Anda di halaman 1dari 2

Integração e Inclusão: Os desafios atuais da Educação Especial no Brasil

Débora _____________1
Email:___________

Resumo
Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Palavras-Chave: Xxxxxxxx, Xxxxxxxxx; Xxxxxxxxx;

Considerações Iniciais
O respeito à diversidade nem sempre esteve presente na humanidade. Apesar de
sermos, desde o nascimento, completamente diferentes uns dos outros, apesar da diversidade
ser um fato, o que sempre se encontrou nas instâncias de socialização, cultura, formação e
aprendizagem foi uma completa desvalorização das diferenças e da diversidade existente, seja
de físicamente, socialmente ou culturalmente. Quando o assunto são os indivíduos com
necessidades especiais, podemos traçar uma linha histórica praticamente precisa de como se
constituiu o tratamento a essas pessoas.
Na Idade Antiga, por exemplo, as explicações causais para pessoas com deficiência
parassava por um aspecto de subumanidade e as atitudes sociais para com essas pessoas era
diretamente a eliminação ou o abandono. Pessoas com deficiência nessa época não tinham,
praticamente, a oportunidade de viver. Na idade média as explicações causais e atitudes
sociais mudam de aspecto, mas ainda não há um cuidado e uma atenção adequada para com
pessoas com deficiência. As eplicações para as deficiências eram dadas por meio de
determinantes sobrenaturais como castigo pelos pecados de parentes, possenção por demônios
e as atitudes sociais para com essas pessoas, na maioria das vezes, passavam pelos maus
tratos.

1 Graduada em_______________________________________
A partir do século XVII com o rompimento com a idade medieval e muitas das
tradições religiosas, o renascimento e o iluminismo dão uma nova forma racional de
explicação causal para as deficiências que agora tem sua fonte em determinantes orgênicos,
como a hereditariedade, lesões ou disfunções. Todavia, apesar dessa nova explicação, os
indivíduos ainda não tem espaço na sociedade sendo constantemente segregados. É a partir do
século XX que temos uma mudança de paradigma que enxerga as deficiências como
multideterminadas e busca a “normalização” e integração dos indivíduos com deficiência. O
final do século XX e início do século XXI, traz como explicação causal influências mútiplas e
é nesse cenário que surge o termo inclusão.
Esse pequeno percurso histórico nos serve de introdução ao tema que queremos tratar
nesse artigo. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica em que buscaremos refletir sobre os
desafios atuais que ainda enfretamos no Brasil quando a questão é a inclusão de alunos com
necessidades especiais nos ambientes escolares. Revisitaremos a história brasileira e os
marcos legais que dizem respeito a educação especial com a atenção voltada para dois termos
muito usados nos ambientes escolares quando a questão são as necessidades especiais:
integração e inclusão.
Nosso objetivo é demonstrar que, apesar dos dispositivos legais insituídos pelo Estado
e que marcam a história recente da educação no Brasil, ainda estamos aquém do esperado
quando a questão é a inclusão de indivíduos em ambientes escolares regulares. A partir da
reflexão sobre a prática de ensino existente em nossas escolas, pretendemos demosntrar
também que o que há de fato é acesso e integração, mas não inclusão.

Os marcos históricos e legais da Educação Especial no Brasil

“temos o direito a ser iguais quando a diferença nos inferioriza; temos o direito a ser
diferentes quando a desigualdade nos descaracteriza” (SANTOS, 2003, p. 458).

Bibliografia
SANTOS, Boaventura de Sousa (org.). Reconhecer para libertar: os caminhos do
cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.