Anda di halaman 1dari 64

TOXICOLOGIA OCUPACIONAL

Newton Rocha – Médico do Trabalho


Representante da UFRJ na Comissão Nacional de
Segurança Química (CONASQ/MMA)
Objetivos:
1- Contribuir para o atingimento da meta de gestão
química efetiva em todos os países, até 2020,
estabelecida em Joanesburgo - Rio +10, em 2002.

2- Contribuir para o desenvolvimento de um modelo


educacional em Toxicologia Ocupacional que reforce a
capacidade de dirigentes, gerentes, supervisores e
trabalhadores adotarem as medidas preventivas e
corretivas adequadas nas atividades envolvendo
produtos químicos.
1- A Importância da
Toxicologia no Cenário
Internacional
Na UE-27, a cada ano, morrem cerca de 167
mil trabalhadores em consequência do
trabalho (OIT).
Mortalidade anual por Mortalidade anual por
doenças do trabalho: acidentes do trabalho:
159500 7500

Expert forecast on emerging chemical risks related to occupational safety and health (2009).
Jukka Takala, Diretor da Agência Europeia para Segurança e Saúde no Trabalho.
Em torno de 159.500 dessas mortes podem ser atribuídas a
doenças relacionadas ao trabalho, das quais 74.000
decorrentes da exposição a substâncias perigosas.

Mortalidade anual por


doenças do trabalho
causadas por produtos
químicos : 74000

Expert forecast on emerging chemical risks related to occupational safety and health (2009).
Jukka Takala, Diretor da Agência Europeia para Segurança e Saúde no Trabalho.
Em particular, os cânceres estão
entre as principais causas - se não a
principal - de mortes relacionadas às
condições de trabalho, na Europa.

Expert forecast on emerging chemical risks related to occupational safety and health (2009).
Jukka Takala, Diretor da Agência Europeia para Segurança e Saúde no Trabalho.
Mortalidade Dinamarca - 2007

JUEL, Knud; SØRENSEN, Jan et BRØNNUM-HANSEN Henrik. Risk factors and public health in Denmark. Scandinavian Journal
of Public Health. Copenhagen, Novembro 2008. Volume 36 Supplement 1, p. 37.
5%
5%
Organização Pan-Americana
de Saúde – (OPAS/OMS)
estima que no máximo 5 %
das doenças ocupacionais
que ocorrem na América
Latina são notificadas.

Fonte: (Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS/OMS) ; GOELZER, 2014)


Correspondem às doenças
do trabalho do total de
acidentes típicos, acidentes
de trajeto e doenças dos
trabalho comunicados em
2015.
2,63%

Anuário Estatístico da Previdência Social, 2015


Mortalidade pela poluição.
SUBSTÂNCIAS PERIGOSAS
Representam riscos para a saúde e segurança dos trabalhadores.
São encontradas em quase todos os locais de trabalho.
Em toda a Europa, milhões de trabalhadores entram em contato
com agentes químicos que podem prejudicá-los.
• 15% dos trabalhadores da UE têm que lidar com substâncias
perigosas como parte de seu trabalho;
• outros 15% relatam respirar fumaça, fumos ou poeiras no
trabalho.
• Muitas substâncias prejudiciais ainda são amplamente
utilizadas, e a legislação está em vigor para assegurar que os
riscos associados a elas sejam adequadamente gerenciados.

EU OSHA FACTS 183 – OCTUBER 2017


Os produtos químicos podem
produzir praticamente todas as
doenças conhecidas.
PORTARIA Nº 1339, DE 18 DE NOVEMBRO DE 1999
Lista de Doenças Relacionadas ao Trabalho
PORTARIA Nº 1339, DE 18 DE NOVEMBRO DE 1999
Lista de Doenças Relacionadas ao Trabalho
PORTARIA Nº 1339, DE 18 DE NOVEMBRO DE 1999
Lista de Doenças Relacionadas ao Trabalho
PORTARIA Nº 1339, DE 18 DE NOVEMBRO DE 1999
Lista de Doenças Relacionadas ao Trabalho
PORTARIA Nº 1339, DE 18 DE NOVEMBRO DE 1999
Lista de Doenças Relacionadas ao Trabalho
PORTARIA Nº 1339, DE 18 DE NOVEMBRO DE 1999
Lista de Doenças Relacionadas ao Trabalho
Depressão é tema de campanha da OMS
para Dia Mundial da Saúde de 2017

Para o Dia Mundial da Saúde de 2017,


lembrado em 7 de abril, a Organização
Mundial da Saúde (OMS) deu início a uma
campanha sobre depressão, transtorno que
pode afetar pessoas de qualquer idade em
qualquer etapa da vida.
2- Conceitos Básicos de
Toxicologia
TOXICOLOGIA
Ciência que estuda os
efeitos nocivos decorrentes
das interações das
substâncias químicas com
os organismos vivos.
Áreas da Toxicologia
Toxicologia Farmacológica
Toxicologia Clínica
Toxicologia Veterinária
Toxicologia Aplicada a Alimentos
Toxicologia Ocupacional
Toxicologia Ambiental / Ecotoxicologia
Toxicologia Legal ou Forense
Toxicologia de Guerra Química
Toxicologia Experimental
TOXICOLOGIA OCUPACIONAL
Área da Toxicologia que trata da
identificação, análise e mecanismo de
ação das substâncias químicas
presentes nos processos produtivos,
bem como da prevenção e do
tratamento dos efeitos tóxicos no
trabalhador.
Toxicidade:
Capacidade inerente da
substância de provocar
efeitos nocivos em
organismos vivos.
Intoxicação
Conjunto de sinais e sintomas
que evidenciam os efeitos
nocivos produzidos pela
interação da(s) substância(s)
química(s) com o organismo.
Odor
X
Toxicidade
Toxicidade

Risco Tóxico
O que é preciso compreender para se assegurar a
proteção no trabalho com produtos químicos?
Na publicação E-Facts 75- Substâncias Perigosas e Comunicação Efetiva no
Local de Trabalho, a Agência Europeia para Segurança e Saúde no Trabalho
estabelece a seguinte Lista de Verificação para Informações aos
Trabalhadores:

• Avaliação de riscos do local de trabalho.


• Identificação dos perigos do local de trabalho.
• Identificação dos danos resultantes da exposição aos
perigos existentes no local de trabalho.
• Descrição das medidas preventivas para controle dos
perigos relativas à toda a equipe.
• Atividades para verificação e detecção de falhas e
comunicação das mesmas.
• Interpretação dos resultados de monitoramento de
exposição ou vigilância da saúde.
• Descrição das medidas preventivas e corretivas a serem
tomadas nos trabalhos de manutenção.
• Habilidade na prestação de primeiros socorros e
procedimentos de emergência.
3- Exposição Ocupacional aos Produtos Químicos
3- Exposição Ocupacional aos Produtos Químicos

3.1- Comportamento habitual dos produtos


químicos no ambiente de trabalho.

2.2- Características biológicas humanas.


3.1- Comportamento habitual das
substâncias no ambiente de trabalho

Estado gasoso

Estado líquido
Expansão
Estado sólido:
(poeiras e fumos)
Por intermédio da dispersão aérea, os
agentes químicos atingem, passivamente, a
zona respiratória dos trabalhadores,
conforme mostra a figura 1.
As altas temperaturas e altas pressões,
comuns nos processos industriais,
aumentam a tendência expansiva dos
agentes químicos no ar.
Mercúrio metálico

Temperatura Pressão de vapor


20º C 0,0012 mmHg
30º C 0,0027 mmHg
40º C 0,0060 mmHg
50º C 0,0126 mmHg
3.2- Características biológicas humanas.

Permeável a moléculas pequenas solúveis em gordura.


Além da expansibilidade aérea das
substâncias, outros fatores contribuem para
tornar os pulmões a principal porta de
entrada no organismo de substâncias tóxicas
presentes no ar dos locais de trabalho:
1) A respiração é um processo contínuo, ou
seja, o homem trabalha e ao mesmo tempo
inala o ar ao seu redor.
2) A área de absorção dos alvéolos
pulmonares é estimada em 140 m2, em
contato direto com o ar ambiente.
Área alveolar = 140 m2

Área de pele <2 m2


3) Inexistência de qualquer barreira entre a zona
respiratória e os alvéolos pulmonares, como
mostra a Fig 2.
4) A espessura da membrana que separa o ar
ambiente do sangue nos pulmões é muito
delgada, facilitando a absorção pulmonar.
5) A quantidade de ar inalado depende do
esforço dispendido na jornada de trabalho.
APARELHO RESPIRATÓRIO

A estrutura projetada
pela Natureza para
possibilitar as trocas
gasosas facilita a
absorção respiratória
de substâncias
dispersas no ar dos
locais de trabalho.
Alvéolos pulmonares
Vaso Capilar
A tendência expansiva das substâncias no ar
associada às características anatômicas e
fisiológicas descritas fazem dos pulmões a
principal via de absorção de agentes
químicos, responsável por cerca de 90% das
intoxicações ocupacionais.

Após serem inalados, os produtos químicos


podem atingir a circulação sanguínea, que os
distribui por todo o organismo.
Torna-se evidente a importância de proteger
a zona respiratória das pessoas que
trabalham com produtos químicos.

Para tanto, é necessária a colocação de


barreiras apropriadas entre os locais de
emissão de produtos químicos e a zona
respiratória dos trabalhadores.
Tais barreiras devem ser previstas no projeto
das instalações e colocadas:

1- na fonte de emissão de agentes químicos


(enclausuramento da fonte);

2- na trajetória de expansão dos agentes químicos


no ar por meio de sistemas de exaustão; e

3- complementadas com o uso de equipamentos


de proteção respiratória.
Hierarquia das Medidas de Controle de Higiene Ocupacional

 Práticas Recomendadas
para Programas de
Segurança e Saúde da
US-OSHA (Occupational
Safety and Health
Administration)

 Estratégia da Prevenção
Através do Projeto
(PtD) US NIOSH -
National Institute for
Occupational Safety and
Health

 Eliminam ou reduzem as
exposições;

Fonte: (NIOSH, 2016)


A pele íntegra pode ser porta de entrada de
substâncias constituídas por moléculas pequenas
e solúveis em gordura, no estado líquido, que
estabeleçam contato direto com ela, ou pelo uso
de roupas impregnadas por resíduos químicos.
Pele

A pele, embora muito espessa que a membrana alvéolo-capilar e a


membrana digestiva, tem uma área total de cerca de 2 m2 e permite a
penetração de substâncias de baixo peso molecular, solúveis em
gordura e no estado líquido, em contato prolongado.
Aparelho Digestivo

A área da delgada mucosa digestiva, estimada em


250 m2, associada a um contato prolongado com
alimentos e líquidos ingeridos, favorece a absorção
digestiva de produtos químicos.
O aparelho digestivo pode funcionar como
via de entrada de agentes químicos
presentes nas mãos e unhas sujas, bem
como em decorrência da ingestão de
alimentos no local de trabalho ou da
ingestão acidental.
Após a absorção por qualquer dessas vias, os
agentes químicos entram na circulação sanguínea
e podem exercer ação tóxica direta sobre o
sangue, bem como sofrer distribuição pelas
diversas partes do organismo, atravessando
barreiras formadas por células de diferentes
tecidos do organismo.
A circulação sanguínea distribui as
moléculas exógenas por todos os
compartimentos do organismo:
Aparelho Urinário
Aparelho Gênito-Urinário
Prevenção de Eliminação ou redução
intoxicações
ocupacionais:
= da exposição repetida
aos produtos químicos
no trabalho.
Aplicações Práticas do Conhecimento Toxicológico
Em nível individual
- Planejar cuidadosamente a execução de cada
operação envolvendo produtos químicos.
- Conhecer os cuidados exigidos para o
manuseio seguro de cada produto químico.
- Conhecer os procedimentos para situações de
emergência.
- Contribuir no seu grupo de trabalho para o
adequado planejamento dos processos
produtivos envolvendo produtos químicos.
Aplicações Práticas do Conhecimento Toxicológico
Em nível de supervisão I
- Assumir a responsabilidade pela proteção
contra os produtos químicos de todo o pessoal
sob sua supervisão.
- Desenvolver no grupo uma consciência de
prevenção que permaneça ao longo da vida.
- Exigir que os padrões de segurança e saúde
para o manuseio de produtos químicos sejam
obedecidos.
- Investigar todos os incidentes e acidentes
envolvendo produtos químicos.
Aplicações Práticas do Conhecimento Toxicológico
Em nível de supervisão II
- Considerar os padrões de segurança e saúde
na utilização dos produtos químicos na
avaliação do desempenho profissional.
- Manter o pessoal adequadamente treinado,
com especial atenção para as situações de
emergência.
- Participar das atividades de monitorização
ambiental e biológica.
- Prover material informativo adequado.
Aplicações Práticas do Conhecimento Toxicológico
Em nível institucional I

- Implementar Política de Segurança Química.

- Assegurar tecnologias, instalações e


equipamentos adequados para o trabalho
seguro.

- Manter efetivo programa de treinamento na


utilização de produtos químicos.
Aplicações Práticas do Conhecimento Toxicológico
Em nível institucional II

- Assegurar a adoção das melhores práticas de


gestão química disponíveis.

- Exigir especial atenção nos estudos de projeto,


com o objetivo de eliminar, reduzir e controlar a
exposição ocupacional a produtos químicos na
fase de planejamento, momento estratégico
para as correções mais efetivas, muitas vezes
com custo adicional zero.