Anda di halaman 1dari 37

2 - CORRENTES

2.1. INTRODUÇÃO

As correntes são elementos de máquinas flexíveis utilizadas para a transmissão


de potência ou transporte/movimentação de carga. Neste capítulo serão abordadas
apenas as correntes de transmissão, devido a sua grande utilização. Serão apresentados
os tipos mais comuns, suas principais aplicações, a padronização e a terminologia
utilizada, o processo de seleção e recomendações de projeto.
A seleção o tipo de transmissão mais adequado depende dos requerimentos
específicos. As correntes, apesar de possuírem características comuns a outros tipos de
transmissão (correias e engrenagens), têm também características únicas, devendo o
projetista analisá-las e considerá-las como uma interessante opção e decidir sobre sua
utilização.

Figura 2.1 – Corrente de rolos dupla.

Elas são largamente utilizadas na indústria mecânica, onde as aplicações


abrangem diversas áreas, como M.Opt., automobilística (automóveis, motocicletas e
bicicletas), naval, aeronáutica e etc. São também utilizadas na indústria nuclear, de
mineração e máquinas transportadoras.

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 58


A CORRENTE DE ROLOS OU ROLETES

Desenhos de Leonardo da Vinci datados do século 16 mostram o que aparenta


ser a primeira corrente de aço para transmissão. Porém, os créditos desta invenção são
dados a Hans Renold que apresentou a patente da corrente de rolos (ou roletes) em
1880. Até então, as correntes utilizavam apenas pinos e placas. A figura 2.1 mostra uma
moderna corrente de rolos dupla e a figura 2.2 apresenta o projeto original de Hans
Renold para a patente britânica.

Figura 2.2 - Projeto original de Hans Renold para a patente britânica -1880.

Desde então as correntes de rolos vêm sendo largamente empregadas na


indústria mecânica. Por este motivo o engenheiro projetista deve utilizar um criterioso
processo de seleção desde os primeiros passos do projeto. A seleção da corrente mais
adequada a certa aplicação implica em maior eficiência e menor custo. Assim o
projetista deve considerar alguns parâmetros e critérios orientadores para a correta
seleção de correntes. Os principais são:
• potência transmitida,
• relação de transmissão (i) ou as velocidades dos eixos motor e movido,
• características da máquina movida e da motora,
• espaço disponível (distância entre os eixos),
• vida e confiabilidade requerida,
• condições de operação (presença de poeira ou sujeiras, temperatura e etc.),
• custo.

As características principais desse tipo de transmissão são:

• adequada para grandes distâncias entre eixos (tornando impraticável a


utilização de engrenagens),
DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 59
• transmissão de maior potência (quando comparada com correias),
• permite a variação do comprimento, com a remoção ou adição de elos,
• menor carga nos mancais, já que não necessita de uma carga inicial,
• não há perigo de deslizamento,
• bons rendimentos e eficiência (98 a 99 %, em condições ideais)
• longa vida,
• permite grandes reduções (i < 7),
• são mais tolerantes em relação ao desalinhamento de centros,
• transmissão sincronizada,
• condições severas de operação (correias são inadequadas sob umidade, alta
temperatura ou ambiente agressivo)
• são articuladas apenas em um plano,
• sofrem desgaste devido a fadiga e a tensão superficial
• ruídos, choques e vibrações
• necessidade de lubrificações
• necessidade de proteção contra poeira e sujeiras
• menor velocidade

2.2. MATERIAIS DE FABRICAÇÃO E TIPOS DE CORRENTE

Os materiais de fabricação das correntes devem atender aos requerimentos de


carga elevada, alta resistência, alta suscetibilidade ao tratamento térmico, alta
resistência aos esforços de fadiga, baixa temperatura de transição dúctil-frágil, baixa
sensitividade ao impacto, excelentes possibilidades de usinagem, conformação, corte e
solda. As correntes são normalmente fabricadas em aços especiais, (aço cromo-níquel),
tratados termicamente (têmpera e revenido), com superfícies de apoio (pinos e buchas),
endurecidos, para aumentar a resistência à fadiga, ao desgaste e à corrosão. Aços inox
também são utilizados, bem como ferro e ferro fundido.

2.2.1. TIPOS DE CORRENTE

1) Galle
São correntes sem roletes, compostas apenas por placas laterais e pinos maciços
(figura 2.3). Aumentando-se o número de placas laterais pode-se obter maiores
DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 60
capacidades de carga. Normalmente são utilizadas para elevar ou abaixar pequenas
cargas, tais como: máquinas de elevação até 20 T e com pequena altura, portões e
transmissão de pequenas potências em baixas rotações. A relação de transmissão
máxima recomendada é de 1:10 e a velocidade máxima recomendada de 0,5 m/s, devido
ao grande desgaste das placas laterais.
b2

L
b1

passo
(a) (b)

Figura 2.3 – (a) Corrente tipo GALLE com dupla placa lateral e (b) simples.

2) Zobel ou Lamelar (Leaf Chain)


Este tipo de corrente é empregado em transmissão de potência em médias
velocidades (até 3,5 m/s) e relação de transmissão máxima recomendada de 1:10. São
mais resistentes ao desgaste do que as correntes do tipo Galle, pois possuem maior
superfície de contato. Possuem as buchas fixas às placas internas e os pinos fixos às
placas externas. Os pinos podem ser ocos, resultando em uma corrente com menor peso.

Figura 2.4 – Corrente tipo ZOBEL.

3) Fleyer
São semelhantes às correntes Galle e não possuem roletes (figura 2.5). Não são
utilizadas em transmissão de movimento. São empregadas para elevação de carga,
tracionamento, máquinas siderúrgicas de pequeno porte e etc..

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 61


t
b

d
passo

Figura 2.5 – Corrente tipo FLEYER.

4) Correntes Silenciosas: (Dentes Invertidos)


Este tipo de corrente tem as placas laterais fabricadas em forma de dentes
invertidos que se acoplam com os dentes da engrenagem. O perfil dos dentes da
corrente e do pinhão é normalmente reto. Devido a esta geometria o acoplamento é feito
com um perfil equivalente aos dentes de engrenagem (maior distância entre centros)
proporcionado um engrenamento gradual, com melhor distribuição da carga ao longo do
“dente”, diminuindo, assim, o impacto, o desgaste, o efeito cordal e o ruído em altas
velocidades (7 a 16 m/s). Algumas correntes silenciosas são fabricadas com placas com
perfil envolvental, o que permite a transmissão de maior potência e velocidade. Com
lubrificação adequada correntes silenciosas operam com eficiência entre 95 % e 99%.

(a) (b)

(c) (d)

Figure 2.6 - Correntes silenciosas - (a) com juntas de deslizamento – (b) com juntas de rolamento – (c) e
(d) exemplos de correntes silenciosas.

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 62


5) Corrente de rolos (Roller Chain) – Renold (Hans), 1880.
As correntes de rolos são as mais utilizadas, tanto para transmissão de potência
como para esteira transportadora. São fabricadas com diversos elos sendo cada um deles
composto de placas, roletes, grampos ou anéis e pinos (figura 2.7). A corrente se acopla
à engrenagens motora (pinhão) e movida (coroa) que transmitem o movimento. Os
dentes das engrenagens se acoplam com os roletes rotativos, onde o desgaste é reduzido,
pois acontecem contatos do tipo deslizante e rolante.
Estas correntes estão disponíveis em diversas formas padronizadas e materiais,
tais como aço, aço inox, plásticos (para autolubrificação). Permitem velocidade de até
11 m/s, porém a faixa recomendada é de 3 a 5 m/s.

(a) (b)

Figura 2.7 – (a) Correntes de rolos dupla e (b) corrente de rolos simples.

2.3. NOMENCLATURA E COMPONENTES DE CORRENTES


DE ROLOS
A figura 2.8, abaixo, apresenta a vista lateral e a seção de uma corrente de rolos,
sua geometria e a respectiva nomenclatura, bem como algumas definições.

Figura 2.8 – Nomenclatura e componentes das correntes de rolos.

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 63


p → passo [mm]
l → largura [mm]
d → diâmetro do rolete [mm]
Lm → distância entre as correntes em correntes múltiplas [mm]

A corrente de rolo é composta de por partes simétricas com elos internos e


externos montados alternadamente. Um elo é composto de quatro partes: duas placas
laterais e dois pinos. Nas correntes do tipo contra-pino, estes são prensados em uma
placa e atravessam a outra com pouca folga para serem contra-pinados. No tipo rebitado
os pinos são prensados e rebitados em ambas as placas. O elo interno é constituído de 6
partes: 2 rolos com giro livre sobre duas buchas, que são prensadas em ambos os lados
sobre as duas placas.

(a) (b) (c)


Figura 2.9 – Componentes das correntes de rolos.

A tabela 2.1 abaixo apresenta os componentes das correntes de rolos, suas


funções e os esforços aos quais estão submetidos. A figura 2.10 mostra a montagem das
correntes de rolos.

Tabela 2.1 – Funções e esforços dos Componentes das correntes de rolos.

COMPONENTES DAS
CORRENTES DE FUNÇÃO ESFORÇO
ROLOS
Tração, cisalhamento, flexão e
Pinos Suportar esforços da transmissão
fadiga
Envolver o pino protegendo-o contra o
Buchas Fadiga e desgaste
impacto do engrenamento

Roletes Amortecer o impacto do engrenamento Impacto, fadiga e desgaste

Placas laterais - externa Fixar os pinos e buchas em suas


Tração, fadiga e choque.
- interna posições e suportar a carga do conjunto

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 64


Figura 2.10 – Montagem dos componentes das correntes de rolos.

A nomenclatura utilizada na transmissão por correntes de rolos, bem como


algumas simbologias e definições é mostrada na figura 2.11, abaixo.

passo

2 r

Figura 2.11 – Nomenclatura das transmissões por correntes.

γ → ângulo de articulação

2 ⋅ π 360
γ = = [1]
z z

zp,c → número de dentes do pinhão e da coroa


n1,2 → rotação do pinhão e da coroa
dp,c → diâmetro primitivo do pinhão e da coroa
c → distância entre centros
F → carga na corrente
P → potência transmitida
i → relação de transmissão
θ → ângulo de contato (abraçamento) da corrente e pinhão.

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 65


n1 d c
i= =
n2 d p

sen
γ
=
( p / 2) ⇒ d = p ⇒ d=
p
[2]
2 (d / 2) sen(γ / 2) ⎛ 180 ⎞
sen⎜ ⎟
⎝ z ⎠

v=
(π ⋅ d ) ⋅ n ⇒ v = (z ⋅ p ) ⋅ n [m/s] [3]
60 60

Simples Dupla

Tripla Quádrupla

Figura 2.12 – Configuração das correntes de rolos.

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 66


Figura 2.12.a – Correntes simples, dupla, tripla e óctupla.

2.4. AÇÃO POLIGONAL OU CORDAL

O apoio da corrente sobre o pinhão/coroa é sob forma de polígono. Devido a


esse efeito aparecem oscilações na velocidade e força da corrente, provocando atrito e
choque e, consequentemente, menor eficiência da transmissão.

Variação cordal passo


r - rc

rc r r

Figura 2.13 – Efeito poligonal ou cordal.

Variação de velocidade devido ao efeito cordal:

Δv ⎛ v −v ⎞ ⎡ ⎛ 180 ⎞ ⎤⎛ ⎛ 180 ⎞ ⎞
= 100 ⋅ ⎜ máx mín ⎟ = 100 ⎢sec⎜ ⎟ − 1⎥⎜⎜ cos⎜ ⎟ ⎟⎟ [%] [4]
v ⎝ v ⎠ ⎣ ⎝ z ⎠ ⎦⎝ ⎝ z ⎠ ⎠

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 67


p
Vmáx V Vmin

Vmáx =
2 Vmáx

d0

d0 . cos
=0 =
2
I II
s

Variação do deslocamento - s
tempo

Vmáx
Variação da velocidade - v
Vmín tempo

a = dv
dt

Aceleração - a
tempo

I II I II I

Figura 2.14 – Variação do deslocamento, velocidade e aceleração na corrente.

A figura 2.14, acima, mostra os gráficos de deslocamento, velocidade e


aceleração, devido ao efeito poligonal sobre a movimentação da corrente com rotação
constante no pinhão, representado por um hexágono, em relação ao ângulo de rotação ϕ.

VCH

V= .r
2 2

V= .r
1 1

VCH

r2 1
r1

Figura 2.15 – Análise das velocidades.

onde: VCH → velocidade com que a corrente entra na roda dentada.

Pinhão:
VCHp = V.cos β = ω1.r1.cosβ
VCHp máx (β ≠ 0) = ω1.r1
VCHp min (β = γ1/2) = ω1.r1.cos γ2/2 = ω.1r1.cos [180o/zp]

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 68


Coroa:
VCHc = V.cos ϕ = ω2.r2.cosϕ
VCHc máx (ϕ ≠ 0) = ω2.r2
VCHc min (ϕ = γ2/2)= ω2.r2.cos[180o/zc]

ω2= VCHc /r2.cosϕ VCHc = VCHp , então:

r1cosβ ω r cos ϕ
ω 2 = ω1 ⇒i= 1 = 2 se ω1 = cte e ω2 ≠ cte
r2 cosϕ ω 2 r1 cos β
Variação de velocidade - v - [%]

25
v

20

15

10

0
0 10 20 30 40 50
Número de dentes - z

Figura 2.16 – Gráfico de No de Dentes do Pinhão x Variação da Velocidade (%)


(zp x Δv/v)

2.5. DIMENSIONAMENTO E ESPECIFICAÇÃO

2.5.1 ANÁLISES DE TENSÕES

As tensões a que uma corrente esta submetida durante sua utilização são:
- tração na placa lateral (Figura 2.17.a)
- flexão e cisalhamento do pino (Figura 2.17.b)

Locais de ruptura
l

F F x y

T T
2 n 2
ei
i=1 2

(a) (b)

Figura 2.17 – (a) Locais de ruptura da placa lateral da corrente e (b) tensão atuante no pino.

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 69


- desgaste do rolete, pino e dentes, devido ao atrito entre as partes
- carga devido ao efeito poligonal
- força centrífugas e inerciais

2.5.2 ESPECIFICAÇÃO DE CORRENTES

Para a especificação da corrente de rolos mais adequada, o projetista deve


determinar:
ƒ o número ANSI, que informa o tamanho da corrente,
ƒ o número de correntes (simples, dupla, tripla, quádrupla e etc.),
ƒ o número de elos (comprimento).
A tabela 2.2 fornece as dimensões padronizadas das correntes de rolos.

Tabela 2.2 – Padronização das dimensões das correntes de rolos.

Número da Resistência Peso Diâmetro Distância entre


Passo Largura
corrente mínima à médio do rolete correntes
AISI [mm] [mm]
tração [N] [N/m] [mm] múltiplas [mm]
25 6.35 3.18 3470 1.31 3.30 6.40
35 9.52 4.76 7830 3.06 5.08 10.13
41 12.70 6.35 6670 3.65 7.77 -
40 12.70 7.94 13920 6.13 7.92 14.38
50 15.88 9.52 21700 10.1 10.16 18.11
60 19.05 12.70 31300 14.6 11.91 22.78
80 25.40 15.88 55600 25.0 15.87 29.29
100 31.75 19.05 86700 37.7 19.05 35.76
120 38.10 25.40 124500 56.5 22.22 45.44
140 44.45 25.40 169000 72.2 25.40 48.87
160 50.80 31.75 222000 96.5 28.57 58.55
180 57.15 35.71 280000 132.2 35.71 65.84
200 63.50 38.10 347000 160 39.67 71.55
240 76.70 47.63 498000 239 47.62 87.83

Inicialmente deve ser determinada a potência transmitida por correntes simples


(passo médio e largo) baseado em pinhão de 17 dentes. A tabela 2.3 fornece a potência
nominal por correntes de rolos em função da rotação do pinhão e da serie da corrente.

P[kW] = f(np, série da corrente)

Os valores nela contidos são obtidos experimentalmente e são normalmente


fornecidos pelos fabricantes. Os ensaios são executados baseados nas seguintes
condições:

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 70


ƒ 15000 horas ⇒ L10
ƒ Corrente simples
ƒ Fator de serviço unitário
ƒ Comprimento de 100 passos
ƒ Lubrificação adequada
ƒ Alongação máxima de 3 %
ƒ Eixos horizontais
ƒ Pinhão e coroa com 17 dentes

Tabela 2.3 – Capacidade de transmissão de carga das correntes de rolos de acordo com o número da
corrente ANSI [HP].
Rotação do
pinhão
[rpm]

25 35 40 41 50 60 80 100 120 140 160 180 200 240

50 0.05 0.16 0.37 0.20 0.72 1.24 2.88 5.52 9.33 14.4 20.9 28.9 38.4 61.8
100 0.09 0.29 0.69 0.38 1.34 2.31 5.38 10.3 17.4 26.9 39.1 54.0 71.6 115
150 0.13 0.41 0.99 0.55 1.92 3.32 7.75 14.8 25.1 38.8 56.3 77.7 103 166
200 0.16 0.54 1.29 0.71 2.50 4.30 10.0 19.2 32.5 50.3 72.9 101 134 215
300 0.23 0.78 1.85 1.02 3.61 6.20 14.5 27.7 46.8 72.4 105 145 193 310
400 0.30 1.01 2.40 1.32 4.67 8.03 18.7 35.9 60.6 93.8 136 188 249 359
500 0.37 1.24 2.93 1.61 5.71 9.81 22.9 43.9 74.1 115 166 204 222
600 0.44 1.46 3.45 1.90 6.72 11.6 27.0 51.7 87.3 127 141 155 169
700 0.50 1.68 3.97 2.18 7.73 13.3 31.0 59.4 89.0 101 112 123
800 0.56 1.89 4.48 2.46 8.71 15.0 35.0 63.0 72.8 82.4 91.7 101
900 0.62 2.10 4.98 2.74 9.69 16.7 39.9 52.8 61.0 69.1 76.8 84.4
1000 0.68 2.31 5.48 3.01 10.7 18.3 37.7 45.0 52.1 59.0 65.6 72.1
1200 0.81 2.73 6.45 3.29 12.6 21.6 28.7 34.3 39.6 44.9 49.9
1400 0.93 3.13 7.41 2.61 14.4 18.1 22.7 27.2 31.5 35.6
1600 1.05 3.53 8.36 2.14 12.8 14.8 18.6 22.3 25.8
1800 1.16 3.93 8.96 1.79 10.7 12.4 15.6 18.7 21.6
2000 1.27 4.32 7.72 1.52 9.23 10.6 13.3 15.9
2500 1.56 5.28 5.51 1.10 6.58 7.57 9.56 0.40
3000 1.84 5.64 4.17 0.83 4.98 5.76 7.25
Tipo A Tipo B Tipo C Tipo C’

Observação: Tipo A → Lubrificação manual ou gotejamento.


Tipo B → Lubrificação de disco ou banho.
Tipo C → Lubrificação de óleo corrente.
Tipo C’→ Lubrificação idêntica a do tipo C, porém de mais difícil acesso; recomenda-
se procurar o fabricante.

As condições de operação, como o tipo de máquina movida e motora, a


temperatura de trabalho, vibrações e choques, as condições ambientais e a severidade da
transmissão influenciam a capacidade de carga das correntes. O fator que corrige estes
problemas e denominado Fator de Serviço (KS) e seu valor se encontra na tabela 2.4.

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 71


Tabela 2.4 – Fator de serviço – Ks.
Máquina
Motor de combustão Motor de combustão
Movida Motor elétrico
interna com acionamento interna com
Máquina ou turbina
hidráulico acionamento mecânico
Motora (*)
suave 1.0 1.0 1.2
moderado 1.2 1.3 1.4
pesado 1.4 1.5 1.7

*(severidade do acionamento - choque)

1º) Potência do projeto – Pproj

Pproj = K S ⋅ P [5]

KS → fator de serviço – Tabela 2.4 → Ks = f(máquina motora, tipo de choque)

2º) Capacidade de transmissão de corrente simples (possíveis)

Pcorr = k1 × k 2 × Psimples [6]

onde: Psimples → capacidade de carga de uma corrente simples de uma série específica.
k1 → fator de correção para o número de dentes do pinhão - k1 = f(zp) – Tabela 2.5.
k2 → fator de correção para o número de correntes – Tabela 2.6.

Tabela 2.5 - Fator de correção para o número de dentes do pinhão - k1.

Número de Fator de correção Número de Fator de correção


dentes do pinhão do número de dentes do pinhão do número de
(zp) dentes (k1) (zp) dentes (k1)
11 0.53 22 1.29
12 0.62 23 1.35
13 0.70 24 1.41
14 0.78 25 1.46
15 0.85 30 1.73
16 0.92 35 1.95
17 1.00 40 2.15
18 1.05 45 2.37
19 1.11 50 2.51
20 1.18 55 2.66
21 1.26 60 2.80

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 72


Tabela 2.6 - Fator de correção para o número de correntes – k2.

Número de correntes Fator de correção - k2


1 - simples 1.0
2 - dupla 1.7
3 - tripla 2.5
4 - quádrupla 3.3
5 - quíntupla 3.9
6 - sextupla 4.6
8 - óctupla 6.0

3º) Escolha da corrente (no de séries e no de correntes) mais adequada


Devem ser calculadas as potências de projeto (Pproj) e as potências transmitidas
(Pcorr) pelas quatro configurações (simples, dupla, tripla e quádrupla). A corrente mais
adequada será aquela que possua a capacidade de carga mais próxima e maior do que a
potência de projeto.

Pc ≥ Pproj

4º) Determinação de número de elos (L/p)


Para a especificação completa da corrente resta determinar o número de elos
adequado. Este é calculado através da equação [07] abaixo.

L 2 ⋅ c z1 + z 2 ( z 2 − z1 ) ⋅ p
2

= + + [7]
p p 2 4 ⋅π 2 ⋅ c

onde: z1 e z2 → número de dentes do pinhão e da coroa,


L/p → número de elos da corrente,
c → distância entre centros.

2.6. ESTIMATIVA DA VIDA

Após a especificação, uma estimativa da vida desta corrente pode ser feita. O
ponto essencial é a análise da ordem de grandeza desta vida. Caso ela não atenda aos
critérios de projeto, existem parâmetros que podem ser alterados para a obtenção de
uma alternativa mais adequada.

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 73


Os fatores que influenciam a vida de uma corrente são: a carga de tração, o
efeito cordal, o desgaste devido ao atrito e os efeitos centrífugos. Baseado nestes
conhecimentos, algumas observações podem ser feitas: quanto menor o número de
dentes do pinhão e quanto maior a velocidade da corrente, mais severa é a transmissão
e, consequentemente menor é a sua vida.
A vida da corrente é determinada estatisticamente e estimada em 15.000 h,
correspondendo a uma confiabilidade de 90 % (R = 0.9). O cálculo da vida e da
confiabilidade é feito de acordo com a equação [8], abaixo.

10
onde: C → Capacidade de carga
⎛C ⎞ 3
L10 = ⎜ ⎟
⎝P⎠ P → Carga aplicada [8]

A equação [09] determina a confiabilidade da corrente para uma vida diferente


de L10.

⎧⎪⎡ L ⎤ ⎫⎪
1.17
onde: L → vida requerida correspondente à
R = exp⎨⎢ ⎥ ⎬
⎪⎩⎣ 6.97 ⋅ L10 ⎦ ⎪⎭ R → confiabilidade [9]

2.7. EFICIÊNCIA DAS CORRENTES

A eficiência da transmissão (η) é alta, na ordem de 97 a 99%. Dobrovolsky [01]


propõe que o cálculo da eficiência das correntes seja feito da seguinte forma:

P
η= [10]
P +δ

Drol
δ = 4.902 ⋅ P ⋅ μ ⋅ [11]
D pin

onde: P → potência transmitida [kW]


δ → perdas por atrito das articulações [kW]
Drol → diâmetro do rolete [mm]
Dpin → diâmetro do pinhão [mm]
η → eficiência da corrente
⎧μ wet = 0.005
μ → coeficiente de atrito ⎨
⎩μ dry = 0.150
DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 74
A eficiência da corrente acoplada à eficiência dos mancais, resultará na
eficiência da transmissão.

2.8. LUBRIFICAÇÃO DE CORRENTES

Lubrificação e armaduras de proteção contra sujeiras e poeiras (figura 2.18) são


essenciais para prevenir o desgaste e prolongar a vida da corrente.
Sua performance é bastante melhorada através de lubrificação adequada nas
articulações e nos dentes das engrenagens. A lubrificação reduz o atrito entre as partes e
conseqüentemente o desgaste e ainda atua como refrigerante, retirando o calor gerado
pelo atrito aumentando, assim, a eficiência da transmissão. Óleos pesados ou graxas não
são recomendados, pois são muito viscosos e não conseguem penetrar as folgas das
peças de uma corrente. Entretanto, óleos com viscosidade muito baixa são incapazes de
manter uma camada de lubrificante adequada capaz de resistir às pressões de contato
atuantes na transmissão.
O método adequado de lubrificação depende de vários fatores: número de dentes
da engrenagem menor, potência transmitida, velocidade, temperatura, etc.. Existem 5
métodos básicos para a lubrificação: Manual, Gotejamento, Banho de óleo, Disco
rotativo e Lubrificação forçada ou spray sob pressão.
Cada um se diferencia pela efetividade, instalação e custos de manutenção.

Figura 2.18 – Exemplo de caixas de proteção para correntes [11].

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 75


Figura 2.19 –Locais onde a lubrificação de correntes deve ser efetuada.

1. Lubrificação Manual
Este método não necessita de equipamentos especiais para sua implementação.
O óleo pode ser aplicado periodicamente com pincel, aerosol (spray) ou almotolia (lata
de óleo), diretamente nos pontos de lubrificação da corrente. A freqüência deve ser tal
que mantenha a corrente sempre lubrificada, o que implica na utilização de um
lubrificante de baixa viscosidade para que penetre nas juntas. Porém se a viscosidade for
baixa demais o lubrificante poderá ejetado para fora da corrente em velocidades muito
altas.

Figura 2.20 – Lubrificação manual.

2. Gotejamento
Este método requer um sistema composto de um reservatório e dutos que
garantam que uma regular e controlada quantidade de óleo pingue sobre a corrente. A
recomendação é um fluxo de 5 a 20 gotas por minuto

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 76


Reservatório
de óleo

Figura 2.21 – Lubrificação por gotejamento.

3. Banho de óleo
Este tipo de lubrificação é normalmente utilizado quando a corrente é protegida
por uma armadura, na qual normalmente está contido na parte inferior um reservatório
de óleo, apenas o suficiente para cobrir a corrente (aproximadamente 10 mm de
profundidade). A cada rotação a corrente passa através deste óleo, sendo lubrificada e
também refrigerada.

Figura 2.22 – Lubrificação por banho de óleo [11].

4. Disco Rotativo
A lubrificação da corrente é feita através da circulação do óleo através de um
disco rotativo adicional, imerso aproximadamente 20 mm no óleo. A velocidade deve
ser superior a 200 m/mm.
DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 77
Figura 2.23 – Lubrificação por disco rotativo [11].

5. Lubrificação forçada ou spray sob pressão.


O óleo armazenado em uma caixa de proteção vedada (armadura) é injetado
continuamente sobre os pontos de lubrificação da corrente depois de impulsionado por
um sistema de bombeamento em circuito fechado, conforme mostra a figura 2.24 e 2.25.

Figura 2.24 – Esquema de lubrificação forçada ou spray

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 78


O spray deve ser direcionado, sempre que possível, para a parte interna da
corrente, perto do engrenamento para diminuir o impacto entre o rolete e o dente. Os
efeitos centrífugos sobre o óleo quando ele é forçado em vota da engrenagem ajudam a
penetração através dos elementos da corrente e também melhoram a taxa de
refrigeração.

Figura 2.25 – Projeto de lubrificação forçada ou spray [11].

Os métodos de lubrificação variam em efetividade o que afeta a performance da


corrente em termos de eficiência ( potência e velocidade) A tabela 2.7 contém valores
recomendados de viscosidade para os óleos de acordo com a velocidade da corrente e
com a temperatura (tabela 2.8).

Tabela 2.7 – Viscosidade recomendada para os óleos utilizados para a lubrificação de correntes [oE50].

Pressão na Sistema de lubrificação manual ou


Banho de óleo
junta da gotejamento
corrente Velocidade da corrente [m/s]
[MPa]
<1 1-5 >5 <5 >5
< 10 3 4–5 5–7 3 4–5
10 - 20 4-5 5–7 7–9 4–5 5–7
20 - 30 5-7 7-9 10 - 11 5-7 7-9

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 79


Tabela 2.8 – Viscosidade recomendada para os óleos utilizados para a lubrificação de correntes de
acordo com a temperatura [oC].

Tabela 2.9 – Viscosidades recomendadas para os óleos de acordo com a temperatura.

Grau SAE Faixa de Temperatura


o
recomendado [ C] [oF]
SAE 5 -50 a 50
SAE 10 -20 a 80
SAE 20 10 a 110
SAE 30 20 a 130
SAE 40 30 a 140
SAE 50 40 a 150

Figura 2.26 – Corrente de rolos lubrificada.

Para transmissões de altas cargas em altas velocidades normalmente é requerido


certo volume de lubrificante. O óleo precisa evitar (ou diminuir) o contato entre as
superfícies (lubrificação), dissipar o calor gerado (refrigeração) e levar impurezas e
poeiras acumuladas (limpeza). Tudo isto requer certa quantidade de lubrificante. A
tabela 2.10 fornece o fluxo de óleo mínimo necessário para uma lubrificação estável, em
função da potência transmitida.

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 80


Tabela 2.10 – Fluxo de óleo recomendado x Potência transmitida

Fluxo de
Potência transmitida
óleo
[HP] [CV] [kW] [gal/min]
50 50,7 36,8 0.25
100 101,4 73,6 0.50
150 152,1 110 0.75
200 202,8 147 1.00
250 253,6 184 1.25
300 304,3 221 1.50
400 405,7 294 2.00
500 507,1 368 2.25
600 608,5 442 3.00
700 710 515 3.25
800 811,4 589 3.75
900 912,8 662 4.25
1000 1014,2 736 4.75
1500 1521,3 1014 7.00
2000 2028,4 1472 10.00

2.9. LIMITES DE UTILIZAÇÃO E RECOMENDAÇÕES DE


PROJETO

1) A relação de transmissão, sempre que possível, não deve ultrapassar 7 (i ≤ 7). Para
relações maiores é recomendado o dobramento.
2) O no de dentes do pinhão deve, sempre que possível, ser maior do que (zp ≥ 17),
para minimizar o efeito poligonal. A soma do no de dentes de ambas as engrenagens
não deve ser menor do que 50. O no de dentes máximo não deve ultrapassar 120.
3) O no de elos da corrente não deve ser múltiplo do no de dentes pinhão nem da coroa,
para evitar que um determinado dente e um rolete específico se encontrem com
freqüência, prevenindo, assim, o desgaste.
4) Caso a distância entre centros (c) não seja conhecida a recomendação indicada é:

.30 p ≤ c ≤ 50 p.

Não deve ser nunca maior que 80 p, para evitar uma flecha excessiva devido ao peso
da corrente e conseqüente perda de eficiência. Outra recomendação para a distância
mínima entre centros é dada pela equação 12.

(d p + dc )
c min = [12]
2

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 81


5) A vida de uma corrente é determinada estatisticamente e estimada em 15000 h,
correspondente a confiabilidade de 90% (R(t) = 0.9).
6) As principais falhas nas correntes são:
- alongamento da corrente, proveniente do aumento do passo causado pelo desgaste
das articulações. Para que o alongamento não ultrapasse 3 % (Δℓ/ℓmáx = 3%) deve-
se utilizar velocidades até 6 m/s.
- falha das articulações (rolete, pino e dentes) são minimizadas através de
lubrificação.
- falhas de fabricação e montagem → são minimizadas através de controle de
qualidade.

Figura 2.27 – Exemplo de defeito em um rolete de corente.

7) A limpeza da corrente deve ser feita em dois estágios:


- limpeza com querosene para a retirada de óleo e sujeiras e
- imersão em óleo para restaurar a lubrificação interna.
8) Podem ser utilizados estiradores, tensores para compensar o alongamento e/ou a
diminuição do espaço, mas nunca no ramo tenso da corrente.
9) As folgas recomendas para as correntes são:
- transmissão horizontal: 2%
- transmissão vertical: 1%
10) A utilização de corrente simples com passo grande ou múltipla com passo pequeno
depende de considerações econômicas e do espaço disponível. As transmissões mais
econômicas normalmente utilizam correntes simples com os menores passos
possíveis, porém se o espaço limitar o tamanho da transmissão, a utilização de
correntes múltiplas permitirá um maior número de dentes do pinhão, reduzindo,
assim, o efeito cordal.

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 82


De uma forma geral pode-se utilizar a seguinte relação para a escolha do passo:
- passo pequeno ⇒ pequenas cargas em altas velocidades.
- passos grandes ⇒ cargas maiores em baixas velocidades.
11) A disposição da corrente de transmissão e suas engrenagens não devem ser
negligenciadas. O lado frouxo, sempre que possível, deve estar para baixo. A figura
2.28 mostra algumas configurações classificadas como recomendada, aceitável ou
não recomendada.

Recomendado

Aceitável

Não recomendado

Figura 2.28 – Configurações de transmissão.

12) Armaduras e proteção são frequentemente utilizados e fortemente recomendados. Os


principais motivos são:

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 83


• lubrificação:
- reservatório para armazenamento de óleo;
- armazenar o excesso de óleo contaminado proveniente da lubrificação
permitindo sua troca.
• segurança:
- proteger pessoal e equipamento contra eventuais rupturas das correntes.

As armaduras e proteções são geralmente fabricadas com chapas ou telas de aço;


possuem portas de acesso para manutenção e inspeção.

2.10. ENGRENAGENS DE CORRENTES

As engrenagens utilizadas nas transmissões por correntes são fabricadas em aço


com tratamento térmico específico. O procedimento para seu dimensionamento deve ser
o mesmo das engrenagens cilíndricas de dentes retos, utilizando critérios de tensão e
desgaste quando necessário. A figura 2.29 mostra algumas destas engrenagens.

Figura 2.29 – Exemplos de engrenagens para correntes.

A figura 2.30 mostra o perfil das engrenagens das correntes e as simbologias das
dimensões necessárias para seu projeto. A tabela 2.8 apresenta o valor destas
dimensões.

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 84


Figura 2.30 – Perfil dos dentes de engrenagens das correntes.

As engrenagens das correntes são fabricadas com precisão e dimensionadas


pelos mesmos processos utilizados para as engrenagens cilíndricas de dentes retos. A
engrenagem motora transmite torque e movimento para a corrente que, por sua vez,
transmite para a engrenagem movida.

Tabela 2.8 – Dimensões das engrenagens das correntes (figura 2.29)

LARGURA DA
DADOS DA CORRENTE
CORRENTE - T
h Rc Q c M2 M3 M4 M5 M6
Dupla
Quád. e
Série passo drolete simples e
acima
tripla
40 12.7 7.92 6.4 13.5 7.0 14.4 7.2 7.0 6.5 21.4 35.8 49.7 64.1 78.5
50 15.875 10.16 7.9 16.9 8.8 18.1 8.7 8.4 7.9 26.5 44.6 62.2 80.3 98.4
60 19.05 11.91 9.5 20.3 10.6 22.8 11.7 11.3 10.6 34.1 56.9 79.0 101.8 124.6
80 25.4 15.88 12.7 27.0 14.1 29.3 14.6 14.1 13.3 43.4 72.7 101.2 130.5 159.8
100 31.75 19.05 15.9 33.8 17.6 35.8 17.6 17.0 16.1 52.8 88.6 123.5 159.3 195.1
120 38.1 22.23 19.1 40.5 21.1 45.4 23.5 22.7 21.5 68.1 113.5 157.7 203.1 248.5
140 44.45 25.40 22.2 47.3 24.7 48.9 23.5 22.7 21.5 71.6 120.5 168.2 217.1 266.0
160 50.8 28.58 25.4 54.0 28.2 58.5 29.4 28.4 27.0 86.9 145.4 202.5 261.0 319.5
200 63.5 39.68 31.8 67.5 35.2 71.6 35.3 34.1 32.5 105.7 177.3 247.3 318.9 390.5
240 76.2 47.63 38.1 81.0 42.3 87.8 44.1 42.7 40.7 130.5 218.3 304.1 391.9 479.7

A figura 2.31 mostra as diversas configurações e tipos de cubos de engrenagens


de correntes de rolos.

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 85


TIPO A L TIPO B L L TIPO C L

B A B A B A D B A D B A D B A D

L1 L1

L L L L L L

B A D B A D B A D B A D B A D B A D

L1 L1
TIPO D TIPO E TIPO F

Figura 2.31 – Tipos de cubos de engrenagens de correntes.

A – furo piloto.
B – furo máximo recomendado.
D – diâmetro do cubo.

Tipo A – Ambos os lados planos.


Tipo B – Cubo em um lado.
Tipo C – Cubo em ambos os lados.
Tipo D – Cubo removível em um lado.
Tipo E – Cubo removível em ambos os lados.
Tipo F – Cubo vazado.

A figura 2.31 mostra uma engrenagem de corrente de rolos e suas respectivas


dimensões principais. As fórmulas utilizadas para os cálculos, em função do passo da
corrente e do número de dentes, são mostradas abaixo.

p
• Diâmetro primitivo: D p =
⎛ 180 o ⎞
sen⎜⎜ ⎟⎟
⎝ z ⎠

⎡ ⎛ 180 o ⎞⎤
• Diâmetro externo: D Ext = p ⋅ ⎢0.6 + cot ⎜⎜ ⎟⎟⎥
⎣ ⎝ z ⎠⎦

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 86


• Diâmetro da base: D B = D p − Drol

⎧ DB → z = par

● Diâmetro caliper: DC = ⎨ ⎛ 90 o ⎞ → z = ímpar
D
⎪ p ⋅ cos⎜⎜ ⎟⎟ − Drol
⎩ ⎝ z ⎠

⎛ ⎛ 180 o ⎞ ⎞
• Diâmetro máximo do cubo: D H = p ⋅ ⎜⎜ cot ⎜⎜ ⎟⎟ − 1⎟ − 0.76

⎝ ⎝ z ⎠ ⎠

onde: p – passo da corrente.


z – número de dentes.
Drol = diâmetro do rolete

A medição de verificação das engrenagens (diâmetro caliper - DC) é feita sobre


dois roletes encaixados em dois intervalos diametralmente opostos, caso o número de
dentes seja par (figura 2.32 (b)); no caso de número de dentes ímpar a medição deve ser
feita sobre dois roletes colocados nos intervalos mais próximo possíveis da posição
diametralmente oposta (figura 2.32 (a)).
D ro
l
C
per - D
tro cali

Diâmetro caliper - D C
Diâme

z = ímpar z = par

Diâmetro máx. do cubo

Diâmetro da base - D B

Diâmetro primitivo - D p

Diâmetro externo - DE

(a) (b)

Figura 2.32 - dimensões principais das engrenagens de corrente de rolos.

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 87


A tabela 2.9, abaixo, apresenta as dimensões já determinadas para as correntes
de rolos normalizadas ANSI.

Tabela 2.9 – Dimensões normalizadas das engrenagens para as correntes de rolos ANSI.

A figura 2.33 abaixo apresenta um projeto de um redutor de correntes.

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 88


Figura 2.33 – Projeto de um redutor de correntes [11]

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 89


EXEMPLO

1. Especifique a corrente adequada para o acionamento abaixo.

n coroa = 200 rpm

700
Motor de combustão
interna com acionamento
hidráulico e choque
pesado n pinhão = 300 rpm
P = 3.73 kW e 300 rpm
z pinhão = 20

SOLUÇÃO:

1º) Potência de Projeto: 3.73 kW = (3.73/0,746) = 5 HP

Pproj = K S ⋅ P = 1{
.4 × 5 ⇒ Pproj = 7.0 HP
Tabela 2.4

2o) Correntes possíveis:

.Pcorr = k1 x k2 x Psimples.

zp = 20 => Tabela 2.5 ⇒ k1 = 1.18

Série
rpm
40 50 60
300 1.85 3.61 6.2 - Tabela 2.3

- Simples ⇒ k2 = 1.0 s60 ⇒ P60 = 1.18 x 1.0 x 6.20 ⇒ P60 = 7.32 HP


- Dupla ⇒ k2 = 1.7 s50 ⇒ P50 = 1.18 x 1.7 x 3.61 ⇒ P50 = 7.24 HP
- Tripla ⇒ k2 = 2.5 s40 ⇒ P40 = 1.18 x 2.5 x 1.85 ⇒ P40 = 5.46 HP
- Quádrupla ⇒ k2 = 3.3 s40 ⇒ P40 = 1.18 x 3.3 x 1.85 ⇒ .P40 = 7.20 HP.
(acima e mais próxima)

3º) Corrente quádrupla série 40: Tabela 2.2 → p = 12.7 mm


ℓ = 7.94 mm
d = 7.92 mm
DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 90
L = 14.38 mm
Fut = 13920 N
m = 6.13 kg

4º) Determinação do no de elos: da equação [07], vem: [c/p = (700/12.7) = 55.12]

L 2 ⋅ c z1 + z 2 ( z 2 − z1 ) ⋅ p 2 ⋅ 700 (20 + 30 ) (30 − 20 )2 ⋅ 12.7


2

= + + = + + ⇒
p p 2 4 ⋅π 2 ⋅ c 12.7 2 4 ⋅ π 2 ⋅ 700

⎧L
⎪ p = 135
L ⎪ L
⇒ = 135,4 → ⎨ (não são múltiplos de zp nem de zc) ⇒ = 136 elos
p ⎪ L = 136 p
⎪⎩ p

5º) Verificação da distância entre centros: (30.p ≤ c ≤ 50.p)

30 ≤ 55.12 ≤ 50 ⇒ não recomendado! (Porém o limite superior é 80.p ⇒ aceitável.)

6º) Cálculo dos diâmetros do pinhão e da coroa:

p 12.7
Dp = = ⇒ Dp = 81.2 mm
⎛ 180 ⎞ ⎛ 180 ⎞
sen⎜ ⎟ sen⎜ ⎟
⎜ z ⎟ ⎝ 20 ⎠
⎝ p ⎠

p 12.7
Dc = = ⇒ Dc = 121.5 mm
⎛ 180 ⎞ ⎛ 180 ⎞
sen⎜⎜ ⎟⎟ sen⎜ ⎟
z
⎝ c ⎠ ⎝ 30 ⎠

π ⋅d ⋅n p⋅z⋅n
7º) v = = ⇒ v1 = 1.27 m/s
60 60

Δv ⎡ ⎛ 180 ⎞ ⎤ ⎡ ⎛ 180 ⎞⎤
= 100 ⋅ ⎢sec⎜ ⎟ − 1⎥ ⋅ ⎢cos⎜ ⎟⎥ ⇒ Δv = 1.23 %
v ⎢⎣ ⎜⎝ z p ⎟⎠ ⎥⎦ ⎢⎣ ⎜⎝ z p ⎟⎠⎥⎦ v

Δv = 0.02 m/s

Resposta: - Corrente quádrupla série 40 – 136 elos.


- Dp = 81.2 mm.
- Dc = 121.5 mm.
- Δv = 0.025 m/s.

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 91


EXERCÍCIOS PROPOSTOS

1) Um pinhão de 23 dentes, girando a 400 rpm, acoplado a um motor de combustão


interna com acionamento hidráulico, transmite, através de correntes padronizadas, a
potência de 16.4 kW, com choque moderado e relação de transmissão 2:1.
Pede-se:
a) especifique a corrente mais adequada à transmissão
b) os diâmetros do pinhão e coroa
c) a variação da velocidade devido ao efeito poligonal

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 92


BIBLIOGRAFIA

LIVROS E ARTIGOS

[01] Dobrovolsky, V., and others, “Machine Elements – A textbook” – 1st edition, Mir
Publishers, Moscow, 1965.

[02] Reshetov, D.N., “Machine Design”, 1st edition, Mir Publishers, Moscow, 1978.

[03] Deutschman, A D., Michels W.J., and Wilson C.E., “Machine Design - Theory and
Practice”, pp 660 - 675 Collier-Macmillan (London) 1975

[04] Shigley J.E. and Mischke C.R.- “Mechanical Engineering Design” - 5th Edition,
McGraw-Hill Book Co. (Singapore) 1989

[05] Stephenson J. and Callander, R. A., “Engineering Design” - John Wiley & Sons
Ltd., Australia, 1974

[06] Juvinall R.C., “Fundamentals of Machine Component Design” - John Wiley &
Sons Ltd., Singapore, 1983

[07] Moxon, C.J., “Transmission Chains - a New Dimension” - New Horizons in Power
Transmission 1984/85 Publisher High Technology Communications.

[08] Spotts, M.F., “Design of Machine Elements”, 6th edition, Prentice Hall Inc.,1985.

[09] Green, Robert E., “Machinery's Handbook”, 24th ed., Industrial Press, Inc., New
York, NY, 1992.

[10] Sandin, C.L., de Marco, F.F. “Sistemas Especialistas - Especificação de Correntes


de Rolos”, Anais do COBEM/97, Ilha Solteira, PR, 1997.

[11] Reshetov, D.N., “Atlas de Construção de Máquinas”, Hemus Editora ltda., São
Paulo, 1979.

[12] Shigley J.E. and Mischke C.R.- “Standard Handbook Of Machine Design” – 2nd
Edition, McGraw-Hill Book Co. – USA - 1996.

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 93


NORMAS

Obs.: As normas britânicas (BS 228) e americanas (AS B.29.1) não são intercambiáveis. Sendo assim a
ISO combinou ambas as normalizações em uma recomendação, a ISO R606, que lista ambos os
tipos de correntes. Para unidades SI a norma alemã DIN 8187/1 normaliza as correntes.

[01] BS 228: 1984 Short Pitch Transmission Precision Roller Chains and Chain Wheels
ISO 606: 1982

[02] BS 4687: 1984 Extended Pitch Precision Roller Chains and Chain Wheels ISO
1275: 1984

[03] BS 6592: 1985 Drive Sprocket Assemblies for Chain Conveyors for Mining ISO
5613: 1984

[04] BS 2947 1985 Steel Roller Chains, Attachments and Chain Wheels for Agricultural
and Similar Machinery ISO 487: 1984

[05] BS 2969 1980 High Tensile Steel Chains for Chain Conveyors and Coal Ploughs
ISO 610: 1979

[06] BS 5801: 1979 Flat Top Chains and Associated Chain Wheels for Conveyors ISO
4348: 1978

[07] ABNT NBR 6391 (EB 385) – Correntes de rolos de aço Tipo S 32 ate S 88, com
suas respectivas rodas dentadas – 1973.

[08] ABNT NBR 6390 (EB 384) – Correntes de transmissão, de precisão, de rolos e
com passo curto e rodas dentadas correspondentes - Dimensões – 1995.

[09] ABNT-PB 479/78 – Correntes de Rolos Industriais Clássicas – 1983.

CATÁLOGOS

[01] DAIDO Industrial e Comercial Ltda.

[02] KAISHIN Indústria e Comércio Ltda.

[03] CATENA Indústria e Comércio ltda.

DEM/UFRJ – Elementos de Máquinas II Prof. Flávio de Marco 94