Anda di halaman 1dari 12

PROCEDIMENTO DE MONTAGEM E DESMONTAGEM DE ANDAIMES

DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

NBR-6494 - Segurança nos Andaimes


NBR-6327 - Cabo de Aço para Uso Geral
NR-18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção

DESCRIÇÕES

Materiais;

 Os tubos de andaimes devem ser de aço galvanizado, com costura removida e pontas
lisas, diâmetro nominal 1 ½ IN (diâmetro externo 48,25mm), espessura de parede 3,05
mm e peso aproximado de 3,65kg/m. Devem estar em boas condições de uso e não
devem estar amassados, tortos ou sujos de óleo. Não é admitido o uso de tubos
galvanizados tipo eletroduto para montagem de andaimes.

 As braçadeiras fixas e giratórias, luvas, guarda corpo de escada, forcado e macaco, não
devem estar deformados ou avariados e os parafusos e porcas em bom estado de
conservação, sem rosca espanada.

 Os quadros de tubos metálicos, usados em andaimes de quadros, devem estar em


boas condições de uso, isento de corrosão, com as extremidades de encaixe sem
amassamentos e não devem estar sujos de óleo.

 Os tubos e acessórios de Andaimes Técnicos não devem apresentar empenos ou


deformações, e o sistema de encaixe deve estar em boas condições de uso.

 Os pranchões de madeira devem ter espessura mínima de 38mm e largura de 300mm,


isento de rachaduras, defeitos ou pregos e não contaminados com óleo, sendo proibido
o uso de aparas de madeira e pinturas que encubram imperfeições.
 As pranchas de alumínio não devem estar amassadas, empenadas, sujas de óleo ou
com trincas.

 Armazenar os tubos em prateleiras, separados e identificados por tamanho.

Montagem e desmontagem de andaimes;

 Solicitar Permissão de Trabalho (PT) junto ao responsável da área onde será montado
o andaime.

 A equipe de montadores de andaime deve conhecer previamente a finalidade e local de


montagem do andaime de acordo com a programação da fiscalização.

 Separar previamente o material necessário para a montagem do andaime e transportar


tubos, peças, pranchões e acessórios para o local do serviço utilizando carrinhos ou
caminhões.

 No caso de necessidade de paralisação da montagem de andaime, deve ser colocada


uma placa de identificação constando os dizeres “ANDAIME NÃO LIBERADO”.

 Utilizar placas de base ou de nivelamento ou pranchões no caso de montagem sobre


pisos não pavimentados ou irregulares.

 Todos os elementos do andaime devem ser fixados, não sendo permitido, sob-hipótese
alguma, peças soltas. As extremidades dos tubos não devem ultrapassar 100mm das
braçadeiras de fixação.

 A movimentação vertical de tubos pode ser feita unitária e manualmente (tipo


“formiguinha”); as braçadeiras devem ser movimentas com cordas e podem ser
acopladas entre si ou previamente fixadas aos tubos. Não deve ser feito manuseio de
materiais por arremesso.
 Nos casos de movimentação vertical com guinchos ou guindastes, os tubos devem ser
içados com utilização de caçambas apropriadas ou agrupados e amarrados diretamente
no cabo de elevação. Para elevação por amarração fixar braçadeiras próximas das
extremidades dos tubos e fazer amarração pelas braçadeiras.

 A plataforma de trabalho deve ter largura mínima de 900mm e não deve ter inclinação
superior a 15%.

 Devido à geometria ou disposição das instalações, pode não ser possível atender esse
requisito, caso não seja possível, esta informação deve constar na APR (Análise
Preliminar de Risco), junto com as medidas de controle cabíveis.

 Os pisos não devem ser lisos, e apresentar rugosidade suficiente para evitar
escorregamento, mesmo quando úmidos.

 Toda plataforma de andaime deve ser protegida por guarda corpo

 O guarda corpo deve ser fixado de modo a não se deslocar para nenhuma direção.

 As plataformas não devem ter vãos livres - sem postes - superiores 2,5 metros.

 Este item refere-se à dimensão máxima entre vãos, o que não impede que, sendo
necessário em função da segurança e a necessidade, se instale quebra-vãos em
medidas menores que 2,5m.

 As pranchas devem ser montadas lado a lado sem vãos entre elas e fixadas nas duas
extremidades.

 Devem possuir diagonais os andaimes:

 Com altura superior a 1,80m


 Com área da base superior a 4m²
 Sobre rodízios devem possuir diagonais.
 No caso de andaimes com altura inferior a 4m, pode-se montar diagonais em faces
alternadas de cada anel. Acima de 4m, para maior estabilidade, deve-se montar
diagonais em todas as faces do andaime.

 (Prática recomendada) Andaime com altura menor que 4m: diagonais em duas faces
(no mínimo) Andaime com altura maior que 4m: diagonais em todas as faces
obrigatoriamente.

 Devem ser instalados rodapés nas plataformas situadas acima de 1,50m do solo.

 Devem ser montadas escadas em andaimes para acesso a plataformas situadas a


alturas superiores a 1,50m e para todos os demais níveis de plataformas.

 Devem ser preferencialmente montadas escadas com peças prémontadas, o diâmetro


do tubo do degrau deve ser no máximo 1”, para possibilitar “pega” adequada.

 São admitidas escadas feitas com braçadeiras intercaladas a cada 40cm, montadas a
180º uma da outra apenas em condições especiais, limitadas a um trecho máximo de
2,00m.

 São admitidas escadas feitas com tubos de andaime apenas em condições especiais,
com os degraus espaçados 300mm um do outro, e limitada a um trecho máximo de
1,50m.

 Para acesso interno a equipamentos (situações especiais), podem ser utilizadas


escadas tipo marinheiro (com cabo de aço), devendo preferencialmente ser fixada a
extremidade inferior para diminuir balanços.

 Para cada lance de 6,00m (seis metros), deve existir um patamar intermediário de
descanso, intercalado e protegido por guarda-corpo e rodapé.

 As escadas devem ser montadas de modo que na extremidade inferior sempre haja um
tablado, principalmente no caso de se intercalar escadas, que devem ser montadas
para que não ocorra a situação da escada “acabar” quando as pessoas estiverem
descendo.

 Deve ser tomado cuidado especial quanto à distribuição de carga e pessoas sobre a
plataforma do andaime, de modo a se evitar o risco de desequilíbrio da plataforma.

 Proibido o empilhamento de peças sobre a plataforma.

 Proibido o uso de qualquer tipo de escada ou artifício (caixote, tambor, etc) colocado
sobre plataformas de andaimes, para subir em níveis superiores.

 Proibido acrescentar trechos em balanço ao estrado de andaimes suspensos que não


estejam devidamente ancorados, evitando tombamento.

 A altura máxima de andaimes sobre rodízios fica limitada a quatro vezes a menor
dimensão da base e não deve ser movimentado com pessoas ou ferramentas sobre as
plataformas.

 Prever trava nos rodízios ou amarração do andaime durante sua utilização.

 Os andaimes móveis somente podem ser utilizados em superfícies planas.

 Na liberação final da montagem do andaime para sua utilização, deve ser colocada uma
placa de identificação constando os dizeres “ANDAIME LIBERADO ”.

 Proibido retirar qualquer dispositivo de segurança ou elemento estrutural dos andaimes


ou anular sua ação.
Cabo guia:

 O cabo guia deve atender as especificações da NBR-6327 e resistir no mínimo a 5


vezes aos esforços que será submetido.

 Na utilização do cabo guia, o mesmo deve ser dimensionado levando em conta no


mínimo os seguintes aspectos:

 Vão livre.
 Número de trabalhadores presos ao cabo.
 Método de fixação do cabo de aço.
 Esforços no ponto de engastamento.
 Peso próprio do cabo.

 Risco do cabo guia atingir outras pessoas ou equipamentos, quando do tensionamento


do cabo em função da queda de algum executante.

 Preferencialmente, deve ser utilizado um cabo guia para cada executante.

 O cabo guia deve ser fixado em estrutura fixa, no próprio equipamento ou edificação.

 Cabos de aço não foram projetados para resistir a esforços de dobramento, portanto,
podem ser danificados em caso de ocorrência de um incidente.

 O cabo guia deve ser inspecionado na instalação, desinstalação, diariamente antes do


início de cada jornada de trabalho ou caso ocorra algum incidente:

 O cabo de guia deve ser substituído quando apresentar condições que comprometam a
sua integridade, em face da utilização a que estiver submetido.
Trabalhos em Telhado:

 Para trabalhos em telhados, devem ser usados dispositivos que permitam à


movimentação segura dos trabalhadores, sendo obrigatória à instalação de cabo guia
de aço, para fixação do cinto de segurança tipo pára-quedista.
Atendendo dispositivo da NR-18
Nota: Os cabos guias deverão ser fixados conforme a condição de trabalho, de forma
atender a Zona de Queda Desimpedida.

 Nos locais onde se desenvolvam estas atividades, devem existir sinalização e


isolamento de forma a evitar que os trabalhadores no piso inferior sejam atingidos por
eventual queda de materiais e equipamentos

 Qualquer deslocamento ou trabalho sobre telhado deverá ser precedido de estudo de


análise de risco (AR).

 Deve ser previsto no planejamento do trabalho , sempre que possível, a utilização de


plataformas elevatórias para instalação e remoção dos materiais necessários para a
montagem do andaime. Esta recomendação é para se evitar a concentração de cargas
sobre o telhado e a exposição do empregado ao risco.

Segurança na montagem:

 Os montadores de andaimes devem estar equipados com os EPI’s básicos e cinto de


segurança tipo pára-quedista. Outros EPI’s podem ser necessários em função das
condições de trabalho.

 Qualquer alteração das condições iniciais previstas na Permissão de Trabalho o serviço


deve ser interrompido e imediatamente comunicada ao Supervisor responsável pelo
serviço.

 O montador de andaimes deve possuir um porta-chave fixo ao cinto e a chave de


andaime deve ter um sistema de amarração ao cinto ( cordas de nylon ) ou a pulseiras
de couro fixadas no punho do montador.
 A finalidade de uso do andaime é proporcionar acesso externo ao equipamento e
dimensionado para esforços verticais; QUALQUER alteração na finalidade de uso após
a montagem do andaime não é permitida, sendo necessário projeto específico para
atender a adição de esforços laterais ou de suportação.

 A montagem de andaime de quadros limita-se apenas a alturas não superiores a 6


(seis) metros, sendo que a sua altura não pode ser maior que quatro vezes a menor
dimensão da base, apenas em manutenção predial.

 Andaimes (tubulares, de quadros ou técnicos) com altura maior que quatro vezes a
menor dimensão da base deve ser fixada ou estroncada em estruturas metálicas ou de
concreto ou estaiados com cabos de aço ou cordas. Não é permitida a fixação de
andaimes em tubulações ou equipamentos.

 Durante a montagem e desmontagem, o acesso aos andaimes deve se limitar apenas à


equipe responsável pelo serviço e devem ser isoladas as áreas próximas, para impedir
acesso de pessoas.

 Toda precaução deve ser tomada para evitar queda de objetos dos andaimes, não
devendo haver empilhamento de materiais sobre eles.

 Toda sobra de materiais deve ser acondicionada adequadamente e retirada dos


andaimes.

 Manter livres os acessos a hidrantes, extintores e escadas e não obstruir acessos de


máquinas de carga. Caso não seja possível manter livres estes locais, informar o
responsável pela respectiva Área e manter sinalização de advertência.

 O andaime não deve criar condições inseguras para acionamento e/ou utilização de
válvulas, instrumentos, painéis de comando ou de acionamento. Caso não seja
possível, deve ser solicitada a autorização do responsável da área.
 Devem ser tomadas precauções especiais quanto à montagem, movimentação e
utilização de andaimes próximos a redes elétricas, energizadas ou não.

 Deve-se sempre verificar a possibilidade de se desnergizar instalações elétricas nas


proximidades do local onde será montado o andaime ou que represente risco aos
montadores ou aos usuários do andaime.
 Caso não seja possível, esta informação deve constar na APR (Análise Preliminar de
Risco), junto com as medidas de controle cabíveis.

 Observar se o local da montagem, movimentação e desmontagem do andaime está


próximo de tubulações e equipamentos aquecidos devido ao risco de queimaduras ou
internação.

 Se necessário, devem ser previstos meios de atenuação do calor e/ou revezamento de


pessoal.

 Devem ser tomados cuidados especiais:

 De segurança quanto à desmontagem de andaimes que tenham seus componentes


(tubos, braçadeiras, pranchas, etc) aquecidos, pela proximidade a equipamentos
quentes.

 Quanto à existência de instrumentos, cabos de malhas de controle ou equipamentos


sensíveis no local, evitando-se impactos ou danos que venham a causar prejuízo ou
paradas operacionais de equipamentos ou de sistemas.

 Analisar o uso de pranchas de madeira ou alumínio em plataformas de andaimes


próximos a equipamentos ou tubulações aquecidas devido ao risco de incêndio por
combustão da madeira.

 Todos as pessoas envolvidas em trabalhos em andaimes suspensos devem estar


equipadas com cinto de segurança tipo pára-quedista, ligados a um cabo (corda) e
segurança, com sistema trava-quedas, com a extremidade superior presa à estrutura da
edificação (tanque, estrutura metálica, edificação, etc), independente da estrutura do
andaime.

 Os cabos de sustentação de Andaimes Suspensos devem ser inspecionados , devendo


ser retirados de serviço e destruídos os cabos que não atendam às recomendações da
Norma.

 Todos os acessórios do cabo de aço, como olhais, ganchos, grampos e etc devem ser
fabricados e inspecionados, devendo ser retirados de serviço e destruídos os cabos que
não atendam às recomendações da Norma.

 Os cabos de aço utilizados devem ser de comprimento tal que, para a posição mais
baixa do estrado ainda restem no mínimo duas voltas no tambor.

 As plataformas dos andaimes suspensos devem distanciar-se no máximo de 30cm da


superfície de trabalho.

 Os mecanismos de elevação dos andaimes suspensos podem ser de acionamento


manual, elétrico, pneumático ou hidráulico, devendo, para cada caso ser observados os
cuidados básicos com o uso de EPIs adequados, energização, mangueiras
pressurizadas e risco de choques elétricos.

 Os mecanismos de elevação de andaimes suspensos devem ser inspecionados antes


de cada jornada de trabalho.

 Os guinchos de elevação devem satisfazer às seguintes condições:

 Ter dispositivos que impeçam o retrocesso do tambor;

 Possuir trava de segurança adicional.

 As vigas de sustentação do andaime suspenso devem ser dimensionadas de modo que


o momento resistente seja no mínimo três vezes o momento solicitante.
 Proibida a fixação de vigas de sustentação nos andaimes por meio de sacos com areia,
latas com concreto ou outros dispositivos similares.

 Proibido o uso de cordas de fibras naturais ou artificiais para sustentação dos andaimes
suspensos mecânicos.

 Devem ser tomadas precauções especiais quanto à montagem, movimentação e


utilização de andaimes próximos a janelas ou vitros, devido ao risco de choque e
quebra do vidro. Durante a execução do serviço manter sempre uma distância segura,
para que esta atividade não ofereça risco de acidente . Caso não seja possível, esta
informação deve constar na APR (Análise Preliminar de Risco), junto com as medidas
de controle cabíveis.

Manutenção das peças e acessórios:

 As luvas e braçadeiras devem ser estocadas em recipientes em uma solução de óleo ou


outro produto específico, protegidas com um filme protetor. Em caso de necessidade o
produto deve ser drenado em vasilhame apropriado e descartado .

 Pranchas (de madeira ou alumínio), luvas, braçadeiras e tubos sujos de óleo devem ser
armazenados separados dos materiais em uso.

 Os tubos de andaimes com extremidades amassadas devem ser cortados a frio em


uma dimensão padrão menor; os segmentos de tubo devem ser descartados como
sucata ferrosa.

 Braçadeiras e Luvas com parafusos defeituosos devem ser armazenadas


separadamente dos materiais em uso e ter os parafusos substituídos posteriormente; os
parafusos removidos devem ser descartados como sucata ferrosa.

 Tubos e/ou quadros empenados, braçadeiras e luvas deformadas ou avariadas devem


ser descartados como sucata ferrosa.
 Os pranchões de madeira com rachaduras devem ser descartados, exceto quando
apenas as extremidades apresentarem-se defeituosas, quando podem ser serrados
para uma dimensão padrão menor, eliminando os defeitos ou rachaduras, descartando
apenas a madeira inutilizada.

 As pranchas de alumínio empenadas devem ser descartadas, sendo que as pranchas


apenas amassadas nas extremidades podem ser cortadas a frio e reaproveitadas em
uma dimensão padrão menor.