Anda di halaman 1dari 220

OS SOLOS DAS PROVINCIAS DE

MAPUTO E GAZA

EXPLICAgÖES DOS MAPAS DE SOLOS

i (ESCALA 1/50.000)

INIA

DEPARTAMENTO TERRA E AGUA

/versao preliminair/
^ A . D / i' &s &*><? -e-A/

MAPUTO, JUNHO 1 9 9 3

Scanned from original by ISRIC - World Soil Information, as ICSU


World Data Centre for Soils. The purpose is to make a safe
depository for endangered documents and to make the accrued
information available for consultation, following Fair Use
Guidelines. Every effort is taken to respect Copyright of the
materials within the archives where the identification of the
Copyright holder is clear and, where feasible, to contact the
originators. For questions please contact soil.isric@wur.nl
indicating the item reference number concerned.

21^>
INDICE
1. INTRODUQAO
2 METODOLOGIA
2.1 Revisao literaria
2.2 As fotografias aéreas e os mapas topograficos
2.3 Mapas de solos e relatórios existentes
2.4 Antigas coleccao das descrigöes de perfis de solos do
INIA
2.5 Legenda do mapa de solos
2.6 A elaboracao dos mapas de solos
2.7 A elaboracao dos mapas de aptidao agricola
2.8 Métodos de laboratório utilizados nas analises de solos
2.8.1 Levantamento de solos da provincia de Maputo (Sa de Melo
Marques 1976)
2.8.2 Laboratório de solos do INIA (resultados de trabalho do
campo)
3 CARACTERISTICAS DA AREA
i

3.1 LOCALIZACAO
4 GEOLOGIA
4.1 GEOLOGIA PRE-QUATERNARIA
4.1.1 Pré-Karroo
4.1.2 Sedimentos Karroo e erupgöes Jura-Cretacicas
4.1.2.1 A cadeia dos Libombos
4.1.3 A sedimentacao Cretacica
4.1.3.1 Cretacico Inferior e Cenomariano
4.1.3.2 Turoriano
4.1.3.3 Cretacico superior tardio
4.1.4 Sedimentacao fTerciaria
4.1.4.1 O Terciario primério
4.1.4.2 Os sedimentos marinhos do Mioceno-Plioceno
4.1.4.3 O Plioceno tardia e sedimentos continentais do
Pleistoceno recente
4.2 GEOLOGIA QUATERNARIA
4.2.1 O manto de Mananga
4.2.1.1 Rejeicao das teorias existentes
4.2.1.2 Origem da Paisagem de Mananga
4.2.1.3 As Plataformas de cascalho rolado (grupo de solos S)
4.2.1.4 Descricao das Plataformas de Managa
4.2.2 O Post-Managa (grupo de solos P)
4.2.3 Terracos aluviais e reinterpretacöes
4.2.4 A planiciè arenosa (grupo de solos A)
4.2.5 Quaternarios Marinho e Sedimentos Eólicos Costeiros da
Africa-Austral
4.2.5.1 O primeiro eolianito
4.2.5.2 A Transgressao do Natal (+8 m, Eemiano)
4.2.5.3 A Transgressao de Ponta (+4.5 m)
4.2.5.4 O segundo eolianito (veja fotografia 3)
4.2.5.5 A Transgressao do Umbelüzi (+1.5 m?)
4.2.5.6 O terceiro eolianito .
4.2.5.7 Os niveis do mar do Holoceno

i
»
5 CLIMA
5.1 O clima actual
5.1.1 Ventos
5.1.2 Temperatura
5.1.3 Humidade relativa do ar
5.1.4 Chuvas

6 VEGETACAO
6.1 Vegetagao

7 DESCRICAO DAS UNIDADES DE SOLO CARTOGRAFADAS

7.1 OS SOLOS DAS DUNAS COSTEIRAS

7.1.1 Os solos das dunas costeiras amareladas, agrupamento de


solo DC
7.1.1.1 Descrigao do terreno
7.1.1.2 Conceito central
7.1.1.3 Classificagao do solo
7.1.1.4 Vegetacao das praias e dunas costeiras recentes
7.1.1.5 Perfil tipico do agrupamento de solo DC
7.1.2 Solos das dunas costeiras vermelhas, agrupamento de solo
DV
7.1.2.1 Descricao. do terreno
7.1.2.2 Conceito central
7.1.2.3 Classificagao do solo
7.1.2.4 Variacao das caracteristicas
7.1.2.5 Perfil tipico do agrupamento de solo DV

7.2 OS SOLOS DE COBERTURA ARENOSA

7.2.1 Introdugao
7.2.2 Os solos arenosos amarelados, agrupamento de solo Aa
7.2.2.1 Descricao do terreno
7.2.2.2 Conceito central
7.2.2.3 Classif icagao, de solos
7.2.2.4 Variacao das caracteristicas
7.2.2.5 Vegetacao
7.2.2.6 Perfil tipico da agrupamento de solo Aa
7.2.2.6.1 Perfil tipico de solos arenosos amareladas

7.2.3 Os solos arenosos alaranjados, agrupamento de solo Aj


7.2.3.1 Descricao do terreno
7.2.3.2 Conceito central
7.2.3.3 Classificagao de solos
7.2.3.4 Variagao das caracteristicas
7.2.3.5 Vegetagao
7.2.3.6 Perfil tipico da agrupamento de solo Aj
7.2.3.6.1 Perfil tipico dos solos arenosos alaranjadas(Aj)

7.2.4 Os { solos arenosos brancos, agrupamento de solo Ab


7.2.4.1 Descrigao do terreno
7.2.4.2 Conceito central
7.2.4.3 Classificagao de solos
7.2.4.4 Variagao das caracteristicas
7.2.4.5 Vegetagao
7.2.4.6 Perfil tipico do agrupamento de solo Ab

7.2.5 Os solos arenosos hidromorficos, agrupamento de solo Ah


7.2.5.1 Descrigao do terreno
7.2.5.2 Conceito central
7.2.5.3 Classificagao de solos
7.2.5.4 Variagao das caracteristicas
7.2.5.5 Perfil tipico do agrupamento de solo Ah

7.3 OS SOLOS VERMELHOS DERIVADOS DO GRES VERMELHO

7.3.1 Os solos vermelhos de gres vermelho, agrupamento de solo


G
7.3.1.1 Descrigao do terreno
7.3.1.2 Conceito central
7.3.1.3 Classificagao de solos
7.3.1.4 Variacao das caracteristics
7.3.1.5 Vegetagao
7.3.1.6 Perfil tipico do agrupamento de solo G

7.4 OS SOLOS DE MANANGA

7.4.1 Introducao
7.4.2 Caracteristicas dos solos de Managa
7.4.3 Origem das solos de Managa e Pós-Managa
7.4.4 Manejo geral dos solos de Managa
7.4.5 Vegetagao nos solos de Mananga

7.4.6 Os solos de Managa com cobertura arenosa superficial


(0 a 25 c m ) , agrupamento de solo Ml
7.4.6.1 Descrigao do terreno
7.4.6.2 Conceito central
7.4.6.3 Classificagao de solos
7.4.6.4 Variagao das caracteristicas
7.4.6.5 Vegetagao
7.4.6.6 Perfil tipico do agrupamento de solo Ml

7.4.7 Os solos de Mananga com cobertura arenosa pouco espessa


(25 a 50 c m ) , unidade de solos M2
7.4.7.1 Conceito cent'ral
7.4.7.2 Variagao das caracteristicas
7.4.7.3 Vegetagao
7.4.7.4 Perfil tipico do agrupamento de solo M2

7.4.8. Os solos de Mananga com cobertura moderadamente espessa


(50 a 100 c m ) , agrupamento de solos M3
7.4.8.1 Descrigao do terreno
7.4.8.2 Conceito central
7.4.8.3 Classificagao de solos
7.4.8.4 Variagao das caracteristicas
7.4.8.5 Vegetagao
7.4.8.6 Perfil tipico do agrupamento de solo M3
7.4.9 Os solos de Mananga com cobertura arenosa espessa
(100 a 180 c m ) , agrupamento de solo M4
7.4.9.1 Conceito central
I

7.4.9.2 Variagao das caracterïsticas


7.4.9.3 Vegetagao
7.4.9.4 Perfil tipico do agrupamento de solo M4

7.5 OS SOLOS DE POST- MANAGA


7.5.1 INTRODUCAO
7.5.2 Os solos de Post-Mananga sobre basaltos, agrupamento de
solo PI
7.5.2.1 Descrigao do terreno
7.5.2.2 Conceito central
7.5.2.3 Classificagao de solos
7.5.2.4 Variagao das caracterïsticas
7.5.2.5 Vegetacao
7.5.2.6 Perfil tipico do agrupamento de solo PI

7.5.3. Os solos de Post-Mananga de textura média, agrupamento


de solo P2
7.5.3.1 Descrigao do terreno
7.5.3.2 Conceito central
7.5.3.3 Classificacao de solos
7.5.3.4 Variagao das caracterïsticas
7.5.3.5 Vegetagao
7.5.3.6 Perfil tipico do agrupamento de solo P2

7.5.4. Os solos de Post-Mananga de textura grossa, agrupamento


de solo P3
7.5.4.1 Descrigao do terreno
7.5.4.2 Conceito central
7.5.4.3 Classificagao de solos
7.5.4.4 Variagao das caracterïsticas
7.5.4.5 Vegetagao
7.5.4.6 Perfil tipico do agrupamento de solo P3
7.5.5. Os solos de Post-Mananga com manchas laranjadas,
agrupamento de solo P3j
7.5.5.1 Descrigao de terreno
7.5.5.2 Conceito central
7.5.5.3 Classificagao de solos
7.5.5.4 Variagao das caracterïsticas
7.5.5.5 Vegetagao
7.5.5.6 Perfil tipico do agrupamento de solo P3j
7.5.6. Os solos de Ppst-Mananga de textura limosa, agrupamento
de solo P4
7.5.6.1 Descrigao do terreno
7.5.6.2 Conceito central
7.5.6.3 Classificagao de solo
7.5.6.4 Variagao das caracterïsticas
7.5.6.5 Vegetagao
7.5.6.6 Perfil tipico do agrupamento de solo P4

7.6 OS SOLOS DOS SEIXOS ROLADOS


7.6.1 Os solos liticos sobre seixos rolados, agrupamento
de solo SI
7.6.1.1 Descrigao do terreno
7.6.1.2 Conceito central
7.6.1.3 Classificagao de solos
7.6.1.4 Variagao das caracteristicas
7.6.1.5 Vegetagao
7.6.1.6 Perfil tipico do agrupamento de solo SI
7.6.2 Os solos de Mananga sobre seixos rolados, agrupamento
de solo Sm
7.6.2.1 Descrigao do terreno
7.6.2.2 Conceito central
7.6.2.3 Classificagao de solos
7.6.2.4 Variacao das caracteristicas
7.6.2.5 Vegetagao
7.6.2.6 Perfil tipico da unidade de solo Sm

7.6.3. Os solos coluvionares sobre seixos rolados, agrupamento


de solo Sc
7.6.3.1 Descrigao do terreno
7.6.3.2 Conceito central
7.6.3.3 Classificacao de solos
7.6.3.4 Variacao das caracteristicas
7.6.3.5 Vegetagao
7.6.3.6 Perfil tipico do agrupamento de solo Sc

7.6.4. Os solos vermelhos de Pós-Mananga sobre seixos rolados,


agrupamento de solo Sv
7.6.4.1 Descrigao de terreno
7.6.4.2 Conceito central
7.6.4.3 Classificagao de solos
7.6.4.4 Variagao das caracteristicas
7.6.4.5 Vegetagao
7.6.4.6 Perfil tipico do agrupamento de solo Sv

7.7 OS SOLOS ARGILOSOS DERIVADOS DE ROCHAS SEDIMENTARES

7.7.1 INTRODUCAO
7.7.2 Os solos argilosos das rochas sedimentares de Catuane
7.7.2.1 Os solos argilosos vermelhos das argilas e margas
cretécicas, agrupamento de solo Kv
7.7.2.2 Descrigao do terreno
7.7.2.3 Conceito central
7.7.2.4 Classificagao de solos
7.7.2.5 Variagao das caracteristicas
7.7.2.6 Vegetagao
7.7.2.7 Perfil tipico do agrupamento de solo Kv

7.7.3 Os solos argilosos pretos derivados das rochas


sedimentares cretacias, agrupamento de solo Kp
7.7.3.1 Descrigao do terreno
7.7.3.2 Conceito central
7.7.3.3 Classificagao de solos
7.7.3.4 Variagao das caracteristicas
7.7.3.5 Vegetagao
7.7.3.6 Perfil tipico do agrupamento de solo Kp
7.7.4 Os solos argilosos castanhos derivados das rochas
sedimentares cretacias, agrupamento de solos Ko
7.7.4.1 Conceito central
7.7.4.2 Classificagao de solos
7.7.4.3 Variagao das caracteristicas

i
7.7.4.4 Vegetacao
7.7.4.5 Perfil tïpico do agrupamento de solo Ko
7.7.5 Os solos argilosos de rochas sedimentares do Distrito
de Magude

7.7.5.1 Os solos argilosos vermelhos derivados das rochas


calcarias, agrupamento de solo Wv
7.7.5.2 Descricao do terreno
7.7.5.3 Conceito central
7.7 5.4 Classificacao de solos
7.7.5.5 Variacao das caracteristicas
7.7.5.6 Vegetacao
7.7.5.7 Perfil tïpico do agrupamento de solo Wv

7.7.6 Os solos pouco profundos sobre rochas sedimentares,


agrupamento de solo Wp e Wpk
7.7.6.1 Introducao
7.7.6.2 Descricao do terreno
7.7.6.3 Conceito central
7.7.6.4 Classificacao de solos
7.7.6.5 Variacao das caracteristicas do agrupamento de solo Wp
7.7.6.6 Perfil tïpico do agrupamento de solo Wp
7.7.6.7 Variagao das caracteristicas do agrupamento de solo Wpk
7.7-6.8 Perfil tïpico do agrupamento de solo Wpk

7.8 OS SOLOS BASALTICOS


7.8.1 Introducao
7.8.2 Os solos basalticos vermelhos, agrupamento de solo Bv
7.8.2.1 Descricao do terreno
7.8.2.2 Conceito central
7.8.2.3 Classificacao do solo
7.8.2.4 Variagao das caracteristicas
7.8.2.5 Vegetagao das planicies basalticas
7.8.2.6 Perfis tipicos do'agrupamento de solo Bv
7.8.2.6.1 Perfil tïpico dos solos basalticos vermelhos
agrupamento de solos Bv2
7.8.2.6.2 Perfil tipico dos solos basalticos vermelhos
agrupamento de solos Bv3

7.8.2 Os solos basalticos pretos, agrupamento de solo Bp


7.8.2.1 Descricao do terreno
7.8.2.2 Conceito central
7.8.2.3 Classificacao de solos
7.8.2.4 Variacao das caracteristicas
7.8.2.5 Perfil tïpico do agrupamento de solo Bp

7.8.3 Os solos basalticas lïticos, agrupamento de solo Bi


7.8.3.1 Descricao do terreno
7.8.3.2 Conceito central
7.8.3.3 Classificacao do solo
7.8.3.4 Variagao das caracteristicas
7.8.3.5 Perfil tïpico do agrupamento de solos BI

7.9 OS SOLOS RIOLITICOS


7.9.1 Os solos riolïticos vermelhos, agrupamento de solo Rv
7.9.1.1 Descricao do terreno
7.9.1.3 Classificagao de solos
7.9.1.4 Variagao das caracteristicas
7.9.1.5 Vegetagao
7.9.1.6 Perfil tipico do agrupamento de solo Rv

7.9.2 Os solos rioliticos liticos, agrupamento de solo Rl


7.9.2.1 Descrigao do terreno
7.9.2.2 Conceito central
7.9.2.3 Classificagao do solos
7.9.2.4 Variacao das caracterïstics
7.9.2.5 Vegetagao
7.9.2.6 Perfil tipico do agrupamento de solo Rl

7.10 OS SOLOS COLUVIONARES

7.10.1 Os solos coluvionares derivados da Mananga, agrupamento


de solo Cm
7.10.1.1 Descrigao do terreno
7.10.1.2 Conceito central
7.10.1.3 Classificagao de solos
7.10.1.4 Variagao das caracteristicas
7.10.1.5 Vegetagao
7.10.1.6 Perfil tipico do agrupamento de solo Cm

7.10.2 Os solos coluvionares ao sopé, agrupamento de solo Cs


7.10.2.1 Descrigao do terreno
7.10.2.2 Conceito central
7.10.2.3 Classificagao de solos
7.10.2.4 Variagao das caracteristicas
7.10.2.5 Vegetagao
7.10.2.6 Perfil tipico do agrupamento de solo Cs
7.10.3 Os solos de coluvionares sobre basaltos, agrupamento
de solo Cc e Ccf
7.10.3.1 Descriagao do terreno
7.10.3.2 Conceito central
7.10.3.3 Classificagao de solos
7.10.3.4 Variagao das caracteristicas
7.10.3.5 Vegetagao
7.10.3.6 Perfil tipico do agrupamento de solo Cc
7.10.4 Os solos coluvionares derivados dos solos das rochas
sedimentares (Cretacio e Terciario) do agrupamento de
solo Cw
7.10.4.1 Descrigao do terreno
7.10.4.2 Conceito central
7.10.4.3 Classificagao de solos
7.10.4.4 Variagao das caracteristicas
7.10.4.5 Perfil tipico do agrupamento de solo Cw

7.11 OS SOLOS ALUVIAIS E ESTUARINOS


7.11.1 Introdugao
7.11.2 Os solos de aluvioes turfosos, agrupamento de solos Ft
7. :L1. 2 .1 Descrigao do terreno
7 f 13. 2 2 Conceito central
7»1'1.2.3 Classif icagao de solos
7«)Li 2 4 Variagao das caracteristicas
7.11 2 4 Variagao das caracterïsticas
7.11.2.5 Vegetagao
7.11.2.6 Perfil tipico do agrupamento de solo Ft

7.11.3 Os solos aluvionares argilosos, agrupamento de solo Fa


7.11.3.1 Descrigao do terreno
7.11.3.2 Conceito central
7.11.3.3 Classificagao de solos
7.11.3.4 Variacao das caracterïsticas
7.11.3.5 Vegetacao
7.11.3.6 Perfil tipico do agrupamento de solo Fa

7.11.4 Os solos aluvionares estratificados de textura grosseira


a média, agrupamento de solo Fs
7.11.4.1 Descrigao do terreno
7.11.4.2 Conceito central
7.11.4.3 Classificacao de solos
7.11.4.4 Variacao das caracterïsticas
7.11.4.5 Vegetacao
7.11.4.6 Perfil tipico do agrupamento de solo Fs
7.11.5 Os solos aluvionares estuarinos, agrupamento de solo
Fe e Fem
7.11.5.1 Descrigao do terreno
7.11.5.2 Conceito central
7.11.5.3 Classificacao de solos
7.11.5.4 Variagao das caracterïsticas
7.11.5.5 Vegetagao
7.11.5.6 Perfil tipico do agrupamento de solo Fe

7.11.6 Os solos aluvionares calcarios, agrupamento de solo Fe


7.11.6.1 Descrigao do terreno
7.11.6.2 Conceito central
7.11.6.3 Classificagao de solos
7.11.6.4 Variagao das caracterïsticas
7.11.6.5 Vegetagao
7.11.6.6 Perfil tipico do agrupamento de solo Fe

8 AVALIACAO DA TERRA1
8.1 Introdugo
8.2 Critérios
8.2.1 O método de aptidao conforme USDA
8.2.2 O método de aptidao conforme USBR
8.3 A aptidao de terra para agricultura das provincias Maputo
e Gaza, conforme o sistema de USBR
8.4 Os solos da orla costeira
8.5 A planicie arenosa e a gres vermelho
8.6 Os pedimentos de Mananga
8.7 Os pós-Mananga
8.8 As plataformas dos seixos rolados
8.9 Os afloramentos das rochas sedimentares
8.10 Os solos da cadeia vulcanica dos Libombos
8.11 Os solos de cdluvioes
8.12 Os solos de aluvioes

9. BIBLIOGRAFIA
2

1. INTRODUgAO
No ambito da programacao do Departamento Terra e Agua (DTA) do INIA
estipulado no ano 1988, em cooperacao dos projectos de assistencia
técnica, a saber o projecto da FAO (MOZ/06/010) e o Projecto de
Levantamento de Solos e Avaliacao de Terra, financiado pelo Governo
Holandês (Moz/00/007), foram estudados os solos da Provincia de
Maputo e uma parte do Sul de Gaza e compilados os mapas de solos
das mesmas.
A escolha da area foi baseado no princlpio de incluir distritos
prioritarios, o qual foi definido na programacao do Ministério de
Agricultura. O estudo só era possivel, com suficiente informacao do
campo da area referida, sondagens e descricöes de perfis com
anélises laboratóriais.
A equipa, que participou na elaboracao dos mapas de solos, era
composta por: F. Beernaert, J.A. Dykshoorn, M. Marques, G. Serno,
J. van Wambeke e M. Vilanculos e J. Adamec.
A seccao de desenho estava sob supervisao de H. J. de Alwis.
O conceito do estudo, a metodológia e uma parte das unidades de
mapeamento, sao baseados no trabalho doutorado do Dr. Frank
Beernaet; Geomorpholocal-Pedological Investigation of the Manangas
in southers Mozambique (Ghent, 1987).
0 estudo da Provincia de Maputo levou um ano, com mais um por parte
do estudo da Provincia de Gaza.
Desde do inicio do estudo foram seleccionados perfis completamente
descritos e analisados que servem como "conceito central", quais
mostram as caracteristicas tipicas dos solos das unidades de
mapeamento.
Um relatório provisional circulou no DTA por 3 anos, antes que foi
acabado com um ultimo capitulo referente a aptidao agricola, e
finalmente foi apresentado em português num forma final. Assim
foram tirados os trabalhos dos anos 1988/1991 do esquecisemento.

i
(

2 METODOLOGIA
2.1. Revisao literaria
Os relatórios geológicos foram consultados na Universidade Eduardo
Mondlane, no Instituto de Geologia e Minas e na Biblioteca do INIA.
Alguns desses relatórios estao escritos a mao. Também foram
anexados dopumentos do Instituto Tropical de Lisboa. A geologia
Quaternaria foi descrita por F. Beernaert (1987).
2.2. As fotografias aéreas e os mapas topograficos
Fotografias aéreas na escala 1:20.000 (1957-58) ja existentes no
INIA e as fotografias aéreas das areas nao abrangidas foram
requisitad'as è DINAGECA - 52 mapas topogréficos na escala 1:50.000
foram também requisitados è DINAGECA, podendo ser usados como base
na elaboracao do mapa de solos.
2.3. Mapas de solos e relatórios existentes
O INIA tem uma coleccao relativamente completa de levantamentos
topogréficos feitos e estudados de 1945-1992. Essas unidades de
solos e mapas foram correlacionados a nova legenda de mapa de solos
de Provincia de Maputo.
2.4. Antiga coleccao das descrigöes de perfis de solos do INIA
Durante o tempo colonial (1961-64) tentou-se fazer um mapa de solos
da provincia. Essas descrigöes de campo e os dados laboratoriais
foram arquivadas no INIA, e o mapa propriamente dito nao chegou a
ser elaborado. Este tipo de dados basicos, consistiu em centenas de
descrigöes de solos todos eles inclusos nos mapas topogréficos e
nas fotografias aéreas. Ao norte de Magude mais nenhuma observagao
foi feita. Naquela éreas o novo mapa de solos depende de
fragmentos de relatórios. Mais estudos serao necessarios no futuro
nessa area.
Em 1976, Sé e Melo Marques tentaram elaborar um mapa de solos da
provincia de Maputo na escala 1:100.000 baseado nos velhos dados
das descrigöes de perfis, mas a tentativa falhou devido a analise
das fotografias aéreas nao ser exacta. Apenas foi feito o esbogo do
mapa de metade da Proviincia, portanto mapa nao completo e
insuficientemente detalhado.
Além disso diversos estudos pedológicos foram feitos na area dos
rios Limpopo e Elefantes, na qual certa informagao foi incorporada
neste estudo.

(
PED/ 91034

Figura 1. Distribuicao dos dados de solos utilizados de diferentes


estudos da Provincia de Maputo

1) Casimiro e Veloso, 1969 : Massingir


2) Serli- Coba, 1982 : Macaene-Massingir
3) Serno, 1986 : Chokwé
4) Serli- Bonifica, 1981 : Sabie- medio Incomati
5) Perfis de solos do INIA 1961-1964
6) Beernaert, Maputo, 80 x 80 Km
7) Kauffman, 1983 : Baixa costeira, Maputo
8) Eschweiler, 1986: parte da Baixa Costeira, Maputo
9) Serno, 1987, Baixa S. Damasco
10) Montreal Engineering Company, 1980-81:Tembe-Umbeluzi
11) Scholten, 1986 : Alto Imbeluzi
12) Montreal Engineering Company, 1980 : Umbeluzi
13) Voortman, 1984 : Salamanga
14) Konstapel, 1980 : Magude- Timanguene
15) Beernaert, 1981 : Namaacha- Matianine
16) Kauffman, 1983 : Regadio da Macia
LEVANTAMENTO DE SOLOS DA
\4j_. M A IIIC A PROVINCIA DE GAZA

legen

SERNO _1981. Moco.

CASI1IR0 f VE10S0

PAB8SUWC -1911.Xo

DTKSHOORN _1?90

. V. WAMBEKE _ 1988. CUbuti

RCKPtS _19«J.. Chal

___! CDOA _19S3.Chibotanc.19SZ. Chnnonoane

1
&AHACUA _ n S 3 . X a i . X a ;
I
KKfc?KS CC8A _1983.noisinoir VHho GE0TECH1C* _ i 9 8 7 . X n i . X o i
CONVENCOES
jTtTVTl © S<0e dt Oiir-ic
1****1 TOUMR e rOOBt _19SS.Ciw.-e' TlhBCaLAf^ e SERHO _ 19P . C hek we
© Capthil tf. P^wirnc
Lim-tr dr Frwttrir,
__E3 S£HA _19fc-.Xoi.Xoi VAK3€RL**N _«83.Hon;otOIe Lrmrte dt D>ïT'fe
Limrtt flf PrtrrrKKi
(O O Ol
'O Q* SOLKOZ PROM.XPORT _19 Xoi - Xoi CAS'^IW V.LCSO _ T9« , Ma.s-igr Elfroóa Pnotipri
Canwnho dr FOTO
.
"•* •• H. 1-W__0C»UL0 v _. PAR1N.RS _17B) Houur^ir ESCHWtlLEO ,)W7 .Xoi- Xoi _ui->t OUrto f MonicctJip
ESCAIA 1:1000 000

"£________•'' P**"*** * * " e_*_«_o &ït fot^rafioj ocn-ai 1WJ f__l


Drt:M3rcoï Joltrta »«o
32

Figura 2. D i s t r i b u i c a o dos dados de s o l o s u t i l i z a d o s de d i f e r e n t e s


e s t u d o s da Provincia de Gaza.
7

As descricöes de perfis existentes foram organizados em mapas e os


dados analiticos arqu^vados em varios ficheiros.
Cada amostra recebeu um numero laboratorial e cada tipo de analise
foi anotada num centro separado. As descricöes de campo foram
realizadas de acordo com a metodologia padrao usada actualmente
pela FAO-USDA. As descricöes fisiograficas nem sempre estao
completas e a vegetacao vem descrita com o nome local (changane),
estes depois foram correlacionados com os respectivos nomes
cientlficos.
As descricöes foram, segundo o agrupamento de solos, classificadas
de acordo com o sistema FAO-USDA. Os nomes das cores dos solos,
segundo o Munsell Soil Colour chart, foram acrescentados na
nomenclatura.
2.5. Legenda do mapa de solos
Nove mapas de solos 1:50.000 da provincia de Maputo foram
elaborados anteriormente por Beernaert (1987) e os agrupamentos de
solos desses mapas foram adaptados com novos nomes. Alguns foram
acrescentados durante o processo de elaboracao do mapa. Os
agrupamentos de solos foram defenidos em geologia, geomorfologia,
textura do solo, cor, drenagem, profundidade do solo, pH,
sodicidade-salinidade e teor de matéria organica.
O simbolo • do agrupamento de solo é composto por duas letras que
indicam algumas caracteristicas chave, por exemplo: Aa - areias
amareladas (yellow sands).O simbolo para a fase pedológica segue o
agrupamento simbólico dos solos, exemplo:
Aag - areias amareladas manchadas (mottled sands).
As fases geomorfológicas precedem o simbolo do agrupamento de
solos, exemplo: dAa - dunas de areias amareladas (dunes of
yellowish sands). A legenda é dada numa tabela para facilitar a
leitura do mapa.

i
8

Tabela 1: Tabela de correlagao do solo e unidades de mapeamento dos


varios estudos

:Este 1987 1962 1964 1976 1980 1981 1988 1981 1987 1969 : 1981 :
:estudo :Associacoes Series + 70 a b c :

:Rv Namaacha Namaacha Lsibovi- Var


Loaasheni

:R1 Habenga Libonbo 0 Soil Set Er C2 Rl

:Bv Iipaputo
:Bvl lul R Soil Set'Vab :Bvl :Bv3 •
:Bv2 H2 Cvb • Bvl Bv2
:Bv3 IQ3 Pb :Bvl :Bvl

:Bpl+2 Moanba Moanba I :K Soil Set Nac « B3 B3-2


:Bp3 :Lith Moanba :Moanba II :S Soil Set Nac :B3 :B3-1 •

:B1 .Hatalha S Soil Set Plb • Bl-1

Boane • Vag S1-S2 Qf


:G Maputo S.Jeronimo Vp

Ponta de- i,
:Dc Macaneta Ouro Qa
Rg
:Dv Taula

:H1 Estevel Dingue ZL + H El W2 »1,W2 Mnl Fvl TH6 Lc3-3 :


Guija Soil Sets E3 Wg,W3 LOl-2 :
P.Henrique Pcc

:Hlh Wsh

:H2 Estevel Guija ZL + H Plc El W2 W1,W2 ÜM1 Fvl TS7 Lc3-3 :


.deep toplayer Dingue Soil- Sets E3 Phase :W3,Wg Mnl TH5 Lol-2 :
P.Henrique üc7

:M3 :Movene :Dingue :ZL + H :PLc :E3 :W3 :W1,W2 :UH2 :Fv-2a :TS7
P.Henrique Soil- Sets Phase .W3,Wg Fv3 TM5
° \
:Dlab
:D2
I

:H4 Hovene W3 W1,W2 D3ab


deep toplayer QWs

:Ah Xalalene t Ph Qj BI

:Ab Haulane S.Martinho Pr eQb P03 Pla

:Aa Mucapane S.Martinho Pr Qb PQ2 D4 S5 ; S6

:Aj Pssene Lr eQf PQ2 S3,TS3

:P1 Mahube Vab


Vbc

:P2 Tembe ' Pmc ÜC2+3 TH4 Lcl-2

:P3 Hatola Vp ÜC1 SI


PQ1

:P3j Pessene Lr PQ2

:P4 üibeluzi Pina cabral W Soil Set Vdm A6 A6,A8


Atm A9
Ata

Conglo-
:S1 Hajor merados 0 Soil Set R2 Rdl

:Sm Ponzela Hapai Petronella E4 RH

:Sc Hujavela Hoaaba II B4 B4 Rd2

Conglo-
:Sv Incomati merados Waspageni B2 B2 ÜC4 SI

:Cm :Columbela Hecarra :Petronella E4 :H1


.TS1
TS2
:Cs Huguene Habenga Nac C1,C2

:Cc Hanhove V + ï Nac Cl


Pac

:CW TG6,TG8 Je8-2/3:

:Ft Bobole Bobole Qqioj


Ah
Gje

:Fta Bobole Bobole Od,Gu


La

:Fa Planicie L L,A :gj AI11 Je5-3 :


Pac : Jl AAI Je6-3 :
J2 Je7-3 :

:Fah Planicie Gun AA3

:Fs Licavane Aluvial X,B : Al-5 Al-5 :d,ba AII-10 Jel-1/2:


AX Je4-l/2:
Soil Sets dg,J3 AA2
Je2-1 :
Je3-1 :
Je7-2/3:

X,B
:tFs Licavane Aluvial Soil Sets AX Al-5 Al-5 tl-t4 AII-10
AA2

:Fe Mugazine Estuarina AS

:Fc Jafar

:Kv

:Kp
:Ko

:Bv ÜC5 TH3,TG3 Lcl-2 :


G4,H3-4

:Wp UC6 TS5,Rm

:WpK H6-8 LC2-2 :

I
9

Tabela 2: Percentagem de inclusoes nas unidades de mapas de solo

Agrupamento Inclusoes totais <5% Inclusoes Totais


de solo <20%

Rv pRl, Rl -

pRl Rv Rl
Rl Cs, Rv, BI, pRl -

Bv Ccf, Cs, Kv, Kp BI, Bp, Cc


Bp Cs, Ccf, Cs, Wp, Kv Bv, Cc, BI
BI Cs, Ccf, SI, Rl Bv, Bp, Cc
G A j , Aa -

De Dv, Ah, Ab -

Dv De -

Ml Sm, M3 M2, Cm
M2 Sm, P2 Ml, M3, Cm
M3 Sm, Ml, P3 M2, Cm
M4 M2, Sm, Cm Ab, Aa, M3
Ah Aa Ab, Ft
Ab ' Ah Aa
dAb dAa -

Aa - Ab, Aj
dAa dAb, dAj. -

Aj Ab Aa, P3j
dAj - dAa
PI Sv Bv
P2 Sv, P4 M2, M3, P3
P3 M2, M3 G, P3j, P2
P3j P3, M2, M3 Aj
P4 P3, Sv Bv
SI Ml, M 2 , M3,Cc Sm, Sc, Sv, BI
PI, P2,P3,P4
Tabela 2: Percentagem de inclusoes nas unidades de mapas de solo

Agrupamento Inclusoes totais <5% Inclusoes Totais


de solo <20%

Rv pRl, Rl -

pRl Rv Rl
Rl Cs, Rv, BI, pRl -

Bv Ccf, Cs, Kv, Kp BI, Bp, Cc


Bp Cs, Ccf, Cs, Wp, Kv Bv, Cc, BI
BI Cs, Ccf, SI, Rl Bv, Bp, Cc
G 'Aj, Aa -

De Dv, Ah, Ab -

Dv De -

Ml Sm, M3 M2, Cm
M2 Sm, P2 Ml, M3, Cm
M3 Sm, Ml, P3 M2, Cm
M4 M2, Sm, Cm Ab, Aa, M3
Ah Aa Ab, Ft
Ab Ah Aa
dAb i dAa -

Aa - Ab, Aj
dAa dAb, dAj -

Aj Ab Aa, P3j
dAj' - dAa
PI Sv Bv
P2 Sv, P4 M2,, M3, P3
P3 M2, M3 G, P3j, P2
P3j P3, M2, M3 Aj
P4 P3, Sv Bv
SI Ml, M2, M3,Cc Sm, Sc, Sv, BI
PI, P2,P3,P4
10

Agrupamento Inclusoes totais <5% Inclusoes Totais


de solo <20%

Sm Sc, Sv, Bv Ml, M2, M3, SI


Sc BI, Ccf Cc, Cs, SI
Sv Bv, BI PI, P2, P3,P4, SI
Cm - M1,M2
Cs Ccf. SI BI, Cc, Bp
Cc Ccf. SI, BI, Bv Cs, Bp,Sc
Ccf BI, Bp, Sc, SI Cc
Cw Cm Wp, WpK
Ft Aa, Ab, Ml Ah, Fta
Fta r Fe, Fe Ft, Fa
Fa Fta Fs
Fs Ft Fa
Fe Fa, Fta -

Fe Fs, Ml, M2 Fa
Kv Ml, M2, Bv, Bp Ko, Kp
Kp Ml, M2, Bp Kv, Ko
Ko Ml, M2, Bp Kv, Kp
Wv Cw, P2, SI Wp,WpK
wp t Wv, Cw, SI WpK
WpK Wv, Cw, SI Wp

2.6. A elaboracao dos mapas de solos


A localizacao dos perfis dos solos do periodo colonial foi
transferida para o mapa topografico de base. Os solos foram
classificados de acordo com o respectivo agrupamento simbolico de
solos, cada localizacao do perfil no mapa recebendo o respectivo
simbolo.
As fotografias aéreas na escala 1:20.000 foram interpretadas por
folha topografica e os limites de solos foram transferidos para urn
mapa topografico de base. O primeiro esquema do mapa de solos foi
depois controlado pelo Comité editorial que verificou todas as
unidades. Depois de aprovado passou para sala de desenho, onde a
11
informagao foi registada num mapa topografico de base transparente.
Finalmente uma cópia do mapa foi colorida e levada para correcgao
e apresentagaö.
O Departamento de Terra e Agua do INIA tem disponivel esses mapas
de solos, da Provincia de Maputo e uma parte da Provincia de Gaza
(principalmente a area ao longo do rio Limpopo, a escala 1:50.000
em preto e branco.
Também estao disponiveis, a escala 1:250.000, os mapas de solos da
mesma area, impressos e a cores.
2.7 A elaboracao dos mapas de aptidao agricola.
Na base de descricöes das unidades de mapeamento e dos dados
analiticos dos perfis seleccionados foram classificadas todas as
unidades da legenda num sistema de aptidao agricola. Ainda que em
geral, este classificagèo fora uma primeira indicagao da aptidao
das unidades para o uso agricola.
Para a classificagao da aptidao agricola foi escolhido um sistema
bem conhecido: o sistema de USDA para a aptidao agricola de
sequeiro e o sistema de USBR para a aptidao agricola irrigada.
Ambas as classificagöes da aptidao de solos estao indicadas numa
coluna da legenda. Finalmente as classificagöes de aptidao foram
transferidas para os 'mapas da escala 1:250.000, os quais estao
disponiveis, a cores e fotocopiados.

2.8 Métodos de laboratório utilizados nas analises de solos


2.8.1 Levantamento de solos da provincia de Maputo (Sa e Melo
Marques 1976).
-Analise mecanica : método de pipete
-Conteüdo de agua disponivel: método de Briggs e McLane
-Percentagem de 15 atmosfera: método de membrana de pressao
- C E . da pasta saturada: ponte electrica (25 °C)
-Permeabilidade: método de Richards
-Carbonatos: calcimetro de Collins
-Carbónico organico: método de Walkley e Black
-Matéria organica: multiplicagao por 1.724
-Ferro livre: método de Olson
-Conteüdo de fósforo total: método de cör, vanado com extracto
sulfurico-molibdenato amoniacal
-Nitrogênio total: método modificado por Kjeldahl
-Fósforo assimilavel: método dé sonda
-Reacgao do solo, pH: potenciómetro
-Bases trocaveis: método A.O.A.C.
método de Mehlich
acetato de amonio no pH7
-Saturagao de base: V % =S\Txl00
2.8.2 Laboratório de solos do INIA (resultados de trabalho
do campo)
-Textura: método de pipete de Robinson, Stokes laws
-AReaccao do solo, pH: em agua ou KCl; solo/liquido: 1/2.5
-C.E.; solo/agua 1:2.5 (25oC); se a C E . é mais que 0.8mmhs/cm,
a pasta saturada é determinada
-Matéria organica: método de Walkley e Black
-Bases trocaveis: acetato de amonio (Ca,Mg,K,Na)
H,Al:acetato de calcio (pH7)
-Fósforo disponivel: método de N-Carolina e de Olson
-Nitrogênio: método de Kjeldahl
-Carbonatos: método de Wesemael
-Razao areia g/f: areia grossa/areia fina
-PST(max.): percentagem de sódio trocj^vel.

!
13

3 CARACTERÏSTICAS DA AREA
3.1 Localizacao
A Repüblica de Mocambique esta situada na Africa Austral, entre 11°
e 27° de latitude Sul e 30° a 41° de longitude Este. O pais tem uma
configuracao irregular e estende-se de Norte a Sul ao longo do
Oceano Indico.
A costa mede cerca de 2000 Km em linha recta, mas o comprimento
real e de 2800 Km.
Os palses vizinhos de Norte a Sul sao: a Tanzania, o Malawi, a
Zambia, o Zimbabwe, a Africa do Sul e a Swazilandia.
A extensao do pais de Este a Oeste próximo da capital, Maputo, é
apenas de 80 km, porém ao Norte, na ilha de Mocambique, a sua
extensao ultrapassa os 500' kms. A Sul a fronteira é formada pela
cadeia dos Libombos que se estende de Norte a Sul. A fronteira ao
centro é formada pelos montes Chimanimani.
O pais tem uma extensa costa de terras baixas é a maior planïcie
costeira de Africa ao Sul do Equador, com uma superficie de mais de
200.000 Km2. Tem mais de 1.200 Km de comprimento que se situa entre
os 18 a 28° de latitude Sul.
O baixo vale do Zambeze, ao centro de Mocambique, tem grandes
pantanos de aluviao incluindo as terras baixas de Urema (graben
Vale do Rift). O rio Zambeze nao segue o vale, porém atravessa-o na
Vila Fontes (Caia).
O norte de Mocambique é constituido por uma planicie costeira
estreita e plana, com uma base cristalina a 500-1000 m acima do
nïvel do mar, "inselbergs" espectaculares e cadeias de montanhas,
elevando-se até os 2.400 m acima do nivel do mar (Pico de Namuli).
Os rios ao Sul formam muitos meandros e sao pouco navegaveis.
Em direccao a Oeste, fora do território Mogambicano, o mais
importante neste estudo, estao situadas distintas paisagens do
Transvaal, Swazilandia e Natal. Muitos rios têm a sua nascente a
Oeste da fronteira. O mais elevado planalto da Swazilandia e
Africa do Sul chama-se "Highveld" e esta situado a mais de 1.500 m
acima do nivel do mar. O Highveld esta rodeado a Este pela
proeminente escarpa de Drakensberg, onde a paisagem desce para o
Lowveld (200 a 300 m acima do nivel do mar). Esta ültima é uma area
remota entre a cadeia dos Libombos a Este e Drakensberg a Oeste.
Varios rios estendem-se de Oeste a Este e ja abriram profundos
canais (vales) através dos Libombos.
A provincia de Maputo esté situada a Sul do pais e é onde se
localiza a Capital. A provincia mede 300 por 90 km desde o Oceano
Indico até a cadeia dos Libombos.
De Oeste a Este podem-se distinguir as seguintes paisagens. A
cadeia dos Libombos é o elemento topografico mais importante, com
uma paisagem montanhosa maioritariamente resistente a erosao
(riolitos) e basaltos, (menos resistentes.)
A principal escarpa estende-se fora do pais. Na Namaacha o norte
imponduine chega aos 801 m acima do nivel do mar acima de uma
antiga superficie plana a 400-500 m acima do nivel do mar.
14
Todos os rios abrem vales em forma de V de Oeste a Este no
planalto.A escarpa oriental da cadeia, desce para os planaltos
basélticos (Impamputo) a menos de 150 m acima do nivel do mar,
estes sao separados a Este pelas montanhas rioliticas dos Pequenos
Libombos levantando-se abruptamente até os 300 m acima do nivel do
mar.
A Este desta estao as rochas basalticas que estao orientadas de
Norte a Sul e têm vales com meandros do rio Movene acerca de 30 a
80 m acima do nivel do mar.
A bacia sedimentar costeira é separada a Oeste pelo alongamento das
montanhas baixas (Boane-Estevel-Pessene-Golomo), que se elevam de
60 a 150 m acima do nivel do mar. Em direcgao a Este ha planaltos
costeiros baixos de 10 a 60 m acima do nivel do mar.
A bacia sedimentar é rica em depositos continentais e marinhos do
Cretacico e Quaternario.
A érea de estudo drena para o rio Incomati no Nordeste e Este, para
o rio Umbeluzi e Matola na parte central, para o rio Tembe e no Sul
e para o rio Maputo,o rio Füti a Sudeste.
Estes rios formam grandes vales e dissecam o baixo planalto
costeiro, e todos desaguam'na baixa Baia do Maputo (Delagoa Bay).
Esta ültima forma um intervalo na estreita costa do Natal orientada
de Norte, com altas dunas e lagoas formando uma faixa.
O baixo Incométi e os rios de Maputo correm paralelamente a uma
cintura. 0 baixo incométi e os rios de Maputo correm paralelamente
è costa e separam a costa planaltica das planicies estuarias das
lagoas e dunas.
Acima de 88 m dos arenitos/areias vermelhas de Maputo-Marracuene as
montanhas formam uma proeminente topografia recortada próximo da
costa. Existem rochedos marinhos onde a baia de Maputo alcanca os
baixos planaltos costeiros próximo da Catembe (Ponta Maoma)

i
15

4. GEOLOGIA
4.1. GEOLOGIA PRE-OUATERNARIA
4.1.1. Pré-Karroo
Nao existem afloramentos rochosos do Pré-Karroo no Sul de
Mogambique.
Rochas do Precambriano, maioritariamente quartzitos castanhos e
amarelados, sao comuns como calhaus arredondados nas areas estudas,
por exemplo no agrupamento de solo SI. Foram transportadas apartir
do interior da Africa do Sul e Zimbabwe e derivam dos cratöes
Kaapvaal - Rhodesiano e das suas bacias intercratónicas.
4.1.2. Sedimentos Karroo e erupcöes Jura-Cretacicas.
A sedimentagao Karroo comegou na Swazilandia e Transvaal Lowveld,
cont a fragmentagao da Gondwanalandia. Os agrupamentos Dwyka, Ecca,
Beaufort e Stormberg inferior sao caracterizados por tilitos,
argilas xistosas e arenitos, respectivamente.
Em direcgao a Este essas ropnas sao cobertas por lavas do Stormberg
superior, (chamada actualmente de serie superior).
Erupcöes basicas com fissuras tiveram lugar na transigao do
Triéssico a Jurassico, do Natal ao rio Zambeze e formaram a cadeia
dos Libombos ao Sul de Mogambique.
Veja, a tabela 1 sobre a cronoestratigrafia do pré-Quaternario no
Sul de Mogambique (fontes: Föster, 1975; Cilek, 1982; King, 1976;
Dingle et al.,1983) e a figura 2 sobre a superficie geológica do
Sul de Mogambique.
4.1.2.1. A cadeia dos Libombos
A cadeia dos Libombos (Lebombo, Lobombo, Ubombo) é a mais
impressionante de todas as estruturas de Karroo. Estende-se mais ou
menos do Norte a Sul com mais de 450 Km de comprimento do Natal ao
vale do Limpopo (Mapai) e forma uma estreita faixa de 20 a 25 km de
rochas vulcanicas inclinadas para Este.
A principal escarpa dos Libombos a Oeste de Mogambique é formada de
riolitos e andesitos. Também em direcgao a Este, as lavas
basalticas intercaladas sao menos resistentes a erosao e uma cuesta
riolitica foi formada. Presentemente as montanhas alcangam uma
altitude maxima de 801 m acima do nivel do mar na Namaacha (monte
Imponduine).
A cadeia dos Libombos foi recortada formando um pediplano durante
o Mioceno, coberto com agrupamento de solos Rv e pRl. Actualmente
esta superficie de planagao descende para Este com um angulo de 2-3
graus (King, 1951). A continuidade topografica da cadeia é quebrada
em varios lugares pelos grandes rios que correm de Oeste a Este.
A Este a gadeia dos Libombos tem uma acentuada inclinagao em
direcgaq ao baixo planalto basaltico de Impamputo, (agrupamento de
solos Bv, Bp e BI), separada a Este pela importante cuesta
riolitica dos Pequenos Libombos, agrupamento Rl.
A ültima descarga de lava basaltica ocorrida durante o Cretacio
esta situada no vale de Movene, a Este dos Pequenos Libombos e a
Oeste da bacia sedimentar.
16
Tabela 3.Cronoestratigrafia do pré-Quaternario no Sul de Mozambique
Precambriano Cratoes Kaapvaal e Rodesiano
(3-2.6*109 anos BP)
Bacia intercratónica; agrupamento superior
Transvaal; quartzitos, arcoses, conglo-
raarados, lagos de ferrite (2.25*109 anos
BP); cinta de Limpopo (2*109anos BP)
Karroo Planagao Gondwana
Sediraentos de Dwyka, Ecca, Beaufort e
(Perm - Jura) Stormberg
Lavas de Stormberg superior: Drakensberg
(Trias-Jura); fragmentacao de Gondwanalan-
dia; erupgöes fissüricas do Libombos: rioli
to, basalto, dolorito (160*106 anos BP)
Cretacico Transgrecöes de Barremiano, Aptiano,
Inferior Albiano e Cenomaniano; formagao de Maputo:
arenitos glauconiticos limosos
+ Cenomaniano
Planagao Cretacica
Cretacico Arenitos continentais, arcoses e conglomar-
Superior ados (Boane) de Turoniano: formacao de Sena
a Paleoceno Sedimentos marinhos de Senoniano-Paleoceno
formacao de Grudia: arenitos alauconiticos;
sedimentos argilosos lagunar,hipersalino e
conglomerados
Eoceno Sedimentos marinhos de Eoceno superior;
formacao de Salamanqa rochas calcareas.
finas, glauconiticas
Planacao de Moorland (planacao Africana)
Oligoceno Sedimentos marinhos locais : argilas
cinzentas de Maputo
Mioceno Planacao rolada (primeira Pós-Africano) nas
plataformas dos Libombos
Elevacao tectónica e inclinacao de Mioceno
tardio
Mioceno tardio Planagao extensa (segunda Pós-Africano)
a Plioceno Transgregöes de conglomerado basal cobrindo
por arenitos argilosos calcareos; formagöes
de Tembe, de Santiaao, e de Santaca
Plioceno tardio Arenitos vermelhos, continentais, com
a Pleistocenp cascalho basal; formagöes de Cacho e de
inferior ,;^;, Macmde (colina de Boane - Estevel) |
17
Algumas instrusöes, tais como cones e diques doleriticos e
sieniticos nefelinicos, sao encontrados nas montanhas vulcanicas
dos Libombos.

PED/ 91035

Figura 3. Superficie geológica do Sul de Mocambique (Föster, 1975)


Escala :1:10.000.000
I

18
4.1.3. A sedimentagao Cretacica
As terras baixas do Sul de Mogambique fazem parte de grande zona de
sedimentagao de idade Mesozóica-Cenozóica, desde a Somalia até a
provlncia do Cabo.
A bacia do Sul de Mogambique estende-se desde a Zululandia subindo
até 160 km ao Norte do rio Zambeze. Atinge uma extensao maxima de
440 km no sentido Oeste-Este; o comprimento de Norte a Sul é de
1.200 km.
Sedimentos Cretacicos médios continentais e localmente marinhos
foram depositados paralelamente aos afloramentos do Karroo a Oeste
subindo em direcgao a Este até o Cretacico superior, Eoceno e
formagöes marinhas do Plioceno.
Toda a secgao sedimentar foi influenciada pelo desenvolvimento
tectónico do Rift Este Africano, com fraco desenvolvimento de
dobras, mas apenas com ligeiras curvas (Flores, 1973).
A actual inclinagao dos rochas Cretacicas é 2 a 3° Este (Frankel,
1972) .
4.1.3.1. Cretacico Inferior e Cenomaniano
Nos mapas geológicos de Mogambique, a "formagao de Maputo" agrupa
todas rochas marinhas Cretacicas desde do Barremiano até o
Cenomaniano. Estas rochas ocorrem no extremo sudoeste da provincia
do Maputo.
Em Catuane, os conglomerados basais do Barremiano sao cobertos com
30 m de arenitos finos, verdes olivaceos (olive green fine
sandstone).
Os afloramentos rochosos marinhos do Aptiano Inferior estao
situados a sudoeste de Maputo, a sua espessura diminui em direcgao
a norte.
Desde o Aptiano tardio até o Cenomaniano inferior, foram
depositados sedimentos idênticos: arenitos finos, verdes olivaceos,
margas arenosas (agrupamentos de solos: Kv, Kp e Ko),com camadas
ocasionais de' areia calcérea (Förster, 1975). A quantidade de
calhaus e conglomerados aumentou com o tempo. As rochas do Albiano
medio assemelham-se com as do Aptiano: 300 m de arenitos limosos
glauconiticos, com raras camadas de pedras calcareas, cobrindo os
conglomerados basais (Förster, 1975).
A espessura dos sedimentos Albianos também decresceu em direcgao a
Norte, acima do rio Mahube (Boane).
Leitos de calhaus e conglomerados, com 2 % de rochas do
Precambiano, foram despósitadas no Albiano tardio (Förster, 1975).
Isto pode ser observado no rio Mahube (Boane). Rochas do
Cenomaniano estao a Sul do rio Mahube: bem sortidas, arenitos finos
glauconiticos, e silticos. Estas rochas estao expostas no km 16 na
estrada Boane-Ponta de Ouro.
4.1.3.2. Turoriano
A "formagao de Sena" agrupa maioritariamente arenitos continentais.
No Sul de Mogambique, estas rochas estao restringidas a area entre
Boane e rio Tembe. Inclinando-se para Este, mal-sortidas,
conglomeraticas, arcoses avermelhadas ou amareladas (nao confudir
com a cobertura de arenitos vermelhos do Plioceno tardio de Boane).
O local de exposigao deste tipo de rocha padrao é: a linha férrea
!
I

19
de Boane que divide camadas de cascalho de granulometria
arredondada com espessura maxima de 40 cm. Um areiao redondo mede
1-3 cm (max. 8 cm). As camadas sao compostas de 97 % de riolitos,
1-2 % de agatas, 0.5 % de basaltos e 1 % de rochas do Precambiano
(Förster, 1975).
Outros afloramentos no area de estudo estao situados no rio Mahube
(Boane), ao longo da linha férrea Boane-Salamanga e também ao
longo da velha estrada Umbeluzi-Ponta de Ouro na barragem do rio
Mahube.
4.1.3.3. Cretacico superior tardio
Condicöes marinhas em larga expansao existiram durante a era
Senoniana e terminaram durante o Paleoceno, como é indicado pela
distribuicao da "formacao de Grudja". Consistem em arenitos
glauconiticos (Flores, 1973), (agrupamento de solos Wp). A camada
basal de cascalho da era Senoniana, entre o rio Maputo e rio dos
Elefantes, tem uma composicao variével: > 90 % de riolitos e raras
rochas do Precambriano perto do rio Maputo, enquanto que encontram-
se 6 % de cascalho do Precambriano perto do rio Umbeluzi. A
pércentagem de riolitos decresce em direccao a Norte (Förster,
1982).
No Sul de Maputo, arenitos finos e glauconiticos em direcgao a
Norte, finas camadas em forma laminar de dolomite, cristais de
gesso e sedimentos conqlomeréticos. lagunares e hipersalinos,
(argilas de Pessene) foram depositados (BURGEAP, 1962; Förster,
1975).
O cascalho consiste de quartzo, quartzito e basalto.
Foram encontradas acima de 42 g de sal por litro de agua
subterranea na sondagem llt-208 c (BURGEAP, 1962).,
As argilas de Pessene sao cobertas de arenitos calcareos de
Culunculo (Maastrichtiano superior), (agrupamento de solos Wpk).
A extensa zona de rochas Cretécias indicada no mapa geológico de
Maputo (1959, Sul-G-36/I) entre o rio Umbeluzi e Incomati nao
existe ao longo do vale do rio Movene, como os basaltos de Movene
estao cobertos com arenitos vermelhos de Boane pertencentes ao
Plioceno tardio e com rochas marinhas do Plioceno.
Perto da Moamba os basaltos sao principalmente encontrados a Este,
formando um escarpamento com cobertura de cascalho na margem
direita do rio Incomati, próximo de Ponzela (Beernaert, 1987). Uma
camada fina de basalto, interestratificada entre as argilas de
Pessene, esta expösta ao longo da estrada Pessene-Moamba. Os
arenitos conglomeraticos do Senoniano têm um afloramento no
escarpamento da planicie Mavizivire, Umbeluzi.

4.1.4. Sedimentacao Terciaria


Os sedimentos Terciérios foram extensamente depositados acima
das rochas Cretécicas que atravessam a planicie costeira. Sao
maioritariamente depósitos marinhos superficiais.
Desde a sua deposicao, a posicao quase horizontal da base destas
rochas sugere apenas uma suave inclinacao para o mar
(Frankel, 1972).
Durante o Terciério primario foram depositados arenitos finos
siltosos, tornando-se mais calcareos durante o Eoceno.
O Terciario jovem é caracterizado pelo desenvolvimento de

i
20
i
conglomerados basais do Plioceno, coberto de arenitos f m o s a
grosseiros (Förster, 1975).
4.1.4.1. O Terciario primario
O Paleoceno "formacao de Mangulane" da pedreira de Mangulane
consiste êm arenitos finos, calcareos a grosseiros (litofacies
similares a formagao de Grudja),(agrupamento de solos Wpk).
O Eoceno Superior encontra-se presente entre Salamanga e Bela Vista
coino a "formacao de Salamanga": pedra calcarea fina, foraminiferas,
fosfatos e glauconites (Förster,1975).
Durante o Oligoceno, argilas xistosas, argilas e areias foram
depositadas è volta de Maputo : "argilas cinzentas de Maputo"
(Iwaco,1983).

2ULULAND MAPUTO DOMO R.SAVE ZAMBEZI&WEST

Figura 5 - Esquema litostatigrafico de correlacao do estrato do


Terciario entre a Zululandia e a area do Zambezi.
(Dingle et al., 1983)
21

PEO/ 91036

Figura 6 - Linha Costeira aproximada durante o Plioceno


(Förster, 1975)

4.1.4.2. Os sedimentos marinhos do Mioceno-Plioceno


A transgressao Miocena-Pliocena tardia, que alcanca a encosta da
cadeia dos Libombos, foi a ültima expansao dos eventos marinhos. Em
geraj., pequenas barreiras compostas de detritos de rocha calcarea,
alteram-se com canais revestidos de arenitos grosseiros,
conglomerados, "patch-reefs" e pedra calcarea algal e nodular
(Dingle et al.,1983).
Os conglomerados basais, resistentes a erosao, encontram-se em
22
discordancia no pediplano do Plioceno.
A cobertura das rochas é composta na sua parte baixa inferior (31.5
m no rio Uanetze) por arenitos calcareos ricos em moluscos; pedra
calcarea pedregosa; pedra calcarea dolomitica e arcósica com
interfaces de calcareo; calcarenitos e silex, denominados de
"formacao de 'Santaca ou de Tembe", (agrupamento de solos Wpk).
A parte superior (3 m no rio Uanetze) consiste de arenitos, areia
arcósica e conglomerados, denominada de "formacao Santiago" (Dingle
et al., 1983), (agrupamento de solos Wp).
Na transeccao a Bela Vista, na direccao Este-Oeste, o conglomerado
basal cobre sucessivamente as rochas velhas: desde o arenito do
Eoceno superior ao arenito do Aptiano e o basalto do Karroo.
As rochas semi-coerentes ou ligeiramente-coerentes do Plioceno
foram fortemente meteorizadas e erodidas durante o Plioceno -
Quaternario, deixando para tras apenas os conglomerados basais
resistentes a erosao. A elevacao tectónica pöe o conglomerado basal
a mais de 2 m acima do nivel do mar na Bela Vista (rio Maputo) e a
mais de 140 m acima do nivel do mar em Tiobene (rio dos Elefantes).
As rochas marinhas do Plioceno formam a unidade principal do
substrato debaixo do manto Mananga e sao encontradas em muitas
sondagens profundas (rio Bobole, Machava, Benfica, Machamba estatal
de Magude, etc.).
Afloramentos rochosos sao apenas comuns no Nordoeste da provincia,
(agrupamento de solos Wp); o conglomerado basal do Plioceno esta
exposto no escarpamento do rio Umbeluzi no Umbeluzi: cobrindo os
arenitos meteorizados do Campaniano. No rio Mahube (Boane), nas
depressöes abertas durante o Cretacio, sobram rochas meteorizadas,
de 20 a 40 cm de espessura, (cascalho riolitico com diametro de 7-
10 cm), cobertas de arenitos calcareos.
A confluencia do rio Mahube apresenta-se a 3 m acima do nivel do
mar com cascalhos rioliticos de 30 cm de diametro. Pequenos
afloramentos de arenitos calcareos podem ser observados aó longo do
rio Tembe e na Ponta das Tres Marias (Catembe) . Estes, sao
cobertos por arenitos vermelhos de Boane do Plioceno tardio a 40 m
acima do nivel do mar. Existe outro afloramento na ponte do rio
Matola.
Na pedreira Mangulane, o conglomerado basal pode ser observado em
pedacos de relevo que sobraram do Pré - Plioceno e é coberto de
pedra calcarea cavernosa, contendo fósseis e cascalho de quartzo
de 1-3 cm de diametro.
4.1.4.3. O Plioceno tardio e sedimentos continentais do
Pleistoceno inferior
Varios arenitos vermelhos e grosseiros, geralmente com um
conglomerado basal, cobrem as rochas marinhas do Plioceno nas
colinas Santaca (Salamanga), Boane-Estevel, Bom Pastor, etc
(agrupamento de solos G ) . Em direccao ao Norte, camadas
conglomeréticas tornam-se mais importantes (Dingle et al., 1983).
Estas rochas foram varias vezes denominadas de "formacao de
Magude", lfformacao de Cacho" ou de "conglomerados do Alto Limpopo".
O cascalho consiste principalmente de quartzitos do Precambriano.
Afonso (1976) datou-o como sendo do Mioceno tardio a Plioceno;
Förster (1975) comparou-o com as areias do Kalahari e estava
convencido de que pertencia a idade Pleistocénica recente. Förster
(1975\ correlacionou a "formacao de Magude" com os "conglomerados
23
do Alto Limpopo". A camada basal de cascalho do arenito vermelho de
Boane é composta de 70 % de riolitos, 24 % de basaltos de origem
local e menos de 5 % de rochas do Precambiano, numa matriz de
arenitos vermelhos, de granulometria média a grosseira. Arenitos
grosseiros castanho-avermelhados, cobrem-nas descontinuamente com
10 m de camada ligeiramente cimentada. Na colina Bom Pastor, a Sul
de Boane, os arenitos castanho-avermelhados cobrem urn arenito
calcareo, meteorizado, do Plioceno a 40 m acima do nivel do mar.
Cascalhos basais sao somente conservados em cavidades carsicas "
karst pockets" (Förster, 1975). Na colina Santaca (Salamanga, 109
m acima do nïvel do mar), 30 m de arenito grosseiro e vermelho com
finas lentes cobrem os arenitos grosseiros do Plioceno marinho com
conglomerado basal grosseiro (Frankel, 1972; Dingle et al., 1983).
As areias grosseiras, castanho-avermelhadas da colina Maputo -
Marracuene contrastam com os solos da planicie arenosa de cor
branca a castanha que cobrem a Mananga. Existe em Maputo e
Marracuene um relevo escarpado (ao longo da baia do Maputo e do rio
Incométi respectivamente). A colina foi considerada como sendo uma
duna costeira do Pleistoceno inferior por Barradas (1962) e Koch
(1964), raas é composta de areias grosseiras castanho-avermelhadas
na parte superior, (e arenitos) e na parte inferior por arenitos,
calcéreos com fósseis óstreos e conglomerados (Plioceno marinho).

Na Ponte Maona (Catembe), ambas unidades estao na. origem das rochas
de cobertura; os arenitos vermelhos sao cobertos com um manto de
Mananga. A cidade da Matola esta construida numa colina (40 m acima
do nivel do mar), com cobertura franco-arenosa, castanho-
avermelhada (Pós-Mananga, agrupamento de solos P3). A margem'
dissecada (recortada) do planalto em Tenga consiste em varias
colinas arenosas e avermelhadas, alcancando os 55 m até os 90 m
acima do nivel do mar.
Os arenitos grosseiros e vermelhos sao mais jovens que as rochas
marinhas do Plioceno e mais antigas que a cobertura Mananga. Foram
depositados sob condicöes continentais (Afonso, 1976), depois da
elevagao das rochas marinhas do Plioceno. Durante o Pleistoceno as
paisagens mais baixas provaram ser mais resistentes a erosao do que
os arenitos calcareos e estao presentemente conservadas como
colinas de forma arredondada nas actuais paisagens.

f
24

4.2. GEOLOGIA OUATERNARIA

4.2.1. O manto de Mananqa


A principal unidade da paisagem Quaternaria é urn manto com mais de
20 m de espessura de cor castanho-amarelada, salino-sódico,
calcóreo, franco-argilo-arenoso, formando largas areas de ligeira
inclinagao denominadas "Mananqa". Urn chao de cascalho de
granulometria arredondada esta quase sempre próximo da sua base
(veja os agrupamentos de solos Ml, M2, M3 e M 4 ) .
O Mananga é coberta por uma cobertura de Póst-Mananga com manchas
castanho-avermelhadas a alaranjadas perto dos vales, (agrupamento
de solo P ) , e por uma camada superficial de areia (agrupamento de
solos A) ou dunas longitudinais. nos planaltos.
Uma subdivisao do Mananga pode ser feita baseando-se na textura do
subsolo, na quantidade de artèfactos e na posicao topografica em
relacao aos rios:
- O Mananga Superior, com os seus altos cascalhos basais
- O Mananga Inferior, com os seus baixos cascalhos basais
- O Mananga Recente, com os seus jovens cascalhos basais
A extensao original do manto de Mananga era mais larga que a
presente: em direccao a Este alcancava o banco de areia continental
e na direcgao Oeste a plataforma de cascalho arredondado
(agrupamento de solo SI) indica a sua antiga extensao até a encosta
dos Libombos.
Praias recentes e rochas marinhas do Pleistoceno sao formadas de
'areias derivadas do Mananga.
O Mananga tem um subsolo de argilo-arenoso a franco-arenoso.
A espessura média actual é de cerca de 15 m.
Próximo dos vales, o manto foi erodido e o cascalho arredondado
basal foi exposto (agrupamento de solos SI)

4.2.1.1. Reieicao das teorias existentes

- O Mananga nao é um aluviao meteorizado "in situ" (no local): o


manto é homogéneo e cobre vérios tipos de substracto, geralmente
com cascalho arredondado entre o Mananga e o substracto
meteorizado. Estudos de minerais pesados provaram uma mistura de
origens (varias origens).
- O Mananga nao é uma areia eoliana meteorizada: mas sim uma areia
mal sortida, localmente contêm cascalho arredondado; cobre quase
exclusivamente rochas sedimentares. siliciosas e grosseiras.
- O Mananga nao é um aluviao: quase nao tem estratificacao;
existem graos grossos espalhados ao acaso na matriz e o material
fino ocupa espaco demais entre o cascalho rolado. Estudos dos
minerais pesados excluiram a hipótese de ter havido transporte
aluvial.
- O Mananga' nao é um sedimento estuari-marino. Autores antigos
correlacionaram o Mananga salino-sódico com o seu cascalho basal
aos sedimentos estuarinos e praias altas, baseando-se na teoria
classica dos niveis do mar elevados do Pleistoceno. Embora, durante
o Quaternario o nivel do mar nunca tenha subido mais do que alguns
metros acima do nlvel actual.
Em Mocambique, sedimentos costeiros e realmente marinhos, sao
rochas marinhas, eolinitos (jpchas de duna), c^madas com conchas e
25
argilas estuarinas. Em parte nenhuma no interior poderiam ser
encontradas rochas marinhas e rochedos (ingremes) fósseis.
- Segundo Jaritz et al. (1977), o Mananga foi largamente
transportado (> 300 km) pelo fluxo laminar de sediinentos apartir
dum periodo de baixo nivel do mar de clima frio arido,
correlacionado com o Riss ou Mindel glacial.
Estes fluxos de lama podem ter ocorrido numa paisagem guase plana,
parecida com bacias. O nome "cobertura arenosa Proluvial" foi
introduzido. Todavia, o Mananga nao é uma areia e esse nome fez com
gue ele se confunda com a areia de cobertura da planicie arenosa.
A teoria do( fluxo laminar entra em contradicao com a história da
pediplanacao do Sul de Africa.
Tabela 4. Evolugao de Terciario tardio - Quarternario de Sul de
Mogambique

Mioceno -"Rolling" pediplanos ondulados (primeira


superficie Pós-Africano nos Libombos
(agrupamento de solo Rv)..
- Elevagao tectónica de Mioceno tardio
Plioceno -"Widespread" pediplano extenso (segundo
superficie Pós- Africano), ao pé da
escarpa de Leste do Libombos
-Transgressao do Plioceno: Conglomerados
basais, cobertos com arenitos calcareos
ou argilosos, com fósseis de Ostreas
(formagöes de Tembe, Santaca e
Santiago). Agrupamento de solos Wp e Wpk
-Elevacao tectónica
BOANIANO - Conglomerados, arenitos vermelhos,
Plioceno tardio - cascalhos superiores (formagöes de Magude
e Cacho, conglomerados do Alto Limpopo,
Pleistoceno colinas de Estevel-Boane-Bom Pastor -
inferior Maputo)
-Primeiro periodo de rubefacgao
Agrupamento de solos G
-Elevagao tectónica
PONZELIANO -Incisao dos rios, pedimentagao lateral,
cascalhos altos e Mananga superior;
Pleistoceno artefactos Oldowanos rolados na camada
inferior cascalhenta, partes basais actualmente 30
-60 m.acima do nivel dos principais rios.
-Elevagao tectónica
MACHAVIANO -Incisao dos rios, pedimentagao lateral;
cascalhos baixos e Managa inferior;
Pleistoceno artefactos na camada cascalhenta de
medio Oldowano, Abeviliano e Acheuliano; partes
basais actualmente 10-25 m.acima dos
principais rios.
-Elevagao tectónica.
26

MATOLIANO -Niveis do mar baixos (glacial); incisao


dos rios e pedimentacao lateral limitada;
Pleistoceno vales extensos, enchidos com cascalhos
tardio iovens e Mananga recente; artefactos
a Riss-Eemiano Oldowanos, Abevilianos e Acheulanos na
camada de cascalho; partes basais
actualmente -10 a +10 m relativemente aos
principais rios.
-Primeiro eolionito na Ilha de Inhaca e
em Durban Bluff.
INHACANO -Transgressao do Natal (actualmente +8 m
acima do nivel do mar) 130,000-100,000
Eemiano ' AC: arenitos marinhos calcareos cobrem o
(130,000- primeiro eolionito e Mananga recente
85,000 AC) (Ilha de Sta. Carolina); faixa de lagoas
Pleis-tocenica:camadas de Port Durnford
(argilas xistosas marinhas cobertos por
turfa)
-Segundo periodo de rubefaccao
Agrupamento de solos Dv
PONTIANO -Transgressao de Ponta (actualmente +4.5m
acima do nivel do mar) 85.000-70.000 AC:
Eemiano tardio a arenitos calcarios marinhos cobrem o
Wurm inferior primeiro eolionito vermelho, parcialmente
meteorizado (rochas de Reunion) e
85.000-70.000 AC atravessam a plataforma de +8 m (Durban);
C14 datada no Ponto de Picnic >50.000 AC.

TAULIANO -Nivel do mar baixo: Segundo eolionito


cobre as rochas do Pontiano (Pontas
Wurm inferior Gemini, Dobela, Malongane e Port
Durnford). Incisao dos rios, erosao e
70.000-40.000 AC exposicao dos cascalhos basais de
Mananga.
-Deposicao dos artefactos afiados de
Acheuliano superior acima das camadas de
cascalho rolado (até 60.000 A C ) .
-Coluviagao dos sedimentos da encosta dos
vales (actualmente vermelhos) ou Pós-
Mananga.
-Artefactos de Fauresmith (60.000-40.000
AC) e Sangoano na zona superficial do
segundo eolionito e do Pós-Mananga.
27

UMBELUZIANO -Transgressao de Umbelüzi (+1.5 m acima do


nivel do mar?) 40.000-27.000 AC;
Wurm medio horizontes de conchas como accao do homem
ao longo do estuario no interior", C14
40.000-25.000 AC datada 37.200-28.500 AC; artefactos de
MSA (40.000-15.000 AC; enchimento dos
vales no sul de Australia, com formagao
das dunas localmente sob climas aridas
mais frios (38.000-30.000 A C ) .
-Formacao do solo no Umbelüziano tardio:
Estabilidade morfogenética, nenhuma
actividade eolinitica, formacao do solo
no Sul de Kalahari (32.000-25.000 AC) ;
60% mais precipitagao no Sul de Zimba-
bwe; Pluvial na Africa do Sul; precipi-
tacao elevada, cobertura vegetal densa,
terceiro periodo de rubefaccao; Pós-Ma-
nanga (agrupamento de solos P) e segundo
eolionito (agrupamento de solos D v ) ,
formagao de ferricrete acima de Arche-
uliano superior (Massigir) ou cobrindo os
artefactos Sangoano (Natal).
MARRACUENIANO -Nivel do mar muito baixo (maximo do
glacial); incisao dos rios até mais do
que 50 m abaixo do actual nivel do mar,
Wurm tardio até 250 km no interior; terceiro eolinito
cobre o segundo eolionito com dunas
25.000-11.000 AC costeiras elevadas (Ponta Malongane, Do-
bela), agrupamento de solos De; artefac-
tos de MSA (40.000-15.000 AC);clima arido
com ventos fortes, dunas longitudinais de
orientaga NNO-SS no Sul de Kalahari
(25.000- 13.000 A C ) ; Sul de Mogambique,
formacao de cobertura arenosa, dunas
longitudinais NNO-SSL orientadas e
deprecoes feitas pelo acgao do vento
na superficie do Mananga;
coluviacao local nos sedimentos
vermelhos das encostas dos vales;
formagao do solonetz no Mananga
(agrupamento de solos M1-M4).
-Marracuéniano tardio: Estabilidade
morfogenética no Sul de Kalahari (13.000-
11.000 A C ) , formagao do solo e alta
precipitagao, solodizagao do agrupamento
solo M1-M4)
28

INFULENIANO -Transgressao Flandriano (2-3m);enchimento


Holoceneano a dos vales profundos, (agrupamento dos
Wurm tardio solos F) , rochas de praia e bancos de
coral; horizontais de conchas datada
6.000-4.000 AC, faixos de lagoas do
Holoceno e formacao local das dunas
(Bilene, Dobe-la, Sta Lucia); Idade de
Pedras tardia: artefactos de Wilton e
Smithfield (11.000 -200 A C ) .
-Regressao Pós-Flandriano: formagao de
terracos de solos acastanhados e estra-
tificados (agrupamento de solos tFs);
aluviao recente (agrupamento de solos Fs,
Fa) e formacao recente das dunas;
solodizacao dos agrupamento M1-M4.

Fontes: McCarthy,1967;Maud,1968;Bond,1965;Barradas
1955-1967;King,1976; Forster,1975; Clark,
1970;Orme,1973;Jaritz et al.,1977;Heine,
1981;Williams,1985;Cilek,1982.

4.2.1.2. Origem da paisagem de Mananga

O processo geomorfológico, responsavel pela evolucao sénica do Sul


de Africa, é o ciclo de pediplanacao: a elevacao duma area inicia
o ciclo de erosao com a incisao dos rios, comecando na costa, e a
planacao é alcancada pela retirada lenta das faces da escarpa dos
vales. Os planaltos da Africa Austral sao antigos pediplanos, um em
cima do outro.
A costa da Africa Austral foi repetidamente inclinada em direcgao
ao Sudeste, sobre um eixo pouco fora da costa- actual e 5 pediplanos
do Prequaternario podem ser reconhecidos . A planacao Rolling
(Mioceno) foi conservada como um vestïgio do planalto nos Libombos.
O extenso pediplano (Plioceno) foi coberto de arenitos calcareos
marinhos da transgressao do Plioceno, até a encosta dos Libombos.
Durante o Quaternério, a elevacao continuou, mas nenhum ciclo de
pediplanacao poderia ter sido completado e uma paisagem de
confrontacao com a forma de degraus desenvolveu-se.
Um pedimento é uma superficie longa e lisa em rochas erodidas,
ligando as encostas das terras altas adiacente das inclinacóes
montanhosas com as partes planas depositadas abaixo. É uma
superficie transportadora coberta com um pedisedimento.
A migracao do pedisedimento ocorre por fluxo laminar, sem leito
confinado; movimento de terra (soil creep) e actividade de térmites
estao também envolvidas. Em areas com clima de savana, a
meteorizacao quimica do substrato é muito importante; as colinas
tornam^se suavemente convexas em cima e concavas em baixo e um
manto fino e espesso cobre o pedimento. A meteorizacao do
substracto ocorre em periodos de estabilidade morfo-dinamica; a
desnudacao tem lugar quandoi ha actividade morfodinamica (cobertura
vegetal reduzida). As plataformas tipo degrau do Sul de Mocambique
sao cobertas com mantos de Mananga espessos.
Consequentemente o Mananga é considerado como um pedisedimento. de
climas de savana com uma longa estacao seca, desenvolvido por cima
29
de rochas de granulometria grosseira e muito siliciosas.
"As plataformas com forma de- degraus alcancam a sua mais larga
extensao em areas de fraca elevagao tectónica e no material
anterior profundamente meteorizado" (Rohdenburg, 1982).
A mistura da saprolite por movimento de terras (creep), lavagem e
fluxo é responsavel pela natureza homogénea do Mananga. Essa
mistura cobre o Terciario e o Cretacico, rochas siliciosas
grosseiras em Mocambique e arenitos do Karroo (argilas xistosas) e
granitos do Precambriano na Swazilandia. Sais, sódio e cal também
migraram lateralmente.
Como resultado de meteorizacao e transporte, a transicao para o
substrato é arredondada (cavidades e rocha coerente), aguda ou
difusa. Por outro lado, os basaltos tem meteorizado dando origem a
uma camada de rocha deteriorada,"(rotten rock)" na qual se
desenvolvam solos muito argilosos, pretos ou vermelhos (agrupamento
de solos Bp e Bv) . O Mananga cobre os basaltos apenas perto da
transicao com as rochas sedimentares, de onde foram transportadas
para a sua posicao actual.
4.2.1.3. As1plataformas de cascalho rolado (agrupamento de solos S)
Ö cascalho basal de granulometria arredondada f oi exposto em
diferentes altitudes acima do nivel dos actuais rios; foi
considerado como sendo deposito aluvionar depositado apartir dos
depósitos Pluviais Pleistocénicos, ou como depósitos de praias
ascendentes, referenciada por autores antigos.
Podem-se distinguir 3 niveis: cascalho superior, inferior e recente
na base dos Manangas respectivos. O cascalho é composto de rochas
sedimentares locais, vulcanicas (Libombos) e do Precambriano
(apartir do Transvaal). Nao foi transportado por rios, nem por
fluxo de lama vindos do Transvaal, mas derivado da subcobertura de
rochas sedimentares e conglomeraticas do Cretacico e Terciario.
O substrato foi meteorizado e o cascalho resistente foi
reintroduzido no pavimento de cascalho durante o periodo da
paisagem descendente.
O cascalho mais alto, ou conglomerados do alto Limpopo foram
correlacionados ao Plioceno - Pleistoceno inferior, conhecido como
"formacao de Magude". Sao compostos principalmente de quartzitos do
Precambriano.
4.2.1.4. Descrigao das plataformas de Mananga
- A plataforma de Mananga superior é a mais antiga da area de
estudo. A sua camada basal de cascalho contém artefactos
arredondados Oldowanos do Pleistoceno antigo; estam situados
a 30-60 m acima dos principais rios.Colinas de areias
(arenitos)vermelhas elevam-se acima da plataforma; o seu periodo de
rubefaccao precedem a formacao de Mananga. Artefactos do Acheuliano
superior foram depositados em cima dos afloramentos de cascalho
superior (agrupamento de solos SI), durante o periodo Wurm antigo
da incisao dos rios. Foram varias vezes enterradas debaixo duma
camada pouco profunda de Pós-Mananga.
- A plataforma de Mananga1 inferior desenvolveu-se depois de uma
ligeira elevagao da area. Sua camada basal de cascalhos esta
situada a 10-25 m acima dos principais rios e contém artefactos
arredondados do Oldowano, Abeviliano e Acheuliano, indicando uma
30
idade Pleistocénica. Como no caso dos cascalhos superiores,
artefactos do Acheuliano superior foram depositados em cima de
afloramentos de cascalho inferior e foram geralmente enterrados
debaixo de cobertura vermelha de Pós-Mananga.
- A plataforma Mananga recente foi formada em depressöes largas ao
longo dos baixos cursos dos principais rios.
Nesse periodo o nlvel' do mar era muito mais baixo em relacao ao
nïvel actual, como o cascalho recente, foi também depositada a
profundidade de vérios metros abaixo do actual.
A plataforma foi dissecada (cortada)duas vezes durante o Wurm e um
manto de Pós-Mananga foi acumulado nas encostas dos vales. O
Mananga recente é mais velho que as rochas marinhas do Eemiano, que
o cobrem, e é mais novo que o Mananga Inferior. As suas camadas de
cascalho contêm artefactos Oldowanos, Abevilianos e Acheulianos.
Artefactos do Acheuliano Superior foram depositados nos
afloramentos de cascalho durante o periodo Wurm inferior de incisao
do rio. Estao geralmente enterrrados abaixo duma cobertura Pós-
Mananga pouco profunda.
4.2.2. O Pós-Mananga (agrupamento de solos P)
Areias francosas a argilo-arenosas de cor castanho-avermelhada com
manchas alaranjadas ocupam as encostas do vale. Nao sao areias
eolianas, mas o reordenamento coluvial de Mananga, por vezes
misturado com o substrato meteorizado. Foram formadas entre o
inferior e o medio Wurm (cobrindo artefactos Acheulianos e contêm
artefactos Sangoanos nos metros superiores); a sua rubefaccao
ocorreu durante o Wurm medio.
Desde o periodo da incisao dos rios, do Wurm tardio, alguns
reordenamentos vem ocorrendo e foi calculada uma média de 12 m de
espessura. ,
O Pós-Mananga é subdividido em:
- solos argiloso-arenosos vermelhos em inclinacöes basalticos:
agrupamento de solos PI.
- solos franco-argilo-arenosos vermelhos: agrupamento de solos P2.
- areias francas a franco-arenosas vermelhas: agrupamento de solos
P3.
- areias francosas a franco-arenosas com manchas alaranjadas :
agrupamento de solos P3j.
- um Pós-Mananga, vermelho e limoso: agrupamento de solos P4.
- Pós-Mananga de pouca profundidade cobrindo cascalho
arredondado: agrupamento de solos Sv.
4.2.3. Terracos aluviais e (reinterpretacóes)
Os chamados "terracos vermelhos" consistem no manto de Pós-Mananga
na pa.rte baixa das encostas dos vales. Um terraco aluvial, cas.tanho
e estratif^icado do Holoceno (Flandriano) existe de 1-5 m acima dos
rios (SQIQS tFs).
Os "terragos de cascalho" de Massingir (Gaza) podem ser
correlacionados com as réspectivas plataformas de Mananga.
i
I

31
4.2.4. A planicie arenosa (agrupamento de solos A)
A planicie arenosa cobre o Mananga ou o Pós-Mananga. É dividida ent
planicies arenosos, dunas interiores ou longitudinais e dunas
costeiras (agrupamentos de solos: Dv e De).
A cor do solo é relacionada com a drenagem e a espessura da
cobertura arenosa acima do Mananga pouco permeavel (agrupamento de
solos Aj, Aa e Ab).
- As planicies arenosas sao contpostos de areias finas a grossas, era
funcao da fracgao de areia do manto de Pós-Mananga ou do Mananga
subjacente. Sao formados por erosao laminar, actividade de térmites
e accao eoliana (escavacöes circulares devido a accao do vento na
superficie exposta do Mananga: agrupamento de solos Cm)
-Na orientacao NNE-SSW, desenvolveram-se dunas longitudinais onde
existe uma espessa cobertura de areia. Essas areias foram
transportadas pela acgao do vento apartir da superficie exposta de
mar durante o Wurm tardio.
Na Africa Austral, um clima arido com forte actividade eoliana é
datado de 25.000 - 13.000 AC.
Depósitos diatomiticos do Pleistoceno tardio-Holoceno estao
situados em depressöes das dunas (agrupamento de solos Ah).
4.2.5. Quaternarios raarinho e sediraentos eólicos costeiros da
Afriica Austral
4.2.5.1. O primeiro eolionito
Eolianitos ou rochas de dunas sao dunas de areias, cimentadas de
calcareo, nas regiöes subtropicais e tropicais. Estao relacionadas
com os perïodos dos baixos niveis do mar (Fairbridge, 1970).
Distribuicao conforme o tamanho das particulas e sedimentacao
cruzada (cross-bedding) sugerem uma origem eoliana.
O primeiro eolionito foi depositado ao longo da costa de Africa
Sudoeste e desceu mais de 100 m abaixo do nivel do mar. É mais
antigo que a plataforraa marinha de mais de 8 m acima do nivel do
raar, que o corta e atravessa. Estudos de foraminiferos prosupoem
uma idade Pliocénica a Pleistocénica (Mc Carthy, 1967). Dados
mundiais indicam baixos niveis do mar durante o Riss glacial
(Nilsson, 1983).
O primeiro eolionito foi meteorizado a areias vermelhas,
denominadas "areias vermelhas Berea" na Africa do Sul; correspondem
ao agrupamento de solos Dv em Mocambique (p.e. Ilha da Inhaca na
baia do Maputo).

4.2.5.2. A Transqressao do Natal (+ 8mf Eemiano)


Houve uma identificacao exaustiva do ultimo interglacial (cerca
125^000 a +4.000 AC) quando o nivel do mar esteve entre 1.5 - 9.0
m aciniaf do actual nivel, nos oceanos Indico, Atlantico e Pacifico
(Douglas e Spencer, 1985).
Plataformas marinhas foram cortadas, através do primeiro eolinito
consolidado e estao preservados a 7-8 m acima do nivel do mar.
Estao cobertas com rochas marinhas conglomeraticas, rochas marinhas
com conch^s, argilas xistosas e sedimentos lagonais.
As plataformas possuiam datados pelo método C14 mais de 50.000 AC
1

32
e sua fauna termofilica foi atribuida ao Eemiano (Nilsson, 1983;
Orme, 1973).
A transgressao acelerou o desenvolvimento de uma barreira
Pleistocénica e uma faixa de lagoa. A presente barreira esta
sobreposta em cima dos restos desse sistema (p.e.Ilha de Inhaca,
baia de Maputo (Orme, 1973).

4.2.5.3 A transgressao de Ponta (+ 4.5 m.1

O terrago marinho de +8 m é atravessado pela plataforma de +4.5 m


(Maud, 1968) e tem uma rocha de praia com conchas (Mc Carthy,
1967). Pode ter sido formada durante urn estagio de "hesitagao" da
transgressao do Eemiano tardio.
As partes basais dos cabos pedregosos, denominados "Pontas" sao
compostas dessas rochas no sul de Mogambique.
O primeiro eolionito foi meteorizado a areias castanho-
avermelhadas (agrupamento de solos Dv) por essa altura, como
rochas marinhas que cobrem as areias vermelhas (Mc Carthy, 1967).
Na provïncia de Inhambane, os microfósseis forara datados como sendo
do Pleistoceno inferior a medio (Darlindo Lucas, 1966). Nilsson
(1983) e Ward (1971) descreveu a existência duma faixa de praias
acontecendo em varias partes do mundo datando-as de Eemiano tardio
até o Wurm inferior.

4.2.5.4. O 'segundo eolionito

Durante a regressao do Wurm inferior, o segundo eolinito foi


depositado, cobrindo as rochas marinhas do Eemiano de +8 m e
,+4.5m. Estas rochas de dunas sao pouco consolidadas e foram
meteorizadas a areias castanho-avermelhadas (correspondendo ao
agrupamento de solos D v ) .
Artefactos Sangoanos foram encontrados na parte superior das rochas
de dunas meteorizadas (Mc Carthy, 1967).
Pode-se concluir que o segundo eolianito foi formado durante o Wurm
inferior, provavelmente entre 70.000 - 40.000 AC.
A rubefacgao do eolionito ocorreu provavelmente durante o Wurm
medio (40.000 - 25.000 A C ) . Exemplos desses solos vermelhos (Dv)
ocorrem na Ponta de Ouro, Taula, Ponta Dobela e Ilha da Inhaca.

4.2.5.5. A transgressao do Umbelüzi (+1.5 m )

Horizontes de conchas como resultado da acgao do homem sao


encontrados ao longo dos estuarios no interior. Estao situados a
poucos metros acima do nivel do mar e sao datados de 37.200 -28.500
AC (Barradas, 1967). Artefactos encontrados nesses locais tambéra
sao do Wurm medio. Arenitos calcareos marinhos do centro de
Mogambique foram datados de 33.200 - 26.035 AC (Jaritz et al.,
1977).
As descrigöes do local e dados do Forno do Cal A (rio Maputo),
Revez Duarte (rio Umbelüzi) e Kassimatis (rio Matola) sao
comparaveis: depois da erosao do manto de Mananga solto, o cascalho
rolado basal foi assim exposto durante a incisao dos rios do
periodo Wurm inferior. Colonos viveram nesses locais durante o

i
I
33
perlodo da transgressao do Wurm medio, fabricando ferramentas de
cascalho exposto e alimentando-se de ostras. Os locais foram
enterrados e cobertos superficialmente por uma cobertura de Pós-
Mananga, castanho-avermelhada, desde a incisao dos rios do Wurm
tardio.

4.2.5.6. O terceiro eolionito

Niveis do mar muito baixos foram registados na costa da Africa


Austral, entre 25.000 e 11.000 AC (Nilsson, 1983).
Todos rios do Natal e Mozambique abriram vales profundos,
presentemente enchidos, com mais de 50 m de aluviao Holocénio (Maud,
1968). Canhöes submarinhos estao situados a menos de 40 m abaixo do
nivel do mar na baia do Maputo. Os vales mais profundos alcancam
até mais de 100 km do interior (Förster, 1975).
O terceiro eolianito foi despositado como uma areia calcarea
(agrupamento de solos De) em cima do segundo eolianito, formando
o nücleo das dunas de mais de 100 m de elevacao ao longo da costa
Mogambicana (Maud, 1968). Exemplos sao: Ponta Gomeni e Ponta
Majumbo.

4.2.5.7. Os niveis do mar do Holoceno

O faixa actual de lagoa é um resto da transgressao Flandriana


(Orme, 1973). O nivel do mar de +2 a 3 m acima do nivel do mar
existiu cerca de 6.000 AC (Jaritz et al., 1977).
Muitas praias ascendentes e rochas marinhas ao longo da costa
Mocambicana foram descritas e datadas. Camadas de balanus ocorrem
a poucos metros acima do estuario actual (agrupamento de solo F e ) .
A elevacao do nivel do mar fez com que os rios adaptassem os seus
cursos, por enchimento dos seus vales profundos com aluviao
(agrupamento de solos F) . Exemplos desses depósitos existem na
praia de Chidenguele (Gaza); praia alta de Marracuene (Maputo);
Forno do Cal C, Tinonganine, Bela Vista (rio Maputo); Ilha da
Jnhaca.
A regressao Pós-Flandriana é responsavel por 3-5 m de incisao dos
rios dentro das suas planicies de inundacao. Rochas marinhas
recentes formadas ao longo da cos£a e dunas do Holoceno estao
subijfdjo ^por cima dos eolianitos do Pleistoceno.

i
34
5. CLIMA
5.1. O clima actual
O clima da Africa Austral é maioritariamente arido a semi-arido e
poderia ser seco, se nao recebesse consideravel chuva orografica em
alguns locais.
É dominado por 3 sistemas de circulagao atmosferica, que sao
dispostos numa sequência meridional:
- O sistema solisticio de verao associado com a zona de
convergência intertropical (ITCZ);
- As zonas de anticiclones de altas pressöes subtropicais, que tem
um constante efeito de secagem nas areas centrais;
- A zona de ventos de Oeste de média latitude, traz chuva ciclónica
para a area do Cabo (Van Zinderen Bakker, 1976).
O Sul de Mogambique esta situado na zona dos anticilones e é
influenciado pela corrente quente do Oceano Indico. A corrente
provoca altas temperaturas comparadas com as de Costa Atlantica
situadas na mesma latitude.
Existem 2 estagöes: uma quente e chuvosa e uma fria e seca.
Um anticiclone sub-tropical esta situado acima do Oceano Indico
entre 25° e 3 8° Sul.
Depressöes formam-se próximo da costa ou no interior entre os 25°
e 30° Sul apartir de Outubro a Dezembro.
Existe uma depressao térmica na estacao quente acima da Africa
Austral.
5.1.1. Ventos
Os ventos podem ser subdivididos em:
- Massas de ar continentais quente e seca, diarias dos meses de
Margo a Novembro.
- Massas de ar marinhas quentes e hümidas provocam precipitacao
nos meses de Setembro a Abril.
- Corrente's de ar marinho polar, frio e hümido em ambas estacöes,
provocam algumas precipitagöes (Sa e Melo Marques, 1976).
A sul dos 18° S, todo o ano, os ventos sopram predominantemente de
sudeste, embora em Setembro e Outubro os ventos Nordeste seja quase
tao frequentes (Cilek, 1982).
Como consequência, as dunas costeiras do Sul sao maioritariamente
formados por ventos unidireccionais.

5.1.2. Temperatura
A temperatura média do ar mais baixa é registada no alto da cadeia
dos Libombos, na Namaacha (21°C), e a mais alta temperatura média
é encontrada ao Norte da érea de estudo (24° C ) .
A temperatura ambiental diaria maxima do mês mais quente é de 30oC
na costa e nos altos Libombos; no interior do planalto é cerca de
34° C.
A temperatura ambiental minima diaria do mês mais frio é de 10° C
no interior e 14° C na costa. A variacao da amplitude da
temperatura média anual é mais alta na parte central do que na

i
35
costa ou nos Libombos, sendo respectivamente 8°C e 6° C.
i

5.1.3. Humidade relativa do ar


As percentagens anuais do meio ambiente sao mais altas do que 75 %
na costa. No interior a humidade é de 65 % e na cadeia dos Libombos
ela sobe para 70 % ou mais.

5.1.4. Precipitacao
As chuvas diminuem da costa em direccao Oeste; apenas uma pequena
parte da costa Sul e a costa da Provincia de Gaza recebe mais do
que 1000 mm/ano, p.e. a vila de Xai-Xai.
A norte de Moamba atét em Gaza a precipitacao é menos do que 600
mm/ano. Somente na cadeia dos Libombos ela aumenta até 1000 mm/ano.
A estagao chuvosa comega em Outubro, ao Sul da linha Namaacha-Bela
Vista, ao Norte disto comega em Novembro. A estagao seca comega em
Abril ao longo da costa e nos altos Libombos, no interior comega em
Margo (Sé e Melo Marques; 1986).
Tabela 5 - Média de precipitagao (mm/mês + variagao) em Maputo
(1951-1979) - Altitude: 60 m acima do nivel do raar
(25° 58' S, 32° 36' E) (Kauffman, 1983).

média variagao
mês (mm/mês) (mm/mê s)

Setembro 51.9 (1.2 - 119.6)


i

Otubro 62.7 (10.0 - 186.9)

Novembro 72.8 (11.5 - 221.8)

Dezembro 91.7 (18.3 - 217.3)

Janeiro 166.3 (1.4 - 434.1)

Fevereiro 150.8 (22.9 - 494.5)

Margo 92.1 (21.6 - 316.0)

Abril 58.9 (2.3 - 147.1)

Maio 19.6 (0.4 - 164.3)

Junho 18.2 (0.1 - 88.2)

Julho 18.2 (0.1 - 175.3)

Agosto 14.4 (0.0 - 47.4)

Total 817.6
36
VEGETACAO
4.1 Vegetagao
Florestas tropicais seca, semi-caducos cobrera as planicies
costeiras do Sul de Mogambique e Zululandia, bem como o Sul do lago
Sta. Lucia (28ö 05' S ) . Esta floresta esta relacionada as matas de
folhas largas, bosques, florestas secas, matas e savanas do
Kalahari ( Van Zinderen Bakker, 1946)
Pode-se afirraar que durante os periodos glaciais secos existiu urn
corredor entre a planlcie costeira e o Sul de Kalahari, facilitando
a troca da flora e elemento da fauna (Van Zinderen Bakker, 1976).
Algumas arvores sao cosmopolitas em diferentes tipos de solos:
Sclerocarya caffra (canho), Trichilia emetica (mafurreira) e Aloë
marlothii podem ser encontrados em solos arenosos, basélticos,
aluvionares argilosos e em Litosolos.
A palmeira Phoenix reclinata é encontrada em solos arenosos ou
argilosos, salinos ou nao salinos, em solos secos ou hümidos. As
espécies Xerófilas sao dominantes.
A vegetagao primaria foi largamente destruida por incêndios e pela
agricultura (Barradas, 1962).
Uma invasao de plantas exóticas comegou durante a colonizagao
portuguesa, ex. Anacardium Occidentale (caju), a arvore actualmente
dominante da area areriosa. Outras arvores importadas sao Mangifera
indica (mangueira), Recinus communis (ricino), Casuarina esp,-
Psidium guajava (goiabeira), Agave spp., Opuntia ficus - indica e
Parkinsonia aculeata (Barradas, 1962)
A vegetacao de cada regiao esta descrita dentro do agrupamento de
solos a que faz parte.
Veja a correlagao entre os nomes Changane e os nomes em Latim na
tabela 5
Podera ver também em seguida a tabela de correlagao de solos.
Tabela.5 - Correlagao de vegetagao
Changane names Latin names

Psincha Salacia kraussii


Impesso Albizia adianthifolia
Albizia versicolor
Pimbe/Imbi/Pimbi Garcinia livingstonei
Cimby/Mecrusse Androstachys johnsonii
Mutcho/Muxho Syzygium cordatum
Mafurreira Trichilea emetica
Maro/Maxsofa Annona Senegalensis
Canho/Canhuiro Sclerocarya caffra
Micanho Sclerocarya caffra
Chissango/Chichanga Maytenus senegalensis
Muxo Ziziphus mucronata
Minala/Nala/Mhala Hyphaene crinita, Phoeni reclinata
Nulo Balanites maughamii
Mconde Euphorbia ingens
Chifuca/Chifunga Acacia xanthophloea
Chumbucanho,Chibucanho Commiphora esp.or Lannea esp.
37
Chibunvucanho
Chebelhove,Chebelhobo Maclura africana?
Tsele Mimuscops caffra
Lihlwe Imprata cylindrica
Umbila Pterocarpus angolensis
Mebaba Canavalia esp.
Cajueiro Anacardium occidentale
Melala/Milala Euclea esp.
Titane Artabotrys brachypetalus
Epumbo Cardiogyne esp.
Dichongua ilschaemum brachyotherum
Nwambo sapotaceae esp.
Trepadeiras Lantana esp.
Manda/N'conde Corchorus esp.
Mangueira Mangifera indica
Chivondze Panicum maximum
Chlongue Themeda
Ncassane Acacia nigrescens
Indeziva/Tziva Dialium schlechterii
Enjiva/Fziva
Monzo Combretum imberbe
Marringue Landolphia caffra or
Landolphia petersiana
Mafila/Mafilo Vangeuria infausta
M'filo/Maxito '
Macuacua Strychnos innocua or
Strychnos madagascariensis
Macala/Incaia Strychnos spinosa
Micaia/Incaia Acacia esp.
Chilanga-macho Spirostachys africana
Xilangamacho
Mcacho/cacho Tabernaemontanum elegans
Encacho/Encaxo
Conola Terminalia sericea
Tsenga Dichrostachys cinerea
Chanfuta Afzelia quanzensis
Gouane Albizia espp. (adianthifolia)
Vegetation associations

Português English

Mata aberta Open Woodland


Mata fechada Closed Woodland
Mata brenhosa Shrubland
Matagal Thicket (more that 80% cover of
shrubs and low trees)
Pradaria Grassland
"4*WS

38

7. DESCRigAO DAS UNIDADES DE SOLO CARTOGRAFADAS

7.1 OS SOLOS DAS DUNAS CQSTEIRAS

7.1.1 Os solos das dunas costeiras amareladas,


agruparaento de solos De
i
7.1.1.1. Descricao do terreno

As dunas costeiras estao situadas no Pleistoceno-Holoceno tardio,


sao dunas transversais ao longo da faixa costeira, entre a zona da
lagoa do Holoceno e o Oceano.
Algumas destas dunas estao ainda activas, como pode ser observado
ao longo da estrada apartir de Maputo a Costa do Sol.

7.1.1.2. Conceito central

Sao solos arenosos grosseiros (algumas vezes f i n o s ) , geralmente com


elevada percentagera de areia grosseira (94-97 %).Sao comuns camadas
de horizontes de solo enterradas.

7.1.1.3. Classificacao de solos

FAO (1974) F_AO (1988)


- Eutrie ou Dystric Regosols * Haplic Arenosols *
Calcic Arenosols
USDA
- Typic Ustipsamments. * misturado ou silicioso,
hipertérmico.
- Ustoxic Quartzipsamments , nao revestido, hipertérmico

*) dominante
Caracteristicas do agrupamento De

caracteristicas solo subsolo


i super ficial

pH agua 5-6 5 - 9.4

Mat. org. % 0.2 - 1 -

C E mmhs/cm 0 - 1 0 - 1

PST % 1 - 5 1-15

CTC meq/100g 1.7-4 1.2-3

BT % 70 - 90 50 - 100

N % - -

Pass mg/100 g 1 - 3 -
39

7.1.1.4. Vegetacao das praias e dunas costeiras recentes

- Scaevola plumieri;
- Ipomea pes-caprae;
- Grewia esp . ;
- Mirausops caffra;
- Encephalartus ferox.

Floresta verde durante todo ano:


- Euclea ;
- Commiphora;
- Acacia spp.
- Caesalpinia
- Sarcostemma
- Cissus;
- Albizia (Irapesso).
(Barradas, 1962; Sa e Melo Marques, 1976).

Vegetacao das areas arenosas da regiao costeira

- Themeda triandra;
- Salacia Kraussii (Psincha);
- Hyparrhenia spp.;
- Sporobolus pyramidalis;
- Eragrostis;
- Syzygium cordatum (mutcho, jambolao africano).

(Sa e Melo Marques, 1976; Kauffman e Vilanculos, 1981).

Inclusoes das ervas de savana costeira:


- Andropogon;
- Cynodon;
- Hyparrhenia ;
- Setar ia;
- Ischaemura.

(Barradas, 1962; Sa e Melo Marques, 1976).

7.1.1.5 Perfil tipico das dunas costeiras recentes.


agrupamento de solo De

Perfil: 2280
Fonte: Levantamento de solos da Provincia de Maputo
Data: 01/03/1963
Classificacao de solos (tentativa):
- FAO: Haplic Arenosol
- USDA: Typic Ustipsamment, silicoso ou misturado, isohipertérmico
ou Ustoxic ou Ustic (proposta) Quartzipsammment, nao revestido,
isohipertérmico.
Localizacao: mapa 1190, Maputo, Bairro do Triunfo (25° 55' 4 0 " S
e 32° 37' 50" E ) .
Fisiografia: ondulado, dunas costeiras recentes
a

40

Drenagem: externa - boa


interna - excessiva
Vegetacao: Afzélia quanzensis (chanfuta) e muitos arbustos
Humidade: quase seco.
Elevacao: 5m. acima do nivel do mar.

Descricao

Ah: 0 a 10 cm
Castanho cinzento (10 YR 5/2) quando seco; castanho cinzento escuro
(10 YR 4/2) quando hümido; areia grosseira; solto; sem
ef ervescência ; raizes comuns , grossas, abundantes, finas a médias.

C: 10 a 130 cm ou mais
Cinzento castanho claro (10 YR 6/2) quando seco; castanho cinzento
(10 YR 5/2) quando hümidb; arenoso grosseiro; solto; raizes comuns
finas e médias.

Prof. > 2mm % areia % areia % 1 i mo % a r g i 1 a T e x t u r a Carbo-


(cm) .(%) grossa f ina 0.05- <0.002 USDA natos %
0.2-2mm .2-.05mi i 0.002mr1 mm

0-10 0.0 81 .0 16.9 2. 1 0.0 Ar 0.0


10-70 0.0 71 .4 27. 5 0. 4 0.7 Ar 0.0
70-130 0.0 78.2 20.7 1. 5 0.0 Ar 0.0

E.C. E.C. 1/3 bar 15 bar pHagua pH KC1 P as s . P tot .


1:2.5 sat.p. (%) (%) mg/100g mg/100g
mmh/cm mmh/cm

0.6 2.3 2.0 5. 5 4. 5 0. 7


0.3 1. 1 0.7 5. 3 4.4 0. 2
0.3 1. 1 1 .2 5. 5 4.2 0.2

Bases trocaveis meq/100g H + Al CTC Sat . Dens id.


meq/ meq/ bases aparent
Ca Mg K Na 100g 100g (%)

1. 5 0.2 0. 1 0. 1 0.3 2.2 86


1 .0 0. 1 0. 1 0. 1 0.2 1 .5 87
0.6 0. 1 0.0 0. 1 0.0 0.8 100

Mat. ( C.org. N PST razao CTC arg Por os i-


org. C/N (max ) areia meq/ dade
(%) (%) (%) g/f 100g (%)

0.9 0.49 5 4.8


0.2 0. 1 1 7 2.6
0.2 0. 14 13 3.8
41

7.1.2. Solos das dunas costeiras vermelhas.


agrupamento de solo Dv

7.1.2.1. Descricao do terreno

Estes solos sao o resultado da meteorizacao do Pleistoceno e


forraacao de solos em dunas calcareas cimentadas (eolinitos). Estes
solos podem ser encontrados em Taula, NE de Marracuene, a esquerda
do banco do rio Incomati; sao comuns na Ilha da Inhaca (Barreira
vermelha) e ao longo da costa da Provincia de Maputo.

7.1.2.2. Conceito central

Solos arenosos vermelho-amarelados cobrem as dunas calcareas


cimentadas (eolinitos) a uma profundidade variavel, com uma
transigao irregular para um substrato nao meteorizado.

7.1.2.3. Classificacao dó solos

FAO (1974 e 1988)

- Ferralic Arenosols
- Cambic Arenosols *

USDA

- Tvpic Ustipsamments,* misturado ou silicioso,


hipertérmico.

- Ustoxic Quartzipsamments, revestido, hipertérmico.

, *) dominante

7.1.2.4. Variacao das caracteristicas do solo


0 horizonte Ah tem uma espessura de 20 a 40 cm; castanho-amarelado
escuro, vermelho-amarelado, castanho; arenoso a franco-arenoso ;
solto.

0 horizonte Bw é muito espesso; castanho, vermeiho-amarelado,


amarelado-avermelhado; arenoso a franco-arenoso ; solto a anisoforme
subangular fino, fraco; solto a brando; sem efervescência.

A rocha da duna calcarea cimentada encontra-se a uma profundidade


entre 1.8 e 10 m ou mais. Existem bolsas de terra vermelha dentro
da rocha alterada ("karst-pockets").
i
42

Caracteristicas dos solos Dv

caracteristicas solo subsolo


superficial

pH agua 5-6 5-7

Mat. org. % 0.2-1 -

C E mmhs/cm 0 - 1 0 - 1

PST % 0-5 2-9

CTC meq/100g 1.3 - 2.5 1.3 - 2.5

SB % 60 - 80 65 - 85

N % 0.02 - 0.04 -

Pass mg/100 g - -

CTC argila meq/100g - 24 - 50

7.1.2.5 Perfies tipicos das dunas costeiras vermelhas.


agruparaento de solo Dv

Perfil: 3408
Fonte: Levantamento de solos da Provincia de Maputo
Data: 22/07/64
Classificacao de solos (tentativa):
_ FAO: Cambic Arenosol
- USDA: Typic Ustipsamment, misturado ou silicioso, hi pertérmico
Localizacao: mapa 1186
Fisiografia: antiga , duna cimentada (eolianita) do Pleistoceno
Superior, plano a suavemente ondulado.
Declive: menos de 1 %
Drenagem externa: fraca
interna: excessiva
Vegetacao: mata aberta, por vezes fechada com aspecto de matagal,
com imbis (Garcinia 1ivingstonei) , macuacua (Strychmos inrocua ou
madagascariensis), massala (Strychmos spinosa) alguns muchos
(Syzygium cordatum), cajueiros (Anacardium occidentale), etc.
Humidade: seco
Este perfil nao tem dados analiticos.

Descr icao

Ah: 0 a 40 cm
Castanho ( 10 YR 4/3 ) , quando seco; castanho-amarelado escuro (10
Y-R 3 / 4 ) , 'quando hümido; arenoso a arenoso-franco, solto, sem
efervescência, raizes finas e médias muito abundantes.
43

Bw: 40 a 160 ou mais


Castanho (7.5 YR 5/4) quando seco, castanho (7.5 YR 4/4) quando
hümido; arenoso a arenoso-franco; solto a anisoforme subangular
fino; brando; sem efervecência, raizes finas e médias muito
abundantes .

Perfil 2 e uma sondagem


Sondagem: Inhaca 1
Fonte: J. Van Wambeke e F. Beernaert
Data: 03/07/89
Unidade: Dv
Localizacao: 500 m a Norte da estacao da Biologia Maritima, ilha da
Inhaca.
Fisiografia: duna vermelha antiga
Altitude: -40 m acima do mar
Declive: 2 a 3 %
Vegetacao: lenhosa
Drenagem: boa
Humidade do perfil: hümido

Descricao
i

Ah: 0 a 30 < cm
Arenoso, vermelho-amarelado (5 YR 4/6) quando hümido; solto; sem
efervescência

Bw1: 30 a 120 cm
Arenoso; vermelho-amarelado (5 YR 5/8) quando hümido; solto, sem
efervescência

Bw2: 120 a 140 cm


Arenoso; amarelo-avermelhado (5 YR 6/8) quando hümido; solto, sem
efervescência

BC: 140 a 200 cm ou mais


Arenoso; castanho fbrte (7.5 YR 5/8), quando hümido, amarelo-
avermelhado (7.5 YR 5/8), quando seco; solto; sem efervescência.

Prof. > 2mm % areia % areia % 1 imo % a r g i 1 a Textura Carbo-


(cm) (%) grossa f ina 0.05- <0.002 USDA natos %
0.2-2mm . 2- . 05mn
i 0.002mift m m

0-20 62.3 32.2 1 .0 4.5 Ar < 0. 5


30-50 57. 1 36.7 0.5 5. 7 Ar < 0. 5
50-150 57.9 36. 1 0.5 5. 5 Ar < 0. 5

E.C. E.C. 1/3 15 P as s P tot


1:2.5 p.sat. bar bar p H a g u a pH KC1 mg/100g mg/100g
mmh/cm mmh/cm (%) (%)
I

44

0.03 5.7 4.0 0


0.05 5. 5 4.0 0
0.03 ,5. 1 3.8 0

Bases de troca (meq/100g) H + Al CTC Sat . Dens .


meq/ meq/ Bases aparent
Ca Mg K Na 100g 100g (%)

0.58 0.44 0.08 0.11 0.85 2. 1 60


1 .00 0. 37 0.05 0.22 0.70 2. 3 69
0.85 0.40 0.03 0. 1 1 0. 78 2. 2 65

Mat. C.org. CTC arg r azao


Org. N C/N PST SAR meq/ a r e ia
(%) (%) (%) (max ) 100g g/f

0.5 0.29 0.03 9.7 5 24 1.9


0.3 0. 17 0.03 5.7 9 30 1 .6
0. 1 0.06 0.04 1 .5 5 36 1 .6

7.2 SOLOS DE COBERTURA ARENOSA

7.2.1 Introducao '

Areias grosseiras a finas cobrem o Mananga e Pós-Mananga ; sao


referidas como solos de cobertura arenosa .
A fase da "mor f ologia da duna" e uma fase "mosqueada" foram
distinguiridas no mapa de solos.
A cor do solo na area de Pessene foi relacionada as camadas de
areia acima do manto Mananga impermeavel.

Os solos de cobertura arenosa sao distinguidos na base da cor do


solo (agrupamentos Aa, Ab, Aj) e na base das carac ter is ticas
hidromórficas (agrumento A h ) .

Na faixa costeira, ofs solos arenosos tem a seguinte vegetacao:

Vegetacao das dunas interiores e da camada arenosa

a. Barradas (1962) e Sa e Melo Marques (1976), distinguiram uma


floresta aberta a fechada, arvores de savana semi-caduca, mata e
estepe com:
- Sclerocarya caffra;
- Albizia versicolor (impesso);
- Albizia adianthifolia (impesso);
- Terminalia sericea;
- Garcinia livingstonei (imbi ou m a n g o s t e i r a cafreal);
- Afzelia quanzensis (chanfuta);
- Combretum guenzii;

i
I

- Combretum imberbe (monzo);


- Combretum mole;
- Pterocarpus angolensis (umbila)
- Strychnos spp.;
- Annona (maxsofa);
- Dichrostachys (tzenga);
- Acacia mossambicensis ;
- Vangueria tomentosa (macieira do m a t o ) ;
- Trichilea (mafurreira ) ;
- Kigelia pinnata (fungura);
- Conopharyngia elegans;
- Phoenix reclinata (nala ou tamareira cafreal);
- Hyphaene crinita (nala ou palmeira de marfim).

Cobertura vegetal:
- Panicum;
- Digitaria;
- Hyparrhenia dissoluta;
- Cymbopogon;
- Indigofera;
- Eragrotis;
- Triraphis ;
- Tristachya.

b. Restos da floresta primaria nos solos arenosos sao pouco


moderadamente altos, muito ou pouco densa, floresta verde a semi
caduca das regiöes sub-htïmidas :
- Spirostachys africana (chilangamacho ) ;
- Afzelia quanzensis (chanfuta);
- Balanites maughamii (nulo);
- Ficus spp . ;
- Dialium schlechterii (ziba);
- Diospyros" mespiliformus (metoma);
- Pteleopsis myrtifolia;
- Piptadenia pseudacacia;
- Euphorbia (mconde);
- Aloë;
- arbustos verdes;
- mata com plantas trepadeiras e suculentas.
(Barradas, 1962; Sa e Melo Marques, 1976).

c. Lugares costeiros ventosos

- Garcinia livingistonei (imbi);


- Helichrysum Kraussii.

d. Terras baixas hümidas


(arvores e arbustos de savana)
- Syzygium cordatum.

7.2.2. Os solos arenosos amarelados ,


agrupamento de solo Aa
I 46

7.2.2.1. Descricao do terreno

Estes solos sao formados em planicies arenosas pouco profundas, na


parte Este das dunas longitudinais.

7.2.2.2. Conceito central

Estes solos arenosos castanho amarelados, têm geralmente urn subsolo


mosqueado (Aag).
As areias de granulometria grosseira sao dominantes, mas as areias
finas podem ser encontradas próximo (ou em cima) dos mantos de Pós-
Mananga, franco-arenoso fino ou arenoso-franco fino.
Uma fase de duna (dAa) foi também distinguida.
0 horizonte C é muito profundo; cinzento claro, castanho palido,
castanho muito palido, castanho-amarelado, castanho; areia a
arenoso franco; grao simples, ou massivo, ou fraco, fino a medio,
anisoforme subangular; solto a ligeiramente duro, muito friavel a
friavel, nao pegajoso a nao plastico; sem efervescência; algumas
vezes com abundantes manchas ferruginosas, distintas, finas a
médias, cinzento-acastanhadas.

7.2.2.3. Classificacao de solos

FAO (1974) FVAO. ( 1988)


- Ferralic Arenosols * - Luvic Arenosols
-CambicArenosols - Ferralic Arenosols *
- Cambic Arenosols

USDA
- Typic Ustipsamments, silicioso ou misturado, hipertérmico
- Ustic Torripsamments^ silicioso ou misturado,
hipertérmico
- Aquic, Ustoxic ou Ustic (proposta) Quartzipsamments,
revestido, hipertérmico
* dominante

7.2.2.4. Variacao das caracteristicas

0 horizonte A é ócrico; 15 a 30 cm de espessura; castanho-


acinzentado muito escuro, castanho-amarelado escuro, castanho,
castanho-acinzentado escuro, cinzento escuro, cinzento muito
escuro, castanho muito escuro; areia a arenoso-franco ; grao
simples; granular fino a medio, ou muito fraco, fino a medio,
anisoforme subangular; solto a brando, muito friavel, nao pegajoso
a nao plastico; sem efervescência.
0 horizonte Bw alcanca uma profundidade de 75 a 150 cm; castanho
amarelado, castanho muito escuro, castanho, castanho amarelado
escuro; areia a arenoso-franco; grao simples; fraco, muito fino a
medio, anisoforme subangular; solto a ligeiramente duro, muito
friavel a friavel, nao pegajoso a nao plastico; sem efervescência;
algumas vezes com, poucas a comuns, manchas ferruginosas, finas a
médias, distintas, cinzento-acastanhadas; sem efervescência.
47

Caracteristicas dos solos Aa

caracteristicas solo subsolo


super ficial

pH agua 3.9 - 7.0 4.0 - 6.6

Mat. org. % 0.0 - 3.0 -

C E mmhs/cm 0.0 - 1.5 0.0 - 2.0

PST % 0.0 - 2.0 1.0 - 12

CTC meq/100g 2.2 - 6.4 0.6 - 3.6

SB % 22 - 90 21 - 100

N % 0.003 - 0.088 -

Pass mg/100 g 0.4 - 3.4 -

CTC argila meq/100g - 9.0 - 60

7.2.2.5. Vegetacao dos solos Aa

Mata aberta ou fechada ou capim com algumas arvores, com


- Terminalia sericea (conola)
- Strychnos spinosa (massala)
- Afzelia quanzensis (chanfuta)
- Albizia adianthifolia ('mpesso)
- Garcinia livingstonei (imby)
- Strychnos innocua ou madagascariensis (macuacua)
- Dichrostachys cinera (tzenga)
- Syzygium cordatum (mutcho)
- Dialium schlechterii (tziva)
- Trepadeiras
- Sclerocarya caffra (canho)
- Vangueria infausta (filo)
- Tabernaemontanum elegans (encacho)
- Spirostachys africana (chilongamacho)
- Trichilea emetica (mafurreira)
- Anacardium occidentale (cajueiro)
48

7.2.2.6 Perfil tipico dos solos arenosos amarelados,


agrupamento de solo Aa

Perfil: 8?6
Fonte: Levantamento de solos da Provincia de Maputo
Data: 24/02/62
Classificagao: - FAO: Ferralic Arenosol
- USDA: Ustic Torripsamment, silicioso ou
misturado, hipertérmico.
Localizagao : mapa 1198, 4 km a Este de Salamanga
(26° 28' 30" S; 32° 41 ' 20" E)
Fis iografia: cobertura arenosa, plano a s u a v e m e n t e o n d u J a d o
Declive: < 1 %
Elevacao: 30 m acima do nivel do mar
Drenagem: - externa: boa
- interna: excessiva
Vegetacao: mata aberta com:
- Sclerocarya caffra (canho)
- Albizia adiantthifolia (pesso)
- Vangueria infasta (filo)
- Tabernaemontanums elegans (encacho)
- Strychnos spinosa (massala)

- Strychnos innocua ou madagascariensis (macuacua)


- Trichelia emetica (mafurreira)
Humidade do perfil: seco

Descricao :

Ah: 0 a 22 cm
Castanho-acinzentado escuro (10 YR 4 / 2 ) , quando seco; castanho-
acinzentado muito escuro (10 YR 3 / 2 ) , quando hümido; arenosa;
solta; sem efervescencia; raizes finas e médias muito abundantes.

Bw: 22 80 cm
Castanho-acizentado muito escuro (10 YR 3 / 2 ) , quando seco; castanho
muito escuro (10 YR 2 / 2 ) , quando hümido; arenosa; solta; sem
efervescencia; raizes finas e médias abundantes.

C: 80 a 160 cm óu mais
Castanho palido (10 YR 6 / 3 ) , quando seco; castanho-amarelado (10 YR
5 / 4 ) , quando hümido; arenosa; anisoforme subangular, fina,
fraca, branda; sem efervescencia; algumas raizes finas e médias.

Prof. > 2mm % areia % areia % 1 imo %argila Textura % car bo


(cm) (%) gros sa fina 0.2 0.05- < 0.002 USDA na tos
2-0.2mm -0.05mm 0.002mm mm
49

0-20 0.0 38.96 50.42 4.00 7.75 Ar 0


25-50 0.0 44.95 40.97 3.95 9.05 ArF 0
50-80 0.0 49.99 38. 13 3.35 8.75 Ar F 0
80-120 0.0 53.41 37. 19 1 .25 8.05 Ar 0
135-16C 0.0 50.80 40.58 3.25 7.15 Ar 0
i

E.C. E.C. 1/3 15 bar pH agua pH KC1 P as s P tot .


1:2.5 sat.p. bar mg/100g mg/100g
mmh/cm mmh/cm (%) (%)

0.397 3.69 2. 13 6.45 5.65 2. 70 20. 80


0.252 4.29 2.11 6.20 5.30 1 .00 19.20
0.261 4.99 1 .88 6. 30 5.55 1 . 30 9.60
0.210 2.21 0.91 6.25 5.50 2. 00 4.80
0.324 1 .94 0.66 6. 15 5.45 2. 00 1 .60

Bases de troca meq/100g H + Al Soma de Sat . Densid .


m e q / 1 0 0 g bases bases apa ren-
Ca Mg K Na meq/100|l (%) te

1 . 70 0. 10 0.24 0.02 2.28 2.06 77


1 .90 0.30 0. 10 0.04 2.07 2.34 72
0.32 0.32 0.23 0.08 4.55 2. 36 96
0.32 0.22 0. 18 0.08 1 .29 0. 86 81
0.21 0.23 0. 12 0.07 0. 72 0.86. 100

Mat. C. N razao CTC arg Por o-


Org. org. C/N PST ar eia meq/ s idade
(%) (%) (%) (max ) g/f 100g (%)

0.91 0.53 0.045 0.8 0.8 11.0


0.69 0.40 0.059 1 .2 1. 1 21.4 38.9
0.51 0.30 0.034 4. 1 1 .3 16.7 42.4
0. 12 0.07 0.020 3.8 1 .4 10. 1 41 .6
0.08 0.05 0.014 4. 7 1 .3 9.8 34.6

Perfil: 2120 ,
Data: 17/01/63
Fonte: Levantamento de solos da Provincia de Maputo
Classificacao (tentativa):
- FAO: Luvic Arenosol , fase sólida (?)
- USDA: Ustic Torripsamment, silicioso ou misturado,
hip-ertérmico.
Localizacao: mapa 1189, Matola, Este do rio Matola , Oes te da
estrada Machava-Pessene (Lambério). (25° 51' S, 32° 27' E ) .
Fisiografia: planicie arenosa no planalto Mananga.
Declive: 0 %
Elevacao acima do nivel do mar: 35 m (± 30 m acima do rio Matola)
Drenagem: externa - moderada ?
interna - moderada
50

Vegetacao: mata aberta com inclusöes fechadas:


- Terminalia sericea (conola);
- Strychnos innocua (macuacua);
- Strychnos spinosa (massala);
- Trichilea emetica (mafurreira);
- Sclerocarya caffra (canho);
- Anacardium occidentale (cajueiro).
Humidade: seca

Descricao

Ah: 0 a" 20 cm
Cinzento escuro (10 YR 4 / 1 ) , quando seco; cinzento muito escuro (10
YR 3 / 1 ) , quando hümido; areia fina; fraco, fino, anisoforme
subangular; brando; sem efervescência ; raizes abundantes, finas e
médias.

Bwg: 20 a 150 cm
Castanho (10 YR 5 / 3 ) , quando seco; castanho-amarelado escuro (10 YR
3 / 4 ) , quando hümido; areia fina; fraco, fino a medio, anisoforme
subangular; brando; sem efervescência ; muitas raizes, finas e
médias; com manchas ferruginosas alaranjadas.

Cg: 150 a 170 cm ou mais


Castanho palido (10 YR 6 / 3 ) , quando seco; castanho (10 YR 5 / 3 ) ,
quando hümido; areia fina; fraco, medio, anisoforme subangular;
brando a ligeiramente duro; sem efervescência; com algumas raizes,
finas e médias; com muitas manchas ferruginosas alaranjadas e
acastanhadas .

Prof. > 2mm % areia % areia % 1 imo %argila Textura % carbo


(cm) (%) grossa fina 0.2 0.05- < 0.002 USDA natos
2-0.2mm -0.05mm 0.002mm mm

0-20 0.0 47.9 46.3 2.6 3.2 Ar 0


20-90 0.0 34.5 57.6 1 .9 6.0 Ar 0
90-150 0.0 35.7 52. 3 1 .4 10.6 FrAr 0
150-170 0.0 40.6 53.3 1. 5 4.6 Ar 0

E.C. E.C. 1/3 15 bar pH agua pH KC1 P as s P tot .


1:2.5 sat.p. bar mg/100g m g / 1 0 0 g
mmh/cm mmh/cm (%) (%)

0.4 4.3 2.9 ? 5. 0 4. 9 1. 4


0.2 3.9 2. 1 5.0 4.0 1 .0
0.4 5.6 3. 3 5.4 3. 9 0. 7
0.2 3. 1 1 .6 5.2 3.9 0.4
51
1 1 1

Bases de troca meq/100g H + Al CTC Sat . Dens id.


meq/1OOg meq/ bases aparen-
Ca Mg K Na 100g (%) te

0.4 0.8 0.08 0. 15 0.84 2.27 63

Mat. 'c. N razao CTC arg Por o-


Org. org. C/N PST areia meq/ s idade
(%) (%) (%) (max ) g/f 100g (%)

0.9 0.52 1 .0
0.5 0.29 0.6
0.4 • 0.23 6.6 0. 7 14
0.0 0.02 0.8

7.2.3 Os solos arenosos alaranjados.


agrupamento de solo Aj

7.2.3.1. Descricao do terreno

Os solos arenosos alaranjados cobrem urn substrato de roeha de


Mananga ou um manto de Pós-Mananga com uma profundidade de varios
metros, em caso de planicies arenosas. Os solos sao também formados
em dunas longitudinais orientadas no sentido NNO-SSL.

7.2.3.2. Conceito central

Estes solos arenosos alaranjados -(acastanhados), estao geralmente


manchados no subsolo. As areias grossas sao dominantes, mas solos
finos arenosos cobrem o manto de Pós-Mananga franco-arenoso fino
ou fino arenoso-franco.
Duas fases foram distinguidas:A fase mosqueada (manchada) Ajg e a
fase de duna d A j .

7.2.3.3. Classificacao de solos

FAO (1974) FAO (1988)


- Ferralic Arenosols *i - Luvic Arenosols
- Cambic Arenosols - Ferralic Arenosols 'v
- Cambic Arenosols

USDA
- Ustic Torripsamments *
- Typic Ustipsamments , misturado ou silicioso,
hipertérmico
- Aquic, Ustoxic ou Ustic (proposta) Quartzipsamment,
revestido, hipertérmico
r
52
,v
)dominante

7.2.3.4. Variacao das caracteristicas

0 horizonte A é ócrico; 10 a 30 cm de espessura; cinzento,


castanho-acinzentado escuro, castanho escuro, castanho muito
escuro, castanho; areia; fraco, fino a medio, anisoforme
subangular, ou grao simples; solto a brando, muito friavel, nao
plastico e nao pegajoso; sem efervescência.

0 horizonte Bw alcanca uma profundidade de mais de 1 m; vermelho-


amarelado, castanho, castanho escuro, castanho forte, amarelo-
avermelhado, castanho claro; areia; grao simples, ou massivo, ou
fraco, muito fino a medio, anisoforme subangular; solto a brando,
friavel, nao pegajoso a nao plastico; sem efervescência ; algumas
vezes com manchas ferruginosas, poucas a abundantes, nao distintas
a distintas, finas, aumentando com a profundidade.

Caracteristicas dos solos Aj

caracteristicas solo subsolo


superficial

pH agua 5.1 - 6.6 5.2 - 6.6

Mat. org. % 0.4 - 2.0 -

C E mmhs/cm 0.0 - 1 0.0 - 1

PST % 0.0 - 1 1 - 2

CTC meq/100g 1.8 - 4.3 1.5 - 2.7

SB % 46 - 88 42 - 73

N % 0.003 - 0.073 -

Pass mg/100 g 1.3 - 2.6 -

CTC argila meq/100g - 17 - 43

7.2.3.5. Vegetacao

Floresta aberta com: '


- Strychnos innocua ou madagascariensis (macuacua)
- Garcinia livingstonei (imbi)
- Terminalia sericea (conola)
- Salacia kraussii (psincha)
- Dalium schlechterii (tziva)
- Afzelia quanzensis (chanfuta)
53

- strychnos spinosa (massala)

7.2.3.6 Perfil tipico dos solos arenosos alaran.jados,


agrupamento de solos Aj

Perfil: 893
Fonte: Levantamento de solos da Provincia de Maputo.
Data: 26/02/62
Class ificacao:
- FAO: Ferralic Arenosol
- USDA: Ustic Torripsamment, misturado ou silicioso,
hipertérmico.
Localizacao: mapa 1198, margem ocidental do rio Futi, 10 km NE de
Salamanga (26° 25' 50" S, 32° 43' 20" E)
Fisiografia: cobertura arenosa, encosta do rio Futi.
Declive: < 1 %
Elevacao: 9 m acima do nivel do mar
Drenagem externa: boa
interna: excessiva
Vegetacao: mata aberta, junto da mata brenhosa, com:
- Dialium schlechterii (tziva)
- Terminalia sericea (conola)
- Afzelia quanzensis (chanfuta)
- Strychnos innocua ou madagascariensis (macuacua)
- Strychnos spinosa (macuacua)
Humidade do perfil: humido

Descricao :

Ah: 0 a 22 cm
Castanho-acinzentado escuro (10 YR 4 / 2 ) , quando seco; castanho-
acinzentado muito escuro (10 YR 3 / 2 ) , quando humido; arenosa;
solta; sem efervescência; raizes finas e médias muito abundantes.

Bw: 22 a 160 cm ou mais


Castanho palido (7.5 YR 6 / 4 ) , quando seco; castanho (7.5 YR 4 / 2 ) ,
quando humido; arenosa; solta; sem efervescência; raizes finas e
médias pouco abundantes.

Prof. > 2mm % areia % areia % 1 imo %argila Tex tura ca r bo


(cm) gr os sa fina 0.2 0 . 0 5 - < 0.002 USDA na tos
2-0.2mm -0.05mm 0.002mm mm %

0-25 0.0 45.93 48.37 1 . 80 5.40 Ar 0


20-90 0.0 43. 57 50. 53 0.40 6.60 Ar 0
90-150 0.0 43.72 60.4 3 0.00 7. 00 Ar 0

E.C. E.C. 1/3 15 bar pH agua pH KC1 P a s s P tot .


1:2.5 sat.p. bar mg'/IOOg m g / 1 0 0 g
mmh/cm mmh/cm (%) (%)
I

54

0. 190 2. 14 1 . 32 5.90 4. 6 0 1 . 30
0.111 1 .'6 7 1.17 5.60 4.40 0.80
0.137 1 .80 0.90 5.50 4. 35 2. 10

Bases de troca meq/100g Soma de CTC Sat . Dens id.


bases meq/ bases aparen-
Ca Mg K Na meq/1 OOg 100g (%) te

0.80 0.20 0.06 0.00 1 .06 1 . 86 57


0. 50 0.00 0.02 0.00 0.52 1 . 22 43
0.60 0. 10 0.02 0.02 0. 74 1 . 54 48

Mat. C. N r azao CTC arg Poro-


Org. org. C/N PST ar e ia meq/ s idade
(%) (%) (%) (max) g/f 100g (%)

0.41 10.24 0.071 3.3 0 0. 9 19.2


0. 14 0.08 0.006 13.3 0 0.9 14.2
0. 17 0. 10 0.002 48.0 1. 3 0.9 17.1

Perfil: 2049
Agrupamento: Aj
Fonte: Levamento de solos da Provincia de Maputo
Data: 09/01/63
Classif icacao (tentativa):
- FAO: Luvic Arenosol
- USDA: Ustic Torripsamment, misturado ou silicioso,
hipertérmico
Localizacao: mapa 1198, Matola, banco direito do rio Matola, Oeste
da estrada para Pessene (Zimba)
(25° 40' 50" S, 32° 2 4 ' 10" E) .
Fisiografia: planalto plano coberto de areias.
Declive: 0 %
Elevacao: 54 m acima do nivel do mar (± 40 m acima do rio)
Drenagera: - externa boa ?
interna moderada
Vegetacao:
Floresta de - Strychnos spinosa (massala);
- Sclerocarya caffra (canho);
- Strychnos innocua (macuacua);
- Tabernaemontanum elegans (encacho);
- Pterocarpus angolensis (umbila);
- arbustos de palmeira.
Humidade: perfil quase completamente seco.

Descricao

Ah: 0 a 30 cm ,
Castanho-cinzento muito escuro (10 YR 4 / 2 - 3 ) , quando seco e hümido;
areia; grao simples; solto; sem e fervescencia ; raizes abundantes,
finas e médias; algumas raizes grossas.
I

55

Bwg : 30 a 160 cm ou mais


Csatanho (7.5 YR 7 / 4 ) , quando seco; castanho escuro (7.5 YR 4 / 4 ) ,
quando humido; ar e ia; f solto; grao simples; sem efervescência ; raras
raizes finas, médias e grossas na parte superior do horizonte.

Prof . > 2mm % areia % areia % 1 imo %a rgila Textura carbo


(cm) <%) grossa fina 0.2 0.05- < 0.002 USDA na tos
2-0.2mm -0.05mm 0.002mm mm %

0-30 0.0 49. 5 46. 5 1 .2 2.8 Ar 0


20-90 0.0 48.6 45.9 1. 3 4. 2 Ar 0
90-150 0.0 45.5 47.5 1. 5 5. 5 Ar 0
150-170 0.0 44. 9 47.0 2.0 6. 1 Ar Ü

E.C. E'. C. 1/3 15 bar pH agua pH KC1 P as s P tot.


1:2.5 sat.p. bar mg/100g mg/100g
mmh/cm mmh/cm (%) (%)

0.4 3. 1 2.0 ? 5.6 4.6 2.0


2.9 1.6. 5. 5 4. 5 0. 7
3.5 2. 1 5.4 4.4 1. 0
3.8 2. 1 5.2 4. 3 1. 2

Mat. C. N razao CTC arg Poro-


Org. org . C/N PST areia meq/ s idade
(%) (%) (%) (max) g/f 100g (%)

0.5 0.3 1. 1
0.3 0.2 1. 1
0.2 0. 1 1 .0
0.2 0. 1 1. 0

7.2.4 Os solos arenosos brancos,


agrupamento de solos Ab

7.2.4.1. Descricao do terreno

Estes solos sao encontradps em duas posicöes topograficas:


- Quando uma camada arenosa pouco profunda (< 3 m ) , cobre o de
I

56

manto de Mananga quase impermeavel, p.e. no Pessene e;


- Nas baixas inclinacöes, que conduzem a uma depressao de duna ou
um rio, nas dunas longitudinais .
Era ambos os casos a cor esbranqui?ada é resultado duma forte
lixiviacao ("leaching") e longos periodos de saturacao (reducao).

7.2.4.2. Conceito central

Os solos arenosos esbranquicados (albic), tem o subsolo sarapintado


(Abg). Solos arenosos grosseiros sao dominantes.
As cores dos solos sao 7.5YR - 10YR, 5-6-7-8/2-1.
Um lencol freatico permanente pode ser encontrado a uma
profundidade. maior de 1 m.

7.2.4.3. Classificacao dos solos

FAO (1974) FAO (1988)


- Albic Arenosols - Albic Arenosols *

USDA
- Ustic Torripsamments
- Aquic ou Typic Ustipsamments,
- Mollic ou Humaqueptic Psammaquents, misturado ou
silicioso, hipertérmico
- Aquic, Ustoxic, ou Ustic (proposta) Quartzipsamments,
revestido, hipertérmico.
* ) dominante

7.2.4.4." Variacao das car ac ter i s t i ca s

0 horizonte A é ócrico; tem 10 a 30 cm de espessura; cinzento-


rosado, castanho muito escuro, castanho-acinzentado muito escuro,
castanho-acinzentado, castanho-acinzentado escuro, castanho,
cinzento muito escuro, castanho escuro, castanho-amarelado escuro;
areia a arenoso-franco, grao simples ou massivo, ou fraco, fino a
medio, anisoforme subangular; solto a brando, muito friavel, nao
pegajoso e nao plastico; sem efervescência.

0 lavado horizonte E, alcanca uma profundidade de mais de 1.7 m;


castanho, cinzento-acastanhado claro, cinzento-rosado, cinzento,
branco, cinzento claro, castanho-acinzentado, castanho-acinzentado
escuro, castanho-palido, castanho; areia; massivo, ou fraco, fino
a medio, anisoforme subangular; solto a brando, muito friavel, nao
pegajoso e nao plastico; sem efervescência; geralmente com
distintas manchas ferruginosas de cor cinzento-castanho claro em
direc^ao a base.
57

Caracteristicas de solos Ab

caracteristicas solo subsolo


super fi cial

pH agua 5.3 - 7.0 5.5 - 8.2

Mat. org. % 0.2 - 2.0 -

C E mrahs/cm 0.0 - 2.0 0.0 - 2.0

PST % 0.0 - 3.0 0.0 - 21

CTC meq/100g 1.5 - 10 0.7 - 4.5

SB % 25 - 99 38 - 100

N % 0.003 - 0.098 -

Pass mg/100 g 0.2 - 5.3 -

CTC argila raeq/100g - 13 - 76

7.2.4.5. Vegetacao

Floresta aberta e fechada, com :

• Albizia adianthifolia (mpesso)


Acacia esp.
• Sclerocarya caffra (canho)
• Strychnos innocua ou madagascariensis (macuacua)
• Strychnos spinosa (massala)
• Afzelia quanzensis (chanfuta)
• Syzygium cordatura (mutcho)
• Trichlea emetica (mafurreira)
• Terminalia sericea (conola)
• Garcinia livingstonei (imbi)
• Dichrostachys cinerea (tsenga)
• Pterocarpus angolensis (umbila)
• capim com Syzygium cordatura (mutcho)

7.2.4.6 Perfil tipico dos solos arenosos brancos,


agrupamento de solos Ab

Perfil: 173
Data: 26/05/61
Fonte: Levantamento de solos da Provincia de Maputo.
Classificacao (tentativa):
- FAO: Albic Arenosol
- USDA: Ustic Tor r ipsammen t , silicioso ou misturado, h.ipertermico
1

Localizagao: raapa 1193, Boane, planalto a Oeste do rio Tembe (26°


06' 50" S, 32" 24* 15" E ) .
Fisiografia: cobertura arenosa pouco espessa da plataforma de
Mananga inferior.
Declive: 0 %
Altitude: 35 m
Drenagem: externa - boa
interna - excessiva
Vegetacao: arbustos com densa vegetagao de cobertura
Humidade: seca

Descr icao :

Ah: 0 a 20 cm
Castanho (10 YR 5/3), quando seco; castanho amarelado escuro (10 YR
3/4), quando hümido; areia; grao simples; solto; sem efervescencia;
abundantes raizes finas e médias.

'-P 20 a 130 cm
Castanho cinzento (10 YR 5/2), quando seco; castanho acinzcntado
escuro (10 YR 4/2), quando hümido; areia; fraco, fino.a medio,
anisoforme subangular; brando; sem efervescência; varias raizes
médias .

'ft- 130 iclaro


Cinzento
165 cm
(10 YR 7/2), quando seco; castanho (10 YR
5/3),quando hiimido; areia; grao simples a fraco, fino a medio,
anisoforme subangular; solto a brando; sem efervescência; algumas
raizes médias.

Prof. > 2mm % areia % areia % 1 imo %argila Textura % car bo


(cm) (%) grossa fina 0.2 0.05- < 0.002 USDA natos
2-0.2mm -0.05mm 0.002mm mm

0-15 0.0 62.3 28.5 2. 1 7. 1 Ar 0


25-55 0.0 51 .4 37.3 3.0 8. 3 Ar 0
55-85 0.0 65. 1 24. 1 4.5 6. 3 Ar 0
85-120 0.0 59.2 34. 3 0.8 5.7 Ar 0
135-160 0.0 57.6 35.2 1 .9 5.3 Ar 0

E.C. E.C. 1/3 15 bar pH agua pH KC1 P as s P tot .


1:2.5 sat.p. bar mg/100g mg/100g
mmh/cm mmh/cm (%) (%)

0.3 3.9 2.6 5.3 4. 1 3. 9 28. 8


0.2 3.8 2.6 5.6 4.4 1. 6 11.2
0.2 3.9 2.4 5.5 4.2 1. 0 4.8
0.2 3.4 2.2 5.7 4. 2 0. 5 4. 8
0.2 2.8 1 .8 5.8 4.4 0. 1 1 .6
59

Bases de troca meq/100g H + Al CTC Sat. Dens i d.


meq/1OOg meq/ bases a pa r e n-
Ca Mg K Na 100g (%) te

0.22 0.32 0. 18 0.06 2.28 3.06 25 1. 59


0.21 0.22 0.22 0.06 2.07 2.78 26 1. 50
0.32 0.32 0.23 0.08 4.55 2.50 38 1. 53
0.32 0.22 0. 18 0.08 1 .29 2.09 38 1. 54
0.21 0.23 0. 12 0.07 0. 72 1 .45 50 1.57

Mat. C. N razao CTC arg Por o-


Org. org . f
C/N PST ar e ia meq/ s i dade
(%) (%) (%) (max) g/f 100g (%)

0. 7 0.40 0.027 14.9 2.0 2.2 23 -


0.6 0.32 0.021 15.2 2.2 1 .4 19 38. 9
0.4 0.24 0.015 16.0 3.2 2. 7 26 42.4
0.3 0. 19 0.003 64.0 3.8 1 .7 26 41 .6
0.2 0. 10 0.005 19.2 4.8 1 .6 20 34.6

7.2.5.Os solos arenosos hidromórficos,


agrupamento de solos Ah

7.2.5.1. Descricao do terreno


i
Estes solos ocorrem em depressoes de dunas de agua saturada.
Muitas depressoes estao fechadas e var-i as formam a fonte dos rios
raenores, por ex. o rio Infulene.

7.2.5.2. Conceito central

Estes solos arenosos estao integrados no grupo dos solos arenosos


brancos (o grupo de solos Ab) e o grupo Ft, solos turfosos do fundo
do vale que estao quase saturados permanen temen te com agua a uma
pequena profundidade (< 1 m ) .

7.2.5.3. Clas s ificagao

FAO (1974) FAO (1988)

- Ferralic ou Cambic Arenosols - Glevic Arenosols*


- Eutrie ou Dystric Gleysols-

USDA

- Mo 11 ic ou Humaqueptic
111c Humaqi Psammaquents'''
- Aquic Ustipsamm( iients, misturado ou silicioso, hipertérmico
60

- Aquic, Ustoxic, ou Ustic (proposta) Quartzipsamments, revestido


ou nao revestido, hipertérmico.
- Ustic Torripsamments'
*) dominante

7.2.5.4. Variacao das caracteristicas

0 horizonte A é ócrico; 20 a 40 cm de espessura; cinzento muito


escuro, pr'eto; arenoso; algumas vezes com elevado conteüdo de
matéria organica; grao simples, ou massivo; solto ou brando, muito
friavel ou friavel, nao plastico e nao pegajoso; sem efervescência.

0 horizonte Cg é castanho-acinzentado , castanho, castanho escuro;


arenoso; grao simples; solto, muito friavel, nao plastico e nao
pegajoso; sem efervescência; manchas ferruginosas comuns a
abundantes, cinzento-castanho-amareladas ; o lencol freatico situa-
se entre a superficie e 1 m de profundidade.

Caracteristicas dos solos Ah.

caracteristicas solo subsolo


super ficial

pH agua 5.3 - 7.0 5.5 - 7.0

Mat. org. % 0.2 - 3.0 -

C E mmhs/cm 0.0 - 2.0 0.0 - 2.0

PST % 0.0 - 3.0 1.0 - 25

CTC meq/100g 0.5 - 2.0 0.5 - 2.0

SB % 40 - 90 40 - 90

N % - -

Pass mg/100 g - -

CTC argila meq/100g - -

7.2.5.5 Perfil tipico dos solos arenosos hidromórficas.


agrupamento de solos Ah

Perfil: 3367
Fonte: Levantamento de solos da Provincia de Maputo
Data: 26/06/64
Classificacao: (tentativa)
- FAO: Gleyic Arenosol
USDA: Aquic, Ustoxic ou Ustic (proposta) Quart. zi psammen t,
61

isohipertérmico, ou Aquic Ustipsamment, misturado ou silicioso,


isohipertérmico
Localizacao: Siquinhema baixa, NW das Mahotas (25° 51' 10" S, 32°
36' 30" E ) .
Fisiografia: duna de forma concava (baixa)
Declive: 0 %
Elevagao : 34 m acima do nivel do mar
Drenagem externa : fraca
interna : fraca
Vegetacao: cobertura de ervas, alguns Sclerocarya caffra (canho) de
fraco desenyolvimento.
Humidade: seco até os 25 cm; humido até os 140 cm; molhado apartir
dos 140 cm.

Descricao :

Ah: 0 a 25 cm
Cinzento escuro (10 YR 4 / 1 ) , quando seco; cinzento muito escuro (10
YR 3 / 1 ) , quando hümifdo; grao simples; solto; sem efervescência ;
raizes abundantes, finas e médias.

Cg: 25 a 140 cm ou mais


Castanho (10 YR 5 / 3 ) , quando seco; castanho escuro (10 YR 4 / 3 ) ,
quando humido; grao simples; solto; sem efervescência ; raizes
abundantes, finas e médias; manchas proeminentes, comuns a
abundantes, amarelas, finas e médias; lencol freatico a 140 cm.

Prof. > 2mm % areia % areia % 1 imo % a r g i 1 a T e x t u r a Carbo-


(cm) (%) grossa f ina 0.05- <0.002 USDA na tos
0.2-2mm . 2-. 05min 0.002min mm %

150 - 83.2 16.3 0.5 0.0 A 0.0


180 i

E.C. E.C. 1/3 15 P as s P tot


1:2.5 p. sat. bar bar pH agua pH KC1 mg/100g mg/100g
mmh/cm mmh/cm (X) (%)

5.8 4. 7

Bases < Ie troca (meq/10()g) H + Al CTC Sat . Dens .


meq/ meq/ Bases aparent
Ca Mg K Na 100g 100g (%)
0. 1 0. 1 0.04 0. 13 0.40 0. 77 48

Mat. C. CTC arg r a zao


Org. Org. N C/N PST SAR meq/ a reia
(%) (%) (%) (max ) 100g g/f
17
62

7.3. OS SOLOS VERMELHOS DERIVADOS DO GRES VERMELHO


agrupamento de solos G
7.3.1 Introducao
O arenito vermelho das colinas de Boane, Estevel, Bom Pastor,
Santaca e Maputo sao restos duma paisagem situada a uma altura mais
elevada.
O nome arenito pode ser substituido por "areia coerente" em certos
casos.
7.3.1.1. Descricao do terreno
A cidade de Boane esta situada numa colina de arenitos vermelhos.
Outros exemplos sao as colinas Estevel, Maputo, Santaca, Bom
Pastor, e t c ; o relevo é ondulado.
7.3.1.2. Conceito central
Solos vermelhos, arenosos de granulometria grosseira, com urn
subsolo homogéneo; cascalho de arenito, vermelho, angular e
subangular pode ser encontrado a mais de 1 m de profundidade.
7.3.1.3. Classificacao de solos
f

FAO f19741 FAO f1988)


- Haplic Phaeozems - Haplic Phaeozems
- Cambic ou Ferralic Arenosols* - Luvic Arenosols
- Ferralic Arenosols*
- Cambic Arenosols
USDA
- Ustoxic Quartzipsamments, revestido, hipertérmico
- Typic Ustipsamments,
- Ustic Torripsamments*, silicioso ou misturado, hipertérmico.
*)dominante
7.3.1.4. Variacao das caracteristicas
O horizonte A é ócrico; 10 - 20 cm de espessura; castanho, castanho
escuro, castanho-avermelhado escuro; areia grosseira ou arenosa
franco grosseira; grao simples; solto, muito friavel, nao pegajoso
e nao plastico; sem efervescência; transicao nitida a gradual e
plana.
"O horizonte Bw tem uma espessura de varios metros; castanho
avermelhado escuro, castanho-avermelhado, vermelho escuro; arenoso
grosseiro;" fraco, fino a medio, subangular, grao simples, ou
massivo; solto ou branda, muito friavel, nao plastico e nao
pegajoso; sem efervescência.
63

7.3.1.6. Vegetacao
Mata fechada a aberta, com:
Nala : Hyphaene crinita
Phoenix reclinata
Xilangamacho : Spirostachys africana
Macuacua : Strychnos innocua ou madagascariensis
Conola : Terminalia sericea.
Tziva : Dialium schlechterii
Chanfuta : Afzelia quanzensis
Impesso : Albizia adianthifolia
Trepadeiras e varias suculentas
Canho : Sclerocarya caffra
Massala : Strychnos spinosa

Caracterlsticas dos solos G

caracteristicas solo subsolo


superficial (50-100 cm)

pH agua 5.0 - 6.0 5.5 - 6.4

Mat. org. % 0-2 -

C E mmhs/cm 0 - 1.0 0-1

PST % 0-2 0-8

CTC meq/lOOg 1.7 - 4 1.2 - 3.4

BT % 29 - 83 43 - 89

N % 0.003 - 0.160 -

Pass mg/100 g 1.8 - 3.0 -

CTC argila meq/lOOg - 8.8 - 21

7.3.1.6 Perfis tipicos dos solos de gres vermelhos,


agrupamento de solos G
Perfil: 532
Fonte: Levantamento de solos da Provincia de Maputo.
Data : 20/10/61
Classifiacao:
- FAO: Ferralic Arenosol.
- USDAi'Ustoxic Quartzipsamment, revestido, hipertérmico
Localizagao: mapa 1201, Colina de Santaca, margem ocidental do
rio Maputo, no topo da colina (26° 44' 25" S, 32° 28' 45" E ) .
"*fT»f

64
Fisiografia : Colina de gres vermelho, 105 m acima de rio
Maputo, suavemente inclinado.
Elevacao : I20m acima do nïvel do mar.
Declive : 1 - 1,5 %
Drenagem : Externa: boa
Interna: excessiva
Vegetagao : mata aberta, com:
- Terminalia sericea (conola)
- Strychnos innocua ou madagascariensis (macuacua)
- Strychnos spinosa (massala)
- extrato graminoso medianamente denso e medianamente
desenvolvido.
Humidade do perfil: seco

Descricao
i

Ah; 0 a 20 cm
Castanho (7.5 YR 4/4), quando seco; castanho-avermelhado escuro
(5 YR 3/4), quando hümido; arenosa; solta; sem efervescência;
raizes finas e médias muito abundantes.

BA; 20 a 50 cm
Vermelho-amarelado (5 YR 4/6), quando seco; castanho-avermelhado
escuro (2.5 YR 3/4), quando hümido; arenosa; anisoforme subangular,
fina, fraca; branda; sem efervescência; raizes finas e médias
abundantes.

Bw: 50 a 175 cm +
Vermelho (2.5 YR 4/6), quando seco; vermelho escuro (2.5 YR 3/6),
quando hümido; anisoforme subangular, média a fina, fraca; branda;
sem efervescência; raizes finas e médias, pouco abundantes.

Prof. > 2mm % areia % areia % limo %argila Relacao % carbo


(cm) (%) grossa fina 0.2 0.05- < 0.002 limo natos
2-0.2mm -0.05mm 0.002mm mm argila

0-20 0.0 82.69 10.81 4.20 3.40 1.235 0


20-50 0.0 78.70 13.06 3.65 6.25 0.584 0
50-110 0.0 78.53 12.38 2.50 6.00 0.417 0
110-175 0.0 77.59 12.05 2.35 8.40 0.280 0

E.C. E.C. Equiv/ 15 atm pH agua pH KC1 P ass P tot.


1:2.5 sat.p. humida mg/lOOg mg/lOOg
mmh/cm mmh/cm (%) de (%)

0.573 3.94 1.60 5.75 5.65 2.6


0.471 3.45 2.57 6.35 5.05 2.6
0.488 11.36 2.60 6.05 5.05 1.6
0.240 4.27 2.89 5.95 5.05 1.6
65

1 1 1
Bases de troca meq/lOOg Soma de CTC Sat. Densid.
bases/ meq/ bases aparen-
Ca Mg K Na lOOg lOOg (%) te

0.70 1.00 0.22 0.02 1.94 2.51 77 1.41


0.20 0.40 0.22 0.02 0.84 1.75 48 1.41
0.10 0.30 0.18 0.04 0.62 1.30 48 1.42
0.10 0.30 0.12 0.02 0.54 2.24 24 1.43

Mat. C. N Expansi CTC arg


org. org. C/N PST vidade meq/ RAS
(%) (%) (%) (max) lOOg

0.828 0.480 0.004 120.0 0.8 0.80 25


0.342 0.216 0.003 72.0 1.1 0.98 18
0.138 0.080 0.002 40.0 3.1 1.26 17
0.138 0.080 0.002 40.0 0.9 2.18 23

Perfil: 2267
Fonte: Levantamento de solos da Provincia de Maputo
Data :01/03/63
Classificacao (tentativa):
- FAO: Cambic Arenoöol
- USDA: Typic Ustipsamment, misturado, isohipertérmico
Ustoxic Quartzipsamment
Localizagao: Maputo, Este do Aeroporto
(25° 55' 05" S, 32° 35' 40" E ) .
Fisiografia: Topografia ligeiramente ondulado da cordilheira de
Marracuene-Maputo
Declive Menor que 1%
Elevacao 56 m acima do nivel do mar
Drenagem Externa - boa ?
Interna - excessiva
Vegetacao Muitos cajueiros (Anacardium occidentale);
poucas Scherocarya caffra (canho)
poucas Terminalia sericea (conola).
Humidade: quase seco

Descricao
Ah: 0 a 20 cm
Castanho (7.5 YR 4/4), quando seco; castanho escuro (7.5 YR 3/2),
quando hüxnido; areia grosseira; solto, friavel; sem efervescencia;
muitas raizes finas e médias.
66
Bw: 20 a 60 cm ou mais
Vermelho escuro (2.5 YR 3/6), quando seco; castanho-avermelhado
escuro (2.5 YR 3/4), quando hümido; areia grosseira; solto,
friével; sem efervescencia; raizes comuns finas e médias.

Prof. > 2mm % areia % areia % limo %argila Textura Carbo-


(cm) (%) grossa f ina 0.05- <0.002 USDA natos %
0.2-2mm . 2-.05mr\ 0.002mii mm
470-490 75.2 20.8 1.0 3.0 Ar 0.0

15m 75.3 17.9 5.6 1.2 Ar 0.0

E.C. E.C. 1/3 bar 15 bar pHagua pH KC1 P ass. P tot.


1:2.5 sat.p. (%) (%) mg/lOOg mg/lOOg
mmh/cm mmh/cm

0.04 5.6 4.2

0.03 6.3 5.4

Bases trocéveis meq/lOOg H + Al CTC Sat. Densid.


meq/ meq/ bases aparent
Ca Mg K Na lOOg lOOg (%)

0.5 0.3 1.00 1.16 0.71 3.67 80.7

1.1 0.1 0.12 0.27 0.20 1.79 88.8

Mat. C.org. N PST razao CTC arg Porosi-


org. C/N (max) areia meq/ dade
(%) (%) (%) g/f lOOg (%)

31.6 3.6 122

15.1 4.2 149


67
7.4 OS SOLOS DE MANANGA
7.4.1 Introducao
As plataformas de Mananga suavemente inclinadas sao cobertas com
una camada arenosa de espessura variavel. Nas areas com uma espessa
camada de areia, a erosao tem removido a cobertura arenosa e a
superfïcie de Mananga esté exposta como um vale ou uma superflcie
de drenagem de fundo. Nas fotografias aéreas estes afloramentos
criam uma falsa impressao de grandes planïcies aluvionares numa
érea arenosa.
A espessura da cobertura arenosa determina a classificacao dos
solos de Mananga num determinado agrupamento:
Ml (< 25 cm), M2 (25 - 50 cm), M3 (50 - 100 cm) e M4 (100 - 180 cm)
espessura da camada arenosa.
Os solos de Mananga pouco profundos cobrindo o cascalho
rolado(seixos rolados), foram agrupados como solos Sm (solos de
seixos rolados com cobertura de Mananga). Uma densa malha de morros
de térmites é tlpica dos solos de Mananga com cobertura arenosa
pouco profunda.
i
Originalmente, essas areas tinham uma vegetacao de floresta, porém
a pastagem excessiva, queimadas e rotagao das culturas tem
destruido maior. parte desta. A floresta priméria era de fraco
desenvolvimento.
A superflcie de Mananga é dura a extremamente dura na estacao seca,
dificultando • assim a penetracao por sonda, apesar da elevada
percentagem de areia.
No material de Mananga parental temos desenvolvimento dum horizonte
B macico a prismatico, extremamente duro, com finas peliculas de
argila.
O subsolo tem uma cor mais clara e é menos duro, mais friavel,
calcario e geralmente salino-sódico ou sódico. Quantidades
consideraveis de concrecöes calcéreas em forma de pó (meteorizado),
e por vezes concrecöes de óxido de ferro saó comuns.
Os solos Ml e M2 sao Calcisols, Solonetz, Plaeozems, Luvisols,
Planosolos ou Cambisols (FAO); Haplustalfs, Haplargids, Natrargids,
Haplustolls, Natrustalfs, Natrustolls ou Ustochrepts (USDA).
Os solos M3 e M4 tem uma camada de mais de 50 cm de espessura e sao
classificados de acordo com as caracterïsticas da camada
superficial: Arenosols, Cambisols ou Phaeozems (FAO);
Ustipsamments, Quartzipsamments, Cambortids, Ustochrepts ou
Haplustolls (USDA).
Solos pouco profundos como os solos de Mananga existem na Lowveld
da Swazilandia. Os solos de Mananga Sul-Africanos foram descritos
como sendo um subtipo dos solos arenosos da Zululandia. Eles foram
correlacionados aos solos Solonetz arenosos das séries
Odendaalrust.
i
68

Clay
50»/»

// Sandy clay

•40 10°/o silt

35 A ,
•/o Ff Sandy
/ clay
-««—V loam
• • 20
30«/o- "ö- 7
Clay
dominant O i
• •
• OD •
20°/.
o", Silt

20»/oClay_
.• •
D •
^
/
dominant • • • ••. Silty Mananga
O D
-
/
• " Tl /

B
- £
• /
/
10>

/
Sand 90 "8&~t 70
100o/o Sand l o a m y sand Sandy loam

SOIL GROUPS

• M1

O M2

• M3

o M4

4 Undifferentiatzd
69

Figura 7. Texturas dos solos de Mananga (diagrama USDA)

M1 M2 M3 M4

15
25
35 B • •

100

120

C( B)

C(B)
; i 190

_ ! Abrupt texfrural change


. d .' Deep fop layer phase

M1 and M2 M2.M3 and M4

A SL-LS or S-LS A S-SL or S-LS


B SCL-SC or SL B S-SL or S-LS
C SCL-SC or SL IIB SCL-SC or SL

Figura 8. Subdivisao dos solos de Managa (profundidade em cm)

7.4.2.Caracteristicas dos solos de Mananga


O horizonte B é formado no Mananga por meteorizagao e por migracao
da argila e matéria organica.
I

70
É um horizonte um pouco impermeavelf natrico, argilico ou cambico.
Mais de metade dos perfis de solos estudados tem uma
descontinuidade litológica entre a camada superior arenosa e o
horizonte B. A formagao é de origem pedológica e geológica.
A fonte de sais do Mananga pode advir das argilas Cretacicas de
Pessene.
A fracgao argila do solo consiste de caulinite, smectite e alguma
ilite, ou caulinite somente. As smectites podem ter sido formadas
por resilificagao em ambiente sódico pouco permeavel. A mineralogia
da argila dos solos de Mananga pode ser estimada pelo uso da CTC
(meq/ 100 g de argila) calculada. Estes valores, porém, sao
elevados, porque incluem catiöes dos sais solüveis.
A fracgao de areia dos solos de Mananga é mais siliciosa e mais
meteorizada que os solos basalticos.
Camadas endurecidas de óxido de ferro (ferricretes) foram
encontradas no manto de Mananga e em cima ou abaixo da camada basal
de cascalho. Eles sao restos dos climas de savana com estagao
hümida e seca definida.
As concrecöes calcareas abaixo do horizonte B, foram formados
durante um clima mais arido, com uma precipitacao menor que 550 mm.
Concrecöes de óxido de ferro tem sido encontradas como nücleo das
concrecöes calcareas.
7.4.3. Origem dos solos de Mananga e Pós-Mananga
O actual material parental de Mananga, salino, sódico ou calcareo
tem sido reorganizado durante vérios ciclos da descendência da
paisagem e formagao do solo.
Durante o Wurm medio (40.000 - 25.000 BP) a estabilidade
morfogenética e o desenvolvdmento do solo resultou na rubefacgao do
Pós-Mananga e na formacao de crostas de óxidos de ferro.
Durante o Wurm tardio (25.000-13.000 BP), um clima mais arido com
ventos foi responsavel pelas dunas longitudinais e depressöes
circulares erodidas pelo vento na superflcie de Mananga.Os solos
Solonetz e solonetzic foram formados com concrecöes de cal.
Desde o Wurm final (13.000 BP), o clima tem se tornado mais hümido
e iniciou-se a sodificagao do perfil.
O actual grau de "lixiviacao" e degradagao depende da pluviosidade,
topografia, permeabilidade, textura do solo e da circulacao lateral
da égua salino-sódica.
Nas plataformas quase planas, os solos têm uma PST (percentagem de
sódio trocavel) méxima, uma elevada condutividade eléctrica (C.E.,
em mmhos/cm), a mineralogia das argilas consiste de caulinite,
smectite e ilite. '
Nas inclinagöes Ingremes a PST pode ser baixa e as argilas sao
exclüsivamente compostas de caulinite; situagöes intermédias sao
comuns.
7.4.4. Manejo geral dos solos de Mananga
O solo superficial tem uma baixa condutividade eléctrica, baixo
teor de matéria organica, baixo a medio teor de azoto, um conteüdo

i
t
71
medio a alto de fósforo assimilavel, alta saturacao de bases,
quantidades satisfatórias de Ca, Mg e K, baixa PST e um baixo
conteudo de égua disponlvel. A razao Ca/Mg nao é favoravel devido
a dominancia do magnésio. O subsolo pode ser muito salino e sódico.
O factor do perigo de erodibilidade (K) é muito baixo a moderado.

SANDSHEET

ÏOm

18 in

12m

8rn
las. U

,MA^ANQA ( S O D I C , SALINE)

Non-sodic, n o n - s a l i n e Hananga.

Infiltration of s a l i n e - s o d i c w a t e r from the H3iianga


mantle.

Figura 9. Um tipo de vale com cobertura arenosa moderadamente


espessa cobrindo a Managa

3 2-m

ï»-m

24 -m

20 -m

16 -m

12 -r\
I o. J.I. I

Inflltration of rainwat^r in the sandsheet favoura


better moisture conditions in the H3 soils, becausr
of the lmpermeability of the Mananga mantle siirfacf
The water is of good quality.
72
I

Figura 10. Um tipo de vale com a Managa exposta pela erosao da


cobertura arenosa espessa.

Os solos de Mananga com camada arenosa superficial espessa (> 50


cm) tendem a ter um baixo teor de matéria organica, baixa
condutividade eléctrica, baixo teor de azoto, baixa CTC e uma baixa
percentagem de égua disponïvel.
O clima é marginal para trigo, centeio, cevada e aveia; a colheita
e armazenamento do milho tem lugar durante a estacao chuvosa.
O sorgo e o mexoeira sao bem adaptados ao clima; bananas irrigadas,
citrinos e arroz podem ser cultivados.
Batatas podem ser plantadas no inverno com irrigacao.
A producao de algodao é possivel e também a de cana-de-acücar com
reducao da colheita durante os veröes chuvosos. O coco pode crescer
em areas costeiras.
Os pastos sao pobres em proteinas.
É recomendada a abertura de drenos nos solos de Mananga no inicio
da estacao seca ou no firn da época chuvosa.
Aplicacöes de gesso e pedra calcarea em po melhoraria a estrutura
do solo e o balanco de catiöes. Fertilizantes azotados sao
necessérios. O fósforo pode ser aplicado para substituicao.
7.4.5. Vegetacao nos soloside Mananga
a) Barradas (1962) dividiu as zonas de vegetacao, em:
a.1. Mananga arenoso
Floresta xerófila ou mata com:
- Garcinia livingstonei ( imbi ou mangasteira cafreal);
- Strychnos esp. ; (Ml)
- Aloë esp.; (Ml)
- Albizia adianthifolia (impesso);
- Cobretum spp.; (Ml)
- Terminalia sericea (conola);
- Leguminoses;
- ïrichilea emetica (iriafurreira);
- Éuphórbia ingens (clusters); (Ml)
-' Vangueria infausta (filo).
a.2. Mananga argilo-arenoso
73
Floresta aberta e mata, com leguminosas:
- Colophospermum;
- Euphorbia1 spp. (Mconde); (Ml)
- Aloë marlothii; (Ml)
- Erva doce. (Ml)

a.3. Mananqa argiloso

- Acacia burkei; (Ml)


- Acacia subalata; (Ml)
- Sclerocarya caffra (Canho); (Ml)
- Combretum imberbe (Monzo). (Ml)

Erva doce com:


- Sporobolus;
- Urochloa mossambicensis;
- Themeda;
- Panicum maximum; (Ml)
- Eragrotis spp.;
- Digitaria;
- Chloris virgata.
b) Sa e Melo Marques (1976) distinguiram 3 associacöes de
vegetagao:

b. 1. Mata espinhosa e savanas

- Dichrostachys; (Ml)
- Acacia arabica, var. kraussiana;
- Acacia spirocarpa;
- Succulent trepadeiras: Sarcostemma;
Cissus;
Ceropodia.
- Succulents: Aloë, Sanseviera.

cobertura vegetal: Panicum; (Ml)


Setaria;
Chloris;
Urochloa;
Eragrotis.

b.2. Parques caducos

- Acacia mossambicensis;
- Spirostachys africana (chilangomacho); (Ml)
- Terminalia sericea (conola);
- Peltophorum africanum.

Arbustos: ,
- Strychnos espp.; (Ml)
- Albizia espp. (impesso);
- Combretum espp. (Ml)
74
b.3. Floresta semprevirente inferior a média ou semi-caduca

7.4.6. Os solos de Mananga com cobertura arenosa superficial


(0-25cm ) , agrupamento de solos Ml

7.4.6.1. Descricao do terreno


Estes solos estao bem representados no Mananga próximo da estac.ao
dos caminhos de ferro de Estevel. Os solos estao situados numa
superficie plana a suavemente ondulada, com quase nenhuma cobertura
arenosa.
Uma malha de morros de térmites de 1 a 2 m de altura e 1 a 3 m de
largura é' comum. Depressöes circulares e vales suaves estao
associados aos solos coluviais argilosos (Cm).
A inclinacao é inferior a 2 %, no geral, com fraca erosao laminar
e localmente erosao em sulcos. Observa-se uma forte erosao de
sulcos ("gully erosion") nos declives mais ingremes (entre as
plataformas de Mananga).

7.4.6.2. Conceito central

Solo superficial pouco profundo (0 a 25 cm) arenoso a franco-


arenoso cobre um horizonte B extremamente duro. O ultimo
desenvolvido em material de Mananga calcario, salino e sódico.
Os solos sao imperfeitamente drenados

7.4.6.3. Classificacao de solos


As seguintes classificagöes podem ser atribuidas:
FAO (19741
-Mollic Solonetz - Gleyic Luvisol
-Orthic Solonetz - Calcic Luvisol
-Orthic Luvisol - Gleyic Solonetz
-Albic Luvisol - Haplic Chernozem
-Luvic Phaeozem - Luvic Chernozem
-Sodic Planosol - Gleyic Cambisol
-Haplic Phaeozem - Haplic Xerosol
-Calcic Cambisol* - Luvic Xerosol
-Eutric Cambisol
(com ou sem fase salina(z) e/ou sódica (s)

FAOf19881
-Stagnic Solonetz
-Mollic Solonetz
-Haplic Solonetz
-Luvic Calcisols
-Stagnic Luvisols *
-Albic Luvisols
-Haplic Luvisolos*
-Stagnic Phaeozems
-Luvic Phaeozems
-Luvic Chernozems
75
(sem ou com fase salino/sódica)
USDA
-Mollic Natrustalf Aquic Natrustalf
-Typic Natrustoll Aquic Haplustalf
-Vertic Argiustoll Typic Ustochrept
-Mollic Haplustalf Typic Haplustoll
-Ustollic, Natrargid Ustollic Haplargid
-Udic Haplustalf Ustalfic Haplargid
-Typic Haplustalf Aridic Haplustoll
-Udic Argiustoll Aridic Natrustoll
-Udic Ustochrept Aridic Argiustoll
-Udic Haplustoll Ustollic Camborthid *
-Typic Ustropept Ustalfic Camborthid
*) dominante
7.4.6.4. Variacao das caracteristicas
0 horizonte A é mólico ou ócrico; 15 - 25 cm de espessura; preto,
cinzento escuro, castanho-acinzentado escuro, castanho escuro,
castanho-acinzentado muito escuro, castanho muito escuro, cinzento
muito escuro; arenoso a franco-argilo-arenoso; grao simples;
estrutura fraca a forte, média a grosseira, anisoforme subangular;
brando a extremamente duro, muito friavel a friavel, pouco pléstico
ou nao plastico, pouco pegajoso ou nao pegajoso; sem efervescência;
transigao plana, nïtida a abrupta. Geralmente o horizonte A
desenvolve-se no topo exposto do horizonte B.
O horizonte B é natrico, argilico ou cambico e alcanca uma
profundidade de 35 a 120 cm; castanho escuro, castanho muito
escuro, castanho, castanho-acinzentado escuro, castanho-acinzentado
muito escuro, cinzento muito escuro, cinzento escuro; franco-
arenoso a argilo-arenoso, geralmente franco-argilo-arenoso; macico,
ou moderado a forte, fino a muito grosseiro, prismatico ou colunar;
duro a extremamente duro, firme a muito firme, pouco pegajoso a
pegajoso, pouco plastico; com manchas ferruginosas comuns a
muitas, distintas a proeminentes, finas a grosseiras; nao salino ou
salino; nao sódico ou sódico (condicöes de drenagem); sem a fraca
efervescência; geralmente com peliculas de argilas finas, em
manchas ou descontinuas;i raramente com concrecöes de cal
irregulares, poucas e médias; transigao plana, nitida a gradual.

O horizonte C (ou CB) é castanho-amarelado escuro, castanho-


amarelado, castanho, castanho-acinzentado; franco-arenoso a argilo-
arenoso, geralmente franco-argilo-arenoso; macico ou fraco a
moderado, medio prismatico, também fraco a moderado, grosseiro a
muito grosseiro, anisoforme subangular; ligeiramerite duro a duro,
firme a muito firme, pouco pegajoso a pegajoso, pouco plastico,
raras a abundantes concregöes calcareas, brandas a muito duras,
finas a grosseiras e irregulares; salino ou nao salino; sódico ou
nao sódico; fraca a forte efervescência; algumas vezes com comuns
76
a muitas manchas ferruginosas distintas a proeminentes, finas a
grosseiras; outra vezes com concrecoes de óxido de ferro raras a
comuns, duras, finas a médias.

Caracteristicas dos solos Ml

caracterlsticas solo subsolö


superficial

pH agua 4.5 - 7.7 5.5 - 8.9


Mat.' org. % 0.6 - 4.7 -

C E mmhs/cm 0.3 - 2 0.4 - 9

PST % 1.0 - 8 0.5 - 40

CTC meq/lOOg 6-34 8-54

SB % 53 - 100 53 - 100

N % 0.009-0.185 -

Pass mg/100 g 1-8 -

CTC argila meq/lOOg - 27 - 126

7.4.6.5. Vegetacao dos solos Ml


- Pradaria com: Acacia xanthophloea (chifuca)

-Floresta aberta com:


- Combretum
-. Acacia
- Suculentas
- Dichrostachys cinerea (tsenga)
- Hyphaene crinita e Phoenix reclinata (nala)
- Spirostachys africana (xilangamacho)
- Euclea spp. (milala)
- Trepadeiras
- Panicum
- Sclerocarya caffra
- Strychnos spp (macuacua)
- Afzelia quanzensis (chanfuta)
7.4.6.6 Perfil tipico dos solos de Mananga com cobertura arenosa
superficial e delgado (Ml)

Perfil: 138 .
Fonte: Levantamento de solos da Provincia de Maputo
Data: 16/05/61

i
77
Classificagao (tentativa):
- FAO: Solonetz, fase salina
- USDA: Ustollic Natrargid ou Camborthid, fino franco, misturado
e hipertérmico.
Localizacao: mapa 1193; Boane (26° 08' 30" S; 32° 19' 20" E ) , sul
do rio Mecazuane.
Fisiografia: Baixo planalto Mananga quase plano
Topografia: inclinacao < 1 %
Elevacao acima do nlvel do mar: 35 m
Drenagem: externa - boa ?
interna - imperfeita
Vegetacao: Floresta misturada e mata, com acacias espinhosas e
outras arvores; cobertura de capim moderadamente densa de medio
desenvolvimento.
Humidade: seca
Descricao
Ah: 0 a 15 cm
Franco-arenoso, sem efervescência
Bwnz: 15 a 60 cm
Castanho-cinzento escuro (10 YR 5/2-4/2), quando seco, castanho-
cinzento muito escuro (10 YR 3/2), quando hümido; franco-argilo-
arenoso; prismatico; duro; poucas raizes, grosseiras a médias,
muitas a abundantes concrecöes calcareas finas a grosseiras,
irregulares, brandas a ligeiramente duras.
Nota: O horizonte B pode ser um natrico (nao ha descricao das
peliculas de argila), ou um horizonte cambico; a concentracao de
carbonatos de célcio é baixa, devido a remocao das concrecöes na
amostra.
O horizonte B é um argico (FAO,1988).

Prof. > 2mm % areia % areia % limo %argila Textura % carbo


(cm) (%) grossa fina 0.2 0.05- < 0.002 USDA natos
2-0.2mm -0.05mm 0.002mm mm

0-10 0.0 44.9 35.0 7.4 12.7 Fr Ar 0


20-35 0.1 42.9 29.5 6.3 21.3 FrAgAr 0
35-55 0.1 35.8 29.2 3.4 31.6 FrAgAr 0
65-105 0.4 39.6 31.2 4.3 24.9 FrAgAr 1.5
105-140 0.6 42.2 26.0 1.3 30.5 FrAgAr 1.3

E.C. E.C. 1/3 15" bar pH agua pH KC1 P ass P tot.


1:2.5 sat.p. bar mg/lOOg mg/lOOg
mmh/cm mmh/cm (%) (%)

0.8 11.3 8.5 ? 6.8 5.5 3.2 36.8


3.2 20.7 12.2 7.2 5.9 2.7 20.8
6.5 • 22.6 16.1 7.6 6.7 0.2 16.0
78
9.4 26.5 ' 16.7 ? 7.8 7.1 0.2 11.2
8.6 28.3 14.9 7.6 7.0 0.4 11.2

Bases de troca meq/lOOg H + Al CTC Sat. Densid.


meq/lOOg meq/ bases aparen-
Ca Mg K Na lOOg (%) te

4.96 3.90 0.59 0.26 1.04 10.75 90 1.19


5.07 7.04 0.48 2.40 0.26 15.25 98 1.37
6.79 8.24 0.37 5.70 0.00 21.10 100 1.23
20.05 8.60 0.32 7.30 0.00 36.27 100 1.26
22.10 7.84 0.21 8.00 0.00 38.15 100 1.35

Mat. C. N razao CTC arg Poro-


Org. org. C/N PST areia meq/ sidade
(%) (%) (max) g/f lOOg (%)

1.9 1.13 0.099 11.3 2.4 1.3 55 50.3


0.8 0.45 0.065 6.9 15.7 1.5 64
0.5 0.30 0.042 7.1 27.0 1.2 64 48.0
0.2 0.13 0.013 9.9 20.1 1.3 144 55.2
0.1 0.08 0.009 8.9 21.0 1.6 122

7.4.7. Os solos Mananga com cobertura arenosa pouco espessa


(25 - 50 cm), agrupamento de solos M2.
7.4.7.1. Conceito central
Sao solos similares aos do grupo Ml, mas com uma camada arenosa com
25 a 50 cm de espessura acima dum horizonte B extremamente. duro.
A descricao do terreno, as fases e classificagao dos solos é
idêntica a do grupo Ml.
7.4.7.2. Variacao das caracteristicas
O horizonte A é um ócrico ou mólico; 5 a 25 cm de espessura;
cinzento, castanho escuro, castanho muito escuro, castanho-
acinzentado, castanho-acinzentado muito escuro; arenoso a franco-
arenoso; estrutura fraca a moderada, fina a grosseira, anisoforme
subangular, ou fraca, granular média; solta a dura, muito friavel
a friével, nao plastico a pouco plastico, nao pegajoso a pouco
pegajoso; transicao plana, gradual ou nitida.
O horizonte E, Bw ou C alcanca uma profundidade de 25 a 50 cm;
castanho-amarelado escuro, castanho escuro, castanho-acinzentado
muito escuro, castanho-acinzentado, cinzento-acastanhado claro;
arenoso a franco-arenoso; ifraco a moderado, medio a grosseiro,
anisoforme (sub)angular, ou macico; brando a duro, muito friavel a
friével, nao pléstico a pouco plastico, nao pegajoso a pouco
pegajoso; sem efervescência; manchas castanho escuras,
79
ferruginosas, poucas a comuns, distintas, finas a médias; transigao
plano, abrupta ou nltida.
O horizonte B é nétrico, argllico ou cambico; castanho-acinzentado
escuro, castanho escuro ou castanho; franco-arenoso a argilo-
arenoso, geralmente franco-argilo-arenoso: macigo ou moderado a
forte, medio a muito grosseiro, prismatico a colunar, separando-se
em moderado, grosseiro, anisoforme angular; duro a extremamente
duro, firme a muito firme, pouco pegajoso a pegajoso, pouco
plastico; com manchas ferruginosas castanho-cinzento-alaranjadas,
comuns a abundantes, distintas a proeminentes, finas a grosseiras;
salino ou nao salino; sódico ou nao sódico; sem ou com fraca
efervescência; algumas vezes com peliculas de argila, finas,
fragmentadas e descontinuas; transigao plana, nitida a gradual.
O horizonte C(ou CB) é castanho escuro, castanho-amarelado,
castanho-amarelado claro, castanho-amarelado escuro,; franco-
arenoso a argilo-arenoso, geralmente franco-argilo-arenoso; macigo
ou fraco a moderado, medio a muito grosseiro, (sub)angular
anisoforme; ligeiramente duro a duro, friavel a firme, pouco
pegajoso a pegajoso; pouco plastico; geralmente com manchas
ferruginosas, finas a grosseiras, nao distintas a distintas;
concregöes calcéreas raras, finas a grosseiras e irregulares;
muitas vezes com concregöes de óxido de férro, raras, brandas e
.irregulares, finas a médias; geralmente salino e sódico.

Caracteristicas dos solos M2


caracterlsticas solo subsolo
superficial

pH agua 5.1 - 7.5 6.0 - 8.1

Mat. org. % 0.6 - 2.8 -

C E mmhs/cm 0.5 - 0.8 0.8 - 10

PST % 0.9 - 3.2 0.3 - 39

CTC meq/lOOg 4-12 9-35

SB % 50 - 99 77 - 100

N % 0.004-0.120 -

Pass mg/100 g 0.8 - 4.4 -

CTC argila meq/lOOg - 48 - 110

7.4.7.3. Vegetagao dos solos M2


80

Mata aberta ou fechada com:


- Acacia
- Combretum imberbe (monzo)
- Suculentas
- trepadeiras '
- Spirostachys africana (xilongamacho)
- Panicum
- Sclerocarya caffra (canho)
- Commphora esp. ou Lannea spp. (chivumbucanho)
- Strychnos spinosa (massala)
- Acacia xanthophloea (chifuca)
- Strychnos spp. (macuacua)

7.4.7.4 Perfil tipico dos solos de Mananqa com cobertura arenosa


pouco espessa CM2)

Perfil: 130
Fonte: Levantamento de solos da Provincia de Maputo
Data: 11/05/61
Classificagjao (tentativa):
- FAO: Haplic Luvisol, fase salino-sódica
- USDA: Ustollic Haplargid ou Camborthid, arenoso por cima do
limoso, misturado, hipertérmico.
Localizacao: raapa 1193, Boane, Norte do rio Mecaxuane, Este da
estrada para Ponta do Ouro (26° 08' 30" S, 32 0 20' 30" E ) .
Fisiografia: orla da plataforma Mananga inferior suavemente
ondulada
Topografia: inclinacao 3 %
Elevacao acima do nivel do mar: 25 m
Drenagem: externa - boa
interna -.- moderada (modificada)
Vegetacao: arbustos dispersos e varios acécias, maioritariamente
pradaria.
Humidade: seco
Descricao

Ah: 0 a 15 cm
Cinzento escuro (10 YR 4/1-5), quando seco; castanho escuro (7.5 YR
3/2), quando hümido; areia; fraco, medio, anisoforme subangular;
brando; sem efervescência; raizes finas e abundantes

C: 15 a 50 cm
Castanho-cinzento escuro (10 YR 4/2), quando seco; castanho-
cinzento muito escuro (10 YR 3/2), quando hümido; arenoso-franco;
brando; sem efervescência; muitas raizes finas e médias; mudanga
textural abrupta.

IIBwgbz: 50 a 110 cm
Castanho-cinzento escuro (10 YR 4/2), quando seco; castanho escuro
(10 YR 3/3), quando hümido; moderado, com manchas ferruginosas;
i
81
franco-argilo-arenoso grosseiro; moderado a forte, prismatico
grosseiro, muito duro; sera efervescência; raizes poucas e médias.
IICBabk; 110 a 160 cm
Castanho-amarelado (10 YR 5/4), quando seco; castanho-araarelado
escuro (10 YR 4/4), quando hümido; moderadainente mosqueado com
manchas ferruginosasj franco-argilo-arenoso; moderado, muito
grosseiro, anisoforme subangular; ligeiramente duro a duro; fraca
efervescência; sem raizes.
Nota: O horizonte B é um argïlico (nao ha descricao das peliculas
de argila, nao hé aumento de teor de argila vs o horizonte CB) ou
um horizonte cambico.
O horizonte B é um argico (FAO, 1988).

Prof. > 2mm % areia % areia % limo %argila Textura % carbo


(cm) (%) grossa fina 0.2 0.05- < 0.002 USDA natos
2-0.2mm -0.05mm 0.002mm mm

0-10 0.1 31.1 56.1 8.4 6.2 ArFr 0


20-45 0.1 29.4 55.9 11.8 9.8 ArFr 0
55-100 O'.l 33.3 38.9 24.8 24.0 FrAgAr 0
120-150 0.6 28.7 41.9 25.7 24.7 FrAgAr tr.

E.C. E.C. 1/3 15 bar pH agua pH KC1 P ass P tot.


1:2.5 sat.p. bar irig/lOOg mg/lOOg
mmh/cm mmh/cm (%) (%)

0.6 8.2 5.7 ? 6.8 5.5 2.3 20.8


0.5 9.4 6.4 5.4 1.8 19.2
4.7 24.1 6.6 5.1 0.8 9.6
5.5 27.0 15.2 ? 7.6 6.8 0.5 14.4

Bases de troca meq/lOOg H + Al CTC Sat. Densid.


meq/lOOg meq*/ bases aparen-
Ca Mg K Na lOOg (%) te

3.05 1.85 0.42 0.08 0.10 5.50 99 1.35


1.09 2.50 0.38 0.18 0.94 5.09 82 1.41
1.96 3.80 0.74 0.72 1.14 8.36 86 1.40
3.60 6.74 0.66 1.28 0.00 12.28 100 1.36

Mat. C. N razao CTC arg Poro-


Org. org, C/N PST areia meq/ sidade
(%) f%) (%) (max) g/f lOOg (%)

1.5 0.87 0.085 10.2 1.5 0.6 40 50.4


0.8 0.46 0.050 9.2 3.5 0.5 35 46.5

I
I

82
0.5 0.31 0.010 31.2 8.6 0.9 30
0.2 0.12. 0.022 5.4 10.4 0.7 48 -

7.4.8. Os solos de Mananga com cobertura moderadamente espessa


(50 a 100 cm) r agrupamento de solos M3
7.4.8.1. Descricao do terreno
Estes solos sao tipicos das plataformas de Mananga do vale a Este
do rio Movene. A superficie é plana a suavemente ondulada, com uma
cobertura arenosa pouco profunda. Depressöes circulares, com
profundidade de varios metros e um diametro de centenas de metros,
sao comuns.
Inclusao dos solos Ml e M2 é comum (25 % no méximo), quando a
erosao remove parte da camada arenosa superior.
7.4.8.2. Conceito central
Uma camada superior, arenosa de 0.5 a 1 m de espessura, cobre um
horizonte B do material de Mananga, geralmente com uma mudanca
abrupta de textura. O ultimo horizonte tem manchas, é extremamente
duro e de textura franco-argilo-arenosa.
Os solos sao moderadamente bem drenados.

7.4.8.3. Classificacao de solos


FAO (1974)
-Ferralic Arenosol, com um horizonte nétrico enterrado
-Ferralic Arenosol, com horizonte argilico enterrado
-Ferralic Arenosol. com horizonte cambico enterrado*
-Cambic Arenosol, com horizonte nétrico enterrado
-Cambic Arenosol, com horizonte argilico enterrado
-Cambic Arenosol, com horizonte cambico enterrado
-Albic Arenosol, com horizonte nétrico enterrado
-Albic Arenosol, com horizonte argilico enterrado
-Albic Arenosol, com horizonte cambico enterrado
-Ferralic Cambisol, com horizonte nétrico enterrado
-Ferralic Cambisol, com horizonte argilico enterrado
-Ferralic Cambisol, com horizonte cambico enterrado
-Dystric Cambisol, com horizonte nétrico enterrado
-Dystric Cambisol, com horizonte argilico enterrado
-Dystric Cambisol, com horizonte cambico enterrado

FAO (1988)
-Dystric ou Eutric Cambisols, com um horizonte nétrico ou a
argilico enterrado.
-Ferralic, Cambic, Albic Arenosols* com horizonte nétrico e
argilico enterrado.
-Dystric ou Eutric Cambisols, com um horizonte nétrico ou

i
1

83
argilico enterrado.
•Eutric Cambisol, com horizonte natrico enterrado
-Eutric Cambisol, com horizonte argilico enterrado
•Eutric Cambisol, com horizonte cambico enterrado
-Haplic Phaeozem, com horizonte natrico enterrado
-Haplic Phaeozem, com horizonte argilico enterrado
-Haplic Phaeozem, com horizonte cambico enterrado
USDA
Combinagöes de (1) e (2):
(1) (2)
-Thapto-Natrustalf ie -Ustipsamment ou Quartzipsamment
-Thapto-Haplustalfic -Udic Ustochrept
-Thapto-Ustochreptic -Udorthentic Haplustoll
-Thapto-Ustropeptic -Udic Haplustoll
-Thapto-Natrargidic -Torripsamment*
-Thapto-Haplargidic -Camborthid
-Thapto-Camborthidic* -Haplustoll
*) dominante
7.4.8.4. Variacao das caracteristicas
0 horizonte A tem 5 a 25 cm de espessura; é mólico ou ócrico;
castanho-acinzentado, cinzento, castanho escuro, castanho-amarelado
escuro, castanho-acinzentado muito escuro, cinzento muito escuro,
preto; arerioso a franco arenoso; fraco, medio a granular fino ou
grao simples, ou macigo, ou laminar, fraco, delgada (sedimentacao),
ou fraco, fino a medio, anisoforme subangular; solto a ligeiramente
duro, muito friével a friével, pouco pléstico a nao plastico, pouco
pegajoso a nao pegajoso; sem efervescência; transigao nitida a
gradual e plana.
O horizonte Bw, G ou E alcanca uma profundidade de 50 a 100 cm;
castanho-amarelado escuro, castanho, castanho-amarelado, castanho
escuro, castanho-acinzentado escuro; por vezes com manchas
ferruginosas em direccao a base, poucas a muitas, distintas a
proeminentes, finas a grosseiras; arenoso a franco-arenoso;
estrutura fraca a moderada, média, granuloso, ou grao simples, ou
fraca a moderada, fina a grosseira anisoforme subangulosa, ou
fraca, média a grosseira prismética; solto a ligeiramente duro,
muito friével a friével, pouco plastico a nao plastico;pouco
pegajoso a nao pegajoso; sem efervescência; geralmente com uma
mudanga textural abrupta; transicao abrupta a nitida, plana a
irregular.
O horizonte IIB é nétrico, érgico ou cambico; cinzento escuro,
castanho-amarelado escuro, castanho-amarelado, castanho-acinzentado
escuro, cinzento-acastanhado claro, castanho, castanh escuro e
cinzento escuro; franco-arenoso a argilo-arenoso, geralmente
franco-argilo-arenoso; macigo, ou medio prismatico,moderado,
separando-se em anisoforme anguloso grosseiro, moderado: duro a
84
extremamente duro, firme a, muito firme, pouco pegajoso a pegajoso,
pouco plastico; comuns a abundantes manchas ferruginosas, castanho-
laranjado-acenzintadas,finas a grosseiras, distintas a
proeminentes; salino a nao salino; sódico a nao sódico, sem ou
fraca efervescência, geralmente com peliculas de argila delgadas,
em manchas ou descontinuas, transicao plana, nitida a gradual.
O horizonte C é castanho-amarelado, castanho-amarelado claro,
castanho-amarelado escuro, cinzento-acastanhado claro, castanho
pélido, castanho; franco-arenoso a argilo-arenoso, geralmente
franco-argilo-arenoso; macigo, geralmente com manchas ferruginosas,
poucas a comuns, distintas a proeminentes e finas a grosseiras;
muito duro, ligeiramente firme a firme, pouco pegajoso a pegajoso,
pouco pléstico; sem efervescência; salino e sódico.
Caracteristicas dos solos M3
caracteristicas solo subsolo
superficial

pH agua 5.0 - 7.2 5.3 - 7.9

Mat. org. % 0.5 - 2.7 -

C E ramhs/cm 0.2 - 1.0 0.2 - 7

PST % 0.3 - 3.0 1.0 - 45

CTC meq/lOOg 3.5 - 10 6.5 - 19

SB % 45 - 94 57 - 100

N % 0.002-0.097 -

Pass mg/100 g 1.0 - 4.0 -

CTC argila meq/lOOg - 15 - 65

7.4.8.5. Vegetacao dos solos M3


Floresta aberta ou fechada com:
-Acacias
-Sclerocarya caffra (canho)
-Succulentes
-Acacia Xanthophloea (chifuta)
-Trichilea emetica (mafurreira)
-Terminajiia sericea (conola)
-Albizj.a adianthifolia (mpesso)
-Hyphaene crinita, Phoenix reclinata (nhala)
-Sapotaceae esp. (nwambo)
85
-Digitari
-Spirostachys africana (chilongamacho)
-Afzelia quanzensis (chanfuta)
-Combretum
-Balanites maughamii (nulo)

7.4.8.6 Perfil tlpico dos solos de Mananga com cobertura


moderadamente espessa (M3)
Perfil: 686
Fonte: Levantamento de solos da Provincia de Maputo
Data: 05/12/61
Classificacao (tentativa):
- FAO : Ferralic Arenosol, com um horizonte natrico e argilico
enterrado, fase salino-sódica.
- USDA :Thapto-Natrustalfie ou Thapto-Haplustalfie, ou Thapto-
Ustropeptic Ustipsamment ou Quartzipsamment, arenoso sobre
solo argiloso, misturado, isohipertérmico
Localizacao: mapa 1194, Catembe, Ponta das Tres Marias, (26° 05'
30" S, 32° 39' 45" E)
Fisiografia: inclinagöes baixas quase planas da superfïcie de
erosao no planalto de Mananga recente, perto da costa.
Topografia: < 1 %
Elevecao : 4 m acima do nïvel do mar
Drenagem externa: boa
interna: moderadamente boa
Vegetacao: Floresta aberta dominada por Acacias e Sclerocarya
caffra (canho)
Humidade: seca até os 25 cm, quase seca a profundidade
Descricao (

Ah: 0 a 25 cm
Cinzento escuro (10 YR 4/1), quando seco; cinzento muito escuro (10
YR 3/1), quando hümido; arenoso-franco; grao simples; solto; sem
efervescência; abundantes raizes finas e médias.
Bwg: 25 a 80 cm
Castanho (10 YR 5/3), quando seco e hümido; arenoso franco; grao
simples; solto; sem efervescência; abundantes raizes finas e
médias; poucas manchas ferruginosas de cor castanho clara.
IIBwgbzn: 80 a 150 cm
Castanho-acinzentado (10 YR 4/2), quando seco e hümido; argilo
arenoso; moderado, prismético medio; extremamente duro; sem
efervescência; sem raizes; com muitas manchas ferruginosas de cor,
cinzentas, amarelas e castanhas
Nota: O horizonte U B é um argilico (a densidade aparente diminui
com a profundidade, nao tem descrigao das peliculas de argila, nao
tem dados de textura do horizonte IIC) ou um horizonte natrico (PST

&$j&*
86
vs baixo pH do solo), ou urn horizonte cambico.

Prof. > 2mm % areia % areia % silto %argila Textura Carbo-


(cm) (%) grossa f ina 0.05- <0.002 USDA natos %
0.2-2mm .2-.05mi \ 0.002mii mm

0-25 0.0 42.1 42.0 5.5 10.4 ArFr 0.0


30-80 0.1 49.6 39.2 3.9 7.3 ArFr 0.0
80-150 0.2 36.6 25.6 3.3 34.5 FrAgAr 0.0

E.C. E.C. 1/3 15 P ass P tot


1:2.5 p.sat. bar bar pH agua pH KC1 mg/lOOg mg/lOOg
mmh/cm mmh/cm (%) (%)
0.8 7.5 4.5 6.8 5.9 1.8 4.1
0.7 3.6 1.6 ? 7.0 5.7 0.8 6.4
5.7 25.7 13.4 7.0 6.1 1.0 2.1

Bases de troca (meq/lOOg) H + Al CTC Sat. Dens.


meq/ meq/ Bases aparent
Ca Mg K Na lOOg lOOg (%)

4.2 1.8 0.58 0.16 0.46 7.20 94 1.43


1.0 0.0 0.24 0.16 0.12 1.52 92 1.62
4.6 5.4 0.78 5.40 0.23 16.41 99 1.39

Mat. C. CTC arg razao


Org. Org. N C/N PST SAR meq/ areia
(%) (%) (%) (max) lOOg g/f
1.7 0.98 0.065 15.1 2.2 37 1.0
0.3 0.19 0.022 8.7 10.5 13 1.3
0.3 0.18 0.027 6.6 32.9 46 1.4
1 1

7.4.9. Os solos de Mananga com cobertura arenosa espessa


f 100 - 180 cm) r agrupamento de solos M4
7.4.9.1. Conceito central
Sao solos similares aos do grupo M3, mas a espessura da camada
arenosa superior é de 100 a 180 cm, acente num horizonte B
extremamente duro. Sao moderadamente bem drenados a bem drenados.
A descricao do terreno, subdivisao e classificagao dos solos é
idêntica.
7.4.9.2. Variacao das caracteristicas
O horizonte A é ócrico ou mólico, com 5 a 30 cm de espessura;
castanho-acinzentatèlo, cinzento muito escuro, castanho-acinzentado
muito escuro, castanhorracinzentado escuro, castanho; arenoso a
87
arenoso-franco; grao simples, ou fraco, fino a medio granuloso ou
fraco, fino a medio, anisoforme subangular; solto a brando, friavel
a muito friavel, nao pegajoso a nao plastico; sem efervescência;
transicao plana, abrupta a nitida.
O horizonte Bw (ou E) alcanca uma profundidade de 100 a 180 cm;
castanho, castanho-acinzentado, castanho escuro, castanho claro,
castanho-palido, rosado; arenoso a arenoso-franco; macigo, ou grao
simples, ou fraco, muito fino, anisoforme subangular , ou fraco,
medio a grosseiro prismético ; solto a pouco duro, muito friavel a
friavel, nao pegajoso a nao pléstico; geralmente com manchas
ferruginosas em direcgao a base, poucas a muitas, distintas a
proeminentes e finas a grosseiras; sem efervescência;
geralmente com uma mudanca de textura abrupta; transicao plana a
irregular.
O horizonte IIB é argllico, natrico ou cambico; castanho, castanho-
amarelado, castanho-amarelado escuro, castanho-acinzentado escuro,
cinzento escuro, castanho escuro; franco-arenoso a argilo-arenoso,
geralmente franco-argilo-arenoso; macigo ou moderado, medio a
grosseiro prismatico, separando-se em moderado, medio, anisoforme
angular; duro a extrémamente duro, firme a extremamente firme,
pouco plastico, nao pegajoso a pouco pegajoso; com poucas a
abundantes manchas ferruginosas, distintas a proeminentes, finas a
grosseiras; sem efervescência; geralmente com finas peliculas de
argila, delgadas, descontinuas; transicao plana a ondulada, nïtida
a gradual.
0 horizonte C (ou CB) é castanho, castanho-amarelado, castanho-
amarelado claro, castanho pélido, franco-arenoso a argilo-arenoso,
geralmente franco-argilo-arenoso; ligeiramente duro a muito duro;
firme; pouco pléstico; nao pegajoso a pouco pegajoso; geralmente
com poucas a muitas manchas ferruginosas, finas a grosseiras,
distintas a proeminentes; sem efervescência.
Caracteristicas dos solos M4
1 "" •• ' - —

caracteristicas solo subsolo


superficial

pH agua 6.0 - 7.5 6.0 - 7.5

Mat. org. % 0.6 - 2.4 -

C E mmhs/cm 0.2 - 1.0 0.5 - 2

PST % 1.0 - 2.4 5.0 - 20

CTC meq/lOOg 4.0 - 9.0 3.5 - 10.5

SB % 44 - 100 50 - 94
88
N % 0.008-0.084 -

Pass mg/100 g 1.4 - 1.8 -

CTC argila meq/lOOg - 21 - 52

7.4.9.3. Vegetacao dos solos M4


Floresta aberta com:
- Sclerocarya caffra (canhó)
- Strychnos innocua ou madagascariensis (macuacua)
- Albizias
- Trichilea emetica (mafurreira)
- Vangueria infausta (mfilo)
- Terminalia sericea (conola)
- Acacias
- Dalium Schlechterii (tziva)
- Albizia adianthifolia (impesso)
- Dichrostachys cinerea (tzenga)
- Strychnos spinosa (massala)
7.4.9.4 Perfil tlpico dos solos de Mananga com cobertura arenosa
muito espessa r(M4)
Perfil: 136
Fonte: Levantamento de solos da Provlncia de Maputo
Data: 13/05/61
Classificacao (tentativa):
- FAO: Albic Arenosol, com um horizonte natrico enterrado
- USDA: Thapto-Natrargidic, ou Thapto-Haplargidic, ou Thapto-
Camborthidic Torripsamment, misturado, hipertérmico
Localizacao: mapa 1193, Boane, Maubo (26° 13'15" S, 32° 19' 55" E ) .
Fisiografia: planalto Mananga inferior, quase plano.
Topografia: inclinagao < 1 %
Elevacao: 30 m acima do nivel do mar
Drenagem externa: boa?
interna: moderada
Vegetacao: floresta fechada com clareiras, com: trepadeiras, ervas,
arvores espinhosas e Afzelia quanzensis (chanfuta).
Humidade: seco acima dos 110 cm, quase seco em profundidade.
Descricao
Ah: 0 a 10 cm
Castanho-acinzentado (10 YR 5/2), quando seco; castanho-acinzentado
escuro (10 YR 4/2), quando hümido; arenoso; fraco, fino a medio
granular; solto; sem efervescência; raizes comuns , finas a médias.
E: 10 a 60 cm
Castanho-acinzentado (10 YR 5/2), quando seco; castanho-acinzentado
escuro (10 YR 4/2), quando hümido; arenoso-franco; fraco, medio a
89
grosseiro, prismético; brando; sem efervescência; raizes comuns,
finas a médias.
EBa: 60 a 110 cm
Castanho (10 YR 5/3), quando seco; castanho escuro (10 YR 4/3),
quando humido; ligeiramente mosqueado com manchas ferruginosas;
arenoso-franco; muito fraco, medio prismético; ligeiramente duro;
sem efervescência; raizes médias e comuns.
IIBwabn: 110 a 150 cm
Castanho (10 YR 4/3), quando seco e humido; moderado, mosqueado com
manchas ferruginosas; franco-arenoso; macico; muito duro; sem
efervescência; sem; raizes.
Nota: O horizonte IIB (110 - 150 cm) é um argilico (nao hé
descricao das pellculas dei argila, tem uma estrutura macica, nao hé
dados sobrQ a diminuicao do teor de argila no horizonte C) ou um
horizonte na£rico (PS^1 ys pH baixos), ou um horizonte cambico.
O horizonte IIB é um érgico ou nétrico (FAO, 1988).

i
90

Prof. > 2mm % areia % areia % limo %argila Textura % carbo


(cm) (%) grossa fina 0.2 0.05- < 0.002 USDA natos
2-0.2mm -0.05mm 0.002mm mm

0-10 0.0 28.0 61.3 3.5 7.2 Ar 0


10-20 0.0 26.6 60.6 3.5 9.4 ArFr 0
40-60 0.0 29.4 56.7 3.6 10.3 ArFr 0
60-110 0.0 25.8 58.4 3.2 12.6 ArFr 0
110-150 0.0 26.7 52.3 2.8 18.2 FrAr 0

E.C. E.C. 1/3 15 bar pH agua pH KC1 P ass P tot.


1:2.5 sat.p. bar mg/lOOg mg/lOOg
mmh/cm mmh/cm (%) (%)

0.4 6.6 4.2 6.3 4.2 1.6 19.2


0.5 8.0 3.8 6.2 4.0 0.5 11.2
0.4 9.4 5.8 5.9 3.7 1.0 11.2
0.4 10.3 6.li 6.1 3.8 1.0 14.4
0.9 19.5 9.9 6.2 3.8 0.9 9.6

Bases de troca meq/lOOg H + Al CTC Sat. Densid.


meq/lOOg meq/ bases aparen-
Ca Mg K Na lOOg (%) te

1.42 1.30 0.62 0.06 1.58 5.58 63 1.42


0.76 1.09 0.46 0.08 2.91 5.30 45 1.34
0.22 1.76 0.52 0.08 3.64 5.20 49 1.33
0^22 2.61 0.30 0.28 3.85 7.26 47 1.26
0.42 4.57 0.34 1.86 2.70 9.89 73 1.26

Mat. C. N razao CTC arg Poro-


Org. org. C/N PST areia meq/ sidade
(%) (%) (%) (max) g/f lOOg (%)

1.1 0.64 0.055 11.7 1.1 0.5 47


0.7 0.42 0.042 10.1 1.5 0.4 41 42.5
0.4 0.24 0.044 5.4 1.5 0.5 43 44.9
0.3 0.16 0.032 5.0 3.9 0.4 53 43.6
0.2 0.10 0.036 2.8 18.8 0.5 52 50.5

i
91

7.5 OS SOLOS DE PÓS-MANANGA


7.5.1 Introducao

Os solos vermelhos aos lados dos vales desenvolvem-se em material


coluvial transportado e derivado de Mananga, cobrindo a Mananga ou
rocha meteorizada. Especialmente no ultimo caso, o material
parental consiste numa mistura de rocha meteorizada e Mananga
remisturada. Os agrupamentos de solos sao distinguidos na base da
textura, cor e influência do substrato, como seguintes:

-Solos dos Pós-Manangas sobre basaltos


Estes solos consistem em solos argilo-arenosos, castanho-
avermelhado nas inclinacöes basalticas. Os solos desenvolvem-se em
mistura de Mananga e rocha pedra (decomposta).

-Solos de Pós-Mananga de textura média


Sao solos franco-argilo-arehosos, castanho-avermelhados, cobrindo
os arenitos calcarios meteorizados.

-Solos de Pós-Mananga de textura grosseira

Representant os solos arenoso-francos a franco-arenoso, castanho-


avermelhados que cobrem um manto de Mananga.

_Solos de Pós-Mananga mosqueado arenoso-franco a franco-arenoso de


textura grosseira com manchas alaranjadas.

-Solos de Pós-Mananga,de textura "limosa"

Tem 10 a 45% de "limo", castanho-avermelhado nas inclinacöes,


baixas dos vales.
7.5.2. Os solos de Pós-Mananga sobre basaltos,
agrupamento de solos PI

7.5.2.1. Descricao do Terreno

Estes solos argilo-arenosos vermelhos encontra-se nas inclinacöes


basalticas dos vales. Onde a incisao do rio tinha lugar em areas
basalticas perto duma plataforma de Mananga. A mistura de Mananga
remisturada e basalto meteorizado torna-se a rocha-mae para estes
solos de Pós-Mananga. Sao comüns nos "escadas" basalticos, entre
duas plataformas de Mananga. Um exemplo tipico existe ao longo da
estrada Pes'sene-Moamba.

7.5.2.2. Conceito central

Um solo argilo-arenoso, castanho-avermelhado cobre a rocha


basaltica meteorizada. O seu elevado conteüdo de areia distingui-
92
se dos solos argilosos e vermelhos derivados das rochas basalticas
com uma formacao de solos "in situ". (agrupamento de solos B v ) .

7.5.2.3. Classificacao de solos

-FAO (1974) FAO (1988)


- Haplic ou Luvic Xerosols * (Yermosols) - Ferric Luvisols
- Ferric ou Chromic Luvisols - Chromic Luvisols
- Ferralic ou Chromic Cambisols - Ferric Lixisols
- Haplic Lixisols*

-USDA
- Ustalfie ou Ustollic Haplargids *)
- Oxic Rhodustalfs (proposta: Udic Oxic),
- U d i c Haplustalfs (proposta: Udic Oxic),
- Udic Ustochrepts (proposta: Udic Oxic), francoso fino ou
argiloso fino, misturado, hipertérmico
- Ustochreptic ou Ustollic Camborthids
*)dominante
7.5.2.4. Variacao das caracteristicas

O horizonte A é ócrico; 10-30 cm de espessura; preto, cinzento


muito escuro, castanho-amarelado escuro, castanho escuro, castanho
avermelhado escuro, vermelho escuro; franco-arenoso a argilo-
arenoso; fraco a moderado, fino e medio, anisoforme subangular
brando a ligeiramente duro, firme, pouco pléstico, pouco pegajoso;
sem efervescência

O horizonte BA tem 0-40 cm de espessura; castanho, castanho forte,


castanho-avermelhado, castanho-avermelhado escuro, vermelho-
amarelado, vermelho escuro, vermelho; franco-argilo-arenoso a
argilo-arenoso; fraco a moderado, medio a grosseiro, anisoforme
subangular; brando a ligeiramente duro, firme, pouco pléstico a
pléstico, pouco pegajoso a pegajoso; sem efervescência.

O horizonte B é argilico ou cambico e pode alcancar uma


profundidade de mais de 1 m; cinzento-avermelhado escuro, castanho-
avermelhado escuro., castanho-avermelhado, vermelho-amarelado,
vermelho escuro, vermelho; argilo arenoso; fraco a moderado, medio
a grosseiro, anisoforme (sub)angular; brando a ligeiramente duro,
firme, pléstico e pegajoso; algumas vezes com poucas a muitas
concrecoes de oxido de ferro, brandas a duras e finas a médias.

A camada de basalto meteorizado pode alcangar uma profundidade de


mais de 2 m e consiste de cascalho baséltico (lcm) meteorizado
revestido de pélcio, irregular, fino e subangular e algumas vezes
com poucas a muitas concrecoes de óxido de ferro, finas a médias,
irregulares, brandas a duras; o substrato meteorizado tem uma cor
castanho-amarelada. O cascalho rolado do riolito ou quartzito pode
estar presente na transicao para a rocha meteorizada.

i
93
Caracterlsticas dos solos P

caracterlsticas solo supeficial subsolo

pH agua 6.0 - 6.8 5.2 - 7.1

Mat. org. % 1 - 3.5 -

C E mmhs/cm 0-2 0-1

PST % 0-10 0-7

CTC meg/lOOg 4-20 5-27

V % 71 - 92 69 - 99

N % 0.054 - 0.150 -

Pass mg/lOOg 2.6 - 3.6 -

CTC argila meg/lOOg - 21 - 38

7.5.2.5. Vegetacao
Floresta aberta com:
- Hyphaene crinita or Phoenix reclinata (nala)
- Combretum
- Acacias (nigrescens)
- Spirostachys africana (xilangamacho)
- Panicum
- Digitaria
- Themeda
7.5.2.6 Perfil tipico dos solos de Pós-Mananga sobre os
basaltos f PI)
Perfil : 82
Fonte : Levantamento de solos da Provincia de Maputo.
Data : 17/03/61
Classificacao (tentativa):
- FAO : Haplic Lixisol
- USDA : Ustoctreptic Camborthid ou Ustalfic Haplargid, fino
franco, misturado, isohipertermico.
Localizacao: map 1192, Goba (Mouzinho), banco a direita do rio
Umbeluzi (26° 09' 50" S, 32° 11' 40" E ) .
Fisiografia: parte do yale suavemente ondulada.
Topografia : 1 - 2 % j|e inclinacao.
Elevacao acima do nii);el do mar: ±55 m / ±15 m acima do Rio.

i
I

94
Drenagem externa - boa
interna - boa
Vegetacao : Floresta devastada com uma cobertura de capim bem
desenvolvido, Digitaria, Panicum, Themeda.
Humidade : Seco
Descricao

Ah: 0 a 20 cm
Castanho-amarelado escuro (10 YR 4/4), quando seco; castanho escuro
(10 YR 3/3), quando hümido; franco-arenoso; fraco a moderado,
medio, anisoforme subangular, branda a ligeiramente duro; sem
efervescência; raizes finas e abundantes.
BA: 20 a 60 cm
Castanho avemelhado (2.5 YR 4/4), quando seco; castanho-avermelhado
escuro (2.5 YR 3/4), quando hümido, franco-argilo-arenoso;
moderado, grosseiro, anisoforme subangular; pouco duro; sem
efervescência; muitas raizes finas.

B: 60 a 120 cm
Vermelho (2.5 YR 4/6), quando seco; vermelho pardo (10 R 3/4),
quando hümido; argilo-arenoso; fraco a moderado, grosseiro,
anisoforme subangular; brando a pouco duro; algumas raizes finas.
Cr: 120 a 150 cm ou +
Aumento de material grosseiro em direccao a base, material de solo
rosado com frequentes fragmentos de rochas; brandos e irregulares;
com ligeiras manchas ferruginosas.

Nota: O horizonte B (60 - 120 cm) poderia ser um argilico (nao ha


descricao das peliculas de argilas), ou um horizonte cambico.
O horizonte B e um argico (FAO, 1988).

Prof. >2mm Areia Areia Limo Argila Textur Carb


(cm) grossa f ina USDA onat
% % % % % %
0-10 0.6 42.8 33.4 8.8 15.0 FAr 0
25-55 0.8 37.6, 32.0 3.3 27.1 FAgAr 0
65-90 1.5 25.2 22.8 4.0 38.0 AgAr 0
90-115 1.7 32.3 22.9 7.2 37.6 AgAr 0
115-150 1.8 33.9 27.1 3.4 30.6 FAgAr 0

CE. CE. 1/3 15 bar pH H20 pH KC1 P.ass. P.to


1:2.5 P.sat bar % % mg/ mg/
mmho/cm mmho lOOg lOOg
/cm P205

1
1

95

0.5 9.2 5.1 6.1 4.9 1.3 24.0


0.3 12.7 5.8 4.6 0.5 25.6
. 0.2 16.3 5.8 5.1 1.0 33.6
0.2 16.2 6.2 5.1 30.4
0.3 14.4 3.0? 7.1 5.2 14.4

Bases trocaveis meq/lOOgr Acid. CTC Sat. Dens


ext. meq/ base % apar
Ca Mg K Na meq/ lOOg e.
lOOg
1.20 . 1.20 0.38 0.03 1.14 3.95 71 .1.29
0.87 1.52 0.30 0.06 1.56 4.31 64 1.38
1.31 2.39 0.30 0.12 1.87 5.99 69 1.25
1.30 2.27 0.34 0.18 1.35 8.44 75 1.25
1.19 1.51 0.26 0.24 0.62 3.82 84 1.37
M.org. C.org N % C/N PST razao CTC Ag Poro
% max areia meq/ sida
% g/f lOOg de %
1.0 0.61 0.053 11.4 0.7 1.3 13 40.4
0.6 0.34 0.044 7.9 1.4 1.2 11 40.9
0.4 0.26 0.042 6.1 2.0 1.5 14 47.2
0.4 0.22 0.033 6.8 2.1 1.4 20 46.0
0.2 0.12 0.024 5.0 6.3 1.3 11 42.9

7.5.3. Os solos de Pós-Mananga, de textura média,


agrupamento de solo's P2
7.5.3.1 Descricao do terreno
Estes sao solos tipicos nas paredes que formam o vale do Rio Tembe
onde um solo franco-argilo-arenoso, castanho-avermelhado cobre um
arenito calcario meteorizado do Plioceno. Solos similares estao
situados ao longo de pequenos rios (p.e Baixa Xandane na Catembe).
7.5.3.2. Conceito central
Sao solos franco-argilo-arenosos, castanho-avermelhado cobrindo,
qualquer dos dois, Mananga ou um arenito meteorizado a uma
profundidade de mais de 1 m.
A presenca de algum' cascalho rolado (riolito, quartzito) na
transicao entre o solo e o substrato indicam que o solo natural foi
transportado.
A textura do subsolo algumas vezes assemelha-se a que rodeia os
solos de Mananga.
Em ambos os casos uma rubefacgao "in situ" do Mananga nas paredes
dos vales, pode ser presumida.

i
96
7.5.3.3. Classificacao de solos
-FAO (1974) FAO (1988)
- Luvic ou Haplic Xerosols *) - Ferric Lixisols
- Ferric Luvisols - Haplic Lixisols *)
- Ferralic Cambisols - Ferralic Cambisols
- Chromic Cambisols - Chromic Cambisols
- USDA
- Ustollic Camborthids ou Haplargids. *)
- Oxic Rhodustalfs (proposta: Udic Oxic),
- Udic Ustochrepts (proposta: Udic Oxic), franco fino,
misturado e hipertérmico.
*) dominante
7.5.3.4. Variacao das caracteristicas
O horizonte A é ócrico; 18 - 30 cm de espessura; arenoso-franco a
franco-argilo-arenoso; castanho-avermelhado escuro, castanho
escuro, castanho muito escuro; fraco a moderado, fino a medio,
anisoforme subangular, ou grumoso; brando a ligeiramente duro,
muito friavel a friavel, nao pegajoso, nao plastico a ligeiramente
plastico ; sem efervescência
O horizonte BA tem 20 - 30 cm de espessura; vermelho-amarelado,
castanho-avermelhado escuro, castanho-avermelhado, vermelho escuro,
vermelho; franco-arenoso a franco-argilo-arenoso; fraco a moderado,
medio a grosseiro, anisoforme subangular; ligeiramente duro a duro,
friavel a firme, pouco pléstico, nao pegajoso; sem efervescência.

O horizonte B é argilico ou cambico e alcanca uma profundidade de


mais de 1 m; franco-argilo-arenoso a argilo-arenoso; castanho-
avermelhado claro, vermelho sombrio, castanho-avermelhado, vermelho
escuro, vermelho; fraco a moderado, medio a grosseiro, anisoforme
subangular, ou moderado, medio prismético, macigo; ligeiramente
duro a duro, friavel a firme, ligeiramente plastico, pouco
pegajoso; sem efervescência; talvez ligeiramente ou moderamente
mosqueado com manchas ferruginosas em direccao a base, transicao
plana a irregular, abrupta; o substrato meteorizado consiste de
arenito, calcério marinho e fossilifero do Plioceno; alguns a
varios cascalhos rolados finos de diferente tipos de rocha e
artefactos podem estar presentes na transicao.

Caracteristicas dos solos P2


caracteristicas solo subslo
superficial
pH agua 6 - 7.4 5.6 - 7.1

Mat. org. % 1-4 -


97

C E mmhs/cm •9 - 1 0 - 1.2
PST %, 0,- 2,4 1-15

CTC meq/lOOg 4,6 - 22 5 - 11,5

Satur. % 46 - 100 57 - 100

N % 0.047 - 0.157 -

Pass mg/lOOgr 0.06 - 5 -

CTC argila meq/lOOg - 9.8 - 43

7.5.3.5. Vegetacao
Floresta aberta a fechada com:
- Hyphaene crinita ou Phoenix reclinata (nala)
- Acacias
- Succulents
- Sclerocarya caffra (canho)
- Vangueria infausta (filo)
- Strychnos innocua or madagascariensis (mcuacua)
- Strychnos spinosa (massala)
- Dichrostachys cinerea (tzenga)
- Combretum
- Spirostachys africana (xilangamacho)
- Acacaia xanthophlora (chifuca)
- Climbers
- Terminalia sericea (conola)
- Apelia quanzensis (chanfuta)
7.5.3.6 Perfil tipico dos de solos de Pós-Mananga de textura média
i
Perfil : 735
Fonte : Levantamento de solos da provincia de Maputo
Data : 22/12/61
Classificacao (tentativa):
- FAO : Haplic Lixisols
- USDA : Ustollic Haplargid ou Camborthid, franco fino,
misturado, hipertérmico
Locali2agao: mapa 1193, Boane, banco direito do Rio Tembe
(Muchocolote) (26° 1 4 ' 4 0 " S, 32° 2 4 ' 1 0 " E ) .
Fisiogr^ia: Orla do planalto ondulado com inclinacao em direccao
ao Rio Tembe
Topografia : Declive 3 - 4 %
Altitude : 20 m acima do nivel do mar (17 m acima do Rio)
Drenagem externa - boa'
interna - boa
98
Vegetacao : floresta aberta, com:
- Sclerocarya caffra (canho);
- Strychnos innocua (macuacua);
- Strychnos spinosa (massala);
- Acacia spp. (micaia).
(
Humidade : seco
Descricao
Ah: 0 a 25 cm
Castanho-avermelhado (5 YR 3/4) quando seco e (5 YR 3/3), quando
hümido; arenoso-franco; fraco, fino a medio, anisoforme subangular,
brando a ligeiramente duro; sem efervescencia; abundantes raizes
finas e médias.
B: 25 a 150 cm ou mais
Vermelho (2.5 YR 4/6), quando seco; vermelho escuro (2.5 YR 3/6),
quando hümido; franco-argilo-arenoso; fraco a moderado, medio,
anisoforme subangular; pouco duro; sem efervescencia; raizes
comuns, finas e médias.
Nota: O horizonte Ah é quase um horizonte mólico (25 cm); o
horizonte B poderia ser um argilico (mas nao ha descricao das
peliculas de argila e nao ha aumento do conteüdo de argila com o
aumento da profundidade), ou um horizonte cambico.
O horizonte B é um argico (FAO, 1988)

Prof. > 2mm Areia Areia Limo Argila Textur CaC03


gross f ina
(cm) % a % % % % USDA %
0-25 0.6 53.4 24.1 14.6 7.9 FrAr 0
25-65 0.7 52.9 20.9 5.3 20.9 FrAgAr 0
65-115 1.1 52.5 17.8 4.1 25.6 FrAgAr 0
115-150 3.2 47.2 18.7 3.6 30.5 FrAgAr 0
CE. CE. 1/3 15 pH pH KcL P.disp P.tot
1:2.5 P.sat bar % bar H20 mg/ mg/
mmh/cm mMhos '% lOOg lOOg
/cm
0.5 8.8 4.9? 7.2 6.2 1.0 24.0
0.4 11.6 5.1? 6.2 5.0 0.5 22.4
0.2 14.1 6.8 6.1 4.7 0.5 20.8
0.2 15.6 7.1 6.2 4.8 0.8 20.5
Bases trocaveis meq/lOOgr Acid. CTC Sat. dens.
Ext. meq/ Base apar.
Ca Mg K Na meq/ lOOg %
lOOg
99

5.4 1.2 0.64 0.10 0.00 7.34 100 1.31


2.1 2.1 0.34 0.10 1.15 5.79 80 1.29
2.6 2.3 0.22 0.20 1.10 6.42 83 1.30
2.7 2.7 0.24 0.26 0.90 6.26 86 1.28
M. org. C.org N % C/N PST razao CTC poros
max. areia arg idade
% k g/f meq/ %
lOOg
1.5 0.9 0.067 12.8 1.4 2.2 55 42.3
0.6 0.3 0.056 5.9 1.7 2.5 21 45.7
0.2 0.1 0.042 2.7 3.1 2.9 24 46.7
0.4 •0.2 0.039 5.3 4.1 2.5 17 47.9

7.5.4 Os solos de Pós-Managa de textura grosseira,


agrupamento de solos P3
7.5.4.1 Descricao do terreno

Estes solos cobrem o planalto e os declives perto dos vales


principais na area de Mananga
7.5.4.2 Conceito central
Sao solos arenoso-franco ou franco-arenoso, castanho- avermelhados,
geralmente alcancando uma profundidade de mais de 10 m. Sao muito
homogéneos e têm um horizonte cambico, se as necessidades texturais
sao totalmente preenchidas.

7.5.4.3. Classificacao de solos


- FAO (1974) FAO (1988)
- Luvic ou Haplic Xerosols *) - Chromic Luvisols
- Ferric ou Chromic Luvisols - Haplic Lixisols
- Ferralic ou Cambic Arenosols - Ferralic ou Chromic
- Ferralic ou Chromic Cambisols Cambisols
USDA
- Ustoxic ou Ustic (proposta) Quartzipsamments, revestido,
hipertérmico.
- Typic Ustipsamments, misturado, hipertérmico
- Rhodic Pa.leustalfs, franco grosseiro, misturado, hipertérmico
- Udic Rhodustalfs, - Ustic Torripsamments,
- Udic Ustochrepts, - Arenic Ustollic Haplargids,
- Ustollic Cambert *
*) dominante
100
7.5.4.4. Variacóes das caracteristicas
O horizonte A é ócrico; 10 - 30 cm de espessura; castanho ou
vermelho escuro, castanho escuro, castanho muito escuro, castanho,
castanho-avermelhado; arenoso, arenoso-franco ou franco-arenoso;
muito fraco a moderado, fino a médio, anisoforme subangular ou
macico; brando a ligeiramente duro, friével a muito friével, nao
pegajoso, nao pléstico a pouco pléstico, sem efervescência.
O horizonte B alcanca uma profundidade de mais de lm; vermelho
escuro, vermelho-amarelado, vermelho sombrio, vermelho, castanho-
avermelhado escuro, castanho-avermelhado; arenoso-franco ou franco-
arenoso; fraco a moderado, fino a médio, anisoforme subangular;
brando a ligeiramente duro, friavel, nao pegajoso, nao pléstico a
ligeiramente pléstico; sem efervescência.
O horizonte BC no minimo sao uns escassos metros de espessura e
pode ser algo menos argiloso que o horizonte B; macico; brando a
ligeiramente duro, friével; nao pegajoso, nao pléstico a
ligeiramente pléstico; sem efervescência; com cores idênticas as do
horizonte B.

Caracteristicas dos solos P3


caracteristicas solo subsolo
superficial

pH égua 5.9 - 7.4 5.8 - 7.5

Mat. org. % 0.5 - 2.1 -

C E mmhs/cm 0.3 - 1 0.2 - 0.7

PST % 0-6 1-7

CTC meq/lOOg 3.4 - 8.9 1.9 - 24

Satur. % 54 - 100 48 - 100

N % 0.054 - 0.101 -

1
Pass mg/lOOgr 1.6 - 5.6 -

CTC argila meq/lOOg - 10 - 110

7.5.4.5 Vegëtacao
Floresta aberta com:
101
- Hyphaene crinita or Phoenix reclinata (nala)
- Terminalia sericea (conola)
- Strychnos spinosa (massala)
- Acacias
- Combretum
- Spirostachys africana (xilangomacho)
- Sstrychnos innocua or madagascariensis (macuacua)
- Succulents
- Dialium schlechterii (tziva)
- Afzelia quanzensis (chanfuta)
- Sclerocarya caffra (canhp)
- Themeda
- Panicum

7.5.4.6 Perfil tipico dos solos de Pós-Mananqa de


textura grosseira P3

Perfil : 153
Data : 20/05/61
Fonte : Levantamento de solos da Provincia de Maputo.
Classificagao (tentativa):
- FAO : Chromic Luvisols
- USDA : Ustollic Camborthid ou Haplargid, franco
grosseiro, misturado, hipertérmico
Localizacao: mapa 1193, Boane, esquerda do banco do Rio
Tembe, WNW de Mugazine (26° 05' 20" S, 32° 26'
50" E)
Fisiografia: Orla do planalto ondulado
Topografia : inclinacao de 4 %
Elevagao : 20 m acima do nivel do mar (18 m acima do Rio)
Drenagem : externa - boa
: interna - algo excessiva
Vegetagao : Floresta aberta de desenvolvimento moderado,
cobertura de capim moderamente densa de medio
desenvolvimento com Themeda e Panicum.
Humidade : seco até os 70 cm, quase seco a profundidade

Descricao

Ah: 0 a 20, cm
Castanho-avermelhado (5 YR 4/3), quando seco; castanho-avermelhado
escuro (5 YR 3/3), quando humido; arenoso-franco; fraco, medio,
anisoforme subangular, raizes finas a médias.

BA; 20 a 70 cm
Castanho-avermelhado escuro (5 YR 3/4), quando seco; (2.5 YR 2/4),
quando humido; arenoso-franco a franco-arenoso; moderado, grosseiro
a medio, anisoforme subangular; ligeiramente duro; sem
efervescência; abundantes raizes finas e médias.

B: 70 a 120 cm
Vermelho (10 R 4/6), quando quase seco; vermelho escuro (10 R 3/6,
102
quando humido; franco-arenoso; fraco, medio, anisoforme subangular;
muito friavel; sem efervescência; raizes médias, abundantes.
BC: 120 a 185 cm ou mais
Idêntico, mas textura arenoso-franca.
Nota: O horizonte B é argllico mas nao ha descricao de peliculas de
argila, ou o horizonte é cambico.
O horizonte B é um argico (FAO, 1988).

Prof. >2mm Areia Areia Limo Argila Textur CaC03


% grossa f ina %
cm % % % % USDA
0-15 0.0 41.3 43.6 3.6 11.5 ArFr 0 "
25-45 0.0 45.8 38.0 3.5 12.7 FrAr 0
45-65 0.1 45.1 34.5 3.7 16.7 FrAr 0
75-120 0.1 44.9 35.0 3.4 16.7 FrAr 0
120-170 0.1 44.9 41.3 0.5 13.3 ArFr 0
CE. CE. 1/3 , 15 bar pH H20 pH KC1 P ass. Ptot.
1:2.5 P.Sat bar % mg/ mg/
mmho/cm mmho % lOOg lOOg
/cm P205
0.5 6.6 4.4 6.0 5.9 3.2 28.8
0.3 7.0 4.4 6.4 5.5 2.0 24.0
0.2 7.5 4.2? 6.1 5.0 3.2 22.4
0.2 7.8 4.4? 6.2 6.0 2.0 19.2
0.3 7.8 4.2 6.5 6.0 1.3 14.4

Bases trocaveis meq/lOOgr Acid. CTC Sat. Densi


Ext. meq/ base apare
meq/ lOOg %
Ca Mg . K Na lOOg

3.48 1.02 0.42 0.11 0.88 5.91 85 1.31


2.83 0.92 0.29 0.12 1.40 5.56 75 1.34
1.74 1.05 0.27 0.11 1.51 4.68 68 1.29
1.74 0.83 0.29 0.14 1.09 4.09 73 1.36
2.16 0.74 0.26 0.13 0.78 4.07 81 1.31
M. org. •C.org N % C/N PST razao CTC poros
% % max. areia arg idade
g/f meq/ %
lOOg
103

1.0 0.58 0.053 11.1 1.9 1.0 34 42.7


0.5 0.29 0.033 9.0 2.2 1.2 36 42.3
0.2 0.10 0.025 9.1 2.4 1.3 26 44.9
0.1 0.05 0.027 1.8 3.4 1.3 23 43.4
0.1 0.05 0.025 2*0 3.2 1.1 29 45.8

7.5.5. Os solos de Pós-Mananga. com manchas alaranjadas


agrupamento de solos P3j
7.5.5.1 Descricao do terreno
Estes solos de Pós-Managa com manchas alaranjadas sobrepoem a
Mananga dos planaltos perto das encostas dos vales. As condicöes de
drenagem nao permitiram uma completa rubefaccao do solo' acima de
Mananga da menor permeabilidade.
7.5.5.2 Conceito central
Sao solos de Post-Mananga com manchas alaranjadas (acastanhadas) e
com uma espessura de vérios metros acima do raanto de Mananga.
7.5.5.3 Classificacao do solo
- FAO (1974) - FAO (1988)
- Haplic Xerosols *) Ferralic ou Chromic Cambisols *)
- Chromic Cambisols
- Ferralic Cambisol
- Ferralic Arenosols
- Cambic Arenosols

- USDA i
- Ustic Torripsaments, Ustollic Camborthids *)
- Typic Ustipsaments, silicioso ou misturado, hypertérmico
- Udic Ustochrepts, francoso grosseiro, misturado hypertérmico
- Aquic ou Ustoxic Quartzipsaments, revestido hypertérmico.
*) dominante
7.5.5.4 Variacao das caracteristicas
O horizonte A é ócrico; 15-35 cm; castanho escuro, castanho,
castanho-acinzentado escuro, castanho muito escuro, castanho-
acinzentado muito escuro; areia fina a franco-arenoso fino;
partlculas soltas, ou estrutura fraca, média a fina, anisoforme
subangular; branda a solta, muito friavel, nao pegajoso, nao
pléstico; sent efervescência.
O horizonte Bw tem mais de 1 m de profundidade. Castanho forte,
104
castanho, amarelo-avermelhado; arenoso-franco fino a franco-
arenoso; estrutura fraca a moderada, medio anisoforme subangular;
branda a pouco dura; muito fri&vel, nao pegajoso, nao pléstico; sem
efervescência.
Caracteristicas dos solos P3j
caracteristicas solo subsolo
superficial

pH agua 5.2 - 7.2 5.6 - 7.5

Mat. org. % 0.5 - 1.5 -

C E mmhs/cm 0-1 0-1

PST % 0-2 1-11

CTC meq/lOOg 4.0 - 4.5 2.5 - 4.8

Satur. % 21 - 75 37 - 65

N % 0.051 - 0.092 -

Pass mg/100 gr 2.6 - 4.2 -

CTC argila meq/lOOg - 13 - 27

7.5 5.5. Veqetacao


Floresta aberta com:
- Tabernemontanum elegans (encacho)
- Strychnos spinosa (massala)
- Strychnos innocua or madagascariensis (macuacua)
- Acacias
- Terminalia sericea (conola)
- Albizia versicolor (impesso)
- Anacardium occidentale (cajueiro)
- Aclerocarya caffra (canho)
- Trichilea emitica (mafurreira)
7.5.5.6 Perfil tipico dos solos de Pós-Mananga mosqueados P3i
Perfil : 897
Fontes : Levantamento de solos da Provincia de Maputo.
Data : 24/02/62
Classificagao:
- FAO : Ferralic Cambisol
- USDA : Ustollic Camborthid, franco grosseiro,
misturado, hypertérmico
105
Localizacao:: mapa 1198, 6 km ESE de Salamanga (26° 29' 30" S,
32° 42' 30" E ) .
Fisiografia: encosta ocidental do Rio Futi; Post-Mananga;
plano a suavemente ondulado.
Declive :: 1 %
Drenagem : •externa : boa
: interna : boa
Elevacao : 25 m acima do nivel do mar.
Vegetagao :: mata fechada, por vezes brenhosa, com:
- Tabernaemontanum elegans (encacho)
- Strychnos innocua ou madagascariensis (maccuacua)
- Strychnos spinosa (massala)
- Acacias
- Arbustos'
Humidade do perfil: seco
Descricao
Ahj_ 0 a 30 cm
Castanho-acizentado escuro (10 YR 4/2) seco; castanho-acinzentado
muito escuro (10 YR 3/2) humido; arenoso-franco; solta; sem
efervescência, raizes finas e médias, muito abundantes.
BI: 30 a 70 cm
Castanho pélido (10 YR 6/3), quando seco; castanho (7.5 YR 4/4),
quando humido; arenoso-franco; anisoforme subangular, fina, fraca;
brando, sem efervescência; raizes finas e médias, abundantes.
B2: 70 a L50 cm
Amarelo-avermelhado (7.5 YR 6/6), quando seco; castanho (7.5 YR
4/4), quando humido; franco-arenoso; anisoforme subangular, fina e
média; brando a ligeiramente duro; sem efervescência; algumas
raizes finas e médias.

Prof. ' > 2mm Areia Areia Limo % Argila textur CaC03
% grossa fina % % a USDA %
cm %
0-30 0.00 42.76 44.12 4.75 9.25 Ar 0
70-110 0.00 37.60 46.17 2.60 12.00 ArFr 0
70-110 0.00 50.91 32.51 2.30 15.00 ArFr 0
110-150 0.00 33.62 44.66 2.40 17.95 ArFr 0
CE. CE. 1/3 15 bar pH H20 pH KC1 P ass P tot
1:2.5 P.sat bar % % mg/ mg/
mmho/cm mmho lOOg lOOg
/cm P205
0.674 5.5 2.7 6.15 5.35 2.6 19.20
0.410 5.1 2.2 5.70 4.30 2.0 14.40
0.424 6.4 3.2 5.65 4.25 2.0 16.00
0.551 7.5 3.7 5.75 4.25 2.6 20.80
106

Bases trocaveis meq/lOOgr Acid. CTC Sat. Densi


Ext. meq/ base % apare
meq/ lOOg
Ca Mg K Na lOOg

1.90 1.00 0.34 0.10 4.44 75


0.60 0.70 0.24 0.06 2.60 62
0.40 1.30 0.28 0.08 3.16 65
0.40 0.20 0.36 0.12 2.58 42
M.org. C. N % ' C/N PST SAR CTC razao
% org. max. arg. areia
% meq/ g/f
lOOg
1.30 0.75 0.092 8.2 2.3 19.9 1.0
0.50 0.29 0.034 8.5 2.3 13.3 0.8
0.41 0.24 0.045 5.3 2.5 15.7 1.6
0.00 0.00 0.031 4.7 14.4 0.8

7.5.6 Os solos de Pós-Mananqa de textura limosa.


agrupamento de solos P4

7.5.6.1 Descricao do terreno


i
Os sopés das encostas dos vales, sao cobertos de um manto de Pós-
Mananga do elevado teor de limo . Estes sedimentos foram
anteriormente considerados como terracos aluvionares. Porém, pode
ter ocorrido era alguns sitios uma remisturado aluvionar, contudo
eles sao principalmente depósitos coluvionares homogéneos das
partes inferiores das encostas.

7.5.6.2 Conceito central


Sao solos de Pós-Mananga com uma percentagem de limo de 14 a 45%,
se a sua textura for franco-arenoso; ou de 10 a 20%, se a sua
textura for franco-argilo-arenosa a argilo-arenosa.

7.5.6.3 Classificacao de solos

FAO f19741 FAO f1988)


- Luvic ou Haplic Xerosols *) _ Chromic Luvisols *)
- Chromic Luvisols ou _ Ferric Luvisols
- Chromic Cambisols _ Ferric Livisols
- Ferric Luvisol _ Haplic Lixisols
- Ferralic Cambisols

USDA
_ Ustollic Camborthids ou Haplarqids *)
_ Udic Rhodustalfs

i
I

107
_ Udic Haplüsfals
_ Oxic Rhodustals
_ Udic Ustochrepts, fino ou franco fino, franco grosseiro,
hypertérmico.
*) dominante
7.5.6.4 Variacao das caracteristicas
O horizonte A é ócrico', 10-30 cm; vermelho escuro, castanho
muito escuro, castanho-avermelhado, castanho-avermelhado escuro
preto, castanho, castanho-amarelado escuro; franco-arenoso a
argilo-arenoso ou franco; estrutura fraca a moderada, medio a
grosseiro, anisoforme (sub)anguloso; moderado, médio prismatico ou
macico; branda a dura, friavel a firme, pouco pegajoso, nao
pléstico a plastico, sem efervescência; transicao plana, nitida ou
abrupta.
O horizonte BA é menos de 40 cm de espessura; castanho-avermelhado,
castanho-avermelhado escuro, vermelho escuro, vermelho, vermelho
amarelado; argilo-arenoso, franco, argiloso; estrutura fraca a
moderada, médio prismatico; fraco a moderado, medio a grosseiro
anisoforme subangulosa ou macigo, ligeiramente duro a muito duro;
friavel a muito firme, pouco pléstico a plastico, pouco pegajoso;
algumas vezes com poucas concrecöes de óxidos de ferro, duras,
finas a grosseiras, irregulares, transicao gradual e plana.
O horizonte B é argllico ou cambico, e alcanca uma profundidade
maior de lm; tem sempre um conteüdo de argila mais elevada que o
horizonte A; castanho-avermelhado escuro, vermelho escuro,
vermelho; vermelho-amarelado, castanho-avermelhado; franco-argilo-
arenoso, argilo- arenoso, franco-argiloso; estrutura fraca a
moderada, médio prismatico; fraca a moderada, médio a muito
grosseiro, anisoforme subanguloso ou macico; pouco duro a
extremamente duro, firme a muito firme, pouco plastico a plastico,
pouco pegajoso, algumas vezes com poucas a muitas concrecöes de
óxido de ferro, duras, finas a grossas e irregulares, sem
efervescência, transicao gradual e plana.
O horizonte BC é muito profundo; vermelho sombrio, vermelho escuro,
vermelho-amarelado, vermelho, castanho-avermelhado, castanho-
avermelhado escuro; franco-arenoso, franco, franco-argilo-arenoso,
argiloso; estrutura fraca a moderada, médio prismatico, ou fraco a
moderado, fino a grosseiro, anisoforme subangular, ou macigo, solta
a muito dura, friavel a firme, pouco pegajoso, pouco plastico; sem
a moderada efervescência, vulgarmente salino e sódico. algumas
vezes com raras a comuns concrecöes ferruginosas, finas a médias,
duras, redondas e irregulares; comuns a abundantes concrecöes
calcarias finas, médias a grosseiras e irregulares, brandas a
duras; ou cascalho fino com um revestimento de calcio, algumas
vezes com poucas a comuns manchas ferruginosas de cor
laranjada/avermelhada.

i
108
Caracteristicas dos solos P4
caracteristicas solo subsolo
superficial

pH agua 5.8 - 7.3 6 - 8.3

Mat. org. % 0.8 - 5.6 -

C E mmhs/cm 0 - 1.6 0 - 6.5

PST % 0 - 4.0 1-34

CTC meq/lOOg 4.4 - 26 7.3 - 40.6

Satur. % 77 - 100 85 - 100

N % 0.038 - 0.279 -

Pass mg/lOOgr 1.6 - 6.8 -

CTC argila meq/lOOg - 10 - 74

7.5.6.5 Vegetacao dos solos P4


Florestas abertas com:
- Acacias (micaia)
- Euphorbia (alto)
- Panicum
- Digitaria
- Combretum imberbo (monzo)
- Aloë marlothii
- Sclerocarya caffra (canho)
- Hyphaene crinita or Phoenix reclinata (nala)
- Commiphora spp or Lannea spp (chivumbucanho)
- Themeda
- Strychnos innocua ou madagascariensis (macuacua)

7.5.6.6 Perfil tlpico dos solos de Pós-Mananga de textura "limosa"


Perfil : 117
Fonte : Levantamento de solos da Provlncia de Maputo.
Data : 09/05/61
Classificagao:
- FAO : Chromic Luvisol
- USDA : Ustollic Camborthid or Haplargid, fino, misturado
hypertérmico
Localizagao: mapa 1192 Goba (Boane), margem direita do rio
109
Umbeluzi (26 11' 10" S, e 32 50' E ) .
Fisiografia: Terrago do declive do rio, quase plana.
Topografia : Declive 1' %
Elevacao : +_55m (<10m acima do rio)
Drenagem : Interna: boa
: Externa: boa
Vegetacao : Uma cobertura densa e bem desenvolvida de capim
Panicum, perto da plantacao de mangueiras.
Humidade do perfil: Seco.
Descricao
Ah: 0 a 15 cm
Castanho-avermelhado (5 YR 4/4), quando seco; castanho-avermelhado
escuro (5 YR 3/4), quando molhado; franco-arenoso; anisoforme
subangular, moderada, média; dura; sem efervescência; raizes
abundantes e finas.
i
IIBA: 15 a 60 cm
Castanho-avermelhado (5 YR 4/4), quando seco; castanho-avermelhado
escuro (5 YR 3/4), quando molhado; franco-argilo-arenoso;
anisoforme subangular, moderada, grosseira; dura; sem
efervescência; muitas raizes finas.
IIBA 60 a 135 cm
Castanho-avermelhado, (2.5 YR 4/4), quando seco; castanho-
avermelhado escuro (2.5 YR 3/4), quando molhado; argilo-arenoso;
estrutura moderada, média a grosseira, anisoforme subangular; dura,
sem efervescência, comuns raizes finas.
Nota: O horizonte IIBA (60-135 cm), seria um horizonte argilico ou
cambico, só que nao se descreveu atenciosamente as peliculas de
argila.
O horizonte IIB é um horizonte argico (FAO 1988). .
Prof. > 2mm Areia Areia Limo % Argila Textur CaC03
% grossa fina % % a USDA
cm %
0-10 0.1 13.5 28.9 6.2 51.1 ArgAr 0
20-40 0.1 8.4 48.0 14.5 29.1 FAgAr 0
40-60 0.0 8.3 46.7 11.2 33.8 FAgAr 0
60-120 0.1 7.1 42.6 8.1 42.2 AgAr 0
CE. CE. 1/3 15 bar pH H20 pH KC1 P ass. P tot
1:2.5 P. Sat bar % % mg/ P205
mmh/cm mmh/cm lOOg mg/
lOOg
0.6 18.9 8.1? 6.4 5.4 2.3 44.8
0.4 21.2 10.6 6.4 5.2 2.0 33.6
0.5 22.8 12.3 6.4 5.1 2.0 27.2
0.5 25.1 15.1 6.8 5.4 1.6 30.4
f
110

Bases trocaveis meq/100 gr Acid. CTC Sat. Dens.


Ext. meq/ base % Apare
meq/ lOOg
Ca Mg K Na lOOg

4.99 1.30 0.80 0.24 0.73 8.06 91 1.29


5.20 4.76 0.30 0.36 0.83 11.45 93 1.31
7.15 5.84 0.26 0.56 0.10 13.91 99 1.19
8.13 6.27 0.22 0.66 0.10 15.38 99 •1.26

M.Org. C.Org. N % C/N PST razao CTC poros


% max. areia arg. idade
g/f meq/ %
lOOg
1.8 1.0 0.091 11.4 3.0 0.5 9 53.3
1.2 0.7 0.065 10.3 3.1 0.2 31 53.1
0.9 0.5 0.065 8.3 4.0 0.7 36 51.2
0.6 0.3 0.042 7.7 4.3 0.2 34 52.3

7.6 OS SOLOS DOS SEIXOS ROLADOS.


7.6.1 Introducao
Estes solos contem abundantes quantidades de seixos rolados a uma
profundidade inferior a lm.
Plataformas cobertas com seixos, tem sido descritas em dif.erentes
altitudes acima dos rios. Originalmente estes plataformas eram
cobertos por um manto espesso de Mananga, mas a erosao removeu
parte ou totalmente esta camada de terra fina.
Destinguem-se 4 agrupamentos destes solos
- Os solos liticos, com seixos rolados a menos de 30cm de
profundidade,(SI).
- Os solos onde 30-100 cm de Mananga sobrepöem os seixos rolados
numa matriz de Mananga,(Sm).
- Os solos onde 30-100 cm de coluviao preto sobrepöem abruptamente
os seixos rolados (Sc).
- Os solos onde os seixos rolados estao sobrepostos por 30-100 cm
do solo vermelho (Pós-Mananga), (Sv).
O grupamento de solos Sm é um transicao entre os solos de Mananga
e os solos do grupo SI;
O grupamento de solos Sc é uma transicao entre o grupo dos solos Cs
e o grupamento dos solos SI;
111
O grupamento Sv é uma transicao entre os solos de Pós-Mananga e o
grupo de solos SI.
7.6.2 Os solos llticos sobre os seixos rolados,
agrupamento de solos SI.
7.6.2.1 Descricao do terreno
Depois da erosao do manto de Mananga, camadas de cascalho rolado
estendidas foram expostas ao longo dos vales como plataformas ou
como colinas isoladas em forma de mesa, ex: entre o rio Major e o
rio Incomat'i (oeste de Moamba)
7.6.2.2 Conceito central
Os solos SI sao solos llticos de profundidade inferior a 30 cm,
sobrepondo-se ao cascalho rolado numa matriz da terra fina. As
camadas de cascalho podem atingir varios metros de profundidade e
podem sobrepor a uma camada espessa de substrato argiloso alterado.
7.6.2.3 Classificacao do solo
FAO f19741 FAO (1988)
- Haplic Phaeozens *) - Eutric Leptosols
- Eutric Regosols - Lithic Leptosols
- Lithosols - Mollic Leptosols *)
USDA
- Udic Haplustolls ou Aridic Haplustolls *)
- Lithic Ustorthents, argiloso ou franco esquelético misto
hypertérmico.
*) dominante
7.6.2.4 Variacao das caracteristicas
O horizonte A é ócrico ou mólico, 5-30cm; cinzento escuro, cinzento
muito escuro, preto, castanho muito escuro, castanho-avermelhado
escuro, castanho-acinzentado escuro, castanho escuro; franco-
arenoso a argiloso; estrutura grumosa grosseira, macica, ou fraca
a moderada anisoforme subangular; brando a muito duro, firme, pouco
pegajoso, pouco plastico a pléstico; existencia de fendas; sem
efervescéncia; um conteüdo de cascalho variével; transigao abrupta
e plana.
O cascalho liso bem rolado e sub-rolado (quartzo, riolito e
basalto) ocorre numa matriz de terra fina nao calcaria; franco-
argilo-arenoso ou franco-argiloso; extremamente duro, peliculas de
argila nos seixos indicam iluviacao. Ha pouca penetracao das raizes
abaixo do horizonte A. 0 cascalho é mais grosso na base. A
transigao para o substrato alterado é ondulada ou irregular,
algumas vezes com grandes ondulacöes, normalmente uma rocha
fracturada, 'com fragmentos pequenos, graduando-se dum basalto
fragmentado; algumas vezes com algumas a abundantes concrecöes
ferruginosas e irregulares.
Caracterlsticas do solos SI
caracteristicas solo subsolo
superficial

pH agua 5.1 - 7 -

Mat org. % 2-6 -

C E mmhs/cm 0-2 0-4

PST % 0-2 1-10

CTC meq/lOOg 15 - 16 10 - 16

Saturacao V % 85-95 84 - 89

Nitrogénio % 0.133- 0.162 —

P ass. mg/100 gr 1-2 —

CTC argila meq/lOOgr — 20 - 25

7.6.2.5 Vegetacao
Floresta aberta com:
- Sclerocarya caffra (canho)
- Combretum
- Setaria ( erva dominante )
- Themeda
- Panicum
- Hyphaene crinita or Phoenix reclinata (nala)
- Androstachys johnsonii (mecrusse)
- Acacia nigrescens (micaia)
- Strychnos innocua (macuacua)
7.6.2.6 Perfil tlpico dos solos de seixos rolados liticos SI
t

Perfil : 363
Fonte : Levantamento de solos da Provincia de Maputo.
Data : 24/8/61
Classificacao:
- FAO : Mollic Leptosol
- USDA : Aridic Haplustoll
Fisiografia: plano a suavemente ondulado, plataforma de seixos
rolados
Declive :< 1%
Localizacao: mapa 1201 (26° 36' 55" S, 32°18,40", este do Rio
113
Xigunguine
Elevacao : 50 m acima do nivel do mar.
Drenagem : externa : boa
: interna : moderada
Vegetagao : mata aberta com Combretum e outros
Humidade : seco
i
Descricao

Ah: 0 a 10 cm
Castanho escuro (10 YR 3/3) quando seco; castanho muito escuro (10
YR 2/2) quando hümido; franco-argilo-arenosa; anisoforme
subangular, média a fina, moderada a fraca; branda; sem
efervescencia, raizes finas e médias muito abundantes.
AC: 10 a 25 cm
Castanho (7.5 YR 4/2) quando seco; castanho escuro (7.5 YR 3/2)
quando hümido; f ranco-argilo-arenosa, anisoforme subangular, média,
moderada, ligeiramente dura; sem efervescencia; raizes finas e
médias abundantes.

C: 25 a 75 cm +
Camada muito grosseira, formada por saibro grosseiro, ligeiramente
cimentado e com frequentes pedras roladas e sub-roladas de quartzo
e de outras rochas.

Prof. > 2mm Areia Areia Limo % Argila Textur CaC03


% Grossa Fina % % %
cm % USDA
0-10 8.80 21.56 49.20 5.40 22.50 FAgAr 0
20-25 20.10 20.84 46.66 5.90 26.95 FAgAr 0
CE. CE. 1/3 15 bar pH H20 pH KC1 P ass P tot
1:2.5 P Sat. bar % % mg/ P205
mmho mmho lOOg mg/
/cm /cm lOOg
1.294 6.9 5.1
0.482 i 6.5 4.75
Bases trocaveis meq/100 gr. Acid. CTC Sat. Dens.
Ext. meq/ base % Apare
meq/ lOOg
Ca Mg K Na lOOg

8.2 4.6' 2.2 0.3 16.13 15.3


5.1 3.5 1.34 0.34 11.94 10.28
114

M.Org. C.Org. N % C/N PST SAR CTC razao


% % max. arg. areia
meq/ g/f
lOOg
3.67 2.13 0.162 1.9 39.2
2.28 1.32 0.107 2.8 25.8

7.6.2 Os solos de Mananga sobre seixos rolados,


agrupamento de solos Sm

7.6.2.1 Descricao do terreno


Estes solos sao comuns no trinchado de caminho de ferro de Ponzela,
a Leste de Moamba. Estao situados ao longo da margem da plataforma
da Mananga onde a erosao removeu uma parte dos depósitos de
Mananga. Os declives sao mais acentuados (2-5%) e a drenagem é
meihor que os planaltos do interior coberto por Mananga.

7.6.2.2 Conceito central

Uma camada de 30-100 cm de Mananga sobrepöem os seixos rolados,


também numa matriz de Mananga. O cascalho pode estender-se a varios
metros acima do substrato alterado.

7.6.2.3 Classificacao do solo

FAOfl974) FAOri988^
- Luvic ou Haplic Xerosols *) - Luvic Calcisols
- Calcic, Ferric ou Orthic Luvisols - Haplic Luvisols
- Calcic, Ferralic ou Eutric Cambisols - Haplic Lixisols *)
- Calcaric Ferralic ou'
Eutric Cambisols
USDA
- Udic ou Typic Haplastalfs franco ou franco esquelético,
misturado, hypertérmico.
- Typic ou Oxic Ustochrepts franco ou franco esquelético,
misturado, hypertérmico.
- Ustollic Camborthids ou Haplargids franco a franco esquelético,
misturado, hypertérmico.

*) dominante
7.6.2.4 Variacao das caracteristicas

O horizonte A é ócrico; 10-20 cm; castanho escuro, castanho muito


escuro, cinzento muito escuro, castanho acinzentado; argilo-arenoso
a franco-arenoso; estructura fraca a moderada, fina a média
anisoforme (sub)anguloso ou macico; ligeiramente duro a duro,
friavel a firme, nao pléstico; sem efervescência; transicao abrupta
ou nïtida ë plana.
115
O horizonte B é argilico ou cambico, e alcanca uma prófundidade de
40-70 cm, cinzento muito escuro, castanho-amarelado escuro,
castanho escuro; estructura macica ou moderada a forte, medio
prismatica;1 partindo para média a muito grosseira, muito forte
anisoforme angulosa; firme, pouco plastico a plastico, pouco
pegajoso a pegajoso; sem efervescência; manchas ferruginosas
abundantes, distintas ou proeminentes, finas a grossas, de cör
amarelada, acastanhada ou acinzentada; transicao plana, nitida ou
gradual.
O horizonte C pode alcancar uma prófundidade de 1 m; castanho
escuro, castanho-acinzentado escuro, castanho-amarelado escuro;
franco-argilo-arenoso a argilo-arenoso; estrutura maciga; duro,
firme; pouco pegajoso a pegajoso e pouco plastico a plastico;
muitas vezes apresentando uma quantidade abundante de porcöes de
cal pulverulento; e algumas vezes apresenta fragmentos de cascalhos
rolados; transicao plana, nitida, abrupta.
Os cascalhos bem arredondados e aplanados (quartzo, riolito,
basalto,etc) estao misturados numa matriz de franco-argilo-arenoso
a argilo-arenoso (como no horizonte C) e normalmente com grandes
quantidades de material calcario concrecionado.
Caracteristicas dos solos Sm
caracterïsticas solo subsolo
superficial

pH agua 5-7 5.5 - 7

Mat. org. % 1-3 -

C E mmhs/cm 0 - 1.5 0-7

PST % 0-2 1-20

CTC meq/lOOg -
i

Satur. % - -

Pass mg/100 gr - -

N % - -

CTC argila meq/lOOg - -

7.6.2.5 Vegetacao
Floresta aberta com:
_ Sclerocarya rcaffra (canho)
_ Combreum.
Themeda.
116
_ Setaria (capim dominante).
_ Panicum.
_ Hyphaene crinita ou Phonix reclinata (nala).
_ Androstachys jhonsonii (mecrusse).
„ A c a c i a nigrescens (micaia).
_ Strychnos innocua (macuacua).

7.6.2.6 Perfil tipico dos solos de seixos com cobertura


de Mananga f Sm)

Perfil no. : 1939.


Fonte : Levantamento de solos da Provincia de Maputo.
Data : 15/03/1963.
Classificagao (tentativa)
FAO : Luvic Calcisol.
USDA : Ustollic Haplargids or Camborthid, franco-
esquelético, misturado, hypertérmico.
Localizagao : Carta no. 1193, Boane, parte oeste da linha férrea
que passa pela vila de Boane (26 02 45 S; 32 19 45
E ').
Fisiografia : Limite de Oeste ondulado da plataforma da baixa
Mananga.
Topografia : Declive de 4%
Elevacao : 30 m.
Drenagem : externa : boa.
: interna : moderada.
Vegetacao : Plantacao de Eucaliptos e muito arbustos.
Humidade : Seco.
Observagao : Na superficie apresentam-se cascalhos, pedras e
blocos.

Descricao

Ah: 0 a 15 cm
Castanho escuro (10 YR 3/3), quando seco; castanho muito escuro (10
YR 2/2), quando molhado; franco-arenoso; estructura fraca a média,
anisoforme subangular; ligeiramente dura; sem efervescência;
abundantes ralzes médias.
Bg: 15 a 50 cm
Franco-argilo-arenoso; estructura macica; extremamente dura; sem
efervescência; algumas raizes médias e finas; manchas ferruginosas
de cör amarela, castanha e cinzenta.
Ck: 50 a 100 cm
Essencialmente cascalho sub-rolado coberto pelo material calcario
numa matriz de terra fina.
Nota: O horizonte Bg é um horizonte argilico, ( nao ha descricao de
pelïculas de argila) ou um horizonte cambico.
O horizonte Bg é um érgico (FAO, 1988).
I

117

Prof. > 2mm Are ia Areia Limo % Argila Textur CaC03


% Grossa Fina % % USDA %
cm %
0-15 3.4 51.5 30.8 5.0 12.7 ArFr 0
15-50 1.4 43.4 25.2 4.2 27.2 FAgAr 0
CE. CE. 1/3 15 bar pH H20 pH KC1 P ass P tot
1:2.5 P Sat. bar % % mg/ mg/
mmho mmho lOOg lOOg
/cm /cm
0.4 10.7 6.3 5.2 4.9 2.7
0.5 22.9 14.0 6.8 6.1 1.0
Bases trocaveis meq/lOOgr Acid. CTC Sat. Dens.
Ext. meq/ Base % Apare
meq/ lOOg
Ca Mg K Na lOOg

M.Org. C. Org. N % C/N PST SAR CTC razao


% % arg. areia
meq/ g/f
lOOg
1.4 0.82 1.7
0.4 0.41 1.7
I

7.6.3 Solos coluvionares sobre seixos rolados.


agrupamento de solos Sc
7.6.3.1 Descricao do terreno
Estes solos sao restritos para o sopé das montanhas ou colinas de
riolitos e basaltos, onde se acumulou uma camada argilosa de
coluvio (ex.: nos sopés dos Pequenos Libombos). No campo, estes
solos sao estreitamente associados ao agrupamento dos solos de SL.
Sao comuns perto de rio Mujavela um afluente do rio Movene e formant
um tipo de cone coluvial ao sopé das montanhas.
7.6.3.2 Conceito central
Uma camada de 30-100 cm de coluviao franco a argiloso, estende-se
sobrepondo os seixos rolados, em condicöes duma drenagem ma a
moderada ; sao comuns as caracteristicas vérticas. O subsolo é
geralmente salino, sódico e calcario.
7.6.3.3 Classificacao do solo

i
I

118
FAOf19741 FAO(19881
- Luvic Chernozems *) - Luvic Chernozems *)
- Pellic ou Chromic Vertisols - Calcic Vertisols
- Vertic Cambisols - Vertic Cambisols
- Haplic Phaeozems - Calcaric Phaeozems
- Haplic Phaeozems
USDA
- Pachic ou Vertic Calcioutolls, ou
- Typic Pellusterts ou Chromusterts, argiloso sobre franco-
esquelético, misturado, hypertérmico.
- também Haplustolls, Ustochrepts
- Torrertic Calciustolls *)
*) = dominante.
7.6.3.4 Variacao das caracteristicas
O horizonte A é mólico ou ócrico; 10-60 cm de espessura; castanho
acinzentado muito escuro, preto; argilo-arenoso, argilo-limoso,
argiloso; estructura fraca a forte, média a grosseira, prismatica,
separando-se em moderada ou forte, fino a medio, anisoforme
(sub)anguloso ou medio granuloso; geralmente com fendas duma
largura de menos 2 cm ; ligeiramente duro a extremamente duro;
firme a muito firme; pléstico e pegajoso; sera efervescência;
transigao, plana, ondulada a gradual.
O horizonte B é cinzento escuro, cinzento muito escuro, castanho
muito escuro, castanho-avermelhado muito escuro, preto; argila;
estructura moderada, medio prismatico, separando-se em forte a
moderada, medio a grosseiro, anisoforme subanguloso, duro a
extremamente duro; firme a extremamente firme, plastico e pegajoso;
sem efervescência; peliculas de argila nas superficies dos
agregados; raras concregöes calcarias, finas a médias; superficies
de escorregamento moderadamente claras; transigao abrupta, plana ou
ondulada.
O horizonte Cr consiste em cascalho abundante, meteorizado,
(sub)angular ou cascalho bem rolado numa matriz argilosa, castanho
a castanho muito escuro; moderado a medio, prismatico ou macigo;
muito duro; abundantes porgöes de cal pulverulento; peliculas de
argila cobrem o cascalho (iluviagao); efervescência na superficie
do cascalho e nao no cascalho.
Caracteristicas dos solos Sc
caracteristicas solo subsolo
superficial

pH agua 6.5 - 7.5 7 - 8.3

Mat. org. % 3 - 4.5 -

C E mmhs/cm 0 - 1.5 0 - 6.5


I

119

PST % 0-11 0-30

CTC meq/lOOg 45 - 70 50 - 60

Saturacao %V 94 - 100 97 - 100

N % 0.120 - 0.200 -

Pass mg/lOOgr 1.5 - 2.4 -

CTC argila meq/lOOg - 100 - 108

7.6.3.5 Vegetacao

Floresta aberta com:


- Sclerocarya caffra (canho)
- Combretum
- Setaria (capim dominante)
- Themeda
- Panicum
- Hyphaene crinita Phonix reclinata (nala)
- Androstachys johnsonii (mecrusse)
- Acacia nigrescens (micaia)
- Strychnos innocua (macuacua)

7.6.3.6 Perfil tipico dos de solos coluvionares sobre seixos


rolados (Sc)

Perfil no. P28.


Fonte : Montreal Engineering Company. Estudo do vale do rio
Umbeluzi
Data 1980.
Classificacao (tentativa)
_ FAO Luvic Chernozem
_ USDA Torrertic Calciustol, misturado, argiloso sobre
franco esquelético, hypertérmico.
Localizacao Mapa 1193, Boane. Norte da base do Monte Muguene
(Freixo,). ($.£„ 06' 15" S; 32 0 17' E ) .
Fisiografia : Quase plano, declive coluvial dos Pequenos Libombos.
Topografia declive : 2%.
Elevacao 32 m. acima do nivel de mar
Drenagem externa : moderada.
interna : imperfeita.
Vegetacao mexoeira em regadio.
Humidade seco.

Descricao

Ank: 0 a 60 cm.
Preto (7.5 YR 2/1) quando hümido; argiloso; estructura prismatica,
120
grosseira, separando-se em média, anisoforme subangulosa; muito
duro; plastico e pegajoso; ligeiramente calcario; abundantes raizes
grosseiras; transicao gradual e plana.
IBktl: 60 a 90 cm.
Castanho-avermelhado muito escuro (5 YR 2/3) quando mplhado;
argiloso; estructura grosseira, anisoforme subangulosa; muito duro,
pegajoso e plastico; algumas concrecöes calcarias, grosseiras;
abundantes pellculas de argila continuas e grossas; transicao
nitida e plana.
IIBk2: 90 a 170 cm.
Castanho-avermelhado escuro (5 YR 3/4) quando molhado; matriz
franca com abundante cascalho (2-3 cm); estructura macica;
extremamente dura; abundantes porcöes e listras de carbonatos,
grossos e brancos.
Nota: O horizonte Ah é mólico; o horizonte BI é argilico; o
horizonte IIB2 é célcico.

Prof. > 2mm Areia Areia Limo Argila Textur CaC03


Grossa Fina USDA %
cm % % '% % %
0-60 0.24 3.9 5.9 34.1 56.1 Arg 0
60-90 0.70 6.7 5.2 20.5 67.6 Arg 4.9
90-170 0.94? 19.4 13.7 37.8 29.1 FArg 42.2
CE. CE.. 1/3 15 bar pH H20 pH KC1 P ass P tot
1:2.5 P Sat. bar % % mg/ P205
mmho mmho lOOg mg/
/cm /cm lOOg
0.11 55.5 46.1? 7.1 1.5
0.12 55.1 41.9? 7.9 0.2
0.07 0.39 25.4 16.9 8.3 0.2
Bases trocaveis meq/ÏOOgr Acid. CTC Sat. Dens.
Ext. meq/ Base % Apare
meq/ lOOg
Ca Mg K Na lOOg

58.08 6.50 2.10 0.48 1.90 69.06 94.0 1.22


58.44 8.95 0.61 0.98 0.0 68.98 100
43.08 6.50 0.20 0.49 0.0 50.27 100
M.Org. C.Org. N % C/N PST SAR CTC razao
% % max. arg. areia
meq/ g/f
lOOg
121

4.2 2.44 0.12 20.3 0.70 108 0.7


- - 0.06 - 1.42 102 1.3
— — 0.02 - 0.97 173 1.4

7.6.4 Solos vermelhos de Pós-Mananga sobre seixos rolados.


agrupamento de solos Sv.

7.6.4.1 Descricao do terreno

Estes solos sao comuns ao sopé da escarpado de Leste ao longo do


rio Incomati, Noreste da vila de Moamba. Os solos estao situados
nas margens da plataforma de Mananga, em estreita relacao com os
solos SI, Sc, e Sm. A rubefaccao teria lugar devido as condicöes
favoréveis de drenagem no declive de 1-5 %.

7.6.4.2 Conceito central

Uma camada de 30-100 cm de solo franco (Pós-Mananga), castanho-


avermelhado, estende-se sobrepondo os seixos rolados, geralmente
com uma descontinuidade abrupta entre o solo e o cascalho. Sao
solos de profundidade menos de l m , estao integrados entre os
agrupamentos de solos SI e os agrupamentos de P4, P3 ou P2.

7.6.4.3 Classificacao do solo

FAOf 1974^ FAOf1988)


- Ferric Luvisols - Ferric Luvisols
- Chromic Luvisols *) - Ferric Lixisols
- Chromic Cambisols - Chromic Luvisols *)
- Luvic Xerosols - HaplicLixisols
- Haplic Xerosols - Calcaric Cambisols
- Chromic Cambisols
USDA
- Udic Haplustalfs ou
- Udic ou Oxic Rhodustalfs ou Udic Ustochrepts franco-esquelético
ou franco, misturado hypertérmico.
- Ustollic Haplargids ou Camborthids.
*) dominante

7.6.4.4 Variacao das caracteristicas

O horizonte A é ócrico; 15-25 cm de espessura; vermelho muito


sombrio, castanho-avermelhado escuro, castanho muito escuro;
franco-arenoso a argilo-arenoso; macico, ou estructura fraca a
moderada, média a grosseira, anisoforme (sub)angulosa; birando a
duro, firme; pouco pegajoso e pouco plastico, sem efervescência;
transicao plana, gradual ou nitida.

O horizonte' B é argllico ou cambico e alcanga uma profundidade


inferior a 1 m; vermelho sombrio, castanho-avermelhado escuro,
122
vermelho e castanho-avermelhado; franco-argilo-arenoso a argilo-
arenoso; estructura moderada, média a grosseira, anisoforme
(sub)angulosa ou fraca a moderada, média a grosseira, prismatica;
ligeiramente duro a duro, firme a muito firme, pegajoso e plastico;
com ou sera efervescência; algumas vezes com raras concrecöes
ferruginosas brandas, finas e grossas, transicao abrupta, plana ou
ondulada. As vezes com concrecöes calcarias, brandas a
duras,pequenas a grandes, e irregulares.

O cascalho rolado, quase nao alterado, é sub-rolado a bem rolado e


aplanado, com pelïculas de argila avermelhadas (iluviacao)
distribuidos pela matriz de solo de cor castanho-avermelhada,
tornando-se castanho a profundidade. Estes solos sobrepöem-se a
rocha alterada com uma transicao abrupta, plana a irregular,
algumas vezes misturados numa matriz calcéria pulverulenta.

Caracteristicas dos solos Sv


caracteristicas solo subsolo
superficial

pH agua . 5.5 - 7.5 5.1 - 7.7

Mat. org. % 1-5 -

C E mmhs/cm 0 - 1.5 0-7

PST % 0 - 2.5 0-20

CTC meq/lOOg r 8-38 8-39

SB % 81 - 100 77 - 100

N % 0.016 - 0.216 -

Pass mg/lOOgr 0.8 - 8 -

CTC argila meq/lOOg - 18 - 59

7.6.4.5 Veaetacao:
Floresta aberta com:
- Sclerocarya caffra (canho)
- Combretum.
- Setaria.
- Themeda.
- Panicum.
- Hephaene crinita ou Phoenix reclinata (nala).
- Androstachys jhonisonii (mecrusse).
- Acacia nigrescens (micaia).
123
Strychnos innocua (macuacua)

7.6.4.6 Perfil tipico dos solos vermelhos de Pós-Mananga sobre


seixos rolados fSv)

Perfil no. : P26.


Fonte : Montreal Engineering Company. Estudo do vale
do rio Umbeluzi
Data : 1980
Classificacao:
_ FAO : Chromic Luvisol.
_ USDA : Ustollic Haplargid ou Camborthid, franco
ou franco-esquelético, misturado, hypertérmico.
Localizacao : Mapa 1193, Boane colina de cascalho entre o rio
Movene e o Umbeluzi. (260 02' 20" S; 32 0 16' 40" E)
Fisiografia : Parte mais baixa da ondulacao da plataforma de
cascalho, afluente dos rio Umbeluzi e Movene.
Topografia : declive de 5% na confluência.
Elevacao : 28 m acima do nivel do mar; 17 m acima do Umbeluzi.
Drenagera : externa : boa.
interna : boa.
Vegetacao : Mandioca, agricultura familiar.
Humidade : Seco.
Descricao

Ap: 0 a 20 cm
Castanho muito escuro (7.5 YR 2/3) quando seco ; franco-argilo-
arenoso; estructura macica; duro, pegajoso e plastico; abundantes
raizes médias e finas; transicao gradual e plana.

BI: 20 a 50 cm
Castanho-avermelhado escuro (5 YR 2/4) quando seco; franco-argilo-
arenoso; estructura macica; ligeiramente duro, pouco pegajoso e
pouco plastico; algumas raizes médias e finas; transicao abrupta e
plana.

IIBt2: 50 cm +
Cascalho avermelhado (iluviacao de argila proveniente do horizonte
B).
Nota: O horizonte B (20-50 cm) podia ser um argilico (nao ha
descricao das peliculas de argila) ou cambico.
O horizonte ( B é um horizonte argico (FAO 1988).

Prof. > 2mm Areia Areia Limo Argila Textur CaC03


Grossa Fina USDA %
cm % % % % %
0-20 0.5 36.3 17.0 19.1 27.6 FAgAr 0
20-50 1.0 39.9 10.9 15.4 33.8 FAgAr 0
124

CE. CE. 1/3 15 bar pH H20 pH KCl P ass P tot


1:2.5 P. Sat bar % % mg/ P205
mmho mmho lOOg mg/
/cm /cm lOOg
0.03 - 19.4 15.3 6.7 0.8
0.02 20.7 14.1 6.4 0.3
Basestrocaveis meq/lOOgr Acid. CTC Sat. Dens.
Ext. meq/ Base % Apare
meq/ lOOg
Ca Mg K Ma lOOg

11.4 3.0 0.93 0.18 2.15 17.66 82.6


7.8 3.0 0.46 0.20 2.80 14.26 77.1
M.Org. C.Org. N % C/N PST razao CTC K
% % . max. areia arg disp
g/f meq/ ppm
lOOg
3.09 1.80 0.11 16.4 1.02 2.1 42 271
0.09 1.40 3.7 42 103

r
125

7.7. Os solos argilosos derivados de rochas sedimentares K

7.7.1 Introducao
7.7.2. Os solos argilosos de margas. argilas, do Cretacio
da zona de Catuane (K)

7.7.2.1. Solos argilosos vermelhos derivados das rochas


sedimentares cretacias Kv
7.7.2.2 Descricao do terreno

7.7.2.3 Conceito central


Estes solos sao espessos, argilosos de cor castanho avermelhado
escuros, derivados de argilas cretacias, margas e outras rochas.

7.7.2.4 Classificacao

FAO (19741 FAO (19881


_ Luvic Xerosols *) Haplic Lixisols *)
_ Haplic Xerosols Luvic Calcisols
_ Luie Phaeozems (fase sódica) Chromic Luvisols

USDA
_ Haplargids *) _dominante

7.7.2.5 Variacao das Caracteristicas


O horizonte A é um ócrico ou mólico; castanho escuro, castanho
avermelhado, castanho avermelhado escuro; franco arenoso a
argiloso; estrutura moderada; medio, anisoforme subangular;
ligeiramente duro; sem efervescência.
O horizonte BI alcanga uma profundidade de 75_95cm; vermelho
escuro, castanho avermelhado escuro; argiloso; estrutura
moderada, média prismatica; ligeiramente duro a extremamente
duro; sem efervescência.

O horizonte B2 é um argilico ou cambico e alcanga uma


profundidade maior do que 1.5m; vermelho escuro, vermelho,
castanho; argiloso; estrutura moderada, média, prismatica;
ligeiramente duro, sem efervescência. Algumas vezes com ligeiras
manchas ferruginosas, as vezes com abundantes concregöes
calcarias, duras, finas a grossas e irregulares.
12

Caracteristicas dos solos Kv

caracteristicas solo subsolo


do solo superficial

pH agua 5.5 - 6.6 6.0 - 7.5

Mat. org. % 2 - 3.5 -

r
C E imiihs/cm 0.5 - 1 0.2 - 3.6

PST % 1.5 - 2,3 2 - 23

CTC meq/lOOg 12 - 18 10 - 33

Satur. % 83 - 90 83 - 100

N % 0.090 - 0.133 -

i
Pass ppm 2-4 -

CTC argila meq/lOOg - 17 - 76


«

7.7.2.6 Vegetacao
Bosque aberto com:
_ Combretum
_ Acécia nigrescens
_ Hyphaene crinita ou Phoenix reclinata (Nala)
7.7.2.7 Perfil tipico do grupo de solos Kv
Perfil : 421
Autores : INIA
Data : 08.09.61
Localizacao: Mapa topografico 1204: 26 47' 30"S, 32 14' 30"E;
5km norte do rio Maputo.
Classificacao:
127
_ FAO Haplic Lixisol
_ USDA Haplargid
Fisiografia quase plano, encosta suave do rio Cibobolho.
Topografia declive 1% i
Elevacao 75m a. n. mar
Drenagem externa: boa
interna: boa
Vegetacao mata coberta por:
Combretum, extracto graminoso mediamente denso, e
mediamente desenvolvido.
Humidade : seco.

Descricao
Ah: 0 25 cm
Castanho avermelhado (5 YR 4/4) quando seco; castanho avermelhado
escuro (5 YR 3/4) quando humido; argiloso; estrutura média a
moderada, anisoforme' subangular; ligeiramente duro; sem
efervescencia; raizes finas e médias pouco abundantes.

IB: 25 95 cm
Vermelho escuro (2.5 YR 3/6) seco; castanho avermelhado escuro
(2.5 YR 3/4) humido; argiloso; estrutura prismatica, medio a
moderado; ligeiramente duro a duro; sem efervescencia; raizes
finas e médias abundantes.

IIBg: 95 130 cm
Vermelho (2.5 YR 4/6) seco; vermelho escuro (2.5 YR 3/4) humido;
argiloso; estrutura prismatica; medio moderado, ligeiramente
duro; sem efervescencia; sem raizes; manchada de tons
ferruginonosos de cor alaranjada.

7.7.3 Solos argilosos pretos derivados das rochas sedimentares


cretécias ( Kp)

7.7.3.1 Descricao do terreno

7.7.3.2 Conceito central


Solos argilosos pretos com mais de 50cm de espessura, cobrem os
depósitos geológicos originais de argilas acastanhadas e marga
cretécia.

7.7.3.3 Classificacao

FAO (1974^ FAO f1988)


_ Pellic Vertisols *) _ Calcic Vertisols *)
_ Chromic Vertisols _ Vertic Cambisols
_ Vertic Cambisols _ Calcaric ou Haplic Phaeozems
_ Calcaric ou Haplic Phaeozems_ Luvic calcic ou Haplic
_ Luvic Calcic ou Haplic Phaeozems Chernozems (fase salina
e sódica)
USDA
_ Torrerts
*) dominante
128
7.7.3.4 Variacao das Caracteristicas
O horizonte A é ócrico ou mólico; castanho muito escuro, preto,
cinzento, cinzento escuro; franco_argilo_arenoso a argiloso;
estrutura moderada, média, anisoforme subangular; ligeiramente
duro; sem efervesência.
O horizonte B alcanga uma profundidade de 30_120cm; cinzento
muito escuro, castanho muito escuro ou preto; argiloso; estrutura
moderada, fina a média prismaatica; duro a muito duro; com ou sem
efervescência; as vezes com raras a abundantes concrecöes
calcarias finas a médias, duras e irregulares.

O horizonte C consiste de material calcario concrecionado ou de


argila castanho acinzentado escura ou castanho escura ou de marga
estrutura moderada a forte, medio prismatico; muito duro;
efervescênvia nitida; grandes superfïcies escorregadias;
abundantes concregöes calcarias, duras, finas a grossas e
irregulares.
Os solos argilosos pretos (Kp)

caracteristicas solo subsolo


do solo superficial

pH agua 6.5 - 7.4 7 - 7.4


i

Mat. org. % 3-6 -

C E mmhs/cm 0.7 - 1.5 0.4 - 8.2

PST % 0.9 - 2.7 1.2 - 18

CTC meq/lOOg 29 - 40 37 - 68

Satur. % 96 - 100 98 - 100

N % 0.217 - 0.260 -

Pass ppm 2-4 -

CTC argila meq/lOOg - 51 - 130

7.7.3.5 Veqetacao: Bosque aberto com Combretum e Acacias


I
129
7.7.3.6 Perfil tipico do qrupo de solos Kp

Perfil : 387
Autores . : INIA
Data : 01/09/61
Classificacao :
- FAO : Calcic Vertisol
- USDA : Torrert
Localizacao : mapa 1201, (26° 39' 15"S, 32° 15' 25"E)
Drenagera : externa - ma
interna - ma
Fisiografia : planicief do Rio Coane
Declive : < 1%
Vegetacao: mata pouco densa junto a matagal
Elevacao : 50 m a.n.mar.
Humidade : seco
Descricao

Ah: 0 15 cm
Cinzento escuro (10 YR 4/1) seco; cinzento muito escuro ( 10 YR
3/1) hümido; argila-arenosa; anisoforme angular, grosseiro,
moderado a forte, duro a muito duro; sem efervescência; raizes
finas e medias muito abundantes.

Bek: 15 80 cm
Preto (10 YR 2/1) seco e hümido; franco argiloso, prismatico,
medio, moderado a forte (composto de anisoforma angular); muito
duro; efervescência fraca a nitida; raizes medias e finas pouco
abundantes; raras concrecoes calcarias pequenas e duras, camadas
de argila muito evidentes.

Cck: 80 140 cm
Castanho acinzentado escuro (10 YR 4/2); castanho escuro (10 YR
3/3); argiloso; prismatico, medio, moderado a forte; muito duro;
efervescência nitida, algumas raizes medias, camadas de argila
muito evidentes e com grandes superficies, muito abundantes
concrecoes calcarias, pequenas e medias, irregulares, duras.

Cckcs: 140 150 cm +


Camada muito grosseira, com saibro muito abundante e com muito
abundante calcario identico ao da camada anterior; raras
concrecoes ferruginosas, pequenas e medias, esferiformes, duras
a muito duras.

7.7.4 Solos argilosos castanhos derivados das rochas


sedimentares cretacias Ko

7.7.4.1 Conceito central


Estes sao solos argilosos recentes das margas e argilas do
cretécio proximo da vila de Catuane.

i
I

130
7.7.4.2 Classificacao

FAO f19741 FAO f 19881


_ Calcaric Regosols _ Calcaric Vertisols *)
_ Haplic Chernozems _ Eutric Regosols
_ Chromic Vertisols *) _ Calcaric regosols
_ Eutric Regosols _ Vertic Cambisols
_ Vertic Camsols (fase salina e sódica)
USDA
_ Torrerts
*) _dominante

7.7.4.3 Variacao das caracterlsticas

0 horizonte A é ócrico ou mólico; castanho acinzentado muito


escuro, cinzento muito escuro; argilo arenoso a argiloso;
estrutura moderada a forte, medio a grosseiro, anisoforme
angular; duro; sem efervescencia.
0 horizonte AC tem 10-20cm de espessura; cinzento escuro,
castanho acinzentado escuro; argiloso; estrura moderada a forte,
medio prismatico, muito duro; efervescencia fraca; com abundantes
concrecöes i calcarias, finas a médias e irregulares; com
superfïcies de escorregamento evidentes.

O horizonte C é castanho amarelado, castanho amarelado escuro,


castanho acinzentado escuro, castanho escuro; argiloso; estrutura
moderada a forte, média prismatica; muito duro; efervescencia
fraca; abundantes concrecöes calcarias, brandas, duras e
irregulares; superficies de escorregamento evidentes.
Os solos argilosos castanhos (Kol

caracterlsticas solo subsolo


do solo superficial

pH agua 6.1 - 7 7.5 - 8.4

Mat. org. % 3-6 -

C E mmhs/cm 0.8 - 1.5 1-5

PST % 0.8 - 2.8 2-20

CTC meq/lOOg 25 - 35 35 - 60

Satur. % 85 - 100 98 - 100

\
131

N 0.150 - 0.250

Pass ppm 2-4

CTC argila ineq/lOOg 60 - 150

7.7.4.4 Vegetacao
Mato denso,arbustos com Euphorbia, etc.

7.7.4.5 Perfil tipico do grupo de solos Ko


Perfil : 451
Autores : INIA
Data :19/09/61
Classificacao :
- FAO : Galcic Vertisol
- USDA : Torrert
Localizacao : mapa 1205, 2km N do Rio Maputo, l,75km NW de
Catuane (26° 49' 50"S, 32° 16' 20"E)
Fisiografia : encosta, plano a suavemente ondulado
Declive : 3-4%
Elevacao :. 45 m a.n.m.
Drenagem : externa - ma
interna - ma
Vegetagao: matagal de cactos

Descricao

Ah: 0 10 cm
Castanho acinzentado muito escuro (10 YR 3/2) seco; cinzento
muito escuro (10 YR 3/1) hümido; argilo-arenosa; com algum
material organico; anisoforme angular, medio a grosseiro;
moderado a forte, duro, sem efervescencia, raizes finas e médias
muito abundantes.

ACck: 10 35 cm
Cinzento escuro (10 YR 4/1) seco e hümido; argiloso; prismatico,
medio, moderado a forte; muito duro; com efervescencia fraca, com
abundantes concrecoes calcérias, pequenas e médias, muito duras;
camadas de argila evidentes; raizes finas e médias pouco
abundantes.

Cck 35 115 cm
Castanho amarelado (10 YR 5/6) seco e hümido; argiloso;
prismatico, medio, moderado; muito duro; com efervescencia forte;
sem raizes; muito abundantes concrecoes calcarias, pequenas e
médias, grandes e muito grandes, irregulares, brandas, duras e
muito duras; camadas de argila moderadamente evidentes.
132
Ckm: 115 130 cm +
Camada cimentada (?) fragmentada em adiantado estado de
meteorizacao.

Nota : entre a la e a 2 a camada aparecem algumas pedras e


calhaus de rocha (?).

7.7.5 Os solos arqilosos de rochas sedimentares do distrito de


Magude (W)

7.7.5.1 Os solos arqilosos vermelhos. derivados de rochas


calcérias Wv

7.7.7.2. Descricao do terreno

Estes solos ocorrem na parte NW da provincia de Maputo (Magude),


na zona dos afloramentos de rochas sedimentares do Cretacio
Superior e do Terciério.

7.7.5.3. Conceito central

Sao solos vermelhos, franco argilosos a argilosos, profundos ou


moderadamente profundos; bem drenados.

7.7.5.4. Classificacao
FAO 1974 FAO 1988
Luvic Xerosols *) Chromic Luvisols *)
Haplic Lixisols

USDA
Haplargids, misturado, hypertermico.
*) _dominante

7.7.5.5. Variacao de caracteristicas

O horizonte A é ócrico, 15 - 25 cm de espessura, castanho


avermelhado escuro a castanho acinzentado; franco_arenoso,
franco, franco argiloso, franco_argilo_arenoso sem efervescência;
branda a ligeiramente dura, solta; nao pegajoso, pouco plastico;
anisorme subangular, fina, fraca.

O horizonte AB tem uma espessura de 20 - 25 cm; castanho


avermelhado escuro a castanho escuro; franco_argilo_arenoso e
franco; sem efervescência.

O horizonte B é um argilico; castanho avermelhado ou castanho


avermelhado escuro; argilo_arenosa a argila; anisoforme
subangular, moderado, fino; duro a friavel, pouco pegajoso e
pléstico; as vezes com poucas manchas acinzentadas e alaranjadas
na parte inferior do horizonte.
133
O horizonte BC é castanho; argiloso ou argilo arenoso, poucas
pequenas manchas pretas e acinzentas; efervescencia fraca;
frequentes pedras da rocha calcaria.

O horizonte C é castanho amarelado escuro, franco argiloso a


argiloso; com poucas manchas acinzentadas e alaranjadas;
efervescencia forte; frequentes pedras da rocha calcaria.

Rocha calcaria a uma profundidade de 100 - 120 cm.

caracteristicas dos solos Wv

caracteristicas solo subsolo


do solo superficial

pH agua 5.8 - 6.5 5.6 - 6.7

Mat. org. % 1.0 - 1.5 0 - 0.9

C E mmhs/cm 0 - 0.2 0 - 0.2

PST % 1.2 - 1 1 - 3.1

CTC meq/lOOg 0.4 - 20 9.7 - 25

Satur. % 65 - 80 75 - 93

N % 0.12 - 0.18 0.08 - 0.10

Pass ppm 0.46 - 2.5 -

CTC argila - 20 - 25

Carbonatos -
1

7.7.5.6. Vegetacao
Mata aberta ou estepe subarbustiva
r

134

7.7.5.7 Perfil tipico do Grupo de solos : Wv

Fonte : C. Konstapel, sondagem 206


Data : 23/04/80
Localizagao : 200 - 300 m E da estrada Massintonto-Chivonguine
(Timanguene, Magude)
Fisiografia : base da encosta do vale, relevo ondulado muito
suave
Declive : 2%
Vegetacao : capim e algumas arvores, savana
Drenagem : imperfeita
Humidade deipefil : hümido 0 - 100 cm
seco > 100 cm
Descricao

Ah: 0 20 cm
Castanho acinzentado muito escüro (10 YR 3/2) seco; franco.
AB: 20 40 cm
Castanho escuro (7.5 YR 3/2) hümido franco.
Btg21; 40 100 cm
Castanho avermelhado escuro (5 YR 3/4) hümido, argiloso,X muito
poucas pequenas manchas alaranjadas e acinzentado.

Btak22: 100 140 cm


Castanho (7.5 YR 4/2) hümido; argiloso; com muitas pequenas
manchas alaranjadas acinzentadas, com efervescência fraca.

BC: 140 170 cm


Castanho (7.5 YR 4/4) hümido; argiloso; com poucas pequenas
manchas pretas e acinzentadas; com efervescência forte; com
bastante pedras ( 1 - 1 0 mm) da rocha calcaria.

C: 170 220 cm
Castanho amarelado escuro; (10 YR 4/4) hümido; franco-argiloso;
com poucas pequenas manchas acinzentadas e alaranjadas; com
efervescência forte e com bastantes pedras ( 1 - 1 0 cm) de rocha
calcéria.

Minerais de argila
A argila dominante é montmorilonito com pequenas quantidades de
minerais micaceos e caulinito

7.7.6. Os solos pouco profundos sobre rochas sedimentares


(Wp. WplO
7.7.6.1. Introducao

Estes solos ocorrem na parte NW da provincia, onde ha poucos


dadps do campo e por isso este agrupamento precisa mais estudos
no futuro. Distingue_se dois subgrupos:

r
135
- Wp : Solos sobre rochas nao calcarias
- Wpk : Solos sobre rochas calcarias

7.7.6.2. Descricao do terreno

Sao solos duma paisagem ondulada, com algumas encostas fortes.

7.7.6.3. Conceito central


- Wpi : Solos castanhos ou pretos de profundidade
moderada (geralmente < 100 c m ) ; franco
argilosos, sobre rochas nao calcérias
(gres..).
- Wpk : Idêntico, mas com subsolo sódico e calcario, as
vezes salgado, sobre rochas calcarias.
7.7.6.4. Classificacao de solos
FAO (19741 FAO (19881

Wp : Luvic Xerosols *) Happlic Luvisols *)


(lithic phase) Mollic Leptosols
Eutric Leptosols
Eutric Cambisols
Chromic Cambisols

Wpk : Calcic Xerosols *) Calcaric Cambisols


(lithic phase) Luvic calcisols *)
(saline, sodic phase)
*) _dominante

7.7.6.5. Variacao de caracteristicas (Wp)


O horizonte A é ocrico ou molico; 10 - 30 cm de espessura;
castanho amarelado escuro, preto, castanho-acinzentado muito
escuro, cinzento muito escuro, castanho escuro; franco, franco
_argilo_arenoso; anisoforme subangular, moderada, fina a média
ou prismatica fraca, com tendência de formacao de fendas; branda
a dura, friavel a solta; pouco pegajoso a pegajoso, pouco
plastico a pléstico.
0 horizonte B pode ser um cambico ou argilico, castanho, castanho
escuro, castanho avermelhado escuro, castanho acinzentado muito
escuro, castanho amarelado escuro e preto; franco,
franco_argilo_arenoso, franco argiloso; com raras
elementos grosseiras nao calcarias.

O horizonte R é composta de abundantes pedras e material


grosseiro. Geralmente o solo tem uma profundidade de 50 - 100 cm.
I

C a r a c t e r i s t i c a s dos s o l o s WP

caracteristicas solo subsolo


do solo superficial

pH agua 6.2 - 70 6.0 - 7.0

Mat. org. % 0.8 - 2.3 -

C E mmhs/cm 0.1 - 0.3 0.2 - 0.4

PST % 1.0 - 2.5 1-6

CTC meq/lOOg 8-10 10 - 15


i

Satur. % 85 - 95 85 - 100

N % 0.08 - 0.17 0.07 - 0.05

Pass ppm 0.3 - 1.7 -

CTC argila meq/lOOg - 30 - 60

Carbonatos total - -
137
7.7.6.6 Perfil tipico do ctrupo de solos Wp

Perfil : 53 M
Fonte i : Coba
Geologia e Litologia : rochas sedimentares do terciario
Classificacao :
_ FAO :Xerossolos Luvicos
_ FAO :Haplic Luvisol
Localizacao :Na estrada da Empresa de de Gado de Corte
Mapulanguene, cerca de lkm da sede da Empresa.
Topografia encosta suave
Vegetacao
Clima Semiarido (D)

Descricao

Al: 0 15 cm
Cinzento escuro (7.5 YR 4/1) seco e (7.5 YR 3/1) humido; franco
arenoso a arenoso franco; compacidade média; consitência branda
a ligeiramente dura, grau de humidade: seco.
AB: 15 25 cm
Transicao suave

Bt; 25 55 cm
Pardo escuro (7.5 YR 4/3) seco e (7.5 YR 3/2) humido; franco
argilo arenoso a franco arenoso; compacidade grande; consistência
ligeiramente dura a dura; com rara pedra rolada no limite
inferior da camada. grau de humidade: seco

IIC1; 55 95 cm
Transicao abrupta para pardo escuro (10 YR 4/3) seco e ( 10 YR
3/3) humido;com pequenas manchas escuras; argiloso; compacidade
muito grande, consistência dura.

IIIC2: 95 110 cm
Material muito compacto com terra muito semelhante a anterior e
abundante pedra de cor escura (exteriormente meteorizada e de cor
pardo_amarelada).

7.7.6.7. Variacao das caracteristicas (Wp)Q

O horizonte A é ocrico ou molico; 10 - 40 cm de espessura; preto,


cinzento muito escuro, castanho muito escuro, castanho
acinzentado muito escuro, castanho amarelado escuro; franco
arenoso, franco_argilo_arenoso, franco, franco argiloso,
argiloso; anisoforme subangular, media a fina, estrutura moderada
a forte, ou prismatico, forte a fraco, dura a branda, firme a
friavel, nao a muito pegajoso e nao a muito plastico; as vezes
com alguns elementos grosseiros e fendas na superficie, sem
138
efervescência.
O horizonte B tem uma profundidade de 50 - 80 cm e é cambico ou
argilico; a parte inferior pode ser urn horizonte calcico que pode
continuar na parte superior do horizonte C castanho, castanho
avermelhado escuro, castanho escuro, castanho acinzentado muito
escuro, cinzento muito escuro; cinzento avermelhado; franco
argiloso, argiloso ou franco_ argilo_arenoso; anisoforme
subangular, forte a moderado, medio ou grosseiro, ou prismatico;
as vezes macico; duro a muito duro, firme; pouco a muito plastico
e pouco a muito pegajoso; com efervescência fraca ou nïtida,
concrecoes calcérias na parte inferior do horizonte; as vezes
alguns elementos grosseiros.
O horizonte C é um horizonte calcico e é de cor castanho,
castanho acinzentado muito escuro, cinzento e castanho
acinzentado, ou castanho escuro; argiloso ou franco argiloso,
macico, com muito material detritico grosseiro, cascalho;
e pedras calcarias na parte inferior.
Caracteristicas dos solos Wpk

caracterïsticas solo subsolo


do solo superficial

pH agua 6.5 - 8.0 8.0 - 9.0

Mat. org. % 1.0 - 2.6 -

i
C E mmhs/cm 0.1 - 1.0 0.5 - 15

PST % 2-8 15 - 25

CTC meq/lOOg 22 - 62 20 - 62

Satur. % 95 - 100 100

N % 0.07 - 0.17 -

Pass ppm 0.2 - 5.8 -

CTC argila meq/lOOg - 80 - 115

Carbonatos total % - 4-26


I
139

7.7.6.8 Perfil tipico do qrupo de solos Wpk (Wpkl)


Perfil • : 42 m
Fonte : Serli Coba
Geologia e Litologia: Rochas sedimentares de Cretacio
Classificagao: Xerossolos calcicos (fase pétrica e sódica)
(FAO 1974)
: Luvic Calcisol (FAO 1988)
Localizagao : Na estrada Mapulanguene Macaena, cerca de 6km a
sul do rio Uanetzane.
Topografia : encosta suave (2-3%)
Vegetagao : dominio de acacias
Clima : semiarido.

Descricao

Al: 0 10 cm
Negro (10 YR 2,5/1) humido; franco argilo arenoso; compacidade
média; consistencia dura. grau de humidade: seco

BI: 10 45 cm
Cinzento escuro (10 YR 3/1) humido; franco argilo arenoso; medio
prismatico; compacidade grande; consistencia muito dura; sem
efervescencia ao HCl; com algumas raizes. Grau de humidade: seco.

B2tk: 45 75 cm
Cinzento escuro (10 YR 4/l) humido; argilo arenoso a franco
argilo arenoso; compacidade grande; consistencia muito dura; com
nódulos calcarios brandos; com efervescencia ao HCl na terra; sem
raizes. Grau de humidade: seco.

IlCk: 75 120 cm
Cascalho e pedra miuda pardacenta apresentando exteriormente
efervescencia ao HCl.

Perfil dos solos Wpk (Wpks)

Perfil : 29 m
Fonte : Serli Qoba
Geologia e Litologia : Rochas sedimentares do Cretacio
Classificagao: Xerossolos Calcicos (fase pétrica e sódica)
(FAO 1974)
Luvic Calcisol (FAO 1988)
Localizagao Na estrada Malanguene Macaena, cerca de 6km a
sul de Mapulanguene
Topografia encosta suave (2 _3%)
Vegetagao dominio de acacias
Clima semiarido.

i
!

140

Descricao

Al: 0 5 cm
Cinzento escuro (10 YR 3/1) seco, (10 YR 2.5/1); franco arenoso;
duro. Grau de humidade: seco
BI: 5 30 cm
Cinzento escuro (10 YR 3.5/1) seco, (10 YR 3/1) humido; franco
arenoso; primatico; compacidade grande; consistência muito dura;
sem efervescência ao HC1. Grau de humidade: seco.

B2tk: 30 70 cm
Cinzento escuro (10 YR 4/1) seco, (10 YR 3.5/1) humido; argilo
arenoso; prismatico; compacidade grande; consistência muito dura;
com nódulos calcarios; com nitida efervescência ao HC1 na terra.
Grau de humidade: seco.

IlCk: 70 100 cm
Material detrïtico grosseiro, esbranquicado,com forte reaccao ao
Hel e alguma terra.

i
141

7.8. OS SOLOS BASALTICOS


7.8.1.Introdugao

Distinguem-se quatro agrupamentos de solos: os solos formados,"em


situ", bem drenados, argilosos e vermelhos sao classificados no
agrupamento de solos Bv; as argilas pretas e vertisolos estao
agrupados no agrupamento de solos Bp e os solos liticos (de
profundidade < 30cm) no agrupamento de solos BI.
Foi introduzida uma separada associagao para os solos argilo-
arenosos sobre basalto : O agrupamento PI. Sao solos do Pós-Mananga
desenvolvidos numa mistura de basaltos locais meteorizados e
material de Mananga reorganizado de declives baixos. Estes sao
descritos no capïtulo sobre solos Pós-Mananga.
O coluviao de declive inferior: agrupamento de solos Cs e os solos
coluviais em basaltos: O agrupamento de solos Cc é classificado no
grupo de solos coluviais.

7.8.2.Os Solos basalticos vermelhos,


agrupamento de solo Bv.

7.8.2.1. Descricao do terreno

Os solos argilosos vermelhos estao situados nos declives suaves dos


planaltos basalticos, a Este da cadeia dos Libombos.
Nas fotografias aéreas, a distinta e estriada padrao em direccao
Norte-Sul caracteriza-as. Os solos sao comuns no baixo planalto,
dissecado pelo rio Impamputo, entre o Libombos e o Pequenos
Libombos.

7.8.2.2. Conceito central

Sao solos de 0.3-1.5 m de espessura, castanho-avermelhados, muito


argilosos e geralmente pouco profundos (0.3 - 1 m) . Sao
maioritariamente desenvolvidos, in situ (nao ha transporte de
material), em basaltos meteorizados. A iluviagao de argila precede
a formagao de um horizonte diagnóstico argilico ou cambico. Pedagos
•de rocha decomposta sao raros no solo. Uma camada espessa de
basalto meteorizada, com a profundidade muda em fragmentos basaltos
parcialmente decompostos. A associagao é dividida em 3 fases,
segundo a profundidade:
Bv 1: > 100 cm de solo vermelho acima de basalto meteorizado.
Bv 2: 50-100 cm de solo vermelho acima de basalto meteorizado.
Bv 3: 30-50 cm de solo vermelho acima do basalto meteorizado (fase
deigada).

7.8.2.3. Classificagao do solo

FAO (1974) FAO(1988)


- Luvic Phaeozems - Luvic Phaeozems
- Luvic ou Haplic Xerosols * - Ferric Lixisols *

i
142
USDA
- Pachic ou Vertic Argiustolls
- Torrertic Argiustolls
- Ustollic Haplargids *
- Torroxic Haplustolls, muito fino, misturado ou caulinitico,
hipertérmico.
*)dominante
7.8.2.4. Variacao das caracteristicas
A fase profunda: Bv 1
O horizonte A é ócrico ou mólico; 10-30 cm de espessura; preto,
vermelho sombrio, vermelho muito sombrio, castanho-avermelhado
escuro, castanho escuro, castanho muito escuro; franco-argilo-
arenoso a argiloso; moderado a forte, medio a grosseiro, anisoforme
subangular, separando-se em moderado, fino a medio granular; ou
moderado medio prismatico; ligeiramente duro a extremamente duro,
firme, pouco pegajoso a pegajoso, pouco plastico a plastico; sem
efervescência; porosidade elevada a moderada; algumas vezes com.
poucos fragmentos de basaltos meteorizados; transicao ondulada ou
plana, abrupta ou nitida.
Os horizontes E, AB, BA ou BI, podem estar presentes: espessura de
10-55 cm; vermelho sombrio, vermelho muito sombrio, castanho-
avermelhado escuro, vermelho; franco-argiloso a argiloso; moderado
a forte, fino a medio prismético, separando-se em moderado a forte,
medio a grosseiro, anisoforme (sub)angular, algumas vezes tornando-
se granular muito fino, ligeiramente a extremamente duro, firme a
muito firme, .plastico a muito plastico, pegajoso a muito pegajoso;
sem efervescência; muitas vezes com peliculas de argila em
manchas, finas, e manchas organicas pouco evidentes nas paredas dos
agregados; algumas vezes com muito pouco cascalho fino meteorizado
e subangular; porosidade moderada; algumas vezes com pequenas
fendas verticais; transicao abrupta a gradual, plana ou ondulada.
O horizonte B(2) é argllico ou cambico e alcanca uma profundidade
de mais de 1 m; vermelho sombrio, vermelho muito sombrio, castanho-
avermelhado, castanho-avermelhado escuro, vermelho escuro;
argiloso; moderado a forte, fino a grosseiro prismatico, separando-
se em fraco a moderado, fino a muito grosseiro granular, ou fraco
a moderado, medio a grosseiro, anisoforme (sub)angular;
ligeiramente a extremamente duro, firme a muito firme, pegajoso a
muito pegajoso, pléstico a muito plastico; algumas vezes
verticalmente rachado; geralmente com distintas, delgadas peliculas
de argila, em manchas finas, ou continuas; porosidade moderada;
algumas vezes com pouco cascalho basaltico meteorizado subangular;
outras vezes com algumas a abundantes concregöes de óxido de
ferro, finas a médias, brandas a duras, arredondadas ou
irregulares; transicao ondulada, gradual ou nitida.
Algumas vezes com manchas ferruginosas, pouco evidentes
avermelhadas e amareladas (fragmentos basalticos meteorizados);
i
143
outras vezes com raras a abundantes concrecöes calcareas
irregulares médias a grosseiras em direcgao a base do horizonte.
Um horizonte de transicao BC delgado, (10-30 cm) pode existir,
comparavel ao horizonte B, mas com una alta percentagem de lascas
basélticas angulares.
A camada basaltica meteorizada é castanho escuro, com inclusöes
verde escuras; o substrato é irregularmente fragmentado: brando,
muito meteorzado e cascalho duro com manchas metalicas, escuras
Algumas vezes misturado com finas a médias concrecöes de óxido de
ferro, irregulares a arredondadas, macicas a duras; outras vezes
misturado com carbonato de calcio secundario, brando ou congregado.
Nota: uma linha de pedras de pouca espessura pode estar presente no
perfil.
A fase moderadamente profunda: Bv2
O horizonte A é ócrico ou mólico; 10-30 cm de espessura; preto,
castanho muito escuro, castanho-avermelhado muito escuro, vermelho
sombrio, vermelho muito sombrio, castanho-avermelhado escuro,
castanho-acinzentado escuro; franco argiloso a argiloso; fraco a
moderado, granular medio) ou fraco a forte, medio a muito
grosseiro, anisoforme (sub)angular, ou moderado, prismatico
grosseiro; ligeiramente duro a duro, firme, plastico, e pegajoso;
sem efervescência; transicao ondulada ou plana, nitida ou abrupta.
Um horizonte E, AB, BA ou BI pode estar presente: 10-35 cm de
espessura; vermelho sombrio, castanho-avermelhado escuro, vermelho
muito sombrio; franco-argiloso a argiloso; moderado, fino a medio
prismótico, separando-se em moderado a forte, medio a grosseiro,
anisoforme (sub)angular, algumas vezes separando-se em granular
muito fino; ligeiramente duro a muito duro, firme, plastico a muito
pléstico, pegajoso a muito pegajoso; sem efervescência; geralmente
com finas pellculas de argila nas paredas dos agregados em manchas,
ou uma ligeira coloraqao organica, algumas vezes com muito poucos
fragmentos finos de cascalho, subangulares de cor laranja-
amarelada, porosidade moderada; algumas vezes rachado verticalmente
ligeira a moderado; transicao ondulada ou plana, abrupta a.gradual.
O horizonte B é um argilico ou um cambico e alcanca uma
profundidade de 50-100 cm; castanho-avermelhado escuro ou vermelho
sombrio; franco-argiloso ou argiloso; moderado a forte, medio a
grosseiro, anisoforme (sub)angular, ou fraco a moderado, fino a
grosseiro prismético; duro a estremamente duro, firme, pegajoso a
muito pegajoso, plastico a muito plastico; algumas vezes com finas
manchas de pellculas de argila; algumas vezes com poucas manchas
ferruginosas, vermelho-amareladas (fragmentos de basalto
meteorizados); outras vezes com raras a abundantes concrecöes
calcareas irregulares, médias a grosseiras era direcgao a base do
horizonte; algumas vezes ligeiramente a fortemente rachado,
verticalmente; transicao plana, abrupta a gradual.
144
Geralmente existe urn horizonte BC de 10-30 cm de espessura, com
pedacos irregulares de rocha deteriorada rottonrock e com muitos
fragmentos basalticos angulares; o substrato é progressivamente
mais meteorizado e geralmente é composto por cascalho fino com
abundantes manchas metalicas escuras; algumas vezes misturadas com
carbonato de calcio secundério : brando ou congregado; algumas
raizes médias podem penetrar até uma profundidade de 1 m.
A fase superficial (pouco profunda): Bv3
O horizonte Ah é ócrico ou mólico; 5-20 cm de espessura; preto,
castanho-avermelhado muito escuro, castanho-avermelhado escuro;
franco-argiloso a argiloso; fraco a moderado, fino a grosseiro,
anisoforme (sub)angular, separando-se em granular fino; brando a
duro, friével a firme; pouco pegajoso a pouco plastico; sem
efervescência; transicao plana, nitida a abrupta.
O horizonte B é um argilico ou urn cambico; com cerca de 25 cm de
espessura; castanho-avermelhado escuro; franco argiloso a argiloso;
fraco a moderado, fino a grosseiro, anisoforme (sub)angular,
separando-se em granular ou também moderado, medio prismatico ;
algumas vezes com poucas a frequentas, concrecöes de óxido de
ferro, brandas a duras, finas a grosseiras; sem efervescência;
geralmente com peliculas de argila, finas e em manchas; algumas
vezes com ligeiramente rachadas verticais; transicao plana, nitida
a gradual.
Geralmente ha um horizonte BC de transicao (10-40 cm), com
fragmentos de rocha deteriorada e finos pedacos angulares de
basalto, em cima duma rocha basaltica fragmentada; fraco a
moderado, pseudo-estruturas granulares desenvolvidas apartir de
basalto esfoliado: facilmente quebravel, com faces multi-coloridas;
pode ter 20% de terra fina; algumas raizes médias alcancam uma
profundidade de 1 m; algumas vezes com abundantes concrecöes de
óxido de ferro, irregulares, ligeiramente duras a duras, finas a
grosseiras (azul escuras, amareladas, meteorizados); outras vezes
misturadas com carbonato de calcio secundario: brando ou
congregado.

Caracteristicas dos solos Bv


caracteristicas solo subsolo
superficial (50-100 cm)

pH agua 4.8 - 6.5 5.0 - 7.5

Mat. org. % 2-6 -

C E mmhs/cm 0 - 1.0 0.0 - 1.1

PST % 1 - 2.3 1-6


145
CTC meq/lOOg 9.5 - 32 10 - 29

SB % 67 - 98 79 - 100

N % 0.06 - 0.20 -

Pass rag/100 g 2.0 - 4.4 -

CTC argila meq/lOOg - 17 - 37

7.8.2.5. Veaetacao das planicies basalticas


agrupamento de solos Bv, Bp e BI.
Mata aberta tipicamente caduca a semi-caduca,
paisagem coberta de erva doce a arvores espinhosas:
+ Acacia nigrescens; (Bv)
- Acacia subalata;
- Acacia burkei;
- Acacia heteracantha;
+ Combretum imberbe (monzo); (Bv, Bp, BI)
+ Sclerocarya caffra (canho); (Bv)
- Longocarpus capassa;
- Lannea discolor (Chumbocanho);
- Ziziphus mucronata (Muxo);
+ Dichrostachys cinerea (Tzenga). (BI)
+ Acacia xanthophloca (chifuca) (Bp)
A cobertura vegetal de graminea consiste em:
+ Panicum max,imum; (Bv, Bp, BI)
+ Setaria esp.;
+ Themeda (dominante); (Bv, Bp, BI)
- Urochloa.
(Barradas, 1962; Sé e Melo Marques, 1976)
Arvores de savana:
- Sclerocarya caffra;
- Acacia nigrescens;
- Acacia spirocarpa;
- Acacia arabica, var. krausiana.
Cobertura vegetal de qramineas:
Themeda, Panicum e Setaria
Mata brenhosa:
- Spirostachys africana (Chilangamacho);
- èiziphus mucronata (Muxo).
Gramineas de savanas;
- Themeda;
- Panicum;
- Setaria.
146
7.8.2.6 Perfil tipico dos solos basalticos vermelhos.
agrupamento de solos Bvl
Perfil : 77
Fonte : Levantamento de solos da Provincia de Maputo
Data : 1961
Classificagao (tentativa):
- FAO: Luvic Phaeozem
-USDA: Torrertic Argiustoll, muito fino, caulinitico ou
misturado, isohipertérmico.
Localizacao: mapa 1192, Goba; planalto basaltico a sudeste de Goba,
Este do monte Mungolane (26° 14' 20" S, 32° 10' 05" E ) .
Fisiografia: planalto baséltico quase plano avistando o vale do rio
Umbeluzi. '
Topografia: declive < 1 %
Elevacao: 90 m acima do nivel do mar (45 m acima do Rio Umbeluzi).
Drenagem: externa - boa
interna - boa
Humidade: Seco até 90 cm; quase seco a profundidade > 90 cm.
Descricao
Ah; O a 15 cm
Vermelho sombrio (10 R 3/3), quando seco, vermelho muito sombrio
(10 R 2/2), quando hümido; argiloso; moderado, medio, anisoforme
subangular; ligeiramente duro; sem efervescência; raizes finas a
médias abundantes; poucas raizes grossas.
BI : 15 a 90 cm
Vermelho sombrio (7.5 R 3/2), quando seco e hümido;argiloso; forte
a moderado, prismético grosseiro; muito duro; sem efervescência;
raizes finas, poucas a abundantes; raros fragmentos de cascalho
esférico, preto, de 0,3 cm de diametro (identicas as concrecöes de
ferro); com ligeiro fendilhamento vertical.
Bt2:90 a 150 cm ou mais
Vermelho sombrio (10 R 3/2), quando hümido e seco; argiloso;
moderado a forte, prismético, medio; extremamente duro; sem
efervescência; poucas raizes médias; raras pedras esféricas e
pretas; peliculas de argila moderadamente evidentes.
Nota; Os horizontes Ah e B, (0-90 cm) formam urn horizonte mólico;
Os horizontes BI e B2 (15-150 cm) formam urn horizonte argilico.

Prof. > 2mm % areia % areia % limo %argila Textura % carbo


(cm) (%) grossa fina 0.2 0.05- < 0.002 USDA natos
2-0.2mm -0.05mm 0.002mm mm

0-10 0.4 2.9 9.5 16.9 70.7 Arg 0


20-50 0.2 1.7 4.4 13.5 80.4 Arg 0
50-80 0.2 1.1 7.1 11.1 80.7 Arg 0
147
100-150J0.3 1.5 7.2 13.7 77.6 Arg 0

E.C. E.C. 1/3 15 bar pH agua pH KC1 P ass P tot.


1:2.5 sat.p. bar mg/lOOg mg/lOOg
mmh/cm mmh/cm (%) (%)
0.5 29.9 21.4 6.1 5.7 3.2 80.0
0.2 22.1 24.2 ? 6.2 5.8 1.8 49.6
0.3 33.4 24.2 ? 5.6 5.5 1.0 44.8
0.4 35.4 24.6 5.7 5.5 0.8 51.2

Bases de troca meq/lOOg ' H + Al CTC Sat. Densid.


meq/lOOg meq/ bases aparen-
Ca Mg K Na lOOg (%) te

6.75 5.76 1.50 0.24 3.85 18.10 79 1.02


6.86 6.30 0.90 0.50 3.02 17.58 83 0.94
7.62 7.83' 0.74 1.02 2.39 19.60 88 1.07
9.04 8.37 0.68 1.28 2.08 21.45 90 . 1.10

Mat. C. N razao CTC arg Porosi-


Org. org. C/N PST areia meq/ dade
(%) (%) (%) (max) g/f lOOg

3.3 1.90 0.157 12.1 1.3 0.3 16 56.5


1.8 1.04 0.091 ' 11.9 2.8 0.4 17 56.5
1.3 0.79 0.072 10.7 5.2 0.2 21 54.8
0.9 0.52 0.050 10.1 5.9 0.2 25 55.3

7.8.2.6.1 Perfil tipico dos solos basalticos vermelhos.


agrupamento de solos Bv2

Perfil : 87
Fonte : Levantamento de solos da Provincia de Maputo
>Data : 22/03/61
Classificacao (Tentativa):
- FAO: Luvic Phaeozem
- USDA: Torrertic Argiustoll ou Torroxic Haplustoll,
i muito fino, caulinitico ?, isohipertérmico.
Localizacao: mapa 1 1 9 2 , Goba: Oeste dos Pequenos Libombos (Sica)
(26° 09' S, 32° 13'30" E) .
Fisiografia: planalto basaltico quase plano na parte baixa dos
declives a Oeste dos Pequenos Libombos, avistando o vale
do Umbeluzi.
Topografia: inclinacao 0.5 - 1 %
Elevacao: 58 m acima do nivel do mar (33 m acima do rio U m b e l u z i ) .
Drenagem: externa - boa
interna - boa
Vegetacao: Mata muito aberta com:
- Combretum
148
- Acacia nigrencens
cobertura vegetal de gramineas moderada, de
desenvolvimento moderado, com Themeda.
Humidade: seco

Descricao

Ap: 0 a 10 cm
Vermelho sombrio (10 R 3/3), quando seco; vermelho muito sombrio
(10 R 2/2), quando hümido^ franco argiloso; fraco a moderado,
grosseiro, anisoforme subangular; ligeiramente duro a duro; sem
efervescência; ralzes muito abundantes, finas e médias.
BA : 10 a 35 cm
Vermelho sombrio (10 R 3/3), quando seco; vermelho muito sombrio
(10 R 2/2), quando hümido; argiloso; moderado, medio prismatico;
muito duro; sem efervescência; raïzes finas e médias muito
abundantes; poucas raizes grosseiras; fendas verticais moderadas
e evidentes.

B : 35 a 90 cm
Vermelho sombrio (10 R 3/4), quando seco; (10 R 3/3), quando
hümido; argiloso; moderado, medio prismatico; duro; sem
efervescência; raizes 'finas a médias abundantes e poucas raizes
grosseiras; transicao gradual.

Cr : 90 a 135 cm ou mais
Horizonte pedregoso fino, com manchas cinzentas (basalto
meteorizado); poucas raizes na parte superior do horizonte; franco-
argilo-arenoso.
Nota: os horizontes Ap, BA e B formam um horizonte mólico; o
horizonte B pode ser um horizonte argilico (problema: nao ha
descricao de peliculas de argila), ou um horizonte cambico.
O horizonte B é um horizonte argilico (FAO, 1988)

Prof. > 2mm % areia % areia % limo %argila Textura % carbo


(cm) grossa fina 0.2 0.05- < 0.002 USDA natos
2-0.2mm -0.05mm 0.002mm mm

0-10 0.6 11.5 20.2 26.1 42.2 FrAg 0


15-30 4.4 7.8 13.9 12.2 66.3 Arg 0
40-60 0.3 5.4 8.9 12.4 73.3 Arg 0
60-80 0.2 5.4 11.9 19.0 63.7 Arg 0
100-130 28.5 15.1 36.3 24.2 24.4 AgAr 0

E.C. E.C. 1/3 15 bar pH agua pH KC1 P ass P tot.


1:2.5 sat.p. bar mg/lOOg mg/lOOg
mmh/cm mmh/cm (%) (%)
0.7 27.3 17.1 6.5 5.8 3.2 97.6
149
0.3 28.1 19.7 ? 5.9 5.3 1.8 86.0
0.3 29.3 20.4 ? 5.1 5.6 2.0 74.4
0.3 29.6 20.4 6.3 5.8 0.8 64.0
0.4 26.0 15.3 ? 5.9 6.0 132.8

Bases de troca meq/lOOg H + Al CTC Sat. Densid.


meq/lOOg meq/ bases aparen-
Ca Mg K Na lOOg (%) te

8.24 6.27 1.30 0.19 1.87 17.87 90 1.15


8.56 6.05 0.82 0.24 2.18 17.85 88 1.17
8.78 6.16 0.28 0.30 1.46 16,.98 91 1.11
9.65 6.11 0.22 0.36 0.83 lé>. 17 93 1.14
17.12 10.57 0.26 0.66 0.21 28.84 99 1.21

Mat. C. N razao CTC arg Porosi-


Org. org. C/N PST areia meq/ dade
(%) (%) (%) (max) g/f lOOg (%)

4.3 2.5 0.161 15.4 1.1 0.6 22 53.2


2.7 1.6 0.116 13.3 1.3 0.6 26 52.3
1.8 1.0 0.085 ' 12.0 1.8 0.6 22 52.8
1.3 0.8 0.070 10.9 3.2 0.5 17 52.5
0.4 0.2 0.024 10.0 2.3 0.4 115 52.5

7.8.2.6.2 Perfil tipico dos solos basalticos vermelhos.


agrupamento de solos Bv3

Perfil: 2215 (RJ22, R15)


Fonte : Montreal Engineering Company, estudo do bacia do rio
Umbeluzi
Data: 1981
Classificacao (tentativa):
- FAO: Luvic Phaeozem, fase litica.
- USDA:Lithic Argiustoll ou Lithic Haplustoll, argiloso,
misturado, isohipertérmico
Localizacao: mapa Goba, Leal e Irmaos (26° 03'20" S, 32° 10'20" E ) .
Fisiografia: planalto basaltico quase plano, 30 m acima do Rio
Impamputo.
Topografia: inclinacao 0 - 1 %
Elevagao :. 70 m acima do nivel do mar
Drenagem: externa - boa ?
interna - moderada a boa
Humidade: seco

Observacöes: profundidade das raizes de 60 cm.

Descricao
150
Ap : 0 a 12 cm
Castanho-avermelhado escuro (5 YR 3/4), quando seco; (2.5 YR
3/3)/quando humido; argiloso; estrutura raoderada, grosseira,
anisoforme subangular a granular fina; duro, ligeiramente pegajoso,
ligeiramente plastico, raizes abundantes, finas e muito finas;
porosidade elevada a moderada; algum cascalho; transicao plana e
nitida. '
BI; 12 a 36 cm
Castanho-avermelhado escuro (2.5 YR 3/3), quando seco e
humido;franco argiloso; estrutura moderada a fraca, grosseira,
anisoforme subangular, separando-se em granular; friavel; raizes
muito finas abundantes; porosidade moderada; pouco cascalho
subarredondado; transicao ondulada e nitida.
B2: 36 a 48 cm
Castanho-avermelhado escuro 2.5 Y R 3/3), quando seco e (10 R 3/3),
quando humido; argila pedregosa; estrutura moderada, grosseira a
granular muito grosseira; ligeiramente duro, pegajoso, plastico;
raizes muito finas aburidantes; porosidade moderada a elevado; 30%
de cascalho subarrendondado; algumas pedras arredondadas; transicao
gradual e irregular a ondulada.
Cr; 48 a 68 cm
Basalto esfoliado, cinzento escuro (N3/10), quando seco; vermelho
(2.5 Y R 4/6), quando seco; amarelo (10 Y R 7/6), quando seco;
pouca porosidade; 80-90% de pedras redondas angulares, pedras e
cascalho; espacos intersticiais ocupados por argila.

Nota: o horizonte B2 (36-48 cm) pode ser um argilico (problema: nao


foi feita a descrigao das peliculas de argila); ou um horizonte
cambico; os horizontes A, BI e B2 formam um horizonte mólico.
O horizonte B2 é um horizonte argilico (FAO, 1988)

Prof. > 2mm % areia % areia % limo %argila Textura % carbo


(cm) (%) grossa fina 0.2 0.05- < 0.002 USDA natos
2-0.2mm -0.05mm 0.002mm mm

0-12 8.6 8.1 34.1 49.2 Arg


12-36 25.5 5.8 34.4 34.3 FrAg
36-48 • 9.3 6.1 29.3 55.3 Arg
1
48-68 14.7 10.2 38.5 36.6 Arg

E.C. E.C. 1/3 15 bar pH agua pH KC1 P ass P tot.


1:2.5 sat.p. bar mg/lOOg mg/lOOg
mmh/cm mmh/cm (%) (%)

< 0.4 7.7 0.3


< 0.4 8.1
< 0.4 7.9 -
< 0.4 7.4
151

Bases de troca meq/lOOg H + Al CTC Sat. Densid.


meq/lOOg meq/ bases aparen-
Ca Mg K Na lOOg (%) te
i

8.4 3.0 0.74 0.28 4.8 17.2 72 1.24


9.2 4.6 0.52 0.31 4.4 19.0 77 1.19
10.7 2.4 0.11 0.37 3.7 17.3 79 1.21
13.4 4.6 0.12 0.53 2.9 21.5 87

Mat. C. N razao CTC arg


Org. org. C/N PST areia meq/ RAS
(%) • ( % ) (%) (max) g/f lOOg

3.7 2.15 0.019 11.3 1.6 1.1 20


3.0 1.74 1.6 4.4 37
2.5 1.45 2.1 1.5 22
1.7 0.99 2.5 1.4 49

7.8.2. Os solos basélticos pretos


agrupamento de solos Bp

7.8.2.1. Descricao do terreno

Os solos basalticos pretos sao comuns na planïcie ao sul da Moamba.


A agua proveniente das terras altas, drena era direccao as terras da
planïcie baséltica mal drenada e suavementë inclinada para Este
onde a evaporacao agrava localmente as condicöes dos solos com
elevado grau de salinidade e sodicidade.
7.8.2.2. Conceito central

Os solos pretos (10 YR; 7,5 YR; 5 YR 2-3/1), sao muito argilosos e
periodicamente secos no inverno. Os minerais de argila sao do tipo
expansivo e montmorilonitica, fendas verticais (2 cm de largura)
sao comuns bem como superficies de escorregamento e "self-
mulching". Manchas de cal em pó ou concregöes calcareas congregado
sao geralmente presentes no subsolo. Uma espessa camada de rocha
deteriorada (geralmente com > 70 cm de espessura) separa o solo da
rocha inalterada.

A associagao é dividida em 3 fases, segundo a profundidade

Bp 1: > 100 cm de profundidade; fase profunda


Bp 2: 50 - 100 cm de " ; fase moderadamente profunda.
Bp 3: 3 0 - 5 0 cm " " ; fase delgada

7.8.2.3. Classificacao de solos

FAO (1974) FAO (1988)


- Pellic Vertisols. *(fase salino/sódico) - Calcic Vertisols *
NVJEX.V

152
Vertic Cambisols Vertic Cambisols
Calcaric ou Haplic Phaeozems Calcaric ou Haplic
i Phaeozems
Luvic, Calcic ou Haplic Chernozems Luvic, Calcic ou
(fase salino-sódica) Haplic chernozems
(fase salino-sódica)

USDA
- Mollic Torrerts *
- Paleustollic Torrerts
- Aridic Pachic Argiustolls, muito fino, misturado, hipertérmico.
- Torrertic Haplustolls
* dominante
7.8.2.4. Variacao das caracteristicas
O horizonte A é ócrico ou mólico; 10 - 20 cm de espessura; preto,
cinzento muito escuro;' argilo limoso a argiloso; moderado a forte,
fino a grosseiro, anisoforme (sub)angular, ou prismatico, ou
moderado, grumoso; fortemente rachado verticalmente; os agregados,
quando quebrados, dividem-se em pedacos granulares duros (self-
mulching); geralmente com superficies de escorregamento;
ligeiramente duro a extremamente duro, firme a muito firme,
pegojoso a muito pegajoso; plastico a muito plastico; porosidade
moderamente elevada; raramente com poucas e finas manchas de cal e
pouco cascalho subarredondado; as vezes com raras, brandas e finas
concrecöes calcareas; transicao plana e abrupta.

Os horizontes Cl ou BI alcancam uma profundidade de 50 - 86 cm;


castanho acinzentado muito escuro, preto, cinzento escuro,
cinzento, cinzento muito escuro, um tanto avermelhado (5 YR 3/2)
próximo da transigao para os solos vermelhos argilosos; muito
argiloso; moderamente alcalino; salino ou nao-salino; muito forte
a moderado, fino a grosseiro prismatico, separando-se em forte,
fino a grosseiro, anisoforme angular, também colunar grosseiro;
duro a extremamente duro, muito firme a extremamente firme,
pegajoso a muito pegajoso, plastico a muito plastico; sem a forte
efervescência; algumas a varias concregöes calcareas, brandas a
duras, finas a médias e irregulares ou manchas brandas de cal;
poucos a muito poucos poros finos; porosidade moderada a elevada;
peliculas de argila moderadamente espessas, largas superficies de
escorregamento, abundantes e comuns; largas fendas verticais;
transigao plana e gradual.

O horizonte C2 ou B2 é cinzento muito escuro, cinzento escuro,


castanho muito escuro, castanho escuro; argiloso; estrutura
moderada a forte, média a grosseira prismatica , separando-se em
moderada a forte, média a muito grosseira, anisoforme angular; duro
a extremamente duro, firme a extremamente firme, muito pegajoso a
muito plastico; porosidade moderada; alguns poros muito finos; sem
a forte efervescência; concrecöes calcareas, finas a médias,
irregulares, brandas a duras, comuns a abundantes; pode haver pouco
cascalho subangular; geralmente superficies de friccao e material
153
transportado do horizonte ,A; salino e sódico; transicao plana e
nitida.

O basalto meteorizado pode atingir uma profundidade de 2 m, é mais


profundo, que no caso dos solos argilosos vermelhos; algumas
estruturas rochosas sao visiveis; forte efervescência; material
calcareo, rocha meteorizada e argilas do horizonte acima estao
misturados (com cores: esverdeada, amarelada, acastanhada e azul
escura) com material calcareo congregado.

Caracteristicas de solos Bp

caracteristicas solo subsolo


superficial (50-100 cm)

pH agua 6.5 - 7.5 7.0 - 7.5

Mat. org. % 1.5 - 6 -

C E mmhs/cm 0 - 2.0 1-8

PST % 2 - 8 4-20

CTC meq/lOOg 39 - 75 36 - 75

SB % 95 - 100 100

N % 0.10 - 0.30 -

Pass, mg/100 g 2.0 - 4.0 -

CTC argila meq/lOOg - 75 - 88

7.8.2.5 Perfil tipico dos solos basalticos pretos


ag'rupamento de solos Bp
Perfil: 215
Fonte: Levantamento de solos da Provïncia de Maputo.
Data: 01/07/61
Classificagao (Tentativa):
- FAO: Calcic Vertisol ou Luvic (Calcic, Haplic) Chernozem,
fase sódica
- USDA: Mollic ou Paleustollic Torrert, ou Aridic Pachic
Argiustoll (Calciustoll, Haplustoll), muito fino,
misturado, hipertérmico.
Localizacao: Mapa 1193, Boane, Maubo, sudeste do Monte Xitiue,
Pequenos Libombos (26° 14' 50" S, 32°17' 20" E ) .
Fisiografia: parte inferior da planicie quase plana a Este dos
Pequenos Libombos.
Topografia: Declive de menos de 1 %.
I 154
Elevagao: 60 m acima do nivel do mar
Drenagem: externa - ma
interna - moderada
Vegetacao: Mata aberta com:
Corabretum e outras arvores espinhosas, muito dispersas,
algumas vezes arbustos.
Humidade: quase seco.

Descricao:

Ah : O a 10 cm
Preto (2.5 Y 2/0), quando seco e hümido; argiloso; estrutura
anisoforme angular; forte, média; duro; sem efervescência; raizes
finas e médias abundantes.

B: 10 a 60 cm
Preto (2.5 Y 2/0), quando seco e hümido; argiloso; estrutura
prismatica, média, forte a moderada; duro, muito firme; sem
efervescência; raizes abundantes finas a médias.

Crk: 60 a 130 cm
Material original terra branca calcareo, com forte efervescência;
sem raizes; peliculas de argila moderadamente evidentes.

Nota: Os horizontes Ah e B formam um horizonte mólico; o horizonte


B poderia ser um argilico (peliculas argilas só foram descritas no
horizonte C ) ; o solo pode ser um Vertisol, mas nao ha descrigao de
fendas.

Prof. > 2mm % areia % areia % limo %argila Textura % carbo


(cm) (%) grossa fina 0.2 0.05- < 0.002 USDA natos
2-0.2mm -0.05mm 0.002mm mm

0-10 0.0 5.3 4.9 17.1 72.7 Arg 0.8


20-50 0.2 4.3 7.8 12.1 75.8 Arg 1.5

E.C. E.C. 1/3 15 bar pH agua pH KC1 P ass P tot.


1:2.5 sat.p. bar mg/lOOg mg/lOOg
mmh/cm mmh/cm (%) (%)

59.8 40.9 7.3 6.3 3.5 -


0.8 77.9 40.5 7.8 6.6 1.7

Bases de troca meq/lOOg H + Al CTC Sat. Densid.


meq/lOOg meq/ bases aparen-
Ca Mg K Na lOOg (%) te

48.0 19.8 1.36 3.5 0.0 72.66 100 1.07


52.5 4.5 0.48 5.3 0.0 62.78 100 1.01
I

155
Mat. C. N razao CTC arg Poro-
Org. org. C/N PST areia meq/ sidade
(%) (%) • (%) (max) g/f 1 100g| (%

5.4 3.13 0.272 11.6 4.8 1.1 85 66.8


3.1 1.78 0.101 17.6 8.4 0.6 75 65.2

7.8.3.Os Solos Basalticos liticos.


agrupamento de solos BI.

7.8.3.1. Descricao do terreno

Estes solos, liticos desenvolvidos em basaltos tem sido truncados


estao situados geralmente em inclinacöes Ingremes com paisagens
ligeiramente ondulada, a Oeste da planicie ao sul de Moamba (com
vertisolos) declive de 1 - 8 %

7.8.3.2. Conceito Central


Menos de 30 cm de solo cobre os basaltos meteorizados. Existe uma
grande variacao de texturas e cores de solos. A rocha finamente
pedregosa a granular meteorizada foi influenciada pela iluviacao de
argila dos antigos horizontes de solo acima.
i
7.8.3.3.Classificacao do solo

FAO (1974) FAO (1988)


- Eutric Regosols * - Lithic Leptosols
- Lithosols - Eutric Leptosols *

USDA
- Lithic Ustic Torriorthents, franco esquelético,
misturado, hipertérmico.
*dominante

7.8.3.4. Variacao das caracteristicas


O horizonte A é ócrico; 5 - 15 cm de espessura; cinzento muito
escuro, castanho-escuro, preto, vermelho sombrio, vermelho muito
sombrio, castanho-avermelhado escuro; franco-arenoso a argiloso;
estrutura fraca a forte, fina a grosseira, anisoforme (sub)angular,
ou forte, granular fina a média; brando a duro, firme; sem
efervescência; algumas vezes com manchas ferruginosas laranja-
castanho-acinzentadas; com uma quantidade variavel de cascalho
basaltico fino e (sub)angular.
0 substrato meteorizado tem mais de 1 m de espessura e consiste de
cascalho meteorizado fino e irregular e terra fina, com cores
metélicas escuras; algumas vezes calcareas acima do basalto
fragmentado.

i
156
Caracteristicas de solos BI

caracteristicas solo subsolo (*)


superficial (50-100 cm)

pH agua 5.5 - 7.0

Mat. org. % 1.0 - 6

C E mrahs/cm 0 - 2.0

PST % 0-8

CTC raeq/lOOg 14 - 27

SB % 88 - 92

N % 0.15 - 0.23
Pass mg/100 g 2.0 - 6.0

CTC argila meq/lOOg 29 - 49

(*) rocha meteorizada

7.8.3.5 Perfil tipico dos solos basalticos llticos


agrupamento de solos BI

Perfil: 970
Fonte: Levantamento de solos da Provlncia de Maputo.
Data: 26/02/63
Classificacao (tentativa: nao ha dados suficientes):
- FAO: Eutric Leptosol
- USDA: Lithic Ustic Torriorthent, limoso esqueletico, misturado,
hipertérmico.
Localizacao: Mapa 1193, Boane; Este do Monte Guanguane, a direita
dos bancos do rio Umbeluzi. (26° 03' 20" S, 32° 16'
20" E ) .
Fisiografia: Extremidade do planalto basaltico, suavemente
ondulado, a direita dos bancos do rio Umbeluzi.
Topografia: inclinacao 1 %
Elevacao: 30 m acima do nivel do mar (15 m acima do rio)
Drenagem: externa - boa
interna - moderada
Vegetacao: Mata fechada com clareiras (sïtios abertos);
maioritariamente érvores espinhosas, algumas
Sclerocorya caffra (canho).
Humidade: seco

Descricao

i
157
Ahg: O a 10 cm
Castanho (10 YR 3/4), quando o solo esta quase seco; castanho muito
escuro (10 YR 2/2), quando hümido; franco arenoso; com cascalho
fino; estrutura fraca<a moderada, média, anisoforme subangular;
friavel; sem efervescencia; muitas raizes finas e médias; manchas
ferruginosas, castanhas e abundantes.

CAr: 10 a 50 cm
Cascalho basaltico irregular e subarredondado, misturado em cima
com material do horizonte A; sem efervescencia; algumas raizes
finas e médias.
R: 50 cm ou mais
Basalto

Prof. > 2mm % areia % areia % limo %argila Textura carbo


(cm) (%) grossa fina 0.2 0.05- < 0.002 USDA natos
i
2-0.2mm -0.05mm 0.002mm mm %

0-10 19.4 52.3 28.5 7.4 11.8 frAr 0.0

E.C. E.C. 1/3 15 bar pH agua pH KC1 P ass P tot.


1:2.5 sat.p. bar mg/lOOg mg/lOOg
mmh/cm mmh/cm (%) (%)

0.4 11.0 4.7 5.6 4.3 2.8 28.8

Bases de troca meq/lOOg H + Al CTC Sat. Densid.


meq/lOOg meq/ bases aparen-
Ca Mg K Na lOOg (%) te

1.41

Mat. C. N razao CTC arg Poro-


Org. org. C/N PST areia meq/ sidade
(%) (%) (%) (max) g/f lOOg (%)

1.9 1.1 0.102 10.6 1.8

7.9. OS SOLOS RIOLITICOS


7.9.1. Os solos rioliticos vermelhos
agrupamento de solos Rv

i
158

7 . 9 . 1 . 1 . Descricao do 'terreno
Estes solos cercam a vila da Namaacha, no alto planalto dos
Libombos. Mesmo no planalto, a erosao removeu uma parte importante
daqueles solos.
Os locais mais importantes onde os solos se conservaram foi na
Namaacha e Matianine (Norte da Namaacha).
7.9.1.2. Conceito Central
Estes sao solos profundos, castanho-avermelhado, argilosos, com
caracterlsticas de Nitosolos, mas sem a espessura necessaria e com
propriedades férricas (FAO,1974).
Ha eluviagao de argila para o horizonte B.
Podem ser encontrados concrecöes pisolïticas de óxido de ferro e
mesmo camadas endurecidas de óxidos de ferro nas partes basais do
perfil.
7.9.1.3. Classificacao de solos
FAO (1974) FAO (1988)
- Ferralic Cambisols
- Rhodic Ferralsols - Ferric Lixisols (*)
- Ferric Luvisols *
USDA
- Udic Ustochrepts
- Oxic Rhodustalfsf*).fino. caulinitico, térmico
- Tropeptic Eutrustox
*dominante
7.9.1.4. Variacao das caracterlsticas
0 horizonte A é ócrico; 15 a 30 cm de espessura; castanho-
avermelhado escuro, vermelho muito escuro; argilo arenoso a
argiloso; estrutura forte a fraco, medio a fino anisoforme
subangular; pouco duro a muito duro; friavel a firme, pouco
plastico a pouco pegajoso, sem efervescência, com transicao plana
e abrupta.
O horizonte B é argilico e alcanca o substrato riolitico
meteorizado numa profundidade de menos de 1,5 m; vermelho escuro,
castanho-avermelhado escuro, amarelado muito escuro; argiloso a
franco-argiloso; moderado a forte, medio a grosseiro, anisoforme
(sub) angular; duro a muito duro, firme, plastico e pegajoso; sem
efervescência; geralmente com abundantes e duras concregöes
arredondadas de óxidos de ferro, finas a médias, perto da base;
finas pellculas de argila quebradicas; transicao plana a ondulada,
nitida a abrupta. '
O substrato meteorizado pode ser pedregoso ou pulveroso (cheio de
pó) com espessura de 0,5 a lm: a rocha riolitica meteorizada é
usualmente fragmentada com cores avermelhadas e amareladas.
159
Caracteristicas de solos Rv
caracterlsticas solo subsolo
superficial

pH agua 5.5 - 6.5 5.5 - 7.0

Mat. org. % 2-6 -

C E mmhs/cm 0 - 1.5 0-1

PST % 0-1 0-5

CTC meq/lOOg 15 - 20 5-15

SB % 75 - 90 100

N % - -

Pass mg/l00 g 10 - 15 1-5

CTC argila meq/lOOg - 5-15

7.9.1.5. Veqetacao
Floresta aberta e savana, com algumas arvores mesmo agrupamento de
solos BI.
A cobertura vegetal de gramineas consiste em:
- Themeda (dominante)
- Hyparrhenia
- Setaria
- Cymbopogon
Floresta densa existe nas sombras dos precipicios dos declives:
- Androstachys johnsonii (cimbirre, cimby, ou mecrusse)
- Afzelia quanzensis (chanfuta)
- Corabretum esp. (Barradas, 1962).
Sé e Melo (1976) descreveram a vegetacao como sendo baixa, bosques
abertos e savanas arborizadas com:
- Bolusanthus spp.
- Peltophorum africanum
- Mundulea serberosa
- Combretum zeyheri
- Combretum gueinzii
- Sclerocarya caffra
- Acacia nigrescens
- Lannea discolor (chumbocanho)
- Pterocarpus rotundifolius
160

- Bauchinia galfinii.

Nos vales hümidos de grande altitude crescem plantas verdes e


suculentas todo o ano:

Aloë, Euphorbia crassula.

7.9.1.6 Perfil tipico dos solos Rv rioliticor vermelhos.


agrupamento de solos Rv
Perfil : 1100
Fonte: Levantamento de solos da Provincia de Maputo
Data: 12/04/62
Classificacao (tentativa):
- FAO: (1988) Ferric Lixisol
- USDA: Udic Oxic Rhodustalf (proposta: Mollic), ou Udic
Ustochrept, ou Tropeptic Eutrustox; fino, caulinitico,
isohipertérmico.
Localizacao: mapa 1188, Namaacha, Oeste da estrada Namaacha -
Matianine, Confluência do Rio Pompe e o rio Guaquene (25° 57'20" S,
32° 01' 15" E ) .
Fisiografia: Ondulada, declive medio do monte Pinde.
Topografia: declive 4%
Elevacao : 450 m acima do nïvel do mar
Drenagem: externa - boa
interno - boa
Vegetacao: Perto da mata com arvores espinhosas e com algumas
Sclerocaya caffra (canho), próximo das plantacöes de milho e
tomate.
Humidade : seca.

Descricao:
Ap: 0 a 25cm
Castanho-avermelhada muito escura quando seco (5 YR 3/3); quando
hümido (5 YR 3/2); franco-argiloso; moderado, medio, anisoforme
subangular; pouco duro; sem efervescência; raizes abundantes, finas
e médias.

B: 25 a 90cm
Vermelho escuro (2.5 YR 3/6) quando seco; castanho-avermelhado
escuro (2.5 YR 3/4) quando hümido; argiloso; moderado, medio a
grosseiro, angular a anisoforme subangular; sem efervescência;
raizes comuns, finas e médias.

Cr: 90 a 140 cm ou mais


Cascalhos finos abundantes, misturados com material do horizonte
acima, com algumas pedras rioliticas, irregulares num estado
avancado de meteorizacao.
ft'ofca: o horizonte B (25-90cm) pode ser um horizonte argilico
161
(problema: nao ha descricao de peliculas de argilas), um cambico ou
óxico.
O Ap é quase um horizonte mólico (25cm)
O horizonte B é um argico (FAO, 1988)

Prof. > 2mm % areia % areia % limo %argila Textura carbo


(cm) (%) grossa fina 0.2 0.05- < 0.002 USDA natos
2-0.2mm -0.05mm 0.002mm mm %
!
0-25 2.0 18.1 41.3 38.6 ArL 0
1.0
25-55 3.7 3.8 14.6 29.4 52.4 Arg 0
55-90 12.6 5.4 9.9 20.4 64.2 Arg 0
90-140 14.8 8.0 21.9 26.6 43.5 Arg 0

E.C. E.C. 1/3 15 bar pH agua pH KC1 P ass P tot.


1:2.5 sat.p. bar mg/lOOg mg/lOOg
mmh/cm mmh/cm (%) (%)

1.1 28.1 18.6 6.6 5.3 11.7


0.2 27.6 18.8 6.1 5.3 8.4
0.1 30.0 21.3 6.2 5.3 2.2
0.1 29.2 16.8 6.4 5.2 —

Bases de troc^a meq/l()0g H + Al CTC Sat. Densid.


meq/lOOg meq/ bases aparen-
Ca Mg K Na lOOg (%) te

8.50 4.01 1.48 0.09 2.80 16.88 83 1.05


2.13 2.57 0.18 0.07 3.05 8.00 62 1.12
2.60 3.70 0.12 0.16 0.00 6.58 100 1.01
1.80 4.60 0.14 0.26 0.00 6.80 100 1.03

Mat. C. N razao CTC arg


Org. org. C/N PST areia meq/ RAS
(%) (%) (%) (max) g/f lOOg

5.2 2.94 ^ 0.5 0.1 17


2.4 1.38 0.9 0.3 6
1.5 0.87 2.4 0.5 6
0.4 0.25 3.8 0.4 14

7.9.2. Os solos rioliticos liticos


agrupamento de solos Rl

7.9.2.1. Descricao do terreno

1 Estes sao os solos liticos dos riolitos dos Libombos


paisagem dissecada é coberta por estes solos.
a maioria da

Estao situados na parte superior dos Libombos. Os solos Rl ocorrem


r

162
era declives maiores de 4%, enquanto os solos pRl cobrem o pediplano
remanascente (declive de 0 - 4 % ) .

7.9.2.2. Conceito central

Sao solos rioliticos liticos meteorizados (< 30 cm) ; a cor do solo


e textura sao variaveis: avermelhado, acastanhado, amarelado,e
textura franco a argiloso, ou sao solos pedregosos. Algumas vezes
com concrecoes de óxido de ferro ou uma camada endurecida de óxido
de ferro na base do perfil.

7.9.2.3. Classificacao do solo

FAO (1974) FAO (1988)


- Eutric Regosols * - Lithic Leptosols
- Lithosols - Eutric Leptosols *

USDA
- Lithic ou Typic Ustorthents. francoso-esquelético ou argiloso
esquelético, misturado ou caulinitico, térmico ou hipertérmico.

* dominante
7.9.2.4. Variacao das caracteristicas
O horizonte A é ócrico; 5 a 20 cm de espessura; cinzento, cinzento
claro, castanho escuro, castanho-avermelhado escuro, castanho,
castanho-acinzentado escuro; arenoso-franco a franco arenoso; fraco
a moderado, fino a medio, anisoforme (sub) angular; brando a
ligeiramente duro; sem efervescência; conteüdo variavel de
cascalho, fino, irregular e angular; transicao plana, abrupta a
nitida.

O horizonte C alcanca uma profundidade de 10 - 30 cm; cinzento,


cinzento claro; arenoso-franco a franco-arenoso; fraco, fino a
medio, anisoforme subangular; brando a pouco duro; sem
efervescência; pouco a muito cascalho riolitico angular, fino a
grosseiro; transicao plana ou ondulada, gradual ou nitida.

Uma camada de rocha meteorizada de mais de 1 m de espessura pode


estar presente, com terra fina branqueada e manchada de cor azul
escura, castanho-avermelhada e algum cascalho disperso, fino a
grosseiro, irregular ou subangular, algumas vezes misturado com
concrecoes irregulares de óxidos de ferro, duras a muito duras.
O substrato riolitico é fragmentado e levemente meteorizado, com
cores avermelhadas e amareladas.

7.9.2.5. Vegetacao

Savanas arborizadas ou matagal aberto, com:


- Combretum spp.;
- Sclerocarya caffra (canho)
163
A cobertura vegetal consiste de ervas acidas:
- Cymbopogon excavatos;
- Hyparrhenia dissoluta;
- Heterogon;
- Urelythrum;
- Schizachirum;
- Andropogon.

Caracterïsticas de solos Rl

caracteristicas topsolo subsolo


(50-100 cm)

pH agua 5.0 - 6.0

Mat. org. % 2-6

C E mmhs/cm 0 - 1.0

PST % 0-2

CTC meq/lOOg 10 - 20

SB % 50 - 70

N % -

Pass mg/100 g 5-10

CTC argila meq/lOOg 5-18

7.9.2.6 Perfil tipico dos solos rioliticos liticos,


agrupamento de solos Rl.

Perfil 1965
Fonte: Levantamento de solos da Provincia de Maputo.
Data: 27/03/63 i
Classificacao (tentativa):
- FAO: Eutric Leptosol
- USDA: Typic Ustorthent, franco esqueletico, misturado,
isohipertérmico.
Localizacao: mapa 1188, Namaacha Vale de Matianine (26° 56' S, 32°
00'15" E)
Fisiografia: planalto dissecado do Monte Ganguene, fortemente
ondulado
Topografia: declive 6 %
Elevacao : 600 m acima do nivel do mar
Drenagem: externa - boa
interna - moderada
Vegetacao: arvores dispersas e ervas
164
Hunidade: Seca
Observacöes: Na superficie encontram-se pedras irregulares e
laminar e rochas de riolito; afloramentos rochosos ocorrem perto do
perfil. '

Descricao:

Ah: 0 a 5 cm
Castanho escuro (7.5 YR 3/2),. quando seco; castanho-avermelhado
escuro (5- YR 3/2), quando hümido; franco-argilo-limoso; algum
cascalho fino; moderado, medio, anisoforme angular a subangular;
ligeiramente duro; sem efervescencia; raizes abundantes, finas e
médias.

Cr: 5 a 35 cm
Argila misturada com cascalho; poucas pedras irregulares no
horizonte de transicao; sem efervescencia; poucas raizes, finas.

r
165

7.10 OS SOLOS COLUVIONARES.

7.10.1 Os solos coluvionares derivados da Mananga


agrupamento de solos Cm

7.10.1.1 Descricao do terreno

Coluvio argiloso acumulado ao sopés, nas depressöes, nos sistemas


de drenagem fracamente inciso naquelas plataformas. A argila aqui
presente resulta da erosao do manto de Mananga.

7.10.1.2 Conceito central


Estes solos profundos, argilosos sao muito salinos e sódicos,
devido a evaporacao da agua estagnada. Sao muito duros e
fendilhados quando secos.

7.10.1.3 Classificacao do solo

FAOf19741 FAOf19881
- Mollic Solonchaks *) - Gleyic Solonchaks
- Takyric Solonchaks - Mollic Solonchaks *)
- Chromic ou Pellic Vertisols - Sodic Solonchaks
fase salina e sódica. - Calcic Vertisols
- Gleyic Solonetz (fase salina) - Gleyic ou Stagnic Solonetz
(fase salina e sódica)

USDA
- Typic Natraquolls, Typic Natrargids *)
- Typic Haplquolls.
- Typic Chromusterts.
- Typic Pellusterts.
- Aquollic Salorthids ,
- Typic Salorthids, franco fino, sobre argiloso ou muito fino,
hypertérmico, misturado.
* ) • dominante
7.10.1.4 Variacao da caracteristicas

O horizonte A e ócrico ou mólico; 10 - 50 cm de espessura;


cinzento escuro, castanho muito escuro, castanho escuro, preto;
franco-argilo-limoso, franco-argilo-arenoso, argilo-limoso,
argiloso, argilo-arenoso, franco-limoso; estrutura fraca a
moderada, média a grosseira, anisoforme (sub)angulosa;
verticalmente rachado; muito duro, muito firme, pegajosa e
plastico; com manchas abundantes, dxstintas, finas; transicao
nitida ou abrupt e plana.
O horizonte Bg é castanho-acinzentado (muito) escuro,castanho-
acinzentado, cinzento muito escuro, castanho,castanho-amarelado
escuro, castanho escuro; manchas distintas, comuns a abundantes;
franco-argilo, argilo-limoso, ou muitas vezes argila pesada;
estrutura moderado a forte, média a grosseira colunar (ou
prismatica), separando-se anisoforme angulosa, grosseira, forte;
I 166
macigo na profundidade; duro a muito duro, muito firme, pegajoso
e plastico; salino e sódico; concregöes calcareas, comuns a
abundantes, abaixa a profundidade de 100 cm brandas a duras,
pequenas a grandes, irregulares; muitas vezes nas superficies
de estrutura peliculas de argila distintes ou superficies de
escorregamento; por vezes com pequenas a médias concregöes
ferruginosas, redondas e duras.

Caracteristicas dos solos Cm


1
caracteristica solo 1 subsolo
superficial

pH agua 6.5 - 8.3 7.1 - 9.1

Mat. org. % 2 - 4.5 -

C E mmhs/cm 0.6 - 7.5 3.4 - 15.5


PST % 0.4 - 21 2-46

Satur. % 89 - 100 92 - 100

N % 0.026 - 0.175 -

Pass ppm 1.3 - 4.6 -

CTC argila meq/lOOg - 48 - 76

7.10.1.5 Veqetacao
i
Estes solos de coluvio argiloso e humido sao exclusivamente
cobertos por pradaria doce como:

- Themeda.
- Panicum maximum.
- Sporobolus.-
- Eragrostis.
- Bothriochloa.
- Setaria.
- Echinochloa pyramidalis.
- Hermarthria altissima.
- Chloris gayana (capim rodes).
- Listia esp.
(Barradas, 1962) '

Alguns solos tem uma vegetacao de tipo matagal fechado.

- Acacias.
- Suculentes.
- Trepadeiras.
- Balanites maugramii (nulo)
- Tabernaemontanum elegans (xilangamacho).
- Combretum.
167
7.10.1.6 Perfil tipico dos solos coluvionares da Mananga (Cm)

Perfil no. : P30.


Fonte : Montreal Engineering Company.
Data : 1980.
Classificacao
: Sodic ou Mollic Solonchak ou Greyic Solonetz
- FAO (fase salina)
: Typic Haplaquoll ou Typic Natraquoll; franco
- USDA fino, sobre argiloso, misturado, hypertérmico.
: mapa 1193, Boane; fundo do vale do Umbeluzi;
Localizacao Norte de Santa Isabel de Mussumbuluco; Sudeste
da ponta trigonométrica do rio Umbeluzi, (26 02'
30" S; 32 24' 55" E)
Fisiografia planicie aluvionar quase plana na transicao para
o estuario
Topografia : declive : 1%.
Elevacao : 2.5 m.
Drenagem : externa : imperfeita.
: interna : imperfeita.
Vegetagao antigamente foi uma area irrigada, agora pastagem
aspera.
Humidade : hümido até 150 cm; lencol freatico aos 150 cm.
Observacöes : salino, sódico, deficiência de calcio.

Descricao

Ap: 0 a 30 cm
Castanho escuro (7.5 YR 3/2); franco-limoso; estructura fraca e
grosseira, anisoforme subangulosa; fendas verticais; muito duro,
pegajoso, e plastico; transicao abrupta e plana.
Bgnz: 30 a 55 cm
Castanho-acinzentado muito escuro (10 YR 3/2); franco-argiloso;
abundantes manchas castanho escuras (7.5 YR 3/3); estrutura
forte, grosseira e colunar, separando-se em forte, grosseiro,
anisoforme angular; muito dura, pegajoso e plastico; transicao
abrupta e plana.

Canzl: 55 a 70 cm
Castanho-amarelado escuro (10 YR 4/4); franco; abundantes
manchas, finas, castanho escuras (7.5 YR 3/3); macica; muito
dura, nao pegajoso e nao plastico; transicao abrupta e plana.

IICgnz2: 70 a 150 cm
Castanho-acinzentado muito escuro (2.5 Y 3/2); argiloso; comuns
manchas finas, castanho-amareladas escuras (10 YR 4/4); macica;
firme, pegajoso e plastico.

IlCgnz: 150 a 250 cm


Cinzento escuro (5 Y 4/1); argiloso; macica; muito pegajoso e
muito plastico; agua saturada.

Observacao: O horizonte Ap é mólico; o horizonte B é natrico


(pelïculas de argila?) ou é um horizonte cambico.
168

Prof. > 2mm Areia Areia Limo Argila Textur CaC03


Grossa Fina USDA %
cm % % % % %
0-30 0.0 0.7 19.6 56.6 23.1 FLi 0
30-55 0.0 0.6 20.9 35.6 42.9 FAg 0
55-70 0.0 0.9 50.4 40.0 8.7 F 0
70-150 0.0 0.1 1.7 21.5 76.7 Ag 0
150 + 0.0 0.1 0.8 15.2 83.9 Ag 0
CE. CE. 1/3 15 pH H20 pH KC1 P ass P.tot
1:2.5 P.Sat bar % bar % mg/ P205
mmh mmh lOOg mg/
/cm /cm lOOg
0.50 7.1 39.1 21.1? 7.4 4.6 19.6
1.41 12.0 42.2 21.8 7.5 3.5 28.0
0.97 13.0 20.3 9.1? 7.7 8.0 19.2
6.00 15.5 68.7 42.2? 7.1 4.2 67.8
7.20 28.0 65.1 41.9 6.4 6.0 67.8
Bases trocaveis meq/100 gr Acid. CTC Sat Dens.
Ext. meq/ Base % Apare
i meq/ lOOg
Ca Mg K Na lOOg

8.88 6.85 0.89 4.7 1.35 22.67 90 1.15


6.12 7.25 1.60 9.9 0.80 25.67 91
2.88 3.55 0.74 5.9 0.25 13.32 93
7.56 12.05 3.50 20.2 0.60 43.91 91
7.56 14.70 3.40 23.8 0.15 49.61 93
Mat. Carb. N % C/N PST SAR CTC razao
Org. % Org. max. Arg areia
% meq/ g/f
lOOg
2.2 1.3 0.12 f 10.8 20.7 13.86 79 0.0
o.io' 38.5 23.61 60 0.0
0.05 44.2 19.0 153? 0.0
0.08 46.0 21.40 57 0.1
0.06 47.9 23.90 59 0.1

Catiöes soluveis meq/1 Aniöes soluveis meq/1


Ca Mg K Na Cl S04 HC03 C03
0.10 1.98 4.0 14.0 1.30 vesti
0.54 4.92 4.0 39.0 0.78 / /
0.22 2.70 27.5 23.0 / /
0.18 4.92 10.8 34.0 1.22 0
0.60 2.36 6.0 29.0 1.53 vesti

I
169

7.10.2 Os solos coluvionares aos sopés


agrupamento de solos Cs

7.10.2.1 Descricao do terreno

Os solos coluviais ocupam os sopés da cuesta riolitica (declive


de 2-8%). Em alguns casos este nivel uma vez foi coberto pelo
manto de Mananga.

7.10.2.2 Conceito central

Sao solos argilosos, pretos a castanho muito escuro, muitas vezes


misturados com material grosseiro. Sua superflcie pode ser
bastante pedregosa especialmente em casos de solos delgados. Os
solos cobrem, ambos os riolitos e os basaltos; normalmente ha uma
transicao abrupta desde o solo até a rocha nao alterada. O
subsolo é calcario (concrecöes), salino e sódico. A drenagem é
moderada.

7.10.2.3 Classificacao dosi solos


FAOfl9741 FAOf19881
-Chromic Vertisols r *fase salina e sódica. -Calcic Vertisols.*)
-Pellic Vertisols " " " " -Eutric Vertisols.
-Eutric Regosols " " " " -Calcaric Regosol.
-Calcaric Regosols ii ii
-Vertic Cambisols.
-Vertic Cambisols ii ii
-Eutric Cambisols.

USDA
-Typic Chromusterts - Mollic Torrerts.
-Typic Pellusterts - Paleustollic Torrerts, muito
-Vertic Ustifluvents fino, ou fino, ou argiloso
-Mollic Udifluvents esquelético, misturado,
-Typic Ustifluvents hypertérmico

*) dominante
7.10.2.4 Variacao das caracteristicas
O horizonte A é ócrico; 15-50 cm de espessura; castanho-
acinzentado escuro, cinzento claro, cinzento, castanho-
.acinzentado muito escuro, cinzento muito escuro, castanho muito
escuro e preto; franco-argilo-arenoso (areia grossa) a argiloso;
moderado a forte, fino a grosseiro, anisoforme (sub)anguloso ou
estrutura forte, grosseira prismatica; ligeiramente duro a
extremamente duro, friavel a firme, muito pegajoso e muito
plastico; nao salino e algumas vezes sódico; sem efervescência
ou efervescência moderada; geralmente com concrecöes calcarias
brandas, finas a médias e irregulares e uma quantidade variavel
de cascalhoi fino a grosso sub-rolado ou angular; transicao
gradual a nitida, plana ou ondulada.

O horizonte AC ou CA alcanga profundidades de 40-90 cm; castanho-


acinzentado muito escuro, castanho-amarelado escuro, cinzento
muito escuro, preto; franco-argilo-arenoso; algumas vezes com
cascalho fino e subanguloso; estrutura moderada a forte, média
170
a grosseira, prismatica ou colunar, separando-se em moderada a
forte, anisoforme subangular; duro a extremamente duro, muito
firme, muito pegajoso e muito plastico; com forte efervescência;
poucas a muitas, finas a grossas concrecöes calcarias, brandas
e irregulares, ou cal pulverulento; geralmente com superficies
de escorregamento; salino e sódico; transigao nitida e plana.
O horizonte C é castanho-amarelado, castanho palido, castanho-
acinzentado escuro, castanho, castanho-avermelhado escuro;
argiloso; estrutura moderada a forte, média a grosseira,
anisoforme angulosa ou macico; duro ou extremamente duro, muito
pléstico e sem efervescência ou uma efervescência moderada;
superficies de escorregamento claras; geralmente com comuns a
abundantes, finas a muito grosseiras concrecöes calcarias,
irregulares, brandas a duras; cascalho fino e subangular em
quantidades variaveis; sódica e salina; raras a muitas manchas
distintas e grandes, de cör cinzenta, amarela, branca e castanha;
com uma transigao abrupta, plana a irregular.
A rocha meteorizada consiste de cascalho riolitico ou basaltico
fino e irregulares com manchas castanho-esbranquicadas.
Caractersticas dos solos Cs
caracteristicas solo subsolo
superficial

pH agua 6.5 - 8.5 6.2 - 7.9

Mat. org. % < 2-5 -

C E mmhs/cm 0.4 - 6.5 0.7 - 24

PST % 2-15 10 - 53

CTC meq/lOOg 9-30 16 - 56

Satur. % 82 - 100 96 - 100

N % 0.097 - 0.144 -

Pass ppm 1.4 - 3 -

CTC argila meq/lOOg - 25 - 105


I

7.10.2.5 Vegetacao
Bosque aberta com:
- Acacias.
- Combretum.
- Hyphaene crinita.
- Phoenix reclinata (nala).
7.10.2.6 Perfil tipico dos solos coluvionares dos sopés (Csl
171
_ FAO : Calcic Vertisols, fase salina e sódica.
_ USDA : Mollic ou Paleustollic Torrert, fino, misturado
isohypertérmico.
Localizagao : carta 1192, Goba, oeste dos Pequenos Libombos,
(Inhabele)(26 08' 30' S; 32 14' E ) .
Fisiografia : quase plano, parte baixa dos Pequenos
Libombos.
Topografia : declive : 0.5%.
Elevacao : 50 m.
Drenagem : interna : imperfeita.
: externa : moderada.
Vegetacao : mata, algumas vezes densa, com acacias.
Humidade : seco.

Descricao

Ah : 0 a 30 cm
Acinzentado muito escuro (10 YR 3/1) quando seco; castanho muito
escuro (10 YR 2/2) quando hümido; argilo-arenoso com areia
grossa; estrutura forte, prismatica a anisoforme anguloso, muito
duro; sem efervescência, abundantes raizes médias.

ACck: 30 a 70 cm
Castanho-acinzentado muito escuro (10 YR 3/2) quando seco e
hümido; argiloso com pouco areia grossa; estrutura moderada
média, prismética a anisoforme angular; duro a muito duro,
efervescência muito forte; comüns raizes, médias; abundantes e
brandas, concrecöes ca'lcarias, médias a grandes e irregulares.

Cck: 70 a 140 cm
Castanho (10 YR 4/3) quando seco e quando hümido; argiloso;
estrutura moderada, medio, prismatica; muito duro; efervescência
nitida; abundantes concrecöes calcarias, brandas, médias a muito
grosseiras e irregulares; poucas raizes, médias até de 1 m de
profundidade; superficies de escorregamento muito evidentes.

Prof. >2mm Areia Areia Limo % Argila Textur CaC03


cm % grossa fina % % a USDA %
%
0-10 6.7 42.9 9.5 10.5 37.1 AgAr 0.0
10-25 7.7 37.6 9.7 12.4 40.3 AgAr 0.9
35-65 7.3 39.4 6.9 12.5 41.2 AgAr 4.0
75-130 8.5 29.8 9.5 14.7 46.0 Ag 4.8
CE. CE. 1/3 15 bar pH H20 pH KC1 P ass. P tot
1:2.5 P. bar % % mg/ P205
mmh/ Sat. lOOg mg/
cm . mmh lOOg
/cm
1.6 31.2 27.3? 6.6 5.4 1.8 36.8
6.3 33.4 28.5? 7.4 7.1 1.7 24.0
8.6 33.7 51.7? 7.6 7.3 0.2 28.8
8.1 39.7 49.0? 7.5 7.3 0.2 11.8
172

Bases Acid. CTC Sat. Dens.


Ext. meq/ Base % Apare
meq/ lOOg
Ca Mg K Na lOOg

12.21 10.00 0.30 3.30 0.73 26.54 97 1.18


18.97 13.04 0.16 9.10 0.00 41.27 100 1.15
28.12 14.57 0.14 11.60 0.00 54.43 100 1.20
24.53 12.28 0.12 10.50 0.00 47.43 100 1.23
M. C. N % C/N PST razao CTC Ag Poros
Org. % Org. max. areia meq/ idade
% g/f lOOg %

2.5 1.44 0.107 13.4 12.4 4.5 58 54.6


1.6 0.93 0.087 10.7 22.0 3.8 94 50.8
1.1 0.64 0.044 14.6 21.3 5.7 127 56.1
0.5 0.27 0.016 17.0 22.1 3.1 101 56.2

7.10.3 Os solos coluviónares sobre os basaltos


agrupamento de solos Cc e Ccf

7.10.3.1 Descricao do terreno

Estes solos coluviónares argilosos e castanhos cobrem a parte das


planicies basalticas.
-Cc : Os solos argilosos coluviónares, castanhos escuros da
planicie basaltica.
-Ccf: Os solos argilosos coluviónares, geralmente pedrogosos e
castanhos dos pequenos sistemas de drenagem da planicie
basaltica com uma superficie irregular.

7.10.3.2 Conceito central


Sao solos delgados, muito argilosos, castanho escuros cobrindo
a rocha basaltica meteorizada. A drenagem é moderada a imperfeita
para o caso dos solos Cc e imperfeita a pobre para o caso dos
solos do agrupamento Ccf.

7.10.3.3 Classificacao dos solos

FAOf19741 FA0(19881
- Haplic Chernozerms *) - Haplic Chernozerms,
- Calcaric Regosols - Calcaric Regosols.
- Chromic Vertisols - Calcic Vertisols.
- Vertic Cambisols - Vertic Cambisols.

USDA
- Vertic ou Haplustolls
- Vertic Ustifluvents
- Mollic Ustifluvents, muito fino, misturado, hypertérmico; ou
argiloso sobre francoso-esquelético, hypertérmico.
- Torrertic Haplustolls.
*) dominante
173

7.10.3.4 Variacao das caracteristicas


O horizonte A é ócrico ou mólico; 15-30 cm de espessura; castanho
acinzentado muito escuro, castanho, castanho-acinzentado escuro,
castanho escuro, preto, castanho muito escuro; franco-arenoso a
argiloso; com alguns cascalhos finos e subangulares, basalticos;
moderado a forte, fino a grosseiro, anisoforme subanguloso,
separando-se em granuloso média; auto-misturado (self-mulching);
brando a extremamente duro,' friavel a muito firme, nao plastico
a muito plastico e nao pegajoso a muito pegajoso; porosidade
moderada; transigao gradual a abrupta e plana.
O horizonte C é castanho, castanho-avermelhado escuro, castanho-
acinzentado muito escuro, castanho forte, cinzento (escuro),
cinzento muito escuro, castanho muito escuro; argiloso; estrutura
moderada a forte, média prismatica ou moderado a forte, medio a
grosseiro, anisoforme (sub)angulosa; ligeiramente duro a
extremamente duro, firme a muito firme, pegajoso, muito plastico;
raras a muitas, finas a grossas manchas de cal pulverulentas, ou
concrecoes calcarias brandas a duras; as vezes com pouco cascalho
subangular a rolado, basaltico, fino ou outro tipo de cascalho;
geralmente salino e sqdico; transigao gradual a abrupta, plana
a irregular a rocha basaltica alterara, ou a camada secundaria
branda a dura de material de concrecoes calcarias, misturado com
a rocha alterada.
Algumas vezes o horizonte C é ligeiramente ou abundantemente
manchado de cores ferruginosas, avermelhadas a amareldos, algumas
vezes com distintas superficies de escorregamento, raramente com
concrecoes de ferro, finas a grossas, duras e esféricas.
Caracteristicas dos solos Cc
caracteristicas solo subsolo
superficial

pH agua 6 - 7.6 6.2 - 8.3


i

Mat. org. % 2 - 5.7 -

CE mmhs/cm 0.6 - 4.3 0.2 - 13

PST % 0.5 - 22 1.5 - 32

CTC meq/lOOg 10 - 56 10 - 56

Satur. % 73 - 100 72 - 100

N % 0.081 - 0.332 -

Pass ppm 0.5 - 6.2 -

CTC argila meq/lOOg - 15 - 110


174

7.10.3.5 Vegetacao
Bosque aberto matagal:
- Hyphaene crinita ou Phoenix reclinata (nala).
- Acécias (micaia) '
- Combretum
- Themeda
- Setaria
- Euphorbias
- Sclerocarya caffra (canho)
- Panicum
- Commiphora ou Lannea esp (chuvumbacanho)
- Erogrostis
- Urochloa

7.10.3.6 Perfil tipico dos solos coluvionares sobre os basaltos


agrupamento de solos Cc

Perfil no. : P18


Fonte : Montreal Engineering Company, estudo do vale de
Umbeluzi.
Data : 1980
Classificacao (tentativa) i / f l ^ i u , *
- FAO : Haplic Clpérpjed&niV.
- USDA : Torrertic Haplustoll, argiloso sobre franco-
esquelético inisturado, hypertérmico.
Localizacao : carta 1193, Boane, estrada Boane a Goba, perto
da da Herdade Silva (26 03' 55" S; 32 17' E)
Fisiografia : quase plano, formacao coluviao aluvionar,
perto do limite dos solos basalticos.vermëlhos
Topografia : declive de 1%.
Elevagao : 38 m. acima do nivel do mar.
Drenagem : externa : moderada.
i : interna : moderada.
Vegetacao : terra recentemente clareada e lavrada.
Humidade : seco (as cores do solo foram tomadas em estado
molhado)

Descricao

Ah: 0 a 20 cm
Preto (10 YR 2/1); argiloso; estrutura muito forte, grossa,
anisoforme angulosa, separando-se em medio granular; auto-
misturada (self-mulching); extremamente duro, pegajoso e
plastico, abundantes raizes finas e médias, transicao abrupta e
plana.

Cck; 20 a 50 cm
Castanho muito escuro (10 YR 2/2); argiloso; estrutura muito
forte a grosseiro, anisoforme angular; extremamente duro;
pegajoso e plastico; algumas concrecöes e manchas calcarias;
abundantes raizes finas e médias.
175
IlCr: 50 cm e mais
Basalto alterado.
Prof. >2mm Areia Areia Limo Argila Textur CaC03
cm grossa f ina USDA %
% % % % %
0-20 0.2 12.4 13.8 22.1 51.7 Ag 0
20-50 0.2 9.7 8.3 18.6 63.4 Ag 0
CE. CE. 1/3 15 bar pH H20 pH KC1 P ass. P tot
1:2.5 P. Sat bar % % mg/ P205
mmho mmho lOOg mg/
/cm /cm lOOg
0.04 28.4 16.7 6.4 1.0
0.07 40.0 32.9 7.5 1.5
Bases trocaveis raeq/lOOgr Acid. CTC Sat. Dens.
f Ext. meq/ Base % Apare
meq/ lOOg
Ca Mg K Na lOOg

40.08 8.00 1.25 0.34 2.845 49.67 97.4 0.99


49.92 7.65 1.50 0.53 1.45 59.60 97.5 1.08
M.Org C Org N % C/N PST razao CTC Ag K
% % max. areia meq/ Disp.
g/f lOOg ppm
4.17 2.42 0.26 9.31 0.68 0.9 80 285
0.20 0.89 1.2 94 48

7.10.4 Os solos coluviónares derivados das rochas sedimentares


de Cretacico e Terciario.
agrupamento de solos Cw

7.10.4.1 Descricao do terreno

Colüvio argiloso, acumulado aos sopés, nas depressöes e nas areas


de incisao do sistema de drenagem, nas partes colinosas da
paisagem das rochas sedimentares da época "do Cretacico e
Terciario. Encontram-se estes solos na parte\ Noroeste da
provincia de Maputo e Sudeste da provincia de Gaza.

7.10.4.2 Conceito central

Estes solos argilosos profundos com um solo superficial, arenoso


a argiloso, sao geralmente salinos e sódicos.
Sao desenvolvidos no material derivados de rochas sedimentares
da época de Cretacico-Terciario.

7.10.4.3 Classificacao do solo


FAO(1974) - Eutric Fluvisols *)
FAO(1988) - Eutric, Salie, Mollic, Calcaric, Fluvisols. *)
176
USDA Ustic Torrifluvents
Mollic Ustifluvents *1.fino. misturado,
hypertérmico.

*) dominante
7.10.4.4 Variacao das caracteristicas

O horizonte Ah é de 0-50 cm, constituido por material de textura


arenosa a franco-argilosa, castanho-acinzentado muito escuro,
castanho muito escuro; estrutura fraca, média, anisoforme
angulosa; duro; algumas vezes com poucas fendas verticais finas;
transicao irregular e nitida, cobrindo um material de textura
fina.

O horizonte C alcanca mais de 100 cm de profundidade, castanho


escuro com muitas manchas castanho avermelhadas, proeminentes;
argilo-arenoso a argiloso, estrutura macica ou fraca, média a
grosseira, prismatica ou anisoforme angulosa; pouco fendilhamento
vertical, finas; algumas vezes com poucas, médias, brandas
concrecöes calcérias; solo extremamente duro.
Entre os 100-250 cm sobrepöe-se a um horizonte de cascalho ou
rocha.

Caracteristicas dos solos Cw

caracteristicas solo subsolo


superficial

pH agua 5-7 6-9

Mat. org. % 1-5 -

C E mmhs/cm 0.5 - 7 0.5 - 15

PST %• 0.4 - 20 0.4 - 40

CTC meq/lOOg 5-10 5-10

Satur. % 80 - 95 80 - 100

N % - -

Pass ppm 1-2 -

CTC argila meq/lOOg - 30 - 40

7.10.4.5 Perfil tipico dos solos coluvionares das rochas


sedimentares de cretacio e terciario,
agrupamento de solos Cw
Perfil no. PG22 Massingir (Gaza)
Fonte Mac Donald and Partners, 1981
Data 8/11/81
Classificacao Eutric Fluvisol (Je8-2/3)
- FAO alüviao local pesada ou coluvio
Fisiografia
177
Drenagem : moderadamente boa
Microrelevo : ligeiramente irregular
Vegetacao : coberto por escasso Colosphermum mopane e escasso
cobertura vegetal de capim; pastagem aspero.

Descricao

Ah : 0 a 42 cm
Castanho-acinzentado muito escuro (10 YR 3/2); arenoso-franco,
com areia grossa; estrutura fraca, média, anisoforme angular;
poucas fendas horizontais; comuns poros muito finos e finos,
comuns raizes finas e médias; transicao nitida e plana.

AB: 42 a 60 cm
Castanho escuro (10 YR 3/3); arenoso-franco, com areia grossa;
graos soltos; comuns poros muito finos; comuns raizes finas e
médias; transicao nitida e irregular.

Btgl; 60 a 130 cm
Castanho escuro (10 YR 3/3); muitas manchas médias, proeminentes,
castanho-avermelhadas; argilo-arenoso; estrutura fraca, média
prismatica, separando-se em anisoforme angulosa média;
extremamente duro quando seco, poucas fendas verticais; comuns
poros muito finos, acumulacao de sesquióxidos as superficies dos
agregados, raras raizes muito finas; transicao difusa e ondulada.

Btg2ck; 130 a 200 cm


Castanho escuro (10 YR 3/3); muitas manchas castanho-
avermelhadas, médias e proeminentes; argilo-arenoso; macico,
seprando-se em anisoforme angulosa, grosseira; extremamente duro
quando seco; acumulacao de sesquióxidos as superficies dos
agregados;. poucas médias, braridas e esbranquicadas concrecöes
calcarias, transicao gradual e plana.

Através da sonda só foi possivel atingir uma pirofundidade de 210


cm, devido ao cascalho e pedras roladas.

Prof. >2mm Areia Areia Limo Argila Text. CaC03


cm grossa f ina USDA %
% % % % %
0-42 30.0 21.0 8.0 14.0 FrAr 0
42-60 31.0 18.0 8.0 19.0 FrAr 0
60-130 34.0 14.0 6.0 27.0 FArgAr 0
130- 33.0 13.0 7.0 29.0 FArgAr 0
200
CE. CE. 1/5 15 bar pH H20 pH KC1 P ass. P tot
. 1-5 P.Sat bar % % ppm P205
mmho mmh ppm
/cm /cm

I
178

0.06 0.43 6.7 5.8 16.0 40.0


0.06 0.41 6.7 5.6
0.09 6.8 6.1
0.09 6.9 6.0
Bases trocaveis meq/lOOgr Acid. CTC Sat. Dens.
Ext. meq/ Base % Apare
Na meq/ lOOg
Ca Mg K , lOOg

1.65 1.45 1.60 0.10 5.20 92


3.00 1.65 1.50 0.10 7.60 82
4.30 2.45 0.85 0.30 8.40 94
6.35 1.80 1.45 0.20 9.85 99
M. C. N % C/N PST razao CTC Ag K
Org. % Org. max. areia meq/ Disp.
% g/f lOOg ppm
0.27 950 1.4 37.0 634
- 1.7 40.0
2.4 31.0
2.5 34.0

I
I

179

7.11. Os solos aluviais e estuarinos f F)

7.11.1 Introdugao

No grupo de solos aluvionares e estuarinos sao distinguidos os


subgrupos seguintes:
r

Ft : Solos aluvionares turfosos; Fta: com subsolo argiloso


Fs : Solos aluvionares estratificados, textura media-
grosseira
Fe : Solos aluvionares estuarinos
Fe : Solos aluvionares calcarios, sódicos, argilosos
Fa : Solos aluvionares argilosos

7.11.2. Os solos de aluvioes turfosos (Ft)


7.11.2.1 Descricao do terreno

Algumas partes mais baixas dos vales do pequenos rios e de


depressöes na zona das areias e Manangas sao cobertas por turfas
superficiais. O sitio tlpico pode_se encontrar no rio Bobole
(estrada Marracuene a Manhica).

7.11.2.2 Conceito central


Sao solos muito mal drenados, com um solo superficial turfoso,
geralmente é uma mistura de areia e matéria organica em
decomposigao.
Localmente existem Histosolos mas nao se distinguem, a escala do
mapa de solos. O solo superficial geralmente sobrepoe as areias
(Ft) mas em algumas partes dos rios maiores (por ex: rio
Incomati) sobrepoe uma camada de argila (Fta).

7.11.2.3 Classificacao

FAO f1974) FAO (1980)


_ Eutric ou Dystric Fluvisols Mollic Fluvisols
_ Eutric ou Dystric Gleysols Mollic Gleysols
_ Dystric Histosols *) Terric Histosols
Fibric Histosols *)
Umbric Fluvisols
Umbric Gleysols

USDA
_ Histosols
_ Fluvaquentic ou Eutric Haplumbrepts, francoso sobre areia ou
areia misto, hypertérmico.
_ Fluventic Humitropept *)
*) dominante

7.11.2.4 Variacao da caracteristicas

O horizonte A, com mais de 30cm de espessura; preto a castanho


muito escuro, alto conteüdo de matéria organica (>5%); moderada
a média, anisoforme angular quando seco e hümido; friavel a
180
ligeiramente firme; pouco plastico e pegajoso; comuns pöros
finos; o lencol freatico esta a supreficie ou uma profundidade
menor a lm; transicao difusa ou gradual plana ou ondulada.
O horizonte C esta saturado de agua e geralmente tem uma textura
arenosa (grupo de solo's Ft), mas tambem pode ser argiloso, com
abundantes manchas ferruginosas de cor castanho acinzentada (
grupo de solos Fta).

Caracteristicas dos solos

caracteristicas solo subsolo


do solo superficial

pH agua 4 - 5.5 5-6


i
Mat. org. % > 5 -

C E mmhs/cm 0-1 0-1

PST % 0-1 0-8

CTC meq/lOOg 20 - 40 3-50

Satur. % 9-36 33 - 90

N % 0.100 - 0.300 -

Pass ppm 0.5 - 1.5 - .

CTC argila meq/lOOg - 100

7.11.2.5. Vegetacao dos solos turfosos


- Floresta galaria hydrofilo, pradaria
- Ficus verruculosa;
- Raphia;
- Cyperus papyrus (Mabungo);
- Thypha;
- Nymphaea;
- Pandanus;
181
- Phragmites communis;
- Juncus;
- Potamogeton. r

7.11.2.6 Perfil tlpico do grupo de solos fFtl

Perfil : T159
Fonte : INIA ( L. Touber)
Data : 28/04/82
Classificagao:
_ FAO : Umbric Fluvisol
_ USDA : Fluventic Humitropept, francoso sobre arenoso;
misto, isohypertérmico.
Localizacao: Vale do rio Nocuane em Maluana, sul da linha férrea
( Manhica _Marracuene).
Fisiografia: Chao do vale aluvionar arenoso.
Elevacao : 7m
Drenagem : Externa : ma
: Interna : ma
Humidade : Humido até 50cm e o subsolo saturado.
Vegetacao : Plantacao de laranjeiras.

Descricao

Ap: 0 17 cm
Cinzento muito escuro (10 YR 3/1) humido; franco arenoso;
estrutura moderada; medio, anisoforme angular; friavel; pouco
plastico e pouco pegajoso; comuns poros finos, moderadamente
compacto; transicao difusa e plana.

Ah: 17 33 cm
Preto (10 YR 2/1) quando humido; franco arenoso; estrutura
moderada, medio, anisoforme subangular; friavel; plastico e
pegajoso; abundantes poros finos e médios; moderadamente
compacto; transigao difusa e plana.
CA: 33 47 cm
Cinzento muito escuro (10 YR 3/1) quando humido; areia grossa;
solta, sem estrutura; nao plastico e nao pegajoso.

C: 47 120 cm
Cinzento claro (10 YR 7/2) quando humido; areia grossa; sem
estrutura; friavel; nao plastico e nao pegajoso; saturado.

NOTA: A cor do solo quando seco nao é conhecida; os horizontes


Ap, Ah e CA possivelmente formam um horizonte ümbrico.

i
182
7.11.3 Solos aluvionares argilosos Fa

7.11.3.1 Descricao do terreno

Estes solos sao tïpicos das bacias de decantacao, grandes.


Sao comuns nos vales largos junto aos rios principais.

7.11.3.2 Conceito central


Solos aluvionares com drenagem imperfeita (Fa), ma (Fag) de
textura argilosa, algumas vezes salinos e sódicos (Faz) ou podem
ficar inundados por muito tempo (Fah).

7.11.3.3 Classificacao
FAO f 1974) FAO f1988)
_ Haplic Phaeozems *) Calcaric Fluvisols
_ Eutric ou Calcaric Fluvisols " Vertisols
_ Pellic Vertisols _ Eutric Vertisols
Mollic Fluvisols *)
Salie Fluvisols
Eutric Fluvisols
USDA
Mollic Ustifluvents *)
Typic Haplaquolls
Mollic Fluvaquents
Typic Pellusterts muito fino, misto, hypertérmico
*) dominante,

7.11.3.4 Variacao das caracteristicas

O horizonte A é ócrico; 10 _ 40cm de espessura ; castanho,


cinzento, cinzento escuro, cinzento muito escuro, preto; argilo_
limoso, franco limoso, argilo arenoso, argiloso; estrtura
moderada a forte, média a grosseira, prismatico; brando a
extremamente duro, firme a extremamente firme; plastico a muito
plastico, pegajoso a muito pegajoso; algumas superficies de
escorregamento.
O horizonte C é muito profundo; cinzento escuro, castanho
acinzentado muito escuro, castanho escuro, castanho, castanho
amarelado, preto; argilo arenoso, argilo limoso a argiloso;
estrutura moderada a forte, medio a grosseiro, prismatico ou
colunar, macigo para a base; duro a extremamente duro, firme a
extremamente firme, muito plastico e pegajoso; quase sempre com
finas e médias manchas, distintas a proeminentes de cor cinzento
amarelado a acastanhadas; o lencol freatico encontra_se a uma
profundidade de 60 _ 150 cm; salino ou agua doce; comuns e
grandes superficies de escorregamento; raras a muitas concrecöes
calcarias, finas a grosseiras, brandas a duras e irregulares;
raras a comuns concrecöes de ferro oxido, brandas a duras, finas
e médias, arredondadas ou irregulares.
183
Caracteristicas dos solos Fa
caracteristicas solo superficial subsolo

-pH H20 6 _ 8.1 6.2_ 8.6

MO % 3 _ 4.6 —

CE mmhos/cm 0.2 _ 3 0.7_ 8.2

PST % 1 _ 4 1_ 19

CTC meq/lOOg 11 _ 63 19_ 70

Satur. % i 76 _ 100 99_ 100

N % 0.01 _ 0.09 —

P assm meg/lOOg 1 _ 14 —

CTC arg meq/lOOg — 40_ 160

7.11.3.5 Vegetacao

Pradaria ou mata fechada com arvores isoladas;


_ Acacia nigrens
_ Themeda
Setaria

7.11.3.6. Perfil tipico do qrupo de solos Fa

Perfil : 3258
Fonte : Estudo de solos Português
Data : 26.05.64
Classificagao:
_ FAO : Mollic Fluvisol
_ USDA : Typic Haplaquoll, muito fino, misto
isohypertérmico
Localizagao: carta 1185, Marracuene (25 37' 50" S, 32 41'
45"E); Pateque, vale do rio Incomati.
Topografia : plana '
Fisiografia: planicie aluvionar do rio Incomati.
Elevacao : 6m

Drenagem : externa : ma
: interna : ma
Vegetagao : 'plantacao de bananeira e uma cobertura de capim
Humidade : 0_30cm seco, fresco até aos 40cm, humido até aos
60cm, lencol freatico aos 60cm.
184
Descricao

Ap: 0 30 cm
Cinzento muito escuro ( 10 YR 3/1) quando seco; preto (10 YR 2/1)
quando humido; franco limoso; estrutura moderada; médio,
anisoforme subangular; duro; sem efervescência; abundantes raizes
finas e médias.

Cl: 30 45 cm
Preto (7.5 YR 2/0) quando humido; Argilo limoso; estrutura
moderada a forte; médio prismatico; extremamente firme; sem
efervescência, muitas raizes finas e médias.

C2g: 45 70 cm
Cinzento escuro (5 Y 4/1) quando humido; argiloso; estrutura
macica; firme a muito firme; sem efervescência; muitas raizes
finas e médias; comuns manchas acinzentadas, finas e médias;
lencol freatico aos 60cm.

Nota: Os horizontes Ap e Cl formam o horizonte mólico.

7.11.4 Os solos aluvionares estratificados, de textura


grosseira a media fFs)
7.11.4.1 Descricao do terreno

Estes solos encontram_se nos diques naturais, nos terracos baixos


castanhos e nas faixas estreitas de aluvioes recentes ao longo
dos rios. O terraco actualmente nao é inundado, e é a parte apta
para a agricultura (irrigacao).

7.11.4.2 Conceito central


Os perfis estratif icados englobam uma grande variabilidade quanto
è textura, desde a grosseira até a média.
Nao é possivel uma subdivisao deste na escala deste estudo. O
solo geralmente consiste em camadas sedimentares arenosas a
franco bem definidas; nao sao salinos, nao sódicos e nao
calcarios, com baixo conteüdo de matéria organica.

7.11.4.3 Classificacao

FAO f19741 FAO (19881


_ Eutric Fluvisols *) _ Eutric Fluvisols *)

USDA
Ustic Torrifluvents *)
Mollic Ustifluvents *)
185
_ Typic Ustifluvents arenoso, arenoso sobre francoso, misturado
hypertérmico.
*) dominante
7.11.4.4 Variacao das caracteristicas
O horizonte A é ócrico de 10 _30 cm de espessura; castanho,
preto, cinzento escuro, castanho muito escuro, cinzento muito
escuro, cinzento, castanho acinzentado muito escuro, castanho
acinzentado; arenoso a franco arenoso, franco, franco argilo
limoso; estrutura fraca a moderada; fino a medio, anisoforme
subangular ou macico; areia solta a branda, friavel a
ligeiramente forte sem efervescência; transicao abrupta e plana.

O subsolo esta constituida por camadas sedimentares


estratificadas; cinzento escuro, castanho acinzentado escuro,
castanho muito escuro, castanho acinzentado, castanho acinzentado
muito escuro, castanho palido, castanho escuro, castanho; franco
argilo arenoso, arenoso a franco, franco argilo limoso; estrutura
fraca a moderada; friavel a firme; algumas manchas ferruginosas
a uma profundidade de mais do que lm;possivelmente ocorrência de
caraadas delgadas de argila (menos de 20cm de espessura; de
estrutura moderada, prismatica grosseira; dura; sem
efervescência.

Caracteristicas dos solos Fs

caracteristicas solo subsolo


do solo superficial

pH agua 6 - 7.1 6.5 - 7.3

Mat. org. % 0.6 - 3.5 -

C E ramhs/cm ' 0 - 2 0 - 2 .

PST % 0.5 - 4 1 - 13.5

CTC meq/lOOg 6-32 7-21

Satur. % 84 - 98 93 - 100

N % 0.055 - 0.155 -
,
186

Pass ppm 7-19

CTC argila meq/lOOg 50 - 110

7.11.4.5 Veqetacao

Pradaria:

_ Setaria
_ Ischaemum (Dichongua)
_ Andropogon
_ Sorgum spp
_ Echinochloa pyramidalis
_ Panicum maximum
_ Chloris gayana(capim rodes)
_ Themeda trianda
_ Sporobolus virginicus
Floresta galaria ou mata aberta a mata fechada:
_ Acécia xanthophoea ( Chunido chifoja)
_ " subalata (seco)
" compylacantha
_ " spirocarpa
_ " nigrescens
_ Ficus sycomorus ( Macuacua)
_ Combretum
_ Borrassus
_ Hyphaene
_ Sclerocarya caffra (Canho)
_ Trinchilea emetica ( Mafureira)
_ Kigelia pinnata (Fungura)
_ Faidherbia albida (Maholela)
_ Cordyla africana (Tondo)
_ Diospyros mespiliformis ( Metoma)

( Barradas; 1962; Sa e Melo Marques, 1976).

7.11.4.6 Perfil tipico do grupo de solos Fs

Perfil : P31
Fonte : Montreal Engineering Company.
Data : 1980
Classificacao :
_ FAO : Eutric Fluvisol
_ USDA : Ustic Torrifluvents, arenoso sobre franco,
misturado hypertérmico.
Localizacao: Carta 119b, Boane; sul do rio Licavane na margem
direita do rio Umbeluzi (26 04' 15"S, 32 22'45"E)
Fisiografia: planicie aluvial quase plana.
187
Topografia : declive 1%
Elevacao : 3m
Drenagem : externa : moderada
: interna : boa
Vegetacao ; cultivo irrigado
Humidade : seco

Descricao

Ap: 0 20 ent
Castanho escuro (7.5 YR 3/2) quando seco, arenoso; granular;
solto, sein estrutura quando desturbado; duro no sitio; transicao
abrupta e plana.

Cl; 20 40 cm
Castanho escuro (10 YR 3/3) quando seco; arenoso; granular; solto
quando disturbado; duro no sitio; transicao abrupta plana.

C2: 40 80 cm
Castanho (7.5 YR 4/4) quando seco; franco; macico; solto quando
disturbado; duro no sitio; transicao abrupta e plana.

C3: 80 100 cm
Castanho escuro (7.5 YR 3/2) quando seco; franco arenoso; macico
e solto quando disturbado; duro no sitio; transicao abrupta e
plana.

C4: 100 200 cm


Castanho escuro (7.5 YR 3/2) quando seco; franco; macico e solto
quando disturbado; duro no sitio; transicao abrupta e plana.
C5: 200 240 cm
Castanho (7.5 YR 4/4) quando seco; franco arenoso; granular.

7.11.5.Solos aluvinares estuarinos Fe e Fem


i
7.11.5.1 Descricao do terreno
Estes solos cobrem areas extensas nas seccöes da jusante dos
maiores rios.

7.11.5.2 Conceito central

A associcao engloba uma vasta variedade de solos salinos


estuarinos argilosos. A sodicidade e a salinidade dependem da
distancia desde o oceano, elevacao, e a lavagem pelas chuvas. 0
lencol freatico encontra_se a uma profundidade de 0.6-1.20m.

7.11.5.3 Classificacao
FAO f19741 FAO f1988)
_ Thionic Calcaric ou Eutric*) Thionic Calcaric
Fluvisols*) Salie*) ou Eutric *)
Fluvisols*)
188
USDA
_ Sulfaquents
_ Hydraquents
_ Fluvaquents*)
_ Haplaquents Argiloso ou francoso sobre areia, ou francoso,
misturado hypertérmico.
*) dominante
Nota: As planicies de lama coberta por mangal receberam um
simbolo especial no mapa de solos: Fem.
7.11.5.4 Variacao das caracteristicas
O horizonte A é ócrico, 10 a 30 cm de espessura; cinzento,
cinzento escuro, cinzento muito escuro, castanho muito escuro,
preto; franco_argilo_arenoso, argilo limoso, argiloso; estrutura
maciga ou moderada a forte, fina a média prismatica ou moderado
a forte, fino a medio anisoforme angular; muito a extremamente
duro, firme a extremamente firme, plastico e pegajoso; sem
efervescencia, geralmente salino e sódico, muitas vezes com
pequenas superfïcies de escorregamento, as vezes com finas a
grossas concregöes calcarias, brandas a duras e irregulares.
O horizonte C alcanca uma profundidade maior que 50cm; verde
olivaceo, cinzento, cinzento escuro, castanho acinzentado escuro,
cinzento muito escuro; argilo limoso a argiloso; estrutura
moderada a forte, média a grosseira prismatica, maciga na
profundidade; muito duro a extremamente duro, firme a
extremamente firme, plastico e pegajoso; com superfïcies de
escorregamento; sem efervescencia; manchas ferruginosas grossas
e proeminentes de cor amarelo alaranjadas; as vezes com raras a
comuns concrecöes calcarias a grossas e irregulares, algumas
misturadas com restos das conchas. O lencol freatico salino
situa_se a profundidades maiores de >0.6m(E.C :0.5_44mmhos/cm,
ESP: 10_80%).

Os solos de aluvioes estuarinos (Fe^

solo
caracteristicas superficial subsolo

pH agua 7.6 - 8 7.6 - 8

Mat. org. % 1-3 -

C E mmhs/cm 0-4 2-44


189

PST % 6-45 15 - 80

CTC meq/lOOg 30 35 30 - 42

Satur, 100 100

N 0.078 - 0.100 -

Pass ppm 1.5 - 2.4 -

CTC argila meq/lOOg 52 - 180

7.11.5.5 Vegetacao

Pradaria: Plantas halifiticas


_ Hemarthria altissima _ Hibiscus liliaceus
_ Chloris gayana (Capim rodes) _ Barringtonia racemosa
_ Echinochloa _ Entada phaseoloides
_ Paspalum spp _ Avicenia marina
_ Hibiscus _ Bruguiera gymnorrhiza
_ Fimbristylis _ Xilocarpus benadirensis
_ Sesbania (seca_ seca) _ Rhizophora mucronata
_ Phragmites communis Avicenia.
_ Ciperus

Arvores (raras) '


_ Acacia xantophleia (Chifuca)
_ Acacias
_ Typha
_ Sporobulus nitens
_ " marginatus
_ " 'virginicus

( Barradas, 1962; Sé e Melo Marques, 1976)

7.11.5.6 .Perfil tipico do grupo de solos Fe

Perfil nr. 746


Autores : INIA
Data : 27/12/61
Clasificacao:
- FAO : Eutric Fluvisol, fase salina é södica
- USDA: -
Localizacao : mapa topografico 1198, 7km N de Bela Vista,
planicie estuarina do Rio Maputo 26° 16' 55" S,
32° 40' 30" E.
!

190
Fisiografia : planicie estuarina, perto do limite ocidental.
Declive : 1%
Elevacao : 3 m a.n.m.
Drenagem : externa : ma
interna : ma
Vegetacao : mata aberta com acacias
(Acacia xanthophleia)
Humidade : nümido

Descricao

Ah: 0 20 cm
Cinzento (10 YR 5/1) seco, cinzento escuro (10 YR 4/1) nümido;
argiloso; prismatica, media a fina; moderado a forte; muito dura,
sem efervescência; raizes finas e medias abundantes; frequentes
concrecoes calcarias, pequenas e medias, irregulares, brandas e
duras.

Cl: 20 70 cm
Cinzento escuro (10 YR 4/1) hümido, argiloso a forte; prismatico,
media a forte; muito dura a extemamente dura; sem efervescência;
raizes finas e medias pouco abundantes; raras concrecoes
calcarias, pequenas e medias, irregulares, duras; ligeiramente
manchada de tons ferruginosos de cor amarelada, camadas de argila
muito ardentes e em grandes superficies.

C2: 70 135 cm
Camada essencialmente constituida por material calcaria em
adiantado estado de decomposigao misturado com muitos despajos
marinhos; manchas de tons ferruginosos de cor amarelada; franco
argila arenosa; nesta camada foram encontradas algumas pedras
roladas e subroladas e algumas irregulares.

C3: 135 145 cm


Argiloso; fortemente manchada de tons ferruginosos de cor
amarelada e acizentada; macica muito firme, com efervescência
nitida algumas raizes finas e medias; muito abundantes concrecoes
calcarias irregulares, pequenas, medias e grandes; brandas, duras
e muito duras.

7.11.6 Solos aluvionares calcarios Fe

7.11.6.1 Descricao do terreno


Estes solos encontram_se na transicao entre os solos de Manangas
jovens eluviadas (3_4m ao nivel medio do mar) e os solos marinos
estuarinos (0_2m ao nivel medio domar).

7.11.6.2 Conceito central

i
I

191
A associacao agrupa os solos estratificados, calcarios, argilosos
a franco arenosos sódicos, com o solo superficial muito escuro
e urn subsolo cinzento claro; o lencol freatico encontra_se entre
0.25 a 1.5m de profundidade; é comum estarem inundados
temporariamente devido a impermeabilidade das argilas alcalinas;
estes solos sao calcarios e muito sódicos no subsolo; a
conductividade eléctrica é geralmente baixa.

7.11.6.3 Classificacao

FAO (1974) FAO (1988)


Calcaric Fluvisols*1 fase salina e sódica Calcaric Fluvisols*
_Calcic Cambisols, fase salina e sódica _ Salie Fluvisols
_ Hplic Calcisols

USDA
_ Mollic Fluvaquents *)
_ Typic Haplanquents, fino ou tipo francoso, misturado
hypertérmico.
* ) _ dominante

7.11.6.4 Variacao das caracteristicas

O horizonte A é ócrico, 10_20 cm de espessura; preto, cinzento


muito escuro, castanho acinzentado muito escuro; franco a
franco_argilo_ arenoso; estrutura fraca a moderada, fina a média;
anisoforme subangular; braodo a duro, firme, pouco plastico e
pouco pegajososem ou com efervescência forte.

O horizonte Cl tem 20_50cm de espessura; cinzento muito escuro,


castanho acinzentado muito escuro; argiloso; estrutura maciga,
extremamente duro, muito firme, muito plastico; sem efervescência
a efervescência moderada; raras a abundantes concregöes
calcarias, brandas e duras, finas a grosseiras, irregulares a
rondadas.

O horizonte C2 alcanca uma profundidade maior que lm; cinzento


olivaceo, cinzento, cinzento olivaceo escuro, cinzento escuro;
argiloso; estrutura maciga; extremamente duro; muito plastico;
efervescência moderada; raras a abundantes manchas laranja
acastanhadas amareladas; poucas concregöes ferruginosas, brandas
a duras, irregulares e rondadas.

Caracteristicas dos solos Fe

caracteristicas solo subsolo


do solo superficial

pH agua 7.5 - 9.3 7.5 - 9.3


192

Mat. org. % 0.5 - 2 —

C E mmhs/cm 0 - 1 0 - 4

PST % 6 - 65 15 - 40

CTC meq/lOOg 30 - 35 30 - 35

Satur. % 95 - 100 95 - 100

N % 0.100 - 0.150 -

Pass ppm 1 - 2.5 -

CTC argila meq/lC Og - 50 - 75

7 . 1 1 . 6 . 5 Vecretacao:

7.11.6.6 Perfil tipico dos solos do grupo Fe


Perfil : 3230
Fonte : Estudo de solos português
Data : 15/05/64
Classificacao:
_ FAO : Calcaric Fluvisol, fase salina e sódica
_ USDA : Typic Halaquept, fino, misturado,
isohypertérmico
Localizagao : carta 1Ï90, Maputo: Oeste da estrada da costa do
sol_Marracuene (Guambe) (25 47' 10"S, 32 40'E)
Fisiografia : quase plana, zona de transicao entre sedimentos
estuarinos e Mananga eluviada
Topografia : declive 1%
Elevagao : 3m
Drenagem : externa : ma
: interna : pobre
Humidade : seco até aos 20cm, fresco 20 _ 70cm, humido
70_160cm e lencol freatico aos 160cm.
Vegetagao : pobre cobertura de capim com um desenvolvimento
medio e poucas palmas e arbustos.
Descricao

Ah: 0 20 cm
Cinzento muito escuro (10 YR 3/1) quando seco; preto (10 YR 2/1)
quando humido; franco_argilo_arenoso; estrutura fraca a moderada;
fino a medio, anisoforme subangular; brando; efervescencia forte;
193

abundantes raizes finas e médias.

Cckl: 20 70 cm
Cinzento muito escuro (10 YR 3/1) quando seco e humido; argiloso;
estrutura maciga; muito firme; efervescencia nitida; muitas
raizes finas e médias; abundantes concrecöes calcarias pequenas,
grandes e irregulares.

Cck2 70 160 cm
Argiloso; estrutura maciga; firme; a efervescencia diminui em
fungao da profundidade; raras raizes finas e médias; abundantes
concregöes a superficie, assim como no horizonte anterior diminui
em diregao a base do horizonte.

NOTA: O horizonte C é calcico.

f
194
8. AVALIAgAO DA TERRA

8.1. Introdugao

Neste estudo foram utilizados os métodos de avaliagao da terra


definidos pela USDA (United States Dept. of Agriculture) e USBR
(United States Bureau of Reclamation). O primeiro método é para
avaliar a aptidao dos solos para a agricultura de sequeiro em
termos gerais (8 classes da terra); o segundo método (de USBR)
para indicar a aptidao da terra para regadio (6 classes de
terra).
Nos sistemas de avaliagao de terra foram utilizados as
classificacöes de capabilidade de terra conforme os critérios de
USDA e USBR quantificados (Sys, 1985). O Dept. de Terra e Agua
do INIA adaptou alguns critérios as condicöes semi-aridas
prevalentes no Sul do pais.

8.2. Critérios
8.2.1 O método de aptidao conforme USDA

As classes de aptidao (capabilidade) de terra sao:


- Classe I até IV, classes de terras araveis, diminuindo em
aptidao de excelente (I), boa, moderada, marginalmente apta (IV).
- Classe V e VI, classes de terra nao aptas para agricultura, raas
aptas para pastagem.
- Classe VII é uma classe para silvicultura, as terras sao
preferencialmente utilizadas para florestas.
- Classe VIII é uma classe de terra nao apta para uso comercial;
sao terras para conservacao permanente, fauna bravia na reserva
natural.
Os critérios aplicados para as diferentes classes de terra sao
dados na tabela .6. (tabela 41 de Sys).

Subclasses.
A base das principais limitacöes sao distinguidos subclasses na
capabilidade da terra para o uso agricola. Sao utilizauao L-.„
seguintes subclasses baseadas nas limitacöes dominantes da classe
como:
:
t = liiu.' .. . . ' ••' 'lo
erosao. *)
i = limitagao de inundagao.
d = limitacao de drenagem.
s = limitacao de textura do solo superficial ou de subsolo.
b = limitacao de pedregosidade da superficie.
c = limitacao de fragmentos grosseiros da superficie.
p = limitacao de profundidade do solo.
f = limitagao da fertilidade.
n = limitagao da salinidade e sodicidade.

*) A limitagao de erosao esta incluido na limitagao da


topografia, devido ao parametro importante de declive ingreme no
risco de erosao.
Esta avaliagao de terra nao inclui factores climaticos, por isso
o clima tem que ser avaliado separado, conforme critérios
ANEXOl
CRITERIO DA DEFINICAO DAS CLASSES DE ' ÏRRA PARA IRRIGACAO, CONFORME USBR. i-3

SI S2 S3 Sc Ni N2
e-
TOPOGRAFIA (t)
Declive <2\ o
• <5I <8* <12% <25% <25% e mais

HÜHIDADE (W)
Inundacao Ligeira ou menos Consideravel ou menos
Drenagem interna moderada lenta ou pouco rapida Lenta a rapida Lenta a m i t o rapida H. lenta a muito rapida M. lenta a muito rapida
Drenagem externa boa moderada ou boa imperfeita ou meihor imperfeita ou meihor ma ou meihor muito ma ou meihor

CONDICOES FISICAS DO SOLO (s) __


Textura do solo superf:(0-25 cm) FAr a FAg( Permeavel ArFr a Ag-60v Ar a AgtfiOv Ar a Ag+60v Arg a Agm Arg a Agm
Texturado subsolo (25-100 cm) FArf a FAg ArFrf a Ag-60v Arm Fr a Ag+60v Ar a Agf60v Arg a Agm Arg a Agm
Pedras na superficie (1) Nenhuma <0.1 <3 <3 <15 <15 ou mais
Fragmentos grosseiros na <3l <15% <35% <35% <n <35% ou mais
superficie (0-25cm) <15S <35* <55t <55! <55! <55% ou mais
Fragmentos grosseiros no
subsolo (25-100cra) <15% <35% <55* <75% <75% <75% ou mais
Aflorasentos rochosos 01 <2I <10% <10i <25% <25% ou mais
Profundidade da rocha dura ou caiada-
dura continua >2l 1.5H >ln >50cn >30cu >30cm ou menos
Profundidade de substratos cascalhento
Rocha meteorizada branda ou areia pura >ll >75CI >50cm >30cm >10cm >10cm ou menos
Conteudo de cal • <15% <25% <40% <40È <75% <75% ou mais
Conteudo de gesso <5t <15t <30l <30! <30% <30% ou mais

SALDilDADE E ALCALINIDADE(n)
CE Euohos/ca (media 0-100ca) <4 <8 <16 <16 <30 <3ö ou mais
PST (maxiiao O-lOOcm) <5 <15 <25 <24 <45 <45 ou mais
CLASSIFICACAO DE CAPABILIDADE DE TERRA - CONFORME SISTEMA DE USDA
Quantificacao dos criterios das areas de savanne tropicais

|Limitacoes Simb Classe I Classe II ClasselII Classe IV|Classe V Classe VI|ClasseVII|ClassVIIj

TOPOGRAFIA
Declive % t <2 <6 <12 <25 <2 <25 <55 ><55

HUMIDADE
Inundacao i nenhuma nenhuma nenhuma nenhuma a nenhuma a nenhuma a nenhuma a nenhuma
ligeira forte forte m. forte m. forte
Drenagem d boa moderado lig.imper imperfeit ma ou ma ou muito ma muito ma
ou melhor feita ou melhor melhor melhor ou melhor ou melho
CARACTERISTICAS ou melhor
FISICAS DO SOLO
Textura superf. s FAr-Ago ArfF-Ag-<60s Arf-Ag<60v Arg-Ag>60 Arg-Agm Arg-Agm Arg-Agm Arg-Agm
Textura subsolo s F-Ag<60s AgArLi-Ag<60 ArfF-Ag>60s Arf-Ag>60 Arg-Agm Arg-Agm Arg-Agm Arg-Agm

Fragmentos gros
-superficiais % b nenhum < 15 < 35 < 55 < 55 < 55 < 75 >< 75
-do subsolo c < 15 < 35 < 55 < 75 < 75 < 75 >< 75 >< 75
Pedregosidade
superficial % b nenhum < 0.01 < 0.1 < 0.3 < 15 < 15 < 75 >< 75
Afloramento
rochoso X a nenhum < 2 < 10 < 25 < 50 < 50 < 75 >< 75
Profundidade de
solo (cm) P > 150 > 100 > 50 > 30 > 30 > 30 > 10 >< 10

FERTILIDADE DE
SOLO
CTC de argila f > 16 >< 16(-) >< 16(+)
Sat.de base f > 80 > 50 > 35 > 15 > 15 > 15 >< 15 >< 15
C. org. *(0-15) f > 1.5 > 1.0 > 0.6 > 0.4 > 0.4 > 0.4 >< 0.4 >< 0.4

SALINIDADE E
SODICIDADE
ECe (mS/cm) n < 2 < 4 < 8 > 8 - > 8 > 8 -
ESP n < 8 < 15 < 25 > 25 - > 25 > 25 -
T

194 e-

\
er^M^yKr^
S5*\
t^^U

\i
V

*VV
\ ^ ^ ^ t ^ 0 . .
*^^=-^_ / y
*•
V "-^v
'V
\v
\i yS y ^T </
'^*,a^ ^\ JT ^ ^

^!v > ^ ^ ^ y^
• • '
+
+ 1/ *^—^"^ ^^^
(( V ^ ^

• ^\ -^~~***'^
*+

+
+ © y^ w --— njj -A

f
+
/ / ^\ y ' ^ A ^ "~~ — -
+ ,

i
+

x/

+
/ © / / \ /
o X
o

l_l
+
t

* /
f® f N Y/ / «4®^^
pr^XAI-XAJ^-"^
u_

<
4

:
• (

IA ® \\ ^^
i©^ \ >y^^

* X ^*-w
/
i /
/ *^£3* /
* \ \ 1
// l/ V //
J?
• \ ^

• x \
* x. \
* X. \

*Xv
* X*.
X.
\
\
&
Cr
+ \ X \
* X. X X -Q ^
** \ X.
xX ^ -iy *"
» X. X. ^ «2-
•^ <r
k^WMAPUTO
' • %
**A \ \ <S-
XCsJ
*J >i
\ '\ 1 /
*
*\ / \
i"/
© ° <J
4

©/
*/ \ >/\ \r7
^0
o
z
V^"
/®J 1
< .•
/
®J/ //
- i
FIGURA
< \y^ Zonas agro-climaticas das
x / // provincias de Maputo e Gazo
• / Veja na tabela.
sr^j

tLM

i s

R. DA AFRICA 0 0 SUL

PED/93036 Oes: Marcos Jossefa Ruco


195
especificados das culturas consideradas.

8.2.2. O método de aptidao conforme USBR


Os critérios do sistema original de USBR foram adaptados pela FAO
para a aptidao da terra irregada. Foram definidas as seguintes
classes de aptidao de terra (com as classes comparativas de USBR)

FAO definicao da classe de aptidao USBR •


SI muito apta classe I
S2 moderadamente apta classe II
S3 marginalmente apta classe III
S4 uso especifico (aspersao) classe IV
NI actualmente nao apta mas potencialmente apta classe V
N2 actualmente e potencialmente nao apta classe VI

As classes de aptidao sao quantificadas pelo Sys (1985) e além


disso adaptadas pelo Dept. de Terra e Agua do INIA as condicöes
prevalentes no Sul de Mogambique ( tabela .?. .)
A tabela mostra os critérios da definicao das classes de aptidao
para regadio em termos gerais, sem especificagao para urn sistema
de rega
As subclasses, baseadas nas limitagöes do solo, sao semelhantes
as classes utilizadas no sistema de USDA.
Nesta avaliacao nao estao incluidos critérios climaticos, mas os
periodos da seca por falta de chuvas sao corrigidos pela
aplicacao de rega.
8.3. A aptidao de terra para agricultura das provincias Maputo
e Gaza, conforme o sistema de USBR.
A classificagao das zonas climaticas é baseada no sistema de FAO
(FAO, 1984). A zona ao longo da costeira e a zona a volta de
Namaacha sao as mais humidas. Na tabela 7 sao dadas as diferentes
zonas com definigao do inicio, duragao e precipitagao do periodo
de crescimento, baseado nas estagöes üdometricas de Maputo e
Gaza. Ver também figura tl
Tabela 7. Definigoes das zonas agro-climaticas,
(conforme os critérios da FAO)

Zona Periodo de crescimento


No.
inicio duragao precipitagao
mes dias (mm)
1 1/10 220 750
2 1/10 210 650
3 1/11 195 600
4 1/11 195 500
5 15/11 165 500
I
196
6 15/10 225 750
7 15/10 210 600
8 15/10 270 800
9 1/1 60 150
10 1/1 90 250
11 15/12 95 300
12 15/11 135 400
13 15/11 180 600
14 1/11 210 650
15 1/11 245 750
16 15/10 285 850
17 15/12 115 350
18 15/12 75 250

8.4 Os solos da orla costeira

Os solos da zona ao longo do mar, constituida de praias, dunas


costeiras recentes (De) nao sao recomendados para agricultura,
devido a muita baixa aptidao agricola
As classes de aptidao (USDA)para o agrupamento De, sao as classes
VII a VlIIfs, aptas para florestas e reserva natural, com
limitacöes da fertilidade e textura de solo (areia). A variacao
em aptidao destes solos varia entre marginalmente apta para
agricola (classe I V ) , terra quase plana, areia fina, e t c , e a
reserva natural (classe VIHJI fase dunar, areia muito grossa.
Além de baixa potencialidade agricola, esta zona com dunas e
lagoas, tem uma funccao na ciclo de geracao da flora e fauna
bravia da costeira, que deve ser protegida.
Também podem ser feitas accesivel algumas zonas da faixa costeira
para recreacao e atraccoes turisticas.
Por isso recomenda-se esta zona de ser conservada permanente, tal
como uma reserva natural.
A mesma aplica-se para as dunas vermelhas (Dv) mais antigas,
ainda que estas terras sao preferidas pelos camponeses. Além de
ter alguns porcentos da fraccao de argila mais do que as dunas
recentes, também a fraccao da areia fina no perfil é mais
elevada, resultando em meihor aproveitamento de agua disponivel
para plantas. Ao contrario com os solos das dunas recentes, estes
sao mais baixos em fósforo assimilavel e a reaccao do solo (pH)
urn pouco mais baixo com maior ocorência da fixagao do fósforo.
Por isso recomenda-se incluir as dunas vermelhas na faixa
protegida.

O agrupamento de solos De classifica-se conforme o sistema de


USBR para rega como V e VI, nao recomendada, raas as vezes
potencialmente apta.
O agrupamento de solos Dv tem classe de aptidao IV a VI. Alguns
solos deste agrupamento sao marginalmente aptos para agricultura
e sao classificados em classe IV, tendo possibilidades de rega
por aspersao com limitacöes da fertilidade e da textura do solo
e por vezes a topografia. Outres sao classificados nas classes
V e VI, nao recomendadas.
A maioria dos solos das dunas costeiras situam-se nas zonas agro-
climaticas 6,7,8, no Sudeste da provincia de Maputo e 13, 14, 15,
16, no Nordeste da provincia de Maputo e Gaza.
197
8.5. A planicie arenosa e a gres vermelha

Na planicie arenosa situam-se os agrupamentos de solos Aa, Aj e


Ah. Para agrupamentos de solos Aa e Aj encontra-se também as
fases dunares, dAa e dAj, as dunas interiores.
As classes de aptidao, conforme USDA, sao semelhantes para os
agrupamentos Aa, A j , Ab e G (gres vermelha) e foram qualificados
em classe IVfs, marginalmente aptos para a agricultura de
sequeiro. As limitacöes principais sao a baixa fertilidade e a
textura arenosa. A ültima limitacao é pouco remediavel e a
consequência é uma capacidade de retencao de agua muito baixa no
solo (em média 3cm/m).
As . fases dunares dAa e dAj sao também marginalmente aptas para
agricultura (classe IVtfs) com uma limitacao da topografia
(inclinacöes mais do que 2 % ) .
Os solos da planicie arenosa ainda sao aptos para florestas,
classe VIlfs e Vlltfs, com limitacöes semelhantes tal como para
agricultura.
A agrupamento de solo Ah, os solos arenosos hidromorficos sao
somente aptos para pastagens devido as limitacöes da drenagem e
alagamento temporario na época de chuvas. Além disso os solos
podem ser salgados e sódicos. Porque uma parte deste agrupamento
situa-se na faixa costeira, ligado ao sistema das lagoas, é
meihor incluir estes solos na zona protegida (reserva natural).

As aptidoes para irrigacao conforme USBR sao a classe IVsd, uso


especial: por ex. rega por espersao para agrupamento Aa e A j . Os
agrupamentos dAa,dAj,Ab e G têm classe Vsd(t), nao recomendada,
devido as limitacöes dos solos da textura (arenosa), drenagem,
(nestes excessives) e topografia (fase dunar). Existem
possibilidades de rega por uso especial por ex. o sistema de
aspersao e/ou rega por goteio.
Os solos hidromorf icos ainda têm uma aptidao para rega mais baixa
com limitagöes do lencol freatico, inundacao e salinidade.

A maioria dos solos da, planicie arenosa encontra-se numa faixa


das zonas agro-climaticas centrais da provincia de Maputo e no
Nordeste e Sudeste da provincia de Gaza nas zonas 11, 12, 13,
14, 15, 16, 17.

8.6. Os pedimentos de Mananga

Nos pedimentos de Mananga encontram-se os agrupamentos de solos


Ml, M2, M3, e M 4 , diferenciados na base da espessura da camada
superficial de textura arenosa a franco-arenosa.
As classes de aptidao para agricultura de sequeiro conforme USDA,
sao marginalmente apta para os agrupamentos Ml e M4 (classe IV)
e moderadamente apta (classe III) para M2 e M3. A diferenca da
aptidao basea-se na diferenca da textura do solo superficial.
Os agrupamentos M2 e M3 tem uma camada superficial arenoso e
franco-arenoso, de espessura variavel entre 25 e 100 cm, cobrindo
a Mananga. Porque a Mananga própria tem uma permeabilidade muito
lenta, as aguas das chuvas ficam dum certo modo estagnada acima
desta camada de Mananga, aproveitando a disponibilidade para as
culturas. Os camponeses preferem. especialmente os agrupamentos
de Mananga M3.
198
7.
Estes solos sao, na superficie, semelhantes aos solos do
agrupamento Aa (cobertura arenosa) mas tem uma meihor
disponibilidade de agua, porque a agua nao se filtra a baixo da
zona de enraizamento, e as culturas aproveitarem a.
Por isso o agrupamento M3 pode oscilar entre as classes de
aptidao II e IV (aptidao boa a marginal) e agrupamento M2 as
classes III e IV (aptidao moderada a marginal). As limitagöes sao
a dureza duma camada de Mananga que é fortemente compactada
(imperme).
A infiltacao da agua é muito lenta, duma maneira que a camada
dura esta molhada, só no firn da época chuvosa. (Nesta altura
pode-se passar esta camada com uma sonda sem dificuldades)
A outra limitacao destes solos é a sodicidade e por vezes a
salinidade, que aumentam num modo geral com a profundidade.
Sao todas estas limitagöes encontradas perto da superficie que
baixam a aptidao do agrupamento Ml na classe IV, (marginalmente
apto).
De facto este agrupamento de Mananga tem uma meihor aptidao para
pastagem, se houvesse agua disponivel na vizinhanga para o gado
beber. O lencol freatico esta muito profundo e/ou a agua é capaz
de ser salgada.
O ultimo agrupamento M4 tem uma camada espessa de areia e uma
aptidao semelhante aos solos da cobertura arenosa, classe IV, com
limitagao da textura.

A aptidao dos'solos para regadio conforme USBR é marginal (classe


III) para os agrupamentos Ml e M2, e é recomendada somente para
rega por aspersao (classe IV) nos agrupamentos M3 e M4 (uso
especifico e adaptado). A limitagao principal das Manangas nesta
regiao é o risco da salinizagao. De equal importancia é a
drenagem. Sem drenagem apropriada, todos os solos de Mananga
salinizam devido a um subsolo salgado e sódico.
Geralmente a drenagem dos solos é dificil por ter aquele
horizonte sódico com uma permeabilidade muito baixa.
Estas limitagöes num grau forte podem qualificar os solos de
Mananga como sendo nao aptos para regadio.

A maioria dos solos de Mananga encontra-se nas zonas agro-


climéticas 5, 11, 12, 13, 17, e 18.

8.7. Os Pós-Mananqa

Estes depósitos avermelhados das encostas dos vales nas


diferentes paisagens tem uma boa aptidao agricola e apenas poucas
limitagöes.
Os agrupamentos PI e P2 e mesmo P4 qualificam-se geralmente em
classe II (aptidao boa) e somente por vezes encontram-se na
classe III (moderadamente apto).
O agrupamento P3, constituido por solos com uma textura grosseira
e mesma a fase que pode ser mosqueado tem uma aptidao moderada
(classe III). As limitagöes deste agrupamento sao uma baixa
capacidade de retengao de agua, e uma fertilidade baixa.
As limitagöes principais dos agrupamentos PI e P2, sao a
topografia, profundidade de solo e no caso de P2 e P3 também a
fertilidade. A erosao pode ser um problema nos solos quais
situam-se nas encostas suaves aos rios.
199
O agrupamento P4 mostra limitacöes para agricultura num certo
risco de salinidade e sodicidade, além duma dureza dos solos.

A aptidao para regadio classifica-se como excelente a boa para


agrupamentos PI, P2 e P4 com limitacöes em topografia,
profundidade de solo e risco de salinizagao e sodificacao sob uso
para agricultura regada.
Os agrupamentos P3, P3j e P4 sao um pouco menos apto para
regadio, e a aptidao qualifica-se como boa a moderada para P3 e
P3j (drenagem excessiva), e excelente a moderada para agrupamento
P4. A limitacao do ultimo solo encontra-se por vezes num teor de
limo muito elevado, provocando a formacao duma crosta na
superficie (colmatagem superficial) ou uma camada dura com perigo
de salinizagao.

Os pequenas unidades dos solos de Pós-Mananga encontra-se


geralmente nas zonas agro-climaticas 5, 12, 17 e 18.

8.8. As plataformas dos seixos rolados.

Os solos das plataformas dos seixos rolados geralmente tem uma


aptidao moderada a marginal, devido a presenca dum subsolo muito
pedregoso.
A aptidao destes solos é de facto determinado pela profundidade
onde se encontra o subsolo pedregoso de seixos rolados
vulgarmente entre 30 e 100 cm. Por vezes, os agrupamentos Sm, Sc
e Sv também têm uma limatacao na presenca de sal e/ou um subsolo
sódico. ,
O agrupamento Si (litico) é somente apto para florestas e/ou
conservagao na reserva natural.

O mesmo agrupamento Si, nao é recomendado para rega, também nao


por aplicacao dum sistema de rega especial. A pedregosidade e a
profundidade limitam fortemente estes solos.
Enquanto isso, os agrupamentos Sm, Sv e Sc podem ser usados para
rega, com a aptidao variando entre moderada (classe II) e
marginal (classe III) para agrupamento Sm respectivamente
agrupamentos Sc e Sv, aptos para uso de rega especial.
Alèm da limitagao da profundidade, muito depende da
permeabilidade do subsolo pedregoso para garantir a drenagem.
Embora este subsolo seja bem permeavel, e nao salgado ou sódico,
estes solos podem ser moderadamente aptos para regadio.

8.9. Os aflbramentos das rochas sedimentares.

Os solos dos afloramentos das rochas sedimentares geralmente sao


moderadamente aptos para agricultura conforme o sistema de USDA.
Os agrupamentos de solos vermelhos, Kv e Wv, têm a meihor aptidao
e classificam-se como boa (classe I I ) . As limitagöes principais
destes agrupamentos sao a erosao, devido a topografia (suavemente
ondulada a ondulada), e a drenagem. Ainda para a agrupamento Kv,
a sodicidade e para agrupamento Wv, a profundidade podem ser
também limitagöes.
Os outros agrupamentos Kp, Ko, Wp e Wpk qualif icam-se
moderadamente aptos; em muitos casos estes solos limitaram-se
pela presenca dum subsolo salgado e södico, qual degradam-se a
200
marginalmente aptos (classe IV) e aptos para pastagens boas
(classe V) . A sodicidade e a salinidade sao limitacöes
importantes para os agrupainentos Kp, Ko e Wpk. Embora, isso nao
seja o factor principal limitando o agrupamento Wp. Este ultimo
solo tem as suas limitacöes na drenagem, que é imperfeita, e na
fertilidade e por vezes também numa profundidade limitada.
Muitos solos destes agrupamentos têm uma certa limitacao na
drenagem (Kv, Kp, Ko, Wp e W p k ) , enquanto os solos dos
agrupamentos (Wv, Wp e Wpk) geralmente sao limitados em sua
profundidade.

Para a classificacao de aptidao para regadio (conforme USBR), os


solos geralmente mostram al'guma variacao na qualificacao, devido
é grande variabilidade dos solos em cada agrupamento.
Em geral os solos vermelhos (agrupamento Kv e Wv) e os
agrupamentos Kp e Ko podem ser agrupados em classe II, (aptidao
boa) .
Os agrupamentos Kv, Kp e Ko podem ser qualificados na classe III
(moderadamente épta) e para Kp e Ko na classe IV (marginalmente
épta), devido a salinidade e sodicidade.
Os agrupamentos Wp e Wpk mostram uma aptidao marginal para
regadio e, por vezes, estes solos sao aptos sob irrigacao num
sistema especial. As limitacöes sao a profundidade do solo, que
pode ser composto de rocha e pedra calcaria e/ou de cascalho e
pedras roladas ou subroladas, e um subsolo salgado e sódico.
A maioria destes solos,encontram-se nas zonas agro-climaticas 10
e 18

8.10. Os solos da cadeia vulcanica dos Libombos.

Geralmente os solos da cadeia vulcanica tem uma aptidao boa para


agricultura, mas muito depende da profundidade e do declive dos
solos.
Os solos vermelhos, agrupamentos Bv e Rv, de profundidade maior
de 100 cm (Bvl e Rvl) têm uma aptidao boa, (classe II) com
variacao entre classe I (excelente) e classe III (moderada). As
limitacöes destes solos sao a topografia e a profundidade; por
vezes estes solos encontram-se numa topografia suavemente
ondulada e com profundidade de um metro e menos, o que limita a
aptidao para agricultura.
Os solos dos agrupamentos Bv2 e Bp2 tem uma aptidao moderada
(classe III). A limitacao principal é a profundidade do solo, a
qual é entre 50 e 100 cm. Para os solos dos agrupamentos (Bpl,
Bp2, Bp3 e Bp) sao também limitantes, a salinidade, sodicidade
e a textura.
Os agrupamentos de solos Bv3 e Bp3 sao somente marginalmente
aptos para agricultura de sequeiro, devido a uma profundidade
entre 30 e 50 cm.

A aptidao para regadio destes solos depende muito da


profundidade. Geralmente os solos com maior profundidade sao
classificados como classe II (aptidao boa), com variacöes na
classificacao de classes I e II para agrupamento Bvl e classe II
e III para agrupamento Bpl e finalmente II a IV para agrupamento
Rv. Esta ültima variagao depende do declive de encosta em que se
encontram estes solos, que podem variar entre plano até ondulado.
201
As limitacöes destes agrupamentos para a regadio sao uma
profundidade do solo limitada, e a textura argilosa a muito
argilosa. Estas, junto a drenagem imperfeita a ma e, por vezes,
a presenca da salinidade e sodicidade no subsolo sao as
limitacöes do agrupamento Bp. Conseguentemente estes solos
gualificam-se nas classes III (marginalmente apta) para Bp2 e IV
(uso especial; arroz) para agrupamento Bp3.
Os outros agrupamentos BI, Rl e pRl nao sao recomendados para
regadio, devido principalmente a profundidade muito limitada e
a topografia ondulada a colinosa. Além disso, os solos sao muito
pedregoso na superficie e tambèm no subsolo, gue vulgarmente
cobre a rocha em meteorizacao ou dura. Por isso estes solos
qualificam-se (conforme USDA) nas classes VII e VIII aptas para
florestas e reserva natural.

A maioria dos solos encontram-se nas zonas agro-climaticas 1, 2,


3, 4, 5, 11, 12, 17 e 18.

8.11. Os solos de coluvióes.

Os solos de coluviöes encontram-se na paisagem da cadeia


vulcanica dos Libombos, especificamente nos basaltos e nas
paisagens de Mananga e'dos afloramentos das rochas sedimentares.
Os solos do coluvio mais importantes sao na paisagem de Mananga.
Geralmente a aptidao para agricultura de sequeiro do agrupamento
Cm é classe IV (marginalmente apta), devido a salinidade e
sodicidade e a drenagem (alagamento). Por vezes, com solos pouco
salgados e sódicos, estes sao qualificados como classe III
(moderadamente apta), ou com solos muito salgados e sódicos na
classe V, só apta para pastagem.

A mesma aplica-se para a classificacao de aptidao para regadio.


Em geral estes solos sao marginalmente aptos para regadio, com
limitacöes da salinidade e sodicidade junto com a drenagem, gue
é imperfeita a ma. Pode-se também encontrar estes solos, que
qualificam-se a meihor (classe II) e a pior (classe V, sendo nao
recomendada.
As limitacöes sao varias, além da salinidade e sodicidade sao
também a drenagem, inundagao e a topografia, gue pode ser
irregular.

Os outros agrupamentos de solos Cs, Cc e Cw têm uma aptidao


moderada para agricultura de sequeiro (classe III), variando
entre classe II e IV (aptidao boa a marginal).
0 agrupamento Cw qualifica-se na classe II e III (aptidao boa a
moderada), por vezes com a limitacao da salinidade e sodicidade
e uma drenagem moderada a imperfeita.
A fase Ccf do agrupamento Cc nao é muito aconselhavel para usar,
foi classificado como marginalmente apta (classe IV) , devido a
uma profundidade de solos limitada, uma drenagem imperfeita a ma
e, por vezes, a salinidade e sodicidade do subsolo. Também a
topografia pode ser muito irregular.
O que se refere a aptidao para regadio, estes solos qualificam-se
geralmente dentro das classes boas (classe II) a nao recomendadas
ou por uso especial para regadio: por exemplo rega por
202
alagamento, arroz (classes IV e V) . As limitacöes sao semelhantes
aquelas da aptidao agricola de sequeiro, a saber, a drenagem,
salinidade, sodicidade e a profundidade de solo.
Estes agrupamentos podem-se encontrar nas todas as zonas agro-
climaticas.

8.12. Os solos de aluvioes.


i

Os solos de aluvioes sao limitados aos vales dos rios e riachos.


Também nos estuarios dos rios principais, encontram-se os solos
de aluvioes da origem marina. Existe uma grande variacao nas
qualidades destes solos, isto reflectindo na qualificagao da
aptidao dos solos.
O agrupamentó do solo Ft, incluindo a fase Fta classifica-se
(conforme USDA) na classe V apta para pastagem e, conforme USBR,
na classe V e VI, nao recomendadas.

Os agrupomentos de solos mais aptos sao os de Fe, Fs e Fa, com


uma aptidao boa a excelente para agricultura de sequeiro. Ainda
existem fases dos solos deste agrupamentó que sao menos aptas,
variando de moderada a marginalmente aptas (classe III e IV) ,
devido a drenagem imperfeita e, por vezes, a presenca de
salinidade e sodicidade.
Também, para o regadio, estes agrupamentos qualifiam-se de
aptidao boa a excelente para solos sein salinidade e sodicidade
e com uma boa drenagem. Deste modo o agrupamentó Fs qualifica-se
meihor que agrupamentó Fa com as limitacöes ja mencionadas, que
degrada-los para uma aptidao marginal ou para regadio especial
(por ex. por aspersao).
Nao recomendada para agricultura, quer de sequeiro, quer de
regadio, é a fase do agrupomento de solo Fah, devido ao
alagamento prolongado ou temporario. Este agrupomento pode ser
utilizado somente para pastagens (classe V e V I ) .
Os solos de aluvioes, com a aptidao baixa, sao os do agrupamentó
Fe, fase Fem. Estes sao qualificados como classe V a VII, aptos
para pastagem e para florestacao com as principais limitagöes,
salinidade e sodicidade de solo, incluindo o solo superficial,
e uma drenagem, ma a muito ma.
A fase Fem é coberta por mangal e é frequentemente inundada por
agua do mar (marés).
Estes solos sao completamente nao aptos para regadio, embora
solos deste agrupamentó fossem parcialmente desalinizados,
classificam-se como aptos para o regadio especial, por ex. para
arroz.
203
9. BIBLIOGRAFIA.
Montreal Engeneering Company, 1981, Report on the feasibility of
the Umbeluzi valley irrigation project, incorporating the report
on the Tembe valley pre-feasibility study. 3vol, Montreal.
Scholten, J. 1986, Estudo dos solos do vale do Alto Umbeluzi,
Série Terra e Agua do INIA, comunicacao 37, 49p, Maputo.
Kauffman, J. 1983, Os solos da zona costeira entre Maputo e
Marracuene. Avaliacao da aptidao para agricultura e horticultura.
33p. INIA, Maputo.
Vilanculos, M. and Serno, G. 1988, Levantamento de solos da area
da empresa agro-pecuéria de Boane, Maputo, 3 3p.
Voortman, R. Vilanculos, M. and Nhanala c, 1984, Relatório
preliminar sobre a aptidao agricola da empresa agricola de
Salamanga; INIA, DTA, 6p.
Beernaert, F. 1987, Geomorphological-pedological investigation
of the Manangas in Southern Mozambique ghent, 401p. PhD thesis.
Kauffman, J. 1983. Os solos do regadio de Macia. Avaliacao da
aptidao para arroz alagado. Maputo INIA, Depto Terra e Agua, 4 9p.
Timberlake, J. Jordao, C. e Serno, G. 1986, Levantamento de
pastagens e solos de Chokwé, série Terra e Agua do INIA,
comunicacao 50, Maputo.
Serli-Coba; 1982. Desenvolvimento agro-pecuario da zona Macaene-
Massingir.
Esquema geral, vol-II, carta dos solos e da aptidao agricola,
Lisboa, 70p.
Serli-BonifIca. 1981. Projecto de desenvolvimento integrado agro-
industrial e pecuario da area do Sabié-médio-Incomati-Massento,
Roma.
Vermeer, A. 1988. Mapa de solo do baixo e medio Incomati, nota
explicativa da legenda Maputo, Série Terra e Agua do INIA,
comunicacao 103p.
Montreal Engeneering Company, 1980, Umbeluzi valley irrigation
project, feasibility report, 3 vol., Montreal.
Eschweiler, J. 1986, As possibilidades para agricultura de uma
parte da baixa costeira (Distrito de Maputo).
Parte A: aspectos pedológicos-A terra e a sua aptidao agricola
74p INIA, Maputo.
Touber, L. Stiebens, W. 1982, Relatório preliminar sobre o
aproveitamento hidro-agricola da zona Maluane-Pateque, provincia
de Maputo, comunicacöes do INIA, Série pedologia ra.14, 9p.
Beernaert, F. et al. 1981, State farm Senal, Namaacha, Maputo
204
province, Mozambique. An evaluation of the agricultural resources
and guidelines for future development FAO 75/011, field rep. 27.

Serno, G. and Marques, MJ 1987, Levantamento dos solos e as


possibilidades para agricultura dos vales de Sao Damaso e Baixa
Bonhiga, zonas Verdes de Maputo, INIA, 37p.

Konstapel, C. 1980. Os solos da area de Timanguene-Magude.


Levantamento semi-detalhado de solos, nr.1.
Relatório do'INIA, Maputo. 102p.

Konstapel, C. 1980. Mapa preliminar de solos da area de


Timanguene-Massintonto. INIA, Maputo.
Barradas, L. 1962. Esbogo Agrológico do Sul de Mogambique.
Servicos de agricultura e florestas, Instituto de Investigagao
Cientïfica de Mogambique.
II plano de fomento, 151p. L.M.

Sé e Melo Marques, A. 1976. Os solos da provincia de Maputo


(parcial). Relatório do INIA 143p, Maputo.
Mac Donald + Partners, 1983, Projecto do rio dos Elefantes,
Margem esquerda e directa.
Estudo de viabilidade, relatório principal Cambridge.

Casimiro, J. e Veloso, A. 1969. Reconhecimento pedologico e de


utilizagao do solo do posto administrativo de Massingir (conselho
de Canigado-Distrito de Gaza)

FAO, 1984, Agroclimatological data for Afria, Plant production


and protection serie no.22, Rome.