. Mecanismos Básicos de Transmissão de Calor

Existem três modos básicos de transmissão de calor que são:

 Condução;
 Convecção;
 Radiação.

Todos os modos de transferência de calor requerem que haja diferença de temperatura, e


em todos eles a transferência de calor se faz da temperatura mais alta para a mais baixa.

7
1.3.1. Condução

É um processo pelo qual o calor flui duma região de alta temperatura para outra de
baixa temperatura dentro de um meio (sólido, líquido ou gasoso) ou entre meios
diferentes em contacto físico directo (Nhambiu, 2017:17).

Na condução a energia é transmitida por meio de comunicação molecular directa, sem


apreciáveis deslocamentos das moléculas.

Gás

 Colisões moleculares;
 Difusão molecular.

Fig7 – moléculas de gás

Líquido

 Colisões moleculares;
 Difusão molecular.

Fig 8 – moléculas de líquido

Sólido

 Pequenas vibrações,
 Fluxo de electrões.

8
Fig 9 – fluxo de electrões

1.3.2. Convecção

É um processo de transferência de energia pela acção combinada da condução de calor e


movimento da mistura e armazenagem de energia (Nhambiu, 2017:22).

Na prática sob convenção subentende-se o processo de troca de calor entre corpo


líquido ou gasoso e sólido.

A causa do movimento do fluído pode ser externa em consequência dum trabalho


mecânico (ex: com ajuda de um ventilador ou bomba); neste caso tem-se convecção
forçada, ou o movimento resulta espontaneamente quando t = t1 - t2 causa uma
diferença de densidade dum fluído este fenómeno chama-se convecção livre.

Fig10 – ovo quente

1.3.3. Radiação

De acordo com Nhambiu (2017:25) radiação é um processo pelo qual o calor é


transmitido de um corpo a alta temperatura, para um de mais baixa quando tais corpos
estão separados no espaço ainda que exista vácuo entre eles.

9
Um corpo quente emite energia de radiação em todas as direcções. Quando esta energia
atinge um outro corpo uma parte desta, pode ser reflectida, outra parte transmitida e o
resto absorvido e transformado em calor. Por outras palavras radiação é um processo de
transmissão de calor por meio de ondas electromagnéticas.

Fig11 – corpo quente

1.4. Leis Básicas de Transferência de Calor

As leis básicas de transferência de calor são:

 A Lei de Fourier que caracteriza a transferência de calor por condução;


 Lei de Resfriamento de Newton que determina a quantidade de calor transferido
por convecção; e a
 Lei de Stephan – Boltzman que serve para a determinação do calor transferido
por radiação.

1.4.1. Lei de Fourier

A lei de Fourier é a lei básica de transmissão de calor por condução tendo sido J. Fourier
o primeiro a usa-la explicitamente num artigo sobre transferência de calor no ano de
1822. Esta lei afirma que o calor trocado por condução em uma certa direcção é
proporcional a área normal à direcção e ao gradiente de temperaturas na tal direcção:

dT
q= A ×
dx

10
Introduzindo uma constante positiva chamada Condutividade Térmica, que é uma
propriedade termodinâmica, pode-se escrever

dT
q=−K × A ×
dx

Utilizando o conceito de Fluxo de Calor, que é a taxa de troca de calor por unidade de
área. [W/m2], tem-se:

q '' dT
=q =−K ×
A dx

O sinal negativo é posto para garantir que o fluxo de calor seja positivo no sinal positivo
de x.

Condutividade Térmica

A condutividade térmica é uma propriedade física do material. Ela indica a quantidade


de calor que fluirá através duma área unitária se o gradiente de temperatura for unitário.
Assim a condutividade térmica k é numericamente igual a quantidade de calor em
Joules que passa num segundo através de uma área unitária (1m2) do corpo, numa queda
de temperatura de 1K, sobre o trajecto de um metro (1m) do fluxo de calor.

1.4.2. Lei de Newton (I)

A densidade de fluxo de calor transmitida por unidade de tempo por convecção entre
uma superfície e um fluido pode ser calculada pela relação:

T s−T ∞
)
q=h × A s × ¿

Esta relação foi proposta originalmente pelo cientista Inglês Isac Newton (1701), onde
As é a área superficial ou de contacto, q é a densidade de fluxo de calor, h é o
coeficiente de troca de calor por conveccão [W/m 2K], Ts é a temperatura da
superfície e T ∞ é a temperatura do fluido. A temperatura do fluido é em geral tomada
num ponto afastado da superfície.

11
Uma preocupação a ser resolvida é o ponto onde deve ser colocado o termómetro que
fará a medição das temperaturas.

Para a temperatura Ts é simples uma vez que por definição esta deverá ser a
temperatura da superfície. Entretanto no segundo caso a situação se complica uma vez
que a temperatura próximo da peça quente será maior que longe dela.

A quantidade total de calor transmitida é dada por:

Q=q × A [ W ]

1.4.3. Lei de Stephan – Boltzman

A quantidade de (calor) energia que deixa a superfície como calor radiante depende da
temperatura absoluta e da natureza da superfície.

Um irradiador perfeito ou corpo negro emite energia radiante da sua superfície a razão
q rad é dada por:

4 4
q rad =σ × A ×(T 1−T 2 )

Onde σ é uma constante de proporcionalidade chamada constante de Stefan Boltzman,


que tem o valor de 5,675·10-8 W/m2K4.

Onde:

 A - é a área da superfície em m2;


 T 1 - é a temperatura da superfície emissora em Kelvin;
 T2 - é a temperatura absoluta do ambiente que troca calor com o corpo dado e
ε é a emissividade do corpo dado.

Contudo os corpos reais emitem e absorvem apenas uma percentagem da energia


radiante.

4 4
q rad =σ × ε × A ×( T 1 −T 2 )

1.5. Mecanismo Combinado de Transmissão de Calor

12
Até agora considerou-se, separadamente os mecanismos básicos de transmissão de calor
(condução, conveccão e radiação). Em muitos casos práticos a transferência de calor
numa superfície ocorre simultaneamente por conveccão para o ar ambiente e por
radiação para o meio circundante. Neste caso a perda de calor por unidade de área e
dada pela combinação dos dois mecanismos.

T s −T ∞
) ×σ (T 41−T 42 )
Q=h × ¿

1.6. O Balanço de Energia

A consideração do balanço de energia, muitas vezes desempenha um papel muito


importante na análise de transferência de calor. Se delimitar-se as fronteiras do sistema
em consideração, é possível igualar o fluxo de energia que está a ser transferida de ou
para esse sistema, ao fluxo de energia que esta a ser armazenada dentro do mesmo
sistema.

Durante a consideração do balanço de energia as designações usadas para os fluxos de


energia transferidas ou geradas são as seguintes:

 Ein - é o fluxo de energia fornecida ao sistema;


 Eout - é o fluxo de energia que sai do sistema;
 Eg - é o fluxo de energia gerada no interior do sistema;
 Es - é o fluxo de energia que está a ser armazenada no sistema.

O balanço dos fluxos de energia através da fronteira do sistema e as alterações internas


que podem ocorrer podem ser expressas duma forma geral como:

E¿ + E g −Eout =E s

Conclusão

13
Bibliografia

14
 Lnamas, D. (2016). Mecanismos de Transmissão de Calor. Marabá – PA.
Recuperado em 06 de Agosto, 2018, de
https://pt.scribd.com/document/324869519/Aula-transferencia-de-calor-pdf.
 Nhambiu, J. (2017). Transmissão de calor. Maputo: UEM – Enhenharia.
Recuperado em 06 de Agosto, 2018, de http://nhambiu.uem.mz/wp-
content/uploads/2012/02/aula_1.pdf.

15