Anda di halaman 1dari 5

Resumo TBL 15.08.

2017
Fisio – Hipotálamo e Hipófise
Marcella Dellatorre Pucci – Turma 2 – UFPR campus Toledo

Hipófise/Glândula pituitária

• situada na base do prosencéfalo


• Funções endócrinas reguladas pelo hipotálamo e por alças de retroalimentação positiva e negativa

ANATOMIA
• situada dentro da sela turca, no osso esfenoide
• Adeno-hipófise
◦ contém 5 tipos de céls que secretam 6 hormônios
◦ parte epitelial
◦ parte anterior → lobo anterior da pituitária → hormônios da pituitária anterior
◦ 3 partes:
1. Pars distalis
2. Pars tuberalis
3. Pars intermedia → ausente em adultos

• Neuro-hipófise *infundíbulo + pars tuberalis → haste da pituitária


◦ parte neural
◦ projeção para baixo do tec hipotalâmico
1. Pars nervosa/lobo posterior da pituitária/pituitária posterior
2. Eminência média
• na extremidade superior da neuro-hipófise
3. Infundíbulo
• da parte de baixo da eminência até a pars nervosa

Adeno-hipófise
• composta por 5 tipos de céls endócrinas:
◦ BASÓFILAS → corticótrofos + tireotrofos + gonadotrofos
◦ ACIDÓFILAS → somatotrofos e lactotrofos

EIXOS ENDÓCRINOS
• 3 níveis de céls:
1. Neurônios hipotalâmicos → liberam hormônios de liberação hipotalâmicos (XRHs) → estimula
secreção de hormônios tróficos pituitários (XTHs)
• XTHs → estimulam liberação dos hormônios periféricos por gls-alvo endócrinas, que exercem
feedback negativo sobre a gl pituitária e o hipotálamo
• regulação neuro-hormonal:
◦ neurônios parvicelulares secretam hormônios liberadores, que penetram em plexo de
capilares fenestrados e conduzidos pelos vaso porta hipotalâmico-hipofisários até um
segundo plexo na pars distalis, onde se difundem para fora dos vasos e ligam-se em
receptores
• conexão neurovascular → haste pituitária
2. Céls da pituitária anterior
3. Glândulas endócrinas periféricas

• Características importantes:
◦ atividade é mantida em um ponto de equilíbrio → varia de acordo com cada indivíduo →
determinado pela integração entre estímulo hipotalâmico e feedback negativo hormonal
periférico
◦ hormônios hipofisiotróficos hipotalâmicos são secretados em pulsos, atrelados a ritmos diários e
sazonais, dependentes de estímulos do SNC
▪ ampla gama de estados neurogênicos complexos pode influenciar a função da gl pituitária
◦ níveis muito altos ou baixos de hormônio periférico podem ser por defeitos nas glândulas →
endócrina periférica (distúrbios endócrinos primários), pituitária (distúrbios endócrinos
secundários) ou do hipotálamo (distúrbios endócrinos terciários)
▪ primárias → tendem a ser mais graves → normalmente acompanhadas de ausência do
hormônio periférico
*Geralmente, hormônios tróficos da pituitária não regulam de modo direto as respostas fisiológicas

BASÓFILAS
• Corticotrofo → hormônio adrenocorticotrófico (ACTH ou corticotrofina)
◦ alvo →córtex da suprarrenal /adrenal → eixo hipotalâmico-pituitário-adrenal (HPA)
◦ feedback - → cortisol
◦ pró-hormônio → proopiomelanocortina (POMC) → origina ACTH, MSH (hormônio estimulante
dos melanócitos), endorfinas e encefalinas
◦ Ação → aumenta produção de cortisol e andrógenos adrenais, aumenta expressão de genes de
enzimas esteroidogênicas e promove crescimento das camadas do córtex adrenal
◦ CRH (hormônio liberador de corticotrofina) → estimula secreção de ACTH → expressado por
neurônios parvicelulares
◦ secreção tem padrão diário → pico no início da manhã → em pulsos
◦ estresses e citocinas→ estimulam secreção de ACTH

• Tireotrofo → hormônio estimulador da tireoide (TSH ou tireotrofina)


◦ alvo → tireoide → eixo hipotalâmico-pituitário-tireoidinano
◦ feedback negativo → triiodotironina (T3) → forma ativa do hormônio tireoidiano
◦ estimula quase todos os aspectos da função tireoidiana; forte efeito trófico (estimula hipertrofia,
hiperplasia e sobrevida das céls da tireoide)
◦ níveis altos → bócio
◦ estimulados por TRH (Hormônio liberador de tireotrofina) → produzido por neurônios
parvicelulares → regulados por estímulos mediados pelo SNC
▪ liberado segundo ritmo diário, com níveis mais altos a noite e mais baixos próximo ao jantar
▪ inibido pelo estresse (físico, inanições, infecções)
• Gonadotrofo → hormônio estimulante de folículos (FSH) e hormônio luteinizante (LH) →
Gonadotrofinas
◦ alvos → ovário e testículos
◦ feedback - → estrógeno*, progesterona, testosterona, inibina
◦ papel integrador nos eixos hipotalâmico-pituitário-testicular e hipotalâmico-pituitário-ovariano
◦ FSH e LH são secretados de maneira independente
◦ promovem secreção de testosterona (em homens) e de estrógeno e progesterona (em mulheres)
◦ FSH aumenta secreção de inibina (relacionado ao TGF-B)
◦ secreção regulada por GnRH (hormônio liberador de gonadotrofinas ou LHRH) → produzido por
neurônios parvicelulares
▪ liberado em pulsos
▪ infusão contínua de GnRH exerce down-regulation sobre seus receptores → diminui secreção
de FSH e LH
▪ secreção pulsátil não dessensibiliza os receptores ao GnRH → mantém secreção normal de
FSH e LH
• frequência alta → estimula secreção de LH
• frequência baixa → estimula FSH
◦ aumentam síntese de esteroides sexuais
*níveis altos de estrógeno por 3 dias em mulheres → induz pico de LH e de FSH

ACIDÓFILAS
• Somatotrofo → hormônio do crescimento (GH ou somatotrofina)
◦ alvo → fígado
◦ feedback - → IGF-I e GH (alça curta)
◦ parte do eixo hipotalâmico-pituitário-hepático
◦ estimula produção hepática de IGF-I (fator de crescimento semelhante à insulina tipo I)
◦ GH é similar à prolactina (PRL e ao lactogênio placentário humano (hPL)
◦ capaz de atuar como agonista no receptor de PRL
◦ proteína de ligação do GH (GHBP)
◦ hipotálamo estimula secreção de GH via GHRH (hormônio liberador do hormônio de
crescimento)
▪ inibe síntese e liberação de secreção de GH via somatostatina (também inibe TSH)
◦ grelina aumenta o apetite, podendo agir como sinal para coordenação da aquisição de
nutrientes durante o crescimento
◦ GH aumenta liberação de somatostatina
◦ GH → estimula IGF-I pelo fígado → IGF-I inibe produção de GH pela pituitária e pelo hipotálamo
→ alça longa
◦ GH inibe liberação de GHRH → alça curta
◦ Secreção pulsátil
▪ Pico da secreção no início da manhã (antes de acordar), secreção estimulada no sono
profundo, de ondas lentas (estágios III e IV)
▪ atrelado a padrões de sono-vigília
◦ secreção aumenta no estresse físico e neurogênico
◦ promove → lipólise, aumenta síntese de ptnas, antagoniza capacidade da insulina em reduzir os
níveis séricos de glicose
▪ hipoglicemia estimula liberação de GH → HORMÔNIO HIPERGLICEMIANTE
• hiperglicemia ou hiperlipidemia (aumento ac graxos séricos livres) → INIBE GH
• obesidade → INIBE GH → hiperglicemia relativa (resistência à insulina) e altos níveis de ác
graxos circulantes
• Ex. físico e inanição → ESTIMULA GH
◦ Estrógeno, andrógenos e hormônio tireoidiano → intensificam secreção de GH e IGF-I e
maturação dos ossos

*Ações diretas do GH
→ fígado, músculos, tec adiposo → regulação do metabolismo energético → desvia para que os lipídio
sejam fonte primária de energia, conservando carboidratos e ptnas
→ Hormônio lipolítico → ativa lipase sensível aos hormônios, mobiliza gorduras neutras do tec
adiposo
→ cetogênico → resultado da oxidação de ác graxos (só quando insulina está desregulada)
→ HORMÔNIO ANABOLIZANTE → aumenta captação de aminoácidos e incorporação em ptnas; inibe
proteólise → retenção de N e produção de ureia

→ aumento da glicose sanguínea → por diminuição da captação e utilização dos mm esqueléticos e pelo
tec adiposo
→ aumento da produção hepática de glicose → por estímulo da gliconeogênese pelo aumento da
oxidação do ác graxos e elevação de acteil-CoA

*Ações indiretas do GH
→ aumenta crescimento do esqueleto e vísceras; promove crescimento de cartilagens, comprimento dos
ossos longos e do periósteo
→ efeitos mediados por IGFs (fatores de crescimento semelhantes à insulina)
→ hormônios multifuncionais → regulam proliferação, diferenciação e metabolismo celular
→ mitogênicos → estimulam crescimento de ossos, cartilagens, tecidos moles e regulam o
metabolismo dos condrócitos . Estimulam replicação dos osteoblastos e síntese de colágeno e matriz
óssea
→ IGF I e IGF II → produzidos em tecidos; ações parácrinas, autócrinas e endócrinas →
somatomedinas
→ IGF I→ produzido em tecidos adultos → principal fonte: fígado
→ IGF II→ produzido no feto
→ similares à proinsulina → IGF e insulina reagem de modo cruzado
→ estimulam captação de glicose e aminoácidos e síntese de ptnas e DNA
→ transportados ligados às IGFBPs (ptnas de ligação dos fatores de crescimento
semelhantes à insulina)
→ insulina estimula produção de IGFs

→ GH estimula produção hepática de IGF-I, IGFBPs e ALS


→ aumento do GH na puberdade → aumentam níveis de IGF-I
→GH não consegue estimular produção de IGFs na ausência de insulina
* inanição inibe secreção de IGFs mesmo com GH normais
→ PRL e hPL estimulam secreção de IGF-II no feto
→ paratormônio (PTH) e estradiol são estímulos muito eficazes para produção de IGF-I pelo osteoblasto

• Lactotrofo → prolactina (PRL)


◦ secreção primária → relacionada ao desenvolvimento e funcionamento das mamas durante
gravidez e lactação
◦ NÃO participam de eixo endócrino → PRL age diretamente sobre céls não endócrinas
◦ produção e secreção controladas pelo hipotálamo → efeito inibidor via dopamina
◦ liberado em resposta ao estresse → cirurgias, medo, estímulos excitatórios, excs físicos
◦ medicamentos que atuam inibindo a síntese e/ou secreção de dopamina estimulam prolactina
(antidepressivos tricíclicos e anti-hipertensivos)
◦ inibido por → somatostatina, TSH, GH

Neuro-hipófise

PARS NERVOSA
• estrutura neurovascular
• local de liberação de neuro-hormônios peptídicos → ADH e Oxitocina
• Núcleos supraópticos (NSO) e paraventriculares (NPV) no hipotálamo
◦ possuem neurônios magnocelulares que projetam seus axônios para a pars nervosa , pela haste
infundibular (tratos hipotalâmico-hipofisários)
• presença de pituícitos → céls de suporte (semelhante às cels da Glia)

SÍNTESE DE ADH E OXITOCINA


• Possuem estrutura similar
• sintetizados como pré-pró-hormônios, que possui a estrutura da oxitocina ou ADH e um peptídeo
cossecretado (neurofisina I: associado à ADH; neurofisina II: associado à oxitocina) → pré-
provasofisina e pré-pró-oxifisina
• Grânulos secretores são conduzidos até a pars nervosa por transporte rápido dependente de ATP →
ocorre clivagem dos pró-hormônios
• Grânulos são armazenados nas terminações axônicas, produzindo os CORPOS DE HERRING
• Liberados em resposta a estímulos (neurotransmissores de neurônios hipotalâmicos) detectados nos
corpos celulares dos NSO e NPV do hipotálamo
• Liberados por exocitose com neurofisinas, que, após passarem pelo LEC da pars nervosa, atingem a
circulação periférica

AÇÕES ADH E OXITOCINA


• ADH/Hormônio antidiurético/Vasopressina
◦ promove retenção de água

• Oxitocina
◦ induz o parto e ejeta o leite durante a amamentação