Anda di halaman 1dari 39

BASEADO NAS CONSTELAÇÕES SISTÊMICAS

NELSONTESTON

Alinhamento
DA VIDA
GUIA DA FELICIDADE
Termo de Responsabilidade

Há algum tempo, quando iniciei a usar a Internet para a divulgação da


Constelação Familiar, assim como dos cursos online, dos vários vídeos no YouTube
e de outros materiais, eu percebi o quanto isso se tornou importante para um
grande número de pessoas. Ou seja, vi que os conteúdos disponibilizados, quer
sejam gratuitos ou pagos, de fato, estão mudando a percepção de como as coisas
acontecem nos relacionamentos, na profissão e na prosperidade. Houve uma
grande conscientização sobre os acontecimentos que vêm se repetindo na vida
em família e que se refletem claramente na vida diária.

Assim sendo, tomando esta grande responsabilidade, que, de forma


cristalina, é minha missão, eu e minha equipe nos esforçamos o quanto podemos
para garantir conteúdos relevantes, com informações de ponta e métodos
atualizados, para que estes sejam altamente efetivos na transformação e evolução
de qualquer pessoa.

Todo esse material é amplamente usado por vários terapeutas e facilitadores


de Constelação Familiar, cada um ao seu modo. São estudos que têm como
fonte principal de pesquisa o filósofo, psicanalista, psicólogo Bert Hellinger,
criador da Constelação Familiar.

Considerando que acabo de comentar, o assunto Constelação Familiar e


de Negócios é amplo. Não me responsabilizo por erros, omissões, interpretações
particulares ou mal uso de terceiros, quanto ao material que disponibilizo.

É evidente que o método da Constelação Familiar e de Negócios pode


não se adequar naturalmente a alguma situação particular e, assim, deverá ser
utilizado e ajustado às necessidades de cada um. Os resultados serão sempre
subjetivos, pois cada um de nós é ímpar.

Se houve menção a alguma marca, produto e/ou serviço, estes são


propriedade dos seus respectivos donos de direito e foram usados a título de
referência. Não houve, em momento algum, a intenção de desrespeitar, difamar,
insultar humilhar ou menosprezar você, leitor, ou quaisquer pessoas. Caso haja
alguma parte que você julgue desrespeitosa, indevida ou que viole as leis da vida
e do amor,

entre em contato conosco pelo email suporte@nelsontheston.com.br.

02
SOBRE O AUTOR
Meu nome é Nelson Teston e nasci na cidade de
Iraí, estância hidromineral no extremo norte do
estado do Rio Grande do Sul. Ainda criança, me
interessei por espiritualidade e o poder da mente.
Tinha uma certeza: a minha missão de vida estava
voltada para esta área. Depois de muitos cursos
e estudos, iniciei os atendimentos das terapias
e logo minha agenda lotou, exigindo que saísse
do Banco do Brasil.
Tornei-me um feliz e realizado terapeuta
e professor das Terapias Alternativas e ministrei
milhares de cursos de Reiki e outras terapias
pelo Brasil, por muitos anos, tendo atendido
milhares de pessoas que me procuravam em
busca de transformação de vida, alívio das suas
NELSON TESTON
dores emocionais e suas angústias.

Nessa época, eu utilizava métodos avançados da programação neurolinguística,


de modelos de cura energética e processos eficazes de coaching.

Introdução
Nesse e-book, você encontrará diversos textos com assuntos relacionados
à Constelação Familiar, com exceção de um, onde falo um pouco sobre
espiritualidade.

São textos que, em certo grau de percepção, ajudam a entender como


uma profissão chega até nós, como emoções podem afetar a nossa vida, como
a prosperidade é complicada, às vezes, e outros temas.

A intenção é despertar a consciência, pela Constelação Familiar, sobre os


acontecimentos que se repetem na vida em família e que acabam atrapalhando
a vida como um todo. É fazer ouvir o chamado para um novo salto de consciência,
de transformação e de um futuro conectado com as leis da vida.

Boa leitura.

03
Índice
1 - Profissão: Uma vida de realizações profissionais é possível
1.1 - A que serve a sua profissão? ............................................................................ 07
1.2 - A realização e a felicidade na profissão ....................................................... 07
1.3 - Vamos pensar um pouco? ................................................................................. 08
1.4 - Os Motivos .............................................................................................................. 08

2 - Emoções que afetam a sua vida


2.1 - O que fazem as emoções negativas? ........................................................... 10
2.2 - O impacto nas dimensões do ser humano ................................................ 10
2.3 - Saber lidar ............................................................................................................... 11
2.4 - Você assinaria o contrato? ................................................................................ 12

3 - Acerte o rumo da prosperidade: vá para prosperidade feliz


3.1 - Perguntas sem respostas imediatas .............................................................. 14
3.2 - Como assim comportamentos escondidos? ............................................. 14
3.3 - Como acabar com velhos padrões e programações? ............................ 15
3.4 - Eu sou capaz de me reerguer sozinho! ..................................................... 16
3.5 - Um teste! ................................................................................................................. 17
3.6 - Pensando ao contrário ....................................................................................... 17
3.7 - “Superpoder” ......................................................................................................... 18
3.8 - Apenas sinta .......................................................................................................... 18
3.9 - A interligação ........................................................................................................ 19
3.10 - Novo “aplicativo” .............................................................................................. 19
3.11 - Alinhe-se! ............................................................................................................ 20
3.12 - Em síntese ........................................................................................................... 21
3.13 - Finalizando ........................................................................................................... 21

4 - As duas pedras no sapato da espiritualidade


4.1 - Você é ou conhece alguém assim? ............................................................... 23
4.2 - A primeira pedra .................................................................................................. 23
4.3 - A segunda pedra ................................................................................................. 24
4.4 - Tirando o sapato .................................................................................................. 24
4.5 - Espiritualidade e diversidade ......................................................................... 25
5 - Alcance um destino feliz cuidando de você mesmo
5.1 - Os tipos de destinos ........................................................................................... 27
5.2 - Vamos entender ................................................................................................... 27
5.3 - Sem formas mirabolantes ................................................................................. 28
5.4 - Não se perca! ........................................................................................................ 28
5.5 - O que há, então? .................................................................................................. 29
5.6 - Construir algo bom para o destino ............................................................... 29
5.7 - E as coisas complicadas? .................................................................................. 31
5.8 - Partindo para um destino merecido ............................................................. 31

6 - Chegou a hora de se conectar com as oportunidades que a vida dá


6.1 - Tempo... .................................................................................................................. 33
6.2 - A vida é assim ....................................................................................................... 33
6.3 - Como saber quais coisas e lugares são para nós? ................................. 34
6.4 - Certo/Errado ......................................................................................................... 34
6.5 - Sugestão ................................................................................................................. 34

7 - Para relacionamentos bons é preciso ter compensações


7.1 - A carga .................................................................................................................... 36
7.2 - Precisamos ser recompensados .................................................................... 36
7.3 - O outro lado da moeda .................................................................................... 37
7.4 - Regra nos relacionamentos ............................................................................. 37
7.5 - Desequilíbrio ......................................................................................................... 38
7.6 - Complicações ........................................................................................................ 38
7.7 - Entendendo e refletindo .................................................................................. 39
CAPÍTULO 1
PROFISSÃO:
UMA VIDA DE
REALIZAÇÕES
PROFISSIONAIS
É POSSÍVEL.

Alinhamento
DAVIDA
BASEADO NAS CONSTELAÇÕES SISTÊMICAS
1.1
A que serve
a sua profissão?

A
profissão que serve à comunidade e que serve à família, cresce. Agora,
se a pessoa tem uma profissão e só é tomadora dos benefícios que
esta proporciona e não quer ceder nada aos seus clientes ou para a
sociedade, essa pessoa é pobre! Pobre de consciência, de espírito e de
energia. Não há como ser feliz e se realizar dessa maneira.

1.2 A realização e a
felicidade na profissão
Para a realização e felicidade na profissão, é necessário que estejamos à
disposição da própria atividade profissional. Evidentemente, sob hipótese
alguma, no sentido de “escravidão” ou de “servidão cega”. Falo em sentido de
serviço, de entender a utilidade do que se faz, de se estar disposto e de estar
feliz e realizado com aquilo em que trabalha.

Todas as profissões são úteis, mas quem atua nelas precisa ter uma alma
feliz, compreender a que serve essa atividade. Ou seja, se serve à vida, ao
coração, se o viver se torna mais completo, se há o crescimento pessoal e
profissional, então, essa profissão realiza é traz felicidade.

Desse modo, vale a pena, todas as manhãs, levantar ou, às vezes,


fazer horas-extras para servir e estar à disposição.

07
1.3
Vamos pensar
um pouco?

P
osto isso, quero que você pare um pouco e pense na sua profissão atual.
Reflita sobre o que você está fazendo com ela. Se está se sentido a
serviço de algo maior, de uma grande força, que podemos chamar de
família ou de sociedade.

Se você está exercendo essa atividade devido a alguém que lhe forçou a atuar
nela ou porque não havia nada melhor para escolher como seu trabalho. Tudo
isso pode fazer com que você se torne vazio interiormente, exercendo uma
profissão sem utilidade, sem propósito, que resulta em infelicidade e frustração.

1.4 Os Motivos
Assim, encontre motivos pelo qual você pode ser útil na sua profissão.
Mas seja verdadeiro consigo mesmo, não se engane pelas benesses que ganha
com a atual atividade. Preocupe-se com a felicidade e a realização na profissão,
pois nem todo o dinheiro as compra.

Se necessário for, procure outra atividade que o satisfaça e a sua alma.

08
CAPÍTULO 2
EMOÇÕES QUE
AFETAM A
SUA VIDA

Alinhamento
DAVIDA
BASEADO NAS CONSTELAÇÕES SISTÊMICAS
2.1
O que fazem as
emoções negativas?

A
s emoções negativas fazem com que os nossos propósitos de
evolução espiritual, da prosperidade material e dos relacionamentos
se distanciem de nós. E essas emoções negativas roubam a nossa
energia, a nossa disposição e, em algum momento, destroem as
estradas do nosso destino.

2.2 O impacto nas


dimensões do ser humano
Há um detalhe, ou, melhor dizendo, uma rotina em nossa vida:
precisamos lembrar que, a cada dia que passa, estamos a mercê das emoções,
tanto positivas, quanto negativas. Somos bombardeados por um turbilhão de
informações, ainda mais nessa “era digital”. Assim, valores antes tomados como
importantes, hoje, já não fazem tanto sentido. A violência se tornou lugar
comum, sofrimento se assiste todo dia pela TV ou pelas redes sociais, com
pessoas postando seus lindos sorrisos que não escondem o que a alma mostra.

O momento existencial, o mundo, em que vivemos é de crise! E, por esse


motivo, a saúde emocional das pessoas pode ser afetada.

Consequentemente, precisamos saber como lidar com os efeitos das


emoções, quer sejam negativos ou positivos.

10
2.3
Saber
lidar

A
primeira coisa que precisamos ter em mente, é que as emoções são
intrínsecas ao ser humano. São da nossa natureza e vamos senti-las a
vida inteira. A questão é: o que fazemos com as emoções que sentimos
e quanto tempo ficamos com elas.

Pergunte-se: “quanto tempo uma emoção positiva,


aquela gera em mim alegria, felicidade, amor e gentileza dura ?”

Por outro lado, lá estão as emoções negativas, que geram raiva,


ressentimento, frustração e sentimento de inferioridade. Essas, sim, podem
fazer uma enorme diferença no seu futuro, caso fiquem vivas no seu coração.

Você quer envelhecer sendo ranzinza?

11
O que quero passar a você, o que é essencial, é o tempo que você fica
com as emoções, boas ou ruins.

- Em que área da sua vida o tempo de permanência das emoções


influencia?

- Você, nos relacionamentos, tem emoçõesde amor, companheirismo e


entendimento tempo suficiente ou fica remoendo dias a fio uma
discussão boba com seu par?

- E nas áreas da prosperidade, na da saúde e na da profissão?

- Você colhe boas emoções ou a colheita é sempre escassa?

É, sobremaneira, importante parar e observar-se. Perceber como as


emoções negativas agem, atuam, em você. É preciso fazer um contrato com
você mesmo, onde deve estar escrito em letras bem grandes:

Cláusula 1: eu paro de agir dessa maneira.

Cláusula 2: eu paro de usar as emoções negativas contra mim mesmo, contra


as pessoas que amo e contra o meu destino.

Cláusula 3: eu escolho, a partir de agora, uma emoção positiva a cada emoção


negativa que me assolar, um pensamento bom em lugar de ideias pessimistas.

2.4 Você assinaria o contrato?


Então, você assinaria esse contrato com você mesmo? Fez sentido para
você que emoções podem controlar a sua vida. Impactar em várias áreas e
tornar a sua vida ou um inferno ou um paraíso? Creio que você não precisa
pedir a um advogado para ler o contrato e aprová-lo!

Assine-o agora!

12
CAPÍTULO 3
ACERTE O RUMO
DA PROSPERIDADE:
VÁ PARA
PROSPERIDADE
FELIZ

Alinhamento
DAVIDA
BASEADO NAS CONSTELAÇÕES SISTÊMICAS
3.1
Perguntas sem
respostas imediatas

C
omo está o seu relacionamento com a prosperidade? Você acessa
rapidamente, quer seja pelos seus negócios ou pela sua carreira, ao
dinheiro? Esse dinheiro fica na sua mão ou chega e já sai? Que rumo
essa prosperidade toma dessa maneira?

Relendo todas estas indagações, observamos que as respostas não são


imediatas, pois, quando trabalhamos com as nossas “programações” internas
sobre prosperidade, muitas vezes inconscientemente, acabamos fazendo coisas
que se relacionam aos comportamentos que escondemos de nós mesmos.

3.2 Como assim


comportamentos escondidos?
Sim! Eles ficam escondidos na parte inconsciente da nossa mente. Por
serem inconscientes, vamos levando a vida e os usando sem percebermos e,
quando nos damos conta, sempre prometemos que, de alguma maneira, vamos
melhorar, que vamos ter a prosperidade. Fazemos essa promessas, geralmente,
no Ano Novo. Ou melhor, a cada ano que se inicia! Acertei?

E o que acontece no decorrer dessa nova promessa? Absolutamente nada!

Tudo se repete e lá estão os velhos padrões e programações agindo


inconscientemente outra vez!

14
3.3
Como acabar com velhos
padrões e programações?

T
odos nós, do jeito de cada um, temos o talento e a capacidade de
mudar essa situação.
Como você pode, então, parar de andar na “montanha russa” da
prosperidade e ter segurança?

Bem, dentro do método da Constelação Familiar, aprendemos que a


prosperidade vem da forma de como nos conectamos com os nossos pais.
Claro que não é uma regra geral, pois algumas pessoas estão comprometidas,
ligadas, com outras áreas e pessoas do sistema familiar. E o sistema familiar
define de 50 a 80% a nossa personalidade e a forma como pensamos. Aí está a
razão pela qual os pensamentos que você tem e as coisas em que você
acredita nunca foram ensinadas a você e você os têm!

Você captura essas informações do seu campo familiar.

É como se a sua família fosse uma grande alma, viva e consciente, de onde você,
como uma “antena”, capta as informações e as usa. Ou seja, é de lá que você
retira, por exemplo, o conhecimento para prosperar, para a força de trabalho,
para ter saúde e para ter força emocional sólida que permite a você, quando
você “cai”, se reerguer, tomando toda essa força do seu sistema familiar.

15
3.4 Eu sou capaz de
me reerguer sozinho!
Não é bem assim! Sei que, às vezes, pensamos que somos capazes de
nos reerguermos sozinhos. Mas Bert Hellinger nos trouxe um inestimável
conhecimento sobre o inconsciente humano que, de fato, nos mostra que
capturamos as informações do sistema familiar e tomamos as forças dele, que
foram produzidas ao longo de gerações.

Logo, não nos reerguemos por nós mesmos!

16
3.5
Um
Teste!

E
screva, ao menos, cinco forças que você possui e que o ajudam, ou
podem ajudar, para alcançar a prosperidade. Vou dar uma “cola” a você:
quando uma notícia o deixa triste, ou magoado ou mesmo angustiado,
você consegue contornar esses sentimentos e se colocar numa postura
de força, continuando com a sua rotina, sem que aquela notícia o “nocauteie”?

Parece simples, mas proporciona um grande resultado. E existem pessoas,


mesmo sabendo que possuem essas forças, creem que elas não ajudam na
prosperidade.

3.6 Pensando ao contrário


Vamos supor que, depois de a pessoa receber a notícia ruim, ela cede
aos sentimentos de tristeza, mágoa e angústia. De fato, “vai à lona”. Com o
passar do tempo, esses sentimentos e mais a falta da força de vontade para
superá-los, transformam-se em rancor.

A pessoa fica insatisfeita consigo mesma e com os outros. Passa a culpar,


por anos a fio, os “outros” pelo que sente. Ou seja, que culpa outrem e se
vitimiza, não prospera de “jeito e maneira”!

Deixou a força do sistema familiar esquecida em algum canto do coração.

17
3.7
O “superpoder”

N
ossa força, o “superpoder”, para resgatar esse campo de energia do
sistema familiar está sempre conosco e com mais ninguém. Mas,
preste bem atenção, onde “ligamos” esse “superpoder”: pai e mãe.
Mesmo que você não os tenha visto com os olhos físicos, sua vida
vem deles e carrega a carga de informações que pode levá-lo a um nível mais
alto de vida.

3.8 Apenas sinta


Agora, quero que você pare de ler e, diante do exposto até aqui, veja
como está se sentindo. O que está começando a nascer.

Apenas sinta! Não racionalize.

Quero dar uma pequena explanação sobre esse “sentir”. Na Constelação


Familiar, aprendemos a não usar o raciocínio lógico, nem o pensamento
estruturado. Estes, às vezes, se ligam ao ego e à arrogância. Em outras palavras,
depois que a pessoa perceber que possui essa força interior, pode se achar
acima das outras, pensando que tem o poder e controle das situações.

18
3.9
A interligação

S
ucesso e prosperidade estão interligados e funcionam pela renovação
das ações: quando a pessoa percebe que haverá problemas com a
prosperidade (em consequência o sucesso), ela faz algo de imediato
para minimizar ou evitar os problemas.

Agora, vamos pensar:


Você age sempre prospectando um comportamento renovado para atingir a
prosperidade e, em consequência, o sucesso ou está na zona de conforto,
satisfeito com o que já acontece?

A essência é estar sempre se renovando, sempre buscando a superação


pessoal, mesmo que caiamos, que erremos ou que quebremos várias vezes!

É característica do ser humano errar, mas também é o reerguer-se, o


encontrar novas formas de fazer, refazer, reaprender, renovar, de reconstruir e
de se reinventar.

3.10 Novo “aplicativo”


Precisamos mudar os velhos “aplicativos” da nossa mente e parar de nos
repetirmos. Lembremos daquele ditado: “Se você faz sempre as mesmas coisas,
os mesmo resultados você terá”.

19
Devemos nos abrir para as novas possibilidades! Isso é prosperar.

Esquece os velhos jeitos de guardar dinheiro, sacrificando a si, aos


próximos e vivendo em penúria para não gastar. Tendo culpa até mesmo ao
pensar em comprar algo! Isso é pobreza de espírito, é ser sovina! E, segundo
a Constelação Familiar, este tipo de pessoa tem um medo muito grande de
perder tudo. Está conectada com aqueles ancestrais que passaram por muitas
dificuldades e acabaram perdendo tudo. Não conseguiram desenvolver o seus
potenciais, dentro do que se apresentava naquele tempo e momento.

Conectaram-se com a escassez e sofriam por isso.

3.11 Alinhe-se!
Para fazer um alinhamento na sua vida e se desconectar da repetição de
problemas com a prosperidade, que vêm geração após geração, outra vez, entra
“em campo” a Constelação Familiar. Está pode levá-lo a uma vida plena, próspera
e tranquila.

E aqui, um fato interessante que corrobora com o que disse: nas minhas
consultas, quando uma pessoa traz como tema a prosperidade e é um ser que
decidiu estudar muito para alcançar sucesso e prosperidade e não os alcança,
ela vem com uma grande revolta interior. Ainda mais se compararmos àquelas
pessoas que não estudaram ou estudaram pouco e alcançaram sucesso e
prosperidade!

E a pessoa me pergunta:
“Qual é o meu problema, Nelson!? Por que não prospero!?”

Bem, no decorrer da constelação, aparecem as respostas lá no cerne do


sistema familiar, com os padrões repetitivos dos antepassados.

20
3.12
Em síntese

V
ocê, eu e todos nós, em síntese, não vamos passar por experiências
muito diferentes daquelas que os nossos antepassados já passaram,
dentro dos nossos sistemas familiares. Estudar é ótimo e necessário.
Controle financeiro, excelente! Tudo gera prosperidade e sucesso na
vida. Mas quero mostrar, quando tudo isso não o leva a lugar nenhum, de
onde vem essa dificuldade.

E ela está lá, em algum lugar do seu sistema familiar.

A Constelação Familiar nos mostra de onde vem essa dificuldade, nos faz
assimilar as causas, para que possamos mudar e nos transformar interiormente.

O “busílis” da questão é esse: prosperar depende, essencialmente, do


alinhamento com o sistema familiar. Depende da relação com o pai e com a mãe,
já que estes trazem a força para avançar na vida e a habilidade de lidar com o
sucesso, respectivamente. Se houve ou há algum problema nesse alinhamento,
certamente você terá uma grande pedra no meio do caminho de sua vida.

3.13 Finalizando
Mas, felizmente, a “grande pedra” pode ser removida, deixando uma
bela estrada para percorrer. A Constelação Familiar afirma que você traz a vida,
a força de superação e a capacidade que todo o seu sistema familiar possui.
Então, dê uma olhada no seu comportamento, nos hábitos repetitivos
que você faz e como você cuida da relação com o seu sistema familiar, no que
tange à prosperidade e ao sucesso. Use as leis sistêmicas da Constelação Familiar
para auxiliar você a mudar a sua percepção de prosperidade, sucesso e de vida,
como um todo.
21
CAPÍTULO 4
AS DUAS PEDRAS
NO SAPATO DA
ESPIRITUALIDADE

Alinhamento
DAVIDA
BASEADO NAS CONSTELAÇÕES SISTÊMICAS
4.1
Você é ou conhece
alguém assim?

V
ocê pode conhecer ou ser uma destas pessoas que quer muito
evoluir espiritualmente, que quer muito ter mais evolução, mais
compreensão e mais consciência da espiritualidade. Eu trouxe esse
tema, espiritualidade, porque gosto muito e porque percebo que
existe uma gama enorme de pessoas que buscam, do seu melhor jeito, a
espiritualidade.

Assim sendo, quero falar sobre as “duas pedras” que entram no


nosso sapato ao trilharmos o caminho da busca da espiritualidade que, às vezes,
inconscientemente, não nos damos conta o quanto atrapalha na caminhada.

4.2 A primeira pedra


Essa pedra diz respeito ao fato de que, quando nos tornamos muito
estudiosos sobre algo que nos faz bem, entendemos que precisamos proteger
esse conhecimento. Em nome dessa proteção, não percebemos que acabamos
por atacar os outros tipos de conhecimentos. Isso termina por não nos
fortalecer, pois, se uma outra pessoa se sentir agredida, haverá o conflito.

Logo, duas pessoas em conflito por algo tão bom, é uma perda de tempo,
é desnecessário. Então, quando se discute somente conhecimento, é muito fácil
entrar em atrito, porque é o intelecto que está discutindo. Não é a alma que está
tentando compreender melhor e mais profundamente o conhecimento exposto.

23
4.3 A segunda pedra
Essa é a pedra da nossa vontade de evoluir espiritualmente sem resolver
algumas questões básicas referentes às nossas emoções.

Estas, às vezes, estão ligadas à raiva, à tristeza, à fragilidade ou à


inferioridade. Não nos damos conta de que, mesmo diante do embevecimento
espiritual e de uma sensação maravilhosa que estamos tendo, todas aquelas
emoções não resolvidas não passaram.

Estão lá “descansando” no seu coração e precisam ser solucionadas,


provavelmente, por um meio psicológico ou, até mesmo, por um olhar profundo
relacionado ao resgate da relação com os pais (Constelação Familiar).

4.4 Tirando o sapato


Então, tire o seu sapato, remova e olhe para essas duas pedras.

Reflita. Perceba, quando há alguma discussão sobre algo, se ela não está
apenas em nível de intelecto puro, apenas explicações. Quando estamos
demasiadamente intelectualizados, não priorizamos os relacionamentos,
somente as ideias.

Os seres humanos já têm dentro de si mesmos a possibilidade de um


bom relacionamento com os diferentes e com as diferenças. Pensemos como é
fácil viver com os iguais, mas o grande desafio é crescer e se tornar cada vez
melhor convivendo com os diferentes e suas diferenças.

A intenção colocada, ao trazer esse conhecimento, é exatamente fazer


com que você tenha uma oportunidade de resolver algo que possa estar
relacionado a essas duas pedras.

Analise o mostrado aqui e perceba se sua espiritualidade está


avançando, para que possa ser cada vez mais brilhante.

24
4.5
Espiritualidade
e diversidade

E
ntenda como quiser o que é espiritualidade, pois, nessas duas décadas
trabalhando com pessoas em temas ligado a ela, como amor, gentileza,
paz, alegria, sucesso e prosperidade, já convivi com as mais variadas
correntes de pensamentos. Isso torna tudo muito mais rico!

Então, deixo para você sentir a energia de querer crescer cada vez mais
diante de si mesmo.

Não esqueça de tirar aquelas duas


pedras do seu “sapato da espiritualidade”.

25
CAPÍTULO 5
ALCANCE UM
DESTINO FELIZ
CUIDANDO DE
VOCÊ MESMO

Alinhamento
DAVIDA
BASEADO NAS CONSTELAÇÕES SISTÊMICAS
5.1
Os tipos
de destinos

E
xiste aquele destino que deixamos na mão dos outros, nos tornando
reféns. Existe aquele outro que encomendamos para alguém resolver
por nós, aceitando-o. Há o destino que a gente aguarda acontecer e, às
vezes, nunca acontece. Tem aquele com o qual brigamos o tempo todo,
porque achamos que não está bom e, finalmente, aquele em que
responsabilizamos os outros, quer seja porque não fizeram a parte que lhe
cabia, quer seja por terem, de alguma forma, nos prejudicados.

E, quase ia esquecendo, existe aquele que acontece de repente,


misteriosamente e não tem uma explicação! Muitos tipos de destino!

5.2 Vamos entender


Por destino, nós, os seres humanos, não entendemos muito, pois são
forças misteriosas que atuam nas várias camadas dos níveis da mente, da alma
e do sistema familiar. E temos, também, as variáveis como a cidade onde
moramos e as próprias questões da humanidade. Ou seja, é tudo aquilo que
forma um caminho para onde nós e as coisas vão percorrer.

Note: vão percorrer. Isso é o futuro e sempre pensamos no destino


dessa forma, que faz com que a compreensão e o controle dele seja mais
difícil ainda.

Evidentemente, não quero dar dicas profundas ou mágicas sobre como


resolver tudo sobre o destino. Isso seria, sinceramente, extremamente simplista
e enganador.

27
5.3
Sem formas
mirabolantes

S
em dica alguma, vamos pensar sobre como lidamos com as coisas que
acontecem nas nossas vidas. E, se acontecem em nossas vidas, é um
destino.

Mas você pode estar se perguntando: “é possível mexer no destino?”


Bem, creio que há muitas partes do nosso destino onde é possível, sim,
trabalharmos para melhorá-lo. Ficar de braços cruzados, abandonando a si
mesmo e ficar reclamando a respeito de como deveriam ser as coisas é perda
de tempo. Terminamos por nos perder.

5.4 Não se perca!


Então, como está o seu destino, no que tange ao cuidado que você tem
com ele? Aí você me diz: “eu já melhorei muito, já fiz várias coisas para isso
acontecer, mas parece que ele teima em me atrapalhar, trazendo os velhos
problemas de sempre.”

Bem, não se perca no meio desse problemas “mofados”.

Continue persistindo! Há problemas que não se resolvem com um simples


estalar de dedos. Se eles voltam é porque não foram devidamente resolvidos.

Não há mágica e nem fantasia!

28
5.5
O que há,
então?

S
imples: há o cuidar de si mesmo. Tome a responsabilidade de assumir o
seu próprio poder todos os dias, com calma, com autorrespeito, dando
o tempo necessário para as coisas acontecerem e ir construindo algo
bom para você mesmo.

5.6 Construir algo


bom para o destino
Anote a receita:

- aprender quem é você mesmo (autodescoberta)

- cuidar bem de si mesmo

- cuidar das suas emoções

- aprender como funciona a mente humana

- quais os efeitos das emoções

- como é a dinâmica do seu sistema familiar

- que destino tiveram os seus familiares (você pode estar repetindo-o)

29
Em verdade, a receita se estende até onde você quer, de fato e
profundamente, se conhecer. E eu venho falando bastante que a Constelação
Familiar é o melhor caminho para este profundo autoconhecimento, que
reverbera de forma harmônica na vida.

Aqui, você já pode usar de uma “arma”


eficaz para iniciar o autoconhecimento: a gratidão.

Agradeça pela vida que tem, agradeça a seus pais, que a deram a
você; agradeça aos antepassados pela vida que fluiu de geração em geração
até chegar em você.

Isso colabora bastante para que o seu


destino se torna mais leve e feliz.

30
5.7
E as coisas
complicadas?

E
ssas, você não sabe quanto tempo levará para resolver. Mas, também,
não é para se desesperar e desistir. Não abandone a si mesmo,
entregando tudo à sorte (ou ao azar) e nem pense em procurar os
culpados pelas suas mazelas. Isso atrapalha muito, pois não assumimos
o nosso poder próprio.

5.8 Partindo para


um destino merecido
Na sua bagagem, coloque umas frases e as repita sempre:

“Eu reivindico o meu poder espiritual. Eu reivindico o meu poder mental,


emocional. Eu assumo o meu próprio poder, o poder espiritual, o poder mental
e emocional.“

Repita-as, da mesma forma, quando se sentir enfraquecido. E não


esqueça da frasqueira, onde você coloca a aceitação, a compreensão e o amor
pelo seus pais, exatamente como são ou foram, mesmo tendo algumas “rusgas”
a resolver, pois estas não atrapalham e tampouco mudam o amor entre vocês.

Boa viagem!

31
CAPÍTULO 6
CHEGOU A HORA
DE SE CONECTAR
COM AS
OPORTUNIDADES
QUE A VIDA DÁ

Alinhamento
DAVIDA
BASEADO NAS CONSTELAÇÕES SISTÊMICAS
6.1
Tempo...

Q
uantas vezes deixamos que o tempo passe e quantas vezes o
perdemos? O tempo… Bem, esse não perdoa! Nunca volta para que
podermos, de algum modo, fazer as coisas que não fizemos ou, o
mais triste, amar ou dizer que ama aquela pessoa que passou e não
a percebemos…. Ah, tempo, tempo…..

6.2 A vida é assim


Poético esse tópico “tempo”! Mas a vida funciona assim mesmo:
as oportunidades que ela nos oferece, ou as aproveitamos ou elas se vão e não
voltam.

Note que, muitas vezes, negociamos conosco as “melhores condições”


como trabalhar bastante, guardar um pouco de dinheiro e, quando tivermos
uma certa idade, usufruir destas “melhores condições”, marcando viagens,
passeios, compras etc.

Às vezes, se morre antes! E não deu tempo de aproveitar aquelas


incríveis “melhores condições”. Sim! A vida também tem dessas! E quando
esperamos encontrar o lugar certo como uma cidade, por exemplo, para
começar a trabalhar e acabamos passando pela cidade certa e “pousamos”,
paramos, em outra? Aí, nessa cidade, não sabemos para que lado vamos, não
sabemos o que fazer. Escolhemos, por exemplo, uma atividade que, sem nos
darmos conta, não é para nós!

33
6.3
Como saber quais coisas
e lugares são para nós?

S
into muito, mas não há uma resposta. É uma eterna busca…
O que pode amenizar um pouco a procura dessa resposta é termos no
nosso coração a sensação de, que quando fizermos alguma escolha
certa, estejamos em nosso equilíbrio. Mas esse equilíbrio pode fazer
com que queiramos acertar sempre a escolha correta. Ou seja, vamos querer
sempre estar certos. Aí, as coisas começam a se complicar.

6.4 Certo/Errado
Tentaremos escolher as coisas e lugares certos, dentro do tal equilíbrio, e
escolheremos tudo errado. Mas que raio de confusão é essa? Devo escolher o
certo? Devo fazer o errado? Nem certo, nem errado! O importante é fazer o
movimento de vida que esteja engajado com a sua alma. Para isso, é importante
você se conhecer cada vez mais, pois a vida e as oportunidades cedidas por ela
passam.

6.5 Sugestão
De uma parada por alguns minutos e reavalie como você tem levado a
sua vida. Como você tem aproveitado as oportunidades que ela oferece.
Conecte a sua vida com o amor, torne-a mais simples.

Vamos terminar por aqui, porque o tempo urge e a vida passa.

34
CAPÍTULO 7
PARA
RELACIONAMENTOS
BONS É
PRECISO TER
COMPENSAÇÕES

Alinhamento
DAVIDA
BASEADO NAS CONSTELAÇÕES SISTÊMICAS
7.1
A carga

H
á uma dor, um sentimento, que carregamos dentro de nós,
extremamente comum em todos os seres humanos, que é ter a
sensação de que uma outra pessoa, pela qual fizemos algo, está em
dívida conosco. É uma dívida que fica registrada no coração e diz
respeito ao fato de que essa pessoa deixou de fazer outra coisa em troca. Essa
sensação gera mágoas e julgamos a pessoa como sendo mal agradecida.

7.2 Precisamos
ser recompensados
Além dessa carga pesada, ainda temos a impressão que temos a
necessidade de sermos recompensados pelo nosso ato para com aquela pessoa.
Em palavras sistêmicas, essa é a Lei do Dar e do Receber. Quando, de alguma
maneira, esse movimento “eu dou e recebo” é interrompido, muitas vezes de
forma abrupta, ficamos com esse sentimento de dívida. Algo ficou faltando para
nós, assim como para o outro. Lembre-se, é uma via de mão dupla!

Veja quantas pessoas passam anos se cobrando sobre essa questão que
acabam tendo uma prosperidade atrapalhada, cheio de altos e baixos,
dificultando até mesmo o bem-estar desses indivíduos.

36
7.3
O outro lado
da moeda

E
quando somos nós que ficamos em dívida, isto é, não damos nada em
troca do que foi feito por e para nós? Bem, a Lei do Dar e do Receber
terá de ser respeitada. De algum jeito, algo será dado, trocado. Às vezes,
a lei, o campo desequilibrado, faz com que percamos coisas para tentar
compensar e não nos atentamos que estamos em dívida com alguém. Culpamos
a vida, as pessoas e o destino por essas perdas. E assim levamos por anos a fio
esta situação.

7.4 Regra nos


relacionamentos
Todos os nossos relacionamentos, quer sejam com o par, com os pais,
irmãos ou colegas de trabalho, passam pelo estágio da compensação. Ou seja,
sempre terá que haver uma troca, pois a parte que recebe se sente em dívida
com a parte que deu. Ele quer retribuir, do seu jeito e como puder, para que
haja o equilíbrio. Aqui, as duas partes devem ficar satisfeitas pela troca ocorrida.

Devem se sentir bem recebendo algo pelo que doou e doando algo
que recebeu. Equilíbrio!

37
7.5
Desequilíbrio

Q
uando essa dinâmica não acontece, isto é, o desequilíbrio ocorre,
quando ficamos em dívida ou quando outros ficam em dívida
conosco e nenhum movimento, nenhum gesto para compensar é
feito, aquela sensação ruim da mágoa, de que falta algo, nasce,
cresce e dá frutos como o ressentimento e achar que foi prejudicado.

7.6 Complicações
O desequilíbrio na dinâmica “dar e receber” termina complicando a vida,
atrapalhando os relacionamentos, como os amorosos, por exemplo, onde, se a
situação não for solucionada, afetará a relação em algum nível, gerando
insatisfações, desentendimentos e cobranças.

Além do mais, relacionamento, em essência, é troca e devemos estar


abertos e preparados para ela.

38
7.7
Entendendo
e refletindo

E
ntão, é importante entender que toda a questão é você reconhecer que
há uma dívida, sem pensar em cobranças, e saber que há um saldo a ser
pago. Você já deve ter percebido que esse assunto não é só financeiro,
não envolve só dinheiro. Evolve, do mesmo modo, as questões emocionais
dos relacionamentos, num sentido geral.

Logo, é de grande valia refletirmos como estão sendo feitas as trocas nos
nossos relacionamentos. Compreender que dinâmicas atuam, consciente ou
inconscientemente, nessas trocas e que impactos elas causam aos relacionamentos.

É essencial que compreendamos a lei sistêmica do Dar e do Receber, pois


assimilar essa lei fará com que entendamos mais sobre nós mesmos, sobre as
pessoas a nossa volta e sobre a própria vida.

Alinhamento
DA VIDA
39