Anda di halaman 1dari 75

Direito Administrativo Poderes da Administração

Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Poder de polícia pode ser conceituado como uma atividade da Administração Pública que se expressa por meio de
seus atos normativos ou concretos, com fundamento na supremacia geral do interesse público para, na forma da
lei, condicionar a liberdade e a propriedade individual, mediante ações fiscalizadoras preventivas e repressivas.
De acordo com ensinamentos da doutrina de Direito Administrativo, são características ou atributos do poder de
polícia:
a)a hierarquia, a disciplina e a legalidade;
b)a imperatividade, a delegabilidade e a imprescritibilidade;
c)a discricionariedade, a autoexecutoriedade e a coercibilidade;
d)a indelegabilidade, a hierarquia e o respeito às forças de segurança pública;
e)a imposição da força policial, a voluntariedade e a disciplina.

02Q894624
Direito Constitucional Poder Legislativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Em matéria de remuneração de servidores públicos, a Constituição da República de 1988 e a jurisprudência do
Supremo Tribunal Federal asseguram que:
a)os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário devem ser iguais ou superiores aos pagos
pelo Poder Executivo;
b)a vinculação ou equiparação de quaisquer espécies remuneratórias é permitida, para o efeito de remuneração de
pessoal do serviço público;
c)os acréscimos pecuniários percebidos por servidor público serão computados e acumulados, para fins de
concessão de acréscimos ulteriores;
d)não cabe ao Poder Legislativo interferir, de qualquer forma, na fixação ou alteração do subsídio de membros do
Poder Judiciário, garantida a revisão geral anual;
e)não cabe ao Poder Judiciário, que não tem função legislativa, aumentar vencimentos de servidores públicos, sob
o fundamento de isonomia.

03Q894625
Direito Administrativo Princípios da Administração Pública
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
De acordo com a moderna doutrina e jurisprudência de Direito Administrativo, o instituto que visa à garantia dos
princípios da proteção à boa-fé, da segurança jurídica e da confiança, necessários à formação e ao desenvolvimento
da noção de Estado de Direito, relativizando as consequências de vícios de legalidade de atos administrativos, é
conhecido como:
a)teoria dos motivos determinantes;
b)supremacia do interesse administrativo;
c)estabilização dos efeitos dos atos administrativos;
d)dever de prestar contas do Estado;
e)teoria da caducidade dos atos administrativos.

04Q894627
Direito Administrativo Improbidade administrativa - Lei 8.429/92
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Antônio, Oficial de Justiça do Tribunal de Justiça de Alagoas, adquiriu, para si, durante o exercício do cargo público,
bem imóvel cujo valor é desproporcional à sua evolução patrimonial e à sua renda.

De acordo com o ordenamento jurídico, Antônio, em tese:


a)não praticou qualquer ato ilícito, seja na esfera disciplinar, seja em matéria de improbidade administrativa;
b)não praticou ato de improbidade administrativa, mas cometeu falta disciplinar, punível com pena de demissão;
c)não praticou ato de improbidade administrativa, mas cometeu falta disciplinar, punível com pena de suspensão
por noventa dias;
d)praticou ato de improbidade administrativa, cujas sanções, dentre outras, consistem em ressarcimento integral
do dano, perda da função pública, multa civil e cassação dos direitos políticos;
e)praticou ato de improbidade administrativa, cujas sanções, dentre outras, consistem em perda dos bens ou
valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio e ressarcimento integral do dano, quando houver.

05Q894629
Direito Administrativo Organização da administração pública
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
De acordo com a doutrina de Direito Administrativo, o ajuste firmado entre a Administração Pública e entidades
que possuam vontades convergentes, mediante a celebração de acordo para melhor execução das atividades de
interesse comum dos signatários, é chamado de:
a)convênio, que exige prévia aprovação do plano de trabalho proposto pela organização interessada e, após a
assinatura do ajuste, a entidade ou órgão repassador dará ciência do mesmo ao Poder Legislativo;
b)parceria público-privada, cujo valor global do contrato pode ser alterado por iniciativa de quaisquer das partes,
visando à manutenção de seu equilíbrio econômico e financeiro;
c)consórcio público, por meio do qual se transfere ao particular a prestação de serviços públicos, mediante
remuneração de tarifas pelos usuários;
d)contrato de gestão, cuja economicidade será aferida pelo Tribunal de Contas competente para a fiscalização
contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial do ente federativo envolvido;
e)concessão, por meio da qual o poder público transfere a prestação de determinado serviço público a particular, a
título precário, por sua conta e risco, mediante prévia licitação na modalidade concorrência.

06Q894630
Direito Administrativo Responsabilidade civil do estado
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
João, apenado que cumpria pena privativa de liberdade decorrente de sentença penal condenatória com trânsito
em julgado, foi morto no interior de unidade prisional estadual de Alagoas.

De acordo com a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, no caso em tela, aplica-se a responsabilidade civil:
a)objetiva do Estado, e o valor arbitrado em relação aos danos morais decorrentes não pode, em qualquer
hipótese, ser revisto em sede de recurso especial pela proibição de reexame de matéria fática;
b)objetiva do Estado, e os danos morais decorrentes somente podem ser revistos em sede de recurso especial
quando o valor arbitrado for exorbitante ou irrisório, afrontando os princípios da proporcionalidade e da
razoabilidade;
c)subjetiva do Estado, e o poder público estadual será condenado à indenização pelos danos morais aos familiares
do apenado, caso se comprove que o homicídio foi praticado por algum agente penitenciário;
d)subsidiária do Estado, e, para condenação do poder público estadual ao pagamento de indenização pelos danos
morais aos familiares do apenado, será imprescindível a prévia tentativa de satisfação do crédito junto ao agente
público que agiu com culpa ou dolo;
e)subjetiva do Estado, e, para condenação do poder público estadual ao pagamento de indenização pelos danos
morais aos familiares do apenado, será imprescindível a comprovação do ato ilícito e nexo causal, sendo
desnecessária a demonstração do dolo ou culpa de um agente público.

07Q894633
Direito Constitucional Poder Legislativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
O Prefeito do Município Alfa apresentou suas contas anuais de gestão ao Tribunal de Contas competente, o qual
veio a rejeitá- las por unanimidade.
Irresignado, o Prefeito procurou um advogado e solicitou informações a respeito da correção procedimental da
atuação do Tribunal de Contas.

Com amplo embasamento na sistemática constitucional, o advogado esclareceu ao Prefeito Municipal,


corretamente, que o Tribunal de Contas está:
a)errado, pois apenas lhe competiria emitir parecer prévio a respeito das contas do Prefeito, de governo ou de
gestão;
b)certo, pois deveria julgar as contas de todos os gestores do dinheiro público, incluindo o Chefe do Poder
Executivo;
c)errado, pois o Tribunal de Contas somente poderia julgar as contas de governo, não as de gestão;
d)certo, já que o Prefeito Municipal reconheceu a competência do Tribunal ao encaminhar-lhe as contas de
gestão;
e)errado, pois não compete ao Tribunal de Contas apreciar, a qualquer título, as contas do Chefe do Poder
Executivo.

08Q894634
Direito Constitucional Controle de Constitucionalidade
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Na última semana, foi promulgada a Lei XY, do Estado Beta, que alterava as normas ambientais afetas à utilização
de recursos hídricos. O Partido Político Alfa, que somente contava com representantes na Câmara dos Deputados,
não no Senado Federal, decidiu ajuizar arguição de descumprimento de preceito fundamental. Afinal, entendia que
a Lei XY, além de formalmente inconstitucional, iria causar imensos danos à saúde da população.

À luz da sistemática constitucional, a arguição de descumprimento de preceito fundamental:


a)não poderia ser utilizada, pois não é instrumento adequado para se discutir a validade de lei estadual;
b)poderia ser utilizada, pois é o principal instrumento de controle de constitucionalidade existente;
c)não poderia ser utilizada, já que não atendido o requisito da subsidiariedade;
d)poderia ser utilizada, mas não com o objetivo de discutir o vício de inconstitucionalidade formal;
e)não poderia ser utilizada, em razão da ausência de legitimidade do Partido Político Alfa.

09Q894635
Direito Constitucional
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
O Presidente da República, após ser informado da existência de movimentos separatistas em determinada região
do país, iniciou estudos sobre a conveniência de ser decretada a intervenção federal nos Estados envolvidos. Após
ouvir os Conselhos da República e de Defesa Nacional, decretou a intervenção, sendo o respectivo decreto
encaminhado para a apreciação do Congresso Nacional nas vinte e quatro horas seguintes.

À luz da sistemática constitucional, o proceder do Presidente da República está:


a)errado, pois somente o Supremo Tribunal Federal poderia decretar a intervenção nas circunstâncias indicadas;
b)certo, pois o Presidente da República tem competência para a medida e as providências adotadas foram
corretas;
c)errado, pois a intervenção deveria ser decretada pelo Congresso Nacional e não apenas homologada;
d)certo, pois o procedimento adotado pelo Presidente da República, embora sem base constitucional, é justo;
e)errado, pois o princípio da unicidade impedia que os referidos Conselhos se pronunciassem sobre o mesmo fato.

10Q894636
Direito Constitucional Processo Legislativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Com o objetivo de compensar os servidores públicos do Poder Executivo estadual pelo longo período sem reajustes
remuneratórios, um grupo de Deputados Estaduais encaminhou projeto de lei à Assembleia Legislativa concedendo
aumento de 5%, muito inferior, no entanto, à inflação acumulada. O projeto foi aprovado pelo Legislativo. O
Governador do Estado, no entanto, decidiu vetá-lo sob o argumento de ser formalmente inconstitucional. O veto
foi rejeitado pela maioria absoluta dos Deputados Estaduais. Ao fim, veio a ser promulgada a Lei Estadual WW.

À luz da sistemática constitucional, sob o prisma formal, a Lei Estadual WW:


a)apresenta vício de inconstitucionalidade, já que o poder de iniciativa legislativa era privativo do Governador, não
podendo ser exercido pelos Deputados;
b)não apresenta vício de inconstitucionalidade, pois a iniciativa legislativa é sempre franqueada a qualquer
Deputado ou grupo de Deputados;
c)apresenta vício de inconstitucionalidade, pois o veto do Governador deveria ser rejeitado por dois terços dos
Deputados;
d)não apresenta vício de inconstitucionalidade, já que a iniciativa legislativa, em matéria vencimental, somente
pode ser exercida por grupos de Deputados;
e)apresenta vício de inconstitucionalidade, pois os reajustes vencimentais dos servidores públicos não podem ser
inferiores à inflação.

11Q894637
Direito Constitucional Controle de Constitucionalidade
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Dias após a aprovação da Lei Estadual ZZ, determinada associação de classe ajuizou ação ordinária em face do
Estado, com base em uma de suas normas. Ao proferir a sentença, o Juiz de Direito julgou improcedente o pedido,
baseando-se no argumento da inconstitucionalidade da referida lei.

Ao tomar conhecimento do ocorrido, o Governador do Estado decidiu ajuizar ação declaratória de


constitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal. Sua assessoria, no entanto, argumentou que (I) essa ação
não poderia ter por objeto ato normativo estadual; (II) o Governador jamais teria legitimidade para ajuizar essa
espécie de ação; e (III) não havia controvérsia judicial relevante que pudesse justificá-la.

À luz da narrativa acima, a assessoria do Governador do Estado está:


a)certa apenas em relação ao argumento (I);
b)certa apenas em relação ao argumento (III);
c)certa apenas em relação aos argumentos (I) e (III);
d)errada em todos os seus argumentos;
e)certa em todos os seus argumentos.

12Q894638
Direito Processual Penal Princípios fundamentais do direito processual penal
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Após tomar conhecimento da prática de infração penal em determinado processo submetido à sua apreciação, o
Juiz de Direito expediu ofício ao Promotor de Justiça com atribuição na respectiva Comarca e determinou que fosse
ajuizada a ação penal no prazo legal.

À luz da sistemática constitucional, o referido Promotor de Justiça:


a)não está vinculado à determinação do Juiz de Direito, que deveria ter sido dirigida ao Procurador-Geral de Justiça;
b)está vinculado à determinação do Juiz de Direito em razão do princípio hierárquico;
c)não está vinculado à determinação do Juiz de Direito em razão do princípio da independência funcional;
d)está vinculado à determinação do Juiz de Direito em razão do princípio da territorialidade funcional;
e)não está vinculado à determinação do Juiz de Direito em razão do princípio da oportunidade da ação penal.

13Q894639
Direito Constitucional Processo Legislativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
O Presidente da República editou a Medida Provisória XX, que inseriu relevantes modificações na economia
nacional. O Partido Político Alfa, insatisfeito com o teor desse ato normativo, solicitou o parecer de um renomado
advogado em relação ao fato de a medida provisória somente ter sido assinada pelo Chefe do Poder Executivo, não
contando com o referendo do Ministro de Estado da área.

À luz da sistemática constitucional, o advogado respondeu, corretamente, que:


a)a edição de medida provisória é de competência privativa do Presidente da República, não podendo contar com a
participação de Ministro de Estado;
b)o referendo do Ministro de Estado da área somente é necessário em relação aos decretos, não aos atos com
força de lei;
c)o referendo do Ministro de Estado da área somente seria necessário por ocasião da sanção da lei de conversão
aprovada pelo Congresso Nacional;
d)a ordem constitucional somente exige que o Ministro de Estado assine os atos do Presidente da República nas
hipóteses de competência concorrente;
e)era necessário o referendo do Ministro de Estado da área para a edição da Medida Provisória XX, sendo que sua
ausência denota a caracterização de vício formal.

14Q894640
Direito Civil
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Um grupo de biólogos decide organizar uma pessoa jurídica para apoiar a pesquisa científica. Não pretendem
acometer finalidade econômica à atividade do novo ente, mas desejam, de toda forma, participar ativamente da
administração da entidade.
Diante desse quadro, deve-se indicar ao grupo de biólogos a constituição de:
a)partido político;
b)associação;
c)grupo de amigos;
d)sociedade;
e)organização religiosa.

15Q894642
Direito Civil Personalidade, Pessoa Natural e Capacidade
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Lucas, polêmico radialista da Rádio ABC Ltda., foi acometido de mal súbito que ceifou sua vida. Além de Carla, sua
viúva, Lucas deixou Rodrigo, filho do casal, que contava com 15 anos. Após o falecimento e a abertura de seu
testamento, viu-se a propagação em redes sociais de inúmeras inverdades sobre Lucas, de autoria de desafeto
conhecido.

Nessa situação, tem legitimidade para tutelar o direito de personalidade de Lucas:


a)o espólio de Lucas;
b)a Rádio ABC Ltda.;
c)o inventariante do espólio de Lucas;
d)Carla e/ou Rodrigo;
e)o testamenteiro indicado por Lucas.

16Q894643
Direito Civil Princípios Gerais de Direito Civil
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Até 07 de abril de 2017, vigorava, no Município X, a Lei 01, que estipulava em trinta dias prazo para interposição de
recursos à própria administração municipal contra atos praticados por seus servidores. Na referida data, entrou em
vigor a Lei 02, que alterou o referido prazo para quarenta dias e revogou, neste ponto, a Lei 01. Contudo,
atendendo a pleito local, o Município editou a Lei 03, de 07 de março de 2018, com o seguinte e único texto: “Art.
1º : Revoga-se Lei 02”.

Quanto a essa situação, é correto afirmar que:


a)no dia da publicação da Lei 03, a Lei 01 volta a vigorar;
b)trinta dias após a publicação da Lei 03, a Lei 01 retorna a vigorar;
c)quarenta e cinco dias após a publicação da Lei 03, a Lei 02 deixa de vigorar;
d)no dia da publicação da Lei 03, a Lei 02 deixa de vigorar;
e)trinta dias após a publicação da Lei 03, a Lei 02 deixa de vigorar.

17Q894657
Direito Penal Crimes contra a família
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Caio, Oficial de Justiça, após cumprir diversos mandados de citação referentes a várias ações penais, retornou para
sua residência com os documentos que comprovavam a efetiva citação dos denunciados. Em razão de seu descuido
e do grande número de mandados, colocou dois deles em cima de seu carro enquanto guardava sua bolsa na mala
do veículo, mas os esqueceu lá quando deu a partida do carro, acabando por extraviar os documentos, o que gerou
prejuízo no curso da ação penal e benefício para os acusados dos respectivos processos.

Considerando apenas as informações narradas, o comportamento de Caio configura:


a)crime de extravio, sonegação ou inutilização de livro ou documento;
b)crime de subtração ou inutilização de livro ou documento;
c)crime de sonegação de papel ou objeto de valor probatório;
d)crime de prevaricação;
e)conduta atípica.

18Q894658
Direito Penal Antijuridicidade
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Mévio, superior hierárquico de Tício, Oficial de Justiça, solicitou que ele alterasse o teor de determinada certidão
em mandado de busca e apreensão. Apesar de ter conhecimento de que a conduta não era correta, Tício atendeu a
solicitação de Mévio, já que este era seu superior hierárquico e os dois eram também amigos de infância.
Descobertos os fatos, foi instaurado procedimento investigatório, razão pela qual Tício procura seu advogado para
esclarecimentos.

Considerando apenas as informações narradas, o advogado de Tício deverá esclarecer que sua conduta configura:
a)fato típico, ilícito e culpável;
b)fato típico, mas não ilícito, em razão do estrito cumprimento do dever legal;
c)fato típico, mas não ilícito, em razão da obediência hierárquica;
d)fato típico e ilícito, mas não culpável, em razão da obediência hierárquica;
e)fato típico e ilícito, mas não culpável, em razão da coação moral irresistível.

19Q894659
Direito Penal Causas de extinção da punibilidade
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
O indulto, a graça e a anistia são trazidos pelo Código Penal, em seu artigo 107, inciso II, como causas de extinção
da punibilidade. Apesar disso, são institutos que não se confundem.

Sobre tais causas de extinção da punibilidade, é correto afirmar que:


a)a anistia, o indulto e a graça geram a extinção dos efeitos penais primários e secundários da condenação,
permanecendo íntegros, apenas, os seus efeitos civis;
b)o indulto, diante de sua natureza coletiva, depende de provocação e requerimento do beneficiado, não podendo
ser declarada a extinção da pena de ofício pelo juiz;
c)o indulto gera a extinção dos efeitos penais primários, mas não os secundários, permanecendo íntegros, também,
os efeitos civis da condenação;
d)a anistia gera a extinção dos efeitos penais primários, mas não os secundários, permanecendo íntegros, também,
os efeitos civis da condenação;
e)o indulto é concedido através de Decreto do Presidente da República, enquanto a anistia e a graça são previstos
em lei federal.

20Q894660
Direito Penal Crimes contra a administração pública
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Jorge, de origem humilde, atua como Oficial de Justiça em determinado Tribunal de Justiça. Quando cumpria
ordem de busca e apreensão na comunidade em que nasceu, viu, de longe, que seu irmão dispensou uma sacola
plástica com grande quantidade de drogas, empurrou um policial militar e tentava empreender fuga e evitar o
flagrante de crime de tráfico, crime este punido com pena mínima de cinco anos de reclusão. Diante disso, quando
seu irmão corre em sua direção, o auxilia, escondendo-o dentro de seu veículo particular, enquanto continua a
cumprir o mandado pendente.

Descobertos os fatos, considerando apenas a situação narrada, o ato de Jorge configura:


a)crime de evasão mediante violência contra a pessoa;
b)conduta típica, mas não punível;
c)crime de favorecimento pessoal;
d)crime de favorecimento real;
e)conduta atípica.
Respostas 01: 02: 03: 04: 05: 06: 07: 08: 09: 10: 11: 12: 13:
14: 15: 16: 17: 18: 19: 20:

21Q894661
Direito Processual Penal
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
O Ministério Público denunciou João, José e Jorge pela prática de determinado crime. Após recebimento da
denúncia, João e José foram regularmente citados pelo Oficial de Justiça Caio. Jorge, entretanto, não foi localizado
para citação, determinando o juiz o desmembramento do processo em relação a ele. Logo em seguida, entrou em
vigor lei de conteúdo exclusivamente processual prejudicial ao réu, prevendo nova forma de citação. No dia
seguinte à entrada em vigor da nova lei, no processo de João e José foi designada a realização de audiência de
instrução e julgamento, enquanto foi localizado novo endereço para citação de Jorge no processo desmembrado,
determinando o magistrado a citação nesse endereço.

Considerando as informações narradas, o Oficial de Justiça Caio deverá realizar a citação de Jorge observando os
termos da:
a)inovação legislativa, ainda que prejudicial ao acusado, devendo a citação de João e José ser renovada com base
na lei que vigia na data dos fatos, pois a ação ainda está em curso;
b)norma em vigor quando da prática delitiva, pois, em que pese a lei processual prejudicial possa retroagir para
atingir fatos anteriores, já havia denúncia em face de Jorge;
c)inovação legislativa, ainda que prejudicial ao acusado, devendo a citação de João e José ser renovada com base
na nova lei, pois a ação ainda está em curso;
d)inovação legislativa, ainda que prejudicial ao acusado, mas a citação de João e José não precisa ser renovada;
e)norma em vigor quando da prática delitiva, pois a lei não pode retroagir para prejudicar o acusado.

22Q894662
Direito Processual Penal Inquérito Policial
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Gustavo, Delegado de Polícia, é a autoridade policial que preside duas investigações autônomas em que se apura a
suposta prática de crimes de homicídio contra Joana e Maria. Após realizar diversas diligências, não verificando a
existência de justa causa nos dois casos, elabora relatórios finais conclusivos e o Ministério Público promove pelos
arquivamentos, havendo homologação judicial. Depois do arquivamento, chega a Gustavo a informação de que foi
localizado um gravador no local onde ocorreu a morte de Maria, que não havia sido apreendido, em que
encontrava-se registrada a voz do autor do delito. A autoridade policial, ademais, recebe a informação de que a
família de Joana obteve um novo documento que indicava as chamadas telefônicas recebidas pela vítima no dia dos
fatos, em que constam 25 ligações do ex-namorado de Joana em menos de uma hora.

Considerando as novas informações recebidas pela autoridade policial, é correto afirmar que:
a)não poderá haver desarquivamento do inquérito que investigava a morte de Joana, mas poderá ser desarquivado
o que investigava a morte de Maria, tendo em vista que o documento obtido pela família de Joana não existia
quando do arquivamento;
b)poderá haver desarquivamento dos inquéritos diretamente pela autoridade policial, mas não poderá o Ministério
Público oferecer imediatamente denúncia, ainda que haja justa causa, diante dos arquivamentos anteriores;
c)poderá haver desarquivamento dos inquéritos que investigavam as mortes de Joana e Maria, pois em ambos os
casos houve prova nova, ainda que o gravador já existisse antes do arquivamento;
d)poderá haver desarquivamento do inquérito que investigava a morte de Joana, mas não do de Maria, tendo em
vista que apenas no primeiro caso houve prova nova;
e)não poderá haver prosseguimento das investigações, tendo em vista que houve decisão de arquivamento que fez
coisa julgada.

23Q894663
Direito Processual Penal
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Matheus foi vítima de crime de ação penal pública condicionada à representação. Logo após os fatos, compareceu
em sede policial e, oralmente, manifestou ao Delegado o interesse em representar em face do autor dos fatos.
Diante disso, foi oferecida denúncia pelo Ministério Público. Matheus, porém, se arrependeu e demonstrou
interesse em se retratar da representação enquanto a denúncia não era recebida.

Considerando apenas as informações narradas, é correto afirmar que Matheus:


a)não poderá se retratar da representação, já que o Código de Processo Penal não admite retratação,
independentemente do momento, uma vez realizada a representação perante autoridade policial;
b)poderá se retratar da representação, mesmo após o recebimento da denúncia, em razão do princípio da
disponibilidade da ação penal pública condicionada à representação;
c)não precisa se retratar da representação, pois esta foi inválida, já que realizada oralmente;
d)poderá se retratar da representação, tendo em vista que a denúncia não foi recebida;
e)não poderá se retratar da representação, tendo em vista que a denúncia já foi oferecida.

24Q894664
Direito Processual Penal Das Citações e Intimações
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Fabio, Oficial de Justiça, deve realizar a citação de Lucas, que está preso preventivamente. Ao verificar a denúncia
em face de Lucas, constata que existem outros dois denunciados: Beto, que está em local incerto e não sabido, e
Patrick, que reside em endereço certo localizado em outro país.

Com base nas informações narradas, de acordo com as previsões do Código de Processo Penal e com a
jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, é correto afirmar que:
a)Beto deverá ser citado por edital e, caso não compareça e nem constitua advogado, haverá suspensão do
processo e o período de suspensão do prazo prescricional será regulado pelo máximo da pena cominada;
b)Lucas deverá ser citado pessoalmente, devendo Fábio, por ocasião da citação, certificar a leitura do mandado,
não sendo necessário buscar a entrega da contrafé;
c)Beto deverá ser citado com hora certa, de modo que seu não comparecimento não gera suspensão do processo,
mas sim reconhecimento de sua revelia;
d)Lucas deverá ser citado pessoalmente por Fábio, podendo o Oficial de Justiça realizar a citação de Patrick
mediante carta por correio com aviso de recebimento;
e)Patrick deverá ser citado por carta precatória, que indicará o juízo deprecado e o juízo deprecante, além do fim
para que é feita citação.

25Q894665
Direito Processual Penal Da Competência
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Hugo e Luiz praticaram uma mesma infração penal, mas foram denunciados em processos distintos. Por outro lado,
Paulo, policial militar, praticou dois crimes, o primeiro que seria de competência da Justiça Comum e o segundo
que seria da Justiça Militar, sendo que este foi praticado para ocultar e garantir a impunidade em relação àquele.

Considerando apenas as informações narradas, haverá reunião entre os processos de Hugo e Luiz em razão da
relação de:
a)continência, enquanto haverá conexão entre as duas infrações penais praticadas por Paulo, apesar de ser
necessária a separação dos processos da Justiça Militar e da Justiça Comum;
b)conexão, enquanto haverá continência entre as duas infrações penais praticadas por Paulo, razão pela qual essas
deverão ser reunidas para julgamento conjunto;
c)continência, assim como entre as duas infrações penais praticadas por Paulo, apesar de ser necessária a
separação dos processos da Justiça Militar e da Justiça Comum;
d)conexão, assim como entre as duas infrações penais praticadas por Paulo, apesar de ser necessária a separação
dos processos da Justiça Militar e da Justiça Comum;
e)continência, enquanto haverá conexão entre as duas infrações penais praticadas por Paulo, razão pela qual essas
devem ser reunidas para julgamento conjunto.

26Q894666
Direito Penal Legislação Penal Especial
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
A Lei nº 11.343/06 define uma série de crimes relacionados ao tráfico de drogas, além de prever um procedimento
próprio para julgamento dessas infrações penais.

Sobre o tema, analise as afirmativas a seguir.

I. Em razão da necessidade de sigilo e, eventualmente, urgência da medida, poderá ocorrer infiltração por agentes
de polícia, em tarefas de investigação, ainda que sem autorização judicial, desde que informado previamente ao
Ministério Público.
II. Antes mesmo do recebimento da denúncia, o denunciado deverá ser notificado para apresentação de defesa,
sendo que eventuais exceções apresentadas deverão ser processadas em apartado.
III. Observadas as formalidades legais, admite-se a postergação da atuação policial sobre os portadores de drogas
com a finalidade de identificar e responsabilizar maior número de integrantes de operações de tráfico.

Com base nas previsões da Lei nº 11.343/06, está correto o que se afirma em:
a)somente II;
b)somente I e II;
c)somente I e III;
d)somente II e III;
e)I, II e III.
27Q894667
Direito Processual Penal Procedimento Penal
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
O juiz de determinado Tribunal do Júri precisa marcar sessões de julgamento, após pronúncia, de quatro processos
distintos em que figuram como denunciados Júlio, César, Arthur e Junior. No momento de definir sua pauta do mês
de maio, chama o Oficial de Justiça para que esclareça algumas informações sobre data de cumprimento de
mandados de prisão, citação e pronúncia. O oficial informa que Júlio foi preso em 15.01.2017, sendo citado em
25.01.2017 e pronunciado em 09.03.2018; César foi preso em 20.01.2017, citado em 23.01.2017 e pronunciado em
08.03.2018; Arthur foi preso em 20.01.2017, citado em 24.01.2017 e pronunciado em 06.03.2018; Junior responde
ao processo solto, tendo sido citado em 27.11.2016 e pronunciado em 27.02.2018.

Considerando apenas o narrado e as informações do Oficial de Justiça, de acordo com o Código de Processo Penal,
as sessões plenárias de julgamento do Tribunal do Júri deverão ser realizadas na seguinte ordem de preferência:
a)Júlio, César, Arthur e Junior;
b)Arthur, César, Júlio e Junior;
c)Júlio, Arthur, César e Junior;
d)César, Arthur, Júlio e Junior;
e)Junior, Arthur, César e Júlio.

28Q894668
Direito Penal Lesões corporais
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Carlos foi denunciado pela prática de crime de lesão corporal praticado em contexto de violência familiar,
figurando como vítima seu irmão, Glauber (Art. 129, §9º, do Código Penal. Pena: 3 meses a 3 anos de detenção). A
natureza da lesão seria leve e Glauber demonstrou interesse em representar em face do autor do fato.

Considerando que Carlos é primário e de bons antecedentes, sem qualquer outro envolvimento com o aparato
policial ou judicial, é correto afirmar que:
a)não caberá aplicação de qualquer instituto despenalizador previsto na Lei nº 9.099/95, tendo em vista que o
crime em questão foi introduzido pela Lei nº 11.340/06 (Lei Maria da Penha), que não admite aplicação desses
institutos;
b)não caberá aplicação de qualquer instituto despenalizador previsto na Lei nº 9.099/95, tendo em vista que o
crime imputado não é infração de menor potencial ofensivo;
c)caberá proposta apenas de transação penal e suspensão condicional do processo, mas não de composição civil
dos danos, já que o crime não é de ação penal privada;
d)caberá proposta de composição civil dos danos, transação penal e suspensão condicional do processo;
e)caberá proposta de suspensão condicional do processo, mas não de transação penal ou composição civil dos
danos.

29Q894669
Direito Processual Penal Recursos Criminais
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Juca foi condenado em primeira instância pela prática de crime de corrupção, sendo aplicada em sentença pena de
cinco anos de reclusão a ser cumprida em regime inicial fechado. Em recurso de apelação, exclusivo da defesa, o
advogado de Juca requereu a anulação da sentença por falta de fundamentação, a absolvição do réu e,
subsidiariamente, a redução da pena e aplicação de regime inicial semiaberto. Em julgamento, a sentença foi
parcialmente mantida, alterando-se apenas o regime de cumprimento da sanção imposta. Por unanimidade, foi
afastada a alegação de nulidade e mantida a condenação. Por maioria de votos, foi mantida a pena aplicada, tendo
um Desembargador votado pela sua redução, e afastado o regime inicial fechado, fixando-se o semiaberto.

Intimada da decisão, a defesa de Juca poderá interpor recurso de embargos infringentes em busca do(a):
a)reconhecimento de nulidade, absolvição e redução da pena aplicada, enquanto o Ministério Público não poderá
apresentar recurso de embargos infringentes em busca da aplicação do regime inicial fechado;
b)reconhecimento de nulidade, absolvição e redução da pena aplicada, enquanto o Ministério Público somente
poderá buscar a aplicação de regime inicial fechado em recurso de embargos infringentes;
c)reconhecimento de nulidade e redução da pena aplicada, somente, enquanto o Ministério Público não poderá
apresentar recurso de embargos infringentes em busca da aplicação do regime inicial fechado;
d)redução da pena aplicada, somente, enquanto o Ministério Público não poderá apresentar recurso de embargos
infringentes em busca da aplicação do regime inicial fechado;
e)redução da pena aplicada, apenas, enquanto o Ministério Público somente poderá buscar a aplicação de regime
inicial fechado em recurso de embargos infringentes.

30Q894670
Direito Processual Penal Sentença e Coisa Julgada
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Após a instrução probatória e a apresentação de alegações finais pelas partes, caberá ao magistrado proferir
sentença, observando as disposições previstas no Código de Processo Penal.

De acordo com as disposições legais sobre o tema, é correto afirmar que:


a)o juiz, entendendo que deve ser mantida a prisão do réu, não precisará justificar tal manutenção por ocasião da
sentença; mas, caso conceda a liberdade, deverá justificar;
b)o juiz não poderá fixar o valor da indenização por ocasião da sentença, ainda que haja requerimento do ofendido,
dependendo de ação civil ex delicto;
c)o tempo de prisão provisória será computado para fins de determinação do regime inicial de pena privativa de
liberdade;
d)a intimação do assistente de acusação será necessariamente pessoal, não podendo ocorrer por meio de seu
advogado;
e)o réu somente poderá ser intimado da sentença condenatória pessoalmente se estiver preso.

31Q894671
Direito Processual Penal Das Provas
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Durante investigação pela prática de crime de concussão, figurando como indiciado Gomes, o Ministério Público
formula, nos autos do inquérito, requerimento de busca e apreensão na residência do investigado. Considerando a
gravidade do caso investigado, o juiz defere a medida pleiteada pelo Ministério Público e, ainda, decreta a prisão
preventiva de Gomes.

Após cumprimento dos mandados de busca e apreensão e prisão preventiva pelo Oficial de Justiça, a defesa técnica
de Gomes:
a)não poderá pleitear a liberdade do investigado com o argumento da ilegalidade da prisão, uma vez que o
requerimento de busca e apreensão do Ministério Público permite que o juiz analise o cabimento de qualquer
cautelar;
b)não poderá pleitear a liberdade do investigado com o argumento da ilegalidade da prisão, tendo em vista que o
Código de Processo Penal admite a decretação da prisão preventiva de ofício;
c)deverá buscar o relaxamento da prisão preventiva, tendo em vista que ilegal, pois o Código de Processo Penal não
admite que seja decretada a prisão preventiva de ofício, seja durante a investigação, seja no curso da ação penal;
d)deverá buscar a revogação da prisão preventiva, tendo em vista que ilegal, pois o Código de Processo Penal não
admite que seja decretada a prisão preventiva de ofício em qualquer fase processual;
e)deverá buscar o relaxamento da prisão preventiva, tendo em vista que ilegal, já que o magistrado não poderia
decretá-la, nos termos realizados, antes do oferecimento da denúncia.

32Q894672
Direito Penal Legislação Penal Especial
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Tício, enquanto cumpria pena em regime aberto, praticou fato definido como falta grave, sendo certo que a Lei nº
7.210/84 traz as consequências diante de tal comportamento.

Considerando as previsões do diploma legal mencionado e a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, é


correto afirmar que:
a)o reconhecimento de falta grave independe de procedimento administrativo ou judicial, bastando declaração do
diretor do estabelecimento penitenciário;
b)o reconhecimento de falta grave depende da instauração de procedimento administrativo e, diante dessa
natureza, dispensa a exigência de defesa técnica;
c)o reconhecimento regular de falta grave pode justificar a regressão per saltum do regime de cumprimento de
pena;
d)o reconhecimento regular de falta grave pode justificar a perda de todos os dias remidos;
e)o reconhecimento regular de falta grave interrompe o prazo para fim de comutação de pena.

33Q894673
Direito Processual Penal Das Provas
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Oficial de Justiça Avaliador
Lauro figura como indiciado em inquérito policial em que se apura a prática de infração penal grave. Intimado para
comparecer em sede policial, Lauro presta declarações, não cientificado de seu direito ao silêncio, e confessa o
crime. Posteriormente, com base em outros elementos informativos produzidos, Lauro vem a ser denunciado.

Com base nas informações narradas e de acordo com as previsões do Código de Processo Penal, é correto afirmar
que:
a)o interrogatório do acusado é o último ato da instrução, de modo que não mais se admite a oitiva do indiciado
antes do oferecimento da denúncia, ainda que acompanhado de advogado e garantido o direito ao silêncio;
b)o juiz poderá considerar, em sentença, as provas cautelares, não repetíveis e antecipadas, mas não os demais
elementos informativos, ainda que sua decisão não seja baseada exclusivamente nestes;
c)a confissão é válida, mesmo sem ser esclarecido o direito de o indiciado permanecer em silêncio, já que o
inquérito é caracterizado pelo caráter inquisitivo, não podendo ser retratada;
d)a confissão do réu poderá ser divisível e, independentemente de sua validade, poderá ser retratada em juízo;
e)o elemento informativo, independentemente de qual seja, colhido durante as investigações, nunca poderá ser
considerado pelo magistrado em sentença.

34Q878289
Direito Administrativo Regime jurídico administrativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Determinado Secretário Municipal de Educação, no dia da inauguração de nova escola municipal, distribuiu boletim
informativo custeado pelo poder público, com os seguintes dizeres no título da reportagem: “ Secretário do povo,
Rico Ricaço, presenteia a população com mais uma escola”. Ao lado da reportagem, havia foto do Secretário
fazendo com seus dedos o símbolo de coração utilizado por ele em suas campanhas eleitorais.

A conduta narrada feriu o princípio da administração pública da:


a)economicidade, eis que é vedada a publicidade custeada pelo erário dos atos, programas, obras, serviços e
campanhas dos órgãos públicos, ainda que tenha caráter educativo, informativo ou de orientação social;
b) legalidade, pois a publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deve ser
precedida de prévia autorização legislativa, vedada qualquer promoção pessoal que configure favorecimento
pessoal para autoridades ou servidores públicos;
c)moralidade, eis que a publicidade dos atos, programas, obras e serviços dos órgãos públicos, em que constarem
nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades públicas, para ser legal deve ser
custeada integralmente com recursos privados;
d)publicidade, uma vez que a divulgação dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos
deve ser feita exclusivamente por meio de publicação dos respectivos atos no diário oficial, para impedir promoção
pessoal da autoridade pública;
e)impessoalidade, pois a publicidade em tela deveria ter caráter educativo, informativo ou de orientação social,
dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de agentes públicos.

35Q878290
Direito Administrativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Em tema de poderes administrativos, a doutrina de Direito Administrativo ensina que os atos administrativos da
delegação e da avocação são fundamentados na prerrogativa do agente público decorrente do poder:
a)disciplinar, segundo o qual o agente público com competência pode expedir normas gerais e abstratas para
viabilizar a aplicabilidade de lei preexistente;
b)hierárquico, segundo o qual o agente público de hierarquia superior pode, na forma da lei, estender ou chamar
para si, de forma temporária, competência para determinado ato;
c)normativo, segundo o qual o agente público pode restringir liberdades individuais e propriedade privada em prol
do interesse público coletivo;
d)regulamentar, segundo o qual a autoridade pública competente deve expedir decretos autônomos para
disciplinar o funcionamento orgânico da administração;
e)de polícia, segundo o qual a autoridade pública tem a faculdade de estabelecer a competência dos servidores que
lhe são vinculados, sob pena de uso das forças de segurança.

36Q878291
Direito Constitucional Administração Pública – Disposições Gerais e Servidores Públicos
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
A Constituição da República de 1988 tem como regra geral a vedação de acumulação remunerada de cargos
públicos. Ocorre que o texto constitucional autoriza tal acumulação em casos excepcionais, quando houver
compatibilidade de horários, como na hipótese de:
a)dois cargos de nível técnico ou científico;
b)dois cargos da área de educação;
c)dois cargos da área jurídica;
d)um cargo de magistrado estadual com um cargo de professor;
e)um cargo de professor com outro de prestador de serviço público.
37Q878292
Direito Administrativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Autoridade municipal competente praticou ato administrativo de autorização para que certo particular exercesse
comércio ambulante em local predeterminado. Inconformada, a associação de lojistas locais ingressou com medida
judicial, pleiteando a revogação do ato administrativo de autorização.

O pleito do empresariado local:


a)merece prosperar, pois ao Poder Judiciário cabe o exame de mérito e legalidade dos atos administrativos
discricionários, pelo princípio do amplo acesso à justiça;
b)merece prosperar, pois o Poder Judiciário deve revogar os atos administrativos vinculados que se revelem
inoportunos ou inconvenientes, pelo princípio da inafastabilidade do controle jurisdicional;
c)merece prosperar, pois o Poder Judiciário deve revogar os atos administrativos vinculados que se revelem
inoportunos ou inconvenientes, no regular exercício do controle externo da atividade administrativa;
d)não merece prosperar, pois ao Poder Judiciário não cabe juízo de valor sobre a legalidade e o mérito dos atos
administrativos discricionários, em razão do princípio da separação dos poderes;
e)não merece prosperar, pois ao Poder Judiciário, em regra, não cabe juízo de valor sobre o mérito dos atos
administrativos discricionários, podendo apenas invalidá-los por vício de legalidade.

38Q878293
Direito Administrativo Licitações e Lei 8.666 de 1993.
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
De acordo com a doutrina de Direito Administrativo, uma das características dos contratos administrativos é o seu
formalismo.

Nesse sentido, a Lei nº 8.666/93 dispõe que, em matéria de licitação, o instrumento de contrato é obrigatório nos
casos de:
a)concorrência, de tomada de preços, convite, pregão, concurso e leilão, mas não é necessário nas hipóteses
excepcionais previstas em lei em que a licitação é dispensável ou inexigível;
b)concorrência e de tomada de preços, pelo alto valor desses contratos, mas não é necessário nas demais
modalidades de licitação, desde que o seu valor esteja compatível com o preço de mercado, conforme avaliação
prévia;
c)concorrência e de tomada de preços, bem como nas dispensas e inexigibilidades cujos preços estejam
compreendidos nos limites destas duas modalidades de licitação;
d)contratação de obras e serviços de engenharia, cujo valor global do contrato seja superior a um milhão de reais,
mas não é necessário nos demais casos, qualquer que seja a modalidade de licitação;
e)contratação de obras e serviços de engenharia, por meio de licitação nas modalidades concorrência e de tomada
de preços, mas não é necessário nas hipóteses excepcionais em que a licitação é dispensável ou inexigível.

39Q878294
Direito Administrativo Licitações e Lei 8.666 de 1993.
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Ao acabar de assumir a Chefia do Executivo Estadual, o Governador constatou situação insustentável de
superlotação da população carcerária, com grave e iminente risco à segurança pública. Assim sendo, o
Administrador Público decidiu contratar sociedade empresária para ampliação, reforma e aprimoramento do
estabelecimento penal existente no Estado. Após os estudos necessários, o valor total do contrato ficou estimado
em um milhão e quatrocentos mil reais.

De acordo com os ditames da Lei nº 8.666/93, a contratação pretendida:


a)deverá necessariamente ser precedida de licitação, na modalidade pregão, em razão do valor do contrato;
b)deverá necessariamente ser precedida de licitação, na modalidade tomada de preços, em razão do valor do
contrato;
c)deverá necessariamente ser precedida de licitação, na modalidade concorrência, em razão do valor do contrato;
d)poderá ser feita mediante dispensa de licitação, diante de permissivo legal;
e)poderá ser feita mediante inexigibilidade de licitação, diante de permissivo legal.

40Q878295
Direito Administrativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
A Lei nº 8.987/95, que trata do serviço público, dispõe que sua concessão ou permissão pressupõe a prestação de
serviço adequado ao pleno atendimento dos usuários, com emprego de modernidade das técnicas, do
equipamento e das instalações, bem como conservação, melhoria e expansão do serviço.

Esse mandamento legal está diretamente relacionado ao princípio da:


a)modicidade do serviço público e ao princípio da moralidade da administração pública;
b)continuidade do serviço público e ao princípio da legalidade da administração pública;
c)atualidade do serviço público e ao princípio da eficiência da administração pública;
d)universalidade do serviço público e ao princípio da proporcionalidade da administração pública;
e)eficiência do serviço público e ao princípio da publicidade da administração pública.

Respostas 21: 22: 23: 24: 25: 26: 27: 28: 29: 30: 31: 32: 33:
34: 35: 36: 37: 38: 39: 40:

41Q878297
Direito Administrativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Os atos administrativos devem ser precedidos de um processo formal que justifica sua prática e serve de base para
sua legitimidade, documentando todas as etapas até a formação válida da atuação da Administração Pública.

Nesse contexto, a Lei nº 9.784/99 estabelece que, nos processos administrativos, será observado, entre outros, o
critério de:
a)obrigatoriedade de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar, sob pena de nulidade
absoluta por violação à Constituição da República de 1988;
b)interpretação da norma administrativa da forma que melhor garanta o atendimento do fim público a que se
dirige, permitida aplicação retroativa de nova interpretação;
c)impulsão procedimental pelos interessados, vedada a atuação de ofício pela própria Administração Pública;
d)divulgação oficial dos atos administrativos, vedada qualquer hipótese de sigilo;
e)proibição de cobrança de despesas processuais, ressalvadas as previstas em lei.

42Q878298
Direito Administrativo Controle da administração pública
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
O controle da administração pública pode ser conceituado como o conjunto de mecanismos jurídicos e
administrativos por meio dos quais se exerce o poder de fiscalização e de revisão da atividade administrativa em
qualquer das esferas de poder.

Nesse contexto, de acordo com a doutrina e o texto constitucional, o Poder:


a)Judiciário é controlado exclusivamente pelo Conselho Nacional de Justiça, não podendo ser alvo de qualquer
ingerência dos Poderes Legislativo e Executivo;
b)Legislativo exerce controle externo financeiro sobre o Poder Judiciário no que se refere à receita, à despesa e à
gestão dos recursos públicos;
c)Legislativo exerce o controle interno sobre o Poder Executivo, no que tange à fiscalização contábil, financeira,
orçamentária, operacional e patrimonial da Administração direta e indireta;
d)Judiciário exerce o controle externo sobre a legalidade e o mérito administrativo dos atos praticados pelos
Poderes Executivo e Legislativo;
e)Executivo exerce o controle externo sobre a legalidade dos atos do Poder Legislativo, devendo declarar a
inconstitucionalidade dos que violem a Constituição da República de 1988.

43Q878299
Direito Administrativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
João, Técnico Judiciário do Tribunal de Justiça de Alagoas, lotado em determinada Vara Criminal, revelou fato de
que tinha ciência em razão das suas atribuições, consistente no teor do depoimento de determinada testemunha
em ação penal de grande repercussão social que tramita em segredo de justiça, ainda em fase de instrução.

De acordo com as disposições da Lei nº 8.429/92, João:


a)não cometeu ato de improbidade administrativa, porque não houve efetivo prejuízo ao erário, mas deve
responder em âmbito disciplinar;
b)não cometeu ato de improbidade administrativa, porque está ausente o especial fim de agir do agente,
consistente em seu enriquecimento ilícito;
c) não cometeu ato de improbidade administrativa, porque não faz parte do Poder Executivo ou Legislativo, mas
deve responder em âmbito disciplinar;
d)cometeu ato de improbidade administrativa, sem prejuízo dos demais reflexos nas esferas criminal e
administrativo-disciplinar;
e)cometeu ato de improbidade administrativa, desde que se comprove nexo causal entre a conduta do servidor e
efetivo dano ao erário.

44Q878300
Direito Civil Lei de Introdução as Normas do Direito Brasileiro (LINDB)
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Joaquim, brasileiro, conheceu, Jeniffer, australiana, e com ela se casou no Brasil, pelo regime da separação de bens.
Três anos após o casamento, Jeniffer adquire um imóvel em Maceió, no qual o casal passa a residir. Em razão de
dificuldades financeiras, o casal resolve se mudar para Sydney, Austrália, local em que estabelecem domicílio e
ambos adquirem, em razão de sucesso profissional, vultoso patrimônio. Contudo, aos 40 anos Jeniffer vem a
falecer, sem deixar testamento, ascendentes e descendentes. De sua família biológica, apenas é vivo seu irmão,
James, o qual, para a lei australiana, é o único herdeiro legítimo.
Diante dessa situação e considerando que, para a lei brasileira, Joaquim é o herdeiro legítimo, o bem localizado em
Maceió será:
a)partilhado entre Joaquim e James;
b)destinado a James;
c)incorporado ao Município de Maceió;
d) adjudicado a Joaquim;
e)entregue ao Município de Sydney.

45Q878301
Direito Civil
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Felipe, com quinze anos, desfere agressões verbais contra a honra de Marcela, maior e sua vizinha, na presença de
vários vizinhos de condomínio. Embora aborrecida, Marcela é por todos os presentes amparada e acolhe, por certo
tempo, o conselho de não buscar indenização pelos danos morais sofridos, visto se tratar de um adolescente
“rebelde”. Contudo, decorridos vinte e quatro meses das agressões e em razão da mudança de Felipe, que deixou o
prédio, Marcela resolve buscar “seus direitos” e receber indenização dos pais do agressor.

A pretensão de Marcela:
a)é incabível, pois a falta de exercício de seu direito configurou um perdão;
b)pode ser perpetuamente acolhida, visto que direito da personalidade é imprescritível;
c)não poderá prosperar, pois Felipe, à época dos fatos, era absolutamente incapaz;
d)pode ser acolhida, desde que ajuizada dentro do prazo prescricional;
e)é abusiva, pois o acolhimento do conselho dos vizinhos representa consumação da prescrição.

46Q878302
Direito Civil
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Carlos, serventuário do Poder Judiciário, reside em Marechal Deodoro, leciona em centro universitário localizado
em Maceió e está lotado na Comarca de São Miguel dos Campos, onde exerce suas funções.

Diante desse quadro, Carlos possui domicílio necessário em:


a)Maceió e São Miguel dos Campos;
b)Marechal Deodoro;
c)Maceió;
d)Marechal Deodoro e Maceió;
e)São Miguel dos Campos.

47Q878303
Direito Civil Pessoa Jurídica
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
A Associação Amigos de Ponta Verde, constituída por moradores do bairro, decide, em assembleia regular, explorar
cantina em sua sede, com o propósito de melhorar seu caixa com o lucro da atividade.

Essa deliberação é considerada:


a)válida, pois o lucro será destinado à associação;
b)nula, pois a associação não pode ter fins econômicos;
c)ineficaz quanto aos associados, uma vez que não receberão os lucros;
d)ilícita, já que não faz parte do objeto social;
e)legal, pois o lucro deverá ser partilhado entre os associados.

48Q878304
Direito Civil Pessoa Jurídica
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Vinte pescadores de São Miguel dos Milagres decidem adquirir pequeno imóvel para beneficiar sua pesca. De modo
que o imóvel fosse destinado apenas para esse fim, resolvem constituir uma fundação, o que fazem mediante
escritura pública e destacando o bem adquirido para o patrimônio da nova entidade. Consignaram no ato, ainda,
que, na hipótese de extinção, o imóvel deveria ser incorporado ao patrimônio do Município. Contudo, após
lavratura do ato subscrito por todos, dois pescadores resolvem não mais participar do projeto e solicitam sua parte
do bem.

A pretensão deles é:
a)devida, visto que ninguém é obrigado a ficar associado com outrem;
b)incabível, pois o ato constitutivo da fundação encontra-se perfeito e sua extinção se dará na forma do estatuto;
c)viável, sendo necessária a apuração de haveres;
d)possível, desde que a quota parte dos dissidentes seja entregue ao Município;
e)impossível, pois o retorno do bem ao patrimônio de todos depende de distrato consensual dos fundadores.

49Q878305
Direito Civil
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Carla faleceu casada com Jorge, mas sem filhos ou ascendentes. Legou, por testamento, determinados bens para
sobrinhos. Após seu falecimento, certa pessoa criou um perfil falso com fotos de Carla em uma rede social.

Nessa hipótese, a proteção da imagem de Carla pode ser exercida por:


a)seus herdeiros;
b) seu Espólio;
c)Jorge;
d)seus amigos próximos;
e)herdeiro da maior porção de seus bens.

50Q878306
Direito Administrativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Determinada sociedade empresarial recebeu autorização do Poder Executivo municipal para manter uma praça
pública, onde poderia, inclusive, divulgar publicidade de sua marca.

Diante dessa situação, afirma-se que a praça é um bem público:


a)de uso comum;
b)alienável;
c)de uso especial;
d)dominical;
e)de uso privado.

51Q878307
Direito Administrativo Responsabilidade civil do estado
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Miro, quando passava na calçada lateral do edifício da Câmara de Vereadores do Município de São Paulo, é atingido
por parte da janela que caiu do Gabinete da Presidência da Casa Legislativa.

Nessa hipótese, a pessoa jurídica que responderá por eventual indenização será:
a)a Câmara de Vereadores;
b) a Casa Legislativa;
c)a Prefeitura;
d)o Município;
e) a Presidência da Câmara de Vereadores.

52Q878308
Direito Civil Lei de Introdução as Normas do Direito Brasileiro (LINDB)
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
A Lei X entrou em vigor na data de sua publicação, por força de dispositivo legal expresso nesse sentido. Quarenta
e cinco dias após, nova lei (Lei Y), sem dispor sobre sua vigência, alterou determinado artigo da Lei X.

O dispositivo com a alteração passa a vigorar:


a)na data da publicação da Lei Y;
b)quarenta e cinco dias após a publicação da Lei Y;
c)trinta dias após a publicação da Lei X;
d)noventa dias após a publicação da Lei Y;
e)cinco dias após a publicação da Lei X.

53Q878309
Direito Civil Prescrição e Decadência
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Em um contrato de prestação de serviços, Jorge (pintor) e Renata (contratante) dispuseram que o pagamento do
serviço somente poderia ser judicialmente exigido em até um ano após o vencimento da dívida.

Essa disposição contratual é considerada:


a)válida, visto que se trata de um prazo decadencial, que pode ser alterado pelos contratantes;
b)nula, pois um prazo prescricional não pode ser alterado pelos contratantes;
c)válida, desde que o prazo prescricional dessa espécie de obrigação seja inferior ao acordado;
d)nula, porque o prazo decadencial não pode ser alterado pelos contratantes;
e)válida, pois o prazo prescricional pode ser alterado pelos contratantes.

54Q878319
Direito Civil Direito de Família
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Maria teve o pedido de pensão previdenciária negado ao argumento de que Fernando, seu convivente falecido, não
a registrou em vida como companheira ou dependente em seu órgão pagador. Nesse sentido, a integralidade da
pensão foi destinada ao filho único Antônio, menor impúbere, que é fruto de seu relacionamento com Maria.

Nesse cenário, para que Maria obtenha o reconhecimento judicial de união estável e sua dissolução post mortem,
deverá propor ação em face de:
a)Fernando, postulando que seja nomeado um curador especial para defender os interesses do réu;
b)Antônio, devendo ser informado de que Maria será a representante legal do réu;
c)Antônio, devendo o juiz nomear um curador especial ao incapaz;
d)Antônio, requerendo a intervenção do Ministério Público para representar o incapaz;
e)espólio de Fernando, devendo o juiz nomear um defensor público para defesa do réu.

55Q878320
Direito Constitucional Disposições Gerais no Poder Judiciário
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
João, Juiz de Direito, após participar de concurso de remoção, tornou-se titular na Comarca X. Lá chegando,
constatou que a Comarca Y, vizinha à X, tinha melhor estrutura, contando com diversos hospitais e escolas de
ótima qualidade, do que carecia a Comarca X. Em razão desse quadro, solicitou ao órgão competente do respectivo
Tribunal de Justiça autorização para residir na Comarca Y.

À luz da sistemática constitucional, o requerimento de João:


a)deve ser indeferido de plano, pois o juiz titular é obrigado a residir na respectiva comarca;
b)pode vir a ser deferido pelo Tribunal de Justiça, que não está obrigado a tanto;
c)não pode ser deferido, pois somente o Conselho Nacional de Justiça pode autorizar o juiz a residir em outra
comarca;
d)deve ser redirecionado ao Supremo Tribunal Federal, o qual, na condição de órgão de cúpula, apreciá-lo-á;
e)deve ser indeferido de plano, pois o juiz titular pode residir onde melhor lhe aprouver, mesmo sem autorização.

56Q878321
Direito Constitucional
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Maria, Deputada Estadual, consultou sua assessoria sobre a competência do Estado para legislar sobre direito
financeiro. Em resposta, foi informada de que essa competência era exercida em caráter concorrente com a União.

À luz da sistemática constitucional, a informação fornecida pela assessoria de Maria indica que:
a)a União e o Estado podem legislar livremente sobre a matéria;
b)o Estado somente pode legislar sobre direito financeiro enquanto a União não o fizer;
c)a União somente pode legislar sobre direito financeiro enquanto o Estado não o fizer;
d)a União deve limitar-se à edição de normas gerais sobre a matéria;
e)a União e o Estado devem editar as leis sobre a matéria em caráter conjunto.

57Q878322
Direito Constitucional Direitos Individuais
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Pedro recebeu notificação da associação de moradores da localidade em que reside fixando o prazo de 15 (quinze)
dias para que ele apresentasse os documentos necessários à sua inscrição na referida associação. Ultrapassado
esse prazo, Pedro, segundo a notificação, incorreria em multa diária e seria tacitamente inscrito.

À luz da sistemática constitucional, Pedro:


a)está obrigado a atender à notificação, o que decorre do princípio fundamental da ideologia participativa;
b)somente está obrigado a se associar caso a notificação seja judicial;
c)pode ignorar a notificação, pois ninguém é obrigado a associar-se contra a sua vontade;
d)está obrigado a atender à notificação, mas só precisa permanecer associado por um ano;
e)está obrigado a atender à notificação enquanto o Poder Judiciário não o dispensar dessa obrigação.

58Q878323
Direito Constitucional
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
O Presidente da República foi acusado da prática de crime de responsabilidade perante o Senado Federal. Em
resposta, afirmou que a acusação não poderia ser endereçada à referida Casa Legislativa.

À luz da sistemática constitucional, a defesa apresentada pelo Presidente da República deve ser:
a)acolhida, pois a acusação deveria ter sido endereçada ao Supremo Tribunal Federal;
b)rejeitada, pois o Senado Federal deve receber a acusação para que o processo se inicie no Supremo Tribunal
Federal;
c)acolhida, pois a acusação deveria ter sido endereçada ao Superior Tribunal de Justiça;
d)rejeitada, pois o Senado Federal deve receber a acusação para que o processo se inicie na Câmara dos
Deputados;
e)acolhida, pois a acusação deveria ter sido endereçada à Câmara dos Deputados.

59Q878324
Direito Administrativo Organização da administração pública
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
O Governador do Estado Alfa convocou reunião com os presidentes das autarquias, das sociedades de economia
mista e das empresas públicas, bem como com representantes das Secretarias de Estado e as estruturas da Chefia
de Gabinete da Casa Civil, e determinou, dentre outras coisas, que, a partir daquela data, os entes da
Administração Pública indireta com personalidade jurídica de direito público deveriam apresentar dados quinzenais
a respeito da atuação do respectivo ente.

À luz da sistemática constitucional, dentre os participantes da reunião, somente são alcançadas pela determinação
do Governador do Estado:
a)as autarquias;
b)as sociedades de economia mista e as empresas públicas;
c)as Secretarias de Estado;
d)as estruturas da Chefia de Gabinete da Casa Civil;
e)as empresas públicas.

60Q878325
Direito Constitucional
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
O Governador do Estado Beta solicitou, ao Procurador-Geral de Justiça, que o respectivo Ministério Público
Estadual passasse a prestar consultoria jurídica à Secretaria de Estado de Finanças, contribuindo, desse modo, para
evitar a prática de ilícitos naquele setor.

À luz da sistemática constitucional, a solicitação do Chefe do Poder Executivo:


a)pode ser atendida, desde que a consultoria seja prestada por tempo determinado;
b)não pode ser atendida, pois ao Ministério Público é vedada a consultoria jurídica de entidades públicas;
c)pode ser atendida, mesmo que a consultoria seja prestada por tempo indeterminado;
d)não pode ser atendida, pois o Ministério Público somente poderia prestar consultoria ao Governador do Estado;
e)pode ser atendida, desde que autorizada pelo Tribunal de Justiça do Estado.

Respostas 41: 42: 43: 44: 45: 46: 47: 48: 49: 50: 51: 52: 53:
54: 55: 56: 57: 58: 59: 60:

61Q878326
Direito Constitucional
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
O Tribunal de Justiça do Estado Alfa proferiu acórdão, em sede de apelação, que, no entender de uma das partes,
seria frontalmente contrário à Constituição da República de 1988.

À luz da sistemática constitucional e sendo preenchidos os demais requisitos exigidos, é possível a interposição de
recurso extraordinário direcionado ao:
a)Superior Tribunal de Justiça;
b)Conselho Nacional de Justiça;
c)Supremo Tribunal Federal;
d)Tribunal Regional Federal;
e)Conselho Constitucional.

62Q878327
Direito Constitucional
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
O Tribunal de Justiça do Estado Beta encaminhou ao Chefe do Poder Executivo a sua proposta orçamentária anual,
a qual foi devolvida sob o argumento de equívoco no destinatário e na ausência de legitimidade do Tribunal para
elaborá-la.

À luz da narrativa acima e da sistemática constitucional, o entendimento do Chefe do Poder Executivo está:
a)totalmente equivocado, pois o Poder Judiciário, em razão de sua autonomia, deve elaborar a sua proposta
orçamentária e encaminhá-la ao Poder Executivo;
b)parcialmente certo, pois, apesar de o Poder Judiciário não ter legitimidade para elaborar a sua proposta
orçamentária, a análise inicial é feita pelo Poder Executivo;
c)parcialmente certo, pois o Poder Judiciário tem legitimidade para elaborar a sua proposta orçamentária, mas
deve encaminhá-la ao Poder Legislativo;
d)parcialmente certo, pois o Poder Judiciário tem legitimidade para elaborar a sua proposta orçamentária, mas
deve encaminhá-la ao Conselho Nacional de Justiça;
e)totalmente certo, pois a proposta orçamentária é elaborada pelo Poder Executivo, responsável pela arrecadação
tributária, e deve ser encaminhada ao Poder Legislativo.
63Q878328
Direito Constitucional
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Ao final do exercício financeiro, o Governador do Estado Alfa elaborou a sua prestação de contas e solicitou à sua
assessoria jurídica que informasse qual seria o órgão responsável por julgá- las, aprovando-as ou rejeitando-as.

À luz da sistemática constitucional, o referido órgão é:


a) o Tribunal de Justiça do Estado Alfa;
b)a Assembleia Legislativa do Estado Alfa;
c)o Congresso Nacional;
d)o Superior Tribunal de Justiça;
e)o Tribunal de Contas do Estado Alfa.

64Q878329
Direito Constitucional
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Peter, filho de cidadãos norte-americanos, nasceu em Alagoas quando seus pais ali estavam em gozo de férias.
Após o nascimento, foi para os Estados Unidos da América do Norte e jamais retornou à República Federativa do
Brasil.

À luz da sistemática constitucional, Peter:


a)é brasileiro nato;
b)é brasileiro naturalizado;
c)é brasileiro nato, desde que requeira a nova nacionalidade aos 18 anos de idade;
d)é brasileiro naturalizado, se requerer a naturalização aos 18 anos de idade;
e)não é brasileiro.

65Q878331
Direito Penal
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Disposições constitucionais e disposições legais tratam do tema aplicação da lei penal no tempo, sendo certo que
existem peculiaridades aplicáveis às normas de natureza penal.

Sobre o tema, é correto afirmar que:


a)a lei penal posterior mais favorável possui efeitos retroativos, sendo aplicável aos fatos anteriores, desde que até
o trânsito em julgado da ação penal;
b)a abolitio criminis é causa de extinção da punibilidade, fazendo cessar os efeitos penais e civis da condenação;
c)a lei penal excepcional, ainda que mais gravosa, possui ultratividade em relação aos fatos praticados durante sua
vigência;
d)os tipos penais temporários poderão ser criados através de medida provisória;
e) a combinação de leis favoráveis, de acordo com a atual jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, é admitida
no momento da aplicação da pena.

66Q878332
Direito Penal
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Arlindo desferiu diversos golpes de faca no peito de Tom, sendo que, desde o início dos atos executórios, tinha a
intenção de, com seus golpes, causar a morte do seu desafeto. No início, os primeiros golpes de faca causaram
lesões leves em Tom. Na quarta facada, porém, as lesões se tornaram graves, e os últimos golpes de faca foram
suficientes para alcançar o resultado morte pretendido.

Arlindo, para conseguir o resultado final mais grave, praticou vários atos com crescentes violações ao bem jurídico,
mas responderá apenas por um crime de homicídio por força do princípio da:
a)subsidiariedade, por se tratar de progressão criminosa;
b) alternatividade, por se tratar de crime progressivo;
c)consunção, por se tratar de progressão criminosa;
d)especialidade, por se tratar de progressão criminosa;
e)consunção, por se tratar de crime progressivo.

67Q878333
Direito Penal

Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Paulo, funcionário público do governo brasileiro, quando em serviço no exterior, vem a praticar um crime contra a
administração pública. Descoberto o fato, foi absolvido no país em que o fato foi praticado.

Diante desse quadro, é correto afirmar que Paulo:


a)não poderá ser julgado de acordo com a lei penal brasileira por já ter sido absolvido no estrangeiro;
b)somente poderá ser julgado de acordo com a legislação penal brasileira se entrar no território nacional;
c)não poderá ter contra si aplicada a lei penal brasileira porque o fato não ocorreu no território nacional;
d)poderá, por força do princípio da defesa real ou proteção, ser julgado de acordo com a lei penal brasileira;
e)poderá, com fundamento no princípio da representação, ser julgado de acordo com a lei penal brasileira.

68Q878334
Direito Penal Tipicidade
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Leandro, pretendendo causar a morte de José, o empurra do alto de uma escada, caindo a vítima desacordada.
Supondo já ter alcançado o resultado desejado, Leandro pratica nova ação, dessa vez realiza disparo de arma de
fogo contra José, pois, acreditando que ele já estaria morto, desejava simular um ato de assalto. Ocorre que
somente na segunda ocasião Leandro obteve o que pretendia desde o início, já que, diferentemente do que
pensara, José não estava morto quando foram efetuados os disparos.

Em análise da situação narrada, prevalece o entendimento de que Leandro deve responder apenas por um crime
de homicídio consumado, e não por um crime tentado e outro consumado em concurso, em razão da aplicação do
instituto do:
a)crime preterdoloso;
b)dolo eventual;
c)dolo alternativo;
d)dolo geral;
e)dolo de 2º grau.
69Q878335
Direito Penal Crimes contra a administração pública
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Ronaldo, que exercia função pública apenas temporariamente, sem receber remuneração, exige R$ 1.000,00 para
dar prioridade na prática de ato de ofício que era de sua responsabilidade. Apesar da exigência, o fato vem a ser
descoberto antes do pagamento da vantagem indevida e antes mesmo da prática com prioridade do ato de ofício.

Diante da descoberta dos fatos nos termos narrados, a conduta de Ronaldo configura:
a)corrupção passiva, devendo a pena ser aplicada considerando a modalidade tentada do delito;
b)concussão, devendo a pena ser aplicada considerando a modalidade consumada do delito;
c)corrupção passiva, devendo a pena ser aplicada considerando a modalidade consumada do delito;
d)concussão, devendo a pena ser aplicada considerando a modalidade tentada do delito;
e)atipicidade em relação aos crimes contra a Administração Pública, tendo em vista que o agente não pode ser
considerado funcionário público para fins penais.

70Q878336
Direito Penal Tipicidade
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Julia, primária e de bons antecedentes, verificando a facilidade de acesso a determinados bens de uma banca de
jornal, subtrai duas revistas de moda, totalizando o valor inicial do prejuízo em R$15,00 (quinze reais). Após ser
presa em flagrante, é denunciada pela prática do crime de furto simples, vindo, porém, a ser absolvida
sumariamente em razão do princípio da insignificância.

De acordo com a situação narrada, o magistrado, ao reconhecer o princípio da insignificância, optou por absolver
Julia em razão da:
a)atipicidade da conduta;
b)causa legal de exclusão da ilicitude;
c)causa de exclusão da culpabilidade;
d)causa supralegal de exclusão da ilicitude;
e)extinção da punibilidade.

71Q878337
Direito Penal Tipicidade
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
João, funcionário público de determinado cartório de Tribunal de Justiça, após apropriar-se de objeto que tinha a
posse em razão do cargo que ocupava, é convencido por sua esposa a devolvê-lo no dia seguinte, o que vem a
fazer, comunicando o fato ao seu superior, que adota as medidas penais pertinentes.

Diante desse quadro, é correto afirmar que:


a)houve arrependimento eficaz, sendo o comportamento de João penalmente impunível;
b)houve desistência voluntária, sendo o comportamento de João penalmente impunível;
c)deverá João responder pelo crime de peculato tentado;
d)deverá João responder pelo crime de peculato consumado, com a redução de pena pelo arrependimento
posterior;
e)deverá João responder pelo crime de peculato consumado, sem qualquer redução de pena.

72Q878338
Direito Penal Culpabilidade
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Pablo, funcionário público do Tribunal de Justiça, tem a responsabilidade de registrar em um livro próprio do
cartório os procedimentos que estão há mais de dez dias conclusos, permitindo o controle dos prazos por parte de
advogados. Por determinação do juiz responsável, que queria evitar que terceiros soubessem de sua demora, Pablo
deixa de lançar diversos processos que estavam conclusos para sentença há vários meses.

Considerando apenas as informações narradas, descoberto o fato, é correto afirmar que Pablo:
a)não praticou crime, porque agiu em estrita obediência a ordem de superior hierárquico;
b)não praticou crime, porque agiu em estrito cumprimento de dever legal;
c)deverá responder pelo crime de prevaricação;
d)deverá responder pelo crime de falsidade ideológica;
e)não praticou crime, porque agiu no exercício regular de direito.

73Q878339
Direito Penal
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
No Direito Penal, a doutrina costuma reconhecer o concurso de pessoas quando a infração penal é cometida por
mais de uma pessoa, podendo a cooperação ocorrer através de coautoria ou participação.

Sobre o tema, de acordo com o Código Penal, é correto afirmar que:


a)o auxílio material é punível se o crime chegar, ao menos, a ser cogitado;
b)as circunstâncias de caráter pessoal, diante de sua natureza, não se comunicam, ainda que elementares do crime;
c)em sendo de menor importância a participação ou coautoria, a pena poderá ser reduzida de um sexto a um terço;
d)a teoria sobre concurso de agentes adotada pela legislação penal brasileira, em regra, é a dualista;
e)se algum dos concorrentes quis participar de crime menos grave, ser-lhe-á aplicada a pena deste.

74Q878340
Direito Penal
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Gabriel, 25 anos, desferiu, de maneira imotivada, diversos golpes de madeira na cabeça de Fábio, seu irmão mais
novo. Após ser denunciado pelo crime de lesão corporal gravíssima, foi realizado exame de insanidade mental,
constatando-se que, no momento da agressão, Gabriel, em razão de desenvolvimento mental incompleto, não era
inteiramente capaz de entender o caráter ilícito do fato.

Diante da conclusão do laudo pericial, deverá ser reconhecida a:


a)inimputabilidade do agente, afastando-se a culpabilidade;
b)semi-imputabilidade do agente, afastando-se a culpabilidade;
c)inimputabilidade do agente, afastando-se a tipicidade;
d)semi-imputabilidade do agente, que poderá funcionar como causa de redução de pena;
e)semi-imputabilidade do agente, afastando-se a tipicidade.
75Q878341
Direito Processual Penal Inquérito Policial
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Enquanto organizava procedimentos que se encontravam no cartório de determinada Vara Criminal do Tribunal de
Justiça de Alagoas, o servidor identifica que há um inquérito em que foram realizadas diversas diligências para
apurar crime de ação penal pública, mas não foi obtida justa causa para o oferecimento de denúncia, razão pela
qual o Delegado de Polícia elaborou relatório final opinando pelo arquivamento. Verificada tal situação e com base
nas previsões do Código de Processo Penal, caberá ao:
a)juiz realizar diretamente o arquivamento, tendo em vista que já houve representação nesse sentido por parte da
autoridade policial, cabendo contra a decisão recurso em sentido estrito;
b)Ministério Público realizar diretamente o arquivamento, caso concorde com a conclusão do relatório da
autoridade policial, independentemente de controle judicial;
c)delegado de polícia, em caso de concordância do juiz, realizar diretamente o arquivamento após retorno do
inquérito policial para delegacia;
d)Ministério Público promover pelo arquivamento, cabendo ao juiz analisar a homologação em respeito ao
princípio da obrigatoriedade;
e)juiz promover pelo arquivamento, podendo o promotor de justiça requerer o encaminhamento dos autos ao
Procurador-Geral de Justiça em caso de discordância, em controle ao princípio da obrigatoriedade.

76Q878342
Direito Processual Penal Nulidades
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Perante a 1ª Vara Criminal de determinada comarca de Tribunal de Justiça, corre processo em que se investiga a
prática de crimes gravíssimos de organização criminosa e tráfico de drogas, sendo, inclusive, investigados grandes
empresários do Estado. Considerando o fato de que o juiz titular do órgão estaria afastado de licença médica há
muitos anos, diversos juízes participaram do feito: João proferiu decisões autorizando medidas cautelares antes
mesmo da denúncia; Jorge foi o responsável pelo recebimento da denúncia e por analisar o teor das respostas à
acusação apresentadas pela defesa; José participou da audiência de instrução e interrogatório dos réus. Após
apresentação das alegações finais, diante da complexidade do processo e dos inúmeros volumes, o Tribunal de
Justiça decidiu criar uma 5ª Vara Criminal especificamente para julgamento desse processo, impedindo que a 1ª
Vara Criminal tivesse seu processamento dificultado pela dedicação do magistrado que lá atuava à sentença que
deveria ser produzida. Com a sentença publicada, a 5ª Vara Criminal seria extinta.

Com base na situação exposta, a criação da 5ª Vara Criminal com o objetivo de proferir sentença no processo
complexo:
a)é válida, mas não poderá ela ser extinta logo após a sentença ser publicada em razão da possibilidade de
recursos;
b)não é válida, cabendo a João proferir a sentença em razão do princípio da identidade física do juiz;
c)é válida, podendo ela ser extinta logo após a publicação da sentença, nos termos previstos no ato do Tribunal de
Justiça;
d)não é válida, cabendo a Jorge proferir a sentença em razão do princípio da identidade física do juiz;
e)não é válida, cabendo a José proferir a sentença em razão do princípio da identidade física do juiz.

77Q878343
Direito Processual Penal Ação Penal
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Guilherme Nucci define ação penal como “o direito do Estado-acusação ou da vítima de ingressar em juízo,
solicitando a prestação jurisdicional, representada pela aplicação das normas de direito penal ao caso concreto”.
Tradicionalmente, a doutrina classifica as ações penais como públicas e privadas, que possuem diferentes
tratamentos a partir de sua natureza.

Assim, de acordo com as previsões do Código de Processo Penal e da doutrina, são aplicáveis às ações penais de
natureza privada os princípios da:
a)conveniência, indisponibilidade e indivisibilidade;
b)conveniência, indisponibilidade e divisibilidade;
c)oportunidade, disponibilidade e indivisibilidade;
d)oportunidade, disponibilidade e divisibilidade;
e) obrigatoriedade, disponibilidade e divisibilidade.

78Q878344
Direito Processual Penal Das Questões e Processos Incidentes
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Tício é funcionário auxiliar da justiça de certo cartório de Vara Criminal. Ao atuar em determinado procedimento,
verifica que Mévio, que é seu credor em razão de empréstimo, figura como réu na ação penal.

Identificada tal situação, é correto afirmar que Tício:


a)não poderá participar da ação penal em razão da causa de suspeição prevista no Código de Processo Penal, tendo
em vista que as prescrições sobre suspeição dos juízes estendem-se aos serventuários e funcionários da justiça;
b)poderá participar da ação penal, tendo em vista que ser credor da parte não configura causa de impedimento e
nem suspeição do magistrado a ser estendida ao funcionário auxiliar da justiça;
c)não poderá participar da ação penal em razão da causa de impedimento prevista no Código de Processo Penal,
tendo em vista que as prescrições sobre impedimento dos juízes estendem-se aos serventuários e funcionários da
justiça;
d)poderá participar da ação penal, tendo em vista que as prescrições sobre suspeição e impedimento dos juízes
não se aplicam aos serventuários e funcionários da justiça;
e)poderá participar da ação penal, tendo em vista que ser credor da parte é causa de impedimento e apenas as
prescrições sobre suspeição dos juízes, de acordo com o Código de Processo Penal, aplicam-se aos funcionários da
justiça.

79Q878345
Direito Processual Penal Da Competência
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Paulo pretende oferecer queixa-crime em face de Lucas em razão da prática de crime de calúnia majorada, não
sendo, assim, infração de menor potencial ofensivo. Procura, então, seu advogado e narra que Lucas o ofendeu
através de uma carta, que foi escrita na cidade A, mas só chegou ao conhecimento da vítima e de terceiros o seu
conteúdo quando lida na cidade B. Por outro lado, Paulo esclarece que atualmente está residindo na cidade C,
enquanto Lucas reside na cidade D.

Considerando as regras de competência previstas no Código de Processo Penal, é correto afirmar que:
a)a Comarca A é competente para julgamento, tendo em vista que o Código de Processo Penal adota a Teoria da
Atividade para definir a competência territorial para julgamento;
b)a queixa poderá ser oferecida perante a Vara Criminal da Comarca D, ainda que conhecido o local da infração;
c)a queixa poderá ser oferecida perante a Vara Criminal da Comarca C, ainda que conhecido o local da infração;
d)a queixa somente poderia ser oferecida perante a Vara Criminal da Comarca C se desconhecido o local da
infração;
e)o primeiro critério a ser observado para definir a competência sempre é o da prevenção.

80Q878347
Direito Processual Penal
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
O processo perante o Juizado Especial Criminal é marcado pelo princípio da oralidade, informalidade, celeridade e
economia processual, de modo que a Lei nº 9.099/95, que trata do tema no âmbito estadual, trouxe um
procedimento próprio, conhecido como sumaríssimo.

De acordo com as previsões da Lei nº 9.099/95, em respeito ao princípio da:


a)economia processual, a competência do Juizado Especial Criminal é definida pelo local da consumação do crime,
ainda que outro seja o local de sua prática;
b)celeridade, a citação a ser realizada no Juizado Especial Criminal poderá ser pessoal ou fictícia através de edital,
esta no caso de o acusado não ser localizado;
c)economia processual, dos atos praticados em audiência considerar-se-ão desde logo cientes as partes e
interessados, mas não os advogados constituídos e defensores, que têm a prerrogativa de intimação pessoal;
d)oralidade, serão objeto de registro escrito exclusivamente os atos havidos como essenciais, como denúncia,
alegações finais e sentença, que devem, em regra, ser integralmente transcritos;
e)celeridade, a prática de atos processuais em outras comarcas poderá ser solicitada por qualquer meio hábil de
comunicação.

Respostas 61: 62: 63: 64: 65: 66: 67: 68: 69: 70: 71: 72: 73:
74: 75: 76: 77: 78: 79: 80:

81Q878348
Direito Processual Penal
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Após comparecer em todos os endereços registrados em nome de Caio para citação e não o localizar e nem obter
informações sobre seu paradeiro, o oficial de justiça certifica que o acusado se encontra em local incerto e não
sabido. Verificada a veracidade do teor da certidão, deverá ser buscada a citação de Caio, de acordo com o Código
de Processo Penal e com a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal:
a)com hora certa, desde que o oficial de justiça tenha comparecido ao menos três vezes no endereço do
denunciado;
b)por edital, devendo conter nesse, necessariamente, o nome do réu, o nome do promotor responsável pela
denúncia e do juiz que a determinar, sob pena de nulidade;
c)por edital, e, caso não compareça após o prazo fixado em tal modalidade de citação, ficará suspenso o curso do
processo e do prazo prescricional, ainda que o acusado constitua advogado para essa ação penal;
d)por edital, não havendo nulidade se houver indicação do dispositivo da lei penal correspondente à inicial
acusatória, embora não haja transcrição da denúncia ou resumo dos fatos em que se baseia;
e)por carta com aviso de recebimento, devendo o processo prosseguir caso, ainda assim, o acusado não compareça
e nem constitua advogado.

82Q878349
Direito Processual Penal Das Provas
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Lucas caminhava pela rua, por volta de 7 horas, quando foi abordado por Pedro, que, mediante grave ameaça com
emprego de simulacro de arma de fogo, subtraiu seu aparelho celular. Em seguida, Pedro entregou o simulacro de
arma de fogo para seu irmão, que coincidentemente passava pela localidade, e pediu para que ele guardasse o
objeto em sua residência. Diante disso, o irmão de Pedro guardou o simulacro em sua casa e depois foi para o
trabalho. Por outro lado, ainda pouco tempo após o crime, policiais militares passaram pela localidade, de modo
que Lucas apontou para Pedro como o autor do fato. Os policiais abordaram Pedro e realizaram busca em seu
corpo, vindo a ser localizado o celular subtraído. Chegando na Delegacia, ao tomar conhecimento dos fatos, o
Delegado determina que os policiais compareçam à residência do irmão de Pedro para apreender o instrumento do
crime, o que efetivamente fazem os agentes da lei por volta de 16 horas.

Considerando apenas a situação narrada, é correto afirmar que a busca:


a)pessoal realizada em Pedro foi válida, assim como a busca domiciliar para apreensão do instrumento do crime,
independentemente de mandado de busca e apreensão;
b)pessoal realizada em Pedro e a busca na residência de seu irmão foram inválidas, pois ambas dependiam de
mandado de busca e apreensão;
c)pessoal realizada em Pedro foi válida, independentemente de mandado, diferentemente do que ocorreu na
busca na residência do irmão do autor do fato, que foi inválida por depender de mandado de busca e apreensão;
d)domiciliar no imóvel do irmão de Pedro foi válida, pois prescinde de mandado de busca e apreensão,
diferentemente da busca pessoal em Pedro, que foi inválida;
e)domiciliar no imóvel do irmão de Pedro foi inválida, pois, apesar de prescindir de mandado de busca e apreensão,
foi realizada em período noturno, diferentemente da busca pessoal em Pedro, que foi válida.

83Q878350
Direito Processual Penal Nulidades
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
O Código de Processo Penal, em seus artigos 563 e seguintes, disciplina o tema “ as Nulidades”, sendo certo que o
diploma legal confere tratamento próprio de acordo com as peculiaridades do processo penal brasileiro.

Sobre o tema, com base nas previsões do Código de Processo Penal, é correto afirmar que:
a)o ato deverá ser declarado nulo quando verificada a existência de nulidade, independentemente de resultar
prejuízo para acusação ou defesa;
b)a nulidade de intimação estará sanada quando o interessado comparecer e indicar ter conhecimento do ato, que
poderá ser adiado pelo juiz quando verificado que a irregularidade poderá prejudicar direito da parte;
c)a nulidade, sempre que gerar prejuízo, poderá ser arguida por qualquer das partes, ainda que tenha sido aquela
que a arguiu a dar causa ao ato nulo;
d)o reconhecimento de incompetência do juízo, em regra, anula, de imediato, tanto os atos decisórios quanto os
despachos e demais atos sem conteúdo decisório;
e)a nulidade, mesmo diante de ato que não tenha influído na apuração da verdade substancial ou na decisão da
causa, deverá ser reconhecida quando houver desrespeito à formalidade do ato.

84Q878431
Direito Administrativo Processo Administrativo - Lei 9.784/99
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Em matéria de responsabilidade administrativa por falta funcional de servidor público, de acordo com a
jurisprudência do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça:
a)o termo inicial do prazo prescricional em processo administrativo disciplinar começa a correr necessariamente da
data do fato;
b)a falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição da
República de 1988;
c)a utilização de prova emprestada produzida no processo criminal para o processo administrativo disciplinar é
vedada, em qualquer hipótese;
d)as instâncias administrativa e penal são independentes entre si, inclusive quando reconhecida a inexistência do
fato ou a negativa de autoria na esfera criminal;
e)o excesso de prazo para conclusão do processo administrativo disciplinar gera sua nulidade automática,
independentemente da demonstração do prejuízo para a defesa.

85Q878433
Direito Administrativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Os órgãos públicos são centros de competência especializada criados por lei, sem personalidade jurídica, com
escopo de garantir maior eficiência no exercício de suas funções.
Nesse sentido, de acordo com a doutrina de Direito Administrativo e a jurisprudência do Superior Tribunal de
Justiça, uma Câmara Municipal:
a)apesar de não ter personalidade jurídica própria, goza de capacidade processual para demandar em juízo,
defendendo seus direitos institucionais;
b)apesar de não ter personalidade jurídica autônoma, goza de capacidade processual para demandar em juízo
sobre qualquer assunto que seu Presidente decidir discricionariamente;
c)ostenta personalidade jurídica de direito público, como integrante da Administração Direta, e possui capacidade
processual para demandar em juízo na defesa de seus interesses;
d)ostenta personalidade jurídica de direito público, como integrante da Administração Indireta, e possui
capacidade processual para demandar em juízo na defesa de seus interesses;
e)ostenta personalidade jurídica de direito público, como integrante da Administração Direta, e possui capacidade
processual para demandar em juízo sobre qualquer assunto que seu Presidente decidir discricionariamente.

86Q878434
Direito Administrativo Licitações e Lei 8.666 de 1993.
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
O Governador do Estado de Alagoas pretende realizar a contratação de serviços técnicos de publicidade e
divulgação dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos estaduais, com caráter educativo,
informativo e de orientação social, com profissionais ou empresas de notória especialização. Os estudos técnicos
preliminares necessários revelaram que o valor total do contrato ficou estimado em quatrocentos mil reais.
De acordo com os ditames da Lei nº 8.666/93, a contratação pretendida:
a)deverá ser precedida de licitação, na modalidade tomada de preços ou concorrência, em razão do valor do
contrato;
b)deverá ser precedida de licitação, necessariamente na modalidade concorrência, em razão do valor do contrato;
c)deverá ser precedida de licitação, na modalidade convite, em razão do valor do contrato;
d)poderá ser feita mediante dispensa de licitação, diante de permissivo legal;
e)poderá ser feita mediante inexigibilidade de licitação, diante de permissivo legal.

87Q878435
Direito Administrativo Poderes da Administração
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
As atividades que envolvem a consecução do poder de polícia são sumariamente divididas em quatro grupos, a
saber:
(i) legislação;
(ii) consentimento;
(iii) fiscalização; e
(iv) sanção.
Sobre a delegação do poder de polícia a uma sociedade de economia mista, a jurisprudência consolidada do
Superior Tribunal de Justiça é no sentido de sua:
a)possibilidade em relação aos atos de fiscalização e sanção, porque decorrem do poder discricionário da
Administração Pública, mas não pode ocorrer delegação dos atos de legislação e consentimento, pois derivam do
poder vinculado;
b)possibilidade em relação aos atos de legislação, consentimento, fiscalização e sanção, diante da autonomia dos
entes federativos, que ostentam o poder discricionário para decidir a forma como prestam os serviços públicos;
c)possibilidade em relação aos atos de consentimento e fiscalização, pois estão ligados ao poder de gestão do
Estado, mas não pode ocorrer delegação dos atos de legislação e sanção, pois derivam do poder de coerção;
d)impossibilidade, em qualquer das fases de legislação, consentimento, fiscalização e sanção, pois apenas os órgãos
da administração direta e os que ostentem personalidade jurídica de direito público da administração indireta
exercem legitimamente a autoexecutoriedade de seus atos;
e)impossibilidade, em qualquer das fases de legislação, consentimento, fiscalização e sanção, pois qualquer forma
de exercício de poder de polícia traz implícito o atributo da imperatividade do ato administrativo, que só pode ser
legitimamente exercido pela administração direta.

88Q878436
Direito Administrativo Atos administrativos
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Pelo princípio da motivação, o Administrador Público deve motivar as suas decisões, expondo os fundamentos de
fato e de direito que embasaram a prática daquele ato administrativo.

Quando o agente público motiva seu ato mediante declaração de concordância com fundamentos de anteriores
pareceres, informações, decisões ou propostas, como parte integrante do ato, de acordo com a jurisprudência e
com a Lei Federal nº 9.784/99, sua conduta é:
a)ilícita, devendo o ato ser invalidado porque o ordenamento jurídico exige motivação expressa e idônea específica
para cada ato administrativo;
b)ilícita, devendo o ato ser revogado porque o ordenamento jurídico exige motivação legítima, expressa e idônea
para cada ato administrativo;
c)ilícita, devendo o ato ser invalidado por ofensa aos princípios da administração pública da legalidade, da
transparência e da finalidade;
d)lícita, pois é possível a utilização da motivação aliunde dos atos administrativos, quando a motivação do ato
remete a de ato anterior que embasa sua edição;
e)lícita, pois a exigência de fundamentação não recai no campo da validade do ato administrativo, e sim no de sua
eficácia, cabendo sua convalidação, com posterior complementação da motivação.

89Q878437
Direito Administrativo Responsabilidade civil do estado
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
O Presidente de determinada autarquia de Alagoas, no exercício de suas funções, praticou ato ilícito civil que
causou danos a determinado usuário do serviço prestado pela entidade.
No caso hipotético narrado, incide a responsabilidade civil:
a)subjetiva e solidária da autarquia e do Estado de Alagoas que a criou por lei específica;
b)subjetiva e primária da autarquia, mas o Estado de Alagoas não pode ser responsabilizado porque a autarquia
tem personalidade jurídica própria;
c)objetiva e primária da autarquia, mas o Estado de Alagoas não pode ser responsabilizado porque a autarquia tem
personalidade jurídica própria;
d)objetiva e solidária da autarquia e do Estado de Alagoas que a criou por lei específica;
e)objetiva e primária da autarquia, bem como objetiva e subsidiária do Estado de Alagoas.

90Q878438
Direito Constitucional Organização dos Poderes
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
A Assembleia Legislativa Estadual acaba de aprovar emenda à Constituição Estadual de autoria de Deputado
Estadual criando o Conselho Estadual de Justiça, órgão de controle externo administrativo do Poder Judiciário
estadual do qual participam representantes de outros poderes e entidades da sociedade civil.
Tendo por base os ensinamentos doutrinários em matéria de controle da Administração Pública e a jurisprudência
do Supremo Tribunal Federal, a norma criada é:
a)constitucional, porque os Estados-membros gozam de autonomia administrativa e competência constitucional
para legislar sobre organização judiciária e controle da administração;
b)constitucional, pois se aplica o princípio do paralelismo ou simetria, eis que, na esfera da União, a Constituição da
República de 1988 criou validamente o Conselho Nacional de Justiça;
c)inconstitucional, pois o princípio da separação dos poderes e da inafastabilidade do controle jurisdicional
impedem que o Executivo ou Legislativo exerçam controle externo sobre o Judiciário;
d)inconstitucional, pois os Estados-membros carecem de competência constitucional para instituir este tipo de
órgão, além de se criar risco ao pacto federativo;
e)inconstitucional, pois o Poder Judiciário não está sujeito a qualquer tipo de controle externo, com exceção da
competência constitucional do Conselho Nacional de Justiça.

91Q878440
Direito Administrativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
João, ocupante do cargo efetivo de Analista Judiciário, no exercício de suas funções, recebeu, para si,
mensalmente, durante um ano, a quantia de mil reais em dinheiro, a título de presente de Márcio, que figura como
réu em determinado processo que tramita na Vara onde João está lotado. Em contrapartida, o Analista Judiciário
deixou de dar andamento ao processo que potencialmente poderia causar prejuízo econômico a Márcio.

No caso descrito, a ação civil pública por ato de improbidade administrativa:


a)não pode ser ajuizada em face de nenhum personagem, eis que não houve danos ao erário, restando a
responsabilização em âmbito disciplinar e criminal;
b)não pode ser ajuizada em face de Márcio, porque não é agente público, mas deve ser promovida em desfavor do
Analista Judiciário, por ofensa ao princípio da moralidade;
c)deve ser ajuizada em face de ambos os personagens, eis que praticaram conjuntamente o ato ilícito,
independentemente de ter ocorrido dano ao erário, e será processada e julgada originariamente no Tribunal de
Justiça;
d)deve ser ajuizada em face do agente público que praticou o ato ímprobo, por conduta dolosa e omissiva, bem
como do particular que se beneficiou do ilícito, independentemente de ter ocorrido dano ao erário;
e)deve ser ajuizada em face de ambos os personagens, eis que praticaram conjuntamente o ato ilícito, com
domínio final do fato, e será processada e julgada na Vara Criminal competente.

92Q878441
Direito Constitucional Classificação das Constituições
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Após um conflito armado interno, o grupo vitorioso elaborou nova Constituição para o País Delta. Ato contínuo,
submeteu o texto a plebiscito popular, daí resultando a sua aprovação por larga maioria. A Constituição assim
aprovada dispôs que parte de suas normas somente poderia ser alterada com observância de um processo
legislativo qualificado, mais rigoroso que o das demais espécies legislativas, enquanto que a outra parte poderia ser
alterada com observância do processo legislativo adotado para as leis ordinárias.

À luz da classificação das Constituições, a Constituição do País Delta pode ser classificada como:
a)democrática, material e rígida;
b)cesarista, formal e semirrígida;
c)promulgada, material e flexível;
d)participativa, formal e semirrígida;
e)popular, material e rígida.

93Q878442
Direito Constitucional Direitos Políticos
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Jean, nacional francês residente no território brasileiro, procurou um advogado e solicitou que fosse esclarecido
que direitos a ordem jurídica brasileira lhe assegurava, mais especificamente se possuía direitos fundamentais e
direitos políticos.

À luz da sistemática constitucional, o advogado deve afirmar que Jean:


a)possui direitos políticos e fundamentais idênticos aos dos brasileiros naturalizados;
b)não possui direitos políticos e fundamentais de qualquer natureza;
c)possui direitos fundamentais em extensão inferior aos dos brasileiros, mas não direitos políticos;
d)possui direitos fundamentais idênticos aos dos brasileiros, mas direitos políticos inferiores;
e)possui direitos políticos e fundamentais em extensão inferior aos dos brasileiros.

94Q878443
Direito Constitucional
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
De acordo com o Art. 5º, LVIII, da Constituição da República de 1988, “o civilmente identificado não será submetido
a identificação criminal, salvo nas hipóteses previstas em lei”.

Considerando os aspectos afetos à supremacia e à aplicabilidade das normas constitucionais, a partir da


interpretação do referido preceito obtém-se uma norma constitucional de eficácia:
a)contida e aplicabilidade imediata;
b)plena e aplicabilidade imediata;
c)programática e aplicabilidade mediata;
d)limitada e aplicabilidade imediata;
e)plena e aplicabilidade mediata.

95Q878444
Direito Constitucional
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Eraldo, que jamais deixara de votar em uma eleição, cumprindo fielmente os seus deveres cívicos, tomou
conhecimento de que o Prefeito Municipal estava realizando diversos gastos de forma irregular, sem a prévia
realização de processo licitatório e sem qualquer motivo idôneo à contratação direta.

Com o objetivo de responsabilizar o Prefeito pelos danos causados ao patrimônio público, Eraldo procurou um
advogado e solicitou que fosse informado da ação que poderia ajuizar.

À luz da sistemática constitucional, essa ação é:


a)o mandado de segurança;
b)a ação penal;
c)o mandado de injunção;
d)a ação popular;
e)a reclamação constitucional.

96Q878445
Direito Constitucional
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
O Estado Alfa ingressou com ação judicial em face da União, postulando que fosse reconhecido que, entre os bens
do Estado, figuravam as terras devolutas situadas em seu território, tidas como indispensáveis à defesa das
fronteiras.

À luz da sistemática constitucional, o referido pedido deve ser julgado:


a)procedente, pois todas as terras devolutas pertencem aos Estados;
b)improcedente, pois todas as terras devolutas pertencem aos Municípios;
c)procedente, pois somente as terras devolutas situadas em ilhas pertencem à União;
d)improcedente, pois as terras devolutas indispensáveis à defesa das fronteiras pertencem à União;
e)procedente, pois somente as terras devolutas situadas em capitais pertencem à União e aos Municípios.

97Q878446
Direito Administrativo Agentes públicos e Lei 8.112 de 1990
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
João, após sucessivas tentativas, não logrou êxito em ser aprovado em concurso público. No entanto, como Pedro,
seu amigo, foi eleito e tomou posse no cargo de Prefeito Municipal, João veio a ser nomeado para função de
confiança junto a uma secretaria municipal.

Por entender que a nomeação foi irregular, o Ministério Público ingressou com ação judicial para que tal fosse
reconhecido.

À luz da sistemática constitucional, a ação ajuizada pelo Ministério Público, observados os demais requisitos
exigidos:
a)não deve ser acolhida, pois, apesar de as funções de confiança serem privativas dos titulares de cargos de
provimento efetivo, o Ministério Público não pode propor a ação;
b)deve ser acolhida, pois as funções de confiança são privativas dos titulares de cargos de provimento efetivo e o
Ministério Público pode propor a ação;
c)não deve ser acolhida, pois as funções de confiança não são privativas dos titulares de cargos de provimento
efetivo, embora o Ministério Público pudesse propor a ação;
d)deve ser acolhida, pois não podem existir funções de confiança no plano estadual e o Ministério Público pode
propor a ação;
e)não deve ser acolhida, pois as funções de confiança não são privativas dos titulares de cargos de provimento
efetivo e o Ministério Público não pode propor a ação.

98Q878447
Direito Constitucional
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
João, em petição dirigida ao Conselho Nacional de Justiça, solicitou que fossem aplicadas sanções administrativas a
um Defensor Público que, de acordo com a sua narrativa, teria se negado a atendê-lo, o que fez com que o seu
direito se extinguisse.
À luz da sistemática constitucional, o Conselho Nacional de Justiça:
a)deve receber a petição de João, mas somente pode recomendar que o Defensor Público venha a atendê-lo;
b)não deve receber a petição de João, pois a Defensoria Pública não está sujeita à sua fiscalização;
c)deve receber a petição de João, podendo punir o Defensor Público e determinar que venha a atendê-lo;
d)não deve receber a petição de João, pois as instâncias administrativas locais não foram previamente exauridas;
e)deve receber a petição de João, mas não punir o Defensor Público por conduta praticada fora do processo
judicial.

99Q878448
Direito Constitucional Controle de Constitucionalidade
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
O Governador do Estado Alfa, ao tomar conhecimento de que o Supremo Tribunal Federal declarara a
inconstitucionalidade da Lei X do referido Estado, decidiu ajuizar ações diretas de inconstitucionalidade contra leis
semelhantes, de outros Estados da federação, de teor praticamente idêntico, embora não tivessem qualquer
correlação com o Estado Alfa. As ações foram ajuizadas perante o Supremo Tribunal Federal.
À luz da sistemática constitucional, o Governador do Estado Alfa:
a)não tem legitimidade para ajuizar ações diretas de inconstitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal;
b)tem legitimidade universal para ajuizar ações diretas de inconstitucionalidade perante o Supremo Tribunal
Federal;
c)deveria demonstrar a relevância da matéria para o Estado Alfa para que sua legitimidade fosse reconhecida;
d)somente tem legitimidade para ajuizar ações diretas de inconstitucionalidade contra leis do Estado Alfa;
e)deveria ter sido autorizado pela Assembleia Legislativa do Estado Alfa a ajuizar as ações diretas.

100Q878449
Direito Constitucional Controle de Constitucionalidade
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
O Juiz de Direito da Comarca Alfa proferiu sentença nitidamente contrária ao teor de súmula vinculante.

À luz da sistemática constitucional, o meio adequado para cassar a referida sentença, com a consequente
determinação de que outra seja proferida, é:
a)o recurso extraordinário ao Supremo Tribunal Federal;
b)o recurso especial ao Superior Tribunal de Justiça;
c)o recurso ordinário ao Superior Tribunal de Justiça;
d)o recurso ordinário ao Supremo Tribunal Federal;
e)a reclamação ao Supremo Tribunal Federal.

Respostas 81: 82: 83: 84: 85: 86: 87: 88: 89: 90: 91: 92: 93:
94: 95: 96: 97: 98: 99: 100:
______________________________________________________________________________________________
_________

101Q878450
Direito Constitucional Controle de Constitucionalidade
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
A Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado Gama reconheceu, incidentalmente, pela unanimidade dos seus
membros, a inconstitucionalidade da Lei Federal X, e deixou de aplicá-la no julgamento do recurso de apelação
submetido à sua apreciação.
À luz da sistemática constitucional e considerando ter sido esse o primeiro acórdão proferido pelo Poder Judiciário
brasileiro reconhecendo a inconstitucionalidade da Lei Federal X, o procedimento adotado pela Câmara está:
a)certo, pois a inconstitucionalidade ainda não tinha sido reconhecida por nenhum órgão do Poder Judiciário;
b)certo, pois a inconstitucionalidade foi reconhecida pela unanimidade dos desembargadores que a integram;
c)errado, pois os órgãos do Tribunal de Justiça somente podem reconhecer a inconstitucionalidade de leis
estaduais ou municipais;
d)errado, pois a inconstitucionalidade deve ser reconhecida pela maioria absoluta dos membros do Tribunal ou do
respectivo Órgão Especial;
e)errado, pois o processo deveria ter sido suspenso até que o Supremo Tribunal Federal se pronunciasse sobre a
inconstitucionalidade.

102Q878451
Direito Civil
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Por meio de instrumento particular, Maria e Carlos pactuaram a venda de um imóvel pelo preço de R$ 200.000,00.
Na ocasião da assinatura do contrato, Carlos, comprador, imitiu-se na posse do bem. Ao levar o pacto para registro
no ofício de imóveis, o tabelionato comunicou a Carlos que se recusaria a praticar o ato, visto que o negócio
jurídico padecia de invalidade.
Diante dessa situação, é correto afirmar que:
a)a recusa do tabelionato é indevida, visto que a eventual irregularidade pode ser sanada e o negócio confirmado
pelas partes;
b)o negócio jurídico é inexistente e, portanto, Carlos deverá devolver o imóvel a Maria, contra o reembolso das
benfeitorias úteis;
c)a recusa do cartório é devida e as disposições do instrumento subscrito pelas partes são inválidas;
d)a compra e venda desejada pelas partes é válida, apesar da nulidade do instrumento que a previu;
e)o negócio jurídico produz efeitos de promessa de compra e venda e deve ser assim registrado, ainda que as
partes não tenham previsto eventual irregularidade no pacto.

103Q878453
Direito Civil Direito de Família
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Janaína, divorciada e mãe de três filhos maiores, estabelece união homoafetiva com Jurema, sem, contudo,
regulamentar a relação por escrito. Ao longo do período de convivência, Janaína adquiriu pequeno apartamento,
onde estabeleceu residência com sua companheira.

Diante do recente falecimento de Janaína, aos 58 anos, que apenas deixou o imóvel em que residia, Jurema fará
jus:
a)à meação do bem e ao direito real de habitação sobre o referido bem;
b)a um sétimo do apartamento;
c)à meação e a um quarto do imóvel;
d)a um quarto do imóvel e ao direito real de habitação sobre o referido bem;
e)à meação, a mais um quarto do imóvel e ao direito de habitação sobre o referido bem.

104Q878454
Direito Civil Direito das Coisas / Direitos Reais
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
A Associação dos Amantes do Turismo (AAT) recebeu, a título de usufruto instituído pelo associado Jorge, um
imóvel de sua propriedade. As partes convencionaram, no título de instituição, que o usufruto seria pelo prazo de
vinte anos. Decorridos dez anos da instituição, os associados, sem a participação de Jorge, que morrera há dois
anos, deliberaram, em assembleia, ceder gratuitamente o usufruto do imóvel à Associação de Agentes de Viagem
(AAV), em reconhecimento a serviços recebidos pela AAT.

A cessão, feita sem prazo determinado, é considerada:


a)válida, pois, consolidada a propriedade com a morte de Jorge, a AAT poderia destinar o bem da forma que lhe
aprouvesse;
b)inválida, pois a cessão gratuita do usufruto dependeria da autorização de Jorge;
c)válida e vigerá até o término do prazo previsto no ato de instituição do usufruto por Jorge;
d)ineficaz, pois o instituto do usufruto não permite cessão gratuita;
e)válida e vigerá por trinta anos a partir da instituição do usufruto por Jorge.

105Q878455
Direito Civil Direito das Coisas / Direitos Reais
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Alessandra, ao passar ao lado do prédio em que se encontra estabelecido o Condomínio do Edifício Praia Bonita, é
atingida por um carrinho de brinquedo, proveniente do alto da edificação. Ao olhar para cima, vê crianças saindo
da janela do apartamento 502, mas não pode afirmar ao certo de onde veio o objeto.
Nessas circunstâncias, responde pelos danos sofridos por Alessandra:
a)o síndico do condomínio;
b)o morador do apartamento 502;
c)o responsável pelas crianças do apartamento 502;
d)ninguém, pois inimputáveis os prováveis autores do dano;
e)o condomínio.

106Q878456
Direito Civil Responsabilidade civil
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Em 31 de janeiro de 2018, Renato, avisado por amigos, acessou sua rede social e verificou que Felipe, seu desafeto,
dirigiu-lhe palavras de baixo calão, desonrando-o, mediante postagem pública ocorrida em 22 de janeiro de 2018.
Em 05 de fevereiro do mesmo ano, Felipe recebe notificação de Renato, solicitando que fosse apagada a
mensagem desonrosa. Ante a inércia de Felipe, Renato ajuíza, em 09 de março de 2018, ação pleiteando a retirada
da mensagem, bem como a condenação de Felipe ao pagamento de indenização pelos danos morais sofridos.

A mora da obrigação de indenizar é verificada:


a)em 31 de janeiro de 2018;
b)em 22 de janeiro de 2018;
c)quando do trânsito em julgado da sentença;
d)em 05 de fevereiro de 2018;
e)em 09 de março de 2018.

107Q878466
Direito Penal

Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Com muitos processos conclusos para sentença, juiz de determinada Vara Criminal solicita que seu secretário
analise uma ação penal em que se imputa a Jorge a prática de crime de roubo majorado, em fase de sentença,
fazendo resumo dos fatos e destacando os aspectos relevantes para fins de aplicação da pena. Nos autos do
processo consta que o denunciado i) tinha 20 anos na data dos fatos; ii) possuía condenação cujo trânsito em
julgado ocorreu antes da prática do delito ora julgado; iii) confessou os fatos durante seu interrogatório; iv)
empregou arma branca e agiu em concurso de agentes com outro indivíduo não identificado quando da subtração
da coisa alheia.
Com base nos dados acima descritos, o secretário deverá destacar, em seu resumo, de acordo com a jurisprudência
dos Tribunais Superiores, que:
a)existem duas atenuantes da pena, logo a pena intermediária poderá ser aplicada abaixo do mínimo penal;
b)existem duas causas de aumento de pena, de modo que a pena poderá ser aumentada em patamar acima do
mínimo previsto em razão apenas da quantidade de majorantes;
c)não devem ser reconhecidas causas de aumento, já que não houve emprego de arma de fogo e o coautor não foi
identificado;
d)poderá haver compensação da agravante da reincidência com a atenuante da menoridade relativa ou atenuante
da confissão espontânea;
e)não deve ser reconhecida a causa de aumento do emprego de arma, mas deve a pena ser majorada em razão do
concurso de agentes.

108Q878467
Direito Penal
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
De maneira geral, a doutrina define prescrição como a perda do direito do Estado de punir ou de executar
determinada pena em razão da inércia estatal com o decurso do tempo. Tradicionalmente, o instituto é classificado
em prescrição da pretensão punitiva e prescrição da pretensão executória.

Sobre essa causa de extinção da punibilidade, é correto afirmar que:


a)a idade do réu, seja qual for, não é relevante para fins de definição do prazo prescricional;
b)o oferecimento da denúncia é a primeira causa de interrupção do prazo prescricional;
c)a reincidência do agente é relevante para a definição do prazo prescricional da pretensão executória, mas não do
prazo da prescrição da pretensão punitiva pela pena em abstrato;
d)o reconhecimento da prescrição, seja da pretensão punitiva seja da pretensão executória, afasta todos os efeitos
penais e extrapenais da condenação;
e)o prazo prescricional se inicia, no crime de bigamia, na data da constituição do segundo casamento, ainda que o
fato se torne conhecido para terceiros em outro momento.

109Q878468
Direito Penal Concurso de crimes
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Valter, 30 anos, foi denunciado pela prática de crime de estupro de vulnerável (Art. 217-A, §1º do CP – pena: 8 a 15
anos de reclusão) e corrupção de menores (Art. 244-B, Lei nº 8.069/90 – pena: 1 a 4 anos de reclusão) em concurso
formal de delitos, pois, segundo consta da denúncia, na companhia de seu sobrinho de 16 anos, teria praticado
conjunção carnal com vítima de 22 anos que possuía deficiência mental e não podia oferecer resistência. Consta do
procedimento a informação de que o adolescente responderia a outra ação socioeducativa pela suposta prática de
ato infracional. Os fatos são integralmente confirmados durante a instrução, de modo que o Ministério Público
requer a condenação nos termos da denúncia. A defesa, porém, requer a absolvição do crime de corrupção de
menores e aplicação da pena mínima do estupro.
Considerando as informações narradas e que não há circunstância a justificar a aplicação da pena de qualquer dos
crimes, em caso de condenação, acima do mínimo legal, no momento da sentença:
a)não deverá ser reconhecida a corrupção de menores, diante do passado infracional do adolescente, afastando-se
o concurso de crimes;
b)deverá ser reconhecida a corrupção de menores, não havendo, porém, quaisquer consequências na aplicação da
pena, já que o crime de estupro é mais grave;
c)não deverá ser reconhecida a corrupção de menores, que resta configurada quando o agente pratica crime com
menor de 14 anos, afastando-se o concurso de crimes;
d)deverá ser reconhecida a corrupção de menores e, aplicando-se a pena mínima do crime de estupro de
vulnerável, diante do concurso formal, deverá, no caso, ser aplicada a regra da exasperação;
e)deverá ser reconhecida a corrupção de menores e, aplicando-se a pena mínima do crime de estupro de
vulnerável, diante do concurso formal, deverá, no caso, ser aplicada a regra da cumulação de penas.

110Q878469
Direito Penal Penas privativas de liberdade
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Luiz, primário e de bons antecedentes, sem qualquer envolvimento pretérito com crime, não mais aguentando ver
seu filho chorar e pedir a compra de um videogame que todos os colegas da escola tinham, aceita transportar,
mediante recebimento de valores, por solicitação de seu cunhado, 30g de maconha para determinado endereço de
município vizinho ao que residia, no mesmo Estado da Federação. Durante o transporte, antes mesmo de
ultrapassar o limite do município em que residia, vem a ser preso em flagrante. Durante a instrução, todos os fatos
acima narrados são confirmados, inclusive a intenção de transportar as drogas para outro município.
Considerando apenas as informações expostas, no momento da sentença:
a)poderá Luiz ser absolvido em razão da excludente da culpabilidade da inexigibilidade de conduta diversa;
b)poderá ser aplicada a causa de diminuição do tráfico privilegiado, inclusive sendo possível a substituição da pena
privativa de liberdade por restritiva de direitos;
c)não poderá ser aplicada a causa de diminuição de pena do tráfico privilegiado, já que incompatível com a causa
de aumento do tráfico intermunicipal, que deve ser reconhecida;
d)não poderá ser reconhecida a causa de aumento do tráfico intermunicipal prevista na Lei nº 11.343/06, pois não
houve efetiva transposição da fronteira, mas poderá ser reconhecida a causa de diminuição do tráfico privilegiado;
e)poderão ser reconhecidas a causa de aumento do tráfico intermunicipal, ainda que não tenha sido ultrapassada a
fronteira do município, e a causa de diminuição do tráfico privilegiado.
111Q878470
Direito Penal Noções Fundamentais
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
No dia 02.01.2018, Jéssica, nascida em 03.01.2000, realiza disparos de arma de fogo contra Ana, sua inimiga, em
Santa Luzia do Norte, mas terceiros que presenciaram os fatos socorrem Ana e a levam para o hospital em Maceió.
Após três dias internada, Ana vem a falecer, ainda no hospital, em virtude exclusivamente das lesões causadas
pelos disparos de Jéssica. Com base na situação narrada, é correto afirmar que Jéssica:
a)não poderá ser responsabilizada criminalmente, já que o Código Penal adota a Teoria da Atividade para definir o
momento do crime e a Teoria da Ubiquidade para definir o lugar;
b)poderá ser responsabilizada criminalmente, já que o Código Penal adota a Teoria do Resultado para definir o
momento do crime e a Teoria da Atividade para definir o lugar;
c)poderá ser responsabilizada criminalmente, já que o Código Penal adota a Teoria da Ubiquidade para definir o
momento do crime e a Teoria da Atividade para definir o lugar;
d)não poderá ser responsabilizada criminalmente, já que o Código Penal adota a Teoria da Atividade para definir o
momento do crime e apenas a Teoria do Resultado para definir o lugar;
e)poderá ser responsabilizada criminalmente, já que o Código Penal adota a Teoria do Resultado para definir o
momento do crime e a Teoria da Ubiquidade para definir o lugar.

112Q878471
Direito Penal Livramento condicional
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Patrick foi condenado, uma segunda vez, definitivamente, pela prática de crime de roubo majorado pelo emprego
de arma, logo, foi reconhecida sua reincidência específica. Já seu irmão Plínio, enquanto cumpria livramento
condicional em execução de condenação pelo crime de latrocínio, novamente veio a ser preso e, depois,
condenado definitivamente pela nova prática de crime de latrocínio. A Sra. Norma, mãe dos irmãos condenados,
busca esclarecimentos sobre a possibilidade de obtenção de livramento condicional para os filhos na execução da
segunda condenação de cada um deles.

Considerando apenas as informações narradas, deverá ser esclarecido para a Sra. Norma, quanto aos requisitos
objetivos, que:
a)Patrick poderá obter livramento condicional após cumprir mais de 1/3 da pena, enquanto Plínio deverá cumprir
mais de 2/3 da sanção imposta;
b)Patrick poderá obter livramento condicional após cumprir mais da metade da pena, enquanto Plínio deverá
cumprir mais de 2/3 da sanção imposta;
c)Patrick poderá obter livramento condicional após cumprir mais da metade da pena, enquanto Plínio não poderá
obter novo livramento condicional;
d)Patrick e Plínio não poderão obter novo livramento condicional;
e)Patrick poderá obter livramento condicional após cumprir mais de 2/3 da pena, enquanto Plínio não poderá obter
novo livramento condicional.

113Q878472
Direito Processual Penal
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Carlos conduzia seu veículo automotor de maneira tranquila, quando foi parado em uma operação que verificava a
condução de veículo automotor em via pública sob a influência de álcool. Apesar de estar totalmente consciente de
seus atos, Carlos havia ingerido 07 (sete) latas de cerveja, razão pela qual temia que o teste do “bafômetro”
identificasse percentual acima do permitido em lei.
De acordo com a jurisprudência majoritária dos Tribunais Superiores, Carlos:
a)não é obrigado a realizar o exame, que exige um comportamento positivo seu, respeitando-se a regra de que
ninguém é obrigado a produzir prova contra si, diferentemente do que ocorreria se fosse necessária apenas
cooperação passiva;
b)é obrigado a realizar o exame, tendo em vista que esse é indispensável para a configuração do tipo, sempre
podendo o resultado ser utilizado como meio de prova;
c)não é obrigado a realizar o exame, pois ninguém é obrigado a produzir prova contra si, seja através de
cooperação ativa seja com cooperação passiva, como no caso de ato de reconhecimento de pessoa;
d)é obrigado a realizar o exame, ainda que este seja desnecessário para a configuração do tipo, que pode ser
demonstrado por outros meios de prova;
e)é obrigado a realizar o exame, mas seu resultado poderá ou não ser utilizado como meio de prova de acordo com
a vontade de Carlos, já que ninguém é obrigado a produzir prova contra si.

114Q878473
Direito Processual Penal

Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Foi instaurado inquérito policial para apurar a suposta prática de crime de estelionato, figurando Valéria como
vítima e Júlio César como indiciado. Após a realização de diversas diligências e a apresentação de relatório
conclusivo por parte da autoridade policial, o Ministério Público analisou os elementos informativos e encaminhou
ao Judiciário promoção de arquivamento, entendendo pela inexistência de justa causa. Ao tomar conhecimento,
Valéria fica revoltada com a conduta do órgão ministerial, pois está convicta de que Júlio César seria o autor do
delito. Diante disso, apresenta queixa, iniciando ação penal privada subsidiária da pública.

Quando iniciada a análise da ação penal privada subsidiária da pública, deverá o órgão do Poder Judiciário
competente:
a)receber a inicial acusatória e, caso o ofendido deixe de promover o andamento do processo por 30 dias seguidos,
deverá ser reconhecida a perempção;
b)não receber a inicial acusatória, tendo em vista que não houve omissão do Ministério Público a justificar a ação
penal privada subsidiária da pública;
c)receber a inicial acusatória, passando o ofendido a figurar como parte do processo, não podendo o Ministério
Público aditar a queixa oferecida;
d)receber a inicial acusatória, podendo o Ministério Público oferecer denúncia substitutiva da queixa, fornecer
elementos de prova e interpor recursos;
e)não receber a inicial acusatória, pois não há previsão do instituto da ação penal privada subsidiária da pública na
Constituição da República de 1988, não sendo a previsão do Código de Processo Penal recepcionada.

115Q878474
Direito Processual Penal Da Competência
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Desembargador do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ofereceu queixa-crime em face de João, perante
Vara Criminal da Comarca de Maceió, imputando-lhe a prática do crime de calúnia com causa de aumento, já que
João teria lhe imputado, nesta comarca, falsamente, fato definido como crime de ação penal pública, para
demonstrar que o crime efetivamente foi praticado pelo Desembargador, na presença de diversas pessoas. Ao
tomar conhecimento da queixa, João, querelado, apresenta exceção da verdade, que é recebida e processada pelo
órgão competente.
Considerando apenas as informações narradas no enunciado, o julgamento da exceção da verdade será de
competência do(a):
a)Supremo Tribunal Federal;
b)Superior Tribunal de Justiça;
c)Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo;
d)Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas;
e)Vara Criminal da Comarca de Maceió.

116Q878475
Direito Processual Penal
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
David, reincidente, foi denunciado pela prática de crime de furto qualificado. No curso da instrução, uma
testemunha afirma que David tinha a posse regular e anterior daquele bem que teria sido subtraído, razão pela
qual o Ministério Público, ao final da produção probatória, adita a denúncia, altera os fatos narrados e imputa ao
réu a prática do crime de apropriação indébita. Após ratificação das provas, o Ministério Público apresentou
alegações finais, requerendo a condenação do réu nas sanções do delito de apropriação indébita. O magistrado,
porém, ao analisar as provas, conclui que, na verdade, o crime praticado foi de furto qualificado, conforme descrito
na denúncia antes do aditamento.
Diante da hipótese narrada, o juiz, de imediato:
a)poderá condenar o réu pela prática do crime de furto qualificado, aplicando o instituto da mutatio libelli;
b)poderá condenar o réu pela prática do crime de furto qualificado, aplicando o instituto da emendatio libelli;
c) não poderá condenar o réu pela prática do crime de furto qualificado, pois o Ministério Público aditou a
denúncia, de modo que ocorreu mutatio libelli;
d)não poderá condenar o réu pela prática do crime de furto qualificado, pois o Ministério Público aditou a
denúncia, de modo que ocorreu emendatio libelli;
e)poderá encaminhar os autos ao Ministério Público, determinando que ele realize aditamento da denúncia no
prazo de 05 dias, sob pena de conferir nova capitulação jurídica.

117Q878476
Direito Penal Legislação Penal Especial
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
A Lei nº 12.850, publicada em 02 de agosto de 2013, trouxe uma série de inovações legislativas ao disciplinar sobre
a definição do crime de organização criminosa e sobre investigação penal e meios de obtenção de provas. Um dos
institutos previstos na lei mais controvertidos e estudados pela doutrina e jurisprudência é o da colaboração
premiada.
De acordo com as previsões dessa lei, é correto afirmar que:
a)o juiz não poderá recusar homologação à proposta que não atender aos requisitos legais, ou adequá-la ao caso
concreto;
b)o colaborador, nos depoimentos que prestar, renunciará, na presença da defesa técnica, ao direito ao silêncio e
estará sujeito ao compromisso legal de dizer a verdade;
c)as declarações do colaborador, como meio de obtenção de prova que são, poderão servir como fundamento
único para justificar uma condenação;
d)a colaboração premiada poderá ser realizada posteriormente à sentença, podendo ser acordada redução da pena
em até 2/3 ou concessão de livramento condicional independentemente da pena cumprida;
e)a negociação do acordo de colaboração premiada, em respeito aos princípios da ampla defesa e paridade de
armas, contará com a participação do acusado, de seu defensor, do Ministério Público e do juiz competente para
julgamento.
118Q878477
Direito Processual Penal Das Provas
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Tadeu figura como acusado em ação penal em que se investiga a prática do crime de tráfico de drogas,
respondendo ao processo na condição de preso. Entendendo existir fundada suspeita de que Tadeu integre
organização criminosa e que haveria risco de fuga em seu deslocamento, para prevenir a segurança pública, o
magistrado determinou, de ofício, a realização do interrogatório do réu por videoconferência. Tadeu, então, indaga
seu advogado sobre a validade da decisão.

Com base nas informações expostas, o advogado de Tadeu deverá esclarecer que:
a)o interrogatório por videoconferência, atualmente, é a regra no processo penal, respeitando-se a garantia da
ordem pública;
b)o interrogatório por videoconferência não é admitido pela legislação penal, em respeito ao direito de presença,
mas tão só a oitiva de testemunhas sem a presença do acusado;
c)o interrogatório por videoconferência poderia ser determinado em decisão fundamentada do juiz após
requerimento das partes, mas não de ofício;
d)as partes deverão ser intimadas da decisão que determinar o interrogatório por videoconferência com
antecedência mínima de 10 dias;
e)a decisão que determinar a realização de interrogatório por videoconferência poderá ser impugnada através de
recurso em sentido estrito no prazo de 05 dias.

119Q878478
Direito Processual Penal Recursos Criminais
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Na mesma data, o juiz presidente do Tribunal do Júri publicou três decisões em processos distintos em que se
apurava a prática de crimes dolosos contra a vida: na primeira, onde Romeu figurava como denunciado, foi
proferida decisão de impronúncia, tendo em vista que o juiz entendeu não haver indícios suficientes de autoria; na
segunda, onde Otelo figurava como acusado, foi proferida sentença de absolvição sumária, entendendo o
magistrado restar provada a inexistência do fato; na terceira, figurando William como réu, houve decisão de
pronúncia.
Intimado, o advogado de William demonstrou seu inconformismo com a decisão. Por sua vez, o Ministério Público
também optou por recorrer das decisões de absolvição sumária e impronúncia.
Considerando as situações narradas, o advogado de William deverá apresentar:
a)recurso em sentido estrito, enquanto o Ministério Público deve apresentar apelação contra a decisão de
absolvição sumária de Otelo e recurso em sentido estrito contra a decisão de impronúncia de Romeu;
b)recurso em sentido estrito, enquanto o Ministério Público deve apresentar recurso em sentido estrito contra a
decisão de absolvição sumária de Otelo e apelação contra a decisão de impronúncia de Romeu;
c)recurso de apelação, enquanto o Ministério Público deve apresentar apelação contra a decisão de absolvição
sumária de Otelo e recurso em sentido estrito contra a decisão de impronúncia de Romeu;
d)recurso de apelação, assim como o Ministério Público, que deve apresentar recursos de apelação contra as
decisões de absolvição sumária de Otelo e de impronúncia de Romeu;
e)recurso em sentido estrito, enquanto o Ministério Público deve apresentar recursos de apelação contra as
decisões de absolvição sumária de Otelo e de impronúncia de Romeu.

120Q878479
Direito Penal Legislação Penal Especial
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
A Lei nº 7.210/84 trata da matéria Execução Penal, afastando-se, assim, a maioria das previsões sobre o tema
trazidas pelo Código de Processo Penal.

Sobre as previsões da Lei de Execução Penal e a jurisprudência majoritária dos Tribunais Superiores sobre o tema, é
correto afirmar que:
a)a execução penal é procedimento administrativo, de modo que não está sujeita ao princípio da legalidade;
b)a prática de falta grave permite ao magistrado a revogação de todos os dias de pena remidos;
c)o recurso de agravo é o cabível contra as decisões da execução, admitindo ao juízo a quo o exercício do juízo de
retratação;
d)a regressão de regime cautelar, diante da prática de novo crime doloso, nunca será admitida;
e)a prática de falta grave interrompe o prazo de contagem do livramento condicional.
Respostas 101: 102: 103: 104: 105: 106: 107: 108: 109: 110: 111:
112: 113: 114: 115: 116: 117: 118: 119: 120:
121Q878480
Direito Processual Penal Da Prisão e da Liberdade Provisória
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Analista Judiciário - Área Judiciária
Carla foi presa em flagrante pela prática de crime de estelionato (pena: 1 a 5 anos de reclusão e multa), sendo
verificado na Delegacia que ela teria diversas condenações definitivas pela prática de crimes da mesma natureza.
Encaminhada para audiência de custódia, após manifestação do Ministério Público, foi a prisão em flagrante
convertida em preventiva. Com o oferecimento da denúncia, foi realizado laudo pericial em que os peritos
concluíram pela semi-imputabilidade da acusada, bem como o risco de reiteração delitiva. Foi, ainda, constatado
que Carla encontrava-se com três meses de gravidez.
Considerando as informações narradas e as previsões do Código de Processo Penal sobre o tema “Prisões e
Medidas Cautelares”, é correto afirmar que:
a)a autoridade policial poderia ter arbitrado fiança em sede policial;
b)as medidas cautelares alternativas dependem de requerimento das partes, não podendo ser aplicadas de ofício,
sob pena de violação do princípio da inércia;
c)a prisão domiciliar em substituição à prisão preventiva poderá ser aplicada pelo magistrado, apesar de Carla
ainda estar no terceiro mês de gestação;
d)o magistrado poderá substituir a prisão preventiva pela medida cautelar de internação provisória, tendo em vista
que há laudo constatando a semi-imputabilidade e o risco de reiteração;
e)a prisão preventiva decretada deve ser relaxada, uma vez que o ato “audiência de custódia” não está previsto no
Código de Processo Penal, não admitindo o Supremo Tribunal Federal sua realização.

122Q878346
Direito Processual Penal Das Questões e Processos Incidentes
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: TJ-AL
Prova: Técnico Judiciário - Área Judiciária
Após denúncia em face de Nilton, sua defesa técnica apresentou exceção de suspeição do magistrado, bem como
exceção de coisa julgada, tudo no prazo para apresentar resposta à acusação.

Para o correto processamento das exceções apresentadas, o serventuário do cartório deverá ter conhecimento de
que o Código de Processo Penal prevê que:
a)
a exceção de coisa julgada precede a qualquer outra, inclusive a de suspeição;
b)
as exceções são processadas em autos apartados, suspendendo, em regra, de imediato o andamento da ação
penal;
c)
as exceções são processadas junto aos autos principais, não suspendendo, em regra, de imediato o andamento da
ação penal;
d)
a exceção de suspeição precede a qualquer outra, salvo quando fundada em motivo superveniente;
e)
as exceções são processadas em autos principais e suspenderão, em regra, o andamento da ação penal.
123Q872486
Direito Constitucional Controle de Constitucionalidade
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
A Lei Municipal X, promulgada em 1987, vem sendo aplicada pelos órgãos da Justiça Estadual até os dias de hoje.
Ocorre que um partido político com representação no Congresso Nacional firmou o entendimento de que a
referida lei municipal infringia diversos comandos da Constituição da República de 1988 afetos aos direitos e
garantias individuais.

À luz da sistemática constitucional, o instrumento passível de ser utilizado para que essa controvérsia
constitucional seja submetida à apreciação do Supremo Tribunal Federal é a:
a)arguição de descumprimento de preceito fundamental;
b)ação direta de inconstitucionalidade;
c) reclamação constitucional;
d)ação anulatória;
e)ação declaratória de não recepção.

124Q872487
Direito Constitucional Funções Essenciais à Justiça
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
Em razão de falhas no sistema de filtros de uma siderúrgica, foram despejadas diversas toneladas de resíduos em
um rio do Município Delta, o que causou grandes danos ao meio ambiente. Assim que esse fato ocorreu, diversas
pessoas procuraram o Ministério Público e solicitaram que fossem adotadas providências para a responsabilização
da siderúrgica pelos danos causados ao meio ambiente.

À luz da sistemática constitucional, o Ministério Público tem atribuição para adotar as providências cabíveis, pois
estamos perante interesse:
a)coletivo;
b)local;
c)individual homogêneo;
d)associativo;
e)difuso.

125Q872488
Direito Constitucional Poder Legislativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
Foi instaurada Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no âmbito da Câmara dos Deputados com o objetivo de
apurar situações de maus-tratos a crianças. Em sua primeira reunião, deliberou, de modo fundamentado, (I)
convocar o Ministro da Justiça para prestar informações; (II) quebrar o sigilo bancário de dois suspeitos; e (III)
determinar a interceptação da comunicação telefônica de outros dois suspeitos. Alguns membros da CPI ficaram
vencidos na votação, pois entendiam que ela não tinha competência para adotar todas essa medidas.

À luz da sistemática constitucional, a CPI tem competência para adotar as medidas descritas em:
a)somente I;
b)somente I e II;
c)somente I e III;
d)somente II e III;
e)I, II e III.

126Q872490
Direito Constitucional Conselho Nacional de Justiça
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
Maria ficou surpresa com o teor de sentença proferida pelo Juiz de Direito da 1ª Vara Cível da Comarca em um
processo em que figurava como demandante, pois, além de manifestamente contrária à prova dos autos, era
absurda. Para piorar o seu estado de ânimo, foi informada por uma amiga que o referido magistrado praticava
diversas condutas eticamente reprováveis e estava fazendo com que os processos demorassem muito para serem
julgados.

Na medida em que Maria decidiu levar os fatos ao conhecimento do Conselho Nacional de Justiça, é correto
afirmar, à luz da sistemática constitucional, que este órgão:
a)apenas pode reformar a sentença caso constate que é contrária à prova dos autos e absurda;
b)apenas pode adotar providências em relação às condutas eticamente reprováveis;
c)apenas pode reformar a sentença e adotar providências em relação à demora dos processos;
d)pode reformar a sentença e adotar providências em relação às infrações éticas e à demora dos processos;
e)não pode reformar a sentença, mas pode adotar providências em relação às infrações éticas e à demora dos
processos.

127Q872493
Direito Administrativo Agentes públicos e Lei 8.112 de 1990
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
Maria foi aprovada em 32º lugar no concurso público para técnico administrativo da Câmara Municipal de
determinada cidade do interior da Bahia, cujo edital previa 30 vagas para tal cargo efetivo. No último mês do prazo
de validade já improrrogável do concurso, Maria ingressou com requerimento administrativo na Câmara,
pleiteando sua convocação, eis que comprovou, com documentos idôneos, que dois candidatos que estavam na
sua frente desistiram da nomeação e posse.

Instado a ofertar parecer sobre a matéria de acordo com a atual jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, o
Advogado Legislativo opinou pelo:
a)indeferimento do pleito, eis que a candidata possui mera expectativa de direito à nomeação e posse,
independentemente da desistência de candidatos aprovados na sua frente;
b)indeferimento do pleito, eis que a candidata somente teria direito público subjetivo à convocação se estivesse
dentro do número de vagas oferecidas no edital e durante o prazo de validade do concurso;
c)indeferimento do pleito, eis que o ato e o momento da convocação de candidatos em concurso público são
decididos de forma discricionária pelo Administrador, não podendo o Judiciário adentrar seu mérito;
d)deferimento do pleito, eis que o direito à nomeação se estende ao candidato aprovado fora do número de vagas
previstas no edital, no limite de 10% (dez por cento) a mais do número de vagas originariamente previstas;
e)deferimento do pleito, eis que o direito à nomeação se estende ao candidato aprovado fora do número de vagas
previstas no edital, mas que passe a figurar entre as vagas em decorrência da desistência de candidatos
classificados à sua frente.

128Q872494
Direito Administrativo Intervenção do estado na propriedade
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
Determinado Município do Estado da Bahia, mediante lei específica para área incluída no seu plano diretor, exigiu
de José, particular proprietário do solo urbano não edificado e não utilizado, que promovesse seu adequado
aproveitamento. Diante da inércia do particular, já lhe foram aplicadas as medidas administrativas da edificação
compulsória e do imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana progressivo no tempo, mas José
continua omisso.

De acordo com o texto constitucional, o próximo passo será o Município promover a:


a)servidão administrativa, para conferir ao imóvel utilização que se compatibilize com sua função social, mediante
justa e prévia indenização;
b)desapropriação especial urbana, com pagamento mediante títulos da dívida pública de emissão previamente
aprovada pelo Senado Federal;
c)ocupação temporária do imóvel, que será utilizado de acordo com o interesse público local, mediante
indenização ulterior para não haver locupletamento ilícito do Município;
d)requisição administrativa, de maneira que o imóvel passe a ter dupla destinação, atendendo ao interesse do
particular proprietário e também da comunidade, sem indenização;
e)limitação administrativa, para que o imóvel passe a ter dupla destinação, atendendo ao interesse do particular
proprietário e também da comunidade, com prévia e proporcional indenização.

129Q872495
Direito Administrativo Atos administrativos
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
Dentre os elementos do ato administrativo, a doutrina de Direito Administrativo elenca a competência, que é a
atribuição normativa de legitimação para a prática de determinado ato.

Nesse contexto, é característica da competência administrativa a sua:


a)prorrogabilidade, pois a competência relativa se prorroga, caso o administrado não se oponha na primeira
oportunidade processual;
b)irrenunciabilidade, apesar de o agente público poder delegá- la ou avocá-la, nos casos permitidos pela lei;
c)delegabilidade, como regra geral, como nos casos de edição de atos normativos;
d)avocabilidade, quando se chama para si competência originariamente de agente de hierarquia superior;
e)discricionariedade, eis que ao agente público é facultada a possibilidade de atuar quando for provocado.

130Q872497
Direito Administrativo Improbidade administrativa - Lei 8.429/92
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
Antônio, ex-Presidente da Câmara Municipal, no exercício de suas funções públicas à época em que chefiava o
legislativo local, dispensou indevidamente a licitação para contratação de sociedade empresária com vistas à
aquisição de determinados bens. O Ministério Público ajuizou ação de improbidade administrativa e, dentre os
pedidos, requereu a condenação do então parlamentar ao ressarcimento ao erário.

Instado pelo atual Presidente da Câmara a se manifestar sobre o caso, estritamente de acordo com a Lei de
Improbidade Administrativa e com a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, o Advogado Legislativo da
Câmara deve lançar parecer no sentido de que o pleito ministerial de ressarcimento:
a)não merece prosperar, eis que o parlamentar não pode figurar no polo passivo da relação processual, devendo
responder somente por crime de responsabilidade;
b)não merece prosperar, eis que na hipótese narrada não houve dano ao erário, e sim dispensa ilegal de licitação,
que acarreta apenas a aplicação das demais sanções pessoais da lei de improbidade;
c)não merece prosperar, eis que para configuração desta espécie de ato de improbidade é imprescindível a
demonstração do dolo do gestor público e do efetivo prejuízo ao erário (in re ipsa);
d)merece prosperar, eis que todo ato de improbidade administrativa, por expresso mandamento constitucional,
causa danos materiais ao erário que devem ser ressarcidos pelo agente público envolvido;
e)merece prosperar, eis que o prejuízo ao erário é inerente (in re ipsa) à conduta ímproba, na medida em que o
poder público deixou de contratar a melhor proposta, por condutas do agente político.

131Q872505
Direito Constitucional Ordem Econômica e Financeira
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
João, advogado atuante, após ser aprovado em concurso público, ingressa, em julho de 2017, em cargo público de
provimento efetivo de Advogado Legislativo na Câmara Municipal de Salvador, encerrando suas atividades
privadas. Até então, João não havia desempenhado qualquer função pública.

Diante dessa situação hipotética, é correto afirmar que:


a)João poderá permanecer vinculado ao Regime Geral de Previdência Social, pois ingressou no serviço público após
a Emenda Constitucional nº 41/03;
b)João, caso já possua 69 anos de idade, será submetido à aposentadoria compulsória já em 2018;
c)a aposentadoria de João, quando concedida, será quantificada com base na sua última remuneração;
d)João terá de filiar-se, obrigatoriamente, ao regime de previdência complementar municipal, caso seja criado;
e)João poderá ter contribuição previdenciária igual ou superior aos servidores da União.

132Q872507
Direito Civil Contratos em Espécie
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
Carlos, devedor de Paula, oferece à sua credora, na data prevista para o pagamento, o automóvel XYZ para solver a
dívida de R$ 30.000,00 (trinta mil reais). Paula aceita a oferta, mas, após 60 (sessenta) dias da tradição e registro da
transferência do veículo na autarquia de trânsito, o bem veio a ser apreendido pela autoridade policial.

No dia seguinte, Paula descobriu que, após o registro da transferência, a autarquia de trânsito recebeu ordem
judicial de apreensão do veículo, por força de sentença transitada em julgado que reconhecera ser Joaquim o
proprietário do automóvel.

Diante desses fatos, Paula faz jus:


a)à indenização a ser paga por Joaquim, que corresponderá ao valor da dívida extinta;
b)ao valor da dívida, acrescida de juros legais incidentes a partir da data da perda do bem, a ser cobrada de Carlos;
c)à retenção do veículo, até recebimento da indenização pelo valor do veículo, a ser paga por Carlos ou Joaquim;
d)ao pagamento do valor da dívida por Carlos, acrescido dos encargos moratórios a partir do vencimento;
e)a reaver o valor da dívida de Carlos, sob pena de enriquecimento sem causa do ex-devedor.
133Q872508
Direito Civil Direito das Coisas / Direitos Reais
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
Roberto adquiriu, mediante o pagamento de R$ 15.000,00 (quinze mil reais), a posse que era exercida, sem título,
por Pedro sobre imóvel de propriedade da União. Enquanto Roberto refletia sobre o uso do bem, o imóvel veio a
ser ocupado por Francisco, que assumiu sua posse, por julgar estar o bem abandonado. Sessenta dias após ter
ciência, por terceiros, do exercício da posse por Francisco, Roberto retorna ao imóvel e constata, pessoalmente, o
esbulho.

Inconformado, a Roberto caberá:


a)assumir o prejuízo, visto que o imóvel não poderia ser cedido;
b)valer-se do desforço possessório e retirar, por conta própria, Francisco do imóvel;
c)reaver indenização do cedente pela perda da posse;
d)ajuizar ação judicial própria em face de Francisco para reaver a posse;
e)pleitear indenização da União, por força de responsabilidade civil por conduta omissiva.

134Q872509
Direito Civil Responsabilidade civil
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
A Fundação Memória do Escritor (FME), pessoa jurídica de direito privado, mantém acervo de livros raros e,
mediante cobrança de simbólico preço, expõe sua biblioteca à visitação regular. Marcos, adolescente de 15 anos,
quando visitava o acervo desacompanhado de seus pais ou outro representante, sofre ferimentos em seu braço em
decorrência da queda de reboco na sala de visitação da FME. A Fundação formula escusas pelo ocorrido e oferece a
Marcos a visitação livre e gratuita por um ano, o que é imediatamente por ele aceita.

Ao chegar em casa, seus pais, inconformados com o acidente, pretendem postular para Marcos indenização pelos
danos comprovadamente por ele sofridos, a qual:
a)terá seus encargos moratórios iniciados após a fixação do valor reparatório;
b)será devida pela FME mediante a demonstração de culpa;
c)não será devida, visto que já extinta a obrigação reparatória por transação;
d)terá seus encargos moratórios iniciados após o ajuizamento da demanda;
e)será devida independentemente de culpa.

135Q872510
Direito Civil Direito de Família
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
Joana era companheira de Antônio, sem que houvessem, contudo, formalizado por documento escrito a relação.
Ao longo da união estável, iniciada quando ambos não tinham bens próprios, o casal teve quatro filhos e amealhou
considerável patrimônio comum.

Diante do falecimento de Antônio, a Joana caberá:


a)metade dos bens do casal;
b)metade do que couber a cada um dos filhos;
c)metade dos bens do casal e um quinto da meação de Antônio;
d)um quarto dos bens do casal;
e)metade dos bens do casal e um quarto da meação de Antônio.

136Q872511
Direito Civil Contratos em Espécie
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
O agricultor Cardeal celebrou contrato de comissão com o empresário Elisio. No ajuste foi pactuada a cláusula Del
Credere.

Diante da presença dessa cláusula no contrato, o comissário:


a) responderá perante o comitente pelo eventual inadimplemento das pessoas com quem tratar;
b)não responderá perante o comitente pelo eventual inadimplemento das pessoas com quem tratar;
c)responderá perante o comitente apenas pelo inadimplemento doloso das pessoas com quem tratar;
d)não responderá perante o comitente pelo eventual inadimplemento das pessoas com quem tratar, salvo motivo
de força maior;
e)responderá perante o comitente, no limite do valor ajustado da comissão, pelo eventual inadimplemento das
pessoas com quem tratar.

137Q872512
Direito Constitucional Controle de Constitucionalidade
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
No que tange ao controle de constitucionalidade de leis e atos normativos, é correto afirmar que:
a)é inadmissível a desistência da ação direta de inconstitucionalidade, ainda que a parte autora se convença, no
curso do feito, da constitucionalidade do ato normativo impugnado;
b)o acórdão que acolher o pedido formulado em ação direta de inconstitucionalidade produz efeitos ex tunc, sendo
vedado ao órgão julgador fixar qualquer outro marco a partir do qual a sua declaração terá eficácia;
c)não é cabível a concessão de tutela jurisdicional de urgência, na ação direta de inconstitucionalidade;
d)caso conclua pela inconstitucionalidade de uma lei, como questão prejudicial para proferir a sentença, o
magistrado de primeiro grau só poderá deixar de aplicá-la se submeter previamente o tema ao plenário do tribunal
ou seu órgão especial;
e)o acórdão proferido pelo plenário do tribunal ou seu órgão especial, no incidente de arguição de
inconstitucionalidade, é irrecorrível.

138Q872514
Direito Administrativo Improbidade administrativa - Lei 8.429/92
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
No que concerne à ação civil pública fundada na prática de ato de improbidade administrativa, é correto afirmar
que:
a)o Ministério Público, caso não a ajuíze, tampouco poderá oficiar no processo como fiscal da ordem jurídica;
b)a Fazenda Pública, quando cientificada da lide, não poderá integrar o seu polo ativo;
c)havendo o juízo positivo de sua admissibilidade, será cabível a interposição de agravo de instrumento para
impugnar tal decisão;
d)estando regular a petição inicial, o juiz mandará autuá-la e ordenará a imediata citação do réu, a fim de oferecer
contestação;
e)se não a propuser, será vedado à Fazenda Pública requerer, na fase procedimental própria, as medidas
necessárias à recomposição do erário.

139Q872516
Direito Penal Noções Fundamentais
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
Em razão da situação política do país, foi elaborada e publicada, em 01.01.2017, lei de conteúdo penal prevendo
que, especificamente durante o período de 01.02.2017 até 30.11.2017, a pena do crime de corrupção passiva seria
de 03 a 15 anos de reclusão e multa, ou seja, superior àquela prevista no Código Penal, sendo que, ao final do
período estipulado na lei, a sanção penal do delito voltaria a ser a prevista no Art. 317 do Código Penal (02 a 12
anos de reclusão e multa). No dia 05.04.2017, determinado vereador pratica crime de corrupção passiva, mas
somente vem a ser denunciado pelos fatos em 22.01.2018.

Considerando a situação hipotética narrada, o advogado do vereador denunciado deverá esclarecer ao seu cliente
que, em caso de condenação, será aplicada a pena de:
a)02 a 12 anos, observando-se o princípio da irretroatividade da lei penal mais gravosa;
b)03 a 15 anos, diante da natureza de lei temporária da norma que vigia na data dos fatos;
c)02 a 12 anos, observando-se o princípio da retroatividade da lei penal mais benéfica;
d)03 a 15 anos, diante da natureza de lei excepcional da norma que vigia na data dos fatos;
e)02 a 12 anos, aplicando-se, por analogia, a lei penal mais favorável ao réu.

140Q872517
Direito Penal Antijuridicidade
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
No dia 25 de dezembro de 2017, Carlos, funcionário público, recebe uma visita inesperada de João, seu superior
hierárquico, em sua residência. João informa a Carlos que estava sendo investigado pela prática de um delito e
exige que este altere informação em determinado documento público, mediante falsificação, de modo a garantir
que não sejam obtidas provas do crime que vinha sendo investigado, assegurando que, caso a ordem não fosse
cumprida, sequestraria o filho de Carlos e que a restrição da liberdade perduraria até o atendimento da exigência.
Diante desse comportamento de João, Carlos falsifica o documento público, mas vem a ser descoberto e
denunciado pela prática do crime previsto no Art. 297 do Código Penal (falsificação de documento público).

Com base apenas nessas informações, o advogado de Carlos deveria alegar, em busca de sua absolvição, a
ocorrência de:
a)coação moral irresistível, causa de exclusão da culpabilidade;
b)estrita obediência à ordem de superior hierárquico, causa de exclusão da culpabilidade;
c)estado de necessidade, causa de exclusão da ilicitude;
d)coação moral irresistível, causa de exclusão da ilicitude;
e)estrita obediência à ordem de superior hierárquico, causa de exclusão da ilicitude.
Respostas 121: 122: 123: 124: 125: 126: 127: 128: 129: 130: 131:
132: 133: 134: 135: 136: 137: 138: 139: 140:

141Q872518
Direito Processual Penal Da Competência
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
Determinado vereador de município de unidade de federação que prevê, exclusivamente em sua Constituição
Estadual, foro por prerrogativa de função para que vereadores sejam julgados pelo Tribunal de Justiça do Estado,
em um evento comemorativo de seu aniversário de casamento, no próprio município em que atua, após ingerir
bebida alcoólica, vem a discutir com um ex-namorado de sua esposa, que atuava como Juiz de Direito em outro
Estado. Durante a discussão, o vereador desfere diversos golpes com faca no coração do magistrado, golpes esses
que foram a causa eficiente de sua morte. Descobertos os fatos, o vereador vem a ser denunciado pela prática do
crime de homicídio qualificado consumado.

Considerando apenas as informações narradas, será competente para julgamento do delito imputado:
a)o Tribunal de Justiça do Estado onde o vereador exerce suas funções;
b)o Tribunal do Júri do local dos fatos;
c)a Câmara dos Vereadores à qual o vereador encontra-se vinculado;
d)o Tribunal do Júri de comarca do Estado onde o magistrado exercia suas funções;
e)o Tribunal de Justiça do Estado onde o magistrado exercia suas funções.

142Q872519
Direito Penal Lei da Interceptação Telefônica - Lei nº 9.296 de 1996
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Advogado
Durante determinada investigação penal de crime de associação para o tráfico, entendendo pela existência de
indícios de autoria e inexistência de outros meios para obtenção da prova, a autoridade policial representou pela
decretação da interceptação das comunicações das linhas telefônicas de titularidade de determinado investigado.
Ao receber o pedido, o magistrado, de maneira fundamentada, autorizou a interceptação pelo prazo inicial de 30
(trinta) dias, deixando claro que eventual pedido de prorrogação desse prazo deveria ser devidamente
fundamentado.

Com base apenas nas informações narradas, é correto afirmar que:


a)a interceptação das comunicações telefônicas não poderia ser requerida pela autoridade policial, dependendo a
autorização de pedido expresso do Ministério Público;
b)a interceptação das comunicações telefônicas não poderia ser autorizada durante as investigações, sob pena de
violação do sistema acusatório;
c)o crime de associação para o tráfico, diante da sanção penal prevista, não admite interceptação das
comunicações telefônicas;
d)o prazo fixado pelo magistrado na decisão que autorizou a interceptação das comunicações telefônicas não é
válido;
e)a decisão que determinou a interceptação das comunicações telefônicas foi válida, diante do crime investigado,
da representação da autoridade policial e do prazo fixado.

143Q873204
Direito Administrativo Agentes públicos e Lei 8.112 de 1990
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
Zé Maurício é servidor efetivo do órgão legislativo de Salvador, e está investido em cargo correspondente à carreira
de Assistente, de nível médio. Depois que ingressou no cargo, 08 (oito) anos atrás, Zé Maurício completou o ensino
superior, e agora pretende evoluir rapidamente até alcançar a carreira de Analista.

Para que isso ocorra, Zé Maurício deverá:


a)adquirir certificação em eventos de capacitação e experiência mínima, definida em Lei, todas no campo
específico de atuação do cargo e carreira que almeja;
b)aguardar o interstício da próxima progressão e entregar sua certificação à comissão de carreiras, migrando para a
carreira de Analista conforme a disponibilidade financeira do órgão;
c)cumprir a pontuação mínima no sistema de avaliação de desempenho, obtendo progressão funcional até alcançar
a carreira almejada;
d)prestar concurso público específico para o cargo que almeja na carreira de Analista, além de cumprir os pré-
requisitos legais de ingresso para a carreira em questão;
e)participar de processo seletivo interno assim que houver vaga na carreira de Analista, assegurando-se o seu
enquadramento no mesmo padrão do cargo de origem.

144Q873205
Direito Administrativo Agentes públicos e Lei 8.112 de 1990
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
Carolina, servidora municipal de Salvador, possui jornada laboral de 40 (quarenta) horas semanais, com jornada
diária de 8 (oito) horas.

Recebeu pagamento equivalente a 25 (vinte e cinco) horas extraordinárias, todas desempenhadas durante o
período de 5 (cinco) dias, incluindo horário noturno.

Diante desse fato, pode-se deduzir que


a)a situação viola o limite estabelecido em face da jornada do servidor, uma vez que deve ser respeitado o limite
máximo de 2 (duas) horas por jornada;
b)a servidora, neste caso, receberá acréscimo correspondente a 100% (cem por cento) sobre cada hora normal
diurna, em todos os dias que tiver desempenhado serviço extraordinário;
c)a servidora, neste caso, recebeu acréscimo de 50% (cinquenta por cento) em relação à hora normal de trabalho,
todos os dias;
d)a situação está em vigência com as disposições legais, uma vez que a servidora pode cumprir até 05 (cinco) horas
de serviço extraordinário por jornada;
e)em razão do princípio de irredutibilidade remuneratória, previsto constitucionalmente, Carolina terá a parcela
correspondente ao serviço extraordinário incorporada.

145Q873333
Direito Constitucional
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo Municipal - Finanças , Orçamento e Fiscalização
Conforme previsto na Constituição da República de 1988, o controle externo da Câmara Municipal é exercido:
a)com o auxílio dos respectivos Tribunais de Contas ou Conselhos de Contas, onde houver;
b)pelo Congresso Nacional onde não houver Tribunal de Contas;
c)com o auxílio dos Tribunais de Contas dos Estados ou do Poder Judiciário;
d)com o auxílio do Poder Executivo e dos Tribunais de Contas Estaduais, onde houver;
e)com o auxílio do Congresso Nacional ou dos Conselhos ou Tribunais de Contas dos Estados.

146Q873340
Direito Administrativo Agentes públicos e Lei 8.112 de 1990
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo Municipal - Finanças , Orçamento e Fiscalização
João, servidor público estável ocupante de cargo efetivo no Município de Salvador, acaba de se eleger Vereador no
mesmo Município.

De acordo com as normas constitucionais aplicáveis:


a)independentemente de haver compatibilidade de horários, João deverá se afastar do cargo efetivo, sendo-lhe
facultado optar pela sua remuneração;
b)independentemente de haver compatibilidade de horários, João deverá se afastar do cargo efetivo, auferindo a
remuneração pelo cargo eletivo;
c)se houver compatibilidade de horários, João poderá acumular os dois cargos, mas perceberá apenas a
remuneração de um dos cargos, facultando-lhe a escolha;
d)se houver compatibilidade de horários, João perceberá as vantagens de seu cargo efetivo, sem prejuízo da
remuneração do cargo eletivo;
e)se houver compatibilidade de horários, João poderá acumular os dois cargos, mas perceberá apenas a
remuneração do cargo eletivo.

147Q873341
Direito Constitucional Administração Pública – Disposições Gerais e Servidores Públicos
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo Municipal - Finanças , Orçamento e Fiscalização
A Constituição da República de 1988, ao tratar das disposições gerais da administração pública, estabelece que:
a)a publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo,
informativo ou de orientação eleitoral e partidária;
b)os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário deverão ser superiores aos pagos pelo
Poder Executivo;
c)a vinculação ou equiparação de quaisquer espécies remuneratórias é permitida para o efeito de remuneração de
pessoal do serviço público;
d)os acréscimos pecuniários percebidos por servidor público deverão ser computados e acumulados para fins de
concessão de acréscimos ulteriores;
e)a administração fazendária e seus servidores fiscais terão, dentro de suas áreas de competência e jurisdição,
precedência sobre os demais setores administrativos, na forma da lei.

148Q873426
Direito Administrativo Regime jurídico administrativo

Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
O dever-poder que a Administração Pública ostenta para controlar os seus próprios atos, podendo invalidar os
ilegais e revogar os inoportunos ou inconvenientes, observadas as cautelas legais, decorre diretamente do princípio
da:
a)moralidade, e sua não observância gera nulidade do ato administrativo, sem prejuízo da responsabilização do
agente;
b)publicidade, e todo ato que invalida ou revoga outro ato administrativo precisa ser publicado no diário oficial;
c)autotutela, e a Administração não precisa ser provocada para rever seus próprios atos, podendo fazê-lo de ofício;
d)impessoalidade, e a Administração não pode tolerar atos que impliquem promoção pessoal do gestor público;
e)segurança jurídica, e a Administração não pode tolerar que permaneça no mundo jurídico qualquer ato ilícito.

149Q873427
Direito Administrativo Organização da administração pública
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
Observe os conceitos trazidos pela doutrina de Direito Administrativo para as seguintes entidades que integram a
Administração indireta: (A) Pessoa jurídica de direito público que desenvolve atividade típica de Estado, com
liberdade para agir nos limites da lei específica que a criou; (B) Pessoa jurídica de direito privado, criada por
autorização legal, sob a forma de sociedade anônima, cujo controle acionário pertença ao Poder Público, tendo por
objetivo, como regra, a exploração de atividades gerais de caráter econômico e, em algumas ocasiões, a prestação
de serviços públicos.

As definições expostas tratam, respectivamente, de:


a)fundação pública e empresa pública;
b)sociedade de economia mista e empresa pública;
c)concessionária e empresa pública;
d)autarquia e sociedade de economia mista;
e)fundação pública e autarquia.

150Q873428
Direito Administrativo Agentes públicos e Lei 8.112 de 1990
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
João é professor da rede pública municipal de educação, ocupante de cargo efetivo. Com o objetivo de
complementar sua renda, e tendo em vista que o Município acabou de publicar edital de concurso público para
vários cargos, João deseja acumular um segundo cargo público no Município.

No caso em tela, de acordo com as disposições constitucionais sobre a matéria, João:


a)terá necessariamente que pedir exoneração de seu cargo efetivo de professor caso queira ocupar qualquer outro
cargo público;
b)terá que prestar concurso para qualquer cargo efetivo na área da educação ou saúde, desde que haja
compatibilidade de horário;
c)poderá acumular qualquer outro cargo público, desde que haja compatibilidade de horário;
d)poderá acumular outro cargo de professor ou cargo técnico ou científico, desde que haja compatibilidade de
horário;
e)poderá acumular apenas outro cargo de professor, desde que haja compatibilidade de horário.

151Q873429
Direito Administrativo Atos administrativos
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
O processo de que se vale a Administração Pública para aproveitar atos administrativos com vícios superáveis (nos
elementos forma ou competência), de maneira a confirmá-los no todo ou em parte, chama-se:
a)ratificação, e ocorre desde que se observe o interesse público, independentemente de causar prejuízo a
terceiros, operando efeitos ex nunc;
b)convalidação, e ocorre desde que não cause prejuízo a terceiros e se observe o interesse público, operando
efeitos ex tunc;
c)cassação, e ocorre mediante regular processo administrativo, desde que se observe o interesse público, operando
efeitos ex tunc;
d)contraposição, e ocorre mediante regular processo administrativo, desde que não cause prejuízo a terceiros,
operando efeitos ex tunc;
e)confirmação, e ocorre mediante regular processo administrativo, desde que não cause prejuízo a terceiros,
operando efeitos ex nunc.

152Q873430
Direito Administrativo Poderes da Administração
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
João construiu prédio de sua mercearia, sem requerer ou obter alvará de localização e funcionamento junto ao
Município de Salvador, invadindo inclusive parte da calçada. Após regular processo administrativo, diante da
omissão de João, o Município procedeu à demolição da parte construída ilegalmente em área pública.

A conduta do poder público municipal está:


a)correta, e calcada em seu poder regulamentar, pelo atributo da coercitibilidade;
b)correta, e calcada em seu poder de polícia, pelo atributo da autoexecutoriedade;
c)correta, e calcada em seu poder disciplinar, pelo atributo da imperatividade;
d)errada, pois a medida extrema restringiu direito e uso da propriedade, razão pela qual deveria ter sido aplicada
apenas a multa;
e)errada, pois a medida extrema restringiu direito e uso da propriedade, razão pela qual deveria ter sido precedida
de provimento judicial.

153Q873431
Direito Administrativo Contratos Administrativos
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
De acordo com a Lei nº 8.666/93, a duração dos contratos administrativos, como regra, fica adstrita à vigência dos
respectivos créditos orçamentários, isto é, tem prazo máximo de 1 (um) ano, como é o caso de contratação para:
a)projetos cujos produtos estejam contemplados nas metas estabelecidas no Plano Plurianual;
b)prestação de serviços a serem executados pelo contratado de forma contínua;
c)aluguel de equipamentos e utilização de programas de informática;
d)fornecimento de bens e serviços, que envolvam, cumulativamente, alta complexidade tecnológica e defesa
nacional, na forma da lei;
e)aquisição de veículos novos, visando à renovação da frota oficial dos carros do órgão contratante.

154Q873432
Direito Administrativo Licitações e Lei 8.666 de 1993.
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
A Lei de Licitações estabelece critérios sucessivos de desempate na licitação, nas situações em que os critérios de
escolha previamente definidos no edital não são suficientes para a seleção de uma única proposta vencedora.

Dessa forma, em igualdade de condições, como primeiro critério de desempate, será assegurada a preferência aos
bens e serviços:
a)produzidos no país;
b) produzidos por empresas brasileiras;
c) produzidos no âmbito do respectivo ente federativo contratante;
d)prestados por empresas que invistam em pesquisa e desenvolvimento de tecnologia no país;
e)prestados por empresas que possuam mínimo de 5% (cinco por cento) de trabalhadores com deficiência.

155Q873433
Direito Administrativo Improbidade administrativa - Lei 8.429/92
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
João, Administrador Público, deixou dolosamente de cumprir a exigência de requisitos de acessibilidade previstos
no Estatuto da Pessoa com Deficiência, inviabilizando o pleno acesso dos cidadãos a importante prédio da
Administração Pública.

De acordo com a Lei nº 8.429/92, o agente político João, em tese, praticou:


a)infração administrativa e disciplinar leve, mas não ato de improbidade administrativa, por falta de previsão legal;
b)crime de responsabilidade, mas não ato de improbidade administrativa, por falta de previsão legal;
c)crime contra a administração pública, mas não ato de improbidade administrativa, por falta de previsão legal;
d)ato de improbidade administrativa, que pode gerar, dentre outras sanções, perda da função pública, suspensão
dos direitos políticos e pagamento de multa civil;
e)ato de improbidade administrativa, que pode gerar, dentre outras sanções, ressarcimento integral do dano,
perda da função pública, cassação dos direitos políticos e multa administrativa.

156Q873434
Direito Administrativo Regime jurídico administrativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
Processo administrativo é um conjunto concatenado de atos administrativos sequenciais, respeitada a ordem legal,
com uma finalidade específica que não confronte com o interesse público, ensejando a prática de um ato final.

Como corolário do princípio da ampla defesa vigente no processo administrativo, tem-se:


a)o direito à informação, que se restringe ao administrado que figura como interessado no processo, eis que a
regra geral é o sigilo dos atos administrativos, em respeito à intimidade;
b)o contraditório, que é exercido pela exigência lícita de depósito ou arrolamentos prévios de dinheiro ou bens
para a admissibilidade de recurso administrativo;
c)a defesa técnica, que é exercida pela imprescindível presença de advogado no processo administrativo disciplinar,
sob pena de nulidade;
d)o duplo grau de julgamento, eis que o administrado tem direito ao recurso administrativo, para a reanálise do ato
praticado pela Administração que entendeu injusto ou ilegal;
e)o contraditório diferido, como regra, eis que a Administração deve executar diretamente seus atos para,
posteriormente, oportunizar ao administrado o direito de defesa.

157Q873436
Direito Constitucional Poder Legislativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
De acordo com a Constituição da República de 1988, compete ao Tribunal de Contas da União:
a)aplicar aos responsáveis, em caso de ilegalidade de despesa ou irregularidade de contas, as sanções previstas em
lei pela prática de ato de improbidade administrativa;
b)enviar ao Congresso Nacional o plano plurianual, o projeto de lei de diretrizes orçamentárias e as propostas de
orçamento previstos na Constituição da República de 1988;
c)fiscalizar a aplicação de quaisquer recursos repassados pela União mediante convênio, acordo, ajuste ou outros
instrumentos congêneres, a Estado, ao Distrito Federal ou a Município;
d)processar e julgar, originariamente, a ação direta de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo federal ou
estadual e a ação declaratória de constitucionalidade de lei ou ato normativo federal;
e)legislar sobre normas gerais de licitação e contratação, em todas as modalidades, para as administrações públicas
diretas, autárquicas e fundacionais da União, Estados, Distrito Federal e Municípios.
158Q873437
Direito Administrativo Controle da administração pública
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
Em matéria de classificação do controle da Administração Pública quanto à natureza do órgão controlador, a
doutrina de Direito Administrativo destaca o controle:
a)legislativo, em que a Câmara Municipal promove a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e
patrimonial dos Poderes Executivo e Judiciário municipais, com o auxílio do Tribunal de Contas, mediante controle
externo;
b)legislativo, em que a Câmara Municipal analisa a legalidade, legitimidade, economicidade, aplicação das
subvenções e renúncia de receitas, do Poder Executivo municipal, incluindo as entidades da administração direta e
indireta, mediante controle interno;
c)judicial, em que o Poder Judiciário realiza o controle da legalidade dos atos administrativos, sendo que a
atividade política do Estado não se submete a controle judicial em abstrato, pela discricionariedade administrativa;
d)judicial, em que o Poder Judiciário realiza, em regra, o controle da legalidade e do mérito dos atos
administrativos, em razão dos princípios da inafastabilidade da jurisdição e do acesso à justiça;
e)administrativo, em que o Poder Executivo, com o auxílio do Tribunal de Contas e da Controladoria, realiza a
fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial dos demais poderes do Estado.

159Q873438
Direito Constitucional Direitos Individuais - Remédios Constitucionais e Garantias Processuais
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
João, servidor público municipal, teve conhecimento de que a Constituição da República de 1988 tinha assegurado
determinado direito estatutário aos servidores, mas condicionava o seu exercício à edição de lei que o
regulamentasse. Apesar de decorridos muitos anos desde a promulgação da Constituição, a lei não foi editada,
omissão que torna inviável o exercício do seu direito.

À luz da sistemática constitucional e da narrativa acima, o instrumento passível de ser utilizado por João para a
tutela dos seus interesses é:
a)o mandado de segurança;
b)o mandado de injunção;
c)a reclamação constitucional;
d)o habeas data;
e)o direito de petição.

160Q873439
Direito Administrativo Agentes públicos e Lei 8.112 de 1990
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
Maria, ocupante de cargo de provimento efetivo no Município Delta, foi eleita e tomou posse no cargo de
Deputada Federal.

À luz da sistemática constitucional, Maria:


a)ficará afastada do cargo no Município, sem receber a remuneração, durante o exercício do mandato;
b)poderá acumular o cargo no Município com o mandato eletivo, desde que haja compatibilidade de horários;
c)será exonerada do cargo no Município a partir da posse como Deputada Federal;
d)deverá acumular a remuneração do cargo com a do mandato eletivo, embora só exerça o último;
e)só exercerá o mandato eletivo de Deputada Federal, mas poderá optar pela remuneração do cargo municipal.
Respostas 141: 142: 143: 144: 145: 146: 147: 148: 149: 150: 151:
152: 153: 154: 155: 156: 157: 158: 159: 160:

161Q873440
Direito Constitucional Direitos Individuais - Remédios Constitucionais e Garantias Processuais
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
José, brasileiro, que completaria 18 anos amanhã e nunca tinha votado em uma eleição, era muito crítico em
relação aos atos lesivos ao patrimônio público praticados por alguns agentes públicos. Por tal razão, procurou um
advogado e perguntou o que poderia ser feito para anular esses atos.

À luz da sistemática constitucional, José poderia ajuizar:


a)ação popular, o que pode ser feito por qualquer brasileiro nato ou naturalizado;
b)ação de improbidade, desde que seja elegível para cargo eletivo;
c)ação popular, o que pode ser feito por qualquer brasileiro nato, não pelo naturalizado;
d)ação de improbidade, desde que seja considerado cidadão brasileiro;
e)ação popular, o que exige o seu prévio alistamento como eleitor.

162Q873441
Direito Constitucional Poder Judiciário
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
Tiago, Prefeito do Município Delta, recebeu citação para responder a uma ação de alimentos ajuizada perante o
juízo único da Comarca, por seu filho Pedro, constando, do respectivo mandado, que o não pagamento das três
últimas prestações alimentícias poderia acarretar a sua prisão. Ao solicitar orientação ao seu assessor mais
próximo, foi informado que a Constituição da República de 1988, em seu Art. 29, X, assegura o “julgamento do
Prefeito perante o Tribunal de Justiça”. Com isso, Tiago concluiu que o seu advogado deveria suscitar a
incompetência do juízo único da Comarca para processá-lo e julgá-lo.

À luz da sistemática constitucional, o juízo único da Comarca é:


a)incompetente, pois o Tribunal de Justiça é competente para processar e julgar toda e qualquer ação ajuizada em
face de Tiago;
b)competente para processar e julgar Tiago, pois a competência do Tribunal de Justiça restringe-se às causas de
natureza criminal;
c)parcialmente incompetente, pois embora possa processar e julgar a ação de alimentos, não pode decretar a
prisão de Tiago;
d)competente para processar e julgar Tiago, desde que a ação de alimentos tenha sido ajuizada em momento
anterior à posse no cargo de Prefeito;
e)competente para instruir o processo, sendo o Tribunal de Justiça competente para julgar ação de alimentos
ajuizada em face de Tiago.

163Q873444
Direito Constitucional Ordem Econômica e Financeira
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
As administrações tributárias da União, do Estado Delta e dos Municípios situados em seu território celebraram
convênio definindo a forma de compartilhamento de cadastros e de informações fiscais. Por entender que esse
convênio é incompatível com a ordem constitucional, uma confederação sindical decidiu impugná-lo perante o
Poder Judiciário.

À luz da sistemática constitucional, o entendimento da confederação sindical está:


a)certo, pois o convênio afronta o princípio da legalidade, já que a matéria somente poderia ser tratada em lei;
b)errado, pois a atuação integrada das administrações tributárias pode ser definida em convênio;
c)certo, pois o convênio afronta o direito fundamental dos contribuintes à intimidade;
d)errado, pois a administração integrada é detalhada na própria Constituição, limitando-se o convênio a repetir
suas normas;
e)certo, pois o convênio afronta o princípio federativo, que confere autonomia a cada ente da federação.

164Q873445
Direito Constitucional Poder Constituinte Originário, Derivado e Decorrente - Reforma (Emendas e Revisão) e
Mutação da Constituição
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
Foi apresentada proposta de emenda constitucional subscrita por um terço dos Deputados Federais. A proposta
almeja criar um imposto e contém disposição expressa determinando a sua cobrança em relação a fatos geradores
ocorridos no mesmo exercício financeiro, excepcionando, com isso, a vedação contida no Art. 150, III, b, da
Constituição da República de 1988.

À luz da sistemática constitucional a respeito dos limites materiais e formais ao exercício do poder reformador, a
proposta:
a)não afronta os limites materiais, pois somente os direitos e garantias individuais previstos no Título II da
Constituição não podem ser alterados via emenda;
b)afronta os limites formais, pois a proposta de emenda deveria ser apresentada, conjuntamente, por um terço dos
Deputados Federais e um terço dos Senadores;
c)não afronta os limites materiais, pois a vedação à cobrança de imposto em relação a fatos geradores ocorridos no
mesmo exercício financeiro não configura direito individual;
d)afronta os limites materiais, pois quaisquer direitos e garantias individuais previstos na Constituição, mesmo fora
do Título II, devem ser respeitados pelo poder reformador;
e)afronta os limites formais, pois somente o Presidente da República pode apresentar propostas de emenda que
criem tributos.

165Q873448
Direito Administrativo Agentes públicos e Lei 8.112 de 1990
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
Maria é engenheira e ocupa um cargo público de provimento efetivo com atribuição de desenvolver tecnologia de
ponta visando à contenção do risco de acidentes nucleares. Por considerar sua remuneração insuficiente, tenciona
fazer novo concurso público, de modo que possa oferecer melhor conforto à sua família com os valores que
receberia nos dois cargos públicos.

À luz da sistemática constitucional, Maria:


a)não pode acumular o seu cargo com nenhum outro cargo público;
b)somente pode acumular o seu cargo com outro cargo de natureza técnica ou científica;
c)somente pode acumular o seu cargo com um cargo de professor;
d)somente pode acumular o seu cargo com outro da área de saúde;
e)pela natureza do seu cargo, pode acumulá-lo com qualquer outro cargo público.
166Q873449
Direito Constitucional Processo Legislativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
O Presidente da República apresentou projeto de lei ordinária cuja discussão se iniciou no Senado Federal, que o
aprovou, seguindo para a Câmara dos Deputados. Com a aprovação nesta última Casa, a Mesa do Congresso
Nacional promulgou a Lei X. Um grupo de Deputados de oposição divulgou nota afirmando que o processo
legislativo descumpriu a disciplina traçada na Constituição da República de 1988.

À luz da sistemática constitucional, o grupo de Deputados está correto, já que o projeto apresenta o(s) seguinte(s)
vício(s):
a)o Presidente da República não tem legitimidade para apresentar projetos de lei ordinária fora do regime de
urgência constitucional;
b)a discussão do projeto de lei ordinária deveria ter sido iniciada na Câmara dos Deputados, não no Senado
Federal, que seria a Casa Revisora;
c)o Presidente da República não poderia apresentar o projeto e a análise deveria ser realizada em sessão conjunta
das Casas Legislativas;
d)após aprovação do projeto pelas Casas Legislativas, ele deveria ser encaminhado ao Presidente da República, não
à Mesa do Congresso Nacional;
e)a discussão deveria ser iniciada na Câmara e o projeto encaminhado ao Presidente da República, não à Mesa do
Congresso.

167Q873450
Direito Constitucional Poder Legislativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
No curso da legislatura, os Vereadores João e Maria, que têm a pretensão de disputar as próximas eleições para
Prefeito do seu Município, situado no interior do Estado, tornaram-se severos críticos da atual gestão. Enquanto
João atuava no próprio Município, criticando as falhas nas políticas públicas promovidas pelo atual Prefeito,
afirmando que tal decorria do fato de ser burro, não conseguindo identificar as prioridades, Maria adotava discurso
idêntico na capital, isso com o objetivo de obter maior apoio da imprensa.

À luz da sistemática constitucional, mais especificamente em relação à imunidade material dos vereadores, é
correto afirmar que:
a)João e Maria podem ser responsabilizados pelas ofensas ao Prefeito;
b)somente João pode ser responsabilizado pelas ofensas ao Prefeito;
c)João e Maria não podem ser responsabilizados pelas ofensas ao Prefeito;
d)somente Maria pode ser responsabilizada pelas ofensas ao Prefeito;
e)João e Maria somente podem ser responsabilizados pelas ofensas ao Prefeito ao término da legislatura.

168Q871011
Direito Administrativo Regime jurídico administrativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Assistente Legislativo
Determinado Governador nomeou o irmão do Presidente da Assembleia Legislativa do mesmo Estado para exercer
cargo em comissão em seu gabinete. Em troca, o Deputado Estadual que exerce a presidência da casa parlamentar
nomeou a irmã de tal Governador para cargo em comissão, não por critérios técnicos e sim para completar a
designação recíproca.
Na hipótese em tela, ambos os agentes políticos desrespeitaram a súmula vinculante do STF que veda o nepotismo
cruzado e violaram diretamente o princípio informativo expresso da administração pública da:
a)publicidade, porque qualquer ato administrativo de nomeação deve ser precedido de estudo técnico;
b)autotutela, eis que qualquer ato administrativo deve buscar o interesse público e não o privado;
c)proporcionalidade, uma vez que o ato administrativo deve guardar relação com o clamor público por moralidade;
d)impessoalidade, pois o ato de administrativo não pode servir para satisfazer a favorecimentos pessoais;
e)razoabilidade, haja vista que a utilização de símbolos, imagens e nomes deve ser do administrador, não do ente
público.

169Q871012
Direito Administrativo Organização da administração pública
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Assistente Legislativo
A Administração Pública Indireta decorre da descentralização de serviços e consiste na instituição, pelo Estado, por
meio de lei, de uma pessoa jurídica a quem se atribui a titularidade e execução de determinado serviço público,
como é o caso de uma:
a)concessionária que presta serviço público essencial para um município;
b)fundação privada que tem por objeto a capacitação e a atualização de profissionais na área da educação;
c)empresa pública que tem personalidade jurídica de direito público;
d)Câmara Municipal que tem função precípua de produzir legislação em nível municipal;
e)sociedade de economia mista que tem personalidade jurídica de direito privado.

170Q871013
Direito Constitucional Administração Pública – Disposições Gerais e Servidores Públicos
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Assistente Legislativo
A Constituição da República de 1988 estabelece que o servidor público estável só perderá o cargo nas hipóteses lá
elencadas, dentre elas, em virtude de:
a)sentença judicial recorrível, em que tenham sido assegurados o contraditório e a ampla defesa;
b)procedimento de avaliação periódica de desempenho, na forma de lei complementar, assegurada a ampla
defesa;
c)sindicância sumária disciplinar, em que tenham sido assegurados o contraditório e a ampla defesa;
d)processo administrativo de que tenha resultado condenação por ato de improbidade administrativa aplicada pelo
chefe do Poder Executivo;
e)inquérito policial do qual tenha resultado relatório final assinado pelo Delegado de Polícia apontando prática de
crime.

171Q871014
Direito Administrativo Atos administrativos
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Assistente Legislativo
João estacionou seu carro com as quatro rodas em cima da calçada, impedindo que os pedestres transitassem por
ela, obrigando-os a passar pela via pública. Por tal razão, seu veículo foi guinchado por ordem do agente público
municipal de trânsito.
Na hipótese em tela, foi aplicado o meio direto de coerção do ato administrativo, pelo seu atributo da:
a)coercitibilidade, com imprescindível recurso prévio ao Poder Judiciário;
b)imperatividade, com anterior processo administrativo para aplicação da pena administrativa;
c)autoexecutoriedade, que prescinde de prévio provimento jurisdicional;
d)presunção de legitimidade absoluta, que vigora em favor dos atos administrativos praticados pelo agente
público;
e)autotutela, que autoriza o agente público a praticar atos de urgência em prol da coletividade.

172Q871015
Direito Administrativo Poderes da Administração
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Assistente Legislativo
De acordo com a doutrina de Direito Administrativo, quando a lei cria um ato administrativo estabelecendo todos
os seus elementos de forma objetiva, sem qualquer espaço para que a autoridade pública possa valorar acerca da
conduta exigida legalmente, pois a lei já preestabeleceu a única conduta a ser praticada, está-se diante do poder:
a)discricionário, não havendo possibilidade de juízo de valor sobre a oportunidade e conveniência para prática do
ato pela autoridade administrativa;
b)de polícia, que confere ao administrador público a oportunidade e conveniência para a prática do ato
administrativo;
c)regulamentar, segundo o qual a autoridade pública está adstrita às normas legais para a prática dos atos
administrativos;
d)disciplinar, que é ostentado pelo administrador público para impor os atos administrativos aos particulares,
atendendo ao interesse público;
e)vinculado, pois, preenchidos os requisitos legais, o ato administrativo tem que ser praticado pela autoridade
administrativa.

173Q871016
Direito Administrativo Licitações e Lei 8.666 de 1993.
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Assistente Legislativo
A Câmara Municipal de Salvador optou por utilizar gás natural encanado, de maneira que realizará a contratação de
fornecimento de gás natural com concessionário do serviço público, segundo as normas da legislação específica.
No caso em tela, de acordo com o texto legal da Lei nº 8.666/93, a licitação é:
a)dispensável, pois se trata de hipótese constante no rol taxativo do mencionado diploma normativo;
b)inexigível, pois se trata de hipótese constante no rol exaustivo do mencionado diploma normativo;
c)dispensada, pois se trata de hipótese constante no rol exemplificativo do mencionado diploma normativo;
d)obrigatória, em razão da natureza do serviço que será objeto do contrato administrativo;
e)obrigatória, em razão do valor do serviço que será objeto do contrato administrativo.

174Q871017
Direito Administrativo Licitações e Lei 8.666 de 1993.
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Assistente Legislativo
A Câmara Municipal de Salvador publicou edital de licitação para aquisição de veículos especificados no
instrumento convocatório, com o objetivo de renovar sua frota. O valor total do contrato está estimado em
oitocentos mil reais.
De acordo com as regras da Lei nº 8.666/93, a modalidade de licitação adequada para a contratação narrada é:
a)a carta-convite, de acordo com a natureza do objeto e o valor do contrato administrativo;
b)o leilão, pelo valor do contrato administrativo, independentemente da natureza de seu objeto;
c)a concorrência, de acordo com a natureza do objeto e o valor do contrato administrativo;
d)o concurso, pelo valor do contrato administrativo, independentemente da natureza de seu objeto;
e)a tomada de preços, de acordo com a natureza do objeto e o valor do contrato administrativo.
175Q871018
Direito Administrativo Processo Administrativo - Lei 9.784/99
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Assistente Legislativo
José, servidor público da Câmara Municipal, no exercício da função pública, ao impulsionar um processo
administrativo, mediante a prática de um ato administrativo, lançou nos autos uma certidão, quando deveria ter
feito um simples termo de informação.
Com base na doutrina de Direito Administrativo, no caso em tela, aplica-se o princípio do processo administrativo:
a)do contraditório, segundo o qual o interessado no processo administrativo tem o direito público subjetivo de ver
obedecida a forma previamente prevista para o ato, de maneira que o vício é inarredavelmente insanável;
b)do informalismo, segundo o qual o processo administrativo é impulsionado pelos agentes públicos que gozam de
legitimidade e liberdade para escolher a forma dos atos administrativos, de maneira que não houve qualquer vício;
c)da verdade formal, segundo o qual a lei estabelece previamente a forma de todo e qualquer ato administrativo, e
o seu desatendimento fere a verdade formal que é buscada em qualquer processo administrativo, causando
invalidade;
d)da instrumentalidade das formas, segundo o qual a forma é o instrumento para que o ato alcance seus objetivos,
de maneira que caso o ato não tenha causado prejuízos e tenha observado o interesse público, o vício da forma é
sanável;
e)da motivação, segundo o qual todo ato administrativo praticado deve ser motivado com elementos previstos na
lei, por meio da forma legal previamente estabelecida, sob pena de nulidade absoluta.

176Q871019
Direito Administrativo Improbidade administrativa - Lei 8.429/92
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Assistente Legislativo
Almir, servidor público da Câmara Municipal de Salvador e membro da comissão permanente de licitação, valendo-
se de seu cargo, em conluio com seu amigo Adir, que não é servidor público, frustrou a licitude de processo
licitatório no âmbito do legislativo municipal. A fraude praticada fez com que a sociedade empresária de que Adir é
sócio-administrador saísse vencedora no certame e celebrasse contrato superfaturado.
Na hipótese descrita, no que concerne ao sujeito ativo do ato de improbidade administrativa, de acordo com as
disposições da Lei nº 8.429/92:
a)Almir deve responder por ato de improbidade administrativa, mas Adir não pode ser responsabilizado por ato de
improbidade porque não é servidor público;
b)ambos devem ser responsabilizados por ato de improbidade administrativa, seja o agente público Almir, seja o
particular Adir que concorreu e se beneficiou do ato;
c)Almir e Adir não podem responder por ato de improbidade administrativa, porque não ostentam a qualidade de
ordenador de despesas;
d)Adir deve responder por ato de improbidade administrativa porque causou dano ao erário, mas Almir não pode
ser responsabilizado por ato de improbidade porque é servidor público;
e)Almir e Adir não podem responder por ato de improbidade administrativa, porque não ostentam a qualidade de
agentes políticos.

177Q871020
Direito Constitucional Organização do Estado – Municípios
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Assistente Legislativo
Determinado Município do Estado da Bahia tem população de dois milhões, seiscentos e setenta e cinco mil
habitantes e ocupa uma área territorial de seiscentos e noventa e três quilômetros quadrados.
Em tema de organização do Poder Legislativo Municipal, a Constituição da República de 1988 estabelece que a
Câmara do citado Município deve observar o limite máximo de:
a)vinte e um Vereadores, diante de seu número de habitantes e de sua extensão territorial;
b)vinte e cinco Vereadores, diante de seu número de habitantes;
c)trinta e cinco Vereadores, diante de seu número de habitantes e de sua extensão territorial;
d)quarenta e três Vereadores, diante de seu número de habitantes;
e)cinquenta e cinco Vereadores, diante de seu número de habitantes e de sua extensão territorial.

178Q871021
Direito Constitucional Organização do Estado – Municípios
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Assistente Legislativo
A fiscalização do Município será exercida pelo Poder Legislativo Municipal, mediante controle externo, e pelos
sistemas de controle interno do Poder Executivo Municipal.
Nesse sentido, a Constituição da República de 1988 dispõe que o parecer prévio, emitido pelo órgão competente
sobre as contas que o Prefeito deve anualmente prestar:
a)vinculará o julgamento pela Câmara Municipal, exceto se os vereadores apontarem vício de legalidade;
b)deverá ser aprovado pela maioria simples dos membros da Câmara Municipal;
c)poderá deixar de prevalecer por decisão da maioria absoluta dos membros da Câmara Municipal;
d)apenas será afastado pela Câmara Municipal por decisão do Tribunal de Contas;
e)só deixará de prevalecer por decisão de dois terços dos membros da Câmara Municipal.

179Q871022
Direito Administrativo Controle da administração pública
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Assistente Legislativo
Controle da administração pública é o conjunto de instrumentos definidos pelo ordenamento jurídico, a fim de
permitir a fiscalização da atuação estatal por órgãos e entidades do próprio poder público e também diretamente
pelo povo.
Nesse contexto, de acordo com a doutrina de Direito Administrativo, na classificação do controle da administração
pública quanto à natureza do órgão controlador, destaca-se o controle:
a)administrativo, que decorre da competência que o Poder Judiciário tem para controlar os demais poderes;
b)legislativo, que é executado pelo Poder Legislativo, diretamente ou mediante auxílio do Tribunal de Contas;
c)legislativo, que é executado pelo Ministério Público, como órgão de controle externo dos demais poderes;
d)judicial, que é promovido pelo Tribunal de Contas em âmbito orçamentário em face dos Poderes Executivo,
Legislativo e Judiciário;
e)judicial, que é titularizado pelo Ministério Público, que controla a legalidade dos atos praticados pelos Poderes
Executivo e Legislativo.

180Q871165
Direito Administrativo Agentes públicos e Lei 8.112 de 1990
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Taquígrafo
João, servidor público estável ocupante de cargo efetivo no Município de Salvador, acaba de se eleger Vereador no
mesmo Município.
De acordo com as normas constitucionais aplicáveis:
a) independentemente de haver compatibilidade de horários, João deverá se afastar do cargo efetivo, sendo-lhe
facultado optar pela sua remuneração;
b)independentemente de haver compatibilidade de horários, João deverá se afastar do cargo efetivo, auferindo a
remuneração pelo cargo eletivo;
c)se houver compatibilidade de horários, João poderá acumular os dois cargos, mas perceberá apenas a
remuneração de um dos cargos, facultando-lhe a escolha;
d)se houver compatibilidade de horários, João perceberá as vantagens de seu cargo efetivo, sem prejuízo da
remuneração do cargo eletivo;
e)se houver compatibilidade de horários, João poderá acumular os dois cargos, mas perceberá apenas a
remuneração do cargo eletivo.
Respostas 161: 162: 163: 164: 165: 166: 167: 168: 169: 170: 171:
172: 173: 174: 175: 176: 177: 178: 179: 180:

181Q871166
Direito Constitucional Administração Pública – Disposições Gerais e Servidores Públicos
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Taquígrafo
A Constituição da República de 1988, ao tratar das disposições gerais da administração pública, estabelece que:
a) a publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter
educativo, informativo ou de orientação eleitoral e partidária;
b)os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário deverão ser superiores aos pagos pelo
Poder Executivo;
c)a vinculação ou equiparação de quaisquer espécies remuneratórias é permitida para o efeito de remuneração de
pessoal do serviço público;
d)os acréscimos pecuniários percebidos por servidor público deverão ser computados e acumulados para fins de
concessão de acréscimos ulteriores;
e)a administração fazendária e seus servidores fiscais terão, dentro de suas áreas de competência e jurisdição,
precedência sobre os demais setores administrativos, na forma da lei.

182Q875396
Direito Constitucional Teoria da Constituição
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
De acordo com o Art. 144, § 8º, da Constituição da República de 1988, “os municípios poderão constituir guardas
municipais destinadas à proteção de seus bens, serviços e instalações, conforme dispuser a lei”.

Considerando a classificação das normas constitucionais quanto à aplicabilidade, a partir do referido preceito se
obtém uma norma constitucional de eficácia:
a) plena e aplicabilidade imediata;
b)limitada e aplicabilidade mediata;
c)contida e aplicabilidade imediata;
d)delegada e aplicabilidade mediata;
e)mandamental e aplicabilidade imediata.

183Q875398
Direito Administrativo Organização da administração pública
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
Determinado ente criado por lei tem personalidade jurídica de direito público, desempenha atividade típica de
Estado e não fiscaliza o exercício profissional de nenhuma categoria. Após amplos debates, sua diretoria deliberou
que não mais realizaria concursos públicos, o que “burocratizava” muito a contratação de pessoal, mas realizaria
licitações.

À luz da sistemática constitucional, esse ente tem a natureza jurídica de:


a)fundação, não integrando a Administração Pública indireta, sendo parcialmente incorreta a deliberação da
diretoria, pois deve realizar concurso público;
b)sociedade de economia mista, integrando a Administração Pública indireta, sendo incorreta a deliberação da
diretoria, pois deveria realizar concurso, mas não licitação;
c)autarquia, integrando a Administração Pública indireta, sendo parcialmente incorreta a deliberação da diretoria,
pois deve realizar concurso público;
d)empresa pública, integrando a Administração Pública indireta, sendo incorreta a deliberação da diretoria, pois
deveria realizar concurso, mas não licitação;
e)serviço social autônomo, integrando a Administração Pública indireta, sendo correta a deliberação da diretoria
em não realizar concurso público.

184Q875400
Direito Constitucional
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
O Presidente da República editou determinado ato normativo alterando a Lei X, que estava em vigor há vários anos,
o que gerou forte reação do Poder Legislativo, o qual entendia que a Constituição da República de 1988 não
amparava esse tipo de iniciativa. Afinal, somente o Poder Legislativo, sob essa ótica, poderia editar ou alterar a lei.
Em razão desse impasse, a validade do ato normativo foi questionada perante o Supremo Tribunal Federal.

À luz da sistemática constitucional e dos atos normativos passíveis de serem editados pelo Chefe do Poder
Executivo federal, o referido ato normativo:
a)observados os demais requisitos exigidos, pode ser uma medida provisória, o que indica que o Poder Legislativo
está errado;
b)qualquer que seja a sua natureza jurídica, jamais poderia alterar a lei, produzida exclusivamente pelo Poder
Legislativo, indicativo de que este último está certo;
c)só poderia ser editado pelo Presidente da República, se houvesse delegação legislativa, o que não ocorreu, logo, o
Poder Legislativo está certo;
d)poderia ser um regulamento executório da lei, que deve necessariamente ajustá-la às conveniências da rotina
administrativa, logo, o Poder Legislativo está errado;
e)somente poderia ser um decreto autônomo, cuja edição é autorizada pela própria ordem constitucional,
indicativo de que o Poder Legislativo está errado.

185Q875401
Direito Constitucional Poder Legislativo
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
João, que não exercia a Chefia do Poder Executivo, mas atuara como ordenador de despesas durante o exercício
financeiro anterior, foi notificado pelo Tribunal de Contas de que suas contas foram julgadas irregulares. João, no
entanto, considerou que o Tribunal de Contas extrapolara suas competências, pois não poderia julgar suas contas,
e ingressou com ação para que tal fosse reconhecido pelo Poder Judiciário.

À luz da sistemática constitucional, o Poder Judiciário deve reconhecer que o Tribunal de Contas:
a)é competente para apresentar parecer prévio nas contas de João, não para julgá-las;
b)somente seria competente para julgar as contas de governo de João;
c)é competente para julgar as contas de gestão apresentadas por João;
d)somente é competente para arquivar as contas de João, não para julgá-las;
e)é competente para julgar as contas de João, mas seria cabível recurso para o Poder Legislativo.

186Q875402
Direito Constitucional Funções Essenciais à Justiça
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
João, pessoa idosa e que passava por sérias dificuldades financeiras, foi surpreendido por uma ação de despejo
ajuizada pelo proprietário do imóvel em que residia, precisando de um profissional habilitado que pudesse
representar os seus interesses em juízo.

À luz da narrativa acima e da sistemática constitucional, João deve ser atendido:


a)pelo Ministério Público;
b)pela Defensoria Pública;
c)pela Câmara Municipal;
d)pela Procuradoria do Município;
e)pela Advocacia Pública.

187Q875403
Direito Constitucional Administração Pública – Disposições Gerais e Servidores Públicos
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
A administração do Tribunal de Justiça foi informada de que Pedro, Juiz de Direito, que está no regular exercício da
função há um ano, e Maria, servidora efetiva do Poder Judiciário há dois anos, teriam praticado infrações de
extrema gravidade.

À luz da sistemática constitucional, é correto afirmar, a respeito da perda do cargo, que:


a)Pedro e Maria somente poderiam perder seus cargos por decisão judicial em processo criminal;
b)somente Maria poderia perder o cargo por decisão administrativa do órgão competente, não Pedro;
c)somente Pedro poderia perder o cargo por decisão administrativa do órgão competente, não Maria;
d)Pedro e Maria poderiam perder seus cargos por decisão administrativa do órgão competente;
e)Pedro somente poderia perder o cargo por sentença judicial transitada em julgado.

188Q875404
Direito Constitucional Poder Constituinte Originário, Derivado e Decorrente - Reforma (Emendas e Revisão) e
Mutação da Constituição
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
Após regular tramitação, a Câmara dos Deputados e o Senado Federal aprovaram Proposta de Emenda à
Constituição, tendo o Presidente do Congresso Nacional a encaminhado ao Chefe do Poder Executivo, que a
sancionou em parte e, nessa parte, promulgou-a.

Por considerar que o processo legislativo adotado destoara daquele previsto na Constituição da República de 1988,
o Partido Político X solicitou que o Supremo Tribunal Federal reconhecesse a existência de vício formal na Emenda
Constitucional.
À luz da narrativa acima e da sistemática constitucional, o Partido Político X:
a)não tem razão, já que o processo legislativo que culminou com a promulgação da Emenda X foi plenamente
regular, não apresentando vício formal;
b)tem razão, já que somente o Senado Federal possui competência para discutir e votar as propostas de emenda
constitucional;
c)tem razão, já que a atuação do Presidente da República deveria ter-se limitado à sanção, competindo a
promulgação ao Presidente do Senado Federal;
d)tem razão, já que a atuação do Presidente da República deveria ter-se limitado à promulgação, não havendo
espaço para sanção ou veto;
e)tem razão, já que a Emenda X deveria ter sido promulgada pelas Mesas da Câmara e do Senado Federal, sem
qualquer participação do Presidente da República.

189Q875406
Direito Constitucional Administração Pública – Disposições Gerais e Servidores Públicos
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
José, servidor público do Legislativo Municipal, exerce função de confiança, na qualidade de chefe do
departamento de arquivo geral de determinada Câmara Municipal, no Estado da Bahia.

De acordo com as disposições constitucionais que regem a matéria, é correto afirmar que José:
a)é necessariamente ocupante de cargo em comissão;
b)é necessariamente ocupante de cargo efetivo;
c)é necessariamente não concursado e exerce cargo de livre nomeação e exoneração;
d)pode ser ocupante de cargo efetivo ou não concursado no exercício de cargo de livre nomeação e exoneração;
e)pode ser ocupante de cargo em comissão ou não concursado no exercício de cargo de livre nomeação e
exoneração.

190Q875407
Direito Administrativo Poderes da Administração
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
Poderes administrativos são o conjunto de prerrogativas de direito público que a ordem jurídica confere aos
agentes administrativos com a finalidade de permitir que o Estado alcance seus fins.

Nesse contexto, de acordo com a doutrina de Direito Administrativo, destaca-se o poder:


a)hierárquico, que possui estruturação interna, mediante o escalonamento no plano vertical dos órgãos e agentes
da Administração, que tem por objetivo a organização da função administrativa;
b)discricionário, que consiste na atuação vinculada do agente público refletida numa imposição legal ao
administrador, obrigando-o a conduzir-se rigorosamente em conformidade com os parâmetros legais;
c)regulamentar, que decorre da prerrogativa de direito público que, calcada na lei, autoriza a Administração Pública
a restringir o uso e o gozo da liberdade e da propriedade em favor do interesse da coletividade;
d)disciplinar, que está ligado à ideia de hierarquia entre os agentes públicos, viabilizando fenômenos
administrativos como a avocação e a delegação, que decorrem de permissivo legal;
e)vinculado, que é a prerrogativa concedida aos agentes administrativos de elegerem, entre várias condutas
possíveis, a que traduz maior conveniência e oportunidade para o interesse público.

191Q875408
Direito Administrativo Atos administrativos
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
O Presidente da Câmara Municipal, por não concordar com a ideologia religiosa ligada ao candomblé de Vitor,
servidor público ocupante de cargo efetivo da Câmara, expediu ato de remoção do servidor. Inconformado, Vitor
ajuizou ação judicial alegando e comprovando a verdadeira circunstância fática que motivou sua remoção.

O ato de remoção deve ser:


a)mantido, pois não cabe ao Poder Judiciário se imiscuir no mérito administrativo, pelo princípio da separação dos
poderes;
b)mantido, pois ao Poder Judiciário cabe somente o controle da legalidade dos atos administrativos oriundos dos
demais poderes;
c)invalidado, pois houve abuso de poder na modalidade excesso de poder, maculando o elemento da competência
do ato administrativo;
d)invalidado, pois houve abuso de poder na modalidade desvio de poder, maculando o elemento da finalidade do
ato administrativo;
e)invalidado, pois houve abuso de autoridade pela discriminação religiosa, maculando o elemento do objeto do ato
administrativo.

192Q875409
Direito Administrativo Improbidade administrativa - Lei 8.429/92
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
João, servidor público ocupante de cargo efetivo da Câmara Municipal de Salvador, é chefe do departamento que
cuida da frota oficial da Câmara. No exercício de sua função, João utilizou, em serviço particular para levar seu filho
à escola durante todo o ano letivo de 2017, veículo de propriedade do Legislativo, bem como o trabalho de
motoristas da Câmara.

Diante do caso hipotético narrado, consoante dispõe a Lei nº 8.429/92, João responderia por:
a)crime de responsabilidade, mas não por ato de improbidade administrativa, pois integra a estrutura do
Legislativo municipal;
b)crime contra a administração pública, mas não por ato de improbidade administrativa, pois não houve efetivo
prejuízo patrimonial ao erário;
c)infração administrativo-disciplinar, mas não por ato de improbidade administrativa, pois não houve efetivo
prejuízo patrimonial ao erário;
d)ato de improbidade administrativa, exceto se, antes do recebimento da denúncia, João promover o integral
ressarcimento ao erário;
e)ato de improbidade administrativa, independentemente da existência e do valor do dano ao erário, assim como
também respondem os motoristas que concorreram para o ato ilícito.

193Q875410
Direito Administrativo Parcerias público-privadas
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
A Lei nº 11.079/04 institui normas gerais para licitação e contratação de parceria público-privada no âmbito da
administração pública.

De acordo com o mencionado diploma legal:


a)a concessão administrativa é o contrato de prestação de serviços de que a Administração Pública seja a usuária
direta ou indireta, ainda que envolva execução de obra ou fornecimento e instalação de bens;
b)o contrato de parceria público-privada é destinado à prestação de serviços essenciais à população, e deve ter
valor global de, no mínimo, um milhão de reais;
c)o contrato de parceria público-privada é destinado à prestação de serviços essenciais à população, e deve ter
duração mínima de dois anos para prestação do serviço;
d)a concessão patrocinada é aquela que envolve, adicionalmente à tarifa cobrada dos cidadãos, contraprestação
pecuniária do parceiro privado ao parceiro público;
e)o contrato de parceria público-privada tem como objeto único o fornecimento de mão de obra, o fornecimento e
a instalação de equipamentos ou a execução de obra pública.

194Q875411
Direito Administrativo Licitações e Lei 8.666 de 1993.
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
Consoante dispõe o texto legal da Lei nº 8.666/93, suplementado pelos ensinamentos doutrinários e
jurisprudenciais sobre a matéria, o fracionamento de licitação:
a)é possível, inclusive com utilização da modalidade mais simples de licitação para uma parcela, quando se tratar
de parcelas de natureza específica que devem ser executadas por pessoas diversas daquela que está executando a
obra ou prestando o serviço principal;
b)é possível, mediante a utilização da modalidade convite, para parcelas de uma mesma obra ou serviço, ou ainda
para obras e serviços da mesma natureza e no mesmo local, que possam ser realizadas conjunta e
concomitantemente, sempre que o somatório de seus valores caracterizar o caso de tomada de preços;
c)é possível, mediante a utilização da modalidade tomada de preços, conforme o caso, para parcelas de uma
mesma obra ou serviço, ou ainda para obras e serviços da mesma natureza e no mesmo local, que possam ser
realizadas conjunta e concomitantemente, sempre que o somatório de seus valores caracterizar o caso de
concorrência;
d)é necessariamente ilegal, pois a lei veda que as obras, serviços e compras efetuadas pela Administração sejam
divididas em parcelas, ainda que se comprove que a fragmentação é técnica e economicamente viável,
procedendo-se à licitação fracionada;
e)é necessariamente ilegal, pois a lei proíbe que haja divisão do objeto da licitação para a execução de obras e
serviços e para as compras de bens, ainda que a cada etapa ou conjunto de etapas da obra, serviço ou compra,
corresponda uma licitação distinta, preservada a modalidade pertinente para a execução do objeto em licitação.

195Q875412
Direito Administrativo Licitações e Lei 8.666 de 1993.
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
O Município de Salvador deseja contratar prestigiado cantor consagrado pela crítica especializada e pela opinião
pública, através de seu empresário exclusivo, para participar de show de réveillon.

No caso em tela, observadas as cautelas legais, a licitação é:


a)dispensável, pois há inviabilidade de competição;
b)dispensada, pois há discricionariedade na contratação;
c)inexigível, pois há inviabilidade de competição;
d)exigida, na modalidade concorrência;
e)exigida, na modalidade concurso.

196Q875413
Direito Administrativo Licitações e Lei 8.666 de 1993.
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
De acordo com a Lei nº 8.666/93, dentre as modalidades de licitação definidas em razão do valor do contrato,
destaca-se a tomada de preços, que é aquela entre:
a)interessados do ramo pertinente ao seu objeto, cadastrados ou não, escolhidos e convidados em número mínimo
de 3 (três) pela unidade administrativa;
b)interessados devidamente cadastrados ou que atenderem a todas as condições exigidas para cadastramento até
o terceiro dia anterior à data do recebimento das propostas, observada a necessária qualificação;
c)quaisquer interessados para escolha de trabalho técnico, científico ou artístico, mediante a instituição de prêmios
ou remuneração aos vencedores, conforme critérios constantes de edital publicado na imprensa oficial;
d)quaisquer interessados que, na fase inicial de habilitação preliminar, comprovem possuir os requisitos mínimos
de qualificação exigidos no edital para execução de seu objeto;
e)quaisquer interessados para a venda de bens móveis inservíveis para a administração ou de produtos legalmente
apreendidos ou penhorados, ou para a alienação de bens imóveis.

197Q875414
Direito Administrativo Contratos Administrativos
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
A Câmara Municipal de Salvador contratou determinada sociedade empresária, após regular procedimento
licitatório, para executar serviços de reforma no edifício da Casa Legislativa. Ocorre que, no curso da execução do
contrato, a Câmara, unilateralmente, resolveu ampliar a reforma, ocasionando a modificação do valor contratual
em decorrência de acréscimo quantitativo de seu objeto.

De acordo com a Lei nº 8.666/93, no caso em tela, o particular contratado:


a)fica obrigado a aceitar, nas mesmas condições contratuais, os acréscimos que se fizerem nas obras, até o limite
de 50% (cinquenta por cento);
b)fica obrigado a aceitar, nas mesmas condições contratuais, os acréscimos que se fizerem nas obras, até o limite
de 25% (vinte e cinco por cento);
c)fica obrigado a aceitar, nas mesmas condições contratuais, os acréscimos que se fizerem nas obras, até o limite
de 100% (cem por cento);
d)decide, por acordo entre as partes, se concorda com a alteração, que pode ser feita mediante termo aditivo ao
contrato principal sem nova licitação, até o limite de 25% (vinte e cinco por cento);
e)decide, por acordo entre as partes, se concorda com a alteração, que pode ser feita mediante termo aditivo ao
contrato principal sem nova licitação, até o limite de 100% (cem por cento).

198Q875415
Direito Administrativo Licitações e Lei 8.666 de 1993.
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
O Regime Diferenciado de Contratações Públicas – RDC, regido pela Lei nº 12.462/11 e posteriores alterações, tem
por objetivo, dentre outros, ampliar a eficiência nas contratações públicas e a competitividade entre os licitantes.

De acordo com o texto legal, o RDC:


a)é aplicável às licitações e contratos necessários à realização de obras e serviços de engenharia, relacionados a
melhorias na mobilidade urbana ou ampliação de infraestrutura logística;
b)é utilizado para aquisição de bens e serviços comuns, que são aqueles cujos padrões de desempenho e qualidade
possam ser objetivamente definidos pelo edital, por meio de especificações usuais no mercado;
c)pressupõe a aplicação geral das normas previstas na Lei nº 8.666/93, que serão suplementadas, nas hipóteses
omissas da lei geral de licitação, pela legislação especial que trata do regime diferenciado de contratações
públicas;
d)estabelece a necessidade de utilização da modalidade de licitação concorrência para obras e serviços de
engenharia de até um milhão e quinhentos mil reais;
e)estabelece a necessidade de utilização da modalidade de licitação tomada de preços para obras e serviços
diversos de engenharia de até um milhão e quinhentos mil reais.

199Q875425
Direito Civil Pessoa Jurídica
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
Por meio de escritura pública, Juscelino institui Fundação Pró-Meio Ambiente (FPMA), que tem por objeto a
pesquisa de tecnologia para o desenvolvimento sustentável. Destinou, para a pessoa jurídica, determinado número
de bens, os quais, no entanto, verificou-se que são insuficientes para a constituição da FPMA.

Tendo em vista que nada se dispôs no estatuto acerca dessa hipótese, sobre o destino dos bens da Fundação, é
correto afirmar que:
a)serão destinados a outra fundação de livre escolha a ser efetuada por Juscelino;
b)incorporarão o patrimônio do Município em que foi constituída;
c)serão destinados a fundo próprio do Ministério Público Estadual;
d)retornarão ao patrimônio de Juscelino, pois é condição resolutiva tácita de sua constituição a existência de bens
suficientes para suas atividades;
e)serão incorporados ao patrimônio de fundação que possua finalidade semelhante.

200Q875426
Direito Civil Ato Jurídico, Fato Jurídico e Teoria Geral do Negócio Jurídico
Ano: 2018
Banca: FGV
Órgão: Câmara de Salvador - BA
Prova: Analista Legislativo
A Construtora Imóveis Novos Ltda. (CIN) contrata com Loteamentos Urbanos Ltda. (LU) a permuta de determinado
lote de propriedade da LU com o direito de quatro unidades no prédio de dez andares que CIN incorporará no local.
Antes de iniciar a obra, CIN solicita autorização para construção junto à municipalidade, que, no entanto, nega, sob
o fundamento de que naquela área apenas é possível realizar a construção de edificação de até três andares com
três unidades imobiliárias, conforme legislação vigente antes mesmo da permuta.

Diante da negativa administrativa, o negócio jurídico é:


a)eficaz, mas poderá ser anulado por erro de direito;
b)inválido, pois viciada a vontade das partes;
c)eficaz, não sendo possível o desfazimento, tendo em vista que a ninguém é dado desconhecer a lei;
d)inexistente, por ausente o motivo;
e)válido, porém ineficaz, ante o vício sobre o motivo.
Respostas 181: 182: 183: 184: 185: 186: 187: 188: 189: 190: 191:
192: 193: 194: 195: 196: 197: 198: 199: 200: