Anda di halaman 1dari 151

01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Sistema El€trico Automotivo

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Sistema elétrico

Cerca de 1000 metros de fio unem os componentes elétricos num


automóvel atual. Todos os fios da instalação, à exceção das ligações à
massa, à bateria e aos cabos de alta tensão da ignição, apresentam
cores diversas, que correspondem a um código de identificação. Na
maioria dos automóveis, o código está normalizado a fim de permitir
reconhecer rapidamente os diferentes circuitos ao efetuar-se qualquer
reparação.

A bateria atua como reservatório de energia que fornece ao sistema


quando o motor está parado; quando trabalha a um regime superior da
marcha lenta, o alternador supre todas as necessidades de energia do
automóvel e carrega a bateria. Para manter o motor do automóvel em
funcionamento são apenas solicitados alguns elementos do sistema
elétrico; os restantes fazem funcionar as luzes, limpadores de para
brisas e outros acessórios.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Alguns destes, como a buzina, por exemplo, são considerados


obrigatórios por lei, sendo muitos outros considerados extras. Instalação
dos diferentes circuitos – A corrente do sistema elétrico de um
automóvel é fornecida pela bateria – quando o motor não esta
funcionando – e pelo gerador, normalmente um dínamo que foi
substituído por um alternador, que fornece a corrente necessária para o
número, sempre crescente, de acessórios elétricos que os automóveis
modernos incluem.

Sempre que o motor estiver parado, toda a corrente utilizada tem a


voltagem (tensão) da bateria (normalmente 12 volts). Com o alternador
em funcionamento, a corrente é utilizada aproximadamente à tensão de
14,8 volts, exceto a que é fornecida às velas de ignição, que é elevada
para mais de 30 000 volts por meio de sistema da ignição.

Uma das principais funções do sistema elétrico consiste em produzir a


faísca, que permite a explosão, nos cilindros, da mistura comprimida a
gasolina e o ar, além de tornar possível o arranque do motor térmico
por meio do motor de arranque. O sistema elétrico de um veículo está
dividido em circuitos, cada um dos quais com diferentes funções básicas
e comandos. São eles o circuito de ignição, o circuito de arranque, o
circuito da carga da bateria, o circuito das luzes e os circuitos
acessórios, por vezes, comandado pelo interruptor da ignição e, na
maior parte dos casos, protegidos por um fusível.

Um fusível fundido (queimado) indica, quase sempre, que há uma avaria


em qualquer outro ponto que não seja o próprio fusível, tal como
sobrecarga de um circuito (partindo-se do principio de que foi utilizado o
fusível adequado). Os componentes elétricos de um automóvel estão
ligados através de interruptores a um dos lados da bateria, estando o
outro lado ligado à carroceria ou ao chassi, isto é, à massa. Deste modo,
o circuito de qualquer componente completa-se através da carroceria
que desempenha naquele a função de um fio, o do retorno à massa.

Este processo de ligação à massa não só economiza cerca de 30 metros


de fio de cobre, mas também reduz a possibilidade de interrupção no
circuito e simplifica a localização de avaria e a instalação de extras.
Recorre-se a fios de diferentes diâmetros para possibilitar a passagem
da corrente necessária, sem causar aquecimento do fio.

Assim, na ligação entre o motor de arranque e a bateria, por exemplo,


utiliza-se um fio de diâmetro muito maior que as dos restantes fios,
porque a corrente que o atravessa chega a atingir de 300 a 400 A. Nos

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

esquemas elétricos, as cores dos fios são normalmente indicadas por


meio de letras.

VAMOS VER AGORA, COMO FUNCIONAM ALGUNS


ACESSÓRIOS ELÉTRICOS DOS AUTOMÓVEIS

Como funcionam as travas elétricas

Introdução
Entre teclados, sistemas de entrada sem chave e travas convencionais, alguns
carros têm hoje quatro ou cinco diferentes maneiras de destravar as portas. Como
os carros controlam todos esses métodos diferentes e o que exatamente acontece
quando as portas são destravadas?

O mecanismo que destrava as portas do carro é muito interessante. Ele tem que
ser muito confiável, pois irá destravar as portas dezenas de milhares de vezes
enquanto o seu carro existir.
Nesta edição, saberemos exatamente o que existe dentro da porta que a faz
destravar. Vamos separar o atuador que faz o trabalho e, em seguida, saberemos
como a trava pode ser forçada a abrir. Mas, primeiro, vamos ver como o carro
mantém todos os seus sinais corretos.

Travar e destravar

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Aqui estão algumas das maneiras


como as portas do carro podem ser
destravadas:
• com uma chave
• pressionando o botão de
destravar dentro do carro
• usando a trava de combinação
na parte externa da porta
• puxando a maçaneta na parte
interna da porta
• com um controle remoto de
entrada sem chave
• com um sinal de um centro de
controle
Em alguns carros que possuem travas elétricas das portas, o botão
travar/destravar envia energia para os atuadores, que destravam as portas. Em
outros sistemas mais complicados, que têm maneiras diferentes de travar e
destravar as portas, o controlador de corpo decide quando fazer o destravamento.
O controlador de corpo é um computador no carro. Ele cuida das pequenas
coisas que tornam o carro mais confortável. Por exemplo, garante que as luzes
interiores permaneçam ligadas até que seja dada a partida no carro. Além disso,
ele emite um bip se você deixar o farol aceso ou se deixar as chaves na ignição.
No caso de travas elétricas das portas, o controlador de corpo monitora todas as
possíveis origens de um sinal de "destravar" ou de "travar". Ele monitora o painel
de toque colocado na porta e destrava as portas quando o código correto é
inserido. Desta maneira ele monitora uma freqüência de rádio e destrava as portas
quando recebe o código digital correto do transmissor de rádio em um sistema de
segurança, além de monitorar os interruptores dentro do carro. Quando ele recebe
um sinal de qualquer uma dessas origens, fornece energia para o atuador, que
destrava ou trava as portas.
Agora, vamos dar uma olhada no interior de uma porta de carro e ver como tudo
está ligado.

Dentro de uma porta de carro

Nesse carro, o atuador das travas elétricas das portas está posicionado abaixo da
trava. Uma haste conecta o atuador à trava e uma outra haste conecta a trava à
maçaneta localizada na parte superior da porta.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Uma porta de carro

Quando o atuador move a trava para cima, ele conecta a maçaneta externa da
porta ao mecanismo de abertura. Quando a trava está para baixo, a maçaneta
externa da porta é desconectada do mecanismo, para que não possa ser aberta.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Interior de uma porta do carro

Para destravar a porta, o controlador de corpo fornece energia para o atuador das
travas elétricas das portas durante um intervalo de tempo. Vamos dar uma olhada
dentro do atuador.

Dentro do atuador

O atuador das travas elétricas das portas é um dispositivo bem simples.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Esse atuador pode mover o gancho de metal mostrado nesta


foto para a esquerda ou direita. Quando montado no carro,
ele é vertical e, portanto, o gancho pode mover-se para cima
ou para baixo. Ele imita seus movimentos quando você puxa
a maçaneta para cima ou a empurra para baixo.

Esse sistema é muito simples. Um pequeno motor elétrico gira uma série de
engrenagens dentadas que atuam como redução de engrenagem. A última
engrenagem impulsiona um conjunto de engrenagens de cremalheira e pinhão
que está conectado à haste do atuador. A cremalheira converte o movimento
rotacional do motor no movimento linear necessário para mover a trava.

Interior do atuador das travas elétricas das portas

Uma coisa interessante sobre esse mecanismo é que, embora o motor possa girar
as engrenagens e mover a trava, se você mesmo movê-la, o motor não girará.
Isso é realizado por uma embreagem centrífuga que é conectada à engrenagem e
ligada pelo motor.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Embreagem centrífuga na engrenagem de transmissão

Quando o motor gira a engrenagem, a embreagem sai e trava a pequena


engrenagem de metal na engrenagem plástica maior, permitindo que o motor
mova a trava da porta. Se você mesmo mover a trava da porta, todas as
engrenagens girarão, exceto a engrenagem plástica com a embreagem.

Como funcionam os alarmes de carros

Introdução
Os carros são alvo natural de ladrões: são valiosos, razoavelmente fáceis de
serem revendidos e têm um sistema de partida embutido. Estatística de 2004,
mostra que nos Estados Unidos, a cada 26 segundos, um veículo é roubado.

O sistema de alarme de carro Sidewinder inclui sensores e


sinais sonoros

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Com esta estatística alarmante, não é de se surpreender que milhões de


pessoas tenham começado a investir em sistemas de alarmes. Hoje, muitos carros
são equipados com sensores eletrônicos sofisticados, sirenes e sistemas de
ativação remota. Esses carros acabaram se tornando uma espécie de
fortaleza com rodas.
Neste artigo, vamos dar uma olhada em alarmes de carro modernos para
descobrir o que eles fazem e como são feitos.
Um alarme de carro é basicamente um conjunto de sensores unidos a algum tipo
de sirene. O alarme mais simples seria um interruptor na porta do motorista e
seria conectado para que, se alguém abrisse a porta, a sirene começasse a tocar.
Os sistemas de alarme de carro mais modernos são muitos mais sofisticados do
que isso. Eles são compostos por:
• uma série de sensores que podem incluir interruptores, sensores de
pressão e detectores de movimentos;
• uma sirene, muitas vezes capaz de criar vários sons para que você
possa escolher um personalizado para seu carro;
• um receptor de rádio para permitir controle sem fio a partir de um
chaveiro;
• uma bateria auxiliar para que o alarme possa funcionar mesmo se a
bateria principal for desconectada;
• uma unidade de controle que monitora tudo e soa o alarme.
O mais importante nos sistemas mais avançados é um pequeno computador ou
cérebro. Ele é encarregado de fechar os interruptores que ativam dispositivos
alarmantes - a buzina, os faróis ou uma sirene instalada - quando certos
interruptores que acionam dispositivos de sensibilização são abertos ou fechados.
Os sistemas de segurança diferenciam-se, principalmente, em como os sensores
são usados e como os vários dispositivos são conectados ao cérebro.
O cérebro e os alarmes podem ser conectados à bateria principal do carro, mas
eles normalmente têm uma fonte de energia reserva também. Essa fonte de
energia entra em ação quando alguém corta a fonte de energia principal (pelo
recorte dos fios da bateria, por exemplo). Uma vez que a redução de energia é
uma indicação de um possível intruso, há um aviso para soar o alarme.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Sensores da porta

O elemento mais básico em um sistema de alarme de carro é o alarme da porta.


Quando você abre o capô dianteiro, o porta-malas ou qualquer porta em um carro
totalmente protegido, o sistema de alarme é ativado.
A maior parte dos sistemas de alarme de carro utilizam o mecanismo de
comutação já incorporado nas portas. Em carros modernos, abrindo uma porta ou
porta-malas, as luzes interiores se acendem. O comutador que faz este trabalho
se parece com o mecanismo que controla a luz da sua geladeira. Quando a porta
é fechada, ela pressiona um botão pequeno, ativado por uma mola ou alavanca,
que abre o circuito. Quando a porta é aberta, a mola empurra o botão, fechando o
circuito e enviando eletricidade às luzes interiores.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Um interruptor de valet é um botão manual que inutiliza


temporariamente o sistema de alarme. Ele fica escondido em
um lugar incomum no carro. O interruptor mostrado aqui é
colocado embaixo do painel de acesso de fusíveis.

O que você tem que fazer para colocar sensores de porta para funcionar é
acrescentar um novo elemento a este circuito pré-programado. Com os novos
arames no lugar, ao abrir a porta (fechando o interruptor) é enviada uma corrente
elétrica ao cérebro junto com as luzes interiores. Quando esta corrente flui,
o cérebro aciona o alarme.
Como uma medida protetora, os sistemas de alarme modernos normalmente
controlam a voltagem no circuito elétrico do carro inteiro. Se houver uma baixa
na voltagem deste circuito, o cérebro "sabe" que alguém mexeu no sistema
elétrico. Ligar uma luz (abrindo a porta), mexer em fios elétricos no capô ou retirar
um trailer atado com uma conexão elétrica causaria baixa na voltagem.
Os sensores de porta são altamente eficazes, mas oferecem uma proteção
limitada. Há outros modos de entrar no carro (quebra de uma janela, por exemplo)
e os ladrões não precisam entrar no seu carro para roubá-lo (eles podem rebocá-
lo).
Sensores de choque

Atualmente, só os sistemas de alarme mais baratos utilizam apenas sensores de


porta. A maioria dos sistemas de alarme dependem de sensores de choque para
deter ladrões.
A idéia de um sensor de choque é muito simples: se alguém bater, empurrar ou,
de alguma maneira, mover o seu carro, o sensor envia um sinal que indica a

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

intensidade do movimento. Dependendo da gravidade do choque, o cérebro


transmite um som de buzina ou soa o alarme em seu tom natural.
Existem muitas maneiras diferentes para criar um sensor de choque. Um sensor
simples é um contato metálico longo e flexível, posicionado acima de outro contato
metálico. Você pode configurar facilmente esses contatos como um interruptor
simples: quando você os toca em conjunto, uma corrente flui entre eles. Um
transformador substancial fará com que o contato flexível balance para que ele
toque o contato abaixo, concluindo o circuito resumidamente.
O problema com este design é que todos os choques ou vibrações fecham o
circuito do mesmo modo. O cérebro não tem nenhum modo de medir a
intensidade do transformador, o que resulta em muitos alarmes falsos. Os
sensores mais avançados enviam informações diferentes dependendo de quão
severo o choque é. O desenho abaixo, patenteado por Randall Woods em 2000, é
um bom exemplo deste tipo de sensor.

O sensor tem três elementos principais:


• um contato elétrico central em um alojamento de cilindro
• vários contatos elétricos menores no fundo do alojamento
• uma bola metálica que pode mover-se livremente no alojamento
Em qualquer posição de descanso, a bola metálica toca tanto o contato elétrico
central como um dos contatos elétricos menores. Isso completa um circuito,
enviando uma corrente elétrica ao cérebro. Cada um dos contatos menores é
unido ao cérebro dessa forma, via circuitos separados.
Quando você move o sensor, batendo ou sacudindo, a bola rola no alojamento.
Como ela rola de um dos contatos elétricos menores, ele quebra a conexão entre
aquele determinado contato e o contato central. Isso abre o interruptor, dizendo

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

ao cérebro que a bola se moveu. Ao rolar, ela passa por cima de outros contatos,
fechando cada circuito e os abrindo novamente, até que ele finalmente pare.
Se o sensor tiver um choque mais severo, a bola rola a uma distância maior, que
passa por cima de mais contatos elétricos antes que pare. Quando isso acontece,
o cérebro recebe pequenos curtos das correntes de todos os circuitos
individuais. Baseado em quantos curtos ele recebe e quanto tempo duram, o
cérebro pode determinar a gravidade do choque. Para turnos muito pequenos,
onde a bola só rola de um contato ao seguinte, o cérebro pode não ativar o
alarme. Para turnos ligeiramente maiores - de alguém que se choca com o carro,
por exemplo - ele pode dar um sinal de aviso: uma buzinada e uma luz dos faróis.
Quando a bola rola uma boa distância, o cérebro acende toda a sirene.
Em muitos sistemas de alarme modernos, os sensores de choque são os
primeiros a captar o roubo, mas eles são normalmente ligados a outros
dispositivos. Nas próximas seções, veremo outros tipos de sensores que
informam quando algo está errado.

Mais sensores

Sensores da janela

Muitas vezes, ladrões que estão com pressa não se preocupam em abrir travas
para entrar no carro: eles apenas quebram o vidro. Um sistema de alarme de carro
totalmente equipado tem um dispositivo que identifica esse tipo de ação.
O detector de quebra de vidro mais comum é um microfone simples, conectado ao
cérebro. Os microfones medem variações na flutuação de pressão de ar e
convertem este modelo a uma corrente elétrica flutuante. A quebra de vidro tem a
sua própria freqüência sólida distinta (o modelo de flutuações de pressão de ar). O
microfone converte isso a uma corrente elétrica daquela determinada freqüência e
essa corrente é enviada ao cérebro.
No caminho para o cérebro, a corrente vai por um crossover, dispositivo elétrico
que só conduz a eletricidade de certa variedade de freqüência. A passagem é
configurada para que só conduza a corrente que tem a freqüência para quebrar o
vidro. Deste modo, só este som específico ativará o alarme e todos os outros sons
são ignorados.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Uma unidade de passagem: usando uma combinação específica


de indutores e condensadores, pode-se projetar uma unidade de
passagem que só conduz a corrente que tem a freqüência para
quebrar o vidro

Outro modo de detectar que o vidro está sendo quebrado, bem como alguém
abrindo a porta, é medir a pressão aérea no carro.
Sensores de pressão

Um modo simples para um sistema de alarme descobrir um intruso é controlar os


níveis de pressão do ar. Mesmo que não haja nenhum diferencial de pressão entre
o interior e o exterior, o ato de abrir uma porta ou forçar em uma janela empurra
ou puxa o ar de dentro do carro, criando uma breve modificação na pressão.
Você pode descobrir flutuações na pressão do ar com um alto-falante comum. Um
alto-falante tem duas partes principais:
• um cone móvel e largo
• um eletroímã, rodeado por um ímã natural, atado ao cone

Quando você coloca música para tocar, uma corrente elétrica flui pelo eletroímã, o
que faz com que ele se movimente para dentro e para fora. Isso empurra e puxa o
cone atado, formando flutuações de pressão no ar circundante. Ouvimos essas
flutuações como som.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Esse é o mecanismo básico de um alto-falante. Os alto-falantes de um carro são sistemas de alarme eficazes,
podem ser usados para medir variações na pressão do ar.

Esse mesmo sistema pode trabalhar de maneira inversa, que é o que acontece
em um detector de pressão básico. As flutuações de pressão movem o cone para
frente e para trás, que empurra e puxa o eletroímã atado. Você sabe que o
movimento de um eletroímã em um campo magnético natural gera uma corrente
elétrica. Quando o cérebro registra uma corrente significante que flui deste
dispositivo, ele sabe que algo causou um aumento de pressão rápido dentro do
carro. Isso sugere que alguém tenha aberto uma porta ou janela ou tenha feito um
barulho muito alto.
Alguns designs de sistema de alarme utilizam alto-falantes estéreos no carro como
sensores de pressão, mas outros têm dispositivos separados que são
especificamente projetados para a detecção.

Sensores de movimento e inclinação

Muitos ladrões de carro não querem o seu carro inteiro, pois estão atrás apenas
de algumas partes dele. As pessoas que depenam o carro podem fazer a maior
parte de seu trabalho sem abrir uma porta ou janela. E um ladrão com um
caminhão de reboque pode, simplesmente, levantar o seu carro e levá-lo inteiro.
Há várias maneiras eficientes de um sistema de segurança captar o que acontece
no exterior de um carro. Alguns sistemas de alarme incluem scanners de
perímetro, dispositivos que controlam o que acontece imediatamente em volta do
carro. O scanner de perímetro mais comum é um sistema de radar básico,
composto de um transmissor e receptor de rádio. O transmissor distribui sinais de
rádio e o receptor controla as reflexões de sinal que voltam. Baseado nesta

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

informação, o dispositivo de radar pode determinar a proximidade de qualquer


objeto circundante.
Para proteger um carro contra ladrões com caminhões de reboque, um sistema de
alarme tem "detectores de inclinação". O design básico de um detector de
inclinação é uma série de interruptores de mercúrio. Um interruptor de mercúrio
é composto de dois fios elétricos e uma bola de mercúrio posicionados dentro de
um cilindro.
O mercúrio é um metal líquido - flui como água, mas conduz a eletricidade como
um metal sólido. Em um interruptor de mercúrio, um fio (vamos chamá-lo de fio A)
passa por todo o fundo do cilindro, enquanto o outro fio (fio B) passa por só um
lado. O mercúrio está sempre em contato com o fio A, mas pode quebrar o contato
com o fio B.
Quando o cilindro inclina para um lado, o mercúrio muda para que ele entre em
contato com o fio B. Isto fecha o circuito que passa pelo interruptor de mercúrio.
Quando o cilindro inclina para o outro lado, o mercúrio rola para longe do segundo
fio, abrindo o circuito.
Em alguns designs, só a ponta do fio B é exposta e o mercúrio deve estar em
contato com a ponta para fechar um interruptor. Inclinando o interruptor de
mercúrio de qualquer forma, abre-se o circuito.

Os sensores de inclinação de alarmes de carro têm uma série de interruptores de


mercúrio posicionados em ângulos variados. Alguns deles estão na posição
fechada quando se está estacionado em qualquer ladeira e alguns deles estão na
posição aberta. Se um ladrão modifica o ângulo do carro (levantando-o com um
caminhão de reboque ou levantando-o com um macaco, por exemplo), alguns
interruptores fechados abrem e alguns interruptores abertos fecham. Se algum

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

dos interruptores se mexerem, o cérebro sabe que alguém está levantando o


carro.
Em situações diferentes, todos esses sistemas de alarme poderiam fazer a
mesma coisa. Por exemplo, se alguém estiver rebocando o seu carro, os
interruptores de mercúrio, o sensor de choque e o sensor de radar registrarão que
há um problema. Mas as combinações diferentes de ativações de alarmes podem
indicar eventos diferentes. O sistema de alarme "inteligente" tem cérebros que
reagem diferentemente dependendo da combinação da informação que recebem
dos sensores.
Na próxima seção, vamos ver algumas respostas de alarmes que o cérebro pode
provocar em circunstâncias diferentes.

Soando o alarme

Nas seções anteriores, vimos vários dispositivos de sensibilidade que dizem ao


cérebro do sistema de alarme quando algo mexe com o carro. Não importa o quão
avançado esses sistemas sejam, o sistema de alarme não é muito bom se não
soar um alarme eficaz.
Como vimos, muitos dispositivos que já são incorporados no seu carro fazem sons
alarmantes eficazes. No mínimo, a maior parte dos sistemas de alarme de carro
buzinarão e acenderão os faróis quando um sensor indica um intruso. Eles
também podem ser conectados para interromper o funcionamento da ignição,
cortar a provisão de gasolina ao motor ou inutilizar o carro por outros meios.

Uma Neo mini sirene, escondida dentro da fenda dianteira de


um veículo

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Um sistema de alarme avançado também incluirá uma sirene separada que


produz sons ensurdecedores. Muito barulho faz com que se preste atenção para
onde o som se origina, o que faz com que o ladrão de carro abandone a cena logo
que o alarme soe. Com alguns sistemas de alarme, você pode programar um
modelo distinto de sons de sirene para que você possa distinguir o alarme do seu
carro dos demais alarmes.
Alguns sistemas de alarme tocam uma mensagem gravada quando alguém
caminha muito próximo de seu carro. O objetivo principal disso é avisar os intrusos
que você tem um sistema de alarme avançado antes que eles tentem qualquer
coisa. Um ladrão experiente pode não ignorar completamente esses avisos, mas
para o ladrão amador, eles podem ser um forte impedimento.
Muitos sistemas de alarmes incluem um receptor de rádio embutido ao cérebro e
um transmissor de rádio portátil que você pode levar no seu chaveiro.

O transmissor

A maior parte de sistemas de alarmes de carro vêm com algum tipo do


transmissor portátil no chaveiro. Com este dispositivo, você pode enviar
instruções ao cérebro para controlar o sistema de alarme remotamente. Isso
funciona basicamente como os brinquedos controlados por rádio. Ele usa pulsos de
ondas de rádio para enviar mensagens específicas.

O transmissor de chaveiro do sistema de segurança


Sidewinder: permite trancar as portas, ativar e desativar o
alarme e fazer a sirene tocar do exterior do carro

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

O objetivo primário do transmissor de chaveiro é permitir a você um modo de ligar


e desligar o seu sistema de alarme. Depois que você saiu do seu carro e fechou a
porta, você pode ativar o sistema com o toque de um botão e quando volta ao
carro, pode desativá-lo facilmente. Na maior parte de sistemas, o cérebro
acenderá as luzes e tocará a buzina quando você tranca e destranca o seu carro.
Isso deixa você e qualquer pessoa que estiver na área, sabendo que o sistema de
alarme está funcionando.
Esta inovação fez com que os alarmes de carro ficassem muito mais fáceis de
usar. Antes, os sistemas de alarme usavam um mecanismo de atraso parecido
com um sistema de segurança de casa. As pessoas tinham um tempo
(aproximadamente 30 segundos) para sair e trancar as portas. Para destrancar,
tinha-se a mesma quantidade de tempo. Este sistema era altamente problemático
porque dava aos ladrões uma oportunidade de entrar no carro e inutilizar o alarme
antes de o mesmo soar.
Os transmissores remotos também o deixam ativar a trava de todas as portas,
acender as suas luzes e fazer o alarme soar antes que você entre no carro.
Alguns sistemas dão para você até mais controle sobre o cérebro do sistema.
Esses dispositivos têm um computador central e um sistema de pager embutido.
Quando um intruso mexe no seu carro, o computador central faz tocar o pager no
seu chaveiro e avisa que os sensores foram ativados. Nos sistemas mais
avançados, você pode se comunicar com o cérebro, mandando um sinal para
desligar o motor.
Uma vez que o transmissor controla o sistema de alarme, o modelo de modulação
de pulso deve atuar como uma chave. Para uma determinada linha de dispositivos
de transmissor, pode haver milhões de códigos de pulso diferentes. Isto torna
única a língua de comunicação do seu sistema de alarme, portanto, outras
pessoas não podem ter acesso ao seu carro usando outro transmissor.
Este sistema é eficaz, mas não perfeitamente seguro. Se um criminoso
determinado realmente quiser entrar no seu carro, pode usar um agarrador de
código para fazer uma cópia da sua "chave". Um agarrador de código é um
receptor de rádio sensível ao sinal do seu transmissor. Ele recebe o código e o
registra. Se o ladrão interceptar o seu "código para desativar", pode programar
outro transmissor para imitar exatamente o seu sinal único e pessoal. Com esta
chave copiada, o ladrão pode "enganar" o seu sistema de alarme na próxima vez
que você deixar o carro sozinho.
Para resolver esse problema, os sistemas de alarme avançados estabelecem uma
nova série de códigos cada vez que você ativa o alarme. Usando algoritmos de
código rotativo, o receptor encripta o novo código de desativação e o envia ao
transmissor. Uma vez que o transmissor só usa o código uma vez, qualquer
informação interceptada não tem valor.
Desde o começo dos anos 90, os sistemas de alarme de carro se desenvolveram
muito e ficaram muito mais acessíveis. Nos próximos 10 anos, com certeza,

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

vamos ver muitos avanços tecnológicos em alarmes de carro, pois os receptores


GPS de bordo abriram uma grande variedade de possibilidades de segurança.

Como funcionam os vidros elétricos

Introdução

Você já se perguntou que tipo de mecanismo faz os


vidros de seu carro subirem e descerem? E quanto ao
recurso de levantamento automático dos vidros
elétricos, que param de subir se houver obstrução?
Ou talvez você tenha visto o comercial de TV da
Volkswagen em que a pessoa abre as janelas girando
a chave na fechadura.
Neste artigo, você saberá o que acontece neste e em
outros sistemas de vidros elétricos.

O mecanismo de levantamento

Vamos começar com o mecanismo de levantamento. Este interessante dispositivo


é o núcleo do sistema de vidros elétricos.
Na maioria dos carros, utiliza-se um mecanismo realmente simples para levantar o
vidro e ao mesmo tempo mantê-lo nivelado. Um pequeno motor elétrico é ligado a
uma engrenagem helicoidal (engrenagem sem fim) e a diversas outras
engrenagens dentadas para criar uma grande redução de marcha, proporcionando
torque suficiente para levantar o vidro.
Um recurso importante dos vidros elétricos é que eles não podem ser forçados a
abrir - a engrenagem helicoidal no mecanismo de acionamento cuida disso.
Muitas dessas engrenagens helicoidais possuem um recurso de autotravamento
por causa do ângulo de contato entre a rosca e a engrenagem. A rosca pode girar
a engrenagem, mas a engrenagem não pode girar a rosca: a fricção entre os
dentes faz as engrenagens travarem.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Animação do mecanismo de levantamento do vidro em funcionamento,


com a parte interna do motor e a redução de marcha

O mecanismo possui um longo braço, fixado a uma barra que segura a parte
inferior do vidro. A extremidade do braço pode deslizar em uma ranhura da barra à
medida que o vidro sobe. Na outra extremidade da barra, há uma placa que possui
dentes de engrenagem engatada a outra engrenagem girada pelo motor.
O mesmo mecanismo é freqüentemente usado em carros com vidros manuais,
mas, ao invés de um motor, é a manivela que gira a engrenagem. Na próxima
seção, você conhecerá algumas das características dos sistemas de vidros
elétricos e conhecerá mais sobre trava para crianças e levantamento automático.

A fiação e os interruptores

As portas dos carros possuem fiação instalada de várias formas diferentes,


dependendo dos recursos incorporados. Vejamos a fiação em um sistema básico,
que permite ao motorista controlar os quatro vidros do carro e travar o controle dos
outros três vidros dos passageiros.

Um sistema básico

Neste sistema, a eletricidade é conduzida à porta do motorista através de um


disjuntor de 20 amperes. A energia chega ao painel de controle dos interruptores
e é distribuída para um contato no centro do interruptor de cada vidro. Dois
contatos, um cada extremidade da energia, são conectados ao terra do veículo e
ao motor. A energia também passa pelo interruptor de travamento até um
interruptor de vidro similar em cada uma das portas.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Um circuito simples de vidro elétrico

Quando o motorista pressiona um dos interruptores, um dos dois contatos laterais


é desconectado do terra e conectado ao centro do contato de energia, enquanto o
outro permanece aterrado. Isto fornece energia ao motor do vidro. Se o interruptor
for pressionado ao contrário, a energia passará pelo motor na direção oposta.

Um sistema avançado

Em alguns carros, os vidros elétricos funcionam de forma completamente


diferente. Ao invés da energia passar para o motor diretamente através dos
interruptores, estes são conectados a um dos muitos módulos eletrônicos do carro
(um carro comum possui 25). Alguns carros possuem um desses na porta do
motorista, assim como um módulo central denominado controlador da
carroceria.
Os carros que possuem muitos controles nas portas provavelmente têm essa
configuração. Alguns carros possuem vidros elétricos, retrovisores elétricos, travas
elétricas e até mesmo controles elétricos dos bancos, todos localizados na porta.
Seriam muitos fios para tentar passar do lado de fora da porta.
Em vez disso, o módulo da porta do motorista monitora todos os interruptores. Por
exemplo, se o motorista pressionar o interruptor de seu vidro, o módulo da porta
fecha um relé que fornece alimentação ao motor do vidro. Se o motorista
pressionar o interruptor para ajustar o retrovisor do lado do passageiro, o módulo
do motor da porta do motorista envia uma série de dados ao barramento de
comunicação do carro. Estes dados dizem ao controlador da carroceria para
energizar um dos motores do retrovisor elétrico.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Recursos interessantes

• Subida/descida automática - O recurso de descida automática é muito


comum em carros com vidro elétrico. Você pressiona e solta o
interruptor de descida e o vidro desce até embaixo. Este recurso utiliza
um circuito que monitora o tempo que você mantém o interruptor
pressionado. Se o interruptor for pressionado por menos de meio
segundo, o vidro descerá todo o percurso até atingir o interruptor de
limite. Se você pressionar o interruptor de descida por mais tempo, o
vidro irá parar ao soltar o botão. Vidros com subida automática são
menos comuns.
O problema com vidros que têm subida automática é que se algo
interromper o caminho do vidro, como por exemplo uma criança, ele
precisa parar antes de machucá-la. Uma forma que os fabricantes
encontraram para controlar a força do vidro é projetando um circuito que
monitora a velocidade do motor. Se a velocidade diminuir, o circuito
reverte a alimentação do motor para que o vidro desça.
• Controle externo dos vidros - No Volkswagen do comercial de TV, os
vidros podem ser abaixados colocando-se a chave na porta do
motorista, girando e segurando. Este recurso é controlado pelo módulo
da porta do motorista, que monitora um interruptor na fechadura. Se a
chave for mantida virada por mais tempo do que o determinado, o
módulo da porta do motorista faz o vidro descer.
• Eletricidade extra - Alguns carros mantêm a energia do circuito de
vidros depois de desligado, para que ainda se possa fechá-los. O
circuito de vidros elétricos tem um relé no cabo que fornece energia.
Em alguns modelos, o controlador de carroceria mantém este relé
fechado por aproximadamente mais um minuto. Em outros, ele se
mantém fechado até que a porta seja aberta. Para mais informações
sobre vidros elétricos e tópicos relacionados.

Como funcionam os fios, fusíveis e conectores

Introdução
Vasta quantidade de componentes com fios, fusíveis e conectores são
encontrados em todos os dispositivos elétricos, especialmente em carros. Muitas
características, que esperamos que nossos carros possuam, são possíveis devido
a esses elementos, que tiveram um significativo aumento de confiabilidade nos
últimos anos.
Junto com o aumento da confiabilidade, a complexidade dos sistemas de fiação
dos carros também aumentou. Os carros possuem agora literalmente milhares de
circuitos. Neste artigo, veremos alguns componentes importantes na fiação

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

dos carros, começando pelo fio. Depois falaremos de fusíveis e conectores e


veremos como todos eles trabalham juntos.

Fio

A fiação do carro é responsável por distribuir energia da bateria para os


dispositivos localizados por todo o carro. Ela também tem que transmitir dados em
um barramento de dados, bem como uma variedade de sinais analógicos e digitais
de interruptores e sensores.

Maços de fios sob a coluna de direção de um carro

Isso significa que existem diferentes tipos de fios nos carros. Os que transmitem
sinais de interruptores e sensores conduzem pequenas correntes, já aqueles que
fornecem energia para grandes motores elétricos, conduzem correntes elevadas.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Se muita corrente passar por um fio, ele pode superaquecer e derreter. A


quantidade de corrente que cada fio suporta depende do seu comprimento,
composição, tamanho e de como ele está agrupado. Vamos observar rapidamente
como cada uma dessas propriedades afeta a capacidade de condução de corrente
do fio:
• comprimento - cada tipo de fio possui uma certa quantidade de
resistência por metro; quanto mais longo for, maior sua resistência. Se
a resistência for muito alta, boa parte da energia que flui pelo fio será
transformada em calor. Essencialmente, o aumento da temperatura
limita a capacidade de condução de corrente do fio, já que uma
temperatura muito elevada pode derreter o isolante;

• composição - o fio automotivo é normalmente composto de cabos de
cobre de boa qualidade. Normalmente, quanto melhor a qualidade dos
cabos, menor a resistência e maior a corrente que o fio pode
conduzir. O tipo de cobre utilizado também tem efeito na sua
resistência;

• bitola do fio - a bitola ou ou diâmetro do fio, também determina qual a
sua resistência. Quanto maior a bitola, ou seja, o diâmetro do fio, menor
a sua resistência;

• agrupamento - a forma como um fio está agrupado afeta sua
capacidade de dissipar calor. Se o fio estiver em um maço com outros
50 fios, pode conduzir muito menos corrente do que se fosse o único fio
no maço.
Você pode perceber como é importante escolher o fio correto. O trabalho
torna-se ainda mais difícil devido ao número de fios em um carro, que
continuam aumentando a cada ano à medida que novas funções são
adicionadas mesmo aos modelos mais básicos.

Fusíveis

A principal função de um fusível é proteger a fiação. Os fusíveis devem ter


características e localização adequada para proteger o fio em que eles estão
conectados. Caso um dispositivo, como o rádio do seu carro, drene uma corrente
excessiva e queime o fusível, o rádio provavelmente já está danificado. O fusível
está ali para proteger o fio, que seria muito mais difícil de repor do que o rádio.
A maioria dos carros possui dois painéis de fusíveis. Um no compartimento do
motor, que comporta os fusíveis para dispositivos como ventoinhas, a bomba do
freio antitravamento (ABS) e a unidade de controle do motor. Outro painel de
fusível, normalmente localizado no painel de instrumentos próximo aos joelhos do
motorista, comporta os fusíveis para os dispositivos e interruptores localizados nos
compartimentos dos passageiros.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Painel de fusíveis do compartimento do motor

Painel de fusíveis no interior

Vimos na última seção como o aumento de calor no fio depende da resistência e


da quantidade de corrente que flui por ela. Os fusíveis são apenas um tipo
especial de fio dentro de um conector independente. A maioria dos fusíveis de
automóvel possui duas lâminas condutoras para conexão e uma capa plástica que
contém o condutor (que se abrirá, caso a corrente exceda certo valor). Existem
também alguns fusíveis na fiação do carro, chamados elos fusíveis.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Seleção de fusíveis automotivos

O condutor, no interior do fusível, é feito de um metal similar ao estanho. Ele


possui um ponto de fusão menor do que o fio protegido. O tamanho do condutor é
calibrado muito cuidadosamente para que quando a corrente estabelecida for
atingida, calor suficiente seja gerado para derretê-lo e abrir o circuito.
Quando um fusível queima, deve ser substituído por outro, da mesma
amperagem, antes que o circuito volte a funcionar.

Verificando os fusíveis

A maneira infalível de examinar um fusível é tirá-lo de seu receptáculo e conectar


um verificador de continuidade as seus dois terminais (lâminas). Mas se você
fizer isso enquanto o fusível estiver encaixado, poderá haver continuidade por um
caminho que não seja o fusível. Os dois lados do fio, por exemplo, podem estar
aterrados quando você verifica o fusível. Normalmente, é possível dizer se um
fusível está queimado só observando-o.

Um fusível bom (esquerda) e um fusível queimado (direita)

Passemos agora aos conectores.

Conectores

Atualmente, os conectores têm uma função muito importante nos carros. Sem
eles, seria praticamente impossível construir ou prover sua assistência técnica.
Toda vez que um maço de fios passa ou se conecta a um componente do carro,
que pode ser removido, é necessário um conector para permitir a remoção. Um
único conector pode ter mais de 100 fios.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

O conector na unidade de controle do motor possui mais de


100 fios

Os conectores são essenciais nos carros atuais. Sem eles, seria praticamente
impossível fabricá-los ou executar serviços neles. Quando um maço de fios passa
por ou são ligados a um componente do carro que precisa ser retirado, é preciso
haver um conector para permitir a remoção. Um único conector pode ter mais de
100 fios. No passado, conectores não-confiáveis já foram fonte de inúmeros
problemas elétricos. É preciso que eles sejam à prova d'água (conectores
modernos possuem uma série de vedações para evitar a entrada de umidade), à
prova de corrosão e forneçam um bom contato elétrico para o veículo.
O conector na imagem abaixo é um conector de oito pinos (conecta oito fios uns
aos outros).

Partes de um conector automotivo comum:


tudo que está à esquerda se conecta a tudo que está à direita

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Para realizar essa conexão, há um total de 23 partes separadas. As partes


principais são:
• capa
• pinos e soquetes
• pino/soquete de retenção
• vedações

Capa

É uma peça complexa que possui um formato complicado. Há um clipe de


travamento na parte externa que mantém as duas metades do conector juntas.
Há orifícios para os pinos e ganchos especiais que travam os pinos no lugar,
assim que inseridos. Existem numerosos rasgos para prender as vedações e
manter tudo conectado firmemente. Todas essas características são moldadas na
peça quando ela é fabricada.

Os pinos e soquetes

São responsáveis pelo contato elétrico (condução de corrente) de uma metade do


conector à outra. Eles são fabricados com muita precisão a fim de se encaixarem
com a pressão suficiente para garantir uma boa conexão e, ao mesmo tempo, não
tornar a conexão e a desconexão muito difíceis.

Um soquete (à esquerda) e um pino (à direita)

Os pinos são fixados aos fios utilizando uma ferramenta especial para essa
fixação. Parte do pino se enrola ao redor do fio desencapado, enquanto a outra
parte se prende à capa. Isso torna mais difícil separar o fio do pino.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

O retentor do pino/soquete
O retentor do pino/soquete é uma peça de plástico que se move da frente para
dentro do conector. Ele se posiciona no sentido contrário aos ganchos de
travamento de plástico, de forma que estes se soltem. Essa peça torna
praticamente impossível que os pinos e soquetes se soltem sozinhos.

O retentor mantém os pinos e os soquetes no lugar

As vedações

As vedações impedem que a água entre nos conectores quando eles estiverem
travados juntos. Cada conector possui uma vedação de borracha através do qual
cada um dos fios passa. Essa vedação se encaixa firmemente na parte de trás do
conector. Cada conector possui uma vedação para evitar que a água entre no
espaço entre eles quando conectados.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Os fios passam através de uma vedação de borracha na parte


de trás de cada conector (a vedação, vista à direita, foi retirada
para essa foto)

Baterias
Toda semana deve ser verificado, com o carro frio, o nível
de água (as baterias seladas não precisam de água). Utilize
somente água destilada para completar o nível, nunca
coloque qualquer outro tipo de líquido. Complete de forma
que as placas de chumbo fiquem totalmente cobertas, mas
sem transbordar. Mantenha os pólos limpos. Evite deixar
as luzes acesas ou o rádio funcionando com o motor
desligado, pois pode descarregar a bateria. Ao instalar
equipamentos que necessitem de muita energia, como rádio
mais potente ou ar-condicionado, redimensione o sistema
elétrico de maneira que ele suporte o aumento de energia.
É aconselhável desligar os dois cabos da bateria se vai
deixar o carro parado por mais de um mês. Não desligue os
terminais com o motor funcionando. E não carregue a
bateria sem desligar os terminais.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Para carregar a bateria com um carregador, respeite as


instruções do fabricante de carregador de baterias. Desligue a
bateria começando pelo terminal (-). Ao voltar a ligar começar
pelo terminal (+). Verifique se os terminais da bateria e as
respectivas braçadeiras estão limpos. Se estiverem com uma
massa branca ou esverdeada, é importante limpá-los.

A alimentação elétrica permanente é necessária para


abastecer os sistemas eletrônicos. Depois de ter desligado e re-
ligado a bateria, ligue a chave e espere 15 / 20 segundos antes
de virar o motor de arranque.

A luz de alerta da bateria acende quando há algum


problema no alternador (dispositivo responsável por produzir
energia elétrica para o veículo). Uma falha no alternador pode
provocar até uma parada do motor.

Partida (Sistema Elétrico)


Muitos motoristas lembram-se de alguns
dos sistemas de um carro apenas quando
estes apresentam problemas, e aí algumas
cenas tornam-se comuns. Acordar cedo,
dirigir-se ao carro na garagem e já
atrasado, dar a partida sem nenhum sinal
do motor virar. Para que isto não aconteça,
nós vamos dar algumas dicas e explicações
de como manter em ordem o sistema de
bateria, alternador e o motor de arranque,
que em geral são os responsáveis pelo
problema neste tipo de situação.

Alguns problemas podem ser evitados com


a verificação da conexão do cabo de bateria,
correia do alternador, e nível da água da
bateria (se a mesma não for selada). Outros
itens dependem de uma checagem e/ou
troca em certos intervalos de tempo, como
qualquer outra parte do carro.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

• Se sua bateria for livre de manutenção, basta checar o


visor. Se estiver verde ou azul é sinal que a carga está
“OK”. Se o indicador estiver vermelho é sinal que a
bateria está fraca e necessitando de carga.
• Alguns problemas podem ser descobertos antes de
ocorrerem, pois alternadores e baterias costumam dar
sinais de "problemas", antes mesmo que ocorra uma
pane. Um dos primeiros avisos, é a dificuldade do
motor de arranque em conseguir com que o motor
entre em funcionamento, fazendo com que o motorista force mais a partida para que
o motor de arranque faça o motor funcionar.
• Outra forma de descobrir, é ficar de olho nos faróis e nas luzes internas. A bateria
quando não está sendo carregada adequadamente, tem dificuldade de mandar
energia para os faróis em marcha-lenta e conforme aumenta-se a rotação, a
luminosidade aumenta, dando indícios de problema no alternador ou dínamo (em
carros mais antigos). Estes sintomas podem ser também algum mau contato ou
curto-circuito no sistema elétrico.
• Ao completar o nível de água na bateria, utilize somente água destilada, pois a água
de torneira contém minerais dispersos e cloro que podem danificar as placas. A falta
de água na bateria, pode acarretar na sua perda, já que as placas se colam umas às
outras e entram em curto- circuito. Nunca deixar que o nível passe a marca “MAX”,
pois a bateria se aquece com a carga e podem ocorrer vazamentos.
• Sempre verifique os pólos da bateria quanto à oxidação ou se há um pó esverdeado.
Quando existe muito óxido, pode ocorrer do carro dar a partida mas o alternador não
conseguir carregar a bateria devida à baixa amperagem, como consequência da
oxidação. Neste caso a solução é bem simples, bastando desconectar os terminais e
lavá-los. Cuidado com a pele e a pintura do carro e certifique-se que não haja
vazamentos, pois o ácido de bateria é corrosivo. Depois de lavar os terminais, com o
auxílio de uma lixa, limpe os terminais removendo toda a oxidação que provoca os
problemas de contato. Em seguida coloque um pouco de vaselina nos pólos e conecte
os cabos.
• Se a bateria for selada não há muito que fazer, além da limpeza e a checagem do
visor de carga.
• Se durante uma viagem ou um longo tempo de uso do carro aparecer um cheiro
ácido, pare o carro e verifique se a bateria está muito quente. Se estiver é possível
que o alternador esteja enviando excesso de carga para a bateria, podendo fazer com
que a bateria exploda. O problema pode estar no regulador de voltagem.
• O motor de arranque pode apresentar alguns dos sintomas de bateria fraca, como por
exemplo, você dar a partida e o motor virar pesado. Este sintoma pode indicar algo
de errado com o motor de arranque e não com a bateria. Portanto, verifique se a
bateria tem carga suficiente.
• Verifique também o ponto de ignição do motor, já que um motor muito atrasado vai
parecer sintoma de bateria fraca.
• Geralmente quando há problemas de voltagem, a luz indicadora de bateria no painel

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

se acenderá denunciando problema de alternador com o veículo em movimento.


• Nunca faça um carro pegar no tranco, pois essa “mania” pode trazer um sério
prejuízo ao sistema de câmbio e diferencial (tração traseira). Em carros dotados de
catalisador, ao fazê-los pegar no tranco, pode-se correr o risco de queimar a parte
interna do mesmo, já que a gasolina não queimada e a alta temperatura do
escapamento podem ocasionar um incêndio interno comprometendo o uso do
catalisador e portanto trazendo mais prejuízo.
• Carros dotados de injeção eletrônica, nem adianta tentar, pois com menos de 9 volts
a centralina simplesmente não funciona.
• Um cuidado muito importante, é não inverter em hipótese alguma a polaridade dos
cabos da bateria, pois isso provoca a queima do módulo de injeção e de outros
componentes eletrônicos.

Com essas dicas é possível que você não tenha maiores dores de cabeça com o sistema
elétrico responsável pela partida do seu carro. Basta ficar de olho em alguns componentes e
ficar atento aos sintomas do carro para poder descobrir o defeito.

Sistema de Ignição
Muito tem se falado a respeito de motores e dos
diversos recursos e sistemas empregados neles,
nas diversas matérias do Envenenado, porém
muitas vezes esquece-se que certos subsistemas
do motor são de vital importância e que de seu
adequado funcionamento, dependem o rendimento
e correto funcionamento do próprio motor. Por esta
razão, abordaremos aqui o sistema de ignição.

Para que você compreenda corretamente o papel


deste sistema, vamos dividi-lo em alguns
componentes principais, detalhando suas funções e
como operam a fim de produzir o resultado final.

Timing de Centelha

A correta sincronização da emissão da centelha ou


faísca produzida pela vela em cada cilindro é um
dos principais aspectos a se observar, sob pena de
que uma emissão em um momento errado
comprometerá o correto funcionamento do motor e
poderá até mesmo provocar sua quebra. A ignição
do combustível no momento adequado não apenas
irá produzir o máximo de "trabalho" (energia),

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

como também o melhor rendimento e menor nível


de emissão de poluentes.

Quando a mistura de ar e combustível queima


dentro do cilindro, produzem-se gases à elevadas
temperaturas que se expandem e desta
transformação é que se gera a pressão responsável
por deslocar o pistão para baixo, acarretando o
movimento. Para se conseguir então, mais potência
e torque do motor é necessário alcançar-se maiores
níveis de pressão dentro do cilindro, o que se
traduz também em melhores níveis de consumo. A
eficácia deste processo depende diretamente do
timing da faísca.

Há um pequeno intervalo de tempo entre a emissão da faísca e a queima completa da


mistura, momento em que se atinge o maior nível de pressão. Desta forma, se a produção
da faísca pela vela ocorrer quando o pistão atingir o ponto mais elevado do seu curso, o
pistão já terá descido parte do seu curso quando os gases gerados atingirem o nível mais
elevado de pressão, trazendo como consequência, entre outras coisas, perda de
rendimento. Para fazer com que o aproveitamento do combustível se dê em seu nível
máximo, a faísca deve acontecer um pouco antes do pistão atingir seu nível mais alto, de
forma que quando a pressão for a mais elevada, ele esteja iniciando o curso para baixo.

Os conceitos de pressão e trabalho (energia) neste caso, precisam ser compreendidos, para
que se perceba o quanto influem no resultado. A pressão é uma função de força pela área
em que é aplicada e, trabalho é resultado da força vezes o deslocamento (distância)
produzido por esta força, assim no caso de um motor em que a distância (curso do pistão)
e área (superfície da cabeça do pistão) são valores fixos, só se consegue mais trabalho
(energia), produzindo-se mais pressão. Portanto, esta é a razão de se procurar gerar a
centelha no momento exato!

Mas o processo não é tão simples como pode parecer a primeira vista e outros fatores

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

existem. Durante o funcionamento do motor, este tem


alterações em sua velocidade de funcionamento e,
portanto, a velocidade com que o pistão se move
dentro do cilindro também se altera. Assim, conforme
aumenta a velocidade do motor, a produção da faísca
deve ser antecipada e retardada, se a velocidade cair.
Outro objetivo é reduzir o consumo e a emissão de
poluentes, quando os níveis máximos de potência não
forem necessários, o que se consegue retardando o
tempo da faísca, produzindo menos calor no processo.

A Vela

Em teoria, trata-se de um componente muito simples. Seu papel é de gerar uma diferença
de potencial no espaço (da mesma forma que um raio) e assim produzir a faísca que irá
realizar a ignição do combustível. Esta diferença de potencial deve ser bastante elevada a
fim de se conseguir uma faísca bastante intensa e a consequante queima adequada do
combustível. A voltagem que percorre a vela geralmente é da ordem de 40.000 à 100.000
volts.

Atualmente espera-se que uma vela de boa qualidade seja capaz de transferir quase sem
perdas a eletricidade até o eletrodo e daí para o bloco do motor onde será aterrada. Além
disto deve ter boas características de resistência térmica e mecânica, para suportar as
elevadas temperaturas e pressões no interior dos cilindros. Geralmente usa-se em seu
corpo uma cerâmica isolante, assegurando que a centelha ocorra no ponto adequado.
Devido ao fato da cerâmica ser uma mau condutor térmico, a temperatura na extremidade
da vela é bastante alta, o que ajuda a evitar depósitos no eletrodo, contribuindo para uma
faísca mais intensa.

Basicamente podem existir dois tipos de velas quanto ao seu grau térmico: as velas
"quentes" e as "frias". Essencialmente elas diferem entre si pela quantidade de cerâmica no
isolamento do eletrodo. Desta forma uma vela "quente", é menos suscetível ao acúmulo de
depósitos. Entretanto, geralmente costuma-se usar velas mais frias em motores de alto
desempenho devido às temperaturas mais altas que estes motores produzem.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

A Bobina

Outro dispositivo conceitualmente muito simples, cujo papel é fornecer as elevadas


voltagens necessárias a produção da faísca pela vela. Basicamente é feita por dois
conjuntos de enrolamentos de fios, da mesma forma que em um transformador e fazendo
com que a pequena voltagem fornecida pela bateria, seja multiplicada diversas vezes.

O Distribuidor

Este elemento tem múltiplas funções. A principal delas é fazer com que a eletricidade
gerada na bobina e transmitida pelo cabo da bobina, chegue até a adequada vela de
cilindro. Dentro do distribuidor o elemento responsável por isto é o rotor, que faz a ligação
elétrica que possibilita a eletricidade atingir cada vela. Conforme o rotor gira, sua
extremidade faz o contato (na verdade passa muito próximo) com a extremidade de cada
cabo de vela, fechando o circuito da bobina até a vela.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

No corpo do distribuidor, localiza-se o "comando" do distribuidor. Este comando gira na


mesma fase do rotor, acionando um contato com o módulo do sistema (platinado). Toda
vez que este contato é acionado, ele abre um dos pontos da bobina, que perde seu
aterramento e gera um pulso elétrico, que é o que vai ser transmitido via cabo ao rotor, daí
via cabo também para a vela. Perceba que este é o elemento responsável pela intermitência
da corrente elétrica e o que controla o avanço ou o retardo da faísca.

Nos motores modernos este elemento não existe. Sua


função é substituída por um sensor de um módulo
eletrônico, que informa a exata posição dos pistões e
assim o momento de produzir a centelha. Este mesmo
módulo eletrônico é que controla a abertura e o
fechamento da bobina.

Alguns tipos de motores também apresentam um


esquema geral diferente deste explicado nesta
matéria. Nestes casos não existem distribuidores e
uma única bobina para todas as velas. São motores de
ignição direta, onde bobinas individuais são ligadas
diretamente em cada vela e o módulo eletrônico é o responsável pelo comando de cada
bobina.

Diagnóstico das velas


Você sabia que alguns dos problemas do motor podem
ser identificados por um simples exame do estado das
velas? Pois é isso mesmo, nesta matéria abordaremos
as velas, um item vital mas que poucas pessoas
verificam. Pelo aspecto e cor das velas é possível
descobrir se seu motor está funcionando em perfeitas
condições ou se está acontecendo algo de errado.

Existem diversos tipos de velas, cada qual servindo a


um determinado tipo de motor, já que de um para
outro existem diferentes roscas de cabeçote, grau
térmico, etc. A seguir daremos algumas dicas e as
prováveis causas do que está acontecendo com seu
motor.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

RESÍDUOS DE IMPUREZAS

Problema - O motor falha em altas rotações ou em razão de


sobre cargas elevadas.

Aspecto da vela - Resíduos de coloração avermelhada, marrom,


amarela, verde e branca incrustados no bico isolador e nos
eletrodos.

Causas - Impurezas ou aditivos (chumbo tetra-etílico e outros)


na gasolina ou no óleo, que não são queimados totalmente,
depositam-se na ponta ignífera das velas. Em altas temperaturas,
esses depósitos tornam-se condutores elétricos e provocam
falhas no centelhamento.

Solução - As incrustações nesse caso podem ser facilmente


removidas. Se a vela estiver em boas condições, pode ser usada
novamente, após a devida limpeza. Em caso de resíduo de
chumbo substituir a vela.

RESÍDUOS DE CARVÃO

Problema - Dificuldade na partida. O motor falha em marcha


lenta.

Aspecto da vela - Ponta da vela totalmente coberta por resíduos


de carvão.

Causas

1. Ignição atrasada.
2. Mistura ar/gasolina demasiadamente rica.
3. Filtro de ar obstruído.
4. Deficiência de energia para ignição.
5. Uso excessivo do afogador.
6. Funcionamento do motor em marcha lenta, ou baixa
velocidade durante longo tempo.
7. Vela de ignição muito fria.

Soluções

1. Causas 1 a 6 - Fazer as regulagens necessárias.


2. Causa 7 - Substituir as velas por tipo correto (procure no
manual do seu carro ou em uma tabela de velas
atualizada).

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

CARBONIZAÇÃO ÚMIDA

Problema - Dificuldade na partida. O motor falha em marcha


lenta.

Aspecto da vela - A ponta da vela apresenta um brilho oleoso,


úmido e preto.

Causas

1. Anéis do pistão ou cilindro desgastados.


2. Falta do assentamento do pistão/anéis/cilindro.
Principalmente em motores retificados.
3. Se o motor for 2 tempos, a proporção óleo/combustível
está muito alta.

Soluções

1. Substituir os anéis ou retificar os cilindros.


2. Revisar o estado dos pistões, anéis e cilindro.
3. Corrigir a proporção óleo/combustível.

ENCHARCAMENTO

Problema - Dificuldade na partida, marcha lenta irregular ou


falha no motor.

Aspecto da vela - Ponta da vela encharcada de combustível.

Causas - Motor afogado, problemas na carburação, umidade ou


água no sistema de alimentação ou no combustível, folga dos
eletrodos fora do padrão, problemas no sistema de ignição.

Solução - Verificar e corrigir a anormalidade, se as velas


estiverem em boas condições efetuar uma boa secagem e regular
as folgas dos eletrodos dentro das especificações.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

SUPERAQUECIMENTO

Problema - O motor bate pino e apresenta perda de


desempenho em altas velocidades, em subidas ou com cargas
elevadas.

Aspecto da vela - O bico isolador apresenta-se esbranquiçado


com grânulos na superfície.

Causas

1. Ponto de ignição adiantado.


2. Mistura ar/combustível muito pobre.
3. Deficiência no resfriamento do motor.
4. Aperto insuficiente de vela.
5. Combustível com baixa octanagem.
6. Vela de ignição muito quente.

Soluções

1. Causas 1 a 4 - Efetuar as regulagens necessárias.


2. Causa 5 - Utilizar combustível adequado ao motor.
3. Causa 6 - Substituir as velas por tipo correto.

RESÍDUOS/ÁLCOOL

Problema - O motor falha principalmente na aceleração.

Aspecto da vela - Resíduos de coloração vermelha, marrom ou


amarela no bico do isolador.

Causas - Impurezas ou aditivos no álcool ou lubrificantes que


não se queimam em determinadas condições.

Solução - Substituir a vela, porque os resíduos são de difícil


remoção.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

ISOLADOR QUEBRADO

Problema - Falha e baixo desempenho do motor.

Aspecto da vela - O bico isolador apresenta-se quebrado ou


trincado.

Causas - É causada normalmente pela expansão térmica ou


choque térmicos, originados por aquecimento e resfriamento
brusco ou pelo choque mecânico da detonação (batida de pino).
Uso de ferramenta inadequada para a calibragem da folga.

Soluções - Evitar sobrecarga no veículo e revisar a regulagem do


motor. Utilizar calibrador adequado.

PRÉ-IGNIÇÃO

Problema - Há grande perda de potência no motor. A


temperatura na câmara de combustão sobe rapidamente
causando danos no pistão.

Aspecto da vela - Eletrodos fundidos. Nos casos extremos, o


eletrodo desaparece completamente na ponta ignífera, ocorrendo
também a fusão do isolador.

Causas

1. Ignição excessivamente adiantada.


2. Deficiência no resfriamento do motor.
3. Resíduos de impurezas superaquecidos na câmara de
combustão.
4. Vela de ignição muito quente.

Soluções

1. Causas 1 e 2 - Regular o ponto de ignição e revisar o


sistema de arrefecimento do motor.
2. Causa 3 - Remover todos os resíduos de impurezas que se
acharem incrustados na câmara de combustão.
3. Causa 4 - Substituir as velas por tipo correto.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

MOTOR EM BOAS CONDIÇÕES

Aspecto da vela - Com depósitos de coloração marrom, marrom


claro, cinza ou cinza claro.

Causas - A vela está cumprindo normalmente sua função e o


motor apresenta desempenho e consumo de combustível
satisfatório.

Solução - Para assegurar essa operação de maneira contínua e


satisfatória, limpe as velas e regule as folgas dos eletrodos a
cada 3.000 km e troque-as conforme a especificação no manual
do proprietário.

FIM DA VIDA ÚTIL

Problema - Dificuldade na partida. Perda de desempenho do


motor e aumento de elementos poluentes nos gases de emissão.

Aspecto da vela - Folga dos eletrodos aumentada. Eletrodos


arredondados.

Causas - A vela se desgastou normalmente e, nesse estado,


provoca sobrecarga no sistema de ignição requerendo voltagem
maior, além de aumentar o consumo de combustível porque sua
vida útil acabou.

Solução - Coloque velas novas.

As velas praticamente surgiram junto com os motores de combustão interna e tem um papel de extrema
importância na queima da mistura ar e combustível.

Para que haja a combustão, são necessários três elementos que formam o triângulo do fogo: o
combustível, o comburente e o calor.

O combustível é formado basicamente por hidrogênio e carbono, sendo denominados de hidrocarbonetos


ou carboneto de hidrogênio. Como exemplo podemos citar: a gasolina, o álcool etílico hidratado, o
metano, etc.

O comburente é o elemento que excita a combustão. Temos como elemento comburente o oxigênio
presente no ar atmosférico. Num motor de combustão interna a explosão, é necessário que haja uma
proporção exata da massa de ar admitido em relação a massa de combustível.

O calor é o elemento responsável para iniciar a combustão da mistura ar e combustível. Na realidade, a


própria combustão gera calor, mas é sempre necessário que se dê um início para essa combustão. É aí
que entra o sistema de ignição, encarregado de gerar uma centelha (faísca) elétrica de alta tensão para

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

iniciar esse processo.

Exigências impostas à Vela de Ignição

Como funções básicas, uma Vela de Ignição deve:

» Introduzir a energia de ignição na câmara de combustão e, através da faísca elétrica


entre os eletrodos, iniciar a queima da mistura ar-combustível.

» Deve suportar as altas pressões periodicamente desenvolvidas na câmara de combustão,


como também resistir aos ataques químicos que se desenvolvem principalmente sob altas
temperaturas.

» A vela de ignição deve também transferir o calor absorvido na câmara de combustão


de uma maneira precisa e regular. A vela de ignição deve trabalhar em uma faixa de
temperatura ideal, de acordo com a potência específica do motor, daí a necessidade de se
conhecer o correto índice térmico de uma vela de ignição.

» Com isso evitamos que o motor se danifique por excesso de temperatura, e não tenha
seu funcionamento irregular por temperaturas não adequadas.

A vela é o último estágio do sistema de ignição. É nela que é produzido a centelha que irá inflamar a
mistura fortemente comprimida na câmara de explosão. Devido a alta taxa de compressão, a vela deve
suportar altas pressões (em torno de 8 a 10 kgf/cm2) nos motores a gasolina e ainda assegurar uma
perfeita vedação da câmara. Além do mais, as velas trabalham em condições de temperaturas extremas.
Velas de ignição - parte II
Abaixo, um quadro comparativo sobre as condições de funcionamento de uma vela nos diferentes
tempos do motor.

Posição da vela no motor

Uma vela deve dissipar o calor produzido pelos gases de combustão. A gama térmica ou índice térmico

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

da vela é a medida da quantidade de calor dissipado.

Com isso, temos dois tipos de velas em relação a sua gama ou índice térmico: as velas frias e as velas
quentes.

Velas frias: Tem capacidade de maior dissipação de calor, o que favorece o funcionamento de
motores com alta potência específica.

Velas quentes: Tem menor capacidade de dissipação de calor, o que favorece o funcionamento de
motores com baixa potência específica.

O que diferencia uma vela quente de uma fria é o tamanho da superfície do seu isolador. Quanto maior
for a superfície, mais quente é a vela, ou seja, maior a sua capacidade de reter calor.

Para um melhor rendimento do motor e maior


durabilidade dos componentes, sempre utilize a
vela com gama ou índice térmico adequado
para o seu carro.

Utilize velas frias se você utiliza o veículo


constantemente com o motor trabalhando em
condições severas.
Velas de ignição - parte III
Quando é selecionada uma gama térmica incorreta

• Quando a gama térmica é elevada demais,


- a temperatura da vela se mantém muito fria e faz com que se acumulem sedimentos na ponta da
ignição; estes sedimentos formam uma trajetória de fuga elétrica que resulta em perda de faíscas.

• Quando a gama térmica é baixa demais,


- a temperatura da vela aumenta demais e provoca uma combustão anormal (pré-ignição); causa fusão
dos eletrodos da vela assim como também trava ou desgasta o pistão.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

A figura ao lado mostra os detalhes de uma vela de ignição e a


porcentagem da dissipação de calor (no caso, 81%).

O gráfico abaixo mostra a temperatura no pé do isolador de uma


vela Bosch Super.

Temperaturas muito baixa podem provocar a carbonização da


vela e o seu oposto pode provocar a pré ignição.

É de extrema importância que se utilizem velas adequadas devido a sua faixa de temperatura.
Velas de ignição - parte IV
Aproveitando que já entramos nesse tópico, iremos falar agora sobre a ponta ignífera da vela, também
conhecido por eletrodo. Essa aparência refletirá se a vela é adequada ou não, assim como o estado do
motor. Veja a figura abaixo:

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Observação: A linha limítrofe entre as regiões de carbonizamento e o funcionamento otimizado (450c)


chama-se temperatura de autolimpeza da vela.

Como vimos na página anterior, é de extrema importância que se utilizem velas adequadas devido a
sua faixa de temperatura.

A seguir, mostraremos como analisar o estado de uma vela e verificar quais são as condições do
motor. Clique na figura para maiores detalhes.

1- Vela com aspecto normal

O pé do isolador apresenta-se amarelado-cinza ou marrom-claro. Motor em boas


condições - índice térmico da vela está correto.

Velas de ignição - parte V


O pé do isolador, os eletrodos e a cabeça da vela cobertos por uma camada fosca de
fuligem preto-aveludada (seca).

Causas
- Carburador regulado com mistura rica
- Filtro de ar sujo
- Afogador automático com mau funcionamento

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

- Afogador manual puxado por longo tempo


- Uso de combustível fora da especificação
- Motor funcionando em baixa rotação por tempo prolongado
- Ponto de ignição atrasado
- Uso de vela incorreta
- Vela muito fria para o tipo de motor.

Efeitos
- Falhas de ignição
- Motor falha em marcha lenta
- Dificuldades de partida a frio.

Soluções
– Regulagem correta do carburador e do ponto de ignição
- Aconselha-se averiguar a qualidade do combustível que está sendo utilizado
- Substituir o filtro de ar
- Acelerar o motor (rodando com o veículo) lentamente até a carga total (rotação
máxima), para queimar os resíduos de carbono
- Evitar que o motor funcione por muito tempo em marcha lenta, especialmente
quando estiver frio
- Utilizar vela correta para o tipo de motor.
O pé do isolador, os eletrodos e a carcaça apresentam-se cobertos por uma camada
fuliginosa, brilhante, úmida de óleo e por resíduos de carvão.

Causas
- Em motores de 2 (dois) tempos
- Óleo em excesso na mistura
- Em motores de 4 (quatro) tempos
- Óleo em excesso na câmara de combustão
- Guias de válvulas, cilindros e anéis do pistão estão gastos.

Efeitos
- Dificuldade na partida
- Falhas de ignição
- Motor falha na marcha lenta.

Soluções
- Em motores de 2 tempos, usar a proporção correta de mistura
- Em motores de 4 tempos, retificar o motor
- Trocar as velas.
Velas de ignição - parte VI

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Resíduos amarelado-escuros no isolador. O pé do isolador coberto por uma fuligem


amarelo-clara, aspecto de fosca a brilhante.

Causas
Aditivos antidetonantes no combustível, como tetraetila e tetrametila de chumbo.

Efeitos
Se o pé do isolador chegar a temperaturas muito altas, os resíduos de chumbo tornar-
se-ão condutores elétricos, fato que pode ocorrer com veículo em alta velocidade,
causando falhas de ignição.

Soluções
- Aconselha-se averiguar a qualidade do combustível que está sendo utilizado
- Torna-se necessário trocar as velas, pois é inútil tentar limpá-las.
O pé do isolador apresenta-se parcialmente vitrificado e de cor amarelo-marrom.

Causas
- Aditivos antidetonantes no combustível, como tetraetila e tetrametila de chumbo
- A vitrificação denuncia a fusão dos resíduos sob condições de forte aceleração
de veículo.

Efeitos
Se o pé do isolador chegar a temperaturas muito altas, os resíduos de chumbo tornar-
se-ão condutores elétricos, fato que pode ocorrer com veículos em alta velocidade,
causando falhas de ignição.

Soluções
- Aconselha-se averiguar a qualidade do combustível que está sendo utilizado
- Torna-se necessário trocar as velas, pois é inútil tentar limpá-las.
Camada de cinza grossa no pé do isolador, na câmara de aspiração e no eletrodo-
massa, de estrutura fofa e até cheia de escórias.

Causas
Aditivos do óleo ou do combustível deixam resíduos incombustíveis na câmara de
combustão (pistão, válvula, cabeçote) e na própria vela. Isso ocorre especialmente
em motores com um consumo de óleo acima do normal, ou quando se utiliza
combustível de qualidade inferior.

Efeitos
Perda de potência do motor, decorrente de ignições por incandescência e danos ao
motor.

Soluções
- Aconselha-se averiguar a qualidade do combustível que está sendo utilizado
- Trocar as velas
- Regular o motor.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Velas de ignição - parte VII


Superaquecimento

Eletrodo central fundido parcialmente.

Causas
Combustão por incandescência causada por temperaturas extremamente elevadas
na câmara de combustão em decorrência, por exemplo, de:
- Uso de vela muito quente;
- Resíduos na câmara de combustão;
- Válvulas defeituosas;
- Ponto de ignição muito adiantado;
- Mistura muito pobre;
- Sistema de avanço do distribuidor com defeito;
- Combustível de má qualidade;
- Vela mal apertada.

Efeitos
- Falhas de ignição
- Perda de potência
- Danos ao motor.

Soluções
- Aconselha-se averiguar a qualidade do combustível que está sendo utilizado
- Trocar as velas
Eletrodo central fundido

Eletrodo central completamente fundido, possível trinca no pé do isolador e eletrodo-


massa parcialmente fundido.

Causas
- Superaquecimento do eletrodo central, que pode trincar o pé do isolador
- Combustão normal com detonação ou ponto de ignição excessivamente adiantado.

Efeitos
- Falhas de ignição
- Perda de potência
- Danos ao motor.

Soluções
- Revisar o carburador, o ponto de ignição, o distribuidor e o motor
- Utilizar velas corretas para o tipo de motor
- Substituir as velas.
Velas de ignição - parte VIII

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Causas
- Combustão por incandescência causada por temperaturas extremamente elevadas
na câmara de combustão em decorrência, por exemplo, de uso de vela muito quente;
- Resíduos na câmara de combustão;
- Válvulas defeituosas;
- Ponto de ignição muito adiantado;
- Mistura muito pobre; sistema de avanço do distribuidor com defeito;
- Combustível não especificado para o tipo de motor.

Efeitos
Antes do dano total ao motor, ocorre perda de potência

Soluções
- Revisar o carburador, o ponto de ignição, o distribuidor e o motor
- Utilizar velas corretas para o tipo de motor
- Substituir as velas.
Causas
- Não observância do tempo recomendado para a troca das velas.

Efeitos
Solavancos do motor devido a falhas de ignição (especialmente na aceleração do
veículo); a tensão de ignição exigida, pela grande distância entre os eletrodos,
é alta demais
- Partida difícil.

Soluções
-Trocar as velas ou examiná-las de acordo com as instruções dos fabricantes.
-Certifique-se do tipo ideal ao modelo do veículo, consultando sempre a tabela
de aplicação ou recomendação do fabricante.
Causas
- Presença de aditivos corrosivos no combustível e óleo lubrificante. Esta vela não foi
sobrecarregada termicamente, não se tratando portanto de um problema
de índice térmico
- Depósitos de resíduos provocam influências no fluxo dos gases.

Efeitos
Solavancos do motor devido a falhas de ignição (especialmente na aceleração do
veículo); a tensão de ignição exigida, pela grande distância entre os eletrodos,
é alta demais
- Partida difícil.

Soluções
- Trocar as velas ou examiná-las de acordo com as instruções dos fabricantes.
- Certifique-se do tipo ideal ao modelo do veículo, consultando sempre a tabela
de aplicação ou recomendação do fabricante
- Aconselha-se averiguara qualidade do combustível que está sendo utilizado.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Velas de ignição - parte IX


Pé do isolador trincado

Causas
- Dano causado por pressão no eletrodo central como conseqüência do uso de
ferramentas inadequadas na regulagem da folga. Exemplo: abrir os eletrodos com
uma chave de fenda
- Corrosão do eletrodo central por aditivos agressivos no combustível
- Depósitos de resíduos de combustão entre o pé do isolador e o eletrodo central.

Efeitos
- Falhas na ignição (a faísca salta entre o isolador e a carcaça)
- Partida difícil.

Soluções
- Trocar as velas ou examiná-las de acordo com as instruções dos fabricantes.
- Certifique-se do tipo ideal ao modelo do veículo, consultando sempre a tabela
de aplicação ou recomendação do fabricante
- Aconselha-se averiguara qualidade do combustível que está sendo utilizado.

:: Corrugações

Você já deve ter percebido que as velas possuem certas corrugações no seu corpo cerâmico. Essas
corrugações são muito importantes, uma vez que servem para evitar fugas de alta tensão pelo corpo
isolante da vela.

Se não houvessem as corrugações, devido a alta tensão


aplicada na vela, haveria fugas pelo seu corpo, o que
provocaria falhas no funcionamento do motor. Lembre-se,
quando maior a pressão nos cilindros, maior será a
resistência interna e maior deverá ser a tensão aplicada na
vela. Isso significa que o motor iria falhar justamente no
momento que necessitasse de maior torque, como em
subidas de ladeira por exemplo.

Com as corrugações, podem ser aplicadas até 32000 volts


aproximadamente na vela que não haverá fugas.

Veja na figura abaixo um exemplo de fuga, aplicando um alto valor de tensão.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Como as corrugações evitam esse vazamento?


Muito simples, com elas é possível aumentar a distância do corpo isolador. Isso
faz com que o conector superior da vela fique mais afastado do corpo sextavado
da vela que é aterrado no próprio cabeçote do motor. Na realidade esse
afastamento não é físico e sim numa maior área do corpo isolante. Exemplo: O
espiral de um caderno pode ter 30 cm, mas se você esticá-lo, terá quase um
metro.
Velas de ignição - parte X
:: Velas resistivas

Esta vela incorpora uma resistência de cerâmica de 5 k ohms (por exemplo), para eliminar os ruídos
magnéticos da ignição gerados durante a emissão de faíscas.

Uma vela resistiva elimina os ruídos magnéticos que interferem com


rádios de automóveis, comunicações móveis e telefones celulares. Evita
também o funcionamento incorreto dos sistemas eletrônicos de controle
de injeção de combustível.

Nos veículos com injeção eletrônica, é fundamental a sua utilização,


principalmente quando a unidade de comando ou centralina do sistema se
encontra localizado no compartimento do motor, como é o caso da linha
FIAT. As interferências podem gerar falhas no funcionamento do motor,
fazendo com que o reparador tenha a impressão que o problema possa
estar em algum sensor ou atuador do sistema de injeção.

Como a vela tipo resistiva tem incorporado uma resistência, algumas


pessoas pensam que estas velas têm efeitos negativos sobre o arranque,
aceleração, economia de combustível e emissões. Esta vela não afeta o
rendimento do motor; portanto não duvide em usá-la.

Abaixo, segue um gráfico

Efeitos de eliminação de ruídos da vela do tipo


resistiva
(comparada com uma vela do tipo convencional)

Tal como se mostra ao lado, os ruídos se reduzem em


todas as zonas de freqüências mediante a instalação de
velas tipo resistivo.

Vale lembrar que é de extrema importância que os cabos


também não interfiram na frequência dos sinais.

Durante toda essa matéria, mostramos as duas marcas mais utilizadas atualmente, a NGK e a

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

BOSCH. Ambas as marcas são de excelente qualidade. Porém existem diversas outras marcas que
asseguram um bom funcionamento do motor.

Manutenção da Injeção
No final da década de 80, mais precisamente em 1988
Eletrônica
com a chegada da era eletrônica aplicada a veículos, com
o lançamento do VW Gol GTI - o primeiro veículo
nacional com Injeção Eletrônica de Combustível -
começaram a acabar os problemas com o velho
carburador. Mas muitas pessoas se enganam ao achar
que a injeção está longe de dar problemas. Sua
manutenção é mais complexa, já que para seu perfeito
funcionamento todos seus componentes tem que estar
em perfeito estado. Foi se a época que com uma simples
chave de fenda podíamos sanar alguns problemas
relacionados ao carburador.
Com a injeção esse tipo de procedimento não é possível, já que todos seus componentes funcionam através de
uma central que controla desde a marcha-lenta até o ponto de ignição para evitar em alguns casos a pré-
detonação (combustível de baixa octanagem e que geralmente traz sérios riscos ao motor).

Sua manutenção exige a procura de um bom mecânico com equipamentos apropriados para que se descubra a
falha existente. Todos os veículos são dotados de uma luz espia no painel que avisa anomalias no sistema. Se
essa luz piscar ou estiver acesa, está na hora de você procurar um bom mecânico, já que a solução só é possível
através de um computador conectado a central da injeção.

Uma boa dica é abastecer em postos de confiança e a cada 40.000km fazer uma limpeza de bicos, checando
ainda o funcionamento de todos os sensores relacionados a injeção e inclusive checar se não está na hora de
trocar o filtro de combustível, um item muito importante para o perfeito funcionamento da injeção (leia sobre
filtros de combustível nesta seção).

No caso de uma pane no sistema não há truques, a única coisa a fazer é chamar um guincho e levá-lo para sua
oficina de confiança. O custo de sua manutenção não é muito barato, mas se você fizer uma manutenção
periódica você não deve ter maiores problemas. Os bicos de injeção com o passar do tempo começam a perder a
capacidade de pulverizar a câmara de combustão, trazendo dificuldades na partida, consumo excessivo de
combustível e até o entupimento do bico com falhas de funcionamento de motor. Sua limpeza é geralmente feita
através de um ultra-som que mede a capacidade de vazão ou de pulverização dos bicos em conjunto, havendo
um produto apropriado para limpeza. Esse serviço custa em media R$100,00 reais e leva cerca de 2 horas.

Em alguns casos não há como recuperar o bico, tendo-se que fazer a troca, o que encarece bastante este serviço
de manutenção. O preço de cada bico varia de R$200,00 chegando até assombrosos R$1000,00, em alguns
carros importados mais sofisticados.

Injeção Eletrônica

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Injeção Eletrônica
Devido à rápida evolução dos motores dos automóveis,
além de fatores como controle de emissão de poluentes
e economia de combustível, o velho carburador que
acompanhou praticamente todo o processo de evolução
automotiva, já não supria as necessidades dos novos
veículos. Foi então que começaram a ser aprimorados os
primeiros sistemas de injeção eletrônica de combustível,
uma vez que desde a década de 50 já existiam sistemas
"primitivos", para aplicações específicas.

Para que o motor tenha um funcionamento suave,


econômico e não contamine o ambiente, ele necessita
receber a perfeita mistura ar/combustível em todas as
faixas de rotação. Um carburador, por melhor que seja e
por melhor que esteja sua regulagem, não consegue
alimentar o motor na proporção ideal de mistura em
qualquer regime de funcionamento. Os sistemas de
injeção eletrônica têm essa característica de permitir que
o motor receba somente o volume de combustível que
ele necessita.

Mais do que isto, os conversores catalíticos - ou


simplesmente catalizadores - tiveram papel decisivo no
desenvolvimento de sistemas de injeção eletrônicos.
Para que sua eficiência fosse plena, seria necessário
Sistema single-point medir a quantidade de oxigênio presente no sistema de
exaustão e alimentar o sistema com esta informação
para corrigir a proporção da mistura. O primeiro passo
neste sentido, foram os carburadores eletrônicos, mas
cuja difícil regulagem e problemas que apresentaram,
levaram ao seu pouco uso.

Surgiram então os primeiros sistemas de injeção single-


point ou monoponto, que basicamente consistiam de
uma válvula injetora ou bico, que fazia a pulverização do
combustível junto ao corpo da borboleta do acelerador.
Basicamente o processo consiste em que toda vez que o
pedal do acelerador é acionado, esta válvula (borboleta),
se abre admitindo mais ar. Um sensor no eixo da
borboleta, indica o quanto de ar está sendo admitido e a
necessidade de maior quantidade de combustível, que é
reconhecida pela central de gerenciamento e fornece o
Sistema multi-point

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

combustível adicional.

Para que o sistema possa suprir o motor com maiores quantidades de combustível de acordo
com a necessidade, a linha de alimentação dos bicos (injetores) é pressurizada e alimentada
por uma bomba de combustível elétrica, a qual envia doses maiores que as necessárias para
que sempre o sistema possa alimentar adequadamente o motor em qualquer regime em que
ele funcione. O excedente retorna ao tanque. Nos sistemas single point a alimentação é direta
ao bico único. No sistema multi-point, em que existe um bico para cada cilindro, localizado
antes da válvula de admissão, existe uma linha de alimentação única para fornecer
combustível para todos os injetores.

Seja no caso de sistemas single-point ou multi-point, os bicos injetores dosam a quantidade


de combustível liberada para o motor pelo tempo em que permanecem abertos. As válvulas de
injeção são acionadas eletromagneticamente, abrindo e fechando através de impulsos elétricos
provenientes da unidade de comando. Quando e por quanto tempo devem ficar abertas estas
válvulas, depende de uma série de medições feitas por diversos sensores distribuídos pelo
veículo. Assim, não são apenas o sensor no corpo da borboleta e a sonda lambda que
determinam o quanto de combustível deve ser liberado a mais ou a menos, mas também os
itens que se seguem:

• UNIDADE CENTRAL DE INJEÇÃO - Também chamado “corpo de borboleta” engloba


vários componentes e sensores. Montado no coletor de admissão, ele alimenta os
cilindros do motor. Na unidade central de injeção encontram-se a válvula de injeção, o
potenciômetro da borboleta, o atuador de marcha lenta, o regulador de pressão e o
sensor de temperatura do ar.

• SONDA LAMBDA - Funciona como um nariz eletrônico. A sonda lambda vai montada no
cano de escape do motor, em um lugar onde se atinge uma temperatura necessária para
a sua atuação em todos os regimes de funcionamento do motor. A sonda lambda fica em
contato com os gases de escape, de modo que uma parte fica constantemente exposta
aos gases provenientes da combustão e outra parte da sonda lambda fica em contato
com o ar exterior. Se a quantidade de oxigênio não for ideal em ambas as partes, será
gerada uma tensão que servirá de sinal para a unidade de comando. Através deste sinal
enviado pela sonda lambda, a unidade de comando pode variar a quantidade de
combustível injetado.

• SENSOR DE PRESSÃO - Os sensores de pressão possuem diferentes aplicações.


Medem a pressão absoluta no tubo de aspiração (coletor) e informam à unidade de
comando em que condições de aspiração e pressão o motor está funcionando, para
receber o volume exato de combustível.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

• POTENCIÔMETRO DA BORBOLETA - O potenciômetro da borboleta de aceleração está


fixado no corpo da borboleta e é acionado através do eixo da borboleta de aceleração.
Este dispositivo informa para a unidade de comando todas as posições da borboleta de
aceleração. Desta maneira, a unidade de comando obtém informações mais precisas
sobre os diferentes regimes de funcionamento do motor, utilizando-as para influenciar
também na quantidade de combustível pulverizado.

• MEDIDOR DE MASSA DE AR - O medidor de massa de ar está instalado entre o filtro


de ar e a borboleta de aceleração e tem a função de medir a corrente de ar aspirada.
Através dessa informação, a unidade de comando calculará o exato volume de
combustível para as diferentes condições de funcionamento do motor.

• MEDIDOR DE FLUXO DE AR - Tem como função informar à unidade de comando a


quantidade e a temperatura do ar admitido, para que tais informações influenciem na
quantidade de combustível pulverizada. A medição da quantidade de ar admitida se
baseia na medição da força produzida pelo fluxo de ar aspirado, que atua sobre a
palheta sensora do medidor, contra a força de uma mola. Um potenciômetro transforma
as diversas posições da palheta sensora em uma tensão elétrica, que é enviada como
sinal para a unidade de comando. Alojado na carcaça do medidor de fluxo de ar
encontra-se também um sensor de temperatura do ar, que deve informar à unidade de
comando a temperatura do ar admitido durante a aspiração, para que esta informação
também influencie na quantidade de combustível a ser injetada.

• ATUADOR DA MARCHA LENTA - O atuador de marcha lenta funciona tem a função de


garantir uma marcha lenta estável, não só na fase de aquecimento, mas em todas as
possíveis condições de funcionamento do veículo no regime de marcha lenta. O atuador
de marcha lenta possui internamente duas bobinas (ímãs) e um induzido, onde está
fixada uma palheta giratória que controla um “bypass” de ar. Controlado pela unidade
de comando, são as diferentes posições do induzido, juntamente com a palheta
giratória, que permitem uma quantidade variável de ar na linha de aspiração. A variação
da quantidade de ar é determinada pelas condições de funcionamento momentâneo do
motor, onde a unidade de comando, através dos sensores do sistema, obtém tais
informações de funcionamento, controlando assim o atuador de marcha lenta.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

• SENSOR DE TEMPERATURA - Determina o atingimento da temperatura ideal de


funcionamento e corrige a quantidade de mistura enviada ao motor.

• SENSOR DE VELOCIDADE DO MOTOR - Este sensor determina a que rotação o motor


opera instantaneamente. Entre outras razões, geralmente esta leitura é cruzada com a
dos aceleradores eletrônicos para determinar a "vontade" do motorista e dosar as
quantidades necessárias de mistura, de acordo com as curvas de torque e potência
ideais do motor.

A evolução dos sistemas de injeção de combustível, possibilitou não apenas as características


e vantagens acima descritas, como também propiciou a incorporação do sistema de ignição.
Desta forma os modernos sistemas de injeção, também são responsáveis pelo gerenciamento
do ponto de ignição. Alguns dos principais itens nesta tarefa, são:

• SENSOR DE ROTAÇÃO - Na polia do motor está montada uma roda dentada magnética
com marca de referência. A unidade de comando calcula a posição do virabrequim e o
número de rotações do motor, originando o momento correto da faísca e da injeção de
combustível.

• SENSOR DE DETONAÇÃO - Instalado no bloco do motor, o sensor de detonação


converte as vibrações do motor em sinais elétricos. Estes sinais permitem que o motor
funcione com o ponto de ignição o mais adiantado possível, conseguindo maior potência
sem prejuízo para o motor.

• BOBINAS PLÁSTICAS - As bobinas plástica têm como função gerar a alta tensão
necessária para produção de faíscas nas velas de ignição, como as tradicionais bobinas
asfálticas. Dimensões mais compactas, menor peso, melhor resistência às vibrações,
mais potência, são algumas das vanta-gens oferecidas pelas bobinas plásticas. Além
disso, as bobinas plásticas possibilitaram o aparecimento dos sistemas de ignição direta,
ou seja, sistemas com bobinas para cada vela ou par de velas, eliminando dessa forma a
necessidade do distribuidor. Com suas características inovadoras, as bobinas plásticas
garantem um perfeito funcionamento dos atuais sistemas de ignição, em função da
obtenção de tensões de saída mais elevadas.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Vale salientar que tanto para o sistema de injeção, como o de ignição, a lista de componentes
(sensores e atuadores), costuma ser um tanto mais extensa e que varia tanto de acordo com
o fabricante como também de um modelo para outro. Sistemas mais recentes e sofisticados
podem conter mais de uma centena de elementos e realizar outra centena de operações,
interagindo com o sistema de ar-condicionado, direção hidráulica, câmbio automático,
controles de tração e de estabilidade, entre outros.

O gerenciamento de todas as leituras efetuadas pelos diversos sensores, de forma a


determinar basicamente quando e em que quantidades o combustível deve ser fornecido ao
motor e, em que momento deve ocorrer a faísca (nos sistemas que incorporam a ignição), fica
a cargo da ECU (Eletronic Control Unit), ou Unidade de Controle Eletrônico. Para tanto, utiliza-
se de um programa que visa "decidir" o que fazer em cada situação e de acordo com a
"vontade" do motorista, visando proporcionar o melhor rendimento possível, dentro de
parâmetros adequados de consumo e de poluição.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

ELETRODICAS
Sintoma: O motor do veículo Pálio entra em funcionamento com facilidade e sem
falhas, só que não aceita acelerações e a lâmpada de anomalia no painel de
instrumentos se acende. O sintoma é como se estivéssemos acionando o pedal
sem o cabo do acelerador ligado.

Causa: Como se tratava de um motor com sistema "drive-by-wire" acelerador sem


cabo, fomos verificar se acionando o pedal a borboleta de aceleração estava
abrindo, o que não ocorria. Verificamos todas as conexões elétricas e tudo estava
em ordem, somente não havendo sinal no atuador da borboleta de forma correta.
Conversando com o cliente, ele relatou que isso ocorreu logo após a troca da
bateria (por uma de maior capacidade devido a instalação de som). Constamos
então que a bateria foi desligada com a chave na posição MAR (ligado), o que
provocou o problema.

Solução: Para corrigir esse problema, deixe a chave em posição STOP


(desligado) e desligue um dos cabos da bateria (de preferência o negativo para
evitar curtos com a carroceria) por cerca de 1 minuto ou mais. Ligue novamente a
bateria e coloque a chave em posição MAR (ligado) e aguarde mais 1 minuto.
Passado esse tempo, dê partida no motor sem desligar a ignição. Após algum
tempo funcionando, a lâmpada de anomila irá se apagar e o sistema voltará ao
normal.

Sintoma: A luz de anomalia se acende e o motor falha/morre no Monza EFI.

Diagnóstico: Com o uso do scanner constata-se que o sensor não emite pulso,
porém, o sensor está funcionando perfeitamente.

Causa: Alguns eletricistas menos avisados estão conectando o fio terra do sensor
de velocidade que está localizado na parte traseira do alternador ao cabo positivo
do mesmo.

Solução: Ligar o fio terra do sensor ao massa do chassis.

Tipo de sensores de velocidade

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Ao substituir o sensor de velocidade do Multec 700 (Monza, Kadett e Ipanema)


observe se a nova peça é realmente a recomendada para aquela aplicação.
Motores 1.8 e 2.0 com transmissão mecânica e automática requerem sensores
específicos conforme a descrição abaixo:

- Motor 1.8 com transmissão mecânica (16 pulsos): 90149082


- Motor 1.8 com transmissão automática (8 pulsos): 90149078
- Motor 2.0 com transmissão mecânica (10 pulsos): 90149079
- Motor 2.0 com transmissão automática (13 pulsos): 90149080

Esses dados são válidos para o Monza, Kadett e Ipanema

Ao instalar acessórios elétricos no Novo Palio, desligue sempre a bateria. Se você


tentar desconectar apenas a caixa de fusível o carro ficará "louco" por ex: o
ponteiro do combustível pode parar de funcionar entre outras.

Nesse caso será preciso usar um scanner, e para evitar isso, o melhor mesmo é
desligar a bateria.

Sintoma: O veículo Fiat Uno 1.6R com sistema Bosch Le Jetrônic 2.1 apresentava
um defeito intermitente que interrompia o funcionamento do motor repentinamente.
Depois de algum tempo voltava a funcionar normalmente, mas a falha, também
voltava a se repetir. Quando ela ocorria se fosse desligado o conector do medidor
de fluxo de ar o motor partia, mas, funcionava muito mal.

Causa: Foi examinado o sistema de ignição nada encontrando de irregular.


Também no sistema de alimentação a bomba de combustível funcionava bem e os
outros componentes como sensores e atuadores também, não apresentavam
irregularidades. Fez-se um teste substituindo a UC Le-Jetrônic por uma outra peça
durante alguns dias e observado o comportamento do veículo.

Solução: Substituição definitiva da UC, pois, durante o período de observação o


defeito não voltou a aparecer, concluindo tratar-se de falha na mesma.

Luz e trava do porta-malas não funcionam

Problema: Volkswagen Santana não acendia a luz do porta-malas e a sua trava


não funcionava.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Causa: Existe um diodo de proteção de retorno de corrente dentro do chicote


próximo da central de distribuição elétrica. Este por sua vez, se parte dentro do
chicote toda vez que tiver um curto circuito muito grande e também o fio que vai
até a parte de trás, vai incandescendo dentro do chicote e com isso ele coloca
outros fios em curto, principalmente o da trava da mala. Isso acontece porque o
chicote da mala fica roçando em uma chapa bem afiada debaixo da tampa da
mala, e de abrir e fechar várias vezes o chicote se rompe colocando o fio da luz de
mala que é linha 30 da bateria em contato com a linha 31 que é terra.

Solução: Remova o curto e efetue o reparo no chicote. Substitua o diodo de


proteção e o circuito voltará ao normal.

Códigos do circuito elétrico - linha VW

Segue aqui alguns códigos encontrados nos circuitos elétricos da linha


Volkswagen

Linha 4- ........Alta tensão da bobina de ignição.


Linha 15- ......Saida positiva do comutador de ignição e partida.
Linha 1- ........Sinal da bobina de ignição.
Linha 15a .....Saida pos. da chave de ign. e partida c/fuzivel.
Linha 31- ......Ponto massa negativo da bateria.
Linha 50- ......Saida pos. do comutador de ignição e partida p/ alimentação do
motor de partida.
Linha 30- ......Positvo direto da bateria.
Linha 30a .....Positivo direto da bateria, protegido por fuzível.
Linha 85- ......Entrada da bobina do relê.
Linha 86- ......Saida da bobina do relê.
Linha 87- ......Contato de saida do relê.
Linha G- ........Sinal do sensor de combustível.
Linha TG- ......Sinal do sensor de temperatura.

Testando o rotor do alternador

Ligar uma lâmpada de 50Watts ou mais em série com a bobina de excitação. Ao


se fazer isso, a lâmpada irá acender com menor intensidade. Aproxime uma chave
de fenda no rotor e verifique se ela será fortemente atraída pelo rotor. Em caso
afirmativo o rotor estará em ordem, caso contrário, a bobina de excitação estará
com problemas.

VW Santana com vidros elétricos travados

Sintoma: Os vidros elétricos de uma Santana Quantun 87 travaram em posição


fechado, não funcionando nada em nenhuma das portas.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Causa: Esse veículo possui dois relés, sendo um temporizador e outro de descida
automático dos vidros. Testando o relé temporizador, verificou-se que o mesmo
atraca mas não aterra o segundo relé. Fizemos um "jumper" nos terminais 31 e 87
do relé e os vidros voltaram a funcionar, só que com uma carga muito elevada na
porta do motorista.

Solução: O problema ocorreu em função de um problema no botão de


acionamento do vidro da porta dianteira esquerda, que entrava em curto quando
acionado. Isso provocou uma carga muito elevada no relé, que se rompeu.
Estranho que isso deveria ter provocado a queima do fusível F12 que pertence ao
circuito, o que não ocorreu. Verificando o seu valor, foi constato que estava muito
alto (25A) sendo que o correto é de aproximadamente 10A. Foi substituído o botão
e o relé e o fusível por um de valor correto e tudo voltou a funcionar normalmente.

Fiat Pálio- Interferência no avanço da ignição

Sintoma: Estouro no coletor ao acelerar rapidamente, e marcha lenta irregular.


Durante o diagnóstico, com o scanner, nada de anormal foi encontrado, não havia
código de falha na memória e os dados do modo contínuo não se apresentavam
fora dos parâmetros. Somente, a marcha lenta estava um pouco irregular.
Também, a parte elétrica de ignição não apresentava anormalidade, e
mecanicamente, o motor estava em ordem.

Causa: Como o sintoma era de motor atrasado analisou-se o sensor de detonação


e seu chicote elétrico, detectando-se falta de aterramento da malha de proteção
dos fios sinal e massa. Com isso interferências externas distorciam o sinal do
sensor, enviado à unidade de comando e comprometendo o mapeamento do
avanço de ignição.

Solução: Foi refeito o aterramento da malha de proteção e o motor voltou a


funcionar normalmente.

Sistema: Magneti Marelli 1G7

Ford Fiesta- Falta de pulso no eletro-injetor

Sintoma: Durante a partida não havia injeção de combustível por falta de pulso no
injetor e o motor não pegava. No entanto, colocando-se um pouco de gasolina no
corpo de borboleta o motor voltava a pegar e funcionar normalmente.

Causa: No momento da partida do motor o chaveamento do injetor é feito pelo


terminal 59 da unidade de comando, que aterrando sua saída permite que o
combustível flua e o motor parta. Logo que o motor começa a funcionar, a UC
interrompe o chaveamento pelo borne 59 e passa a fazê-lo pelo borner 58 que tem
ligado, em série, com o injetor, um resistor que reduz a corrente que circula nele
evitando o seu aquecimento demasiado. Como havia um problema interno à

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

unidade, a ligação entre terminal 59 e o injetor estava interrompida. Assim não


havia chaveamento durante a partida e o motor não pegava.

Solução: Foi efetuada a troca da unidade de comando resolvendo de vez o


problema.

Sistema: FIC EEC-IV CFI

Pálio- conectores invertidos

Sintoma: Um veículo pálio chegou a oficina falhando. Verificou-se com a ajuda de


um scanner que a bobina 2 e o canister estão com problemas.

Causa: Após a constatação de falta de centelha na bobina, verificou-se que os


relés e os fusíveis estavam bons e funcionando. Através de teste de continuidade
dos fios da bobina 2, verificou-se que não havia sinal de alimentação desta.
Descobriu-se então que o conector ligado à bobina era na verdade o do canister e
vice-versa. Estes conectores são semelhantes, diferenciando-se apenas pelas
cores dos fios, os quais apresentam cores bastante parecidas.

Solução: Foram trocados os conectores e o veículo voltou a funcionar


normalmente.

Kadett 97- Queima da bobina de ignição

Sintoma: O veículo chegou a oficina funcionando muito mal com apenas dois
cilindros; o segundo e o terceiro . No primeiro e no quarto não havia tensão nas
velas de ignição.

Causa: Examinado o motivo verificou-se que a base da bobina de ignição estava


muito quente e havia derretido, vertendo todo o material de isolação. Trocou-se,
então, a bobina que em questão de minutos, também, aqueceu demasiadamente,
fundindo sua base, ou seja: o problema se repetiu.

Solução: Partiu-se, então, para verificação da causa do problema e foi constatado


que havia um curto com a massa, do chicote do terminal um (1) da unidade de
comando -fio verde - e o suporte da bobina. Eliminado o curto o veículo passou a
funcionar normalmente.

Sistema: Bosch Motrônic M1.5.4P

Fiat Tipo 1.6- Motor não pega e relé fica estalando

Sintoma: Ao se dar partida, o motor não entra em funcionamento. As vezes


ameaça pegar mas fica só nisso mesmo. Ao se ligar a chave, ouve-se o relé de
alimentação da unidade de comando se ativando e desativando continuamente.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Causa: Suspeitamos de mal contato do relé. Retiramos o mesmo do soquete,


limpamos seus terminais com um limpa contatos e tentamos funcionar o motor, o
que foi em vão. Partimos então para a verificação do chicote do relé, o qual
constatamos falta de sinal em um dos seus terminais. Ao se dar partida, esse sinal
passava a ser intermitente (utilizando uma caneta de polaridade). Ao fazer uma
verificação mais minuciosa no sistema, descobrimos que o aterramento da
unidade de comando se faz no coletor de admissão e, que os mesmos estavam
com seus terminais rompidos.

Solução: Limpamos a superfície de contato, instalamos novos terminais e o


problema foi solucionado.

Observação: O rompimento dos fios ocorre em função do ressecamento do


mesmo e devido aos movimentos constantes do motor. Uma outra solução seria
fazer esse aterramento no chassi para evitar esse tipo de problema.

Sistema: Bosch monomotronic M.1.7

Falha no circuito de temperatura

Problema: Falha no sistema de injeção, circuito de temperatura do líquido de


arrefecimento no Santana 2.0 Mi.

Causa: Como havia a indicação da falha no circuito de temperatura, foram


checados o sensor e o chicote. Neste último, deveria haver uma tensão de
referência de 5V entre os terminais 5 e 38 mas não havia, e sim uma variação de
tensão com a ignição ligada. Desconfiamos do chicote elétrico o qual foi medido a
sua continuidade. Para nossa surpresa, o conector do sensor de temperatura
estava invertido com o do sensor de detonação, o qual possuem o mesmo encaixe
e estão bem próximos um do outro, só diferenciado pela cor.

Solução: Os conectores foram posicionados no seu devido lugar e o problema


resolvido.

GM DICAS
Dica nº 01

Os defeitos mais usuais no Sensor de Temperatura da Água sâo

1- Mau Contato no Conector do Sensor

2- Falta de Água no Sistema de Arrefecimento (o Sensor Perde

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Contato com a Água) Isto causa diversas Falhas.

a) Mau funcionamento do Motor.

b) Mau funcionamento da Eletroventilador de Arrefecimento que não


liga

3-Sempre sangrar o sistema de arrefecimento para evitar bolhas de


ar em contato com o Sensor de temperatura da Água a sangria dever
ser feita da seguinte forma

a) - Dar partida no motor

b) - Desligar o conector do Sensor ea ventoinha irá acionar.

c) - Afrouxe levemente o Sensor para que o liquido vaze.

d) - Reabasteça o reservátório durante a sangria

e) - Deixar o motor trabalhar até completada a sangria.

f) - Reaperte o Sensor e religue o conector e feche a tampa do


reservatório

Dica nº 2 Corsa EFI

Defeitos carecteristicos da Sonda Lambda

1 - Marcha Lenta Oscilando

2 - Baixo desempenho

3 - Motor Falhando

4 - Alto Consumo

Sinal do Osciloscópio

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Dica nº 03

Defeitos Carecteristicos do Sensor da Posição da Borboleta

1- Marcha Lenta Alta(Acelerado)

2 - Motor Falhando(Vazios Durante Aceleração)

3 - Motor Acelerado Ocasionalmente

Dica nº 04 Kadett/Monza e Ipanema

Como o fio terra do VSS é ligado na carcaça do alternador é muito


comum que este fio seja esquecido desligado ou seja ligado junto ao
positivo do alternador. Quando isso acontece, o sensor deixa de
atuar. Nesse caso a UC registra o código 24 em sua memória eo
veiculo apresenta marcha lenta irregular e morre em
desaceleração. Por isso, verifique sempre se o aterramento do
VSS está corretamente posicionado. Além disso, na necessidade de
susbstituição desse sensor, verifique se o sensor novo é realmente
aplicado ao veiculo em teste. Existem sensores idênticos com
aplicação distinta o que muda é o numero de pulsos elétricos por
volta.

Dica nº05

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Defeitos caracteristicos

Falhas no circuito elétrico da válvula injetora geram: Motor não pega-


tem faisca mas não tem combustível se o defeito for a própria válvula
injetora ou mau contato.

Dica n°06

O defeito mais normal no circuito elétrico da bomba é

Terra da bomba frouxo ou com mau contato, fusível da bomba K7 e


J4 Monza, K5 e J2 Kadett e Ipanema e F26 Corsa queimado.
Circuito da bomba com problemas provoca

Motor não pega - Tem faisca, mas não tem combustível.

Dica nº07

O sinal do sensor de pressão MAP varia em função da altitude.


Defeitos mecânicos que o sensor MAP está sujeito a ter

Mangueira Furada; Mangueira entupida "principalmente na base do TBI".


Defeitos Frequentes

Motor não pega ou pega mas em seguida morre

Motor falhando

Baixo desempenho "motor não abre giro"

Alto consumo

Dica nº08

O motor de passo está sujeito a defeitos de origem mecânica, como


emperramento da haste e obstrução da sede da agulha, por sujeira.
"borra,carbonização". Efetue sempre limpeza no TBI.
Defeitos frequentes

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Falhas de origem mecânica ou elétrica no motor de passos geram,

Marcha lenta irregular,

Marcha lenta alta,

Marcha lenta baixa,

Baixo desempenho,

Alto consumo.

Dica nº09

Através do potenciômetro do CO é feita a regulagem do indice de CO


nos gases de escape para isso deve ser utilazado um analisador de
gases.
O Porém em ensaios práticos observa-se que o ponto ótimo dessa
regulagem ocorre em média quando a tensão enviada pelo
potenciômetro pelo fio azul está em torno de 2,00 Volts VDC.
Portanto, pode ser feita uma aproximação da regulagem do indice de
CO% deixando a tensão no fio azul em torno de 2,00 Volts VDC. Para
se obter maior precisão, deve ser utilizando o analisador de gases.

Dica nº10

Defeitos frequentes: Circuito do relê com problemas provocam


Corsa EFI: Motor não pega tem faisca mas não tem combustível.
Kadett, Monza, e Ipanema, Partidas longas em dias frios a
alimentação da bomba vai através do circuito do interruptor.

Dica nº11

Os defeitos mais normais no sistema de alimentação da UC são mau contato no


cicrcuito de aterramento, mau conatato ou interrupção no circuito de alimentação
positiva da UC.
Como observar rapidamente se a UC está queimada ou sem

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

alimentação.Observar se quando é ligada a ignição sem dar partida a lâmpada de


manunteção da injeção - SES se acende. A UC acende a lâmpada SES aterrando o
terminal A5, após ter sido totalmentada.
Se com a chave de ignição ligada ela não acender, execute o procedimento a
seguir: Desligar a ignição;

Desconectar o conector Elétrico da UC;

Ligar a ignição sem dar partida;

Conectar um fio condutor ao terminal A5;

Aterrar a extremidade livre do fio a lâmpada de manutenção - SES

Dica nº12 Corsa EFI

Um dos ploblemas mais normais do Corsa EFI é a perda de eficiência


mecânica da bomba elétrica de combsutível. Para verificar, proceda
da seguinte forma.
Desligar a mangueira de retorno de combustível no corpo de
borboleta;

Dar partida no motor;

Durante a partida ou com o motor funcionando deve escoar


combustível pelo retorno "com vazão aproximadamente de 1 litro por
minuto";

Quando a bomba está ruim observa-se que, em alguns casos, o


motor pega mas não há fluxo de combustível pelo retorno

Dica nº13

Como decobrir se a alta pressão é causada por entupimento no


retorno ou pelo regulador da pressção adulterado.
Desligar a mangueira do retorno e instalar um reservatório na saida
do corpo de borboleta.

Dar partida no motor.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Se a alta pressão persistir, regular a "pressão" da mola do regulador


de pressão.

Se a pressão se normalizar, existe entupimento na tubulação de


retorno.
Falhas no sistema de alimentação de combustível provocam:

Motor não pega

Motor pega mas morre em seguida

Motor falhando

Marcha lenta irregular

Baixo desempenho do motor.

Alto consumo de combustível.

Dica nº14

O funcionamento do sensor HALL

Sedurante os toques do fio à massa são acionadas as válvulas


injetoras e ou a bomba de combustível e com o conector do sensor
de rotação Hall conectado, não se observa nenhum tipo de
acionamento durante a partida com o eixo do distribuidor girando;
conclui-se que o circuito do sensor de rotação Hall tem problema
efetuar o teste do sensor para se certificar se o defeito é o próprio
sensor ou sua alimentação.

Dica nº15

Integridade da UC

Quando a UC está totalmente "queimada" ou sem alimentação,


durante os toques do fio à massa não é acionanda nem válvula
injetora nem bomba de combustível.Caso não seja verificado o
acionamento da válvula injetora, nem da bomba de combustível,
verefique a continuiadade do fio do meio do conector do distribuidor
que vai ao terminal B5 da UC. Se o fio estiver certo, faça o teste de
alimentação da UC. Se a alimentação estiver OK e o defeito persistir,
substitua a UC.

Dica nº16

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

O funcionamento elétrico da válvula injetora:

Prestar atenção mo barulho(clique) de abre e fecha da válvula


durante os toques do fio à massa. Caso não seja verificado o
acionamento da válvula injetora, verifique a continuidade do fio do
meio (fio azul e preto) do conector do distribuidor que vai ao terminal
B5 da UC. Se o fio estiver certo, faça o teste do circuito da valvula
injetora

Dica nº17

Funcionamento da bomba elétrica de combustível

Desconectar o conector elétrico do sensor de rotação - Hall

Com o conector desconectado instalar um fio condutor com uma de


suas extremidades ligada ao terminal do meio do conector do sensor
de rotação "lado do chicote". A outra extremidade deve ficar solta
"sem ecostar na massa"

Ligar a ignição sem dar partida

Com a extremidade solta da fio dar rápidos toques à massa do


veiculo "não deixar aterrado continuamente nem dar muitos toques -
motor pode afogar.

A cada toque deve ser escutado o acionamento da bomba elétrica de


combustível localizada abaixo do banco traseiro.

Caso não seja verificado o acionamento da bomba de combustível,


verifique a continuidade do fio do meio fio azul e preto do conector
do distribuidor que vai ao terminal B5 da UC. Se o fio estiver certo,
execute o teste do circuito elétrico da bomba.

Dica nº18

Funcionamento da bomba elétrica de combustível:

Desconectar o Conector elétrico de 4 fios do distribuidor de ignição.

Ligar a ignição sem dar partida.

Com o conector desconectado instalar um fio condutor com uma de


suas extremidades ligada ao terminal do fio roxo da conector de 4

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

fios.

Segurar a extremidade solta com uma das mãos.

Com a outra mão de preferencia mollada - para aumentar a condução


elétrica dar rápidos toques polo positivo do veículo não deixar a mão
encostata continuamente ao polo positivo ne dar muitos toques - o
motor pode afogar. É imprescindivel o uso do corpo humano como
condutor sob risco de queima da UC.

A cada toque deve ser escutado o acionamento "zunido" da bomba


elétrica de combustível.

Caso não seja verificado o acionamento da bomba de combustível,


verificado a continuidade do fio roxo, entre o conector de 4 fios e o
terminal B5 da UC. Se o fio estiver certo, execute o teste do circuito
elétrico da bomba.

Dica nº19

Funcionamento elétrico da válvula injetora:

Prestar atenção no barulho clique de breve e fecha da válvula ao


tocar a mão no polo positivo.

Caso não seja verificado o acionamento da válvula injetora, verifique


a continuidade do fio roxo entre o conector de 4 terminais B5 da UC.
Se o fio estiver certo, faça o teste do circuito da válvula.

Dica nº20

Integridade da UC

Quando a UC está totalmente "queimada" ou sem alimentação,


durante os toques do fio à massa não é acionanda nem válvula
injetora nem bomba de combustível.Caso não seja verificado o
acionamento da válvula injetora, nem da bomba de combustível,
verefique a continuiadade do fio roxo entre o conector 4 eo terminal
B5 da UC. Se o fio estiver certo, faça o teste de alimentação da UC.
Se a alimentação estiver certa e o defeito persistir, substitua a UC.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Deu pane? Não entre em pânico


Apesar de toda a tecnologia que equipa os carros modernos, qualquer motorista
ainda está sujeito a enfrentar uma pane nos momentos mais inesperados. Por
isso, nós selecionamos os principais motivos que podem fazer um carro parar de
funcionar - além de outros problemas corriqueiros - e as providências necessárias.
São noções básicas para você não ficar refém de oportunistas que se aproveitam
da falta de conhecimento para inventar diagnósticos e cobrar por serviços
desnecessários:

O carro parou. O que pode ser?

BATERIA
Se a luz indicativa da bateria no painel estiver acesa, o problema pode ser com ela
ou com o alternador, que pode estar com defeito ou quebrado. Quando isso
acontece, a energia da bateria é usada até o fim
sem que haja a reposição da carga. Levando o carro até um auto-elétrico, o
problema será resolvido com uma recarga na bateria ou realizando-se sua troca.
Se for o alternador, ele também pode ser recondicionado ou, em um caso mais
grave, trocado.

BOBINA
Pode haver um superaquecimento da bobina, peça responsável por gerar a
corrente de alta tensão que provoca a faísca nas velas. Quando isso ocorre, pode
ser um sinal de desgaste da peça. Ela pára de produzir corrente e o carro não liga.
O jeito é esperar que esfrie. Para acelerar o processo, desligue a chave, abra o
capô e coloque um pano molhado sobre a bobina. Esperando cerca de dez
minutos, o carro volta a ligar. Trata-se de uma solução de emergência. Assim que
puder, passe em um auto-elétrico e troque a peça.

BOMBA DE COMBUSTÍVEL
Muitas vezes a bomba de combustível falha e não consegue mandar o líqüido na
pressão ideal para o sistema. Em carros com injeção eletrônica, uma maneira de
saber se ela está funcionando é fechar os vidros e tentar dar a partida. Nesse
momento é possível ouvir o zumbido da peça funcionando. Se não escutar esse
barulho, o problema certamente está na bomba. No caso de carro com carburador,
pode-se desencaixar dele a mangueira do combustível e pedir a alguém que
acione a partida. Normalmente, a gasolina sairá pela mangueira. Se isso não
acontecer, ela está com defeito. Trocá-la é um procedimento rápido e que pode
ser feito no local por um mecânico experiente.

CORREIA DENTADA
Ligada ao eixo do comando de válvulas, a correia é acionada pelo motor. Pode se
partir, geralmente em movimento. À menor suspeita de que tenha se rompido,

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

pare o carro e não tente dar a partida. A troca só deve ser feita em oficina ou
concessionária. Mesmo assim, ajuda ter uma de reserva. Os fornecedores da
peça recomendam sua substituição a cada 40 000 ou 50 000 quilômetros.

MOTOR "AFOGADO"
O motor pode parar de funcionar com o carro em movimento ou nem dar a partida.
Ele pode ter “afogado” por excesso de combustível. Provavelmente uma falha no
sensor de temperatura provocou o problema. O afogamento ocorre com mais
freqüência em carros equipados com carburador. Aguarde um tempo e
experimente ligá-lo de novo. Se não der certo, chame a assistência técnica.

TAMPA DO DISTRIBUIDOR
Tampa do distribuidor trincada não deixa o carro funcionar. Quando isso acontece,
a distribuição de energia para as velas fica prejudicada, ocasionando fuga de
corrente elétrica. A solução é trocar a tampa, o que se pode fazer até sozinho com
um mínimo de conhecimento sobre mecânica.

Problemas corriqueiros

O MOTOR DEMORA PARA PEGAR E PERDE RENDIMENTO. QUANDO


FUNCIONA, FALHA OU ENGASGA. O QUE ACONTECE?
- Combustível adulterado
- Tanque de combustível com sujeira
- Bicos injetores entupidos ou sujos
- Vela cansada
- Cabo das velas com defeito
- Carburador sujo
- Platinado gasto
- Cachimbo gasto
- Filtro de combustível entupido
- Bomba de combustível com defeito

O QUE FAZER?
Após identificar o problema, troque a peça danificada ou leve-a para conserto.
Procure oficinas de sua confiança ou a própria concessionária.

O CARRO COMEÇOU A TREPIDAR. QUAL PODE SER A CAUSA?


- Coxim do motor defeituoso
- Platô e disco de fricção defeituosos
- Um ou dois cabos de vela podem ter se soltado ou, ainda, podem ter se partido
- Se a trepidação é no volante, é problema de balanceamento ou alinhamento das
rodas
- A suspensão está com defeito

O VEÍCULO ESTÁ CONSUMINDO MAIS COMBUSTÍVEL. O QUE PODE SER?


- Vela cansada

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

- Bicos injetores sujos ou entupidos


- Filtro de combustível entupido
- Óleo do motor vencido, perdendo a capacidade de lubrificação
- Correia do motor ou correia dentada frouxa
- O motor está sendo forçado e as marchas não estão sendo usadas corretamente
- Pneus descalibrados e/ou muito desgastados
- Estilo agressivo de dirigir
- Combustível adulterado
- Tubo e filtro do respiro do óleo do cárter entupido

CUIDADOS QUE PODEM SER OBSERVADOS PARA RESOLVER O


PROBLEMA:

- Calibrar os pneus regularmente de acordo com as especificações do manual do


proprietário
- Procurar abastecer em postos confiáveis e não se decidir apenas pelo menor
preço
- Trocar o óleo dentro dos prazos estipulados no manual
- Fazer revisão preventiva em oficina de confiança ou concessionária
- Limpar o tubo do respiro do óleo do cárter e trocar esse filtro
- Fazer alinhamento regularmente

AS MARCHAS ARRANHAM DURANTE O ENGATE. O QUE ACONTECE?


- Embreagem com defeito no platô ou disco desgastado
- Pedal da embreagem mal regulado, muito alto ou muito baixo
- Trambulador do câmbio mal ajustado ou sincronizador desgastado ou com
defeito
- Em situação mais extrema, dentes da engrenagem muito desgastados ou até
quebrados

O CÂMBIO PODE TER VAZAMENTO DE ÓLEO?


Mancha de óleo no chão embaixo da caixa de câmbio, seja ele manual ou
automático, indica um vazamento. Ele acontece quando as juntas estão
defeituosas ou se ocorreu espanamento das roscas do bujão. Se a mancha não
for grande, leve o carro até uma oficina de confiança. Se for muito grande, chame
um guincho, lembrando que, no caso de carro com câmbio automático, tem que
ser o do tipo plataforma.

QUANDO EU VIRO A DIREÇÃO ATÉ O FINAL, UM BARULHO VEM DA RODA.


O QUE É ISSO?
Provavelmente a junta homocinética quebrou ou está para quebrar. Para testar
seu funcionamento, vire o volante para um lado até o final do curso e tente sair
com o carro. Se ouvir um estalo vindo da roda, realmente a homocinética está
quebrada. Troque-a assim que puder.

A DIREÇÃO HIDRÁULICA ESTÁ MUITO PESADA. POR QUÊ?


- O fluido pode estar vencido, com o nível baixo ou misturado com água

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

- Deve-se verificar se há vazamento nas mangueiras ou em suas conexões


- A correia do compressor da direção pode estar frouxa
- As articulações junto ao sistema da direção, como terminais, ligamentos e braços
da direção, podem estar com folga. É necessário verificar em uma oficina. Em
alguns casos, um ajuste pode resolver. Dependendo da situação – geralmente em
casos de desgaste exagerado – pode ser necessária a troca das peças
danificadas
- Defeito na caixa de direção
- Verificar alinhamento, cambagem e cáster
- Se a direção hidráulica fizer um ruído estranho ao ser esterçada de um extremo
ao outro, esticar a correia soluciona o problema na maioria dos casos.

DEPOIS DE PASSAR EM ALTA VELOCIDADE EM UM BURACO, O VOLANTE


COMEÇOU A VIBRAR SEM PARAR. O QUE PODE TER ACONTECIDO?
- Desalinhamento da direção
- Rodas amassadas (provavelmente a que sofreu o impacto direto)
- Deslocamento da suspensão (bastante grave) ou quebra da barra estabilizadora.
Nesses casos, só os consertos necessários e a troca das peças defeituosas
resolverão o dano. Num impacto forte, a carroceria
pode necessitar de realinhamento antes de a troca ser feita.

UM RUÍDO CONTÍNUO E INTENSO VEM DAS RODAS QUANDO O CARRO


ESTÁ EM VELOCIDADE CONSTANTE. QUAL É O PROBLEMA?
Se o barulho vier da extremidade do eixo, bem junto das rodas, rolamentos
desgastados ou defeituosos podem ser o problema. Os rolamentos evitam o atrito
entre o eixo e o cubo da roda. A simples substituição deles eliminará o ruído.

O FREIO PAROU DE FUNCIONAR. COMO DEVO AGIR?


A primeira providência é reduzir as marchas, para que o freio motor ajude a
diminuir a velocidade do carro, e puxar o freio de mão gradativamente. Não puxe a
alavanca toda de uma só vez. Isso pode fazer o carro dar um “cavalo-de-pau”. Se
você estiver no perímetro urbano e dependendo da velocidade, não haverá tempo
para a redução das marchas. Passe para o freio de mão direto. Em rodovias,
especialmente em descidas, vale a redução de marchas e o uso do freio de mão
até a parada total do veículo – no acostamento, de preferência. A falha de freio
pode ter, basicamente, as seguintes causas: falta de fluido, vazamento do fluido
por mangueira defeituosa, pastilhas ou lonas gastas ou cilindro-mestre (peça
próxima do pedal de freio) com defeito. Primeiro verifique o nível do fluido no
reservatório do freio. Se ele estiver normal, o cilindro é a provável causa da perda
de freio. Chame o guincho para tirar o carro do local. Aproveite para fazer uma
revisão geral ao mandar realizar os reparos.

O MARCADOR DE TEMPERATURA DO PAINEL MOSTRA QUE HÁ


SUPERAQUECIMENTO. O QUE FAZER?
Pare o carro imediatamente. Se não fizer isso, ele esquentará ainda mais até
queimar a junta do cabeçote ou até mesmo empenar o próprio cabeçote, o que
comprometeria seriamente o motor. Com o veículo estacionado, abra o capô e

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

espere o motor esfriar por quinze minutos. Usando um pano, abra com cuidado a
tampa do reservatório de água do radiador para verificar se está vazio. Se estiver,
ligue o carro e só então coloque água. Depois disso, verifique se há vazamento
em alguma mangueira do radiador ou se a correia da bomba de água está frouxa.
Essas são as causas possíveis do superaquecimento. Se estiver tudo em ordem,
ligue o motor novamente e espere aquecer até atingir aproximadamente 90 graus
centígrados (verifique no marcador de temperatura no painel). Observe se a
ventoinha entra em ação. Se ela não funcionar, desligue o motor. Pode ser que o
sensor, um fusível ou ainda a ventoinha estejam queimados. Leve o carro ao
mecânico e troque a peça defeituosa.

A LUZ INDICATIVA DA INJEÇÃO ELETRÔNICA ACENDE NO PAINEL. O QUE


FAÇO?
Se a luz acendeu mas o motor continuou funcionando, isso indica que há uma
falha no sistema elétrico, provavelmente um curto-circuito. Leve o carro a um auto-
elétrico para arrumar o defeito. Entretanto, se a luz acendeu e o carro parou em
seguida, isso significa que o sistema de injeção está em pane. Não tente mexer.
Apenas um mecânico especializado ou uma concessionária pode resolver o
problema.

O LIMPADOR DO PÁRA-BRISA ESTÁ FAZENDO BARULHO QUANDO


FUNCIONA. QUAL PODE SER A CAUSA?
Quando o barulho vem da base do limpador, o problema é com o mecanismo, que
pode estar com defeito ou até mal lubrificado, em alguns casos. Uma rápida
verificação na oficina define isso. Se o ruído for produzido quando os limpadores
passam pelo vidro, então a causa é a borracha das palhetas, que deve estar muito
desgastada. Elas podem ser trocadas na hora, na própria loja onde forem
compradas.

AO LIGAR O MOTOR, SAI MUITA FUMAÇA DO ESCAPAMENTO. O QUE ESTÁ


ACONTECENDO?
Fumaça escura é sinal de motor desregulado. Isso aumenta o consumo de
combustível. Regular o motor resolve ambos os problemas. Fumaça azulada
significa que está havendo queima em excesso do óleo do motor. Pode acontecer
no caso de desgaste por quilometragem ou por uso indevido. As válvulas podem
estar com defeito ou mesmo desgastadas.

DICAS EM GERAL – ALGUNS MACETES FAÇA FÁCIL

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Com o passar do tempo, quem gosta de


mexer em automóveis acaba reunindo uma
série de pequenos macetes que, em
momentos de emergência, ajudam a
contornar problemas aparentemente
graves. Só que existe um certo segredo, e
poucos realmente contam o "pulo do gato".
OFICINA MECÂNICA também tem muitos
"macetes", só que não esconde. Aqui, mostramos uma série de 25 pequenos
truques e soluções que poderão ajudá-lo a evitar situações desagradáveis, como
ficar, à noite, parado numa estrada deserta. Mas atenção. Nenhuma dessas
soluções deve ser considerada definitiva. São apenas "quebra-galhos"
emergenciais, e não reparos definitivos. Além disso, não se pode esquecer nunca
que o carro está fora de suas condições normais de uso, com comprometimento
da segurança e dirigibilidade. Só dirija o carro nessas condições sentindo-se
seguro; caso contrário, o melhor é procurar outro tipo de socorro, como um
guincho. Muitas vezes acontece da buzina disparar sem querer _ou melhor, sem
motivo. Com isso, o motorista, apressado, abre o capô e desliga o cabo da bateria,
para depois procurar a buzina. E muitas vezes não acha. Nesse caso, o melhor é
ir direto na buzina, e desligar seus fios. Fica muito mais fácil localizá-la pelo
barulho, do que pelo tato.

Freio - Por alguma razão (geralmente falta de manutenção) um flexível ou


tubulação de freio pode se romper. Com isso, o sistema perde toda sua pressão e
o carro fica sem freios. Uma maneira de não ficar a pé é anular o freio daquela
roda. Se for um flexível, basta dobrá-lo e amarrar sua extremidade com arame,
bem firme para não vazar mais fluido. Se for uma tubulação metálica, coloque um
parafuso autoatarrachante no tubo e faça uma dobra com alicate antes, para reter
o fluido. Não esqueça que o carro só terá freio em três rodas e, portanto, deve ser
dirigido com cuidado extremo.

Limpador de pára-brisa - Quando um limpador quebra, só se descobre quando


se precisa dele: na chuva. Para evitar ficar parado, esperando a chuva passar,
existem duas boas receitas. Uma é amarrar um barbante em um limpador, passar
este barbante por dentro do carro e amarrar a outra ponta no outro limpador.
Assim, com as mãos, é possível mover o limpador. Outra opção é pegar um
pedaço de sabão ou sabonete e passar na parte externa superior do vidro, o que
faz a água da chuva escorrer.

Pára-brisa quebrado - Quando um pára-brisa se quebra, alguns cuidados devem


ser tomados. O primeiro passo é remover o vidro quebrado. Para isso, o ideal é
forrar o capô e painel com um cobertor ou folhas de jornal, para evitar riscos ou
queda de cacos nas entradas de ar. Com a mão protegida (por luva ou pano), bata
no vidro com cuidado, de dentro para fora, usando, de preferência, óculos para
proteger a vista. Se for trafegar sem o pára-brisa, mantenha todos os vidros
abertos (para facilitar o escoamento do ar) e mantenha os ocupantes com a vista

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

protegida, para evitar que cacos ou poeira cheguem aos olhos. Uma solução de
emergência é colar, no lugar do vidro, um pedaço de plástico transparente.

Cabo de acelerador - Para a quebra do cabo do acelerador (que isso não


aconteça em uma ultrapassagem, senão você irá precisar é de um guincho para
rebocar o que sobrou de seu carro), existem três possibilidades mais comuns. A
mais simples é acelerar o parafuso da marcha lenta ou colocar um calço no eixo
da borboleta do carburador. Outra é substituir o cabo do acelerador pelo cabo do
afogador (nesse caso o carro passa a ser acelerado pelo botão do afogador). Por
fim, caso o carro tenha afogador automático (sem cabo), tire o cabo partido do
acelerador e, junto ao carburador, coloque um barbante ou fio, longo o bastante
para que o carburador posse ser acionado pelo barbante de dentro do carro.

Trambulador - Essa já aconteceu várias vezes durante nossos testes: algum


componente do trambulador de câmbio se quebrar. A solução é localizar o seletor
de marchas junto ao câmbio, engatar uma marcha e experimentar para ver se está
razoável. Para andar na cidade, engate a segunda; para estrada o melhor é a
terceira. Quarta ou quinta irão impedir de se colocar o carro em movimento, a não
ser que seja um motor com torque absurdo.

Cabo de vela - Para um cabo de vela inutilizado, só existe uma opção de "quebra-
galho": substituí-lo por um galho verde (bastante úmido), se possível, colocado
dentro de uma mangueira ou envolto em fita isolante, para minimizar a perda de
corrente. Agora, se o problema for naqueles velhos supressores de ruído
rosqueados no centro do cabo, e que pode interromper a passagem de corrente,
basta retirar o supressor imprestável, cortar a cabeça de um parafuso (tipo auto-
atarrachante ou "rosca-soberba") e rosquear as duas partes do cabo nele. Isole
bem a emenda, e pronto.

Radiador - Quando o radiador apresentar um pequeno furo, basta tampá-lo com


um pouco de sabão em pedra ou, se possível, massa tipo epóxi. Se for um furo
um pouco maior, um pedaço de borracha ajuda. No caso de problemas com o
radiador, tire a tampa, para evitar o aumento de pressão e trafegue devagar.

Bateria - Numa viagem tranquila, de repente, acende a luz do aviso de problemas


com o alternador. Sinal de que em breve a bateria estará descarregada. Para
aumentar a chance de chegar a algum lugar, o ideal é desligar todo e qualquer
equipamento elétrico, como faróis, ventilador, ar-condicionado, rádio etc., o que
ajuda a bateria a consumir bem menos. Se estiver viajando acompanhado de
outro carro, faça uma troca periódica de bateria, para que o outro carro recarregue
a bateria que estava gasta.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Bomba de combustível - Caso a bomba de combustível pare de funcionar,


mesmo, proceda da seguinte forma. Desligue a mangueira que vai do tanque para
a bomba, bloqueando-a (basta dobrar sua ponta e amarrar firme com um arame).
Em seguida, pegue um galão, coloque combustível nele e instale-o com
segurança em um ponto do carro mais alto que o carburador. Solte a mangueira
que vai da bomba para o carburador, mantendo conectada a ponta junto ao
carburador. A outra extremidade deve ser mergulhada no galão. Com isso, o
motor passa a ser alimentado por gravidade, como nos primeiros automóveis.
Atenção para não exigir do motor muita potência, pois a falta de pressão no
circuito de alimentação provocará falhas em rotações mais elevadas. Outro
"quebra-galho" para bomba de combustível: se o motor parar por causa de
aquecimento excessivo da bomba de combustível (é só colocar a mão nela para
sentir a temperatura), pode-se resfriá-la jogando um pouco de água (do
reservatório do lavador de pára-brisa, por exemplo); cerveja ou refrigerante
(aquelas latinhas que estavam na geladeirinha de isopor) ou até mesmo sorvete
funcionam bem, no caso. Para rodar, deixe um pano molhado sobre a bomba.

Motor fundindo - Se em uma viagem se percebe que o motor está "rajando"


muito, a ponto de fundir, não se desespere. Mantenha o motor funcionando em
marcha lenta e vá soltando um cabo de vela por vez. Observe quando o 'tec-tec"

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

diminui de intensidade. É sinal de que aquele cilindro é o problemático. Tire fora o


fio de vela (inteiro), para diminuir o esforço do pistão, por causa da combustão. É
claro que isso não elimina o problema; apenas permite que se trafegue _sempre
bem devagar pois há um cilindro a menos_ até um local seguro.

Bóia de carburador - Se a bóia do carburador emperra _aberta ou fechada_ vale


a mesma solução anterior: pancadas suaves com o cabo de uma chave de fenda
na tampa do carburador, junto à cuba. Caso o problema não seja solucionado e a
agulha do carburador estiver "encantada", é preciso desmontar o carburador e
puxar a válvula-estile. Se ela voltar à posição fechada, ela está magnetizada. O
ideal é queimá-la com um pouco de gasolina (longe do carburador, claro), o que
geralmente elimina o magnetismo.

Motor de partida - Muitas vezes, ao dar a partida no motor, o motor de partida


não consegue acoplar de maneira correta. Mexa nos cabos e fios (pode ser mau
contato ou, com o cabo de um martelo, dê pequenas pancadas no automático e no
corpo do motor de partida. Isso, em geral, desemperra o automático e permite a
partida, pelo menos em uma emergência.

Chave de ignição - Qualquer problema com a chave de ignição e se torna


impossível funcionar o motor. Certo? Errado. Esse truque é bem conhecido dos
"amigos do alheio". Basta virar a chave o suficiente para destravar o volante; ligar
um fio do (+) da bobina ao (+) da bateria e empurrar o carro para que pegue no
tranco. Mas não espalhe...

Bobina - Se for detectado um problema na bobina, em geral curto-circuito interno,


sentido por elevação da temperatura e ausência de faísca, pode-se inverter os
pólos dos terminais, numa tentativa de que ela volte a funcionar, pelo menos

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

momentaneamente. Agora, se a bobina apresentar alguma quebra em seu


isolamento, o que provoca perda de corrente, pode-se tentar um reparo de
emergência com esmalte de unha ou até chiclete. Se possível, enfaixe toda a área
da bobina com tiras de borrachas (de câmara de pneu), por exemplo. Essas
recomendações valem também para a tampa do distribuidor.

Escapamento - Nada mais irritante do que andar pelas ruas como um "carro de
noiva", arrastando latas e soltando faíscas por causa de um cano de escapamento
quebrado. Quando isso acontecer, o primeiro passo é amarrar o escapamento
com arame _cuidado, pois ele está quente_ evitando as faíscas que podem até
provocar um incêndio. Se o problema for menor, como um furo que provoca
irritantes assobios, um pouco de massa tipo durepóxi adia o reparo. Mas
importante: tendo qualquer problema com o escapamento, trafegue sempre com
as janelas abertas, para evitar o acúmulo e inalação de gases tóxicos, que
transformam o carro em uma "câmara de gás sobre rodas".

Cabo de embreagem - Quando o cabo de embreagem se rompe, não é preciso


chamar o guincho para ir embora. É possível movimentar o carro, sem muitos
problemas. Você desliga o carro, engata segunda e dá a partida. Depois de alguns
trancos e solavancos, o carro passa a andar normalmente. Ao parar _num farol,
por exemplo_ é preciso deixá-lo morrer (ou desengatar antes, "no tempo"), para
repetir toda a operação em seguida.

Mangueira - Uma mangueira do radiador furada não é o fim do mundo. Seque-a


bem e enfaixe toda a região danificada com um pano, fita crepe, fita isolante ou,
se possível, uma tira de borracha (feita de câmera de pneu). Complete o nível da
água, tire (ou deixe semi-aberta) a tampa do radiador e trafegue devagar, até
conseguir o reparo correto.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Parafusos - Parafusos que teimam em não sair do lugar podem ser "convencidos"
a sair de diversas maneiras. O primeiro passo é aplicar óleo em spray no lugar;
depois, algumas pancadas na cabeça (do parafuso, não sua) ajudam a soltá-lo.
Em casos mais drásticos, é possível aquecê-lo com maçarico (sempre o
parafuso); quando ele quebra no lugar, pode-se ainda soldar um pedaço de metal
de maneira perpendicular, para atuar como alavanca, ou, na pior das hipóteses,
furá-lo de alto a baixo, para diminuir a pressão do parafuso na rosca e facilitar a
remoção. A maioria destas dicas vale também para porcas.

Distribuidor - Essa é bem comum e exige paciência, além de talento de escultor.


O carro pára, você mexe no distribuidor e quebra o carvão central da tampa (ou
ele está gasto). Antes de entrar em pânico, pegue uma pilha pequena, desmonte-a
e, com o carvão central da pilha, esculpa um (com canivete) no molde do carvão
da tampa que quebrou. Dá um pouco de trabalho, mas funciona.

Velas - Uma maneira de limpar rapidamente uma vela, por exemplo, numa parada
de estrada, é "queimar" seus eletrodos: basta molhá-los com gasolina ou álcool e
atear fogo (longe do carro e de gasolina). Antes de pegar a vela para a
reinstalação, espere até que ela esfrie naturalmente.

Lâmpadas - Muitas vezes o aviso de que uma lâmpada queimou vem de um


policial rodoviário. Em muitos casos é possível substituir uma lâmpada queimada
por outra menos importante, como trocar uma de pisca-pisca queimada pela
lâmpada de ré, luz interna ou do capô. Pelo menos dá para prosseguir viagem.

Queima de óleo - Motores que estão queimando óleo em excesso e sujando


velas de tempos em tempos, são difíceis de consertar. Para diminuir o problema
dos resíduos da queima de óleo nas velas (anéis e cilindros gastos), existem
tuchos _espaçadores colocados entre as velas e o cabeçote_ que afastam um
pouco as velas do cabeçote e diminuindo a chance delas sujarem.

Correia - A quebra de uma correia pode causar protestos veementes de alguma


mulher que o esteja acompanhando. Afinal, o "quebra-galho" clássico para isso é
substituir a correia por uma "correia" feita com meia de nylon de mulher. Com
certeza a meia irá desfiar... Pode-se usar ainda uma corda, várias voltas de
barbante grosso, cinto ou o que estiver à mão. No exterior já existem correias

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

especiais de reserva, reguláveis, feitas de material elástico, e com pequenos


parafusos, mas que ainda não estão disponíveis por aqui.

Respiro de óleo - Muitas vezes o motor começa a vazar óleo por todas as juntas
e eixos. O que pode estar acontecendo é um saturamento do respiro de óleo,
causando excesso de pressão interna. Na maioria dos motores, os respiros são
laváveis, mas nos motores Volkswagen "a ar" o saturamento acontece de tal
maneira que, a solução mais simples é retirar todo o respiro (ao lado do gerador
ou alternador) e, após embeber em gasolina, atear fogo. Espere a peça esfriar
naturalmente antes de tocar nela; não jogue água para acelerar o resfriamento.

Ajustando o ponto do Fusca

1º) VERIFICANDO O PLATINADO

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Inicialmente, antes de começar a ajustar o ponto do seu Fusca, certifique-se que o


platinado está em boas condições e com a abertura correta (abra os dois grampos
do distribuidor e retire a tampa do mesmo, lá dentro você encontrará o platinado).
Os contatos do platinado devem estar gastos por igual. Se não estiverem,
provavelmente há defeito no condensador e é aconselhável substituí-lo (é muito
barato e previne maiores aborrecimentos). Se os contatos estiverem gastos
demais substitua o platinado, se não, é conveniente lixá-los para melhorar o
contato elétrico entre eles. Fazer isso é simples: dobre uma lixa bem fina (como
lixa d´água) e coloque-a entre os contatos do platinado (com a mola atuando).
Desta forma você consegue lixar os dois contatos ao mesmo tempo fazendo com
que os contatos fiquem o mais paralelo possível.

2º) AJUSTANDO A FOLGA DO PLATINADO

Desengrene o carro e puxe o freio de mão. Com o distribuidor sem a tampa, gire a
polia grande do motor (com a mão mesmo). Note que a medida que você gira a
polia o platinado irá abrir e fechar a cada quarto de volta que você dá nela. Pare
em uma posição qualquer em que o platinado fique na posição de abertura
máxima. Agora, com uma lâmina de calibração, deixe 0,4 mm de abertura no
platinado (existe um parafuso em cima do próprio platinado que permite fazer esse
ajuste). A lâmina precisa deslizar entre os contatos do platinado. Se você não tem
um calibrador à mão pode usar uma lâmina de barbear (daquelas bem antigas)
para colocar a folga pois a medida é praticamente a mesma do calibrador.

3º) AJUSTANDO O PONTO ESTÁTICO

passo 1) Com cuidado, coloque a polia do motor com a marca voltada para cima
(é uma pequena marca em "V" que fica no meio da polia). Esta marca deve ficar
alinhada com a emenda das carcaças do bloco do motor (olhando de cima). Nesta
posição o rotor que fica dentro do distribuidor deve estar apontando para o cabo
do cilindro nº 1 (de frente para o motor, é o cilindro mais ao fundo à direita) e um
traçinho existente no rotor deve também coincidir com uma ranhura que existe no
corpo do distribuidor.

passo 2) Estando tudo certo, engrene o carro para que a polia do motor não possa
girar e sair de posição. Com o distribuidor ainda sem tampa, afrouxe um pouco a
porca do parafuso que prende a base do distribuidor (uma porca que fica na lateral
do distribuidor) mas apenas o necessário para que você consiga gira-lo um pouco
(o distribuidor todo gira). Retire o cabo que entra na bobina e gire a chave de
ignição até ACENDER AS LUZES DO PAINEL, não mais que isso!!! Agora
lentamente gire o distribuidor no sentido horário até que o platinado fique
completamente fechado (é por isso que o passo 1 é tão importante pois senão o
ponto já começa a ficar fora aqui!!!). Pronto? Agora, novamente gire-o lentamente
no sentido ANTI-HORÁRIO até sair uma centelha entre os contatos do platinado,
neste ponto pare de girar. Se você passar dessa posição volte o distribuidor um
pouco e novamente faça o movimento, até parar exatamente na posição onde sai
a centelha. Quando salta a centelha encontramos o ponto estático do motor.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Finalmente, aperte a porca do distribuidor firmemente mas com cuidado para que
o distribuidor não gire e você perca o ponto novamente.

4º) AJUSTANDO O PONTO DINÂMICO

Para ajustar o PONTO DINÂMICO é necessário montar tudo novamente, tampa


do distribuidor, cabos, etc e para colocarmos o motor para funcionar. Tenha muito
cuidado em realizar este procedimento pois você vai ajustar o motor com ele
ligado e pode se machucar, principalmente com a correia!!! Com tudo montado,
afrouxe a porca de fixação da base do distribuidor (só o necessário para girar o
distribuidor) e ligue o motor. Com o motor funcionando gire lentamente o
distribuidor (segure-o pela base) no sentido horário até que a rotação diminua um
pouco. Quanto mais você girar neste sentido mais diminuirá a rotação, até que o
carro começará a vibrar muito já quase apagando. Neste ponto pare e passe a
girar o distribuidor no sentido anti-horário até que a rotação volte a subir e atinja
uma rotação máxima onde, se você continuar a girar neste sentido vai começar a
"bater pino". O ponto dinâmico é o ponto em que se obtém o limite rotação
máxima mas sem que se escute o ruído de "batida de pino". Quando você achar
este é ponto, DESLIGUE o motor e aperte a porca do distribuidor para fixá-lo.

Para certificar-se que o motor ficou no ponto após este procedimento ande com o
carro e veja se o rendimento está satisfatório.

Para facilitar a compreensão do sistema de ignição do seu Fusca, veja o esquema


abaixo:

Esquema básico de sistema de ignicão com platinado

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Sistema elétrico automotivo - dimensionamento


Adquirir um carro básico, sem opcionais e, aos poucos, ir colocando ar-condicionado, sistema
de som e outros acessórios é uma prática muito comum para quem quer economizar na hora
da compra e ir gastando aos poucos.

O que pouca gente sabe é que, ao instalar equipamentos não previstos pelas fábricas de
automóveis, o consumo extra acaba sobrecarregando todo o sistema elétrico. A razão é
simples, quando os engenheiros projetam um carro, dimensionam as bitolas dos fios e os
tipos do alternador e da bateria de acordo com um cálculo sobre o consumo médio daquele
carro.

Como a energia produzida tem que se dividir entre os equipamentos de série e os


incorporados posteriormente, as conseqüências não demoram a aparecer: fios
superaquecidos, baterias descarregadas e até um curto-circuito ou um incêndio. O
balanceamento do sistema elétrico automotivo é projetado de acordo com diversos fatores.
Além do número de opcionais elétricos e eletrônicos (que precisam de menos energia), é
preciso levar em conta o local onde cada acessório vai ser instalado.

O nível de consumo depende ainda do tipo de equipamento. Há os de consumo contínuo em


geral essenciais ao funcionamento do automóvel (caso da injeção eletrônica), os de consumo
prolongado como sistema de som e ar-condicionado, que são os campeões de sobrecarga no
sistema elétrico; e, por último, há os equipamentos de consumo eventual, que individualmente
pouco afetam a parte elétrica do carro (com exceção do motor de arranque) mas que, em
conjunto, podem cansar uma sobrecarga.

"Não deixe de instalar fusíveis,


dentro de porta fusíveis, entre os
cabos de alimentação e a
bateria. Uma Instalação mal feita
coloca em risco a segurança de
todo o sistema."

Todas essas variáveis influem no cálculo do sistema elétrico. Há sempre uma pequena
margem de segurança, porém nada com fôlego para alimentar muitos extras. "O sistema
elétrico tem que ser capaz de suportar o carro parado e com todos os equipamentos ligados".
Conseqüências graves como curto- circuito e até um incêndio fazem parte de uma situação
limite.

O cenário descrito anteriormente não leva em conta um fator extremamente comum a má

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

instalação responsável pelo vale-tudo de fios mal dimensionados, falta de fusíveis,


alternadores e baterias fora das especificações e furos irregulares na lataria. A lei do menor
esforço aplica-se mais a fundo quando se trata de alterar a fiação original do carro.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Os instaladores fazem emendas quase


"artísticas", deixando um feixe de fios
desorganizados sob o painel. Se um fio
desencapado encostar em um outro de carga
inversa ou tocar na lataria, é curto-circuito na
certa. Para evitar, basta prender tudo com
braçadeiras. A emenda com fita isolante
oferece o mesmo risco, já que descola fácil.
O melhor é o uso de conectores.

"A bitola dos cabos também devem


seguir alguns critérios como o
dimensionamento correto para que o
sistema trabalhe com eficiência e
segurança."

"Organize a instalação para


ajudar numa eventual
manutenção do equipamento"

Os furos na lataria também merecem cuidados especiais: anticorrosivo nas


bordas e anéis isolantes. Não esqueça de retirar as rebarbas da perfuração
de dentro das portas. Outro detalhe fundamental: na hora de puxar o fio de
alimentação, o ideal é buscar a energia direto da bateria - esticando o cabo
do capô até a mala, onde ficam os amplificadores. Instaladores principiantes
acabam puxando a energia do cabo mais próximo. Um dos grandes riscos

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

dessa Ligação é queimar ou, no mínimo, desprogramar o módulo de injeção


eletrônica, um equipamento extremamente sensível às variações de corrente.
Outra grande armadilha de instalação diz respeito à bitola dos fios. Se forem
mais finos do que o equipamento exige, a corrente elétrica é pressionada a
passar por uma área reduzida e, com o esforço, esquenta o fio. Com o
sistema de som ligado, e puxando corrente, a temperatura pode aumentar a
ponto de derreter o revestimento do fio. Podem ocorrer três desfechos. O
mais comum, é quando a parte de cobre do fio se rompe e o som para de
funcionar. É só trocar a fiação por outra de bitola maior porém calculada.

A segunda opção é o curto-circuito: o cabo rompido toca na carroceria e


funciona como fio-terra. A corrente aumenta violentamente, descarregando a
bateria em pouco tempo. Solução: trocar a fiação e a bateria e instalar
fusíveis, pois quando recebem uma carga superior à sua capacidade,
queimam, cortando a corrente e evitando o curto-circuito. O último cenário de
risco é que, em vez de se romper, o filamento de cobre do fio, já com o
revestimento derretido, permaneça transmitindo eletricidade. Se o ponto de
aquecimento do fio for no motor, o calor pode entrar em contato com o
combustível e pegar fogo. A solução, mais uma vez, é a instalação, de porta-
fusíveis, sempre perto da bateria.

Utilize conduítes e anéis para proteger a fiação em geral.

"O cálculo das bitolas deve


levar em conta a amperagem
máxima consumida por cada
aparelho"

Saiba que equipamentos com defeito ou instalações mal dimensionadas


fazem com que os fusíveis queimem a toda hora. Não troque por outro de
maior tolerância sem alterar a bitola do fio. A medida do fusível é calculada

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

de acordo com a amperagem exigida pelo acessório, mas esse número não
pode ultrapassar a capacidade da bateria. Exemplo: para uma bateria de
60A, o fusível que se deve usar é o de, no máximo, 6O A. Há instaladores
que acham que o fusível da bateria deve ter a mesma medida do fusível
interno, do equipamento. Não é verdade! Muitas vezes a potência do som é
tão alta, que o alternador não consegue produzir energia suficiente para
sustentá-lo. O som produzido não alcança o volume esperado e, ao tentar
compensar a falta, opta-se por multiplicar a capacidade do alternador. Não
caia na tentação de fazer um upgrade no alternador original. Na prática, isso
significa trocar algumas partes internas (polia, rotor ou o enrolamento interno)
para aumentar o número de giros.

Resultado: superaquecimento e desgaste interno do alternador. A solução


então seria trocar o alternador inteiro por um outro maior. Você deve levar em
conta a relação entre o tamanho do alternador e a potência do carro. Para um
motor 1.0, por exemplo, as fábricas costumam utilizar alternadores de até 6O
A, embora existam no mercado de reposição modelos de até 120 A. Um
alternador desses em um carro popular pode comprometer o desempenho do
motor, "roubando' as rotações que deveriam ir para as rodas.

O alternador não seria capaz de manter a bateria totalmente carregada, pois


foi projetado para alimentar uma bateria menor. O sistema elétrico continuaria
deficiente, e apenas a partida estaria garantida. Praticamente todos os
equipamentos, que conservam algum tipo de memória precisam de alguns
miliampères por hora para não perder as informações gravadas. Nessa
categoria, incluem-se relógios digitais, alarmes e alguns modelos de CD
players e de toca-fitas. Mas miliampères não são milésimos de ampères?
São. Mas o consumo em stand-by é irrisório apenas durante algumas horas.
Quando esse tempo se prolonga, os miliampères se transformam em
verdadeiros devoradores de energia.

:: Dica esperta

Infelizmente o sistema elétrico de um carro não suporta o consumo elevado


de corrente que os amplificadores de som mais potentes precisam para
funcionar. O problema está no dimensionamento correto do sistema elétrico.
Veja o que acontece se um amplificador de 500 watts RMS de potência em
suas saídas, que precisa de 80 A, for colocado em um carro que tem
disponíveis apenas 40 A. Vai fornecer 250 watts RMS, fazendo com que a
potência acima deste valor não seja capaz de surgir, aumentando a distorção
podendo até queimar falantes mais sensíveis. Mas não ponha a culpa no
amplificador. Aprenda a evitar esse tipo de pane realizando um teste muito
simples:

1- Com o motor desligado, meça a tensão da bateria, que deve estar entre 12
e 12,6 volts. Se for menor a bateria pode estar descarregada, danificada ou
no fim de sua vida útil.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

2- Com o motor ligado e em


marcha lenta, meça novamente
a tensão da bateria, que deve
ficar entre 13 e 14,4 volts. Se
for menor, seu alternador pode
não estar carregando a bateria
corretamente. Se for maior,
pode haver algum problema na
parte elétrica como, por
exemplo, no regulador de
voltagem.

3- Ligue o som do carro em volume alto, tocando uma música com bastantes
graves ou toque uma faixa com freqüência pura. Ex: 60 Hz. Ligue o motor e
acelere até chegar a 3000 RPM, meça a tensão na bateria e anote o valor.

4- Os números devem ficar entre


13,8 e 14,8 volts. Ainda nessas
condições (som alto e grave),
meça a tensão na entrada de
alimentação do amplificador. A
queda de tensão entre o valor
lido direto na bateria e nos
terminais do amplificador não
pode ser superior a 0,5 volts.

Isto é, se na bateria foi medido 14,5 volts e no amplificador tinha apenas 13,5
volts, provavelmente os cabos de alimentação estão subdimensionados

Com o auxilio da tabela abaixo você poderá saber quanta energia sobra para
usar em equipamentos de som.

Calculando: some todos os consumos ( no exemplo abaixo deu 43,13 A ) do


seu carro e veja a capacidade do seu alternador. Subtraia a capacidade do
alternador com o total dos acessórios. O resultado é igual a energia que
sobrou para você usar com equipamento de som. Ex: Alternador = 70 A;
acessórios = 43,14 A; portanto (70 A – 43,14 A = 26,86 A) Quer saber quanto
isso significa em Watts? Multiplique o resultado da corrente elétrica
encontrada por 6. Ex: ( 26,86 x 6 = 161 Watts ).

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

"Agora você não tem mais desculpas para dizer que a iluminação do painel
do seu rádio fica piscando conforme você aumenta o som."

Manutenção do motor de partida

Apesar da longa durabilidade, esse componente requer manutenção, pois pode


sofrer danos externos e desgastes de uso. Veja quais são os principais problemas
e como corrigí-los.

O motor de partida ou motor de


arranque, como também é conhecido,
tem o objetivo de colocar em
funcionamento o motor de combustão
de um veículo, que não possui força
própria para começar a girar.
Ele é acionado eletricamente com
ajuda da bateria, transformando a
energia elétrica em energia mecânica,
impulsionando o motor para a partida e
garantindo um torque inicial elevado, já
que neste momento existe resistência
ao movimento, por causa da
compressão e atrito do pistão, biela,

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

árvore de manivelas, mancais, viscosidade do


óleo e temperatura do motor. As resistências são
ainda maiores quando o motor está frio.

É formado, basicamente, por uma carcaça de


aço em formato cilíndrico, com mancais nas
extremidades que apóiam o induzido - um conjunto de lâminas cilíndricas que
giram e têm ranhuras axiais. No mancal, do lado do coletor, está localizado o
porta-escovas. As escovas são tensionadas por molas especiais contra os
coletores do induzido, transmitindo a corrente elétrica. Na parte externa do mancal
está o pinhão, empurrado por um garfo ao comando
da chave magnética.

A diferença entre os motores de partidas para motores


ciclo Otto e Diesel é a capacidade (potência). "Para
acionar o motor de um caminhão é necessário muito
mais potência do motor de partida do que o motor de
um carro. Em geral, veículos com maior taxa de
compressão precisam de maior potênca na hora de
dar a partida", explica Paulo Souza, gerente de Assistência Técnica da Bosch.

Funcionamento

1° Estágio

- Posição de repouso

- Motor de partida sem corrente

- A mola da chave magnética mantém a ponte de contato na posição de repouso

2° Estágio

- Estágio de ligação 1:
Chave de partida é acionada. A bobina de atracamento, a bobina de retenção da
chave magnética, a bobina de campo e o induzido recebem corrente elétrica

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

- O induzido começa a girar lentamente e o


pinhão engrena na cremalheira

2° Estágio A
- Estágio de ligação 2:
A ponte de contato da chave magnética liga imediatamente a bobina de campo e o
induzido.

- O pinhão procura engrenar-se.

3° Estágio

- Estágio de ligação 3:
alavanca de comando na posição final. Pinhão
engrenado.

- A ponte de contato liga imediatamente a


bobina de campo principal.

- O motor de partida tem torque total e o motor


do veículo é acionado.

Manutenção

Por sua concepção e funcionamento, o motor de arranque não apresenta danos,


principalmente em veículos novos. "É um componente que funciona somente na
hora da partida e depois não trabalha mais, em compensação é o maior
consumidor de bateria, já que trabalha sem a ajuda do alternador", explica Robson
Costa, gerente de produto da Valeo.

Uma dica para seu cliente é que tome cuidado na hora da partida, não
esquecendo de voltar a chave à posição inicial e não forçar se o carro não pegar.
Passar mais de 10 segundos forçando o 2ª estágio da chave na ignição

gera muito esforço e superaquecimento, favorecendo a queima do induzido e seu


campo.
Outro erro do proprietário é acionar a chave quando o motor já está ligado. Isso

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

gera sobre rotação, trazendo danos para todo o


conjunto. Batidas ou pancadas na carcaça causam
avarias e mau contato.

Como detectar os defeitos

Se o motor não pegar ao dar a partida, o reparador


deve checar outros itens como: bobina, combustível, ignição, enfim, problemas na
linha de combustível e de ignição do veículo, que são os mais comuns de
ocorrerem. O mais importante é que saiba detectar se o problema é realmente no
componente. "Na manutenção, a maioria dos possíveis defeitos são causados por
ataques externos ou de uso inadequado por parte de alguns condutores", explica
o gerente da Bosch.
Um motor de partida utilizado na aplicação correta pode ser substituído por outra
marca, mas os componentes internos devem ser do mesmo fabricante. Existem
casos onde é possível usar uma peça remanufaturada da própria fábrica.

Avaliação
a) Teste a tensão da bateria e verifique se os cabos e os terminais estão limpos,
em bom estado e não apresentam mau contato.

b) Se escutar um estalo ao virar a chave e o motor não girar, é sinal de que a


chave magnética recua e empurra o pinhão corretamente, fazendo com que entre
em contato com o volante.

c) Barulhos do metal do pinhão batendo no volante significam que o primeiro


estágio foi cumprido e o próximo estágio é que não está funcionando, nesse caso,
o induzido pode estar com defeito, devido à falta de rotação ou de contato da
chave magnética. Meça as espirais do induzido, conforme a indicação do
fabricante, e faça um teste para ver se estão em curto-circuito e/ou curto-circuito
na carcaça, o mesmo se aplica com as escovas do induzido.

d) Os fios de cobre são isolados por uma camada especial (verniz) e quando
enrolados não podem dar curto-circuito.

e) Desgaste nos dentes do pinhão acontecem quando a chave na ignição é


mantida por muito tempo depois que o motor funciona. Nesse caso, é necessário
trocar o pinhão e às vezes, até o volante, dependendo do estrago.

f) Desgaste natural das escovas, que ficam em contato com o induzido, é a avaria
mais comum. Fique atento quando girar a chave de ignição e não ouvir barulho no
atracamento do pinhão.

g) Relés de comando no painel de fusíveis também devem ser verificados.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Desmontagem

Os veículos têm motor de arranque em lugares


diferentes, às vezes de difícil acesso. No Fiat
Tempra, por exemplo, toda a suspensão deve
ser removida antes de mexer no motor de
partida. "Carros com ar condicionado são os
mais difíceis, pois é preciso desmontar o sistema
para retirar a peça. O principal cuidado, nesse
caso, é colher o gás com aparelho adequado e
colocá-lo de volta quando terminar o serviço",
explica o gerente de Produtos da Valeo.

1 O primeiro procedimento é detectar se o


problema está no motor de arranque. Para isso,
escute atentamente as reclamações do cliente. Depois, faça um teste de bateria,
para checar se está funcionando corretamente.

2 Dê a partida, e fique atento ao barulho. Utilize o interruptor de simulador de


partida, conectado à bateria, e meça a queda de tensão da partida, que deve ser
de aproximadamente 9 Volts.

3 Antes de desmontar o motor de partida, verifique o sistema de segurança do


veículo - relógio, rádio, alarme e outros acessórios, que podem ser comprometidos
sem a bateria. Somente depois desligue-a. - Desconecte o polo positivo da
bateria, esta é uma medida de segurança para evitar um curto circuito no carro.
Desconecte a parte elétrica e solte os parafusos. Em seguida, leve o motor de
partida para uma bancada para abrir a peça.

Toda vez que se desmontar um motor de arranque, verificar as escovas e as


buchas. Para trocar as escovas, utilize ferramentas apropriadas para mexer com
motor de partida, afaste as molas e empurre a escova para dentro para retirá-la.

Instalação

Dependendo do tipo, podem ser instalados no volante, ao lado do bloco do motor


ou atrás do volante, com flange ou em cavalete.

Os modelos pequenos e médios são fixados, geralmente, por flange de dois furos.
(Fig.1)

Motores de partida maiores possuem flange SAE. Em vários


tipos de veículos, foi previsto um apoio adicional para
diminuição da vibração. (Fig. 2).

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Na fixação por cavalete são usadas abraçadeira reforçadas. (Fig. 3).

Segundo a Bosch, a instalação é, na maioria das vezes, na horizontal, com as


ligações elétricas e o relé de engrenamento para cima. Motores de partida cujos
mancais precisam ser lubrificados com maior freqüência, devido as condições
especiais de operação (impurezas), requerem pontos de lubrificação de fácil
acesso. Um encaixe no motor de partida serve para a centralização e manutenção
da folga nos flancos dos dentes.

Por fim, o cabo principal do motor de partida precisa ser o mais curto possível e ter
a bitola mínima necessária. A bitola depende da corrente absorvida dos
componentes a ele ligados. Como o motor de partida é o maior consumidor de
corrente elétrica é ele quem determina o tamanho da bateria e a concepção dos
cabos principais.

Reparo do motor de partida

Com a responsabilidade de iniciar o motor de combustão, o


componente pode passar por reparos periféricos quando
apresenta problemas. O defeito mais comum é a dificuldade de
partida.

Concebido para funcionamento temporário, o motor de partida ou motor de


arranque, como também é conhecido, tem a única e importante função de iniciar o
movimento do motor de combustão. Por esse motivo necessita pouca manutenção.

Acionado eletricamente com ajuda da bateria, o motor de partida transforma a


energia elétrica que recebe em energia mecânica, impulsionando o motor para a
partida e garantindo um torque inicial elevado, já que neste momento existe

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

resistência ao movimento, por causa da compressão e atrito do pistão, biela, árvore


de manivelas, mancais, viscosidade do óleo e temperatura do motor.

Os principais componentes que fazem parte do pacote eletromecânico de um motor


de partida são carcaça, bobina de campo, induzido, porta-escovas e mancal
dianteiro. O acionamento é feito por meio de um pinhão, que faz interface com o
motor de combustão. Também faz parte o solenóide ou chave magnética,
responsável pelo acionamento mecânico do pinhão através de um sistema de
alavanca e pela ligação do terminal motor à bateria, através do disco de contato.

"Em função da tecnologia empregada na nova geração de motores de partida para


veículos diesel, que necessitam de mais torque e potência para entrar em
funcionamento, a corrente drenada pelo solenóide é da ordem de 120 a 300
âmperes, o que faz necessário a utilização de um relé auxiliar para evitar queima ou
colagem dos contatos do relé do veículo ou da chave de ignição", explica Newton
César Santos, engenheiro de aplicação da Remy Automotive Brasil Ltda.

Eventuais avarias

O motor de partida é um conjunto que tem alta durabilidade e exige pouca


manutenção. Manter a bateria em ordem é a principal recomendação para que o
motor de partida não apresente problemas. Oriente seu cliente para que tenha
cuidado na hora de dar a partida e não esquecer de voltar chave à posição inicial,
além de não forçar se o carro não pegar. Passar mais de 10 segundos forçando a
chave na ignição pode gerar muito calor, e provocar superaquecimento e até a
queima do induzido e das bobinas do solenóide.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Se o motor não pega ao dar a partida, o problema pode ou não estar na peça, por
isso, o técnico deve checar outros itens antes de remover o conjunto do veículo, são
eles: bateria, bobina e velas de ignição e problemas na linha de combustível do
veículo. Em primeiro lugar, escute as reclamações do cliente e depois faça um teste
na bateria, para checar se está funcionando corretamente. Ao dar a partida, fique
atento ao barulho. Se constatar o dano, retire a peça do veículo.

Na hora do reparo

Para realizar os testes e o reparo, é necessária a utilização de equipamentos de


proteção individual, ou seja, óculos e luvas ou pasta de proteção para as mãos,
aplicada antes de iniciar o serviço. Vale lembrar que não existe peça original
recondicionada.

"Existem casos em que o recondicionador apenas troca uma peça e o motor de


partida volta a funcionar, mas aí há o risco de voltar a ter problema em pouco
tempo, pois outras peças não são corretamente substituídas ou avaliadas estando
no fim da vida útil, além disso, há utilização de peças paralelas de baixa qualidade
no recondicionamento", analisa Delfim Calixto, gerente de marketing de produto da
área de reposição da Robert Bosch.

Ele explica que há casos mais graves onde peças como induzido ou bobina de

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

campo são rebobinados indevidamente, o que pode causar panes elétricas; redução
da vida útil da bateria; e danificar outros equipamentos eletrônicos do veículo por
picos de tensão ou corrente. O engenheiro da Remy afirma que o motor sempre
deve ser reparado com a troca de componentes danificados por outros originais.
Outra facilidade que existe nas autorizadas é a permuta, onde o cliente entrega a
peça danificada ao comprar uma nova.

Já a Bosch disponibiliza em seus distribuidores motores de partida remanufaturado,


vendido a base de troca, com classificações distintas que oferecem um nível de
desconto de preço proporcionado pelo aproveitamento das peças. Nesse processo,
diversas peças são obrigatoriamente trocadas por novas para garantia da qualidade
original e confiabilidade do produto, são elas: rolamentos, impulsor, parafusos,
buchas etc.

O primeiro procedimento é desconectar o pólo negativo da bateria, como medida de


segurança para evitar um curto circuito. Desconecte a parte elétrica e solte os
parafusos, em seguida, leve o motor de partida para uma bancada para abrir a
peça. Verificar se os cabos de ligação do motor de partida à bateria (positivo e
malha de aterramento) estão em bom estado.

Não se esqueça: toda vez que se desmontar um motor de arranque, é importante


verificar as escovas e as buchas. Para trocar as escovas, utilize ferramentas
apropriadas para mexer com motor de partida, afaste as molas e empurre a escova
pra dentro para retirá-la.

Para ilustrar a matéria vamos utilizar um modelo 29MT da Delco Remy , mas em
geral todos os motores de partida são similares, respeitando apenas as aplicações
de cada um deles. Uma das características desse componente é a redução
planetária, o mancal de alumínio e o formato noseless (sem focinho), que permite
maior flexibilidade na montagem.

"Em relação às ferramentas, a bancada de testes seria um quesito desejável, mas


devido ao preço, poucas oficinas contam com esse equipamento. Então se faz os
testes com uma bateria, cabos de ligação, volti-amperímetro e medidor de
resistência com 0,01 Ohm de precisão, além das ferramentas de uso geral, como
chaves, alicates e morsa", afirma Newton.

As medidas variam de aplicação para aplicação, então consulte o valor exato no


manual do fabricante ou no site da Remy (www.remyinc.com.br).

Passo-a-passo

1) Depois de retirar a peça do veículo, coloque-a em uma morsa para ter firmeza e
evitar acidentes de trabalho, assim o técnico tem condições de realizar os testes

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

necessários. Nunca prenda a peça pela carcaça da bobina para evitar empenamento.
Não esqueça de usar a chave liga/desliga.

2) Conecte o cabo auxiliar positivo no terminal da bateria do motor de partida e na


própria bateria. O segundo cabo da chave liga/desliga encaixa no terminal S do
solenóide. O cabo negativo vai do terminal negativo da bateria até a carcaça do
motor de partida. Faça então, o teste Free Speed (sem carga) onde se avalia a
corrente do motor de partida com um amperímetro. Verifique o ruído e a rotação
característica.

3) Por meio dos testes elétricos pode-se verificar, além da corrente de consumo, a
corrente do solenóide.

Com os valores de corrente e rotação do teste, concluímos que:

1) Corrente e rotação normais:

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

- Motor OK

2) Alta corrente e baixa rotação:


- Muito atrito
- Induzido em curto
- Induzido ou bobinas de campo aterradas

3) Alta corrente e falha no funcionamento


- Terminais ou bobinas aterrados
- Rolamentos travados

4) Corrente nula ou muito baixa e falha no funcionamento


- Circuito de campo ou espiras do induzido em aberto
- Problemas nas escovas

5) Baixa corrente e baixa rotação


- Conexões internas ruins
- Comutador sujo
- Demais falhas do item 4

6) Corrente e rotação elevadas


- Bobinas de campo em curto circuito.

4) Para a linha 28, 29 e 39 MT, o primeiro componente que deve ser retirado é o
pinhão. Para isso, trave o pinhão para baixo e retire a trava com o saca-travas.

5) Solte as conexões elétricas do solenóide e faça o teste de resistência do solenóide


com o multímetro. Veja a medida da bobina entre o terminal S e o terminal do
motor de partida.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

6) Meça a resistência da bobina de retenção, entre o terminal S e a carcaça do


solenóide entre o S e o terminal negativo para os motores isolados. Tire a medida
também da resistência do relé auxiliar, que nesse caso deve ser de 3 Ohms para os
modelos 12V e de 12 ou 24 Ohms para relés de 24V.

7) Solte os parafusos do relé auxiliar e remova a peça. Remova os parafusos


tirantes do mancal traseiro e empurre-o com o martelo até desencaixar.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

8) Afaste as escovas positivas do induzido com o alicate. Tire o porta-escovas.

9) Remova a carcaça, tomando cuidado com o pino-guia, para fazer o encaixe


perfeito na hora da montagem e evitar que na rotação do induzido a carcaça gire
junto.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

10) Com cuidado, remova o induzido e, em seguida, a capa protetora da


engrenagem - tampa intermediária.

11) Agora é a vez de remover o solenóide, para isso, a recomendação é retirar os


parafusos sem usar a chave Philips e sim uma chave com medida de 10 mm.

12)Dentro do componente existe um conjunto de molas que movimentam o garfo,

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

retire essas peças. Em seguida, segure com cuidado o garfo (ou alavanca) e
embaixo no eixo impulsor para fazer o movimento para retirar a planetária. Retire o
garfo do eixo impulsor.

13) No conjunto impulsor - redução planetária, tome cuidado para não perder a
esfera (que pode ser com bucha ou rolamento) das engrenagens da planetária.
Verifique se o eixo está com problema e se for necessário troque todo o conjunto de
eixo e planetária.

14)O rolamento e o retentor são cravados no mancal e se apresentarem problemas


tem que trocar o mancal.

15) Essa linha de motores de partida tanto para cremalheira seca ou embreagem
banhada a óleo tem a necessidade de usar o retentor. Para saber as graxas
utilizadas consulte o manual do fabricante e veja a aplicação correta.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Bateria de testes

1) A carcaça, a bobina de campo e as escovas positivas, por causa do processo de


manufatura, fazem parte de um conjunto unificado. Meça com o paquímetro o
comprimento da escova, que deve ser de no mínimo 12 mm.

2) Meça com um multímetro o isolamento da bobina de campo, que não pode ter
continuidade para a carcaça. O ideal é utilizar um megaohmímetro de até 500 Volts
ou pelo menos uma lâmpada de série em 220V. A lâmpada não pode acender. Não é
recomendada lâmpada para teste de 12 ou 24 V.

3) Faça uma inspeção visual para verificar a presença de pó de escova e para ver o
estado das conexões da bobina de campo.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

4) O induzido gira em torno de 18 a 35 mil rpm e se queimar ou abrir tem que


trocar a peça inteira. Observe o estado geral da peça, dos dentes da engrenagem,
estado do coletor e pontos de solda.

5) Quando há superaquecimento no induzido significa que é evidente a inexistência


de partida.

6) Faça o teste de isolamento entre o cobre e a carcaça com o auxílio do medidor de


fluxo magnético e uma lâmina metálica. Não pode vibrar. Siga a orientação no
manual do fabricante.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

7) Os solenóides são do tipo semi-sólid link, onde o êmbolo faz parte do conjunto
evitando que o disco fique colado em caso de insistência de partida. Estando fora do
especificado ou não funcionando, o solenóide deve ser substituído.

8) Meça a resistência das bobinas: 1ª bobina de chamada, entre o terminal motor e


a placa do terminal S. Não meça no parafuso e sim na placa para evitar erro de
leitura. E depois, da placa do terminal S à carcaça.

Inspeção visual

Cheque o estado das escovas e meça com megaohmímetro a isolamento das


escovas positivas. Avalie a isolamento do suporte da escova positiva.
No sistema do impulsor, pinhão, gire (sentido horário) para ver a folga da roda livre.

Verifique os dentes do pinhão que não devem estar deformados ou com marcas de usinagem.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Pinhão com os dentes usinados, cujo motor de partida foi acionado com o motor de combustão em funcionamento.

Para terminar o serviço, substitua as peças com problemas e faça a montagem no


sentido inverso. Os torques também estão nos manuais dos produtos, no site da
empresa ou no serviço de atendimento ao cliente.

Conector de octanagem
O conector de octanagem é sem dúvidas um dos
mais discretos componentes existentes nos
sistemas de injeção eletrônica. Para que
possamos compreender sua função devemos
antes conhecer o significado da palavra
octanagem. De maneira simplificada, pode-se
dizer que octanagem é a denominação dada à
capacidade que um combustível tem de resistir à
compressão, sem entrar em auto-ignição. Quanto
maior a octanagem, maior será a resistência à
detonação.

No projeto de um motor, a octanagem do combustível que será utilizado no mesmo é um dos principais
parâmetros para a determinação de sua taxa de compressão, curvas de avanço de ignição e tempo de
injeção. A octanagem da gasolina pode ser classificada pelos métodos RON, MON e AKI.

No método RON é avaliado o quanto o combustível resiste à detonação quando o motor está em regime
de plena carga, em baixas rotações.

No método MON é avaliado o quanto o combustível resiste à detonação quando o motor está em
regime de plena carga, em altas rotações.

O AKI ou índice de octanagem é a média entre o RON e o MON (RON MON/2).

No brasil a gasolina comum é especificada com 86 unidades para o AKI (valor mínimo) e com MON
mínimo de 80 unidades. A premium é especificada com Aki de 91 unidades.

A octanagem da gasolina sofre variações de um país para o outro. Por exemplo, a gasolina comum
brasileira possui octanagem RON mínima de 92 unidades. A similar argentina possui RON de 86

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

referida gasolina argentina, teríamos um baixo rendimento devido às excessivas detonações "grilagem")
que surgiriam.

O conector de octanagem tem a função de adequar as curvas de avanço de ignição à octanagem do


combustível utilizado. Esse componente, pode ser encontrado na forma de um conector elétrico
(jumper), fusível ou um resistor calibrado. Como exemplo de aplicação, temos o fiesta com motor
endura (uce com 60 terminais), que possui conector de octanagem tipo fusível. Este fusível liga o
terminal 27 da central que controla o sistema de injeção eletrônica-UCE à massa. Quando a UCE
detecta aterramento no terminal 27, adota curvas de avanço de ignição apropriadas a gasolina
nacional. Se detectar circuito aberto no terminal 27 (se o fusível for retirado) passa a trabalhar com
curvas de avanço mais brandas (atrasa o ponto de ignição). Dessa forma torna-se possível alimentar o
motor com um combustível de octanagem menor. Portanto, a utilização do conector de octanas
possibilita a exportação dos veículos sem a necessidade de se efetuar mudanças significativas no motor
e no sistema de injeção eletrônica.

O incorreto posicionamento do conector de octanas pode provocar sensíveis perdas de rendimento no


motor. Por isso, em todas as revisões verifique o seu correto posicionamento.

Dica
A seguir apresentamos a localização e o correto posicionamento dos
principais conectores de octanagem encontrados no mercado nacional

Veículos Ford
Fiesta 1.0, Fiesta 1.3, Fiesta 1.4, Courier 1.3 e Courier 1.4

Com o fusível instalado: Curvas de avanço compatíveis com o combustível nacional.l


Sem o fusível instalado: Curvas de avanço ideais para combustíveis de menor octanagem que o nacional.

Veículos Ford
Escort 1.8 16V - Motor Zetec

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Com o conector ligado: Curvas de avanço compatíveis com o combustível nacional.


Com o conector desligado: Curvas de avanço ideais para combustíveis de menor octanagem que o nacional.

Veículos GM
Omega/Suprema 2.0/3.0 gasolina (92 a 94)

Conector na posição 95: Curvas de avanço compatíveis com o combustível nacional.


Conector na posição 91: Curvas de avanço ideais para combustíveis de menor octanagem que o nacional.

Veículos GM
Vectra 2.0 gasolina (até 96) e Astra 2.0 gasolina (93 a 98)

Conector na posição 95: Curvas de avanço compatíveis com o combustível nacional.


Conector na posição 91: Curvas de avanço ideais para combustíveis de menor octanagem que o nacional.

Veículos GM
Corsa EFI 1.0/1.4

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Conector na posição 95: Curvas de avanço compatíveis com o combustível nacional.


Conector na posição 91: Curvas de avanço ideais para combustíveis de menor octanagem que o nacional.

Sensor de detonação - KS
Dando continuidade às matérias sobre componentes dos sistemas de injeção eletrônica, nesta edição
falaremos sobre o sensor de detonação ou sensor das batidas KS (knock sensor), suas características
básicas e como testar esse importante sensor.

Durante os diversos regimes de funcionamento dos motores,


podem ocorrer combustões aleatórias popularmente
denominadas "batidas de pinos" ou detonações. Essas
detonações, dão origem a vibrações mecânicas dentro da
câmara de combustão as quais são prejudiciais ao
rendimento e a vida útil do motor.
O sensor de detonação - KS está normalmente parafusado no bloco do motor e tem como elemento
sensor um cristal piezo-elétrico. Esse material quando é submetido a deformações mecânicas, gera
tensões elétricas (volts-VAC) em sua superfície.
Dessa forma, o sensor é capaz de captar ("ouvir") as vibrações provocadas pelo fenômeno da
detonação, transformando-as em sinal elétrico o qual é enviado a unidade de comando eletrônico do
sistema -UCE . Quando a UCE detecta sinal de detonação do sensor, atrasa o ponto de ignição
(obedecendo uma estratégia específica que varia de sistema para sistema de injeção) objetivando
solucionar o problema. Uma vez desaparecida a detonação a UCE volta, em pequenos passos, ao ângulo
de avanço inicial.

Testando um Sensor de Detonação - KS

Na realização do teste de um sensor de detonação observe os seguintes detalhes:

- Verificar maus contatos de fios interrompidos entre os conectores do sensor e da UCE.

- Verificar a integridade do cabo do sensor bem como de sua malha de blindagem. A malha deve estar
aterrada.

- Verificar oxidações entre a face do sensor e o bloco do motor.

- Não interpor arruelas ou calços entre às superfícies de contato do sensor e o bloco do motor.

- Verificar o aperto do sensor no bloco. O mesmo deve estar entre 15N.m a 25N.m
(aproximadamente1.5 Kgf.m a 2.5Kgf.m).

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

- Vibrações no motor provocadas por suportes, soltos (como do ar condicionado, alternador etc) podem
gerar sinal com a mesma freqüência de detonação, confundindo a UCE.

- Para a avaliação do sinal do sensor, é requerido o uso de um osciloscópio, embora se tenha bons
resultados utilizando-se um multímetro automotivo na escala volts-VAC.

O teste consiste em avaliar a capacidade do KS de captar vibrações provocadas pela detonação no


motor. O osciloscópio deve ser ligado, em paralelo, ao fio de sinal do sensor de detonação.

Com um objeto metálico, bata moderadamente nas proximidades do ponto de fixação do sensor no
bloco do motor.

A cada batida deve ser observado um sinal similar ao indicado na figura onde os picos de tensão devem
ultrapassar 0,6 volts.

Se a mesma medição for efetuada com um multímetro automotivo na escala volts-VAC, observa-se que
quanto maior for a freqüência das batidas, maior será a tensão medida pelo equipamento.

Dica 1

Você sabia que na grande maioria dos veículos das famílias Pálio/Siena 8V MPI
(sistema IAW 1G7)
os fios ligados aos terminais 1 e 2 do sensor de detonação estão invertidos? A
ligação correta é:

Fio branco* (terminal 1 do KS) ao 33 da UCE.


Fio vermelho* (terminal 2 do KS) ao 16 da UCE.
Fio preto* (terminal 3 do KS) terra da malha de blindagem.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Essa inversão (sensor desligado) faz com que o veículo apresente falhas em
acelerações rápidas e provoca estouros no coletor de admissão - com o motor
aquecido.Portanto é importante em toda a revisão nos referidos veículos,
observar se os endereços de ligação do KS estão corretos.

* As cores dos fios podem variar.

Dica 2

Além da referida inversão nos fios do sensor de detonação outros fatores


podem provocar
estouros no coletor de admissão da família Pálio/Siena MPI (com sistema iAW
1G7), como:

- Carbonização excessiva na câmara de combustão e mau assentamento nas


válvulas de admissão do motor;

- Mistura ar/combustível excessivamente pobre (injetores obstruídos, pressão


baixa na linha de combustível,
entradas falsas de ar, etc);

- Correia dentada fora do ponto;

- Sensor de rotação fora de fase (sensor montado fora de posição);

- Velas de ignição com aplicação incorreta;

- Combustível de má qualidade;

- Falha na UCE.

Sensor de temperatura do líquido de arrefecimento - CTS


Presente na maioria dos veículos injetados, o sensor de temperatura do líquido de arrefecimento - CTS (
Coolant Temperature Sensor ) é facilmente reconhecido pelos profissionais reparadores. Porém, o
conhecimento do princípio de funcionamento e das particularidades que o envolvem é imprescindível na
realização de seu teste.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

O CTS é constituído de um resistor sensível à temperatura ( termistor ) do tipo NTC ( Negative


Temperature Coefficient ). Sua resistência elétrica varia com a variação da temperatura do líquido de
arrefecimento do motor. A UCE através de um circuito interno, alimenta o sensor com uma tensão de
referência de aproximadamente 5 volts VDC. O sinal do sensor corresponde a queda de tensão
provocada pelo elemento resistor. Quando o motor está frio a resistência elétrica do CTS é alta; portanto
a tensão ( queda de tensão ) medida pela UCE é alta*. Com o motor aquecido, a resistência do elemento
sensor é baixa, por isso é medida uma baixa* tensão entre o sensor e a massa.

A UCE utiliza a informação da temperatura do líquido de arrefecimento principalmente para fazer os


cálculos da massa de ar admitida e do avanço da ignição. Além disso, em alguns veículos como o pálio
1.3 16v ( motor fire ), ford ka e fiesta 1.0/1.3 ( motor endura ), o sinal do CTS é utilizado pela UCE para
o controle do ventilador de arrefecimento ( ventoinha ). Em outros como o kadett efi ( álcool ) para o
comando do sistema de partida a frio.

Grande parte dos sensores de temperatura - CTS, possuem um único resistor NTC que informa as
variações de temperatura para a UCE. Porém alguns sensores como o do gol MI 1.0, possuem dois
elementos sensores ( independentes ) na mesma carcaça. Um para a UCE e o outro para o painel de
instrumentos.

Na maioria dos sistemas de injeção eletrônica caso ocorram problemas no circuito do sensor de
temperatura ( circuito aberto ou curto-circuito ), a UCE assume um valor fixo Pré-programado (
normalmente próximo a 100ºC ) para o parâmetro temperatura do motor (recovery**).

* Vide a tabela do sinal do CTS em função da temperatura do motor da dica - 1.

** RECOVERY: Procedimento utilizado pelas centrais eletrônicas (UCEs) de sistemas de


injeção digitais para substituir o valor enviado pelo sensor danificado (em curto-circuito ou
circuito aberto) por um valor pré-programado.

Nos sistemas MOTRONIC MP 9.0 (Gol 1000 mi 8V) e IAW 1AVS (Gol / Parati 1000 mi 16V), por exemplo,
quando a UCE detecta falha no circuito do sensor de temperatura da água-CTS (em curto-circuito ou
circuito aberto), grava o código de defeito em sua memória e assume a temperatura de 100ºC como
padrão. Portanto se o CTS for desligado, o veículo continuará funcionando (com um rendimento um
pouco inferior) até que o proprietário leve-o a uma oficina especializada.

Testando um sensor de temperatura do líquido de arrefecimento - CTS

Na realização do teste de um sensor de temperatura do líquido de arrefecimento, observe os seguintes


detalhes:

- Certifique-se da boa condição da carga da bateria e alimentação da UCE;

- Verifique a qualidade do líquido de arrefecimento e o bom estado de funcionamento dos componentes


do sistema;

- Sangre o sistema de arrefecimento. A formação de bolhas de ar em contato com o sensor de


temperatura da água provoca falhas no funcionamento do motor e no acionamento da "ventoinha";

- Retire o sensor de temperatura da água e limpar sua carcaça.

- Meça a tensão de alimentação do sensor e o aterramento de seu circuito.

- O sinal do sensor deve ser medido em tensão de corrente contínua VDC. A chave de ignição deve

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

estar ligada. O teste só pode ser considerado conclusivo se for efetuado no momento em que houver
falha.

Dica 1

Exemplo de teste do sensor de temperatura do líquido de arrefecimento - CTS dos sistemas


motronic mp 9.0 e iaw 1avs ( que equipam os veículos gol/parati MI 1.0 16 v e gol MI 1.0 8v ).

Atenção!!
Efetuar os testes obedecendo a seqüência. Antes, efetuar o Teste de Carga da Bateria.

1º Teste (teste da voltagem de entrada do sensor)

- Desconectar o conector do sensor.

- Ligar a ignição sem dar partida.

- Selecionar o multímetro na escala volts VDC.

- Medir a voltagem no fio de entrada do sensor (fio marrom e verde).

- A voltagem deve ser de aproximadamente 5 volts (entre 4,6 e 5,2 VDC).

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

A voltagem é de aproximadamente 5 volts?

Sim Não

Verificar mau contato e fio


interrompido (ou descascado)
entre o conector do sensor e o
conector da UCE (terminal 42).
Faça o 2º teste Se tudo estiver ok, fazer o teste
de alimentação da UCE.
Se a alimentação estiver OK e o
defeito persistir, substituir a
UCE.

2º Teste (teste de aterramento do sensor)

- Reconectar o conector do sensor.

- Conectar o analisador de polaridade no fio marrom e azul do sensor.

- Deve haver polaridade negativa.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Atenção:
É importante observar cuidadosamente o sinal do sensor de temperatura da
água - CTS no momento em que a falha está presente.

Há polaridade negativa?

Sim Não

Verificar mau contato e fio


interrompido (ou descascado)
entre o sensor e o conector da
UCE (terminal 17).
Faça o 3º teste Se tudo estiver ok, fazer o
teste de alimentação da UCE.
Se a alimentação estiver OK e o
defeito persistir, substituir a
UCE.

3º Teste (teste da voltagem de retorno)

- Medir a temperatura da água (com multímetro na carcaça da válvula termostática).

- Selecionar o multímetro na escala volts (VDC).

- Medir a voltagem no fio marrom e verde do sensor.

- Comparar a voltagem medida com a tabelada.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

O Valor medido varia de acordo com tabela?

Sim Não

Verificar mau contato no


conector do sensor. Se não
houver mau contato,
verificar existência de
Circuito do sensor de bolha de ar em contato
temperatura da água OK. com o sensor.
Se tudo estiver OK e o
defeito persistir, substituir
o sensor de temperatura da
água.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Sensor de velocidade do veículo - VSS


O sensor de velocidade do veículo - VSS (Vehicle Speed Sensor), pode ser encontrado em três
configurações: sensor magnético ou de relutância variável, sensor de efeito hall e sensor de efeito
óptico. Este mês explanaremos sobre as principais características desses componentes.

No sensor VSS, o sinal gerado é diretamente proporcional à velocidade do veículo. A unidade de


comando eletrônico - UCE, utiliza esta informação principalmente para o controle das condições de
marcha - lenta e freio-motor.

Os sensores de efeito hall* são alimentados com tensão de bateria. Fornecem à UCE um sinal pulsado
cuja amplitude deve ser igual a tensão de alimentação e a frequencia proporcional à velocidade do
veículo. Estão comumente instalados no eixo de saída da transmissão, junto ao cabo do velocímetro. O
sensor de velocidade tipo hall é o mais comum no mercado nacional, sendo utilizado em veículos como
kadett efi, monza efi, ipanema efi, gol mi 1.0, pálio 16 v, escort 16v - zetec etc.

Os sensores de efeito óptico possuem comportamento similar aos de efeito hall. Consistem basicamente
de um diodo emissor de luz (LED) e um sensor óptico (fototransistor) separados por um disco giratório
com janelas. Toda vez que as janelas permitem que a luz procedente do LED insida no sensor óptico é
enviado sinal (pulso) à UCE. Estes sensores são encontrados, por exemplo, na família corsa e no omega
2.2 (com painel analógico - comum). Estão normalmente instalados junto ao painel de instrumentos e
são acionados pelo cabo do velocímetro.

Os sensores magnéticos* ou de relutância variável não necessitam de alimentação elétrica. Seu sinal é
gerado por indução eletromagnética devido a interação entre o sensor e a roda dentada (fônica). São
aplicados em veículos como S10/blazer 2.2 EFI e 4.3 V6.

* A descrição detalhada do princípio de funcionamento dos sensores hall e magnético, já foi


apresentada nesta seção em edições anteriores.

Dica 1

Verifique a correta instalação e aplicação dos sensores de velocidade tipo hall (sensores
aplicados nos veículos kadett efi, monza efi e ipanema efi).

Como o fio negativo (terra) do VSS é ligado na carcaça do alternador (somente nos veículos Kadett EFI,
Monza EFI e Ipanema EFI) é muito comum que este fio seja esquecido desligado ou seja ligado junto ao
positivo do alternador. Quando isso acontece, o sensor deixa de atuar. Nesse caso a UCE registra o
código 24 em sua memória e o veículo apresenta marcha-lenta irregular e "morre"em desacelerações.

Por isso, verifique sempre se o aterramento do VSS está corretamente posicionado. Além disso, na
necessidade de substituição desse sensor, verifique se o sensor novo é realmente aplicado ao veículo em
teste. Existem sensores idênticos com aplicação distinta (o que muda é o números de pulsos elétricos
por volta).

Tabela de aplicação dos sensores de velocidade dos veículos Kadett EFI, Monza EFI, Ipanema EFI.

Nº de
Motor Câmbio Nº da peça
pulsos

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

2.0 Mecânico 90149078 8

1.8 Automático 90149079 10

2.0 Automático 90149080 13

Além disso, Você sabia que quando o sensor de velocidade está com defeito a
lâmpada de marcha ascendente (seta no painel) nunca acende*?

*Exceto nos veículos Kadett após 96. Nesse caso não existe a referida lâmpada no
painel.

Dica 2

Fique atento com sensores de velocidade montados junto ao painel de instrumentos


(sensores ópticos).

Quando o mecanismo que gira o cabo do velocímetro ("pinhão") ou o cabo se rompem, o sensor de
velocidade deixa de funcionar, pois é o cabo que o movimenta. Nesse caso podem ser detectados os
seguintes sintomas:

- A lâmpada de manutenção do sistema de injeção fica acesa;

- O velocímetro deixa de atuar;

- O motor "morre" em desacelerações;

- A marcha-lenta fica instável.

Dica 3

Testando um sensor de velocidade magnético ou de relutância variável (Sensor aplicado nos


veículos S10/Blazer 2.2 EFI).

O sensor de velocidade dos veículos S10 e Blazer EFI está localizado na saída da transmissão "Caixa de
câmbio". É um sensor de relutância variável (a freqüência e a voltagem VAC enviadas pelo sensor variam
em função da velocidade do veículo). Seu sinal é "traduzido" por um módulo eletrônico denominado
DRAC (localizado junto à UCE abaixo do porta-luvas).
O sensor envia um sinal (analógico) de velocidade ao módulo DRAC, e o DRAC envia sinal (digital) à UCE
(sinal de velocidade do veículo) e a central do ABS (sinal de rotação das rodas traseiras)

Atenção!!

Efetuar os testes obedecendo a seqüência. Antes, efetuar o teste de carga da bateria.

1º Teste (teste do sinal do DRAC - sinal "traduzido")

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

- Conectar o analisador de polaridade no fio marrom do módulo DRAC (fio que vai ao terminal B2 da
UCE).

- Dar partida no motor e movimentar o veículo.

- O LED vermelho do analisador deve piscar. Quanto maior a velocidade do veículo maior será a
freqüência das piscadas.

O LED vermelho pisca?

Sim Não

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

2º Teste (teste do sinal do sensor de velocidade)

- Desligar a ignição.

- Desconectar o conector do módulo DRAC.

- Conectar o multímetro medindo voltagem de corrente alternada VAC entre os terminais 7 e 12 do


DRAC.

- Dar partida no motor e movimentar o veículo.

- Quanto maior a velocidade do veículo maior a voltagem VAC medida.

A voltagem aumenta com o aumento da velocidade?

Sim Não

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

interrompido entre os
terminais 12 e 7 do DRAC
e o sensor de velocidade
(localizado na caixa de
câmbio).
Se tudo estiver OK e o
defeito persistir, substitua
o sensor.

3º Teste (teste de alimentação positiva do DRAC)

- Conectar o analisador de polaridade no fio preto que vai ao terminal 9 do DRAC.

- Deve haver polaridade positiva (com a chave ignição ligada).

Há polaridade positiva?

Sim Não

Verificar se o fusível F18


está queimado.
Se o fusível estiver OK,
verificar mau contato e fio
Faça o 4º teste. interrompido (ou
descascado) entre o
terminal 9 do DRAC e o
polo positivo da bateria.
(vide circuito elétrico)

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

4º Teste (teste de aterramento do DRAC)

- Desligar a ignição.

- Conectar o analisador de polaridade no fio preto e branco do DRAC (que vai ao terminal 8).

- Deve haver polaridade negativa.

Há polaridade negativa?

Sim Não

Verificar mau contato no


conector do DRAC, se não
houver mau contato e a Verificar mau contato ou
falta de sinal pulsado no fio interrompido entre o
terminal 11 (fio marrom) terminal 8 do DRAC e a
do DRAC persistir (vide 1º massa.
teste), substitua o módulo
DRAC.

Medidor de fluxo de ar - MAF


Nesta edição falaremos sobre o princípio básico de funcionamento, função e particularidades do medidor
de massa de ar - MAF. Demonstraremos como testar esse sensor para os veículos ford ka e fiesta ( com
motores endura ) e courier ( com motor zetec ). Além disso, na dica extra você aprende a "ficar de olho"

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

nas lâmpadas de advertência dos veículos das famílias palio e siena com sistema Fiat code.

O medidor de massa de ar - MAF (Mass Air Flow) mede diretamente a massa do ar admitida pelo motor.
Está localizado na entrada da tubulação de admissão junto ao suporte do filtro de ar. Pode ser analógico
ou digital*. O sensor digital é alimentado pela Unidade de Comando Eletrônico-UCE com uma tensão de
referência de aproximadamente 5 volts VDC e "devolve" um sinal de onda quadrada, cuja freqüência
varia com a massa de ar admitida pelo motor.

O sensor analógico consiste em um tubo cujo interior possui um desvio (By-pass) onde existem 2
elementos sensores ("fios ou filmes"); um aquecido (sensor de massa) e um a temperatura ambiente. O
fio aquecido é mantido a uma temperatura de aproximadamente 200ºC** maior que a do fio a
temperatura ambiente.

O fluxo de ar admitido pelo motor provoca o resfriamento do fio quente (sensor), provocando uma
variação de sua resistência elétrica e um aumento da tensão medida pela UCE no fio de sinal do sensor.
Quanto maior for o fluxo de ar, maior será a tensão enviada para a UCE.

Portanto, a massa de ar admitida pelo motor é estimada em função do calor perdido pelo fio quente
sensor.
Quando não há fluxo de ar, a tensão enviada pelo sensor é de aproximadamente 0 volts VDC e em
marcha-lenta deve estar entre 0,6 e 1,3** VDC (com o motor aquecido).

O medidor de massa de ar é de grande confiabilidade, eficiência e precisão, porque além de medir


diretamente a massa do ar admitido, não possui mecanismos (palhetas, cames etc.) que obstruem o
fluxo do ar, diminuindo a capacidade de admissão do motor.

* O sensor MAF digital não é encontrado em veículos nacionais.

** Estes são os valores típicos para veículos nacionais. Em caso de dúvidas consulte
informações específicas do sistema de injeção eletrônica em questão.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Sensor de oxigênio (sonda lambda)


Dando continuidade à sequência de matérias sobre componentes dos sistemas de injeção eletrônica,
falaremos nesta edição sobre o sensor de oxigênio (sonda lambda), suas caracteristicas básicas e como
testar esse importante sensor.

O sensor de oxigênio ou sonda lambda está localizado no escapamento do veículo. Informa à unidade
de comando eletrônico-UCE a concentração de oxigênio nos gases de escape. Seu sinal é proporcional a
essa concentração. Portanto, com base no sinal do sensor de oxigênio a UCE pode avaliar a mistura
ar/combustível admitida pelo motor e fazer correções instantâneas se a mesma não estiver sendo
dosada na proporção correta (fator *lambda = 1).

A sonda é constituida basicamente por um elemento cerâmico (titânia** TiO2 ou zircônia ZrO2). Os
sensores de dióxido de zircônio (zircônia) enviam à UCE uma tensão que pode variar entre
aproximadamente 0,100 volts VDC (mistura pobre) e 0,900 Volts VDC (mistura rica). Nos sensores de
titânia o comportamento é oposto (tensão maior-mistura pobre; tensão menor-mistura rica)

Sinal do sensor de oxigênio em marcha-lenta com o motor aquecido

Os sensores de oxigênio só se tornam ativos quando seu elemento cerâmico atinge temperaturas
superiores a 300ºC. No mercado nacional é comum encontrarmos sensores de oxigênio com diferentes
números de fios condutores:

- Sensor com um fio - Conhecido como sonda lambda não aquecida-EGO (Exhaust Gas Oxygen Sensor),
seu aquecimento ocorre somente devido ao contato direto do mesmo com os gases de escape. Possui
somente o fio de saída do sinal. Seu aterramento é feito em sua própria carcaça.

- Sensor com três fios - Conhecido como sonda lambda HEGO (Heated Exhaust Gas Oxygen Sensor).
Possui o fio de saída de sinal e os fios de alimentação do resistor de aquecimento. Seu aterramento é
feito em sua própria carcaça.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Possui o fio de saída de sinal, os fios de alimentação do resistor de aquecimento e o fio de aterramento
do sensor.

Testando um sensor de oxigênio (sonda lambda)

Na realização do teste de um sensor de oxigênio observe os seguintes detalhes:

- Certifique-se da boa condição de carga da bateria e alimentação da UCE.

- Verifique se o sensor está aterrado em sua carcaça (para os sensores de 1 e 3 fios) e em seu fio de
aterramento (para sensores de 4 fios).

- Para os sensores de 3 e 4 fios; com o conector elétrico do sensor desligado e em temperatura


ambiente, meça a resistência elétrica do seu aquecedor. Reconecte a conector do sensor e verifique a
alimentação positiva (deve haver tensão de bateria) e negativa do aquecedor.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

- Com o conector elétrico do sensor instalado e a chave de ignição ligada, meça a tensão (em volts
VDC) de referência*** no fio de sinal do sensor. Esta tensão deve estar entre 0,100 e 0,550 volts VDC
(vide especificações do sistema em questão).

- Com o motor em marcha-lenta aquecido (após a ventoinha ter desligado pela 2º vez) e a sonda
devidamente instalada e conectada ao chicote da UCE, avalie a tensão enviada pelo seu fio de sinal para
a UCE. A tensão deve oscilar rapidamente (aproximadamente 1 volt por segundo) entre 0,100 volts VDC
(mistura pobre) e 0,900 volts VDC (mistura rica) - Vide item Paradigma Técnico.

Paradigma Técnico

Quando o sinal do sensor deixa de oscilar rapidamente (fica "travado"), muitos profissionais substituem
o componente. Baseiam-se no fato de que quando um sensor de oxigênio está em boas condições de
funcionamento o seu sinal deve estar oscilando rapidamente entre aproximadamente 0,100 volts VDC e
0,900 volts VDC. Normalmente cometem um engano pois o sinal do sensor pode estar, por exemplo,
"travado" em 0,200 volts VDC (mistura pobre) porque a mistura está realmente pobre e a UCE não está
"conseguindo" efetuar o seu ajuste por já ter ultrapassado os seus limites de correção - Vide dica 2.

* Fator lambda é a relação entre a quantidade de ar admitida pelo motor e a quantidade de ar ideal.
Matematicamente temos: Fator lambda = quantidade de ar admitida/quantidade de ar ideal, portanto:

- Fator lambda menor que 1 = Mistura rica


- Fator lambda maior que 1 = Mistura pobre
- Fator lambda igual a 1 = Mistura ideal (estequiométrica)

** Sensores de titânia não são utilizados no mercado nacional.

*** Muitos profissionais desconsideram a existência dessa tensão de referência enviada pela UCE para a
sonda e efetuam o teste de sinal do sensor com o seu conector desligado. Por isso, evite diagnósticos
equivocados e sempre efetue o teste de sinal da sonda com o seu conector elétrico ligado. É importante
ressaltar ainda que em alguns sistemas de injeção não se observa a existência desse sinal de referência
(como no sistema FIC EEC IV). Nesse caso o sinal da sonda pode ser avaliado com o seu conector
elétrico desligado do chicote da UCE.

Dica 1

Exemplo de teste para uma sonda lambda - HEGO


Sensor aplicado nos sistemas de injeção eletrônica Motronic MP 9.0 e IAW 1AVS que equipam os
veículos Gol MI 1000 8V e Gol/Parati MI 1000 16V (para outros sistemas as considerações podem variar)

Atenção!!
Efetuar os testes obedecendo a seqüência. Antes, efetuar o Teste de Carga da Bateria.

1º Teste (teste de aterramento da carcaça da sonda)

- Conectar o analisador de polaridade na carcaça da sonda.

- Deve haver polaridade negativa.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Há Polaridade Negativa?

Sim Não

Soltar a sonda do escapamento,


efetuar uma limpeza em sua
Faça o 2º teste.
rosca e recolocá-la no
escapamento.

2º Teste (teste de aterramento da sonda na UCE)

- Desconectar o conector elétrico da sonda.

- Conectar o analisador de polaridade no terminal do conector (lado do chicote) que vai ao pino 15 da
UCE.

- Deve haver polaridade negativa.

Há Polaridade Negativa?

Sim Não

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Verificar mau contato e fio


interrompido ou descascado
entre o conector da sonda e o
pino 15 da UCE.
Faça o 3º teste. Se tudo estiver OK, fazer o teste
de alimentação da UCE.
Se a alimentação da UCE estiver
OK e a falta de aterramento
persistir, substituir a UCE.

3º Teste (teste da resistência de aquecimento)

- Com o conector elétrico da sonda desconectado.

- Selecionar o multímetro na escala OHMs.

- Medir a resistência elétrica entre os fios brancos da sonda.

- A resistência deve estar entre 3,0 e 9,0 OHMs (em temperatura ambiente).

A Resistência Coincide com o Valor Tabelado?

Sim Não

Faça o 4º teste. Substitua a sonda lambda

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

4º Teste (teste de alimentação positiva da resistência de aquecimento)

- Reconectar o conector elétrico da sonda lambda.

- Dar partida no motor.

- Com o analisador de polaridade, medir a polaridade no fio branco da sonda ligado ao fio preto e
vermelho (positivo do aquecedor).

- A polaridade deve ser positiva.

Há Polaridade Positiva?

Sim Não

Fazer o teste do sensor de


rotação, se o sensor estiver OK,
fazer o teste do circuito do relê
da bomba. Se tudo estiver OK,
Faça o 5º teste. verificar fusível queimado ou mau
contato e fio interrompido entre o
terminal 87 do relê da bomba e o
conector da sonda.
(vide circuito elétrico)

5º Teste (teste de alimentação negativa da resistência de aquecimento)

- Com o conector elétrico conectado, medir a polaridade no outro fio branco (negativo do aquecedor) da
sonda.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

- A polaridade deve ser negativa.

Há Polaridade Negativa?

Sim Não

Fazer o teste do sensor de


rotação, se o sensor estiver OK,
fazer o teste do circuito do relê
da bomba. Se tudo estiver OK,
Faça o 6º teste. verificar fusível queimado ou mau
contato e fio interrompido entre o
terminal 87 do relê da bomba e o
conector da sonda.
(vide circuito elétrico)

6º Teste (teste da voltagem de referência)

- Desligar o motor.

- Com o conector elétrico conectado.

- Ligar a ignição sem dar partida.

- Medir a voltagem VDC entre o fio preto da sonda e o fio que vai ao terminal 38 da UCE.

- A voltagem deve estar entre aproximadamente 0.350 e 0.550 volts VDC.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

A voltagem está entre 0.350 e 0.550 volts?

Sim Não

Verificar mau contato e fio


interrompido (ou
descascado) entre o
sensor e o conector da
UCE (terminal 38).
Faça o 7º teste.
Se tudo estiver ok, fazer o
teste de alimentação da
UCE.
Se a alimentação estiver
OK e o defeito persistir,

7º Teste (teste de voltagem do retorno)

- Dar partida deixando o motor aquecer (até desligar a ventoinha pela 2º vez).

- Com o multímetro medir a voltagem no fio preto da sonda (fio de sinal para a UCE).

- Com o motor frio, a sonda envia uma voltagem fixa entre 0,350 e 0,550 volts (VDC) com pequenas
oscilações.

- Com o motor quente, a voltagem deve oscilar rapidamente* (mais de 1 vez por segundo) entre
aproximadamente 0,100 volts (mistura pobre) e 0,900 volts (mistura rica).

- Acelerando-se a voltagem deve tender rapidamente a valores entre 0,700 e 1,000 volts (VDC).

* O sinal não pode estar oscilando lentamente. Cuidado com "sondas lentas"!

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

A voltagem está entre 0.350 e 0.550 volts?

Sim Não

Circuito da sonda lambda


OK.

O Valor Medido é...

Sempre menor que 0,450 Sempre maior que 0,450


volts volts
(mistura pobre) (mistura rica)

Verificar: Verificar:
*Sinal dos sensores MAP, *Sinal dos sensores MAP,
ACT, CTS e TPS. ACT, CTS e TPS.
*Pressão da linha de *Filtro de ar obstruído
combustível menor que a *Cabos de velas, velas de
tabelada (filtros ignição.
obstruídos, bomba *Pressão da linha de
elétrica desgastada, combustível maior que a
regulador de pressão tabelada (regulador de
adulterado). pressão adulterado ou
*Uma ou mais válvulas retorno entupido).
injetoras inoperantes ou *Motor (queimando óleo)
entupidas. ou válvulas presas.
*Entradas falsas de ar nos *Correia dentada fora do
coletores de admissão e ponto.
de escape ou *Catalisador obstruído.
escapamento. *Válvula(s) injetora(s)
*Combustível de má suja(s) ou gasta(s).
qualidade. *Combustível de má
* Fazer limpeza no corpo qualidade.
de borboleta. * Fazer limpeza no corpo
*Correia dentada fora do de borboleta.
ponto. Se tudo estiver OK e o
Se tudo estiver OK e o defeito persistir, substitua

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

defeito persistir, substitua a sonda lambda.


a sonda lambda.

Dica 2

Como avaliar se o defeito está na sonda lambda quando o seu sinal não estiver oscilando
corretamente.

1 - Quando o sinal estiver praticamente fixo "travado" abaixo de 0,450 VDC (mistura
pobre).

Provocar um enriquecimento repentino na mistura (injetando uma pequena quantidade de Spray****


lubrificante no coletor de admissão, através da tomada de vácuo do regulador de pressão, por
exemplo). Logo após o enriquecimento da mistura, o sinal enviado pela sonda deve instantaneamente
ultrapassar 0,500 VDC e voltar ao valor inicialmente medido. Se houver essa oscilação no sinal da
sonda, pode-se afirmar que ela está OK e o defeito está sendo provocado por outro elemento do
sistema (válvulas injetoras entupidas, pressão baixa na linha de combustível, entradas falsas de ar etc.).
Caso não haja oscilação, o defeito está na sonda.

2 - Quando o sinal estiver praticamente fixo "travado" acima de 0,450 VDC (mistura rica).

Provocar um empobrecimento repentino na mistura (ocasionando por um pequeno intervalo de tempo


uma entrada falsa de ar, por exemplo). Logo após o empobrecimento da mistura, o sinal enviado pela
sonda deve instantaneamente diminuir (abaixo de 0,450 VDC) e voltar ao valor inicialmente medido. Se
houver essa oscilação no sinal da sonda, pode-se afirmar que ela está OK e o defeito está sendo
provocado por outro elemento do sistema (válvulas injetoras gastas, pressão alta na linha de
combustível etc.). Caso não haja oscilação, o defeito está na sonda. Portanto a sonda lambda está em
boas condições quando é capaz de detectar rapidamente variações na mistura ar/combustível.

**** Realize este procedimento com bastante cautela. Evite acidentes ao manusear combustíveis.

Sensor de pressão absoluta no coletor de admissão - MAP


O sensor de pressão absoluta* no coletor de admissão - MAP (Manifold Absolute Pressure) informa à UCE a variação da
pressão no interior do coletor de admissão em função do regime de carga e da rotação do motor, ou seja, informa a
pressão a que está submetido o ar aspirado pelo motor.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Em marcha lenta, quando a borboleta de aceleração está totalmente fechada, a pressão no interior do coletor de admissão
é baixa (alta depressão). Com a borboleta totalmente aberta, a pressão no interior do coletor de admissão é alta (baixa
depressão).

A UCE utiliza as informações recebidas do sensor MAP para realizar os cálculos do avanço da ignição e da quantidade de
combustível a ser injetado no motor.

O sinal do MAP também é utilizado para medir a pressão atmosférica local. Com essa informação, o sistema é capaz de se
adequar automaticamente às variações de altitude. O MAP mede a pressão atmosférica toda vez que é ligada a ignição.

O sensor MAP pode ser analógico ou digital. Ambos são alimentados pela UCE com uma tensão de referência de
aproximadamente 5 volts VDC. O análogico envia a UCE um sinal de tensão de corrente contínua cuja intensidade varia
com de depressão do coletor de admissão. O digital fornece a UCE um sinal pulsado (pulsos de corrente contínua - em
forma de onda quadrada) cuja frequência varia com a depressão no coletor de admissão.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Pelo oscilograma acima podemos Sinal de osciloscópio para marcha-lenta


afirmar que um sensor MAP está em ao nível do mar.
boas condições de funcionamento se:

- Apresenta sinal praticamente estável


em marcha-lenta (de acordo com a
pressão absoluta do coletor);

- Durante as acelerações seu sinal


(tensão enviada à UCE) aumenta.

- Durante as desacelerações seu sinal


(tensão enviada à UCE) diminui.

OBS: Esta análise pode ser verificada


com o auxílio do multímetro na escala
volts VDC.

Normalmente o sensor MAP é ligado à tomada de pressão no coletor por intermédio de uma mangueira de borracha. Em
sistemas mais modernos como os dos veículos Volkswagen MI, Novo Vectra, Família Pálio 8V (após 99) etc, o sensor vem
parafusado diretamente sobre o coletor de admissão (não utiliza mangueira de tomada de pressão).

Testando um sensor de pressão absoluta no coletor de admissão - MAP

Na realização do teste de um sensor de pressão absoluta no coletor de admissão - MAP, observe os seguintes detalhes:

- Certifique-se da boa condição da carga da bateria e alimentação da UCE;

- Verifique se a mangueira de tomada de pressão do sensor (caso exista) está furada ou entupida. Mantenha a tomada de
pressão desobstruída;

- O teste do sensor deve ser realizado com os conectores do sensor e da UCE ligados (circuito do sensor em carga),
somente dessa forma pode-se simular a verdadeira condição de funcionamento do sensor;

- A medição do sinal deve obedecer a seguinte ordem: -Primeiro devem ser avaliados o aterramento do circuito do sensor e
a tensão de alimentação do mesmo. Depois deve ser analisado o sinal enviado pelo sensor à UCE;
- Para o sensor MAP analógico o sinal enviado para a UCE deve ser medido em tensão de corrente contínua VDC. Para o
digital, deve ser medido em Hertz - Hz**.

- O sinal do sensor deve estar de acordo com a depressão a qual o mesmo estiver submetido e com a pressão atmosférica
local;

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

bomba de vácuo na tomada do sensor ou com o motor em marcha-lenta, comparando-se o sinal do sensor com pressão
absoluta do coletor.

*Pressão absoluta é a pressão medida em relação ao vácuo. A maioria dos manômetros mede a pressão em relação a
pressão atmosférica. As pressões medidas em relação à pressão atmosférica são denominadas pressões manométricas.
Assim: Pressão Absoluta = Pressão Manométrica Pressão Atmosférica (P Abs = P man P Atm).

**O sinal do sensor digital também pode ser medido em RPM, porém é mais comum encontrarmos especificações em Hz.

Dica 1

Exemplo de teste para um sensor MAP analógico

Sensor aplicado no sistema de injeção eletrônica Multec Delphi que equipa os veículos S10 2.2 EFI e Blazer 2.2 EFI.

Atenção!!
Efetuar os testes obedecendo a sequência. Antes, efetuar o teste de carga da bateria.

1º Teste (teste da voltagem de entrada)

- Ligar a ignição sem dar partida.

- Selecionar o multímetro na escala volts (VDC).

- Medir a voltagem no fio cinza do sensor MAP.

- A voltagem deve ser de aproximadamente 5 volts (ente 4,6 e 5,2 VDC).

A Voltagem é de aproximadamente 5 volts?

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Sim Não

Verificar fio interrompido ou


mau contato entre os
conectores do sensor e da UCE.
Se tudo estiver OK, verificar a
Faça o 2º teste.
alimentação da UCE.
Se a alimentação estiver OK e o
defeito persistir, substituir a
UCE.

2º Teste (teste de aterramento do sensor)

- Conectar o analisador de polaridade no fio preto do sensor.

- Deve haver polaridade negativa.

Há polaridade negativa?

Sim Não

Verificar mau contato e fio


interrompido entre o
conector do sensor e o
Verificar mau contato
conector da UCE.
entre o conector do sensor
Se estiver OK, fazer o teste
e o sensor. Se tudo estiver
de alimentação da UCE.
OK, faça o 3º teste.
Se a alimentação estiver
OK e o defeito persistir,
substitua a UCE.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

3º Teste (teste da voltagem do retorno)

- Conectar o multímetro medindo voltagem (VDC) no fio verde.

- Desconectar o sensor do coletor (desligar a mangueira) e conectá-lo a uma bomba de vácuo.

- A voltagem do retorno deve variar em função da depressão aplicada com a bomba de vácuo (vide tabela).

A voltagem varia de acordo com a tabela?

Sim Não

Verificar mau contato e fio


interrompido ou
descascado entre o
Circuito do sensor de
conector do sensor e a
pressão MAP OK.
UCE. Se tudo estiver OK e o
defeito persistir
substitua o sensor MAP.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

*O sinal do sensor de pressão MAP varia em função da altitude local.

As tabelas mostradas aplicam-se a regiões ao nível do mar.


Quanto maior for a altitude local, menor será o sinal enviado pelo
sensor MAP à UCE.

Também provocam variações no sinal do sensor:

- Entradas falsas de ar (pelo servo-freio, tomada de vácuo do canister


etc.);

- Falta de sincronismo da correia dentada, válvulas presas;

- Catalisador entupido etc..

O sensor MAP está sujeito a defeitos mecânicos como:

- Mangueira furada;

- Mangueira entupida - tomada de pressão entupida;

Verifique sempre se a mangueira do sensor MAP está posicionada na tomada de vácuo abaixo da borboleta
de aceleração.

Dica 2

Exemplo de teste para um sensor MAP digital


Sensor aplicado no sistema de injeção eletrônica EEC IV - autolatina que equipa os veículos Gol 1.0/1.6/1.8 (95-96), Gol
GTI 2.0 (95-97), Logus 1.6/1.8 (94-96), Logus 2.0 (93-96), Parati 1.6/1.8/2.0 (95-96), Pointer 1.8/2.0 (94-96), Quantum
1.8/2.0 (94-96), Santana 1.8/2.0 (94-96), Saveiro 1.6/1.8 (96-97), Escort 1.6/1.8/2.0 (94-96), Pampa 1.8 (97 ...), Royale
1.8/2.0 (94-96), Verona 1.8/2.0 (94-96) e Versailles 1.8/2.0 (94-96).

Atenção!!
Efetuar os testes obedecendo a sequência. Antes, efetuar o teste de carga da bateria.

1º Teste (teste da voltagem de entrada)

- Ligar a ignição sem dar partida.

- Selecionar o multímetro na escala volts (VDC).

- Medir a voltagem no fio vermelho e preto ou marrom e preto do sensor MAP.

- A voltagem deve ser de aproximadamente 5 volts (entre 4,60 e 5,20 VDC).

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

A Voltagem é de aproximadamente 5 volts?

Sim Não

Verificar fios interrompidos ou


mau contato entre os
conectores do sensor e da UCE.
Se tudo estiver OK, verificar a
Faça o 2º teste.
alimentação da UCE.
Se a alimentação estiver OK e o
defeito persistir, substituir a
UCE.

2º Teste (teste de aterramento do sensor)

- Conectar o analisador de polaridade no fio marrom do sensor.

- Deve haver polaridade negativa.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

Há Polaridade Negativa?

Sim Não

Verificar mau contato e fio


interrompido entre os
conectores do sensor e da UCE.
Se não houver mau contato nem
Faça o 3º teste.
interrupção, fazer o teste de
alimentação da UCE.
Se a alimentação estiver OK e o
defeito persistir, substituir a

3º Teste (teste da voltagem do retorno)

- Selecionar o multímetro na escala HERTZ (Hz).

- Conectar o multímetro medindo freqüência (Hz) no fio marrom e amarelo do sensor.

- Desconectar o sensor do coletor (desligar a mangueira) e conectá-lo a uma bomba de vácuo.

- A freqüência deve variar em função da depressão aplicada com a bomba de vácuo (vide tabela).

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

A Voltagem Varia de Acordo com a Tabela?

Sim Não

Verificar mau contato e fio


interrompido entre os
conectores do sensor e da
Circuito do sensor de
UCE.
pressão absoluta MAP OK.
Se não houver mau contato
nem interrupção e o defeito
persistir, substituir o sensor.
Observação:
Para o sensor digital valem as mesmas considerações
feitas no final da dica anterior (DICA 1).

Dica 3

Cuidado com os códigos de defeitos referentes ao sensor MAP.

Quando a UCE gera um código de defeito referente ao sensor MAP, o problema pode ser tanto de origem elétrica (no
circuito do sensor) quanto mecânica (corte, obstrução ou inversão da mangueira que o liga à tomada de vácuo).

Além disso, entradas "falsas" de ar, falhas de ignição e problemas mecânicos no motor, podem provocar variações de
pressão no coletor de admissão que fazem a UCE gerar os códigos de defeitos referentes ao sensor; mesmo que ele esteja
em perfeito estado (circuito elétrico ou mangueira). Esses códigos, são denominados "falsos códigos de defeito".

Por isso, deve-se ter muita atenção, com os códigos de defeito referentes ao sensor MAP. Caso contrário, serão feitos
diagnósticos equivocados.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br


01 | SISTEMA ELÉTRICO AUTOMOTIVO

* Para informações mais detalhadas consulte os manuais específicos sobre o sistema em questão. Para outros sistemas as
especificações podem variar.

MinasMega Cursos OnLine | http://www.minasmega.com.br