Anda di halaman 1dari 736

Table of Contents

Visão geral
Principais conceitos do Operations Manager
Introdução
Recursos preteridos
Notas de versão – 2016
Notas de versão – 1801
Novidades no Operations Manager – 2016
Novidades no Operations Manager – 1801
Passo a passo: Instalando o Operations Manager em um servidor único
Instalando o Operations Manager do prompt de comando
Instruções
Plano
Requisitos do sistema
Versões do UNIX e do Linux com suporte
Planejando um design do grupo de gerenciamento
Considerações de design do SQL Server
Considerações de design do pool de recursos
Integração de design com outros produtos de gerenciamento corporativo
Design para alta disponibilidade e recuperação de desastre
Planejamento da implantação de agente
Segurança
Implantar
Implantação de servidor único do Operations Manager
Implantação distribuída do Operations Manager
Atualizando o System Center Operations Manager
Gerenciar
Referência rápida para tarefas do Operations Manager
Cenários de monitoramento do Operations Manager
Gerenciando descoberta e agentes
Usando pacotes de gerenciamento
Usando os consoles do Operations Manager
Uso de relatórios
Monitorar clusters de failover
Indicadores de não monitorado e agente cinza
Como exibir todas as regras e monitores em execução em um computador
gerenciado por agente
Configurar o SharePoint para exibir dados do Operations Manager
Usando modos de exibição e painéis
Inscrevendo-se nas notificações de alerta
Usando o suplemento do Visio e o Provedor de Dados de Serviços do Visio para
SharePoint
Segurança no Operations Manager
Monitoramento sem agente
Monitoramento de cliente usando o Monitoramento de Exceções sem Agente
Monitoramento de aplicativos .NET
Monitoramento de aplicativos Java
Monitorando redes com o Operations Manager
Monitorar arquivos de log do Linux
Monitoramento de objetivos de nível de serviço
Conectando o Operations Manager a outros sistemas de gerenciamento
Gerenciar alertas
Suspender o monitoramento temporariamente usando o modo de manutenção
Criando e gerenciando grupos
Executando tarefas no Operations Manager
Conectando grupos de gerenciamento no Operations Manager
Usando o shell do Operations Manager
Como criar e gerenciar pools de recursos
Manutenção da infraestrutura do Operations Manager
Usando o Global Service Monitor
Operations Manager
09/05/2018 • 1 min to read • Edit Online

Bem-vindo ao System Center – Operations Manager. O Operations Manager fornece monitoração de


infraestrutura flexível e econômica, ajuda a garantir o desempenho previsível e a disponibilidade de aplicativos
vitais, além de oferecer monitoramento abrangente para o seu datacenter e sua nuvem, tanto pública como
privada.

Documentação do Operations Manager


Introdução ao System Center – Operations Manager
Escrito para clientes que nunca usaram o Operations Manager ou que estão procurando informações sobre
"Novidades".
Planejamento do System Center – Operations Manager
Examine as informações para ajudá-lo a planejar a implantação do Operations Manager em sua
organização
Implantação do System Center – Operations Manager
Leia estes tópicos para saber como implantar o Operations Manager em seu ambiente.
Guia de operações do System Center – Operations Manager
Leia estes tópicos quando o Operations Manager estiver em execução e quando você quiser começar a
monitorar seu ambiente e procurar procedimentos para operações diárias.
Guia de Criação do Pacote de Gerenciamento do Operations Manager
O Guia de Criação do Pacote de Gerenciamento do Operations Manager fornece informações sobre a
criação de monitoramento personalizado para seu serviço ou aplicativo.
Principais conceitos do Operations Manager
15/01/2018 • 22 min to read • Edit Online

Operations Manager, um componente do Microsoft System Center, é o software que ajuda você a monitorar
serviços, dispositivos e operações para diversos computadores de um único console. Este tópico explica os
conceitos básicos sobre o Operations Manager para o administrador que gerencia a infraestrutura do Operations
Manager e o operador que monitora e oferece suporte aos serviços de TI para seu negócio.

O que o Operations Manager faz


Empresas pequenas e grandes geralmente são dependentes de serviços e aplicativos fornecidos pelo ambiente de
computação. Os departamentos de TI são responsáveis por garantir o desempenho e disponibilidade desses
serviços e aplicativos essenciais. Isto significa que os departamentos de TI precisam saber quando há um
problema, identificar onde é o problema e descobrir o que está causando o problema, idealmente antes que os
usuários dos aplicativos encontrem os problemas. Quanto mais computadores e dispositivos na empresa, mais
difícil se torna essa tarefa.
Usar o Operations Manager no ambiente facilita o monitoramento de vários computadores, dispositivos, serviços
e aplicativos. O console de operações, exibido na imagem a seguir, permite a você verificar a integridade,
desempenho e disponibilidade para todos os objetos monitorados no ambiente e ajuda a identificar e solucionar
problemas.
OBSERVAÇÃO
Para saber mais sobre os consoles do Operations Manager, confira Comparando os consoles do Operations Manager no
Guia de Operações.

Operations Manager dirá que objetos monitorados não são íntegros, enviará alertas quando os problemas forem
identificados e fornecerá informações para ajudá-lo a identificar a causa de um problema e soluções possíveis.
Como o administrador, você configura o que será monitorado ao selecionar computadores e dispositivos a serem
monitorados e ao importar pacotes de gerenciamento que fornecem monitoramento para recursos e aplicativos
específicos. Para decidir que objetos monitorar e para que monitorar, será necessário entender os recursos que
compreendem a infraestrutura do Operations Manager e como o Operations Manager funciona.

A infraestrutura do Operations Manager


A instalação do Operations Manager cria um grupo de gerenciamento. O grupo de gerenciamento é a unidade
básica de funcionalidade. No mínimo, o grupo de gerenciamento consiste de um servidor de gerenciamento, o
banco de dados operacionale o banco de dados do data warehouse de relatórios.
O servidor de gerenciamento é o ponto focal para administrar o grupo de gerenciamento e comunicação
com o banco de dados. Ao abrir o console de operações e se conectar a um grupo de gerenciamento, você
se conecta a um servidor de gerenciamento para esse grupo de gerenciamento. Dependendo do tamanho
do seu ambiente de computação, um grupo de gerenciamento pode conter um servidor de gerenciamento
único ou diversos servidores de gerenciamento.
O banco de dados operacional é um banco de dados do SQL Server que contém todos os dados de
configuração para o grupo de gerenciamento e armazena todos os dados coletados e processados para o
grupo de gerenciamento. O banco de dados operacional retém dados de curto prazo, por padrão, 7 dias.
O banco de dados do data warehouse é um banco de dados do SQL Server que armazena dados de
monitoramento e alertas para fins de histórico. Os dados gravados no banco de dados do Operations
Manager também são gravados no banco de dados do data warehouse, de modo que os relatórios sempre
contêm dados atuais. O banco de dados do data warehouse retém dados de longo prazo.
Quando a funcionalidade de relatório do Operations Manager é instalada, o grupo de gerenciamento também
contém um Servidor de relatórios que cria e apresenta relatórios de dados no banco de dados do data warehouse.
Estes componentes essenciais de um grupo de gerenciamento podem existir em um único servidor, ou podem ser
distribuídos entre diversos servidores, como exibido na imagem a seguir.
Para obter informações sobre como instalar os recursos do grupo de gerenciamento, consulte o Guia de
Implantação do Operations Manager 2016.
Servidores de gerenciamento
A função do servidor de gerenciamento é administrar a configuração do grupo de gerenciamento, administrar e se
comunicar com agentes e se comunicar com bancos de dados no grupo de gerenciamento.
O grupo de gerenciamento pode conter vários servidores de gerenciamento para fornecer capacidade adicional e
disponibilidade contínua. Quando dois ou mais servidores de gerenciamento são adicionados a um grupo de
gerenciamento, os servidores se tornam parte de um pool de recursos e o trabalho é disseminado entre os
membros do pool. Quando um membro do pool de recursos falhar, outros membros no pool de recursos
assumirão a carga de trabalho desse membro. Quando um novo servidor de gerenciamento for adicionado, o
novo servidor de gerenciamento automaticamente assumirá parte do trabalho dos membros existentes no pool de
recursos. Todos os membros no pool de recursos gerenciarão um conjunto distinto de objetos remotos; em
nenhum momento, dois membros no mesmo pool gerenciarão o mesmo objeto ao mesmo tempo.
Um tipo especializado de servidor de gerenciamento é o servidor gateway. Um servidor gateway permite o
monitoramento de computadores em domínios não confiáveis. Para obter mais informações, consulte Planejando
um projeto do grupo de gerenciamento.
Agentes
Um agente do Operations Manager é um serviço instalado em um computador. O agente coleta dados, compara
dados de amostra com valores predefinidos, cria alertas e executa respostas. Um servidor de gerenciamento
recebe e distribui configurações para agentes em computadores monitorados.
Cada agente se reporta a um servidor de gerenciamento no grupo de gerenciamento. Este servidor de
gerenciamento é especificado como o servidor de gerenciamento primário do agente.
Os agentes observam fontes de dados no computador monitorado e coletam informações de acordo com a
configuração enviada a eles de seu servidor de gerenciamento. O agente também calcula o estado de integridade
do computador monitorado e dos objetos e se reporta novamente ao servidor de gerenciamento. Quando o
estado de integridade de um objeto monitorado é alterado ou outros critérios são atendidos, um alerta pode ser
gerado pelo agente. Isto permite que os operadores descubram se há algo que requer atenção. Ao fornecer dados
de integridade sobre o objeto monitorado ao servidor de gerenciamento, o agente fornece uma imagem atualizada
da integridade do dispositivo e de todos os aplicativos que hospeda.
Um agente pode ser configurado para agir como um agente de proxy. Um agente de proxy é um agente que pode
encaminhar dados para um servidor de gerenciamento em benefício de um computador ou dispositivo de rede,
além do computador host. Por exemplo, um agente instalado no nó físico de um cluster SQL pode ser ativado para
atuar como proxy para monitorar o recurso de cluster. Agentes proxy permitem o monitoramento de
computadores e dispositivos em que um agente não pode ser instalado. Para obter mais informações, consulte
Agentless Monitoring (Monitoramento sem agente).
Serviços
Em um computador monitorado, o agente do Operations Manager está listado como serviço do Microsoft
Monitoring Agent. O serviço do Microsoft Monitoring Agent coleta dados de desempenho, executa tarefas e assim
por diante. Mesmo quando o serviço é incapaz de se comunicar com o servidor de gerenciamento ao qual se
reporta, o serviço continua a ser executado e coloca em fila os dados coletados e eventos no disco do computador
monitorado. Quando a conexão for restaurada, o serviço do Microsoft Monitoring Agent enviará os dados
coletados e eventos ao servidor de gerenciamento.

OBSERVAÇÃO
Às vezes, o serviço do Microsoft Monitoring Agent é conhecido como o serviço de integridade.

O serviço do Microsoft Monitoring Agent também é executado em servidores de gerenciamento. Em um servidor


de gerenciamento, o serviço executa fluxos de trabalho de monitoramento e gerencia credenciais. Para executar
fluxos de trabalho, o serviço inicia processos do MonitoringHost.exe usando as credenciais especificadas. Estes
processos monitoram e coletam dados de logs de eventos, dados do contador de desempenho, dados de
Instrumentação de Gerenciamento do Windows (WMI), e executam ações, como scripts.
Os servidores de gerenciamento hospedam o serviço de Acesso a Dados do System Center e o serviço de
Configuração de Gerenciamento do System Center.
O serviço de Acesso a Dados do System Center fornece acesso ao console de operações para o banco de dados
operacional e grava dados para o banco de dados.
O serviço do System Center Management Configuration gerencia os relacionamentos e a topologia do grupo de
gerenciamento. Ele também distribui os pacotes de gerenciamento para objetos monitorados.
Pacotes de Gerenciamento
Os fluxos de trabalho que executam o serviço do System Center Management Configuration são definidos por
pacotes de gerenciamento. Pacotes de gerenciamento definem as informações que o agente coleta e retorna ao
servidor de gerenciamento para um aplicativo ou tecnologia específica. Por exemplo, o Pacote de Gerenciamento
do BizTalk Server contém regras e monitores que coletam e avaliam eventos e operações que são importantes
para assegurar a integridade e eficiência do aplicativo BizTalk Server.
Depois que o Operations Manager instala um agente em um computador, ele envia uma configuração inicial ao
agente. A configuração inicial inclui descobertas de objeto de pacotes de gerenciamento. O pacote de
gerenciamento define os tipos de objetos, como aplicativos e recursos, que serão monitorados em computadores
que foram descobertos pelo Operations Manager. Os agentes enviam dados ao servidor de gerenciamento, que
identifica as instâncias de objetos descobertos no computador. O servidor de gerenciamento envia aos agentes os
elementos dos pacotes de gerenciamento que se aplicam ao objetos descobertos para cada computador, como
regras e monitores.
Uma regra define os eventos e os dados de desempenho a serem coletados dos computadores, bem como o que
fazer com as informações depois de coletadas. Uma maneira simples de pensar sobre as regras é através de uma
afirmação Se/Então. Por exemplo, um pacote de gerenciamento para um aplicativo pode conter regras como as
seguintes:
Se uma mensagem indicando que o aplicativo está sendo desligado aparece no log de eventos, crie um
alerta.
Se o ato de carregar um arquivo de origem falhar, colete o evento que indica que esta falha.
Como estes exemplos mostram, as regras podem criar alertas e coletar eventos ou dados de desempenho, que o
agente envia ao servidor de gerenciamento. Regras também podem executar scripts; por exemplo, permitir que
uma regra tente reiniciar um aplicativo com falha.
Objetos descobertos têm um estado de integridade, que é refletido no console de operações como verde (bem
sucedido ou íntegro), amarelo (aviso) ou vermelho (crítico ou não íntegro). Monitores definem os estados de
integridade para determinados aspectos do objeto monitorado. Por exemplo, um monitor para a capacidade da
unidade de disco pode definir verde como menos de 85% cheio, amarelo como mais de 85% cheio e vermelho
como mais de 90% cheio. Um monitor pode ser configurado para gerar um alerta quando ocorre uma mudança de
estado.

Como os objetos são descobertos e monitorados


A imagem a seguir é uma ilustração simplificada de como os objetos são descobertos e monitorados.

1. O administrador configura o Operations Manager para procurar computadores para gerenciar. Para saber
mais sobre a descoberta de computadores, veja Planejamento de implantação de agentes.
2. Computadores que atendem os critérios especificados e já não são gerenciados são identificados.
3. Um agente do Operations Manager está instalado no computador descoberto.
4. O agente solicita os dados de configuração e depois o servidor de gerenciamento envia os dados de
configuração do agente dos pacotes de gerenciamento instalados que incluem classes a serem descobertas.
Por exemplo, se os pacotes de gerenciamento do sistema operacional Windows Server forem instalados, o
servidor de gerenciamento enviará ao agente as classes do sistema operacional.
5. O agente compara os dados de configuração ao computador, identifica objetos que descobre e retorna as
informações ao servidor de gerenciamento. Por exemplo, o agente retornará ao servidor de gerenciamento
que uma instância do sistema operacional Windows Server 2016 está no computador.
6. O servidor de gerenciamento envia ao agente toda a lógica de monitoramento dos pacotes de
gerenciamento instalados, que se aplicam aos objetos descobertos. Por exemplo, o agente receberá toda a
lógica de monitoramento que se aplica ao Windows Server 2016.
7. O agente aplica a lógica de monitoramento, como regras e monitores, executa fluxos de trabalho e retorna
dados ao servidor de gerenciamento.
8. À medida que as mudanças ocorrem para os objetos descobertos, como aplicativos sendo adicionados ou
desinstalados, o agente envia as informações atualizadas ao servidor de gerenciamento, que envia a lógica
de monitoramento atualizada.

OBSERVAÇÃO
Operations Manager também pode descobrir e monitorar dispositivos de rede, computadores executando sistemas
operacionais UNIX e Linux e proporcionar o monitoramento sem agente. Para obter mais informações, consulte Operations
Manager Monitoring Scenarios (Cenários de monitoramento do Operations Manager) no Guia de Operações.

Comunicação entre agentes e servidores de gerenciamento


O agente do Operations Manager envia dados de alerta e descoberta ao servidor de gerenciamento primário, que
sobrescrevem os dados do banco de dados operacional. O agente também envia dados de eventos, desempenho e
estado ao servidor de gerenciamento primário para esse agente, que sobrescrevem os dados para o banco de
dados operacional e data warehouse simultaneamente.
O agente envia dados de acordo com os parâmetros de agendamento para cada regra e monitor. Para regras de
coleta otimizada, os dados somente serão transmitidos se uma amostra de um contador diferir da amostra anterior
por uma tolerância especificada, como 10%. Isto ajuda a reduzir o tráfego de rede e o volume de dados
armazenados no banco de dados operacional.
Além disso, todos os agentes enviam um pacote de dados, chamado de uma pulsação, para o servidor de
gerenciamento em um agendamento regular, por padrão a cada 60 segundos. A finalidade da pulsação é validar a
disponibilidade do agente e comunicação entre o agente e o servidor de gerenciamento. Para obter mais
informações sobre pulsações, consulte How Heartbeats Work in Operations Manager (Como as pulsações
funcionam no Operations Manager).
Para cada agente, o Operations Manager executa um inspetor do serviço de integridade, que monitora o estado do
Serviço de integridade remoto do ponto de vista do servidor de gerenciamento.
Outros recursos do Operations Manager
Página principal do System Center – Operations Manager
Examine as considerações de design e implantação e recomendações para o Operations Manager no Guia
de Planejamento
Para saber como instalar o Operations Manager e implantar um grupo de gerenciamento, consulte
Implantando o System Center 2016 – Operations Manager
Para saber como usar o Operations Manager após a configuração do grupo de gerenciamento, consulte
System Center 2016 – Guia de Operações do Operations Manager
Para saber como criar um pacote de gerenciamento, consulte Author’s Guide for Operations Manager for
System Center 2012 (Guia do autor do Operations Manager para o System Center 2012)
Comunidade do Operations Manager
Guia de introdução
15/01/2018 • 1 min to read • Edit Online

Bem-vindo ao Microsoft System Center 2016 – Operations Manager. Os tópicos a seguir fornecem informações
para ajudá-lo a começar a aprender sobre o Operations Manager para desenvolver um plano de design de
arquitetura efetivo que dá suporte a seus requisitos, uma estratégia de implantação para executar com êxito uma
instalação do Operations Manager em seu ambiente e, por fim, diretrizes operacionais para que você possa usar,
gerenciar e manter sua implantação com êxito.

Tópicos de Introdução
Para saber o que há de novo no System Center 2016 – Operations Manager, primeiro examine Novidades do
Operations Manager 2016
Entenda os Requisitos mínimos do sistema do Operations Manager para cada componente do Operations
Manager e outras considerações aplicáveis.
Antes de implantar o Operations Manager, primeiro vamos começar a entender as Considerações de
Planejamento para funções diferentes, a configuração de segurança, diretrizes para uma configuração ideal do
SQL Server e muito mais.
Instale o Operations Manager em uma configuração simples ou distribuída em seu ambiente, seguindo o guia de
implantação Deploying System Center 2016 – Operations Manager.
Após a instalação do Operations Manager, examine o Guia de Operações do Operations Manager para saber
como usar, integrar os processos existentes de ITSM e dar suporte ao Operations Manager em seu ambiente com
eficácia.
Recursos preteridos do System Center Operations
Manager 1801
20/02/2018 • 1 min to read • Edit Online

As funcionalidades e os recursos listados abaixo estão incluídos no System Center Operations Manager 1801, mas
há previsão de que sejam removidos em uma versão futura. Aplicativos, códigos ou o uso que dependem desses
recursos continuarão funcionando nesta versão até que especificado de outro modo. Esta lista está sujeita a
alterações em versões posteriores e pode não incluir todas as funcionalidades ou todos os recursos preteridos.

Console Web baseado no Silverlight


Status: preterido.
Substituição: um novo console Web baseado em HTML está disponível no System Center Operations Manager
1801. Você ainda pode acessar os painéis baseados no Silverlight com o Internet Explorer usando a URL
http://<servername><:port>/dashboard .

Agente para Nano Server


Status: preterido.
Substituição: nenhuma

Próximas etapas
Consulte as informações de introdução ou os conceitos importantes sobre o Operations Manager
Notas de versão do System Center 2016 – Operations
Manager
14/03/2018 • 16 min to read • Edit Online

As notas de versão a seguir se aplicam ao System Center 2016 – Operations Manager.

A integração do SharePoint com o Operations Manager precisa ser


recriada
Descrição: ao utilizar o SharePoint para exibir dados do Operations Manager, as URLs de painel de console Web
existente fornecida não funcionarão e essas Web parts precisarão ser recriadas com as etapas a seguir.
Solução alternativa: execute as seguintes etapas para configurar o SharePoint para exibir os dados do
Operations Manager:
1. Crie uma nova página no SharePoint na qual você deseja exibir o painel.
2. Abra a página e clique em Editar e insira uma nova Web Part.
3. Na Web Part, em categorias, selecione "Mídia e Conteúdo", nela, selecione “Visualizador de Páginas” e clique
em adicionar.
4. Edite a Web part, selecione a página da Web e insira a URL do painel do console Web do Operations Manager.
5. Acrescente “&disabletree=true” no final da URL do painel para impedir que o modo de exibição em árvore seja
exibido na página do SharePoint
6. Configure a aparência, o layout e o atributo Adiantamento da página do SharePoint.

O console Web pode não funcionar porque o IIS foi corrompido


Descrição: o console Web pode gerar um erro ”Não foi possível carregar o tipo
‘System.ServiceModel.Activation.HttpModule”.
Solução alternativa: adicione "Ativação HTTP" aos serviços de função do sistema operacional. Em seguida, no
Server 2012, execute o seguinte no prompt de comandos com privilégios elevados:
“C:\Windows\Microsoft.NET\Framework64\v4.0.30319>aspnet_regiis.exe -r”.

Anomalias na manipulação de tabelas e marcadores em artigos de


conhecimento
Descrição: se forem inseridas tabelas em um artigo de conhecimento, ao reeditar o artigo as bordas não serão
aplicadas à tabela. Da mesma forma, se forem adicionados marcadores no artigo de conhecimento, eles serão
convertidos em marcadores numéricos ao reeditar. E, se houver um único marcador no artigo, o artigo não será
salvo no MP e o console gerará um erro.
Solução alternativa: nenhuma.

A instalação baseada em MSI não funciona para o agente Nano


Descrição: a instalação baseada em MSI não é compatível com o agente Nano. O agente pode ser instalado do
Assistente de Descoberta\scripts do instalador do PowerShell.
Solução alternativa: nenhuma.
Problemas com a desinstalação de uma atualização para o agente Nano
Descrição: não é possível desinstalar uma atualização para o agente Nano.
Solução alternativa a única opção é desinstalar o agente Nano e instalar a versão do RTM + a atualização
desejada.

Problemas com atualizações do agente Nano


Descrição: as atualizações para o agente Nano não serão enviadas por push do Windows Update. Para atualizar o
agente Nano é necessário baixar a atualização disponível e instalar usando os scripts de atualização do PowerShell
ou disparar um reparo de um servidor de gerenciamento atualizado.
Solução alternativa: nenhuma.

Não é possível substituir o caminho ou a pasta de instalação do agente


Nano
Descrição: o agente Nano é sempre instalado no seguinte caminho: ‘%SystemDrive%\Arquivos de
Programas\Microsoft Monitoring Agent’. A pasta de instalação do agente não pode ser substituída.
Solução alternativa: nenhuma.

Inconsistências na experiência de instalação de envio por push do


agente Nano
Descrição: a caixa de diálogo de status do Assistente de Descoberta fecha, mas o agente continua no estado
pendente no console por algum tempo até que a instalação falhe ou seja concluída com êxito. A instalação pode
falhar e para ajudar a solucionar os problemas, consulte o arquivo de log da instalação.
Solução alternativa: nenhuma.

Inconsistências na experiência de desinstalação de envio por push do


agente Nano
Descrição: ao executar uma desinstalação de envio do por push do Console de Operações, a caixa de diálogo de
status (que mostra o status do progresso) mostra que a desinstalação foi concluída com sucesso, mas a
desinstalação do agente ainda está sendo realizada. A desinstalação pode falhar e recorra ao arquivo de log da
instalação para obter informações adicionais para solucionar o problema.
Solução alternativa: nenhuma.

O ACS não está funcionando para o agente Nano


Descrição: o ACS não está funcionando para o agente Nano, em alguns casos. Há problemas em determinados
cenários.
Solução alternativa: nenhuma.

Os alertas de CSM (Monitoramento do lado do cliente) podem parar de


fluir do servidor de gerenciamento do System Center Operations
Manager
Descrição: a sequência de atualização do servidor de gerenciamento do System Center Operations Manager pode
causar um problema com a coleta de alertas de monitoramento do lado do cliente no servidor de gerenciamento.
Os agentes do System Center Operations Manager não são afetados. Probabilidade de ocorrência: média.
Solução alternativa: reinicie o serviço "Microsoft Monitoring Agent" no servidor de gerenciamento do System
Center Operations Manager.

Após atualizar o agente ou o servidor do System Center Operations


Manager, os eventos do APM (Monitoramento do desempenho de
aplicativos), eventos de CSM (monitoramento do lado do cliente) e
alertas do APM podem parar de fluir dos hosts monitorados
Descrição: a sequência de atualização do agente do System Center Operations Manager pode causar um
problema com o seguinte:
• Alertas e eventos de CSM (Monitoramento do lado do cliente) coletados no host.
• Alertas e eventos de APM (Monitoramento do desempenho de aplicativos) coletados no host. O servidor de
gerenciamento do System Center Operations Manager não é afetado.
Solução alternativa: reinicie o serviço "Microsoft Monitoring Agent" no computador gerenciado do agente do
System Center Operations Manager que está enfrentando o problema.

Não há suporte para os serviços de APM (Monitoramento do


desempenho de aplicativos) para Windows no System Center –
Operations Manager em computadores nos quais o Application
Insights Status Monitor está instalado.
Descrição: o fluxo de trabalho de APM (Monitoramento do desempenho de aplicativos) não conseguirá processar
a configuração de monitoramento para serviços .NET do Windows no computador se o Application Insights Status
Monitor e o agente do System Center – Operations Manager estiverem instalados.
Solução alternativa: desinstale o Application Insights Status Monitor.

Os valores de namespace para acompanhamento de desempenho


serão ignorados
Descrição: a configuração do valor de Namespace para o acompanhamento de desempenho ao rastrear um
namespace personalizado no APM (Monitoramento de desempenho do aplicativo) do .NET será ignorada.
Solução: defina as configurações de acompanhamento de exceções e acompanhamento de desempenho para
incluir os mesmos namespaces personalizados.

Ao usar a elevação sudo em sistemas operacionais Solaris, será


necessário uma alteração de configuração se o executável do sudo não
estiver em um caminho esperado
Descrição: Se você quiser usar a elevação sudo em um computador executando o Solaris e o executável do sudo
não estiver no caminho esperado, será necessário criar um link para o caminho correto. O Operations Manager
procurará o executável do sudo no caminho /opt/sfw/bin e, depois, no caminho /usr/bin. Se o sudo não estiver
instalado em um desses caminhos, será necessário um link.
Solução alternativa: O script de instalação do agente do UNIX e do Linux cria o link simbólico
/etc/opt/Microsoft/scx/conf/sudodir para a pasta a qual espera-se que contenha o sudo. O agente usa este link
simbólico para acessar o sudo. O script de instalação cria o link simbólico automaticamente, portanto, não é
necessário realizar nenhuma ação para as configurações padrão de UNIX e Linux. No entanto, se o sudo estiver
instalado em um local não padrão, será necessário alterar o link simbólico para apontar para a pasta em que o
sudo está instalado. Se você alterar o link simbólico, seu valor é mantido para as operações de desinstalação,
reinstalação e atualização com o agente.

O Console do Operations Manager deixará de responder se você tentar


resolver uma dependência durante a importação de um pacote de
gerenciamento
Descrição: quando você clica em Importar Pacotes de Gerenciamento no espaço de trabalho Administração do
Console de Operações do Operations Manager, o console exibirá o botão Resolver se o pacote de gerenciamento
for dependente de outro pacote de gerenciamento. Se você clicar em Resolver, verá o Aviso de Dependência. Se
você clicar no botão Resolver na caixa de diálogo Aviso de Dependência, o Console de Operações deixará de
responder.
Solução alternativa: instale a Atualização do System Center 2016 - Operations Manager. Consulte o artigo da
Base de Dados de Conhecimento 3117586 para obter instruções específicas.

Dados de telemetria podem ser enviados erroneamente quando a


configuração "Dados de Conectividade e Utilização" estiver definida
como "Falso"
Descrição: se dois operadores tiverem aberto os consoles do Operations Manager e um deles definir a
configuração de Dados de Conectividade e Utilização como "Não enviar dados", os dados continuarão fluindo para
a Microsoft até que o segundo usuário feche e reabra a instância do console do Operations Manager.
Solução alternativa: reinicie todas as sessões do console do Operations Manager depois de fazer alterações na
configuração de Conectividade e Utilização.
Descrição: quando um novo componente, como um servidor de gerenciamento ou um servidor de gateway, é
adicionado a um ambiente existente do Operations Manager, as informações de uso sobre o processo de
configuração são enviadas à Microsoft, embora a configuração de Dados de Conectividade e Uso esteja definida
como “Não enviar dados”. Após a adição do componente, nenhum dado de utilização adicional é enviado à
Microsoft a partir do componente.
Solução alternativa: nenhuma

Os valores de namespace para acompanhamento de desempenho


serão ignorados
Descrição: a configuração do valor de Namespace para o acompanhamento de desempenho ao rastrear um
namespace personalizado no APM (Monitoramento de desempenho do aplicativo) do .NET será ignorada.
Solução: defina as configurações de acompanhamento de exceções e acompanhamento de desempenho para
incluir os mesmos namespaces personalizados.

O console Web do Operations Manager não é compatível com o


navegador da Web Microsoft Edge
Descrição: quando você abre o console Web do Operations Manager no Menu Iniciar do Windows 10, o console
é aberto no navegador da Web Microsoft Edge. Isso resultará em um erro.
Solução alternativa: abra o console Web do Operations Manager com o Internet Explorer. O Internet Explorer
está disponível no submenu Acessórios do Windows.

Iniciar o console Web do Operations Manager pode resultar em uma


tela em branco
Descrição: Ao abrir o console Web do Operations Manager, você pode encontrar uma tela em branco.
Solução alternativa: para resolver o problema:
1. Clique no botão "Configurar".
2. Ao receber a solicitação para Executar ou Salvar SilverlightClientConfiguration.exe, clique em Salvar.
3. Execute SilverlightClientConfiguration.exe.
4. Abra as propriedades do arquivo exe (clique com o botão direito do mouse) e abra a guia Assinaturas Digitais.
5. Selecione o certificado com o Algoritmo Digest de sha256 e clique em Detalhes.
6. Na caixa de diálogo Detalhes da Assinatura Digital, clique em Exibir Certificado.
7. Na caixa de diálogo que aparece em seguida, clique em Instalar Certificado.
8. No Assistente para Importação de Certificados, define o local de armazenamento como - Computador Local.
Clique em Avançar.
9. Selecione a opção - "Colocar todos os certificados no repositório a seguir" e procure Editores Confiáveis.
10. Clique em Avançar e em Concluir.
11. Atualize o navegador

Próximas etapas
Para saber mais sobre os novos recursos e funcionalidades, consulte Novidades do System Center 2016 –
Operations Manager.
Notas de versão do System Center Operations
Manager 1801
09/05/2018 • 3 min to read • Edit Online

As notas de versão a seguir se aplicam ao System Center Operations Manager 1801.

Telemetria para painéis do HTML5


Descrição: o System Center Operations Manager coleta dados de diagnóstico e de uso sobre si mesmo, que são
usados pela Microsoft para aprimorar a experiência, a qualidade e a segurança da instalação de versões futuras.
Com o lançamento dos novos painéis do HTML5, a telemetria de uso é coletada com o Application Insights, não
por meio do recurso Uso e Diagnóstico do grupo de gerenciamento. Para obter mais informações sobre qual
telemetria de usuário é coletada pelo Application Insights, consulte Análise de uso com o Application Insights.
Solução alternativa: desabilite a configuração de coleta de dados de Uso e Diagnóstico no console de Operações
no espaço de trabalho Administração em Configurações\Privacidade.

Editar o conhecimento da empresa


Descrição: se o conhecimento da empresa de um alerta/monitor/regra já estiver salvo durante a edição no
Console de operações e, depois, o conhecimento da empresa do mesma alerta/monitor/regra for editado e salvo
usando novos painéis HTLM5 no console Web, o conteúdo que foi salvo originalmente usando o Console de
operações será substituído pelo conteúdo salvo por meio do console Web.
Solução alternativa: nenhuma

Acessar painéis do Silverlight no Console Web usando outra URL


Descrição: com os painéis do HTML5 no Operations Manager 1801, todo o console Web é baseado em HTML.
Os painéis do Silverlight não podem ser exibidos no console Web. Para acessar os painéis existentes do Silverlight,
você precisa acessá-los usando a URL http(s)://<Servername>/dashboard no Internet Explorer com o Silverlight
habilitado e isso exibirá todos os painéis do Silverlight.

Falha na verificação de pré-requisitos durante a tentativa de atualizar o


servidor de Relatórios
Descrição: durante a tentativa de executar uma atualização do servidor de Relatórios do System Center 2016 –
Operations Manager para a versão 1801, o verificador de pré-requisitos relatará o seguinte erro: Verificação de
Atualização do Servidor de Gerenciamento – o servidor de gerenciamento ao qual o componente
fornece relatórios não foi atualizado. e a atualização não pode continuar. Esse erro ocorre em um cenário de
grupo de gerenciamento distribuído em que o servidor de Relatórios está em um servidor separado de um ou
mais servidores de gerenciamento do grupo de gerenciamento.
Solução alternativa: instale o console de Operações do System Center 2016 – Operations Manager no servidor
que hospeda a função do servidor de Relatórios e, em seguida, tente atualizar novamente a função do servidor de
Relatórios para a versão 1801. Depois que a atualização for concluída com êxito, desinstale o console de Operações
atualizado por meio do servidor de Relatórios.
Novidades no Operations Manager
09/05/2018 • 13 min to read • Edit Online

O conteúdo desta seção descreve as novidades e mudanças no System Center 2016 – Operations Manager.

Melhorar o desempenho do console da área de trabalho


Com o lançamento do System Center 2016 – Operations Manager, foram realizados aprimoramentos de
desempenho nas exibições de estado e de diagrama no Console de Operações, a fim de melhorar o desempenho
de carga (esses são aprimoramentos além das otimizações de exibição de alertas).

Enviar notificações por email com autenticação externa


O Operations Manager agora dá suporte ao envio de notificações de um servidor de email, seja dentro da
organização ou externo, e à configuração uma conta Executar como para autenticação junto a esse sistema de
mensagens externo.

Console Web não Silverlight (exceto exibições do Painel)


Com o lançamento do System Center 2016 – Operations Manager, a dependência do Silverlight foi removida de
todas as exibições do Console Web, exceto das exibições do Painel. Esse recurso oferece o seguinte valor
agregado:
Sem Silverlight como pré-requisito para acessar o Console Web do Operations Manager
O Console Web do Operations Manager pode ser acessado de vários navegadores da Web, como o Edge, o
Chrome e o Firefox
Experiência de alto desempenho

OBSERVAÇÃO
As exibições do Painel ainda dependem do Silverlight, que pode ser acessado pelo Internet Explorer com o plug-in do
Silverlight.

Acesso ao Modo de Manutenção do Agendamento pelo painel de


Monitoramento e modo de manutenção do cliente
O modo de Manutenção de Agendamento é um recurso lançado no System Center 2016 – Operations Manager
para suspender o monitoramento de um objeto durante as atividades de manutenção regulares de software ou de
hardware, como atualizações de software ou substituições de hardware. Entidades podem ser colocadas em
manutenção em versões anteriores do Operations Manager, mas não podem ser colocadas no modo de
manutenção no futuro. O assistente Agendamento do modo de manutenção recém-criado oferece a capacidade
de escolher diferentes tipos de entidades para colocar em manutenção e agendar a manutenção no futuro.
Com o lançamento do System Center 2016 – Operations Manager, os operadores podem acessar o recurso de
"Agendas de Manutenção" no painel de monitoramento sem depender dos administradores para agendar
manutenções futuras. Os administradores do servidor podem colocar o computador gerenciado pelo agente
diretamente no modo de manutenção usando o próprio computador, sem a necessidade de fazer isso no Console
de Operações. Isso pode ser realizado com o novo cmdlet do PowerShell Start-SCOMAgentMainteannceMode.
Atualizações e recomendações do pacote de gerenciamento
O Operations Manager pode avaliar pacotes de gerenciamento da Microsoft e de parceiros. O Operations
Manager inclui um novo recurso chamado Atualizações e Recomendações para ajudá-lo a identificar
proativamente novas tecnologias ou componentes (ou seja, cargas de trabalho) implantados na sua infraestrutura
de TI que não foram monitorados pelo Operations Manager ou não são monitorados por meio da versão mais
recente de um pacote de gerenciamento. Para obter mais informações sobre Atualizações e Recomendações,
consulte Avaliação do pacote de gerenciamento.

Gerenciamento de dados de alerta


Com o lançamento do System Center 2016 – Operations Manager, você obtém melhor visibilidade dos alertas
gerados no seu grupo de gerenciamento, o que ajuda a reduzir alertas que você não considera acionáveis ou
relevantes.
Esse recurso oferece os seguintes benefícios:
Identifique o número de alertas que cada pacote de gerenciamento gerou.
Identifique o número de alertas gerados por uma monitor/regra com cada pacote de gerenciamento.
Identifique diferentes fonte/s ( juntamente com a contagem de alertas) que geraram um alerta para um
determinado tipo de alerta.
Filtre os dados durante a duração desejada para que você possa entender o que estava acontecendo
durante um determinado período de tempo.
Essas informações permitem que você tome decisões conscientes sobre o ajuste dos limites ou sobre
desabilitar os alertas considerados barulhentos.
Esse recurso está disponível para membros da função Administradores do Operations Manager na tela Ajustar
pacotes de gerenciamento no console de operações.

Monitoramento de rede extensível


O System Center 2016 – Operations Manager inclui uma nova ferramenta que permitirá que você crie um pacote
de gerenciamento personalizado para monitorar dispositivos de rede genérica (não certificados do Operations
Manager 2012 R2) e inclua as métricas de utilização de recursos, como processador e memória. Ou você pode
criar fluxos de trabalho de monitoramento estendidos para um dispositivo de rede existente já monitorado pelo
grupo de gerenciamento. Essa ferramenta permite que os clientes gerem um pacote de gerenciamento para seus
dispositivos de rede obterem monitoramento de rede estendido. Além disso, essa ferramenta permite que os
clientes adicionem monitoramento de componentes de dispositivos adicionais, como a ventoinha, o sensor de
temperatura, o sensor de voltagem e a fonte de alimentação.

Monitorando Nano Server e cargas de trabalho


O System Center 2016 – Operations Manager inclui suporte para monitorar o Nano Server.
Descobrir um Nano Server e enviar por push o agente compatível com o Nano ao servidor por meio do
console
Monitorar as funções IIS (Serviços de Informações da Internet) e DNS (Sistema de Nomes de Domínio)
Dá suporte à coleção de eventos de auditoria de segurança ACS
Suporte à Integração do Active Directory para gerenciar a atribuição de agentes
Implantar o agente compatível com o Nano manualmente usando um script do PowerShell incluído nesta
versão
Gerencie a atualização do agente compatível com o Nano diretamente do console da mesma forma como é
feito hoje com o agente do Windows ou manualmente no Nano Server usando um script do PowerShell
incluído nesta versão
Para obter instruções específicas sobre como configurar o System Center 2016 – Operations Manager para
monitorar o Nano Server, consulte Monitorando o Nano Server.

Melhoria de escalabilidade com monitoramento de agentes Unix/Linux


O Operations Manager inclui melhor escalabilidade em quantos agentes Unix/Linux que podem ser monitorados
por servidor do Management. Agora você pode monitorar até duas vezes o número de servidores Unix/Linux por
serviço de gerenciamento, comparado à escala com suporte anteriormente.
O Operations Manager agora usa as novas APIs de MI (Infraestrutura de Gerenciamento) Assíncrono do
Windows, em vez das APIs de Sincronização do WSMAN, que o Operations Manager usa por padrão. Para
aproveitar essa melhoria, você precisa criar a nova chave do Registro “UseMIAPI” para permitir que o Operations
Manager use as novas APIs de MI Assíncrono em servidores de gerenciamento que monitoram sistemas
Unix/Linux. Execute as seguintes etapas:
1. Abra o Editor do Registro de Prompt de comandos com privilégios elevados.
2. Crie a chave do Registro UseMIAPI em HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\Microsoft\Microsoft
Operations Manager\3.0\Setup.
Se precisar restaurar a configuração original usando as APIs de Sincronização do WSMAN, exclua a chave do
Registro UseMIAPI.

Estender o Operations Manager com o Operations Management Suite


Com o Microsoft Operations Management Suite, você pode estender seus recursos de gerenciamento conectando
a infraestrutura do seu Operations Management aos serviços de gerenciamento e análise fornecidos por meio da
sua conta do Azure. Os principais cenários para conectar o System Center 2016 – Operations Manager ao
Microsoft Operations Management Suite incluem:
Avaliação de Configuração
Gerenciamento de alertas
Planejamento da capacidade
Para obter mais informações, examine a documentação do Microsoft Operations Management Suite.

Programa de Parceria no painel Administração


Os clientes podem ver soluções de parceiros certificadas do System Center Operations Manager diretamente no
console. Os clientes podem obter uma exibição das soluções do parceiro e acessar os sites dos parceiros para
baixar e instalar as soluções.

Novidades do monitoramento do UNIX/Linux do System Center 2016


Operations Manager
Novos pacotes de gerenciamento e provedores para o monitoramento de servidor de banco de dados do
Apache HTTP Server e MySQL/MariaDB.
Os agentes do Operations Manager para UNIX e Linux incluem OMI (Infraestrutura de Gerenciamento
Aberta) versão 1.1.0. A OMI agora é empacotada separadamente (em um pacote denominado omi) dos
provedores do agente do Operations Manager (em um pacote denominado scx).
Regras e monitores e regras de comandos e scripts de shell têm multi-thread no agente e serão executado
em paralelo.
Foram adicionados novos modelos de Script UNIX/Linux para:
Monitores de dois estados
Monitor de três estados
Tarefas de agente
Regras de coleta de desempenho
Regras que geram alertas
Esses modelos permitem que você copie e cole o script de monitoramento em um modelo para a integração
simples com o monitoramento do Operations Manager. O script pode ser shell, perl, Python, Ruby ou qualquer
outra linguagem de script com um interpretador correspondente especificado pelo shebang do script.
Modelos de tarefa de diagnóstico e recuperação agora estão disponíveis para criar tarefas de diagnóstico e
recuperação com scripts e comandos de shell
Credenciais padrão podem ser usadas ao descobrir computadores UNIX e Linux com o Assistente de
Descoberta ou o PowerShell
A descoberta de discos lógicos (sistemas de arquivos) para agentes UNIX e Linux pode ser filtrada por
nome ou tipo de sistema de arquivos. Substituições de regra de descoberta podem ser usadas para excluir
os sistemas de arquivos que você não deseja monitorar.
Novidades no System Center Operations Manager
1801
09/05/2018 • 5 min to read • Edit Online

O conteúdo desta seção descreve as novidades e mudanças no System Center Operations Manager 1801.

Inserir a chave do produto (Product Key) no console de Operações


Nas versões anteriores do Operations Manager, você precisava atualizar da versão de avaliação para uma versão
licenciada, usando o cmdlet Set-SCOMLicense do PowerShell após a implantação inicial de um novo grupo de
gerenciamento. O registro da chave do produto (Product Key) agora pode ser feito durante ou após a instalação no
console de Operações. O cmdlet Set-SCOMLicense do PowerShell foi atualizado para dar suporte ao registro
remoto da chave de licença por meio de um servidor de gerenciamento.

Monitoramento de Linux
Agora, é possível usar um agente do Linux com suporte do FluentD para monitoramento de arquivo de log em
conjunto com o Windows Server. Essa atualização promove as seguintes melhorias com relação ao monitoramento
de arquivo de log anterior:
Caracteres curinga no nome e no caminho do arquivo de log.
Novos padrões de correspondência para pesquisa de logs personalizável, como correspondência simples,
exclusiva, correlacionada, correlação repetida e correlação exclusiva.
Suporte para plug-ins genéricos do Fluentd publicados pela comunidade do Fluentd.

Experiência aprimorada de painéis do HTML5


O console Web foi reformulado e agora é um console totalmente baseado em HTML e não tem uma dependência
no Silverlight. Os novos painéis foram reformulados com:
Interface do usuário moderna
Criação simplificada de widgets e painéis
Acessível em vários navegadores
Experiência aprimorada de solução de problemas com páginas de busca detalhada
Extensibilidade com um widget personalizado usando uma nova API REST
Exportar e compartilhar painéis
A autenticação de rede está habilitada com o novo console Web.

Suporte do VSAE (Visual Studio Authoring Extension) do System


Center para Visual Studio 2017
Agora, o VSAE (Visual Studio Authoring Extension) foi atualizado para ser compatível com o VS (Visual Studio)
2017. Os desenvolvedores de MP (Pacotes de Gerenciamento) podem continuar usando-o com a última versão do
Visual Studio para criar pacotes de gerenciamento personalizados e usar um dos modelos de pacote de
gerenciamento fornecidos, ou editar um pacote de gerenciamento existente.

Desempenho aprimorado do Cliente SDK


As melhorias que promovemos no desempenho do Console de Operações geralmente impedem que o console
responda enquanto um novo pacote de gerenciamento está sendo importado ou excluído, ou quando uma
mudança na configuração do MP está sendo salva.

Atualizações e recomendações para Pacotes de Gerenciamento de


terceiros
No System Center 2016, liberamos o recurso Atualizações e Recomendações de Pacotes de Gerenciamento, que
foi estendido para incluir a descoberta e downloads de atualizações de pacotes de gerenciamento de terceiros, com
base nos comentários dos clientes.

Suporte ao Kerberos do Linux


Agora, o Operations Manager oferece suporte à autenticação Kerberos sempre que o protocolo WS -Management
é usado pelo serviço de gerenciamento para comunicação com computadores UNIX e Linux, proporcionando mais
segurança sem a necessidade de habilitar a autenticação básica do WinRM (Gerenciamento Remoto do Windows).

Integração com o Mapa do Serviço


O Mapa do Serviço descobre automaticamente os componentes de aplicativo em sistemas Windows e Linux e
mapeia a comunicação entre os serviços. Ele cria automaticamente um mapa de referências comum às
dependências em todos seus servidores, processos e serviços de terceiros. A integração entre o Mapa do Serviço e
o System Center Operations Manager permite criar automaticamente diagramas de aplicativo distribuídos no
Operations Manager, baseados nos mapas de dependência dinâmicos no Mapa do Serviço. Para saber mais sobre
como planejar e configurar essa integração, consulte Integração do Mapa do Serviço com o System Center
Operations Manager.
Passo a passo da Instalação do Operations Manager
em um servidor único
15/05/2018 • 17 min to read • Edit Online

Este passo a passo orienta você na instalação do System Center 2016 – Operations Manager ou do System Center
Operations Manager 1801 em um servidor único. Os recursos instalados incluem o seguinte:
Servidor de gerenciamento
Console de Operações
Console Web
Servidor de relatórios

Pré-requisitos
É necessário garantir que o servidor atende às configurações mínimas com suporte do System Center Operations
Manager. Para obter mais informações, consulte Requisitos do sistema para o System Center Operations Manager.
Componentes necessários do SQL Server
Serviços de mecanismo do banco de dados – Extrações Semânticas e de Texto Completo para Pesquisa
(como é chamado no SQL Server 2012 e posterior)
Reporting Services – Nativo
Para instalar a configuração do grupo de gerenciamento de servidor único
1. Faça logon no servidor usando uma conta que tenha credenciais administrativas locais.
2. Na mídia de instalação do System Center Operations Manager, execute Setup.exe e, em seguida, clique em
Instalar.
3. Na página Introdução, Selecione os recursos a serem instalados, selecione os recursos Servidor do
Management, Console de operações, Console Web e Servidor de relatórios. Para ler mais sobre cada
recurso e seus requisitos, clique em Expandir Tudo, ou expandir os botões próximos a cada recurso. Clique
em Avançar.
4. Na página Selecionar local de instalação, aceite o valor padrão, digite um novo local ou procure um.
Clique em Avançar.

OBSERVAÇÃO
Para o System Center 2016 – Operations Manager, o caminho padrão é C:\Program Files\Microsoft System Center
2016\Operations Manager. Para o branch atual, o caminho padrão é C:\Program Files\Microsoft System
Center\Operations Manager.

5. Na página Pré-requisitos, leia e resolva os avisos e erros e depois clique em Verificar Pré-requisitos
Novamente para verificar novamente o sistema.
OBSERVAÇÃO
A instalação do console Web exige que restrições ISAPI e CGI no IIS sejam habilitadas para ASP.NET 4. Para habilitar
isso, selecione o servidor Web no Gerenciador do IIS e clique duas vezes em restrições ISAPI e CGI. Selecione
ASP.NET v4.0.30319e depois clique em Permitir.

6. Se o verificador de Pré-requisitos não retornar nenhum aviso ou erro, a página Pré-requisitos, Prosseguir
com a Configuração aparecerá. Clique em Avançar.
7. Na página Configuração, Especifique uma opção de instalação, selecione Crie o primeiro servidor
do Management em um novo grupo de gerenciamento, digite um nome para seu grupo de
gerenciamento e depois clique em Avançar.

OBSERVAÇÃO
Depois que o nome do grupo de gerenciamento for definido, ele não poderá ser alterado. O nome do grupo de
gerenciamento não pode conter os seguintes caracteres: , ( ) ^ ~ : ;. ! ? " , ' ` @ # % \ / * + = $ | & [ ] <>{} e não pode
ter espaços à esquerda ou à direita. É recomendável que o nome do Grupo de Gerenciamento seja exclusivo em sua
organização se planejar conectar vários grupos de gerenciamento juntos.

8. Na página Configuração, Leia os termos da licença, leia os Termos de Licença para Software Microsoft,
clique em Eu li, compreendi e concordo com os termos do contrato de licença e depois clique em
Avançar.
9. Quando a página Configuração, Configurar o banco de dados operacional for aberta, na caixa Nome
do servidor e nome da instância , digite o nome do servidor e o nome da instância do SQL Server para o
servidor do banco de dados que hospedará o banco de dados operacional. Ao instalar o SQL Server usando
a instância padrão, você somente terá que inserir o nome do servidor. Se você alterou a porta padrão do
SQL Server, digite o número da nova porta na caixa Porta do SQL Server.
Se digitar um SQL Server e nome da instância inválidos, você verá um círculo vermelho com um X branco
aparecer à esquerda das caixas Nome do servidor e o nome da instância e Porta do SQL Server.
O X branco aparece nas seguintes circunstâncias:
Você inseriu uma instância do SQL Server ou um valor de porta do SQL Server que não é válido ou
não existe.
A instância do SQL Server especificada não tem a configuração ou recursos solicitados.
Você inseriu um valor que está fora do intervalo (por exemplo, porta 999999).
Você inseriu um caractere ilegal para essa caixa (por exemplo, servidor\instância%)
Você pode passar o mouse sobre a caixa de texto Nome do servidor e instância para exibir
informações adicionais sobre o erro.
10. Após digitar o valor correto para o nome do servidor de banco de dados do SQL Server, clique na caixa
Porta do SQL Server para que a Instalação tente validar os valores digitados para o nome do SQL Server
e para o número da porta.
11. Nas caixas Nome do banco de dados, pasta de arquivo de dados do Tamanho do banco de dados
(MB ) e Pasta do arquivo de log, é recomendável aceitar os valores padrão. Clique em Avançar
OBSERVAÇÃO
Estes caminhos não mudam se você se conectar a uma instância diferente do SQL Server.

IMPORTANTE
Você pode receber uma mensagem sobre uso da versão errada do SQL Server ou pode ter um problema com o
fornecedor da Instrumentação de Gerenciamento do Windows (WMI) do SQL Server. Para solucionar este problema,
abra uma janela do Prompt de comando, selecione Executar como administrador e depois execute o seguinte
comando. No comando, substitua o espaço reservado <caminho> pelo local do SQL Server:
mofcomp.exe “<caminho>\Microsoft SQL Server\100\Shared\sqlmgmproviderxpsp2up.mof”

OBSERVAÇÃO
O tamanho do banco de dados do modelo do SQL Server não deve ser maior que 100 MB. Se for, você pode
encontrar um erro na Instalação no que se refere a incapacidade para criar um banco de dados no SQL devido às
permissões de usuário. Para solucionar este problema, você deve reduzir o tamanho do banco de dados do modelo.

12. Quando a página Configuração, Configurar o banco de dados do data warehouse for aberta, na caixa
Nome do servidor e nome da instância , digite o nome do servidor e o nome da instância do SQL
Server para o servidor do banco de dados que hospedará o banco de dados do data warehouse.
13. Como esta é uma instalação de servidor único, aceite o valor padrão de Criar um novo banco de dados
de data warehouse.
14. Nas caixas Nome do banco de dados, Pasta do arquivo de dados do Tamanho do banco de dados
(MB ) e Pasta do arquivo de log, recomendamos que você aceite os valores padrão. Clique em Avançar.

IMPORTANTE
Você pode receber uma mensagem sobre uso da versão errada do SQL Server ou pode ter um problema com o
fornecedor da Instrumentação de Gerenciamento do Windows (WMI) do SQL Server. Para solucionar este problema,
abra uma janela do Prompt de comando, selecione Executar como administrador e depois execute o seguinte
comando. No comando, substitua o espaço reservado <caminho> pelo local do SQL Server:
mofcomp.exe “<caminho>\Microsoft SQL Server\100\Shared\sqlmgmproviderxpsp2up.mof”.

OBSERVAÇÃO
Estes caminhos não mudam se você se conectar a uma instância diferente do SQL Server.

15. Na Configuração, página Instância do SQL Server para o Reporting Services , selecione a instância do
banco de dados do SQL Server na lista suspensa. Essa lista suspensa contém o nome da instância do banco
de dados do SQL Server criado quando você instalou o SQL Server 2014 Service Pack 2 ou SQL Server
2016 e deve ser o nome do servidor em que você está instalando o System Center 2016 – Operations
Manager. Clique em Avançar.
16. Na página Configuração, Especifique um site a ser usado com o console Web, selecione Site Padrão
ou o nome de um site da Web existente. Selecione Habilitar SSL somente se o site da Web tiver sido
configurado para usar SSL e depois clique em Avançar.
17. Na página Configuração, Selecione um modo de autenticação para usar o console Web, selecione
sua opção e depois clique em Avançar.
18. Na página Configuração, Configurar contas do Operations Manager, recomendamos que você use a
opção Conta de Domínio para a Conta de Ação do Servidor de Gerenciamento, Serviço de
Configuração do System Center e serviço de Acesso a Dados do System Center, Conta do Leitor de
Dados e Conta do Gravador de Dados.
Insira as credenciais para a conta de domínio em cada campo. O ícone de erro desaparecerá após a
validação da conta. Clique em Avançar.
19. Na página de Configuração, Dados de Diagnóstico e Uso, examine as informações e clique em
Avançar.
20. Se Windows Update não estiver ativado no computador, a página Configuração, Microsoft Update será
exibida. Selecione suas opções e depois clique em Avançar.
21. Analise as opções na página Configuração, Resumo da Instalação e clique em Instalar. A Instalação
continua.
22. Quando a Instalação for concluída, a página Configuração concluída aparecerá. Clique em Fechar e o
Console de Operações será aberto.
Para instalar a configuração do grupo de gerenciamento de servidor único do Operations Manager por meio do
Prompt de Comando
1. Faça logon no servidor usando uma conta que tenha credenciais administrativas locais.
2. Abra um prompt de comando usando a opção Executar como Administrador.

OBSERVAÇÃO
Setup.exe exige privilégios de administrador porque o processo de Instalação exige acesso aos processos do sistema,
que somente podem ser usados por um administrador local.

3. Altere o caminho para o local em que o arquivo setup.exe do System Center Operations Manager está
localizado e execute o comando a seguir.

IMPORTANTE
Use o parâmetro do /WebConsoleUseSSL somente se o site tiver o Secure Sockets Layer (SSL) ativado.
Para uma instalação padrão da Web, especifique Site Padrão para o parâmetro do /WebSiteName .

IMPORTANTE
O seguinte comando considera que você especificou o Sistema Local para a conta de ação do servidor de
Gerenciamento ( /UseLocalSystemActionAccount ) e o serviço de Acesso a Dados ( /UseLocalSystemDASAccount ).
Para especificar um domínio\nome de usuário para essas contas, você deve fornecer os seguintes parâmetros.
/ActionAccountUser: <domain\username> /ActionAccountPassword: <password>

/DASAccountUser: <domain\username> /DASAccountPassword: <password>


setup.exe /silent /install
/components:OMServer,OMConsole,OMWebConsole,OMReporting
/ManagementGroupName: "<ManagementGroupName>"
/SqlServerInstance: <server\instance>
/SqlInstancePort: <SQL instance port number>
/DatabaseName: <OperationalDatabaseName>
/DWSqlServerInstance: <server\instance>
/DWSqlInstancePort: <SQL instance port number>
/DWDatabaseName: <DWDatabaseName>
/UseLocalSystemActionAccount /UseLocalSystemDASAccount
/DatareaderUser: <domain\username>
/DatareaderPassword: <password>
/DataWriterUser: <domain\username>
/DataWriterPassword: <password>
/AcceptEndUserLicenseAgreement: [0|1]
/WebSiteName: "<WebSiteName>" [/WebConsoleUseSSL]
/WebConsoleAuthorizationMode: [Mixed|Network]
/SRSInstance: <server\instance>
/SendODRReports: [0|1]
/EnableErrorReporting: [Never|Queued|Always]
/SendCEIPReports: [0|1]
/UseMicrosoftUpdate: [0|1]

Verificando a instalação
Para confirmar a integridade do servidor de gerenciamento
1. No Console de Operações, selecione os Espaço de trabalho de Administração .
2. No Gerenciamento de Dispositivos, selecione Servidores de Gerenciamento. No painel de resultados,
você deve ver o servidor do Management que acabou de instalar com uma marca de seleção verde na
coluna Estado de Integridade.
Para confirmar a integridade dos relatórios do Operations Manager
1. No Console de Operações, no painel de navegação, clique no botão Relatório.

OBSERVAÇÃO
Depois da implantação inicial, pode ser necessário até 30 minutos para que os relatórios apareçam.

2. Clique em Biblioteca de Relatórios ODR da Microsoft e depois clique duas vezes em qualquer um dos
relatórios listados. O relatório selecionado é gerado e aparece na nova janela.
Por padrão, você deve ver os seguintes relatórios:
Alertas por Dia
Espaço de Instância
Grupo de Gerenciamento
Pacotes de Gerenciamento
Alertas Mais Comuns

OBSERVAÇÃO
Selecionar o relatório de pacotes de gerenciamento é especialmente útil nesta hora, porque ele oferece um inventário
completo dos pacotes de gerenciamento que foram instalados no seu servidor.
3. Feche a janela de relatórios.

Próximas etapas
Agora que você instalou o System Center Operations Manager, implante os agentes e comece o monitoramento
dos aplicativos, servidores e dispositivos de rede. Para obter mais informações, consulte Planejamento da
implantação de agente e Cenários de monitoramento do Operations Manager.
Instalando o Operations Manager do prompt de
comando
20/02/2018 • 6 min to read • Edit Online

Você pode instalar recursos do Operations Manager usando o comando setup.exe na janela Prompt de Comando.
As instalações de gateway e agente requerem o uso de MOMGateway.msi e MOMAgent.msi. É necessário garantir
que todos os servidores atendam aos requisitos mínimos de configuração com suporte do System Center
Operations Manager. Para saber mais, confira os Requisitos do sistema.

Parâmetros da linha de comando


A tabela a seguir lista os parâmetros de linha de comando para instalar os recursos do Operations Manager.

OBSERVAÇÃO
Se o parâmetro contiver dois pontos (:), um valor será necessário. Caso contrário, é simplesmente uma opção.

PARÂMETRO VALOR

/silent Não exibe o Assistente de instalação.

/install Executa uma instalação. Use /components para indicar


recursos específicos para instalação.

/InstallPath Executa uma instalação especificando um local alternativo,


para alterar o caminho padrão para instalação em outra
unidade. Por exemplo:
/InstallPath: "D:\Program Files\System
Center\Operations Manager"
para alterar do local padrão da unidade C.

/componentes OMServer: Instalar um servidor de gerenciamento.

OMConsole: instalar um console de operações.

OMWebConsole: instalar um console Web.

OMReporting: instalar um servidor de Relatórios.

/ManagementGroupName: O nome do grupo de gerenciamento

/ManagementServicePort: Mudar a porta do servidor de gerenciamento na instalação

/SqlServerInstance: O SQL Server e a instância <server\instance> ou o ouvinte


do grupo de disponibilidade AlwaysOn.

/SqlInstancePort: O número da porta de instância do SQL Server.

/DatabaseName: O nome do banco de dados operacional.


PARÂMETRO VALOR

/DWSqlServerInstance: O servidor data warehouse e a instância <server\instance>


ou o ouvinte do grupo de disponibilidade AlwaysOn.

/DWSqlInstancePort: O número da porta de instância do SQL Server.

/DWDatabaseName: O nome do banco de dados data warehouse.

/UseLocalSystemActionAccount Usado para especificar o Sistema Local para a conta de ação


do servidor de gerenciamento.

/ActionAccountUser: O nome de usuário e domínio da conta de ação do servidor


de gerenciamento.

Usado se não quiser especificar o Sistema Local

/ActionAccountPassword: A senha da conta de ação do servidor de gerenciamento.

Usado se não quiser especificar o Sistema Local.

/UseLocalSystemDASAccount Usado para especificar o Sistema Local para a conta de serviço


de Acesso a Dados.

/DASAccountUser: O nome de usuário e domínio da conta de serviço de Acesso a


Dados.

Usado se não quiser especificar o Sistema Local.

/DASAccountPassword: A senha da conta de serviço de Acesso a Dados.

Usado se não quiser especificar o Sistema Local.

/DataReaderUser: O nome de usuário e domínio da conta do leitor de dados.

/DataReaderPassword: A senha da conta do leitor de dados.

/DataWriterUser: O nome de usuário e domínio da conta do gravador de dados.

/DataWriterPassword: A senha da conta do gravador de dados.

/EnableErrorReporting: Nunca: Não escolha enviar relatórios de erros automáticos.

Em fila: Escolha o envio de relatórios de erro, mas coloque os


relatórios em fila para revisão antes de enviar.

Sempre: Escolha enviar relatórios de erro automaticamente.

/SendCEIPReports: 0: Não aceitar o CEIP (Programa de Aperfeiçoamento da


Experiência do Usuário).

1: Aceitar o CEIP.

/UseMicrosoftUpdate: 0: Não aceitar o Microsoft Update.

1: Aceitar o Microsoft Update.


PARÂMETRO VALOR

/AcceptEndUserLicenseAgreement: 0: Não aceitar o contrato de licença de usuário final (EULA).

1: Aceitar o Contrato de Licença de Usuário Final (EULA).

Ao executar uma instalação limpa do System Center


Operations Manager, essa opção é necessária para todos os
servidores de gerenciamento. Ela também é necessária para
outras instalações com scripts.

/ManagementServer Usado para especificar o nome do servidor de gerenciamento


associado ao console Web e/ou servidor de Relatórios que não
é instalado em um servidor de gerenciamento.

/WebSiteName: O nome do site. Para a instalação Web padrão, especifique o


"Site padrão".<br
Usado para instalações do console Web.

/WebConsoleUseSSL Especifique apenas se o site tiver SSL ativado.

Usado para instalações do console Web.

/WebConsoleAuthorizationMode: Misto: Usado para cenários de intranet.

Rede: Usado para cenários de extranet.

Usado para instalações do console Web.

/SRSInstance O servidor de relatórios e instância (< servidor\instância >).

Usado para instalações de Servidor de Relatórios.

/SendODRReports: 0: Não escolha enviar relatórios de dados operacionais.

1: escolha o envio de relatórios de dados operacionais.

Usado para instalações de Servidor de Relatórios.

/uninstall Desinstala o Operations Manager. Use /components para


indicar recursos específicos para desinstalação. Se
/components não for especificado, ele desinstalará todos os
recursos do Operations Manager no servidor.

Próximas etapas
Confira Implantação distribuída do Operations Manager para compreender a sequência e as etapas para
instalar cada um dos recursos em vários servidores no grupo de gerenciamento.
Guia de Planejamento do Operations Manager
09/05/2018 • 6 min to read • Edit Online

ao implantar o System Center 2016 – Operations Manager em seu ambiente, é possível fornecer à sua
organização um serviço de monitoramento que garante que a TI os proprietários de serviços comerciais podem
monitorar e relatar com eficiência as métricas de desempenho e disponibilidade de seus serviços locais, no
provedor de serviços e em ambientes de nuvem. Depois de identificar as tarefas de implantação e ambiente atual
para sua organização, você pode criar a estratégia de implantação do Operations Manager que atenda às
necessidades de operações de serviço da sua organização.

Sobre este guia


Este guia fornece recomendações para ajudá-lo a desenvolver uma estratégia de implantação do Operations
Manager baseada nos requisitos da sua organização e no design específico que deseja criar. Este guia destina-se a
especialistas em infraestrutura ou arquitetos de sistema. Antes de ler este guia, você deve ter uma boa
compreensão de como o Operations Manager opera em um nível funcional. Também é necessário ter uma boa
compreensão dos requisitos organizacionais e de negócios que precisam ser considerados na estratégia de
implantação.
Este guia descreve os conjuntos de tarefas para vários pontos de partida possíveis de uma implantação do
System Center 2016 – Operations Manager. O guia o ajuda a determinar a estratégia de implantação mais
adequada para seu ambiente.
As estratégias que são apresentadas neste guia são apropriadas para muitas implantações comuns do Operations
Manager e elas foram testadas e validadas para ambientes que contêm até os limites de capacidade mencionados
no artigo Requisitos de Sistema.

Tópicos do guia de planejamento


Requisitos do sistema para o Operations Manager
Fornece informações sobre os sistemas operacionais com suporte, configurações de hardware, requisitos
de software, combinações de instalação e outra considerações importantes de planejamento de design que
são resumidas e recomendadas para Operations Manager no System Center 2016.
Versões do UNIX e Linux com suporte
Fornece as dependências de pacote e os sistemas operacionais UNIX e Linux com suporte e necessários
para o System Center 2016 – Operations Manager.
Planejando um design do grupo de gerenciamento
Descreve os componentes pelos quais um grupo de gerenciamento do Operations Manager é composto,
como um servidor de gerenciamento, um SQL Server que hospeda bancos de dados operacionais e de
data warehouse e o console de Operações do Operations Manager. Esta seção também inclui considerações
de design importantes para cada componente.
Considerações de Design do SQL Server
Descreve a configuração de alta disponibilidade, recuperação de desastre e desempenho mais adequadas
para o SQL Server que hospeda os bancos de dados do Operations Manager para o desempenho e o
redução horizontal ideais em meio a implantações empresariais.
Considerações de design do pool de recursos
Esta seção fornece informações para ajudá-lo a tomar decisões de design e para entender as opções de
comportamento e implantação com pools de recursos para fornecer alta disponibilidade para o
monitoramento de dispositivos de rede, computadores Linux e UNIX e outras cargas de trabalho no
Operations Manager.
Design para alta disponibilidade e recuperação de desastre
Descreve as opções de recuperação de desastres e alta disponibilidade com suporte e mais adequadas
para o grupo de gerenciamento do Operations Manager para manter a funcionalidade mínima e percepção
operacional contínua dos serviços de TI monitorados.
Integração com outros produtos de gerenciamento corporativo
A integração com outras soluções de gerenciamento de ITSM, soluções de monitoramento ou soluções
personalizadas que complementam o Operations Manager para dar suporte à sua estrutura de operações
de serviço são discutidas com recomendações de design.
Visão geral do agente de monitoramento e considerações de implantação
Fornece uma visão geral do agente do Windows e UNIX/Linux e do software, requisitos de segurança e
implantação e considerações que você precisa entender antes de prosseguir com a implantação do
Operations Manager.
Design de segurança
Esta seção fornece informações relacionadas à segurança, pois pertence ao planejamento de contas,
funções e privilégios de segurança necessários para sua implantação do System Center 2016 – Operations
Manager.
Requisitos do sistema para o System Center
Operations Manager
09/05/2018 • 24 min to read • Edit Online

O tópico descreve as diretrizes gerais de desempenho e escalabilidade para o System Center 2016 –
Operations Manager e a versão 1801. Recomenda configurações de hardware para uma variedade de cargas
de trabalho. Como o System Center Operations Manager foi criado para ser flexível e escalonável, os
requisitos de hardware para cenários específicos podem diferir das diretrizes apresentadas aqui. Uma
discussão sobre os fatores que afetam o desempenho de cada componente do Operations Manager é
detalhada em outras seções do guia de planejamento para que eles podem ser adaptados às necessidades
específicas.

Limites de capacidade para o Operations Manager


Essas informações ajudam você a compreender as características de desempenho e escalabilidade dos vários
componentes do Operations Manager que dão suporte a um grupo de gerenciamento.

ITEM MONITORADO LIMITE RECOMENDADO

Consoles de operações simultâneas 50

Computadores monitorados por agente que se reportam a 3,000


um servidor de gerenciamento

Computadores monitorados por agente que se reportam a 2,000


um servidor gateway

Computadores monitorados por exceção sem agente 25,000


(AEM) por servidor de gerenciamento dedicado

Computadores monitorados por exceção sem agente 100,000


(AEM) por grupo de gerenciamento

Computadores monitorados por cliente coletivo por 2,500


servidor de gerenciamento

Servidores de gerenciamento por agente para 4


hospedagem múltipla

Computadores monitorados sem agente por servidor de 10


gerenciamento

Computadores monitorados sem agente por grupo de 60


gerenciamento

Computadores monitorados por agente e UNIX ou Linux 6.000 (com 50 consoles abertos); 15.000 (com 25 consoles
por grupo de gerenciamento abertos)

Computadores UNIX ou Linux por servidor de 1,000


gerenciamento dedicado
ITEM MONITORADO LIMITE RECOMENDADO

Computadores UNIX ou Linux monitorados por servidor 200


gateway dedicado

Dispositivos de rede gerenciados por um pool de recursos 1,000


com três ou mais servidores de gerenciamento

Dispositivos de rede gerenciados por dois pools de 2,000


recursos

Agentes para Monitoramento de Desempenho de 700


Aplicativos (APM)

Aplicativos para Monitoramento de Desempenho de 400


Aplicativos (APM)

URLs monitoradas por servidor de gerenciamento 3,000


dedicado

URLs monitoradas por grupo de gerenciamento dedicado 12.000

URLs monitoradas por agente 50

Sequência de atualização
Se estiver atualizando uma instalação do System Center 2012 R2 Operations Manager ou do System Center
2016 – Operations Manager integrada a um ou mais componentes do System Center, faça a atualização na
ordem a seguir.
1. Orchestrator – se você tiver o pacote de integração do Operations Manager instalado para dar suporte a
runbooks que executam a automação no grupo de gerenciamento do Operations Manager.
2. Service Manager – se você configurou os conectores para importar dados de alerta e de item de
configuração de objetos descobertos e monitorados no Operations Manager.
3. Data Protection Manager – se você configurou o console central para gerenciar de forma centralizada o
ambiente do DPM.
4. Operations Manager
5. Virtual Machine Manager – se você configurou a integração com o Operations Manager para monitorar a
integridade dos componentes do VMM, das máquinas virtuais e dos hosts das máquinas virtuais.

Requisitos de hardware
Use essas informações para avaliar se o ambiente de hardware está pronto para dar suporte à instalação ou
atualização para o System Center 2016 – Operations Manager ou para a versão 1801, considerando os
requisitos mínimos de hardware para o processador, RAM e espaço em disco. Você deverá usar as
informações aqui se você estiver implantando um ou vários componentes e, para obter informações mais
específicas que ajudem a planejar a quantidade da infraestrutura necessária para uma nova implantação do
Operations Manager, consulte o Operations Manager 2012 Sizing Helper (Auxiliar de dimensionamento).
OBSERVAÇÃO
Embora o Auxiliar de Dimensionamento do Operations Manager 2012 não tenha sido atualizado para refletir a versão
2016 ou 1801 do Operations Manager, as informações fornecidas ainda são válidas para ajudar você a estimar seus
requisitos de design. No entanto, o número de computadores UNIX/Linux por servidor de gerenciamento e de
gateway, conforme observado na seção Monitoramento de Unix ou Linux não está correta. O número de
computadores UNIX/Linux por servidor aumentou e está disponível na tabela de capacidade do item monitorado,
anteriormente neste artigo.

FUNÇÃO DE SERVIDOR DO
OPERATIONS MANAGER PROCESSADOR X64 (MIN) MEMÓRIA (MIN) ESPAÇO EM DISCO (MIN)

Servidor de Gerenciamento CPU 4-core de 2,66 GHz 8 GB 10 GB

Servidor de gateway que CPU 4-core de 2,66 GHz 8 GB 10 GB


gerencia até 2000 agentes

Servidor de gateway no CPU 8-core de 2.66 GHz 32 GB 10 GB


pool de recursos que
gerencia até 500
dispositivos de rede

Servidor de gateway no CPU 4-core de 2,66 GHz 4 GB de RAM 10 GB


pool de recursos que
gerencia até 100
computadores UNIX/Linux

Servidor do Console Web CPU 4-core de 2,66 GHz 8 GB 10 GB

Servidor do SQL Server CPU 4-core de 2,66 GHz 8 GB 10 GB


Reporting Services

Requisitos de software dos componentes do Operations Manager


Sistema operacional do servidor
As seguintes versões do sistema operacional do Windows Server têm suporte para os seguintes
componentes do Operations Manager.

WINDOWS SERVER 2012 R2 WINDOWS SERVER 2016 WINDOWS SERVER CORE


COMPONENTE STANDARD, DATACENTER STANDARD, DATACENTER 2016

Servidor de gerenciamento sim sim sim


do Operations Manager

Servidor de Gateway do sim sim


Operations Manager

Console Web do sim sim


Operations Manager

Coletor ACS do sim sim


Operations Manager
WINDOWS SERVER 2012 R2 WINDOWS SERVER 2016 WINDOWS SERVER CORE
COMPONENTE STANDARD, DATACENTER STANDARD, DATACENTER 2016

Console de operações do sim sim


Operations Manager

Operations Manager sim sim


Operacional, Data
Warehouse,
Banco de dados ACS

Servidor de relatórios do sim sim


Operations Manager

Sistema operacional do cliente


As seguintes versões do sistema operacional cliente do Windows têm suporte para o console de operações
do Operations Manager.

WINDOWS 7 WINDOWS 8 WINDOWS 8.1 WINDOWS 10

sim sim sim sim

Sistema operacional do Microsoft Monitoring Agent


As seguintes versões do sistema operacional do Windows têm suporte para o Microsoft Monitoring Agent
que se conecta ao Operations Manager.
Windows Server 2016, Windows Server 2016 Nano Server, Windows Server 2012 R2, Windows Server
2012, Windows Server 2008 R2 Service Pack 1, Windows Server 2008 Service Pack 2, Windows 10,
Windows 8 Enterprise, Windows 8 Pro, Windows Embedded POSReady 2009, Windows 7, Windows
Embedded Standard 7 Service Pack 1.
Sistema de arquivo: o %SYSTEMDRIVE% deve ser formatado com o sistema de arquivos NTFS.
Versão do Windows PowerShell: Windows PowerShell versão 2.0 ou Windows PowerShell versão 3.0.
Microsoft .NET Framework 3.5 ou posterior

OBSERVAÇÃO
É necessário ter o Windows PowerShell para realizar a coleta local de logs do IntelliTrace e para executar os pacotes de
gerenciamento do System Center Operations Manager que usam scripts do PowerShell.
É necessário ter o Microsoft .NET Framework 3.5 ou posterior para realizar a coleta local de logs do IntelliTrace e do
Monitoramento de desempenho do .NET Application.

Banco de dados operacional, de data warehouse e de auditoria ACS do Operations Manager


Sistema operacional: consulte Requisitos do sistema operacional do servidor.
Microsoft SQL Server: consulte Requisitos do SQL Server.
Servidor de gerenciamento/Servidor de gateway
Sistema operacional: consulte Requisitos do sistema operacional do servidor.
Versão do Windows PowerShell: Windows PowerShell versão 2.0 ou Windows PowerShell versão 3.0.
Gerenciamento Remoto do Windows: O Gerenciamento Remoto do Windows deve ser habilitado para o
servidor de gerenciamento.
É necessário ter o .NET Framework 4 ou o .NET Framework 4.5.
Console do Operations Manager
Sistema operacional: consulte Requisitos do sistema operacional do servidor.
Versão do Windows PowerShell: Windows PowerShell versão 2.0 ou Windows PowerShell versão 3.0.
Tempo de execução do Microsoft Report Viewer 2015.

OBSERVAÇÃO
O Visualizador de Relatórios tem uma dependência no Microsoft CLR Types for SQL Server 2014. O pacote do
SQL Server System CLR Types contém os componentes que implementam a geometria, a geografia e os tipos
de ID de hierarquia no SQL Server 2014. Esse componente pode ser instalado separadamente do servidor para
permitir que os aplicativos usem esses tipos fora do servidor cliente.

É necessário ter o .NET Framework 4 ou o .NET Framework 4.5.


Console Web
Sistema operacional: consulte Requisitos do sistema operacional do servidor.
Navegador da Web do cliente para painéis habilitados para Silverlight: para compatibilidade com
versões anteriores de painéis habilitados para Silverlight, é necessário ter o Internet Explorer 11 e o
Silverlight 5.

OBSERVAÇÃO
O Console Web não dá suporte à execução do IE no Modo de Exibição de Compatibilidade; portanto, você
verá uma página em branco ao tentar acessar o console. Para desativar o recurso Modo de Exibição de
Compatibilidade, confira Como usar o Modo de Exibição de Compatibilidade no Internet Explorer.

Navegador da Web do cliente para o console Web do HTLM5:


Internet Explorer versão 11
Microsoft Edge versão 40 e posterior
Google Chrome versão 61 e posterior
Firefox versão 56 e superior
Serviços de Informações da Internet: IIS 7.5 e posterior, com o Console de Gerenciamento do IIS e os
seguintes serviços de função instalados:
Conteúdo Estático
Documento padrão
Pesquisa no Diretório
Erros HTTP
Log HTTP
Monitor de Solicitações
Filtragem de Solicitações
Compactação de Conteúdo Estático
Suporte do Servidor Web (IIS )
Compatibilidade de Metabase do IIS 6
ASP.NET (as versões 3.5 e 4.5 ou superior do ASP.NET são obrigatórias.)
Autenticação do Windows
Site selecionado para o console Web: requer uma associação http ou https configurada.
Há suporte para a Web Part do Dashboard Viewer para SharePoint do System Center 2012 R2
Operations Manager no SharePoint 2010 e no SharePoint 2013. No entanto, ela não tem suporte no
Office 365 SharePoint.
É necessário ter o .NET Framework 4 ou o .NET Framework 4.5.

OBSERVAÇÃO
A instalação do console Web exige que as restrições ISAPI e CGI no IIS sejam habilitadas para ASP.NET 4. Para
habilitá-las, selecione o servidor Web no Gerenciador do IIS e clique duas vezes em restrições ISAPI e CGI.
Selecione ASP.NET v4.0.30319e depois clique em Permitir.

Servidor de relatório do Operations Manager


Sistema operacional: consulte Requisitos do sistema operacional do servidor.
Microsoft SQL Server: consulte Requisitos do SQL Server.
Serviço de Registro Remoto: deve ser habilitado e iniciado.
Microsoft SQL Server Reporting Services: consulte Requisitos do SQL Server.

OBSERVAÇÃO
O System Center 2016 – Operations Manager e a versão 1801 são compatíveis com SQL Server Reporting
Services apenas no modo nativo; não use o modo integrado do SharePoint.

É necessário ter o .NET Framework 4 ou o .NET Framework 4.5.

Virtualização
A Microsoft é compatível com a execução de todos os recursos de servidor do System Center 2016 –
Operations Manager e da versão 1801 em qualquer ambiente físico ou virtual que atenda aos requisitos
mínimos indicados neste documento. Há algumas restrições sobre a funcionalidade de virtualização aplicável
ao Operations Manager. Especificamente, a Microsoft não dá suporte ao uso da funcionalidade de
virtualização, independentemente de qual tecnologia de virtualização é usada com o Operations Manager:
Os computadores virtuais que executam qualquer componente do Operations Manager não devem usar
nenhuma funcionalidade na qual todas as atividades do computador virtual não sejam confirmadas
imediatamente no disco rígido virtual. Isso inclui usar instantâneos pontuais e gravar alterações em um
disco rígido virtual temporário.
Os computadores virtuais que executam qualquer componente do Operations Manager não podem estar
em pausa nem colocados em um status 'estado de salvamento' e reiniciados. Eles só podem ser desligados
e reiniciados assim como seria feito com um computador físico.
Os computadores virtuais que executam componentes do Operations Manager podem ser replicados
para outro ambiente virtualizado com o Azure Site Recovery. O ambiente virtualizado referenciado aqui
pode ser local ou no Azure e seu failover será feito nesse ambiente em caso de desastre.
Se os bancos de dados do Operations Manager estiverem hospedados em servidores SQL Server
virtualizados, por razões de desempenho, nós recomendamos que você armazene o banco de dados
operacional e o banco de dados do data warehouse em um disco rígido físico conectado diretamente e
não em um disco rígido virtual.
O System Center 2016 – Operations Manager e a versão 1801 são executados em máquinas virtuais no
Microsoft Azure, da mesma forma que em sistemas de computador físico. Recomendamos executar o
Operations Manager em máquinas virtuais do Microsoft Azure para monitorar outras máquinas virtuais ou
os recursos hospedados no Azure ou monitorar instâncias e cargas de trabalho hospedadas localmente. Você
também pode executar o Operations Manager local e monitorar máquinas virtuais do Microsoft Azure ou
outros recursos no Azure.
Coexistência com suporte
A tabela a seguir lista os cenários em que há suporte para a coexistência entre o Operations Manager 2016 e
as versões anteriores do Operations Manager.

VERSION COEXISTÊNCIA DO GRUPO DE GERENCIAMENTO

Operations Manager 2012 R2 Sim

A tabela a seguir lista os cenários compatíveis com a coexistência entre o Operations Manager 1801 e as
versões anteriores do Operations Manager.

VERSION COEXISTÊNCIA DO GRUPO DE GERENCIAMENTO

Operations Manager 2016 RTM para o último pacote Sim


cumulativo de atualizações

Operations Manager 2012 R2 para o último pacote Sim


cumulativo de atualizações

Atualização in-loco
O System Center 2016 – Operations Manager dá suporte a uma atualização in-loco das versões a seguir:
System Center 2016 Technical Preview 5 – Operations Manager
System Center 2012 R2 Operations Manager com Pacote Cumulativo de Atualizações 9
O System Center Operations Manager 1801 é compatível com uma atualização in-loco das seguintes
versões:
System Center 2012 R2 UR12 para o último pacote cumulativo de atualizações
System Center 2016 RTM para o último pacote cumulativo de atualizações

Active Directory e DNS


O Operations Manager se integra ao Active Directory para autenticação, atribuição de direitos e autorização.
O DNS é utilizado para resolução de nomes das funções com suporte no grupo de gerenciamento, bem
como computadores, dispositivos de rede e outras cargas de trabalho monitoradas como URLs da Web.
Serviços de Domínio do Active Directory
O System Center Operations Manager depende do AD DS para vários serviços, incluindo definição de
princípios de segurança, atribuição de direitos, autenticação e autorização. O Operations Manager consulta o
AD DS ao executar a descoberta de computadores e serviços e pode usar o AD DS para armazenar e
distribuir informações de configuração do agente. Para que o Operations Manager funcione corretamente, o
AD DS e seu serviço de suporte, o DNS, precisam estar íntegros e ter determinados níveis mínimos de
configuração. Além disso, certas convenções de nomenclatura de domínio devem ser seguidas.
Nomenclatura do espaço de domínio
Um grupo de gerenciamento do Operations Manager não pode ser instalado em um domínio do Active
Directory raiz que tenha um namespace DNS plano. No entanto, você pode instalar esse grupo de
gerenciamento em domínios filho do domínio raiz. Por exemplo, você tem um domínio raiz cujo nome DNS
é "Woodgrove". Cono este domínio raiz tem um namespace DNS plano, não é possível instalar um grupo de
gerenciamento do Operations Manager no domínio Woodgrove. Porém, se o domínio Woodgrove tiver um
domínio filho com o nome DNS "National", o nome de domínio totalmente qualificado do domínio filho
seria national.woodgrove. Para obter mais informações sobre como configurar o Windows para domínios
com nomes DNS de rótulo único, consulte Informações sobre como configurar domínios do Active Directory
por meio de nomes DNS de rótulo único.
Nível funcional do domínio
O Windows Server Active Directory pode operar em diferentes níveis funcionais. Esses níveis são
diferenciados pela versão do sistema operacional Windows Server que é permitido nos controladores de
domínio presentes no domínio. O System Center Operations Manager não tem um requisito no nível
funcional do domínio.
Nível funcional da floresta
O nível funcional da floresta é semelhante ao nível funcional do domínio, visto que ele define um nível
mínimo de sistema operacional do controlador de domínio por toda a floresta. Após ele ser definido, os
controladores de domínio com sistemas operacionais de nível inferior dos níveis funcionais inferiores não
podem ser introduzidos em uma floresta. O Operations Manager não tem um requisito de nível funcional da
floresta.
DNS
O DNS deve estar instalado e em perfeitas condições para oferecer suporte ao AD DS. Além da confiança do
Operations Manager no AD DS, não há requisitos específicos de DNS.
Supported UNIX and Linux Operating System
Versions
09/05/2018 • 7 min to read • Edit Online

A tabela a seguir descreve os sistemas operacionais UNIX e Linux com suporte e as dependências de pacote
necessárias para o System Center 2016 – Operations Manager.

OBSERVAÇÃO
Há suporte para o monitoramento de computadores UNIX e Linux com o servidor de gerenciamento System Center
Operations Manager 2012 R2 quando o agente do System Center 2016 – Operations Manager é usado com os pacotes de
gerenciamento do UNIX e Linux do Operations Manager 2012 R2. Não é possível importar os pacotes de gerenciamento do
Operations Manager 2016 necessários para a versão específica do UNIX/Linux e descobrir e implantar o agente do
Operations Manager 2016 do Assistente de Gerenciamento de Computadores e Dispositivos no grupo de
gerenciamento 2012 R2. Essa tarefa deve ser executada manualmente após a implantação baseada em linha de comando.

IBM AIX 6.1


PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

Versão do SO Versão do sistema operacional 6100-07-06-1241

xlC.rte Tempo de execução XL C/C++ 11.1.0.2

OpenSSL/openssl.base Bibliotecas OpenSSL; Protocolo de 0.9.8.1800


Comunicações de Rede Seguras

IBM AIX 7 (Power)


PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

Versão do SO Versão do sistema operacional 7100-01-06-1241

xlC.rte Tempo de execução XL C/C++ 11.1.0.2

OpenSSL/openssl.base Bibliotecas OpenSSL; Protocolo de 0.9.8.1800


Comunicações de Rede Seguras

HP-UX 11i v3 IA64


PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

HPUX11i-OE Ambiente operacional HP-UX B.11.31.1109


Foundation

OS-Core.MinimumRuntime.CORE- Bibliotecas específicas de B.11.31


SHLIBS desenvolvimento IA
PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

SysMgmtMin Ferramentas de Implantação de B.11.31.1109


Softwares Mínimos

SysMgmtMin.openssl Bibliotecas OpenSSL; Protocolo de A.00.09.08q.003


Comunicações de Rede Seguras

PAM Módulos de Autenticação Conectáveis No HP-UX, o PAM faz parte dos


componentes centrais do sistema
operacional. Não há outras
dependências.

Red Hat Enterprise Linux Server 5


PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

glibc Bibliotecas C padrão 2.12-1.7

Openssl Bibliotecas OpenSSL; Protocolo de 1.0.0-4


Comunicações de Rede Seguras

PAM Módulos de Autenticação Conectáveis 1.1.1-4

Red Hat Enterprise Linux Server 6


PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

glibc Bibliotecas C padrão 2.12-1.7

Openssl Bibliotecas OpenSSL; Protocolo de 1.0.0-4


Comunicações de Rede Seguras

PAM Módulos de Autenticação Conectáveis 1.1.1-4

Red Hat Enterprise Linux Server 7


PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

glibc Bibliotecas C padrão 2.17

Openssl Bibliotecas OpenSSL; Protocolo de 1.0.1e-fips


Comunicações de Rede Seguras

PAM Módulos de Autenticação Conectáveis 1.1.8-1

Red Hat Enterprise Linux Server 7 (Power)


PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

glibc Bibliotecas C padrão 2.17


PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

Openssl Bibliotecas OpenSSL; Protocolo de 1.0.1e-fips


Comunicações de Rede Seguras

PAM Módulos de Autenticação Conectáveis 1.1.8

Solaris 10 SPARC
PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

SUNWlibC Sun Workshop Compilers Bundled libC 5.10, REV=2004.12.22

SUNWlibms Math & Microtasking Libraries (Usr) 5.10, REV=2004.11.23

SUNWlibmsr Math & Microtasking Libraries (Root) 5.10, REV=2004.11.23

SUNWcslr Core Solaris Libraries (Root) 11.10.0, REV=2005.01.21.15.53

SUNWcsl Core Solaris Libraries (Root) 11.10.0, REV=2005.01.21.15.53

SUNWopenssl-libraries SUNopenssl-libraries (Usr) 11.10.0,REV=2005.01.21.15.53

SUNWcsr Core Solaris, (Root) 11.10.0, REV=2005.01.21.15.53

Liberação Oracle Solaris 10 1/13 s10s_u11wos_24a SPARC

Solaris 10 x86
PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

SUNWlibC Sun Workshop Compilers Bundled libC 5.10,REV=2004.12.20

SUNWlibmsr Math & Microtasking Libraries (Root) 5.10, REV=2004.12.18

SUNWcsl Core Solaris, (Shared Libs) 11.10.0, REV=2005.01.21.16.34

SUNWcslr Core Solaris Libraries (Root) 11.10.0, REV=2005.01.21.16.34

SUNWopenssl-libraries OpenSSL Libraries (Usr) 11.10.0, REV=2005.01.21.16.34

SUNWcsr Core Solaris, (Root) 11.10.0, REV=2005.01.21.16.34

Liberação Oracle Solaris 10 9/10 s10x_u9wos_14a x86

Solaris 11 SPARC
PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

SUNWlibC Sun Workshop Compilers Bundled libC 5.11, REV=2011.04.11


PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

SUNWlibmsr Math & Microtasking Libraries (Root) 5.11, REV=2011.04.11

SUNWcslr Core Solaris Libraries (Root) 11.11, REV=2009.11.11

SUNWcsl Core Solaris, (Shared Libs) 11.11, REV=2009.11.11

SUNWcsr Core Solaris, (Root) 11.11, REV=2009.11.11

SUNWopenssl-libraries OpenSSL Libraries (Usr) 11.11.0,REV=2010.05.25.01.00

Liberação Oracle Solaris 11 11/11 SPARC

Solaris 11 x86
PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

SUNWlibC Sun Workshop Compilers Bundled libC 5.11, REV=2011.04.11

SUNWlibmsr Math & Microtasking Libraries (Root) 5.11, REV=2011.04.11

SUNWcslr Core Solaris Libraries (Root) 11.11, REV=2009.11.11

SUNWcsl Core Solaris, (Shared Libs) 11.11, REV=2009.11.11

SUNWcsr Core Solaris, (Root) 11.11, REV=2009.11.11

SUNWopenssl-libraries OpenSSL Libraries (Usr) 11.11.0,REV=2010.05.25.01.00

Liberação Oracle Solaris 11 11/11 X86

Suporte do Solaris UTF-8


O agente do Operations Manager requer suporte à conversão do conjunto de códigos Solaris UTF -8 em algumas
circunstâncias. Consulte a documentação do Solaris para obter detalhes sobre como instalar o suporte à
conversão do conjunto de códigos UTF -8. O Operations Manager funciona sem suporte a UTF -8 no Solaris, mas
caracteres não reconhecidos são convertidos em caracteres de ponto de interrogação (?).

SUSE Linux Enterprise Server 10


PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

glibc-2,4-31,30 Biblioteca compartilhada padrão C 2,4-31,30

OpenSSL Bibliotecas OpenSSL; Protocolo de 0.9.8a-18.15


Comunicações de Rede Seguras

PAM Módulos de Autenticação Conectáveis 0.99.6.3-28.8

SUSE Linux Enterprise Server 11


PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

glibc-2.9-13.2 Biblioteca compartilhada padrão C 2.9-13.2

PAM Módulos de Autenticação Conectáveis pam-1.0.2-20.1

SUSE Linux Enterprise Server 12


PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

glibc-2.19-17.72 Biblioteca compartilhada padrão C 2.19-17.72

PAM Módulos de Autenticação Conectáveis pam-1.1.8-11.57

Universal Linux (pacote Debian)


Debian, Ubuntu Server
PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

libc6 Biblioteca compartilhada padrão C 2.3.6

Openssl Bibliotecas OpenSSL; Protocolo de 0.9.8 ou 1.0


Comunicações de Rede Seguras

PAM Módulos de Autenticação Conectáveis 0.79-3

Universal Linux (pacote RPM)


CentOS, Oracle Linux
PACOTE NECESSÁRIO DESCRIÇÃO VERSÃO MÍNIMA

glibc Biblioteca compartilhada padrão C 2.5-12

Openssl Bibliotecas OpenSSL; Protocolo de 0.9.8 ou 1.0


Comunicações de Rede Seguras

PAM Módulos de Autenticação Conectáveis 0.99.6.2-3.14


Planejando um projeto do grupo de gerenciamento
09/05/2018 • 36 min to read • Edit Online

Visão geral
Um grupo de gerenciamento é identificado por um único banco de dados operacional, um ou mais servidores de
gerenciamento e um ou mais agentes e dispositivos monitorados. Conectar grupos de gerenciamento permite que
alertas e outros dados de monitoramento sejam exibidos e editados em um único console. Tarefas também podem
ser iniciadas de um grupo de gerenciamento local para serem executadas nos objetos gerenciados de um grupo de
gerenciamento conectado.
A implementação do Operations Manager mais simples é um grupo de gerenciamento único. Cada grupo adicional
requer, pelo menos, o próprio servidor de banco de dados e gerenciamento operacional. Cada grupo também deve
ser mantido separadamente com suas próprias definições de configuração, pacotes de gerenciamento e integração
com outras soluções de monitoramento e ITSM.

A implementação do grupo de gerenciamento distribuído formará a base de 99% de implantações do Operations


Manager. Permite a distribuição de recursos e serviços entre diversos servidores para permitir a escalabilidade e
redundância para alguns desses recursos. Pode incluir todas as funções de servidor do Operations Manager além
de dar suporte ao monitoramento de dispositivos entre limites de confiança pelo uso do servidor gateway.
O diagrama a seguir apresenta uma possível opção para a topologia de grupo de gerenciamento distribuído.
OBSERVAÇÃO
Não há nenhuma comunicação direta entre o console de Operações e os bancos de dados. Toda a comunicação é direcionada
para um servidor de gerenciamento específico pela porta TCP 5724 e, em seguida, para os servidores de banco de dados
usando OLE DB na TCP 1433 ou em uma porta definida pelo usuário especificada pelo administrador do SQL durante a
instalação da instância do mecanismo de banco de dados do SQL Server. No entanto, há uma comunicação direta entre um
console do Application Diagnostics (localizado em conjunto com o console Web) e o SQL Server que hospeda os bancos de
dados de data warehouse operacionais.

Um grupo de gerenciamento que você tenha implantado em seu ambiente pode se integrar com o Microsoft
Operations Management Suite (OMS ) e, ao utilizar o Log Analytics, é possível correlacionar, visualizar e tomar
uma medida sobre desempenho, eventos e alertas. Isso fornece maior visibilidade ao permitir realização de
pesquisas personalizadas em todo o conjunto de dados para correlacionar dados entre sistemas e aplicativos,
hospedados local ou na nuvem.
A Integração com o Operations Manager se estende a outros produtos como o BMC Remedy, IBM Netcool ou
outras soluções de gerenciamento empresarial usadas por sua organização. Para obter mais informações sobre o
planejamento de interoperabilidade com essas soluções, confira a Integração com outras soluções de
gerenciamento.

Componentes do grupo de gerenciamento


Servidor de gerenciamento
No Operations Manager 2007, o servidor de gerenciamento raiz (RMS ) foi um tipo especializado de servidor de
gerenciamento em um grupo de gerenciamento e foi o primeiro servidor de gerenciamento instalado em um
grupo de gerenciamento. O RMS era o ponto focal para administrar a configuração do grupo de gerenciamento,
administrar e se comunicar com agentes e se comunicar com o banco de dados operacional e outros bancos de
dados no grupo de gerenciamento. O RMS também atuou como o destino para o console de Operações e o
destino preferencial de consoles Web. No System Center 2012 R2 – Operations Manager, a função de servidor de
gerenciamento raiz foi removida e todos os servidores de gerenciamento agora são correspondentes. Essa
configuração continua existindo no System Center 2016 – Operations Manager.
O RMS não é mais o único ponto de falha, já que todos os servidores de gerenciamento hospedam os serviços
hospedados anteriormente apenas pelo RMS. Funções são distribuídas para todos os servidores de gerenciamento.
Se um servidor de gerenciamento se tornar indisponível, suas responsabilidades serão automaticamente
redistribuídas. Uma função de emulador RMS fornece compatibilidade reversa para pacotes de gerenciamento que
têm como direcionamento o RMS. Se você não tiver pacotes de gerenciamento, que anteriormente se destinavam
ao RMS, não será necessário usar o Emulador RMS.
O grupo de gerenciamento pode conter vários servidores de gerenciamento para fornecer capacidade adicional e
disponibilidade contínua. Quando dois ou mais servidores de gerenciamento são adicionados a um grupo de
gerenciamento, os servidores automaticamente se tornam parte dos três pools de recursos padrão e o trabalho é
disseminado entre os membros do pool. Para pools de recursos definidos personalizados, os membros são
adicionados manualmente. Quando um membro do pool de recursos falhar, outros membros no pool de recursos
assumirão a carga de trabalho desse membro. Quando um novo servidor de gerenciamento for adicionado, o novo
servidor de gerenciamento automaticamente assumirá parte do trabalho dos membros existentes no pool de
recursos. Examine as Considerações de design do pool de recursos para saber mais sobre como eles funcionam e
recomendações que influenciam o plano de design.
Se um servidor de gerenciamento estiver indisponível por algum motivo, os agentes que dependem dele farão
failover automático para outro servidor de gerenciamento. Ao selecionar o número e o posicionamento de
servidores de gerenciamento, essa capacidade de failover deverá ser considerada se a alta disponibilidade for um
requisito.
Os agentes se conectar a um servidor de gerenciamento para se comunicar com todos os outros componentes do
Operations Manager. Parte do trabalho executado por um servidor de gerenciamento é o processo de pegar os
dados operacionais enviados pelos agentes e inseri-los no banco de dados operacional e no data warehouse.
Um servidor de gerenciamento típico lidará com aproximadamente 3.000 agentes. O desempenho do servidor real
varia de acordo com o volume de dados operacionais coletados; No entanto, servidores de gerenciamento,
normalmente, podem dar suporte a 3.000 agentes cada, mesmo com um volume relativamente grande de dados
operacionais.
Não há nenhum limite no número máximo de servidores de gerenciamento por grupo de gerenciamento. No
entanto, normalmente, é uma melhor prática usar a menor quantidade de servidores de gerenciamento possível
depois de resolver as restrições de recuperação de desastres, alta disponibilidade e escalabilidade.
Os servidores de gerenciamento devem ter uma boa conectividade de rede com o data warehouse e banco de
dados do Operations Manager porque eles frequentemente enviam grandes volumes de dados para esses
armazenamentos. Em geral, essas conexões do SQL Server consomem mais largura de banda e são mais sensíveis
à latência de rede. Portanto, todos os servidores de gerenciamento devem estar na mesma rede local do banco de
dados operacional e do banco de dados do Data Warehouse e nunca implantado em uma rede de longa distância.
Deve haver menos de 10 milissegundos de latência entre um servidor de gerenciamento e a instância do SQL
Server que hospeda os bancos de dados do Operations Manager.
Servidor de gateway
O Operations Manager requer que a autenticação mútua seja executada entre agentes e servidores de
gerenciamento antes da troca de informações entre eles. Para proteger o processo de autenticação entre os dois,
esse processo é criptografado. Quando o agente e o servidor de gerenciamento residirem no mesmo domínio do
Active Directory ou em domínios do Active Directory que tenham estabelecido relações de confiança, eles usarão
os mecanismos de autenticação Kerberos V5 fornecidos pelo Active Directory. Quando os agentes e os servidores
de gerenciamento não residirem nos mesmos limites de confiança, outros mecanismos deverão ser usados para
satisfazer o requisito de autenticação mútua segura.
Servidores de gateway são usados quando um firewall separa os agentes dos servidores de gerenciamento ou
quando os agentes estão em um domínio separado e não confiável. O servidor de gateway atua como um proxy
entre os agentes e o servidor de gerenciamento. Sem o servidor de gateway, os agentes ainda podem realizar a
autenticação de certificado com um servidor de gerenciamento. No entanto, um certificado X.509 deve ser emitido
e instalado em cada agente por meio da ferramenta MOMCertImport.exe, e cada um desses agentes exige acesso
ao servidor de gerenciamento através do firewall. Se os agentes estiverem no mesmo domínio que o servidor de
gateway ou se estiverem em um domínio confiável, eles poderão usar a autenticação Kerberos. Nesse caso, apenas
o servidor de gateway e os servidores de gerenciamento conectados exigirão certificados. Isso inclui o
monitoramento de máquinas virtuais em execução na infraestrutura como serviço (IaaS ) do Microsoft Azure, com
o Operations Manager (ou seja, monitoramento de nuvem híbrida) que não fazem parte do mesmo realm
confiável que as funções com suporte para o grupo de gerenciamento do Operations Manager ou você implantou
o Operations Manager na IaaS do Azure (uma máquina virtual com o SQL Server que hospeda os bancos de
dados operacionais e uma ou mais máquinas virtuais que hospedam a função de servidor de gerenciamento) e
está monitorando cargas de trabalho locais não confiáveis.
O item a seguir apresenta um exemplo de implantação do Operations Manager monitorando recursos de IaaS do
Azure.
A seguir, está um exemplo de implantação do Operations Manager hospedada na IaaS do Azure.

Geralmente, servidores de gateway não são usados para gerenciar a utilização de largura de banda porque o
volume total de dados enviados de agentes para um servidor de gerenciamento é semelhante, independentemente
de um servidor de gateway ser usado ou não. A finalidade de um servidor gateway é reduzir o esforço necessário
no gerenciamento de certificados para agentes em domínios não confiáveis e reduzir o número de caminhos de
comunicação que deve ser permitido através de firewalls.
Ter mais de 2.000 agentes por servidor de gateway pode afetar a capacidade de recuperação no caso de uma
paralisação prolongada que impede que o servidor de gateway se comunique com o servidor de
gerenciamento. Vários servidores de gateway serão recomendados se mais de 2.000 agentes forem necessários.
A alternativa, se o tempo de recuperação do servidor de gateway for uma preocupação, é testar o sistema para
certificar-se de que o servidor de gateway é capaz de esvaziar rapidamente sua fila após uma interrupção
prolongada entre o servidor de gateway e o servidor de gerenciamento. Além disso, depois que a fila de entrada
no servidor de gateway é preenchida, os dados na fila são descartados de acordo com sua prioridade, o que
significa que uma interrupção prolongada do servidor de gateway nesse cenário pode resultar em perda de
dados.
Quando há um grande número de agentes conectados por meio de servidores de gateway, considere usar um
servidor de gerenciamento dedicado para todos os servidores de gateway. Fazer com que todos os servidores
de gateway se conectem a um servidor de gerenciamento único sem outros agentes conectados a ele pode
acelerar a recuperação no caso de uma interrupção prolongada. O carregamento efetivo no servidor de
gerenciamento é o número total de agentes subordinados a ele diretamente ou por meio de servidores de
gateway.
Para impedir que o servidor de gateway inicie a comunicação com um servidor de gerenciamento, incluindo
quando configurado para failover entre vários servidores de gerenciamento para alta disponibilidade, a
ferramenta de Aprovação do gateway inclui o argumento de linha de comando
/ManagementServerInitiatesConnection. Isso permite que o Operations Manager esteja em conformidade com
a política de segurança do cliente quando os sistemas são implantados em um DMZ ou outro ambiente de rede
e a comunicação só poderá ser iniciada da intranet.
Servidor do console Web
O console Web fornece uma interface para o grupo de gerenciamento que seja acessível por meio de um
navegador da Web. No entanto, ele não tem a funcionalidade completa do console de Operações e fornece acesso
apenas às exibições de Monitoramento e Meu espaço de trabalho. O console Web fornece acesso a todos os dados
de monitoramento e tarefas que são ações que podem ser executadas em computadores monitorados no console
de Operações. O acesso a dados no console Web tem as mesmas restrições que o acesso ao conteúdo no console
de Operações.
Servidor de relatórios
Emissão de relatórios para o System Center 2016 – Operations Manager está instalada no SQL Server Reporting
Services 2014 ou 2016 e a única configuração válida do Reporting Services com suporte pela emissão de
relatórios do Operations Manager é o modo nativo.

OBSERVAÇÃO
Instalar o System Center 2016 – Serviços de emissão de relatórios do Operations Manager integra a segurança da instância
do SQL Reporting Services com a segurança baseada em função do Operations Manager. Não instale outro aplicativo do
Reporting Services nesta mesma instância do SQL Server.

Os componentes de servidor de relatórios do Operations Manager podem ser instalados no mesmo servidor que
está executando o SQL Server 2014 ou 2016 Reporting Services ou em um computador diferente. Para um melhor
desempenho, especialmente em um ambiente corporativo com geração paralela de relatórios de alto volume por
usuários ao mesmo tempo que relatórios interativos ou agendados estão sendo processados simultaneamente,
você precisa da ampliação para lidar com mais usuários simultâneos e cargas maiores de execução de relatório.
Geralmente, é recomendável que o serviço de emissão de relatórios do Operations Manager não esteja localizado
no mesmo SQL Server que hospeda o banco de dados do data warehouse e seja instalado em um sistema
dedicado.
Banco de dados operacional
O banco de dados operacional é um banco de dados do SQL Server que contém todos os dados operacionais,
informações de configuração e regras de monitoramento para um grupo de gerenciamento. O banco de dados do
Operations Manager é uma única fonte de falha para o grupo de gerenciamento, portanto, pode se tornar
altamente disponível usando configurações de clustering com suporte.
Para manter esse banco de dados em um tamanho consistente, as configurações de limpeza no Operations
Manager especificam o período de tempo que os dados podem ser mantidos nele. Por padrão, esta duração é de
sete (7) dias.
Banco de dados do data warehouse de relatórios
O data warehouse de relatórios é um banco de dados do SQL Server que coleta e armazena dados operacionais
para relatórios de longo prazo. Esses dados são gravados diretamente das regras que coletam dados de relatório e
de processos de sincronização de dados no banco de dados operacional. A manutenção do data warehouse,
incluindo a agregação, limpeza e otimização, é realizada automaticamente pelo Operations Manager.
A tabela a seguir destaca os tipos de dados padrão e o período de retenção após a instalação inicial do banco de
dados do data warehouse.

CONJUNTO DE DADOS TIPO DE AGREGAÇÃO PERÍODO DE RETENÇÃO (EM DIAS)

Alerta Bruto 400

Monitoramento de Clientes Bruto 30

Monitoramento de Clientes Diariamente 400

Eventos Bruto 100

Desempenho Bruto 10

Desempenho Por hora 400

Desempenho Diariamente 400

Estado Bruto 180

Estado Por hora 400

Estado Diariamente 400

Um data warehouse pode servir a vários grupos de gerenciamento. Isso permite que um único relatório incorpore
dados de todos os computadores na organização.
Como o banco de dados do Operations Manager, o banco de dados do data warehouse pode ser clusterizado para
alta disponibilidade. Se ele não estiver em cluster, ele deverá ser cuidadosamente monitorado para que todos os
problemas possam ser resolvidos rapidamente.
Coletor ACS
O coletor ACS recebe os eventos dos encaminhadores ACS e os processa; em seguida, ele envia os dados para o
banco de dados do ACS. Esse processamento inclui desmontar os dados para que possam ser distribuídos em
várias tabelas do banco de dados no ACS, minimizar a redundância de dados e aplicar filtros para que os eventos
desnecessários não sejam adicionados ao banco de dados do ACS.
Banco de dados ACS
O banco de dados do ACS é o repositório central de eventos gerados por uma diretiva de auditoria em uma
implantação do ACS. O banco de dados do ACS pode ser instalado no mesmo computador do coletor ACS, mas,
para melhor desempenho, cada um deve ser instalado em um servidor dedicado. Por padrão, os dados são retidos
por catorze (14) dias.
Encaminhador ACS
O serviço que é executado nos encaminhadores ACS está incluído no agente do Operations Manager. Por padrão,
este serviço é instalado durante a instalação do agente do Operations Manager, mas não é habilitado. Você pode
habilitar esse serviço em vários computadores do agente ao mesmo tempo usando a tarefa Habilitar Coleta de
Auditoria ou usando o PowerShell. Após habilitar o serviço, todos os eventos de segurança serão enviados ao
coletor ACS além de serem armazenados no log de Segurança local.
Considerações sobre design
Os seguintes fatores devem ser levados em consideração ao decidir implementar um ou vários grupos de
gerenciamento:
Maior capacidade. O Operations Manager não tem limites internos em relação ao número de agentes que
podem ter suporte de um único grupo de gerenciamento. Dependendo do hardware que você usa e a carga de
monitoramento (mais pacotes de gerenciamento implantados significa uma carga maior de monitoramento) no
grupo de gerenciamento, vários grupos de gerenciamento podem ser necessários para manter o desempenho
aceitável.
Exibições consolidadas. Quando vários grupos de gerenciamento são usados para monitorar um ambiente, um
mecanismo é necessário para fornecer uma exibição consolidada dos dados de monitoramento e de alerta
deles. Isso pode ser feito com a implantação de um grupo de gerenciamento adicional (que pode ou não ter
qualquer responsabilidade de monitoramento) que tem acesso a todos os dados em todos os outros grupos de
gerenciamento. Esses grupos de gerenciamento em seguida devem ser conectados. O grupo de gerenciamento
que é usado para fornecer uma exibição consolidada dos dados é chamado de grupo de gerenciamento Local e
os outros que fornecem dados a ele são chamados de grupos de gerenciamento Conectados.
Segurança e administrativo. Particionar grupos de gerenciamento por razões administrativas e de segurança é
muito semelhante no conceito à delegação de autoridade administrativa sobre unidades organizacionais do
Active Directory ou domínios a grupos administrativos diferentes. Sua empresa pode incluir vários grupos de
TI, cada um com sua própria área de responsabilidade. A área pode ser uma área geográfica específica ou
divisão de negócios. Por exemplo, no caso de uma empresa controladora, ela pode ser uma das empresas
subsidiárias. Quando esse tipo de delegação completa de autoridade administrativa do grupo de TI centralizado
existe, pode ser útil implementar uma estrutura de grupo de gerenciamento em cada uma das áreas. Então, elas
podem ser configuradas como grupos de gerenciamento Conectados para um grupo de gerenciamento Local
que reside no data center de TI centralizado.
Idiomas instalados. Todos os servidores com uma função de servidor do Operations Manager instalada neles
devem ser instalados no mesmo idioma. Isso significa que não é possível instalar o servidor de gerenciamento
usando a versão em inglês do Operations Manager 2012 R2 e, em seguida, implantar o Console de Operações
usando a versão em japonês. Se o monitoramento precisar abranger vários idiomas, será necessário um grupo
de gerenciamento adicional para cada idioma dos operadores.
Funcionalidade de pré-produção e produção. No Operations Manager, uma prática recomendada é ter uma
implementação de produção usada para monitorar os seus aplicativos de produção e uma implantação de pré-
produção que tenha uma interação mínima com o ambiente de produção. O grupo de gerenciamento de pré-
produção é usado para testar e ajustar a funcionalidade do pacote de gerenciamento, antes que este seja
migrado para o ambiente de produção. Além disso, algumas empresas implantam um ambiente de preparo
para servidores em que os servidores recém-criados são colocados por um período de gravação antes de
serem colocados em produção. O grupo de gerenciamento de pré-produção pode ser usado para monitorar o
ambiente de preparo para garantir a integridade dos servidores antes da implantação de produção.
Funcionalidade do ACS dedicado. Se seus requisitos incluem a necessidade de coletar eventos de log de
Segurança de Auditoria do Windows ou eventos de segurança de UNIX/Linux, você implementará o Serviço de
Coleta de Auditoria (ACS ). Isso pode ser útil ao implementar um grupo de gerenciamento que dá suporte à
função de ACS exclusivamente se os requisitos de segurança da sua empresa exigirem que a função ACS seja
controlada e administrada por um grupo administrativo diferente daquele que gerencia o restante do ambiente
de produção.
Funcionalidade de recuperação de desastres. No Operations Manager 2016, todas as interações com o banco de
dados do Operations Manager são registradas nos logs de transações antes de serem confirmadas para o
banco de dados. Esses logs de transação podem ser enviados para outro servidor que executa o Microsoft SQL
Server 2014 ou 2016 e confirmados para uma cópia do banco de dados do Operations Manager lá. Esse
recurso é uma opção para fornecer redundância do banco de dados operacional do Operations Manager entre
dois SQL Servers no mesmo grupo de gerenciamento. Quando é necessário realizar um failover controlado, os
servidores de gerenciamento no grupo de gerenciamento exigem uma alteração no Registro para referência e
comunicação com o SQL Server secundário. Um grupo de gerenciamento de failover pode ser implantado que
corresponde à configuração exata do grupo de gerenciamento primário (pacotes de gerenciamento,
substituições, assinaturas de notificação, segurança etc.) e os agentes são configurados para se relatar a ambos
os grupos de gerenciamento. Se o grupo de gerenciamento primário em sua totalidade ficar indisponível por
algum motivo, não haverá nenhum tempo de inatividade do ambiente de monitoramento. Essa solução garante
a continuidade do serviço do grupo de gerenciamento e perda zero de monitoramento operacional.
Antes de implantar o System Center 2016 Operations Manager em um ambiente de produção, planeje o design de
seu grupo de gerenciamento. Durante a fase de planejamento, noções básicas sobre os componentes de serviço de
TI (ou seja, infraestrutura e nível de aplicativo) e o número de sistemas e dispositivos que dão suporte a eles, como
se integrarão e darão suporte aos seus processos de gerenciamento de incidentes e problemas e como você
visualizará os dados de diferentes camadas de suporte de escalonamento de incidentes, engenharia, consumidores
de serviço e gerenciamento.

Grupos de gerenciamento conectados


Muitas empresas com servidores em vários locais geográficos precisam de monitoramento central desses
servidores. A configuração do grupo de gerenciamento Conectado, ilustrada na imagem abaixo, é um conjunto de
processos de fluxo de trabalho que são projetados para criar uma infraestrutura de gerenciamento de sistemas
hierárquicos.

Essa configuração pode ser usada para obter monitoramento centralizado. Ela foi projetada para dar suporte à
exibição de alertas e dados de monitoramento, bem como para iniciar tarefas em um objeto gerenciado de um
grupo de gerenciamento conectado.
Se você conectar os grupos de gerenciamento do Operations Manager 2016, a funcionalidade de monitoramento
centralizado poderá ser mantida, permitindo ao mesmo tempo:
O monitoramento de um número maior de objetos gerenciados do que o que era possível com um único grupo
de gerenciamento.
Isolamento da atividade de monitoramento de acordo com unidades de negócios lógicas, como Marketing ou
localizações físicas, como Roma.
Ao conectar grupos de gerenciamento, você não está implantando nenhum servidor novo; pelo contrário, está
permitindo que o grupo de gerenciamento local tenha acesso aos alertas e às informações de descoberta que
estão em um grupo de gerenciamento conectado. Dessa forma, você pode exibir e interagir com todos os alertas e
outros dados de monitoramento de vários grupos de gerenciamento em um único console de Operações. Além
disso, você pode executar tarefas em computadores monitorados dos grupos de gerenciamento conectados. Para
saber como conectar grupos de gerenciamento, consulte Conectando grupos de gerenciamento no Operations
Manager.
Idiomas instalados
Os grupos de gerenciamento do Operations Manager dão suporte a apenas um idioma instalado. Se o ambiente
de TI geral que você precisa monitorar tiver mais de um idioma instalado, será necessário um grupo de
gerenciamento separado por idioma.
Considerações de design do SQL Server
09/05/2018 • 68 min to read • Edit Online

O System Center Operations Manager exige acesso a uma instância de um servidor com o Microsoft SQL Server
para dar suporte aos bancos de dados operacional, de data warehouse e de auditoria do ACS. Os bancos de dados
operacional e de data warehouse são necessários e criados quando você implanta o primeiro servidor de
gerenciamento no grupo de gerenciamento, enquanto o banco de dados ACS é criado quando você implanta um
coletor ACS no grupo de gerenciamento.
Em um ambiente de laboratório ou em uma implantação de pequena escala do Operations Manager, o SQL
Server pode ser localizado junto ao primeiro servidor de gerenciamento no grupo de gerenciamento. Em uma
implantação distribuída de escala média a empresarial, a instância do SQL Server deve estar localizada em um
servidor autônomo dedicado ou em uma configuração de alta disponibilidade do SQL Server. Em ambos os casos,
o SQL Server já deve existir e estar acessível antes de você iniciar a instalação do primeiro servidor de
gerenciamento ou do coletor ACS.

Requisitos do SQL Server


As seguintes versões do SQL Server Enterprise e do Standard Edition têm suporte para uma instalação nova ou
existente do System Center – Operations Manager versão 1801 para hospedar o servidor de relatórios, o banco
de dados operacional, o Data Warehouse e o banco de dados do ACS:
SQL Server 2016 e Service Packs conforme detalhado aqui
As seguintes versões do SQL Server Enterprise e do Standard Edition têm suporte para uma instalação nova ou
existente do System Center 2016 – Operations Manager para hospedar o servidor de relatórios, o banco de dados
operacional, o Data Warehouse e o banco de dados do ACS:
SQL Server 2016 e Service Packs conforme detalhado aqui
SQL Server 2014 e Service Packs conforme detalhado aqui
SQL Server 2012 e Service Packs conforme detalhado aqui

OBSERVAÇÃO
Os bancos de dados do System Center Operations Manager devem usar a mesma versão do SQL Server, a configuração de
agrupamento do SQL Server deve ser um dos seguintes tipos com suporte, conforme descrito nesta seção, e a Pesquisa de
Texto Completo do SQL Server é obrigatória para bancos de dados operacionais e de data warehouse. As opções de
instalação do Windows Server 2016 (Server Core, Server com a Experiência de Área de Trabalho e Nano Server) com suporte
pelos componentes de banco de dados do Operations Manager, baseiam-se nas opções de instalação do Windows Server
com suporte pelo SQL Server.

OBSERVAÇÃO
O System Center Operations Manager Reporting não pode ser instalado paralelamente a uma versão anterior da função de
Relatórios e deve ser instalado apenas no modo nativo. (Não há suporte para o modo integrado do SharePoint.)

Considerações adicionais de hardware e de software aplicáveis ao planejamento de design:


Recomendamos executar o SQL Server em computadores com o formato de arquivo NTFS.
Deve haver pelo menos 1.024 MB de espaço em disco livre para os bancos de dados operacional e de data
warehouse. Ele é imposto no momento da criação do banco de dados e provavelmente aumentará de maneira
significativa após a instalação.
O .NET Framework 4 é necessário.
Não há suporte para o Servidor de Relatórios no Windows Server Core.
Para obter mais informações, confira Requisitos de hardware e software para a instalação do SQL Server 2014 ou
Requisitos de hardware e software para a instalação do SQL Server 2016.

OBSERVAÇÃO
Durante a instalação inicial do banco de dados operacional, utilize apenas a autenticação do Windows no SQL Server que
hospeda o banco de dados operacional do Operations Manager. Não utilize o Modo misto (autenticação do Windows e
autenticação do servidor SQL), pois o modo de autenticação do servidor SQL pode causar problemas durante a instalação
inicial do banco de dados operacional. Apesar de ser possível habilitar a segurança do Modo Misto no SQL Server que
hospeda o banco de dados operacional do Operations Manager, ele não tem suporte, pois todo o contato com o banco de
dados é feito apenas por meio de contas do Windows.

Configuração de agrupamento do SQL Server


Os agrupamentos do SQL Server e do Windows a seguir são compatíveis com o System Center Operations
Manager.
Agrupamento do SQL Server
SQL_Latin1_General_CP1_CI_AS
Agrupamento do Windows
Latin1_General_100_CI_AS
French_CI_AS
French_100_CI_AS
Cyrillic_General_CI_AS
Chinese_PRC_CI_AS
Chinese_Simplified_Pinyin_100_CI_AS
Chinese_Traditional_Stroke_Count_100_CI_AS
Japanese_CI_AS
Japanese_XJIS_100_CI_AS
Traditional_Spanish_CI_AS
Modern_Spanish_100_CI_AS
Latin1_General_CI_AS
Cyrillic_General_100_CI_AS
Korean_100_CI_AS
Czech_100_CI_AS
Hungarian_100_CI_AS
Polish_100_CI_AS
Finnish_Swedish_100_CI_AS
Se a instância do SQL Server não for configurada com um dos agrupamentos com suporte listados
anteriormente, a execução de uma nova instalação do Operations Manager falhará. No entanto, uma atualização
in-loco será concluída com êxito.

Configuração do firewall
O Operations Manager depende do SQL Server para hospedar os bancos de dados e uma plataforma de
relatórios para analisar e apresentar os dados operacionais históricos. As funções de console Web, de Operações e
de servidor de gerenciamento precisam comunicar com êxito com o SQL Server e é importante conhecer o
caminho e as portas de comunicação para configurar corretamente o ambiente.
Se você estiver elaborando o design de uma implantação distribuída que exigirá os Grupos de Disponibilidade
AlwaysOn do SQL para fornecer a funcionalidade de failover para os bancos de dados do Operations Manager,
haverá configurações de firewall adicionais que precisam ser incluídas na estratégia de segurança do firewall.
A tabela a seguir ajuda a identificar as portas de firewall exigidas pelo SQL Server que precisarão ser
disponibilizadas para, pelo menos, as funções de servidor no grupo de gerenciamento do Operations Manager
para uma comunicação com êxito.

FUNÇÃO DO OPERATIONS
CENÁRIO PORTA DIRECTION MANAGER

SQL Server hospedando TCP 1433 * Entrada servidor de gerenciamento e


bancos de dados do console Web (para o
Operations Manager Application Advisor e o
Application Diagnostics)

Serviço SQL Server Browser UDP 1434 Entrada Management Server

Conexão de administrador TCP 1434 Entrada Management Server


dedicada do SQL Server

Portas adicionais usadas TCP 135 Entrada Management Server


pelo SQL Server
– MS RPC (Chamadas de
procedimento remoto da
Microsoft)
– WMI (Instrumentação de
Gerenciamento do
Windows)
– MS DTC (Coordenador de
Transações Distribuídas da
Microsoft)

Ouvinte do Grupo de Porta configurada pelo Entrada Management Server


Disponibilidade AlwaysOn administrador
do SQL Server

SQL Server Reporting TCP 80 (padrão)/443 (SSL) Entrada servidor de gerenciamento e


Services hospedando o Console de Operações
servidor de relatórios do
Operations Manager

* Embora a TCP 1433 seja a porta padrão para a instância padrão do Mecanismo de Banco de Dados, quando
você criar uma instância nomeada em um SQL Server autônomo ou implantar um grupo de disponibilidade
Always On do SQL, uma porta personalizada deverá ser definida e documentada para referência, para que você
configure os firewalls corretamente e insira essas informações durante a instalação.
Para obter uma visão mais detalhada dos requisitos de firewall para o SQL Server, consulte Configure the
Windows Firewall to Allow SQL Server Access (Configurar o Firewall do Windows para permitir acesso ao SQL
Server).

Considerações sobre capacidade e armazenamento


Banco de dados do Operations Manager
O banco de dados do Operations Manager é um banco de dados do SQL Server que contém todos os dados
necessários ao Operations Manager para o monitoramento cotidiano. O dimensionamento e a configuração do
servidor de banco de dados são críticos para o desempenho geral do grupo de gerenciamento. O recurso mais
crítico usado pelo banco de dados do Operations Manager é o subsistema de armazenamento, mas a CPU e a
RAM também são significativas.
Entre os fatores que influenciam a carga no banco de dados do Operations Manager estão:
A taxa de coleta de dados operacionais. Os dados operacionais incluem todos os eventos, os alertas, as
alterações de estado e os dados de desempenho coletados pelos agentes. A maioria dos recursos usados pelo
banco de dados do Operations Manager é usada para gravar esses dados no disco assim que entram no
sistema. A taxa dos dados operacionais coletados tende a aumentar à medida que outros pacotes de
gerenciamento são importados e outros agentes são adicionados. O tipo de computador que um agente
monitora também é um fator importante usado para determinar a taxa geral de coleta de dados operacionais.
Por exemplo, espera-se que um agente monitorando um computador desktop crítico para os negócios colete
menos dados que um agente monitorando um servidor que executa uma instância do SQL Server com um
grande número de bancos de dados.
A taxa de alterações de espaço de instâncias. Atualizar dados no banco de dados do Operations Manager é caro
no que diz respeito à gravação de novos dados operacionais. Além disso, quando os dados de espaço de
instâncias são alterados, os servidores de gerenciamento fazem consultas adicionais ao banco de dados do
Operations Manager para computar as alterações nas configurações e nos grupos. A taxa de alterações de
espaço de instâncias aumenta à medida que pacotes de gerenciamento adicionais são importados para um
grupo de gerenciamento. A adição de novos agentes a um grupo de gerenciamento também aumenta
temporariamente a taxa de alterações de espaço de instâncias.
O número de Consoles de Operações e de outras conexões de SDK em execução simultânea. Todo Console de
Operações lê dados do banco de dados do Operations Manager. Consultar esses dados consome
potencialmente uma grande quantidade de recursos de E/S de armazenamento, de tempo de CPU e de RAM.
Os Consoles de Operações que exibem grandes quantidades de dados operacionais nas Exibições de Eventos,
de Estado, de Alertas e de Dados de Desempenho tendem a gerar a maior carga no banco de dados.
O banco de dados do Operations Manager é uma fonte única de falha para o grupo de gerenciamento, portanto, é
possível deixá-lo altamente disponível usando as configurações de failover com suporte, como os Grupos de
Disponibilidade AlwaysOn ou as Instâncias de Cluster de Failover do SQL Server.
Banco de dados do data warehouse do Operations Manager
O System Center 2016 – Operations Manager insere dados no data warehouse de relatórios quase em tempo real.
É importante ter capacidade suficiente no servidor que dê suporte a gravação de todos os dados coletados para o
data warehouse de relatórios. Assim como no banco de dados do Operations Manager, o recurso mais crítico no
data warehouse de relatórios é o subsistema de E/S de armazenamento. Na maioria dos sistemas, as cargas no
data warehouse de Relatórios são semelhantes às do banco de dados do Operations Manager, mas elas podem
variar. Além disso, a carga de trabalho colocada no data warehouse de relatórios por meio de relatórios é diferente
da carga colocada no banco de dados do Operations Manager por meio do uso do Console de Operações.
Entre os fatores que influenciam a carga no data warehouse de relatórios estão:
A taxa de coleta de dados operacionais. Para permitir relatórios mais eficientes, o data warehouse de relatórios
calcula e armazena os dados agregados, bem como uma quantidade limitada de dados brutos. Realizar esse
trabalho adicional significa que a coleta de dados operacionais para o data warehouse de relatórios pode ser
um pouco mais cara em comparação com o banco de dados do Operations Manager. Esse custo adicional
normalmente é equilibrado pelo custo reduzido do processamento de dados de descoberta realizado pelo data
warehouse de relatórios em comparação com o banco de dados do Operations Manager.
O número de usuários simultâneos de relatórios ou a geração de relatórios agendados. Uma vez que os
relatórios normalmente resumem grandes volumes de dados, cada usuário de relatórios pode adicionar uma
carga significativa no sistema. Tanto o número de relatórios executados simultaneamente quanto os tipos de
relatórios executados afetam as necessidades de capacidade total. Normalmente, os relatórios que consultam
grandes intervalos de datas ou um grande número de objetos requerem recursos adicionais do sistema.
Com base nesses fatores, há várias práticas recomendadas a serem consideradas ao dimensionar o data
warehouse de relatórios:
Escolha um subsistema de armazenamento apropriado. Como o data warehouse de relatórios é parte
integrante do fluxo geral de dados que passa pelo grupo de gerenciamento, escolher um subsistema de
armazenamento apropriado para o data warehouse de relatórios é importante. Como ocorre com o banco de
dados do Operations Manager, o RAID 0 + 1 normalmente é a melhor opção. Em geral, o subsistema de
armazenamento para o data warehouse de relatórios deve ser semelhante ao subsistema de armazenamento
para o banco de dados do Operations Manager, sendo que as diretrizes aplicáveis ao banco de dados do
Operations Manager também são aplicáveis ao data warehouse de relatórios.
Considere o posicionamento adequado dos logs de dados em relação aos logs de transações. Quanto ao banco
de dados do Operations Manager, a separação entre os logs de transações e os logs de dados do SQL é muitas
vezes uma opção apropriada ao aumentar o número de agentes. Se tanto o banco de dados do Operations
Manager quanto o data warehouse de relatórios estiverem localizados no mesmo servidor e você desejar
separar os logs de transações dos logs de dados, será preciso colocar os logs de transações do banco de dados
do Operations Manager em volumes físicos e eixos de discos separados dos usados para o data warehouse de
relatórios para que você aproveite os benefícios. Os arquivos de dados do banco de dados do Operations
Manager e do data warehouse de Relatórios podem compartilhar o mesmo volume físico, desde que o volume
forneça capacidade adequada e que o desempenho de E/S do disco não afete as funcionalidades de
monitoramento e de relatório.
Considere posicionar o data warehouse de relatórios em um servidor separado do banco de dados do
Operations Manager. Embora as implantações de menor escala normalmente consigam consolidar o banco de
dados do Operations Manager e o data warehouse de relatórios no mesmo servidor, é mais vantajoso separá-
los à medida que você escala verticalmente o número de agentes e o volume de dados operacionais de entrada.
Quando o data warehouse de relatórios e o servidor de relatórios estão em um servidor separado do banco de
dados do Operations Manager, você tem um melhor desempenho de relatórios.
O banco de dados de data warehouse do Operations Manager é uma fonte única de falha para o grupo de
gerenciamento, portanto, é possível deixá-lo altamente disponível usando as configurações de failover com
suporte, como os Grupos de Disponibilidade AlwaysOn ou as Instâncias de Cluster de Failover do SQL Server.

AlwaysOn do SQL Server


Os Grupos de Disponibilidade AlwaysOn do SQL Server dão suporte a ambientes de failover para um conjunto
discreto de bancos de dados do usuário (bancos de dados de disponibilidade). Cada conjunto de bancos de dados
de disponibilidade é hospedado por uma réplica de disponibilidade.
Com o System Center 2016 – Operations Manager, é preferível usar o AlwaysOn do SQL em vez do clustering de
failover para fornecer alta disponibilidade para os bancos de dados. Exceto a instalação do Reporting Services em
modo nativo, a qual usa dois bancos de dados para separar o armazenamento de dados persistentes dos
requisitos de armazenamento temporário, todos os bancos de dados podem ser hospedados em um Grupo de
Disponibilidade AlwaysOn.
Para configurar um grupo de disponibilidade, você precisará implantar um WSFC (Clustering de Failover do
Windows Server) para hospedar a réplica de disponibilidade e habilitar o AlwaysOn em nós do cluster. Em
seguida, você poderá adicionar o banco de dados do SQL Server do Operations Manager como um banco de
dados de disponibilidade.
Saiba mais sobre os pré-requisitos do AlwaysOn
Saiba mais sobre como configurar um WSFC para Grupos de Disponibilidade AlwaysOn
Saiba mais sobre como configurar um grupo de disponibilidade
Cadeia de caracteres de várias sub-redes
O Operations Manager não dá suporte para as palavras-chave da cadeia de conexão (MultiSubnetFailover=True).
Uma vez que o grupo de disponibilidade tem um nome de ouvinte (conhecido como o nome da rede ou como o
Ponto de Acesso do Cliente no Gerenciador de Cluster WSFC ) que depende de vários endereços IP de sub-redes
diferentes, como quando você implanta em uma configuração de failover entre sites, as solicitações de conexão de
cliente provenientes dos servidores de gerenciamento para o ouvinte do grupo de disponibilidade atingirão um
tempo limite da conexão.
A abordagem recomendada para solucionar este problema quando você implanta nós do servidor no grupo de
disponibilidade em um ambiente de várias sub-redes é a seguinte:
1. Defina o nome de rede do seu ouvinte do grupo de disponibilidade para registrar somente um único endereço
IP ativo no DNS
2. Configure o cluster para usar um valor TTL baixo para o registro DNS
Estas configurações permitem uma recuperação mais rápida e a resolução do nome do cluster com o novo
endereço IP no momento que o failover para um nó em uma sub-rede diferente é realizado.
Execute a seguinte consulta do Powershell em qualquer um dos nós do SQL para modificar suas configurações.

Import-Module FailoverClusters
Get-ClusterResource "Cluster Name"|Set-ClusterParameter RegisterAllProvidersIP 0
Get-ClusterResource "Cluster Name"|Set-ClusterParameter HostRecordTTL 300
Stop-ClusterResource "Cluster Name"
Start-ClusterResource "Cluster Name"

Se estiver usando o AlwaysOn com um nome de ouvinte, você também deverá fazer estas alterações de
configurações no ouvinte.
Execute a seguinte consulta do Powershell no nó do SQL, hospedando o ouvinte para modificar suas
configurações.

Import-Module FailoverClusters
Get-ClusterResource <Listener Cluster Resource name> | Set-ClusterParameter RegisterAllProvidersIP 0
Get-ClusterResource <Listener Cluster Resource name> | Set-ClusterParameter HostRecordTTL 300
Stop-ClusterResource <Listener Cluster Resource name>
Start-ClusterResource <Listener Cluster Resource name>

Quando um cluster ou uma instância SQL Always On é usada para alta disponibilidade, você deverá habilitar o
recurso de recuperação automática nos servidores de gerenciamento para evitar a reinicialização de serviço de
Acesso a Dados do Operations Manager sempre que ocorrer um failover entre os nós. Para obter informações
sobre como configurar isso, consulte o artigo da base de dados O serviço de gerenciamento do System Center
para de responder depois que uma instância do SQL Server fica offline.

Otimizando o SQL Server


Em geral, a experiência de implantações anteriores com clientes demonstra que os problemas de desempenho
normalmente não são causados pela alta utilização de recursos (ou seja, processador ou memória) com o SQL
Server sozinho. Em vez disso, ele está diretamente relacionado à configuração do subsistema de armazenamento.
Isso normalmente é atribuído à não observação das diretrizes de configuração recomendadas para o
armazenamento provisionado da instância do banco de dados do SQL Server. Entre os exemplos estão:
Alocação insuficiente de eixos para os LUNs darem suporte aos requisitos de E/S do Operations Manager.
Hospedagem de logs de transações e de arquivos de banco de dados no mesmo volume. Essas duas cargas de
trabalho têm características de E/S e de latência diferentes.
Configuração incorreta do TempDB em relação ao posicionamento, ao dimensionamento, etc.
Desalinhamento da partição de disco de volumes que hospedam os logs de transações do banco de dados, os
arquivos de banco de dados e o TempDB
Não observação da configuração básica do SQL Server, como o uso do AUTOGROW para os arquivos de log
de transações e de banco de dados, da configuração MAXDOP para o paralelismo da consultas, bem como a
criação de vários arquivos de dados no TempDB por núcleo da CPU, etc.
A configuração do armazenamento é um dos componentes críticos da implantação do SQL Server para o
Operations Manager. Os servidores de banco de dados tendem a ser altamente associados à E/S devido às
atividades rigorosas de leitura e de gravação do banco de dados e ao processamento dos logs de transações.
Normalmente, o padrão do comportamento de E/S do Operations Manager é 80% para gravações e 20% para
leituras. Como resultado, a configuração incorreta dos subsistemas de E/S pode causar operação e desempenho
insatisfatórios dos sistemas SQL Server, o que fica perceptível no Operations Manager.
É importante testar o design do SQL Server executando testes de produtividade do subsistema de E/S antes de
implantar o SQL Server. Verifique se esses testes podem satisfazer aos seus requisitos de E/S com uma latência
aceitável. Use o Utilitário Diskspd para avaliar a capacidade de E/S do subsistema de armazenamento compatível
com o SQL Server. O artigo de blog a seguir, escrito por um membro da equipe do Servidor de Arquivos no grupo
de produtos, fornece diretrizes e recomendações detalhadas sobre como executar testes de estresse usando essa
ferramenta com algum código do PowerShell e como capturar os resultados usando o PerfMon. Veja também o
Auxiliar de Dimensionamento do Operations Manager para obter as diretrizes iniciais.
Tamanho da unidade de alocação do NTFS
O alinhamento de volume, conhecido como alinhamento de setor, deve ser executado no NTFS (sistema de
arquivos NTFS ) sempre que um volume é criado em um dispositivo RAID. Se isso não for feito, uma degradação
de desempenho significativa pode ocorrer, o que geralmente é o resultado do desalinhamento das partições em
relação aos limites das faixas das unidades. Isso também pode ocasionar o desalinhamento do cache do hardware,
resultando em utilização ineficiente do cache da matriz. Ao formatar a partição que será usada para os arquivos de
dados do SQL Server, é recomendado usar um tamanho de unidade de alocação de 64 KB (ou seja, 65.536 bytes)
para dados, logs e tempdb. Lembre-se, no entanto, que o uso de tamanhos de unidade de alocação maiores que 4
KB resulta na incapacidade de usar a compactação do NTFS no volume. Embora o SQL Server dê suporte a dados
somente leitura em volumes compactados, isso não é recomendado.
Reservar memória
Identificar a quantidade certa de memória física e de processadores para alocar ao Windows Server para o SQL
Server 2014 e 2016 no suporte do System Center 2016 – Operations Manager não é uma pergunta fácil de ser
respondida (nem mesmo para outras cargas de trabalho fora desse produto para esse fim). Embora a calculadora
de dimensionamento fornecida pelo grupo de produtos, a qual é baseada em testes executados em um ambiente
de laboratório que pode ou não estar alinhado às cargas de trabalho e às configurações típicas encontradas no
mundo real, forneça diretrizes com base em escala de carga de trabalho (ou seja, 500 sistemas, 1000 sistemas etc.),
a integridade do que é declarado muitas vezes é colocada em questão. Ela serve como uma recomendação inicial
que você pode usar, no entanto, ela não é nem pode ser considerada a configuração final.
Por padrão, o SQL Server pode alterar os requisitos de memória de maneira dinâmica com base nos recursos
disponíveis do sistema. A configuração padrão de memória mínima do servidor é 0 e a configuração padrão de
memória máxima do servidor é 2147483647. A quantidade mínima de memória que você pode especificar para a
memória máxima do servidor é 16 MB (megabytes). Uma série de problemas relacionados à memória e ao
desempenho ocorre porque os clientes não definem um valor para Memória Máxima do Servidor, e não fazem
isso porque não sabem o que deve definir. Vários outros fatores influenciam a quantidade máxima de memória
alocada ao SQL para assegurar que o sistema operacional tenha memória suficiente para dar suporte aos outros
processos em execução no sistema, como a placa HBA, os agentes de gerenciamento, a verificação antivírus em
tempo real, etc. Caso contrário, o sistema operacional e o SQL paginarão para o disco e, em seguida, a E/S do
disco aumentará, reduzindo ainda mais o desempenho e criando um "efeito cascata" perceptível no Operations
Manager.
O SQL Server permite a configuração da quantidade mínima e máxima de memória que deve ser reservada e
usada pelo processo. Especifique pelo menos 4 GB de RAM como valor mínimo. Isso deve ser feito para cada nó
SQL que hospeda um dos bancos de dados do Operations Manager (Operacional, Data warehouse e ACS ).
Primeiro inicie reservando 1 GB de RAM para o sistema operacional, 1 GB para cada 4 GB de RAM instalada de 4
a 16 GB e 1 GB para cada 8 GB de RAM instalada acima de 16 GB de RAM. Em seguida, monitore o contador de
desempenho de Memória\MBytes Disponíveis no Windows para determinar se é possível aumentar a memória
disponível para o SQL Server acima do valor inicial. (Observação: esse contador deve permanecer acima de 150 –
300 MB como valor mínimo possível. O Windows sinaliza LowMemoryResourceNotification a 96 MB caso deseje
um buffer, mas você deve considerar iniciá-lo acima de 1 GB em servidores maiores com 256 GB de RAM ou
mais). Isso costuma funcionar bem para servidores dedicados ao SQL Server. É possível também determinar a
definição de 'max server memory' de uma maneira bem mais técnica calculando os requisitos específicos de
memória do sistema operacional, dos outros aplicativos, da pilha de threads do SQL Server e dos outros
alocadores com várias páginas. Normalmente, isso seria ((Total system memory) – (memory for thread stack) –
(OS memory requirements ~ 2-4 GB ) – (memory for other applications) – (memory for multipage allocations;
SQLCLR, linked servers, etc.)), em que memory for thread stack = ((max worker threads) *(stack size)) e o
tamanho da pilha seria 512 KB para sistema x86, 2 MB para sistemas x64 e 4 MB para sistemas IA64. O valor de
'max worker threads' pode ser encontrado na coluna max_worker_count de sys.dm_os_sys_info. No entanto, a
suposição com qualquer um desses métodos é que você deseja que o SQL Server use tudo o que está disponível
no computador, a menos que tenha feito reservas nos cálculos para outros aplicativos.
À medida que mais clientes virtualizam o SQL Server em seus ambientes, essa pergunta é mais relevante para a
determinação da quantidade mínima de memória que o SQL Server precisará executar em uma máquina virtual.
Infelizmente, não é possível calcular qual é a quantidade ideal de memória para uma determinada instância do
SQL Server, uma vez que o SQL Server foi projetado para armazenar dados em cache no pool de buffers e ele
normalmente usa o máximo de memória que você pode atribuir a ele. Uma das coisas para ter em mente quando
você deseja reduzir a memória alocada a uma instância do SQL Server, é que, no final das contas, você chegará a
um ponto em que a memória inferior é sacrificada para a obtenção de um acesso de E/S de disco superior.
Se você precisar descobrir a configuração ideal de memória do SQL Server em um ambiente com
provisionamento excessivo, a melhor maneira para fazer isso será iniciar com uma linha de base das métricas de
desempenho atual e do ambiente. Entre os contadores para começar a monitorar estão:
SQL Server: Gerenciador de Buffer\Expectativa de Vida da Página
SQL Server: Gerenciador de Buffer\Leituras de página/s
Disco Físico\Leituras de Disco/s
Normalmente, se o ambiente tiver memória em excesso para o pool de buffers, o valor de Expectativa de Vida da
Página continuará a aumentar com base em um valor por segundo e não ficará abaixo da carga de trabalho, pois
todas as páginas de dados acabam sendo armazenadas em cache. Ao mesmo tempo, o número de SQL Server:
Gerenciador de Buffer\Leituras de página/s será baixo após a ocorrência do aumento do cache, o que também
corresponderá a um valor baixo de Disco Físico\Leituras de Disco/s.
Após definir a linha de base para o ambiente, faça uma alteração na opção 'max server memory' do sp_configure
para reduzir o tamanho do pool de buffers para 1 GB e monitore o impacto dos contadores de desempenho
depois que tudo se estabilizar após a liberação inicial do cache que normalmente ocorre quando RECONFIGURE
é executado no ambiente. Se o nível de Expectativa de Vida da Página permanecer aceitável para o ambiente (tendo
em mente que uma meta fixa de > = 300 é ridícula para servidores com grande quantidade de RAM instalada) e o
número de SQL Server: Gerenciador de Buffer\Leituras de página/s estiver de acordo com o que o subsistema de
E/S de disco pode dar suporte sem degradação de desempenho, repita o processo de redução do valor de 'max
server memory' do sp_configure para 1GB e continue a monitorar o impacto no ambiente.
Você também pode consultar as diretrizes no MSDN para o SQL 2014.
Otimizar o TempDB
O tamanho e o posicionamento físico do banco de dados tempdb podem afetar o desempenho do Operations
Manager. Por exemplo, se o tamanho definido para o tempdb for muito pequeno, parte da carga de processamento
do sistema poderá ser elevada com o crescimento automático do tempdb até o tamanho necessário para dar
suporte à carga de trabalho toda vez que você reiniciar a instância do SQL Server. Para obter o desempenho ideal
do tempdb, recomendamos a seguinte configuração para o tempdb em um ambiente de produção:
Defina o modelo de recuperação do tempdb como SIMPLE. Esse modelo recupera automaticamente o espaço
de log para manter os requisitos de espaço pequenos.
Aloque antecipadamente espaço para todos os arquivos do tempdb definindo o tamanho do arquivo com um
valor grande o suficiente para acomodar a carga de trabalho típica no ambiente. Isso evita que o tempdb seja
expandido com muita frequência, o que pode afetar o desempenho. O banco de dados tempdb pode ser
definido para crescimento automático, mas isso deve ser usado para aumentar o espaço em disco para
exceções não planejadas.
Crie quantos arquivos forem necessários para maximizar a largura de banda do disco. Usar vários arquivos
reduz a contenção do armazenamento do tempdb e gera uma escalabilidade significativamente melhor. No
entanto, não crie muitos arquivos, pois isso pode reduzir o desempenho e aumentar a sobrecarga de
gerenciamento. Como diretriz geral, crie um arquivo de dados para cada processador lógico no servidor
(considerando as configurações de máscara de afinidade) e ajuste o número de arquivos para mais ou para
menos conforme necessário. Como regra geral, se o número de processadores lógicos for menor ou igual a 8,
use o mesmo número de arquivos de dados que o de processadores lógicos. Se o número de processadores
lógicos for maior que 8, use 8 arquivos de dados e se a contenção persistir, aumente o número de arquivos de
dados em múltiplos de 4 (até chegar ao número de processadores lógicos) até que a contenção seja reduzida a
um nível aceitável ou faça alterações na carga de trabalho/código. Se a contenção não for reduzida, será preciso
aumentar ainda mais o número de arquivos de dados.
Faça com que cada arquivo de dados seja do mesmo tamanho, o que possibilita um desempenho de
preenchimento proporcional ideal. Dimensionar igualmente os arquivos de dados é crítico, uma vez que o
algoritmo de preenchimento proporcional é baseado no tamanho dos arquivos. Se os arquivos de dados forem
criados com tamanhos diferentes, o algoritmo de preenchimento proporcional tentará usar o maior arquivo
mais para alocações GAM em vez de difundir as alocações entre todos os arquivos, anulando, com isso, a
finalidade de criar vários arquivos de dados.
Coloque o banco de dados tempdb em um subsistema de E/S rápido usando unidades de estado sólido para
obter o desempenho ideal. Use a distribuição por discos se existirem muitos discos anexados diretamente.
Coloque o banco de dados tempdb em discos diferentes dos que são usados pelos bancos de dados do usuário.
Para configurar o tempdb, você pode executar a seguinte consulta ou modificar as propriedades dele no
Management Studio.

USE [tempdb]
GO
DBCC SHRINKFILE (N'tempdev' , 8)
GO
USE [master]
GO
ALTER DATABASE [tempdb] MODIFY FILE ( NAME = N'tempdev', NEWNAME = N'tempdb', SIZE = 2097152KB , FILEGROWTH =
512MB )
GO
ALTER DATABASE [tempdb] ADD FILE ( NAME = N'tempdb2', FILENAME = N'C:\Program Files\Microsoft SQL
Server\MSSQL11.MSSQLSERVER\MSSQL\DATA\tempdb2.mdf' , SIZE = 2097152KB , FILEGROWTH = 512MB )
GO

Execute a consulta T-SQL SELECT * em sys.sysprocesses para detectar a contenção de alocação de página do
banco de dados tempdb. Na saída de tabela do sistema, o waitresource pode aparecer como "2:1:1" (página PFS )
ou "2:1:3" (página SGAM ). Dependendo do grau de contenção, isso também pode fazer com que o SQL Server
pareça estar sem resposta por curtos períodos. Outra abordagem é examinar as exibições de gerenciamento
dinâmico [sys.dm_exec_request ou sys.dm_os_waiting_tasks]. Os resultados mostrarão que essas solicitações ou
tarefas estão aguardando recursos de tempdb e que elas têm valores semelhantes aos realçados anteriormente
quando você executa a consulta sys.sysprocesses.
Se as recomendações anteriores não reduzirem de maneira significativa a contenção de alocação e a contenção
estiver em páginas SGAM, implemente o sinalizador de rastreamento -T1118 nos parâmetros de Inicialização do
SQL Server, de modo que o sinalizador de rastreamento permaneça em vigor mesmo depois que o SQL Server
for reciclado. Nesse sinalizador de rastreamento, o SQL Server aloca extensões completas para cada objeto de
banco de dados, o que elimina a contenção nas páginas SGAM. Observe que esse sinalizador de rastreamento
afeta todos os bancos de dados na instância do SQL Server.
Grau máximo de paralelismo
A configuração padrão do SQL Server para implantações de pequeno a médio porte do Operations Manager é
adequada para a maioria das necessidades. No entanto, quando a carga de trabalho do grupo de gerenciamento é
escalada verticalmente visando um cenário empresarial (normalmente mais de 2.000 sistemas gerenciados por
agente e uma configuração de monitoramento avançada, que inclui monitoramento de nível de serviço com
transações sintéticas avançadas, monitoramento de dispositivos de rede, plataformas cruzadas e assim por diante),
é necessário otimizar a configuração do SQL Server descrita nesta seção do documento. Uma opção de
configuração que não foi discutida nas diretrizes anteriores é a MAXDOP.
A opção de configuração MAXDOP (grau máximo de paralelismo) do Microsoft SQL Server controla o número de
processadores usados para a execução de uma consulta em um plano paralelo. Essa opção determina os recursos
de computação e de thread usados para os operadores de plano de consulta que executam o trabalho em paralelo.
Dependendo de o SQL Server estar configurado em um computador SMP (multiprocessamento simétrico), em
um computador NUMA (acesso não uniforme a memória) ou em processadores habilitados para hyperthreading,
você precisará configurar adequadamente a opção de grau máximo de paralelismo.
Quando o SQL Server é executado em um computador com mais de um microprocessador ou CPU, ele detecta o
melhor grau de paralelismo, ou seja, o número de processadores empregados para executar uma única instrução,
para cada execução de plano paralelo. Por padrão, o valor para essa opção é 0, o que permite ao SQL Server
determinar o grau máximo de paralelismo.
Os procedimentos armazenados e as consultas predefinidas no Operations Manager, uma vez que ele tem relação
com os bancos de dados operacional, de data warehouse e até mesmo de auditoria, não incluem a opção
MAXDOP, pois não há como, durante a instalação, consultar dinamicamente quantos processadores são
apresentados ao sistema operacional nem como tentar codificar o valor dessa configuração, o que pode ter
consequências negativas quando a consulta é executada.

OBSERVAÇÃO
A opção de configuração do grau máximo de paralelismo não limita o número de processadores que o SQL Server usa. Para
configurar o número de processadores que o SQL Server usa, use a opção de configuração de máscara de afinidade.

Para os servidores que usam mais de oito processadores, use a seguinte configuração: MAXDOP = 8
Para os servidores que usam oito ou menos processadores, use a seguinte configuração: MAXDOP = 0 até N.
Observação: nessa configuração, N representa o número de processadores.
Para os servidores que têm o NUMA configurado, MAXDOP não deve exceder o número de CPUs atribuído a
cada nó NUMA.
Para os servidores que têm o hyperthreading habilitado, o valor MAXDOP não deve exceder o número de
processadores físicos.
Para os servidores que têm o NUMA configurado e o hyperthreading habilitado, o valor MAXDOP não deve
exceder o número de processadores físicos por nó NUMA.
Você pode monitorar o número de trabalhos paralelos consultando sys.dm_os_tasks.
Em uma implantação do Operations Manager 2012 de um cliente, a qual monitorava cargas de trabalho de
infraestruturas de vários datacenters em cinco mil sistemas gerenciados por agentes do Windows, a instância do
SQL Server que hospedava o banco de dados operacional apresentou uma degradação de desempenho
significativa. A configuração de hardware desse servidor era um HP Blade G6 com processadores de 24 núcleos e
196 GB de RAM. A instância que hospedava o banco de dados do OperationsManager tinha uma configuração
MAXMEM de 64 GB. Após realizar as otimizações sugeridas nesta seção, o desempenho melhorou. No entanto,
continuou havendo um gargalo de paralelismo de consulta. Após testar valores diferentes, o desempenho ideal foi
encontrado definindo MAXDOP = 4.
Dimensionamento inicial do banco de dados
Estimar o aumento futuro dos bancos de dados do Operations Manager, especificamente dos bancos de dados
operacional e de data warehouse, nos primeiros meses após a implantação não é uma tarefa simples. Embora o
Auxiliar de Dimensionamento do Operations Manager seja razoável na estimativa do aumento potencial baseado
na fórmula derivada pelo grupo de produtos com base nos testes em laboratório, ele não leva em consideração
vários fatores que podem influenciar o aumento em curto e longo prazo.
O tamanho inicial do banco de dados, conforme sugerido pelo Auxiliar de Dimensionamento, deve ser alocado de
acordo com um tamanho previsto, a fim de reduzir a fragmentação e a sobrecarga correspondente, que podem ser
especificadas no momento da instalação dos bancos de dados Operacional e de Data Warehouse. Se, durante a
instalação, não houver espaço de armazenamento disponível, os bancos de dados poderão ser expandidos
posteriormente usando o SQL Management Studio e, depois, reindexados para a desfragmentação e a otimização
adequadas. Essa recomendação se aplica também ao banco de dados ACS.
O monitoramento proativo do crescimento dos bancos de dados operacional e de data warehouse deve ser
executado em um ciclo diário ou semanal. Isso será necessário para identificar qualquer crescimento inesperado e
significativo, bem como para iniciar a solução de problemas para determinar se a causa foi um bug em um fluxo
de trabalho do pacote de gerenciamento (ou seja, regra de descoberta, regra de coleta de desempenho ou de
eventos ou regra de alerta ou de monitor) ou outro sintoma com um pacote de gerenciamento não identificado
durante a fase de testes e de garantia de qualidade do processo de gerenciamento de versão.
Crescimento automático do banco de dados
Quando o tamanho do arquivo de bancos de dados reservado no disco fica cheio, o SQL Server pode aumentá-lo
automaticamente por percentual ou por valor fixo. Além disso, um tamanho máximo de banco de dados pode ser
configurado para evitar o preenchimento de todo o espaço disponível em disco. Por padrão, o banco de dados do
OperationsManager não está configurado com o crescimento automático habilitado; apenas os bancos de dados
de data warehouse e ACS estão.
Conte com o crescimento automático somente como uma contingência para o crescimento inesperado. O
crescimento automático apresenta uma penalidade de desempenho que deve ser considerada ao lidar com um
banco de dados altamente transacional. As penalidades de desempenho incluem:
Fragmentação do arquivo de log ou do banco de dados se você não fornecer um incremento de crescimento
apropriado.
Se você executar uma transação que requer mais espaço de log do que está disponível e você tiver ativado a
opção de crescimento automático para o log de transações do banco de dados, o tempo para a conclusão da
transação incluirá o tempo de crescimento do log de transações de acordo com o valor configurado.
Se você executar uma transação grande que exige o crescimento do log, outras transações que exigem a
gravação no log de transações também precisarão aguardar a conclusão da operação de crescimento.
Se você combinar as opções de crescimento automático e de redução automática, uma sobrecarga desnecessária
poderá ser criada. Verifique se os limites que disparam as operações de crescimento e de redução não causarão
alterações de tamanho tanto para cima quanto para baixo. Por exemplo, você pode executar uma transação que faz
com que o log de transações cresça em 100 MB no momento da confirmação. Algum tempo depois, a redução
automática é iniciada e reduz o log de transações em 100 MB. Em seguida, você executa a mesma transação e ela
faz com que o log de transações cresça em 100 MB novamente. Nesse exemplo, você está criando uma sobrecarga
desnecessária e possivelmente está criando a fragmentação do arquivo de log, o que, em qualquer um dos casos,
pode afetar o desempenho de maneira negativa.
É recomendado definir essas duas configurações com muito cuidado. A configuração específica depende muito do
seu ambiente. Em geral, é recomendado aumentar o tamanho do banco de dados em um valor fixo para reduzir a
fragmentação do disco. Veja, por exemplo, a seguinte figura, em que o banco de dados está configurado para
crescer até 1.024 MB cada vez que o crescimento automático é necessário.
Política de failover de cluster
O Clustering de Failover do Windows Server é uma plataforma de alta disponibilidade que monitora
constantemente as conexões de rede e a integridade dos nós em um cluster. Se um nó não puder ser acessado pela
rede, uma ação de recuperação será executada para recuperar e colocar os aplicativos e os serviços online em
outro nó no cluster. As configurações padrão integradas são otimizadas para falhas em que há a perda completa de
um servidor, o que é considerado uma falha "grave". Esses seriam os cenários de falhas irrecuperáveis, como as
quedas de energia ou as falhas em hardware não redundante. Nessas situações, há a perda do servidor e a meta
para o Clustering de Failover é detectar a perda do servidor e executar a recuperação rápida em outro servidor no
cluster. Para executar com êxito a recuperação rápida das falhas graves, as configurações padrão para o
monitoramento da integridade do cluster são bastante agressivas. No entanto, elas são totalmente configuráveis
para permitir flexibilidade para uma variedade de cenários.
Essas configurações padrão fornecem o melhor comportamento para a maioria dos clientes, no entanto, como os
clusters são ampliados de centímetros a possivelmente quilômetros de distância, o cluster pode ficar exposto aos
componentes de rede adicionais e possivelmente não confiáveis entre os nós. Outro fator é que a qualidade dos
servidores "commodity" não para de aumentar, juntamente com o crescimento da resiliência por meio de
componentes redundantes (por exemplo, fontes de alimentação duplas, agrupamento NIC e E/S de vários
caminhos), o que faz com que a frequência de falhas de hardware não redundante seja bastante rara. Uma vez que
as falhas graves são menos frequentes, alguns clientes podem querer ajustar o cluster para falhas transitórias, em
que o cluster mais resiliente a falhas de rede breves entre os nós. Ao aumentar os limites das falhas padrão, você
poderá diminuir a sensibilidade aos problemas de rede que duram pouco tempo.
É importante entender que há não uma resposta certa aqui e que a configuração otimizada pode variar de acordo
com os seus requisitos específicos de negócios e contratos de nível de serviço.
Virtualizando o SQL Server
Em ambientes virtuais, por motivos de desempenho, é recomendado armazenar os bancos de dados operacional e
de data warehouse em um armazenamento anexado direto e não em um disco virtual. Sempre use o Auxiliar de
Dimensionamento do Operations Manager para estimar o IOPS necessário e execute o teste de estresse dos
discos de dados como verificação. É possível usar a ferramenta SQLIO para essa tarefa. Confira também o suporte
à virtualização do Operations Manager para obter diretrizes adicionais sobre o ambiente virtualizado do
Operations Manager.
AlwasyOn e modelo de recuperação
Embora não seja estritamente uma otimização, uma consideração importante sobre o Grupo de Disponibilidade
AlwaysOn é o fato de que, por design, esse recurso exige que os bancos de dados sejam definidos no modelo de
recuperação “Completa”. Isso significa que os logs de transações nunca são descartados até que seja feito um
backup completo ou apenas do log de transações. Por esse motivo, uma estratégia de backup não é um item
opcional, mas sim uma parte necessária do design do AlwaysOn para os bancos de dados do Operations Manager.
Caso contrário, com o tempo, os discos que contêm os logs de transações serão preenchidos.
Uma estratégia de backup deve levar em consideração os detalhes do ambiente. Um agendamento de backup
típico é fornecido na tabela a seguir.
TIPO DE BACKUP AGENDAMENTO

Apenas o log de transações A cada hora

Completo Semanalmente, domingo, às 3:00

Otimizando o SQL Server Reporting Services


A instância do Reporting Services funciona como um proxy de acesso a dados no banco de dados de data
warehouse. Ela gera e exibe relatórios com base em modelos armazenados nos pacotes de gerenciamento.
Nos bastidores do Reporting Services, há uma instância do Banco de Dados do SQL Server que hospeda os
bancos de dados ReportServer e ReportServerTempDB. As recomendações gerais relacionadas ao ajuste de
desempenho dessa instância também se aplicam.

Próximas etapas
Para entender como configurar a hospedagem do data warehouse de relatório atrás de um firewall, consulte
Conectar o Data Warehouse de relatórios em um firewall.
Considerações de design do pool de recursos
09/05/2018 • 17 min to read • Edit Online

Um pool de recursos é um agrupamento lógico de servidores de gerenciamento e/ou servidores de gateway que
distribuem o trabalho entre si e assumem o trabalho de um membro que falhou. Em outras palavras, eles
fornecem alta disponibilidade e escalabilidade para os fluxos de trabalho. Ao criar um grupo de gerenciamento, é
necessário considerar alguns fatores ao monitorar dispositivos de rede, sistemas UNIX/Linux e outras cargas de
trabalho que foram projetadas para tirar proveito de um pool de recursos.

Visão geral
Pools de recursos asseguram a continuidade do monitoramento, fornecendo vários membros, que são servidores
de gerenciamento e/ou servidores de gateway que podem assumir fluxos de trabalho de monitoramento caso um
dos membros do pool fique indisponível. Você pode criar pools de recursos para fins específicos. Por exemplo,
você pode criar um pool de recursos de servidores de gerenciamento em seu data center principal para monitorar
dispositivos de rede.
Pools de recursos aplicam uma lógica semelhante ao "conjunto de nós principais” do clustering, em que (<
número de nós como membros do pool > /2) + 1. No mínimo, deve haver três membros no pool para manter o
quorum, que deve ser superior a 50% dos membros votantes do quorum em um pool para manter a
disponibilidade do pool. Se você tem apenas dois membros do pool e um não estiver disponível, você perdeu o
quorum.
Para cada pool de recursos criado no console de Operações, o banco de dados do Operations Manager, conhecido
como observador padrão, sempre recebe um voto, mesmo se você tiver um número par de membros no pool
para permitir que o quorum seja atingido. Isso também se aplica aos três pools de recursos criados por padrão
quando você cria o grupo de gerenciamento, que é discutido posteriormente neste tópico. Para todos os pools de
recursos criados usando o cmdlet do PowerShell NewSCOM -ResourcePool, ele é definido como desabilitado
por padrão. Incluir o banco de dados do Operations Manager como o observador padrão reduz a complexidade
do seu grupo de gerenciamento apenas solicitando que você implante dois servidores de gerenciamento no
mínimo para manter a alta disponibilidade de seus pools de recursos.
Outra função de suporte a um pool de recursos são os observadores. Esse é um servidor de gerenciamento ou um
servidor de Gateway que não participa do carregamento de fluxos de trabalho para o pool, mas participa nas
decisões de quorum. Isso nunca é usado em circunstâncias normais e não deve ser considerado.
Há dois tipos de associação, automática e manual. Quando você cria um pool de recursos, sua associação é
definida como manual e não pode ser reconfigurada como automática. Quando um grupo de gerenciamento do
System Center 2016 – Operations Manager é criado, são criados três pools de recursos por padrão com
associação automática. A tabela a seguir descreve esses três pools de recursos.

NOME DO POOL DE RECURSOS DESCRIÇÃO

Todo pool de recursos de servidores de gerenciamento Executa fluxos de trabalho de cálculo de grupo,
disponibilidade, pacote cumulativo de atualizações de
integridade de monitor distribuído e limpeza de banco de
dados.

Pool de recursos de notificações Os fluxos de trabalho de Serviço de Assinatura de Alerta são


direcionados para esse pool de recursos para dar suporte a
notificações de alerta.
NOME DO POOL DE RECURSOS DESCRIÇÃO

Pool de recursos de atribuição do AD Os fluxos de trabalho de Integração do AD são direcionados


para esse pool de recursos para dar suporte à atribuição
automática de agentes a servidores de gerenciamento.

Como a associação do Pool de Recursos de Todos os Servidores de Gerenciamento é automática, qualquer


servidor de gerenciamento comissionado se torna automaticamente um membro do pool de recursos. Em
determinadas considerações sobre arquiteturas e design, como aqueles que incorporam operações de
contingência geograficamente dispersas, a atribuição automática ao Pool de Recursos de Todos os Servidores de
Gerenciamento pode não ser desejada. Nessas situações, é possível alterar a atribuição de associação de
automática para manual. Sendo assim, os servidores de gerenciamento devem ser adicionados ao Pool de
Recursos de Todos os Servidores de Gerenciamento por meio da atribuição manual.

OBSERVAÇÃO
A associação do Pool de Todos os Recursos dos Servidores de Gerenciamento é somente leitura. Para alterar sua associação
de automática para manual, consulte Modificando a Associação do Pool.

Com a introdução dos pools de recursos, recomenda-se que todos os membros estejam conectados por uma rede
de latência baixa (menos de 10 ms). Pools de recursos não devem ser implantados em vários data centers ou em
um ambiente de nuvem híbrida, como o Microsoft Azure.
Exemplos de disponibilidade do Pool de recursos
Os exemplos a seguir demonstram o conceito de disponibilidade do pool de recursos com base nas seguintes
configurações, apenas com servidores de gerenciamento ou servidores de Gateway.
Servidor de gerenciamento único
O observador padrão é habilitado por padrão e não oferece nenhum benefício, pois há somente dois
membros e o quorum não é atingido.
Não há alta disponibilidade, porque o servidor de gerenciamento é um ponto único de falha.
Dois servidores de gerenciamento
O observador padrão é habilitado por padrão.
Há alta disponibilidade para o pool, pois há três membros votantes: dois servidores de gerenciamento e o
observador padrão.
Ao desabilitar o observador padrão, você perderá a alta disponibilidade do pool.
Três servidores de gerenciamento
O observador padrão é habilitado por padrão.
Há alta disponibilidade para o pool, pois há quatro membros votantes: três servidores de gerenciamento e o
observador padrão.
Por padrão, você pode ter apenas um servidor de gerenciamento indisponível para manter o quorum. Se dois
servidores de gerenciamento estiverem indisponíveis, você terá exatamente 50% dos membros votantes e o
pool de recursos não poderá ser usado para gerenciar as cargas de trabalho de monitoramento.
O observador padrão não aumenta o número de servidores de gerenciamento que podem estar inativos,
portanto, ele não aumenta a disponibilidade do pool.
Você pode considerar a remoção do observador padrão nesse cenário.
Quatro servidores de gerenciamento
O observador padrão é habilitado por padrão.
Há alta disponibilidade para o pool, pois há cinco membros votantes: quatro servidores de gerenciamento e o
observador padrão.
Por padrão, você pode ter apenas dois servidores de gerenciamento indisponíveis para manter o quorum. Se
três servidores de gerenciamento estiverem indisponíveis, você terá menos de 50% dos membros votantes e o
pool de recursos não poderá ser usado para gerenciar as cargas de trabalho de monitoramento.
O observador padrão proporciona um valor significativo neste cenário, porque ele aumenta o número de
servidores de gerenciamento que podem estar inativos. Sem o observador padrão, você teria apenas quatro
membros do quorum, permitindo que apenas um membro estivesse indisponível.
Cinco servidores de gerenciamento
O observador padrão é habilitado por padrão.
Há alta disponibilidade para o pool, pois há seis membros votantes: cinco servidores de gerenciamento e o
observador padrão.
Por padrão, você pode ter apenas dois servidores de gerenciamento indisponíveis para manter o quorum. Se
três servidores de gerenciamento estiverem indisponíveis, você terá exatamente 50% dos membros votantes e
o pool de recursos não poderá ser usado para gerenciar as cargas de trabalho de monitoramento.
O observador padrão não aumenta o número de servidores de gerenciamento que podem estar inativos,
portanto, ele não aumenta a disponibilidade do pool.
Você pode considerar a remoção do observador padrão nesse cenário.
Depois de chegar a três ou mais servidores de gerenciamento em um pool de recursos, caso haja um número
ímpar de membros no pool, você pode considerar a remoção do observador padrão como um membro. Com
cinco servidores de gerenciamento, o banco de dados operacional pode enfrentar uma carga significativa que
pode gerar latência suficiente para afetar os cálculos do pool de recursos.
Com a forma como o observador padrão desempenha um papel, cada servidor de gerenciamento no pool
consulta seu próprio serviço SDK local, o que permite consultar uma tabela no banco de dados operacional para
o observador padrão. Se o banco de dados ou o serviço SDK estiver sob uma carga, haverá uma latência que, de
outra forma, não existiria.
Servidor de Gateway único
O observador padrão é habilitado por padrão.
Não há alta disponibilidade, porque o servidor de Gateway é um ponto único de falha.
O observador padrão não deve ser usado aqui, pois servidores de Gateway não têm um serviço SDK local e,
portanto, não é possível consultar o banco de dados operacional.
Dois servidores de Gateway
O observador padrão é habilitado por padrão.
Não há alta disponibilidade porque há apenas dois membros do pool e o observador padrão não é um
participante, já que os servidores de Gateway não se comunicam diretamente com o banco de dados
operacional. Três servidores de Gateway são necessários para manter o quorum do pool.
Três servidores de Gateway
O observador padrão é habilitado por padrão.
Há alta disponibilidade para o pool, pois há três membros votantes: três servidores de Gateway.
Por padrão, você pode ter apenas um servidor de Gateway indisponível para manter o quorum. Se três
servidores de Gateway estiverem indisponíveis, você terá menos de 50% dos membros votantes e o pool de
recursos não poderá ser usado para gerenciar as cargas de trabalho de monitoramento.
O observador padrão não deve ser usado aqui, pois servidores de Gateway não têm um serviço SDK local e,
portanto, não é possível consultar o banco de dados operacional.

Cenários de monitoramento que dão suporte a pools de recursos


Os fluxos de trabalho a seguir são hospedados por pools de recursos no Operations Manager:
Gerenciamento de dispositivos de rede
Gerenciamento de agentes UNIX/Linux
Gerenciamento de URLs de aplicativo Web

OBSERVAÇÃO
Agentes do Windows não são subordinados a pools de recursos.

O monitoramento de rede no Operations Manager requer seu próprio pool de recursos separado e dedicado. Isso
ocorre porque os fluxos de trabalho de monitoramento de rede são executados em servidores de gerenciamento
(no módulo SNMP ), e não em agentes. Isso coloca um fardo pesado sobre os servidores de gerenciamento depois
que você inclui o monitoramento de portas de rede, especialmente se você selecionar a maioria das portas ativas
disponíveis no dispositivo. Portanto, para obter um melhor desempenho, recomendamos usar servidores de
gerenciamento dedicados em pools de recursos dedicados para o monitoramento da rede. Além disso, os
servidores de gerenciamento que são membros desse pool devem ser removidos dos pools de Todos os
Servidores de Gerenciamento, Notificações e Atribuição do AD.
O monitoramento de UNIX/Linux no Operations Manager pode ser atribuído a um pool de recursos dedicado, se
necessário, para habilitar o monitoramento de alta disponibilidade e o gerenciamento de agentes, mas não é
necessário. O Operations Manager usa certificados para autenticar o acesso aos computadores que gerencia.
Quando o Assistente de Descoberta implanta um agente, ele recupera o certificado do agente, assina o
certificado, implanta o certificado de volta no agente e, depois, reinicia o agente. Para dar suporte à alta
disponibilidade, cada servidor de gerenciamento do pool de recursos deve ter todos os certificados raiz usados
para assinar os certificados implantados nos agentes dos computadores UNIX e Linux. Caso contrário, se um
servidor de gerenciamento ficar indisponível, os outros servidores de gerenciamento não conseguirão confiar nos
certificados assinados pelo servidor que falhou.

Próximas etapas
Para saber mais sobre como criar e gerenciar pools de recursos, consulte Como gerenciar pools de recursos.
Integração com outros produtos de gerenciamento
corporativo
09/05/2018 • 6 min to read • Edit Online

Muitos clientes têm uma ou mais plataformas de monitoramento, em que são fornecidos dados operacionais
consolidados para a infraestrutura corporativa, data centers, redes complexas e domínios de TI na empresa para
correlacionar e encaminhar para a solução de gerenciamento de serviço para gravação e escalonamento de
incidentes, bem como para análise e visualização dos dados apresentados por meio de diferentes tipos de painéis.
O System Center 2016 – Operations Manager está incluído nessa estrutura de operações de serviço para
encaminhar dados de desempenho e alerta ou alertas, ou é a plataforma de monitoramento principal que é
estendida para atender às necessidades comerciais.
A interoperabilidade entre o Operations Manager e outros produtos é realizada por meio de uma série de
métodos dependendo dos requisitos técnicos e comerciais. Estes são métodos comuns para fazer a interface com o
Operations Manager:
System Center 2016 – Orchestrator com pacotes de integração disponibilizados pela Microsoft, por terceiros e
pela comunidade. Os pacotes de integração do Orchestrator contêm atividades adicionais que estendem a
funcionalidade do Orchestrator para se comunicar e trocar dados com outros sistemas de terceiros.
Conectores internos do OMCF (Operations Manager Connector Framework). Os conectores internos do
OMCF, que são desenvolvidos do SDK do Operations Manager, fornecem métodos e tipos que você pode usar
para inicializar e gerenciar um conector e para obter ou enviar dados de operações. Alguns exemplos de
conectores usados para integrar com o Operations Manager são outros produtos do System Center, como o
Service Manager e o VMM (Virtual Machine Manager), e produtos de terceiros, como Nagios ou IBM Netcool.
Conexões com sistemas externos frequentemente são realizadas usando um serviço Web.
Consultar os bancos de dados operacionais ou de data warehouse do SQL para extrair determinados
conjuntos de dados para relatórios ou painéis personalizados.
Outros conectores personalizados são desenvolvidos e implementados para dar suporte a cenários avançados,
como enriquecimento de alertas com informações adicionais antes de serem encaminhados para sistemas de
gerenciamento de incidentes, executar a correlação de alertas ou fornecer a funcionalidade de notificação
avançada com o Operations Manager.
O Operations Manager também se integra com o Microsoft OMS (Operations Management Suite) para
encaminhar eventos, alertas e dados de desempenho coletados para análise posterior e fornece maior visibilidade
para a empresa.

Quando separados por um firewall


As portas e a comunicação entre o Operations Manager e os outros produtos de gerenciamento dependem do
método de integração usado. Se você estiver usando o System Center 2016 – Orchestrator, o Orchestrator
Runbook Server se conecta ao servidor de gerenciamento do Operations Manager usando a porta TCP 5724.
Trata-se de uma comunicação direcionada unidirecional.
Se você estiver usando um conector fornecido pelo fornecedor, examine sua documentação para entender para
quais portas e em que direção o tráfego flui.
Considerações sobre design
Normalmente, a integração entre o Operations Manager e outros produtos de gerenciamento e monitoramento é
configurada entre um único servidor de gerenciamento e o outro produto de gerenciamento ou, em outros casos,
entre vários servidores de gerenciamento ou especificando o nome do grupo de gerenciamento do Operations
Manager. Não há suporte para vários grupos de gerenciamento conectados e cada grupo de gerenciamento
precisará instalar uma instância separada do conector para cada grupo de gerenciamento. Isso inclui a integração
entre o System Center Orchestrator, o VMM e o Service Manager.
Você precisará avaliar e determinar os riscos, o impacto e as opções de recuperação no que diz respeito ao
suporte pelo serviço de monitoramento a operações de serviço contínuas, com base nos níveis de serviço
definidos em seus SL As e OL As, ao planejar a continuidade do serviço no caso de uma interrupção não planejada
ou de uma manutenção planejada.
Se um servidor de gerenciamento der suporte à integração (por meio de um conector hospedado diretamente no
servidor de gerenciamento ou de outro produto do System Center, como o VMM, o Orchestrator ou o Service
Manager), isso precisará ser planejado com etapas de recuperação manual ou automática, dependendo da
configuração de integração e da sequência de etapas necessárias para retornar à funcionalidade normal.
Alta disponibilidade e recuperação de desastre
09/05/2018 • 17 min to read • Edit Online

Diversos servidores e recursos do System Center 2016 – podem falhar, afetando a funcionalidade do Operations
Manager. A quantidade de dados e a funcionalidade perdidas durante uma falha são diferentes em cada cenário de
falha. Isso depende da função do recurso com falha e do tempo gasto para recuperar esse recurso.

Alta disponibilidade
Demandas de alta disponibilidade são atendidas incorporando redundância ao grupo de gerenciamento dos
bancos de dados operacional e de data warehouse do Operations Manager, nos servidores de gerenciamento e
gateway e em cargas de trabalho específicas. Essas cargas de trabalho incluem monitoramento de dispositivos de
rede, monitoramento de plataforma cruzada e cargas de trabalho específicas do grupo de gerenciamento que
anteriormente eram gerenciadas pelo Servidor de Gerenciamento Raiz.
A configuração com vários servidores e um único grupo de gerenciamento pode usar o recurso Always On no
SQL Server 2014 ou SQL Server 2016 para fornecer alta disponibilidade e continuidade de serviço dos bancos de
dados do Operations Manager. A tolerância a falhas do servidor de gerenciamento é fornecida tendo pelo menos
dois servidores de gerenciamento e usando pools de recursos para monitorar servidores UNIX, servidores Linux e
dispositivos de rede. Servidores Windows baseados em agente podem ser configurados com um servidor de
gerenciamento primário e secundário para redirecionar as comunicações do agente em caso de falha de um
servidor de gerenciamento.
O Emulador RMS também pode ser movido para outro servidor de gerenciamento caso o servidor de
gerenciamento que hospeda o Emulador RMS fique indisponível.
Conexões com o console de operações podem se tornar altamente disponíveis. Isso é feito configurando a alta
disponibilidade para os Serviços de Acesso a Dados. Isso pode ser feito instalando o NLB (Balanceamento de
Carga de Rede) da Microsoft ou usando balanceadores de carga baseados em hardware ou alias de DNS. Um ou
mais servidores de gerenciamento são adicionados como membros do pool de NLB e, ao abrir o console, você
referenciará o nome virtual registrado no DNS servidores de gerenciamento com balanceamento de carga.

OBSERVAÇÃO
Não há suporte para um balanceador de carga de rede para o servidor do console Web do Operations Manager.

É possível implantar vários servidores de gateway em um limite de relação de confiança para fornecer caminhos
para agentes que residam dentro do limite da relação de confiança. Assim como pode ocorrer o failover de agentes
entre um servidor de gerenciamento primário e um ou mais servidores de gerenciamento secundários, o failover
deles também pode ocorrer entre servidores de gateway. Além disso, vários servidores de gateway podem ser
usados para distribuir a carga de trabalho de gerenciar computadores gerenciados sem agentes e dispositivos de
rede gerenciados.
Além de fornecer redundância por meio do failover de gateway de agente, os servidores de gateway podem ser
configurados para failover entre servidores de gerenciamento em um grupo de gerenciamento se houver vários
servidores de gerenciamento disponíveis.
Embora o SQL Server Reporting Services dê suporte a um modelo de implantação escalável que permite executar
várias instâncias do servidor de relatório que compartilham um único banco de dados do servidor de relatório, ele
não é compatível com o Operations Manager. O Operations Manager Reporting Services instala uma extensão de
segurança personalizada como parte da instalação dos componentes front-end, que não podem ser replicados pelo
web farm.

Recuperação de desastres
A recuperação de desastres está relacionada a medidas que são adotadas para garantir que as operações sejam
retomadas no caso de uma falha catastrófica (por exemplo, a perda de todo o data center que hospeda a infra-
estrutura principal). Trata-se de um importante elemento que deve ser levado em consideração em qualquer
implantação e as decisões que são feitas durante o planejamento de recuperação de desastre afetam a forma como
o Operations Manager poderá continuar dando suporte ao monitoramento e à emissão de relatórios de
desempenho e disponibilidade, de forma proativa, de seus serviços essenciais de TI. Esta seção se concentrará na
estratégia recomendada para recuperação de desastre e resiliência e em quais etapas devem ser adotadas para
garantir que a recuperação seja simples.
Enquanto fornecem proteção contra falhas de sistema ou perda de sistema, as soluções de alta disponibilidade e
recuperação de desastre não devem ser utilizadas para proteção contra corrupção ou perda de dados acidental,
mal-intencionada ou não intencional. Nesses casos, pode ser necessário utilizar cópias de backup ou cópias de
replicação com retardo para operações de restauração. Em muitos casos, uma operação de restauração é a forma
de recuperação de desastre mais apropriada. Um exemplo disso pode ser um banco de dados de relatórios de
baixa prioridade ou dados de análise. Em muitos casos, o custo para habilitar a recuperação de desastres multissite
no nível do sistema ou do aplicativo supera muito o valor dos dados. Em casos em que o valor de curto prazo dos
dados é baixo e a necessidade de acessar os dados pode ser adiada sem impactos graves sobre os negócios em
casos de falha ou em que a recuperação de desastre no site seria excessivas, considere usar processos simples de
backup e restauração para recuperação de desastre se as economias de custos compensarem.
Compreender o impacto do tempo de inatividade e a tolerância a ele ajudará a tomar as decisões que precisam ser
entendidas para criar corretamente a arquitetura do Operations Manager e o nível de complexidade e custo
necessários para dar suporte à recuperação de desastres. Além disso, é necessário levar em consideração a
extensão da perda de dados de monitoramento que a organização de TI pode tolerar sem causar consequências de
negócios. Isso é melhor descrito em dois termos: RTO (objetivo de tempo de recuperação) e RPO (objetivo de
ponto de recuperação).
As duas configurações de design mais comuns de recuperação de desastre para o Operations Manager são:
criar um grupo de gerenciamento duplicado implantado em seu data center secundário que duplica, em escala
e configuração, o grupo de gerenciamento primário.
implantar servidores adicionais em um data center secundário para dar suporte ao banco de dados
Operacional e de Data Warehouse, com servidores de gerenciamento implantados em uma configuração de
espera passiva, que não participam do grupo de gerenciamento até que as ações de recuperação precisem ser
executadas.
Implantar um grupo de gerenciamento duplicado é uma opção quando não há nenhuma tolerância para tempo de
inatividade. No entanto, é a opção mais complexa. A configuração entre os dois precisa ser consistente para que,
quando você fizer a transferência, não haja diferenças quanto ao que é monitorado, alertado ou relatado,
apresentado e, finalmente, escalado. A integração com outras plataformas de monitoramentos ou plataformas de
ITSM, como o System Center 2016 – Service Manager, Remedy ou ServiceNow, também precisará existir e,
possivelmente, ser configurada em um estado ativo/passivo para evitar a duplicação de incidentes, itens de
configuração etc. Os agentes terão hospedagem múltipla entre os dois grupos de gerenciamento, de modo que
haverá duplicação de dados.
O diagrama a seguir é um exemplo desse cenário de design.
Se a recuperação imediata não for necessária para sua implantação do Operations Manager e você quiser evitar a
complexidade de um grupo de gerenciamento duplicado, como alternativa você poderá implantar componentes
adicionais do grupo de gerenciamento em seu data center secundário para manter a funcionalidade do grupo de
gerenciamento. No mínimo, considere implementar um grupo de disponibilidade do AlwaysOn do SQL Server
2014 ou 2016 para fornecer a recuperação dos bancos de dados Operacional e de Data Warehouse entre dois ou
mais datacenters, em que uma FCI (instância de cluster de failover) de dois nós está implantada no datacenter
principal e um SQL Server autônomo no datacenter secundário como parte de um único WSFC (Windows Server
Failover Cluster). A réplica secundária do grupo de disponibilidade do AlwaysOn estaria na instância autônoma não
FCI, conforme mostrado no diagrama a seguir.

Neste exemplo, você precisaria implantar um ou mais Windows Servers com o mesmo nome do computador e
configuração de hardware e depois reinstalar a função de servidor de gerenciamento usando o parâmetro
/Recover. Durante esse tempo, os agentes colocarão em fila os dados coletados (alertas, eventos, desempenho
etc.) até que podem retomar a comunicação com um servidor de gerenciamento no grupo de gerenciamento. Essa
abordagem evita instalar novas instâncias do SQL Server e restaurar bancos de dados de seu último backup válido
conhecido. No entanto, nesse cenário de recuperação, provavelmente haverá um atraso maior para retornar a um
estado operacional, uma vez que será necessário implantar as outras funções necessárias para retomar a
funcionalidade de monitoramento mínima. Se essa abordagem não for aceitável, você poderá implantar servidores
de gerenciamento em seu data center secundário para recuperação no modo de espera. Eles precisam ser
removidos como membros dos três pools de recursos principais – Pool de Recursos de Todos os Servidores de
Gerenciamento, Notificações e Atribuição de AD. Isso também inclui qualquer pool de recursos personalizado que
possa incluir servidores de gerenciamento hospedados no data center principal e precise continuar funcionando
como parte do plano de recuperação. Os serviços de Acesso a Dados do System Center, Gerenciamento de
Configuração do System Center e o Microsoft Monitoring Agent devem ser interrompidos, definidos como
manual ou desabilitado e devem ser iniciados somente em um cenário de recuperação de desastre.
Se um servidor de gerenciamento der suporte à integração (por meio de um conector hospedado diretamente no
servidor de gerenciamento ou de outro produto do System Center, como o VMM, o Orchestrator ou o Service
Manager), isso precisará ser planejado com etapas de recuperação manual ou automática, dependendo da
configuração de integração e da sequência de etapas de recuperação. Além disso, isso garante que qualquer outra
dependência do servidor de gerenciamento seja capturada e planejada quando o plano de recuperação de desastre
precisar ser implementado.

Se um site ficar offline, o agente efetuará o failover para o servidor de gerenciamento em outro site, presumindo
que a configuração de failover do agente permita isso. Você deve configurar novamente os agentes do Windows
para armazenar em cache apenas os servidores de gerenciamento no seu data center principal, que deve gerenciá-
los para impedir que tentem efetuar o failover para um servidor de gerenciamento no data center secundário, o
que apenas atrasaria a recuperação e a emissão de relatórios. Isso pode ser feito se você implantar manualmente o
agente de maneira automatizada com um script (por exemplo, VBScript ou, melhor ainda, PowerShell) para pré-
configurar durante a instalação ou após a implantação se você enviar por push o agente do console, novamente
usando um método de script gerenciado com sua solução de gerenciamento de configuração corporativa.
O Operations Manager pode ser implantado em máquinas virtuais do Azure como uma opção alternativa de
recuperação de desastre para manter a continuidade do grupo de gerenciamento. Também será necessário
implantar o SQL Server em uma máquina virtual no Azure e não em uma configuração híbrida, uma vez que a
latência entre um servidor de gerenciamento e o SQL Server que hospeda os bancos de dados do Operations
Manager afetará negativamente o desempenho do grupo de gerenciamento.
Considere o escopo de monitoramento, a topologia de rede e a conectividade de rede com o Microsoft Azure (ou
seja, VPN site a site ou ExpressRoute), pontos de integração (ou seja, soluções de ITSM, outros produtos do
System Center, complementos de terceiros etc.), acesso de console, leis ou políticas relevantes ou regulatórias etc.
para arquitetar corretamente esse cenário dentro do IaaS do Azure ou outros provedores de nuvem pública.
Agentes do Operations Manager
09/05/2018 • 29 min to read • Edit Online

No System Center Operations Manager, um agente é um serviço que é instalado em um computador e busca
dados de configuração e coleta proativamente informações para análise e emissão de relatórios, mede o estado
de integridade de objetos monitorados como um banco de dados SQL ou disco lógico e executa tarefas sob
demanda por um operador ou em resposta a uma condição. Ele permite que o Operations Manager monitore
sistemas operacionais Windows, Linux e UNIX e os componentes de um serviço de TI instalado neles, como um
site ou um controlador de domínio do Active Directory.

Agente do Windows
Em um computador Windows monitorado, o agente do Operations Manager está listado como serviço do
Microsoft Monitoring Agent. O serviço do Microsoft Monitoring Agent coleta dados de desempenho e eventos,
executa tarefas e outros fluxos de trabalho definidos em um pacote de gerenciamento. Mesmo quando o serviço
é incapaz de se comunicar com o servidor de gerenciamento ao qual se reporta, o serviço continua a ser
executado e coloca em fila os dados coletados e eventos no disco do computador monitorado. Quando a
conexão for restaurada, o serviço do Microsoft Monitoring Agent enviará os dados coletados e eventos ao
servidor de gerenciamento.

OBSERVAÇÃO
Às vezes, o serviço do Microsoft Monitoring Agent é conhecido como o serviço de integridade.

O serviço do Microsoft Monitoring Agent também é executado em servidores de gerenciamento. Em um


servidor de gerenciamento, o serviço executa fluxos de trabalho de monitoramento e gerencia credenciais. Para
executar fluxos de trabalho, o serviço inicia processos do MonitoringHost.exe usando as credenciais
especificadas. Estes processos monitoram e coletam dados de logs de eventos, dados do contador de
desempenho, dados de Instrumentação de Gerenciamento do Windows (WMI), e executam ações, como scripts.
Comunicação entre agentes e servidores de gerenciamento
O agente do Operations Manager envia dados de alerta e descoberta ao seu servidor de gerenciamento
primário atribuído, o que grava os dados no banco de dados operacional. O agente também envia dados de
eventos, desempenho e estado ao servidor de gerenciamento primário para esse agente, que sobrescrevem os
dados para o banco de dados operacional e data warehouse simultaneamente.
O agente envia dados de acordo com os parâmetros de agendamento para cada regra e monitor. Para regras de
coleta otimizada, os dados somente serão transmitidos se uma amostra de um contador diferir da amostra
anterior por uma tolerância especificada, como 10%. Isto ajuda a reduzir o tráfego de rede e o volume de dados
armazenados no banco de dados operacional.
Além disso, todos os agentes enviam um pacote de dados, chamado de uma pulsação, para o servidor de
gerenciamento em um agendamento regular, por padrão a cada 60 segundos. A finalidade da pulsação é validar
a disponibilidade do agente e comunicação entre o agente e o servidor de gerenciamento. Para obter mais
informações sobre pulsações, consulte How Heartbeats Work in Operations Manager (Como as pulsações
funcionam no Operations Manager).
Para cada agente, o Operations Manager executa um inspetor do serviço de integridade, que monitora o estado
do Serviço de integridade remoto do ponto de vista do servidor de gerenciamento. O agente se comunica com
um servidor de gerenciamento na porta TCP 5723.
Agente do UNIX/Linux
A arquitetura do agente do Unix e Linux difere significativamente da de um agente do Windows. O agente do
Windows tem um Serviço de integridade responsável por avaliar a integridade do computador monitorado. O
agente do Unix e Linux não executa um serviço de integridade, em vez disso ele passa informações para o
Serviço de integridade em um servidor de gerenciamento para serem avaliadas. O servidor de gerenciamento
executa todos os fluxos de trabalho para monitorar a integridade do sistema operacional definido em nossa
implementação dos pacotes de gerenciamento do UNIX/Linux:
Disco
Processador
Memória
Adaptadores de rede
Sistema operacional
Processos
Arquivos de log
Os agentes do UNIX e Linux para o Operations Manager consistem em um Gerenciador de Objetos CIM (ou
seja, o Servidor CIM ) e um conjunto de provedores de CIM. O Gerenciador de Objetos CIM é o componente de
"servidor" que implementa a comunicação, a autenticação, a autorização e a expedição de solicitações de WS -
Management para os provedores. Os provedores são a chave para a implementação do CIM no agente,
definindo as classes e propriedades de CIM, fazendo a interface com as APIs do kernel para recuperar dados
brutos, formatar os dados (por exemplo, calcular deltas e médias) e atender as solicitações expedidas do
Gerenciador de Objetos CIM. Do System Center Operations Manager 2007 R2 ao System Center 2012 SP1, o
Gerenciador de Objetos CIM usado nos agentes UNIX e Linux do Operations Manager é o servidor
OpenPegasus. Os provedores usados para coletar e relatar dados de monitoramento são desenvolvidos pela
Microsoft e fornecidos como software livre em CodePlex.com.
Isso mudou no System Center 2012 R2 Operations Manager, em que os agentes do UNIX/Linux agora são
baseados em uma implementação totalmente consistente da OMI (Open Management Infrastructure) como seu
Gerenciador de Objetos CIM. No caso de agentes do UNIX/Linux do Operations Manager, a OMI está
substituindo o OpenPegasus. Assim como o OpenPegasus, a OMI é uma implementação de Gerenciador de
Objetos CIM leve e portátil de software livre – embora seja mais leve e mais portátil que o OpenPegasus. Essa
implementação continua se aplicando ao System Center 2016 – Operations Manager.

A comunicação entre o servidor de gerenciamento e o agente do UNIX/Linux é dividida em duas categorias,


manutenção do agente e monitoramento de integridade. O servidor de gerenciamento usa dois protocolos para
se comunicar com computadores UNIX ou Linux:
SSH (Secure Shell) e SFTP (Protocolo de Transferência de Arquivos do Secure Shell)
Usado para tarefas de manutenção de agente, como instalar, atualizar e remover agentes.
Serviços Web para Gerenciamento (WS -Management)
Usado para todas as operações de monitoramento e para incluir a descoberta de agentes que já foram
instalados.
A comunicação entre o servidor de gerenciamento do Operations Manager e o agente do UNIX/Linux usa WS -
Man sobre HTTPS e a interface do WinRM. Todas as tarefas de manutenção do agente são executadas por SSH
na porta 22. Todo o monitoramento de integridade é realizado por WS -MAN na porta 1270. O servidor de
gerenciamento solicita dados de configuração e desempenho por WS -MAN antes de avaliar os dados para
fornecer o status de integridade. Todas as ações, como manutenção, monitores, regras, tarefas e recuperações do
agente, estão configuradas para usar perfis predefinidos conforme suas exigências em termos de conta
privilegiada ou sem privilégios.
OBSERVAÇÃO
Todas as credenciais mencionadas neste artigo pertencem a contas que foram estabelecidas no computador UNIX ou
Linux, e não a contas do Operations Manager configuradas durante a instalação do Operations Manager. Entre em contato
com o administrador do sistema para solicitar credenciais e informações de autenticação.

Para dar suporte aos novos aprimoramentos de escalabilidade com o número de sistemas UNIX e Linux, o
System Center 2016 - Operations Manager podem monitorar por servidor de gerenciamento, as novas APIs da
Infraestrutura de Gerenciamento (MI) Assíncrona do Windows estão disponíveis em vez das APIs de
Sincronização WSMAN, que são usadas por padrão. Para habilitar essa alteração, você precisa criar a nova chave
do Registro UseMIAPI para permitir que o Operations Manager use as novas APIs de MI Assíncrono em
servidores de gerenciamento que monitoram sistemas Unix/Linux.
1. Abra o Editor do Registro em um prompt de comandos com privilégios elevados.
2. Crie a chave do Registro UseMIAPI em HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\Microsoft\Microsoft
Operations Manager\3.0\Setup.
Se você precisar restaurar a configuração original usando as APIs de Sincronização WSMAN, exclua a chave do
Registro UseMIAPI.

Segurança do agente
Autenticação no computador Linux/UNIX
No Operations Manager, o administrador do sistema não precisa mais fornecer a senha raiz do computador
UNIX ou Linux ao servidor de gerenciamento. Agora, por elevação, uma conta sem privilégios pode assumir a
identidade de uma conta privilegiada no computador UNIX ou Linux. O processo de elevação é realizado pelos
programas su (superusuário) e sudo do UNIX que usam as credenciais fornecidas pelo servidor de
gerenciamento. Para operações privilegiadas de manutenção de agente que usem SSH (como descoberta,
implantação, atualização, desinstalação e recuperação de agente), oferece-se suporte a su, elevação sudo e
suporte à autenticação de chave de SSH (com ou sem senha). Para operações privilegiadas de WS -Management
(como exibir arquivos de log seguros), adiciona-se o suporte a elevação sudo (sem senha).
Para obter instruções detalhadas para especificar credenciais e configurar contas, consulte How to Set
Credentials for Accessing UNIX and Linux Computers (Como definir credenciais para acessar computadores
UNIX e Linux).
Autenticação com o servidor de gateway
Os servidores de gateway são usados para habilitar o gerenciamento de agente de computadores que se
encontram fora do limite da relação de confiança do Kerberos de um grupo de gerenciamento. Como o servidor
gateway reside em um domínio que não é confiável para o domínio no qual o grupo de gerenciamento reside, é
necessário usar certificados para estabelecer a identidade de cada computador, agente, servidor gateway e
servidor de gerenciamento. Este procedimento satisfaz o requisito do Operations Manager de autenticação
mútua.
Isso exige solicitar certificados para cada agente que reportará a um servidor de gateway e importará os
certificados para o computador de destino por meio da ferramenta MOMCertImport.exe, localizada no diretório
SupportTools\ (amd64 ou x86) da mídia de instalação. Você deve ter acesso a uma AC (autoridade de
certificação), que pode ser uma AC pública como a VeriSign, mas também pode usar o Microsoft Certificate
Services, se preferir.

Implantação do agente
Os agentes do System Center Operations Manager podem ser instalados usando um dos três métodos a seguir.
A maioria das instalações usa uma combinação desses métodos para instalar diferentes conjuntos de
computadores, conforme apropriado.
A descoberta e instalação de um ou mais agentes do Console de Operações. Essa é a forma mais comum de
instalação. Um servidor de gerenciamento deve ser capaz de conectar o computador ao RPC e a Conta de
Ação do servidor de gerenciamento ou outras credenciais fornecidas devem ter acesso administrativo ao
computador de destino.
Inclusão na imagem de instalação. Trata-se de uma instalação manual em uma imagem de base que é usada
para a preparação de outros computadores. Nesse caso, a integração do Active Directory pode ser usada para
atribuir automaticamente o computador a um servidor de gerenciamento durante a inicialização.
Instalação manual. Esse método é usado quando o agente não pode ser instalado por um dos outros métodos
— por exemplo, quando RPC (chamada de procedimento remoto) não está disponível devido a um firewall. A
instalação é executada manualmente no agente ou implantada por meio de uma ferramenta de distribuição
de software existente.
Os agentes instalados com o uso do Assistente de Descoberta podem ser gerenciados pelo console de
Operações, como atualizar versões de agente, aplicar patches e configurar o servidor de gerenciamento ao qual
o agente se reporta.
Quando você instalar o agente usando um método manual, as atualizações para o agente deverão também ser
realizadas manualmente. Você poderá usar a integração do Active Directory para atribuir agentes a grupos de
gerenciamento. Para obter mais informações, consulte Integrando Active Directory e Operations Manager.
Implantação do agente no sistema Windows
A descoberta de um sistema Windows requer que as portas TCP 135 (RPC ), intervalo RPC e TCP 445 (SMB )
permaneçam abertas e que o serviço SMB esteja habilitado no computador do agente.
Após a descoberta de um dispositivo de destino, é possível implantar um agente nele. A instalação do agente
requer:
a abertura de portas RPC, começando no mapeador de ponto de extremidade TCP 135 e da porta do
protocolo SMB TCP/UDP 445.
Habilitar os serviços de Compartilhamento de Arquivos e Impressoras para Redes Microsoft e o Cliente para
Redes Microsoft. (Isso garante que a porta SMB fique ativa.)
Se habilitadas, as configurações de Política de Grupo do Firewall do Windows para Permitir exceção de
administração remota e Permitir exceções no compartilhamento de arquivos e impressoras devem ser
definidas como Permitir mensagens de entrada não solicitadas de para o endereço IP e as sub-redes para os
servidores de gerenciamento primário e secundário para o agente.
Uma conta que tenha direitos de administrador local no computador de destino.
Windows Installer 3.1. Para instalar, consulte o artigo 893803 na Base de Dados de Conhecimento Microsoft
http://go.microsoft.com/fwlink/?LinkId=86322
MSXML (Microsoft Core XML Services) 6 na mídia de instalação do produto do Operations Manager no
subdiretório \msxml. A instalação de agente por push instala o MSXML 6 no dispositivo de destino se ele não
estiver instalado.
Implantação de agente em sistemas UNIX e Linux
No System Center Operations Manager, o servidor de gerenciamento usa dois protocolos para se comunicar
com computadores UNIX ou Linux:
SSH (Secure Shell) para instalar, atualizar e remover agentes.
Serviços Web para Gerenciamento (WS -Management) para todas as operações de monitoramento e para
incluir a descoberta de agentes que já foram instalados.
O protocolo usado varia conforme a ação ou informação solicitada ao servidor de gerenciamento. Todas as ações,
como manutenção, monitores, regras, tarefas e recuperações do agente, estão configuradas para usar perfis
predefinidos conforme suas exigências em termos de conta privilegiada ou sem privilégios.

OBSERVAÇÃO
Todas as credenciais mencionadas nesta seção pertencem a contas que foram estabelecidas no computador UNIX ou Linux,
e não a contas do Operations Manager configuradas durante a instalação do Operations Manager. Entre em contato com o
administrador do sistema para solicitar credenciais e informações de autenticação.

Por elevação, uma conta sem privilégios pode assumir a identidade de uma conta privilegiada no computador
UNIX ou Linux. O processo de elevação é realizado pelos programas su (superusuário) e sudo do UNIX que
usam as credenciais fornecidas pelo servidor de gerenciamento. Para operações privilegiadas de manutenção de
agente que usam SSH (como descoberta, implantação, atualização, desinstalação e recuperação de agente), há
suporte para su, elevação sudo e autenticação de chave de SSH (com ou sem senha). Para operações
privilegiadas de WS -Management (como exibir arquivos de log seguros), há suporte para elevação sudo (sem
senha).

Atribuição de agente do Active Directory


O System Center Operations Manager permite que você aproveite o investimento feito no AD DS (Active
Directory Domain Services), possibilitando seu uso para atribuir computadores gerenciados por agente a grupos
de gerenciamento. Esse recurso normalmente é usado em conjunto com o agente implantado como parte de um
processo de build de implantação do servidor. Quando o computador fica online pela primeira vez, o agente do
Operations Manager consulta o Active Directory quanto à sua atribuição do servidor de gerenciamento primário
e de failover e começa automaticamente a monitorar o computador.
Para atribuir computadores a grupos de gerenciamento usando o AD DS:
O nível funcional de domínios do AD DS deve ser nativo do Windows 2008 ou superior
Computadores gerenciados por agente e todos os servidores de gerenciamento devem estar no mesmo
domínio ou em domínios confiáveis bidirecionais.

OBSERVAÇÃO
Um agente que determina isso é instalado em um controlador de domínio e não consultará o Active Directory quanto a
informações de configuração. Isso ocorre por motivos de segurança. A Integração do Active Directory fica desabilitada por
padrão em controladores de domínio porque o agente é executado sob a conta Sistema Local. A conta Sistema Local em
um controlador de domínio tem direitos de Administrador de Domínio. Portanto, ele detecta todos os pontos de conexão
de serviço do Servidor de Gerenciamento que são registrados no Active Directory, independentemente da associação de
grupo de segurança do controlador de domínio. Como resultado, o agente tenta se conectar a todos os servidores de
gerenciamento em todos os grupos de gerenciamento. Os resultados podem ser imprevisíveis, apresentando assim um
risco à segurança.

A atribuição de agente é realizada por meio de um SCP (ponto de conexão de serviço), que é um objeto do
Active Directory para publicar informações que aplicativos cliente podem usar para se associar a um serviço.
Isso é criado por um administrador de domínio executando a ferramenta de linha de comando
MOMADAdmin.exe para criar um contêiner do AD DS para um grupo de gerenciamento do Operations
Manager nos domínios dos computadores que ele gerencia. O grupo de segurança do AD DS especificado ao
executar o MOMADAdmin.exe recebe permissões filhas de leitura e exclusão para o contêiner. O SCP contém
informações de conexão ao servidor de gerenciamento, incluindo o FQDN e o número da porta do servidor.
Agentes do Operations Manager podem descobrir automaticamente os servidores de gerenciamento
consultando SCPs. A herança não é desabilitada e como um agente pode ler as informações de integração
registradas no AD, se você forçar a herança para o grupo Todos para ler todos os objetos no nível raiz no Active
Directory, isso afetará seriamente e essencialmente interromperá a funcionalidade de Integração do AD. Se você
forçar explicitamente a herança por todo o diretório concedendo ao grupo Todos as permissões de leitura,
precisará bloquear essa herança no contêiner superior da Integração do AD, chamada OperationsManager e
todos os objetos filho. Se você não fizer isso, a Integração do AD não funcionará como projetado e não terá a
atribuição de failover e primária consistente para os agentes implantados. Além disso, se você tiver mais de um
grupo de gerenciamento, todos os agentes em ambos os grupos de gerenciamento serão multihomed também.
Esse recurso funciona bem para controlar a atribuição de agentes em uma implantação de grupo de
gerenciamento distribuído, para impedir que os agentes sejam subordinados a servidores de gerenciamento que
são dedicados a pools de recursos ou servidores de gerenciamento em um data center secundário em uma
configuração de espera passiva para evitar o failover do agente durante a operação normal.
A configuração da atribuição de agente é gerenciada por um administrador do Operations Manager usando o
Assistente de Atribuição e Failover do Agente para atribuir computadores ao servidor de gerenciamento
principal e ao servidor de gerenciamento secundário.

OBSERVAÇÃO
A integração com o Active Directory fica desabilitada para agentes que foram instalados do console de Operações. Por
padrão, a integração do Active Directory é habilitada para agentes instalados manualmente usando MOMAgent.msi.

Próximas etapas
Para entender como instalar o agente do Windows do console de operações, consulte Instalar o agente no
Windows usando o assistente de descoberta ou para instalar o agente da linha de comando, consulte
Instalar manualmente o agente do Windows usando MOMAgent.msi.
Para entender como instalar o Linux e UNIX do console de operações, consulte Instalar o agente em
UNIX e Linux usando o Assistente de Descoberta.
Examine o artigo How to configure and use Active Directory Integration for agent assignment (Como
configurar e usar a Integração do Active Directory para a atribuição de agentes) para saber como criar o
contêiner no Active Directory, configurar a atribuição de failover do agente e gerenciar a configuração.
Configurando um firewall para o Operations
Manager
09/05/2018 • 8 min to read • Edit Online

Esta seção descreve como configurar o firewall para permitir a comunicação entre os diferentes recursos do
Operations Manager em sua rede.

Atribuições de porta
A tabela a seguir exibe a interação dos recursos do Operations Manager através de um firewall, incluindo
informações sobre as portas utilizadas para comunicação entre os recursos, em qual direção abrir a porta de
entrada e se o número da porta pode ser alterado.

OPERATIONS OPERATIONS
MANAGER – RECURSO DIREÇÃO E NÚMERO MANAGER – RECURSO
A DA PORTA B CONFIGURÁVEL OBSERVAÇÃO

Servidor de 1433/TCP ---> Banco de dados do Sim (Instalação) WMI Porta 135
gerenciamento 1434/UDP ---> Operations Manager (DCOM/RPC) para a
135/TCP conexão inicial e
(DCOM/RPC) ---> depois uma porta
atribuída
dinamicamente acima
de 1024. Para saber
mais, consulte
Considerações
especiais para a Porta
135

Servidor de 5723, 5724 ---> Management Server Não Para instalar este
gerenciamento recurso, a porta 5724
deverá estar aberta e
poderá ser fechada
depois que ele for
instalado.

Management Server 161,162 <---> dispositivo de rede Não Todos os firewalls


entre o servidor de
gerenciamento e os
dispositivos de rede
precisam permitir
SNMP (UDP) e ICMP
bidirecionalmente.

Servidor de gateway 5723 ---> Management Server Não

Servidor de 1433/TCP ---> Data warehouse de Não


gerenciamento 1434/UDP ---> relatórios
OPERATIONS OPERATIONS
MANAGER – RECURSO DIREÇÃO E NÚMERO MANAGER – RECURSO
A DA PORTA B CONFIGURÁVEL OBSERVAÇÃO

Servidor de relatórios 5723, 5724 ---> Management Server Não Para instalar este
recurso, a porta 5724
deverá estar aberta e
poderá ser fechada
depois que ele for
instalado.

Console de 5724 ---> Management Server Não


Operações

Fonte do Connector 51905 ---> Management Server Não


Framework

Servidor do console Porta do site Management Server Não


Web --->

Navegador do 51908 ---> Servidor do console Sim (Admin IIS) A porta 51908 é a
console Web Web porta padrão usada
ao selecionar a
Autenticação do
Windows. Se você
selecionar
Autenticação de
Formulários, será
necessário instalar um
certificado SSL e
configurar uma porta
disponível para a
funcionalidade https
do site do console
Web do Operations
Manager.

Console Web para 1433/TCP ---> Banco de dados do Sim (Instalação)


Application 1434 ---> Operations Manager
Diagnostics

Console Web para 1433/TCP ---> Data warehouse de Sim (Instalação)


Application Advisor 1434 ---> relatórios

Servidor de 5724 ---> servidor de Não


gerenciamento gerenciamento
conectado (local) conectado
(Conectado)

Agente do Windows 5723 ---> Management Server Sim (Instalação)


instalado usando o
MOMAgent.msi

Agente do Windows 5723 ---> Servidor Gateway Sim (Instalação)


instalado usando o
MOMAgent.msi
OPERATIONS OPERATIONS
MANAGER – RECURSO DIREÇÃO E NÚMERO MANAGER – RECURSO
A DA PORTA B CONFIGURÁVEL OBSERVAÇÃO

Instalação por push 5723/TCP, 135/TCP, A comunicação é


do agente do 137/UDP, 138/UDP, iniciada no MS/GW
Windows, reparo 139/TCP, 445/TCP com um controlador
pendente, atualização * Portas RPC/DCOM de domínio do Active
pendente altas (SO 2008 e Directory e o
posterior) Portas computador de
49152-65535 destino.

Descoberta de TCP 1270 <--- servidor de Não


agente do gerenciamento ou
UNIX/Linux e servidor de gateway
monitoramento do
agente

Agente UNIX/Linux TCP 22 <--- servidor de Sim


para instalação, gerenciamento ou
atualização e servidor de gateway
remoção de agentes
usando SSH

Serviço OMED TCP 8886 <--- servidor de Sim


gerenciamento ou
servidor de gateway

Servidor de gateway 5723 ---> Management Server Sim (Instalação)

Agente 51909 ---> coletor do Serviço de Sim (Registro)


(Encaminhador ACS Coleta de Auditoria
(Serviço de Coleta de do servidor de
Auditoria)) gerenciamento

Dados de 51906 ---> compartilhamento de Sim (Assistente para


Monitoramento de arquivos de Monitoramento de
Exceções sem Agente Monitoramento de Cliente)
do cliente Exceções sem Agente
do servidor de
gerenciamento

Dados do Programa 51907 ---> ponto de Sim (Assistente para


de Aperfeiçoamento extremidade do Monitoramento de
da Experiência do servidor de Cliente)
Usuário do cliente gerenciamento
(Programa de
Aperfeiçoamento da
Experiência do
Usuário)

Console de 80 ---> SQL Reporting Não O console de


Operações (relatórios) Services Operações usa a
porta 80 para
conectar-se ao site da
Web do SQL
Reporting Services.

Servidor de relatórios 1433/TCP ---> Data warehouse de Sim


1434/UDP ---> relatórios
OPERATIONS OPERATIONS
MANAGER – RECURSO DIREÇÃO E NÚMERO MANAGER – RECURSO
A DA PORTA B CONFIGURÁVEL OBSERVAÇÃO

Servidor de Banco de dados do Sim


gerenciamento Serviço de Coleta de
(coletor dos Serviços Auditoria (ACS)
de Coleta de
Auditoria) 1433/TCP
<---
1434/UDP <---

Se o Service Pack 2 do SQL Server 2014 ou o SQL Server 2016 estiver instalado com uma instância padrão, o
número da porta é 1433. Se o SQL Server estiver instalado com uma instância nomeada, por padrão ele estará
configurado com uma porta dinâmica. Para identificar a porta, faça o seguinte:
1. No SQL Server Configuration Manager, no painel de console, expanda Configuração de Rede do SQL
Server, expanda Protocolos para , clique duas vezes em TCP/IP.
2. Na caixa de diálogo Propriedades TCP/IP na guia endereços IP, tome nota do valor da porta para IPAall.
Se você planeja implantar os bancos de dados do Operations Manager em um SQL Server configurado com um
grupo de disponibilidade do AlwaysOn ou migrar após a instalação, faça o seguinte para identificar a porta:
1. No Pesquisador de Objetos, conecte-se a uma instância de servidor que hospeda qualquer réplica de
disponibilidade do grupo de disponibilidade cujo ouvinte você deseja exibir. Clique no nome do servidor para
expandir a árvore de servidores.
2. Expanda o nó Alta Disponibilidade Always On e o nó Grupos de Disponibilidade.
3. Expanda o nó do grupo de disponibilidade e expanda o nó Ouvintes de Grupos de Disponibilidade.
4. Clique com o botão direito do mouse no ouvinte que você deseja exibir e selecione o comando Propriedades.
Isso abre a caixa de diálogo Propriedades do Ouvinte do Grupo de Disponibilidade.
Como implementar o protocolo TLS 1.2
09/05/2018 • 12 min to read • Edit Online

Este tópico descreve como habilitar o TLS (protocolo TLS ) versão 1.2 para um System Center 2016 – Operations
Manager e a versão 1801 do grupo de gerenciamento.
Execute as etapas a seguir para habilitar o protocolo TLS versão 1.2:
1. Instale o SQL Server 2012 Native Client 11.0 em todos os servidores de gerenciamento e no servidor do
console Web.
2. Instale o .NET Framework 4.6 em todos os servidores de gerenciamento, todos os servidores de gateway, no
servidor do console Web e no SQL Server que hospeda os bancos de dados do Operations Manager e a função
de servidor de relatório.
3. Instale a atualização necessária do SQL Server que seja compatível com o TLS 1.2.
4. Instale o ODBC 11.0 ou o ODBC 13.0 em todos os servidores de gerenciamento.
5. Para o System Center 2016 – Operations Manager, instale o Pacote cumulativo de atualizações 4.
6. Configure o Windows para usar somente o TLS 1.2.
7. Configure o Operations Manager para usar somente o TLS 1.2.
O Operations Manager gera certificados autoassinados SHA1 e SHA2. Isso é necessário para habilitar o TLS 1.2. Se
forem usados certificados assinados por AC, verifique se eles são SHA1 ou SHA2.

OBSERVAÇÃO
Se as políticas de segurança restringirem TLS 1.0 e 1.1, a instalação de uma nova função de servidor de gerenciamento,
servidor gateway, console Web e Reporting Services do Operations Manager 2016 falhará porque a mídia de instalação não
inclui as atualizações compatíveis com TLS 1.2. A única maneira de instalar essas funções é habilitando TLS 1.0 no sistema,
aplicando o pacote cumulativo de atualizações 4 e, em seguida, habilitando o protocolo TLS 1.2 no sistema. Essa limitação não
se aplica ao Operations Manager versão 1801.

Configurar o Windows para usar somente o protocolo TLS 1.2


Use um dos métodos a seguir para configurar o Windows para usar apenas o protocolo TLS 1.2.
Método 1: modificar o Registro manualmente

IMPORTANTE
Siga as etapas nesta seção com cuidado. Problemas sérios podem ocorrer se você modificar o registro incorretamente. Antes
de modificá-lo, faça backup do Registro para uma restauração em caso de problemas.
Use as etapas a seguir para habilitar/desabilitar todos os protocolos SCHANNEL em todo o sistema. Recomendamos que você
habilite o protocolo TLS 1.2 para comunicações de entrada e que habilite os protocolos TLS 1.2, TLS 1.1 e TLS 1.0 para todas
as comunicações de saída.

OBSERVAÇÃO
Essas alterações no Registro não afetam o uso de protocolos Kerberos ou NTLM.

1. Faça logon no servidor usando uma conta que tenha credenciais administrativas locais.
2. Inicie o Editor do Registro clicando com o botão direito do mouse em Iniciar, digite regedit na caixa de texto
Executar e, em seguida, clique em OK.
3. Encontre a seguinte subchave do Registro:
HKEY_LOCAL_MACHINE\System\CurrentControlSet\Control\SecurityProviders\SCHANNEL\Protocols.
4. Crie uma subchave em Protocolos para SSL 2.0, SSL 3.0, TLS 1.0, TLS 1.1e TLS 1.2.
5. Criar uma subchave Client e uma Server em cada subchave de versão de protocolo que você criou
anteriormente. Por exemplo, a subchave para TLS 1.0 seria
HKLM\System\System\CurrentControlSet\Control\SecurityProviders\SCHANNEL\Protocols\TLS
1.0\Client e
HKLM\System\System\CurrentControlSet\Control\SecurityProviders\SCHANNEL\Protocols\TLS
1.0\Server.
6. Para desabilitar cada protocolo, crie os seguintes valores DWORD em Server e Client:
Enabled [Valor = 0]
DisabledByDefault [Valor = 1]
7. Para habilitar o protocolo TLS 1.2, crie os seguintes valores DWORD em
HKLM\System\System\CurrentControlSet\Control\SecurityProviders\SCHANNEL\Protocols\TLS
1.2\Client e
HKLM\System\System\CurrentControlSet\Control\SecurityProviders\SCHANNEL\Protocols\TLS
1.2\Server:
Enabled [Valor = 1]
DisabledByDefault [Valor = 0]
8. Feche o Editor de Registro.
Método 2: modificar o Registro automaticamente
Execute o seguinte script do Windows PowerShell no modo Administrador para configurar automaticamente o
Windows para usar apenas o protocolo TLS 1.2.
$ProtocolList = @("SSL 2.0","SSL 3.0","TLS 1.0", "TLS 1.1", "TLS 1.2")
$ProtocolSubKeyList = @("Client", "Server")
$DisabledByDefault = "DisabledByDefault"
$Enabled = "Enabled"
$registryPath = "HKLM:\\SYSTEM\CurrentControlSet\Control\SecurityProviders\SCHANNEL\Protocols\"

foreach($Protocol in $ProtocolList)
{
Write-Host " In 1st For loop"
foreach($key in $ProtocolSubKeyList)
{
$currentRegPath = $registryPath + $Protocol + "\" + $key
Write-Host " Current Registry Path $currentRegPath"

if(!(Test-Path $currentRegPath))
{
Write-Host "creating the registry"
New-Item -Path $currentRegPath -Force | out-Null
}
if($Protocol -eq "TLS 1.2")
{
Write-Host "Working for TLS 1.2"
New-ItemProperty -Path $currentRegPath -Name $DisabledByDefault -Value "0" -PropertyType DWORD -
Force | Out-Null
New-ItemProperty -Path $currentRegPath -Name $Enabled -Value "1" -PropertyType DWORD -Force | Out-
Null

}
else
{
Write-Host "Working for other protocol"
New-ItemProperty -Path $currentRegPath -Name $DisabledByDefault -Value "1" -PropertyType DWORD -
Force | Out-Null
New-ItemProperty -Path $currentRegPath -Name $Enabled -Value "0" -PropertyType DWORD -Force | Out-
Null
}
}
}

Exit 0

Configurar o Operations Manager para usar apenas o TLS 1.2


Depois de concluir a configuração de todos os pré-requisitos do Operations Manager, execute as seguintes etapas
em todos os servidores de gerenciamento, no servidor que hospeda a função do console Web e em todos os
servidores Windows ou Linux em que o agente esteja instalado.

IMPORTANTE
Siga as etapas nesta seção com cuidado. Problemas sérios podem ocorrer se você modificar o registro incorretamente. Antes
de fazer modificações, faça backup do Registro para uma restauração em caso de problemas.

Modificar o Registro manualmente


1. Faça logon no servidor usando uma conta que tenha credenciais administrativas locais.
2. Inicie o Editor do Registro clicando com o botão direito do mouse em Iniciar, digite regedit na caixa de texto
Executar e, em seguida, clique em OK.
3. Localize a seguinte subchave do Registro:
HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\Microsoft.NETFramework\v4.0.30319.
4. Crie o valor DWORD SchUseStrongCrypto nessa subchave com um valor igual a 1.
5. Localize a seguinte subchave do Registro:
HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\WOW6432Node\Microsoft.NETFramework\v4.0.30319.
6. Crie o valor DWORD SchUseStrongCrypto nessa subchave com um valor igual a 1.
7. Reinicie o sistema para que as configurações entrem em vigor.

Modificar o Registro automaticamente


Execute o seguinte script do Windows PowerShell no modo Administrador para configurar automaticamente o
Operations Manager para usar apenas o protocolo TLS 1.2.

# Tighten up the .NET Framework


$NetRegistryPath = "HKLM:\SOFTWARE\Microsoft\.NETFramework\v4.0.30319"
New-ItemProperty -Path $NetRegistryPath -Name "SchUseStrongCrypto" -Value "1" -PropertyType DWORD -Force | Out-
Null

$NetRegistryPath = "HKLM:\SOFTWARE\WOW6432Node\Microsoft\.NETFramework\v4.0.30319"
New-ItemProperty -Path $NetRegistryPath -Name "SchUseStrongCrypto" -Value "1" -PropertyType DWORD -Force | Out-
Null

Configurações adicionais
Se isso está sendo implementado para o System Center 2016 – Operations Manager, depois de aplicar o Pacote
cumulativo de atualizações 4, importe os pacotes de gerenciamento que estão incluídos neste pacote cumulativo,
localizados no seguinte diretório: \Program Files\Microsoft System Center 2016\Operations
Manager\Server\Management Packs for Update Rollups.
Se você estiver monitorando uma versão compatível do servidor Linux com o Operations Manager, siga as
instruções do site adequado para a sua distribuição a fim de configurar o TLS 1.2.
Serviços de Coleta de Auditoria
Para ACS (Serviços de Coleta de Auditoria), é necessário fazer alterações adicionais no Registro no servidor do
Coletor de ACS. O ACS usa o DSN para estabelecer conexões com o banco de dados. Você deve atualizar as
configurações do DSN para que elas funcionem com o TLS 1.2.
1. Faça logon no servidor usando uma conta que tenha credenciais administrativas locais.
2. Inicie o Editor do Registro clicando com o botão direito do mouse em Iniciar, digite regedit na caixa de texto
Executar e, em seguida, clique em OK.
3. Localize a seguinte subchave ODBC para OpsMgrAC:
HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\ODBC\ODBC.INI\OpsMgrAC.

OBSERVAÇÃO
O nome padrão do DSN é OpsMgrAC.

4. Na subchave ODBC Data Sources, selecione o nome DSN OpsMgrAC. Ele contém o nome do driver
ODBC a ser usado para a conexão de banco de dados. Se você tiver o ODBC 11.0 instalado, altere esse
nome para ODBC Driver 11 for SQL Server ou, se tiver o ODBC 13.0 instalado, altere esse nome para
ODBC Driver 13 for SQL Server.
5. Na subchave OpsMgrAC atualize o Driver para a versão ODBS que está instalada.
Se o ODBC 11.0 estiver instalado, altere a entrada Driver para %WINDIR%\system32\msodbcsql11.dll.
Se o ODBC 13.0 estiver instalado, altere a entrada Driver para %WINDIR%\system32\msodbcsql13.dll.
Como alternativa, crie e salve o arquivo .reg a seguir no Bloco de Notas ou em outro editor de texto. Para
executar o arquivo .reg salvo, clique duas vezes no arquivo.
Para o ODBC 11.0, crie o seguinte arquivo ODBC 11.0.reg:

[HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\ODBC\ODBC.INI\ODBC Data Sources]


"OpsMgrAC"="ODBC Driver 11 for SQL Server"

[HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\ODBC\ODBC.INI\OpsMgrAC]

[HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\ODBC\ODBC.INI\OpsMgrAC]
"Driver"="%WINDIR%\\system32\\msodbcsql11.dll"

Para o ODBC 13.0, crie o seguinte arquivo ODBC 13.0.reg:

[HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\ODBC\ODBC.INI\ODBC Data Sources]


"OpsMgrAC"="ODBC Driver 13 for SQL Server"

[HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\ODBC\ODBC.INI\OpsMgrAC]

[HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\ODBC\ODBC.INI\OpsMgrAC]
"Driver"="%WINDIR%\\system32\\msodbcsql13.dll"

Próximas etapas
Para obter uma lista completa das portas usadas, da direção da comunicação e se as portas podem ser
configuradas, consulte Configuring a Firewall for Operations Manager (Configurando um firewall para o
Operations Manager).
Para uma análise geral de como os dados entre os componentes de um grupo de gerenciamento são
protegidos, consulte Autenticação e criptografia de dados no Operations Manager.
Configurando exclusões de antivírus para o agente e
componentes
09/05/2018 • 4 min to read • Edit Online

Este artigo descreve as exclusões de antivírus que dizem respeito ao System Center 2016 – Operations Manager e
à versão 1801. Para versões anteriores do Operations Manager, confira Recomendações para exclusões de antivírus.

Exclusões por arquivo executável de processo


Se as exclusões forem configuradas com base no arquivo executável de processo, exclua os seguintes processos:
Monitoringhost.exe

OBSERVAÇÃO
Você deve ter cuidado ao adicionar exclusões baseadas em arquivos executáveis. Exclusões configuradas incorretamente
podem evitar a detecção de alguns programas potencialmente perigosos. Portanto, não recomendamos confiar em exclusões
baseadas em processos executáveis para os servidores do Operations Manager.

Exclusões por diretórios


As seguintes exclusões específicas do diretório para o Operations Manager incluem verificações em tempo real,
verificações agendadas e verificações locais. Os diretórios que estão listados aqui são diretórios de aplicativos
padrão, portanto, talvez você tenha que modificar esses caminhos com base no seu ambiente específico. Somente
os seguintes diretórios relacionados ao Operations Manager devem ser excluídos.

OBSERVAÇÃO
Quando um diretório que deve ser excluído tiver um nome de diretório com mais de 8 caracteres, adicione tanto os nomes de
diretório curto e longo à lista de exclusão. Esses nomes são exigidos por alguns programas de antivírus para desviar
subpastas.

COMPONENTE EXCLUSÃO DE DIRETÓRIO

Servidor de banco de dados SQL Server Exclua o diretório que contém os arquivos .ldf e .mdf para
todos os bancos de dados do Operations Manager,
bancos de dados do servidor de relatório e os bancos de
dados master e tempdb.

Servidor de gerenciamento C:\Program Files\Microsoft System Center 2016\Operations


Manager\Server\Health Service State for Operations Manager
2016
C:\Program Files\Microsoft System Center\Operations
Manager\Server\Health Service State for Operations Manager
1801

Servidor de gateway C:\Program Files\System Center Operations


Manager\Gateway\Health Service State
COMPONENTE EXCLUSÃO DE DIRETÓRIO

Agente C:\Program Files\Microsoft Monitoring Agent\Agent\Health


Service State

Exclusão do tipo de arquivo por extensão


As seguintes exclusões com base na extensão do nome de arquivo para o Operations Manager 2016 incluem
verificações em tempo real, verificações agendadas e verificações locais.

COMPONENTE EXCLUSÕES DE EX TENSÃO DE TIPO DE ARQUIVO

Servidor de banco de dados SQL Server Exclua a extensão de tipo de arquivo .ldf e .mdf.
Essas exclusões incluem arquivos de banco de dados do SQL
Server para todos os bancos de dados do Operations
Manager,
bancos de dados do servidor de relatório e os arquivos de
bancos de dados do sistema para master e tempdb.

Servidores de gerenciamento Excluir extensões de tipo de arquivo .edb, .chk e .log.


Servidores de Gateway Essas exclusões incluem os arquivos de log e de fila usados
Agentes pelo Operations Manager.

Próximas etapas
Para obter uma lista completa das portas usadas, da direção da comunicação e se as portas podem ser
configuradas, consulte Configuring a Firewall for Operations Manager (Configurando um firewall para o
Operations Manager).
Contas de Serviço, Usuário e Segurança
09/05/2018 • 13 min to read • Edit Online

Durante a instalação e a operação do Operations Manager, você receberá uma solicitação para fornecer credenciais
de várias contas. O início desta seção fornece informações sobre cada uma dessas contas, incluindo as contas do
SDK e Serviço de Configuração, Instalação do Agente, Gravação dr Data Warehouse e Leitor de Dados.
Se você utilizar contas de domínio e o seu GPO (Objeto de Política de Grupo) de domínio tiver a política de
expiração de senha padrão definida conforme necessário, será necessário alterar as senhas nas contas de serviço
de acordo com o agendamento, usar contas de sistema de baixa manutenção ou ainda configurar essas contas de
forma que suas senhas nunca expirem.

Contas de Ação
No System Center Operations Manager, servidores de gerenciamento, servidores de gateway e agentes executam
um processo chamado MonitoringHost.exe. MonitoringHost.exe é o que cada função de servidor usa para realizar
atividades de monitoramento, como a execução de um monitor ou de uma tarefa. Outros exemplos das ações que
MonitoringHost.exe realiza incluem:
Monitorando e coletando dados do log de eventos do Windows
Monitorando e coletando dados do contador de desempenho do Windows.
Monitorando e coletando dados do WMI (Instrumentação de Gerenciamento do Windows).
Execução de ações como scripts ou lotes.
A conta na qual um processo MonitoringHost.exe é executado é denominada a conta de ação. MonitoringHost.exe
é o processo que executa essas ações usando as credenciais que são especificadas na conta de ação. Uma nova
instância de MonitoringHost.exe é criada para cada conta. A conta de ação do processo MonitoringHost.exe em
execução em um agente é denominada Conta de Ação do Agente. A conta de ação usada pelo processo
MonitoringHost.exe em um servidor de gerenciamento é denominada conta de Ação do Servidor de
Gerenciamento. A conta de ação usada pelo processo MonitoringHost.exe em um servidor de gateway é
denominada conta de Ação do Servidor de Gateway. Em todos os servidores de gerenciamento no grupo de
gerenciamento, é recomendável conceder a essa conta direitos administrativos locais, a menos que o acesso com o
mínimo de privilégios seja necessário para a política de segurança de suas organizações de TI.
A menos que uma ação tenha sido associada a um perfil Executar como, as credenciais usadas para executar a ação
são aquelas definidas para a conta de ação. Para obter mais informações sobre contas Executar como e perfis
Executar como, consulte a seção Contas Executar como. Quando um agente executa ações como a conta de ação
padrão e/ou a conta Executar como, uma nova instância de MonitoringHost.exe é criada para cada conta.
Ao instalar o Operations Manager, você tem a opção de especificar uma conta de domínio ou usar o Sistema Local.
A estratégia mais segura é especificar uma conta de domínio que permita selecionar um usuário com o menor
número de privilégios necessários para o seu ambiente.
É possível usar uma conta com poucos privilégios para a conta de ação do agente. Em computadores que
executam o Windows Server 2008 R2 ou posterior, a conta deve ter os seguintes privilégios mínimos:
Membro de um grupo Usuários local
Membro de um grupo Usuários de Monitor de Desempenho local
Permissão “Permitir logon local” (SetInteractiveLogonRight).
OBSERVAÇÃO
Os privilégios mínimos descritos anteriormente são os privilégios mais baixos que o Operations Manager dá suporte para a
conta de ação. Outras contas Executar como podem ter privilégios mais baixos. Os privilégios reais necessários para a conta de
Ação e as contas Executar como dependerão de quais pacotes de gerenciamento estão sendo executados no computador e
de como eles estão configurados. Para obter mais informações sobre quais privilégios específicos são necessários, consulte o
guia do pacote de gerenciamento apropriado.

A conta de domínio especificada para a conta de ação pode receber a permissão Fazer Logon como Serviço
(SeServiceLogonRight) ou Fazer Logon como Lote (SeBatchLogonRight) se a política de segurança não permite
que uma conta de serviço receba uma sessão logon interativo, como ocorre quando a autenticação de cartão
inteligente é necessária. Faça isso modificando o valor do Registro
HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\Policies\Microsoft\System Center\Health Service:
Nome: Tipo de Logon do Processo de Trabalho
Tipo: REG_DWORD
Valor: 4 significa Fazer Logon como Lote e 5 significa Fazer Logon como Serviço. O padrão é 2, Permitir logon
local.
Isso também pode ser gerenciado de forma centralizada usando a Política de Grupo, com a cópia do arquivo
ADMX healthservice.admx de um servidor de gerenciamento ou um sistema gerenciado por agente localizado na
pasta C:\Windows\PolicyDefinitions e definindo a configuração Tipo de Logon da Conta de Ação de
Monitoramento na pasta Computador Configuration\Administrative Templates\System Center – Operations
Manager. Para obter mais informações sobre como trabalhar com arquivos ADMX da Política de Grupo, consulte
Gerenciando arquivos ADMX da Política de Grupo.

Serviço de Configuração do System Center e conta do Serviço de


Acesso a Dados do System Center
O serviço de Configuração do System Center e a conta de serviço de Acesso a Dados do System Center são
usados pelos serviços de Acesso a Dados do System Center e Configuração de Gerenciamento do System Center
para atualizar informações no banco de dados Operational. As credenciais usadas para a conta de ação serão
atribuídas à função sdk_user no banco de dados Operacional.
A conta deve ser de Usuário do Domínio ou de Sistema Local. A conta usada para a conta de SDK e Serviço de
Configuração deve ter direitos administrativos locais em todos os servidores de gerenciamento no grupo de
gerenciamento. Não há suporte para o uso de contas de Usuário Local. Para maior segurança, é recomendável que
você use uma conta diferente daquela usada para a Conta de Ação do Servidor de Gerenciamento.

OBSERVAÇÃO
Se o banco de dados do Operations Manager estiver instalado em um computador separado do servidor de Gerenciamento
e o Sistema Local for selecionado para a conta de serviço de Acesso a Dados e Configuração, a conta de computador no
computador do servidor de gerenciamento será atribuída à função sdk_user no computador do banco de dados do
Operations Manager.

Conta de Gravação do Data Warehouse


A conta de Gravação do Data Warehouse é a conta usada para gravar dados do servidor de gerenciamento no
data warehouse de Relatórios e lê dados do banco de dados do Operations Manager. A tabela a seguir descreve as
funções e associações atribuídas à conta de usuário do domínio durante a instalação.
APLICATIVO BANCO DE DADOS/FUNÇÃO FUNÇÃO/CONTA

Microsoft SQL Server OperationsManager db_datareader

Microsoft SQL Server OperationsManager dwsync_user

Microsoft SQL Server OperationsManagerDW OpsMgrWriter

Microsoft SQL Server OperationsManagerDW db_owner

Operations Manager Função de usuário Administradores de Segurança de


Relatório do Operations Manager

Operations Manager Conta Executar como Conta de Ação do Data Warehouse

Operations Manager Conta Executar como Conta do Leitor de Sincronização de


Configuração do Data Warehouse

Conta do Leitor de Dados


A conta do Leitor de Dados é usada para implantar relatórios, definir qual usuário é utilizado pelo SQL Server
Reporting Services para executar consultas no data warehouse de Relatórios e definir a conta do SQL Reporting
Services a ser conectada ao servidor de gerenciamento. Essa conta de usuário de domínio é adicionada ao Perfil de
Usuário do Administrador de Relatório. A tabela a seguir descreve as funções e associações atribuídas à conta
durante a instalação.

APLICATIVO BANCO DE DADOS/FUNÇÃO FUNÇÃO/CONTA

Microsoft SQL Server Instância de instalação do Reporting Conta de Execução do Servidor de


Services Relatório

Microsoft SQL Server OperationsManagerDW OpsMgrReader

Operations Manager Função de usuário Operadores de Relatório do Operations


Manager

Operations Manager Função de usuário Administradores de Segurança de


Relatório do Operations Manager

Operations Manager Conta Executar como Conta de Implantação de Relatório do


Data Warehouse

Serviço Windows SQL Server Reporting Services Conta de logon

Verifique se a conta que você planeja usar para a conta do leitor de dados tem direitos de Logon como serviço e
Permitir Logon Localmente para cada servidor de gerenciamento e o SQL Server que hospeda a função de
Servidor de Relatórios.

Conta de Instalação do Agente


Ao executar a implantação do agente baseada em descoberta, é necessária uma conta com privilégios de
Administrador nos computadores de destino da instalação do agente. A conta de ação do servidor de
gerenciamento é a conta padrão da instalação do agente. Se a conta de ação do servidor de gerenciamento não
tiver direitos de administrador, o operador deverá fornecer uma conta de usuário e senha com direitos
administrativos nos computadores de destino. Essa conta é criptografada antes de ser usada e depois é descartada.

Conta de Ação de Notificação


A conta de Ação de Notificação é a conta usada para criar e enviar notificações. Essas credenciais devem ter
direitos suficientes para o servidor SMTP, o servidor de mensagens instantâneas ou o servidor SIP que será usado
para notificações.
Perfis e Contas Executar como
09/05/2018 • 16 min to read • Edit Online

Contas Executar como definem quais credenciais serão usadas para determinadas ações que são executadas pelo
agente do Operations Manager. Essas contas são gerenciadas centralmente por meio do console de Operações e
atribuídas a diferentes perfis Executar como. Se um perfil Executar como estiver não for atribuído a uma ação
específica, ela será executada sob a conta de Ação Padrão. Em um ambiente de baixo privilégio, a conta padrão
pode não ter as permissões necessárias para uma determinada ação e um perfil Executar como pode ser usado
para fornecer essa autoridade. Pacotes de gerenciamento podem instalar perfis e contas Executar como para dar
suporte a ações necessárias. Se esse for o caso, sua documentação deverá ser consultada quanto às configurações
necessárias.

Contas Executar como padrão


A tabela a seguir lista as contas Executar como padrão criadas pelo Operations Manager durante a instalação.

NAME DESCRIÇÃO CREDENCIAIS

Domain\ManagementServerActionAcco Esta é a conta de usuário na qual todas Conta de domínio especificada como a
unt as regras são executadas por padrão conta de ação do Servidor de
nos servidores de gerenciamento. Gerenciamento durante a instalação.

Conta de ação Sistema Local Conta de sistema interna usada como Conta do Sistema Local do Windows
uma conta de ação.

Conta de APM Conta de Monitoramento do Conta binária criptografada


Desempenho de Aplicativos utilizada
para fornecer chaves para criptografia
de informações seguras coletadas do
aplicativo durante o monitoramento.

Conta de ação do Data Warehouse Usada para autenticar no SQL Server Conta de domínio especificada durante
que hospeda o banco de dados a instalação como conta de Gravação
OperationsManagerDW. do Data Warehouse.

Conta de Implantação de Relatório do Usada para autenticar entre o servidor Conta de domínio especificada durante
Data Warehouse de gerenciamento e o SQL Server que a instalação como conta do Leitor de
hospeda o Operations Manager Dados.
Reporting Services.

Conta do Sistema Local do Windows Conta de SISTEMA interna usada pela Conta do Sistema Local do Windows
conta de ação do agente.

Conta de Serviço de Rede do Windows Conta de Serviço de Rede interna Conta NetworkService do Windows

Perfis Executar como padrão


A tabela a seguir lista os perfis Executar como padrão criados pelo Operations Manager durante a instalação.
Observe que, se a conta Executar como for deixada em branco para o perfil em particular, a conta de Ação Padrão
(a conta de Ação do Servidor de Gerenciamento ou a conta de Ação do agente, dependendo do local da ação) será
usada.
NAME DESCRIÇÃO CONTA EXECUTAR COMO

Conta de Atribuição de Agente baseada Conta usada pelo módulo de atribuição Conta do Sistema Local do Windows
no Active Directory de agentes baseado no Active Directory
para publicar configurações de
atribuição no Active Directory.

Conta de Gerenciamento Automático Essa conta será usada para diagnosticar Nenhum
de Agente automaticamente falhas do agente.

Conta de Ação de Monitoramento de Se for especificada, será usada pelo Nenhum


Clientes Operations Manager 2016 para
executar todos os módulos de
monitoramento de clientes. Se não for
especificada, o Operations Manager
usará a conta de ação padrão.

Conta do Grupo de Gerenciamento Conta usada pelo pacote de Nenhum


Conectado gerenciamento do Operations Manager
para monitorar a integridade de
conexão com os grupos de
gerenciamento conectados.

Conta do Data Warehouse Se especificada, essa conta é usada para Nenhum


executar todas as regras de
sincronização e coleta do Data
Warehouse em vez da conta da ação
padrão. Se esta conta não for
substituída pela Conta de Autenticação
de Data Warehouse do SQL Server, ela
será usada pelas regras de
sincronização e coleta para se conectar
aos bancos de dados do Data
Warehouse usando a autenticação
integrada do Windows.

Conta de Implantação de Relatório do Essa conta é usada pelos Conta de Implantação de Relatório do
Data Warehouse procedimentos de relatório de Data Warehouse
implantação automática do Data
Warehouse para executar diversas
operações relativas à implantação de
relatórios.

Conta de Autenticação do SQL Server Se especificados, esse nome de logon e Conta de Autenticação do SQL Server
do Data Warehouse senha serão usados pelas regras de do Data Warehouse
sincronização e coleta para se conectar
aos bancos de dados do Data
Warehouse usando a autenticação do
SQL Server.

Conta de Ação MPUpdate Esta conta é usada pelo notificador Nenhum


MPUpdate.

Conta de Notificação Conta do Windows usada por regras de Nenhum


notificação. Usar o endereço de email
desta conta como o endereço "De" do
email e de mensagens instantâneas.
NAME DESCRIÇÃO CONTA EXECUTAR COMO

Conta do Banco de Dados Operacional Esta conta é usada para ler e gravar Nenhum
informações no banco de dados do
Operations Manager.

Conta de Monitoramento Privilegiada Este perfil é usado para monitoramento, Nenhum


o que só pode ser feito com um alto
nível de privilégio em um sistema. Por
exemplo, monitoramento que exige
permissões de Sistema Local ou
Administrador Local. O padrão desse
perfil é Sistema Local, a menos que seja
especificamente substituído para um
sistema de destino.

Conta de Autenticação no SQL Server Se especificados, esse nome de logon e Conta de Autenticação no SQL Server
do SDK de Relatórios senha são usados pelo Serviço SDK do SDK de Relatórios
para se conectar aos bancos de dados
do Data Warehouse usando a
autenticação do SQL Server.

Reservado Este perfil está reservado e não deve Nenhum


ser usado

Conta de Inscrição de Alerta de Conta usada pelo módulo de assinatura Conta do Sistema Local do Windows
Validação de alerta de validação que valida que as
inscrições de notificação estão no
escopo. Este perfil precisa de direitos de
administrador.

Conta de Monitoramento SNMP Essa conta é usada para o Nenhum


monitoramento SNMP.

Conta de Monitoramento SNMPv3 Essa conta é usada para o Nenhum


monitoramento SNMPv3.

Conta de Ação de UNIX/Linux Esta conta é usada para acesso de baixo Nenhum
privilégio a UNIX e Linux.

Conta de Manutenção do Agente Esta conta é usada para operações de Nenhum


UNIX/Linux manutenção privilegiadas para agentes
UNIX e Linux. Sem esta conta, as
operações de manutenção de agente
não funcionarão.

Conta com privilégios UNIX/Linux Esta conta é usada para acessar Nenhum
recursos protegidos do UNIX e do Linux
e ações que exigem altos privilégios.
Sem esta conta, algumas regras,
diagnósticos e recuperações não
funcionarão.
NAME DESCRIÇÃO CONTA EXECUTAR COMO

Conta de Ação do Cluster do Windows Esse perfil é usado para todas as Nenhum
descobertas e os monitoramentos dos
componentes do Cluster do Windows.
Este perfil tem como padrão a conta de
ação usada, a menos que seja
preenchido especificamente pelo
usuário.

Conta de Ação do WS-Management Este perfil é usado para acesso ao WS- Nenhum
Management.

Noções básicas sobre distribuição e direcionamento


A distribuição e o direcionamento das contas Executar como devem ser configurados corretamente para que o
perfil Executar como funcione corretamente.
Ao configurar um perfil Executar como, selecione as contas de Executar como que deseja associar a esse perfil.
Depois de criar essa associação, você pode especificar a classe, o grupo ou o objeto para o qual a conta Executar
como será usada para executar tarefas, regras, monitores e descobertas.
A distribuição é um atributo de uma conta Executar como e você pode especificar quais computadores receberão
as credenciais da conta Executar como. Você pode optar por distribuir as credenciais da conta Executar como a
todos os computadores gerenciados por agentes ou apenas aos computadores selecionados.
Exemplo de direcionamento de conta Executar como: o computador físico ABC hospeda duas instâncias do
Microsoft SQL Server, a X e a Y. Cada instância usa um conjunto diferente de credenciais para a conta SA. Crie
uma conta Executar como com as credenciais SA para a instância X e uma conta Executar como diferente, com as
credenciais SA, para a instância Y. Ao configurar o perfil Executar como do SQL Server, você associa as credenciais
da conta Executar como das instâncias – por exemplo, X e Y – ao perfil e especifica que as credenciais da instância
X da conta Executar como precisam ser usadas para a instância X do SQL Server e que as credenciais da instância
Y da conta Executar como precisam ser usadas para a instância Y do SQL Server. Em seguida, você também deve
configurar cada conjunto de credenciais de contas Executar como a serem distribuídas ao computador físico ABC.
Exemplo de distribuição de conta Executar como: SQL Server1 e SQL Server2 são dois computadores físicos
diferentes. SQL Server1 usa o conjunto de credenciais UserName1 e Password1 para a conta SA do SQL. SQL
Server2 usa o conjunto de credenciais UserName2 e Password2 para a conta SA do SQL. O pacote de
gerenciamento do SQL tem um único perfil Executar como SQL que é usado para todos os SQL Servers. Você
pode definir uma conta Executar para o conjunto de credenciais de UserName1 e outra conta Executar como para
o conjunto de credenciais de UserName2. Essas duas contas Executar como podem ser associadas ao perfil
Executar como do SQL Server e podem ser configuradas para serem distribuídas para os computadores
adequados. Ou seja, UserName1 é distribuído para SQL Server1 e UserName2 é distribuído para SQL Server2.
As informações de conta enviadas entre o servidor de gerenciamento e o computador designado são
criptografadas.

Segurança de conta Executar como


No System Center Operations Manager, as credenciais da conta Executar como são distribuídas somente para os
computadores especificados (a opção mais segura). Se o Operations Manager distribuir automaticamente a conta
Executar como de acordo com a descoberta, um risco de segurança será introduzido no ambiente, como ilustrado
no seguinte exemplo. É por isso que uma opção de distribuição automática não foi incluída no Operations
Manager.
Por exemplo, o Operations Manager identifica um computador como hospedando o SQL Server 2016 com base
na presença de uma chave do Registro. É possível criar essa mesma chave do Registro em um computador que
não está realmente executando uma instância do SQL Server 2016. Se o Operations Manager distribuísse
automaticamente as credenciais aos computadores gerenciados por todos os agentes identificados como
computadores SQL Server 2016, as credenciais seriam enviadas ao SQL Server impostor e estariam disponíveis
para qualquer pessoa com direitos de administrador para esse servidor.
Quando cria uma conta Executar como usando o Operations Manager 2016, você é solicitado a escolher se a conta
Executar como deve ser tratada de modo Menos seguro ou Mais seguro. "Mais seguro" significa que quando a
conta Executar como é associada a um perfil Executar como, você precisa fornecer os nomes de computador
específicos aos quais deseja distribuir as credenciais de Executar como. Ao identificar positivamente os
computadores de destino, você pode impedir o cenário de falsificação que foi descrito antes. Se você escolher a
opção menos segura, não será preciso fornecer nenhum computador específico, e as credenciais serão distribuídas
aos computadores gerenciados por todos os agentes.

OBSERVAÇÃO
As credenciais selecionadas para a conta Executar como devem ter, no mínimo, direitos de logon localmente, caso contrário, o
módulo falhará.
Planejando credenciais de segurança para acessar
computadores UNIX e Linux
09/05/2018 • 15 min to read • Edit Online

Este tópico descreve as credenciais necessárias para instalar, manter, atualizar e desinstalar agentes em um
computador UNIX ou Linux.
No Operations Manager, o servidor de gerenciamento usa dois protocolos para se comunicar com
computadores UNIX ou Linux:
SSH (Secure Shell) e SFTP (Protocolo de Transferência de Arquivos do Secure Shell)
Usado para instalar, atualizar e remover agentes.
Serviços Web para Gerenciamento (WS -Management)
Usado para todas as operações de monitoramento e para incluir a descoberta de agentes que já foram
instalados.
O protocolo usado varia conforme a ação ou informação solicitada ao servidor de gerenciamento. Todas as
ações, como manutenção, monitores, regras, tarefas e recuperações do agente, estão configuradas para usar
perfis predefinidos conforme suas exigências em termos de conta privilegiada ou sem privilégios.
No Operations Manager, o administrador do sistema não precisa mais fornecer a senha raiz do computador
UNIX ou Linux ao servidor de gerenciamento. Agora, por elevação, uma conta sem privilégios pode assumir a
identidade de uma conta privilegiada no computador UNIX ou Linux. O processo de elevação é realizado pelos
programas su (superusuário) e sudo do UNIX que usam as credenciais fornecidas pelo servidor de
gerenciamento. Para operações privilegiadas de manutenção de agente que usem SSH (como descoberta,
implantação, atualização, desinstalação e recuperação de agente), oferece-se suporte a su, elevação sudo e
suporte à autenticação de chave de SSH (com ou sem senha). Para operações privilegiadas de WS -Management
(como exibir arquivos de log seguros), adiciona-se o suporte a elevação sudo (sem senha).

Credenciais para instalar agentes


O Operations Manager usa o protocolo SSH para instalar um agente e Serviços Web para Gerenciamento (WS -
Management) para descobrir os agentes instalados anteriormente. A instalação requer uma conta com
privilégios no computador UNIX ou Linux. Há duas maneiras de fornecer credenciais para o computador de
destino, conforme obtidas pelo Assistente para Gerenciamento de Computadores e Dispositivos:
Especifique um nome de usuário e uma senha.
O protocolo SSH utilizará a senha para instalar um agente ou o protocolo WS -Management, se o agente
já tiver sido instalado com o uso de um certificado assinado.
Especifique um nome de usuário e uma chave SSH. A chave pode incluir uma senha opcional.
Se você não estiver usando as credenciais de uma conta com privilégios, poderá fornecer credenciais adicionais
para que sua conta se torne uma conta com privilégios por meio da elevação de privilégio no computador UNIX
ou Linux.
A instalação só será concluída após a verificação do agente. A verificação do agente é executada pelo protocolo
WS -Management que usa credenciais mantidas no servidor de gerenciamento, separadas da conta com
privilégios usada para instalar o agente. Será necessário fornecer um nome de usuário e uma senha para
verificação do agente se você tiver feito o seguinte:
Indicado uma conta com privilégios usando uma chave.
Indicado uma conta sem privilégios a ser elevada com o uso do sudo com uma chave.
Execute o assistente com o Tipo de Descoberta definido como Descobrir apenas computadores com
o agente UNIX/Linux instalado.
Se desejar, você poderá instalar o agente, incluindo seu certificado, de modo manual no computador UNIX ou
Linux e depois descobrir esse computador. Essa é a maneira mais segura de instalar agentes. Para obter mais
informações, consulte Instalar agente e certificado em computadores UNIX e Linux usando a linha de comando.

Credenciais para monitorar operações e executar a manutenção do


agente
O Operations Manager contém três perfis predefinidos a serem usados para monitorar computadores UNIX e
Linux e executar a manutenção do agente:
Conta de ação UNIX/Linux
Esse é um perfil de conta sem privilégios, necessário para o monitoramento da integridade básica e do
desempenho.
Conta com privilégios UNIX/Linux
Esse é um perfil de conta com privilégios, usado para monitorar os recursos protegidos, como arquivos de
log.
Conta de manutenção UNIX/Linux
Esse perfil é usado para operações de manutenção privilegiadas, como atualizar e remover agentes.
Nos pacotes de gerenciamento UNIX e Linux, todas as regras, monitores, tarefas, recuperações e outros
elementos são configurados para usar esses perfis. Consequentemente, não é necessário definir perfis adicionais
usando o Assistente de Perfis Executar como, a menos que circunstâncias especiais exijam isso. Os perfis não são
cumulativos no escopo. Por exemplo, o perfil de conta de manutenção UNIX/Linux não pode ser usado no lugar
de outros perfis simplesmente porque foi configurado com o uso de uma conta com privilégios.
No Operations Manager, um perfil não pode funcionar até que seja associado a pelo menos uma conta Executar
como. As credenciais para acessar os computadores UNIX ou Linux são configuradas nas contas Executar como.
Como não há contas Executar como predefinidas para monitoramento do UNIX e do Linux, você deve criá-las.
Para criar uma conta Executar como, você deve executar o Assistente para Criação de Conta Executar como
do UNIX/Linux disponível quando a opção Contas UNIX/Linux está selecionada no espaço de trabalho
Administração . O assistente cria uma conta Executar como com base na escolha de um tipo de conta Executar
como. Há dois tipos de conta Executar como:
Conta de monitoramento
Use essa conta para o monitoramento contínuo da integridade e do desempenho em operações que se
comunicam utilizando o WS -Management.
Conta de manutenção do agente
Use essa conta para manutenção do agente, como atualização e desinstalação em operações que se
comunicam com o uso de SSH.
Esses tipos de conta Executar como podem ser configurados para diferentes níveis de acesso, de acordo com as
credenciais fornecidas. As credenciais podem ser contas com ou sem privilégios ou contas sem privilégios que
serão elevadas para contas com privilégios. A tabela a seguir mostra as relações entre os perfis, as contas
Executar como e os níveis de acesso.

PERFIS TIPO DE CONTA EXECUTAR COMO NÍVEIS DE ACESSO PERMITIDOS

Conta de ação UNIX/Linux Conta de monitoramento - Sem privilégios


- Com privilégios
- Sem privilégios, elevada a com
privilégios

Conta com privilégios UNIX/Linux Conta de monitoramento - Com privilégios


- Sem privilégios, elevada a com
privilégios

Conta de manutenção UNIX/Linux Conta de manutenção do agente - Com privilégios


- Sem privilégios, elevada a com
privilégios

Observe que há três perfis, mas apenas dois tipos de conta Executar como.
Ao especificar um Tipo de Conta Executar como de Monitoramento, você deve especificar um nome de usuário e
uma senha a serem utilizados pelo protocolo WS -Management. Quando especifica um Tipo de Conta Executar
como de Manutenção do Agente, você deve especificar o modo como as credenciais são fornecidas ao
computador de destino usando o protocolo SSH:
Especifique um nome de usuário e uma senha.
Especifique um nome de usuário e uma chave. Você pode incluir uma senha opcional.
Após a criação de contas Executar como, você deve editar os perfis UNIX e Linux para associá-los às contas
desse tipo criadas. Para obter instruções detalhadas, consulte Como configurar contas e perfis Executar como
para acesso no UNIX e Linux

Considerações importantes sobre segurança


O agente Linux/UNIX do Operations Manager usa o mecanismo de PAM (Módulo de Autenticação Conectável)
padrão no computador Linux ou UNIX para autenticar o nome de usuário e senha especificados no Perfil de
Ação e no Perfil de Privilégio. Todos os nomes de usuário com uma senha que o PAM autenticar poderão
executar funções de monitoramentos, incluindo a execução de linhas de comando e scripts que coletam dados de
monitoramento. Essas funções de monitoramentos sempre são executadas no contexto desse nome de usuário (a
menos que a elevação sudo esteja habilitada explicitamente para esse nome de usuário), portanto, o agente do
Operations Manager não fornece nenhuma funcionalidade a mais do que se o nome de usuário fizesse logon no
sistema Linux/UNIX.
No entanto, a autenticação do PAM usada pelo agente do Operations Manager não exige que o nome de usuário
tenha um shell interativo associado. Se suas práticas de gerenciamento de conta do UNIX/Linux incluem a
remoção do shell interativo como uma maneira de pseudodesabilitar uma conta, essa remoção não impede que
a conta seja usada para se conectar ao agente do Operations Manager e executar funções de monitoramento.
Nesses casos, você deve usar a configuração adicional do PAM para garantir que essas contas
pseudodesabilitadas não sejam autenticadas para o agente do Operations Manager.

Credenciais para atualização e desinstalação de agentes


O Assistente para Atualização do Agente do UNIX/Linux e o Assistente para Desinstalação do Agente
do UNIX/Linux fornecem credenciais para os computadores de destino. Primeiro, os assistentes solicitam que
você selecione os computadores de destino para atualização ou desinstalação, em seguida, é necessário informar
as opções relacionadas ao modo como as credenciais devem ser fornecidas ao computador de destino:
Usar contas Executar como associadas existentes
Selecione essa opção para usar as credenciais associadas ao perfil de conta de ação UNIX/Linux e ao
perfil de conta de manutenção UNIX/Linux.
O assistente alertará se o seu ou mais computadores selecionados não tiverem uma conta Executar como
associada nos perfis necessários; nesse caso, você deverá voltar e limpar os computadores que não
tiverem uma conta Executar como associada ou especificar credenciais.
Especificar credenciais
Selecione essa opção para especificar as credenciais de SSH utilizando um nome de usuário e uma senha
ou um nome de usuário e uma chave. Opcionalmente, você pode fornecer uma senha com uma chave. Se
as credenciais não pertencerem a uma conta com privilégios, elas poderão ser elevadas a uma conta com
privilégios no computador de destino com o uso dos programas de elevação UNIX su ou sudo. A
elevação 'su' requer uma senha. Se usar a elevação sudo, você receberá uma solicitação para informar um
nome de usuário e uma senha para verificação de agente usando uma conta sem privilégios.
Autenticação e criptografia de dados no Operations
Manager
09/05/2018 • 20 min to read • Edit Online

O System Center Operations Manager consiste em recursos como o servidor de gerenciamento, servidor de
gateway, servidor de Relatórios, banco de dados Operacional, data warehouse de Relatórios, agente, console Web
e console de Operações. Esta seção explica como a autenticação é realizada e identifica canais de conexão onde os
dados são criptografados.

Autenticação com base em certificado


Quando um agente e um servidor de gerenciamento do Operations Manager estiverem separados por um limite
não confiável de floresta ou grupo de trabalho, a autenticação baseada em certificados precisará ser
implementada. As seções a seguir fornecem informações sobre estas situações, bem como procedimentos
específicos para a obtenção e a instalação de certificados de autoridades de certificação com base no Windows.
Configurando a comunicação entre agentes e servidores de gerenciamento dentro do mesmo limite de
confiança
Um agente e o servidor de gerenciamento usam a autenticação do Windows para se autenticarem mutuamente
uns com os outros antes que o servidor de gerenciamento aceite dados do agente. O protocolo Kerberos versão 5
é o método padrão para fornecer essa autenticação. Para que a autenticação mútua baseada no Kerberos funcione,
os agentes e o servidor de gerenciamento precisam estar instalados em um domínio do Active Directory. Se um
agente e um servidor de gerenciamento estiverem em domínios separados, deverá haver uma confiança total
entre esses domínios. Neste cenário, após a realização da autenticação mútua, o canal de dados entre o agente e o
servidor de gerenciamento é criptografado. Nenhuma intervenção do usuário é necessária para que a autenticação
e a criptografia possam ocorrer.
Configurando a comunicação entre agentes e servidores de gerenciamento entre limites de confiança
Um agente (ou agentes) pode estar implantado em um domínio (domínio B ) à parte do servidor de gerenciamento
(domínio A), sem que haja uma confiança bidirecional entre esses domínios. Como não existe confiança entre os
dois domínios, os agentes em um domínio não podem ser autenticados no servidor de gerenciamento do outro
domínio usando o protocolo Kerberos. A autenticação mútua entre os recursos do Operations Manager dentro de
cada domínio ainda ocorre. Uma solução para esta situação é instalar um servidor gateway no mesmo domínio
em que os agentes residem e depois instalar certificados nesse servidor gateway e no servidor de gerenciamento
para obter a autenticação mútua e a criptografia de dados. O uso do servidor gateway significa que é necessário
ter apenas um certificado no domínio B e uma porta através do firewall, como mostra a ilustração a seguir.
Configurando a comunicação entre um domínio – limite de grupo de trabalho
No seu ambiente, é possível que haja um ou dois agentes implantados em um grupo de trabalho dentro do
firewall. O agente nesse grupo de trabalho não consegue se autenticar no servidor de gerenciamento do domínio
usando o protocolo Kerberos. Uma solução para essa situação é instalar certificados tanto no computador que
hospeda o agente quanto no servidor de gerenciamento ao qual esse agente se conecta, como mostra a ilustração
a seguir.

OBSERVAÇÃO
Neste cenário, o agente deve ser manualmente instalado.

Realize as etapas a seguir no computador que hospeda o agente e no servidor de gerenciamento, usando a mesma
CA (autoridade de certificação) para cada um:
1. Solicite certificados da CA.
2. Aprove as solicitações de certificado na CA.
3. Instale os certificados aprovados nos repositórios de certificados dos computadores.
4. Use a ferramenta MOMCertImport para configurar o Operations Manager.
Estas são as mesmas etapas para a instalação de certificados em um servidor gateway, a exceção é que você não
instala ou executa a ferramenta de aprovação de gateway
Confirmando a instalação do certificado
Se você tiver instalado o certificado corretamente, o evento a seguir será gravado no log de eventos do Operations
Manager.

DIGITE ORIGEM ID DO EVENTO GERAL

Informações Conector do OpsMgr 20053 O Conector do OpsMgr


carregou com êxito o
certificado de autenticação
especificado.

Durante a configuração de um certificado, você executa a ferramenta MOMCertImport. Ao final da execução


dessa ferramenta, o número de série do certificado importado é gravado na seguinte subchave do Registro.
HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\Microsoft\Microsoft Operations Manager\3.0\Machine Settings

Cu i dado

A edição incorreta do registro pode danificar gravemente o sistema. Antes de alterar o Registro, faça backup de
todos os dados importantes do computador.

Autenticação e criptografia de dados entre o servidor de


gerenciamento, servidor Gateway e agentes
A comunicação entre estes recursos do Operations Manager começa com a autenticação mútua. Se houver
certificados presentes em ambas as extremidades do canal de comunicações, estes certificados serão usados para
autenticação mútua; caso contrário, o protocolo Kerberos versão 5 será usado. Se quaisquer dois recursos
estiverem separados em um domínio não confiável, a autenticação mútua deverá ser realizada com o uso de
certificados. Comunicações normais, como eventos, alertas e a implantação de um pacote de gerenciamento,
ocorrem através deste canal. A ilustração anterior mostra um exemplo de alerta sendo gerado em um dos agentes
que está direcionado ao servidor de gerenciamento. Do agente até o servidor gateway, o pacote de segurança
Kerberos é usado para criptografar os dados, pois o servidor gateway e o agente se encontram no mesmo
domínio. O alerta é descriptografado pelo servidor gateway e novamente criptografado com o uso de certificados
para o servidor de gerenciamento. Depois de receber o alerta, o servidor de gerenciamento descriptografa a
mensagem, volta a criptografá-la com o uso do protocolo Kerberos e a envia ao servidor de gerenciamento, que
por sua vez descriptografa esse alerta. Uma parte da comunicação entre o servidor de gerenciamento e o agente
pode incluir informações sobre credenciais; por exemplo, tarefas e dados de configuração. O canal de dados entre
o agente e o servidor de gerenciamento acrescenta outra camada de criptografia além da criptografia de canal
normal. Nenhuma intervenção do usuário é necessária.

Servidor de gerenciamento e console de Operações, servidor de


console Web e servidor de Relatórios
O procedimento de autenticação e criptografia de dados entre o servidor de gerenciamento e o console de
Operações, servidor de console Web ou servidor de Relatórios é realizado com o uso da tecnologia WCF
(Windows Communication Foundation). A tentativa inicial na autenticação é feita com o uso das credenciais do
usuário. Em primeiro lugar, é feita uma tentativa com o protocolo Kerberos. Se o protocolo Kerberos não funcionar,
será feita outra tentativa, dessa vez com o uso do NTLM. Se a autenticação falhar mesmo assim, será solicitado
que o usuário forneça credenciais. Depois de realizada a autenticação, o fluxo de dados é criptografado como uma
função do protocolo Kerberos ou do SSL, se o NTLM for usado.
No caso de um servidor de Relatórios e de um servidor de gerenciamento, após a realização da autenticação, uma
conexão de dados é estabelecida entre o servidor de gerenciamento e o Servidor de Relatórios do SQL Server.
Este processo é realizado com o uso rigoroso do protocolo Kerberos; portanto, o servidor de gerenciamento e o
Servidor de Relatórios devem residir em domínios confiáveis. Para obter mais informações sobre o WCF, consulte
o artigo do MSDN What Is Windows Communication Foundation (O que é a Windows Communication
Foundation).

Servidor de gerenciamento e data warehouse de Relatórios


Existem dois canais de comunicação entre um servidor de gerenciamento e o data warehouse de Relatórios:
O processo do host de monitoramento gerado pelo Serviço de Integridade (serviço do System Center
Management) em um servidor de gerenciamento
Os serviços de Acesso a Dados do System Center no servidor de gerenciamento
Processo do host de monitoramento e data warehouse de Relatórios
Por padrão, o processo do host de monitoramento gerado pelo Serviço de Integridade, que é responsável por
gravar eventos coletados e contadores de desempenho no data warehouse, obtém a Autenticação Integrada do
Windows ao ser executado como a Conta do Gravador de Dados especificada durante a Instalação de Relatórios. A
credencial dessa conta é seguramente armazenada em uma conta Executar como denominada Conta de Ação do
Data Warehouse. Essa conta Executar como é membro de um perfil Executar como denominado Conta do Data
Warehouse (que está associada às regras reais de coleta).
Se o data warehouse de Relatórios e o servidor de gerenciamento estiverem separados por um limite de confiança
(por exemplo, cada um reside em diferentes domínios sem confiança), a Autenticação Integrada do Windows não
funcionará. Para solucionar essa situação, o processo do host de monitoramento pode se conectar ao data
warehouse de Relatórios usando a Autenticação do SQL Server. Para fazer isso, crie uma nova conta Executar
como (do tipo Conta Simples) com a credencial de conta SQL e torne-a um membro do perfil Executar como
denominado Conta de Autenticação do SQL Server do Data Warehouse, tendo o servidor de gerenciamento como
o computador de destino.

IMPORTANTE
Por padrão, o perfil Executar como, Conta de Autenticação do SQL Server do Data Warehouse, foi atribuído a uma conta
especial com o uso da conta Executar como que possui o mesmo nome. Nunca faça alterações na conta associada ao perfil
Executar como, Conta de Autenticação do SQL Server do Data Warehouse. Em vez disso, crie sua própria conta e sua própria
conta Executar como, transformando esta última em um membro do perfil Executar como, Conta de Autenticação do SQL
Server do Data Warehouse, ao configurar a Autenticação do SQL Server.

As informações a seguir descrevem a relação das diversas credenciais de conta, contas Executar como e perfis
Executar como para a Autenticação Integrada do Windows e a Autenticação do SQL Server.
Padrão: Autenticação Integrada do Windows
1. Perfil Executar como: Conta do Data Warehouse
Conta Executar como: Ação do Data Warehouse
Credenciais da conta: Conta do Gravador de Dados (especificada durante a configuração)
2. Perfil Executar como: Conta de Autenticação do SQL Server do Data Warehouse
Conta Executar como: Autenticação do SQL Server do Data Warehouse
Credenciais da conta: Conta especial criada pelo Operations Manager (não alterar)
Opcional: Autenticação do SQL Server
1. Perfil Executar como: Conta de Autenticação do SQL Server do Data Warehouse
Conta Executar como: uma conta Executar como especificada durante a instalação.
Credenciais da conta: uma conta especificada durante a instalação.
O serviço de Acesso a Dados do System Center e o Data Warehouse de relatórios
Por padrão, o serviço de Acesso a Dados do System Center, que é responsável por ler os dados do data warehouse
de Relatórios e por disponibilizá-lo na área Parâmetros do Relatório, obtém a Autenticação Integrada do Windows
ao ser executado como a conta de serviço de Acesso a Dados e de Configuração que foi definida durante a
instalação do Operations Manager.
Se o data warehouse de Relatórios e o servidor de gerenciamento estiverem separados por um limite de confiança
(por exemplo, cada um reside em diferentes domínios sem confiança), a Autenticação Integrada do Windows não
funcionará. Para solucionar esta situação, o serviço de Acesso a Dados do System Center pode se conectar ao data
warehouse de Relatórios usando a Autenticação do SQL Server. Para fazer isso, crie uma nova conta Executar
como (do tipo Conta Simples) com a credencial de conta SQL e torne-a um membro do perfil Executar, chamado
de Conta de Autenticação no SQL Server do SDK de Relatórios, tendo o servidor de gerenciamento como o
computador de destino.

IMPORTANTE
Por padrão, o perfil Executar como, Conta de Autenticação no SQL Server do SDK de Relatórios, foi atribuído a uma conta
especial com o uso da conta Executar como que possui o mesmo nome. Nunca faça alterações na conta associada ao perfil
Executar como, Conta de Autenticação no SQL Server do SDK de Relatórios. Em vez disso, crie sua própria conta e sua
própria conta Executar como, tornando esta última em um membro do perfil Executar como, Conta de Autenticação no SQL
Server do SDK de Relatórios, ao configurar a Autenticação do SQL Server.

As informações a seguir descrevem a relação das diversas credenciais de conta, contas Executar como e perfis
Executar como para a Autenticação Integrada do Windows e a Autenticação do SQL Server.
Padrão: Autenticação Integrada do Windows
1. Conta do serviço de Acesso a Dados e de Configuração (definida durante a instalação do Operations
Manager)
Perfil Executar como: Conta de Autenticação no SQL Server do SDK de Relatórios
Conta Executar como: Conta de Autenticação no SQL Server do SDK de Relatórios
Credenciais da conta: Conta especial criada pelo Operations Manager (não alterar)
2. Opcional: Autenticação do SQL Server
Perfil Executar como: Conta de Autenticação do SQL Server do Data Warehouse
Conta Executar como: uma conta Executar como especificada durante a instalação.
Credenciais da conta: uma conta especificada durante a instalação.

Console de Operações e Servidor de Relatórios


O console de Operações se conecta ao Servidor de Relatórios na porta 80 via HTTP. A autenticação é realizada
com o uso da Autenticação do Windows. Os dados podem ser criptografados com o uso do canal SSL.

Servidor de Relatórios e data warehouse de Relatórios


A autenticação entre o Servidor de Relatórios e o data warehouse de Relatórios é feita com o uso da Autenticação
do Windows. A conta que foi especificada como a Conta do Leitor de Dados durante a configuração de Relatórios
se torna a Conta de Execução no Servidor de Relatórios. Se a senha para a conta tiver que ser trocada, será
necessário fazer a mesma troca de senha usando o Gerenciador de Configuração do Reporting Services no SQL
Server. Os dados entre o Servidor de Relatórios e o data warehouse de Relatórios não são criptografados.
Criptografia de dados para conexões de console Web
e do servidor de Relatórios
09/05/2018 • 7 min to read • Edit Online

Você pode configurar o servidor de relatórios e o console Web do Operations Manager para usar conexões de
protocolo SSL para garantir que as solicitações de entrada e as respostas de saída sejam criptografadas antes da
transmissão. O Operations Manager pode usar algoritmos compatíveis com o padrão FIPS para criptografia de
dados segura ao acessar o console Web e ao executar relatórios no console de Operações do servidor de
Relatórios.
Certificados exclusivos separados precisarão ser solicitados e gerados antes que você possa prosseguir com a
configuração de conexões SSL para qualquer função.

Criptografia do console Web


Ao instalar o console Web, você deve especificar um site da Web para uso com o console Web. A porta padrão
para acesso ao console Web de um navegador que usa a autenticação com base no Windows é a mesma porta do
site da Web que foi selecionado, quando o console Web foi instalado. Se o site escolhido tiver sido configurado
para usar SSL, você deverá selecionar também Habilitar SSL.
Você também deve selecionar um modo de autenticação para uso com o console Web. Use autenticação mista
para cenários de intranet e autenticação de rede para cenários de extranet.
O console Web usa dois algoritmos de criptografia:
SHA256
HMACSHA256
Estes algoritmos podem não ser suficientes para atender os padrões de conformidade. Por exemplo, eles não
atendem o Federal Information Processing Standard (FIPS ). Para atender um padrão de conformidade, será
necessário mapear estes nomes, nos arquivos de configuração adequados, para os algoritmos de criptografia
apropriados.

Criptografia do servidor de Relatórios


O modo nativo do SQL Server Reporting Services usa o serviço de protocolo SSL de HTTP para estabelecer
conexões criptografadas com um servidor de relatórios. Se tiver um arquivo de certificado (.cer) instalado em um
repositório de certificados local no computador do servidor de relatórios, você poderá associar o certificado a uma
reserva de URL do Reporting Services para dar suporte a conexões do servidor de relatórios por meio de um
canal criptografado.
Como o IIS (Serviços de Informações da Internet) também usa HTTP SSL, há problemas de interoperabilidade
significativos que você deverá considerar se planeja executar o IIS e o SQL Reporting Services no mesmo
computador para dar suporte ao servidor de Relatórios do Operations Manager. Certifique-se de examinar a seção
sobre os problemas de interoperabilidade com o IIS em Configurar conexões SSL em um servidor de relatórios de
modo nativo para obter diretrizes sobre como resolver esses problemas.
Para configurar modo nativo do SQL Server Reporting Services para criptografia SSL antes de configurar o
servidor de Relatórios do Operations Manager para usar SSL, consulte Configurar conexões SSL em um servidor
de relatórios de modo nativo.
Conformidade com FIPS
Depois de instalar essas duas funções, você precisa editar manualmente vários arquivos de configuração para
habilitar esse algoritmo no servidor Web do IIS que hospeda o console Web e o servidor de relatórios do SQL
Server.
A habilitação da conformidade com o FIPS no System Center Operations Manager exige que a infraestrutura
subjacente usada (sistema operacional do servidor, Active Directory, etc.) também seja compatível com o FIPS.
A seguir, temos uma lista resumida das etapas necessárias para configurar o FIPS para o servidor do console Web.
Instalar o Microsoft.EnterpriseManagement.Cryptography.dll.
Editar várias instâncias do arquivo machine.config.
Editar o arquivo WebHost\web.config.
Editar o arquivo MonitoringView\web.config.
Você precisará da Ferramenta de Cache de Assembly Global, gacutil.exe. Esse utilitário faz parte do SDK do
Windows .NET Framework, que é um componente de instalação incluído no Software Development Kit do
Windows. Para obter mais informações, consulte Gacutil.exe (Ferramenta de Cache de Assembly Global).
A seguir, temos uma lista resumida das etapas necessárias para configurar o FIPS para o servidor de Relatórios:
Alterar a configuração do arquivoWeb.config de ReportServer e ReportManager.

Certificados
Você pode configurar o servidor de relatórios e o console Web do Operations Manager para usar conexões do
protocolo SSL para garantir que as solicitações de entrada e as respostas de saída sejam criptografadas antes da
transmissão.
Certificados separados precisarão ser solicitados e gerados antes que você possa prosseguir com a configuração
de conexões SSL para qualquer função. Um certificado exclusivo para o SQL Server que hospeda o Reporting
Services e outro para o servidor que hospeda o console Web.

Próximas etapas
Para configurar o console Web para usar criptografia SSL ou dar suporte à conformidade com FIPS,
examine Configurar a autenticação com o console Web
Para configurar o Reporting Server para dar suporte à conformidade com FIPS, examine Configurar a
autenticação com o servidor de Relatórios
Considerações sobre segurança no Microsoft Azure e
no Office 365
15/05/2018 • 7 min to read • Edit Online

Integração com o Azure


O pacote de monitoramento do Azure é executado em um agente especificado e usa várias APIs do Microsoft
Azure para descobrir e coletar informações de instrumentação remotamente sobre um aplicativo especificado do
Microsoft Azure. A comunicação e a autenticação seguras com o Azure são realizadas pela autenticação de
certificado, que é necessária para monitorar com êxito cargas de trabalho hospedadas no Azure com o Operations
Manager.
Se ainda não tiver um certificado de gerenciamento, comece aqui revisando Visão geral sobre certificados para os
Serviços de Nuvem do Azure.
Para obter mais informações, consulte Introducing the Windows Azure Service Management API (Introdução à
API de Gerenciamento de Serviços no Microsoft Azure) no blog da equipe do Microsoft Azure.
O pacote de monitoramento para aplicativos do Microsoft Azure cria três perfis Executar como:
Blob de Perfil Executar como do Microsoft Azure
Senha de Perfil Executar como do Microsoft Azure
Proxy de Perfil Executar como do Microsoft Azure
Você precisa criar contas Executar como para o Blob de Perfil Executar como do Microsoft Azure e a Senha de Perfil
Executar como do Microsoft Azure. A conta para o Blob de Perfil Executar como do Microsoft Azure armazena o
certificado com a chave privada para o aplicativo do Microsoft Azure. A conta para a Senha de Perfil Executar como
do Microsoft Azure armazena a senha da chave privada.
Criar uma conta para o Proxy de Perfil Executar como do Microsoft Azure é opcional. A conta para o Proxy de Perfil
Executar como do Microsoft Azure armazena credenciais para acesso ao servidor proxy HTTP que é usado para
fazer chamadas à API para o Microsoft Azure.
Você precisa associar a conta Executar como a um perfil Executar como apropriado. O Assistente de Adição de
Monitoramento associará os perfis de Blob de Perfil Executar como do Microsoft Azure e Senha de Perfil Executar
como do Microsoft Azure às contas que você especificar. Se criar uma conta Executar como para o Proxy de Perfil
Executar como do Microsoft Azure, você deverá associar manualmente o perfil Proxy de Perfil Executar como do
Microsoft Azure à conta que criar.

Integração com o Office 365


O pacote de gerenciamento do Office 365 usa uma abordagem de monitoramento sem agente. Todos os fluxos de
trabalho de monitoramentos que se comunicam com a API de Monitoramento do Office 365 estão sendo
executados somente em servidores de gerenciamento. Uma conta de usuário do Office 365 com permissões de
Administrador Global para a assinatura é necessária para o monitoramento de uma assinatura do O365. É
altamente recomendável adicionar uma nova conta de usuário dedicada para cada assinatura do Office 365 que
você quiser monitorar. Para criar um novo usuário com permissões de Administrador Global usando o centro de
administração do Office 365:
1. Vá para https://portal.office.com/UserManagement/ActiveUsers.aspx para abrir o Centro de Administração do
Office 365. Faça logon como Administrador Global da assinatura.
2. Na guia Usuários e Grupos, clique no botão Adicionar
3. Insira o Nome, Sobrenome, Nome de exibição e o Nome de usuário e selecione um domínio vinculado à
assinatura. Observe que o Nome e o Sobrenome são obrigatórios para uma conta com função de
Administrador Global.

4. Na guia de configuração, selecione a função Administrador Global para ser atribuída à conta. Especifique o local
de usuário e o endereço de email alternativo.

5. Não é necessário atribuir licenças de serviços do Office 365 à conta de monitoramento


6. Especifique um endereço de email para receber uma senha temporária. Faça logoff do centro de administração
do Office 365 e faça logon novamente usando novas credenciais recebidas no email.
7. Faça logon no portal de gerenciamento do Office 365 com as credenciais recém-criadas e defina a senha da
conta. Lembre-se de usar uma senha forte e complexa, pois essa conta tem permissões de Administrador
Global. > [!NOTE ] > Fluxos de trabalho do Pacote de Gerenciamento não podem obter dados de
monitoramento, o monitor de Estado da Conexão define a integridade da Assinatura para o estado "Crítico" e
gera o alerta "(401) Não autorizado" até que a nova conta de Administrador Global seja usada para fazer logon
no portal de gerenciamento do Office 365 pelo menos uma vez.
Configurar perfis Executar como
O pacote de gerenciamento do Office 365 cria dois perfis Executar como:
Referência segura de Senha da Assinatura do Office 365

Office 365 Subscription Password secure reference Run As Profile is used to store Office 365
subscription credentials and shouldn’t be edited manually

Referência segura de Proxy da Assinatura do Office 365


O perfil Executar como da referência segura de Proxy da Assinatura do Office 365 deve ser configurado
manualmente. Esse perfil é usado por todas as regras e monitores definidos neste pacote de gerenciamento.
Todas as contas Executar como mapeadas para esse perfil devem ter as seguintes permissões:
Ser um membro da função de usuário "Operadores do Operations Manager" do System Center
Operations Manager.
Ser capaz de estabelecer uma conexão HTTPS do servidor de gerenciamento para o ponto de
extremidade do portal do Office 365. Verifique as configurações de firewall e proxy no seu ambiente para
garantir que a conexão mencionada anteriormente é permitida.
Implantação do System Center 2016 - Operations
Manager
15/01/2018 • 9 min to read • Edit Online

Todas as implantações do grupo de gerenciamento individual do System Center 2016 – Operations Manager
serão uma instalação do tipo "tudo incluído", em que todos os recursos são carregados em um único servidor ou
uma instalação distribuída. As instalações podem ser combinadas para formar uma infraestrutura geral do
Operations Manager que consiste em vários grupos de gerenciamento. Esses grupos de gerenciamento podem
se relacionar uns com os outros, conforme sua empresa precise.
Esta seção do Guia da Implantação descreve uma implantação de grupo de gerenciamento individual, em que
você tem um grupo de gerenciamento, mas os recursos do Operations Manager são instalados em um único
servidor ou distribuídos em diversos servidores.
Implantação de servidor único do Operations Manager
Implantação distribuída do Operations Manager
Para obter informações sobre como conectar grupos de gerenciamento, consulte Connecting Management
Groups in Operations Manager (Conectando grupos de gerenciamento no Operations Manager).

Antes de começar
Antes de iniciar a implantação, você deverá ler as notas de versão e assegurar que seu servidor atenda aos
requisitos mínimos do sistema para o Operations Manager. Para obter mais informações, consulte:
Notas de versão do System Center Technical Preview 1711
System Requirements for System Center 2016 – Operations Manager (Requisitos do sistema para o
System Center 2016 – Operations Manager).
Atribuição de função de administradores do Operations Manager
O procedimento de instalação do System Center 2016 – Operations Manager atribui automaticamente o grupo
Administradores no computador local à função de Administradores do Operations Manager. Você deve estar
conectado a uma conta que tenha direitos de Administrador local para executar a Instalação no primeiro servidor
de gerenciamento que será instalado; isto assegura que seja possível abrir o console de operações após a
Instalação ser concluída. Ao instalar os servidores de gerenciamento adicionais, você deve usar uma conta de
Domínio do qual seja um membro.
Contas exigidas
Durante a instalação, serão solicitadas três contas, a conta de ação do servidor de gerenciamento, a conta
Serviço de Configuração do System Center e serviço de acesso a dados do System Center e a conta de
gravação do Data Warehouse. No Operations Manager, você pode usar a mesma conta para os serviços
Serviço de Configuração do System Center e serviço de acesso a dados do System Center.
Se você instalar o Reporting, será solicitada uma conta adicional, a Conta do Leitor de Dados. Para obter mais
informações sobre os privilégios específicos que eles precisam receber antes de executar a instalação e quais
direitos eles recebem durante a instalação, examine as diretrizes de Contas de serviço, usuário e segurança.
OBSERVAÇÃO
Se você criar uma conta específica para a instalação, esta conta deverá ser um membro da função de servidor sysadmin
para o Microsoft SQL Server, mas também ter acesso ao banco de dados mestre.

OBSERVAÇÃO
Se você instalar diversos servidores de gerenciamento, uma conta de ação do servidor de gerenciamento e uma
Conta do serviço de Acesso a Dados do System Center e serviço de Configuração do System Center serão
solicitadas, sempre que adicionar um servidor de gerenciamento. Você deve fornecer as mesmas contas para cada
instalação.

Requisitos do SQL Server


O System Center 2016 – Operations Manager requer o acesso a uma instância de um servidor que executa o
Microsoft SQL Server 2012, 2014 ou o SQL Server 2016. Essa instância pode estar localizada em um
computador separado dos servidores de gerenciamento em uma instalação distribuída ou no primeiro servidor
de gerenciamento no grupo de gerenciamento. Em todo caso, a instância do Microsoft SQL Server já deve existir
e estar acessível antes de você iniciar sua primeira instalação do servidor de gerenciamento. A configuração SQL
Server Collation deve ser um valor com suporte, e a Pesquisa de Texto Completo do SQL deve estar habilitada.
Para examinar quais versões do SQL Server têm suporte pelo Operations Manager, consulte requisitos do SQL
Server no tópico de planejamento Considerações de Design do SQL Server.
Durante a instalação, será solicitado o seguinte:
O nome do servidor de banco de dados do SQL Server, o nome do grupo de disponibilidade Always On ou o
nome do cluster primário e o nome da instância. Se instalou o SQL Server usando a instância padrão, você
somente terá que especificar o nome do servidor SQL.
Você pode aceitar os valores padrão ou definir:
Número da Porta do SQL Server. Por padrão, 1433.
Um novo banco de dados operacional (para a instalação do primeiro servidor de gerenciamento no grupo
de gerenciamento) ou um banco de dados operacional existente (ao instalar servidores de gerenciamento
adicionais em um grupo de gerenciamento existente).
Nome do banco de dados. Por padrão, OperationsManager.
O tamanho inicial do banco de dados. Por padrão, 1000 MB.
Os locais do arquivo de dados e pasta de log. Por padrão, estes são C:\Arquivos de Programas\Microsoft
SQL Server\MSSQL10.MSSQLSERVER\MSSQL\Data ou C:\Arquivos de Programas\Microsoft SQL
Server\MSSQL10.MSSQLSERVER\MSSQL\Log, como apropriado para os padrões do SQL Server.

IMPORTANTE
Se o TCP/IP estiver desativado em um servidor remoto que esteja hospedando o banco de dados do SQL Server, a
Instalação não será capaz de fazer a conexão com o banco de dados do SQL Server. Para resolver este problema, habilite o
TCP/IP no servidor remoto.

Verifique se o SQL Server Reporting Services foi corretamente instalado e configurado. Para obter mais
informações sobre como instalar e configurar o SQL Server 2014 Reporting Services, consulte Instalação do
SQL Server (SQL Server 2014). Para obter mais informações sobre como instalar e configurar o SQL Server
2016 Reporting Services, consulte Instalação do SQL Server (SQL Server 2016).
Para obter informações adicionais que ajudarão você a planejar adequadamente a configuração do SQL Server
para dar suporte ao Operations Manager, confira Considerações de Design do SQL Server.

Próximas etapas
Para implantar o agente do Windows do console de Operações usando o Assistente de Descoberta,
examine Instalar o agente no Windows usando o assistente de descoberta
Se você desejar instalar manualmente o agente do Windows da linha de comando ou automatizar a
implantação usando um script ou outra solução de automação, examine Install Windows Agent Manually
Using MOMAgent.msi (Instalar o agente do Windows manualmente usando o MOMAgent.msi)
Se você desejar instalar o agente do Nano Server da linha de comando ou automatizar a implantação
usando um script ou outra solução de automação, examine Install Agent on Nano Server (Instalar o
agente no Nano Server)
Para implantar o agente em computadores UNIX e Linux do console de Operações usando o Assistente
de Descoberta, examine Instalar o agente em UNIX e Linux usando o assistente de descoberta
Implantação de servidor único do Operations
Manager
15/01/2018 • 5 min to read • Edit Online

O cenário do grupo de gerenciamento de servidor único combina todas as funções do grupo de gerenciamento
que podem coexistir em um único servidor sendo executado como um servidor membro em um domínio do
Active Directory. Essa instância pode estar em um hardware dedicado ou em um computador virtual. Você pode
implantar o console de Operações em computadores que não sejam o servidor único e acessar o console Web
com um navegador.
Implante o Operations Manager em um grupo de gerenciamento de servidor único quando desejar usá-lo para
avaliar, testar e desenvolver pacotes de gerenciamento, geralmente em ambientes de laboratório, desenvolvimento
ou não produção.

Serviços do Operations Manager


A configuração de um grupo de gerenciamento de servidor único oferece suporte aos seguintes serviços:
1. Monitoramento e geração de alertas
2. Relatórios (disponível no console de Operações, mas não no console Web)
3. Coleta de auditoria
4. Gerenciamento de exceções sem agente
5. Dados (acessados com o uso do console Web e do console de Operações)
Recursos do Operations Manager
A configuração do grupo de gerenciamento de servidor único combina estes recursos:
Coletor ACS (Serviços de Coleta de Auditoria)
Banco de dados ACS
encaminhador ACS
Banco de dados operacional
Console de operações
Banco de dados do data warehouse de relatórios
Banco de dados de relatórios
Servidor de relatórios
Servidor do console Web
Shell de comando

Restrições
A configuração de um grupo de gerenciamento de servidor único é a mais fácil de implantar, mas há limitações
quanto aos seus recursos e, portanto, quanto às tarefas para as quais ela costuma ser usada.
Servidor de gateway
Esta configuração não inclui a função de servidor gateway. Por causa disso, todos os dispositivos monitorados
devem estar na mesma floresta do Active Directory como o servidor de gerenciamento, ou você deve utilizar
certificados no computador gerenciado e no servidor de gerenciamento para possibilitar a autenticação mútua.
Alta disponibilidade e redundância
A configuração de um servidor único e um grupo de gerenciamento único reside em um único conjunto de
componentes de hardware ou uma única máquina virtual. Esta configuração dá suporte a apenas uma instância de
cada função de servidor e, portanto, não dá suporte para o failover de agente entre servidores de gerenciamento.

Usos comuns
Esta configuração é utilizada comumente para fins de avaliação, testes e desenvolvimento de pacotes de
gerenciamento, em geral em ambientes de não produção ou de pré-produção. Normalmente, as configurações do
grupo de gerenciamento de servidor único carecem de robustez e desempenho para oferecer suporte às menores
cargas de produção.

Portas usadas
Nesta configuração, é necessário garantir que as portas da rede estejam abertas para comunicação entre os
agentes e o servidor de gerenciamento, entre o console de Operações e o servidor de gerenciamento e entre o
console Web e o servidor de gerenciamento. Todas as outras comunicações entre serviços ocorrem no próprio
servidor de gerenciamento. As portas são as seguintes:
Console de Operações para servidor de gerenciamento: TCP 5724
Console de Operações para o Servidor de Relatórios: TCP 80
Console Web para o servidor do console Web: a TCP 51908 é a porta padrão quando você seleciona a
autenticação do Windows. Se você escolher Autenticação de formulários, a porta será definida pelo usuário.
Agente para servidor de gerenciamento: TCP 5723
Encaminhador ACS para coletor ACS: TCP 51909
Gerenciamento sem agente: ocorre por meio da porta dinâmica RPC (Chamada de Procedimento Remoto)
Servidor de gerenciamento para computador UNIX\Linux: TCP 1270
Servidor de gerenciamento para computador UNIX\Linux para solução de problemas e descoberta
especiais: TCP 22
Para obter uma lista completa das portas usadas, da direção da comunicação e se as portas podem ser
configuradas, consulte Configuring a Firewall for Operations Manager (Configurando um firewall para o
Operations Manager).

Próximas etapas
Para implantar o Operations Manager em um grupo de gerenciamento de servidor único, confira Passo a
passo: Instalando o Operations Manager em um servidor único.
Implantação distribuída do Operations Manager
15/01/2018 • 2 min to read • Edit Online

A instalação do grupo de gerenciamento distribuído formará a base de 99% de implantações do Operations


Manager. Permite a distribuição de recursos e serviços entre diversos servidores para permitir a
escalabilidade. Pode incluir todas as funções de servidor do Operations Manager além de dar suporte ao
monitoramento de dispositivos entre limites de confiança pelo uso do servidor gateway.

Recursos do System Center – Operations Manager


Essa configuração dá suporte a todos os recursos do System Center – Operations Manager:
Monitoramento e alertas, direcionado para até 15.000 agentes
Monitoramento entre limites de confiança
Relatórios
Coleta de auditoria
Gerenciamento de exceções sem agente
Failover de agente entre servidores de gerenciamento
Failover de gateway entre servidores de gerenciamento
Cluster de alta disponibilidade para funções de banco de dados

Funções de servidor do Operations Manager


Esta configuração dá suporte a todas as funções de servidor do Operations Manager:
Coletor ACS (Serviços de Coleta de Auditoria)
Banco de dados ACS
Encaminhador ACS (em dispositivos gerenciados por agente)
Servidor de gateway
Servidor de gerenciamento
Banco de dados operacional
Console de Operações
Servidor Operations Manager Reporting
Banco de dados do data warehouse de relatórios
Servidor do console Web
Esta seção do Guia de Implantação contém os seguintes tópicos:
Como instalar um servidor de gerenciamento do Operations Manager
Como instalar o console do Operations
Como instalar o console Web do Operations Manager
Como instalar um banco de dados e um coletor ACS (Serviços de Coleta de Auditoria)
Como instalar o servidor de relatórios do Operations Manager
Como implantar um servidor de gateway
Como instalar um servidor de gerenciamento do
Operations Manager
20/03/2018 • 26 min to read • Edit Online

No System Center Operations Manager, o primeiro recurso instalado é o servidor de gerenciamento. O


procedimento de instalação cria o banco de dados operacional e o banco de dados de data warehouse. O
procedimento descrito neste tópico pressupõe que você já instalou uma versão com suporte do Microsoft SQL
Server. Se você estiver hospedando o banco de dados operacional do Operations Manager e data warehouse em
um grupo de disponibilidade do SQL Always On, certifique-se de usar o nó planejado para a réplica primária
inicial para a instalação inicial desses bancos de dados.
É necessário garantir que o servidor atenda aos requisitos mínimos do sistema para o System Center Operations
Manager. Para saber mais, confira Requisitos do sistema para o System Center – Operations Manager.
Depois de instalar o primeiro servidor de gerenciamento e criar o grupo de gerenciamento, você poderá seguir as
etapas para instalar um servidor de gerenciamento adicional se você planejar incluir servidores de gerenciamento
adicionais para fornecer alta disponibilidade e capacidade aumentada para suas cargas de trabalho de
monitoramento.

OBSERVAÇÃO
Se suas políticas de segurança restringirem a TLS 1.0 e 1.1, a instalação de uma nova função de servidor de gerenciamento
do Operations Manager 2016 falhará porque a mídia de instalação não inclui as atualizações compatíveis com o TLS 1.2. A
única maneira de instalar essas funções é habilitar o protocolo TLS 1.0 no sistema, aplicando o pacote cumulativo de
atualizações 4 e, em seguida, habilitando o protocolo TLS 1.2 no sistema. Essa limitação não se aplica ao Operations Manager
versão 1801.

Para instalar o primeiro servidor de gerenciamento no grupo de gerenciamento


1. Faça logon no servidor usando uma conta que tenha credenciais administrativas locais.
2. Na mídia de instalação do Operations Manager, execute Setup.exe e depois clique em Instalar.
3. Na página Introdução, Selecione os recursos a serem instalados, selecione o recurso Servidor de
Gerenciamento. Você também pode selecionar qualquer um dos recursos adicionais listados. Por exemplo,
para instalar também o Console de Operações, selecione Console de Operações. Para ler mais sobre cada
recurso e seus requisitos, clique em Expandir Tudo ou expanda os botões ao lado de cada recurso e clique
em Avançar.
4. Em Introdução, na página Selecionar local de instalação, aceite o valor padrão, digite um novo local ou
navegue até um e clique em Avançar.
5. Na página Pré-requisitos, leia e resolva os avisos e erros e depois clique em Verificar Pré-requisitos
Novamente para verificar novamente o sistema.
IMPORTANTE
Você pode receber uma mensagem que indica que o ASP.NET 4 não está registrado com o IIS (Serviços de
Informações da Internet). Para solucionar este problema, abra uma janela do Prompt de Comando, selecione
Executar como administrador e execute o seguinte comando:
%WINDIR%\Microsoft.NET\Framework64\v4.0.30319\aspnet_regiis.exe -r

6. Se o verificador de Pré-requisitos não retornar nenhum aviso ou erro, a página Pré-requisitos, Prosseguir
com a Configuração aparecerá. Clique em Avançar.
7. Na página Configuração, Especifique uma opção de instalação, selecione Crie o primeiro servidor de
gerenciamento em um novo grupo de gerenciamento, digite um nome para seu grupo de
gerenciamento e clique em Avançar.

OBSERVAÇÃO
Depois que o nome do grupo de gerenciamento for definido, ele não poderá ser alterado. O nome do grupo de
gerenciamento não pode conter os seguintes caracteres: , ( ) ^ ~ : ;. ! ? " , ' ` @ # % \ / * + = $ | & [ ] <>{} e não pode
ter espaços à esquerda ou à direita. É recomendável que o nome do Grupo de Gerenciamento seja exclusivo em sua
organização se planejar conectar vários grupos de gerenciamento juntos.

8. Na página Configuração, Leia os termos de licença, examine os Termos de Licença para Software
Microsoft, selecione Eu li, entendi e concordo com os termos da licença e depois clique em Avançar.
9. Quando a página Configuração, Configurar o banco de dados operacional for aberta, na caixa Nome
do servidor e nome da instância, digite o nome do servidor e o nome da instância do SQL Server para o
servidor de banco de dados que hospedará o banco de dados operacional.
Se você instalou o SQL Server usando a instância padrão, precisará apenas digitar o nome do servidor.
Se você alterou a porta padrão do SQL Server, deverá digitar o número da nova porta na caixa Porta do
SQL Server.
Se você estiver hospedando o banco de dados em um cluster do SQL Server, substitua computador pelo
nome da rede virtual do cluster.
Se o banco de dados for parte de um grupo de disponibilidade do SQL Always On, substitua
computer\<instance> pelo nome do ouvinte do grupo e, para porta do SQL Server e digite o
número da porta do ouvinte do grupo de disponibilidade.
Conforme digita os valores para o SQL Server e nomes de instância, você vê um círculo vermelho
com um X branco aparecer à esquerda das caixas Nome do servidor e o nome da instância e
Porta do SQL Server. O X branco indica que os valores ainda não foram validados e o texto preto
indica que você não inseriu caracteres inválidos. Se você inserir caracteres inválidos, o próprio texto
ficará vermelho.
O X branco aparece nas seguintes circunstâncias:
Você inseriu uma instância do SQL Server ou um valor de porta do SQL Server que não é
válido ou não existe.
A instância do SQL Server especificada não tem a configuração ou recursos solicitados.
Você inseriu um valor que está fora do intervalo (por exemplo, porta 999999).
Você inseriu um caractere ilegal para essa caixa (por exemplo, servidor\instância%)
Você pode passar o cursor sobre a caixa de texto Nome do servidor e nome da instância para
exibir informações adicionais sobre o erro.
10. Após digitar o valor correto para o nome do servidor de banco de dados do SQL Server, clique na caixa
Porta do SQL Server para que a Instalação tente validar os valores digitados para o nome do SQL Server
e para o número da porta.
11. Nas caixas Nome do banco de dados, Tamanho do banco de dados (MB ), Pasta do arquivo de dados
e Pasta de Arquivo de Log, recomendamos que você aceite os valores padrão. Clique em Avançar.

OBSERVAÇÃO
Estes caminhos não mudam se você se conectar a uma instância diferente do SQL Server.

IMPORTANTE
Você pode receber uma mensagem sobre uso da versão errada do SQL Server ou pode ter um problema com o
fornecedor da Instrumentação de Gerenciamento do Windows (WMI) do SQL Server. Para solucionar este problema,
abra uma janela do Prompt de comando, selecione Executar como administrador e depois execute o seguinte
comando. No comando, substitua o espaço reservado <caminho> pelo local do SQL Server.
mofcomp.exe <path>\Microsoft SQL Server\100\Shared\sqlmgmproviderxpsp2up.mof

OBSERVAÇÃO
O tamanho do banco de dados do modelo do SQL Server não deve ser maior que 100 MB. Se for, você pode
encontrar um erro na Instalação no que se refere a incapacidade para criar um banco de dados no SQL devido às
permissões de usuário. Para solucionar este problema, você deve reduzir o tamanho do banco de dados do modelo.

12. Quando a página Configuração, Configurar o banco de dados do data warehouse for aberta, na caixa
Nome do servidor e nome da instância, digite o nome do servidor e o nome da instância do SQL Server
para o servidor de banco de dados que hospedará o banco de dados do data warehouse.
Se você instalou o SQL Server usando a instância padrão, precisará apenas digitar o nome do servidor.
Se você alterou a porta padrão do SQL Server, deverá digitar o número da nova porta na caixa Porta do
SQL Server.
Se você estiver hospedando o banco de dados em um cluster do SQL Server, substitua computador pelo
nome da rede virtual do cluster.
Se o banco de dados for parte de um grupo de disponibilidade do SQL Always On, substitua
computer\<instance> pelo nome do ouvinte do grupo e, para porta do SQL Server e digite o número da
porta do ouvinte do grupo de disponibilidade.
13. Como esta é a primeira instalação do servidor de gerenciamento, aceite o valor padrão de Criar um novo
banco de dados de data warehouse.
14. Nas caixas Nome do banco de dados, Tamanho do banco de dados (MB ), Pasta do arquivo de dados
e Pasta de Arquivo de Log, recomendamos que você aceite os valores padrão. Clique em Avançar.
IMPORTANTE
Você pode receber uma mensagem sobre uso da versão errada do SQL Server ou pode ter um problema com o
fornecedor da Instrumentação de Gerenciamento do Windows (WMI) do SQL Server. Para solucionar este problema,
abra uma janela do Prompt de comando, selecione Executar como administrador e depois execute o seguinte
comando. No comando, substitua o espaço reservado <caminho> pelo local do SQL Server.
mofcomp.exe <path>\Microsoft SQL Server\100\Shared\sqlmgmproviderxpsp2up.mof

OBSERVAÇÃO
Estes caminhos não mudam se você se conectar a uma instância diferente do SQL Server.

15. Na página Configuração, Configurar contas do Operations Manager, recomendamos que você use a
opção Conta de Domínio para a Conta de Ação do Servidor de Gerenciamento, conta do Serviço de
Configuração do System Center e serviço de Acesso a Dados do System Center, Conta do Leitor de
Dados e Conta do Gravador de Dados. Nenhuma delas deve ter credenciais de administrador de
domínio. Clique em Avançar.
16. Na página de Configuração, Dados de Diagnóstico e Uso, examine as informações e clique em Avançar.
17. Se o Windows Update não estiver habilitado no computador, a página Configuração, Microsoft Update
será exibida. Selecione suas opções e depois clique em Avançar.
18. Examine as opções na página Configuração, Resumo da Instalação e clique em Instalar. A Instalação
continua.
19. Quando a Instalação for concluída, a página Configuração concluída será exibida. Clique em Fechar.
20. Abra o console de Operações.
21. No Console de Operações, no painel de navegação, clique no botão Administração e expanda
Gerenciamento de Dispositivo.
22. No Gerenciamento de Dispositivo, selecione Servidores de Gerenciamento. No painel de resultados,
você deve ver o servidor de gerenciamento que acabou de instalar com uma marca de seleção verde na
coluna Estado de Integridade.
Para instalar servidores de gerenciamento no grupo de gerenciamento
Execute as etapas a seguir para adicionar servidores de gerenciamento adicionais no grupo de gerenciamento.
1. Faça logon no servidor usando uma conta que tenha credenciais administrativas locais.
2. Na mídia de instalação do Operations Manager, execute Setup.exe e depois clique em Instalar.
3. Na página Introdução, Selecione os recursos a serem instalados, selecione o recurso Servidor de
Gerenciamento. Você também pode selecionar qualquer um dos recursos adicionais listados. Por exemplo,
para instalar também o Console de Operações, selecione Console de Operações. Para ler mais sobre cada
recurso e seus requisitos, clique em Expandir Tudo ou expanda os botões ao lado de cada recurso e clique
em Avançar.
4. Em Introdução, na página Selecionar local de instalação, aceite o valor padrão, digite um novo local ou
navegue até um e clique em Avançar.
5. Na página Configuração, Especifique uma opção de instalação, selecione Adicionar um servidor de
gerenciamento a um grupo de gerenciamento existente e clique em Avançar.
6. Na página Configuração, Leia os termos de licença, examine os Termos de Licença para Software
Microsoft, selecione Eu li, entendi e concordo com os termos da licença e depois clique em Avançar.
7. Quando a página Configuração, Configurar o banco de dados operacional for aberta, na caixa Nome
do servidor e nome da instância, digite o nome do servidor e o nome da instância do SQL Server para o
servidor de banco de dados que hospedará o banco de dados operacional.
Se você instalou o SQL Server usando a instância padrão, precisará apenas digitar o nome do servidor.
Se você alterou a porta padrão do SQL Server, deverá digitar o número da nova porta na caixa Porta do
SQL Server.
Se você estiver hospedando o banco de dados em um cluster do SQL Server, substitua computador pelo
nome da rede virtual do cluster.
Se o banco de dados for parte de um grupo de disponibilidade do SQL Always On, substitua
computer\<instance> pelo nome do ouvinte do grupo e, para porta do SQL Server e digite o
número da porta do ouvinte do grupo de disponibilidade.
Conforme digita os valores para o SQL Server e nomes de instância, você vê um círculo vermelho
com um X branco aparecer à esquerda das caixas Nome do servidor e o nome da instância e
Porta do SQL Server. O X branco indica que os valores ainda não foram validados e o texto preto
indica que você não inseriu caracteres inválidos. Se você inserir caracteres inválidos, o próprio texto
ficará vermelho.
O X branco aparece nas seguintes circunstâncias:
Você inseriu uma instância do SQL Server ou um valor de porta do SQL Server que não é
válido ou não existe.
A instância do SQL Server especificada não tem a configuração ou recursos solicitados.
Você inseriu um valor que está fora do intervalo (por exemplo, porta 999999).
Você inseriu um caractere ilegal para essa caixa (por exemplo, servidor\instância%)
Você pode passar o cursor sobre a caixa de texto Nome do servidor e nome da instância para
exibir informações adicionais sobre o erro.
8. Após digitar o valor correto para o nome do servidor de banco de dados do SQL Server, clique na caixa
Porta do SQL Server para que a Instalação tente validar os valores digitados para o nome do SQL Server
e para o número da porta.
9. Selecione o nome do banco de dados da lista suspensa Nome do banco de dados e clique em Avançar.
10. Na página Configuração, Configurar contas do Operations Manager, recomendamos que você use a
opção Conta de Domínio para a Conta de Ação do Servidor de Gerenciamento e a conta do Serviço
de Configuração do System Center e serviço de Acesso a Dados do System Center. Nenhuma delas
deve ter credenciais de administrador de domínio. Clique em Avançar.

IMPORTANTE
Você deve fornecer, para a conta de ação do Servidor de gerenciamento, o serviço de configuração do System Center
e o serviço de acesso a dados do System Center, as mesmas credenciais que você forneceu quando criou o primeiro
servidor de gerenciamento no grupo de gerenciamento.

11. Na página de Configuração, Dados de Diagnóstico e Uso, examine as informações e clique em Avançar.
12. Se o Windows Update não estiver habilitado no computador, a página Configuração, Microsoft Update
será exibida. Selecione suas opções e depois clique em Avançar.
13. Examine as opções na página Configuração, Resumo da Instalação e clique em Instalar. A Instalação
continua.
14. Quando a Instalação for concluída, a página Configuração concluída será exibida. Clique em Fechar.
15. Em um computador com o Console de Operações instalado, faça logon com uma conta que seja membro
do grupo Administradores do Operations Manager e inicie o console de Operações.
16. No Console de Operações, no painel de navegação, clique no botão Administração e expanda
Gerenciamento de Dispositivo.
17. No Gerenciamento de Dispositivo, selecione Servidores de Gerenciamento. No painel de resultados,
você deve ver o servidor de gerenciamento que acabou de instalar com uma marca de seleção verde na
coluna Estado de Integridade.

Para instalar o primeiro servidor de gerenciamento no grupo de


gerenciamento do prompt de comando
1. Faça logon no servidor usando uma conta que tenha credenciais administrativas locais.
2. Abra a janela de prompt de comando usando a opção Executar como administrador .

OBSERVAÇÃO
Setup.exe exige privilégios de administrador porque o processo de Instalação exige acesso aos processos do sistema,
que somente podem ser usados por um administrador local.

3. Altere o caminho onde o arquivo setup.exe do Operations Manager está localizado e execute o comando a
seguir.

IMPORTANTE
O seguinte comando considera que você especificou o Sistema Local para a conta de ação do servidor de
Gerenciamento ( /UseLocalSystemActionAccount ) e o serviço de Acesso a Dados ( /UseLocalSystemDASAccount ).
Para especificar um domínio\nome de usuário para essas contas, você deve fornecer os seguintes parâmetros.
/ActionAccountUser: <domain\username> /ActionAccountPassword: <password>

/DASAccountUser: <domain\username> /DASAccountPassword: <password>

setup.exe /silent /install /components:OMServer


/ManagementGroupName: "<ManagementGroupName>"
/SqlServerInstance: <server\instance or Always On availability group listener>
/SqlInstancePort: <SQL instance port number>
/DatabaseName: <OperationalDatabaseName>
/DWSqlServerInstance: <server\instance or Always On availability group listener>
/DWSqlInstancePort: <SQL instance port number>
/DWDatabaseName: <DWDatabaseName>
/UseLocalSystemActionAccount /UseLocalSystemDASAccount
/DatareaderUser: <domain\username>
/DatareaderPassword: <password>
/DataWriterUser: <domain\username>
/DataWriterPassword: <password>
/EnableErrorReporting: [Never|Queued|Always]
/SendCEIPReports: [0|1]
/UseMicrosoftUpdate: [0|1]
/AcceptEndUserLicenseAgreement: [0|1]
Para instalar servidores de gerenciamento adicionais no grupo de
gerenciamento do Prompt de Comando
1. Faça logon no servidor usando uma conta que tenha credenciais administrativas locais.
2. Abra a janela de prompt de comando usando a opção Executar como administrador .

OBSERVAÇÃO
Setup.exe exige privilégios de administrador porque o processo de Instalação exige acesso aos processos do sistema,
que somente podem ser usados por um administrador local.

3. Altere o caminho onde o arquivo setup.exe do Operations Manager está localizado e execute o comando a
seguir.

IMPORTANTE
O seguinte comando considera que você especificou o Sistema Local para a conta de ação do servidor de
Gerenciamento ( /UseLocalSystemActionAccount ) e o serviço de Acesso a Dados ( /UseLocalSystemDASAccount ).
Para especificar um domínio\nome de usuário para essas contas, você deve fornecer os seguintes parâmetros.
/ActionAccountUser: <domain\username> /ActionAccountPassword: <password>

/DASAccountUser: <domain\username> /DASAccountPassword: <password>

setup.exe /silent /install /components:OMServer


/SqlServerInstance: <server\instance or Always On availability group listener>
/SqlInstancePort: <SQL instance port number>
/DatabaseName: <OperationalDatabaseName>
/UseLocalSystemActionAccount /UseLocalSystemDASAccount
/DataReaderUser: <domain\username>
/DataReaderPassword: <password>
/DataWriterUser: <domain\username>
/DataWriterPassword: <password>
/EnableErrorReporting: [Never|Queued|Always]
/SendCEIPReports: [0|1]
/UseMicrosoftUpdate: [0|1]

Próximas etapas
Confira Implantação distribuída do Operations Manager para compreender a sequência e as etapas para
instalar as funções de servidor do Operations Manager em vários servidores no grupo de gerenciamento.
Como instalar o Console de Operações
15/01/2018 • 4 min to read • Edit Online

Após a instalação do System Center – Operations Manager, você pode instalar o Console de Operações em outros
servidores e computadores. Por exemplo, você talvez queira exibir dados de monitoramento de seu computador
desktop.
Você deve se certificar de que o computador que hospedará o Console de Operações atenda aos requisitos
mínimos do sistema. Para saber mais, confira Requisitos do sistema para o System Center – Operations Manager

Para instalar o Console de Operações


1. Faça logon no computador que hospedará o Console de Operações com uma conta que tenha credenciais
administrativas locais.
2. Na mídia de instalação do Operations Manager, execute Setup.exe e depois clique em Instalar.
3. Na página Introdução, Selecione os recursos a serem instalados, selecione Console de Operações.
Para ler mais sobre o que cada recurso fornece e seus requisitos, clique em Expandir tudo ou expanda os
botões ao lado de cada recurso e clique em Avançar.
4. Na página Introdução, Selecionar local de instalação, aceite o local padrão ou digite um novo local ou
procure um existente e clique em Avançar.
5. Na página Pré-requisitos, examine e resolva os avisos ou erros que o Verificador de pré-requisitos apontar
e clique em Verificar Pré-requisitos Novamente.
6. Se o verificador de pré-requisitos não apontar nenhum aviso ou erro, a página Pré-requisitos, Prosseguir
com a Configuração aparecerá. Clique em Avançar.
7. Na página Configuração, Help improve System Center – Operations Manager (Ajude a aprimorar o
System Center – Operations Manager), selecione suas opções e clique em Avançar.
8. Se o Windows Update não estiver habilitado no computador, a página Configuração, Microsoft Update
será exibida. Selecione suas opções e depois clique em Avançar.
9. Examine as opções na página Configuração, Resumo da Instalação e clique em Instalar. A Instalação
continua.
10. Quando a Instalação for concluída, a página Configuração concluída será exibida. Clique em Fechar e o
Console de Operações é aberto.
11. No Console de Operações, na página Conectar ao Servidor, digite o nome do primeiro servidor de
gerenciamento instalado no grupo de gerenciamento na caixa Nome do servidor e clique em Conectar.

IMPORTANTE
Se você pretender editar o conhecimento da empresa neste computador, também precisará instalar o Microsoft Visual Studio
2010 Tools para Office Second Edition Runtime.
IMPORTANTE
O conhecimento da empresa não pode ser editado com a versão x64 do Microsoft Word 2010. Você deve instalar a versão
x86 do Microsoft Office 2010 ou uma versão anterior para editar o conhecimento.

Para instalar o Console de Operações do prompt de comando


1. Faça logon no servidor usando uma conta que tenha credenciais administrativas locais.
2. Abra a janela do Prompt de comando usando a opção Executar como administrador.
3. Altere o caminho onde o arquivo setup.exe do Operations Manager está localizado e execute o comando a
seguir.

setup.exe /silent /install /components:OMConsole /EnableErrorReporting:


[Never|Queued|Always]/SendCEIPReports:[0|1] /UseMicrosoftUpdate: [0|1]

Próximas etapas
Confira Implantação distribuída do Operations Manager para compreender a sequência e as etapas para
instalar as funções de servidor do Operations Manager em vários servidores no grupo de gerenciamento.
Como instalar o console Web do Operations
Manager
20/03/2018 • 16 min to read • Edit Online

Instale o console Web durante a instalação do System Center 2016 – Operations Manager ou da versão 1801 ou
instale-o separadamente. Você pode instalar um console Web autônomo ou instalá-lo em um servidor de
gerenciamento existente que atenda aos pré-requisitos. Para obter mais informações sobre os pré-requisitos,
consulte Requisitos do sistema para o System Center Operations Manager.

IMPORTANTE
Se instalar um console Web autônomo em um servidor, você não poderá adicionar o recurso de servidor de gerenciamento a
este servidor. Ao instalar o servidor de gerenciamento e o console Web no mesmo servidor, você deve instalar os dois
recursos simultaneamente ou instalar o servidor de gerenciamento antes de instalar o console Web.

Ao instalar o console Web, são instalados os seguintes três componentes:


Console Web do Operations Manager
Console de Diagnóstico de Aplicativos
Console do Application Advisor

OBSERVAÇÃO
Se o console de Diagnóstico de Aplicativos não estiver instalado, ao exibir alertas do APM, você não poderá usar o link
incorporado na descrição do alerta para inicializar os detalhes do evento do APM. Para usar este recurso, instale o console
Web dentro do grupo de gerenciamento.

Se você planeja usar o balanceamento de carga de rede com o console de Diagnóstico de Aplicativos e com o
console do Application Advisor, certifique-se de usar sessões fixas. Isso garante que a mesma instância do console
seja usada para a sessão toda. Para obter mais informações sobre o balanceamento de carga de rede, confira
Balanceamento de carga de rede. Para obter mais informações sobre sessões, consulte Suporte para sessões.

OBSERVAÇÃO
Não há suporte para um balanceador de carga de rede para o servidor do console Web do Operations Manager.

IMPORTANTE
O console Web opera usando dados confidenciais, como credenciais de usuário de texto não criptografado, nomes de
servidor, endereços IP e assim por diante. Se eles forem expostos na rede, poderão representar um risco de segurança
significativo. Se o IIS (Serviços de Informações da Internet) não tiver o protocolo SSL configurado, é recomendável configurá-
lo manualmente. Para obter mais informações sobre segurança, confira Data Encryption for Web console and Reporting
server Connections (Criptografia de dados para o console Web e conexões do servidor de relatório)

Se o console Web não tiver acesso suficiente ao banco de dados operacional ou ao banco de dados do data
warehouse, você receberá um aviso durante a etapa de configuração do console Web. Você pode continuar a
instalação, mas o console Web não será configurado corretamente para o monitoramento de aplicativos .NET. Para
resolver esse problema, você pode fazer com que seu administrador de banco de dados execute a seguinte
instrução do SQL Server no banco de dados operacional e no banco de dados de data warehouse:

EXEC [apm].GrantRWPermissionsToComputer N'[LOGIN]'

Os parâmetros locais e remotos são os seguintes:


Para a instalação local, o LOGON é: IIS APPPOOL\OperationsManagerAppMonitoring
Para instalação remota, o LOGON é: Domain\MachineName$

OBSERVAÇÃO
Se você executar Reparar no console Web após a instalação, as configurações selecionadas durante a instalação serão
restauradas. As alterações que você fizer manualmente na configuração do console Web após a instalação será redefinida.

Para instalar um console Web autônomo

OBSERVAÇÃO
Se suas políticas de segurança restringirem a TLS 1.0 e 1.1, a instalação de uma nova função de console Web do Operations
Manager 2016 falhará porque a mídia de instalação não inclui as atualizações compatíveis com o TLS 1.2. A única maneira de
instalar essas funções é habilitar o protocolo TLS 1.0 no sistema, aplicando o pacote cumulativo de atualizações 4 e, em
seguida, habilitando o protocolo TLS 1.2 no sistema. Essa limitação não se aplica ao Operations Manager versão 1801.

1. Faça logon no computador que hospedará o console Web com uma conta que tenha credenciais
administrativas locais.
2. Na mídia de instalação do Operations Manager, execute Setup.exe e depois clique em Instalar.
3. Na página Introdução, Selecione os recursos a serem instalados, selecione Console Web. Para ler
mais sobre o que cada recurso fornece e seus requisitos, clique em Expandir tudo ou expanda os botões
ao lado de cada recurso e clique em Avançar.
4. Na página Introdução, Selecionar local de instalação, aceite o local padrão ou digite um novo local ou
procure um existente e clique em Avançar.

OBSERVAÇÃO
Para o System Center 2016 – Operations Manager, o caminho padrão é C:\Program Files\Microsoft System Center
2016\Operations Manager. Para o branch atual, o caminho padrão é C:\Program Files\Microsoft System
Center\Operations Manager.

5. Na página Pré-requisitos , verifique e resolva os avisos ou erros que o Verificador de pré-requisitos


apontar e clique em Verificar Pré-requisitos Novamente para verificar o sistema novamente.

OBSERVAÇÃO
A instalação do console Web exige que restrições ISAPI e CGI no IIS sejam habilitadas para ASP.NET 4. Para habilitar
isso, selecione o servidor Web no Gerenciador do IIS e clique duas vezes em restrições ISAPI e CGI. Selecione
ASP.NET v4.0.30319e depois clique em Permitir.

6. Se o verificador de Pré-requisitos não retornar nenhum aviso ou erro, a página Pré-requisitos, Prosseguir
com a Configuração aparecerá. Clique em Avançar.
7. Na página Configuração, Leia os termos de licença, examine os Termos de Licença para Software
Microsoft, selecione Eu li, entendi e concordo com os termos da licença e depois clique em Avançar.
8. Na página Configuração, Especifique um servidor de gerenciamento, insira o nome do servidor de
gerenciamento que apenas o console Web usa e clique em Avançar.
9. Na página Configuração, Especifique um site a ser usado com o console Web, selecione Site Padrão
ou o nome de um site existente. Selecione Habilitar SSL somente se o site tiver sido configurado para usar
o protocolo SSL e depois clique em Avançar.

AVISO
Não há suporte para a instalação do console Web em um computador com SharePoint instalado.

10. Na página Configuração, Selecione um modo de autenticação para usar o console Web, selecione
sua opção e depois clique em Avançar.

OBSERVAÇÃO
Se você instalar o servidor de gerenciamento em um servidor usando uma conta de domínio para o serviço de
configuração do System Center e o serviço de acesso a dados do System Center e, em seguida, instalar o console
Web em um servidor diferente e selecionar a Autenticação Mista, talvez seja necessário registrar nomes de entidades
de serviço e configurar delegações de restrição, conforme descrito em Running the Web Console Server on a
standalone server using Windows Authentication (Executando o servidor de console Web em um servidor autônomo
usando a Autenticação do Windows).

11. Na página Dados de Uso e Diagnóstico, examine os termos de coleta de dados e clique em Avançar para
continuar.
12. Se o Microsoft Update não estiver habilitado no computador, a página Configuração, Microsoft Update
será exibida. Selecione a opção e, em seguida, clique em Avançar.
13. Examine suas opções na página Configuração, Resumo da Instalação e clique em Instalar. A Instalação
continua.
14. Quando a Instalação for concluída, a página Configuração concluída será exibida. Clique em Fechar.
Para instalar o console Web em um servidor de gerenciamento existente
1. Faça logon no computador que hospeda o servidor de gerenciamento com uma conta que tenha credenciais
administrativas locais.
2. Na mídia de instalação do Operations Manager, execute Setup.exe e depois clique em Instalar.
3. Na página Introdução, O que você deseja fazer?, clique em Adicionar um recurso.
4. Na página Introdução, Selecione os recursos a serem instalados, selecione Console Web e clique em
Avançar.
5. Na página Pré-requisitos, examine e resolva os avisos e erros e depois clique em Verificar Pré-requisitos
Novamente para verificar novamente o sistema.
OBSERVAÇÃO
A instalação do console Web do System Center 2016 – Operations Manager exige que as Restrições ISAPI e CGI no
IIS sejam habilitadas para o ASP.NET 4. Para habilitar isso, selecione o servidor Web no Gerenciador do IIS e clique
duas vezes em restrições ISAPI e CGI. Selecione ASP.NET v4.0.30319e depois clique em Permitir.

6. Se o verificador de pré-requisitos não apontar nenhum aviso ou erro, a página Pré-requisitos, Prosseguir
com a Configuração aparecerá. Clique em Avançar.
7. Na página Configuração, Leia os termos de licença, examine os Termos de Licença para Software
Microsoft, selecione Eu li, entendi e concordo com os termos da licença e depois clique em Avançar.
8. Na página Configuração, Especifique um site a ser usado com o console Web, selecione Site Padrão
ou o nome de um site existente. Selecione Habilitar SSL somente se o site tiver sido configurado para usar
o protocolo SSL e depois clique em Avançar.
9. Na página Configuração, Selecione um modo de autenticação para usar o console Web, selecione
sua opção e depois clique em Avançar.
10. Se Windows Update não estiver ativado no computador, a página Configuração, Microsoft Update será
exibida. Selecione a opção e, em seguida, clique em Avançar.
11. Examine suas opções na página Configuração, Resumo da Instalação e clique em Instalar. A Instalação
continua.
12. Na página Instalação concluída, clique em Fechar.

IMPORTANTE
O site padrão deve ter uma associação http ou https configurada.

Para instalar um console Web usando a janela do prompt de comando


1. Faça logon no computador com uma conta que tenha credenciais administrativas locais.
2. Abra uma janela do prompt de comando usando a opção Executar como administrador .
3. Altere o caminho onde o arquivo setup.exe do Operations Manager está localizado e execute o comando a
seguir.

IMPORTANTE
Use o parâmetro do /WebConsoleSSL somente se o site tiver o Secure Sockets Layer (SSL) ativado.
Para uma instalação padrão da Web, especifique Site Padrão para o parâmetro do /WebSiteName .

OBSERVAÇÃO
O parâmetro /ManagementServer é necessário apenas quando você está instalando o console Web em um servidor
que não é um servidor de gerenciamento.
setup.exe /silent /install /components:OMWebConsole
/ManagementServer: <ManagementServerName>
/WebSiteName: "<WebSiteName>" [/WebConsoleUseSSL]
/WebConsoleAuthorizationMode: [Mixed|Network]
/UseMicrosoftUpdate: [0|1]

Para configurar a herança de permissões para o console Web


As etapas a seguir destinam-se à configuração da herança de permissão para o console Web do System Center
2016 – Operations Manager.
1. No Windows Explorer, navegue até a pasta MonitoringView no diretório de instalação do console Web (por
padrão, C:\Arquivos de Programas\System Center 2016\Operations
Manager\WebConsole\MonitoringView ), clique com o botão direito do mouse na pasta TempImages e
clique em Propriedades.
2. Na guia Segurança, clique em Avançado.
3. Na guia Permissões, clique em Alterar Permissões.
4. Marque a caixa de seleção Incluir permissões herdáveis provenientes do pai deste objeto.
5. Em Entradas de permissão, clique em Administradores e clique em Remover. Repita para a entrada
SISTEMA e clique em OK.
6. Clique em OK para fechar Configurações de Segurança Avançadas de TempImages e clique em OK
para fechar as Propriedades de TempImages.
Todas as informações e conteúdos em http://blogs.technet.com/b/momteam/archive/2008/01/31/running-the-
web-console-server-on-a-standalone-server-using-windows-authentication.aspx são fornecidas pelo proprietário
ou pelos usuários do site. A Microsoft não oferece nenhuma garantia expressa, implícita ou estatutária quanto às
informações neste site.

Próximas etapas
Confira Implantação distribuída do Operations Manager para compreender a sequência e as etapas para
instalar as funções de servidor do Operations Manager em vários servidores no grupo de gerenciamento.
Como instalar um banco de dados e um coletor ACS
(Serviços de Coleta de Auditoria)
20/02/2018 • 10 min to read • Edit Online

Use os procedimentos a seguir para instalar um coletor e um banco de dados ACS (Serviços de Coleta de
Auditoria) e para iniciar o serviço para o computador do coletor ACS. Ambos os procedimentos são executados no
computador designado como o coletor ACS.
O banco de dados ACS é executado em uma versão com suporte do Microsoft SQL Server. O Assistente de
instalação do coletor de Serviços de Coleta de Auditoria cria o banco de dados ACS em uma instalação existente
do Microsoft SQL Server. Para concluir o procedimento de instalação, você deve ser membro do grupo
Administradores local no coletor ACS e nos computadores de banco de dados ACS, bem como um administrador
de banco de dados no banco de dados ACS. Como recomendação de segurança, considere o uso de Executar como
para executar esse procedimento.

Para instalar um coletor ACS e um banco de dados ACS


1. Faça logon no servidor usando uma conta que tenha credenciais administrativas locais.
2. Na mídia de instalação do Operations Manager, execute Setup.exe e depois clique em Serviços de Coleta
de Auditoria.
Para monitorar computadores UNIX e Linux, clique em Serviços de Coleta de Auditoria para
UNIX/Linux.
O assistente Instalação do Coletor de Serviços de Coleta de Auditoria é aberto.
3. Na página Bem -vindo , clique em Avançar.
4. Na página Contrato de Licença, leia os termos de licenciamento, clique em Aceito o contrato e clique em
Avançar.
5. Na página Opções de Instalação do Banco de Dados, clique em Criar um novo banco de dados e
clique em Avançar.
6. Na página Fonte de Dados, na caixa Nome da fonte de dados digite o nome que deseja usar como nome
da fonte de dados ODBC para o banco de dados ACS. Por padrão, este nome é OpsMgrAC. Clique em
Avançar.
7. Na página Banco de Dados, se o banco de dados estiver em um servidor separado do coletor ACS, clique
em Servidor de banco de dados remoto e digite o nome do computador do servidor de banco de dados
que hospedará o banco de dados para esta instalação do ACS. Caso contrário, clique em Servidor de
banco de dados executando localmente.
8. No campo Nome da instância de servidor de banco de dados, digite o nome do servidor e o nome da
instância do SQL Server, se não for a instância padrão, para o servidor de banco de dados que hospedará o
banco de dados ACS. No campo de nome do Banco de Dados, o nome padrão do banco de dados,
OperationsManagerAC, é automaticamente inserido. É possível selecionar o texto e digitar um nome
diferente ou manter o nome padrão. Clique em Avançar.
9. Na página Autenticação de Banco de Dados, selecione um dos métodos de autenticação. Se o coletor
ACS e o banco de dados ACS forem membros do mesmo domínio, você poderá selecionar Autenticação
do Windows, caso contrário, selecione Autenticação SQL e clique em Avançar.
OBSERVAÇÃO
Caso selecione Autenticação SQL e clique em Avançar, a página Credenciais do Banco de Dados será exibida. Na
caixa Nome do logon SQL, insira o nome da conta do usuário que tem acesso ao SQL Server e a senha dessa conta
na caixa Senha SQL e, em seguida, clique em Avançar.

10. Na página Opções de Criação do Banco de Dados, clique em Usar diretórios do arquivo de log e
dados padrão do SQL Server para usar pastas padrão do SQL Server. Caso contrário, clique em
Especificar diretórios e insira o caminho completo, incluindo a letra da unidade, no local que deseja para o
banco de dados ACS e o arquivo de log, por exemplo, C:\Arquivos de Programas\Microsoft SQL
Server\MSSQL.1\MSSQL\Dados. Clique em Avançar.
11. Na página Agenda de Retenção de Eventos, clique em Hora local do dia para executar a
manutenção diária do banco de dados. Escolha um horário quando o número de eventos de segurança
esperados for baixo. Durante o período de manutenção do banco de dados, o desempenho do banco de
dados será afetado. Na caixa Número de dias para retenção de eventos, digite o número de dias em que
o ACS deve manter os eventos no banco de dados ACS antes de os eventos serem removidos durante a
limpeza do banco de dados. O valor padrão é 14 dias. Clique em Avançar.
12. Na página Formato de Carimbo de Data/Hora Armazenado no ACS, escolha Local ou Horário
Coordenado Universal, anteriormente conhecido como Hora de Greenwich e clique em Avançar
13. A página Resumo exibe uma lista de ações que o programa de instalação executará para instalar o ACS.
Revise a lista e clique em Avançar para iniciar a instalação.

OBSERVAÇÃO
Se a caixa de diálogo Logon do SQL Server for exibida e a autenticação do banco de dados estiver definida como
Autenticação do Windows, clique no banco de dados correto e verifique se a caixa de seleção Usar Conexão
Confiável está marcada. Caso contrário, clique para remover a seleção e insira o nome e a senha de logon do SQL.
Clique em OK.

14. Quando a instalação estiver concluída, clique em Concluir.

Para implantar um relatório do ACS


1. Faça logon no servidor que será usado para hospedar a geração de relatórios de ACS como usuário
administrador da instância do SSRS.
2. Crie uma pasta temporária, como C:\acs.
3. Na mídia de instalação, vá para \ReportModels\acs e copie o conteúdo do diretório para a pasta de
instalação temporária.
Há duas pastas (Modelos e Relatórios) e um arquivo chamado UploadAuditReports.cmd.
4. Na mídia de instalação, vá para \SupportTools e copie o arquivo ReportingConfig.exe para a pasta acs
temporária.
5. Abra uma janela de prompt de comando usando a opção Executar como Administrador e altere os
diretórios para a pasta acs temporária.
6. Execute o seguinte comando.
UploadAuditReports "<AuditDBServer\Instance>" "<Reporting Server URL>" "<path of the copied acs folder>"
Por exemplo:
UploadAuditReports "myAuditDbServer\Instance1" "http://myReportServer/ReportServer$instance1" "C:\acs"
Este exemplo cria uma nova fonte de dados chamada Auditoria de DB, carrega os modelos de relatório
Audit.smdl e Audit5.smdl carrega todos os relatórios no diretório acs\reports.

OBSERVAÇÃO
A URL do servidor de relatórios precisa do diretório virtual do servidor de relatórios (
ReportingServer_<InstanceName> ) em vez do diretório do gerenciador de relatórios ( Reports_<InstanceName> ).

7. Abra o Internet Explorer e insira o endereço a seguir para exibir a SQL Reporting Services Home (Página
Inicial do SQL Reporting Services). http://<yourReportingServerName>/Reports_<InstanceName>
8. Clique em Relatórios de Auditoria no corpo da página e clique Mostrar Detalhes na parte superior
direita da página.
9. Clique na fonte de dados Auditoria de DB.
10. Na seção Conectar utilizando, selecione Segurança Integrada do Windows e clique em Aplicar.

Próximas etapas
Confira Implantação distribuída do Operations Manager para compreender a sequência e as etapas para
instalar as funções de servidor do Operations Manager em vários servidores no grupo de gerenciamento.
Como instalar o servidor de relatórios do Operations
Manager
20/03/2018 • 11 min to read • Edit Online

Neste procedimento, o servidor de relatórios é instalado em um servidor autônomo que está hospedando o banco
de dados do SQL Server e o SQL Server Reporting Services.

AVISO
Embora o SQL Server Reporting Services esteja instalado no servidor autônomo, os relatórios do Operations Manager não
são acessados nesse servidor, eles são acessados no espaço de trabalho Relatórios no Console de Operações. Se você
desejar acessar relatórios publicados por meio do console Web, será necessário instalar o console Web do Operations
Manager no mesmo computador que o servidor de relatórios do Operations Manager.

Você deve garantir que o servidor atenda aos requisitos mínimos do sistema para o Operations Manager. Para
saber mais, confira Requisitos do sistema para o System Center – Operations Manager.

OBSERVAÇÃO
Se suas políticas de segurança restringirem a TLS 1.0 e 1.1, a instalação de uma nova função do Reporting Services do
Operations Manager 2016 falhará porque a mídia de instalação não inclui as atualizações compatíveis com o TLS 1.2. A única
maneira de instalar essas funções é habilitar o protocolo TLS 1.0 no sistema, aplicando o pacote cumulativo de atualizações 4
e, em seguida, habilitando o protocolo TLS 1.2 no sistema. Essa limitação não se aplica ao Operations Manager versão 1801.

Instalando os relatórios do Operations Manager


Nenhum outro aplicativo que está usando o SQL Server Reporting Services pode ser instalado nesta instância do
SQL Server.
Verifique se o SQL Server Reporting Services foi corretamente instalado e configurado. Para saber mais sobre
como instalar e configurar o SQL Server Reporting Services, confira Instalação do SQL Server.

OBSERVAÇÃO
Antes de prosseguir com esse procedimento, verifique se a conta que deseja usar para a Conta de Gravação do Data
Warehouse tem direitos de logon do SQL Server e é um Administrador nos computadores que hospedam o banco de dados
do operacional e o banco de dados do data warehouse de relatórios. Caso contrário, a instalação falhará e todas as alterações
serão revertidas, o que poderá deixar o SQL Server Reporting Services em um estado inoperável.

Para verificar se o Reporting Services está configurado corretamente


1. Verifique se os bancos de dados ReportServer e ReportServerTempDB no SQL Server Management
Studio estão localizados no servidor autônomo. Abra o SQL Server Management Studio e conecte-se à
instância do banco de dados padrão. Abra o nó Bancos de dados e verifique se os dois bancos de dados do
Reporting Services existem neste nó.
2. Verifique a configuração correta do SQL Server Reporting Services. Clique em Iniciar, aponte para
Programas, aponte para a oferta apropriada do Microsoft SQL Server, aponte para Ferramentas de
Configuração e clique em Gerenciador de Configuração do Reporting Services. Conecte-se à instância
na qual você instalou o Reporting Services.
3. No painel de navegação, selecione a <servername>\SQLinstance . Isso exibe o status do servidor de relatório
no painel de resultados. Verifique se o Status do Servidor de Relatório é Iniciado.
4. No painel de navegação, selecione Implantação Escalável e verifique se a coluna Status coluna tem o
valor de Ingressado.
5. Se o Servidor de Relatório não for iniciado e a Implantação Escalável não estiver ingressada, verifique a
configuração da Conta de Serviço, URL de serviço Web e Banco de dados.
6. Confirme se o serviço SQL Server Reporting Services está em execução. Na barra de tarefas, clique em
Iniciar, aponte para Ferramentas Administrativas e clique em Serviços.
7. Na coluna Nome coluna, encontre o serviço da instância SQL Server Reporting Services e verifique se
seu status é Iniciado e se o Tipo de Inicialização é Automático.
8. Na coluna Nome coluna, encontre o serviço SQL Server Agent e verifique se seu status é Iniciado e seu
Tipo de Inicialização é Automático.
9. Verifique se o site do Servidor de Relatório está disponível e funcionando navegando para
http://\<servername>/reportserver/_<$instance> . Você deve ver uma página com o
<servername>/ReportServer/_<$instance> e o texto Microsoft SQL Server Reporting Services Version
##.#.####.##, em que o # é o número de versão da instalação do SQL Server.
10. Verifique se o site do Gerenciador de Relatórios está configurado corretamente abrindo o Internet
Explorer e navegando até http://<servername>/reports/_<$instance> .
11. No site do Gerenciador de Relatórios, clique em Nova Pasta para criar uma nova pasta. Insira um nome e
uma descrição e clique em OK. Certifique-se de que a nova pasta criada esteja visível no site do Gerenciador
de Relatórios.
Para instalar os relatórios do Operations Manager
1. Faça logon no computador com uma conta que tenha credenciais administrativas locais.
2. Na mídia de instalação do Operations Manager, execute Setup.exe e depois clique em Instalar.
3. Na página Introdução, Selecione os recursos a serem instalados, selecione o recurso Servidor de
Relatórios. Para ler mais sobre cada recurso e seus requisitos, clique em Expandir Tudo ou expanda os
botões ao lado de cada recurso e clique em Avançar.
4. Em Introdução, na página Selecionar local de instalação, aceite o valor padrão ou digite um novo local
ou navegue até um e clique em Avançar.
5. Na página Pré-requisitos, leia e resolva os avisos e erros e depois clique em Verificar Pré-requisitos
Novamente para verificar novamente o sistema.
6. Se o verificador de pré-requisitos não apontar nenhum aviso ou erro, prossiga para a página Pré-
requisitos, Prosseguir com a Configuração. Clique em Avançar.
7. Na página Configuração, Especifique um servidor de gerenciamento, insira o nome do servidor de
gerenciamento que é usado apenas pelos recursos de relatório. Clique em Avançar.
8. Na página Configuração, Instância do SQL Server para o Reporting Services, selecione a instância do
SQL Server que hospeda o SQL Server Reporting Services e clique em Avançar.
9. Na página Configuração, Configurar contas do Operations Manager, insira as credenciais da Conta do
Leitor de Dados e clique em Avançar.
10. Na página Configuração, Help improve System Center – Operations Manager (Ajude a aprimorar o
System Center – Operations Manager), selecione suas opções e clique em Avançar.
11. Se Windows Update não estiver ativado no computador, a página Configuração, Microsoft Update será
exibida. Selecione suas opções e depois clique em Avançar.
12. Examine as opções na página Configuração, Resumo da Instalação e clique em Instalar. A Instalação
continua.
13. Quando a Instalação for concluída, a página Configuração concluída será exibida. Clique em Fechar.
Para instalar os relatórios do Operations Manager do prompt de comando
1. Faça logon no servidor usando uma conta que tenha credenciais administrativas locais.
2. Abra a janela do Prompt de comando usando a opção Executar como administrador.
3. Altere o caminho onde o arquivo setup.exe do Operations Manager está localizado e execute o comando a
seguir.

OBSERVAÇÃO
O parâmetro /ManagementServer é necessário apenas quando você está instalando o relatório em um servidor que
não é um servidor de gerenciamento.

setup.exe /silent /install /components:OMReporting


/ManagementServer: "<ManagementServerName>"
/SRSInstance: <server\instance>
/DataReaderUser: <domain\username>
/DataReaderPassword: <password>
/SendODRReports: [0|1]
/UseMicrosoftUpdate: [0|1]

Para confirmar a integridade dos relatórios do Operations Manager


1. Abra o Console de Operações e selecione o espaço de trabalho Relatório.

OBSERVAÇÃO
Depois da implantação inicial, podem ser necessários até 30 minutos para que os relatórios apareçam.

2. Clique em Biblioteca de Relatórios ODR da Microsoft e depois clique duas vezes em qualquer um dos
relatórios listados. O relatório selecionado é gerado e exibido na nova janela.
Por padrão, você deve ver os seguintes relatórios:
Alertas por Dia
Espaço de Instância
Grupo de Gerenciamento
Pacotes de Gerenciamento
Alertas Mais Comuns
3. Feche a janela de relatórios.

Próximas etapas
Confira Implantação distribuída do Operations Manager para compreender a sequência e as etapas para
instalar as funções de servidor do Operations Manager em vários servidores no grupo de gerenciamento.
Conectando-se ao Data Warehouse de relatórios
através de um firewall
23/03/2018 • 6 min to read • Edit Online

Esta seção descreve como configurar o seu ambiente para dar suporte à colocação de um data warehouse de
relatórios atrás de um firewall para o System Center Operations Manager.
Em um ambiente no qual o data warehouse de relatórios está separado do servidor de gerenciamento e do
Servidor de relatório por um firewall, não é possível usar a Autenticação Integrada do Windows. É necessário
configurar a Autenticação do SQL Server. As próximas seções explicam como habilitar a Autenticação do SQL
Server entre o servidor de gerenciamento, o Servidor de relatório e o data warehouse de Relatórios, como mostra
a ilustração a seguir:

Servidor de gerenciamento e data warehouse de Relatórios


As seguintes etapas são necessárias para habilitar a Autenticação do SQL Server:
1. No computador que hospeda o data warehouse de Relatórios, crie um Logon do SQL Server na função
adequada para o leitor e o gravador. As credenciais fornecidas para esta conta devem se tornar membro das
seguintes funções no banco de dados do data warehouse residente no computador que executa o SQL
Server: a. OpsMgrWriter
b. db_owner (somente para o grupo de gerenciamento proprietário no banco de dados)
2. No computador que hospeda o servidor de gerenciamento, crie uma Conta Executar como (do tipo
Simples) com as credenciais da etapa anterior.
3. Associe essa conta Executar como com o perfil Executar como denominado Conta de Autenticação do SQL
Server do Data Warehouse, direcionando este perfil a cada servidor de gerenciamento. Para obter mais
informações, consulte How to Change the Run As Account Associated with a Run As Profile neste guia.
Se houver um firewall entre o servidor de gerenciamento e o data warehouse de Relatórios, será necessário abrir a
porta 1433.

Servidor de Relatórios e data warehouse de Relatórios


Se houver um firewall ou um limite de confiança entre o Servidor de Relatórios e o data warehouse de Relatórios,
será necessário estabelecer comunicações ponto a ponto.
A conta especificada como a Conta do Leitor de Dados durante a configuração de Relatórios se tornará a Conta de
Execução no Servidor de Relatórios, sendo utilizada para conexão com o data warehouse de Relatórios.
Identifique qual número de porta está sendo usado pelo computador que executa o SQL Server no data
warehouse de Relatórios e insira esse número na tabela dbo.MT_DataWarehouse do banco de dados do
Operations Manager. Consulte o artigo, How to Configure the Reporting Data Warehouse to Listen on a Specific
TCP/IP Port (Como configurar o data warehouse de Relatórios para escutar em uma porta TCP/IP específica).

Servidor de relatórios e servidor de gerenciamento separados por um


firewall
Uma mensagem de erro do tipo "Não foi possível verificar se o usuário atual está na Função sysadmin" poderá ser
exibida durante a instalação da função de servidor Relatórios, se o servidor de relatórios e o servidor de
gerenciamento estiverem separados por um firewall. Esta mensagem de erro pode ser exibida mesmo que as
portas apropriadas do firewall tenham sido abertas. Este erro ocorre depois de inserir o nome do computador para
o servidor de gerenciamento e clicar em Avançar. Esse erro também pode aparecer quando a Configuração de
Relatórios não conseguir se conectar ao banco de dados operacional. Nesse ambiente, determine qual número da
porta a instância do SQL Server está usando e configure o banco de dados do Operations Manager para usar o
número da porta. Consulte o artigo How to Configure the Operations Manager Database to Listen on a Specific
TCP/IP Port (Como configurar o banco de dados do Operations Manager para escutar em uma porta TCP/IP
específica).

Próximas etapas
Examine a lista de relatórios instalados com o Operations Manager para entender os diferentes tipos de
relatórios disponíveis e sua finalidade.
How to Run, Save, and Export a Report (Como executar, salvar e exportar um relatório) explica como
visualizar relatórios, salvá-los com parâmetros de relatório específicos para minimizar a entrada repetida de
informações ou para simplificar a experiência para seus usuários de relatório e como exportar o relatório
para formatos de arquivo diferentes.
Instalar um servidor de gateway
20/03/2018 • 16 min to read • Edit Online

Servidores gateway são usados para habilitar o gerenciamento por agente de computadores que se encontram
fora do limite de confiabilidade Kerberos de grupos de gerenciamento, como em um domínio não confiável. O
servidor gateway atua como um ponto de concentração para a comunicação do agente com o servidor de
gerenciamento. Agentes em domínios não confiáveis se comunicam com o servidor gateway e este se comunica
com um ou mais servidores de gerenciamento. Como a comunicação entre o servidor gateway e os servidores de
gerenciamento ocorre apenas por uma porta (TCP 5723), esta é a única porta que deve ser aberta em firewalls
intermediários para habilitar o gerenciamento de vários computadores gerenciados por agente. É possível inserir
vários servidores gateway em um único domínio para que os agentes possam realizar failover de um para o outro,
caso percam comunicação com um dos servidores gateway. Da mesma maneira, um único servidor gateway pode
ser configurado para realizar failover entre os servidores de gerenciamento, de forma que não haja nenhum ponto
de falha na cadeia de comunicação.
Como o servidor gateway reside em um domínio que não é confiável para o domínio no qual o grupo de
gerenciamento reside, é necessário usar certificados para estabelecer a identidade de cada computador, agente,
servidor gateway e servidor de gerenciamento. Este procedimento satisfaz o requisito do Operations Manager de
autenticação mútua.
Você deve fazer com que o servidor atenda aos requisitos mínimos do sistema para o System Center – Operations
Manager. Para obter mais informações, consulte Requisitos do sistema para o System Center Operations Manager.

OBSERVAÇÃO
Se suas políticas de segurança restringirem a TLS 1.0 e 1.1, a instalação de uma nova função de servidor de gateway do
Operations Manager 2016 falhará porque a mídia de instalação não inclui as atualizações compatíveis com o TLS 1.2. A única
maneira de instalar essas funções é habilitar o protocolo TLS 1.0 no sistema, aplicando o pacote cumulativo de atualizações 4
e, em seguida, habilitando o protocolo TLS 1.2 no sistema. Essa limitação não se aplica ao Operations Manager versão 1801.

Como implantar um servidor de gateway


1. Solicite certificados para qualquer computador no agente, servidor de gateway, cadeia de servidor de
gerenciamento.
2. Importe os certificados nos computadores de destino usando a ferramenta MOMCertImport.exe.
3. Distribua o Microsoft.EnterpriseManagement.GatewayApprovalTool.exe para o servidor de gerenciamento.
4. Execute a ferramenta Microsoft.EnterpriseManagement.GatewayApprovalTool.exe para iniciar a
comunicação entre o servidor de gerenciamento e o gateway
5. Instale o servidor gateway.

Preparando para a instalação


Antes de começar
1. A implantação dos servidores de gateway requer certificados. Você precisa ter acesso a uma AC (autoridade
de certificação). Ela pode ser uma AC pública, como a VeriSign ou você pode usar os Serviços de
Certificados da Microsoft. Esse procedimento fornece as etapas para solicitar, obter e importar um
certificado dos Serviços de Certificados da Microsoft.
2. Deve existir a resolução de nome confiável entre os computadores gerenciados por agente e o servidor de
gateway e entre o servidor de gateway e os servidores de gerenciamento. Essa resolução de nome
geralmente é feita por meio do DNS. No entanto, se não for possível obter a resolução de nome apropriada
por meio do DNS, poderá ser necessário criar manualmente as entradas no arquivo de hosts de cada
computador.

OBSERVAÇÃO
O arquivo de hosts está localizado no diretório \Windows\system32\drivers\ e contém instruções para configuração.

Obtendo certificados de computador dos Serviços de Certificados da Microsoft


Para obter mais informações, consulte Serviços de Certificados do Active Directory
Distribuindo a Microsoft.EnterpriseManagement.GatewayApprovalTool
A ferramenta Microsoft.EnterpriseManagement.GatewayApprovalTool é necessária apenas no servidor de
gerenciamento e precisa ser executada apenas uma vez.
P a r a c o p i a r a M i c r o so ft .En t e r p r i se M a n a g e m e n t .G a t e w a y A p p r o v a l To o l .e x e p a r a se r v i d o r e s d e g e r e n c i a m e n t o

1. Em um servidor de gerenciamento de destino, abra o diretório \SupportTools\ (amd64 ou x86) da mídia de


instalação do Operations Manager.
2. Copie a Microsoft.EnterpriseManagement.GatewayApprovalTool.exe da mídia de instalação para o diretório
de instalação do Operations Manager.
Registrando o gateway com o grupo de gerenciamento
Este procedimento registra o servidor de gateway com o grupo de gerenciamento e quando isso for concluído, o
servidor de gateway aparecerá na exibição Inventário Descoberto do grupo de gerenciamento.
P a r a e x e c u t a r a fe r r a m e n t a d e a p r o v a ç ã o d o g a t e w a y

1. No servidor de gerenciamento que foi destinado durante a instalação do servidor de gateway, efetue logon
com a conta de Administrador do Operations Manager.
2. Abra um prompt de comando e navegue até o diretório de instalação do Operations Manager ou até o
diretório para o qual você copiou a Microsoft.EnterpriseManagement.gatewayApprovalTool.exe.
3. Ao prompt de comando, execute
Microsoft.EnterpriseManagement.gatewayApprovalTool.exe /ManagementServerName=<managementserverFQDN>
/GatewayName=<GatewayFQDN> /Action=Create

OBSERVAÇÃO
Para evitar que o servidor de gateway comece a se comunicar com um servidor de gerenciamento, inclua o parâmetro
/ManagementServerInitiatesConnection na linha de comando.

4. Se a aprovação for bem-sucedida, você verá The approval of server <GatewayFQDN> completed successfully.

5. Se você precisar remover o servidor de gateway do grupo de gerenciamento, execute o mesmo comando,
mas substitua o sinalizador /Action=Delete pelo sinalizador /Action=Create .
6. Abra o Console de Operações para a exibição de Monitoramento. Selecione a exibição Inventário
Descoberto para ver se o servidor de gateway está presente.
Instalando o servidor de gateway
Esse procedimento instala o servidor de gateway. O servidor que será o servidor de gateway deve ser um membro
do mesmo domínio que os computadores gerenciados por agente que serão subordinados a ele.
DICA
Uma instalação falhará ao iniciar o Windows Installer (por exemplo, instalar um servidor de gateway clicando duas vezes em
MOMGateway.msi) se o Controle de Conta de Usuário: executar todos os administradores no Modo de Aprovação de
Administrador da política de segurança local estiver habilitado.

P a r a e x e c u t a r o W i n d o w s I n st a l l e r d o G a t e w a y d o O p e r a t i o n s M a n a g e r d e u m a j a n e l a d o p r o m p t d e c o m a n d o

1. Na área de trabalho do Windows, clique em Iniciar, aponte para Programas, Acessórios, clique com o
botão direito do mouse em Prompt de Comando e clique em Executar como administrador.
2. Na janela Administrator: Command Prompt (Administrador: Prompt de Comando), navegue até a
unidade local que hospeda a mídia de instalação do Operations Manager.
3. Navegue até o diretório em que o arquivo .msi está localizado, digite o nome do arquivo .msi e pressione
ENTER.
P a r a i n st a l a r o se r v i d o r d e g a t e w a y

1. Faça logon no servidor de gateway com direitos de administrador.


2. Na mídia de instalação do Operations Manager, inicie o Setup.exe.
3. Na área Instalar, clique no link Servidor de Gerenciamento de Gateway.
4. Na tela de Boas-vindas, clique em Avançar.
5. Na página Pasta de Destino, aceite o padrão ou clique em Alterar para selecionar um diretório de destino
diferente e clique em Avançar.
6. Na página Configuração do Grupo de Gerenciamento, digite o nome do grupo de gerenciamento de
destino no campo Nome do Grupo de Gerenciamento, digite o nome do servidor de gerenciamento de
destino no campo Servidor de Gerenciamento, verifique se o campo Porta do Servidor de
Gerenciamento é 5723 e clique em Avançar. Essa porta poderá ser alterada se você tiver habilitado uma
porta diferente para a comunicação do servidor de gerenciamento no Console de Operações.
7. Na página Conta de Ação do Gateway, selecione a opção de conta Sistema Local, a menos que você
tenha especificamente criado uma conta de ação de gateway baseada no computador local ou baseada no
domínio. Clique em Avançar.
8. Na página Microsoft Update, indique opcionalmente se deseja usar o Microsoft Update e clique em
Avançar.
9. Na página Pronto para Instalar, clique em Instalar.
10. Na página Concluindo, clique em Concluir.
P a r a i n st a l a r o se r v i d o r d e g a t e w a y d o p r o m p t d e c o m a n d o

1. Faça logon no servidor de gateway com direitos de administrador.


2. Abra a janela do Prompt de comando usando a opção Executar como administrador.
3. Execute o comando a seguir, em que path\Directory é o local do Momgateway.msi e path\Logs é o local em
que você deseja salvar o arquivo de log. O Momgateway.msi pode ser encontrado na mídia de instalação do
Operations Manager.
%WinDir%\System32\msiexec.exe /i path\Directory\MOMGateway.msi /qn /l*v C:\Logs\GatewayInstall.log
ADDLOCAL=MOMGateway
MANAGEMENT_GROUP="<ManagementGroupName>"
IS_ROOT_HEALTH_SERVER=0
ROOT_MANAGEMENT_SERVER_AD=<ParentMSFQDN>
ROOT_MANAGEMENT_SERVER_DNS=<ParentMSFQDN>
ACTIONS_USE_COMPUTER_ACCOUNT=0
ACTIONSDOMAIN=<DomainName>
ACTIONSUSER=<ActionAccountName>
ACTIONSPASSWORD=<Password>
ROOT_MANAGEMENT_SERVER_PORT=5723
[INSTALLDIR=<path\Directory>]

Importando certificados com a ferramenta MOMCertImport.exe


Execute esta operação em cada servidor de gateway, servidor de gerenciamento e computador que será
gerenciado por agente e que está em um domínio não confiável.
P a r a i m p o r t a r c e r t i fi c a d o s d e c o m p u t a d o r u sa n d o a M O M C e r t I m p o r t .e x e

1. Copie a ferramenta MOMCertImport.exe do diretório \SupportTools\ (amd64 ou x86) da mídia de


instalação para a raiz do servidor de destino ou para o diretório de instalação do Operations Manager, se o
servidor de destino for um servidor de gerenciamento.
2. Como administrador, abra uma janela do prompt de comando e altere o diretório para o diretório em que a
MOMCertImport.exe está e execute momcertimport.exe /SubjectName <certificate subject name> . Isso torna
o certificado utilizável pelo Operations Manager.
Configurando servidores de gateway para failover entre servidores de gerenciamento
Embora os servidores de gateway possam se comunicar com um servidor de gerenciamento no grupo de
gerenciamento, isso precisa ser configurado. Nesse cenário, os servidores de gerenciamento secundários são
identificados como destinos de failover do servidor de gateway.
Use o comando Set-SCOMParentManagementServer no shell do Operations Manager, conforme mostrado no
exemplo a seguir, para configurar um servidor de gateway para failover em vários servidores de gerenciamento.
Os comandos podem ser executados de qualquer shell de comando no grupo de gerenciamento.
P a r a c o n fi g u r a r o fa i l o v e r d o se r v i d o r d e g a t e w a y e n t r e se r v i d o r e s d e g e r e n c i a m e n t o

1. Faça logon no servidor de gerenciamento com uma conta que seja membro da função Administradores do
grupo de gerenciamento.
2. Na área de trabalho do Windows, clique em Iniciar, aponte para Programas, System Center Operations
Manager e clique em Shell de Comando.
3. No Shell de Comando, execute os seguintes comandos:
$GatewayServer = Get-SCOMGatewayManagementServer -Name "ComputerName.Contoso.com"
$FailoverServer = Get-SCOMManagementServer -Name
"ManagementServer.Contoso.com","ManagementServer2.Contoso.com" Set-
SCOMParentManagementServer -GatewayServer $GatewayServer -FailoverServer $FailoverServer

Para encadear vários servidores de gateway


Às vezes, é necessário encadear vários gateways para realizar o monitoramento entre vários limites não confiáveis.
Este tópico descreve como encadear vários gateways.
OBSERVAÇÃO
Você deve instalar um gateway de cada vez e verificar se cada gateway recém-instalado está configurado corretamente antes
de adicionar outro gateway à cadeia.

1. No servidor de gerenciamento que foi direcionado durante a instalação do servidor de gateway, execute a
ferramenta Microsoft.EnterpriseManagement.GatewayApprovalTool.exe para iniciar a comunicação entre o
servidor de gerenciamento e o gateway.
2. Abra um prompt de comando e navegue até o diretório de instalação do Operations Manager e, em seguida,
execute o seguinte:
Microsoft.EnterpriseManagement.gatewayApprovalTool.exe /ManagementServerName=<managementserverFQDN>
/GatewayName=<GatewayFQDN> /Action=Create
3. Instale o servidor de gateway em um novo servidor.
4. Configure os certificados entre os gateways da mesma forma que configuraria os certificados entre um
gateway e um servidor de gerenciamento. O Serviço de Integridade pode carregar e usar apenas um único
certificado. Portanto, o mesmo certificado é usado pelo pai e pelo filho do gateway na cadeia.

Próximas etapas
Confira Implantação distribuída do Operations Manager para compreender a sequência e as etapas para
instalar as funções de servidor do Operations Manager em vários servidores no grupo de gerenciamento.
Atualizando o System Center Operations Manager
20/04/2018 • 11 min to read • Edit Online

Esta seção do Guia de Implantação fornece informações sobre como atualizar para o System Center 2016 –
Operations Manager ou para a versão 1801 de uma versão com suporte mais antiga.
Será considerado neste guia que você está executando uma atualização para o System Center 2016 – Operations
Manager ou para a versão 1801. Para obter informações sobre como instalar o Operations Manager em um
computador no qual não existe nenhuma versão anterior do Operations Manager, consulte Implantando o System
Center Operations Manager.

OBSERVAÇÃO
Se o grupo de gerenciamento do Operations Manager 2012 R2 ou do Operations Manager 2016 estiver integrado ao
Microsoft Azure Log Analytics [anteriormente conhecido como Microsoft OMS (Operations Management Suite)], a
configuração dele será retida e continuará funcionando normalmente depois que a atualização for concluída.

AVISO
Se estiver fazendo upgrade de dois ou mais componentes do System Center, examine o processo de upgrade de cada
componente.
A ordem na qual as atualizações de componentes são realizadas é importante. Deixar de seguir a sequência correta das
atualizações pode causar falha nos componentes, e não existem opções de recuperação. A seguinte lista mostra os
componentes afetados do System Center integrados ao Operations Manager e a sequência de upgrade recomendada:
1. Orchestrator – se você tiver o pacote de integração do Operations Manager instalado para dar suporte a runbooks que
executam a automação no grupo de gerenciamento do Operations Manager.
2. Service Manager – se você configurou os conectores para importar dados de alerta e de item de configuração de objetos
descobertos e monitorados no Operations Manager.
3. Data Protection Manager – se você configurou o console central para gerenciar de forma centralizada o ambiente do
DPM.
4. Operations Manager
5. Virtual Machine Manager – se você configurou a integração com o Operations Manager para monitorar a integridade
dos componentes do VMM, das máquinas virtuais e dos hosts das máquinas virtuais.

Antes de atualizar para o System Center Operations Manager, é necessário determinar primeiro se todos os
servidores no grupo de gerenciamento do Operations Manager atendem às configurações mínimas com suporte.
Para obter mais informações, consulte Requisitos do sistema: System Center Operations Manager.
Há várias opções de atualização:
1. Se você executar uma atualização em um grupo de gerenciamento de servidor único, somente será
necessário executar a atualização uma vez, pois todos os recursos estão instalados em um único servidor. O
assistente de Atualização do Operations Manager executa as verificações de pré-requisitos do sistema e
fornece etapas de resolução para qualquer problema. A instalação não continuará até você resolver todos
os problemas.
2. Se você estiver atualizando um grupo de gerenciamento distribuído, sempre deverá atualizar certos
recursos antes de outros. Por exemplo, atualize os servidores de gerenciamento primeiro, depois os
gateways, os consoles de operações e, por fim, os agentes. Em seguida, você pode atualizar qualquer
recurso restante, como o console Web, os relatórios e os Serviços de Coleta de Auditoria (ACS ). Você
também deve executar algumas tarefas pré e pós-atualização.
3. Caso deseje manter o ambiente do Operations Manager 2012 R2 ou do System Center 2016 – Operations
Manager, instale a versão 1801 em paralelo, atualize os agentes e faça o multi-home deles entre os dois
grupos de gerenciamento.
4. Se você desejar manter o ambiente do seu Operations Manager 2012 R2, você poderá instalar o System
Center 2016 – Operations Manager em paralelo e atualizar seus agentes e faça o multi-home deles entre os
dois grupos de gerenciamento.

Coexistência com suporte


A tabela a seguir lista os cenários em que há suporte para a coexistência entre o Operations Manager 2016 e as
versões anteriores do Operations Manager.

VERSION COEXISTÊNCIA DO GRUPO DE GERENCIAMENTO

Operations Manager 2012 R2 Sim

A tabela a seguir lista os cenários compatíveis com a coexistência entre o Operations Manager 1801 e as versões
anteriores do Operations Manager.

VERSION COEXISTÊNCIA DO GRUPO DE GERENCIAMENTO

Operations Manager 2016 RTM para o último pacote Sim


cumulativo de atualizações

Operations Manager 2012 R2 para o último pacote Sim


cumulativo de atualizações

Atualização in-loco
O System Center 2016 – Operations Manager dá suporte a uma atualização in-loco das versões a seguir:
System Center 2016 Technical Preview 5 – Operations Manager
System Center 2012 R2 Operations Manager com o pacote cumulativo de atualizações 12
O System Center Operations Manager 1801 é compatível com uma atualização in-loco das seguintes versões:
System Center 2012 R2 UR12 para o último pacote cumulativo de atualizações
System Center 2016 RTM para o último pacote cumulativo de atualizações

Visão geral de alto nível das etapas de atualização para um grupo de


gerenciamento distribuído
As seguintes etapas destacam o processo de atualização de um grupo de gerenciamento distribuído:
1. Realizar tarefas pré-atualização
2. Atualize o servidor de gerenciamento inicial e os servidores de gerenciamento adicionais (é necessário
atualizar todos os servidores de gerenciamento)
3. Atualize o ACS, pois o servidor ACS deve estar no mesmo computador que o servidor de gerenciamento. É
recomendável executar essa etapa junto com a atualização do servidor de gerenciamento no qual o ACS
reside.
4. *Atualizar gateway(s)
5. Atualizar o console.
6. Instalar por meio de envio por push para os agentes/atualizar manualmente os agentes instalados
7. Atualizar o console Web
8. Atualizar o servidor de relatórios
9. Executar tarefas pós-atualização
*As etapas 4 a 8 poderão ser executadas em paralelo quando todos os servidores de gerenciamento tiverem sido
atualizados.

Visão geral de nível alto da atualização dos agentes e execução dos


dois ambientes
O caminho de atualização a seguir dá suporte aos clientes em um cenário do Operations Manager com ambientes
paralelos, com o compartilhamento de agentes, de modo que o ambiente original do System Center 2012 R2
Operations Manager ou do Operations Manager 2016 permaneça intacto. Os agentes que foram atualizados para
o System Center 2016 Operations Manager ou para a versão 1801, dependendo do caminho de atualização, têm
capacidade total de trabalhar com a funcionalidade nativa do System Center 2012 R2 Operations Manager ou do
Operations Manager 2016.
Os agentes podem ser atualizados antes que o novo grupo de gerenciamento do Operations Manager seja
implantado e configurado para multi-home entre o grupo de gerenciamento original e o novo grupo de
gerenciamento usando a solução de automação existente ou podem ser atualizados depois, pela descoberta e
execução de uma instalação por push do novo grupo de gerenciamento do Operations Manager. Para saber mais,
confira Como atualizar agentes em uma implantação paralela.
1. Mantenha o ambiente original do System Center 2012 R2 Operations Manager ou do Operations Manager
2016.
2. Configure um novo ambiente do System Center Operations Manager com servidores de gerenciamento,
gateway, Banco de Dados do Operations Manager, Data Warehouse do Operations Manager, console de
Operações, console Web e servidor de Relatórios.
3. Atualize os agentes do System Center Operations Manager no grupo de gerenciamento original para a
mesma versão do novo grupo de gerenciamento usando uma das seguintes opções:
a. Opção de instalação com envio por push
b. Opção de linha de comando/manual

Próximas etapas
Para entender as tarefas pré-atualização que você deve executar para concluir a atualização para o grupo de
gerenciamento, consulte Tarefas pré-atualização ao atualizar para o System Center Operations Manager.
Para entender as tarefas pós-atualização que você deve executar para concluir a atualização para o grupo de
gerenciamento, consulte Tarefas pós-atualização ao atualizar para o System Center Operations Manager.
Tarefas pré-atualização ao atualizar para o System
Center Operations Manager
20/02/2018 • 11 min to read • Edit Online

Execute as tarefas pré-atualização a seguir na ordem apresentada antes de iniciar o processo de atualização para o
System Center 2016 – Operations Manager ou para a versão 1801.
1. Examinar os logs de eventos do Operations Manager
2. Limpar o banco de dados (tabela de ETL )
3. Configurar os agentes para efetuar failover entre vários servidores de gateway para que todos os agentes
subordinados a um gateway tenham um gateway de failover atribuído.
4. Remover agentes do gerenciamento pendente
5. Desativar assinaturas de notificação
6. Desabilitar todos os conectores
7. Parar o Microsoft Monitoring Agent, o serviço de acesso a dados do System Center, o gerenciamento de
configuração do System Center e os serviços do Microsoft Monitoring Agent em todos os servidores de
gerenciamento, exceto aquele que está sendo atualizado
8. Verificar se o banco de dados operacional tem mais de 50% de espaço livre
9. Fazer backup dos bancos de dados do Operations Manager
10. Atualizar o tamanho do cache do agente de integridade de serviço temporariamente para evitar perda de
dados durante a atualização de servidores de gerenciamento e Gateway.
11. Desabilitar o site do Operations Manager no IIS.

Examinar os logs de eventos do Operations Manager


Examine os logs de eventos do Operations Manager nos servidores de gerenciamento para procurar avisos
recorrentes ou eventos críticos. Solucione-os e salve uma cópia dos logs de eventos antes de executar a
atualização.

Limpar o banco de dados (tabela de ETL)


Como parte da atualização para o System Center Operations Manager, a instalação (configuração) inclui um script
para limpar as tabelas de ETL, limpando o banco de dados. Entretanto, nos casos em que é preciso limpar um
número maior de linhas (mais de 100.000), recomendamos executar o script antes de iniciar a atualização. Isso
torna a atualização mais rápida e evita que o tempo limite de configuração seja esgotado. Executar esta tarefa de
pré-atualização em todas as circunstâncias garante que a instalação seja mais eficiente.
Para limpar o ETL
Para limpar a tabela de ETL, execute o seguinte script no SQL Server que hospeda o banco de dados
OperationsManager:
-- (c) Copyright 2004-2006 Microsoft Corporation, All Rights Reserved --
-- Proprietary and confidential to Microsoft Corporation --
-- File: CatchupETLGrooming.sql --
-- Contents: A bug in the ETL grooming code could have left the customer --
-- Database with a large amount of ETL rows to groom. This script will groom --
-- The ETL entries in a loop 100K rows at a time to avoid filling up the --
-- Transaction log --
---------------------------------------------------------------------------------
DECLARE @RowCount int = 1;
DECLARE @BatchSize int = 100000;
DECLARE @SubscriptionWatermark bigint = 0;
DECLARE @LastErr int;
-- Delete rows from the EntityTransactionLog. We delete the rows with TransactionLogId that aren't being
-- used anymore by the EntityChangeLog table and by the RelatedEntityChangeLog table.
SELECT @SubscriptionWatermark = dbo.fn_GetEntityChangeLogGroomingWatermark();
WHILE(@RowCount > 0)
BEGIN
DELETE TOP(@BatchSize) ETL
FROM EntityTransactionLog ETL
WHERE NOT EXISTS (SELECT 1 FROM EntityChangeLog ECL WHERE ECL.EntityTransactionLogId =
ETL.EntityTransactionLogId) AND NOT EXISTS (SELECT 1 FROM RelatedEntityChangeLog RECL
WHERE RECL.EntityTransactionLogId = ETL.EntityTransactionLogId)
AND ETL.EntityTransactionLogId < @SubscriptionWatermark;
SELECT @LastErr = @@ERROR, @RowCount = @@ROWCOUNT;
END

OBSERVAÇÃO
A limpeza de ETL pode levar várias horas.

Remover agentes do gerenciamento pendente


Antes de atualizar um servidor de gerenciamento, remova todos os agentes que estejam no Gerenciamento
Pendente.
1. Faça logon no computador com uma conta que seja membro da função Administradores do Operations
Manager para o grupo de gerenciamento do Operations Manager.
2. No painel Administração , expanda Gerenciamento de Dispositivoe clique em Gerenciamento
Pendente.
3. Clique com o botão direito do mouse no agente e clique em Aprovar ou Rejeitar.

Desabilitar assinaturas de notificação


Você deve desativar a assinatura de notificação antes de atualizar o grupo de gerenciamento para verificar se as
notificações não são enviadas durante o processo de atualização.
1. Faça logon no console de Operações com uma conta que seja membro da função Administradores do
Operations Manager para o Grupo de Gerenciamento do Operations Manager.
2. No Console de Operações, selecione o modo de exibição Administração .
3. No painel de navegação, expanda Administração, expanda o recipiente de Notificações e clique em
Inscrições.
4. Selecione cada assinatura e clique em Desativar no painel Ações .
OBSERVAÇÃO
Multiselect não funciona quando você está desativando inscrições.

Desabilitar conectores
Consulte a documentação de todos os Conectores instalados que não sejam fabricados pela Microsoft, a fim de
determinar quais são os serviços de cada Conector.
Para parar um serviço para um Conector, execute as seguintes etapas:
1. No menu Iniciar , aponte para Ferramentas Administrativase depois clique em Serviços.
2. Na coluna Nome , clique com o botão direito do mouse no conector que deseja controlar e depois clique
em Parar.

Verificar se o banco de dados do Operations Manager tem mais de


50% de espaço livre
Você deve verificar se o banco de dados operacional tem mais de 50% de espaço livre antes de atualizar o grupo
de gerenciamento, porque a atualização pode falhar se não houver espaço suficiente. Você também deve verificar
se os logs de transações representam 50% do tamanho total do banco de dados operacional.
1. No computador que hospeda o banco de dados operacional, abra o SQL Server Management Studio.
2. No Explorador de Objetos, expanda Bancos de Dados.
3. Clique com o botão direito do mouse no banco de dados do OperationsManager, selecione Relatórios,
Relatórios Padrão e depois clique em Uso do Disco.
4. Exiba o relatório de Uso do Disco para determinar a porcentagem de espaço livre.
Se o banco de dados não estiver 50% livre, execute as seguintes etapas para aumentá-lo para a atualização:
1. No computador que hospeda o banco de dados operacional, abra o SQL Server Management Studio.
2. Na caixa de diálogo Conectar ao Servidor , na lista Tipo de Servidor , selecione Mecanismo de Banco
de Dados.
3. Na lista Nome do Servidor , selecione o servidor e a instância do banco de dados operacional (por
exemplo, computador\INSTÂNCIA1).
4. Na lista Autenticação , selecione Autenticação do Windowse clique em Conectar.
5. No painel Explorador de Objetos, expanda Bancos de dados, clique com o botão direito do mouse no
banco de dados OperationsManager e depois em Propriedades.
6. Na caixa de diálogo Propriedades do Banco de Dados , em Selecionar uma Página, clique em
Arquivos.
7. No painel de resultados, aumente o valor do Tamanho inicial para o banco de dados MOM_DATA em
50%.

OBSERVAÇÃO
Esta etapa não será necessária se o espaço livre já exceder 50%.
8. Defina o valor do Tamanho inicial para que o log de transações MOM_LOG tenha 50% do tamanho total
do banco de dados. Por exemplo, se o tamanho do banco de dados operacional for 100 GB, o tamanho do
arquivo de log deve ser 50%. Clique em OK.

Fazer backup dos bancos de dados do Operations Manager


Antes de atualizar o servidor de gerenciamento secundário, obtenha os backups recentes e verificados do banco
de dados operacional e do banco de dados de data warehouse. Você também deve criar backups de bancos de
dados para recursos opcionais, como o banco de dados de Relatórios e de Serviços de Coleta de Auditoria, antes
de atualizá-los. Para obter mais informações, confira Criar um backup completo de banco de dados (SQL Server).

Parar os serviços do Operations Manager nos Servidores de


gerenciamento
Antes de atualizar o primeiro servidor de gerenciamento do grupo de gerenciamento, é recomendável parar os
serviços do Operations Manager – acesso a dados do System Center, System Center Configuration e Microsoft
Monitoring Agent – em todos os outros servidores de gerenciamento para evitar problemas enquanto os bancos
de dados operacionais e de data warehouse estão sendo atualizados.

Aumentar o tamanho de cache do HealthService do agente


Para garantir que os agentes possam enfileirar dados durante a atualização, atualize a seguinte configuração de
Registro nos agentes manualmente ou de forma automatizada com sua solução de gerenciamento de
configuração ou de orquestração:
HKEY_LOCAL_MACHINE\SYSTEM\CurrentControlsSet\Services\HealthService\Parameters\Management
Groups<ManagementGroupName>\maximumQueueSizeKb
O valor decimal padrão do tipo DWORD é 15360 (15 MB ) e é recomendado alterá-lo para o valor 76800 (75
MB ).
Depois de concluir a atualização do grupo de gerenciamento, você poderá redefini-lo para o valor padrão.

Próximas etapas
Para continuar com o upgrade, examine Visão geral de upgrade.
Como atualizar um grupo de gerenciamento de
servidor único
20/02/2018 • 6 min to read • Edit Online

Quando você atualiza um grupo de gerenciamento de servidor único para o System Center 2016 – Operations
Manager ou para a versão 1801, todos os recursos que estão instalados no servidor são atualizados. Antes de
começar o processo de atualização, certifique-se de que seu servidor atenda as configurações mínimas suportadas.
Para obter mais informações, consulte Requisitos do sistema para o System Center Operations Manager.
Para atualizar um grupo de gerenciamento de servidor único
1. Faça logon no servidor com uma conta que seja membro da função Administradores do Operations
Manager para o grupo de gerenciamento do Operations Manager, um membro da função de servidor fixa
sysadmin do SQL Server e um administrador local no computador.
2. Na mídia do Operations Manager, execute Setup.exe e depois clique em Instalar.

OBSERVAÇÃO
A página Introdução exibe informações sobre o que será atualizado. Clique em Avançar para continuar a atualização.

3. Na página Introdução, Leia os termos da licença, leia os Termos de Licença para Software Microsoft,
clique em Li, entendi e concordo com os termos de licençae clique em Avançar.
4. Na página Selecionar local de instalação, aceite o valor padrão, digite um novo local ou procure um.
Clique em Avançar.

OBSERVAÇÃO
Para o System Center 2016 – Operations Manager, o caminho padrão é C:\Program Files\Microsoft System Center
2016\Operations Manager. Para o branch atual, o caminho padrão é C:\Program Files\Microsoft System
Center\Operations Manager.

5. Na página Pré-requisitos , verifique e resolva os avisos ou erros que o Verificador de pré-requisitos


apontar e clique em Verificar Pré-requisitos Novamente para verificar o sistema novamente.

OBSERVAÇÃO
A Pesquisa de Texto Completo do Microsoft SQL Server deve ser habilitada no SQL Server que hospeda os bancos de
dados OperationsManager e OperationsManagerDW.

6. Se o Verificador de pré-requisitos não retornar nenhum outro erro ou aviso que precise ser resolvido, clique
em Avançar.
7. Na página Configuração, Configurar contas do Operations Manager, insira as credenciais da conta de
domínio ou do Sistema Local para as contas de serviço de Acesso a Dados e de Configuração do System
Center e, em seguida, clique em Avançar.
IMPORTANTE
Se você receber uma mensagem sobre o uso da versão errada do SQL Server ou tiver um problema com o provedor
de WMI (Instrumentação de Gerenciamento do Windows) do SQL Server, você pode resolver isso. Abra uma janela do
prompt de comando usando a opção Executar como administrador . Em seguida, execute o seguinte comando,
substitua o espaço reservado <path> pelo local do Microsoft SQL Server:
mofcomp.exe <path>\Microsoft SQL Server\100\Shared\sqlmgmproviderxpsp2up.mof

8. Quando a página Pronto para Atualizar for exibida, verifique o resumo da atualização e clique em
Atualizar.
Para atualizar um grupo de gerenciamento de servidor único do prompt de comando
1. Faça logon no servidor com uma conta que seja membro da função Administradores do Operations
Manager para o grupo de gerenciamento do Operations Manager, um membro da função de servidor fixa
sysadmin do SQL Server e um administrador local no computador.
2. Abra um prompt de comandos com privilégios elevados usando a opção Executar como Administrador.
3. Altere o caminho de onde se encontra o arquivo Operations Manager Setup.exe.

IMPORTANTE
Use o parâmetro do /WebConsoleUseSSL somente se o site tiver o Secure Sockets Layer (SSL) ativado. Para uma
instalação padrão da Web, especifique Site Padrão para o parâmetro do /WebSiteName .

IMPORTANTE
Os comandos a seguir consideram que você especificou o Sistema Local para o serviço de Acesso a Dados
(/UseLocalSystemDASAccount ). Para especificar um domínio\nome de usuário para essas contas, você deverá
fornecer os seguintes parâmetros: /DASAccountUser: <domain\username> /DASAccountPassword: <password>

4. Execute o seguinte comando.

setup.exe /silent /install


/components:OMServer,OMConsole,OMWebConsole,OMReporting
/ManagementGroupName: "<ManagementGroupName>"
/SqlServerInstance: <server\instance>
/SqlServerInstance: <SQL server instance port number>
/DatabaseName: <OperationalDatabaseName>
/DWSqlServerInstance: <server\instance>
/DWSqlInstancePort: <SQL server instance port number>
/DWDatabaseName: <DWDatabaseName>
/UseLocalSystemActionAccount /UseLocalSystemDASAccount
/DatareaderUser: <domain\username>
/DatareaderPassword: <password>
/DataWriterUser: <domain\username>
/DataWriterPassword: <password>
/AcceptEndUserLicenseAgreement: [0|1]
/WebSiteName: "<WebSiteName>" [/WebConsoleUseSSL]
/WebConsoleAuthorizationMode: [Mixed|Network]
/SRSInstance: <server\instance>
/SendODRReports: [0|1]
/EnableErrorReporting: [Never|Queued|Always]
/SendCEIPReports: [0|1]
/UseMicrosoftUpdate: [0|1]
DICA
Se deseja atualizar um componente específico, você pode adicionar
/components: <component name1> [<, component name2>][ <, component name3>]

Depois que atualizou o seu grupo de gerenciamento de servidor único, você pode atualizar os agentes.

Verificando a atualização
Para confirmar a integridade do servidor de gerenciamento
1. No console Operações, no painel de navegação, clique em Administração.
2. No Gerenciamento de Dispositivos, clique em Servidores de Gerenciamento. No painel de resultados,
você deve ver o servidor de gerenciamento que acabou de instalar com uma marca de seleção verde na
coluna Estado de Integridade.

Próximas etapas
Para entender as tarefas pós-atualização que você deve executar para concluir a atualização para o grupo de
gerenciamento, consulte Tarefas pós-atualização ao atualizar para o System Center Operations Manager.
Como atualizar um servidor de gerenciamento –
atualizando um grupo de gerenciamento distribuído
20/02/2018 • 8 min to read • Edit Online

Ao atualizar um grupo de gerenciamento distribuído para o System Center 2016 – Operations Manager ou para a
versão 1801, comece atualizando cada um dos servidores de gerenciamento no grupo de gerenciamento. Há uma
série de tarefas de pré-atualização que devem ser executadas pela primeira vez. Para obter mais informações,
consulte Tarefas pré-atualização ao atualizar para o System Center Operations Manager.

IMPORTANTE
Entre o momento em que você atualiza os servidores de gerenciamento e o que atualiza os agentes, é possível que existam
entradas de log de evento relacionadas ao APM (Monitoramento de plataforma de aplicativo) nos servidores gerenciados por
agentes. Essas entradas do log de eventos podem ocorrer em servidores gerenciados por agentes que não são habilitados
para APM. Essas entradas do log de eventos serão resolvidas quando você concluir a atualização dos agentes. Pode ser
necessário reiniciar o serviço de integridade após o agente ser atualizado para limpar os eventos.

OBSERVAÇÃO
Como o servidor do Coletor do ACS precisar estar no mesmo computador de um servidor de gerenciamento, recomendamos
executar as etapas descritas em Como atualizar um Coletor do ACS, juntamente com a atualização do servidor de
gerenciamento no qual o ACS reside.

IMPORTANTE
Ao atualizar vários servidores de gerenciamento em um grupo de gerenciamento distribuído, você deve esperar até que a
instalação no primeiro servidor de gerenciamento seja concluída para começar a atualizar servidores de gerenciamento
adicionais. Não seguir isso pode fazer com que um script de atualização de SQL executado prematuramente no processo de
configuração seja executado em vários servidores de gerenciamento e resulte em problemas de banco de dados. Esse script de
atualização SQL só precisa ser executado no servidor de gerenciamento inicial que está sendo atualizado.

OBSERVAÇÃO
Ao atualizar vários servidores de gerenciamento em um grupo de gerenciamento distribuído, ordene as atualizações da
maneira mais adequada às suas necessidades de negócios. Atualize todos os servidores de gerenciamento no grupo de
gerenciamento distribuído o quanto antes após o servidor de gerenciamento inicial ser atualizado para verificar se o ambiente
atualizado está íntegro.

Para atualizar um Servidor de Gerenciamento


1. Faça logon no servidor de gerenciamento do Operations Manager com uma conta que seja membro da
função Administradores do Operations Manager para o grupo de gerenciamento do Operations Manager,
um membro da função de servidor fixa sysadmin do SQL Server e um administrador local no computador.
2. Na mídia do Operations Manager, execute Setup.exe e depois clique em Instalar. A página Introdução
exibe informações sobre quais recursos serão atualizados.
3. Na página Introdução, clique em Avançar para continuar com a atualização.
4. Na página Introdução, Leia os termos da licença , leia os Termos de Licença para Software Microsoft,
clique em Eu li, compreendi e concordo com os termos do contrato de licençae clique em Avançar.
5. Na página Introdução, Selecionar local de instalação, aceite o valor padrão, digite um novo local ou
procure um. Clique em Avançar.

OBSERVAÇÃO
Para o System Center 2016 – Operations Manager, o caminho padrão é C:\Program Files\Microsoft System Center
2016\Operations Manager. Para o branch atual, o caminho padrão é C:\Program Files\Microsoft System
Center\Operations Manager.

6. Na página Pré-requisitos , verifique e resolva os avisos ou erros que o Verificador de pré-requisitos


apontar e clique em Verificar Pré-requisitos Novamente para verificar o sistema novamente.
7. Se o Verificador de pré-requisitos não retornar nenhum aviso ou erro, a página Pré-requisitos, Prosseguir
com a Configuração aparecerá. Clique em Avançar.
8. Na página Configuração, Configurar contas do Operations Manager, insira as credenciais de conta de
domínio da conta do Serviço de Acesso a Dados e Configuração do System Center e, em seguida, clique em
Avançar
9. Verifique a página Configuração, Pronto para Atualizar e clique em Atualizar. A atualização continuará e
exibe o progresso da atualização.
10. Quando a atualização for concluída, a página Atualização concluída será exibida. Clique em Fechar.

OBSERVAÇÃO
Atualizar um servidor de gerenciamento é apenas uma fase do processo de atualização distribuída. A atualização não
é concluída até que você atualize todos os outros recursos no seu grupo de gerenciamento. A próxima etapa é
atualizar os gateways. Consulte Como atualizar um servidor de gateway para obter mais informações.

Para atualizar um servidor de gerenciamento do prompt de comando


1. Faça logon no servidor de gerenciamento com uma conta que seja membro da função Administradores do
Operations Manager para o grupo de gerenciamento do Operations Manager, um membro da função de
servidor fixa sysadmin do SQL Server e um administrador local no computador.
2. Abra uma janela do prompt de comando usando a opção Executar como administrador .
3. Altere o caminho onde o arquivo setup.exe do Operations Manager está localizado e execute o comando a
seguir.

setup.exe /silent /upgrade


/AcceptEndUserLicenseAgreement:1
/DASAccountUser: <domain\username>
/DASAccountPassword: <password>
/DataReaderUser:<domain\user>
/DataReaderPassword:<password>

Após atualizar todos os servidores de gerenciamento no grupo de gerenciamento, você deve atualizar todos os
servidores de gateway e, depois, todos os Consoles de Operações autônomos.

Próximas etapas
Para entender as tarefas pós-atualização que você deve executar para concluir a atualização para o grupo de
gerenciamento, consulte Tarefas pós-atualização ao atualizar para o System Center Operations Manager.
Confira Implantação distribuída do Operations Manager para compreender a sequência e as etapas para
instalar as funções de servidor do Operations Manager em vários servidores no grupo de gerenciamento.
Como atualizar um Coletor do ACS
20/02/2018 • 5 min to read • Edit Online

Realize este procedimento para atualizar o Coletor do ACS (Serviços de Coleta de Auditoria) para o System
Center 2016 – Operations Manager ou para a versão 1801 localmente no Coletor do ACS. Durante o
procedimento, o banco de dados dos ACS também é atualizado sem etapas adicionais.

AVISO
Um computador que hospeda um Coletor ACS também deve ser um servidor de gerenciamento ou servidor de gateway do
Operations Manager.

Antes de começar o processo de atualização, certifique-se de que seu servidor atenda as configurações mínimas
suportadas. Para obter mais informações, consulte Requisitos do sistema para o System Center Operations
Manager.

Para atualizar um Coletor ACS


1. Faça logon no computador que hospeda o Coletor ACS com uma conta com função Administradores do
Operations Manager para o grupo de gerenciamento do Operations Manager.
2. Na mídia do Operations Manager, execute Setup.exe.
3. Na seção Instalar , clique em Serviços de Coleta de Auditoria. O assistente de Instalação dos Serviços
de Coleta de Auditoria é iniciado.
4. Na página Bem -vindo ao Assistente para Instalação do Coletor de Serviços de Coleta de Auditoria ,
clique em Avançar.
5. Na página Opções de Instalação do Banco de Dados , selecione Usar um banco de dados existentee
clique em Avançar.
6. Na página Fonte de Dados , digite o nome usado como o nome da fonte de dados da Conectividade
Aberta de Banco de Dados para o banco de dados ACS na caixa Nome da fonte de dados . Por padrão,
este nome é OpsMgrAC. Clique em Avançar.
7. Na página Banco de Dados, se o banco de dados estiver em um servidor separado do Coletor ACS, clique
em Servidor de banco de dados remotoe digite o nome do computador do servidor do banco de dados
que hospedará o banco de dados para esta instalação do ACS. Caso contrário, clique em Servidor de
banco de dados executando localmentee clique em Avançar.
8. Na página Autenticação de Banco de Dados , selecione um método de autenticação. Se o Coletor ACS e
o banco de dados ACS forem membros do mesmo domínio, você poderá selecionar Autenticação do
Windows; caso contrário, selecione Autenticação SQLe clique em Avançar.

OBSERVAÇÃO
Caso selecione Autenticação SQL e clique em Avançar, a página Credenciais do Banco de Dados será exibida.
Insira o nome da conta do usuário que tem acesso ao SQL Server na caixa Nome do logon SQL e a senha dessa
conta na caixa de senha Senha SQL e clique em Avançar.

9. A página Resumo exibe uma lista de ações que o programa de atualização executará para instalar o ACS.
Revise a lista e clique em Avançar para iniciar a instalação.

OBSERVAÇÃO
Se a caixa de diálogo Logon no SQL Server aparecer e a autenticação do banco de dados estiver definida como
Autenticação do Windows, selecione o banco de dados correto e verifique se a caixa de seleção Usar Conexão
Confiável está marcada. Caso contrário, desmarque-a e digite o nome e a senha de logon no SQL Server e clique em
OK.

10. Quando a atualização for concluída, clique em Concluir.

Próximas etapas
Para entender as tarefas pós-atualização que você deve executar para concluir a atualização para o grupo de
gerenciamento, consulte Tarefas pós-atualização ao atualizar para o System Center Operations Manager.
Confira Implantação distribuída do Operations Manager para compreender a sequência e as etapas para
instalar as funções de servidor do Operations Manager em vários servidores no grupo de gerenciamento.
Como atualizar um servidor de gateway
20/02/2018 • 4 min to read • Edit Online

Depois de atualizar os servidores de gerenciamento do seu grupo de gerenciamento, você pode atualizar todos os
servidores gateway. O procedimento para atualizar um servidor de gateway para o System Center 2016 –
Operations Manager ou para a versão 1801 é realizado localmente no servidor de gateway. Em seguida, você pode
verificar se a atualização foi bem-sucedida. Antes de iniciar o processo de atualização, verifique se o servidor de
gateway atende às configurações mínimas com suporte. Para obter mais informações, consulte Requisitos do
sistema para o System Center Operations Manager.

Para atualizar um servidor de gateway


1. Faça logon no computador que hospeda o servidor de gateway com uma conta que seja um membro da
função Administradores do Operations Manager para seu grupo de gerenciamento do Operations Manager.
2. Na mídia do Operations Manager, execute Setup.exe.
3. Na seção Instalações Opcionais, clique em Servidor de gerenciamento de gateway.
4. Na página Bem -vindo , clique em Avançar.
5. Na página Aviso Importante, leia os Termos de Licença para Software Microsoft e, em seguida, clique em
Concordo.
6. Na página O assistente está pronto para iniciar a atualização do gateway , clique em Atualizar.
7. Na página Concluindo o Assistente de Instalação, clique em Concluir.

Para atualizar um servidor de gateway do prompt de comando


1. Faça logon em um computador que hospeda o servidor de gateway com uma conta que seja membro da
função Administradores do Operations Manager para o grupo de gerenciamento do Operations Manager.
2. Abra uma janela do prompt de comando usando a opção Executar como administrador .
3. Mude o diretório para a mídia de instalação do Operations Manager e troque o diretório novamente para
gateway\AMD64, no qual o arquivo MOMGateway.msi está localizado.
4. Execute o seguinte comando onde D:\ é o local do arquivo do log de atualização.

msiexec /i MOMgateway.msi /qn /l*v D:\logs\GatewayUpgrade.log


AcceptEndUserLicenseAgreement=1

Para verificar a atualização do servidor gateway


1. No console Operações, no painel de navegação, clique em Administração.
2. No Gerenciamento de Dispositivos, clique em Servidores de Gerenciamento.
3. No painel Servidores de Gerenciamento, verifique se o valor listado na coluna Versão é 7.2.11469.0 para
um servidor de gateway do System Center 2016 – Operations Manager. Para um servidor de gateway do
Operations Manager versão 1801, o valor listado na coluna Versão é 8.0.13053.0.
Próximas etapas
Para entender as tarefas pós-atualização que você deve executar para concluir a atualização para o grupo de
gerenciamento, consulte Tarefas pós-atualização ao atualizar para o System Center Operations Manager.
Confira Implantação distribuída do Operations Manager para compreender a sequência e as etapas para
instalar as funções de servidor do Operations Manager em vários servidores no grupo de gerenciamento.
Como atualizar um console de Operações
20/02/2018 • 5 min to read • Edit Online

Este procedimento atualiza um console de Operações autônomo para o System Center 2016 – Operations
Manager ou para a versão 1801. Execute esse procedimento localmente no computador que tem um console
autônomo Operações instalado. Não é necessário realizar o procedimento para atualizar os consoles Operações
instalados localmente em um servidor de gerenciamento.
Antes de começar o processo de atualização, certifique-se de que seu servidor atenda as configurações mínimas
suportadas. Para obter mais informações, consulte Requisitos do sistema para o System Center Operations
Manager.

Para atualizar um console autônomo Operações


1. Faça logon no computador que hospeda o Console de Operações com uma conta que seja membro da
função Administradores do Operations Manager no grupo de gerenciamento do Operations Manager.
2. Na mídia de origem do Operations Manager, execute Setup.exe e depois clique em Instalar.

OBSERVAÇÃO
A página Introdução exibe informações sobre o que será atualizado. Clique em Avançar para continuar a atualização.

3. Na página Introdução, Leia os termos da licença, leia os Termos de Licença para Software Microsoft,
clique em Li, entendi e concordo com os termos de licençae clique em Avançar.
4. Na página Selecionar local de instalação, aceite o valor padrão, digite um novo local ou procure um.
Clique em Avançar.

OBSERVAÇÃO
Para o System Center 2016 – Operations Manager, o caminho padrão é C:\Program Files\Microsoft System Center
2016\Operations Manager. Para o branch atual, o caminho padrão é C:\Program Files\Microsoft System
Center\Operations Manager.

5. Na página Pré-requisitos , verifique e resolva os avisos e erros que o verificador dos Pré-requisitos retorna
e depois clique em Verificar Pré-requisitos Novamente para verificar novamente o sistema.
6. Se o verificador de Pré-requisitos não retornar nenhum aviso ou erro, a página Pré-requisitos, Prosseguir
com a Configuração aparecerá. Clique em Avançar.
7. Na página Configuração Pronto para Atualizar , clique em Atualizar.
8. Quando a atualização for concluída, a página Atualização concluída será exibida. Clique em Fechar.
Para atualizar um console de operações autônomo do Prompt de comando
1. Faça logon no computador que hospeda o Console de Operações com uma conta que seja membro da
função Administradores do Operations Manager para o grupo de gerenciamento do Operations Manager.
2. Abra um prompt de comandos com privilégios elevados usando a opção Executar como Administrador.
3. Altere o caminho para a mídia de origem do Operations Manager e execute o comando a seguir.
Setup.exe /silent / upgrade /AcceptEndUserLicenseAgreement:1

Para verificar a atualização do console de operações


1. Na área de trabalho do Windows, clique em Iniciare, em seguida, em Executar.
2. Digite regedite clique em OK. O Editor do Registro é iniciado.
Cu i dado

A edição incorreta do registro pode danificar gravemente o sistema. Antes de fazer alterações no registro,
você deve fazer backup de todos os dados valiosos presentes no computador.
3. Navegue até a chave HKey_Local_Machine\Software\Microsoft\Microsoft Operations
Manager\3.0\Setup . Para o System Center 2016 – Operations Manager, o valor da entrada UIVersion é
7.2.11719.0. Para a versão 1801, o valor de UIVersion é 8.0.13053.0.

Próximas etapas
Após atualizar todos os consoles de operações autônomos no grupo de gerenciamento, você pode atualizar
os agentes. Consulte Como atualizar um agente para o System Center Operations Manager para obter mais
informações.
Para entender as tarefas pós-atualização que você deve executar para concluir a atualização para o grupo de
gerenciamento, consulte Tarefas pós-atualização ao atualizar para o System Center Operations Manager.
Confira Implantação distribuída do Operations Manager para compreender a sequência e as etapas para
instalar as funções de servidor do Operations Manager em vários servidores no grupo de gerenciamento.
Como atualizar um agente do Operations Manager
20/02/2018 • 10 min to read • Edit Online

Use os procedimentos a seguir para atualizar um agente em execução no Windows ou Linux para o System
Center Operations Manager 1801. Primeiro, você deve verificar se os agentes atendem as configurações mínimas
com suporte. Para obter mais informações, consulte Requisitos do sistema para o System Center Operations
Manager.

OBSERVAÇÃO
Se antes da atualização um agente tiver sido instalado usando o método de instalação de envio por push, após o servidor
ser atualizado, o agente será colocado em um estado de atualização pendente e pode ser atualizado usando o Console. Caso
contrário, o agente deve ser atualizado manualmente.

Quando você atualiza um agente, o serviço instalador do Operations Manager é executado e não é removido até
depois da conclusão da atualização. Se a atualização do agente falhar, pode ser necessário reinstalar o agente, pois
o serviço instalador não foi removido adequadamente. Se você tentar atualizar o agente novamente e a
atualização falhar, você deverá reinstalar o agente após concluir a atualização de todos os recursos do Operations
Manager.

OBSERVAÇÃO
Se os Serviços de Coleta de Auditoria (ACS) tiverem sido habilitados para um agente antes dessa atualização, ele é
desabilitado como parte do processo de atualização do agente. Os ACS devem ser habilitados novamente após a conclusão
da atualização.

Se você estiver atualizando agentes implantados em um computador com outros recursos do System Center
2012 R2 ou 2016 Operations Manager instalados, faça o seguinte:
Se o agente estiver instalado em um computador que tem o console Web ou o console de Operações do
System Center 2012 R2 ou 2016 Operations Manager instalado, será necessário desinstalar primeiro os
consoles antes de atualizar os agentes. Faça isso desinstalando o System Center 2012 R2 ou 2016 Operations
Manager em Programas e Recursos. Você pode reinstalar esses consoles após a atualização.

OBSERVAÇÃO
Se o UAC estiver ativado, você deve executar a atualização do agente em um prompt de comando elevado.

OBSERVAÇÃO
Informações sobre agentes atualizados podem não aparecer no console de Operações por até 60 minutos após a realização
da atualização.

Atualizando agentes instalados por push


Agentes instalados automaticamente são aqueles que foram instalados usando o Assistente para
Gerenciamento de Computadores e Dispositivos. Use os procedimentos a seguir para atualizar esses agentes.
Para atualizar os agentes do Windows instalados automaticamente, usando o console de operações
1. Faça logon no computador que hospeda o console de Operações do Operations Manager. Use uma conta
que seja membro da função Administradores do Operations Manager do grupo de gerenciamento do
Operations Manager.
2. No console de Operações, clique em Administração.

OBSERVAÇÃO
Quando você executar o Console de Operações em um computador que não for um servidor de gerenciamento, a
caixa de diálogo Conectar ao Servidor aparecerá. Na caixa Nome do servidor , digite o nome do servidor de
gerenciamento ao qual deseja se conectar.

3. No espaço de trabalho Administração , no painel de navegação em Gerenciamento de Dispositivos,


clique em Gerenciamento Pendente.
4. No painel Gerenciamento Pendente , em Tipo: O Agente Requer Atualização, clique com o botão
direito do mouse em cada computador listado gerenciado por agente e clique em Aprovar.

AVISO
Você não deve aprovar mais de 200 agentes de uma vez.

5. Na caixa de diálogo Agentes de Atualização , digite as credenciais da conta do administrador ou use uma
conta de ação do servidor de gerenciamento e clique em Atualizar. O status de atualização será exibido na
caixa de diálogo Status da Tarefa de Gerenciamento do Agente .
6. Quando a atualização for concluída, clique em Fechar.

Atualizando os agentes instalados manualmente


Agentes instalados manualmente são agentes que foram instalados manualmente do Prompt de Comando ou
usando o Assistente de Instalação MOMAgent.msi. Use o procedimento a seguir para atualizar esses agentes.
Para atualizar um agente instalado manualmente do Windows usando o Assistente de instalação
1. Faça logon no computador que hospeda o agente com uma conta com função Administradores do
Operations Manager para o grupo de gerenciamento do Operations Manager.
2. Na mídia de instalação do Operations Manager, execute Setup.exe.
3. Na primeira página do Assistente de instalação, clique em agente Local. Quando a página Bem -vindo ao
assistente de atualização do Agente de Monitoramento da Microsoft abrir, clique em Avançar.
4. Na caixa de diálogo Configuração do Agente de Monitoramento da Microsoft , clique em Atualizar.
A página de status exibe o progresso da atualização.
5. Quando a página Concluindo o Assistente de Instalação do Microsoft Monitoring Agent for exibida,
clique em Concluir.
Para atualizar um agente do Windows instalado manualmente do Prompt de Comando
1. Faça logon no computador que hospeda o agente com uma conta com função Administradores do
Operations Manager para o grupo de gerenciamento do Operations Manager.
2. Abra uma janela do prompt de comando usando a opção Executar como administrador .
3. Execute o seguinte comando, em que D:\ é o local para o arquivo de log de atualização.
msiexec /i MOMAgent.msi /qn /l*v D:\logs\AgentUpgrade.log
AcceptEndUserLicenseAgreement=1

Verificando a atualização do agente do Windows


Para verificar a atualização do agente do Windows
1. No Console de Operações, no painel de navegação, clique no botão Administração .
2. No Gerenciamento de Dispositivos, clique em Gerenciado por Agente.
3. No painel Agente Gerenciado, verifique se o valor listado na coluna Versão é 8.0.10918.0.

OBSERVAÇÃO
Pode levar até uma hora para o console mostrar a versão atualizada do agente.

Atualizando agentes do Linux e UNIX


Para atualizar os agentes UNIX e Linux
No console Operações, no painel Administração , execute o Assistente de atualização do UNIX/Linux.
Quaisquer perfis Executar como e contas Executar como continuam a ter configurações válidas. Para obter
informações sobre as alterações nas contas e perfis Executar como para o monitoramento de UNIX e Linux
no Operations Manager, consulte Acessando computadores UNIX e Linux no Operations Manager.
Para atualizar os agentes UNIX e Linux manualmente
1. Efetuar logon em máquinas Linux/Unix e copie o agente de destino para máquinas.
2. Execute os comandos abaixo em sistemas diferentes para atualizar os agentes:
Suse/Redhat/CentOS/Oracle Linux: rpm -U <package>

Ubuntu/Debian: -i <package file>

HP -UX: swinstall -s <full path to depot> <package name>

Aix: /usr/sbin/install -X -F -d <package file> scx.rte/

Solaris:
Remova o pacote instalado com: pkgrm MSFTscx

Instale a nova versão de pacote com: pkgadd

Para verificar a atualização do agente UNIX ou Linux


1. No console Operações, no painel de navegação, clique em Administração.
2. Em Gerenciamento de Dispositivos, clique em Computadores UNIX/Linux.
3. Verifique se o valor listado na coluna Versão do Agente é 1.6.2-336, em que x é qualquer inteiro positivo.

OBSERVAÇÃO
Pode levar até uma hora para o console mostrar a versão atualizada do agente.

Próximas etapas
Para entender as tarefas pós-atualização que você deve executar para concluir a atualização para o grupo
de gerenciamento, consulte Tarefas pós-atualização ao atualizar para o System Center Operations
Manager.
Confira Implantação distribuída do Operations Manager para compreender a sequência e as etapas para
instalar as funções de servidor do Operations Manager em vários servidores no grupo de gerenciamento.
Examine as informações da seção Gerenciando descoberta e agentes para compreender as opções e as
etapas para instalar agentes e descobrir objetos a serem monitorados pelo Operations Manager.
Como atualizar os agentes em uma implantação
paralela
20/02/2018 • 5 min to read • Edit Online

Quando você executa uma implantação lado a lado do System Center 2016 – Operations Manager ou do System
Center Operations Manager 1801 de uma versão anterior (também conhecido como uma implantação paralela)
com o grupo de gerenciamento existente do Operations Manager, você pode continuar monitorando as cargas de
trabalho de forma proativa e manter informações sobre a disponibilidade dos serviços críticos.
Os cenários de coexistência a seguir são compatíveis com o agente do Operations Manager em um cenário de
implantação paralela com o System Center Operations Manager 1801.
System Center 2016 – Operations Manager RTM e superior
System Center Operations Manager 2012 R2 RTM e superior
Os agentes que fornecem relatórios ao grupo de gerenciamento do Operations Manager 2012 R2 ou 2016 podem
ser atualizados para o System Center Operations Manager 1801 e têm capacidade total de se comunicar com os
dois grupos de gerenciamento até você concluir a migração e desativar o grupo de gerenciamento antigo.
Os agentes que fornecem relatórios ao grupo de gerenciamento do Operations Manager 2012 R2 podem ser
atualizados para o System Center 2016 – Operations Manager e têm capacidade total de se comunicar com os
dois grupos de gerenciamento até você concluir a migração e desativar o grupo de gerenciamento do Operations
Manager 2012 R2.

Atualizando agentes
Caso deseje manter o ambiente existente do Operations Manager, instale a última versão do Operations Manager
em paralelo e atualize apenas os agentes, dependendo de qual método é usado atualmente. Como:
A descoberta e instalação de um ou mais agentes do Console de Operações.
Se você descobrir e instalar o sistema gerenciado por agente existente por meio do novo grupo de
gerenciamento do Operations Manager, o agente será atualizado e configurado para multi-home no local
em que ele fornece relatórios para os dois grupos de gerenciamento.
Inclusão na imagem de instalação.
A imagem precisará ser atualizada para incluir a nova versão e configurada para atribuir o agente ao novo
grupo de gerenciamento do Operations Manager.
Instalação manual, na qual a instalação é executada manualmente no agente ou implantada por meio de
uma ferramenta de distribuição de software existente.
Seu processo de implantação precisará ser atualizado para incluir o novo pacote do Windows Installer do
agente e as dependências necessárias. A lógica definida para interrogar, instalar, configurar e verificar o
agente precisará ser atualizada de acordo.
Depois de concluir todas as etapas pós-atualização e estar familiarizado com o estado do novo grupo de
gerenciamento do Operations Manager, reconfigure os agentes para remover a atribuição do grupo de
gerenciamento existente do Operations Manager que você está preparando para desativar. Isso pode ser feito
seguindo as diretrizes do SDK do Operations Manager para, de forma programática, remover a configuração do
grupo de gerenciamento do agente.
Próximas etapas
Confira Implantação distribuída do Operations Manager para compreender a sequência e as etapas para
instalar as funções de servidor do Operations Manager em vários servidores no grupo de gerenciamento.
Examine as informações da seção Gerenciando descoberta e agentes para compreender as opções e as
etapas para instalar agentes e descobrir objetos a serem monitorados pelo Operations Manager.
Para entender as tarefas pós-atualização que você deve executar para concluir a atualização para o grupo de
gerenciamento, consulte Tarefas pós-atualização ao atualizar para o System Center Operations Manager.
Como atualizar um console Web
17/04/2018 • 5 min to read • Edit Online

Antes de começar o processo de atualização, verifique se o servidor atende às configurações mínimas com suporte
do System Center Operations Manager. Esse processo não é aplicável à versão 1801. Para obter mais informações,
consulte Requisitos do sistema para o System Center Operations Manager.

OBSERVAÇÃO
Quando o console Web é atualizado, todas as personalizações que foram feitas no arquivo web.config após o console Web ter
sido instalado serão redefinidas. Faça uma cópia de backup antes de continuar.

Caso tenha feito alterações após configurar o console Web para habilitar ou desabilitar SSL (Secure Sockets
Layer), as configurações de SSL serão redefinidas durante a atualização. Para resolver esse problema, você deve
fazer alterações na chave do Registro antes de atualizar o console Web da seguinte forma:
Para definir o Registro para habilitar ou desabilitar o SSL no servidor do console Web
1. Faça o logon no console Web com uma conta que tenha direitos de administrador local e, no desktop, clique
em Iniciare em Executar.
2. Digite regedite clique em OK. O Editor do Registro é iniciado.
Cu i dado

A edição incorreta do registro pode danificar gravemente o sistema. Antes de fazer alterações no registro,
você deve fazer backup de todos os dados valiosos presentes no computador.
3. Navegue até a chave HKey_Local_Machine\Software\Microsoft\System Center Operations
Manager\12\Setup\WebConsole\.
4. Para habilitar o SSL, defina o seguinte:
HTTP_GET_ENABLED=0
BINDING_CONFIGURATION=DefaultHttpsBinding
5. Para desabilitar o SSL, defina o seguinte:
HTTP_GET_ENABLED=1
BINDING_CONFIGURATION=DefaultHttpBinding
Para atualizar o servidor do console Web
1. Faça logon no computador que hospeda o servidor de console Web com uma conta com função
Administradores do Operations Manager para o grupo de gerenciamento do Operations Manager.
2. Na mídia de origem do Operations Manager, execute Setup.exe e depois clique em Instalar.

OBSERVAÇÃO
A página Introdução exibe informações sobre o que será atualizado. Clique em Avançar para continuar a atualização.

3. Na página Introdução, Leia os termos da licença, leia os Termos de Licença para Software Microsoft,
clique em Li, entendi e concordo com os termos de licençae clique em Avançar.
4. Na página Selecionar local de instalação, aceite o valor padrão, digite um novo local ou procure um.
Clique em Avançar.

OBSERVAÇÃO
Para o System Center 2016 – Operations Manager, o caminho padrão é C:\Program Files\Microsoft System Center
2016\Operations Manager. Para o branch atual, o caminho padrão é C:\Program Files\Microsoft System
Center\Operations Manager.

5. Na página Pré-requisitos , verifique e resolva os avisos ou erros que o Verificador de pré-requisitos


apontar e clique em Verificar Pré-requisitos Novamente para verificar o sistema novamente.
6. Se o verificador de Pré-requisitos não retornar nenhum aviso ou erro, a página Pré-requisitos, Prosseguir
com a Configuração aparecerá. Clique em Avançar.
7. Quando a página Pronto para Atualizar for exibida, verifique o resumo da atualização e clique em
Atualizar.
Para atualizar o servidor do console Web do prompt de comando
1. Faça logon no computador que hospeda o servidor de console Web com uma conta com função
Administradores do Operations Manager para o grupo de gerenciamento do Operations Manager.
2. Abra um prompt de comando usando a opção Executar como Administrador.
3. Altere o caminho para onde o arquivo setup.exe do Operations Manager está localizado e execute o
comando a seguir.

IMPORTANTE
Use o parâmetro do /WebConsoleUseSSL somente se o site tiver o Secure Sockets Layer (SSL) ativado. Para uma
instalação padrão da Web, especifique Site Padrão para o parâmetro do /WebSiteName .

setup.exe /silent /AcceptEndUserLicenseAgreement:1 /upgrade


/WebsiteName: "<WebSiteName>" [/WebConsoleUseSSL]
/WebConsoleAuthorizationMode: [Mixed|Network]

Próximas etapas
Para entender as tarefas pós-atualização que você deve executar para concluir a atualização para o grupo de
gerenciamento, consulte Tarefas pós-atualização ao atualizar para o System Center Operations Manager.
Confira Implantação distribuída do Operations Manager para compreender a sequência e as etapas para
instalar as funções de servidor do Operations Manager em vários servidores no grupo de gerenciamento.
Como atualizar um servidor de Relatórios
20/02/2018 • 6 min to read • Edit Online

Use este procedimento para atualizar um servidor de Relatórios autônomo para o System Center 2016 –
Operations Manager ou para a versão 1801. Você não deve executar a atualização no servidor de relatórios até ter
atualizado os servidores de gerenciamento, gateways, consoles de Operação e agentes.
Antes de começar o processo de atualização, certifique-se de que seu servidor atenda as configurações mínimas
suportadas. Para obter mais informações, consulte Requisitos do sistema para o System Center Operations
Manager.

Antes de fazer a atualização


Quando você tenta atualizar o servidor de Relatórios do System Center 2016 – Operations Manager para o
servidor de Relatórios do System Center Operations Manager 1801, a atualização falha na seguinte configuração:
O Servidor A é configurado como o servidor de gerenciamento do System Center 2016 – Operations Manager.
O Servidor B é configurado com o SQL Server hospedando o banco de dados operacional e de data warehouse
do System Center 2016 – Operations Manager e o servidor de Relatórios do Operations Manager ou um SQL
Server autônomo hospedando o servidor de Relatórios.
O verificador de pré-requisitos relatará o seguinte erro: Verificação de Atualização do Servidor de
Gerenciamento – o servidor de gerenciamento ao qual o componente fornece relatórios não foi
atualizado.
Para resolver esse problema, instale o console de Operações do System Center 2016 – Operations Manager no
servidor que hospeda a função do servidor de Relatórios e, em seguida, tente atualizar novamente a função do
servidor de Relatórios para a versão 1801. Depois que a atualização for concluída com êxito, execute novamente a
instalação e desinstale o console de Operações atualizado por meio do servidor de Relatórios.

Para atualizar o servidor de Relatórios


1. Faça logon no computador que hospeda o servidor de Relatório com uma conta que seja membro da função
Administradores do Operations Manager para o grupo de gerenciamento do Operations Manager para seu
grupo de gerenciamento do Operations Manager e função de servidor fixa sysadmin do SQL Server.
2. Na mídia de origem do Operations Manager, execute Setup.exe e depois clique em Instalar.

OBSERVAÇÃO
A página Introdução exibe informações sobre o que será atualizado. Clique em Avançar para continuar a atualização.

3. Na página Introdução, Leia os termos da licença, leia os Termos de Licença para Software Microsoft,
clique em Li, entendi e concordo com os termos de licençae clique em Avançar.
4. Na página Selecionar local de instalação, aceite o valor padrão, digite um novo local ou procure um.
Clique em Avançar.
OBSERVAÇÃO
Para o System Center 2016 – Operations Manager, o caminho padrão é C:\Program Files\Microsoft System Center
2016\Operations Manager. Para o branch atual, o caminho padrão é C:\Program Files\Microsoft System
Center\Operations Manager.

5. Na página Pré-requisitos , verifique e resolva os avisos ou erros que o Verificador de pré-requisitos


apontar e clique em Verificar Pré-requisitos Novamente para verificar o sistema novamente.
6. Se o verificador de Pré-requisitos não retornar nenhum aviso ou erro, a página Pré-requisitos, Prosseguir
com a Configuração aparecerá. Clique em Avançar.
7. Na página Pronto para Atualizar , examine as opções e clique em Atualizar.
8. Quando a atualização for concluída, a página Atualização concluída aparece. Clique em Fechar.

Para atualizar o servidor de Relatórios do Prompt de Comando


1. Faça logon no computador que hospeda o Servidor de Relatórios com uma conta que seja membro da
função Administradores do Operations Manager para o Grupo de Gerenciamento do Operations Manager.
2. Abra um prompt de comandos com privilégios elevados usando a opção Executar como Administrador.
3. Altere o caminho em que o arquivo Setup.exe do Operations Manager está localizado e execute o comando
a seguir:

OBSERVAÇÃO
Se o servidor de relatórios se reportar a um servidor de gerenciamento raiz inacessível ou sem suporte, você também
deve transmitir o seguinte parâmetro: /ManagementServer: <ManagementServerName>

setup.exe /silent /AcceptEndUserLicenseAgreement:1 /upgrade


/ManagementServer: <ManagementServerName>

Próximas etapas
Para entender as tarefas pós-atualização que você deve executar para concluir a atualização para o grupo de
gerenciamento, consulte Tarefas pós-atualização ao atualizar para o System Center Operations Manager.
Confira Implantação distribuída do Operations Manager para compreender a sequência e as etapas para
instalar as funções de servidor do Operations Manager em vários servidores no grupo de gerenciamento.
Como atualizar da versão de avaliação do Operations
Manager
20/02/2018 • 6 min to read • Edit Online

A versão de avaliação do System Center Operations Manager expira 180 dias após a instalação.
Para atualizar de uma versão de avaliação do Operations Manager para uma versão licenciada, você deverá obter
uma chave do produto válida da Microsoft. Para obter informações sobre o licenciamento do Operations Manager,
consulte Licenciamento do System Center.

OBSERVAÇÃO
Para verificar se o Operations Manager está licenciado, no console de Operações, clique em Ajuda e, em seguida, em Sobre.
No campo Versão do produto, será exibida a versão (Varejo) após as informações de versão. Se for exibido (Avaliação),
então, a instalação será uma versão de avaliação.

Para atualizar da versão de avaliação do System Center Operations


Manager 1801
Antes de continuar, você precisa ser membro da função administradores do Operations Manager.
1. No console de Operações, clique em Ajuda e, em seguida, em Sobre.
2. Clique em Ativar e, na janela Inserir a Chave do Produto (Product Key) da caixa Chave do produto
(Product Key), insira uma chave do produto (Product Key) válida, incluindo os traços. Pressione Continuar
para salvar as alterações.
3. Em Leia este contrato de licença, leia os Termos de Licença para Software Microsoft, selecione Li, entendi e
concordo com os termos de licença e, em seguida, clique em Aceitar.
Depois que a alteração for aplicada, a barra de título do console de Operações deixará de exibir a quantidade de
dias restantes para o término do período de avaliação, bem como a janela Sobre.
Atualizar após o período de avaliação
Se você não ativou sua licença para o grupo de gerenciamento antes da expiração do período de avaliação, que é
de 180 dias, após a expiração do período de avaliação, você receberá uma notificação quando abrir o console de
Operações ou iniciar o shell de comando do Operations Manager.
Execute as etapas a seguir para atualizar do período de avaliação usando o PowerShell diretamente em um
servidor de gerenciamento ou em um computador remoto que tem o Shell de Comando do Operations Manager
instalado.
Antes de continuar, você precisa ser membro da função administradores do Operations Manager para garantir que
isso seja concluído com êxito.
1. Abra o Shell de Comando do Operations Manager.
2. Execute o comando
Set-SCOMLicense -ManagementServer <Server name or IP address> -ProductId <your licensekey> -Credential
<PSCredential>
. Se você não incluir o parâmetro -Credential , depois de inserir o comando, uma caixa de diálogo de
autenticação será exibida, solicitando que você insira as credenciais.
3. O cmdlet solicita a confirmação. Insira Y para permitir que ele conclua a ação. Se o comando for bem-sucedido,
ele retornará uma mensagem indicando que o Operations Manager foi licenciado com êxito.
4. Reinicie o Serviço de Acesso a Dados do System Center em todos os servidores de gerenciamento no grupo de
gerenciamento para que a configuração funcione.

Para atualizar da versão de avaliação do System Center 2016 –


Operations Manager
Antes de continuar, você deve ser um membro da função Administradores do Operations Manager, membro do
grupo local de Administradores do computador no servidor de gerenciamento e obter permissão de associação
temporária da função de servidor fixo sysadmin, na instância do SQL Server que hospeda o banco de dados
operacional do Operations Manager, para garantir que isso seja concluído com êxito.

OBSERVAÇÃO
Observação: para usar o cmdlet Set-SCOMLicense, você deve usar permissões elevadas (Executar como administrador).

1. Abra o PowerShell como um administrador.


2. Carregue o módulo OperationsManager (importar-módulo Operations Manager).
3. Conecte-se ao seu grupo de gerenciamento (New -SCOMManagementGroupConnection).
4. Execute o comando Set-SCOMLicense -ProductId <yourlicensekey> .
5. Reinicie o Serviço de Acesso a Dados do System Center em todos os servidores de gerenciamento no grupo de
gerenciamento para que a configuração funcione.
6. Para verificar se as alterações foram feitas, execute o seguinte comando:
Get-SCOMManagementGroup | ft skuforlicense, version, timeofexpiration –a

Para obter mais informações sobre Set-SCOMLicense, digite o seguinte no Shell de Comando do Operations
Manager:
get-help Set-SCOMLicense

Para informações atuais sobre a sua licença, você pode usar o cmdlet Get-SCOMLicense. Para obter mais
informações, digite o seguinte no Shell de Comando do Operations Manager:
get-help Get-SCOMLicense
Tarefas pós-atualização ao atualizar para o System
Center Operations Manager
07/05/2018 • 5 min to read • Edit Online

Depois de concluir o processo de atualização para o System Center 2016 – Operations Manager ou para a
versão 1801, é necessário executar algumas tarefas pós-atualização.

Tarefas pós-atualização
Execute as tarefas a seguir quando você terminar o processo de atualização.
1. Habilitar novamente as assinaturas de notificação
2. Reiniciar ou habilitar novamente os Serviços de Conector (se necessário)
3. Habilitar novamente o ACS (Serviços de Coleta de Auditoria) em agentes que foram atualizados
4. Redefinir o tamanho de cache do HealthService do agente
5. Verificar se a atualização foi bem-sucedida
Habilitar novamente as assinaturas de notificação
Depois que a atualização for concluída, use o procedimento a seguir para reativar as inscrições.
Para reativar as inscrições
1. Abra o console de Operações com uma conta que seja membro da função Administradores do Operations
Manager para o grupo de gerenciamento do Operations Manager.
2. No Console de Operações, no painel de navegação, clique no botão Administração .

OBSERVAÇÃO
Quando você executa o console de Operações no computador que não é um servidor de gerenciamento, a
caixa de diálogo Conectar ao Servidor é exibida. Na caixa de texto Nome do servidor, digite o nome do servidor
de gerenciamento do Operations Manager ao qual você deseja se conectar.

3. No painel, Administração , em Notificações, clique em Assinaturas.


4. No painel Ações, clique em Habilitar para cada assinatura listada que foi habilitada antes de executar a
atualização.
Reiniciar ou habilitar novamente os serviços de conector
Veja a documentação de terceiros dos conectores instalados para determinar se os conectores são
compatíveis com o System Center Operations Manager. Se você interrompeu um conector por algum motivo
durante a atualização, reinicie o serviço.
Para reiniciar o serviço do conector
1. Abra o snap-in MMC de Serviços. Clique em Iniciar, digite services.msc na caixa Iniciar Pesquisa.
2. Na coluna Nome , clique com o botão direito do mouse no conector que você deseja reiniciar, e clique em
Iniciar.
Habilitar novamente os Serviços de Coleta de Auditoria
Se o ACS (Serviços de Coleta de Auditoria) foram habilitados para um agente antes da atualização, ele foi
desabilitado como parte do processo de atualização do agente. Habilite novamente o ACS conforme
apropriado.
Redefinir o tamanho de cache do HealthService do agente
Restaure a configuração padrão para o tamanho do cache do HealthService do agente, atualizando a seguinte
configuração do registro nos agentes manualmente ou de forma automatizada com a sua solução de
orquestração ou gerenciamento de configuração:
HKEY_LOCAL_MACHINE\SYSTEM\CurrentControlsSet\Services\HealthService\Parameters\Management
Groups\maximumQueueSizeKb
O valor decimal padrão do tipo DWORD é 15360 (15 MB ).
Verificar se o upgrade foi bem-sucedido
Execute as tarefas a seguir para verificar se a atualização foi bem-sucedida.
Verifique o estado de integridade dos servidores de gerenciamento e gateway e dos agentes na exibição
de estado do Health Service Watcher. No espaço de trabalho Administração do console de Operações,
verifique se os servidores de gerenciamento e gateway e os agentes estão íntegros. No espaço de trabalho
Monitoramento , verifique se há algum alerta relacionado à integridade do grupo de gerenciamento.
Revise os logs de eventos de todos os servidores de gerenciamento para ver novos erros. Classifique os
alertas pela coluna modificada por último para revisar os novos alertas.
Monitore a utilização da CPU e da memória e de E/S de disco nos servidores do banco de dados para
assegurar que eles estejam funcionando normalmente.
Se o recurso Relatórios estiver instalado, clique em Relatórios e depois execute um relatório de
desempenho genérico para verificar se Relatórios está funcionando corretamente.

Próximas etapas
Confira Implantação distribuída do Operations Manager para compreender a sequência e as etapas para
instalar as funções de servidor do Operations Manager em vários servidores no grupo de gerenciamento.
Referência rápida para tarefas do Operations
Manager
17/01/2018 • 8 min to read • Edit Online

A tabela a seguir apresenta uma referência rápida de onde executar tarefas comuns e links para informações
relevantes.

PARA EXECUTAR ESSA TAREFA FAÇA ISTO

Verificar problemas em um grupo de gerenciamento - Verifique a exibição Integridade do Grupo de


Gerenciamento na pasta Operations Manager no espaço de
trabalho Monitoramento
- Consulte o resumo de Estado e Alertas na página Visão
Geral do Monitoramento
- Verifique Alertas Ativos no espaço de trabalho
Monitoramento
- Verifique o Status da Tarefa no espaço de trabalho
Monitoramento

Iniciar o monitoramento de um computador Na página Visão Geral da Administração, clique em


Configurar computadores e dispositivos a serem
gerenciados. Para saber mais, confira os agentes do
Operations Manager.

Iniciar o monitoramento de um dispositivo de rede Na página Visão geral da administração, clique em Configurar
computadores e dispositivos a serem gerenciados. Para
saber mais, confira Monitorar dispositivos de rede.

Criar ou modificar um pool de recursos No espaço de trabalho Administração , clique em Pools de


Recursos. Para obter mais informações, consulte How to
Create a Resource Pool e Managing Resource Pools for UNIX
and Linux Computers.

- Criar um grupo Clique em Grupos no espaço de trabalho Criação .


- Exibir grupos disponíveis
- Exibir membros do grupo Para obter instruções, consulte Creating and Managing
- Exibir o estado de um grupo Groups
- Exibir o diagrama de um grupo
- Modificar um grupo

Criar uma exibição No espaço de trabalho Monitoramento ou Meu Espaço de


Trabalho, na parte inferior do painel de navegação, clique em
Nova Exibição. Para obter mais informações, consulte
Usando modos de exibição no Operations Manager.

Personalizar as configurações de uma exibição para seu No espaço de trabalho Monitoramento , clique com o botão
próprio uso direito do mouse em uma exibição no painel de navegação e
clique em Personalizar exibição. Para obter mais
informações, consulte Como personalizar os modos de
exibição no Operations Manager.
PARA EXECUTAR ESSA TAREFA FAÇA ISTO

Alterar o intervalo de pulsações. No espaço de trabalho Administração , clique em


Configuraçõese, em Agente, clique em Pulsação. Para obter
mais informações, consulte How Heartbeats Work in
Operations Manager (Como as pulsações funcionam no
Operations Manager).

Alterar o número de pulsações perdidas permitido No espaço de trabalho Administração , clique em


Configuraçõese, em Servidor, clique em Pulsação. Para
obter mais informações, consulte How Heartbeats Work in
Operations Manager (Como as pulsações funcionam no
Operations Manager).

Alterar a configuração de uma regra, um monitor ou um Faça alterações em regras, monitores ou alertas, criando uma
alerta. substituição. Selecione uma regra, um monitor ou um alerta e
acesse as opções de substituições clicando no botão direito do
mouse ou clicando em Substituições na barra de ferramentas
ou clicando em Substituições no painel Tarefas. Para obter
mais informações, consulte Como Substituir uma Regra ou
Monitor e Criando um Pacote de Gerenciamento para
Substituições.

Alterar a frequência em que os registros são removidos do No espaço de trabalho Administração , clique em
banco de dados operacional. Configurações, clique com o botão direito do mouse em
Grooming do Banco de Dadose clique em Propriedades.
Para obter mais informações, consulte How to Configure
Grooming Settings for the Operations Manager Database.

Conceder a um usuário permissões para exibir as informações No espaço de trabalho Administração , clique em Funções
do Operations Manager ou executar tarefas. de Usuário, clique com o botão direito do mouse em uma
função específica e clique em Propriedades. Para obter mais
informações, consulte Implementando Funções de Usuário

Apresentar uma exibição de painel em um site do SharePoint. Você deve implantar a Web Part do Operations Manager em
um site do SharePoint, configurá-la para conexão a um
console Web e adicioná-la a uma página do SharePoint. Para
obter mais informações, consulte Using SharePoint to View
Operations Manager Data.

Receber notificações de um alerta por e-mail, mensagem Clique com o botão direito do mouse em um alerta, aponte
instantânea ou mensagem de texto. para Assinatura de notificaçãoe clique em Criar. Para obter
mais informações, consulte Subscribing to Alert Notifications.

Investigar um agente cinza. No espaço de trabalho Monitoramento , na exibição


Operations Manager\Detalhes do Agente\Estado de
Integridade do Agente , na seção Estado do Agente do
Inspetor de Serviço de Integridade , clique no agente cinza
e, no painel Tarefas , clique em Mostrar Dados de
Conectividade do Agente Cinza. Para obter mais
informações, consulte Not Monitored and Gray Agents.

Interromper o monitoramento de um computador No espaço de trabalho Monitoramento , clique em


temporariamente. Computadores com Windows, clique com o botão direito
do mouse no computador do qual deseja interromper o
monitoramento e clique em Modo de Manutenção. Para
obter mais informações, consulte How to Suspend Monitoring
Temporarily by Using Maintenance Mode.
PARA EXECUTAR ESSA TAREFA FAÇA ISTO

Monitorar a integridade do grupo de gerenciamento No espaço de trabalho Monitoramento, navegue para


Gerenciador de Operações\Integridade do Grupo de
Gerenciamento para consultar informações de status de
integridade importantes sobre componentes e agentes no
grupo de gerenciamento. Para obter mais informações,
consulte Monitorar a integridade do grupo de gerenciamento.

Migrar os bancos de dados do Operations Manager Se for necessário atualizar o SQL Server ou mover para um
servidor em um novo hardware, execute as etapas descritas
nos artigos a seguir para mover o banco de dados operacional
ou de data warehouse
- Como mover o banco de dados operacional
- Como mover o banco de dados de data warehouse de
relatório.

Configurar a retenção de dados dos bancos de dados do Para manter os dados por um determinado período de tempo
Operations Manager e manter o desempenho ideal, configure a retenção de dados
no banco de dados de data warehouse e do Operations
Manager. Execute as etapas descritas nos artigos a seguir
- Como configurar a limpeza do banco de dados operacional
- Como configurar a limpeza do banco de dados de data
warehouse de relatório.

Próximas etapas
Para saber mais sobre o que gerenciar, como gerenciar ou como dar suporte a um grupo de gerenciamento do
Operations Manager, veja o Guia de Operações do System Center – Operations Manager
Cenários de monitoramento do Operations Manager
18/01/2018 • 1 min to read • Edit Online

O System Center Operations Manager é compatível com uma variedade de métodos para monitorar ativamente
diferentes serviços e os componentes e dispositivos compatíveis com eles. Este artigo resume cada cenário com
suporte com um link para a documentação de apoio detalhada que descreve como planejar e configurar o
monitoramento de cada cenário.

Tópicos sobre os cenários de monitoramento do Operations Manager


Monitoramento sem agente
Monitorando entre limites não confiáveis
Monitoramento de cliente usando o Monitoramento de Exceções sem Agente
Monitorando clusters de failover
Monitorando redes
Monitorando objetivos de nível de serviço
Monitorando aplicativos .NET
Monitorando aplicativos Java
Monitorando computadores UNIX e Linux
Monitorando arquivos de log do Linux
Conectando o Operations Manager a outros sistemas de gerenciamento
Monitorando o Operations Manager em um segundo grupo de gerenciamento
Integração com o Active Directory
Integração com o Azure Log Analytics
Instalar o agente no Windows usando o assistente
de descoberta
18/01/2018 • 13 min to read • Edit Online

Aplica-se a: System Center 2016 – Operations Manager

Você pode usar o console de Operações para pesquisar opções gerenciáveis no ambiente e implantar um
agente em qualquer objeto que queira monitorar. O processo de pesquisa do ambiente é chamado de
descoberta. Uma das vantagens de usar a descoberta é que ela lista todos os objetos gerenciáveis, incluindo
aquele de que você pode não estar ciente.
O Assistente de Descoberta não mostra computadores que o grupo de gerenciamento já está monitorando. Se
estiver fazendo uma distribuição em fases do seu grupo de gerenciamento, você poderá executar o assistente
para adicionar novos computadores ao grupo. Além disso, após a implantação inicial, você poderá usar o
Assistente de Descoberta para adicionar computadores recém-instalados a serem gerenciados.
Quando os agentes são enviados por push para os computadores, o System Center Operations Manager envia
as credenciais com direitos de administrador local. Isso é necessário para instalar o agente.
Se o Assistente de Descoberta não for ideal para as suas necessidades (por exemplo, se você tiver uma lista
definida de computadores nos quais deseja implantar agentes), você terá a opção de instalar agentes
manualmente nos sistemas a serem gerenciados. Os agentes também podem ser incorporados à imagem de
host do computador monitorado.
Use o procedimento a seguir para descobrir computadores que executam o Windows e implantar o agente do
Operations Manager neles usando o console de Operações. Para obter uma lista das versões do sistema
operacional com suporte, confira Microsoft Monitoring Agent Operating System requirements (Requisitos de
sistema operacional do Microsoft Monitoring Agent).

OBSERVAÇÃO
Para obter informações sobre os requisitos de porta de agentes, consulte Monitoramento com e sem agente no Guia de
Implantação.

Para instalar um agente em um computador com Windows usando o


Assistente de Descoberta
1. Faça logon no console de Operações com uma conta que seja membro da função Administradores do
Operations Manager.
2. Clique em Administração.
3. Na parte inferior do painel de navegação, clique em Assistente de Descoberta.
4. No Assistente de Gerenciamento de Computadores e Dispositivos, na página Tipo de
Descoberta, clique em Computadores com o Windows.
5. Na página Automático ou Avançado? , siga este procedimento:
a. Selecione Descoberta automática de computador ou Descoberta avançada. Se você
selecionar Descoberta automática de computador, clique em Avançare vá para a etapa 7. Se
você selecionar Descoberta avançada, continue com as etapas a seguir.

OBSERVAÇÃO
A descoberta automática de computador procura computadores com Windows no domínio. A descoberta
avançada permite especificar critérios para os computadores que serão retornados pelo assistente, como
nome de computadores começando com NY.

b. Na lista Classes de Computador e Dispositivo , selecione Servidores e Clientes, Apenas


Servidorou Apenas Clientes.
c. Na lista Servidor de Gerenciamento , clique no servidor de gerenciamento ou no servidor de
gateway para descobrir os computadores.
d. Caso tenha selecionado Servidores e Clientes, poderá marcar a caixa de seleção Verificar se os
computadores descobertos podem ser contatados . Isso é adequado para aumentar a taxa de
sucesso de implantação do agente, mas a descoberta pode levar mais tempo.

OBSERVAÇÃO
Se o catálogo do Active Directory não tiver os nomes de NetBIOS para computadores em um domínio,
selecione Verificar se os computadores descobertos podem ser contatados. Caso contrário, a opção
Procurar, ou Digite não conseguirá localizar os computadores. Isso afeta os computadores no mesmo
domínio do servidor de gerenciamento, em outro domínio com um relacionamento de confiança total e
em domínios não confiáveis usando um servidor de gateway.

e. Clique em Avançar.

OBSERVAÇÃO
O assistente poderá retornar aproximadamente 4 mil computadores, se a opção Verificar se os
computadores descobertos podem ser contatados estiver selecionada, e 10 mil computadores, se essa
opção não estiver selecionada. A Descoberta automática de computador verifica se os computadores
descobertos podem ser contatados. Um computador já gerenciado pelo grupo de gerenciamento não é
retornado.

6. Na página Método de Descoberta , é possível localizar os computadores que você deseja gerenciar,
verificando ou procurando Serviços de Domínio Active Directory ou digitando os nomes dos
computadores.
Se desejar verificar, faça o seguinte
a. Se ainda estiver selecionado, selecione Verificar o Active Directory e, em seguida, clique em
Configurar.
b. Na caixa de diálogo Localizar Computadores , digite os critérios que deseja usar para a
descoberta de computadores e clique em OK.
c. Na lista Domínio , clique no domínio dos computadores que deseja descobrir.
Se quiser procurar os Serviços de Domínio Active Directory ou digitar os nomes dos computadores,
proceda da seguinte forma:
a. Selecione Procurar ou digitar nomes de computadores, clique em Procurar, especifique os
nomes dos computadores que deseja gerenciar e clique em OK.
b. Na caixa Procurar ou digitar nomes de computadores , digite os nomes dos computadores
separados por ponto-e-vírgula, vírgula ou em uma nova linha. É possível usar nomes de
computador NetBIOS ou FQDN (nomes de domínio totalmente qualificados).
7. Clique em Avançare, na página Conta de Administrador , proceda de uma das seguintes maneiras:
a. Selecione a opção Usar Conta de Ação do Servidor de Gerenciamento selecionada se ainda
não estiver selecionada.
b. Selecione Outra conta de usuário, digite o Nome de usuário e a Senhae selecione o Domínio
na lista Se o nome de usuário não estiver em uma conta de domínio, selecione Esta é uma conta
de computador local, não uma conta de domínio.

IMPORTANTE
A conta deve ter privilégios administrativos nos computadores de destino. Se a opção Esta é uma conta
de computador local, não uma conta de domínio estiver selecionada, a conta de ação do servidor de
gerenciamento será usada para executar a descoberta.

8. Clique em Descobrir para exibir a página Progresso da Descoberta . O tempo necessário para a
conclusão da descoberta depende de vários fatores, como, por exemplo, os critérios especificados e a
configuração do ambiente de TI. Se um número grande de computadores (100 ou mais) for descoberto
ou agentes forem instalados, o console de Operações não poderá ser usado durante a descoberta e a
instalação de agentes.

OBSERVAÇÃO
Computadores que já são gerenciados pelo grupo de gerenciamento não serão retornados pelo assistente.

9. Na página Selecionar Objetos a Serem Gerenciados , faça o seguinte:


a. Selecione os computadores que você deseja transformar em computadores gerenciados por
agente.
b. Na lista Modo de Gerenciamento , clique em Agente e, em seguida, em Avançar.

OBSERVAÇÃO
Os resultados da descoberta mostram nós virtuais de clusters. Não selecione nenhum nó virtual para
gerenciar.

10. Na página Biblioteca , faça o seguinte:


a. Deixe o Diretório de instalação do agente definido como o padrão de
%ProgramFiles%\Microsoft Monitoring Agent ou digite um caminho de instalação.

IMPORTANTE
Se um Diretório de instalação do agente diferente for especificado, a raiz do caminho deverá existir no
computador de destino, ou a instalação do agente falhará. Subdiretórios, como \Agent, serão criados se
não existirem.

b. Deixe a Conta de Ação do Agente definida como o padrão, Sistema Local, ou selecione Outro
e digite o Nome do usuário, Senhae Domínio. A Conta de Ação do Agente é a conta padrão
que o agente usará para executar ações.
c. Clique em Finalizar.
11. Na caixa de diálogo Status da Tarefa de Gerenciamento de Agente , o Status de cada computador
selecionado é alterado de Enfileirado para Êxito. Os computadores estão prontos para serem
gerenciados.

OBSERVAÇÃO
Se houver falha na tarefa para um computador, clique no computador de destino. O motivo da falha é exibido na
caixa de texto Saída de Tarefa .

12. Clique em Fechar.

Próximas etapas
Se você desejar instalar manualmente o agente do Windows da linha de comando ou automatizar a
implantação usando um script ou outra solução de automação, examine Install Windows Agent Manually
Using MOMAgent.msi (Instalar o agente do Windows manualmente usando o MOMAgent.msi).
Para saber como fazer upgrade do agente em computadores Windows de uma versão anterior, consulte
Como fazer upgrade de um agente para o System Center Operations Manager.
Para entender como gerenciar as definições de configuração de um agente do Windows e as opções
disponíveis, examine Configuração de agentes do Windows.
Examine o artigo Uninstall Agent from Windows-based Computers (Desinstalar o agente de
computadores baseados no Windows) para compreender quais opções e etapas precisam ser executadas
para desinstalar corretamente o agente de computadores com Windows.
Se você desejar instalar o agente do Nano Server da linha de comando ou automatizar a implantação
usando um script ou outra solução de automação, examine Install Agent on Nano Server (Instalar o
agente no Nano Server)
Instalar o agente em UNIX e Linux usando o
Assistente de Descoberta
15/01/2018 • 8 min to read • Edit Online

Use o Assistente para Gerenciamento de Computadores e Dispositivos para descobrir e instalar agentes
em computadores UNIX e Linux. Para obter uma lista das versões de sistema operacional com suporte, confira
Supported Operating Systems and Versions (Sistemas operacionais e sistemas com suporte).
Antes de executar o assistente, reúna as seguintes informações:
O nome do host, o endereço IP ou o intervalo de endereços IP de computadores UNIX ou Linux que você
deseja descobrir.
No mínimo, você precisará de uma conta de baixo privilégio estabelecida no computador UNIX ou Linux
para descobri-lo. Para instalar um agente, você precisará de acesso privilegiado. Para obter mais
informações, consulte Planning Security Credentials for UNIX and Linux Computers (Planejando as
credenciais de segurança para computadores UNIX e Linux).
Se definido, o nome do pool de recursos criado para monitorar computadores UNIX ou Linux. Os pools
de recursos podem conter servidores de gerenciamento ou gateways para monitorar computadores
UNIX ou Linux. Para obter mais informações, consulte Resource Pool Design Considerations
(Considerações de design do pool de recursos).

Para descobrir e instalar um agente em um computador UNIX ou


Linux
1. Faça logon no console de Operações com uma conta que seja membro da função Administradores do
Operations Manager.
2. Clique em Administração.
3. Na parte inferior do painel de navegação, clique em Assistente de Descoberta.
4. Na página Tipo de Descoberta , clique em Computadores Unix/Linux.
5. Na página Critérios de Descoberta , siga este procedimento:
a. Clique em Adicionar para definir um escopo de descoberta. Na caixa de diálogo Critérios de
Descoberta , siga este procedimento:
a. Para o Escopo da descoberta, clique no botão de reticências … para especificar o nome do host,
o endereço IP ou o intervalo de endereços IP de computadores UNIX ou Linux a serem
descobertos.
b. Para o Tipo de descoberta , selecione Descobrir todos os computadores ou Descobrir
apenas computadores com o agente UNIX/Linux instalado.
Se você optar por descobrir apenas computadores com o agente instalado, a única credencial que
precisará fornecer será a de verificação de agente. Essa pode ser uma conta de baixo privilégio no
computador UNIX ou Linux.
IMPORTANTE
Descobrir apenas computadores com o agente instalado requer que o agente esteja instalado e
configurado atualmente com um certificado assinado.

c. Para especificar as credenciais de instalação de um agente, clique em Definir credenciais. Para


obter instruções detalhadas, confira Credentials for Installing Agents” (Credenciais para instalar
agentes) em Setting Credentials for Accessing UNIX and Linux Computers (Definindo credenciais
para acessar computadores UNIX e Linux).
Como alternativa, para usar as credenciais padrão, marque a caixa Use Run As Credentials (Usar
Executar como Credenciais). Se essa opção for selecionada, uma conta Executar Como padrão
deverá ser definida nos perfis Executar como Conta de Ação UNIX/Linux e Conta de
Manutenção do Agente UNIX/Linux. A conta padrão é aquela que está associada a Todos os
Objetos Gerenciados.
d. Clique em Salvar.
b. Selecione um pool de recursos para monitorar o computador UNIX ou Linux.
6. Clique em Descobrir para exibir a página Progresso da Descoberta . O tempo necessário para a
conclusão da descoberta depende de vários fatores, como os critérios especificados e a configuração do
ambiente. Se um número grande de computadores (100 ou mais) for descoberto ou agentes forem
instalados, o console de Operações não poderá ser usado durante a descoberta e a instalação de agentes.
7. Na página Seleção de Computador , na guia Computadores gerenciáveis , selecione os
computadores que você quer que sejam gerenciados. A guia Resultados adicionais lista os erros e os
computadores que já estão sendo gerenciados.
8. Clique em Gerenciar.
9. Na página Gerenciamento do Computador , após a conclusão do processo de implantação, clique em
Concluído.
Você deve ter, no mínimo, um perfil de Conta de Ação UNIX/Linux configurado com uma Conta Executar como
de Monitoramento para monitorar o computador UNIX ou Linux. Para obter mais informações, consulte How to
Configure Run As Accounts and Profiles for UNIX and Linux Access (Como configurar contas e perfis Executar
como para o acesso a UNIX e Linux).

OBSERVAÇÃO
Há suporte para Solaris Zones no Solaris 10 ou em versões mais recentes. Ao monitorar um computador com zonas, cada
zona é tratada como um computador individual. Você deve instalar o agente em cada computador que deseja monitorar.
Instale o agente na região global primeiro, pois as zonas esparsas compartilham arquivos com a região global. Se você
tentar instalar primeiro em uma zona esparsa, a instalação falhará. Para obter mais informações sobre a solução de
problemas, consulte Problemas do sistema operacional.

Próximas etapas
Para obter mais informações sobre como instalar o agente e entender as etapas para assinar o certificado
do agente, confira Install Agent and Certificate on UNIX and Linux Computers Using the Command Line
(Instalar agente e certificado em computadores UNIX e Linux usando a linha de comando)
Para saber como configurar regras de descoberta de objeto e desabilitar a descoberta de um objeto
específico, consulte Applying Overrides to Object Discoveries (Aplicando substituições a descobertas de
objeto).
Para saber como realizar a manutenção do agente em computadores UNIX e Linux, confira Upgrading
and Uninstalling Agents on UNIX and Linux Computers (Atualizando e desinstalando agentes em
computadores UNIX e Linux).
Examine o artigo Manually Uninstalling Agents from UNIX and Linux Computers (Desinstalando
manualmente os agentes de computadores UNIX e Linux) para compreender quais opções e etapas
precisam ser executadas para desinstalar corretamente o agente de computadores com UNIX e Linux.
Instalar manualmente o agente do Windows
usando MOMAgent.msi
20/02/2018 • 16 min to read • Edit Online

Você pode usar o MOMAgent.msi para implantar agentes do System Center Operations Manager da linha de
comando ou usando o Assistente de Instalação. A implantação de agentes da linha de comando também é
conhecida como instalação manual. Para obter uma lista das versões do sistema operacional com suporte,
confira Microsoft Monitoring Agent Operating System requirements (Requisitos de sistema operacional do
Microsoft Monitoring Agent).
Antes de usar qualquer método para implantar o agente manualmente, certifique-se de que as seguintes
condições sejam atendidas:
A conta usada para executar o MOMAgent.msi deve ter privilégios administrativos nos computadores
em que os agentes estão sendo instalados.
Cada agente instalado com o Assistente de Instalação ou por meio da linha de comando deve ser
aprovado por um grupo de gerenciamento. Para obter mais informações, consulte Processar instalações
manuais de agentes.
Se um agente for implantado manualmente em um controlador de domínio e um pacote de
gerenciamento do Active Directory for implantado posteriormente, poderá haver erros durante a
implantação do pacote de gerenciamento. O objeto auxiliar do Active Directory é usado pelo pacote de
gerenciamento do Active Directory em controladores de domínio do Windows. O objeto auxiliar do
Pacote de Gerenciamento do Active Directory é instalado normalmente e automaticamente quando o
agente é implantado por meio do Assistente de Descoberta. Para impedir a ocorrência de erros ou para
se recuperar de erros que já estão ocorrendo, você precisa instalar manualmente o pacote do Windows
Installer do OomADs.msi no controlador de domínio afetado. O arquivo pode estar localizado no
controlador de domínio na pasta %ProgramFiles%\Microsoft Monitoring Agent\Agent\HelperObjects.
Um grupo de gerenciamento (ou servidor de gerenciamento único) deve estar configurado para aceitar
agentes instalados com o MOMAgent.msi, caso contrário, eles serão automaticamente rejeitados e não
serão exibidos no Console de Operações. Para obter mais informações, consulte Processar instalações
manuais de agentes. Se um grupo de gerenciamento ou servidor for configurado para aceitar agentes
instalados manualmente, os agentes serão exibidos no console depois de cerca de uma hora.

OBSERVAÇÃO
Para obter informações sobre requisitos de porta de agentes, consulte Comunicação entre agentes e servidores de
gerenciamento.

O MOMAgent.msi pode ser encontrado na mídia de instalação do Operations Manager e na seguinte pasta
em um servidor de gerenciamento do System Center 2016 – Operations Manager:
%ProgramFiles%\Microsoft System Center 2016\Operations Manager\Server\AgentManagement<platform>.
Para um servidor de gerenciamento da versão 1801, os arquivos de instalação do agente podem ser
encontrados na seguinte pasta: %ProgramFiles%\Microsoft System Center\Operations
Manager\Server\AgentManagement<platform>.
IMPORTANTE
O recurso APM (Monitoramento do desempenho de aplicativos) do System Center 2016 Operations Manager e do
agente da versão 1801 causa uma falha nos Pools de Aplicativos do IIS em execução no tempo de execução do .NET
Framework 2.0. Por padrão, quando o agente é instalado em um computador Windows, os componentes do APM são
instalados por padrão. Para evitar problemas e impedir a instalação dos componentes do APM nos servidores Windows
de destino ao implantar o agente, adicione o parâmetro NOAPM=true

Para implantar o agente do Operations Manager usando o


Assistente para Instalação do Agente
1. Use privilégios de administrador local para fazer logon no computador onde você deseja instalar o
agente.
2. Na mídia de instalação do Operations Manager, clique duas vezes em Setup.exe.
3. Em Instalações Opcionais, clique em Agente Local.
4. Na página Bem -vindo , clique em Avançar.
5. Na página Aviso Importante, examine os termos de licença de software da Microsoft e clique em
Concordo.
6. Na página Pasta de Destino , deixe a pasta de instalação configurada como a padrão ou clique em
Alterar e digite um caminho e, em seguida, clique em Avançar.
7. Na página Opções de configuração do agente, você pode escolher se deseja conectar o agente ao
Operations Manager. Ao conectar o agente ao Operations Manager, você pode escolher manualmente
o grupo de gerenciamento de que esse agente participará no monitoramento. Se você não selecionar
essa opção, o agente ainda pode coletar localmente os dados do Monitoramento do desempenho de
aplicativos. É possível alterar sua seleção no item Agente de Monitoramento no Painel de Controle.
8. Na página Configuração do Grupo de Gerenciamento , siga este procedimento:
a. Digite o nome do grupo de gerenciamento no campo Nome do Grupo de Gerenciamento e o
nome do servidor (qual servidor?) no campo Servidor de Gerenciamento.

OBSERVAÇÃO
Para usar o servidor de gateway, digite o nome dele na caixa de texto Servidor de Gerenciamento .

b. Digite um valor para Porta do Servidor de Gerenciamentoou deixe o padrão 5723.


c. Clique em Avançar.
9. Na página Conta de Ação do Agente , deixe-a configurada como o padrão de Sistema Localou
selecione Conta de Computador Local ou de Domínio; digite a Conta do Usuário, a Senhae o
Computador local ou de domínio; e clique em Avançar.
10. Na página Pronto para Instalar, examine as configurações e clique em Instalar para exibir a página
Instalando o Microsoft Monitoring Agent.
11. Quando a página Concluindo o Assistente de Instalação do Microsoft Monitoring Agent for
exibida, clique em Concluir.

Para implantar o agente do Operations Manager na linha de


comando
1. Faça logon no computador em que você deseja instalar o agente, usando uma conta com privilégios
locais de administrador.
2. Abra um prompt de comando como administrador.
3. Execute o seguinte comando:

%WinDir%\System32\msiexec.exe /i path\Directory\MOMAgent.msi /qn USE_SETTINGS_FROM_AD={0|1}


USE_MANUALLY_SPECIFIED_SETTINGS={0|1} MANAGEMENT_GROUP=MGname MANAGEMENT_SERVER_DNS=MSname
MANAGEMENT_SERVER_AD_NAME =MSname SECURE_PORT=PortNumber ACTIONS_USE_COMPUTER_ACCOUNT={0|1}
ACTIONSUSER=UserName ACTIONSDOMAIN=DomainName ACTIONSPASSWORD=Password
AcceptEndUserLicenseAgreement=1

OBSERVAÇÃO
Verifique se está usando a versão de 32 bits ou 64 bits correta do MOMAgent.msi para o computador em que
está instalando o agente.

em que:

PARÂMETRO VALOR

USE_SETTINGS_FROM_AD={0|1} Indica se as propriedades de configurações de grupo de


gerenciamento serão definidas na linha de comando.
Use 0 se quiser definir as propriedades na linha de
comando. Use 1 para utilizar as configurações de grupo
de gerenciamento do Active Directory.

USE_MANUALLY_SPECIFIED_SETTINGS=={0|1} Se USE_SETTINGS_FROM_AD=1,
USE_MANUALLY_SPECIFIED_SETTINGS deverá ser igual
a 0.

MANAGEMENT_GROUP=MGname Especifica o grupo de gerenciamento que gerenciará o


computador.

MANAGEMENT_SERVER_DNS=MSname Especifica o nome do domínio totalmente qualificado do


servidor de gerenciamento. Para usar um servidor
Gateway, digite seu FQDN como
MANAGEMENT_SERVER_DNS.

MANAGEMENT_SERVER_AD_NAME=ADname Use este parâmetro se os nomes de DNS e Active


Directory do computador forem diferentes para definir o
nome totalmente qualificado dos Serviços de Domínio
Active Directory.

SECURE_PORT=PortNumber Define o número da porta de serviço de integridade.

ENABLE_ERROR_REPORTING={0|1} Parâmetro opcional. Use este parâmetro com "1" para


aceitar o encaminhamento do relatório de erros à
Microsoft. Se você não incluir esse parâmetro, a
instalação do agente terá "0" como padrão, o que
significa recusar o encaminhamento do relatório de
erros.
PARÂMETRO VALOR

QUEUE_ERROR_REPORTS={0|1} Parâmetro opcional. Use esse parâmetro com "1" para


colocar relatórios de erros na fila ou com "0" para enviar
relatórios imediatamente. Se você não incluir esse
parâmetro, a instalação do agente terá "0" como
padrão.

INSTALLDIR=path Parâmetro opcional. Use esse parâmetro se quiser


instalar o agente em uma pasta que não seja o caminho
de instalação padrão. Observe que \Agent será anexado
a esse valor.

ACTIONS_USE_COMPUTER_ACCOUNT={0|1} Indica se deve-se usar uma conta de usuário


especificada (0) ou a conta do Sistema Local (1).

ACTIONSUSER=UserName Define a conta de Ação do Agente como UserName.


Esse parâmetro será obrigatório se você tiver
especificado ACTIONS_USE_COMPUTER_ACCOUNT=0.

ACTIONSDOMAIN= DomainName Define o domínio para a conta de Ação do Agente


identificada com o parâmetro ACTIONSUSER.

ACTIONSPASSWORD= Password A senha para o usuário identificado com o parâmetro


ACTIONSUSER.

NOAPM=1 Parâmetro opcional. Instala o agente do Operations


Manager sem Monitoramento de Desempenho do
Aplicativo .NET. Se você estiver usando AVIcode 5.7, o
NOAPM=1 manterá o agente do AVIcode funcionando.
Se você estiver usando o AVIcode 5.7 e instalar o agente
do Operations Manager usando momagent.msi sem
NOAPM=1, o agente do AVIcode não funcionará
corretamente e um alerta será gerado.

AcceptEndUserLicenseAgreement=1 Usado para especificar que você aceita o EULA


(Contrato de Licença de Usuário Final). Esse parâmetro é
necessário quando você usa /qn para executar uma
instalação completamente silenciosa do agente.

Exemplos de instalação do agente na linha de comando


Os exemplos a seguir mostram diferentes maneiras em que você pode instalar o pacote do Windows Installer
de MOMAgent.msi manualmente na linha de comando. Você pode executar novas instalações de agentes,
atualizar agentes de versões anteriores do Operations Manager, desinstalar o agente ou alterar a configuração
de um agente (como o grupo de gerenciamento ou o servidor de gerenciamento associado ao agente).
Instalação do agente usando uma Conta de Ação específica
O exemplo a seguir mostra uma instalação nova de um agente e usa uma Conta de Ação específica.

msiexec.exe /i path\Directory\MOMAgent.msi /qn /l*v %temp%\OMAgentinstall.log USE_SETTINGS_FROM_AD=0


MANAGEMENT_GROUP=<MG_Name> MANAGEMENT_SERVER_DNS=<MSDNSName> MANAGEMENT_SERVER_AD_NAME=<MSDNSName>
ACTIONS_USE_COMPUTER_ACCOUNT=0 ACTIONSUSER=<AccountUser> ACTIONSDOMAIN=<AccountDomain> ACTIONSPASSWORD=
<AccountPassword> USE_MANUALLY_SPECIFIED_SETTINGS=1 AcceptEndUserLicenseAgreement=1

Instalação do agente usando a conta Sistema Local


O exemplo a seguir mostra uma instalação nova de um agente e usa Sistema Local como a Conta de Ação.

msiexec.exe /i path\Directory\MOMAgent.msi /qn /l*v %temp%\OMAgentinstall.log USE_SETTINGS_FROM_AD=0


MANAGEMENT_GROUP=<MG_Name> MANAGEMENT_SERVER_DNS=<MSDNSName> MANAGEMENT_SERVER_AD_NAME=<MSDNSName>
ACTIONS_USE_COMPUTER_ACCOUNT=1 USE_MANUALLY_SPECIFIED_SETTINGS=1 AcceptEndUserLicenseAgreement=1

Instalação do agente com integração do Active Directory e uso de uma Conta de Ação específica
O exemplo a seguir instala um agente usando o Active Directory e uma Conta de Ação específica.

msiexec /i path\Directory\MOMAgent.msi /qn /l*v %temp%\OMAgentInstall.log USE_SETTINGS_FROM_AD=1


USE_MANUALLY_SPECIFIED_SETTINGS=0 ACTIONS_USE_COMPUTER_ACCOUNT=0 ACTIONSUSER=<AccountUser> ACTIONSDOMAIN=
<AccountDomain> ACTIONSPASSWORD=<AccountPassword> AcceptEndUserLicenseAgreement=1

Instalação do agente com integração do Active Directory e uso da conta Sistema Local
O exemplo a seguir instala um agente usando o Active Directory e a conta Sistema Local como a Conta de
Ação.

msiexec /i path\Directory\MOMAgent.msi /qn /l*v %temp%\OMAgentInstall.log USE_SETTINGS_FROM_AD=1


ACTIONS_USE_COMPUTER_ACCOUNT=1 USE_MANUALLY_SPECIFIED_SETTINGS=0 AcceptEndUserLicenseAgreement=1

Atualização de agente com base em uma versão anterior do Operations Manager


O exemplo a seguir atualiza um agente.

msiexec /i path\Directory\MOMAgent.msi /qn /l*v %temp%\OMAgentUpgrade.log AcceptEndUserLicenseAgreement=1

Desinstalar o agente
O exemplo a seguir desinstala um agente.

msiexec /x path\Directory\MOMAgent.msi /qn /l*v %temp%\OMAgentUninstall.log

Próximas etapas
Para implantar o agente do Windows do console de operações usando o Assistente de Descoberta,
examine Instalar o agente no Windows usando o assistente de descoberta.
Se você desejar instalar o agente do Nano Server usando o Assistente de Descoberta da linha de
comando ou automatizar a implantação usando um script ou outra solução de automação, examine
Install Agent on Nano Server (Instalar o agente no Nano Server).
Para saber como fazer upgrade do agente em computadores Windows de uma versão anterior, consulte
Como fazer upgrade de um agente para o System Center Operations Manager.
Para entender como gerenciar as definições de configuração de um agente do Windows e as opções
disponíveis, examine Configuração de agentes do Windows.
Examine o artigo Uninstall Agent from Windows-based Computers (Desinstalar o agente de
computadores baseados no Windows) para compreender quais opções e etapas precisam ser
executadas para desinstalar corretamente o agente de computadores com Windows.
Instalar o agente no Nano Server
15/01/2018 • 17 min to read • Edit Online

O Windows Server 2016 Nano Server é uma nova opção de instalação introduzida no Windows Server 2016. O
Nano Server é otimizado para operações de data center e nuvem privada. Com o System Center 2016 –
Operations Manager, você pode monitorar o Nano Server instalando o agente do Operations Manager.

Recursos de monitoramento do Nano Server


Com o lançamento do Nano Server, você pode monitorar as operações básicas do servidor usando o Pacote de
Gerenciamento do sistema operacional do Windows Server. Também é possível monitorar um Nano Server
executando as seguintes cargas de trabalho:
Cluster de Failover do Windows
Servidor DNS (Sistema de Nomes de Domínio)
Serviços de Informações da Internet (IIS )
É possível baixar esses pacotes de gerenciamento para o Nano Server no Centro de Download da Microsoft.
Monitorar uma instalação do Nano Server é semelhante ao monitoramento de qualquer outra instalação do
Windows Server, no entanto, há algumas diferenças-chave no modo de instalação do agente em um Nano
Server.
Você precisará seguir as etapas abaixo para iniciar o monitoramento de um Nano Server.
1. Implantar o agente do Operations Manager do console de Operações usando o Assistente de descoberta
ou Instalar manualmente o agente do Operations Manager em um Nano Server.
2. Validar se o agente Operations Manager foi instalado com êxito
3. Processar instalações manuais do agente se você instalou o agente manualmente no Nano Server.
4. Verifique se você está monitorando seu Nano Server.
Existem várias limitações nesta versão do agente do Nano Server. As seguintes operações não tem suporte com
esta versão:
Instalação do agente do Operations Manager por meio de um pacote MSI.
Monitoramento de Nano Serve que não esteja no mesmo domínio que o Servidor de Gerenciamento do
Operations Manager.
Monitoramento de um Nano Server com um Pacote de Gerenciamento gravado em VBScript ou JScript.
Monitoramento de aplicativos .Net em execução em um Nano Server.
Monitoramento de processo no Nano Server.
Monitoramento de ICMP no Nano Server.
Monitoramento de OLE DB no Nano Server.
Integração do Nano Server com o Active Directory.
Atualização do agente do Operations Manager em um Nano Server ao aplicar atualizações.
Uso de regras de descoberta de rede para descobrir dispositivos que dão suporte ao ICMP.
Monitorando URLs específicas em um Nano Server.
Coleta de dados de Log do aplicativo de um Nano Server.
Colocação de um Nano Server no modo de manutenção.

Instalar manualmente o agente do Operations Manager em um Nano


Server
1. Siga as instruções para instalar manualmente o Nano Server em um computador físico ou em uma
máquina virtual. Consulte Introdução ao Nano Server para obter instruções completas.

OBSERVAÇÃO
O Nano Server deve estar no mesmo domínio que o Servidor de Gerenciamento do Operations Manager.

2. Adicione o pacote Microsoft-OneCore-ReverseForwarders conforme descrito no tópico Introdução ao


Nano Server.
3. Coloque o Nano Server no mesmo domínio que o Servidor de Gerenciamento do Operations Manager.
Há dois métodos disponíveis para a instalação do agente do Operations Manager em Nano Servers, o
Assistente de Descoberta do console de Operações ou o script do PowerShell. O processo de instalação
do agente usando o Assistente de Descoberta é consistente com as etapas descritas no seguinte
documento Descobrir e instalar o agente no Windows.
Use o procedimento a seguir para instalar o agente com um script do PowerShell.
1. Copie o diretório NanoServer do diretório de instalação do System Center Operations Manager para o
Nano Server.
2. Abra uma janela de comando do PowerShell no Nano Server de um computador em execução no mesmo
domínio que o Nano Server.
3. Defina o caminho do arquivo no Nano Server para NanoAgent\NanoServer
4. Execute o seguinte script:

.\InstallNanoServerScomAgentOnline.ps1 -ManagementServerFQDN <Management Server Name FQDN> -


ManagementGroupName <Management Group Name> -NanoServerFQDN <FQDN of target Nano Server> -BinaryFolder
..\

OBSERVAÇÃO
Se a instalação for bem-sucedida, você verá "Instalação bem-sucedida" no arquivo Installlog.txt que o instalador
adicionará ao diretório NanoAgent\NanoServer no Nano Server. Você não verá mais nenhum erro nesse arquivo.

5. Execute o seguinte comando no Nano Server:

Net Start HealthService

Solução de problemas de instalação do agente


Se você tiver alguma dificuldade com a configuração do agente do Operations Manager em um Nano Server,
siga a lista de verificação abaixo para obter possíveis soluções.
MENSAGEM DE ERRO POSSÍVEL CAUSA RESOLUÇÃO

Ocorreu um erro ao abrir a porta do Permissões insuficientes para definir a Verifique se a conta em que o script
firewall regra de firewall do gerenciamento está sendo executado tem permissões
remoto do Log de eventos. suficientes para definir a regra de
firewall.

Diretório de agente já está presente no Se você já executou o script de Execute o script de desinstalação
Nano Server. Desinstale o agente instalação e ele não foi concluída, o conforme sugerido pela mensagem de
usando o script de desinstalação e diretório do Agente já poderá ter sido erro.
tente novamente. criado.

Falha na configuração e importação do Permissões insuficientes para editar o Verifique se a conta em que o script
Registro. Registro. está sendo executado tem permissões
suficientes para editar o Registro e
execute o script de instalação
novamente.

Falha ao instalar contadores de Permissões insuficientes para editar o Verifique se a conta em que o script
desempenho. Registro. está sendo executado tem permissões
suficientes para editar o Registro e
execute o script de instalação
novamente.

Validar se o agente do Operations Manager foi instalado com êxito


1. Abra o console de Serviços em um computador associado ao mesmo domínio que o Nano Server
executando o comando services.msc.
2. Conecte-se ao Nano Server no painel de Ação especificando o Nome de Domínio Totalmente Qualificado
(FQDN ) do Nano Server.
3. Verifique se o Status do Serviço do Microsoft Monitoring Agent é "Em execução".

Iniciar o monitoramento de seu Nano Server


OBSERVAÇÃO
O procedimento a seguir só é necessário para uma instalação de agente baseada no PowerShell.

1. Abra a seção Gerenciamento Pendente do painel de Administração no console do Operations Manager.


2. Aprove o Nano Server para gerenciamento.
Verifique se você está monitorando seu Nano Server
1. Abra a lista Agente Gerenciado na seção Gerenciamento de Dispositivo do painel de Administração do
console do Operations Manager.
2. Verifique se o Estado de Integridade é mostrado como Íntegro.

Remover o agente do Operations Manager do Nano Server


1. Abra uma janela do PowerShell como administrador no Nano Server.
2. Altere para a pasta \NanoAgent\NanoServer.
3. Execute o seguinte script:
.\UnInstallNanoServerScomAgentOnline.ps1 -ManagementServerFQDN <Management Server Name FQDN> -
ManagementGroupName <Management Group Name> -NanoServerFQDN <FQDN of target Nano Server>

OBSERVAÇÃO
Você pode validar se o agente do Operations Manager foi removido, certificando-se de que o arquivo
uninstalllog.txt na pasta \NanoAgent\NanoServer não contém nenhum erro e que a mensagem "Agente do Nano
Server desinstalado com êxito" é exibida no arquivo de log.

Solução de problemas de desinstalação do agente


Se tiver alguma dificuldade com a remoção do agente do Operations Manager em um Nano Server, siga a lista
de verificação abaixo para obter possíveis soluções.

MENSAGEM DE ERRO POSSÍVEL CAUSA RESOLUÇÃO

HealthService não foi encontrado no Se a instalação não foi concluída, o Certifique-se de que o HealthService
Nano Server. Supondo que a HealthService pode não ter sido não esteja sendo usado e execute o
desinstalação anterior não foi configurado. Outro processo também script de desinstalação novamente.
concluída. pode estar usando o HealthService.

Não é possível excluir o HealthService O HealthService pode estar ocupado Certifique-se de que o HealthService
no Nano Server. ou outro processo o está usando. não esteja em uso e execute o script de
desinstalação novamente.

Não é possível eliminar O agente do Operations Manager é Verifique se o processo


MonitoringHost(s) no Nano Server. executado no processo MonitoringHost não está em execução
MonitoringHost. Se esse processo e execute o script de desinstalação
estiver ativo, o script de desinstalação novamente.
não poderá encerrá-lo.

Não é possível desinstalar os Permissões insuficientes para editar o Verifique se a conta em que o script
contadores de desempenho. Registro. está sendo executado tem permissões
suficientes para editar o Registro e
execute o script de desinstalação
novamente.

Não é possível remover alterações de Permissões insuficientes para editar o Verifique se a conta em que o script
Registro feitas pelo agente do Registro. está sendo executado tem permissões
Operations Manager no Nano Server. suficientes para editar o Registro e
execute o script de desinstalação
novamente.

Não é possível excluir o diretório do Permissões insuficientes para acessar o Verifique se a conta em que o script
agente. diretório NanoAgent. está sendo executado tem permissões
suficientes para acessar o diretório
NanoAgent e execute o script de
desinstalação novamente.

Não é possível localizar a pasta do O diretório NanoAgent foi movido ou Verifique se a conta em que o script
agente no Nano Server. a conta não tem permissões suficientes está sendo executado tem permissões
para acessar o diretório NanoAgent. suficientes para acessar o diretório
NanoAgent e se o diretório NanoAgent
está presente e execute o script de
desinstalação novamente.
MENSAGEM DE ERRO POSSÍVEL CAUSA RESOLUÇÃO

Não é possível remover o diretório do Um processo pode estar usando o Verifique se não há nenhum processo
agente. Tente reiniciar o Nano Server e, agente do Operations Manager. anexado ao agente do Operations
em seguida, execute novamente o Manager e execute o script de
script. desinstalação novamente.

Instalando atualizações para o agente do Nano


O agente do Nano pode ser atualizado com um dos seguintes métodos:
1. Enviar por push atualizações de um servidor de gerenciamento.
As atualizações são oferecidas e instaladas automaticamente pelo Microsoft Update para um servidor de
gerenciamento do Operations Manager. Com o Operations Manager 2016, as atualizações do servidor de
gerenciamento também incluirão os arquivos atualizados para o agente do Nano.
Depois que o servidor de gerenciamento for atualizado, os agentes Nano serão colocados em um estado
de gerenciamento pendente, conforme descrito no tópico Processar instalações manuais de agentes. Após
aprovar atualizações, os agentes receberão e aplicarão a atualização. Como alternativa, você pode disparar
o reparo do console de Operações em qualquer agente do Nano. Isso fará com que a atualização seja
enviada e instalada no agente do Nano do servidor de gerenciamento.
2. Instalar manualmente a atualização
As atualizações para o agente do Nano estão disponíveis para download seguindo as instruções no artigo
da base de dados e aplicando a atualização manualmente. Você pode instalar essas atualizações baixadas
em um computador de agente do Nano usando o script do Powershell a seguir.

.\UpdateNanoServerScomAgentOnline.ps1 -NanoServerFQDN <FQDN of target Nano Server> -BinaryFolder


<<Path where the update .cab is already expanded OR path to one or more Nano-agent update .cab files>
-IsCabExpanded <$true if BinaryFolder path is to an expanded .cab, $false if it is for a packed .cab
file(s)> -RemoveBackup <$true to remove the previous binaries from the agent machine>

Para o System Center 2016 – Operations Manager RTM, você pode baixar o arquivo cab do agente do
Nano do Centro de Download da Microsoft.
Desinstalando atualizações do Agente do Nano
Não há suporte para a desinstalação direta a atualização mais recente do agente do Nano. Em vez disso, você
deve desinstalar o agente completamente e reinstalá-lo com o conjunto de atualizações desejado.

Próximas etapas
Depois de instalar manualmente o agente do Operations Manager em computadores com Windows e Nano
Server, você precisa Processar as Instalações Manuais de Agentes
Configuração de agentes do Windows
15/01/2018 • 7 min to read • Edit Online

No System Center 2016 – Operations Manager, ao instalar um agente em um computador, um aplicativo


Microsoft Monitoring Agent é adicionado ao Painel de Controle. Você pode usar o aplicativo para alterar a conta
que o agente usará ao realizar as ações solicitadas pelo servidor de gerenciamento, para remover um grupo de
gerenciamento de uma configuração de agente e definir a configuração de integração do Active Directory para o
agente. Para executar essas tarefas, você deve ter permissões de Administrador local no computador.

OBSERVAÇÃO
Se quiser automatizar o processo de adicionar ou remover grupos de gerenciamento de um agente, você poderá usar os
cmdlets do Operations Manager ou a API de Agente da Biblioteca de Configuração do Agente do Operations Manager,
permitindo-lhe escrever scripts que podem automatizar o processo de configuração do agente.

OBSERVAÇÃO
Quando você salvar as alterações no aplicativo Microsoft Monitoring Agent, o serviço Microsoft Monitoring Agent será
interrompido e reiniciado.

Configurando um agente para relatar para vários grupos de


gerenciamento
Proceda da seguinte forma para fazer com que um agente do Operations Manager seja membro de vários
grupos de gerenciamento, o que também é conhecido como hospedagem múltipla. Por exemplo, um agente
pode ser configurado para emitir relatórios de dados do Active Directory ao Grupo de Gerenciamento de
Serviços de Diretório e dados do Exchange ao Grupo de Gerenciamento de Mensagens. Um agente pode ser
membro de até quatro grupos de gerenciamento.
Não é necessário usar o mesmo método de implantação para todos os grupos de gerenciamento.

OBSERVAÇÃO
Pode levar um dia ou mais para que as instâncias descobertas do agente façam parte do novo grupo de gerenciamento.
Elas serão adicionadas após o próximo intervalo de descoberta.

Realize um dos seguintes procedimentos:


No computador gerenciado por agente, no Painel de controle, clique duas vezes no Microsoft
Monitoring Agent. No Microsoft Monitoring Agent, na guia Operations Manager, clique em
Adicionar, insira as informações do novo grupo de gerenciamento e clique em OK.
Execute o Assistente de Descoberta do console de Operações do Operations Manager que está
conectado ao novo grupo de gerenciamento, selecione os computadores desejados e implante o agente
neles. Para saber mais, confira Instalar o agente em UNIX e Linux usando o assistente de descoberta. (O
item de menu no console de Operações denominado Assistente de Descoberta abre o Assistente de
Gerenciamento de Computadores e Dispositivos.)
Execute o pacote do Windows Installer MOMAgent.msi nos computadores desejados e modifique a
instalação adicionando um novo grupo de gerenciamento. Para obter mais informações, consulte Instalar
manualmente o agente do Windows usando MOMAgent.msi.

Alterando a configuração de conta de um agente


Você pode usar o seguinte procedimento para alterar a conta que o agente usará ao executar as ações solicitadas
pelo servidor de gerenciamento.
1. No computador gerenciado por agente, no Painel de controle, clique duas vezes no Microsoft Monitoring
Agent.
2. Na guia Operations Manager, selecione um grupo de gerenciamento e clique em Editar.
3. Na seção Conta de Ação do Agente , edite as informações da conta e clique em OK.

Removendo um grupo de gerenciamento de um agente


Você pode usar o procedimento a seguir para remover um grupo de gerenciamento da configuração do agente.
1. No computador gerenciado por agente, no Painel de controle, clique duas vezes no Microsoft Monitoring
Agent.
2. Na guia Operations Manager, selecione um grupo de gerenciamento e clique em Remover.
3. Clique em OK.

OBSERVAÇÃO
Você pode remover todos os grupos de gerenciamento enquanto deixa o agente instalado. Isso é útil nas situações em que
você deseja preparar um computador para imagens e quer uma imagem com o agente instalado, mas sem atribuição a um
grupo de gerenciamento específico.

Alterando a configuração de integração do Active Directory para um


agente
Você pode usar o procedimento a seguir para alterar a configuração de integração do Active Directory de um
agente.
1. No computador gerenciado por agente, no Painel de controle, clique duas vezes no Microsoft Monitoring
Agent.
2. Na guia Operations Manager, marque ou desmarque a opção Atualizar atribuições de grupo de
gerenciamento automaticamente do AD DS. Se você selecionar essa opção, na inicialização do agente, o
agente consultará o Active Directory para obter uma lista dos grupos de gerenciamento ao qual foi atribuído.
Esses grupos de gerenciamento, se houver, serão adicionados à lista. Se você desmarcar essa opção, todos os
grupos de gerenciamento atribuídos ao agente no Active Directory serão removidos da lista.
3. Clique em OK.

Próximas etapas
Para implantar o agente do Windows do console de operações usando o Assistente de Descoberta,
examine Instalar o agente no Windows usando o assistente de descoberta.
Se você desejar instalar manualmente o agente do Windows da linha de comando ou automatizar a
implantação usando um script ou outra solução de automação, examine Install Windows Agent Manually
Using MOMAgent.msi (Instalar o agente do Windows manualmente usando o MOMAgent.msi).
Examine o artigo Desinstalar agente de computadores baseados em Windows para compreender quais
opções e etapas precisam ser executadas para desinstalar corretamente o agente de computadores com
Windows.
Como configurar failover do agente para vários
servidores gateway
15/01/2018 • 2 min to read • Edit Online

Se você implantou vários servidores de gateway em um domínio que não tem uma relação de confiança
estabelecida com o domínio no qual o restante do grupo de gerenciamento está localizado, poderá configurar
agentes para utilizar esses servidores de gateway, conforme necessário. Para fazer isso, você deve usar o Shell do
Operations Manager para configurar um agente para failover em vários servidores de gateway. Os comandos
podem ser executados em qualquer shell de comando no grupo de gerenciamento.

IMPORTANTE
Ao alterar o servidor de gerenciamento primário de um agente, permita que o agente se conecte ao seu novo servidor de
gerenciamento primário antes de fazer alterações no servidor de failover. Permitir que o agente obtenha informações de
topologia atuais do novo servidor de gerenciamento primário impede que o agente perca a comunicação com todos os
servidores de gerenciamento.

Para configurar failover do agente para vários servidores Gateway


1. Faça logon no computador com uma conta que seja membro do grupo de Administradores.
2. Clique em Iniciar, Todos os Programas, Microsoft System Center 2012, Operations Manager e, depois,
em Shell do Operations Manager.
3. No Shell do Operations Manager, execute o seguinte comando:

$primaryMS = Get-SCOMManagementServer -Name "<name of primary server>"


$failoverMS = Get-SCOMManagementServer -Name "<name of 1st failover>","<name of 2nd failover>",...,"
<name of nth failover>"
$agent = Get-SCOMAgent -Name "<name of agent>"

Set-SCOMParentManagementServer -Agent $agent -PrimaryServer $primaryMS


Set-SCOMParentManagementServer -Agent $agent -FailoverServer $failoverMS

Para obter ajuda com o comando Set-SCOMParentManagementServer, digite o seguinte na janela do shell
de comando:

Get-help Set-SCOMParentManagementServer -full

Próximas etapas
Para entender como gerenciar as definições de configuração de um agente do Windows e as opções disponíveis,
examine Configuração de agentes do Windows.
Instalar agente e certificado em computadores UNIX
e Linux usando a linha de comando
15/01/2018 • 8 min to read • Edit Online

Aplica-se a: System Center 2016 – Operations Manager

Seu ambiente pode exigir que você instale o agente manualmente. Use os procedimentos a seguir para instalar
agentes manualmente em computadores UNIX e Linux para monitoramento no System Center Operations
Manager 2016 – Operations Manager. Os pacotes de agente podem ser encontrados na seguinte pasta em um
servidor de gerenciamento – %ProgramFiles%\Microsoft System Center 2016\Operations
Manager\Server\AgentManagement\UnixAgents\DownloadedKits após a importação dos pacotes de
gerenciamento necessários para a versão específica do UNIX/Linux que você precisa monitorar. O pacote de
gerenciamento está disponível na mídia de instalação do Operations Manager, no diretório \ManagementPacks
ou você pode baixar a última versão no Centro de Download.

Para instalar o agente no Red Hat Enterprise Linux e no SUSE Linux


Enterprise Server
1. Para transferir o agente Red Hat Enterprise ( scx-<version>.rhel.<version>.<arch>.sh ) para o servidor
Linux, digite:
scx-<version>.rhel.<version>.<arch>.sh

ou para o SUSE Linux Enterprise Server, digite:


scx-<version>.sles.<version>.<arch>.sh

2. Para instalar o pacote do Red Hat Enterprise, digite:


sh ./scx-<version>.rhel.<version>.<arch>.sh --install

ou para o pacote do SUSE Linux Enterprise, digite:


sh ./scx-<version>.sles.<version>.<arch>.sh --install

3. Para verificar se o pacote está instalado, digite:


rpm -q scx

4. Para verificar se o Microsoft SCX CIM Server está em execução, digite:


service omiserver status

Para instalar o agente em Universal Linux Servers baseados em RPM


(Oracle e Centos)
1. Para transferir o agente ( scx-<version>.universalr.<version>.<arch>.sh ) para o servidor Linux. Isso deve
ser feito via SCP ou FTP no modo binário.
2. Para instalar o pacote, digite:
sh ./scx-<version>.universalr.<version>.<arch>.sh --install
3. Para verificar se o pacote está instalado, digite:
rpm -q scx

4. Para verificar se o Microsoft SCX CIM Server está em execução, digite:


scxadmin -status

Para instalar o agente em Universal Linux Servers baseados em DPKG


(Debian e Ubuntu)
1. Para transferir o agente ( scx-<version>.universald.<version>.<arch>.sh ) para o servidor Linux. Isso deve
ser feito via SCP ou FTP no modo binário.
2. Para instalar o pacote, digite:
sh ./scx-<version>.universald.<version>.<arch>.sh --install

3. Para verificar se o pacote está instalado, digite:


dpkg -l scx

4. Para verificar se o Microsoft SCX CIM Server está em execução, digite:


scxadmin -status

Para instalar o agente no Solaris


1. Para transferir o agente ( scx-<version>.solaris.<version>.<arch>.sh ) para o servidor Solaris, digite:
scx-<version>.solaris.<version>.<arch>.sh

2. Para instalar o pacote, digite:


pkgadd -d ./scx-<version>.solaris.<version>.<arch>.sh –install

3. Para verificar se o pacote está instalado, digite:


pkginfo –l scx

4. Para verificar se o Microsoft SCX CIM Server está em execução, digite:


svcs omiserver

Para instalar o agente no HP-UX


1. Para transferir o agente ( scx-<version>.hpux.<version>.<arch>.sh ) para o servidor HP:
cp scx-<version>.hpux.<version>.<arch>.sh

2. Para instalar o pacote, digite:


swinstall –s /path/scx-<version>.hpux.<version>.<arch>.sh scx

3. Para verificar se o pacote está instalado, digite:


swlist scx

4. Para verificar se o Microsoft SCX CIM Server está em execução, digite:


ps –ef|grep scx
Procure o seguinte processo na lista:
scxcimserver

Para instalar o agente no AIX


1. Para transferir o agente ( scx-<version>.aix.<version>.<arch>.sh ) para o servidor AIX, digite:
cp scx-<version>.aix.<version>.<arch>.sh

2. Para instalar o pacote, digite:


/usr/sbin/installp -a -d scx-<version>.aix.<version>.<arch>.sh scx

3. Para verificar se o pacote está instalado, digite:


lslpp -l “scx*"

4. Para verificar se o Microsoft SCX CIM Server está em execução, digite:


ps –ef|grep omi

Procure o seguinte processo na lista:


omiserver

Assinando certificados de agente


Quando implanta um agente manualmente, você executa as duas primeiras etapas que geralmente são
manipuladas pelo Assistente de Descoberta: implantação e assinatura de certificado. Em seguida, use o
Assistente de Descoberta para adicionar o computador ao banco de dados do Operations Manager.
Se houver certificados existentes no sistema, eles serão reutilizados durante a instalação do agente. Novos
certificados não são criados. Os certificados não são excluídos automaticamente quando você desinstala um
agente. Você deve excluir manualmente os certificados listados na pasta /etc/opt/microsoft/scx/ssl . Para gerar
novamente os certificados na instalação, você deve remover essa pasta antes da instalação do agente.
Você já deve ter instalado um agente manualmente antes de iniciar esse procedimento. Você precisará de uma
conta raiz ou elevada para executar o procedimento.

Para instalar certificados para suporte a UNIX e Linux


1. No computador executando o sistema operacional UNIX ou Linux, localize o arquivo
/etc/opt/microsoft/scx/ssl/scx-host-<hostname>.pem e copie-o ou transfira-o com segurança para um
local no computador que hospeda o Operations Manager.
2. No computador que hospeda o Operations Manager, na área de trabalho do Windows, clique em Iniciar
e em Executar.
3. Na caixa de diálogo Executar , digite cmde pressione Enter.
4. Altere os diretórios para o local onde você copiou o arquivo pem .
5. Digite o comando scxcertconfig -sign scx-host-<hostname>.pem scx_new.pem e pressione Enter. Esse
comando autoassinará seu certificado ( scx-host-<hostname>.pem ) e salvará o novo certificado (
scx-host-<hostname>_new.pem ).
OBSERVAÇÃO
Verifique se o local em que o Operations Manager está instalado está na sua declaração de caminho ou use o
caminho totalmente qualificado do arquivo scxcertconfig.exe .

6. Copie ou transfira com segurança o arquivo scx_new.pem para a pasta /etc/opt/microsoft/scx/ssl no


computador que hospeda o sistema operacional UNIX ou Linux. Isso substitui o arquivo
original scx-host-<hostname>.pem .

7. Para reiniciar o agente, digite scxadmin –restart .

Descobrindo computadores após a implantação manual


Depois que você implantar os agentes manualmente em computadores UNIX e Linux, eles ainda terão que ser
descobertos pelo Operations Manager usando o Assistente de Descoberta. Para o Tipo de descoberta,
selecione Descobrir apenas computadores com o agente UNIX/Linux instalado. Para obter mais
informações, consulte Instalar o agente em UNIX e Linux usando o assistente de descoberta.

Próximas etapas
Para saber como configurar regras de descoberta de objeto e desabilitar a descoberta de um objeto
específico, confira Applying Overrides to Object Discoveries (Aplicando substituições a descobertas de
objeto)
Para saber como realizar a manutenção do agente em computadores UNIX e Linux, confira Upgrading
and Uninstalling Agents on UNIX and Linux Computers (Atualizando e desinstalando agentes em
computadores UNIX e Linux)
Examine o artigo Manually Uninstalling Agents from UNIX and Linux Computers (Desinstalando
manualmente os agentes de computadores UNIX e Linux) para compreender quais opções e etapas
precisam ser executadas para desinstalar corretamente o agente de computadores com UNIX e Linux.
Instalar agente e certificado em computadores Linux
usando a linha de comando
20/02/2018 • 9 min to read • Edit Online

Este artigo fornece detalhes da última versão do agente Linux para o System Center Operations Manager 1801 e o
processo para instalá-lo.
Esta versão do agente Linux dá suporte a Fluentd, um coletor de dados de software livre para Linux que coleta
dados de várias fontes. O monitoramento baseado em OMI existente para cargas de trabalho do Linux com suporte
no momento continuará a funcionar sem alterações.

Novidades na versão 1801


1. Há um novo plug-in conversor que permite que os clientes usem os plug-ins de terceiros para o
monitoramento do arquivo de log do Operations Manager.
2. Adicionado suporte para autenticação de servidor.
3. Adicionado suporte para distribuições de Linux adicionais.

Plataformas com Suporte


As distribuições Linux indicadas na tabela a seguir são compatíveis com esta versão.

SISTEMA OPERACIONAL LINUX VERSÃO COM SUPORTE

Red Hat Enterprise Linux Server 5 (x86/x64)


6 (x86/x64)
7 (x86/x64)

Cent OS 5 (x86/x64)
6 (x86/x64)
7 (x64)

Ubuntu 12.04 LTS (x86/x64)


14.04 LTS (x86/x64)
16.04 LTS (x86/x64)

Debian 6 (x86/x64)
7 (x86/x64)
8 (x86/x64)

Oracle Linux 5 (x86/x64)


6 (x86/x64)
7 (x64)

SUSE Linux Enterprise Server 11 (x86/x64)


12 (x64)

<Atualmente, não há suporte para a atualização de agentes existentes do Operations Manager/OMS>.

Configurações de implantação com suporte


O Operations Manager é compatível com as configurações de relatórios de agente a seguir no grupo de
gerenciamento.
1. Servidores Linux fornecendo relatórios diretamente para um servidor de gerenciamento
2. Servidor Linux fornecendo relatórios para um Servidor de gateway
3. Servidores Linux fornecendo relatórios para um Servidor de gateway encadeado

Instalação do agente
Você pode optar por instalar a versão mais recente do agente Linux do Operations Manager usando a descoberta
automática ou por instalação manual. A descoberta automática não foi alterada desde a versão anterior, e você
pode seguir o mesmo procedimento em Descobrir e instalar o agente em UNIX e Linux.
Use os procedimentos a seguir para instalar agentes em computadores UNIX e Linux manualmente. Os pacotes de
agente podem ser encontrados na seguinte pasta em um servidor de gerenciamento – %ProgramFiles%\Microsoft
System Center \Operations Manager\Server\AgentManagement\UnixAgents\DownloadedKits após a importação
dos pacotes de gerenciamento necessários para a versão específica do UNIX/Linux que você precisa monitorar. O
pacote de gerenciamento está disponível na mídia de instalação do Operations Manager, no diretório
\ManagementPacks.

Instalação manual
O agente é fornecido como um pacote de script de shell instalável e autoextraível. Este pacote contém os pacotes
Debian e RPM para cada um dos componentes do agente e pode ser instalado diretamente ou extraído para
recuperar os pacotes individuais. Diferentes pacotes estão disponíveis para arquiteturas x64 e x86.
Isso exigirá as seguintes etapas:
1. Instalar o agente e registrar o Operations Manager como o espaço de trabalho
2. Abrir a porta TCP no servidor de gerenciamento ou servidor de gateway
3. Configurar um certificado de autenticação de servidor
4. Descobrir o servidor Linux usando o Assistente de Descoberta
As seções a seguir descrevem as etapas necessárias para instalar o agente Linux manualmente.
Instalar o agente
1. Os pacotes de instalação do agente estão localizados em %Program Files%\Microsoft System
Center\Operations Manager\Server\AgentManagement\UnixAgents\DownloadedKits. Transfira o
pacote apropriado (x86 ou x64) para o computador Linux usando scp/sftp.
2. Instale o pacote com o comando a seguir. O parâmetro enable-opsmgr faz com que a porta 1270 fique
aberta para que o servidor de gerenciamento se comunique com o agente.
sudo sh ./omsagent-1.4.0-45.universald.1.x64.sh --install --enable-opsmgr
3. Execute o comando omsadmin.sh fornecendo scom para sua ID do espaço de trabalho. Esse comando deve
ser executado como raiz (com elevação sudo). O script irá gerar um certificado em
/etc/opt/microsoft/omsagent/scom/certs/scom -cert.pem que precisa ser assinado pelo servidor de
gerenciamento em uma etapa posterior.
/opt/microsoft/omsagent/bin/omsadmin.sh -w scom
4. Crie um arquivo de configuração chamado omsadmin.conf em
/etc/opt/microsoft/omsagent/scom/conf/ com o conteúdo a seguir. Preencha o nome da máquina e use
8886 para a porta do serviço OMED.
WORKSPACE_ID=scom SCOM_ENDPOINT=https://<FQDN_DO_COMPUTADOR_OM>:
<PORTA_DO_SERVIÇO_OMED>
Configurar a porta TCP para o serviço OMED
O Operations Manager exige o uso da porta TCP 8886 para estabelecer a comunicação de entrada entre o agente
Linux e o servidor de gerenciamento ou o servidor de gateway para habilitar a coleta de dados.
Configurar certificados
Na versão anterior do agente Linux, o servidor de gerenciamento acessava cada computador Linux com um
certificado de autenticação de servidor. Com o novo agente, o Fluentd atua como o cliente acessando o servidor de
gerenciamento e, por isso, o certificado exige a autenticação do cliente. Você precisa obter um novo certificado para
trabalhar com o novo agente. O Operations Manager usará o novo certificado para comunicações de Fluentd e o
certificado antigo para outras comunicações.
1. Localize/etc/opt/omi/ssl/omi-host-. PEM e /etc/opt/microsoft/omsagent/scom/certs/scom -cert.pem
no computador Linux e copie-os em qualquer lugar no servidor de gerenciamento.
2. Abra um prompt de comando no servidor de gerenciamento e execute o comando a seguir para assinar o
certificado.
scxcertconfig -sign omi-host-.pem omi_new.pem e scxcertconfig -sign scom-cert.pem scom-cert_new.pem
3. Copie o arquivo - omi_new.pem em /etc/opt/omi/ssl/ e scom cert_new.pem em
/etc/opt/microsoft/omsagent/scom/certs/ no computador Linux. Remova os arquivos de certificado
antigos e renomeie os novos arquivos de certificado para substituí-los.
Reiniciar o agente
1. Reinicie o agente com o comando a seguir.
scxadmin –restart
Descoberta
Depois de implantar os agentes manualmente em computadores UNIX e Linux, eles ainda precisarão ser
descobertos pelo Operations Manager com o Assistente de Descoberta. Para o Tipo de descoberta, selecione
Descobrir apenas computadores com o agente UNIX/Linux instalado. Para saber mais, confira Instalar o
agente em UNIX e Linux usando o assistente de descoberta.

Próximas etapas
Para saber como configurar regras de descoberta de objeto e desabilitar a descoberta de um objeto específico,
consulte Applying Overrides to Object Discoveries (Aplicando substituições a descobertas de objeto).
Para saber como realizar a manutenção do agente em computadores UNIX e Linux, confira Upgrading and
Uninstalling Agents on UNIX and Linux Computers (Atualizando e desinstalando agentes em computadores
UNIX e Linux).
Examine o artigo Manually Uninstalling Agents from UNIX and Linux Computers (Desinstalando manualmente
os agentes de computadores UNIX e Linux) para compreender quais opções e etapas precisam ser executadas
para desinstalar corretamente o agente de computadores com UNIX e Linux.
Gerenciando certificados para computadores UNIX e
Linux
15/01/2018 • 5 min to read • Edit Online

Com o System Center Operations Manager, você pode implantar agentes em computadores UNIX ou Linux. A
autenticação Kerberos não é possível. Portanto, os certificados são usados entre o servidor de gerenciamento e os
computadores UNIX ou Linux. Neste cenário, os certificados são auto-assinados pelo servidor de gerenciamento.
(Embora seja possível usar certificados de terceiros, eles não são necessários.)
Há dois métodos que podem ser usados para a implantação de agentes. Use o Assistente de Descoberta ou instale
um agente manualmente. Desses dois métodos, a instalação manual de um agente é a opção mais segura. Quando
usa o Assistente de Descoberta para enviar por push agentes a computadores UNIX ou Linux, você confia que o
computador em que está implantando é realmente o computador que acha que é. Quando você usa o Assistente de
Descoberta para implantar agentes, isso envolve um risco maior do que quando implanta em computadores na
rede pública ou em uma rede do perímetro.
Quando você usa o Assistente de Descoberta para implantar um agente, esse assistente executa as seguintes
funções:
Implantação – o Assistente de Descoberta copia o pacote do agente para o computador UNIX ou Linux e
inicia o processo de instalação.
Assinatura do certificado – o Operations Manager recupera o certificado do agente, assina esse certificado,
implanta-o de volta no agente e reinicia esse agente.
Descoberta – o Assistente de Descoberta descobre o computador e realiza testes para verificar se esse
certificado é válido. Se o Assistente de Descoberta confirmar que o computador pode ser descoberto e que
o certificado é válido, ele adicionará o computador recém-descoberto ao banco de dados do Operations
Manager.
Quando implanta um agente manualmente, você executa as duas primeiras etapas que geralmente são
manipuladas pelo Assistente de Descoberta: implantação e assinatura de certificado. Em seguida, use o Assistente
de Descoberta para adicionar o computador ao banco de dados do Operations Manager.
Se houver certificados existentes no sistema, eles serão reutilizados durante a instalação do agente. Novos
certificados não são criados. Os certificados não são excluídos automaticamente quando você desinstala um
agente. Você deve excluir manualmente os certificados listados na pasta /etc/opt/microsoft/scx/ssl. Para gerar
novamente os certificados durante a instalação, você deve remover essa pasta antes da instalação do agente.
Para obter instruções sobre como implantar um agente manualmente, confira Instalar agente e certificado em
computadores UNIX e Linux usando a linha de comando e use o procedimento a seguir para instalar os
certificados.

Considerações sobre o firewall do UNIX e do Linux


Se tiver um firewall no seu computador UNIX ou Linux, você deverá abrir a porta 1270 (entrada). Esse número de
porta não é configurável. Se estiver implantando agentes em um ambiente de baixa segurança e usar o Assistente
de Descoberta para implantar e assinar os certificados, você deverá abrir a porta SSH. O número da porta SSH é
configurável. Por padrão, o SSH usa a porta TCP de entrada 22. Para obter mais informações sobre a configuração
de firewall para o Operations Manager, confira Configuring a Firewall for Operations Manager (Configurando um
firewall para o Operations Manager)
Próximas etapas
Para obter mais informações sobre como instalar o agente e entender as etapas para assinar o certificado do
agente, consulte Install Agent and Certificate on UNIX and Linux Computers Using the Command Line
(Instalar agente e certificado em computadores UNIX e Linux usando a linha de comando).
Para saber como realizar a manutenção do agente em computadores UNIX e Linux, confira Upgrading and
Uninstalling Agents on UNIX and Linux Computers (Atualizando e desinstalando agentes em computadores
UNIX e Linux).
Examine o artigo Manually Uninstalling Agents from UNIX and Linux Computers (Desinstalando
manualmente os agentes de computadores UNIX e Linux) para compreender quais opções e etapas
precisam ser executadas para desinstalar corretamente o agente de computadores com UNIX e Linux.
Processar instalações manuais de agentes
15/01/2018 • 7 min to read • Edit Online

A instalação manual de um agente se refere ao processo de executar MOMAgent.msi localmente em um


computador que deve hospedar um agente do System Center Operations Manager. Quando está instalado, o
agente tenta ingressar no grupo de gerenciamento especificado entrando em contato com um servidor de
gerenciamento especificado. Você pode usar as configurações de segurança no grupo de gerenciamento e no nível
de servidor de gerenciamento para configurar como as solicitações de agentes instalados manualmente são
processadas.
As três opções a seguir estão disponíveis para processar agentes manualmente instalados.

OPÇÃO AÇÃO

Rejeitar novas instalações manuais de agentes Designa que todas as solicitações de um agente instalado
manualmente serão negadas pelo Operations Manager. Essa é
a configuração mais segura e está selecionada por padrão.

Examinar as novas instalações manuais de agentes na Designa que todas as solicitações de um agente instalado
exibição de gerenciamento pendente manualmente serão direcionadas ao Gerenciamento Pendente
antes de terem permissão para ingressar no grupo de
gerenciamento. Um administrador deve examinar a solicitação
e aprovar manualmente a solicitação dos agentes.

Aprovar automaticamente os novos agentes instalados Essa opção estará disponível apenas se Revisar as novas
manualmente instalações manuais de agentes no modo de exibição de
gerenciamento pendente tiver sido selecionado. Essa
configuração faz o Operations Manager automaticamente
permitir que qualquer agente instalado manualmente ingresse
no grupo de gerenciamento. Essa é a opção menos segura.

IMPORTANTE
Um grupo de gerenciamento ou servidor de gerenciamento único deve estar configurado para aceitar agentes instalados
com o MOMAgent.msi, caso contrário, eles serão automaticamente rejeitados e não serão exibidos no console de Operações.
Se um grupo de gerenciamento estiver configurado para aceitar agentes instalados manualmente, os agentes serão exibidos
no console aproximadamente uma hora após serem instalados.

Os procedimentos a seguir mostram como definir as configurações de instalações manuais de agentes.

Para definir as configurações de instalações manuais de agentes de um


grupo de gerenciamento
1. Faça logon no console de Operações com uma conta que seja membro da função Administradores do
Operations Manager.
2. Clique em Administração.
3. No espaço de trabalho Administração, expanda Administraçãoe, em seguida, clique em Configurações.
4. No painel Configurações , expanda Tipo: Servidor,clique com o botão direito do mouse em Segurançae
clique em Propriedade.
5. Na caixa de diálogo Configurações Globais do Servidor de Gerenciamento - Segurança , na guia
Geral , proceda de uma das seguintes maneiras:
Para manter um nível mais alto de segurança, clique em Rejeitar novas instalações manuais de
agentese clique em OK.
Para configurar a instalação de agente manual, clique em Revisar as novas instalações manuais
de agentes no modo de exibição de gerenciamento pendentee clique em OK.
Opcionalmente, selecione Aprovar automaticamente os novos agentes instalados
manualmente.

Para substituir a configuração de instalações manuais de agentes de


um servidor de gerenciamento único
1. Faça logon no console de Operações com uma conta que seja membro da função Administradores do
Operations Manager.
2. Clique em Administração.
3. No espaço de trabalho Administração , expanda Administração, Gerenciamento de Dispositivose
clique em Servidores de Gerenciamento.
4. No painel de resultados, clique com o botão direito no servidor de gerenciamento do qual deseja exibir as
propriedades e clique em Propriedades.
5. Na caixa de diálogo Propriedades do Servidor de Gerenciamento , clique na guia Segurança .
6. Na guia Segurança , faça o seguinte:
Para manter um nível mais alto de segurança, selecione Rejeitar novas instalações manuais de
agentese clique em OK.
Para configurar a instalação de agente manual, clique em Revisar as novas instalações manuais
de agentes no modo de exibição de gerenciamento pendentee clique em OK.
Opcionalmente, selecione Aprovar automaticamente os novos agentes instalados
manualmente.
7. Clique em OK.

Para aprovar uma instalação de agente pendente quando a aprovação


automática não estiver configurada
1. No console de Operações, clique em Administração.
2. Clique em Gerenciamento Pendente.
3. No painel Gerenciamento Pendente , selecione os computadores em Tipo: Instalação Manual de
Agente.
4. Clique com o botão direito nos computadores e, em seguida, clique em Aprovar.
5. Na caixa de diálogo Instalação Manual de Agente , clique em Aprovar. Os computadores agora são
exibidos no nó Gerenciado por Agente e estão prontos para serem gerenciados.
OBSERVAÇÃO
Os agentes rejeitados permanecem em Gerenciamento Pendente até que o agente seja desinstalado do grupo de
gerenciamento.

Próximas etapas
Para implantar o agente do Windows do console de operações usando o Assistente de Descoberta, examine
Instalar o agente no Windows usando o assistente de descoberta.
Se você desejar instalar manualmente o agente do Windows da linha de comando ou automatizar a
implantação usando um script ou outra solução de automação, examine Install Windows Agent Manually
Using MOMAgent.msi (Instalar o agente do Windows manualmente usando o MOMAgent.msi).
Para entender como gerenciar as definições de configuração de um agente do Windows e as opções
disponíveis, examine Configuração de agentes do Windows.
Examine o artigo Uninstall Agent from Windows-based Computers (Desinstalar o agente de computadores
baseados no Windows) para compreender quais opções e etapas precisam ser executadas para desinstalar
corretamente o agente de computadores com Windows.
Se você desejar instalar o agente do Nano Server da linha de comando ou automatizar a implantação
usando um script ou outra solução de automação, examine Install Agent on Nano Server (Instalar o agente
no Nano Server)
Aplicando substituições a descobertas de objeto
15/01/2018 • 5 min to read • Edit Online

O System Center Operations Manager monitora computadores e dispositivos que ele descobriu e também
descobre aplicativos e recursos em computadores monitorados. Talvez haja situações nas quais você queira
limitar a descoberta. Por exemplo, talvez você queira que apenas algumas instâncias do SQL Server sejam
descobertas e monitoradas ou queira remover um computador que já tenha sido descoberto.
As etapas precisas para limitar ou restringir a descoberta dependem do objeto, do aplicativo ou do recurso que
você deseja excluir da descoberta. Porém, o procedimento geral é o mesmo: identificar a descoberta que você
deseja limitar e criar uma substituição para desabilitar a descoberta.
A substituição para desabilitar a descoberta pode se aplicar a:
Todos os objetos na classe à qual a descoberta se aplica. Se você usar essa seleção para sua substituição,
desabilitará a descoberta completamente.
Um grupo. É possível definir a associação a um grupo de modo explícito ou dinâmico. Quando você cria
um grupo, pode salvá-lo em um pacote de gerenciamento sem lacre. Entretanto, um elemento de um
pacote de gerenciamento sem lacre, como uma substituição, não pode fazer referência a um elemento de
outro pacote de gerenciamento sem lacre, como um grupo. Se usar um grupo para limitar a aplicação de
uma substituição, você deve salvar o grupo no mesmo pacote de gerenciamento sem lacre que a
substituição, ou deve lacrar o pacote de gerenciamento que contém o grupo. Para obter mais informações,
consulte Criando e Gerenciando Grupos.
Um ou mais objetos específicos na classe à qual a descoberta se aplica. Usando esse método, você pode
selecionar objetos descobertos.
Todos os objetos de outra classe. Use esse método para especificar uma classe de objetos aos quais aplicar
a substituição.
A escolha do modo como aplicar a substituição para desabilitar a descoberta depende da sua situação. A situação
mais simples se dá quando você deseja desabilitar a descoberta para um determinado objeto ou para todos os
objetos em uma classe. Quando você quiser desabilitar a descoberta de qualquer objeto que atenda a certos
critérios, use um grupo que contenha esses objetos ou crie um grupo que identificará esses objetos.
Por exemplo, você deseja desabilitar a descoberta de discos lógicos em servidores de gerenciamento. Você pode
configurar uma substituição para desabilitar a descoberta de discos lógicos do Windows Server 2008 e aplicá-la
ao grupo Servidores de Gerenciamento do Operations Manager criado automaticamente durante a instalação do
Operations Manager. Se, em vez disso, você quiser desabilitar a descoberta de discos lógicos nos computadores
em uma unidade organizacional específica, não haverá grupo interno que satisfaça essa definição e, portanto,
seria necessário criar um grupo que identifique esses computadores.
Depois que um objeto for descoberto, se você quiser excluir o objeto e não permitir que ele seja descoberto
novamente, desabilite a descoberta para esse objeto e execute o cmdlet Remove-
SCOMDisabledClassInstance no Shell do Operations Manager. Para obter ajuda com esse cmdlet, abra o Shell
do Operations Manager e digite Get-Help Remove-SCOMDisabledClassInstance.

Próximas etapas
Para saber como criar um pacote de gerenciamento gravável personalizado para armazenar suas
substituições, consulte Como criar um pacote de gerenciamento para substituições.
Antes de alterar as configurações de monitoramento definidas em um pacote de gerenciamento do
Operations Manager, examine Como substituir uma regra ou Monitor para entender como configurar a
alteração.
Para entender as diferenças entre classes e grupos no Operations Manager e como os fluxos de trabalho
se aplicam a cada um, examine Usando classes e grupos de substituições no Operations Manager.
Atualizando e desinstalando agentes em
computadores UNIX e Linux
15/01/2018 • 6 min to read • Edit Online

Este tópico descreve como atualizar e desinstalar agentes em computadores UNIX e Linux usando o
Assistente para Atualização do Agente do UNIX/Linux e o Assistente para Desinstalação do Agente
do UNIX/Linux. Esses assistentes são semelhantes quanto à maneira de selecionar os computadores de
destino e fornecer credenciais. Para realizar as tarefas, ambos os assistentes requerem credenciais privilegiadas
nos computadores UNIX ou Linux. Para obter mais informações, consulte Planning Security Credentials for
Accessing Unix and Linux Computers (Planejando as credenciais de segurança para acessar computadores Unix
e Linux).

Atualizando agentes
Você deve executar o Assistente para Atualização do Agente do UNIX/Linux para atualizar agentes das
versões anteriores, ou quando a Microsoft emitir atualizações para o Operations Manager.
Para atualizar um agente
1. No console de Operações, clique em Administração.
2. Clique em Computadores UNIX/Linux no nó Gerenciamento de Dispositivo.
3. No painel Ações , clique em Atualizar Agente para iniciar o Assistente para Atualização do Agente
do UNIX/Linux.
4. Na página Selecionar Atualizar Destinos , todos os computadores aplicáveis que tenham o agente
instalado serão selecionados por padrão para a atualização. Cancele a seleção dos destinos que você não
deseja atualizar.
5. Na página Credenciais , selecione uma das opções de credenciais.
Se você selecionar a opção de usar credenciais existentes e receber um alerta informando que um ou
mais dos computadores de destino selecionados não têm uma conta Executar como atribuída com os
perfis necessários, é preciso realizar um dos seguintes procedimentos:
Forneça as credenciais especificadas com a opção Fornecer credenciais de atualização .
Clique em Mostrar Computadores (no texto do alerta) para abrir a lista dos computadores que
não tenham as credenciais necessárias especificadas nas contas Executar como. Em seguida,
clique em Anterior para cancelar a seleção desses computadores e tente novamente.
Para obter instruções detalhadas sobre como configurar credenciais, consulte How to Set Credentials for
Accessing UNIX and Linux Computers (Como definir credenciais para acessar computadores UNIX e
Linux).
6. Clique em Atualizar.

Desinstalando agentes
Você pode desinstalar um agente do computador definido como destino usando o Assistente para
Desinstalação do Agente do UNIX/Linux. Para obter mais informações sobre a desinstalação manual de
agentes, consulte Manually Uninstalling Agents from UNIX and Linux Computers (Desinstalando manualmente
os agentes de computadores UNIX e Linux).
Para desinstalar um agente
1. No console de Operações, clique em Administração.
2. Clique em Computadores UNIX/Linux no nó Gerenciamento de Dispositivo .
3. No painel Ações , clique em Desinstalar Agente para iniciar o Assistente para Desinstalação do
Agente do UNIX/Linux.
4. Na página Selecionar Desinstalação dos Destinos , todos os computadores aplicáveis que tenham o
agente instalado serão selecionados por padrão para a desinstalação. Cancele a seleção dos destinos que
você não deseja desinstalar.
5. Na página Credenciais , selecione uma das opções de credenciais.
Se você selecionar a opção de usar credenciais existentes e receber um alerta de que um ou mais dos
computadores de destino selecionados não têm uma conta Executar como atribuída, é preciso realizar
um dos seguintes procedimentos:
Forneça as credenciais especificadas com a opção Fornecer credenciais de desinstalação .
Clique em Mostrar Computadores (no texto do alerta) para abrir a lista dos computadores que
não tenham as credenciais necessárias especificadas nas contas Executar como. Em seguida,
clique em Anterior para cancelar a seleção desses computadores e tente novamente.
Para obter instruções detalhadas sobre como configurar credenciais, consulte How to Set Credentials for
Accessing UNIX and Linux Computers (Como definir credenciais para acessar computadores UNIX e
Linux).
6. Clique em Desinstalar.

Próximas etapas
Para obter mais informações sobre como instalar o agente e entender as etapas para assinar o
certificado do agente, consulte Install Agent and Certificate on UNIX and Linux Computers Using the
Command Line (Instalar agente e certificado em computadores UNIX e Linux usando a linha de
comando).
Para entender como aprovar agentes instalados manualmente, examine Processar instalações manuais
de agentes.
Para saber como configurar regras de descoberta de objeto e desabilitar a descoberta de um objeto
específico, consulte Applying Overrides to Object Discoveries (Aplicando substituições a descobertas de
objeto).
Examine o artigo Manually Uninstalling Agents from UNIX and Linux Computers (Desinstalando
manualmente os agentes de computadores UNIX e Linux) para compreender quais opções e etapas
precisam ser executadas para desinstalar corretamente o agente de computadores com UNIX e Linux.
Desinstalando manualmente os agentes de
computadores UNIX e Linux
15/01/2018 • 4 min to read • Edit Online

Há três maneiras de desinstalar os pacotes de gerenciamento UNIX e Linux e os agentes.


1. Excluir os pacotes de gerenciamento de sistema UNIX ou Linux selecionados do Console de Operações
do Operations Manager.
2. Excluir um agente do Operations Manager e desinstalar o agente do computador monitorado. Ele será
desinstalado primeiro do computador UNIX ou Linux.
3. Excluir o agente do Operations Manager sem desinstalá-lo no host UNIX ou Linux.
Use os procedimentos a seguir para desinstalar agentes.

Para excluir um agente com o Assistente para Desinstalação do


Agente do UNIX/Linux
1. Para obter mais informações, consulte Upgrading and Uninstalling Agents on UNIX and Linux Computers
(Atualizando e desinstalando agentes em computadores UNIX e Linux).

Após a exclusão do computador UNIX ou Linux da lista de computadores monitorados, você deve fazer logon
no computador monitorado e desinstalar o agente manualmente. Use os procedimentos a seguir para
desinstalar manualmente agentes de computadores UNIX e Linux.
Para desinstalar o agente de servidores corporativos Red Hat enterprise Linux e SUSE Linux
1. Faça logon como o usuário raiz e digite o seguinte para desinstalar o agente:
rpm -e scx
2. Para verificar se o pacote está desinstalado, digite
rpm -q scx
Para desinstalar o agente de Universal Linux Servers baseados em RPM (Oracle e Centos)
1. Faça logon como o usuário raiz e digite o seguinte para desinstalar o agente:
rpm -e scx
2. Para verificar se o pacote está desinstalado, digite
rpm -q scx
Para desinstalar o agente de Universal Linux Servers baseados em DEB (Debian e Ubuntu)
1. Faça logon como o usuário raiz e digite o seguinte para desinstalar o agente:
dpkg -P scx
2. Para verificar se o pacote está desinstalado, digite
dpkg -l scx
Para desinstalar o agente de computadores Solaris
1. Faça logon como o usuário raiz e digite o seguinte para desinstalar o agente:
pkgrm MSFTscx
2. Para verificar se o pacote está desinstalado, digite
pkginfo -I MSFTscx
Para desinstalar o agente do HP-UX
1. Faça logon como o usuário raiz e digite o seguinte para desinstalar o agente:
swremove scx
2. Para verificar se o pacote está desinstalado, digite
swlist scx
Para desinstalar o agente do IBM AIX
1. Faça logon como o usuário raiz e digite o seguinte para desinstalar o agente:
installp -u scx
2. Para verificar se o pacote está desinstalado, digite
lslpp -L scx.rte

Próximas etapas
Para obter mais informações sobre como instalar o agente e entender as etapas para assinar o certificado
do agente, consulte Install Agent and Certificate on UNIX and Linux Computers Using the Command
Line (Instalar agente e certificado em computadores UNIX e Linux usando a linha de comando).
Para saber como configurar regras de descoberta de objeto e desabilitar a descoberta de um objeto
específico, consulte Applying Overrides to Object Discoveries (Aplicando substituições a descobertas de
objeto).
Para saber como realizar a manutenção do agente em computadores UNIX e Linux, confira Upgrading
and Uninstalling Agents on UNIX and Linux Computers (Atualizando e desinstalando agentes em
computadores UNIX e Linux).
Desinstalar o agente de computadores baseados no
Windows
15/01/2018 • 5 min to read • Edit Online

Use um dos procedimentos a seguir para desinstalar um agente do System Center Operations Manager de um
computador gerenciado por agente.

Desinstale um agente usando o console de Operações


1. Faça logon no computador com uma conta que seja membro da função Administradores do Operations
Manager.
2. No console de Operações, clique em Administração.
3. No espaço de trabalho Administração , clique em Agente Gerenciado.
4. No painel Gerenciado por Agente , clique com o botão direito do mouse nos computadores dos quais
você deseja desinstalar o agente e selecione Desinstalar.
5. Na caixa de diálogo Desinstalar Agentes , não desmarque a opção Usar Conta de Ação do Servidor
de Gerenciamento selecionada ou siga este procedimento:
a. Selecione Outra conta de usuário.
b. Digite o Nome de usuário e a Senha, e digite ou selecione o Domínio da lista. Selecione Esta é
uma conta de computador local, não uma conta de domínio caso a conta esteja em um
computador local.

IMPORTANTE
A conta deve ter direitos de administrador no computador; caso contrário, a desinstalação falhará.

c. Clique em Desinstalar.
6. Na caixa de diálogo Status da Tarefa de Gerenciamento de Agente , o Status para cada computador
selecionado é alterado de Na fila para Sucesso.

OBSERVAÇÃO
Se uma tarefa falhar para um computador, clique no computador para ler o motivo da falha na caixa de texto Saída
de Tarefa .

7. Clique em Fechar.

Desinstale o agente usando o assistente para instalação do agente


MOMAgent.msi
1. Faça logon em um computador gerenciado com uma conta que faça parte do grupo de segurança dos
administradores do computador.
2. No Painel de Controle, clique em Desinstalar um programa.
3. Em Programas e Recursos, clique em Microsoft Monitoring Agent, em Removere depois clique em
Sim.

OBSERVAÇÃO
O Assistente para Instalação do Agente também pode ser executado com dois cliques sobre o MOMAgent.msi,
que está disponível na mídia de instalação do Operations Manager.

Desinstale o agente usando o MOMAgent.msi na linha de comando


1. Faça logon em um computador gerenciado com uma conta que faça parte do grupo de segurança dos
administradores do computador.
2. Abra o prompt de comando.
3. No prompt, por exemplo, digite o seguinte:
%WinDir%\System32\msiexec.exe /x \MOMAgent.msi /qb

Desinstalar o agente de um cluster


1. Usando o método do console de Operações ou o método de linha de comando, desinstale o agente de
cada nó do cluster.
2. No console de Operações, clique em Administração.
3. No espaço de trabalho Administração , clique em Gerenciado sem Agente.
4. No painel Gerenciado sem Agente , localize todas as instâncias virtuais do cluster, clique no botão
direito do mouse e selecione Excluir.

Próximas etapas
Para implantar o agente do Windows do console de operações usando o Assistente de Descoberta,
examine Instalar o agente no Windows usando o assistente de descoberta.
Se você desejar instalar o agente do Nano Server usando o Assistente de Descoberta da linha de
comando ou automatizar a implantação usando um script ou outra solução de automação, examine Install
Agent on Nano Server (Instalar o agente no Nano Server).
Para entender como gerenciar as definições de configuração de um agente do Windows e as opções
disponíveis, examine Configuração de agentes do Windows.
Se você desejar instalar manualmente o agente do Windows da linha de comando ou automatizar a
implantação usando um script ou outra solução de automação, examine Install Windows Agent Manually
Using MOMAgent.msi (Instalar o agente do Windows manualmente usando o MOMAgent.msi).
Como configurar e usar a Integração do Active
Directory para atribuição de agentes
20/02/2018 • 19 min to read • Edit Online

O System Center 2016 Operations Manager permite que você aproveite o investimento feito no AD DS (Active
Directory Domain Services), possibilitando seu uso para atribuir computadores gerenciados por agente a grupos
de gerenciamento. Este tópico o ajudará você a criar e gerenciar a configuração do contêiner no Active Directory e
a atribuição de agentes para os quais os agentes de servidores de gerenciamento devem enviar relatórios.

Criar um Contêiner do Active Directory Domain Services para um


grupo de gerenciamento
Você pode usar a sintaxe de linha de comando e o procedimento a seguir para criar um contêiner de AD DS
(Active Directory Domain Services) para um grupo de gerenciamento do System Center 2016 – Operations
Manager. O MOMADAdmin.exe é fornecido para esse propósito e é instalado com o servidor de gerenciamento
do Operations Manager. O MOMADAdmin.exe deve ser executado por um administrador do domínio
especificado.
Sintaxe de linha de comando:
<path>\MOMADAdmin.exe <ManagementGroupName> <MOMAdminSecurityGroup> <RunAsAccount> <Domain>

IMPORTANTE
Você deverá inserir um valor dentro das aspas se o valor contiver um espaço.

ManagementGroupName é o nome do grupo de gerenciamento para o qual um contêiner do AD está


sendo criado.
MOMAdminSecurityGroup é um grupo de segurança do domínio, formato
domínio\grupo_de_segurança, que é membro do direito de acesso Administradores do Operations
Managers para o grupo de gerenciamento.
RunAsAccount: esta é a conta de domínio que será usada pelo servidor de gerenciamento para ler, gravar
e excluir objetos no AD. Use o formato domínio\nome_de_usuário.
Domínio é o nome do domínio em que o contêiner do grupo de gerenciamento será criado. Só é possível
executar o MOMADAdmin.exe em domínios se existir uma confiança bidirecional entre eles.
Para que a integração do Active Directory funcione, o grupo de segurança deve ser global (se a integração do
Active Directory precisar funcionar em vários domínios com confianças bidirecionais) ou um grupo de domínio
local (se a integração do Active Directory for usada somente em um domínio)
Para adicionar um grupo de segurança ao grupo de Administradores do Operations Manager, use o procedimento
a seguir.
1. No Console de Operações, selecione Administração.
2. No espaço de trabalho Administração, selecione Funções de Usuário em Segurança.
3. Em Funções de Usuário, selecione Administradores do Operations Manager e clique na ação
Propriedades ou clique com o botão direito do mouse em Administradores do Operations Manager e
selecione Propriedades.
4. Clique em Adicionar para abrir a caixa de diálogo Selecionar Grupo.
5. Selecione o grupo de segurança desejado e clique em OK para fechar a caixa de diálogo.
6. Clique em OK para fechar Propriedades da Função de Usuário.

OBSERVAÇÃO
Recomendamos que um grupo de segurança – que pode conter vários grupos – seja usado como função Administradores no
Operations Manager. Dessa forma, os grupos e membros de grupos podem ser adicionados e removidos de grupos sem a
necessidade de um administrador de domínio realizar etapas manuais para atribuir permissões filho de Leitura e Exclusão ao
contêiner do Grupo de Gerenciamento.

Use o procedimento a seguir para criar o contêiner do AD DS.


1. Abra um prompt de comando como administrador.
2. No prompt, por exemplo, digite o seguinte:
"C:\Program Files\Microsoft System Center 2016\Operations Manager\Server\MOMADAdmin.exe" "Message Ops"
MessageDom\MessageOMAdmins MessageDom\MessageADIntAcct MessageDom**

OBSERVAÇÃO
Para o System Center 2016 – Operations Manager, o caminho padrão é C:\Program Files\Microsoft System Center
2016\Operations Manager. Para o branch atual, o caminho padrão é C:\Program Files\Microsoft System
Center\Operations Manager.

3. O exemplo de linha de comando anterior:


a. Criará o utilitário MOMADAdmin.exe na linha de comando.
b. Criará o contêiner de AD DS do Grupo de Gerenciamento "Message Ops" na raiz do esquema de
AD DS do domínio MessageDom. Para criar o mesmo contêiner de AD DS do Grupo de
Gerenciamento em domínios adicionais, execute o MOMADAdmin.exe para cada domínio.
c. Adicione a conta de computador MessageDom\MessageADIntAcct ao grupo de segurança de
AD DS MessageDom\MessageOMAdmins e atribua ao grupo AD DS de segurança os direitos
necessários para gerenciar o contêiner de AD DS.

Como usar o Active Directory Domain Services para atribuir


computadores a servidores de gerenciamento
O Assistente de Atribuição e Failover do Agente do Operations Manager cria uma regra de atribuição de agente
que usa o AD DS (Active Directory Domain Services) para atribuir computadores a um grupo de gerenciamento e
atribuir os servidores de gerenciamento primário e secundário do computador. Use os procedimentos a seguir
para iniciar e usar o assistente.

IMPORTANTE
O contêiner do Active Directory Domain Services para o grupo de gerenciamento deve ser criado antes da execução do
Assistente de Atribuição e Failover do Agente.

O Assistente de Atribuição e Failover do Agente não implanta o agente. Você deve implantar manualmente o
agente nos computadores usando o MOMAgent.msi.
A alteração da regra de atribuição de agente pode fazer com que os computadores não sejam mais atribuídos nem
monitorados pelo grupo de gerenciamento. O estado desses computadores passará para crítico, porque não
enviam mais pulsações ao grupo de gerenciamento. Esses computadores poderão ser excluídos do grupo de
gerenciamento e, se o computador não estiver atribuído a outros grupos de gerenciamento, o agente do
Operations Manager poderá ser desinstalado.
Para iniciar o Assistente de Atribuição e Failover do Agente do Operations Manager
1. Faça logon no computador com uma conta que seja membro da função Administradores do Operations
Manager.
2. No console de Operações, clique em Administração.
3. No espaço de trabalho Administração, clique em Servidores de Gerenciamento.
4. No painel Servidores de Gerenciamento, clique com o botão direito do mouse no servidor de
gerenciamento ou servidor de gateway que deve ser o Servidor de Gerenciamento Primário para os
computadores retornados pelas regras que você criará no procedimento seguinte e clique em
Propriedades.

OBSERVAÇÃO
Os servidores de gateway atuam como servidores de gerenciamento neste contexto.

5. Na caixa de diálogo Propriedades do Servidor de Gerenciamento, clique na guia Gerenciamento


Automático de Agente e em Adicionar para iniciar o Assistente de Atribuição e Failover do Agente.
6. No Assistente de Atribuição e Failover do Agente, na página Introdução, clique em Avançar.

OBSERVAÇÃO
A página Introdução não será exibida se o assistente for executado e Não exibir esta página novamente for
selecionado.

7. Na página Domínio, faça o seguinte:

OBSERVAÇÃO
Para atribuir computadores de vários domínios a um grupo de gerenciamento, execute o Assistente de Atribuição
e Failover do Agente para cada domínio.

Selecione o domínio dos computadores na lista suspensa Nome do domínio. O servidor de


gerenciamento e todos os computadores no pool de recursos de Atribuição de Agente do AD devem
ser capazes de resolver o nome de domínio.

IMPORTANTE
O servidor de gerenciamento e os computadores que você deseja gerenciar devem estar em domínios
bidirecionais confiáveis.

Defina Selecionar Perfil Executar como para o perfil Executar como associado à conta Executar
como fornecida quando o arquivo MOMADAdmin.exe foi executado para o domínio. A conta padrão
para executar atribuição do agente é a conta de ação padrão especificada durante a Instalação,
também chamada de Conta de Atribuição de Agente com Base no Active Directory. Essa conta
representa as credenciais usadas durante a conexão com Active Directory do domínio especificado e
modificação de objetos do Active Directory e deve corresponder à conta especificada durante a
execução de MOMAdmin.exe. Se essa não foi a conta usada para executar o arquivo
MOMADAdmin.exe, selecione Use uma conta diferente para executar atribuição do agente no
domínio especificado e selecione ou crie a conta na lista suspensa Selecionar Perfil Executar
como. O perfil Conta de Atribuição de Agente com Base no Active Directory deve ser
configurado para usar uma conta de administrador do Operations Manager que é distribuída para
todos os servidores no pool de recursos de Atribuição de Agente do AD.

OBSERVAÇÃO
Para obter mais informações sobre Perfis Executar como e Contas Executar como, consulte Gerenciando Perfis
e Contas Executar como.

8. Na página Critérios de Inclusão, digite a consulta LDAP para atribuir computadores ao servidor de
gerenciamento na caixa de texto e clique em Avançar ou clique em Configurar. Se clicar em Configurar,
faça o seguinte:
a. Na caixa de diálogo Localizar Computadores, digite os critérios desejados para atribuir
computadores a esse servidor de gerenciamento ou digite a consulta LDAP específica.
A consulta LDAP a seguir retornará apenas os computadores que executam o sistema operacional
Windows Server e excluirá controladores de domínio –
(&(objectCategory=computer)(operatingsystem=*server*)) . Este exemplo de consulta LDAP retornará
apenas computadores executando o sistema operacional Windows Server e excluirá controladores
de domínio e servidores hospedando a função de servidor de gerenciamento do Operations
Manager ou Service Manager –
(&(objectCategory=computer)(operatingsystem=*server*)(!
(userAccountControl:1.2.840.113556.1.4.803:=8192)(!(servicePrincipalName=*MSOMHSvc*))))
.
Para obter mais informações sobre consultas LDAP, consulte Creating a Query Filter (Criando um
filtro de pesquisa) e Active Directory: LDAP Syntax Filters (Active Directory: filtros de sintaxe LDAP ).
b. Clique em OK e depois em Avançar.
9. Na página Critérios de Exclusão, digite o FQDN dos computadores que deseja explicitamente evitar que
sejam gerenciados por este servidor de gerenciamento e clique em Avançar.

IMPORTANTE
Separe os FQDNs do computador digitados com um ponto-e-vírgula, uma vírgula ou uma nova linha (CTRL+ENTER).

10. Na página Failover do Agente, selecione Gerenciar automaticamente o failover e clique em Criar ou
selecione Configurar manualmente o failover. Se selecionar Configurar manualmente o failover,
faça o seguinte:
a. Desmarque as caixas de seleção dos servidores de gerenciamento para os quais não deseja que os
agentes executem failover.
b. Clique em Criar.
OBSERVAÇÃO
Com a opção Configurar manualmente o failover, será necessário executar o assistente novamente se
você adicionar posteriormente um servidor de gerenciamento ao grupo de gerenciamento e desejar que
agentes executem failover para o novo servidor de gerenciamento.

11. Na caixa de diálogo Propriedades do Servidor de Gerenciamento, clique em OK.

OBSERVAÇÃO
A configuração de atribuição de agente pode levar até uma hora para ser propagada no AD DS.

Ao concluir, a seguinte regra é criada no grupo de gerenciamento e visa a classe Pool de recursos de atribuição
do AD.

Esta regra inclui as informações de configuração de atribuição de agente que você especificou no Assistente de
Atribuição e Failover do Agente, como a consulta LDAP.
Para confirmar se o grupo de gerenciamento publicou com êxito suas informações no Active Directory, pesquise a
ID de Evento 11470 dos Módulos de Serviço de Integridade de origem no log de eventos do Operations Manager
no servidor de gerenciamento no qual a regra de atribuição de agente foi definida. Na descrição deve indicar que
ele adicionou com êxito todos os computadores que foram adicionados à regra de atribuição de agente.

.
No Active Directory, no contêiner OperationsManager<ManagementGroupName>, você deve ver os objetos SCP
(ponto de conexão de serviço) criados semelhantes ao exemplo a seguir.
.
A regra também cria dois grupos de segurança com o nome do NetBIOS do servidor de gerenciamento, o
primeiro com o sufixo “_PrimarySG” e o segundo “_SecondarySG”. Neste exemplo, há dois servidores de
gerenciamento implantados no grupo de gerenciamento e a associação ComputerB_Primary_SG_24901 do
grupo de segurança principal inclui computadores que corresponderam à regra de inclusão definida na regra de
atribuição de agente e a associação ComputerA_Secondary_SG_38838 do grupo de segurança inclui o grupo de
segurança ComputerB_Primary_SG-29401 do grupo principal contendo a conta de computador dos agentes
que realizariam o failover para esse servidor de gerenciamento secundário no caso de o servidor de
gerenciamento principal parar de responder. O nome do SCP é o nome do NetBIOS do servidor de gerenciamento
com o sufixo "_SCP".

OBSERVAÇÃO
Neste exemplo, são mostrados apenas objetos de um único grupo de gerenciamento e não outros grupos de gerenciamento
que podem existir e configurado com a integração do AD.

Implantação manual de agente com configuração da Integração do


Active Directory
A seguir está um exemplo de linha de comando para instalar manualmente o agente do Windows com a
Integração do Active Directory habilitada.
%WinDir%\System32\msiexec.exe /i path\Directory\MOMAgent.msi /qn USE_SETTINGS_FROM_AD=1
USE_MANUALLY_SPECIFIED_SETTINGS=0 ACTIONS_USE_COMPUTER_ACCOUNT=1 AcceptEndUserLicenseAgreement=1

Alterando a configuração da Integração do Active Directory para um


agente
Você pode usar o procedimento a seguir para alterar a configuração de integração do Active Directory de um
agente.
1. No computador gerenciado por agente, no Painel de Controle, clique duas vezes no Microsoft Monitoring
Agent.
2. Na guia Operations Manager, marque ou desmarque a opção Atualizar atribuições de grupo de
gerenciamento automaticamente do AD DS. Se você selecionar essa opção, na inicialização do agente,
o agente consultará o Active Directory para obter uma lista dos grupos de gerenciamento ao qual foi
atribuído. Esses grupos de gerenciamento, se houver, serão adicionados à lista. Se você desmarcar essa
opção, todos os grupos de gerenciamento atribuídos ao agente no Active Directory serão removidos da
lista.
3. Clique em OK.

Próximas etapas
Para entender como instalar o agente do Windows do console de operações, consulte Instalar o agente no
Windows usando o assistente de descoberta ou para instalar o agente da linha de comando, consulte Instalar
manualmente o agente do Windows usando MOMAgent.msi.
O que é um pacote de gerenciamento do
Operations Manager?
15/01/2018 • 18 min to read • Edit Online

Os pacotes de gerenciamento normalmente contêm configurações de monitoramento de aplicativos e serviços.


Depois que um pacote de gerenciamento é importado em um grupo de gerenciamento, o System Center 2016 –
Operations Manager inicia imediatamente o monitoramento de objetos com base em configurações e limites
padrão definidos pelo pacote de gerenciamento.
Cada pacote de gerenciamento pode conter qualquer uma das seguintes partes:
Monitores, que direcionam um agente para controlar o estado de várias partes de um componente
gerenciado.
Regras, que direcionam um agente a coletar dados de desempenho e descoberta, enviar alertas e eventos e
muito mais.
Tarefas, que definem atividades que podem ser executadas pelo agente ou pelo console.
Conhecimento, que fornece conselho textual para ajudar os operadores a diagnosticar e corrigir problemas.
Modos de exibição, que oferecem interfaces do usuário personalizadas para o monitoramento e o
gerenciamento desse componente.
Relatórios, que definem maneiras especializadas de comunicar informações sobre este componente
gerenciado.
Descobertas de objetos, que identificam objetos a serem monitorados.
Perfis Executar como, que permitem executar diferentes regras, tarefas, monitores ou descobertas com
diferentes contas em computadores distintos.

Partes de um pacote de gerenciamento


Cada pacote de gerenciamento define um modelo do componente que ele gerencia. Esse modelo é expresso
como uma ou mais classes, cada qual representando algo que pode ser monitorado e gerenciado. Quando as
informações de um pacote de gerenciamento são enviadas a um agente, este depende de regras de descoberta
específicas no pacote de gerenciamento para localizar as instâncias reais das classes que esse pacote define.
Para reduzir as exigências de armazenamento e utilização da rede no agente, apenas as partes do pacote de
gerenciamento que são necessárias para o agente realizar o monitoramento são baixadas nesse agente para
armazenamento local. Por exemplo, as seções dos pacotes de gerenciamento que definem regras e monitores são
baixadas, o que não acontece com as seções de conhecimento e relatórios.
Monitores
Cada pacote de gerenciamento define uma ou mais classes que podem ser gerenciadas, especificando em seguida
um grupo de monitores para instâncias dessas classes. Esses monitores controlam o estado de cada instância de
classe, o que facilita a prevenção de problemas antes que eles ocorram.
Cada monitor reflete o estado de algum aspecto de uma instância de classe, sendo modificado à medida que esse
estado é alterado. Por exemplo, um monitor que controla a utilização de disco pode estar em um destes três
estados: verde, se o disco estiver menos de 75% cheio; amarelo, se estiver entre 75% e 90% cheio; e vermelho, se
estiver mais de 90% cheio. Um monitor que controla a disponibilidade de um aplicativo pode ter apenas dois
estados: verde, se o aplicativo estiver em execução e e vermelho se não estiver. O autor de cada pacote de
gerenciamento define os monitores que ele contém, quantos estados cada monitor possui e que aspecto da classe
gerenciada um monitor controla.
Regras
No Operations Manager, uma regra define os eventos e os dados de desempenho a serem coletados dos
computadores e o que fazer com as informações depois de coletadas. Uma maneira simples de pensar sobre as
regras é através de uma afirmação Se/Então. Por exemplo, um pacote de gerenciamento para um aplicativo pode
conter regras como as seguintes:
Se for exibida no log de eventos uma mensagem indicado que o aplicativo está sendo desligado, então
enviar um alerta.
Se uma tentativa de logon falhar, então coletar o evento que indica essa falha.
Como mostram esses exemplos, regras podem enviar alertas, eventos ou dados de desempenho. Regras também
podem executar scripts; por exemplo, permitir que uma regra tente reiniciar um aplicativo com falha.
Modos de exibição e painéis
O console de Operações do Operations Manager fornece modos de exibição padrão, como Estado, Alertas e
Desempenho. O console também inclui painéis para consolidar e visualizar os dados operacionais para serviços
específicos ou aplicativos para maiores informações e visibilidade. Além disso, você pode criar um modo de
exibição personalizado no console de Operações.
Conhecimento
Conhecimento é um conteúdo incorporado em regras e monitores que contém informações do autor do pacote
de gerenciamento sobre as causas de um alerta, bem como sugestões de como corrigir o problema que causou
esse alerta. Esse conhecimento aparece como texto no console, e sua meta é ajudar um operador a diagnosticar e
corrigir problemas. O texto pode incluir links para tarefas, permitindo que o autor desse conhecimento oriente um
operador ao longo do processo de recuperação. Por exemplo, o operador pode receber instruções iniciais para
executar a Tarefa A e, com base no resultado dela, executar a Tarefa B ou C. Um conhecimento também pode
conter links para modos de exibição de desempenho e relatórios, dando ao operador acesso direto a informações
necessárias para solucionar um problema.
Conhecimento é conhecido como conhecimento do produto ou conhecimento da empresa. O conhecimento do
produto é adicionado ao pacote de gerenciamento pelo autor do pacote de gerenciamento. Os administradores
podem adicionar seu próprio conhecimento a regras e monitores para expandir as informações de solução de
problemas e fornecer informações específicas da empresa aos operadores, o que é conhecido como conhecimento
da empresa. Para obter mais informações sobre como adicionar conhecimento da empresa a um pacote de
gerenciamento, consulte Como adicionar conhecimento a um pacote de gerenciamento.
Tarefas
Uma tarefa é um script ou outro código executável em execução no servidor de gerenciamento ou no servidor,
cliente ou outro dispositivo que está sendo gerenciado. As tarefas podem executar qualquer tipo de atividade,
incluindo a reinicialização de um aplicativo com falha e a exclusão de arquivos. Como outros aspectos de um
pacote de gerenciamento, cada tarefa está associada a uma classe gerenciada específica. Por exemplo, executar
chkdsk só faz sentido em uma unidade de disco, enquanto executar uma tarefa que reinicia o Microsoft Exchange
Server só faz sentido em um computador que executa o Exchange Server. Se necessário, um operador também
pode executar a mesma tarefa simultaneamente em vários sistemas gerenciados. Os monitores podem ter dois
tipos de tarefas associadas a eles: tarefas de diagnóstico que tentam descobrir a causa de um problema e tarefas
de recuperação que tentam corrigir o problema. Essas tarefas poderão ser executadas automaticamente quando o
monitor entrar em um estado de erro, fornecendo uma forma automatizada de resolver problemas. Elas também
podem ser executadas manualmente, já que a recuperação automatizada nem sempre é a abordagem preferencial.
Relatórios
Da mesma maneira que um pacote de gerenciamento pode conter modos de exibição personalizados para os
objetos de destino do pacote de gerenciamento, ele também pode conter relatórios personalizados. Por exemplo,
um pacote de gerenciamento pode incluir uma definição personalizada de um dos relatórios incorporados do
Operations Manager, especificando os objetos exatos que o relatório deve ter como meta.
Descobertas de Objeto
As descobertas de objetos são usadas para localizar objetos específicos em uma rede que precisam ser
monitorados. Os pacotes de gerenciamento definem o tipo de objetos que o pacote de gerenciamento monitora.
As descobertas de objetos podem usar o Registro, WMI, scripts, OLE DB, LDAP ou ainda um código gerenciado
personalizado em uma rede. Se uma descoberta de objeto localizar objetos na rede que você deseja monitorar, é
possível limitar o escopo de descobertas de objetos usando substituições.
Perfis Executar como
Um pacote de gerenciamento pode incluir um ou mais perfis Executar como. Os perfis e contas Executar como
são usados para selecionar usuários com os privilégios necessários para executar regras, tarefas e monitores.
Os autores de pacote de gerenciamento podem criar um perfil Executar como e associar o perfil a uma ou mais
regras, monitores, tarefas ou descobertas. O perfil Executar como nomeado é importado juntamente com o
pacote de gerenciamento no Operations Manager. O administrador do Operations Manager cria uma conta
Executar como nomeada e especifica usuários e grupos. O administrador adiciona a conta Executar como ao perfil
Executar como e especifica os computadores de destino em que a conta deve ser executada. A conta Executar
como fornece as credenciais para executar as regras, os monitores, as tarefas e as descobertas associados ao perfil
Executar como ao qual a conta Executar como pertence.

Pacotes de gerenciamento lacrados e não lacrados


Os pacotes de gerenciamento são lacrados ou não lacrados. Um pacote de gerenciamento lacrado é um arquivo
binário que não pode ser editado. Um pacote de gerenciamento não lacrado é um arquivo XML que pode ser
editado. Os pacotes de gerenciamento lacrados devem ter uma extensão .mp, e os pacotes de gerenciamento não
lacrados devem ter uma extensão .xml.
Em geral, os pacotes de gerenciamento obtidos de um aplicativo ou de um fornecedor de dispositivo de hardware
são lacrados.
Embora não seja possível alterar as configurações no pacote de gerenciamento lacrado, ainda será possível
personalizar as configurações aplicadas de um pacote de gerenciamento depois que ele for importado usando
substituições ou criando configurações adicionais, como regras, monitores e tarefas que suplantam as
configurações padrão do pacote de gerenciamento. Todas as personalizações criadas são salvas em um arquivo
separado do pacote de gerenciamento.

Bibliotecas e dependências de pacote de gerenciamento


Determinados pacotes de gerenciamento são conhecidos como bibliotecasporque fornecem uma base de classes
de que outros pacotes de gerenciamento dependem. Um pacote de gerenciamento que você baixa do Catálogo do
Operations Manager pode incluir um pacote de gerenciamento de biblioteca. Vários pacotes de gerenciamento de
biblioteca são importados como parte do processo de instalação do Operations Manager. Para obter uma lista de
pacotes de gerenciamento importados durante a instalação do Operations Manager, consulte Pacotes de
Gerenciamento instalados com o Operations Manager.
Existe uma dependência quando um pacote de gerenciamento faz referência a outros pacotes de gerenciamento.
Você deve importar todos os pacotes de gerenciamento mencionados antes de importar o pacote de
gerenciamento que depende desses pacotes de gerenciamento. Os pacotes de gerenciamento incluem um guia de
pacote de gerenciamento que deve documentar as dependências do pacote de gerenciamento. Além disso, se
você tentar importar um pacote de gerenciamento, e os pacotes de gerenciamento de que ele depende não
estiverem presentes, a caixa de diálogo Importar Pacotes de Gerenciamento mostrará uma mensagem de que
a importação do pacote de gerenciamento falhará e apresentará uma lista dos pacotes de gerenciamento
ausentes. Depois de importar um pacote de gerenciamento, você poderá exibir suas dependências no console de
Operações.
Para exibir as dependências de um pacote de gerenciamento
1. No console de Operações, no espaço de trabalho Administração , clique em Pacotes de
Gerenciamento.
2. Clique com o botão direito do mouse no pacote de gerenciamento desejado e depois clique em
Propriedades.
3. Na caixa de diálogo Propriedades do pacote de gerenciamento, clique na guia Dependências .
A guia Dependências lista todos os pacotes de gerenciamento de que o pacote de gerenciamento
selecionado depende e todos os pacotes de gerenciamento que dependem do pacote de gerenciamento
selecionado.

Próximas etapas
Para saber como criar um pacote de gerenciamento gravável personalizado para armazenar suas
substituições, consulte How to Create a Management Pack for Overrides (Como criar um pacote de
gerenciamento para substituições)
Para entender os conceitos básicos do gerenciamento da configuração de monitoramento de um aplicativo
ou serviço definido em um pacote de gerenciamento, consulte Management Pack Lifecycle (Ciclo de vida
do pacote de gerenciamento)
Consulte How to import, export and remove a management pack (Como importar, exportar e remover um
pacote de gerenciamento) para executar tarefas administrativas comuns com pacotes de gerenciamento em
seu grupo de gerenciamento.
Se você quiser criar seu próprio conhecimento personalizado para alertas específicos gerados por regras
ou monitores de um pacote de gerenciamento lacrado, examine Como adicionar conhecimento a um
pacote de gerenciamento
Pacotes de gerenciamento instalados com o
Operations Manager
15/01/2018 • 7 min to read • Edit Online

Quando você instala o Operations Manager, um componente do System Center 2016, alguns pacotes de
gerenciamento são instalados também. A tabela a seguir descreve as finalidades desses pacotes de gerenciamento.

FINALIDADE PACOTES DE GERENCIAMENTO ASSOCIADOS

Funcionalidade de monitoramento central - Biblioteca Principal do System Center


- Monitoramento Principal do System Center
- Gerenciamento do Agente de Monitoramento Principal do
System Center
- Biblioteca Interna do System Center
- Biblioteca do Microsoft System Center Operations Manager
- Biblioteca Interna do Operations Manager
- Biblioteca de Desempenho
- Biblioteca de Monitoramento de Processos
- Biblioteca Interna de Integridade
- Biblioteca de Integridade
- Pacote de Gerenciamento Padrão
- Biblioteca de Tarefas de Linha de Base
- Monitoramento de Infraestrutura do System Center
Operations Manager
- Biblioteca do Grupo de Instâncias
- Biblioteca de Monitoramento de Processos
- Biblioteca de Hardware do System Center
- Biblioteca do sistema
- Biblioteca de software do sistema
- Biblioteca de Clusters do Windows
- Biblioteca Principal do Windows
- Biblioteca de Serviço Windows
- Monitoramento do Serviço de Acesso a Dados do System
Center Operations Manager
- Modelos de Regras do System Center
- Modelos de Tarefas do System Center
- Tarefas Executadas pela interface do usuário do System
Center
- Biblioteca do System Center Workflow Foundation
- Biblioteca de Virtualização do Sistema
- WS-biblioteca de gerenciamento

Monitoramento de cliente, monitoramento de exceções sem - Biblioteca Interna do Monitoramento de Clientes


agente (AEM) e (CEIP (Programa de Aperfeiçoamento da - Biblioteca do Monitoramento de Clientes
Experiência do Usuário)) - Client Monitoring Overrides Management Pack
(Monitoramento de Cliente Substitui Pacote de
Gerenciamento)
- Biblioteca do Modo de Exibição do Monitoramento de
Clientes
FINALIDADE PACOTES DE GERENCIAMENTO ASSOCIADOS

Monitoramento de aplicativos - Biblioteca do Distributed Application Designer


- Biblioteca de Modelos de Monitoramento de Aplicativos 360
do Microsoft System Center
- Infraestrutura do APM para o Operations Manager
- Monitoramento de Infraestrutura do APM para o
Operations Manager
- Biblioteca de APM do Operations Manager
- Recursos da Biblioteca de APM do Operations Manager (ptb)
- Biblioteca de Relatórios do APM para o Operations Manager
- Biblioteca de Wcf APM do Operations Manager
- Web APM do Operations Manager
- Biblioteca de monitoramento de aplicativos do Operations
Manager
- Biblioteca de monitoramento de disponibilidade de
aplicativos Web
- Biblioteca base de soluções de monitoramento de
disponibilidade de aplicativos Web
- Biblioteca de soluções de monitoramento de disponibilidade
de aplicativos Web
- Biblioteca de Monitoramento de Aplicativo Web
- Biblioteca de logs de aplicativos do sistema
- Biblioteca de Transações Sintéticas
- Microsoft.SystemCenter.DataProviders.Library

Monitoramento de rede - Biblioteca SNMP


- Biblioteca de Dispositivo de Rede
- Descoberta de Rede (Interno)
- Gerenciamento de Rede – Monitoramento Principal
- Biblioteca de gerenciamento de rede
- Relatórios de gerenciamento de rede
- Modelos de gerenciamento de rede

Monitoramento de UNIX e Linux - Biblioteca principal de UNIX/Linux


- Biblioteca do console principal UNIX/Linux
- Biblioteca de Modos de Exibição do Unix
- Biblioteca de modelos de arquivo de log UNIX
- Biblioteca de imagens do (UNIX/Linux)

Habilitando exibições e consoles - Biblioteca de imagens do (System Center)


- Biblioteca de imagens do (sistema)
- Biblioteca de imagens do (UNIX/Linux)
- Biblioteca de imagens do (Windows)
- Painel de Resumo do Microsoft SystemCenter
OperationsManager
- Painel de Rede de Visualização do Microsoft SystemCenter
- Biblioteca da Rede de Visualização do Microsoft System
Center
- Microsoft.SystemCenter.Visualization.Configuration.Library
- Microsoft.SystemCenter.Visualization.Internal
- Microsoft.SystemCenter.Visualization.Library
- Exibições de monitoramento principal do System Center

Notificações - Biblioteca Interna de Notificações


- Biblioteca de Notificações
FINALIDADE PACOTES DE GERENCIAMENTO ASSOCIADOS

Relatórios - Biblioteca Interna de Data Warehouse


- Biblioteca do Data Warehouse
- Relatórios do Microsoft Data Warehouse
- Biblioteca de Relatórios Genéricos da Microsoft
- Biblioteca de Relatórios ODR da Microsoft
- Biblioteca de Relatórios de Nível de Serviço da Microsoft
- Microsoft.SystemCenter.Reports.Deployment

Serviços de Coleta de Auditoria (ACS) - Serviços de Coleta de Auditoria da Microsoft

Os seguintes pacotes de gerenciamento não lacrados estão incluídos no Operations Manager:


Client Monitoring Overrides Management Pack (Monitoramento de Cliente Substitui Pacote de
Gerenciamento)
Pacote de Gerenciamento Padrão
Pacote de Gerenciamento de Rede de Virtualização do Microsoft SystemCenter
Pacote de Gerenciamento Interno de Descoberta de Rede
Não salve nenhuma configuração, exibição ou substituição a esses pacotes de gerenciamento. Você deve criar seu
próprio pacote local, que é um pacote de gerenciamento não lacrado no qual armazenar suas personalizações.
Como uma prática recomendada, crie um pacote local separado para cada pacote de gerenciamento lacrado a ser
personalizado.

Próximas etapas
Para entender os conceitos básicos do gerenciamento da configuração de monitoramento de um aplicativo
ou serviço definido em um pacote de gerenciamento, consulte Management Pack Lifecycle (Ciclo de vida do
pacote de gerenciamento)
Consulte How to import, export and remove a management pack (Como importar, exportar e remover um
pacote de gerenciamento) para executar tarefas administrativas comuns com pacotes de gerenciamento em
seu grupo de gerenciamento.
Para saber como criar um pacote de gerenciamento gravável personalizado para armazenar suas
substituições, consulte Como criar um pacote de gerenciamento para substituições.
Ciclo de vida do Pacote de Gerenciamento
15/01/2018 • 22 min to read • Edit Online

O System Center 2016 – Operations Manager usa pacotes de gerenciamento que contêm configurações de
monitoramento para aplicativos e serviços. Idealmente, um pacote de gerenciamento informa tudo o que você
quer saber sobre o aplicativo ou a tecnologia que está monitorando e nada que você não queira saber. Os
pacotes de gerenciamento se destinam a proporcionar uma experiência de monitoramento útil para a maioria
dos ambientes, entretanto, você pode testar, ajustar e personalizar cada pacote de gerenciamento para fornecer
resultados ideais às necessidades de sua organização.
O ciclo de vida de um pacote de gerenciamento, descrito na tabela a seguir, é a abordagem recomendada para o
uso de pacotes de gerenciamento. As seções seguintes à tabela fornecem detalhes para cada estágio.

ESTÁGIO DESCRIÇÃO

Examinar e avaliar pacotes de gerenciamento em um Antes de implantar um pacote de gerenciamento no seu


ambiente de pré-produção ambiente de produção, você deverá se familiarizar com o
conteúdo do guia e do pacote de gerenciamento e importar
o pacote de gerenciamento em um ambiente de pré-
produção ou teste. Você também pode exibir o pacote de
gerenciamento em um ambiente de máquina virtual.

Ajustar as configurações do pacote de gerenciamento e Use substituições para ajustar as configurações de um pacote
salvá-lo em um pacote de gerenciamento personalizado de gerenciamento — tais como monitores, regras,
descobertas de objetos e atributos — e melhor atender às
necessidades da sua organização. É necessário salvar
substituições em um pacote de gerenciamento que você criar.

Implantar pacotes de gerenciamento em um ambiente de Exporte o pacote de gerenciamento com substituições que
produção está associado ao pacote de gerenciamento que você irá
implantar. Em seguida, importe pacotes de gerenciamento
para o seu ambiente de produção.

Manter o pacote de gerenciamento Após a implantação, um pacote de gerenciamento pode exigir


ajustes adicionais, como nas seguintes circunstâncias:

- Alterações ambientais, como novos componentes de


hardware ou um novo sistema operacional
- Inclusão de um novo aplicativo no ambiente de produção
- Atualização da versão de um aplicativo
- Quando uma versão nova ou atualizada do pacote de
gerenciamento estiver disponível
- Alterações de políticas, que resultam um nível maior ou
menor de monitoramento com base nas necessidades
corporativas

Examinar e avaliar
Cada pacote de gerenciamento deve vir acompanhado de um guia de pacote de gerenciamento instalado na
mesma pasta do pacote de gerenciamento. Um guia de pacote de gerenciamento contém instruções para instalar
e configurar o pacote de gerenciamento e informações sobre o pacote, como objetos que o pacote descobre e
como a integridade é acumulada. Você pode usar essas informações como auxílio para personalizar o pacote de
gerenciamento para suas finalidades. Você deve sempre examinar o guia do pacote de gerenciamento antes de
importar o pacote de gerenciamento.
Uma ferramenta para examinar o conteúdo de um pacote de gerenciamento lacrado é o MPViewer, que pode
exibir o seguinte conteúdo de um pacote de gerenciamento: regras, monitores, visualizações, tarefas, tarefas do
console e relatórios. O MPViewer também exibirá o conhecimento associado ao item de pacote de
gerenciamento específico. Você pode instalar e usar o MPViewer em qualquer computador em que o Console de
Operações do Operations Manager esteja instalado.
Quando você tiver um novo pacote de gerenciamento, deverá importá-lo para um ambiente de pré-produção .
No Operations Manager, uma prática recomendada é ter uma implementação de produção usada para monitorar
os seus aplicativos de produção e uma implantação de pré-produção que tenha uma interação mínima com o
ambiente de produção. O grupo de gerenciamento de pré-produção é usado para testar e ajustar a
funcionalidade do pacote de gerenciamento, antes que este seja implantado para o ambiente de produção.
Para avaliar com precisão os dados coletados por um pacote de gerenciamento, você precisa expor o agente às
demandas do seu ambiente de produção. O hardware do servidor de gerenciamento no ambiente de pré-
produção deve refletir o hardware que está em uso no seu ambiente de produção. Seu grupo de gerenciamento
de pré-produção deve ter os mesmos pacotes de gerenciamento importados para o servidor de gerenciamento
que o seu grupo de gerenciamento de produção. Para testar a interoperabilidade, seu ambiente de pré-produção
também deve incluir os mesmos tipos de funções de servidor que se encontram no seu ambiente de produção,
apenas em menor escala.
Você pode atribuir um agente do Operations Manager a mais de um grupo de gerenciamento, chamado
hospedagem múltipla. Se você definir a hospedagem múltipla de um subconjunto representante de agentes no
seu ambiente de produção e no ambiente de pré-produção, este último deverá lhe fornecer boa parte das
informações de que precisa para ajustar corretamente o pacote de gerenciamento. Para saber mais sobre como
definir a hospedagem múltipla de agentes, confira Configuração de agentes do Windows.

Ajustar e personalizar
Você pode usar substituições para refinar as configurações de um objeto de monitoramento no Operations
Manager, incluindo monitores, regras, descobertas de objeto e atributos. Você deve criar um pacote de
gerenciamento para salvar as personalizações que faz.
Para efetivamente ajustar a configuração de monitoramento dos serviços de TI, o que pode envolver um ou mais
pacotes de gerenciamento dependendo da complexidade do serviço em questão, você deve envolver o
proprietário ou especialistas do serviço, um representante da central de serviços, um representante dos
membros da equipe de operações que monitoram os alertas, eventos e agem quando algo precisa de atenção e a
equipe de engenharia responsável pela infraestrutura do Operations Manager. Dependendo do serviço que está
sendo monitorado pelos pacotes de gerenciamento, você também pode incluir representantes das equipes de
segurança e de rede. As pessoas responsáveis pela infraestrutura do Operations Manager podem não ter o
conhecimento e a experiência com o serviço para ajustar efetivamente os pacotes de gerenciamento sem
informações de especialistas.
Comece revisando os alertas mais comuns como uma iniciativa para melhorar a precisão do monitoramento,
concentrando-se nos alertas de alto volume. Identifique o seguinte e priorize com base no impacto:
Número e percentual de alertas causados por problemas conhecidos/existente
Número e percentual de alertas repetidos ou duplicados. Pode indicar que um ajuste adicional é necessário ou
que há um problema potencial que deve ser investigado em mais detalhes.
Número e percentual de alertas que indicam problemas de desempenho ou disponibilidade
Taxa de alertas para tíquetes gerados
Alertas cujo estado de resolução foi definido para um estado que indica que o fluxo de trabalho está gerando
um alto volume de alertas e foi determinado por meio de investigação que apresenta defeito pelas operações
ou suporte de nível 2
Utilize os relatórios a seguir para determinar se um ajuste adicional é necessário:
Relatório de Alertas Mais Comuns
Relatório de Alertas
Volume de Dados por Pacote de Gerenciamento
Os relatórios a seguir são importantes para validar se estamos monitorando o serviço em sua totalidade com
eficiência e não há:
Variação de configuração devido a regras de descoberta em execução com muita frequência ou há uma
propriedade/atributo que está sendo coletado que muda com frequência
Dados de desempenho coletados com muita frequência ou que não precisam ser coletados porque a
organização não os usará em um relatório, exibição ou painel
Dados de eventos coletados que não agregam nenhum valor e são habilitados somente para solução de
problemas (curto período de tempo)
Estado de Integridade intermitente devido à configuração incorreta, bug ou outros sintomas
Regra de alerta com alta contagem de repetição
No mínimo, cada fluxo de trabalho deve ser avaliado de acordo com os seguintes critérios:
Ocorrência mensurável e identificável. Qualquer coisa não alinhada a essa categoria é desabilitada.
Quando o alerta ocorrer, saberemos como resolvê-lo?
Exceções (avisos) que fornecem uma notificação proativa do impacto potencial nos serviços são expostas ao
NOC/Central de Atendimento, além de qualquer Incidente (erro) que indica a interrupção do serviço.
A descoberta está sendo executada com muita frequência?
Precisamos coletar esses dados de desempenho? Eles são úteis?
O alerta é compreensível, relevante e atualizado?
O monitor deve resolver automaticamente a questão se o sintoma/problema se corrigir sozinho?
O que ajustar
Frequência de descoberta
Limites do monitor
Destinos
Intervalos de regras/monitores baseados em script e regras de coleta de desempenho
Parâmetros
Dicas
Analise os novos alertas relatados para os servidores monitorados com o novo pacote de gerenciamento.
Você pode usar os relatórios de Alertas e Alertas Mais Comuns para ajudá-lo a descobrir quais são seus
alertas mais comuns. Quando você instala um pacote de gerenciamento, ele tende a descobrir uma
infinidade de problemas desconhecidos. Monitore os alertas para determinar possíveis áreas de
preocupação
Substitua o monitor ou a regra conforme aplicável para todos os objetos de uma classe, grupo ou objeto
específicos.
Desabilite o monitor ou regra se o problema não for grave o suficiente para justificar um alerta e se não
for preciso alertar você sobre a situação específica monitorada.
Caso deseje monitorar uma condição subjacente, mas seu alerta esteja sendo gerado antes de ela se
tornar um problema em seu ambiente, altere o limite do monitor.
Quando você definir substituições para um pacote de gerenciamento, salve-as em um pacote de
gerenciamento chamado ManagementPack_Override, em que ManagementPack é o nome do pacote de
gerenciamento lacrado ao qual aplicam-se as substituições.

Implantar
Quando estiver satisfeito com o desempenho e os resultados do pacote de gerenciamento no ambiente de pré-
produção, você poderá implantar o pacote de gerenciamento e suas personalizações no ambiente de produção. O
pacote de gerenciamento em que você salvou as personalizações deve ser exportado para que você possa
importá-lo em outros computadores. Para obter mais informações, consulte How to Import, Export, and Remove
Management Packs (Como importar, exportar e remover pacotes de gerenciamento). O pacote de gerenciamento
que contém as substituições definidas depende do pacote de gerenciamento original e pode ser importado
somente nos grupos de gerenciamento com o pacote de gerenciamento original instalado.

Manter
Após a implantação de um pacote de gerenciamento, você deve avaliar periodicamente seu desempenho e seus
resultados no ambiente de produção, para garantir que ele continue a atender às suas necessidades corporativas.
A lista a seguir descreve eventos comuns que podem exigir alterações em um pacote de gerenciamento:
Alterações ambientais, como novo hardware ou um novo sistema operacional
Ao testar novos componentes de hardware ou um novo sistema operacional que planeja adicionar ao seu
ambiente de produção, você deve incluir pacotes de gerenciamento existentes no seu plano de teste para
identificar ajustes adicionais que possam ser necessários. No caso de um novo sistema operacional, talvez
seja necessário importar novos pacotes de gerenciamento específicos para esse sistema.
Inclusão de um novo aplicativo no ambiente de produção
Um novo aplicativo pode exigir um novo pacote de gerenciamento ou pode exigir ajustes em pacotes de
gerenciamento existentes.
Atualização da uma versão de um aplicativo
Quando as organizações atualizam versões de aplicativos, elas geralmente atualizam em estágios, durante
os quais ambas as versões de um aplicativo irão existir na rede, ou atualizam todas as instalações desse
aplicativo de uma só vez. Depois de testar os pacotes de gerenciamento com a nova versão e de fazer os
ajustes necessários, você deverá usar a mesma abordagem para implantar os pacotes de gerenciamento
que utilizará para implantar as atualizações. Se ambas as versões do aplicativo forem ser usadas ao
mesmo tempo, você deverá instalar pacotes de gerenciamento apropriados para cada versão. Se todas as
instalações do aplicativo forem ser atualizadas de uma só vez, remova o pacote de gerenciamento
referente à versão antiga do aplicativo e instale o pacote de gerenciamento para a nova versão.
Quando uma versão nova ou atualizada do pacote de gerenciamento está disponível
Use o ambiente de pré-produção para revisar e ajustar versões novas ou atualizadas de um pacote de
gerenciamento.
Alterações de política
Alterações contínuas na sua empresa ou organização podem exigir ajustes em pacotes de gerenciamento
para realizar um nível superior ou inferior de monitoramento.

Práticas recomendadas para o controle de alterações


Veja a seguir algumas práticas recomendadas a serem colocadas em ação para o gerenciamento de pacotes de
gerenciamento do Operations Manager:
Mantenha um arquivamento das versões de pacotes de gerenciamento, para possibilitar a reversão de
alterações quando necessário. Um método eficiente para manter o arquivamento é usar um software de
controle de versão, como o Microsoft Team Foundation Server ou o SharePoint Server. Outro método é
usar um compartilhamento de arquivo na rede com pastas individuais para cada versão do pacote de
gerenciamento.
Quando você definir substituições para um pacote de gerenciamento, salve-as em um pacote de
gerenciamento chamado ManagementPack_Override, em que ManagementPack é o nome do pacote de
gerenciamento lacrado ao qual aplicam-se as substituições. Por exemplo, as substituições no pacote de
gerenciamento Microsoft.SQLServer.2012.Monitoring.mp seriam salvas em
Microsoft.SQLServer.2012.Monitoring_Overrides.xml. Para obter mais informações, consulte Criando um
pacote de gerenciamento para substituições.
Quando um pacote de gerenciamento é atualizado, atualize o arquivo _Overrides.xml correspondente com
o novo número de versão. Você deve usar um editor de XML para atualizar o número de versão do
arquivo _Overrides.xml. Se fizer alterações em um arquivo _Overrides.xml, mas não alterar o atributo da
versão, você poderá importar o arquivo, mas as configurações no arquivo não serão aplicadas.
Documente as substituições feitas nos pacotes de gerenciamento. Ao definir uma substituição, adicione
uma explicação da ação sendo executada e do motivo dela ao campo de descrição clicando em Editar no
painel Detalhes da caixa de diálogo Propriedades da Substituição. É possível também manter uma planilha
ou outro formulário para documentar alterações efetuadas em pacotes de gerenciamento.

Próximas etapas
Para saber como criar um pacote de gerenciamento gravável personalizado para armazenar suas
substituições, consulte Como criar um pacote de gerenciamento para substituições.
Para entender o que é um pacote de gerenciamento do Operations Manager e como ele ajuda
proativamente a monitorar seus serviços e aplicativos, consulte O que há em um Pacote de
Gerenciamento do Operations Manager?.
Consulte How to Import, Export, and Remove an Operations Manager Management Pack (Como
importar, exportar e remover um pacote de gerenciamento do Operations Manager) para executar tarefas
administrativas comuns com pacotes de gerenciamento em seu grupo de gerenciamento.
Usando classes e grupos para substituições
15/01/2018 • 12 min to read • Edit Online

Este tópico descreve as diferenças entre classes e grupos no System Center 2016 – Operations Manager e como
os fluxos de trabalho, como regras e monitores, aplicam-se a ambos. As próximas seções definem classes e
grupos, e exemplificam as aplicações das substituições com as opções de substituição disponíveis.

Classes
No Operations Manager, uma classe é uma definição de um item que pode ser descoberta e gerenciada. Uma
classe pode representar um computador, um banco de dados, um serviço, um disco, um aplicativo ou outro tipo
de objeto que exija monitoramento. É possível aplicar monitores, regras, descobertas, substituições e tarefas a
uma classe. Por exemplo, Disco Lógico do Windows Server 2012 é uma classe que define discos lógicos em
um computador que executa o sistema operacional Windows Server 2003. Um monitor aplicável à classe Disco
Lógico do Windows Server 2012 será aplicado somente aos objetos que atendem a essa definição de classe.

OBSERVAÇÃO
No Console de Operações, usa-se o termo destino em vez de classe.

As classes estão definidas nas bibliotecas do pacote de gerenciamento do Operations Manager e dos pacotes de
gerenciamento específicos dos produtos que você importar.

Grupos
No Operations Manager, um grupo é um conjunto lógico de objetos que pode ser usado para definir o escopo de
substituições, exibições, funções de usuário e notificações. Alguns grupos são fornecidos na instalação do
Operations Manager, como o grupo Todos os Computadores Windows e o Grupo de Computadores
Gerenciados por Agente. Você pode criar seus próprios grupos e adicionar membros a grupos explicitamente
ou dinamicamente.

Substituições
Você viu que as classes são usadas para direcionar fluxos de trabalho, como regras e monitores. Um monitor ou
regra é aplicado a uma classe específica. Para alterar o valor de um parâmetro de uma regra ou monitor, você
pode criar uma substituição. Você tem as seguintes opções para aplicar sua substituição:
Para todos os objetos da classe: Class
Ao selecionar essa opção para sua substituição, as configurações de substituição aplicam-se a todos os
objetos da classe à qual a regra ou monitor destina-se.
Para um grupo
Quando você seleciona essa opção para sua substituição, as configurações de substituição aplicam-se
somente a membros do grupo. O monitor ou regra sem as configurações de substituição continua a
aplicar-se a todos os objetos da classe de destino, exceto pelos objetos que sejam membros do grupo
usado para a substituição.
Quando você cria um grupo, pode salvá-lo em um pacote de gerenciamento sem lacre. Entretanto, um
elemento de um pacote de gerenciamento sem lacre, como uma substituição, não pode fazer referência a
um elemento de outro pacote de gerenciamento sem lacre, como um grupo. Se usar um grupo para
limitar a aplicação de uma substituição, você deve salvar o grupo no mesmo pacote de gerenciamento
sem lacre que a substituição, ou deve lacrar o pacote de gerenciamento que contém o grupo.
Para um objeto específico da classe: Class
Ao selecionar essa opção para sua substituição, as configurações de substituição aplicam-se somente ao
objeto especificado. O monitor ou regra sem as configurações de substituição continua a aplicar-se a
todos os outros objetos da classe de destino.
Para todos os objetos de outra classe
Ao selecionar essa opção para sua substituição, as configurações de substituição aplicam-se somente a
objetos das classes que não sejam a classe de destino. O monitor ou regra sem as configurações de
substituição continua a aplicar-se a todos os objetos na classe de destino.
As substituições aplicáveis a uma classe são aplicadas primeiro, depois as substituições aplicáveis a um grupo e,
por último, as substituições aplicáveis a um objeto específico. Para obter mais informações, consulte Using the
Enforced Attribute in Overrides abaixo.

Como aplicar substituições


Aqui estão alguns exemplos de quando você pode usar as opções de substituição.
Você deseja alterar a prioridade de um alerta
Selecione substituir Para todos os objetos da classe: Classe.
Você quer alterar a prioridade de um alerta para computadores que atendam a critérios específicos
Selecione a substituição Para um grupo e crie um grupo que adicione membros dinamicamente com base em
critérios específicos.
Você deseja alterar a prioridade de um alerta para um computador específico
Selecione substituir Para um objeto específico da classe: Classe. Também é possível selecionar Para um
grupo e criar um grupo que tenha o computador específico adicionado como membro explícito.
Você deseja alterar a prioridade de um alerta que se aplique a todos os sistemas operacionais de determinado
sistema operacional
Selecione Para todos os objetos de outra classe e selecione a classe que representa o sistema operacional
para o qual você deseja adotar uma prioridade de alerta diferente.
Você deseja aplicar a regra ou monitor somente a computadores específicos
Nesse cenário comum, você deve executar as duas tarefas a seguir:
1. Selecione substituir Para parados os objeparas da classe: Classe, e altere Habilitado para False. Isso
desabilitará a regra ou monitor.
2. Selecione substituir Para um grupo, Para um objeto específico da classe: Classe, ou Para todos os
objetos de outra classe, e altere Habilitado para True. Isso habilita a regra ou monitor apenas nos
membros desse grupo, do objeto especificado ou da classe selecionada.

Usando o atributo Imposto em substituições


Ao configurar uma substituição para uma regra, monitor ou descoberta no Operations Manager, você notará
uma caixa de seleção Imposto na linha de cada valor que pode ser substituído, conforme mostrado na seguinte
ilustração.
Quando o atributo Imposto é selecionado para uma substituição, essa configuração garante que a substituição
prevaleça em relação a todas as outras substituições do mesmo tipo e contexto que não têm Imposto definido.
As substituições aplicáveis a uma classe são aplicadas primeiro, depois as substituições aplicáveis a um grupo e,
por último, as substituições aplicáveis a um objeto específico. O atributo Imposto assegura que a substituição
prevaleça quando duas substituições do mesmo tipo e contexto entram em conflito.
Por exemplo, você tem dois computadores Windows, COMPUTADOR1 e COMPUTADOR2. O
COMPUTADOR1 é membro do GRUPO -A e também membro do GRUPO -B. O COMPUTADOR2 não é
membro de nenhum grupo. O limite padrão de um monitor de CPU é de 80%.
Você aplica uma substituição ao computador Windows que altera o limite do monitor de CPU para 70%. Você
cria outra substituição para esse monitor que se aplica ao GRUPO -A e define o limite como 90%. Nesse ponto, o
limite do COMPUTADOR1 é de 90%, e o do COMPUTADOR2, 70%.
Se você criar uma substituição que se aplica ao GRUPO -B e definir o limite como 95%, o limite resultante do
COMPUTADOR1, que é membro do GRUPO -A e do GRUPO -B, será imprevisível. Entretanto, se você tiver
usado o atributo Imposto na substituição que se aplica ao GRUPO -B, verifique se o limite de 95% se aplica ao
COMPUTADOR1.
Se você criar uma substituição que se aplica ao COMPUTADOR1 e definir o limite como 60%, o limite resultante
do COMPUTADOR1 será de 60%, porque a substituição de objeto prevalece em relação às substituições de
classe e de grupo.

Próximas etapas
Para saber como criar um pacote de gerenciamento gravável personalizado para armazenar suas
substituições, consulte How to Create a Management Pack for Overrides (Como criar um pacote de
gerenciamento para substituições)
Consulte How to Import, Export, and Remove an Operations Manager Management Pack (Como
importar, exportar e remover um pacote de gerenciamento do Operations Manager) para executar tarefas
administrativas comuns com pacotes de gerenciamento em seu grupo de gerenciamento.
Examine Como habilitar tarefas de recuperação e diagnóstico para entender como elas podem ajudar a
investigar e corrigir automaticamente os problemas identificados pelos monitores.
Como importar, exportar e remover um pacote de
gerenciamento do Operations Manager
15/01/2018 • 21 min to read • Edit Online

Há vários pacotes de gerenciamento disponíveis para System Center 2016 – Operations Manager. Um pacote
de gerenciamento deve ser instalado para uso pelo Operations Manager para descobrir e monitorar um ou
mais componentes, dependendo da sua complexidade e da integridade geral dos serviços de TI fornecidos pela
organização. Ao longo do tempo, o conhecimento do que descobrir e monitorar e como monitorar e relatar os
dados operacionais é atualizado em versões mais recentes de um pacote de gerenciamento. Esses pacotes de
gerenciamento devem ser reimportados no grupo de gerenciamento quando atualizados pelo fornecedor ou
internamente, se desenvolvidos pela equipe responsável por ele. Quando o pacote de gerenciamento não precisa
mais monitorar, você pode removê-lo do grupo de gerenciamento.

Importando o pacote de gerenciamento


Você tem várias opções para importar pacotes de gerenciamento:
Importar um pacote de gerenciamento do catálogo da Microsoft usando o Console de Operações.
Importar um pacote de gerenciamento de disco (armazenamento local ou um compartilhamento de
arquivos de rede) usando o Console de Operações.
Baixar um pacote de gerenciamento usando o Console de Operações para importar mais tarde.
Baixar um pacote de gerenciamento usando o navegador da Internet para importar mais tarde.

OBSERVAÇÃO
Usar o serviço de catálogo de pacotes de gerenciamento requer uma conexão com a Internet. Se o computador
executando o Operations Manager não puder ser conectado à Internet, use outro computador para baixar o pacote de
gerenciamento e, em seguida, copie os arquivos para uma pasta compartilhada acessível ao servidor de gerenciamento do
Operations Manager.

A comunidade do Operations Manager mantém uma lista de pacotes de gerenciamento desenvolvidos pela
Microsoft no seguinte site Lista de pacotes de gerenciamento da Microsoft. Você pode obter pacotes de
gerenciamento de terceiros diretamente dessas empresas e importá-los seguindo o procedimento Importar um
pacote de gerenciamento do disco.

OBSERVAÇÃO
A Microsoft não endossa nem dá suporte para produtos de terceiros. Entre em contato com o provedor específico em
caso de dúvidas de suporte.

Você sempre deve examinar o guia do pacote de gerenciamento antes de importá-lo.


Importar um pacote de gerenciamento do catálogo
1. Faça logon no computador com uma conta que seja membro da função Administradores do Operations
Manager.
2. No console de Operações, clique em Administração.
3. Clique com o botão direito do mouse em Pacotes de Gerenciamento e clique em Importar Pacotes
de Gerenciamento.
4. O assistente Importar Pacotes de Gerenciamento abre. Clique em Adicionar e clique em Adicionar
do catálogo.
A caixa de diálogo Selecionar Pacotes de Gerenciamento do Catálogo é aberta. A exibição padrão
lista todos os pacotes de gerenciamento no catálogo. Você pode alterar a exibição para mostrar os
pacotes de gerenciamento a seguir:
As atualizações disponíveis para pacotes de gerenciamento já importados neste computador
Todos os pacotes de gerenciamento que foram lançados nos últimos três meses
Todos os pacotes de gerenciamento que foram lançados nos últimos seis meses
Você também pode usar o campo Localizar para pesquisar um pacote de gerenciamento específico no
catálogo.
5. Na lista de pacotes de gerenciamento, selecione o pacote de gerenciamento que deseja importar, clique
em Selecionar e, em seguida, clique em Adicionar.
Na lista de pacotes de gerenciamento, você pode selecionar um produto ou expandir o nome do produto
para selecionar uma versão específica ou expandir a versão do produto para selecionar um arquivo de
pacote de gerenciamento específico. Por exemplo, você pode selecionar SQL Server para todos os
pacotes de gerenciamento do SQL Server, pode expandir SQL Server e selecionar SQL Server 2014
para todos os pacotes de gerenciamento do SQL Server 2014 ou pode expandir SQL Server 2014 e
selecionar Pacote de Gerenciamento da Biblioteca Principal do SQL Server.

OBSERVAÇÃO
Quando um pacote de gerenciamento estiver rotulado como "(Catálogo Online Apenas)", você não poderá
importar o pacote de gerenciamento diretamente do catálogo. Você deve baixar o .msi e importar do disco.

6. Na página Selecionar Pacotes de Gerenciamento, os pacotes de gerenciamento que você selecionou


para serem importados estão listados. Um ícone ao lado de cada pacote de gerenciamento na lista indica
o status da seleção, como segue:
Uma marca de seleção verde indica que o pacote de gerenciamento pode ser importado. Quando
todos os pacotes de gerenciamento na lista exibirem este ícone, clique em Importar.
Um ícone de informação amarelo indica que o pacote de gerenciamento é dependente de um ou
mais pacotes de gerenciamento que não estão na lista Importar, mas estão disponíveis no
catálogo. Para adicionar as dependências do pacote de gerenciamento à lista Importar, clique em
Resolver na coluna Status. Na caixa de diálogo Aviso de Dependência exibida, clique em
Resolver.
Um ícone de erro vermelho indica que o pacote de gerenciamento é dependente de um ou mais
pacotes de gerenciamento que não estão na lista Importar e não estão disponíveis no catálogo.
Para exibir os pacotes de gerenciamento que estão faltando, clique em Erro na coluna Status. Para
remover o pacote de gerenciamento com o erro da lista Importar, clique com o botão direito do
mouse no pacote de gerenciamento e clique em Remover.
OBSERVAÇÃO
Quando você clica em Importar, os pacotes de gerenciamento na lista Importar que exibem o ícone de
Informação ou de Erro não são importados.

7. A página Importar Pacotes de Gerenciamento é exibida e mostra o andamento para cada pacote de
gerenciamento. Cada pacote de gerenciamento é baixado para um diretório temporário, importado para
o Operations Manager e então excluído do diretório temporário. Se houver um problema em qualquer
estágio do processo de importação, selecione o pacote de gerenciamento na lista para exibir os detalhes
de status. Clique em Fechar.
Importar um pacote de gerenciamento do disco
1. Faça logon no computador com uma conta que seja membro da função Administradores do Operations
Manager.
2. No console de Operações, clique em Administração.
3. Clique com o botão direito do mouse em Pacotes de Gerenciamento e clique em Importar Pacotes
de Gerenciamento.
4. O assistente Importar Pacotes de Gerenciamento abre. Clique em Adicionar e clique em Adicionar
do disco.
5. A caixa de diálogo Selecionar Pacotes de Gerenciamento a serem importados é exibida. Se for
necessário, altere o diretório que armazena seu pacote de gerenciamento. Clique em um ou mais pacotes
de gerenciamento para importar daquele diretório e clique em Abrir.
6. Na página Selecionar Pacotes de Gerenciamento, os pacotes de gerenciamento que você selecionou
para serem importados estão listados. Um ícone ao lado de cada pacote de gerenciamento na lista indica
o status da seleção, como segue:
Uma marca de seleção verde indica que o pacote de gerenciamento pode ser importado. Quando
todos os pacotes de gerenciamento na lista exibirem este ícone, clique em Importar.
Um ícone de erro vermelho indica que o pacote de gerenciamento é dependente de um ou mais
pacotes de gerenciamento que não estão na lista Importar e não estão disponíveis no catálogo.
Para exibir os pacotes de gerenciamento que estão faltando, clique em Erro na coluna Status. Para
remover o pacote de gerenciamento com o erro da lista Importar, clique com o botão direito do
mouse no pacote de gerenciamento e clique em Remover.

OBSERVAÇÃO
Quando você clica em Importar, os pacotes de gerenciamento na lista Importar que exibem o ícone de Erro não
são importados.

7. A página Importar Pacotes de Gerenciamento é exibida e mostra o andamento para cada pacote de
gerenciamento. Cada pacote de gerenciamento é baixado para um diretório temporário, importado para
o Operations Manager e então excluído do diretório temporário. Se houver um problema em qualquer
estágio do processo de importação, selecione o pacote de gerenciamento na lista para exibir os detalhes
de status. Clique em Fechar.
Baixar um pacote de gerenciamento usando o Console de Operações
1. Faça logon no computador com uma conta que seja membro da função Administradores do Operations
Manager.
2. No console de Operações, clique em Administração.
3. Clique com o botão direito do mouse em Pacotes de Gerenciamento e clique em Baixar Pacotes de
Gerenciamento.
4. O assistente Baixar Pacotes de Gerenciamento abre. Clique em Adicionar.
A caixa de diálogo Selecionar Pacotes de Gerenciamento do Catálogo é aberta. A exibição padrão
lista todos os pacotes de gerenciamento no catálogo. Você pode alterar a exibição para mostrar os
pacotes de gerenciamento a seguir:
As atualizações disponíveis para pacotes de gerenciamento já importados neste computador
Todos os pacotes de gerenciamento que foram lançados nos últimos três meses
Todos os pacotes de gerenciamento que foram lançados nos últimos seis meses
Você também pode usar o campo Localizar para pesquisar um pacote de gerenciamento específico no
catálogo.
5. Na lista de pacotes de gerenciamento, selecione o pacote de gerenciamento que deseja importar, clique
em Selecionar e, em seguida, clique em Adicionar.
Na lista de pacotes de gerenciamento, você pode selecionar um produto ou expandir o nome do produto
para selecionar uma versão específica ou expandir a versão do produto para selecionar um arquivo de
pacote de gerenciamento específico. Por exemplo, você pode selecionar SQL Server para todos os
pacotes de gerenciamento do SQL Server, pode expandir SQL Server e selecionar SQL Server 2005
para todos os pacotes de gerenciamento do SQL Server 2005 ou pode expandir SQL Server 2005 e
selecionar Pacote de Gerenciamento da Biblioteca Principal do SQL Server.
6. Os pacotes de gerenciamento selecionados são exibidos na lista Baixar. No campo Baixar pacotes de
gerenciamento para esta pasta, digite o caminho em que os pacotes de gerenciamento devem ser
salvos e, em seguida, clique em Baixar.
7. A página Baixar Pacotes de Gerenciamento é exibida e mostra o andamento de cada pacote de
gerenciamento. Se houver um problema com um download, selecione o pacote de gerenciamento na
lista para exibir os detalhes de status. Clique em Fechar.
Baixar um pacote de gerenciamento usando o navegador da Internet
1. Abra um navegador e vá para a Lista de pacotes de gerenciamento do Microsoft.
2. Navegue pela lista de pacotes de gerenciamento para localizar o pacote de gerenciamento que você
deseja baixar.
3. Clique no nome do pacote de gerenciamento que você deseja baixar.
4. Na página do Centro de Download da Microsoft do pacote de gerenciamento, clique em Baixar.
5. Na caixa de diálogo Download de Arquivo, clique em Executar para baixar e extrair os arquivos do
pacote de gerenciamento. Ou, clique em Salvar para baixar o arquivo .msi sem extrair os arquivos.

OBSERVAÇÃO
Algumas páginas de download do pacote de gerenciamento contêm um link de download para o arquivo .msi do
pacote de gerenciamento e um link de download para o guia do pacote de gerenciamento. Baixe o arquivo .msi e
o guia.
Antes de importar o pacote de gerenciamento no Operations Manager, você deve executar o arquivo .msi para
extrair os arquivos.
Como exportar um pacote de gerenciamento do Operations Manager
A exportação de um pacote de gerenciamento permite que as personalizações em um pacote de gerenciamento
lacrado sejam salvas em um pacote de gerenciamento gravável. Como os pacotes de gerenciamento lacrados
não podem ser alterados, as modificações feitas neles são salvas em um arquivo de pacote de gerenciamento
não lacrado separado. O pacote de gerenciamento sem lacre pode então ser importado para outro grupo de
gerenciamento ou o mesmo grupo de gerenciamento, dependendo da situação. Esse pacote de gerenciamento
sem lacre depende do original lacrado e poderá ser importado apenas para os grupos de gerenciamento que
tiverem o pacote de gerenciamento original lacrado.

OBSERVAÇÃO
Usando o Console de Operações, é possível apenas exportar pacotes de gerenciamento sem lacre. Para exportar um
pacote de gerenciamento lacrado, você deve usar o cmdlet Export-SCOMManagementPack. Confira a Referência de
cmdlet do Operations Manager para obter mais informações.

Para exportar um pacote de gerenciamento sem lacre


1. Faça logon no computador com uma conta que seja membro da função Administradores do Operations
Manager.
2. No console de Operações, clique em Administração.
3. No painel Administração, clique em Pacotes de Gerenciamento para exibir a lista de pacotes de
gerenciamento.
4. No painel Pacotes de Gerenciamento, clique com o botão direito do mouse no pacote de
gerenciamento que você deseja exportar e clique em Exportar Pacote de Gerenciamento.
5. Na caixa de diálogo Procurar Pasta, expanda o caminho para o local para salvar o arquivo e clique em
OK.
O pacote de gerenciamento é salvo como um arquivo de pacote de gerenciamento XML do Operations
Manager e está pronto para ser importado para outro grupo de gerenciamento.

Como remover um pacote de gerenciamento do Operations Manager


Quando você não precisar mais de um pacote de gerenciamento, poderá excluí-lo usando o Console de
Operações. Quando você exclui um pacote de gerenciamento, todas as configurações e limites associados a ele
são removidos do grupo de gerenciamento. Além disso, o arquivo .mp ou .xml desse pacote de gerenciamento é
excluído do disco rígido do servidor de gerenciamento. Você poderá excluir um pacote de gerenciamento
apenas se tiver excluído primeiro os pacotes de gerenciamento dependentes.
Para remover um pacote de gerenciamento
1. Faça logon no computador com uma conta que seja membro da função Administradores do Operations
Manager.
2. No console de Operações, clique em Administração.
3. Em Administração, clique em Pacotes de Gerenciamento.
4. No painel Pacotes de Gerenciamento, clique com o botão direito do mouse no pacote de
gerenciamento que deseja remover e clique em Excluir.
5. Na mensagem que diz que a exclusão do pacote de gerenciamento pode afetar o escopo de algumas
funções de usuário, clique em Sim.
OBSERVAÇÃO
Se outros pacotes de gerenciamento importados dependerem do pacote de gerenciamento que você está tentando
remover, a mensagem de erro Pacotes de Gerenciamento Dependentes será exibida. É necessário remover os pacotes
de gerenciamento dependentes antes de continuar.

Próximas etapas
Para saber como criar um pacote de gerenciamento gravável personalizado para armazenar suas
substituições, consulte How to Create a Management Pack for Overrides (Como criar um pacote de
gerenciamento para substituições)
Se você quiser criar seu próprio conhecimento personalizado para alertas específicos gerados por regras
ou monitores de um pacote de gerenciamento lacrado, examine Como adicionar conhecimento a um
pacote de gerenciamento
Para entender os conceitos básicos do gerenciamento da configuração de monitoramento de um
aplicativo ou serviço definido em um pacote de gerenciamento, consulte Management Pack Lifecycle
(Ciclo de vida do pacote de gerenciamento)
Como criar um pacote de gerenciamento para
substituições
15/01/2018 • 6 min to read • Edit Online

No System Center 2016 – Operations Manager, em vários assistentes e caixas de diálogo, selecione um
pacote de gerenciamento de destino no qual você deseja armazenar as configurações. Você pode selecionar
qualquer arquivo do pacote de gerenciamento sem lacre no seu grupo de gerenciamento ou criar um novo.
Pacotes de gerenciamento podem ser lacrados ou sem lacre. Um pacote de gerenciamento lacrado não pode
ser modificado diretamente. Qualquer alteração no fluxo de trabalho no pacote de gerenciamento lacrado,
como uma substituição de um monitor, deve ser salva em um pacote de gerenciamento sem lacre. O pacote
de gerenciamento sem lacre faz referência ao pacote de gerenciamento lacrado que ele modifica.
A ilustração a seguir mostra os pacotes de gerenciamento sem lacre instalados com o Operations Manager.

Nunca use os pacotes de gerenciamento instalados com o Operations Manager para salvar configurações
que você alterar ou elementos que você criar. Quando precisar selecionar um pacote de gerenciamento de
destino, selecione sempre o pacote de gerenciamento que você cria.
Você seleciona um pacote de gerenciamento de destino quando cria uma substituição ou desabilita uma
regra, monitor ou descoberta de objeto. Você também seleciona um pacote de gerenciamento de destino
quando cria ou configura os seguintes elementos:
Uma pasta no espaço de trabalho de Monitoramento
Um monitor de unidade, agregado ou de dependência
Um atributo
Um grupo
Uma regra
Uma tarefa
Um perfil Executar como
Monitoramento com o uso de um modelo de pacote de gerenciamento
Monitoramento de um aplicativo distribuído
Acompanhamento de objetivos de nível de serviço

Salvando substituições
Como melhor prática, salve todas as substituições de cada pacote de gerenciamento lacrado em um pacote
de gerenciamento não lacrado com o nome ManagementPack_Override, em que ManagementPack é o
nome do pacote de gerenciamento lacrado ao qual as substituições se aplicam. Por exemplo, as substituições
no pacote de gerenciamento Microsoft.SQLServer.2012.Monitoring.mp seriam salvas em
Microsoft.SQLServer.2012.Monitoring_Overrides.xml.
Quando você quiser remover um pacote de gerenciamento lacrado, primeiro deverá remover quaisquer
outros pacotes de gerenciamento que fazem referência a ele. Se os pacotes de gerenciamento sem lacre que
fazem referência ao pacote de gerenciamento lacrado também contiverem substituições ou elementos que se
apliquem a um pacote de gerenciamento lacrado diferente, você perderá as substituições e os elementos,
quando remover o pacote de gerenciamento sem lacre.
Na imagem a seguir, as substituições para os pacotes de gerenciamento 1, 2 e 3 são todas salvas em um
único pacote de gerenciamento não lacrado. Se você desejar remover o pacote de gerenciamento 1, primeiro
deverá remover o pacote de gerenciamento sem lacre. Como você pode ver, você também deverá remover
todas as substituições para pacotes de gerenciamento 2 e 3.

O método recomendado é criar um pacote de gerenciamento não lacrado para cada pacote de
gerenciamento lacrado que você deseja substituir, como mostra a imagem a seguir. Remover o pacote de
gerenciamento 1 e o seu pacote de gerenciamento sem lacre não afeta os outros pacotes de gerenciamento.
Como criar um pacote de gerenciamento para substituições
Você pode criar um pacote de gerenciamento para substituições antes de configurar uma substituição ou
como parte do procedimento de substituição.
Para criar um pacote de gerenciamento
No espaço de trabalho Administração, no painel de navegação, clique com o botão direito do mouse
e clique em Criar Pacote de Gerenciamento.
-ou-
Na caixa de diálogo Propriedades da Substituição de uma regra ou monitor, na seção Selecione o
pacote de gerenciamento de destino , clique em Novo.

Próximas etapas
Para entender o que é um pacote de gerenciamento do Operations Manager e como ele ajuda
proativamente a monitorar seus serviços e aplicativos, consulte O que é um Pacote de Gerenciamento
do Operations Manager?
Consulte How to Import, Export, and Remove an Operations Manager Management Pack (Como
importar, exportar e remover um pacote de gerenciamento do Operations Manager) para executar
tarefas administrativas comuns com pacotes de gerenciamento em seu grupo de gerenciamento.
Se você quiser criar seu próprio conhecimento personalizado para alertas específicos gerados por
regras ou monitores de um pacote de gerenciamento lacrado, examine Como adicionar conhecimento
a um pacote de gerenciamento
Como substituir uma regra ou monitor
15/01/2018 • 5 min to read • Edit Online

As substituições alteram a definição de configurações de monitoramento do System Center 2016 – Operations


Manager para monitores, atributos, descobertas de objeto e regras. Ao criar uma substituição, é possível aplicá-
la a um único objeto gerenciado ou a um grupo de objetos gerenciados. Você deve ter direitos de usuário de
Operador Avançado para criar e editar substituições.
O uso de substituições é a chave para controlar a quantidade de dados coletados pelo Operations Manager. Ao
criar um monitor, regra ou atributo você o atribui a um tipo de objeto, porém muitas vezes os tipos de objetos
disponíveis são amplos em escopo. É possível usar grupos e substituições em conjunto para limitar o foco do
monitor, regra, atributo ou descoberta de objeto. Também é possível substituir monitores, regras, atributos ou
descobertas de objeto existentes que são de pacotes de gerenciamento.
As substituições aplicáveis a uma classe são aplicadas primeiro, depois as substituições aplicáveis a um grupo e,
por último, as substituições aplicáveis a um objeto específico. Para obter mais informações, consulte Using
Classes and Groups for Overrides (Usando classes e grupos para substituições).
O procedimento a seguir substitui um monitor, mas você também pode seguir estas etapas para substituir uma
regra, atributo ou descoberta de objeto. Você deve ter direitos de usuário de Administrador ou Operador
Avançado para criar uma substituição.

Para substituir um monitor


1. Faça logon no computador com uma conta que seja membro da função Operador Avançado do
Operations Manager.
2. No console de Operações, clique em Criação.
3. No espaço de trabalho Criação, expanda Objetos de Pacotes de Gerenciamento e clique em
Monitores.
4. No painel Monitores, expanda um tipo de objeto completamente e clique em um monitor.
5. Na barra de ferramentas do console de Operações, clique em Substituições e aponte para Substituir o
Monitor. Você pode optar por substituir o monitor de objetos de um tipo específico ou de todos os
objetos de um grupo. Depois que você escolher qual grupo de tipos de objeto substituir, a caixa de diálogo
Propriedades da Substituição será aberta, permitindo a exibição das configurações padrão contidas
neste monitor. Em seguida, você poderá optar por substituir cada configuração individual contida no
monitor.

OBSERVAÇÃO
Se o botão Substituições não estiver disponível, verifique se você selecionou um monitor e não um objeto
contêiner no painel Monitores.

6. Clique para posicionar uma marca de seleção na coluna Substituir ao lado de cada parâmetro a ser
substituído. O Valor de Substituição agora pode ser editado. Altere o valor em Valor de Substituição
para o valor que você deseja que o parâmetro use.
7. Selecione um pacote de gerenciamento da lista Selecionar o pacote de gerenciamento de destino ou
crie um novo pacote de gerenciamento sem lacre clicando em Novo. Para obter mais informações sobre
como selecionar um pacote de gerenciamento de destino, confira Criando um pacote de gerenciamento
para substituições.
8. Quando concluir as alterações, clique em OK.

Próximas etapas
Para entender as diferenças entre classes e grupos no Operations Manager e como os fluxos de trabalho
se aplicam a cada um, examine Usando classes e grupos de substituições no Operations Manager.
Para entender os conceitos básicos do gerenciamento da configuração de monitoramento de um
aplicativo ou serviço definido em um pacote de gerenciamento, confira Ciclo de vida do pacote de
gerenciamento.
Como habilitar ou desabilitar uma regra ou um
monitor
15/01/2018 • 4 min to read • Edit Online

No System Center 2016 – Operations Manager, se as configurações padrão de um pacote de gerenciamento


contiverem um monitor ou regra desnecessários em seu ambiente, você poderá usar substituições para desabilitar
esse monitor ou regra. Além disso, alguns pacotes de gerenciamento fornecidos com algumas regras ou monitores
desabilitados. Você deve ler o guia do pacote de gerenciamento para identificar os fluxos de trabalho que estão
desabilitados por padrão e determinar se deve habilitar algum deles para suas necessidades de monitoramento.
Por exemplo, os pacotes de gerenciamento para o monitoramento de rede contêm regras e monitores específicos
ao fornecedor. Muitas regras e monitores específicos ao fornecedor no pacote de gerenciamento de rede estão
desabilitados para evitar o impacto no desempenho. Você deve identificar os dispositivos usados no seu ambiente e
usar substituições para habilitar as regras e monitores específicos para seus dispositivos.

Para habilitar ou desabilitar um monitor ou regra usando substituições


1. Faça logon no computador com uma conta que seja membro da função Operador Avançado do Operations
Manager.
2. No console de Operações, clique em Criação.
3. No espaço de trabalho Criação, clique em Monitores (ou em Regras, caso deseje desabilitar uma regra).
4. Na seção Monitores ou Regras, clique no monitor ou regra que deseja desabilitar.
5. Na barra de ferramentas do console de Operações, clique em Substituições e, depois, aponte para
Substituir o Monitor (ou Regra). Você pode optar por substituir esse monitor ou regra de objetos de um
tipo específico ou de todos os objetos de um grupo. Depois que você escolher qual grupo de tipos de objeto
substituir, a caixa de diálogo Propriedades da Substituição será aberta, permitindo a exibição das
configurações padrão contidas neste monitor ou regra. Para obter mais informações sobre como aplicar
uma substituição, consulte Using Classes and Groups for Overrides (Usando classes e grupos para
substituições).
6. Na caixa de diálogo Propriedades da Substituição, clique para marcar a caixa de seleção Substituir
correspondente ao parâmetro Habilitado.

OBSERVAÇÃO
Se você selecionar Desabilitar em vez de Substituir, a caixa de diálogo Propriedades da Substituição será aberta
com a caixa de seleção Substituição selecionada e o valor Habilitado definido como Falso.

7. Na coluna Substituir Definição, clique em Verdadeiro para habilitar a regra ou monitor ou Falso para
desabilitar a regra ou monitor.
8. Na lista Selecione o pacote de gerenciamento de destino, clique no pacote de gerenciamento
apropriado no qual armazenar a substituição ou crie um novo pacote de gerenciamento sem lacre clicando
em Novo. Para obter mais informações sobre como selecionar um pacote de gerenciamento de destino,
confira Criando um pacote de gerenciamento para substituições.
9. Quando concluir as alterações, clique em OK.
Próximas etapas
Para entender as diferenças entre classes e grupos no Operations Manager e como os fluxos de trabalho se
aplicam a cada um, examine Usando classes e grupos de substituições no Operations Manager.
Antes de alterar as configurações de monitoramento definidas em um pacote de gerenciamento do
Operations Manager, examine Como substituir uma regra ou monitor para entender como configurar a
alteração.
Examine Como habilitar tarefas de recuperação e diagnóstico para entender como elas podem ajudar a
investigar e corrigir automaticamente os problemas identificados pelos monitores.
Como adicionar conhecimento a um pacote de
gerenciamento
15/01/2018 • 5 min to read • Edit Online

Os pacotes de gerenciamento do System Center 2016 – Operations Manager incluem o conhecimento para
regras, monitores e alertas que ajudam a identificam problemas, causas e resoluções.
Conhecimento é conhecido como conhecimento do produto ou conhecimento da empresa. O conhecimento do
produto é incorporado em uma regra ou monitor quando ele é criado. O conhecimento da empresa é adicionado
por administradores do grupo de gerenciamento para expandir as informações de solução de problemas e
fornecer informações específicas- da empresa à operadores. Os administradores podem usar o conhecimento da
empresa para documentar substituições implementadas para um monitor ou uma regra juntamente com a
explicação para a personalização e quaisquer outras informações que possam ser úteis.
O Operations Manager armazena o conhecimento da empresa em um pacote de gerenciamento. Pacotes de
gerenciamento lacrados não podem ser modificados. Portanto, o Operations Manager salva personalizações
como o conhecimento da empresa em um pacote de gerenciamento personalizado. Por padrão, o Operations
Manager salva todas as personalizações no Pacote de Gerenciamento Padrão. A melhor prática é criar um pacote
de gerenciamento separado para cada pacote de gerenciamento lacrado a ser personalizado.

DICA
Para evitar perder seu conhecimento da empresa, certifique-se de fazer backup dos pacotes de gerenciamento como parte
da sua rotina geral de backup.

Para adicionar ou editar o conhecimento da empresa, o computador deve atender aos seguintes requisitos de
software:
O console de Operações deve ser instalado em um computador de 32 bits-. Adicionar e editar o
conhecimento da empresa deve ser feito neste computador.
Microsoft Office Word 2007 ou Office Word 2010 Professional edition (A Standard Edition não tem
suporte)

OBSERVAÇÃO
Há suporte somente para a versão de 32 bits- do Word 2010. O modelo de conhecimento não funcionará com a
versão de 64 bits- do Word 2010.

Microsoft Visual Studio 2005 Tools para Office Second Edition Runtime. Você deve usar esta versão do
Visual Studio 2005 Tools para Office.
Para adicionar ou editar o conhecimento da empresa, você deve ter a função de usuário Autor ou Administrador.

Para editar o conhecimento da empresa


1. Faça logon no computador com uma conta que seja membro da função de usuário Autor ou
Administrador do Operations Manager.
2. Clique em Criação.
3. Localize o monitor ou regra a ser documentada.
4. Clique em Propriedades em Ações ou clique com o botão direito do mouse no nome do monitor e
selecione Propriedades no menu de atalho.
5. Clique na guia Conhecimento da Empresa.
6. Na seção Pacote de gerenciamento, selecione um pacote de gerenciamento para salvar o conhecimento
da empresa.
7. Clique em Editar para iniciar o Microsoft Office Word.
8. Adicione ou edite o texto conforme desejado.
A guia de conhecimento da empresa exibe somente as seções do documento Word com texto
personalizado.
9. No menu Arquivo, clique em Salvar para salvar as alterações.

IMPORTANTE
Não feche o Word.

10. Retorne à guia de conhecimento da empresa e clique em Salvar e, em seguida, clique em Fechar. Isso
fechará a caixa de diálogo de propriedades e o Word.

Próximas etapas
Consulte How to Import, Export, and Remove an Operations Manager Management Pack (Como
importar, exportar e remover um pacote de gerenciamento do Operations Manager) para executar tarefas
administrativas comuns com pacotes de gerenciamento em seu grupo de gerenciamento.
Para saber como criar um pacote de gerenciamento gravável personalizado para armazenar suas
substituições, consulte How to Create a Management Pack for Overrides (Como criar um pacote de
gerenciamento para substituições)
Antes de alterar as configurações de monitoramento definidas em um pacote de gerenciamento do
Operations Manager, examine Como substituir uma regra ou monitor para entender como configurar a
alteração.
Avaliação do pacote de gerenciamento
20/02/2018 • 18 min to read • Edit Online

O Operations Manager inclui um novo recurso chamado Atualizações e Recomendações para ajudá-lo
proativamente a identificar novas tecnologias ou componentes (ou seja, as cargas de trabalho) implantados na sua
infraestrutura de TI que não foram monitorados pelo Operations Manager ou não são monitorados por meio da
versão mais recente de um pacote de gerenciamento.
Se houver pacotes de gerenciamento no catálogo que foram criados para monitorar essas cargas de trabalho, eles
serão exibidos na tela Atualizações e Recomendações. Você também encontrará uma lista de todas as atualizações
que estão disponíveis para os pacotes de gerenciamento que estão instalados no grupo de gerenciamento.
Quando uma nova carga de trabalho for implantada na sua infraestrutura de TI que nunca foi monitorada pelo
Operations Manager, ela será detectada e realçada no nó Atualizações e Recomendações. Os pacotes de
gerenciamento necessários para monitorar essa carga de trabalho serão apresentados com um status de Não
Instalado. Se os arquivos do pacote de gerenciamento necessários para uma determinada carga de trabalho não
estiverem instalados, por exemplo, o arquivo de pacote de gerenciamento de biblioteca está instalado, mas não os
arquivos do pacote de gerenciamento de descoberta e monitoramento correspondentes, o recurso Atualizações e
Recomendações listará essa carga de trabalho com o status Parcialmente Instalado.
Esse recurso inclui as seguintes funcionalidades:

OPÇÃO DESCRIÇÃO

Obter MP Instala os pacotes de gerenciamento para a carga de trabalho


selecionada

Obter todos os MPs Instala os pacotes de gerenciamento para todas as cargas de


trabalho exibidas

Exibir guia Baixa o guia do pacote de gerenciamento do navegador da


Web, para a carga de trabalho selecionada, para seu
computador

Exibir página DLC Abre a página no Centro de Download da Microsoft pelo


navegador da Web para baixar o arquivo de pacote de
gerenciamento

Mais informações Realça todos os sistemas gerenciados por agente afetados e


os detalhes do pacote de gerenciamento de carga de trabalho
selecionada (dependendo do status da carga de trabalho)

OBSERVAÇÃO
Para usar as opções realçadas na tabela acima, o computador executando o Console de Operações requer uma conexão com
a Internet.
OBSERVAÇÃO
A configuração da frequência e controle da descoberta de cargas de trabalho não pode ser realizada diretamente do Console
de Operações. Se desejar modificar essas configurações desse recurso, você poderá baixar um script do PowerShell do
Microsoft Script Center.

Importando um pacote de gerenciamento usando Obter MP


O procedimento a seguir descreve como usar a opção Obter MP para baixar um pacote de gerenciamento para
uma carga de trabalho selecionada.
1. Faça logon no computador com uma conta que seja membro da função Administradores do Operations
Manager.
2. No console de Operações, clique em Administração.
3. Clique em Atualizações e Recomendações em Pacotes de Gerenciamento.

OBSERVAÇÃO
Ao acessar a exibição de Atualizações e Recomendações, você pode receber a seguinte mensagem: "Ocorreu um erro
ao exibir as Atualizações e Recomendações. Isso pode ter ocorrido porque a consulta ao banco de dados encontrou
um problema ou porque o catálogo online está inoperante". Isso pode ser causado por haver um pacote de
gerenciamento duplicado com o mesmo nome. Para ajudar a solucionar o problema, execute o seguinte comando no
Shell do Operations Manager e examine o arquivo de saída para identificar o pacote de gerenciamento duplicado:
Get-SCManagementPack | Sort -property Name | Format-Table Name,Version,Sealed -AutoSize | Out-File
"c:\temp\mplist_name.txt"

4. Se um pacote de gerenciamento for recomendado para uma atualização ou uma nova instalação, selecione-
o e clique em Obter MP no painel Ações.
5. A janela Conectando-se ao Serviço Web de Catálogo de Pacotes de Gerenciamento é exibida e após
se conectar e realizar a sincronização com êxito, o assistente Importar Pacotes de Gerenciamento é
aberto.
6. Na página Selecionar Pacotes de Gerenciamento, na lista de pacotes de gerenciamento estarão os
pacotes de gerenciamento identificados na coluna Tipo de Importação com o valor de Não instalado se
estiverem ausentes, mas forem aplicáveis, ou Atualização disponível se o arquivo do pacote de
gerenciamento não for a versão mais recente.
O idioma do pacote de gerenciamento corresponde ao idioma padrão dos arquivos do pacote de
gerenciamento atualmente instalados. Você pode optar por importar em outro idioma clicando na opção
Idiomas e, na caixa de diálogo Selecionar Idiomas, selecionar o idioma apropriado e clicar em OK. A
página Selecionar Pacotes de Gerenciamento atualizará a lista de arquivos de pacote de gerenciamento
que incluem os idiomas selecionados.
7. Na página Selecionar Pacotes de Gerenciamento, os pacotes de gerenciamento que você selecionou
para serem importados estão listados. Um ícone ao lado de cada pacote de gerenciamento na lista indica o
status da seleção, como segue:
Uma marca de seleção verde indica que o pacote de gerenciamento pode ser importado. Quando todos
os pacotes de gerenciamento na lista exibirem este ícone, clique em Instalar.
Um ícone de informação amarelo indica que o pacote de gerenciamento é dependente de um ou mais
pacotes de gerenciamento que não estão na lista Importar, mas estão disponíveis no catálogo. Para
adicionar as dependências do pacote de gerenciamento à lista Importar, clique em Resolver na coluna
Status. Quando a caixa de diálogo Aviso de Dependência aparecer, clique em Resolver.
Um ícone de erro vermelho indica que o pacote de gerenciamento é dependente de um ou mais
pacotes de gerenciamento que não estão na lista Importar e não estão disponíveis no catálogo. Para
exibir os pacotes de gerenciamento que estão faltando, clique em Erro na coluna Status. Para
remover o pacote de gerenciamento com o erro da lista Importar, clique com o botão direito do
mouse no pacote de gerenciamento e clique em Remover.

OBSERVAÇÃO
Ao clicar em Instalar, os pacotes de gerenciamento na lista Instalar que exibem o ícone Informação ou Erro
não são importados.

8. A página Importar Pacotes de Gerenciamento é exibida e mostra o andamento para cada pacote de
gerenciamento. Cada pacote de gerenciamento é baixado para um diretório temporário, importado para o
Operations Manager e então excluído do diretório temporário. Se houver um problema em qualquer
estágio do processo de importação, selecione o pacote de gerenciamento na lista para exibir os detalhes de
status. Clique em Fechar.

Importando um pacote de gerenciamento usando Obter Todos os MPs


O procedimento a seguir descreve como usar a opção Obter Todos os MP para baixar um pacote de
gerenciamento para uma carga de trabalho selecionada.
1. Faça logon no computador com uma conta que seja membro da função Administradores do Operations
Manager.
2. No console de Operações, clique em Administração.
3. Clique em Atualizações e Recomendações em Pacotes de Gerenciamento.
4. Se houver vários pacotes de gerenciamento recomendados para uma atualização ou uma nova instalação,
você poderá baixar e importar todos eles clicando em Obter Todos os MPs no painel Ações.
5. A janela Conectando-se ao Serviço Web de Catálogo de Pacotes de Gerenciamento é exibida e após
se conectar e realizar a sincronização com êxito, o assistente Importar Pacotes de Gerenciamento é
aberto.
6. Na página Selecionar Pacotes de Gerenciamento, na lista de pacotes de gerenciamento estarão os
pacotes de gerenciamento identificados na coluna Tipo de Importação com o valor de Não instalado se
estiverem ausentes, mas forem aplicáveis, ou Atualização disponível se o arquivo do pacote de
gerenciamento não for a versão mais recente.
7. Na página Selecionar Pacotes de Gerenciamento, os pacotes de gerenciamento que você selecionou
para serem importados estão listados. Um ícone ao lado de cada pacote de gerenciamento na lista indica o
status da seleção, como segue:
Uma marca de seleção verde indica que o pacote de gerenciamento pode ser importado. Quando todos
os pacotes de gerenciamento na lista exibirem este ícone, clique em Instalar.
Um ícone de informação amarelo indica que o pacote de gerenciamento é dependente de um ou mais
pacotes de gerenciamento que não estão na lista Importar, mas estão disponíveis no catálogo. Para
adicionar as dependências do pacote de gerenciamento à lista Importar, clique em Resolver na coluna
Status. Quando a caixa de diálogo Aviso de Dependência aparecer, clique em Resolver.
Um ícone de erro vermelho indica que o pacote de gerenciamento é dependente de um ou mais
pacotes de gerenciamento que não estão na lista Importar e não estão disponíveis no catálogo. Para
exibir os pacotes de gerenciamento que estão faltando, clique em Erro na coluna Status. Para
remover o pacote de gerenciamento com o erro da lista Importar, clique com o botão direito do
mouse no pacote de gerenciamento e clique em Remover.

OBSERVAÇÃO
Ao clicar em Instalar, os pacotes de gerenciamento na lista Instalar que exibem o ícone Informação ou Erro
não são importados.

8. A página Importar Pacotes de Gerenciamento é exibida e mostra o andamento para cada pacote de
gerenciamento. Cada pacote de gerenciamento é baixado para um diretório temporário, importado para o
Operations Manager e então excluído do diretório temporário. Se houver um problema em qualquer
estágio do processo de importação, selecione o pacote de gerenciamento na lista para exibir os detalhes de
status. Clique em Fechar.

Cargas de trabalho com suporte


A lista a seguir inclui as cargas de trabalho que têm suporte por esse recurso.
BizTalk 2006
BizTalk 2009
BizTalk 2010
BizTalk Server 2013
BizTalk Server 2013R2
Branch Cache 2016
CRM 2011
CRM 2013
CRM 2015
Defender Technical Preview
Coordenador de Transações Distribuídas 2012 R2
Coordenador de Transações Distribuídas 2016
Dynamics AX 2009
Dynamics AX 2012
Dynamics AX Retail 2012 R3
Essentials Technical Preview
Exchange Server 2013
Host Integration Server 2010
Host Integration Server 2013
NAV 2013
NAV 2013 R2
Office SharePoint Foundation 2010
Produtos do SharePoint 2010
Sharepoint Foundation Server 2013
Sharepoint Server 2013
SMA 2012 R2
SPF 2012 R2
SQL Server 2005
SQL Server 2008
SQL Server 2012
SQL Server 2012 Analysis Services
SQL Server 2012 Replication
SQL Server 2012 Reporting Services (Modo Nativo)
SQL Server 2014
SQL Server 2014 Analysis Services
SQL Server 2014 Replication
SQL Server 2014 Reporting Services (Modo Nativo)
SQL Server 2016
SQL Server 2016 Analysis Services
SQL Server 2016 Replication
SQL Server 2016 Reporting Services (Modo Nativo)
System Center 2012 App Controller
System Center 2012 Configuration Manager
System Center 2012 Orchestrator
Backup do Windows Server
Windows Service Manager 2012
Windows TFS 2013
Windows Server 2016
Serviço de Certificados do Active Directory
Serviços de Domínio do Active Directory
Serviço de Federação do Active Directory
Serviço de Gerenciamento de Direitos do Active Directory
Servidor DHCP
Servidor DNS
Clustering do Failover
Serviços de Arquivo
IIS
Balanceamento de Carga de Rede
Servidor de Impressão
Windows Server 2012 R2
Serviços de Certificados do Active Directory
Serviços de Domínio do Active Directory
Serviços de Federação do Active Directory
Active Directory Lightweight Directory Services
Serviços de Gerenciamento de Direitos do Active Directory
Branch Cache
Cluster
DHCP
DNS
Essentials
Serviços de Arquivo
Hyper-V
NLB
Serviços de Impressão
Enfileiramento
Acesso remoto
Serviço de Área de Trabalho Remota
Proxy de aplicativo Web
Serviços de Implantação do Windows
Windows Update Services
Windows Server 2012
Serviços de Certificados do Active Directory
Serviços de Domínio do Active Directory
Serviços de Federação do Active Directory
Serviços de Gerenciamento de Direitos do AD
Branch Cache
Cluster
DHCP
DNS
Serviços de Arquivo
Hyper-V
IIS
Enfileiramento de Mensagens
Balanceamento de Carga de Rede
Serviços de Impressão
Acesso Remoto
Serviços de área de trabalho remota
Serviços de Implantação do Windows
Backup do Windows Server
Windows Update Services
Versão do Windows Server 2008 R2
Serviços de Certificados do Active Directory
Serviços de Domínio do Active Directory
Serviços de Federação do Active Directory
Active Directory Lightweight Directory Services
Serviços de Gerenciamento de Direitos do Active Directory
Branch Cache
DHCP
DNS
Serviços de Arquivo
Hyper-V
IIS 2008 R2
Enfileiramento de Mensagens
Balanceamento de Carga de Rede
Serviços de Impressão
Serviço de Área de Trabalho Remota
Serviços Remotos de Roteamento

Próximas etapas
Para entender como abordar para gerenciar o ciclo de vida dos pacotes de gerenciamento implantados no
grupo de gerenciamento, consulte Management pack lifecycle (Ciclo de vida do pacote de gerenciamento).
Examine o artigo Biblioteca de relatórios do Operations Manager para entender quais relatórios estão
disponíveis para ajudá-lo a explorar as informações de configuração e dados operacionais no grupo de
gerenciamento e siga o artigo Como criar relatórios no Operations Manager para criar relatórios para suas
necessidades operacionais.
Usando os consoles do Operations Manager
15/01/2018 • 1 min to read • Edit Online

O System Center – Operations Manager inclui dois consoles, o Console de Operações e o Console Web. A seção
Comparando o Console de Operações e o Console Web fornece informações sobre a diferença entre eles, como
configurá-los após a instalação e como usar os consoles para exibir os dados operacionais relatados pelos
serviços monitorados na empresa.
Saiba Como se conectar ao Console Web e ao Console de Operações para acessar e interagir com os
dados operacionais ou executar tarefas administrativas.
O Gerenciador de Integridade proporciona a capacidade de exibir e executar ações sobre alertas, alterações
de estado e outros problemas importantes gerados por objetos de monitoramento na empresa. Para saber
como usar esse recurso, consulte Usando o Gerenciador de Integridade.
No Console de Operações e Console Web, saiba como Usar o Meu Espaço de Trabalho para personalizar
modos de exibição e painéis para as suas necessidades específicas.
Saiba quais ações você pode executar no Espaço de Trabalho de Monitoramento, no Espaço de Trabalho de
Criação, no Espaço de Trabalho de Administração e no Espaço de Trabalho de Relatório.
Confira os artigos Localizando dados e objetos nos consoles do Operations Manager e Usando a pesquisa
avançada para entender esses processos e ajudá-lo a localizar rapidamente os dados necessários.
Comparando o Console de Operações e o Console
Web
20/02/2018 • 4 min to read • Edit Online

O System Center Operations Manager inclui dois consoles, o console de Operações e o console Web. O Console
de Operações é a principal ferramenta usada para gerenciar sua implantação do Operations Manager. No Console
de Operações, você exibe e interage com alertas e dados de monitoramento, gerencia e edita a configuração de
monitoramento, gera e exibe relatórios, administra configurações de grupo de gerenciamento e cria o seu espaço
de trabalho, personalizado para suas necessidades.
O console Web é uma interface do usuário baseada na Web, que fornece acesso a todos os dados de
monitoramento e tarefas que são ações que podem ser executadas em computadores monitorados no console de
Operações. No entanto, ele não tem a funcionalidade completa do console de Operações e fornece acesso apenas
às exibições de Monitoramento e Meu espaço de trabalho.
Os consoles compartilham um layout semelhante:

Cada botão de navegação abre um espaço de trabalho específico, como Monitoramento ou Administração. No
Console de Operações, os seguintes botões de navegação podem estar disponíveis, conforme a função de usuário
atribuída a você:

No console Web, apenas Monitoramento e Meu Espaço de Trabalho estão disponíveis:


DICA
No Console de Operações, você pode alterar os botões de navegação para ícones pequenos e aumentar o espaço disponível
no painel de navegação clicando na borda superior dos botões de navegação e arrastando-os para baixo. Você também
pode ocultar e revelar os painéis de navegação e tarefas.

Existem algumas diferenças entre o Console de Operações e o console Web que você deve estar atento:
Há pequenas diferenças na classificação. Por exemplo, no Console Web, quando você classifica alertas,
somente os alertas visíveis na página são classificados, em vez de todos os alertas.
O console Web exibe menos alertas por página.
No console Web, você não pode executar tarefas que exijam acesso elevado.
Você não pode acessar os modos de exibição de eventos.
Os alertas informativos não são apresentados em uma exibição de alertas.
Você não tem as opções de mostrar, ocultar, personalizar ou criar modos de exibição no console Web,
embora ele permita criar um modo de exibição de painel em Meu Espaço de Trabalho.
O console Web não oferece opções de assinatura.
Não há suporte para exibições de painel do Silverlight. Para compatibilidade com versões anteriores, acesse
painéis habilitados para Silverlight usando a seguinte URL no Internet Explorer:
http://<servername>/dashboard .

Próximas etapas
Saiba Como se conectar ao Console Web e ao Console de Operações para acessar e interagir com os
dados operacionais ou executar tarefas administrativas.
Saiba quais ações você pode executar no Espaço de Trabalho de Monitoramento, no Espaço de Trabalho de
Criação, no Espaço de Trabalho de Administração e no Espaço de Trabalho de Relatório.
Como conectar-se ao Console de Operações e ao
Console Web
12/04/2018 • 6 min to read • Edit Online

O System Center Operations Manager inclui dois consoles, o console de Operações e o console Web. Para exibir
dados operacionais e administrar a configuração do grupo de gerenciamento, você deve usar o Console de
Operações. O Console Web fornece uma interface leve com funcionalidade essencial para exibir os dados de
monitoramento, o que evita a necessidade de gerenciar a implantação do ciclo de vida do Console de Operações.
Nesta seção fornecemos informações sobre como conectar-se ao Console de Operações e ao Console Web.

Como conectar-se ao Console de Operações


O Console de Operações do System Center Operations Manager pode ser instalado em qualquer computador
que atenda aos requisitos do sistema. Quando você abre o Console de Operações em um servidor de
gerenciamento, o console se conecta a esse servidor de gerenciamento, no entanto, você pode usar o
procedimento a seguir para se conectar a um servidor de gerenciamento diferente. Quando você abre
inicialmente o Console de Operações em um computador que não seja um servidor de gerenciamento, é
necessário especificar o servidor de gerenciamento ao qual o console deverá conectar-se. A imagem a seguir
mostra a caixa de diálogo Conectar ao servidor.

Para conectar um Console de Operações a um servidor de gerenciamento


1. Clique em Iniciar, para o System Center 2016 – Operations Manager selecione Microsoft System Center
2016\Console de Operações ou, na versão 1801, selecione Microsoft System Center\Console de
Operações para abrir o Console de Operações.
2. Na caixa de diálogo Conectar ao Servidor, digite o nome do servidor ou selecione um servidor na lista.
(Na imagem acima, o console ainda não está conectado a nenhum grupo de gerenciamento. Se o console
tiver se conectado anteriormente a algum servidor de gerenciamento, ele será listado em Conexões
Recentes.)
O Console de Operações abre com o foco no espaço de trabalho de Monitoramento.
Para alterar o servidor de gerenciamento ao qual o Console de Operações está conectado
1. No Console de Operações, clique em Ferramentas e, em seguida, clique em Conectar…, conforme
mostrado na imagem a seguir, o que abrirá a janela Conectar ao Servidor.
Como se conectar ao Console Web
No System Center Operations Manager, o Console Web fornece uma interface de monitoramento para um grupo
de gerenciamento que pode ser aberto em qualquer computador que tenha conectividade com o servidor do
Console Web. O console Web é limitado ao Meu Espaço de Trabalho e ao espaço de trabalho de Monitoramento.

OBSERVAÇÃO
Você deve usar o Internet Explorer 11 para se conectar ao Console Web no System Center 2016 – Operations Manager e na
versão 1801 para acessar os painéis habilitados para Silverlight. Além disso, o console Web do Operations Manager requer
que o JavaScript esteja habilitado e versão 5 do Silverlight esteja instalada no computador cliente. Para habilitar o JavaScript
no Internet Explorer, abra Opções da Internet e clique na guia Segurança. Selecione a zona para o console Web (Internet,
Intranet local ou Sites confiáveis) e, em seguida, clique em Nível personalizado. Habilite Script ativo, clique em OK, clique
em OK e, em seguida, conecte-se ao Console Web. O Console Web não dá suporte à execução do IE no Modo de Exibição
de Compatibilidade; portanto, você verá uma página em branco ao tentar acessar o console. Para desativar o recurso Modo
de Exibição de Compatibilidade, confira Como usar o Modo de Exibição de Compatibilidade no Internet Explorer

Por padrão, a sessão do console Web é limitada a 30 minutos. Você pode alterar esse limite editando o arquivo
web.config (C:\Program Files\Microsoft System Center 2016\Operations Manager\WebConsole\WebHost é o
caminho padrão) e alterando o valor de autoSignOutInterval de “30” para um intervalo maior ou menor ou
desabilitar o limite da sessão alterando o valor para “0”, conforme mostrado no exemplo a seguir.

<connection autoSignIn="true" autoSignOutInterval="0">

OBSERVAÇÃO
Depois de alterar o arquivo web.config, você deve abrir uma nova sessão do Console Web para que as alterações entrem em
vigor.

Para se conectar a um Console Web


Abra um navegador da Web em qualquer computador e insira http://<web host>/OperationsManager , em que
host Web é o nome do computador que hospeda o console Web.
Para obter informações sobre como instalar o Console Web, consulte Instalar o Console Web do Operations
Manager.

Próximas etapas
No Console de Operações, você exibe dados de monitoramento, gerencia a configuração de monitoramento,
cria seus próprios modos de exibição e painéis que são personalizados para a sua experiência e executa a
administração da configuração do grupo de gerenciamento através da Utilização do Console de Operações do
Operations Manager.
Otimização de atualização do console de Operações
20/02/2018 • 2 min to read • Edit Online

No Operations Manager 1801, foram implementadas melhorias de desempenho no console de Operações durante
a importação ou exclusão de um novo pacote de gerenciamento, ou quando uma alteração de configuração em um
pacote de gerenciamento é salva, que anteriormente impedia a resposta do console durante a execução dessas
operações.
Em uma nova instalação ou atualização do console de Operações, esse recurso está habilitado por padrão. Para
fornecer compatibilidade com versões anteriores para qualquer aplicativo que não seja o console de Operações,
esse recurso está desabilitado por padrão.

Como configurar esse recurso


Para modificar esse comportamento para o console de Operações, a seguinte chave do Registro habilita ou
desabilita esse recurso: HKLM\Software\Microsoft\System Center Operations Manager\12\Setup\Console
“IsCacheUnlockedRefresh
A definição do valor como True habilita o recurso e a definição dele como False desabilita o recurso.

OBSERVAÇÃO
Para aplicativos que se integram ao Operations Manager que exigem o console de Operações, a desabilitação desse recurso
também afetará o aplicativo instalado no sistema.

Suporte a aplicativos
A nova lógica de atualização se aplica somente ao aplicativo se ele a habilitou de forma explícita usando um novo
parâmetro que precisa ser passado durante uma conexão de EnterpriseManagementGroup . Como esse é um novo
parâmetro, os aplicativos existentes não serão afetados e continuarão funcionando corretamente.
Para habilitar esse recurso em um aplicativo que interopera com o Operations Manager fora do console de
Operações, um novo modo ConnectionSetting precisa ser adicionado:
EnterpriseManagementConnectionSettings.CacheRefreshMode = CacheRefreshMode.Unlocked .
Usando o Gerenciador de Integridade no Operations
Manager
27/02/2018 • 3 min to read • Edit Online

No System Center Operations Manager, você pode usar a ferramenta Gerenciador de Integridade para definir e
diagnosticar falhas na rede. O Gerenciador de Integridade proporciona a capacidade de exibir e executar ações
sobre alertas, alterações de estado e outros problemas importantes gerados por objetos de monitoramento na
rede.
Você pode iniciar o Gerenciador de Integridade no painel Tarefas depois de selecionar um objeto, alerta ou evento
no painel de resultados. O Gerenciador de Integridade organiza as informações de integridade nas seguintes
categorias:
Desempenho
Segurança
Disponibilidade
Configuração
Todos os monitores e regras que são definidos para um objeto selecionado são exibidos na categoria adequada.

Os ícones usados para indicar o estado são os seguintes:

ÍCONE SIGNIFICADO

Desconhecido, sem monitoramento (em branco)


ÍCONE SIGNIFICADO

Êxito, integridade OK (verde)

Aviso (amarelo)

Crítico (vermelho)

Modo de manutenção (cinza)

Sem contato (cinza)

Por padrão, quando as janelas do Gerenciador de Integridade forem abertas pela primeira vez, todos os monitores
que estiverem em estado de falha, ou vermelhos, serão expandidos. -Se o monitor contiver outros monitores,
como no caso de um monitor de acumulação, todos os monitores serão exibidos em um layout hierárquico, de
forma que sejam exibidos os dados de monitoramento de todos os serviços e aplicativos dependentes. -Caso
deseje exibir mais detalhes sobre algum monitor dependente, clique com o botão direito do mouse nesse monitor
e, em seguida, clique em Propriedades do Monitor para abrir outra janela do Gerenciador de Integridade.
Quando a janela do Gerenciador de Integridade estiver aberta, você poderá analisar um histórico dos testes de
diagnóstico que foram executados automaticamente e o resultado dessas tarefas. Você também pode executar
tarefas de diagnóstico adicionais. As tarefas que estiverem formatadas como hiperlink poderão ser executadas
diretamente da guia Conhecimento .
A janela Gerenciador de Integridade é automaticamente atualizada a cada 30 segundos. Pressione a tecla de
função F5 para uma atualização imediata.
Para obter mais informações sobre como usar o Gerenciador de Integridade, consulte Usando o Gerenciador de
Integridade para investigar problemas.

Próximas etapas
No Console de Operações, você exibe dados de monitoramento, gerencia a configuração de monitoramento,
cria seus próprios modos de exibição e painéis que são personalizados para a sua experiência e executa a
administração de grupo de gerenciamento através da Utilização do Console de Operações do Operations
Manager.
Usando Meu Espaço de Trabalho
15/01/2018 • 8 min to read • Edit Online

O Meu Espaço de Trabalho oferece uma área privada no console de Operações que você pode personalizar de
acordo com as suas necessidades específicas. Usando Meu Espaço de Trabalho, você pode criar pastas para
organizar o espaço de trabalho, adicionar atalhos às exibições favoritas, salvar pesquisas úteis e criar exibições
visíveis apenas a você. Sua configuração do Meu Espaço de Trabalho estará disponível em qualquer console de
Operações ou console Web em que você faça logon usando as mesmas credenciais do Windows.

Criar pastas no Meu Espaço de Trabalho


O Meu Espaço de Trabalho contém duas pastas padrão: Exibições Favoritas e Pesquisas Salvas. É possível criar
mais pastas para organizar melhor seu espaço de trabalho. Todas as pastas novas que você criar serão criadas sob
Exibições Favoritas.
Para criar uma nova pasta no Meu Espaço de Trabalho
1. Clique com o botão direito do mouse no painel de navegação.

OBSERVAÇÃO
Para criar uma pasta aninhada, clique com o botão direito do mouse na pasta em que você deseja criar uma pasta
filho e vá para a etapa 2.

2. Aponte para Novo e clique em Pasta.


3. Digite um nome para a pasta e clique em OK.

Adicionar atalhos às exibições


No Meu Espaço de Trabalho, você pode adicionar atalhos a qualquer exibição existente no espaço de trabalho de
Monitoramento.
Para adicionar uma exibição ao Meu Espaço de Trabalho
1. No espaço de trabalho Monitoramento , selecione uma exibição, clique com o botão direito do mouse e
clique em Adicionar ao Meu Espaço de Trabalho.
2. Especifique a pasta no Meu Espaço de Trabalho onde você deseja que a exibição apareça.
3. Clique em OK.
Quando acessar o Meu Espaço de Trabalho, você visualizará a exibição que adicionou listada no painel de
navegação.

Salvar pesquisas
Você pode salvar pesquisas úteis no Meu Espaço de Trabalho para executar a qualquer momento.
Para salvar uma pesquisa no Meu Espaço de Trabalho
1. Clique em Pesquisas Salvas.
2. No painel Tarefas , clique em Criar Nova Pesquisa.
3. Na janela Pesquisa Avançada , selecione o tipo de objeto para sua pesquisa. As opções são:
Alertas
Eventos
Objetos Gerenciados
Monitores
Descobertas de Objeto
Regras
Tarefas
Exibições
Cada tipo de objeto exibirá um conjunto exclusivo de critérios para a sua pesquisa. Para obter mais
informações sobre critérios de pesquisa avançada, consulte Usando a pesquisa avançada.
4. Nos critérios exibidos para o tipo de objeto, selecione a condição de pesquisa.
5. Cada condição selecionada será adicionada à Descrição dos critérios. Clique no valor sublinhado em cada
condição para editá-lo. Depois que você editar um valor, clique em OK e edite o valor seguinte. Continue
até todas as condições terem valores especificados.
6. Clique em Salvar parâmetros em Meus Favoritos.
7. Digite um nome para a pesquisa salva e clique em OK.
Para executar pesquisas salvas, clique com o botão direito do mouse em uma pesquisa na lista e clique em
Pesquisar Agora.

Criar exibições
As exibições criadas por você no Meu Espaço de Trabalho são exclusivas, e não atalhos para exibições existentes.
Como um operador, você pode criar exibições no painel Meu Espaço de Trabalho. É preciso ter os direitos da
função Autor para criar um modo de exibição no espaço de trabalho de Monitoramento.

OBSERVAÇÃO
As instruções gerais no procedimento a seguir não se aplicam às exibições Diagrama, Página da Web ou Painel. Para obter
mais informações sobre como criar um modo de exibição, consulte o tipo específico do modo de exibição em Como criar e
definir escopo de modos de exibição no Operations Manager.

Para criar uma exibição no Meu Espaço de Trabalho


1. Clique com o botão direito do mouse na pasta em que você deseja armazenar a exibição e aponte para
Novo. É possível selecionar qualquer tipo de exibição. Para obter mais informações sobre os tipos de
exibição disponíveis, consulte Tipos de exibição no Operations Manager.
2. Nas propriedades de exibição, insira um nome e uma descrição para a exibição. A caixa de diálogo
Propriedades de Exibição contém duas guias: Critérios e Exibir.
Na guia Critérios , no campo Mostrar dados relacionados a , especifique o item de destino. O item
selecionado exibirá condições relacionadas na seção Selecionar condições . Para obter mais informações,
consulte Criação e escopo de modos de exibição no Operations Manager.
Depois que selecionar uma condição, você poderá editar o valor dessa condição na seção Descrição dos
critérios .
3. No campo Mostrar dados contidos em um grupo específico , você pode selecionar um grupo para
limitar os resultados da pesquisa a membros desse grupo.
4. Na guia Exibir , selecione as colunas desejadas para exibição. Também é possível especificar como
classificar as colunas e agrupar os itens.
5. Depois que você especificar as condições e os valores para a exibição, clique em OK. A nova exibição
aparecerá no painel de navegação.

Próximas etapas
No Console de Operações, você exibe dados de monitoramento, gerencia a configuração de
monitoramento, cria seus próprios modos de exibição e painéis que são personalizados para a sua
experiência e executa a administração de grupo de gerenciamento através da Utilização do Console de
Operações do Operations Manager.
Para obter mais informações sobre como usar o Gerenciador de Integridade, consulte Usando o
Gerenciador de Integridade para investigar problemas.
Para saber como personalizar os modos de exibição no Console de Operações, definidos nos pacotes de
gerenciamento importados no grupo de gerenciamento, consulte Como personalizar um modo de exibição
no Operations Manager.
Localizando dados e objetos nos Consoles do
Operations Manager
20/02/2018 • 7 min to read • Edit Online

O System Center Operations Manager, com os pacotes de gerenciamento apropriados importados, fornecerá uma
visão abrangente do que está acontecendo com os aplicativos, o hardware e os processos monitorados. Isso pode
resultar na exibição de um volume de dados muito grande no console de Operações. Aprender a localizar
rapidamente os dados necessários é essencial para a interação eficiente com o console. Você pode usar os botões
Escopo, Localizare Pesquisar na barra de ferramentas do console de Operações para filtrar a exibição de dados
de monitoramento para localizar o objeto de monitoramento exato ou o grupo de objetos necessário. Também é
possível filtrar os dados com base no número de horas ou dias que você deseja mostrar.

OBSERVAÇÃO
A qualquer momento em que você não veja as informações esperadas no painel de resultados, verifique os filtros de escopo
e tempo para assegurar que os objetos e o período corretos estão definidos para os resultados necessários.

As ferramentas Escopo, Pesquisar, Localizare Hora se aplicam a um filtro temporário para os dados exibidos no
console. Embora seja possível localizar um determinado objeto usando Pesquisar ou Localizar, você também usa
Escopo ou Hora para exibir um conjunto de objetos que atendem a um conjunto de critérios. A tabela a seguir
mostra as diferenças entre as opções de filtro distintas.

PARA OBTER MAIS INFORMAÇÕES,


FILTRO QUANDO USAR CONSULTE

Escopo Use para limitar os dados em uma - Como Alterar o Escopo


exibição apenas aos objetos que - Usando grupos para modos de
atendem aos seus critérios. Esse escopo exibição de escopo
permanece no local até você limpá-lo.

Pesquisar Use para exibir uma lista de objetos que - Como usar Localizar e Pesquisar
atendem aos seus critérios. No entanto, - Usando a Pesquisa Avançada
você pode agir nesses objetos em - Exemplos de uso da pesquisa
seguida; quando navegar para fora da avançada no Operations Manager
lista, o filtro será removido e qualquer
exibição mostrará todos os objetos (não
apenas aqueles dos seus critérios de
pesquisa).

Localizar Use para exibir um único objeto Como usar Localizar e Pesquisar
conhecido.

Como alterar o escopo


A alteração do escopo da exibição de monitoramento permite a você exibir apenas os objetos que atendem a
certos critérios, como servidores de gerenciamento. Por exemplo, para exibir apenas os computadores no seu
ambiente que estão executando o Windows 2016, aplique um escopo que usa "Windows 2016" como o critério;
nenhum outro computador será exibido.
1. No console de Operações, clique em Monitoramento para exibir os objetos no seu ambiente de
monitoramento.
2. Clique no botão Escopo na barra de ferramentas do Operations Manager. Se esse botão não estiver
disponível, verifique se existe um objeto, não uma pasta, selecionado no painel Monitoramento. A caixa de
diálogo Alterar Escopo do Modo de Exibição exibe uma lista de grupos existentes e de aplicativos
distribuídos.

3. Se a lista for muito longa, você poderá localizar um grupo específico ou um aplicativo distribuído inserindo
uma palavra ou frase na caixa Procurar . Depois de fazer uma seleção, clique em OK. Agora, somente os
objetos que atendem aos critérios do escopo são mostrados no painel Resultados.

Como usar Localizar e Pesquisar


Use o botão Localizar quando a lista de objetos no painel Resultados for muito grande para selecionar
rapidamente um objeto específico. Use o botão Pesquisar se desejar localizar todos os objetos que atendem a um
determinado critério.
Para usar Pesquisar para criar uma lista de objetos
1. No console de Operações, clique em Monitoramento.
2. Selecione uma exibição que esteja disponível no espaço de trabalho de Monitoramento. Isso exibe uma
lista de objetos no painel Resultados.
3. Verifique se há uma caixa Procurar na parte superior do painel Resultados. Se não houver uma caixa
Procurar , clique no botão Localizar na barra de ferramentas. Em Procurar, digite uma palavra, como o
nome de um objeto, que você deseja localizar na lista e clique em Localizar.
O objeto que você está procurando é exibido.
4. Clique em Limpar para voltar para a lista de objetos original.
Para usar Pesquisar para criar uma lista de objetos
1. No console de Operações, clique em Monitoramento.
2. Clique no botão Pesquisar na barra de ferramentas.
3. Na janela Pesquisar , digite a palavra ou frase que descreve o conjunto de objetos que você deseja
localizar. Uma lista de objetos que atendem aos critérios é exibida. A lista é classificada por tipo de objeto.

Próximas etapas
Consulte Utilização da pesquisa avançada para saber como procurar um tipo de objeto específico que atenda
aos seus critérios especificados.
Usando a pesquisa avançada
27/02/2018 • 10 min to read • Edit Online

No System Center Operations Manager, a pesquisa avançada está disponível em Meu Espaço de Trabalho,
quando você cria uma nova pesquisa. Também é possível abrir a pesquisa avançada no espaço de trabalho de
Monitoramento no menu Ferramentas .
Use a pesquisa avançada para procurar um tipo de objeto específico que atenda aos critérios especificados. A
pesquisa avançada tem duas etapas:
Selecionar o tipo de objeto e os critérios específicos
Definir os valores dos critérios
Também é possível salvar as pesquisas criadas por você.

Selecionar o tipo de objeto e os critérios específicos


Cada tipo de objeto exibirá um conjunto exclusivo de critérios para a sua pesquisa. A tabela a seguir lista os tipos
de objetos e os critérios disponíveis para cada um.

TIPO DE OBJETO CRITÉRIOS ASSOCIADOS AO TIPO DE OBJETO

Alertas – De uma gravidade específica


– De uma prioridade específica
– Criados por fontes específicas
– Com o estado de resolução específico
– Com um nome específico
– Com um texto específico na descrição
– Criados em um período de tempo específico
– Atribuídos a um proprietário específico
– Gerados por uma instância com um nome específico
– Com a última modificação feita por um usuário específico
– Que foram modificados em um período de tempo específico
– Que tiveram seu estado de resolução alterado em um
período de tempo específico
– Que foram resolvidos em um período de tempo específico
– Resolvidos por um usuário específico
– Com uma ID de tíquete específica
– Adicionados ao banco de dados em um período de tempo
específico
– Para um site específico
– Com texto específico nos campos personalizados
disponíveis

Eventos – Gerados por regras específicas


– Com um número de evento específico
– De uma fonte específica
– Gerados em um período de tempo específico
– Gerados por uma instância com um nome específico
– Com o nível de gravidade específico
– De um usuário específico
– Registrados por um computador específico
TIPO DE OBJETO CRITÉRIOS ASSOCIADOS AO TIPO DE OBJETO

Objetos Gerenciados – Com um nome específico


– No estado de integridade específico
– Contidos em um grupo específico

Monitores – Com um nome específico


– Com um texto específico na descrição
– O monitor foi substituído para qualquer contexto (exceto
para as substituições de categoria)
– Com categoria específica
– Criam um alerta quando o estado específico é detectado
– O monitor gera alertas de prioridade específica
– Resolvem alertas automaticamente
– O monitor é um monitor de unidade
– O monitor é um monitor agregado
– O monitor é um monitor de dependência

Descobertas de Objeto – Com um nome específico


– Com um texto específico na descrição
– A descoberta de objeto foi substituída para qualquer
contexto (exceto para as substituições de categoria)
– Com categoria específica
– Está habilitada
– A descoberta de objeto confirma a entrega
– A regra é remota 1
– Foram adicionadas em um período de tempo especificado
– Foram modificadas em um período de tempo especificado

Regras – Com um nome específico


– Com um texto específico na descrição
– A regra foi substituída para qualquer contexto (exceto para
as substituições de categoria)
– Com categoria específica
– A regra gera alertas de prioridade específica
– Está habilitada
– A regra confirma a entrega
– A regra é remota 1
– Foram adicionadas em um período de tempo especificado
– Foram modificadas em um período de tempo especificado

Tarefas – Com um nome específico


– Com um texto específico na descrição
– Está habilitada
– Foram adicionadas em um período de tempo especificado
– Foram modificadas em um período de tempo especificado

Exibições – Com um nome específico


– Com um texto específico na descrição
– Foram adicionadas em um período de tempo especificado
– Foram modificadas em um período de tempo especificado

1 Uma regra ou descoberta remota pode ser executada em um computador que não tem um agente instalado.

Definir os valores dos critérios


Se você já criou uma regra no Microsoft Outlook, a definição de valores de critérios para a pesquisa avançada
parecerá familiar. Quando você seleciona um critério para um objeto, ele é adicionado à seção Descrição dos
critérios . A maioria dos critérios contém um valor de variável. Por exemplo, no critério Com um nome
específico, específico é uma variável e será sublinhada na seção Descrição dos critérios . (O critério Está
habilitado somente é verdadeiro ou falso, portanto, não contém variáveis; você o seleciona ou não.)
Para atribuir um valor à variável, clique na parte sublinhada do critério. Uma caixa de diálogo é exibida. No
exemplo de Com um nome específico, você insere uma cadeia de texto para o nome específico. Para variáveis
com valores limitados, como prioridades de alerta, a caixa de diálogo fornece caixas de seleção que você pode
marcar.

Executando e salvando pesquisas


Depois que definir os valores dos critérios de pesquisa, você poderá executar a pesquisa clicando em Pesquisar
ou pode salvá-la clicando em Salvar parâmetros em Meus Favoritos. As pesquisas salvas são exibidas em
Meu Espaço de Trabalho e podem ser executadas a qualquer momento.
Quando você executa ou salva uma pesquisa, uma janela é aberta com uma exibição apropriada ao tipo de objeto
da pesquisa. Por exemplo, uma pesquisa no tipo de objeto Alertas abre uma janela Exibição de Alertas. Uma
ação com hyperlink, Mostrar parâmetros, é mostrada abaixo da barra de título da exibição. Clique em Mostrar
parâmetros para alterar os parâmetros da pesquisa.

OBSERVAÇÃO
Quando você executar uma pesquisa salva, altere os parâmetros, clique em Pesquisar, feche a janela de resultados e
responda se deseja salvar as alterações na pesquisa.

Exemplos de uso da pesquisa avançada no Operations Manager


A tabela a seguir lista exemplos de uso da pesquisa avançada para localizar objetos no Operations Manager:

PARA LOCALIZAR USE ESTE OBJETO, CONDIÇÃO E VALOR

Todos os alertas fechados nas duas horas anteriores. - Objeto: Alertas


- Condição/Valor: Com estado de resolução
específico/fechado
- Condição/Valor: Que foi resolvido em um período de
tempo específico/Últimas duas horas

Todas as regras que têm substituições - Objeto: Regras


- Condição: a regra foi substituída para qualquer contexto
(exceto para as substituições de categoria)

Todos os monitores que resolvem automaticamente os - Objeto: Monitores


alertas - Condição: resolve alertas automaticamente

Todos os computadores Unix em um estado de aviso ou - Objeto: Objetos Gerenciados


crítico - Condição/Valor: Em um estado de integridade/aviso
crítico específico
- Condição/Valor: Contido em um grupo específico/Grupo
de Computadores Unix

Próximas etapas
Para filtrar a exibição de dados de monitoramento para localizar o objeto ou grupo de objetos de monitoramento
exato que você necessita, veja Localizando dados e objetos nos Consoles do Operations Manager.
Usar o Console de Operações do Operations
Manager
27/02/2018 • 3 min to read • Edit Online

No System Center Operations Manager, o espaço de trabalho de Monitoramento é o principal espaço de trabalho
para operadores, engenheiros de rede e de sistema e central de serviços. O espaço de trabalho de Monitoramento
é basicamente o mesmo nos consoles de Operações e Web.
Ao abrir o espaço de trabalho de Monitoramento, você vê uma visão geral que resume a integridade dos
aplicativos e computadores distribuídos, assim como os objetos que estão no modo de manutenção, como
mostrado na imagem a seguir.

Na visão geral de Estado e Alertas , clique em qualquer número para ver uma exibição detalhada. Por exemplo,
se você clica no número mostrado em Modo de Manutenção, é aberto o modo de exibição de estado de todos
os computadores no modo de manutenção.
Os estados de integridade resumidos na visão geral só apresentam parte do que está acontecendo em seu
ambiente. Você também pode querer examinar os alertas que foram gerados. No painel de navegação, clique em
Alertas Ativos para ver todos os alertas. Para obter mais informações sobre como lidar com alertas, consulte
Gerenciando alertas.
Existem diversos modos de exibição e painéis no espaço de trabalho de Monitoramento que permitem exibir o
status do seu ambiente. Para obter informações sobre cada modo de exibição, consulte Modos de exibição Padrão
no Operations Manager. Os painéis permitem consolidar e visualizar dados operacionais de diferentes
perspectivas para tomar decisões significativas. Para saber mais, consulte Painéis no Operations Manager.
Também é possível alterar as opções de um modo de exibição e salvá-lo como um modo de exibição
personalizado. Para obter mais informações, consulte Como personalizar os modos de exibição no Operations
Manager.
Conforme você trabalha com o Operations Manager, pode perceber que acessa certas exibições com mais
frequência. Você pode criar um espaço de trabalho personalizado que mostre suas exibições e pesquisas favoritas.
Para obter mais informações, consulte Usando Meu Espaço de Trabalho no Operations Manager.

Próximas etapas
Para filtrar a exibição de dados de monitoramento para localizar o objeto ou grupo de objetos de
monitoramento exato que você necessita, veja Localizando dados e objetos nos Consoles do Operations
Manager.
Saiba como usar o Gerenciador de Integridade para compreender o estado dos objetos monitorados no
seu ambiente consultando Usando o Gerenciador de Integridade para Investigar Problemas.
Usar o espaço de trabalho de Administração no
Operations Manager
15/01/2018 • 13 min to read • Edit Online

No Console de Operações do System Center – Operations Manager, o espaço de trabalho de Administração é o


principal espaço de trabalho para os administradores. Você pode usar o espaço de trabalho de Administração para
configurar um grupo de gerenciamento.
Quando você abre o espaço de trabalho de Administração pela primeira vez ou clica em Administração no painel
de navegação, a Visão Geral da Administração abre, o que exibe os links de tarefa referentes às etapas de
configuração obrigatórias ou opcionais que ainda não foram concluídas.
As seções abaixo descrevem as diferentes opções no espaço de trabalho de Administração e contêm links para
informações mais detalhadas sobre a tarefa ou opção.

Grupos de Gerenciamento Conectados


Você pode conectar os grupos de gerenciamento para habilitar o encaminhamento de alertas e outros dados de
monitoramento de um grupo de gerenciamento conectado ao grupo de gerenciamento local. Tarefas podem ser
iniciadas a partir de um grupo de gerenciamento local para serem executadas em objetos gerenciados de um
grupo de gerenciamento conectado.
Use Grupos de Gerenciamento Conectados no espaço de trabalho de Administração para conectar um grupo
de gerenciamento ou para editar as propriedades de um grupo de gerenciamento conectado.
Para obter mais informações, consulte Conectando Grupos de Gerenciamento no Operations Manager.

Gerenciamento de Dispositivo
É possível usar o Gerenciamento de Dispositivos para executar a configuração de servidores de gerenciamento
específicos, computadores gerenciados por agente ou computadores gerenciados sem agente, servidores UNIX e
Linux. A tabela a seguir resume os usos dos itens em Gerenciamento de Dispositivos e fornece links para
informações mais detalhadas.

ITEM USE PARA OBTER MAIS INFORMAÇÕES


ITEM USE PARA OBTER MAIS INFORMAÇÕES

Gerenciado por Agente Para modificar a configuração dos - Configurar o agente em


computadores gerenciados por agente, computadores Windows
tais como: - Atualizar e desinstalar o agente do
Windows
– Alterar o servidor de gerenciamento - Atualizar e desinstalar o agente do
primário dos computadores UNIX/Linux
gerenciados por agente. - Monitoramento sem agente no
– Reparar a instalação do agente. Operations Manager
– Desinstalar um agente.
– Substituir as configurações de
pulsação do agente do grupo de
gerenciamento em um agente
específico. Uma pulsação é um pulso
periódico de um agente para seu
servidor de gerenciamento.
– Configurar um computador
gerenciado por agente como proxy dos
computadores gerenciados sem agente.

Gerenciado sem Agente Para alterar o agente de proxy de um Monitoramento sem agente no
computador gerenciado sem agente. O Operations Manager
agente de proxy pode ser qualquer
computador gerenciado por agente no
grupo de gerenciamento configurado
para ser um proxy.

Servidores de gerenciamento Para modificar a configuração de - Como as pulsações funcionam no


servidores de gerenciamento, tais Operations Manager
como: - Gerenciar instalações manuais de
agentes
– Substituir a configuração de falha de - Monitoramento sem agente no
pulsação do grupo de gerenciamento e Operations Manager
configurar o número de pulsações - Como definir as configurações de
ausentes que um servidor de proxy de Internet de um serviço de
gerenciamento permitirá a um agente, gerenciamento
antes que o estado do respectivo
computador seja alterado para crítico.
– Substituir a configuração Instalações
Manuais de Agentes do Grupo de
Gerenciamento e configurar um
servidor de gerenciamento para rejeitar
ou colocar os agentes instalados com
MOMAgent.msi no status de
Gerenciamento Pendente.
– Configurar um servidor de
gerenciamento como proxy para
computadores gerenciados sem agente.
– Configurar um proxy da Internet para
um servidor de gerenciamento.
ITEM USE PARA OBTER MAIS INFORMAÇÕES

Gerenciamento Pendente Para aprovar ou rejeitar um agente Instalações Manuais do Agente de


instalado com o MOMagent.msi, se o Processos
grupo de gerenciamento do agente
estiver configurado como Revisar as
novas instalações manuais de
agentes no modo de exibição de
gerenciamento pendente , mas não
como Aprovar automaticamente os
novos agentes instalados
manualmente. Os agentes
aguardando aprovação são exibidos
nesse item.

Servidores UNIX/Linux Para modificar a configuração de - Planejamento da implantação de


servidores UNIX e Linux gerenciados agente
por agente. - Descobrir e instalar o agente no
UNIX/Linux

Pacotes de Gerenciamento
No nó Pacotes de Gerenciamento do espaço de trabalho de Administração, é possível executar várias tarefas
relacionadas com o gerenciamento dos pacotes de gerenciamento importados para o grupo de gerenciamento. A
tabela a seguir resume os usos dos itens em Pacotes de Gerenciamento e fornece links para informações mais
detalhadas.

ITEM USE PARA OBTER MAIS INFORMAÇÕES

Pacotes de Gerenciamento instalados Lista todos os pacotes de Como importar, exportar e remover
gerenciamento importados para o pacotes de gerenciamento
grupo de gerenciamento.

Ajustar Pacotes de Gerenciamento Destaca os pacotes de gerenciamento e Gerenciamento de alertas controlados


seus fluxos de trabalho que geram um por dados
alto volume de alertas.

Atualizações e recomendações Identifique novas tecnologias ou cargas Atualizações e recomendações do MP


de trabalho que não são monitoradas
pelo Operations Manager nem com a
versão mais recente de um pacote de
gerenciamento.

Para saber mais, consulte Visão geral do pacote de gerenciamento.

Gerenciamento de Rede
Você pode usar o Gerenciamento de Rede no espaço de trabalho de Administração para descobrir dispositivos
de rede e dispositivos de rede descobertos gerenciados. A tabela a seguir resume os usos dos itens em
Gerenciamento de Rede e fornece links para informações mais detalhadas.

ITEM USE PARA OBTER MAIS INFORMAÇÕES

Regras de Descoberta – Para criar regras para a descoberta de Como descobrir os dispositivos de rede
dispositivos de rede no Operations Manager
– Para modificar as regras existentes de
descoberta
ITEM USE PARA OBTER MAIS INFORMAÇÕES

Dispositivos de Rede Para exibir as propriedades dos Monitorando redes usando o


dispositivos de rede descobertos Operations Manager

Gerenciamento de Dispositivo de Rede Para repetir ou rejeitar dispositivos de Como descobrir os dispositivos de rede
Pendente rede descobertos aguardando no Operations Manager
gerenciamento

Notificações
Notificações geram mensagens ou executam comandos automaticamente quando um alerta é gerado em um
sistema monitorado. Por padrão, notificações para alertas não estão configuradas. Para notificar os usuários do
Operations Manager imediatamente ao ser gerado um alerta, é preciso configurar um canal para notificações,
adicionar assinantes e depois criar uma notificação.
Em Notificações , no espaço de trabalho de Administração, você pode criar canais, assinantes, assinaturas e
modificar os canais, assinantes e assinaturas criados. Para obter mais informações, consulte Subscribing to Alert
Notifications.

Conectores de Produtos
Conectores de produtos são utilizados para sincronizar os dados do Operations Manager com outros sistemas de
gerenciamento, como aqueles que monitoram computadores não Windows ou criam tíquetes de problemas.
Conectores de produtos podem integrar uma implantação do Operations Manager em outra plataforma de
gerenciamento ou conectar outros sistemas de gerenciamento em uma solução completa de gerenciamento do
Operations Manager. Todos os conectores de produtos que você integra ao Operations Manager serão exibidos
nesta seção do espaço de trabalho de Administração.
Quando você instala o Operations Manager, dois conectores internos do produto são instalados. Eles são usados
pelo Operations Manager.
Para obter mais informações, consulte Conectando o Operations Manager com outros sistemas de
gerenciamento.

Configuração de Executar como


Você pode usar Configuração de Executar como no espaço de trabalho de Administração para gerenciar
contas e perfis Executar como. Para saber mais, consulte Gerenciar contas Executar como no Operations Manager.

Segurança
No Operations Manager, operações como: resolver alertas, executar tarefas, substituir monitores, exibir alertas,
exibir eventos etc. foram agrupadas em funções de usuários, em que cada uma representa uma função de trabalho
específica. -A segurança baseada em função permite limitar privilégios de usuários para vários aspectos do
Operations Manager. Em Segurança no espaço de trabalho de Administração, você pode adicionar e remover
usuários das funções específicas. Você também pode modificar as propriedades das funções de usuário criadas.
Para obter mais informações, consulte Implementando Funções de Usuário.

Configurações
A tabela a seguir resume as configurações que podem ser gerenciadas em Configurações no espaço de trabalho
de Administração.
ITEM USE PARA OBTER MAIS INFORMAÇÕES

Pulsação do agente Agentes geram uma pulsação em Como as pulsações funcionam no


intervalos específicos para garantir o Operations Manager
funcionamento correto. Você pode
ajustar o intervalo.

Alertas – Para configurar os estados de - Como definir estados de resolução de


resolução de alertas. alertas
– Para configurar a resolução - Como configurar a resolução de alerta
automática de alertas. automática

Grooming do Banco de Dados Para configurar quanto tempo os Manutenção do Operations Manager
diferentes tipos de dados devem ser
mantidos no banco de dados
operacional.

Privacidade Para modificar as configurações dos Sending Data to Microsoft (Enviando


seguintes programas: dados para a Microsoft) no Guia de
Implantação.
– CEIP (Programa de Aperfeiçoamento
da Experiência do Usuário)
– Relatórios de Dados Operacionais
– Relatório de Erros

Relatórios Configure o caminho para o servidor de Usando o Espaço de Trabalho de


relatórios. Relatório no Operations Manager

Endereços da Web Designe endereços na Web para o Como se conectar ao Console Web
console Web e os dados de
conhecimento da empresa online.

Pulsação do Servidor Configure o número de pulsações Como as pulsações funcionam no


perdidas antes do servidor de Operations Manager
gerenciamento executar ping no
computador gerenciado por agente.

Segurança do Servidor Especifique como o servidor de Instalações Manuais do Agente de


gerenciamento deve tratar os agentes Processos
instalados manualmente.
Usando o Espaço de Trabalho de Criação no
Operations Manager
15/01/2018 • 10 min to read • Edit Online

As opções do espaço de trabalho Criação permitem que você crie novos cenários de monitoramento. Isso poderá
ser para alterar ou adicionar o monitoramento em um pacote de gerenciamento existente ou criar um novo pacote
de gerenciamento para um aplicativo que não tem um.
A criação está descrita detalhadamente no Operations Manager 2012 Authoring Guide (Guia de Criação do
Operations Manager 2012). As seções a seguir descrevem as diferentes opções do espaço de trabalho Criação.

Modelos de Pacote de Gerenciamento


Modelos de Pacote de Gerenciamento permitem criar cenários de monitoramento completos com um mínimo de
entrada. Depois da conclusão de um assistente, o modelo de pacote de gerenciamento cria monitores, regras e até
mesmo classes para implementar o cenário especificado. Não há nenhum requisito para se compreender os
elementos do pacote de gerenciamento que são criados, porque você pode continuar a usar o modelo para
executar a configuração. Isso realizará todas as modificações necessárias para os elementos subjacentes.

Monitoramento de desempenho do .NET Application Monitore seus aplicativos ASP.NET e WCF do Windows
hospedados no IIS 7.0, 8.0 e 10.0, incluindo Serviços do
Windows que usam o .NET Framework.

Fonte de Dados OLE DB Monitore a disponibilidade e o desempenho de um banco de


dados. Consultas de amostra podem ser executadas de um ou
mais nós do inspetor.

Monitoramento de processos Monitore a disponibilidade e o desempenho de um processo


desejado ou verifique se um processo indesejado não está
funcionando.

Porta TCP Monitore a disponibilidade de um aplicativo que está


escutando uma porta TCP específica. O teste pode ser
executado de um ou mais nós do inspetor.

Sincronização de Item de Trabalho do TFS Vincula alertas do Operations Manager e itens de trabalho do
Team Foundation Server.

Arquivo de Log do Unix/Linux Monitore um arquivo de log UNIX ou Linux para uma entrada
de log específica em um computador ou grupo de
computadores específico.

Serviço UNIX/Linux Monitore a disponibilidade de um serviço em um computador


UNIX ou Linux ou em um grupo de computadores.

Serviço do Windows Monitore a disponibilidade e o desempenho de um serviço


executado em um ou mais computadores Windows.

Monitoramento da Disponibilidade de Aplicativos Web Crie um teste de monitoramento de disponibilidade para uma
ou mais URLs de Aplicativo Web.
Monitoramento de Transação de Aplicativo Web Crie um teste de monitoramento de um Aplicativo Web para
verificar a disponibilidade e o desempenho.

Aplicativos Distribuídos
OsAplicativos Distribuídos permitem agrupar vários componentes que fazem parte de um único aplicativo. A
integridade de cada objeto incluído é usada para calcular uma integridade geral do aplicativo propriamente dito.
Essa integridade pode ser usada para oferecer suporte a alertas, modos de exibição e relatórios.

Grupos
OsGrupos contêm um determinado conjunto de objetos gerenciados. Eles são usados para definir modos de
exibição, relatórios e determinados cenários de monitoramento. Os critérios podem ser fornecidos para preencher
automaticamente um grupo com base nas propriedades dos objetos, ou você pode adicionar objetos específicos a
um grupo. Você pode criar novos grupos e editar grupos existentes. Você também pode exibir os membros atuais
de um grupo. Após ter sido criado, um grupo pode ser usado no espaço de trabalho de Monitoramento para
definir os modos de exibição, o espaço de trabalho de Relatórios para definir os relatórios ou, no espaço de
trabalho de Criação para substituições, modelos de pacote de gerenciamento ou objetos de nível de serviço.

Objetos do Pacote de Gerenciamento


A seção Objetos do Pacote de Gerenciamento fornece acesso aos diferentes elementos que estão disponíveis.
Dependendo do tipo de objeto, você pode criar novos objetos e editar ou exibir os objetos existentes.

Atributos Um atributo é uma propriedade de uma classe em um pacote


de gerenciamento. Você pode adicionar outros atributos para
coletar informações adicionais sobre objetos gerenciados.
Esses atributos podem ser usados para oferecer suporte a
associação do grupo ou podem ser acessados por monitores
ou regras.

Monitores Monitores são fluxos de trabalho executados em um agente e


determinam a integridade atual de um objeto. Cada monitor
usa uma determinada fonte de dados como log de eventos,
dados de desempenho ou um script para coletar informações.

Você pode criar novos monitores e editar monitores


existentes no console de Operações para cenários de
monitoramento específicos que abordarão os requisitos da
maioria dos usuários. Monitores mais complexos devem ser
criados e modificados com o uso do console de Criação.

Descobertas de Objeto Descobertas de Objeto são fluxos de trabalho executados em


um agente e descobrem objetos a serem gerenciados.

Você não pode criar novas descobertas de objeto no console


de Operações. Você pode exibir descobertas de objeto
existentes nos pacotes de gerenciamento e usar as
substituições para modificar a frequência em que são
executadas e outros parâmetros em potencial.
Substituições Substituições são usadas para alterar os parâmetros de fluxos
de trabalho, incluindo monitores, regras e descobertas.

As substituições são criadas a partir da página de propriedade


do fluxo de trabalho a que se aplicam. Essa opção permite que
você exiba e modifique as substituições existentes.

Regras Regras são fluxos de trabalho, executados em um agente, que


criam um alerta, coletam informações para análises e
relatórios, ou executam um comando em um agendamento.
Cada regra usa uma determinada fonte de dados como log de
eventos, dados de desempenho ou um script para coletar
informações.

Você pode criar novas regras e editar regras existentes no


console de Operações para cenários de monitoramento
específicos que abordarão os requisitos da maioria dos
usuários. Regras mais complexas devem ser criadas e
modificadas com o uso do console de Criação.

Controle de Nível de Serviço Controle de Nível de Serviço permite que você compare a
disponibilidade de objetos gerenciados a um objeto específico.

Esta opção permite criar novos Objetivos de Nível de Serviço


e editar os Objetivos de Nível de Serviço existentes.

Tarefas Tarefas são fluxos de trabalho executados quando você os


solicita no console de Operações. Tarefas de agente são
executadas em um ou mais computadores de agente. Tarefas
de Console são executadas na estação de trabalho do console
de Operações.

Você pode criar novas tarefas e editar tarefas existentes no


console de Operações para cenários de monitoramento
específicos que abordarão os requisitos da maioria dos
usuários. Tarefas mais complexas devem ser criadas e
modificadas com o uso do console de Criação.

Exibições Exibições mostram objetos gerenciados e dados coletados no


Console de Operações.

As exibições são criadas e modificadas no espaço de trabalho


de Monitoramento. Essa opção mostra as exibições existentes
que estão disponíveis para cada classe de destino.

Próximas etapas
Saiba Como se conectar ao Console Web e ao Console de Operações para acessar e interagir com os
dados operacionais ou executar tarefas administrativas.
Para saber como criar um pacote de gerenciamento gravável personalizado para armazenar suas
substituições, consulte Como criar um pacote de gerenciamento para substituições.
Consulte Criar e gerenciar grupos e saiba como usar grupos para coletar objetos de monitoramento em
unidades gerenciáveis para gerenciamento de configuração no grupo de gerenciamento.
Usando o Espaço de Trabalho de Relatório no
Operations Manager
27/02/2018 • 3 min to read • Edit Online

O System Center Operations Manager oferece recursos de relatórios abrangentes, incluindo várias bibliotecas de
relatórios que você pode selecionar para personalizar relatórios para suas necessidades específicas. Os Relatórios
executam uma consulta no banco de dados data warehouse e retornam os resultados em um formato de fácil
leitura.

IMPORTANTE
Os usuários devem ser membros da função de usuário Operador de Relatório para executar relatórios.

Relatórios
Os relatórios no espaço de trabalho de Relatório contêm todos os relatórios instalados com o Operations
Manager, bem como os relatórios incluídos nos pacotes de gerenciamento que você importou.
A biblioteca de relatórios contém relatórios genéricos (por exemplo, relatórios de Disponibilidade e de Alterações
na Configuração). Relatórios genéricos não têm nenhum contexto especificado. O contexto do relatório é definido
no cabeçalho de parâmetros, localizado na parte superior da janela Relatório. Para obter uma lista de relatórios
incluídos no Operations Manager, veja a Biblioteca de relatórios do Operations Manager.

Relatórios Criados
Os relatórios criados são baseados em relatórios existentes na biblioteca de relatórios. Configure um relatório
com parâmetros previamente preenchidos e, em seguida, torne-o disponível para outros usuários.
Depois de executar um relatório, clique em Arquivoe, em seguida, clique em Publicar para publicar o relatório
com os parâmetros configurados para Relatórios Criados.

Relatórios Favoritos
Você pode salvar os relatórios configurados em Relatórios Favoritos para torná-los continuamente disponíveis e
para economizar tempo de reconfiguração de um relatório executado com frequência.
Depois de executar um relatório, clique em Arquivoe, em seguida, clique em Salvar em favoritos para salvar o
relatório.

Relatórios Agendados
Você pode agendar relatórios configurados para serem executados em uma base única ou recorrente.
Depois de executar um relatório, clique em Arquivoe clique em Agendamento para configurar a inscrição do
relatório. Para saber mais, consulte Agendar relatórios.

Próximas etapas
Examine Como criar relatórios no Operations Manager para saber como criar relatórios para suas
necessidades operacionais.
How to Run, Save, and Export a Report (Como executar, salvar e exportar um relatório) explica como
visualizar relatórios, salvá-los com parâmetros de relatório específicos para minimizar a entrada repetida de
informações ou para simplificar a experiência para seus usuários de relatório e como exportar o relatório
para formatos de arquivo diferentes.
Biblioteca de relatórios do Operations Manager
27/02/2018 • 18 min to read • Edit Online

O System Center Operations Manager fornece os relatórios descritos nas tabelas a seguir. Para obter mais
informações sobre um relatório, no espaço de trabalho de Relatório , clique no relatório e exiba os Detalhes do
Relatório. Para obter mais informações sobre os relatórios fornecidos por outros pacotes de gerenciamento,
consulte os respectivos guias desses pacotes de gerenciamento.

OBSERVAÇÃO
Quando você instalar o Operations Manager pela primeira vez, a exibição de todas as bibliotecas de relatórios em
Relatóriopoderá demorar alguns minutos.

Biblioteca de Relatórios Genéricos da Microsoft


RELATÓRIO DESCRIÇÃO

Latência do Log de Alerta Esse relatório ajuda a isolar problemas no monitoramento


com o Operations Manager, mostrando a latência de registro
em log de um alerta para objetos selecionados ao longo do
tempo

Alertas Este relatório mostra os alertas gerados durante o relatório


selecionado e para determinados parâmetros de filtro de
objetos selecionados.

Disponibilidade Este relatório apresenta o tempo no estado para os objetos


selecionados durante o relatório especificado. O tempo no
estado é resumido por padrão de acordo com os monitores
de disponibilidade dos objetos.

Alterações de configuração Este relatório mostra as alterações na configuração dos


objetos selecionados com o passar do tempo

Configuração Personalizada Esse relatório mostra dados de configuração filtrados por


todos os parâmetros inseridos.

Evento Personalizado Este relatório mostra dados de eventos filtrados por todos os
parâmetros selecionados

Análise de Eventos Esse relatório mostra uma tabela de eventos e uma


contagem por servidor, filtradas por todos os parâmetros
inseridos.

Integridade Este relatório apresenta o tempo no estado para os objetos


selecionados durante o relatório especificado. O tempo no
estado é resumido, por padrão, de acordo com a integridade
geral da entidade de objetos.
RELATÓRIO DESCRIÇÃO

Alertas Mais Comuns Este relatório mostra os alertas mais comuns gerados na
duração do relatório selecionado e para determinados
parâmetros de filtro de objetos selecionados.

Eventos Mais Comuns Este relatório mostra os eventos mais comuns gerados na
duração do relatório selecionado e para determinados
parâmetros de filtro de objetos selecionados.

Substituições Esse relatório mostra substituições configuradas ou aplicadas


a pacotes de gerenciamento selecionados com o passar do
tempo.

Desempenho Este relatório mostra objetos selecionados e valores de


contadores de desempenho graficamente com o passar do
tempo.

Detalhes de Desempenho Este relatório mostra objetos selecionados e valores de


contadores de desempenho graficamente com o passar do
tempo.

Instâncias de Maior Desempenho Este relatório mostra as "N" maiores ou menores instâncias
de objetos selecionados e uma regra de contador de
desempenho específica.

Objetos de Maior Desempenho Este relatório mostra os "N" maiores ou menores objetos de
objetos selecionados e uma regra de contador de
desempenho específica.

Biblioteca do Modo de Exibição do Monitoramento de Clientes


RELATÓRIO DESCRIÇÃO

N Maiores Aplicativos Este relatório mostra os “N” maiores aplicativos com base em
sua contagem de falhas e fornece detalhes sobre cada
aplicativo.

Crescimento e Resolução dos N Maiores Aplicativos Este relatório mostra os “N” maiores aplicativos com base em
seu percentil de crescimento calculado em relação aos dois
intervalos de tempo especificados.

N Maiores Grupos de Erros Este relatório mostras os “N” maiores grupos de erros com
base em sua contagem de falhas.

Crescimento e Resolução dos N Maiores Grupos de Erros Um relatório mostra os “N” maiores grupos de erros com
base em seu percentil de crescimento calculado em relação
aos dois intervalos de tempo especificados.

Relatórios do Microsoft Data Warehouse


RELATÓRIO DESCRIÇÃO
RELATÓRIO DESCRIÇÃO

Disponibilidade do Data Warehouse Este relatório mostra a disponibilidade dos componentes do


data warehouse com base no monitor "Estado de Processos e
Conectividade do Data Warehouse".

Eventos do Data Warehouse Este relatório mostra eventos relacionados ao -data


warehouse, para ajudar a determinar a integridade do data
warehouse.

Propriedades do Data Warehouse Este relatório mostra propriedades do data warehouse e


configurações de grooming.

Biblioteca de Relatórios ODR da Microsoft


RELATÓRIO DESCRIÇÃO

Alertas por Dia Esse relatório mostra o número de alertas gerados por dia
em cada regra ou monitor no período de relatório (uma
semana por padrão).

Espaço de Instâncias Esse relatório mostra o número de instâncias de cada classe


(por exemplo, Servidores do Exchange) que são criadas no
seu grupo de gerenciamento.

Grupo de Gerenciamento Esse relatório mostra a versão do sistema operacional usada


na infraestrutura do Operations Manager (servidores de
gerenciamento).

Pacotes de Gerenciamento Esse relatório mostra as versões de cada pacote de


gerenciamento instalado no seu ambiente. Ele também
resume todas as substituições que foram definidas no seu
ambiente, além das regras e monitores personalizados que
você criou.

Alertas Mais Comuns Esse relatório mostra os alertas mais comuns gerados no
período de relatório (uma semana por padrão). Também
mostra esses dados por pacote de gerenciamento.

Relatórios de monitoramento principal do System Center


RELATÓRIO DESCRIÇÃO

Contagens de Agentes por Data, Grupo de Gerenciamento e Este relatório mostra informações detalhadas de contas de
Versão agentes durante um intervalo especificado.

Agentes por Estado de Integridade Este relatório mostra listas de agentes organizados por
estado de integridade.
RELATÓRIO DESCRIÇÃO

Volume de Dados por Pacote de Gerenciamento Este relatório mostra o volume de dados gerados por
pacotes de gerenciamento. A finalidade deste relatório é
fornecer uma ideia de quais pacotes de gerenciamento estão
direcionando os volumes de dados no seu ambiente, para
que você possa estabelecer linhas de base e identificar
oportunidades de ajustes. Nesse relatório, você pode obter
detalhes mais específicos para cada pacote de gerenciamento
clicando em uma das células de contagem na tabela na parte
superior do relatório para abrir o Volume de dados por Fluxo
de Trabalho e Instância para os pacotes de gerenciamento.

Volume de Dados por Fluxo de Trabalho e Instância Este relatório mostra o volume de dados gerado, organizado
por fluxos de trabalho (descobertas, regras, monitores etc.),
bem como por instâncias.

Biblioteca de Relatórios de Nível de Serviço da Microsoft


RELATÓRIO DESCRIÇÃO

Relatório de Resumo de Controle do Nível de Serviço Este relatório mostra se os objetivos de nível de serviço
(SLOs) configurados atendem às respectivas metas para
níveis de serviço selecionados.

Biblioteca de soluções de monitoramento de disponibilidade de


aplicativos Web
RELATÓRIO DESCRIÇÃO

Disponibilidade de Teste Este relatório mostra a disponibilidade relatada por um teste


individual com o passar do tempo.

Desempenho de Teste Este relatório mostra os objetos selecionados e os valores do


contador de desempenho com o passar do tempo para
relacionar o quão bom foi o desempenho de um aplicativo
Web.

Disponibilidade de Aplicativos Web Este relatório mostra o quão dispon